SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 31
A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA NO
DESENVOLIMENTO ECONÔMICO
BRASILEIRO
CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO
CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO
TÓPICOS
.. Conceitos e definição da Logística.
.. Áreas de atuação.
.. A importância dos modais.
.. Custo Logísticos na cadeia produtiva.
.. Porto de Santos – 125 anos (02/02/17)
.. Dragagem.
.. Operação Safra 2017.
.. Documentário: Dinheiro público, desperdício
em portos e Ferrovias. Houve melhoria de 2011
a 2017?
CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO
Logística surgiu por volta de 1670, com a adoção de uma
nova estrutura organizacional do exército francês com o
Marechal General Des Logis, como o responsável pelo
planejamento, transporte, armazenamento e
abastecimento das tropas.
O que é Logística?
Somente por volta de 1960, quase 300 anos depois é que
se desenvolveu a Logística nas empresas, como novas
idéias sobre o armazenamento dos produtos acabados
e sua movimentação (distribuição física) até o cliente
como aspectos inseparáveis do fluxo de materiais
(Supply Chain Management).
Missão da
Logística
Produto certo,
no local certo,
no momento
adequado
e ao preço justo
Definição
Logística é o processo de
planejar, implementar e
controlar de maneira eficiente
o fluxo e a armazenagem de
produtos, bem como os
serviços e informações
associados, cobrindo desde o
ponto de origem até o ponto
de consumo, com o objetivo
de atender aos requisitos do
consumidor.
(Novaes 2001)
CONSELHO REGIONAL DE ADMINSTRAÇÃO DE SÃO PAULO
O que é Logística Integrada?
Um sistema com visão ampla de gerenciamento da cadeia de
suprimentos, do fornecimento de matéria primas até a
distribuição de produtos acabados. Ela requer o gerenciamento
de todas as funções que tornam a cadeia de suprimentos uma
entidade única, ao invés do gerenciamento de funções individuais
separadamente.
Fornecedores
Compra
Ordem de Compra
Componentes e
Subconjuntos
Ordem de Compra
Suprimentos e
Matéria Prima
Transporte Controle Produção
Packaging
Transporte Armazenagem
Clientes
CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO
CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO
ELEMENTOS ENVOLVIDOS NO SISTEMA
FORNECEDOR
PRODUTOR
REVENDEDOR
CONSUMIDOR
Desejam fornecer grandes lotes de
produtos comuns a diversos clientes.
Deseja fabricar grandes lotes de um
conjunto de produtos com projeto
simples e facilidade na montagem, tendo
ainda a garantia de qualidade de cada
produto individual.
Deseja qualidade superior e um bom
desempenho comercial associado a
marca conhecida, com um preço que
garanta boa margem de lucro.
Deseja qualidade superior, preço baixo,
boa marca e cumprimento do prazo de
entrega.
CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO
Supply Chain Management (gerenciamento da
cadeia de suprimento).
Fornecedores
de matéria-
prima
Fabricantes
de
componentes
Indústria
Atacadistas e
distribuidores
Varejistas
Consumidor
final
Processo: Input Transformação Output
Logística de
Suprimentos
Apoio a
Manufatura
Logística de
Distribuição
CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO
LOGÍSTICA NA ATIVIDADE EMPRESARIAL
CARÁTER ESTRÁTEGICO DA LOGÍSTICA :
Movimentação de Produtos
Gestão de Estoques
Processamento de pedidos
Armazenamento
Manuseio de Materiais
Sistemas de Informações
Embalagem
Sistemas Fiscais
A questão ambiental
CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO
O SISTEMA LOGÍSTICO E DE TRANSPORTES
A logística tem uma contribuição significativa no PIB de um país
por meio dos custos logísticos.
O PIB brasileiro em 2014 foi de R$ 4,8 trilhões. Deste total, 19,23%,
ou R$ 923 bilhões, representam o que se gasta com logística no
Brasil.
EUA e de apenas = 8,5%
No Brasil gastos com transportes crescem mais rápido que o PIB.
Embutido nesse valor, está também o
desperdício, ocasionado pelas rodovias mal
conservadas; pela baixa integração e
insuficiência de modais mais baratos, como
ferrovias e hidrovias; por portos e
terminais de carga com capacidade aquém
da demanda atual; por aeroportos
insuficientes e superlotados, além de
deficiência de armazenagem.
(BNDES , Estado de São
Paulo, abril 2014).
CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO
A IMPORTÂNCIA DO TRANSPORTE DE
CARGAS NA ECONOMIA
O Transporte é vital em qualquer sistema econômico:
movimenta materiais entre elos das cadeias produtivas;
distribui produtos acabados para consumidores.
CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO
COMPETITIVIDADE
A OFERTA DE TRANSPORTE COM PREÇO JUSTO:
Reduz Barreiras Geográficas.
Aumenta oferta.
Amplia o leque de fornecedores.
Provoca queda de preços.
CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO
ECONOMIA DE ESCALA
A OFERTA DE TRANSPORTE COM PREÇO JUSTO:
Expansão do mercado.
Aumento da Demanda.
Ampliação do leque de consumidores.
Menores custos de produção.
CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO
TRANSPORTE COMO SISTEMA
CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO
TRANSPORTE COMO SISTEMA
Infraestrutura
Vias (movimentação, acesso, etc.)
Instalações de embarque e desembarque
Instalações de manutenção e abastecimento
Equipamentos
Movimentação
Manuseio
Exemplos: Um porto ou aeroporto é composto de suas vias de
acesso, suas instalações para recebimento e expedição de
equipamentos do transporte e de cargas e passageiros, suas
instalações para manutenção e abastecimento e das
instalações de entidades intervenientes.
CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO
•5 tipos básicos.
–Rodoviário.
–Ferroviário.
–Aéreo.
–Aquaviário (marítimo, fluvial).
–Dutoviário.
•Combinações infinitas.
MODAIS DE TRANSPORTE
CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO
TKU – Tonelada por quilômetro útil.
A produção em TKU é obtida multiplicando-se a
tonelagem transportada pela distância percorrida.
CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO
CUSTOS LOGÍSTICOS
E evidente a necessidade do aprimoramento da gestão dos
custos logísticos no Brasil, para que os empresários possam
ter visibilidade de cada um dos componentes do referido custo
, bem como da análise de Custo Logístico Total. As dimensões
geográficas e a nossa infraestrutura de transportes interferem
na competitividade e nos resultados econômicos.
A logística é relevante nas atividades de suprimento,
manufatura, e distribuição.
Composição dos Custos Logísticos
Modais: rodoviário,
ferroviário,
aquaviário, aéreo e
dutoviário.
TRANSPORTE ESTOQUE
Custo financeiro,
seguro, obsolência,
depreciação,perdas
e danos.
Movimentação de
carga,
acondicionamento
ARMAZENAGEM ADMINISTRATIVO
Estrutura
administrativa da
logística.
CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO
CUSTOS LOGÍSTICOS POR PROCESSO
Logística de Abastecimento %
Suprimentos 4
Frete/Seguro 18
Planejamento de materiais 7
Administração de materiais 10
Recebimento 1
Custo de estocagem - matérias primas 10
Total....................................................... 50
Logística de Planta %
Movimentação interna 4
PCP – Planejamento e Controle de Produção 1
Custo de estocagem – Produtos e processo 2
Custo de capital s/ Ativo Imobilizado 2
Total.......................................................... 9
Logística de Distribuição %
Armazenagem e Expedição 26
Frete de transferência 5
Custo de estocagem – Produto acabado 8
Custo de capital s/ Ativo Imobilizado 2
Total............................................................. 41
