SlideShare uma empresa Scribd logo
Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e
                        Tecnológica
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Mato
                  Grosso- Campus Confresa




                Disciplina: Manejo      Integrado de Pragas- MIP

        Curso: Bacharelado em agronomia “2010”
   Acadêmicos: David Oliveira, Ibernon e Pedro Paulo
                    Confresa-MT 2012
 Ordem: Scitaminea
 Família: Musaceae
 Sub-Família: Musoideae
 Gênero: Musa
 Sub-Gênero: Eumusa
Morfologia da Bananeira



     Vegetal herbáceo
      completo, pois
      apresenta caule,
      raízes,    folhas,
      flores, frutos e
      sementes.
 Produção     mundial:     90,7    milhões
  toneladas;
 Área plantada: 4,8 milhões ha;
 Produção Brasil: 7,1 milhões toneladas;
 4ºmaior produtor;
 Área plantada: 513 mil há;
 Principais produtores: BA, SP, SC, PA, MG;
 Rendimento médio: 13,7 t/ha(18,4 t/ha
  média mundial);

             FNP, FAO e IBGE (2009)
Cosmopolites sordidus (Germ.) (Coleóptera: Curculionidae)

Descrição e Biologia
 É um besouro preto;
 Adulto mede cerca de 11x5 mm;
 Os     danos    são     causados
  principalmente pelas larva;
 Sobrevivem     em      ambientes
  úmidos e sombreados junto às
  touceiras da bananeira, entre as
  bainhas foliares e dos restos
  culturais.
Ciclo Biológico
Ciclo 30 a 80 dias;
Ovos (cerca de 2mm);
Larvas (cerca de 12mm);
Pupas;
Adulto (11x5 mm).
Danos e injurias
Abertura de galerias no
 rizoma e partes inferiores
 do          pseudocaule,
 principalmente        pela
 larva;

Porta de entrada para o
 agente da doença fúngica
 "mal do Panamá".
Danos e injurias
 - Em consequências dessas injúrias
 ocorre:
 Amarelecimento das folhas;
 Secamento das folhas;
 Morte do broto devido a destruição
 da gema apical;
 Queda na produção (cerca de 30%
 no Brasil);
 Frutos perdem tamanho e peso;
 Tombamento das plantas devido a
 ação dos ventos e peso dos cachos.
Cuidados com materiais de propagação
 A utilização de mudas
  sadias;
 Fazer a seleção das
  mudas;
 Remover as pragas que
  porventura estejam no
  rizoma;
 Tratar os rizomas com
  uma      solução      de
  inseticidas específicos.
Métodos de controle
 Cultural;
 Utilização de iscas;
 Controle químico;
 Controle comportamental;
 Controle biológico. (fungo
 entomopatogênico Beauveri
 a bassiana).
Caliotrips bicinctus, Chaetanaphothrips orchidii e
                            Tryphactothrips lineatus
Descrição, biologia e comportamento
 De acordo com Gallo et al. (1988):
 Os tripes são insetos pequenos;
 Vivem nas inflorescências;
 Os ovos, postos sob a cutícula da
  planta;
 As formas jovens movimentam-se
  lentamente;
 apresentam coloração amarelo-clara,
  enquanto os adultos são escuros.
Danos e injurias
 Os frutos tornam-se manchados;
 Aparecimento       de pequenas
  manchas       enegrecidas     ou
  vermelho-esbranquiçadas      nos
  pontos de contato entre os
  frutos (Gallo et al., 1988);
 Manchas de coloração castanho-
  avermelhada;
 Perda de elasticidade;
 Rachaduras na epiderme.
Métodos de controle
Gallo et al. (1988) recomenda:
 Que      as pulverizações com
  produtos químicos nas flores e nos
  frutos sejam iniciadas por ocasião
  do aparecimento do pendão floral;
 A eliminação dos restos florais e
  do coração;
 A erradicação dos hospedeiros
  alternativos (plantas do gênero
  Terminalia);
 Proteção dos cachos com sacos,
  impregnados     ou    não    com
  inseticidas
Opogona sacchari (Bojer) (Lepidoptera: Lyonetidae)



 Mariposas que medem de 13 a 14
mm e 30 mm de envergadura.

