SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 89
Independência América Espanhola e Latina
A vinda da Família Real à Independência do Brasil
Surgimento do capitalismo Industrial
 Podemos ficar sabendo várias histórias de
independências que ocorreram no continente
americano.
 Mas vamos citar os referencias e alguns das histórias
do no mundo.
 América do Norte, América do Sul e América Central
 As Independências na América ocorreram de maneiras
diferenciadas. A influência dos países colonizadores
acrescentou características específicas às colônias da
Espanha, de Portugal e da Inglaterra.
 Podemos citar que o primeiro país a ficar
independente foi o Estados Unidos.
 O movimento de independência começou na América
no século XVIII.
 Nesta ocasião, as Treze Colônias, que eram de
propriedade da Inglaterra, se manifestaram contra
as cobranças cada vez mais intensas feitas por sua
metrópole. A coroa inglesa implementou uma série de
impostos que exigia muito dos colonos.
 Revoltados, estes organizaram manifestações e
assumiram posturas radicais, tendo como resultado
uma guerra entre colônia e metrópole.
 A primeira recebeu o apoio da França, histórica rival da
Inglaterra, e acabou conquistando sua independência
na década de 1770.
Imagem representando a Independência dos Estados Unidos
 O Haiti vivenciou uma revolta dos escravos contra as
classes dominantes.
 A Revolução Haitiana, que começou em 1789, uniu os
negros que viviam no local
exercendo trabalho compulsório em combate contra a
escravidão e os abusos dos soberanos.
 O evento acabou se tornando a única independência
na América movida por escravos.
 A conseqüência foi o descontentamento das
metrópoles em relação ao Haiti, passando a boicotar o
novo país ou tratá-lo de maneira diferenciada.
 Até hoje é possível notar os efeitos que o descaso de
outros países deixaram e deixam em um país que uniu
escravos para acabar com tal forma de exploração no
trabalho.
Imagem representando a Independência dos Haiti
Localização do Haiti no Mapa Mundi
Natureza do Haiti
Bairro do Haiti
 Já as colônias espanholas na América receberam a
influência de uma série de fatores em
seus processos de independência.
 A Espanha era detentora do maior território colonial
no continente americano, suas posses iam do atual
México até o extremo sul do continente.
 Nestas terras se fortificou uma elite local conhecida
como criollos, que eram os filhos dos espanhóis
nascidos no Novo Mundo.
 Os criollos desenvolveram suas atividades e seus
interesses na América, contestando, várias
vezes, atitudes metropolitanas.
 Internamente, o fortalecimento dos criollos e a
insatisfação com as exigências da metrópole
influenciaram nos movimentos de emancipação.
 Os criollos manifestaram-se em favor de maior
liberdade política e econômica.
 Já no cenário internacional, o exemplo da
independência dos Estados Unidos, davam suas
contribuições para o processo.
 O resultado foi uma série de independências no
território americano que antes pertencia à Espanha,
fragmentando toda a imensa colônia em vários países
durante o século XIX.
 Sem dúvida, a elite letrada da América Espanhola
inspirou-se no conjunto de ideias iluministas.
Bolívar, grande líder das independências americanas
Mapa do Império Espanhol.
Mapa do
Continente
Americano
 Em 16 de setembro de 1810, a independência da Espanha foi
declarada pelo padre Miguel Hidalgo y Costilla, na pequena
cidade de Dolores Hidalgo, Guanajuato.
 Em 1813, foi convocado o Congresso de Chilpancingo e, em
6 de novembro, foi assinada a Ata solene da declaração de
independência da América Setentrional.
 em 1821 os representantes da Coroa Espanhola e Iturbide
assinaram o Trabalho de Córdoba, que reconheceu a
independência do México, nos termos do Plano de Iguala.
 Augustun de Iturbide autoproclamou-se imediatamente
imperador do Primeiro Imperio Mexicano.
Imagem representando a Independência do México
Miguel Hidalgo y Costilla
 Em 1809 ocorreu a primeira insurreição independentista
encabeçada pelo general Francisco de Miranda.
 A independência foi proclamada em 5 de Julho de 1811, mas
Miranda foi preso e foram necessários dez anos de luta
contra as forças espanholas até a decisiva batalha de
Carabobo (1821).
 A Venezuela integrou então a República da Grande
Colômbia, junto com a Colômbia, Equador e Panamá.
 Após a morte de Simón Bolivar, o grande herói da
independência, a Venezuela retirou-se da Grande
Colômbia.
Imagem representando
Francisco de Miranda
Simón Bolivar
 Com a independência da Espanha, em 1821, tornou-se
parte do império de Augustín de Iturbide.
 As Honduras lideraram, a partir de 1824, a União ou
República Federal das Províncias Unidas da América
Central até 1838, ano em que se retiraram
daquela federação, proclamando a total independência
de Honduras a 5 de novembro daquele ano.
 A situação de Estado data de quando a união se
rompeu e uma ininterrupta sucessão
de caudilhos dominou o país no restante do século
XIX.
Bandeira da Honduras
 A Inconfidência Mineira foi um dos mais importantes
movimentos sociais da História do Brasil. Significou a luta
do povo brasileiro pela liberdade, contra a opressão do
governo português no período colonial. Ocorreu em Minas
Gerais no ano de 1789, em pleno ciclo do ouro.
 No final do século XVIII, o Brasil ainda era colônia de
Portugal e sofria com os abusos políticos e com a cobrança
de altas taxas e impostos. Além disso, a metrópole havia
decretado uma série de leis que prejudicavam o
desenvolvimento industrial e comercial do Brasil. No ano
de 1785, por exemplo, Portugal decretou uma lei que
proibia o funcionamento de industrias fabris em território
brasileiro.
 O grupo, liderado pelo alferes Joaquim José da Silva
Xavier, conhecido por Tiradentes era formado pelos poetas
Tomas Antonio Gonzaga e Cláudio Manuel da Costa, o
dono de mina Inácio de Alvarenga, o padre Rolim, entre
outros representantes da elite mineira. A idéia do grupo era
conquistar a liberdade definitiva e implantar o sistema de
governo republicano em nosso país. Sobre a questão da
escravidão, o grupo não possuía uma posição definida.
Estes inconfidentes chegaram a definir até mesmo uma
nova bandeira para o Brasil. Ela seria composta por um
triangulo vermelho num fundo branco, com a inscrição em
latim: Libertas Quae Sera Tamen (Liberdade ainda que
Tardia).
 Os inconfidentes haviam marcado o dia do movimento
para uma data em a derrama seria executada. Desta
forma, poderiam contar com o apoio de parte da população
que estaria revoltada. Porém, um dos
inconfidentes, Joaquim Silvério dos Reis, delatou o
movimento para as autoridades portuguesas, em troca do
perdão de suas dívidas com a coroa. Todos os inconfidentes
foram presos, enviados para a capital (Rio de Janeiro) e
acusados pelo crime de infidelidade ao rei. Alguns
inconfidentes ganharam como punição o degredo para a
África e outros uma pena de prisão.
Porém, Tiradentes, após assumir a liderança do
movimento, foi condenado a forca em praça pública.
 Embora fracassada, podemos considerar a
Inconfidência Mineira como um exemplo valoroso da
luta dos brasileiros pela independência, pela liberdade
e contra um governo que tratava sua colônia com
violência, autoritarismo, ganância e falta de respeito.
Tiradentes: Joaquim José da Silva Xavier
Imagem representando a morte de
Imagem representando a morte de
Cláudio Manuel da Costa
Padre Rolim
Inácio de Alvarenga
Tomas Antonio Gonzaga
Joaquim Silvério dos Reis
 Em janeiro de 1808, Portugal estava preste a ser invadido
pelas tropas francesas comandadas por Napoleão
Bonaparte. Sem condições militares para enfrentar os
franceses, o príncipe regente de Portugal, D. João, resolveu
transferir a corte portuguesa para sua mais importante
colônia, o Brasil. Contou, neste empreendimento, com a
ajuda dos aliados ingleses.
 Em março de 1808, a corte portuguesa foi instalada no Rio
de Janeiro. Muitos moradores, sob ordem de D. João, foram
despejados para que os imóveis fossem usados pelos
funcionários do governo. Este fato gerou, num primeiro
momento, muita insatisfação e transtorno na população da
capital brasileira.
 Uma das principais medidas tomadas por D. João foi
abrir o comércio brasileiro aos países amigos
de Portugal. A principal beneficiada com a medida foi
à Inglaterra, que passou a ter vantagens comerciais e
dominar o comércio com o Brasil. Os produtos ingleses
chegavam ao Brasil com impostos de 15%, enquanto de
outros países deveriam pagar 24%. Este privilégio fez
com que nosso país fosse inundado por produtos
ingleses. Esta medida acabou prejudicando o
desenvolvimento da indústria brasileira.
 D. João adotou várias medidas econômicas que
favoreceram o desenvolvimento brasileiro. Entre as
principais, podemos citar: estímulo ao
estabelecimento de indústrias no Brasil, construção de
estradas, cancelamento da lei que não permitia a
criação de fábricas no Brasil, reformas em portos,
criação do Banco do Brasil e instalação da Junta de
Comércio.
 Do ponto de vista cultural, o Brasil também saiu