Total Geral.................................................. 100
Fonte: Faria, Ana Cristina,
Gestão Custos Logísticos, Atlas,
2005, revisão 2014.
CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO
01 CUSTO DA MERCADORIA (VALOR FOB)
02 FRETE INTERNACIONAL
03 SEGURO INTERNACIONAL
VALOR CIF (CUSTO + SEGURO + FRETE)
04 IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO (I.I.) 18%
05 IMPOSTO SOBRE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS (I.P.I) - 15%
06 DESPESAS ADUANEIRAS = AFRRM +SISCOMEX + ARMAZENAGEM +
CAPATAZIA + TUP+ DESPACHANTE ADUANEIRO + TRANSPORTE
INTERNO + DESPESAS BANCÁRIAS + DESPESAS DE FRETE NO
DESTINO + CUSTOS INDIRETOS
07 PIS/PASEP – IMPORTAÇÃO (1,65%)
08 COFINS – IMPORTAÇÃO (7,60%)
SUB-TOTAL
BASE DE CÁLCULO DO ICMS * Considerar o sub-total
dividido pelo fator de integração de 0,82
09 ICMS (18%)
TOTAL DA IMPORTAÇÃO
ESTIMATIVA DE CUSTO DE IMPORTAÇÃO
Fonte: Sebrae.
CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO
ESTIMATIVA DE CUSTO DE IMPORTAÇÃO
Produto: Máquina Hyster Asa Delta
Porto de Embarque: Porto de Miami – EUA
Porto de Destino: Rio de Janeiro - RJ
Cotação do dolar R$ 3,1358
US$ R$
01 CUSTO DA MERCADORIA (VALOR FOB) 400.000,00 1.254.320,00
02 FRETE INTERNACIONAL 12.000,00 37.629,60
03 SEGURO INTERNACIONAL 4.000,00 12.543,20
VALOR CIF (CUSTO + SEGURO + FRETE) 416.000,00 1.304.492,80
04 IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO (I.I.) = 18% 234.808,70
05 IMPOSTO SOBRE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS (I.P.I) = 15% 230.895,23
06 DESPESAS ADUANEIRAS: SISCOMEX + ARMAZENAGEM +
CAPATAZIA + DESPACHANTE ADUANEIRO + TRANSPORTE
INTERNO + DESPESAS BANCÁRIAS + DESPESAS DE FRETE NO
DESTINO + CUSTOS INDIRETOS (5% S/FOB) 62.716,00
07 PIS/PASEP – IMPORTAÇÃO (1,65%) 30.243,06
08 COFINS – IMPORTAÇÃO (7,60%) 141.599,84
SUB-TOTAL 2.004.755,63
BASE DE CÁLCULO DO ICMS * Considerar o sub-total
dividido pelo fator de integração de 0,82 2.444.823,94
09 ICMS (18%) 440.068,31
TOTAL DA IMPORTAÇÃO 2.884.892,25
1,65%sobre o valor do (CIF+II+IPI+Despesas Aduaneiras)
7,60%sobre o valor do (CIF+II+IPI+Despesas Aduaneiras+PIS/PASEP)
FONTE: SEBRAE
CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO
TARIFA DO PORTO DE SANTOS
TABELA I – UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA PORTUÁRIA
- Taxas Devidas pelos requisitantes
TABELA II – UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA TERRESTRE
- Taxas Devidas pelos Requisitantes e/ ou Arrendatários
TABELA V – SERVIÇOS GERAIS
- Taxas Devidas pelos Requisitantes
VIGÊNCIA : 01/12//2016
CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO
TABELA I
TARIFA DO PORTO DE SANTOS
EM FUNÇÃO DO MOVIMENTO REALIZADO PELA EMBARCAÇÃO
1.1. Por tonelada.................................................................. R$ 3,38
1.2. Por contêiner com carga................................................R$ 61,29
POR METRO LINEAR DE CAIS OCUPADO POR EMBARCAÇÃO ATRACADA
E POR PERÍODO DE 6 HORAS OU FRAÇÃO:
2.1. De comprimento inferior a 50 metros, em qualquer berço.............R$ 1,66
2.2. No Terminal para Fertilizantes de Conceiçãozinha, no Terminal de
Líquidos da Alamoa e no Terminal de Contêineres..............................R$ 9,54
2.3. Nos berços dos armazéns 38 e 39, quando na movimentação de produtos
provenientes dos armazéns do “Corredor de Exportação”..................R$ 11,96
2.4. Nos berços entre os armazéns 37 e 39........................................R$ 8,72
2.5. Nos demais berços.......................................................................R$ 7,51
CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO
PORTO DE SANTOS – MOVIMENTAÇÃO DE CARGA
CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO
PORTO DE SANTOS – MOVIMENTAÇÃO DE CARGA
80.8 81.0 83.0
96.0 97.2
104.5
114.1 112.2
119.9
113.8
10.0
20.0
30.0
40.0
50.0
60.0
70.0
80.0
90.0
100.0
110.0
120.0
130.0
2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016
Milhões t
Fonte: CODESP – Estatística,
folha 02 – Dez/16
CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO
Dragagem do canal do Porto de Santos
O ministro dos Transportes, Maurício Quintella, assinou, no
dia 02/02/2016, o contrato para a dragagem de
aprofundamento e adequação do canal de acesso ao Porto
de Santos, no litoral de São Paulo.
O contrato prevê o aprofundamento e adequação do canal
de navegação e das bacias de acesso aos berços, dos
atuais 15 metros, em média, para 15,4 e 15,7 metros
pelos próximos três anos. De acordo com o ministro “A
cada meio metro, você consegue mais 100 contêineres
em cada navio”.
Fonte: Jornal Atribuna de Santos.
CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO
CALADOS MÁXIMOS DE OPERAÇÃO NO CANAL DE NAVEGAÇÃO
(Zero DHN)
Barra até Entreposto de
Pesca
(Trecho I)
13,20m
OUTUBRO
2016
Entreposto de Pesca à
Torre Grande
(Trecho II)
13,20m
OUTUBRO
2016
Torre Grande até
Armazém 06
(Trecho III)
12,70m
OUTUBRO
2016
Armazém 06 até o final
do terminal BTP
(Trecho IV)
12,70m
OUTUBRO
2016
Terminal BTP até o final
do Trecho IV
(Trecho IV)
11,20m
OUTUBRO
2016
Em conformidade com a Lei nº 12.815/13, Art.18, Inciso I, Item
D, a CODESP faz saber que os calados máximos de
operação, no canal de navegação permitidos no Porto de
Santos são:
CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO
CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO
O evento teve o objetivo de divulgar as estratégias dos governos
federal, estadual e municipal relacionadas aos fluxos rodoviário e
urbano de caminhões com destino ao Porto de Santos para o
escoamento da safra de grãos no Brasil.
O Brasil vai bater novamente o recorde de produção de grão em
2017, com estimativa de 215 milhões de toneladas
representando um aumento aproximado de 16% da produção
nacional de grãos. A Agência Nacional de Transportes Terrestres
(ANTT) é responsável pela regulamentação do transporte rodoviário
de cargas e de passageiros, bem como das rodovias federais
concedidas que compreendem as principais rotas utilizadas para o
escoamento da Safra.
FORUM OPERAÇÃO SAFRA 2017
CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO
 A melhoria da entrada de Santos, com acesso aos Terminais e
Porto, continua na fase de projetos e estudos ambientais, sem data
definida para inicio das obras. Segundo informações no Fórum
Operação Safra 2017, a Ecovias está estudando a viabilidade de
assumir as obras.
ANTT, em parceria com órgãos públicos, tem contribuído para
processo de escoamento da safra de granéis vegetais, evitando a
formação de filas e interrupções do tráfego na área portuária. Com a
previsão de crescimento para o ano 2017, em torno de 16%, haverá
novos pátios reguladores para dar apoio ao Ecopátio em Cubatão?
A expansão da perimetral, segunda fase, está sem previsão de
verba para dar o input nas obras. E um fator negativo para melhoria
do fluxo diário do porto.
O ministro do transporte Maurício Quintella, deu informação ao
participar do Seminário organizado pelo Instituto Legislativo
Brasileiro (ILB), que para conclusão do PAC Rodovias, exige do
governo R$ 67 bilhões. Não há previsão de verba.
CONSIDERAÇÕES
CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO
• Ambição é o caminho para o
sucesso.
• Persistência é o veículo no qual
se chega lá.”
• Bill Eardley
CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO
Obrigado!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Palestra Proteção auditiva
Palestra Proteção auditivaPalestra Proteção auditiva
Palestra Proteção auditivaFlávia Piol
 