 Coloração castanho-amarelada e asas
posteriores acinzentadas

 As fêmeas fazem postura somente em
inflorescências jovens;

 O inseto pode atacar todas as partes da
planta, exceto raízes e folhas.
Período de incubação é      acúmulo de resíduos na
de quatro a cinco dias;      extremidade apical dos frutos e
Fases larval e pupal são
                             maturação precoce daqueles
respectivamente, 30 dias e   atacados pela praga.
de 15 a 20 dias.
Métodos de controle
   Recomenda-se adoção de práticas
  culturais como:
 Remoção do coração (fig. A);
 Seccionamento do pseudocaule em
                                     A
  pedaços pequenos (fig. B);
 Despistilagem (fig.C).
Embrapa Mandioca e Fruticultura/Sistema de Produção, 18 - 2º edição-ISSN
1678-8796                       Versão                    eletrônica.Nov/2011
>http://http://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/FontesHTML/Banana/
SistemaOrganicoCultivoBanana_2ed/pragas.htm> acessado em 10 de outubro
de 2012
O cultivo da bananeira/ Ana Lúcia Borges, Luciano da Silva Souza, editores:
autores, Aldo Vilar Trindade... [et al.].-Cruz das Almas: Embrapa Mandioca e
Friticultura, 2004. 279p.:il;22cm.

GALLO, D.; NAKANO, N.; SILVEIRA NETO, S.; CARVALHO, R.P.L.;
BATISTA, G.C. de; BERTI FILHO, E.; PARRA, J.R.P.; ZUCCHI, R.A.; ALVES,
S.B.; VENDRAMIN, J.D. Manual de entomologia agrícola. São Paulo:
Agronômica Ceres, 1988. p.428-434.
Editor de slides:
David Oliveira Rodrigues
Email: davidsnd1@hotmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do MilhoCultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Ítalo Arrais
 
Producao e comercializacao de frutas
Producao e comercializacao de frutasProducao e comercializacao de frutas
Producao e comercializacao de frutas
gustavo_ruffeil
 
Manejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da SojaManejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da Soja
Geagra UFG
 
Sorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologiaSorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologia
Geagra UFG
 
Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do AlgodoeiroPlantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Geagra UFG
 
Cultura da bananeira sistema GOMES RP
Cultura da bananeira sistema GOMES RPCultura da bananeira sistema GOMES RP
Cultura da bananeira sistema GOMES RP
Romario Gomes
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
Geagra UFG
 
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIROMORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
Geagra UFG
 
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - MilhoTratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
Geagra UFG
 
Alternativas de controle cultural e biologico
Alternativas de controle cultural e biologicoAlternativas de controle cultural e biologico
Alternativas de controle cultural e biologico
Geagra UFG
 
Unidade 04 germinação das sementes
Unidade 04 germinação das sementesUnidade 04 germinação das sementes
Unidade 04 germinação das sementes
Bruno Rodrigues
 
AULA 1 Produção de mudas.ppt
AULA 1 Produção de mudas.pptAULA 1 Produção de mudas.ppt
AULA 1 Produção de mudas.ppt
UFV
 
Implantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do FeijãoImplantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do Feijão
Killer Max
 
Apostila fruticultura
Apostila fruticulturaApostila fruticultura
Apostila fruticultura
Rogger Wins
 
Inseticidas
InseticidasInseticidas
Inseticidas
Geagra UFG
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
Geagra UFG
 
Preparo do solo e adubação do sorgo
Preparo do solo e adubação do sorgoPreparo do solo e adubação do sorgo
Preparo do solo e adubação do sorgo
Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de inseticidas
Mecanismo de ação de inseticidasMecanismo de ação de inseticidas
Mecanismo de ação de inseticidas
Geagra UFG
 
Identificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasIdentificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhas
Geagra UFG
 
Manejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no AlgodãoManejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no Algodão
Geagra UFG
 

Mais procurados (20)

Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do MilhoCultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
 
Producao e comercializacao de frutas
Producao e comercializacao de frutasProducao e comercializacao de frutas
Producao e comercializacao de frutas
 
Manejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da SojaManejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da Soja
 
Sorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologiaSorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologia
 
Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do AlgodoeiroPlantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
 