ganhando com algumas medidas tomadas por D. João.
O rei trouxe a Missão Francesa para o
Brasil, estimulando o desenvolvimento das artes em
nosso país. Criou o Museu Nacional, a Biblioteca
Real, a Escola Real de Artes e o Observatório
Astronômico. Vários cursos foram criados
(agricultura, cirurgia, química, desenho técnico, etc)
nos estados da Bahia e Rio de Janeiro.
 Os franceses ficaram em Portugal durante poucos
meses, pois o exército inglês conseguiu derrotar as
tropas de Napoleão. O povo português passou a exigir
o retorno do rei que se encontrava no Brasil. Em 1820,
ocorreu a Revolução do Porto, sendo que os
revolucionários vitoriosos passaram a exigir o retorno
de D. João VI para Portugal e a aprovação de
uma Constituição. Pressionado pelos portugueses, D.
João VI resolveu voltar para Portugal, em abril de 1821.
Deixou em seu lugar, no Brasil, o filho D. Pedro como
príncipe regente.
Dom João VI
Brasão da Família Real Lusa
Brasão da Família Real Lusa
Brasão da Família Real LusaPasseio da chegada da família real
Banco do Brasil - 1808
Banco do Brasil - Hoje
Museu Nacional- 1808
Museu Nacional- Hoje
Biblioteca Nacional- 1808
Biblioteca Nacional - Hoje
Escola Real de Artes - 1808
Escola Real de Artes - Hoje
Observatório Astronômico - 1808
Observatório Astronômico – Hoje
 A Independência do Brasil é um dos fatos históricos
mais importantes de nosso país, pois marca o fim do
domínio português e a conquista da autonomia
política. Muitas tentativas anteriores ocorreram e
muitas pessoas morreram na luta por este ideal.
Podemos citar o caso mais conhecido: Tiradentes. Foi
executado pela coroa portuguesa por defender a
liberdade de nosso país, durante o processo da
Inconfidência Mineira.
 Em 9 de janeiro de 1822, D. Pedro I recebeu uma carta
das cortes de Lisboa, exigindo seu retorno para
Portugal. Há tempos os portugueses insistiam nesta
idéia, pois pretendiam recolonizar o Brasil e a presença
de D. Pedro impedia este ideal. Porém, D. Pedro
respondeu negativamente aos chamados de Portugal e
proclamou : "Se é para o bem de todos e felicidade
geral da nação, diga ao povo que fico."
 Após o Dia do Fico, D. Pedro tomou uma série de
medidas que desagradaram a metrópole, pois
preparavam caminho para a independência do Brasil.
D. Pedro convocou uma Assembléia
Constituinte, organizou a Marinha de Guerra, obrigou
as tropas de Portugal a voltarem para o reino.
Determinou também que nenhuma lei de Portugal
seria colocada em vigor sem o “cumpra-se", ou
seja, sem a sua aprovação. Além disso, o futuro
imperador do Brasil, conclamava o povo a lutar pela
independência.
 O príncipe fez uma rápida viagem à Minas Gerais e a
São Paulo para acalmar setores da sociedade que
estavam preocupados com os últimos
acontecimento, pois acreditavam que tudo isto poderia
ocasionar uma desestabilização social. Durante a
viagem, D. Pedro recebeu uma nova carta de Portugal
que anulava a Assembléia Constituinte e exigia a volta
imediata dele para a metrópole.
 Estas notícias chegaram as mãos de D. Pedro quando
este estava em viagem de Santos para São Paulo.
Próximo ao riacho do Ipiranga, levantou a espada e
gritou : " Independência ou Morte !". Este fato ocorreu
no dia 7 de setembro de 1822 e marcou a
Independência do Brasil. No mês de dezembro de
1822, D. Pedro foi declarado imperador do Brasil.
 Embora tenha sido de grande valor, este fato histórico
não provocou rupturas sociais no Brasil. O povo mais
pobre se quer acompanhou ou entendeu o significado
da independência. A estrutura agrária continuou a
mesma, a escravidão se manteve e a distribuição de
renda continuou desigual. A elite agrária, que deu
suporte D. Pedro I, foi a camada que mais se
beneficiou.
 O Período Regencial é uma época da História do Brasil
entre os anos de 1831 e 1840. Quando o imperador D.
Pedro I abdicou do poder em 1831, seu filho e herdeiro
do trono D. Pedro de Alcântara tinha apenas 5 anos de
idade. A Constituição brasileira do período
determinava, neste caso, que o país deveria ser
governado por regentes, até o herdeiro atingir a
maioridade (18 anos).
 O Brasil passou por uma grave crise política e diversas
revoltas durante o período regencial. Assim
considerando um período tumultuado.
 A crise política deveu-se, principalmente, a disputa
pelo controle do governo entre diversos grupos
políticos: Restauradores (defendiam a volta de D.
Pedro I ao poder); Moderados (voto só para os ricos e
continuação da Monarquia) e Exaltados (queriam
reformas para melhorar a vida dos mais necessitados e
voto para todas as pessoas).
 As revoltas ocorrem basicamente por dois motivos:
más condições de vida de grande parte da população
(mais pobres) e vontade das elites locais em aumentar
seu poder e serem atendidas pelo governo.
 Motivada pelas péssimas condições de vida em que
vivia a grande maioria dos moradores da província do
Grão-Pará.
 Ocorreu na província do Maranhão. A causa principal
foi a exploração da população mais pobre por parte dos
grandes produtores rurais.
 Ocorreu na província da Bahia. Motivada pela
insatisfação de militares e camadas médias e ricas da
população com o governo regencial.
 Ocorreu no Rio Grande do Sul. Os revoltosos
(farroupilhas) queriam mais liberdade para as
províncias e reformas econômicas.
 A Revolta dos Malês foi um movimento que ocorreu na
cidade de Salvador (província da Bahia) entre os dias
25 e 27 de janeiro de 1835. Os principais personagens
desta revolta foram os negros islâmicos que exerciam
atividades livres, conhecidos como negros de ganho
(alfaiates, pequenos comerciantes, artesãos e
carpinteiros). Apesar de livres, sofriam muita
discriminação por serem negros e seguidores
do islamismo. Em função destas
condições, encontravam muitas dificuldades para
ascender socialmente.
Ilustração da Revolta dos Malês
 Regência Trina Provisória (1831):
Brigadeiro Francisco Lima e
Silva
Senador Vergueiro Marques de Caravelas
 Regência Trina Permanente (1831 a 1835):
José da Costa Carvalho João Bráulio Muniz Brigadeiro Francisco Lima e
Silva
 Regência Una de Feijó (1835 a 1837):
Diogo Antonio de Feijó
 Regência Interina de Araújo Lima (1871):
Pedro de Araújo Lima
 Regência Una de Araújo Lima (1838 a 1840):
Pedro de Araújo Lima
 Os políticos brasileiros e grande parte da população
acreditavam que a grave crise que o país enfrentava era
fruto, principalmente, da falta de um imperador forte e
com poderes para enfrentar a situação.
 Em 23 de julho de 1840, com apoio do Partido Liberal,
foi antecipada pelo Senado Federal a maioridade de D.
Pedro II (antes de completar 14 anos) e declarado o fim
das regências. Esse episódio ficou conhecido como o
Golpe da Maioridade. Foi uma forma encontrada pelos
políticos brasileiros de dar poder e autoridade ao
jovem imperador para que as revoltas pudessem ser
debeladas e a ordem restaurada no Brasil.
Dom Pedro II – aos 12 anos
Pedro de Alcântara João
Carlos Leopoldo
Salvador Bibiano
Francisco Xavier de
Paula Leocádio Miguel
Gabriel Rafael Gonzaga
– Dom Pedro II
 A Revolução Industrial teve início no século
XVIII, na Inglaterra, com a mecanização dos sistemas
de produção.
 Enquanto na Idade Média o artesanato era a forma de
produzir mais utilizada, na Idade Moderna tudo
mudou.
 A burguesia industrial, ávida por maiores
lucros, menores custos e produção acelerada, buscou
alternativas para melhorar a produção de mercadorias.
 Também podemos apontar o crescimento
populacional, que trouxe maior demanda de produtos
e mercadorias.
 Foi a Inglaterra o país que saiu na frente no processo de
Revolução Industrial do século XVIII.
 A Inglaterra possuía grandes reservas de carvão
mineral em seu subsolo, ou seja, a principal fonte de
energia para movimentar as máquinas e as locomotivas
à vapor.
 A mão-de-obra disponível em abundância (desde a Lei
dos Cercamentos de Terras ), também favoreceu a
Inglaterra, pois havia uma massa de trabalhadores
procurando emprego nas cidades inglesas do século
XVIII.
 O século XVIII foi marcado pelo grande
salto tecnológicos nos transportes e máquinas.
 As máquinas a vapor, principalmente os gigantes
teares, revolucionou o modo de produzir.
 Na área de transportes, podemos destacar a invenção das
locomotivas a vapor (maria fumaça) e os trens a vapor.
 As fábricas do início da Revolução Industrial não
apresentavam o melhor dos ambientes de trabalho.
 Eram ambientes com péssima iluminação, abafados e sujos.
 Os salários recebidos pelos trabalhadores eram muito
baixos e chegava-se a empregar o trabalho infantil e
feminino. Os empregados chegavam a trabalhar até 18
horas por dia e estavam sujeitos a castigos físicos dos
patrões.
Esquema Síntese da Revolução Industrial.
Imagem de cidade na era da industrialização do séc. XIX
Trabalhadora na maquina de Tear.
Símbolo da Industrialização.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O processo de independência da américa portuguesa
O processo de independência da américa portuguesaO processo de independência da américa portuguesa
O processo de independência da américa portuguesaLuciana Soares
 