Percepção de Risco e Comportamento Seguro.pdf
Percepção de Risco e Comportamento Seguro.pdfPercepção de Risco e Comportamento Seguro.pdf
Percepção de Risco e Comportamento Seguro.pdfTecnicadeseguranaTST
 
Métodos de Estabilização de Fraturas - 3o Ano
Métodos de Estabilização de Fraturas - 3o AnoMétodos de Estabilização de Fraturas - 3o Ano
Métodos de Estabilização de Fraturas - 3o AnoCarlos Andrade
 
Aula princípios gerais de segurança no trabalho
Aula princípios gerais de segurança no trabalhoAula princípios gerais de segurança no trabalho
Aula princípios gerais de segurança no trabalhothiago_design
 
Aula 2 acidentes de trabalho
Aula 2   acidentes de trabalhoAula 2   acidentes de trabalho
Aula 2 acidentes de trabalhoDaniel Moura
 
NR18-Treinamento-Integracao.pptx
NR18-Treinamento-Integracao.pptxNR18-Treinamento-Integracao.pptx
NR18-Treinamento-Integracao.pptxLeomir Borghardt
 
3. hst avaliação de riscos
3. hst avaliação de riscos3. hst avaliação de riscos
3. hst avaliação de riscosGilson Adao
 
ERGONOMIA NO AMBIENTE INDUSTRIAL: Uma abordagem do ponto de vista da engenh...
ERGONOMIA NO AMBIENTE INDUSTRIAL: Uma abordagem do  ponto de vista  da engenh...ERGONOMIA NO AMBIENTE INDUSTRIAL: Uma abordagem do  ponto de vista  da engenh...
ERGONOMIA NO AMBIENTE INDUSTRIAL: Uma abordagem do ponto de vista da engenh...Vic Fernandes
 
Saude Ocupacional - Doenças Profissionais
Saude Ocupacional - Doenças ProfissionaisSaude Ocupacional - Doenças Profissionais
Saude Ocupacional - Doenças ProfissionaisHelena Rocha
 
Cartilha sst na_construo_civil_seconci_e_sebrae
Cartilha sst na_construo_civil_seconci_e_sebraeCartilha sst na_construo_civil_seconci_e_sebrae
Cartilha sst na_construo_civil_seconci_e_sebraeNestor Neto
 
Campanha adornos
Campanha adornosCampanha adornos
Campanha adornosAne Costa
 
Acidente de Trabalho - Conceito Previdenciário
Acidente de Trabalho - Conceito Previdenciário Acidente de Trabalho - Conceito Previdenciário
Acidente de Trabalho - Conceito Previdenciário Sinticompi
 
Cinesiologia alavancas
Cinesiologia   alavancasCinesiologia   alavancas
Cinesiologia alavancasWando Pagani
 
Higiene e segurança no trabalho
Higiene e segurança no trabalho   Higiene e segurança no trabalho
Higiene e segurança no trabalho Catarina Calçada
 

Mais procurados (20)

Palestra Proteção auditiva
Palestra Proteção auditivaPalestra Proteção auditiva
Palestra Proteção auditiva
 
Percepção de Risco e Comportamento Seguro.pdf
Percepção de Risco e Comportamento Seguro.pdfPercepção de Risco e Comportamento Seguro.pdf
Percepção de Risco e Comportamento Seguro.pdf
 
Métodos de Estabilização de Fraturas - 3o Ano
Métodos de Estabilização de Fraturas - 3o AnoMétodos de Estabilização de Fraturas - 3o Ano
Métodos de Estabilização de Fraturas - 3o Ano
 
Aula princípios gerais de segurança no trabalho
Aula princípios gerais de segurança no trabalhoAula princípios gerais de segurança no trabalho
Aula princípios gerais de segurança no trabalho
 
Aula 2 acidentes de trabalho
Aula 2   acidentes de trabalhoAula 2   acidentes de trabalho
Aula 2 acidentes de trabalho
 
NR18-Treinamento-Integracao.pptx
NR18-Treinamento-Integracao.pptxNR18-Treinamento-Integracao.pptx
NR18-Treinamento-Integracao.pptx
 
Percepção de Risco.ppt
Percepção de Risco.pptPercepção de Risco.ppt
Percepção de Risco.ppt
 
3. hst avaliação de riscos
3. hst avaliação de riscos3. hst avaliação de riscos
3. hst avaliação de riscos
 
Ler dort
Ler dortLer dort
Ler dort
 
ERGONOMIA NO AMBIENTE INDUSTRIAL: Uma abordagem do ponto de vista da engenh...
ERGONOMIA NO AMBIENTE INDUSTRIAL: Uma abordagem do  ponto de vista  da engenh...ERGONOMIA NO AMBIENTE INDUSTRIAL: Uma abordagem do  ponto de vista  da engenh...
ERGONOMIA NO AMBIENTE INDUSTRIAL: Uma abordagem do ponto de vista da engenh...
 
