SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 53
PRODUÇÃO DE MANDIOCA
Ítalo G. Arrais
Graduando em Agronomia
Universidade Federal Rural do Semi-Árido
IMPORTÂNCIA ECONÔMICA
A farinha, constitui-se alimento essencial e de forte tradição na dieta alimentar das
populações locais, principalmente na zona rural e nas classes de baixa renda dos
centros urbanos;
Centro aglutinador e de consolidação de muitas comunidades rurais que nasceram e
se desenvolvem sob forte influência das casas-de-farinha;
Características de exploração de subsistência;
Limitações na posse da terra, a falta de recursos financeiros e traços culturais
tradicionais dos produtores;
Farinha é o principal produto comercial;
Nova classe média brasileira;
Preconceito com a farinha.
Brasil - Mandioca – Principais estados – Área produção e produtividade 2011/12
Brasil - Fécula de mandioca – Produção em estados selecionados, 2011.
Brasil - Fécula de mandioca- principais compradores (2006-2011).
OS DADOS MOSTRAM UM POTENCIAL MERCADO DE FÉCULA
AINDA NÃO EXPLORADO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO
NORTE
 INCENTIVOS A PRODUÇÃO;
 INCENTIVOS A INDÚSTRIA;
 INCENTIVO AO COOPERATIVISMO.
UM EXEMPLO QUE VEM DANDO CERTO:
A COOPAMIDO FUNDADA EM 2009 COM 25 COOPERADOS,
HOJE TEM MAIS DE 400 COOPERADOS, FORMADA POR UMA
ALIANÇA COOPERATIVA DO AMIDO DE MANDIOCA;
LOCALIZADA EM LAJE, BA.
ESCOLHA DA ÁREA
 Terrenos bem drenados:
• Evitam o encharcamento e
posterior apodrecimento de raízes;
 Solo arenoso ou misto (Areia +
Argila ou barro):
• Melhor crescimento de raízes;
• Facilidade na colheita;
 Solos argilosos apesar de
dificultarem o desenvolvimento
das raízes podem ser usados
também.
SOLO ARGILOSO SOLO ARENOSO
CALAGEM E ADUBAÇÃO
• Se desenvolve em solos com pH variando entre 5,5 e 7,5;
• Fazer análise de solo;
• Se necessário realizar calagem, evitando o excesso de
calcário para que não ocorra o amarelão (Deficiência de
manganês);
• Extrai elevadas quantidades de nutrientes, com destaque
para potássio e nitrogênio (HOWELER, 1981);
• Considerada como cultura esgotante do solo, todo material
colhido (raiz e parte aérea) é retirado do campo;
• Sempre aplicar materia orgânica e fosforo (Dependendo da
análise de solo);
• O fosforo é um dos principais nutrientes, atua diretamente no
aumento da produção de raízes e teor de amido.
 CUIDADO NA ADUBAÇÃO
Deve-se tomar cuidado ao adubar as plantas, o excesso de adubo, principalmente
nitrogenados, provoca crescimento exagerado da parte área, ocasionando um
desbalanço entre raíz-parte áerea.
PLANTAS COM EXCESSO
DE NITROGENIO
RAÍZES PEQUENAS E FINAS
DEVIDO A EXCESSO DE
PARTE AÉREA
CULTIVARES
NA ESCOLHA DA CULTIVAR DEVEM-SE CONSIDERAR A
FINALIDADE DA EXPLORAÇÃO, O CICLO E O LOCAL ONDE SERÁ
CULTIVADA
INDÚSTRIA DE AMIDO
INDÚSTRIA DE FARINHA
CONSUMO IN NATURA
ALIMENTAÇÃO ANIMAL
PRINCIPAIS CULTIVARES RECOMENDADAS PARA A
REGIÃO NORDESTE:
 BRS FORMOSA (Brava)
 BRS MANI BRANCA (Brava)
 BRS ARARI (Brava)
 BRS DOURADA (Mansa)
 BRS GUAÍRA (Brava)
 RECIFE (Mansa)
 BRS MULATINHA (Brava)
 BRS GEMA DE OVO (Mansa)
 CRIOULA (Brava)
 AMANSA BURRO (Brava)
 ROSA (Mansa)
CULTIVARES DE
MANDIOCA MANSA DE
POLPA AMARELA, RICAS
EM VITAMINA “A“:
• Dourada;
• Abóbora;
• Jari;
• Híbrido 03-15;
• Híbrido 14-11;
• Amarelo II;
• Gema de Ovo.
TESTE COM 12 CULTIVARES DE MANDIOCA MANSA
EM RUSSAS-CE:
 Cacau Manteiga;
 Manteiga;
 Cacauzinho;
 Gema de Ovo (P. Amarela);
 Amarelinha (P. Amarela);
 Paraná;
 Dourada (P. Amarela);
 Eucalipto;
 Santo Antônio;
 Kiriris;
 Mujui dos Campos;
 Recife.
As variedades melhoradas de mandioca
são consideradas um dos principais
componentes do sistema de produção,
porque contribui com incrementos
significativos na produtividade, sem
implicar em custos adicionais, o que facilita
sua adoção, principalmente por produtores
de baixa renda.
Ferreira Filho, J. R. (2006).
SELEÇÃO DE MANIVAS
• A seleção do material de plantio permitirá boa
brotação, emissão de brotos vigorosos,
uniformidade, reduz e evita a introdução de pragas e
doenças;
• Escolher manivas recém colhidas de lavouras
sadias e plantas vigorosas;
• Utilizar manivas de até 10cm em plantios irrigados, e
de 15 a 20cm em plantio de sequeiro;
• Tem-se a micropropagação como alternativa;
• Com a micropropagação se consegue uma maior
multiplicação de material e sanidade;
• Sementes são usadas no melhoramento.
Manivas
para plantio
Corte das
Manivas
Mudas de
mandioca
micropropagadas
Sementes de
Mandioca
PLANTIO
ESPAÇAMENTO
Não se pode se prender apenas a um espaçamento, vai depender
das condições encontradas, como espaçamento dos gotejadores da
mangueira, plantio solteiro ou consorciado, porte da cultivar, área
mecanizada ou não, ou seja, das condições encontradas no local.
1,50m
SEMEADURA
• A semeadura pode ser feita em:
 Plantio de chão;
 Sulcos;
 Covas;
 Camalhões.
• Pode ser plantada nas posições:
 Horizontal;
 Vertical;
 Inclinada.
Plantio de chão com maniva na
horizontal
Plantio de chão com maniva
na vertical
Plantio em
sulco
Plantio das
manivas