Independência América Espanhola
Independência América EspanholaIndependência América Espanhola
Independência América Espanholadmflores21
 
A independência da américa espanhola
A independência da américa espanholaA independência da américa espanhola
A independência da américa espanholahistoriando
 
Inconfidência mineira e independência do brasil
Inconfidência mineira e independência do brasilInconfidência mineira e independência do brasil
Inconfidência mineira e independência do brasilJefferson Barroso
 
Roteiro de Aula - Da Crise do Sistema Colonial de Exploração à Proclamação da...
Roteiro de Aula - Da Crise do Sistema Colonial de Exploração à Proclamação da...Roteiro de Aula - Da Crise do Sistema Colonial de Exploração à Proclamação da...
Roteiro de Aula - Da Crise do Sistema Colonial de Exploração à Proclamação da...josafaslima
 
Processo de Independência da América
Processo de Independência da AméricaProcesso de Independência da América
Processo de Independência da AméricaLú Carvalho
 
Independência da américa hispânica
Independência da américa hispânicaIndependência da américa hispânica
Independência da américa hispânicaPROFºWILTONREIS
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América EspanholaAulas de História
 
Independência da américa espanhola (1)
Independência da américa espanhola (1)Independência da américa espanhola (1)
Independência da américa espanhola (1)migueldrj
 
Independência das colônias da América espanhola
Independência das colônias da América espanholaIndependência das colônias da América espanhola
Independência das colônias da América espanholaDaniele Lopes
 