Saude Ocupacional - Doenças Profissionais
Saude Ocupacional - Doenças ProfissionaisSaude Ocupacional - Doenças Profissionais
Saude Ocupacional - Doenças Profissionais
 
Cartilha sst na_construo_civil_seconci_e_sebrae
Cartilha sst na_construo_civil_seconci_e_sebraeCartilha sst na_construo_civil_seconci_e_sebrae
Cartilha sst na_construo_civil_seconci_e_sebrae
 
Campanha adornos
Campanha adornosCampanha adornos
Campanha adornos
 
Acidente de Trabalho - Conceito Previdenciário
Acidente de Trabalho - Conceito Previdenciário Acidente de Trabalho - Conceito Previdenciário
Acidente de Trabalho - Conceito Previdenciário
 
Cinesiologia alavancas
Cinesiologia   alavancasCinesiologia   alavancas
Cinesiologia alavancas
 
Riscos físicos
Riscos físicosRiscos físicos
Riscos físicos
 
Aula ergonomia
Aula ergonomiaAula ergonomia
Aula ergonomia
 
Higiene e segurança no trabalho
Higiene e segurança no trabalho   Higiene e segurança no trabalho
Higiene e segurança no trabalho
 
Questoes de gestão de transporte e frota
Questoes de gestão de transporte e frotaQuestoes de gestão de transporte e frota
Questoes de gestão de transporte e frota
 
Riscos no ambiente de trabalho
Riscos no ambiente de trabalhoRiscos no ambiente de trabalho
Riscos no ambiente de trabalho
 

Destaque

Como elaborar plano de negocio guia explicativo
Como elaborar plano de negocio guia explicativoComo elaborar plano de negocio guia explicativo
Como elaborar plano de negocio guia explicativoSousa Martins
 
DIAGMA Brasil - 8 Dicas para Otimizar a sua Necessidade de Capital de Giro
DIAGMA Brasil - 8 Dicas para Otimizar a sua Necessidade de Capital de GiroDIAGMA Brasil - 8 Dicas para Otimizar a sua Necessidade de Capital de Giro
DIAGMA Brasil - 8 Dicas para Otimizar a sua Necessidade de Capital de GiroDIAGMA | Brasil
 
Análise de índices econômico financeiros
Análise de índices econômico financeirosAnálise de índices econômico financeiros
Análise de índices econômico financeirosGlauciana Oliveira
 
Indicadores econômico financeiros
Indicadores econômico financeirosIndicadores econômico financeiros
Indicadores econômico financeirosprofessoredmilson
 
Indicadores de desempenho
Indicadores de desempenhoIndicadores de desempenho
Indicadores de desempenhomauroconde
 
Indicadores financieros
Indicadores financierosIndicadores financieros
Indicadores financierosyesenia duarte
 

Destaque (20)

Semana de Comércio Exterior e Logística - Aplicação de ferramentas de melhori...
Semana de Comércio Exterior e Logística - Aplicação de ferramentas de melhori...Semana de Comércio Exterior e Logística - Aplicação de ferramentas de melhori...
Semana de Comércio Exterior e Logística - Aplicação de ferramentas de melhori...
 
Semana de Comércio Exterior e Logística - Brasil: perspectivas e oportunidade...
Semana de Comércio Exterior e Logística - Brasil: perspectivas e oportunidade...Semana de Comércio Exterior e Logística - Brasil: perspectivas e oportunidade...
Semana de Comércio Exterior e Logística - Brasil: perspectivas e oportunidade...
 
Como elaborar plano de negocio guia explicativo
Como elaborar plano de negocio guia explicativoComo elaborar plano de negocio guia explicativo
Como elaborar plano de negocio guia explicativo
 
Indicadores de Desempenho
Indicadores de Desempenho Indicadores de Desempenho
Indicadores de Desempenho
 
Semana de Comércio Exterior e Logística - Os principais entraves nas exportaç...
Semana de Comércio Exterior e Logística - Os principais entraves nas exportaç...Semana de Comércio Exterior e Logística - Os principais entraves nas exportaç...
Semana de Comércio Exterior e Logística - Os principais entraves nas exportaç...
 
Semana de Comércio Exterior e Logística - Superando os desafios logísticos no...
Semana de Comércio Exterior e Logística - Superando os desafios logísticos no...Semana de Comércio Exterior e Logística - Superando os desafios logísticos no...
Semana de Comércio Exterior e Logística - Superando os desafios logísticos no...
 
Semana de Comércio Exterior e Logística - Situação da política nacional de re...
Semana de Comércio Exterior e Logística - Situação da política nacional de re...Semana de Comércio Exterior e Logística - Situação da política nacional de re...
Semana de Comércio Exterior e Logística - Situação da política nacional de re...
 
Zoily salaza
Zoily salazaZoily salaza
Zoily salaza
 
Grandes Questões, Soluções Estratégicas
Grandes Questões, Soluções EstratégicasGrandes Questões, Soluções Estratégicas
Grandes Questões, Soluções Estratégicas
 
Ronaldo picorelli palestra argentina
Ronaldo picorelli   palestra argentinaRonaldo picorelli   palestra argentina
Ronaldo picorelli palestra argentina
 
A mulher no mercado de trabalho, protagonismo crescente
A mulher no mercado de trabalho, protagonismo crescenteA mulher no mercado de trabalho, protagonismo crescente
A mulher no mercado de trabalho, protagonismo crescente
 
Desafios para a mulher administradora no universo das franquias
Desafios para a mulher administradora no universo das franquiasDesafios para a mulher administradora no universo das franquias
Desafios para a mulher administradora no universo das franquias
 
Mulher Administradora e o salto para o futuro
Mulher Administradora e o salto para o futuroMulher Administradora e o salto para o futuro
Mulher Administradora e o salto para o futuro
 
Mulher Administradora e o salto para o futuro
Mulher Administradora e o salto para o futuroMulher Administradora e o salto para o futuro
Mulher Administradora e o salto para o futuro
 
DIAGMA Brasil - 8 Dicas para Otimizar a sua Necessidade de Capital de Giro
DIAGMA Brasil - 8 Dicas para Otimizar a sua Necessidade de Capital de GiroDIAGMA Brasil - 8 Dicas para Otimizar a sua Necessidade de Capital de Giro
DIAGMA Brasil - 8 Dicas para Otimizar a sua Necessidade de Capital de Giro
 
Análise de índices econômico financeiros
Análise de índices econômico financeirosAnálise de índices econômico financeiros
Análise de índices econômico financeiros
 
Indicadores Financeiros
Indicadores FinanceirosIndicadores Financeiros
Indicadores Financeiros
 
Indicadores econômico financeiros
Indicadores econômico financeirosIndicadores econômico financeiros
Indicadores econômico financeiros
 
Indicadores de desempenho
Indicadores de desempenhoIndicadores de desempenho
Indicadores de desempenho
 
Indicadores financieros
Indicadores financierosIndicadores financieros
Indicadores financieros
 

Semelhante a Semana de Comércio Exterior e Logística - A importância da logística no desenvolvimento econômico brasileiro

INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA
INTRODUÇÃO À LOGÍSTICAINTRODUÇÃO À LOGÍSTICA
INTRODUÇÃO À LOGÍSTICAAntonio Bacelar
 
Inovação em Projetos e Operações Logísticas e Gestão da Cadeia de Suprimentos
Inovação em Projetos e Operações Logísticas e Gestão da Cadeia de SuprimentosInovação em Projetos e Operações Logísticas e Gestão da Cadeia de Suprimentos
Inovação em Projetos e Operações Logísticas e Gestão da Cadeia de SuprimentosPedro Hijo
 