Formação dos sulcos através de sulcador
com tração animal
Enterrio da
manivas
Espaçamento indefinido
Mandioca x Graviola
Sem emprego de sistema de
produção adequado = Baixa
produtividade
Plantio em sulco para
produção de
biomassa
Plantio semi-mecanizado
TRATOS CULTURAIS
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS
Competição por espaço, água, luz e
nutrientes.
Pode-se manejar através de capina
manula ou mecânica, herbicida,
roçagem e controle cultural.
Manter a mandioca livre da
competição durante os 30 primeiros
dias após a brotação das manivas.
• Herbicidas registrados;
• Uso em pré-emergência;
• Não existem herbicidas seletivos
para a cultura;
• Usar chapéu de napoleão nas
aplicações;
• Depois de sombreado, a incidência
de plantas infestantes é reduzida,
não sendo necessário o controle.
Planta com danos causados por herbicida
Área já sombreada, sem presença
significativa de plantas infestantes
Plantas daninhas controladas através
de herbicida
PODA E CONSERVAÇÃO
 PODA
• Retirada total ou parcial da parte aérea;
• Alimentação animal;
• Propagação;
• Armazenamento;
• Mais efeitos negativos do que positivos:
• Redução na produtividade e teor de amido;
• Aumento do teor de fibra na raíz.
 CONSERVAÇÃO
• Menor período possível, por volta de até 60 dias;
• Armazenar embaixo de árvores, céu aberto, leiras;
• Mantê-las na posição vertical;
• Eliminar brotações.
PRAGAS
 MANDAROVÁ (Erinnyis ello)
• Uma das principais pragas da cultura;
• Alta capacidade de consumo foliar;
• Pode desfolhar totalmente a planta.
CONTROLE:
• Aração do terreno após a colheita para expor as pulpas ao sol ou
aprofunda-las no solo;
• Rotação de culturas;
• Catação manual (Pequenas areas);
• Aplicação de Baculovirus erinnyis ou Bacillus thuringiensis (Grandes
areas).
Ovo do Mandarová Adulto do Mandarová atacando o
ápice da planta
 ÁCAROS
• Ácaro-Verde da Mandioca (Mononychellus tanajoa) e Ácaro-Rajado
(Tetranychus urticae)
• Praga mais severa da mandioca;
• Perda no rendimento de raíz e material de propagação.
CONTROLE:
• Destruição de plantas hospedeiras;
• Inspenção períodica nas plantas para localizar focos;
• Destruição de restos de cultura;
• Seleção do material de plantio;
• Rotação de culturas;
• Quebra-Vento
• Não existem produtos quimicos registrados.
Sintomas do ataque do ácaro na
planta
Sintomas do ataque do ácaro na
folha
 MOSCA-BRANCA (Várias Espécies)
• Provoca queda no rendimento da raíz;
• Causa amargor na raíz, ocasionando uma farinha de qualidade
inferior;
• Perda no rendimento e qualidade do material de propagação.
CONTROLE:
• Seleção do material de plantio;
• Uso de cultivares tolerantes
• Rotação de culturas;
• Quebra-Vento
• Uso de produtos quimicos registrados.
Sintomas do ataque de mosca-branca
DOENÇAS
As principais doenças da cultura são:
• Podridão Radicular;
• Antracnose;
• Ferrugem;
• Bacteriose;
• Superalongamento;
• Superbrotamento;
• Viroses;
• Manchas Foliares.
COLHEITA
• Fazer plantio escalonado, ou com cultivares de diferentes ciclos,
para que sempre se tenha o fornecimento de raíz, atendendo o
mercado consumidor;
• Operação que demanda maior volume mão de obra;
• Representa cerca de 10% do custo total;
• Colher com solo umido, para facilitar o arranquio e se evitar perdas;
• Covas ou camalhões facilitam a colheita;
• Faz-se a poda manual da parte aérea, acerca de 20 cm do solo.
 COLHEITA MECANIZADA?
Colheita Raízes Colhidas
RAÍZ APÓS SER COLHIDAS
PROCESSAMENTO
Consumo in Natura
Farinhas
Fécula Maniçoba
Folhas
Ensilagem da Parte aéreaCascas
Manipueira
DETERMINAÇÃO DO TEOR DE HCN
REAGENTES:
Ácido pícrico (C6 H3 N3O7);
Carbonato de sódio (N2 C3);
Tolueno.
PROCRDIMENTOS
1-Preparar uma solução de pricato alcalino (Solução de carbonato de sódio a 2,5%);
2-Dissolver 2,5g de Na2CO3 em 100ml de água destilada (Solução de ácido pícrico dissolver 0.5g de
C6H3N3O7 em 100ml de água destilada);
3-Cortar tiras de papel de filtro (1 X 6 cm);
4-Colocar as tiras de papel na solução de pricato alcalino (placa de Petri) até ficarem impregnada. Retirar e
escorrer o excesso da solução;
5-Cortar uma rodela e retirar 1 grama de raiz e colocar em um tubo de ensaio previamente identificado;
6-Adicionar 5 gotas de tolueno sobre o pedaço de raiz contido no tubo;
Imediatamente, colocar a tira de papel de filtro, saturada com a solução, prendendo-a na tampa do tubo;
7-Fazer um tubo controle, ou seja, sem amostra;
8-Deixar os tubos a temperatura ambiente por 24 horas;
9-Fazer leitura, de acordo com a intensidade de cor adquirida pela fita, seguindo a escala de 1 a 9 da tabela de
cor (quanto maior a intensidade de cor, maior será a conteúdo de HCN da raiz).
AVALIAÇÃO RÁPIDA DE TEOR DE CIANETO EM
RAÍZES DE MANDIOCA
Método de Williams e Eduards (1980), modificado pelo CIAT 1981)
1 > 10 ppm
2 10 – 15
3 15 – 25
4 25 – 40
5 40 – 60
6 60 – 85
7 85 – 115
8 115 –150
9 < 150
PRODUÇÃO DE MANDIOCA
Ítalo G. Arrais
Graduando em Agronomia
Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cultura do arroz
Cultura do arrozCultura do arroz
Cultura do arrozKiller Max
 