K independência da américa espanhola (1)
K  independência da américa espanhola (1)K  independência da américa espanhola (1)
K independência da américa espanhola (1)Marcia Fernandes
 
Independência das Colônias Espanholas
Independência das Colônias EspanholasIndependência das Colônias Espanholas
Independência das Colônias EspanholasGmsantos23
 
História do brasil
História do brasilHistória do brasil
História do brasildinicmax
 
Independência das colônias espanholas e haiti
Independência das colônias espanholas e haitiIndependência das colônias espanholas e haiti
Independência das colônias espanholas e haitiNaiani Fenalti
 
Independência da América Espanhol
Independência da América EspanholIndependência da América Espanhol
Independência da América EspanholMurilo Benevides
 

Mais procurados (20)

O processo de independência da américa portuguesa
O processo de independência da américa portuguesaO processo de independência da américa portuguesa
O processo de independência da américa portuguesa
 
Independência América Espanhola
Independência América EspanholaIndependência América Espanhola
Independência América Espanhola
 
A independência da américa espanhola
A independência da américa espanholaA independência da américa espanhola
A independência da américa espanhola
 
Inconfidência mineira e independência do brasil
Inconfidência mineira e independência do brasilInconfidência mineira e independência do brasil
Inconfidência mineira e independência do brasil
 
Roteiro de Aula - Da Crise do Sistema Colonial de Exploração à Proclamação da...
Roteiro de Aula - Da Crise do Sistema Colonial de Exploração à Proclamação da...Roteiro de Aula - Da Crise do Sistema Colonial de Exploração à Proclamação da...
Roteiro de Aula - Da Crise do Sistema Colonial de Exploração à Proclamação da...
 
Capitulo 08 indep da america espanhola
Capitulo 08  indep da america espanholaCapitulo 08  indep da america espanhola
Capitulo 08 indep da america espanhola
 
Processo de Independência da América
Processo de Independência da AméricaProcesso de Independência da América
Processo de Independência da América
 
Independência das americas
Independência das americasIndependência das americas
Independência das americas
 
Independência da américa hispânica
Independência da américa hispânicaIndependência da américa hispânica
Independência da américa hispânica
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
 
Independência da américa espanhola (1)
Independência da américa espanhola (1)Independência da américa espanhola (1)
Independência da américa espanhola (1)
 
Independência das colônias da América espanhola
Independência das colônias da América espanholaIndependência das colônias da América espanhola
Independência das colônias da América espanhola
 
K independência da américa espanhola (1)
K  independência da américa espanhola (1)K  independência da américa espanhola (1)
K independência da américa espanhola (1)
 
Independência da américa espanhola 2013
Independência da américa espanhola 2013Independência da américa espanhola 2013
Independência da américa espanhola 2013
 
Independência das Colônias Espanholas
Independência das Colônias EspanholasIndependência das Colônias Espanholas
Independência das Colônias Espanholas
 
História do brasil
História do brasilHistória do brasil
História do brasil
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
 
Independência das colônias espanholas e haiti
Independência das colônias espanholas e haitiIndependência das colônias espanholas e haiti
Independência das colônias espanholas e haiti
 
Independência da América Espanhol
Independência da América EspanholIndependência da América Espanhol
Independência da América Espanhol
 
Independencia America espanhola
Independencia America espanholaIndependencia America espanhola
Independencia America espanhola
 

Destaque

2° ano - Processos de Independência na América
2° ano - Processos de Independência na América2° ano - Processos de Independência na América
2° ano - Processos de Independência na AméricaDaniel Alves Bronstrup
 
Independência da América Latina: Haiti, colônias espanholas e portuguesa
Independência da América Latina: Haiti, colônias espanholas e portuguesaIndependência da América Latina: Haiti, colônias espanholas e portuguesa
Independência da América Latina: Haiti, colônias espanholas e portuguesaEdvaldo Lopes
 
Independência na américa espanhola
Independência na américa espanholaIndependência na américa espanhola
Independência na américa espanholaAdauto Ferreira
 
A independência da américa latina
A independência da américa latinaA independência da américa latina
A independência da américa latinaIsaquel Silva
 
RestauraçãO Da IndependêNcia De Portugal
RestauraçãO Da IndependêNcia De PortugalRestauraçãO Da IndependêNcia De Portugal
RestauraçãO Da IndependêNcia De PortugalSílvia Mendonça
 
Independência da américa portuguesa
Independência da américa portuguesaIndependência da américa portuguesa
Independência da américa portuguesaRodrigo Luiz
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América EspanholaClaudenilson da Silva
 
A Restauração Da Independência
A Restauração Da IndependênciaA Restauração Da Independência
A Restauração Da IndependênciaRui Neto
 
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA Isabel Aguiar
 

Destaque (9)

2° ano - Processos de Independência na América
2° ano - Processos de Independência na América2° ano - Processos de Independência na América
2° ano - Processos de Independência na América
 
Independência da América Latina: Haiti, colônias espanholas e portuguesa
Independência da América Latina: Haiti, colônias espanholas e portuguesaIndependência da América Latina: Haiti, colônias espanholas e portuguesa
Independência da América Latina: Haiti, colônias espanholas e portuguesa
 
Independência na américa espanhola
Independência na américa espanholaIndependência na américa espanhola
Independência na américa espanhola
 
A independência da américa latina
A independência da américa latinaA independência da américa latina
A independência da américa latina
 
RestauraçãO Da IndependêNcia De Portugal
RestauraçãO Da IndependêNcia De PortugalRestauraçãO Da IndependêNcia De Portugal
RestauraçãO Da IndependêNcia De Portugal
 
Independência da américa portuguesa
Independência da américa portuguesaIndependência da américa portuguesa
Independência da américa portuguesa
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
 
A Restauração Da Independência
A Restauração Da IndependênciaA Restauração Da Independência
A Restauração Da Independência
 
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
 

Semelhante a Independencias

3ano 2bi historia_pe1
3ano 2bi historia_pe13ano 2bi historia_pe1
3ano 2bi historia_pe1takahico
 
Aula 14 américa espanhola
Aula 14   américa espanholaAula 14   américa espanhola
Aula 14 américa espanholaJonatas Carlos
 
Capítulo 8-Independência do Brasil.ppt
Capítulo 8-Independência do Brasil.pptCapítulo 8-Independência do Brasil.ppt
Capítulo 8-Independência do Brasil.pptBetoFonseca8
 
Historiadaamerica2185200917911
Historiadaamerica2185200917911Historiadaamerica2185200917911
Historiadaamerica2185200917911fioravanti_silvia
 
História 2 em-independência-espanhola-2º-ano-em1
História 2 em-independência-espanhola-2º-ano-em1História 2 em-independência-espanhola-2º-ano-em1
História 2 em-independência-espanhola-2º-ano-em1Privada
 