FUNDAMENTOS LOGÍSTICOS - HISTÓRIA DA LOGISTICA - AULA 1.pptx
FUNDAMENTOS LOGÍSTICOS - HISTÓRIA DA LOGISTICA - AULA 1.pptxFUNDAMENTOS LOGÍSTICOS - HISTÓRIA DA LOGISTICA - AULA 1.pptx
FUNDAMENTOS LOGÍSTICOS - HISTÓRIA DA LOGISTICA - AULA 1.pptxJoseRicardoSilva9
 
Cabotagem - Entraves e propostas de soluções
Cabotagem - Entraves e propostas de soluçõesCabotagem - Entraves e propostas de soluções
Cabotagem - Entraves e propostas de soluçõescomunicacaousuport
 
Logística em Comércio Exterior - Oportunidades Profissionais
Logística em Comércio Exterior - Oportunidades ProfissionaisLogística em Comércio Exterior - Oportunidades Profissionais
Logística em Comércio Exterior - Oportunidades ProfissionaisABRACOMEX
 
01 _fundamentos_de_logistica___introducao (1)
01  _fundamentos_de_logistica___introducao (1)01  _fundamentos_de_logistica___introducao (1)
01 _fundamentos_de_logistica___introducao (1)Aline Trevisol
 
3ªaula de logística da uninov ev2
3ªaula de logística da uninov ev23ªaula de logística da uninov ev2
3ªaula de logística da uninov ev2Eduardo Facchini
 
III Encontro de Portos da CPLP – Matos Fernandes – Porto de Leixões
III Encontro de Portos da CPLP – Matos Fernandes – Porto de LeixõesIII Encontro de Portos da CPLP – Matos Fernandes – Porto de Leixões
III Encontro de Portos da CPLP – Matos Fernandes – Porto de LeixõesPortos de Portugal
 
Apresentação DIAGMA Brasil 31º Simpósio Ciclo Supply Chain e Logística - A Co...
Apresentação DIAGMA Brasil 31º Simpósio Ciclo Supply Chain e Logística - A Co...Apresentação DIAGMA Brasil 31º Simpósio Ciclo Supply Chain e Logística - A Co...
Apresentação DIAGMA Brasil 31º Simpósio Ciclo Supply Chain e Logística - A Co...DIAGMA | Brasil
 
Logística Ambiental e Reversa
Logística Ambiental e ReversaLogística Ambiental e Reversa
Logística Ambiental e ReversaJocelenilton Gomes
 
Logística em Comércio Exterior - Oportunidades Profissionais
Logística em Comércio Exterior - Oportunidades ProfissionaisLogística em Comércio Exterior - Oportunidades Profissionais
Logística em Comércio Exterior - Oportunidades ProfissionaisABRACOMEX
 
Como aumentar a produtividade e multiplicar os lucros
Como aumentar a produtividade e multiplicar os lucrosComo aumentar a produtividade e multiplicar os lucros
Como aumentar a produtividade e multiplicar os lucrosKamila Máximos
 
Rui Carlos Botter, ex-presidente do Instituto Panamericano de Engenharia Naval
Rui Carlos Botter, ex-presidente do Instituto Panamericano de Engenharia NavalRui Carlos Botter, ex-presidente do Instituto Panamericano de Engenharia Naval
Rui Carlos Botter, ex-presidente do Instituto Panamericano de Engenharia NavalLuiz de Queiroz
 
Rui Carlos Botter, ex presidente do instituto panamericano de engenharia naval
Rui Carlos Botter, ex presidente do instituto panamericano de engenharia navalRui Carlos Botter, ex presidente do instituto panamericano de engenharia naval
Rui Carlos Botter, ex presidente do instituto panamericano de engenharia navalJornal GGN
 
Apresentação Comercial - em validação final
Apresentação Comercial - em validação finalApresentação Comercial - em validação final
Apresentação Comercial - em validação finalElog Logística
 
Movimentação reposição
Movimentação reposiçãoMovimentação reposição
Movimentação reposiçãoAnacie Gonoring
 

Semelhante a Semana de Comércio Exterior e Logística - A importância da logística no desenvolvimento econômico brasileiro (20)

INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA
INTRODUÇÃO À LOGÍSTICAINTRODUÇÃO À LOGÍSTICA
INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA
 
Inovação em Projetos e Operações Logísticas e Gestão da Cadeia de Suprimentos
Inovação em Projetos e Operações Logísticas e Gestão da Cadeia de SuprimentosInovação em Projetos e Operações Logísticas e Gestão da Cadeia de Suprimentos
Inovação em Projetos e Operações Logísticas e Gestão da Cadeia de Suprimentos
 
FUNDAMENTOS LOGÍSTICOS - HISTÓRIA DA LOGISTICA - AULA 1.pptx
FUNDAMENTOS LOGÍSTICOS - HISTÓRIA DA LOGISTICA - AULA 1.pptxFUNDAMENTOS LOGÍSTICOS - HISTÓRIA DA LOGISTICA - AULA 1.pptx
FUNDAMENTOS LOGÍSTICOS - HISTÓRIA DA LOGISTICA - AULA 1.pptx
 
Cabotagem - Entraves e propostas de soluções
Cabotagem - Entraves e propostas de soluçõesCabotagem - Entraves e propostas de soluções
Cabotagem - Entraves e propostas de soluções
 
Aulas logística 1
Aulas logística 1Aulas logística 1
Aulas logística 1
 
Jornada Administrativa - Mês do Administrador: Desafios logísticos no Brasil ...
Jornada Administrativa - Mês do Administrador: Desafios logísticos no Brasil ...Jornada Administrativa - Mês do Administrador: Desafios logísticos no Brasil ...
Jornada Administrativa - Mês do Administrador: Desafios logísticos no Brasil ...
 
Logística em Comércio Exterior - Oportunidades Profissionais
Logística em Comércio Exterior - Oportunidades ProfissionaisLogística em Comércio Exterior - Oportunidades Profissionais
Logística em Comércio Exterior - Oportunidades Profissionais
 
01 _fundamentos_de_logistica___introducao (1)
01  _fundamentos_de_logistica___introducao (1)01  _fundamentos_de_logistica___introducao (1)
01 _fundamentos_de_logistica___introducao (1)
 
3ªaula de logística da uninov ev2
3ªaula de logística da uninov ev23ªaula de logística da uninov ev2
3ªaula de logística da uninov ev2
 
Profissional de logistica
Profissional de logisticaProfissional de logistica
Profissional de logistica
 
III Encontro de Portos da CPLP – Matos Fernandes – Porto de Leixões
III Encontro de Portos da CPLP – Matos Fernandes – Porto de LeixõesIII Encontro de Portos da CPLP – Matos Fernandes – Porto de Leixões
III Encontro de Portos da CPLP – Matos Fernandes – Porto de Leixões
 
Apresentação DIAGMA Brasil 31º Simpósio Ciclo Supply Chain e Logística - A Co...
Apresentação DIAGMA Brasil 31º Simpósio Ciclo Supply Chain e Logística - A Co...Apresentação DIAGMA Brasil 31º Simpósio Ciclo Supply Chain e Logística - A Co...
Apresentação DIAGMA Brasil 31º Simpósio Ciclo Supply Chain e Logística - A Co...
 