Cultura da bananeira sistema GOMES RP
Cultura da bananeira sistema GOMES RPCultura da bananeira sistema GOMES RP
Cultura da bananeira sistema GOMES RP
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
 
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIROMORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
 
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - MilhoTratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
 
Alternativas de controle cultural e biologico
Alternativas de controle cultural e biologicoAlternativas de controle cultural e biologico
Alternativas de controle cultural e biologico
 
Unidade 04 germinação das sementes
Unidade 04 germinação das sementesUnidade 04 germinação das sementes
Unidade 04 germinação das sementes
 
AULA 1 Produção de mudas.ppt
AULA 1 Produção de mudas.pptAULA 1 Produção de mudas.ppt
AULA 1 Produção de mudas.ppt
 
Implantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do FeijãoImplantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do Feijão
 
Apostila fruticultura
Apostila fruticulturaApostila fruticultura
Apostila fruticultura
 
Inseticidas
InseticidasInseticidas
Inseticidas
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
 
Preparo do solo e adubação do sorgo
Preparo do solo e adubação do sorgoPreparo do solo e adubação do sorgo
Preparo do solo e adubação do sorgo
 
Mecanismo de ação de inseticidas
Mecanismo de ação de inseticidasMecanismo de ação de inseticidas
Mecanismo de ação de inseticidas
 
Identificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasIdentificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhas
 
Manejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no AlgodãoManejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no Algodão
 

Semelhante a Manejo Integrado de pragas na cultura da bananeira

Doenças da mangueira antracnose
Doenças da mangueira   antracnoseDoenças da mangueira   antracnose
Doenças da mangueira antracnose
rfoltran
 
Moscas das-frutas
Moscas das-frutasMoscas das-frutas
Moscas das-frutas
Killer Max
 
Pragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticulturaPragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticultura
Juan Rodríguez
 
Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: Sorgo
Geagra UFG
 
Mip do milho
Mip do milhoMip do milho
Mip do milho
Geovani Santana
 
Palestra-Mais-que-mel_SMA.pdf
Palestra-Mais-que-mel_SMA.pdfPalestra-Mais-que-mel_SMA.pdf
Palestra-Mais-que-mel_SMA.pdf
CarmenRamos248457
 
MIP NO ALGODÃO
MIP NO ALGODÃOMIP NO ALGODÃO
MIP NO ALGODÃO
Geagra UFG
 
Doençastomateiro 130925211840-phpapp02
Doençastomateiro 130925211840-phpapp02Doençastomateiro 130925211840-phpapp02
Doençastomateiro 130925211840-phpapp02
Leandro Bicalho
 
Artigo bioterra v16_n2_04
Artigo bioterra v16_n2_04Artigo bioterra v16_n2_04
Artigo bioterra v16_n2_04
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Insetos-Pragas
 Insetos-Pragas Insetos-Pragas
Insetos-Pragas
Gabriel Araujo
 
Artigo bioterra v17_n1_03
Artigo bioterra v17_n1_03Artigo bioterra v17_n1_03
Artigo bioterra v17_n1_03
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Enraizamento in vitro de frutíferas da família Rosaceae
Enraizamento in vitro de frutíferas da família RosaceaeEnraizamento in vitro de frutíferas da família Rosaceae
Enraizamento in vitro de frutíferas da família Rosaceae
Aleksander Westphal Muniz
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
Geagra UFG
 
Trapoeraba!
Trapoeraba!Trapoeraba!
Doenças do mamoeiro.
Doenças do mamoeiro.Doenças do mamoeiro.
Doenças do mamoeiro.
Ediney Dias
 
MANEJO DE FITONEMATOIDES
MANEJO DE FITONEMATOIDESMANEJO DE FITONEMATOIDES
MANEJO DE FITONEMATOIDES
Geagra UFG
 
Podridão de órgãos de reserva
Podridão de órgãos de reservaPodridão de órgãos de reserva
Podridão de órgãos de reserva
Warlley Silva
 
UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...
UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...
UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...
Ana Aguiar
 
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO ALGODOEIRO
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO ALGODOEIROMANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO ALGODOEIRO
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO ALGODOEIRO
Geagra UFG
 