A Independência Na América - Prof.Altair Aguilar
A Independência Na América - Prof.Altair AguilarA Independência Na América - Prof.Altair Aguilar
A Independência Na América - Prof.Altair AguilarAltair Moisés Aguilar
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasilIsabel Aguiar
 
Resenha origens da independencia da américa espanhola-bethel
Resenha origens da independencia da américa espanhola-bethelResenha origens da independencia da américa espanhola-bethel
Resenha origens da independencia da américa espanhola-bethelSandra Kroetz
 
Celso blog oitavo ano atv 3
Celso blog oitavo ano atv 3Celso blog oitavo ano atv 3
Celso blog oitavo ano atv 3DiedNuenf
 
Revisão de história 2º ano 2º bimestre
Revisão de história 2º ano 2º bimestreRevisão de história 2º ano 2º bimestre
Revisão de história 2º ano 2º bimestreeunamahcado
 
A independência da américa espanhola
A independência da américa espanholaA independência da américa espanhola
A independência da américa espanholaNelia Salles Nantes
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdfVítor Santos
 
Resenha origens da independencia da américa espanhola-bethel
Resenha origens da independencia da américa espanhola-bethelResenha origens da independencia da américa espanhola-bethel
Resenha origens da independencia da américa espanhola-bethelSandra Kroetz
 
Os movimentos de libertacao
Os movimentos de  libertacaoOs movimentos de  libertacao
Os movimentos de libertacaoDeaaSouza
 

Semelhante a Independencias (20)

3ano 2bi historia_pe1
3ano 2bi historia_pe13ano 2bi historia_pe1
3ano 2bi historia_pe1
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
 
Aula 14 américa espanhola
Aula 14   américa espanholaAula 14   américa espanhola
Aula 14 américa espanhola
 
Capítulo 8-Independência do Brasil.ppt
Capítulo 8-Independência do Brasil.pptCapítulo 8-Independência do Brasil.ppt
Capítulo 8-Independência do Brasil.ppt
 
Historiadaamerica2185200917911
Historiadaamerica2185200917911Historiadaamerica2185200917911
Historiadaamerica2185200917911
 
Independencia Brasil e America espanhola
Independencia Brasil e America espanholaIndependencia Brasil e America espanhola
Independencia Brasil e America espanhola
 
Apostila eja - unid. 7
Apostila eja - unid. 7Apostila eja - unid. 7
Apostila eja - unid. 7
 
História 2 em-independência-espanhola-2º-ano-em1
História 2 em-independência-espanhola-2º-ano-em1História 2 em-independência-espanhola-2º-ano-em1
História 2 em-independência-espanhola-2º-ano-em1
 
Independências americanas
Independências americanasIndependências americanas
Independências americanas
 
A Independência Na América - Prof.Altair Aguilar
A Independência Na América - Prof.Altair AguilarA Independência Na América - Prof.Altair Aguilar
A Independência Na América - Prof.Altair Aguilar
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
 
Resenha origens da independencia da américa espanhola-bethel
Resenha origens da independencia da américa espanhola-bethelResenha origens da independencia da américa espanhola-bethel
Resenha origens da independencia da américa espanhola-bethel
 
Celso blog oitavo ano atv 3
Celso blog oitavo ano atv 3Celso blog oitavo ano atv 3
Celso blog oitavo ano atv 3
 
Revisão de história 2º ano 2º bimestre
Revisão de história 2º ano 2º bimestreRevisão de história 2º ano 2º bimestre
Revisão de história 2º ano 2º bimestre
 
Revisão – pas.1pptx
Revisão – pas.1pptxRevisão – pas.1pptx
Revisão – pas.1pptx
 
A independência da américa espanhola
A independência da américa espanholaA independência da américa espanhola
A independência da américa espanhola
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
 
Resenha origens da independencia da américa espanhola-bethel
Resenha origens da independencia da américa espanhola-bethelResenha origens da independencia da américa espanhola-bethel
Resenha origens da independencia da américa espanhola-bethel
 
QUESTÕES DE VESTIBULAR: INDEPENDÊNCIA NAS AMÉRICAS
QUESTÕES DE VESTIBULAR: INDEPENDÊNCIA NAS AMÉRICASQUESTÕES DE VESTIBULAR: INDEPENDÊNCIA NAS AMÉRICAS
QUESTÕES DE VESTIBULAR: INDEPENDÊNCIA NAS AMÉRICAS
 
Os movimentos de libertacao
Os movimentos de  libertacaoOs movimentos de  libertacao
Os movimentos de libertacao
 

Mais de dinicmax

Símbolos blog
Símbolos   blogSímbolos   blog
Símbolos blogdinicmax
 
O que nos une blog
O que nos une   blogO que nos une   blog
O que nos une blogdinicmax
 
Estado e governo blog
Estado e governo   blogEstado e governo   blog
Estado e governo blogdinicmax
 
O trabalho nas nossas vidas blog
O trabalho nas nossas vidas   blogO trabalho nas nossas vidas   blog
O trabalho nas nossas vidas blogdinicmax
 
O povo e suas manifestações
O povo e suas manifestaçõesO povo e suas manifestações
O povo e suas manifestaçõesdinicmax
 
A cultura do homem
A cultura do homemA cultura do homem
A cultura do homemdinicmax
 
O jovem na sociedade
O jovem na sociedadeO jovem na sociedade
O jovem na sociedadedinicmax
 
A sociologia e a sociedade
A sociologia e a sociedadeA sociologia e a sociedade
A sociologia e a sociedadedinicmax
 
Cidadão e cidadania
Cidadão e cidadaniaCidadão e cidadania
Cidadão e cidadaniadinicmax
 
Diversidades no brasil
Diversidades no brasilDiversidades no brasil
Diversidades no brasildinicmax
 
Redemocratização e neoliberalismo
Redemocratização e  neoliberalismoRedemocratização e  neoliberalismo
Redemocratização e neoliberalismodinicmax
 
Reforma agrária no brasil
Reforma agrária no brasilReforma agrária no brasil
Reforma agrária no brasildinicmax
 
Redemocratização
RedemocratizaçãoRedemocratização
Redemocratizaçãodinicmax
 
Manifestações culturais no brasil durante a ditadura
Manifestações culturais no brasil durante a ditaduraManifestações culturais no brasil durante a ditadura
Manifestações culturais no brasil durante a ditaduradinicmax
 
Direitos humanos
Direitos humanosDireitos humanos
Direitos humanosdinicmax
 
Ditadura militar e direitos humanos
Ditadura militar e direitos humanosDitadura militar e direitos humanos
Ditadura militar e direitos humanosdinicmax
 
Década de 60
Década de 60Década de 60
Década de 60dinicmax
 
História 2º ano 3º
História   2º ano 3ºHistória   2º ano 3º
História 2º ano 3ºdinicmax
 