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoOrigem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoKiller Max
 
Sistemas de Plantio do Arroz
Sistemas de Plantio do ArrozSistemas de Plantio do Arroz
Sistemas de Plantio do ArrozGeagra UFG
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃOINTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃOGeagra UFG
 
apostila-de-olericultura-nad-pdf
apostila-de-olericultura-nad-pdfapostila-de-olericultura-nad-pdf
apostila-de-olericultura-nad-pdfSaul Ramos
 
Cultivo de bananeiras notas de aula.
Cultivo de bananeiras   notas de aula. Cultivo de bananeiras   notas de aula.
Cultivo de bananeiras notas de aula. CETEP, FTC, FASA..
 
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da SojaMorfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da SojaGeagra UFG
 
Alface (Lactuca sativa)
Alface (Lactuca sativa)Alface (Lactuca sativa)
Alface (Lactuca sativa)éltoon yagami
 
cultura do arroz slide simplificado
cultura do arroz slide simplificadocultura do arroz slide simplificado
cultura do arroz slide simplificadoAndre Vinicius
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAGeagra UFG
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA Geagra UFG
 
31929444 primeira-aula-de-fruticultura
31929444 primeira-aula-de-fruticultura31929444 primeira-aula-de-fruticultura
31929444 primeira-aula-de-fruticulturaAndre Moraes Costa
 
Identificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasIdentificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasGeagra UFG
 
Sistema de Plantio Direto
Sistema de Plantio DiretoSistema de Plantio Direto
Sistema de Plantio DiretoGeagra UFG
 
A Cultura do Arroz
A Cultura do ArrozA Cultura do Arroz
A Cultura do ArrozGeagra UFG
 

Mais procurados (20)

aulas de friticultura
aulas de friticulturaaulas de friticultura
aulas de friticultura
 
Aula 7 olericultura
Aula 7 olericulturaAula 7 olericultura
Aula 7 olericultura
 
Cultura do arroz
Cultura do arrozCultura do arroz
Cultura do arroz
 
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoOrigem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
 
Sistemas de Plantio do Arroz
Sistemas de Plantio do ArrozSistemas de Plantio do Arroz
Sistemas de Plantio do Arroz
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃOINTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Mip- mandioca
Mip- mandiocaMip- mandioca
Mip- mandioca
 
apostila-de-olericultura-nad-pdf
apostila-de-olericultura-nad-pdfapostila-de-olericultura-nad-pdf
apostila-de-olericultura-nad-pdf
 
Cultivo de bananeiras notas de aula.
Cultivo de bananeiras   notas de aula. Cultivo de bananeiras   notas de aula.
Cultivo de bananeiras notas de aula.
 