Logística Ambiental e Reversa
Logística Ambiental e ReversaLogística Ambiental e Reversa
Logística Ambiental e Reversa
 
Logística em Comércio Exterior - Oportunidades Profissionais
Logística em Comércio Exterior - Oportunidades ProfissionaisLogística em Comércio Exterior - Oportunidades Profissionais
Logística em Comércio Exterior - Oportunidades Profissionais
 
Como aumentar a produtividade e multiplicar os lucros
Como aumentar a produtividade e multiplicar os lucrosComo aumentar a produtividade e multiplicar os lucros
Como aumentar a produtividade e multiplicar os lucros
 
Rui Carlos Botter, ex-presidente do Instituto Panamericano de Engenharia Naval
Rui Carlos Botter, ex-presidente do Instituto Panamericano de Engenharia NavalRui Carlos Botter, ex-presidente do Instituto Panamericano de Engenharia Naval
Rui Carlos Botter, ex-presidente do Instituto Panamericano de Engenharia Naval
 
Rui Carlos Botter, ex presidente do instituto panamericano de engenharia naval
Rui Carlos Botter, ex presidente do instituto panamericano de engenharia navalRui Carlos Botter, ex presidente do instituto panamericano de engenharia naval
Rui Carlos Botter, ex presidente do instituto panamericano de engenharia naval
 
Elog portugues
Elog portuguesElog portugues
Elog portugues
 
Apresentação Comercial - em validação final
Apresentação Comercial - em validação finalApresentação Comercial - em validação final
Apresentação Comercial - em validação final
 
Movimentação reposição
Movimentação reposiçãoMovimentação reposição
Movimentação reposição
 

Mais de Conselho Regional de Administração de São Paulo

Mais de Conselho Regional de Administração de São Paulo (20)

Responsabilidade Social e Sustentabilidade no CRA-SP
Responsabilidade Social e Sustentabilidade no CRA-SPResponsabilidade Social e Sustentabilidade no CRA-SP
Responsabilidade Social e Sustentabilidade no CRA-SP
 
JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS
JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS
JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS
 
COMO APLICAR A CULTURA ÁGIL EM SUA ORGANIZAÇÃO
COMO APLICAR A CULTURA ÁGIL EM SUA ORGANIZAÇÃOCOMO APLICAR A CULTURA ÁGIL EM SUA ORGANIZAÇÃO
COMO APLICAR A CULTURA ÁGIL EM SUA ORGANIZAÇÃO
 
Webinar - Mediação: como minimizar os riscos nas relações trabalhistas
Webinar - Mediação: como minimizar os riscos nas relações trabalhistasWebinar - Mediação: como minimizar os riscos nas relações trabalhistas
Webinar - Mediação: como minimizar os riscos nas relações trabalhistas
 
Administrador 5.0: Protagonista da Transformação Digital no Brasil
Administrador 5.0: Protagonista da Transformação Digital no BrasilAdministrador 5.0: Protagonista da Transformação Digital no Brasil
Administrador 5.0: Protagonista da Transformação Digital no Brasil
 
Ambiente favorável ao autodesenvolvimento
Ambiente favorável ao autodesenvolvimentoAmbiente favorável ao autodesenvolvimento
Ambiente favorável ao autodesenvolvimento
 
Compliance no setor de energia
Compliance no setor de energiaCompliance no setor de energia
Compliance no setor de energia
 
A tributação na estruturação societária das empresas familiares
A tributação na estruturação societária das empresas familiaresA tributação na estruturação societária das empresas familiares
A tributação na estruturação societária das empresas familiares
 
A experiência feminina no sistema de franchising: como definir o segmento mai...
A experiência feminina no sistema de franchising: como definir o segmento mai...A experiência feminina no sistema de franchising: como definir o segmento mai...
A experiência feminina no sistema de franchising: como definir o segmento mai...
 
Dimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia Hospitalar
Dimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia HospitalarDimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia Hospitalar
Dimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia Hospitalar
 
Acolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimento
Acolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimentoAcolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimento
Acolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimento
 
Legislação Sanitária e Ambiental
Legislação Sanitária e AmbientalLegislação Sanitária e Ambiental
Legislação Sanitária e Ambiental
 
Logística 4.0: oportunidades e desafios
Logística 4.0: oportunidades e desafiosLogística 4.0: oportunidades e desafios
Logística 4.0: oportunidades e desafios
 
Como ser o lider que o mercado espera
Como ser o lider que o mercado esperaComo ser o lider que o mercado espera
Como ser o lider que o mercado espera
 
Coaching em grupos
Coaching em gruposCoaching em grupos
Coaching em grupos
 
Mediação: onde estamos e para onde vamos?
Mediação: onde estamos e para onde vamos?Mediação: onde estamos e para onde vamos?
Mediação: onde estamos e para onde vamos?
 
Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?
Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?
Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?
 
ADM Tendências (Episódio 06) Case Grow: Empreendedorismo e Negócios com Respo...
ADM Tendências (Episódio 06) Case Grow: Empreendedorismo e Negócios com Respo...ADM Tendências (Episódio 06) Case Grow: Empreendedorismo e Negócios com Respo...
ADM Tendências (Episódio 06) Case Grow: Empreendedorismo e Negócios com Respo...
 
As organizações estão doentes: como mudar este cenário
As organizações estão doentes: como mudar este cenárioAs organizações estão doentes: como mudar este cenário
As organizações estão doentes: como mudar este cenário
 
O Futuro do Branding, das Marcas e da Comunicação até 2050
O Futuro do Branding, das Marcas e da Comunicação até 2050O Futuro do Branding, das Marcas e da Comunicação até 2050
O Futuro do Branding, das Marcas e da Comunicação até 2050
 

Semana de Comércio Exterior e Logística - A importância da logística no desenvolvimento econômico brasileiro