Movimentos políticos na década 50
Movimentos políticos na década 50Movimentos políticos na década 50
Movimentos políticos na década 50dinicmax
 

Mais de dinicmax (20)

Símbolos blog
Símbolos   blogSímbolos   blog
Símbolos blog
 
O que nos une blog
O que nos une   blogO que nos une   blog
O que nos une blog
 
Estado e governo blog
Estado e governo   blogEstado e governo   blog
Estado e governo blog
 
O trabalho nas nossas vidas blog
O trabalho nas nossas vidas   blogO trabalho nas nossas vidas   blog
O trabalho nas nossas vidas blog
 
O povo e suas manifestações
O povo e suas manifestaçõesO povo e suas manifestações
O povo e suas manifestações
 
A cultura do homem
A cultura do homemA cultura do homem
A cultura do homem
 
O jovem na sociedade
O jovem na sociedadeO jovem na sociedade
O jovem na sociedade
 
A sociologia e a sociedade
A sociologia e a sociedadeA sociologia e a sociedade
A sociologia e a sociedade
 
Cidadão e cidadania
Cidadão e cidadaniaCidadão e cidadania
Cidadão e cidadania
 
Diversidades no brasil
Diversidades no brasilDiversidades no brasil
Diversidades no brasil
 
Redemocratização e neoliberalismo
Redemocratização e  neoliberalismoRedemocratização e  neoliberalismo
Redemocratização e neoliberalismo
 
Reforma agrária no brasil
Reforma agrária no brasilReforma agrária no brasil
Reforma agrária no brasil
 
Redemocratização
RedemocratizaçãoRedemocratização
Redemocratização
 
Manifestações culturais no brasil durante a ditadura
Manifestações culturais no brasil durante a ditaduraManifestações culturais no brasil durante a ditadura
Manifestações culturais no brasil durante a ditadura
 
Direitos humanos
Direitos humanosDireitos humanos
Direitos humanos
 
História
HistóriaHistória
História
 
Ditadura militar e direitos humanos
Ditadura militar e direitos humanosDitadura militar e direitos humanos
Ditadura militar e direitos humanos
 
Década de 60
Década de 60Década de 60
Década de 60
 
História 2º ano 3º
História   2º ano 3ºHistória   2º ano 3º
História 2º ano 3º
 
Movimentos políticos na década 50
Movimentos políticos na década 50Movimentos políticos na década 50
Movimentos políticos na década 50
 