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da SojaMorfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
 
Alface (Lactuca sativa)
Alface (Lactuca sativa)Alface (Lactuca sativa)
Alface (Lactuca sativa)
 
cultura do arroz slide simplificado
cultura do arroz slide simplificadocultura do arroz slide simplificado
cultura do arroz slide simplificado
 
Aula girassol 2-2012
Aula girassol 2-2012Aula girassol 2-2012
Aula girassol 2-2012
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
 
31929444 primeira-aula-de-fruticultura
31929444 primeira-aula-de-fruticultura31929444 primeira-aula-de-fruticultura
31929444 primeira-aula-de-fruticultura
 
Identificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasIdentificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhas
 
Sistema de Plantio Direto
Sistema de Plantio DiretoSistema de Plantio Direto
Sistema de Plantio Direto
 
A Cultura do Arroz
A Cultura do ArrozA Cultura do Arroz
A Cultura do Arroz
 

Destaque

Cadeia produtiva da mandioca
Cadeia produtiva da mandiocaCadeia produtiva da mandioca
Cadeia produtiva da mandiocaDufrrj
 
Processamento industrial e produtos da mandioca
Processamento industrial e produtos da mandiocaProcessamento industrial e produtos da mandioca
Processamento industrial e produtos da mandiocaTiago Maboni Derlan
 
Projeto Da Mandioca
Projeto Da MandiocaProjeto Da Mandioca
Projeto Da Mandiocaguest369ea8
 
Origem da mandioca
Origem da mandiocaOrigem da mandioca
Origem da mandiocaDani Freitas
 
Cultivo da Mandioca na Região Centro-Sul do Brasil
Cultivo da Mandioca na Região Centro-Sul do BrasilCultivo da Mandioca na Região Centro-Sul do Brasil
Cultivo da Mandioca na Região Centro-Sul do Brasiljoseagro18
 
Diagnóstico Visual do Estado Nutricional de Plantas
Diagnóstico Visual do Estado Nutricional de PlantasDiagnóstico Visual do Estado Nutricional de Plantas
Diagnóstico Visual do Estado Nutricional de PlantasHerbert de Carvalho
 
Plantas Aromaticas E Horta
Plantas  Aromaticas E  HortaPlantas  Aromaticas E  Horta
Plantas Aromaticas E HortaTomateVerdeFrito
 
Cadeia produtiva do caju: diagnóstico e reflexões para o desenvolvimento
Cadeia produtiva do caju: diagnóstico e reflexões para o desenvolvimentoCadeia produtiva do caju: diagnóstico e reflexões para o desenvolvimento
Cadeia produtiva do caju: diagnóstico e reflexões para o desenvolvimentoPedro Felizardo Adeodato de Paula Pessoa
 
Manejo local de agrobiodiversidade: conservação e geração de diversidade de m...
Manejo local de agrobiodiversidade: conservação e geração de diversidade de m...Manejo local de agrobiodiversidade: conservação e geração de diversidade de m...
Manejo local de agrobiodiversidade: conservação e geração de diversidade de m...Cepagro
 
Tcc perfil da agricultura familiar
Tcc perfil da agricultura familiarTcc perfil da agricultura familiar
Tcc perfil da agricultura familiarIG CONSULTORIA
 
Apresentação Culturas Anuais Caxias - MA, MILHO, ARROZ, FEIJÃO E MANDIOCA
Apresentação Culturas Anuais Caxias - MA, MILHO, ARROZ, FEIJÃO E MANDIOCAApresentação Culturas Anuais Caxias - MA, MILHO, ARROZ, FEIJÃO E MANDIOCA
Apresentação Culturas Anuais Caxias - MA, MILHO, ARROZ, FEIJÃO E MANDIOCAMarcos Fontes
 
Pragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do FeijoeiroPragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do FeijoeiroKiller Max
 
Aula 1 nutrição mineral
Aula 1 nutrição mineralAula 1 nutrição mineral
Aula 1 nutrição mineralPbsmal
 
Cadeias produtivas apresentação Angelo Prochmann
Cadeias produtivas   apresentação Angelo ProchmannCadeias produtivas   apresentação Angelo Prochmann
Cadeias produtivas apresentação Angelo ProchmannAngelo Prochmann
 

Destaque (20)

Cadeia produtiva da mandioca
Cadeia produtiva da mandiocaCadeia produtiva da mandioca
Cadeia produtiva da mandioca
 
Mandioca
MandiocaMandioca
Mandioca
 
Processamento industrial e produtos da mandioca
Processamento industrial e produtos da mandiocaProcessamento industrial e produtos da mandioca
Processamento industrial e produtos da mandioca
 
Projeto Da Mandioca
Projeto Da MandiocaProjeto Da Mandioca
Projeto Da Mandioca
 
Origem da mandioca
Origem da mandiocaOrigem da mandioca
Origem da mandioca
 
Mandioca no RS.
Mandioca no RS.Mandioca no RS.
Mandioca no RS.
 
Cultivo da Mandioca na Região Centro-Sul do Brasil
Cultivo da Mandioca na Região Centro-Sul do BrasilCultivo da Mandioca na Região Centro-Sul do Brasil
Cultivo da Mandioca na Região Centro-Sul do Brasil
 
Diagnóstico Visual do Estado Nutricional de Plantas
Diagnóstico Visual do Estado Nutricional de PlantasDiagnóstico Visual do Estado Nutricional de Plantas
Diagnóstico Visual do Estado Nutricional de Plantas
 
Processamento mandioca fécula
Processamento mandioca féculaProcessamento mandioca fécula
Processamento mandioca fécula
 
Plantas Aromaticas E Horta
Plantas  Aromaticas E  HortaPlantas  Aromaticas E  Horta
Plantas Aromaticas E Horta
 
Cultivo da mandioca.
Cultivo da mandioca.Cultivo da mandioca.
Cultivo da mandioca.
 