Frutas De Caroço (1)
Frutas De Caroço (1)Frutas De Caroço (1)
Frutas De Caroço (1)
Agricultura Sao Paulo
 

Semelhante a Manejo Integrado de pragas na cultura da bananeira (20)

Doenças da mangueira antracnose
Doenças da mangueira   antracnoseDoenças da mangueira   antracnose
Doenças da mangueira antracnose
 
Moscas das-frutas
Moscas das-frutasMoscas das-frutas
Moscas das-frutas
 
Pragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticulturaPragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticultura
 
Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: Sorgo
 
Mip do milho
Mip do milhoMip do milho
Mip do milho
 
Palestra-Mais-que-mel_SMA.pdf
Palestra-Mais-que-mel_SMA.pdfPalestra-Mais-que-mel_SMA.pdf
Palestra-Mais-que-mel_SMA.pdf
 
MIP NO ALGODÃO
MIP NO ALGODÃOMIP NO ALGODÃO
MIP NO ALGODÃO
 
Doençastomateiro 130925211840-phpapp02
Doençastomateiro 130925211840-phpapp02Doençastomateiro 130925211840-phpapp02
Doençastomateiro 130925211840-phpapp02
 
Artigo bioterra v16_n2_04
Artigo bioterra v16_n2_04Artigo bioterra v16_n2_04
Artigo bioterra v16_n2_04
 
Insetos-Pragas
 Insetos-Pragas Insetos-Pragas
Insetos-Pragas
 
Artigo bioterra v17_n1_03
Artigo bioterra v17_n1_03Artigo bioterra v17_n1_03
Artigo bioterra v17_n1_03
 
Enraizamento in vitro de frutíferas da família Rosaceae
Enraizamento in vitro de frutíferas da família RosaceaeEnraizamento in vitro de frutíferas da família Rosaceae
Enraizamento in vitro de frutíferas da família Rosaceae
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
 
Trapoeraba!
Trapoeraba!Trapoeraba!
Trapoeraba!
 
Doenças do mamoeiro.
Doenças do mamoeiro.Doenças do mamoeiro.
Doenças do mamoeiro.
 
MANEJO DE FITONEMATOIDES
MANEJO DE FITONEMATOIDESMANEJO DE FITONEMATOIDES
MANEJO DE FITONEMATOIDES
 
Podridão de órgãos de reserva
Podridão de órgãos de reservaPodridão de órgãos de reserva
Podridão de órgãos de reserva
 
UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...
UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...
UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...
 
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO ALGODOEIRO
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO ALGODOEIROMANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO ALGODOEIRO
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO ALGODOEIRO
 
Frutas De Caroço (1)
Frutas De Caroço (1)Frutas De Caroço (1)
Frutas De Caroço (1)
 

Último

Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 

Último (20)

Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 

Manejo Integrado de pragas na cultura da bananeira

  • 1. Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Mato Grosso- Campus Confresa Disciplina: Manejo Integrado de Pragas- MIP Curso: Bacharelado em agronomia “2010” Acadêmicos: David Oliveira, Ibernon e Pedro Paulo Confresa-MT 2012
  • 2.  Ordem: Scitaminea  Família: Musaceae  Sub-Família: Musoideae  Gênero: Musa  Sub-Gênero: Eumusa
  • 3. Morfologia da Bananeira Vegetal herbáceo completo, pois apresenta caule, raízes, folhas, flores, frutos e sementes.
  • 4.  Produção mundial: 90,7 milhões toneladas;  Área plantada: 4,8 milhões ha;  Produção Brasil: 7,1 milhões toneladas;  4ºmaior produtor;  Área plantada: 513 mil há;  Principais produtores: BA, SP, SC, PA, MG;  Rendimento médio: 13,7 t/ha(18,4 t/ha média mundial); FNP, FAO e IBGE (2009)
  • 5. Cosmopolites sordidus (Germ.) (Coleóptera: Curculionidae) Descrição e Biologia  É um besouro preto;  Adulto mede cerca de 11x5 mm;  Os danos são causados principalmente pelas larva;  Sobrevivem em ambientes úmidos e sombreados junto às touceiras da bananeira, entre as bainhas foliares e dos restos culturais.
  • 6. Ciclo Biológico Ciclo 30 a 80 dias; Ovos (cerca de 2mm); Larvas (cerca de 12mm); Pupas; Adulto (11x5 mm).
  • 7. Danos e injurias Abertura de galerias no rizoma e partes inferiores do pseudocaule, principalmente pela larva; Porta de entrada para o agente da doença fúngica "mal do Panamá".
  • 8. Danos e injurias - Em consequências dessas injúrias ocorre: Amarelecimento das folhas; Secamento das folhas; Morte do broto devido a destruição da gema apical; Queda na produção (cerca de 30% no Brasil); Frutos perdem tamanho e peso; Tombamento das plantas devido a ação dos ventos e peso dos cachos.
  • 9. Cuidados com materiais de propagação  A utilização de mudas sadias;  Fazer a seleção das mudas;  Remover as pragas que porventura estejam no rizoma;  Tratar os rizomas com uma solução de inseticidas específicos.
  • 10. Métodos de controle  Cultural;  Utilização de iscas;  Controle químico;  Controle comportamental;  Controle biológico. (fungo entomopatogênico Beauveri a bassiana).
  • 11.
  • 12.
  • 13. Caliotrips bicinctus, Chaetanaphothrips orchidii e Tryphactothrips lineatus Descrição, biologia e comportamento De acordo com Gallo et al. (1988):  Os tripes são insetos pequenos;  Vivem nas inflorescências;  Os ovos, postos sob a cutícula da planta;  As formas jovens movimentam-se lentamente;  apresentam coloração amarelo-clara, enquanto os adultos são escuros.
  • 14. Danos e injurias  Os frutos tornam-se manchados;  Aparecimento de pequenas manchas enegrecidas ou vermelho-esbranquiçadas nos pontos de contato entre os frutos (Gallo et al., 1988);  Manchas de coloração castanho- avermelhada;  Perda de elasticidade;  Rachaduras na epiderme.
  • 15. Métodos de controle Gallo et al. (1988) recomenda:  Que as pulverizações com produtos químicos nas flores e nos frutos sejam iniciadas por ocasião do aparecimento do pendão floral;  A eliminação dos restos florais e do coração;  A erradicação dos hospedeiros alternativos (plantas do gênero Terminalia);  Proteção dos cachos com sacos, impregnados ou não com inseticidas
  • 16. Opogona sacchari (Bojer) (Lepidoptera: Lyonetidae)  Mariposas que medem de 13 a 14 mm e 30 mm de envergadura.  Coloração castanho-amarelada e asas posteriores acinzentadas  As fêmeas fazem postura somente em inflorescências jovens;  O inseto pode atacar todas as partes da planta, exceto raízes e folhas.
  • 17. Período de incubação é acúmulo de resíduos na de quatro a cinco dias; extremidade apical dos frutos e Fases larval e pupal são maturação precoce daqueles respectivamente, 30 dias e atacados pela praga. de 15 a 20 dias.
  • 18. Métodos de controle Recomenda-se adoção de práticas culturais como:  Remoção do coração (fig. A);  Seccionamento do pseudocaule em A pedaços pequenos (fig. B);  Despistilagem (fig.C).
  • 19. Embrapa Mandioca e Fruticultura/Sistema de Produção, 18 - 2º edição-ISSN 1678-8796 Versão eletrônica.Nov/2011 >http://http://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/FontesHTML/Banana/ SistemaOrganicoCultivoBanana_2ed/pragas.htm> acessado em 10 de outubro de 2012 O cultivo da bananeira/ Ana Lúcia Borges, Luciano da Silva Souza, editores: autores, Aldo Vilar Trindade... [et al.].-Cruz das Almas: Embrapa Mandioca e Friticultura, 2004. 279p.:il;22cm. GALLO, D.; NAKANO, N.; SILVEIRA NETO, S.; CARVALHO, R.P.L.; BATISTA, G.C. de; BERTI FILHO, E.; PARRA, J.R.P.; ZUCCHI, R.A.; ALVES, S.B.; VENDRAMIN, J.D. Manual de entomologia agrícola. São Paulo: Agronômica Ceres, 1988. p.428-434.
  • 20. Editor de slides: David Oliveira Rodrigues Email: davidsnd1@hotmail.com