  • 1. A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA NO DESENVOLIMENTO ECONÔMICO BRASILEIRO CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO
  • 2. CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO TÓPICOS .. Conceitos e definição da Logística. .. Áreas de atuação. .. A importância dos modais. .. Custo Logísticos na cadeia produtiva. .. Porto de Santos – 125 anos (02/02/17) .. Dragagem. .. Operação Safra 2017. .. Documentário: Dinheiro público, desperdício em portos e Ferrovias. Houve melhoria de 2011 a 2017?
  • 3. CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO Logística surgiu por volta de 1670, com a adoção de uma nova estrutura organizacional do exército francês com o Marechal General Des Logis, como o responsável pelo planejamento, transporte, armazenamento e abastecimento das tropas. O que é Logística? Somente por volta de 1960, quase 300 anos depois é que se desenvolveu a Logística nas empresas, como novas idéias sobre o armazenamento dos produtos acabados e sua movimentação (distribuição física) até o cliente como aspectos inseparáveis do fluxo de materiais (Supply Chain Management).
  • 4. Missão da Logística Produto certo, no local certo, no momento adequado e ao preço justo Definição Logística é o processo de planejar, implementar e controlar de maneira eficiente o fluxo e a armazenagem de produtos, bem como os serviços e informações associados, cobrindo desde o ponto de origem até o ponto de consumo, com o objetivo de atender aos requisitos do consumidor. (Novaes 2001) CONSELHO REGIONAL DE ADMINSTRAÇÃO DE SÃO PAULO
  • 5. O que é Logística Integrada? Um sistema com visão ampla de gerenciamento da cadeia de suprimentos, do fornecimento de matéria primas até a distribuição de produtos acabados. Ela requer o gerenciamento de todas as funções que tornam a cadeia de suprimentos uma entidade única, ao invés do gerenciamento de funções individuais separadamente. Fornecedores Compra Ordem de Compra Componentes e Subconjuntos Ordem de Compra Suprimentos e Matéria Prima Transporte Controle Produção Packaging Transporte Armazenagem Clientes CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO
  • 6. CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO ELEMENTOS ENVOLVIDOS NO SISTEMA FORNECEDOR PRODUTOR REVENDEDOR CONSUMIDOR Desejam fornecer grandes lotes de produtos comuns a diversos clientes. Deseja fabricar grandes lotes de um conjunto de produtos com projeto simples e facilidade na montagem, tendo ainda a garantia de qualidade de cada produto individual. Deseja qualidade superior e um bom desempenho comercial associado a marca conhecida, com um preço que garanta boa margem de lucro. Deseja qualidade superior, preço baixo, boa marca e cumprimento do prazo de entrega.
  • 7. CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO Supply Chain Management (gerenciamento da cadeia de suprimento). Fornecedores de matéria- prima Fabricantes de componentes Indústria Atacadistas e distribuidores Varejistas Consumidor final Processo: Input Transformação Output Logística de Suprimentos Apoio a Manufatura Logística de Distribuição
  • 8. CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO LOGÍSTICA NA ATIVIDADE EMPRESARIAL CARÁTER ESTRÁTEGICO DA LOGÍSTICA : Movimentação de Produtos Gestão de Estoques Processamento de pedidos Armazenamento Manuseio de Materiais Sistemas de Informações Embalagem Sistemas Fiscais A questão ambiental
  • 9. CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO O SISTEMA LOGÍSTICO E DE TRANSPORTES A logística tem uma contribuição significativa no PIB de um país por meio dos custos logísticos. O PIB brasileiro em 2014 foi de R$ 4,8 trilhões. Deste total, 19,23%, ou R$ 923 bilhões, representam o que se gasta com logística no Brasil. EUA e de apenas = 8,5% No Brasil gastos com transportes crescem mais rápido que o PIB. Embutido nesse valor, está também o desperdício, ocasionado pelas rodovias mal conservadas; pela baixa integração e insuficiência de modais mais baratos, como ferrovias e hidrovias; por portos e terminais de carga com capacidade aquém da demanda atual; por aeroportos insuficientes e superlotados, além de deficiência de armazenagem. (BNDES , Estado de São Paulo, abril 2014).
  • 10. CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO A IMPORTÂNCIA DO TRANSPORTE DE CARGAS NA ECONOMIA O Transporte é vital em qualquer sistema econômico: movimenta materiais entre elos das cadeias produtivas; distribui produtos acabados para consumidores.
  • 11. CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO COMPETITIVIDADE A OFERTA DE TRANSPORTE COM PREÇO JUSTO: Reduz Barreiras Geográficas. Aumenta oferta. Amplia o leque de fornecedores. Provoca queda de preços.
  • 12. CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO ECONOMIA DE ESCALA A OFERTA DE TRANSPORTE COM PREÇO JUSTO: Expansão do mercado. Aumento da Demanda. Ampliação do leque de consumidores. Menores custos de produção.
  • 13. CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO TRANSPORTE COMO SISTEMA
  • 14. CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO TRANSPORTE COMO SISTEMA Infraestrutura Vias (movimentação, acesso, etc.) Instalações de embarque e desembarque Instalações de manutenção e abastecimento Equipamentos Movimentação Manuseio Exemplos: Um porto ou aeroporto é composto de suas vias de acesso, suas instalações para recebimento e expedição de equipamentos do transporte e de cargas e passageiros, suas instalações para manutenção e abastecimento e das instalações de entidades intervenientes.
  • 15. CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO •5 tipos básicos. –Rodoviário. –Ferroviário. –Aéreo. –Aquaviário (marítimo, fluvial). –Dutoviário. •Combinações infinitas. MODAIS DE TRANSPORTE
  • 16. CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO TKU – Tonelada por quilômetro útil. A produção em TKU é obtida multiplicando-se a tonelagem transportada pela distância percorrida.
  • 17. CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO CUSTOS LOGÍSTICOS E evidente a necessidade do aprimoramento da gestão dos custos logísticos no Brasil, para que os empresários possam ter visibilidade de cada um dos componentes do referido custo , bem como da análise de Custo Logístico Total. As dimensões geográficas e a nossa infraestrutura de transportes interferem na competitividade e nos resultados econômicos. A logística é relevante nas atividades de suprimento, manufatura, e distribuição. Composição dos Custos Logísticos Modais: rodoviário, ferroviário, aquaviário, aéreo e dutoviário. TRANSPORTE ESTOQUE Custo financeiro, seguro, obsolência, depreciação,perdas e danos. Movimentação de carga, acondicionamento ARMAZENAGEM ADMINISTRATIVO Estrutura administrativa da logística.
  • 18. CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO CUSTOS LOGÍSTICOS POR PROCESSO Logística de Abastecimento % Suprimentos 4 Frete/Seguro 18 Planejamento de materiais 7 Administração de materiais 10 Recebimento 1 Custo de estocagem - matérias primas 10 Total....................................................... 50 Logística de Planta % Movimentação interna 4 PCP – Planejamento e Controle de Produção 1 Custo de estocagem – Produtos e processo 2 Custo de capital s/ Ativo Imobilizado 2 Total.......................................................... 9 Logística de Distribuição % Armazenagem e Expedição 26 Frete de transferência 5 Custo de estocagem – Produto acabado 8 Custo de capital s/ Ativo Imobilizado 2 Total............................................................. 41 Total Geral.................................................. 100 Fonte: Faria, Ana Cristina, Gestão Custos Logísticos, Atlas, 2005, revisão 2014.