Mandioca
MandiocaMandioca
Mandioca
 
Cadeia produtiva do caju: diagnóstico e reflexões para o desenvolvimento
Cadeia produtiva do caju: diagnóstico e reflexões para o desenvolvimentoCadeia produtiva do caju: diagnóstico e reflexões para o desenvolvimento
Cadeia produtiva do caju: diagnóstico e reflexões para o desenvolvimento
 
Mandioca
MandiocaMandioca
Mandioca
 
Manejo local de agrobiodiversidade: conservação e geração de diversidade de m...
Manejo local de agrobiodiversidade: conservação e geração de diversidade de m...Manejo local de agrobiodiversidade: conservação e geração de diversidade de m...
Manejo local de agrobiodiversidade: conservação e geração de diversidade de m...
 
Tcc perfil da agricultura familiar
Tcc perfil da agricultura familiarTcc perfil da agricultura familiar
Tcc perfil da agricultura familiar
 
Apresentação Culturas Anuais Caxias - MA, MILHO, ARROZ, FEIJÃO E MANDIOCA
Apresentação Culturas Anuais Caxias - MA, MILHO, ARROZ, FEIJÃO E MANDIOCAApresentação Culturas Anuais Caxias - MA, MILHO, ARROZ, FEIJÃO E MANDIOCA
Apresentação Culturas Anuais Caxias - MA, MILHO, ARROZ, FEIJÃO E MANDIOCA
 
Pragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do FeijoeiroPragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do Feijoeiro
 
Aula 1 nutrição mineral
Aula 1 nutrição mineralAula 1 nutrição mineral
Aula 1 nutrição mineral
 
Cadeias produtivas apresentação Angelo Prochmann
Cadeias produtivas   apresentação Angelo ProchmannCadeias produtivas   apresentação Angelo Prochmann
Cadeias produtivas apresentação Angelo Prochmann
 

Semelhante a Produção mandioca

antonio inacio ferraz-Cana de açucar 4-técnico em agropecuária
antonio inacio ferraz-Cana de açucar 4-técnico em agropecuáriaantonio inacio ferraz-Cana de açucar 4-técnico em agropecuária
antonio inacio ferraz-Cana de açucar 4-técnico em agropecuáriaANTONIO INACIO FERRAZ
 
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-20137ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013Fattore
 
G 07 sistemas de cultivo em arroz inundado e sequeiro (1)
G 07 sistemas de cultivo em arroz inundado e sequeiro (1)G 07 sistemas de cultivo em arroz inundado e sequeiro (1)
G 07 sistemas de cultivo em arroz inundado e sequeiro (1)Sara Cabral
 
[Livro] plantas noções básicas de jardinagem
[Livro] plantas   noções básicas de jardinagem[Livro] plantas   noções básicas de jardinagem
[Livro] plantas noções básicas de jardinagemmaria isabel
 
Práticas culturais nas hortícolas
Práticas culturais nas hortícolasPráticas culturais nas hortícolas
Práticas culturais nas hortícolasEpfr De Estaquinha
 
Amendoim
AmendoimAmendoim
Amendoimwagcher
 
Green Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdf
Green Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdfGreen Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdf
Green Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdfCarlosEvaristo5
 
Cultivo do Algodão Orgânico
Cultivo do Algodão OrgânicoCultivo do Algodão Orgânico
Cultivo do Algodão OrgânicoÍtalo Arrais
 
Implantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do FeijãoImplantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do FeijãoKiller Max
 

Semelhante a Produção mandioca (20)

CULTURA DO CENTEIO
CULTURA DO CENTEIOCULTURA DO CENTEIO
CULTURA DO CENTEIO
 
antonio inacio ferraz-Cana de açucar 4-técnico em agropecuária
antonio inacio ferraz-Cana de açucar 4-técnico em agropecuáriaantonio inacio ferraz-Cana de açucar 4-técnico em agropecuária
antonio inacio ferraz-Cana de açucar 4-técnico em agropecuária
 
Cana de-açucar
Cana de-açucarCana de-açucar
Cana de-açucar
 
Olericultura 1
Olericultura 1Olericultura 1
Olericultura 1
 
Horta
HortaHorta
Horta
 
Cultura da Cenoura
Cultura da CenouraCultura da Cenoura
Cultura da Cenoura
 
5 setor primario
5 setor primario5 setor primario
5 setor primario
 
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-20137ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
 
Slide-Couve.pptx
Slide-Couve.pptxSlide-Couve.pptx
Slide-Couve.pptx
 
Pimentão apresentação
Pimentão   apresentaçãoPimentão   apresentação
Pimentão apresentação
 
Pimenta Capsicum
Pimenta CapsicumPimenta Capsicum
Pimenta Capsicum
 
G 07 sistemas de cultivo em arroz inundado e sequeiro (1)
G 07 sistemas de cultivo em arroz inundado e sequeiro (1)G 07 sistemas de cultivo em arroz inundado e sequeiro (1)
G 07 sistemas de cultivo em arroz inundado e sequeiro (1)
 
[Livro] plantas noções básicas de jardinagem
[Livro] plantas   noções básicas de jardinagem[Livro] plantas   noções básicas de jardinagem
[Livro] plantas noções básicas de jardinagem
 
Práticas culturais nas hortícolas
Práticas culturais nas hortícolasPráticas culturais nas hortícolas
Práticas culturais nas hortícolas
 