Independencias

  • 1. Independência América Espanhola e Latina A vinda da Família Real à Independência do Brasil Surgimento do capitalismo Industrial
  • 2.  Podemos ficar sabendo várias histórias de independências que ocorreram no continente americano.  Mas vamos citar os referencias e alguns das histórias do no mundo.  América do Norte, América do Sul e América Central  As Independências na América ocorreram de maneiras diferenciadas. A influência dos países colonizadores acrescentou características específicas às colônias da Espanha, de Portugal e da Inglaterra.
  • 3.  Podemos citar que o primeiro país a ficar independente foi o Estados Unidos.  O movimento de independência começou na América no século XVIII.  Nesta ocasião, as Treze Colônias, que eram de propriedade da Inglaterra, se manifestaram contra as cobranças cada vez mais intensas feitas por sua metrópole. A coroa inglesa implementou uma série de impostos que exigia muito dos colonos.
  • 4.  Revoltados, estes organizaram manifestações e assumiram posturas radicais, tendo como resultado uma guerra entre colônia e metrópole.  A primeira recebeu o apoio da França, histórica rival da Inglaterra, e acabou conquistando sua independência na década de 1770.
  • 5. Imagem representando a Independência dos Estados Unidos
  • 6.  O Haiti vivenciou uma revolta dos escravos contra as classes dominantes.  A Revolução Haitiana, que começou em 1789, uniu os negros que viviam no local exercendo trabalho compulsório em combate contra a escravidão e os abusos dos soberanos.  O evento acabou se tornando a única independência na América movida por escravos.
  • 7.  A conseqüência foi o descontentamento das metrópoles em relação ao Haiti, passando a boicotar o novo país ou tratá-lo de maneira diferenciada.  Até hoje é possível notar os efeitos que o descaso de outros países deixaram e deixam em um país que uniu escravos para acabar com tal forma de exploração no trabalho.
  • 8. Imagem representando a Independência dos Haiti
  • 9. Localização do Haiti no Mapa Mundi
  • 12.  Já as colônias espanholas na América receberam a influência de uma série de fatores em seus processos de independência.  A Espanha era detentora do maior território colonial no continente americano, suas posses iam do atual México até o extremo sul do continente.  Nestas terras se fortificou uma elite local conhecida como criollos, que eram os filhos dos espanhóis nascidos no Novo Mundo.
  • 13.  Os criollos desenvolveram suas atividades e seus interesses na América, contestando, várias vezes, atitudes metropolitanas.  Internamente, o fortalecimento dos criollos e a insatisfação com as exigências da metrópole influenciaram nos movimentos de emancipação.  Os criollos manifestaram-se em favor de maior liberdade política e econômica.
  • 14.  Já no cenário internacional, o exemplo da independência dos Estados Unidos, davam suas contribuições para o processo.  O resultado foi uma série de independências no território americano que antes pertencia à Espanha, fragmentando toda a imensa colônia em vários países durante o século XIX.  Sem dúvida, a elite letrada da América Espanhola inspirou-se no conjunto de ideias iluministas.
  • 15. Bolívar, grande líder das independências americanas
  • 16. Mapa do Império Espanhol.
  • 18.  Em 16 de setembro de 1810, a independência da Espanha foi declarada pelo padre Miguel Hidalgo y Costilla, na pequena cidade de Dolores Hidalgo, Guanajuato.  Em 1813, foi convocado o Congresso de Chilpancingo e, em 6 de novembro, foi assinada a Ata solene da declaração de independência da América Setentrional.  em 1821 os representantes da Coroa Espanhola e Iturbide assinaram o Trabalho de Córdoba, que reconheceu a independência do México, nos termos do Plano de Iguala.  Augustun de Iturbide autoproclamou-se imediatamente imperador do Primeiro Imperio Mexicano.
  • 19. Imagem representando a Independência do México
  • 20. Miguel Hidalgo y Costilla
  • 21.  Em 1809 ocorreu a primeira insurreição independentista encabeçada pelo general Francisco de Miranda.  A independência foi proclamada em 5 de Julho de 1811, mas Miranda foi preso e foram necessários dez anos de luta contra as forças espanholas até a decisiva batalha de Carabobo (1821).  A Venezuela integrou então a República da Grande Colômbia, junto com a Colômbia, Equador e Panamá.  Após a morte de Simón Bolivar, o grande herói da independência, a Venezuela retirou-se da Grande Colômbia.
  • 25.  Com a independência da Espanha, em 1821, tornou-se parte do império de Augustín de Iturbide.  As Honduras lideraram, a partir de 1824, a União ou República Federal das Províncias Unidas da América Central até 1838, ano em que se retiraram daquela federação, proclamando a total independência de Honduras a 5 de novembro daquele ano.  A situação de Estado data de quando a união se rompeu e uma ininterrupta sucessão de caudilhos dominou o país no restante do século XIX.
  • 27.  A Inconfidência Mineira foi um dos mais importantes movimentos sociais da História do Brasil. Significou a luta do povo brasileiro pela liberdade, contra a opressão do governo português no período colonial. Ocorreu em Minas Gerais no ano de 1789, em pleno ciclo do ouro.  No final do século XVIII, o Brasil ainda era colônia de Portugal e sofria com os abusos políticos e com a cobrança de altas taxas e impostos. Além disso, a metrópole havia decretado uma série de leis que prejudicavam o desenvolvimento industrial e comercial do Brasil. No ano de 1785, por exemplo, Portugal decretou uma lei que proibia o funcionamento de industrias fabris em território brasileiro.
  • 28.  O grupo, liderado pelo alferes Joaquim José da Silva Xavier, conhecido por Tiradentes era formado pelos poetas Tomas Antonio Gonzaga e Cláudio Manuel da Costa, o dono de mina Inácio de Alvarenga, o padre Rolim, entre outros representantes da elite mineira. A idéia do grupo era conquistar a liberdade definitiva e implantar o sistema de governo republicano em nosso país. Sobre a questão da escravidão, o grupo não possuía uma posição definida. Estes inconfidentes chegaram a definir até mesmo uma nova bandeira para o Brasil. Ela seria composta por um triangulo vermelho num fundo branco, com a inscrição em latim: Libertas Quae Sera Tamen (Liberdade ainda que Tardia).
  • 29.  Os inconfidentes haviam marcado o dia do movimento para uma data em a derrama seria executada. Desta forma, poderiam contar com o apoio de parte da população que estaria revoltada. Porém, um dos inconfidentes, Joaquim Silvério dos Reis, delatou o movimento para as autoridades portuguesas, em troca do perdão de suas dívidas com a coroa. Todos os inconfidentes foram presos, enviados para a capital (Rio de Janeiro) e acusados pelo crime de infidelidade ao rei. Alguns inconfidentes ganharam como punição o degredo para a África e outros uma pena de prisão. Porém, Tiradentes, após assumir a liderança do movimento, foi condenado a forca em praça pública.
  • 30.  Embora fracassada, podemos considerar a Inconfidência Mineira como um exemplo valoroso da luta dos brasileiros pela independência, pela liberdade e contra um governo que tratava sua colônia com violência, autoritarismo, ganância e falta de respeito.
  • 31. Tiradentes: Joaquim José da Silva Xavier
  • 39.
  • 40.  Em janeiro de 1808, Portugal estava preste a ser invadido pelas tropas francesas comandadas por Napoleão Bonaparte. Sem condições militares para enfrentar os franceses, o príncipe regente de Portugal, D. João, resolveu transferir a corte portuguesa para sua mais importante colônia, o Brasil. Contou, neste empreendimento, com a ajuda dos aliados ingleses.  Em março de 1808, a corte portuguesa foi instalada no Rio de Janeiro. Muitos moradores, sob ordem de D. João, foram despejados para que os imóveis fossem usados pelos funcionários do governo. Este fato gerou, num primeiro momento, muita insatisfação e transtorno na população da capital brasileira.
  • 41.  Uma das principais medidas tomadas por D. João foi abrir o comércio brasileiro aos países amigos de Portugal. A principal beneficiada com a medida foi à Inglaterra, que passou a ter vantagens comerciais e dominar o comércio com o Brasil. Os produtos ingleses chegavam ao Brasil com impostos de 15%, enquanto de outros países deveriam pagar 24%. Este privilégio fez com que nosso país fosse inundado por produtos ingleses. Esta medida acabou prejudicando o desenvolvimento da indústria brasileira.
  • 42.  D. João adotou várias medidas econômicas que favoreceram o desenvolvimento brasileiro. Entre as principais, podemos citar: estímulo ao estabelecimento de indústrias no Brasil, construção de estradas, cancelamento da lei que não permitia a criação de fábricas no Brasil, reformas em portos, criação do Banco do Brasil e instalação da Junta de Comércio.