  • 19. CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO 01 CUSTO DA MERCADORIA (VALOR FOB) 02 FRETE INTERNACIONAL 03 SEGURO INTERNACIONAL VALOR CIF (CUSTO + SEGURO + FRETE) 04 IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO (I.I.) 18% 05 IMPOSTO SOBRE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS (I.P.I) - 15% 06 DESPESAS ADUANEIRAS = AFRRM +SISCOMEX + ARMAZENAGEM + CAPATAZIA + TUP+ DESPACHANTE ADUANEIRO + TRANSPORTE INTERNO + DESPESAS BANCÁRIAS + DESPESAS DE FRETE NO DESTINO + CUSTOS INDIRETOS 07 PIS/PASEP – IMPORTAÇÃO (1,65%) 08 COFINS – IMPORTAÇÃO (7,60%) SUB-TOTAL BASE DE CÁLCULO DO ICMS * Considerar o sub-total dividido pelo fator de integração de 0,82 09 ICMS (18%) TOTAL DA IMPORTAÇÃO ESTIMATIVA DE CUSTO DE IMPORTAÇÃO Fonte: Sebrae.
  • 20. CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO ESTIMATIVA DE CUSTO DE IMPORTAÇÃO Produto: Máquina Hyster Asa Delta Porto de Embarque: Porto de Miami – EUA Porto de Destino: Rio de Janeiro - RJ Cotação do dolar R$ 3,1358 US$ R$ 01 CUSTO DA MERCADORIA (VALOR FOB) 400.000,00 1.254.320,00 02 FRETE INTERNACIONAL 12.000,00 37.629,60 03 SEGURO INTERNACIONAL 4.000,00 12.543,20 VALOR CIF (CUSTO + SEGURO + FRETE) 416.000,00 1.304.492,80 04 IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO (I.I.) = 18% 234.808,70 05 IMPOSTO SOBRE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS (I.P.I) = 15% 230.895,23 06 DESPESAS ADUANEIRAS: SISCOMEX + ARMAZENAGEM + CAPATAZIA + DESPACHANTE ADUANEIRO + TRANSPORTE INTERNO + DESPESAS BANCÁRIAS + DESPESAS DE FRETE NO DESTINO + CUSTOS INDIRETOS (5% S/FOB) 62.716,00 07 PIS/PASEP – IMPORTAÇÃO (1,65%) 30.243,06 08 COFINS – IMPORTAÇÃO (7,60%) 141.599,84 SUB-TOTAL 2.004.755,63 BASE DE CÁLCULO DO ICMS * Considerar o sub-total dividido pelo fator de integração de 0,82 2.444.823,94 09 ICMS (18%) 440.068,31 TOTAL DA IMPORTAÇÃO 2.884.892,25 1,65%sobre o valor do (CIF+II+IPI+Despesas Aduaneiras) 7,60%sobre o valor do (CIF+II+IPI+Despesas Aduaneiras+PIS/PASEP) FONTE: SEBRAE
  • 21. CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO TARIFA DO PORTO DE SANTOS TABELA I – UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA PORTUÁRIA - Taxas Devidas pelos requisitantes TABELA II – UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA TERRESTRE - Taxas Devidas pelos Requisitantes e/ ou Arrendatários TABELA V – SERVIÇOS GERAIS - Taxas Devidas pelos Requisitantes VIGÊNCIA : 01/12//2016
  • 22. CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO TABELA I TARIFA DO PORTO DE SANTOS EM FUNÇÃO DO MOVIMENTO REALIZADO PELA EMBARCAÇÃO 1.1. Por tonelada.................................................................. R$ 3,38 1.2. Por contêiner com carga................................................R$ 61,29 POR METRO LINEAR DE CAIS OCUPADO POR EMBARCAÇÃO ATRACADA E POR PERÍODO DE 6 HORAS OU FRAÇÃO: 2.1. De comprimento inferior a 50 metros, em qualquer berço.............R$ 1,66 2.2. No Terminal para Fertilizantes de Conceiçãozinha, no Terminal de Líquidos da Alamoa e no Terminal de Contêineres..............................R$ 9,54 2.3. Nos berços dos armazéns 38 e 39, quando na movimentação de produtos provenientes dos armazéns do “Corredor de Exportação”..................R$ 11,96 2.4. Nos berços entre os armazéns 37 e 39........................................R$ 8,72 2.5. Nos demais berços.......................................................................R$ 7,51
  • 23. CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO PORTO DE SANTOS – MOVIMENTAÇÃO DE CARGA
  • 24. CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO PORTO DE SANTOS – MOVIMENTAÇÃO DE CARGA 80.8 81.0 83.0 96.0 97.2 104.5 114.1 112.2 119.9 113.8 10.0 20.0 30.0 40.0 50.0 60.0 70.0 80.0 90.0 100.0 110.0 120.0 130.0 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 Milhões t Fonte: CODESP – Estatística, folha 02 – Dez/16
  • 25. CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO Dragagem do canal do Porto de Santos O ministro dos Transportes, Maurício Quintella, assinou, no dia 02/02/2016, o contrato para a dragagem de aprofundamento e adequação do canal de acesso ao Porto de Santos, no litoral de São Paulo. O contrato prevê o aprofundamento e adequação do canal de navegação e das bacias de acesso aos berços, dos atuais 15 metros, em média, para 15,4 e 15,7 metros pelos próximos três anos. De acordo com o ministro “A cada meio metro, você consegue mais 100 contêineres em cada navio”. Fonte: Jornal Atribuna de Santos.
  • 26. CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO CALADOS MÁXIMOS DE OPERAÇÃO NO CANAL DE NAVEGAÇÃO (Zero DHN) Barra até Entreposto de Pesca (Trecho I) 13,20m OUTUBRO 2016 Entreposto de Pesca à Torre Grande (Trecho II) 13,20m OUTUBRO 2016 Torre Grande até Armazém 06 (Trecho III) 12,70m OUTUBRO 2016 Armazém 06 até o final do terminal BTP (Trecho IV) 12,70m OUTUBRO 2016 Terminal BTP até o final do Trecho IV (Trecho IV) 11,20m OUTUBRO 2016 Em conformidade com a Lei nº 12.815/13, Art.18, Inciso I, Item D, a CODESP faz saber que os calados máximos de operação, no canal de navegação permitidos no Porto de Santos são:
  • 27. CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO
  • 28. CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO O evento teve o objetivo de divulgar as estratégias dos governos federal, estadual e municipal relacionadas aos fluxos rodoviário e urbano de caminhões com destino ao Porto de Santos para o escoamento da safra de grãos no Brasil. O Brasil vai bater novamente o recorde de produção de grão em 2017, com estimativa de 215 milhões de toneladas representando um aumento aproximado de 16% da produção nacional de grãos. A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) é responsável pela regulamentação do transporte rodoviário de cargas e de passageiros, bem como das rodovias federais concedidas que compreendem as principais rotas utilizadas para o escoamento da Safra. FORUM OPERAÇÃO SAFRA 2017
  • 29. CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO  A melhoria da entrada de Santos, com acesso aos Terminais e Porto, continua na fase de projetos e estudos ambientais, sem data definida para inicio das obras. Segundo informações no Fórum Operação Safra 2017, a Ecovias está estudando a viabilidade de assumir as obras. ANTT, em parceria com órgãos públicos, tem contribuído para processo de escoamento da safra de granéis vegetais, evitando a formação de filas e interrupções do tráfego na área portuária. Com a previsão de crescimento para o ano 2017, em torno de 16%, haverá novos pátios reguladores para dar apoio ao Ecopátio em Cubatão? A expansão da perimetral, segunda fase, está sem previsão de verba para dar o input nas obras. E um fator negativo para melhoria do fluxo diário do porto. O ministro do transporte Maurício Quintella, deu informação ao participar do Seminário organizado pelo Instituto Legislativo Brasileiro (ILB), que para conclusão do PAC Rodovias, exige do governo R$ 67 bilhões. Não há previsão de verba. CONSIDERAÇÕES
  • 30. CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO • Ambição é o caminho para o sucesso. • Persistência é o veículo no qual se chega lá.” • Bill Eardley
  • 31. CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO Obrigado!