Amendoim
AmendoimAmendoim
Amendoim
 
Aula beterraba.pptx
Aula beterraba.pptxAula beterraba.pptx
Aula beterraba.pptx
 
Green Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdf
Green Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdfGreen Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdf
Green Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdf
 
Cultivo do Algodão Orgânico
Cultivo do Algodão OrgânicoCultivo do Algodão Orgânico
Cultivo do Algodão Orgânico
 
Implantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do FeijãoImplantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do Feijão
 
97a64e07.pptx
97a64e07.pptx97a64e07.pptx
97a64e07.pptx
 

Mais de Ítalo Arrais

Produção e Utilização dos Produtos de Cana-de-Açucar
Produção e Utilização dos Produtos de Cana-de-AçucarProdução e Utilização dos Produtos de Cana-de-Açucar
Produção e Utilização dos Produtos de Cana-de-AçucarÍtalo Arrais
 
HERBÁRIO Ramularia areola – Mancha-de-Ramulária Verticillium dahliae – Murc...
HERBÁRIO  Ramularia areola – Mancha-de-Ramulária  Verticillium dahliae – Murc...HERBÁRIO  Ramularia areola – Mancha-de-Ramulária  Verticillium dahliae – Murc...
HERBÁRIO Ramularia areola – Mancha-de-Ramulária Verticillium dahliae – Murc...Ítalo Arrais
 
Medicamentos fitoterápicos simplificados
Medicamentos fitoterápicos simplificadosMedicamentos fitoterápicos simplificados
Medicamentos fitoterápicos simplificadosÍtalo Arrais
 
Alcaloides Tropanicos
Alcaloides TropanicosAlcaloides Tropanicos
Alcaloides TropanicosÍtalo Arrais
 
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do MilhoCultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do MilhoÍtalo Arrais
 
Apresentação abacaxi cultivares_clima
Apresentação abacaxi cultivares_climaApresentação abacaxi cultivares_clima
Apresentação abacaxi cultivares_climaÍtalo Arrais
 
Manejo de plantas daninhas na cultura do mamoeiro
Manejo de plantas daninhas na cultura do mamoeiroManejo de plantas daninhas na cultura do mamoeiro
Manejo de plantas daninhas na cultura do mamoeiroÍtalo Arrais
 
Apresentação pós colheita
Apresentação pós colheitaApresentação pós colheita
Apresentação pós colheitaÍtalo Arrais
 

Mais de Ítalo Arrais (8)

Produção e Utilização dos Produtos de Cana-de-Açucar
Produção e Utilização dos Produtos de Cana-de-AçucarProdução e Utilização dos Produtos de Cana-de-Açucar
Produção e Utilização dos Produtos de Cana-de-Açucar
 
HERBÁRIO Ramularia areola – Mancha-de-Ramulária Verticillium dahliae – Murc...
HERBÁRIO  Ramularia areola – Mancha-de-Ramulária  Verticillium dahliae – Murc...HERBÁRIO  Ramularia areola – Mancha-de-Ramulária  Verticillium dahliae – Murc...
HERBÁRIO Ramularia areola – Mancha-de-Ramulária Verticillium dahliae – Murc...
 
Medicamentos fitoterápicos simplificados
Medicamentos fitoterápicos simplificadosMedicamentos fitoterápicos simplificados
Medicamentos fitoterápicos simplificados
 
Alcaloides Tropanicos
Alcaloides TropanicosAlcaloides Tropanicos
Alcaloides Tropanicos
 
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do MilhoCultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
 
Apresentação abacaxi cultivares_clima
Apresentação abacaxi cultivares_climaApresentação abacaxi cultivares_clima
Apresentação abacaxi cultivares_clima
 
Manejo de plantas daninhas na cultura do mamoeiro
Manejo de plantas daninhas na cultura do mamoeiroManejo de plantas daninhas na cultura do mamoeiro
Manejo de plantas daninhas na cultura do mamoeiro
 
Apresentação pós colheita
Apresentação pós colheitaApresentação pós colheita
Apresentação pós colheita
 