  • 43.  Do ponto de vista cultural, o Brasil também saiu ganhando com algumas medidas tomadas por D. João. O rei trouxe a Missão Francesa para o Brasil, estimulando o desenvolvimento das artes em nosso país. Criou o Museu Nacional, a Biblioteca Real, a Escola Real de Artes e o Observatório Astronômico. Vários cursos foram criados (agricultura, cirurgia, química, desenho técnico, etc) nos estados da Bahia e Rio de Janeiro.
  • 44.  Os franceses ficaram em Portugal durante poucos meses, pois o exército inglês conseguiu derrotar as tropas de Napoleão. O povo português passou a exigir o retorno do rei que se encontrava no Brasil. Em 1820, ocorreu a Revolução do Porto, sendo que os revolucionários vitoriosos passaram a exigir o retorno de D. João VI para Portugal e a aprovação de uma Constituição. Pressionado pelos portugueses, D. João VI resolveu voltar para Portugal, em abril de 1821. Deixou em seu lugar, no Brasil, o filho D. Pedro como príncipe regente.
  • 46. Brasão da Família Real Lusa
  • 47. Brasão da Família Real Lusa
  • 48. Brasão da Família Real LusaPasseio da chegada da família real
  • 49. Banco do Brasil - 1808
  • 50. Banco do Brasil - Hoje
  • 55. Escola Real de Artes - 1808
  • 56. Escola Real de Artes - Hoje
  • 59.  A Independência do Brasil é um dos fatos históricos mais importantes de nosso país, pois marca o fim do domínio português e a conquista da autonomia política. Muitas tentativas anteriores ocorreram e muitas pessoas morreram na luta por este ideal. Podemos citar o caso mais conhecido: Tiradentes. Foi executado pela coroa portuguesa por defender a liberdade de nosso país, durante o processo da Inconfidência Mineira.
  • 60.  Em 9 de janeiro de 1822, D. Pedro I recebeu uma carta das cortes de Lisboa, exigindo seu retorno para Portugal. Há tempos os portugueses insistiam nesta idéia, pois pretendiam recolonizar o Brasil e a presença de D. Pedro impedia este ideal. Porém, D. Pedro respondeu negativamente aos chamados de Portugal e proclamou : "Se é para o bem de todos e felicidade geral da nação, diga ao povo que fico."
  • 61.  Após o Dia do Fico, D. Pedro tomou uma série de medidas que desagradaram a metrópole, pois preparavam caminho para a independência do Brasil. D. Pedro convocou uma Assembléia Constituinte, organizou a Marinha de Guerra, obrigou as tropas de Portugal a voltarem para o reino. Determinou também que nenhuma lei de Portugal seria colocada em vigor sem o “cumpra-se", ou seja, sem a sua aprovação. Além disso, o futuro imperador do Brasil, conclamava o povo a lutar pela independência.
  • 62.  O príncipe fez uma rápida viagem à Minas Gerais e a São Paulo para acalmar setores da sociedade que estavam preocupados com os últimos acontecimento, pois acreditavam que tudo isto poderia ocasionar uma desestabilização social. Durante a viagem, D. Pedro recebeu uma nova carta de Portugal que anulava a Assembléia Constituinte e exigia a volta imediata dele para a metrópole.
  • 63.  Estas notícias chegaram as mãos de D. Pedro quando este estava em viagem de Santos para São Paulo. Próximo ao riacho do Ipiranga, levantou a espada e gritou : " Independência ou Morte !". Este fato ocorreu no dia 7 de setembro de 1822 e marcou a Independência do Brasil. No mês de dezembro de 1822, D. Pedro foi declarado imperador do Brasil.
  • 64.  Embora tenha sido de grande valor, este fato histórico não provocou rupturas sociais no Brasil. O povo mais pobre se quer acompanhou ou entendeu o significado da independência. A estrutura agrária continuou a mesma, a escravidão se manteve e a distribuição de renda continuou desigual. A elite agrária, que deu suporte D. Pedro I, foi a camada que mais se beneficiou.
  • 65.  O Período Regencial é uma época da História do Brasil entre os anos de 1831 e 1840. Quando o imperador D. Pedro I abdicou do poder em 1831, seu filho e herdeiro do trono D. Pedro de Alcântara tinha apenas 5 anos de idade. A Constituição brasileira do período determinava, neste caso, que o país deveria ser governado por regentes, até o herdeiro atingir a maioridade (18 anos).  O Brasil passou por uma grave crise política e diversas revoltas durante o período regencial. Assim considerando um período tumultuado.
  • 66.  A crise política deveu-se, principalmente, a disputa pelo controle do governo entre diversos grupos políticos: Restauradores (defendiam a volta de D. Pedro I ao poder); Moderados (voto só para os ricos e continuação da Monarquia) e Exaltados (queriam reformas para melhorar a vida dos mais necessitados e voto para todas as pessoas).  As revoltas ocorrem basicamente por dois motivos: más condições de vida de grande parte da população (mais pobres) e vontade das elites locais em aumentar seu poder e serem atendidas pelo governo.
  • 67.  Motivada pelas péssimas condições de vida em que vivia a grande maioria dos moradores da província do Grão-Pará.
  • 68.  Ocorreu na província do Maranhão. A causa principal foi a exploração da população mais pobre por parte dos grandes produtores rurais.
  • 69.  Ocorreu na província da Bahia. Motivada pela insatisfação de militares e camadas médias e ricas da população com o governo regencial.
  • 70.  Ocorreu no Rio Grande do Sul. Os revoltosos (farroupilhas) queriam mais liberdade para as províncias e reformas econômicas.
  • 71.  A Revolta dos Malês foi um movimento que ocorreu na cidade de Salvador (província da Bahia) entre os dias 25 e 27 de janeiro de 1835. Os principais personagens desta revolta foram os negros islâmicos que exerciam atividades livres, conhecidos como negros de ganho (alfaiates, pequenos comerciantes, artesãos e carpinteiros). Apesar de livres, sofriam muita discriminação por serem negros e seguidores do islamismo. Em função destas condições, encontravam muitas dificuldades para ascender socialmente.
  • 73.  Regência Trina Provisória (1831): Brigadeiro Francisco Lima e Silva Senador Vergueiro Marques de Caravelas
  • 74.  Regência Trina Permanente (1831 a 1835): José da Costa Carvalho João Bráulio Muniz Brigadeiro Francisco Lima e Silva
  • 75.  Regência Una de Feijó (1835 a 1837): Diogo Antonio de Feijó
  • 76.  Regência Interina de Araújo Lima (1871): Pedro de Araújo Lima
  • 77.  Regência Una de Araújo Lima (1838 a 1840): Pedro de Araújo Lima
  • 78.  Os políticos brasileiros e grande parte da população acreditavam que a grave crise que o país enfrentava era fruto, principalmente, da falta de um imperador forte e com poderes para enfrentar a situação.  Em 23 de julho de 1840, com apoio do Partido Liberal, foi antecipada pelo Senado Federal a maioridade de D. Pedro II (antes de completar 14 anos) e declarado o fim das regências. Esse episódio ficou conhecido como o Golpe da Maioridade. Foi uma forma encontrada pelos políticos brasileiros de dar poder e autoridade ao jovem imperador para que as revoltas pudessem ser debeladas e a ordem restaurada no Brasil.
  • 79. Dom Pedro II – aos 12 anos
  • 80.
  • 81. Pedro de Alcântara João Carlos Leopoldo Salvador Bibiano Francisco Xavier de Paula Leocádio Miguel Gabriel Rafael Gonzaga – Dom Pedro II
  • 82.  A Revolução Industrial teve início no século XVIII, na Inglaterra, com a mecanização dos sistemas de produção.  Enquanto na Idade Média o artesanato era a forma de produzir mais utilizada, na Idade Moderna tudo mudou.  A burguesia industrial, ávida por maiores lucros, menores custos e produção acelerada, buscou alternativas para melhorar a produção de mercadorias.
  • 83.  Também podemos apontar o crescimento populacional, que trouxe maior demanda de produtos e mercadorias.  Foi a Inglaterra o país que saiu na frente no processo de Revolução Industrial do século XVIII.  A Inglaterra possuía grandes reservas de carvão mineral em seu subsolo, ou seja, a principal fonte de energia para movimentar as máquinas e as locomotivas à vapor.
  • 84.  A mão-de-obra disponível em abundância (desde a Lei dos Cercamentos de Terras ), também favoreceu a Inglaterra, pois havia uma massa de trabalhadores procurando emprego nas cidades inglesas do século XVIII.  O século XVIII foi marcado pelo grande salto tecnológicos nos transportes e máquinas.  As máquinas a vapor, principalmente os gigantes teares, revolucionou o modo de produzir.
  • 85.  Na área de transportes, podemos destacar a invenção das locomotivas a vapor (maria fumaça) e os trens a vapor.  As fábricas do início da Revolução Industrial não apresentavam o melhor dos ambientes de trabalho.  Eram ambientes com péssima iluminação, abafados e sujos.  Os salários recebidos pelos trabalhadores eram muito baixos e chegava-se a empregar o trabalho infantil e feminino. Os empregados chegavam a trabalhar até 18 horas por dia e estavam sujeitos a castigos físicos dos patrões.
  • 86. Esquema Síntese da Revolução Industrial.
  • 87. Imagem de cidade na era da industrialização do séc. XIX