Produção mandioca

  • 1. PRODUÇÃO DE MANDIOCA Ítalo G. Arrais Graduando em Agronomia Universidade Federal Rural do Semi-Árido
  • 3. A farinha, constitui-se alimento essencial e de forte tradição na dieta alimentar das populações locais, principalmente na zona rural e nas classes de baixa renda dos centros urbanos; Centro aglutinador e de consolidação de muitas comunidades rurais que nasceram e se desenvolvem sob forte influência das casas-de-farinha; Características de exploração de subsistência; Limitações na posse da terra, a falta de recursos financeiros e traços culturais tradicionais dos produtores; Farinha é o principal produto comercial; Nova classe média brasileira; Preconceito com a farinha.
  • 4. Brasil - Mandioca – Principais estados – Área produção e produtividade 2011/12
  • 5. Brasil - Fécula de mandioca – Produção em estados selecionados, 2011. Brasil - Fécula de mandioca- principais compradores (2006-2011).
  • 6. OS DADOS MOSTRAM UM POTENCIAL MERCADO DE FÉCULA AINDA NÃO EXPLORADO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE  INCENTIVOS A PRODUÇÃO;  INCENTIVOS A INDÚSTRIA;  INCENTIVO AO COOPERATIVISMO. UM EXEMPLO QUE VEM DANDO CERTO: A COOPAMIDO FUNDADA EM 2009 COM 25 COOPERADOS, HOJE TEM MAIS DE 400 COOPERADOS, FORMADA POR UMA ALIANÇA COOPERATIVA DO AMIDO DE MANDIOCA; LOCALIZADA EM LAJE, BA.
  • 7.
  • 9.  Terrenos bem drenados: • Evitam o encharcamento e posterior apodrecimento de raízes;  Solo arenoso ou misto (Areia + Argila ou barro): • Melhor crescimento de raízes; • Facilidade na colheita;  Solos argilosos apesar de dificultarem o desenvolvimento das raízes podem ser usados também.
  • 12. • Se desenvolve em solos com pH variando entre 5,5 e 7,5; • Fazer análise de solo; • Se necessário realizar calagem, evitando o excesso de calcário para que não ocorra o amarelão (Deficiência de manganês); • Extrai elevadas quantidades de nutrientes, com destaque para potássio e nitrogênio (HOWELER, 1981); • Considerada como cultura esgotante do solo, todo material colhido (raiz e parte aérea) é retirado do campo; • Sempre aplicar materia orgânica e fosforo (Dependendo da análise de solo); • O fosforo é um dos principais nutrientes, atua diretamente no aumento da produção de raízes e teor de amido.
  • 13.  CUIDADO NA ADUBAÇÃO Deve-se tomar cuidado ao adubar as plantas, o excesso de adubo, principalmente nitrogenados, provoca crescimento exagerado da parte área, ocasionando um desbalanço entre raíz-parte áerea. PLANTAS COM EXCESSO DE NITROGENIO RAÍZES PEQUENAS E FINAS DEVIDO A EXCESSO DE PARTE AÉREA
  • 15. NA ESCOLHA DA CULTIVAR DEVEM-SE CONSIDERAR A FINALIDADE DA EXPLORAÇÃO, O CICLO E O LOCAL ONDE SERÁ CULTIVADA INDÚSTRIA DE AMIDO INDÚSTRIA DE FARINHA CONSUMO IN NATURA ALIMENTAÇÃO ANIMAL
  • 16. PRINCIPAIS CULTIVARES RECOMENDADAS PARA A REGIÃO NORDESTE:  BRS FORMOSA (Brava)  BRS MANI BRANCA (Brava)  BRS ARARI (Brava)  BRS DOURADA (Mansa)  BRS GUAÍRA (Brava)  RECIFE (Mansa)  BRS MULATINHA (Brava)  BRS GEMA DE OVO (Mansa)  CRIOULA (Brava)  AMANSA BURRO (Brava)  ROSA (Mansa)
  • 17. CULTIVARES DE MANDIOCA MANSA DE POLPA AMARELA, RICAS EM VITAMINA “A“: • Dourada; • Abóbora; • Jari; • Híbrido 03-15; • Híbrido 14-11; • Amarelo II; • Gema de Ovo.
  • 18. TESTE COM 12 CULTIVARES DE MANDIOCA MANSA EM RUSSAS-CE:  Cacau Manteiga;  Manteiga;  Cacauzinho;  Gema de Ovo (P. Amarela);  Amarelinha (P. Amarela);  Paraná;  Dourada (P. Amarela);  Eucalipto;  Santo Antônio;  Kiriris;  Mujui dos Campos;  Recife.
  • 19. As variedades melhoradas de mandioca são consideradas um dos principais componentes do sistema de produção, porque contribui com incrementos significativos na produtividade, sem implicar em custos adicionais, o que facilita sua adoção, principalmente por produtores de baixa renda. Ferreira Filho, J. R. (2006).
  • 21. • A seleção do material de plantio permitirá boa brotação, emissão de brotos vigorosos, uniformidade, reduz e evita a introdução de pragas e doenças; • Escolher manivas recém colhidas de lavouras sadias e plantas vigorosas; • Utilizar manivas de até 10cm em plantios irrigados, e de 15 a 20cm em plantio de sequeiro; • Tem-se a micropropagação como alternativa; • Com a micropropagação se consegue uma maior multiplicação de material e sanidade; • Sementes são usadas no melhoramento.
  • 22. Manivas para plantio Corte das Manivas Mudas de mandioca micropropagadas Sementes de Mandioca
  • 24. ESPAÇAMENTO Não se pode se prender apenas a um espaçamento, vai depender das condições encontradas, como espaçamento dos gotejadores da mangueira, plantio solteiro ou consorciado, porte da cultivar, área mecanizada ou não, ou seja, das condições encontradas no local. 1,50m
  • 25. SEMEADURA • A semeadura pode ser feita em:  Plantio de chão;  Sulcos;  Covas;  Camalhões. • Pode ser plantada nas posições:  Horizontal;  Vertical;  Inclinada.
  • 26. Plantio de chão com maniva na horizontal Plantio de chão com maniva na vertical Plantio em sulco
  • 27. Plantio das manivas Formação dos sulcos através de sulcador com tração animal Enterrio da manivas
  • 28. Espaçamento indefinido Mandioca x Graviola Sem emprego de sistema de produção adequado = Baixa produtividade
  • 29. Plantio em sulco para produção de biomassa Plantio semi-mecanizado
  • 31. MANEJO DE PLANTAS DANINHAS Competição por espaço, água, luz e nutrientes. Pode-se manejar através de capina manula ou mecânica, herbicida, roçagem e controle cultural. Manter a mandioca livre da competição durante os 30 primeiros dias após a brotação das manivas.
  • 32. • Herbicidas registrados; • Uso em pré-emergência; • Não existem herbicidas seletivos para a cultura; • Usar chapéu de napoleão nas aplicações; • Depois de sombreado, a incidência de plantas infestantes é reduzida, não sendo necessário o controle. Planta com danos causados por herbicida
  • 33. Área já sombreada, sem presença significativa de plantas infestantes Plantas daninhas controladas através de herbicida
  • 34. PODA E CONSERVAÇÃO  PODA • Retirada total ou parcial da parte aérea; • Alimentação animal; • Propagação; • Armazenamento; • Mais efeitos negativos do que positivos: • Redução na produtividade e teor de amido; • Aumento do teor de fibra na raíz.  CONSERVAÇÃO • Menor período possível, por volta de até 60 dias; • Armazenar embaixo de árvores, céu aberto, leiras; • Mantê-las na posição vertical; • Eliminar brotações.
  • 36.  MANDAROVÁ (Erinnyis ello) • Uma das principais pragas da cultura; • Alta capacidade de consumo foliar; • Pode desfolhar totalmente a planta. CONTROLE: • Aração do terreno após a colheita para expor as pulpas ao sol ou aprofunda-las no solo; • Rotação de culturas; • Catação manual (Pequenas areas); • Aplicação de Baculovirus erinnyis ou Bacillus thuringiensis (Grandes areas).
  • 37. Ovo do Mandarová Adulto do Mandarová atacando o ápice da planta
  • 38.  ÁCAROS • Ácaro-Verde da Mandioca (Mononychellus tanajoa) e Ácaro-Rajado (Tetranychus urticae) • Praga mais severa da mandioca; • Perda no rendimento de raíz e material de propagação. CONTROLE: • Destruição de plantas hospedeiras; • Inspenção períodica nas plantas para localizar focos; • Destruição de restos de cultura; • Seleção do material de plantio; • Rotação de culturas; • Quebra-Vento • Não existem produtos quimicos registrados.
  • 39. Sintomas do ataque do ácaro na planta Sintomas do ataque do ácaro na folha
  • 40.  MOSCA-BRANCA (Várias Espécies) • Provoca queda no rendimento da raíz; • Causa amargor na raíz, ocasionando uma farinha de qualidade inferior; • Perda no rendimento e qualidade do material de propagação. CONTROLE: • Seleção do material de plantio; • Uso de cultivares tolerantes • Rotação de culturas; • Quebra-Vento • Uso de produtos quimicos registrados.
  • 41. Sintomas do ataque de mosca-branca
  • 43. As principais doenças da cultura são: • Podridão Radicular; • Antracnose; • Ferrugem; • Bacteriose; • Superalongamento; • Superbrotamento; • Viroses; • Manchas Foliares.
  • 45. • Fazer plantio escalonado, ou com cultivares de diferentes ciclos, para que sempre se tenha o fornecimento de raíz, atendendo o mercado consumidor; • Operação que demanda maior volume mão de obra; • Representa cerca de 10% do custo total; • Colher com solo umido, para facilitar o arranquio e se evitar perdas; • Covas ou camalhões facilitam a colheita; • Faz-se a poda manual da parte aérea, acerca de 20 cm do solo.  COLHEITA MECANIZADA?
  • 46. Colheita Raízes Colhidas RAÍZ APÓS SER COLHIDAS
  • 49. Folhas Ensilagem da Parte aéreaCascas Manipueira
  • 51. REAGENTES: Ácido pícrico (C6 H3 N3O7); Carbonato de sódio (N2 C3); Tolueno. PROCRDIMENTOS 1-Preparar uma solução de pricato alcalino (Solução de carbonato de sódio a 2,5%); 2-Dissolver 2,5g de Na2CO3 em 100ml de água destilada (Solução de ácido pícrico dissolver 0.5g de C6H3N3O7 em 100ml de água destilada); 3-Cortar tiras de papel de filtro (1 X 6 cm); 4-Colocar as tiras de papel na solução de pricato alcalino (placa de Petri) até ficarem impregnada. Retirar e escorrer o excesso da solução; 5-Cortar uma rodela e retirar 1 grama de raiz e colocar em um tubo de ensaio previamente identificado; 6-Adicionar 5 gotas de tolueno sobre o pedaço de raiz contido no tubo; Imediatamente, colocar a tira de papel de filtro, saturada com a solução, prendendo-a na tampa do tubo; 7-Fazer um tubo controle, ou seja, sem amostra; 8-Deixar os tubos a temperatura ambiente por 24 horas; 9-Fazer leitura, de acordo com a intensidade de cor adquirida pela fita, seguindo a escala de 1 a 9 da tabela de cor (quanto maior a intensidade de cor, maior será a conteúdo de HCN da raiz). AVALIAÇÃO RÁPIDA DE TEOR DE CIANETO EM RAÍZES DE MANDIOCA Método de Williams e Eduards (1980), modificado pelo CIAT 1981)
  • 52. 1 > 10 ppm 2 10 – 15 3 15 – 25 4 25 – 40 5 40 – 60 6 60 – 85 7 85 – 115 8 115 –150 9 < 150
  • 53. PRODUÇÃO DE MANDIOCA Ítalo G. Arrais Graduando em Agronomia Universidade Federal Rural do Semi-Árido