Sergio_HAS_diagnostico

5.745 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.745
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4.539
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
72
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sergio_HAS_diagnostico

  1. 1. HAS: Diagnóstico e Classificação
  2. 2. HAS - Diagnóstico • A partir da medida da Pressão Arterial...
  3. 3. Diagnóstico Condições padronizadas para a medida da pressão arterial • O paciente deve estar sentado, com o braço apoiado e à altura do precórdio. • Medir após cinco minutos de repouso. • Evitar o uso de cigarro e de bebidas com cafeína nos 30 minutos precedentes. • A câmara inflável deve cobrir pelo menos dois terços da circunferência do braço. • Palpar o pulso braquial e inflar o manguito até 30mmHg acima do valor em que o pulso deixar de ser sentido. • Desinflar o manguito lentamente (2 a 4 mmHg/seg). • A pressão sistólica corresponde ao valor em que começarem a ser ouvidos os ruídos de Korotkoff (fase I). • A pressão diastólica corresponde ao desaparecimento dos batimentos (fase V)*. • Registrar valores com intervalos de 2 mmHg, evitando-se arredondamentos (Exemplo: 135/85mmHg). • A média de duas aferições deve ser considerada como a pressão arterial do dia; se os valores observados diferirem em mais de 5 mmHg, medir novamente. • Na primeira vez, medir a pressão nos dois braços; se discrepantes, considerar o valor mais alto; nas vezes subsequentes, medir no mesmo braço (o direito de preferência). Fonte: Brasil, 2014.
  4. 4. Diagnóstico Fonte: VI Diretriz Brasileira de Hipertensão.
  5. 5. Fonte: VI Diretriz Brasileira de Hipertensão.
  6. 6. HAS - Classificação CLASSIFICAÇÃO DA PRESSÃO ARTERIAL DE ACORDO COM A MEDIDA CASUAL NO CONSULTÓRIO (>18 ANOS) CLASSIFICAÇÃO PRESSÃO SITÓLICA (mmHg) PRESSÃO DIASTÓLICA (mmHg) Ótima <120 <80 Normal <130 <85 Limítrofe * 130-139 85-89 Hipertensão estágio 1 140-159 90-99 Hipertensão estágio 2 160-179 100-109 Hipertensão estágio 3 >ou =180 > ou =110 Hipertensão sistólica isolada > ou =140 <90 Quando as pressões sistólica e diastólica situam-se em categorias diferentes, a maior deve ser utilizada para classificação da pressão arterial. Fonte: VI Diretriz Brasileira de Hipertensão.
  7. 7. • É importante estar atento para o risco de hipertensão secundária (HAS-S). • Pela sua baixa frequência (3-5%) deve ser investigado em situações específicas. • Antes de se investigarem causas secundárias de HAS deve-se excluir: – medida inadequada da PA; – hipertensão do avental branco; – tratamento inadequado; – não-adesão ao tratamento; – progressão das lesões nos órgãos-alvos da hipertensão; – presença de comorbidades – interação com medicamentos. HAS – Secundária
  8. 8. Investigação clínico-laboratorial HAS secundária • INDÍCIOS DE HAS SECUNDÁRIA – Potássio sérico diminuído – Proteinúria – Hematúria – Elevação da creatinina – Sopro abdominal – Má resposta ao tratamento – Ausência de história familiar – Início abrupto e grave de HAS – PA mais baixa nos MMII – Acentuada oscilação de PA – Início súbito de HAS após os 55 a ou antes dos 30 a
  9. 9. Fonte: VI Diretriz Brasileira de Hipertensão.
  10. 10. HAS - Investigação clínico- laboratorial • Objetivo: – Confirmar a elevação da PA e firmar o diagnóstico – Avaliar a presença de lesões em orgãos-alvo – Identificar fatores de risco para: • doenças cardiovasculares • risco cardiovascular global – Diagnosticar doenças associadas à HAS – Diagnosticar, quando houver, a causa da HAS
  11. 11. HAS - Investigação clínico-laboratorial • Importância Frente aos objetivos desta investigação, é importante o uso de exames complementares com parcimônia, obedecendo o previsto na sequência de exames sugeridos, partindo de exames com maior sensibilidade, evitando assim o riscos de testes invasivos, desnecessários e potenciais causadores de dano para o paciente.
  12. 12. HAS - Investigação clínico-laboratorial História clínica – Identificação – História atual – Diversos aparelhos e fatores de risco – História Patológica Pregressa – História Familiar – Perfil Psicossocial – Avaliação dietética – Atividade Física – Uso de Medicamentos
  13. 13. HAS - Investigação clínico-laboratorial Exame físico • Sinais Vitais • Medidas antropométricas • Inspeção • Pescoço • Precórdio • Ex. Pulmonar • Ex. Abdominal • Extremidades • Exame neurológico sumário • Ex. fundoscopia
  14. 14. HAS - Investigação clínico-laboratorial Exames laboratoriais • Perfil lipídico – Avaliar presença de dislipidemia (fator de risco associado) – colesterol total – HDL – Triglicerídeos • Glicemia de jejum – Avaliar presença de diabetes (fator de risco associado) • Creatinina – Avaliar função renal (lesão em órgão alvo) • Potássio – Complementar avaliação da função renal. Útil para utilização de anti-hipertensivos que podem reter ou espoliar potássio • Exame de urina – Avaliar dano renal – Proteinúria (lesão em órgão alvo) • Eletrocardiograma - Avaliar alterações cardíacas (arritmias, Hipertrofia Ventricular, Bloqueios, alterações isquêmicas), que podem configurar lesão em órgão alvo, além de orientar a prescrição farmacológica conforme as alterações apresentadas.
  15. 15. • Na investigação inicial de pacientes hipertensos, com suspeita de hipertensão primária, NÃO devem ser solicitados outros exames além dos sugeridos, por não agregar novas informações neste momento da avaliação, como: – Uréia, outros eletrólitos (sódio, magnésio), transaminases, VLDL. – Radiografia de tórax – LDL – deve ser calculado pela fórmula • CT= HDL + LDL + TGL/5 ou LDL = CT – HDL – TGL/5 HAS - Investigação clínico-laboratorial Exames laboratoriais
  16. 16. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: hipertensão arterial sistêmica . Brasília: Ministério da Saúde, 2013. (Cadernos de Atenção Básica, n. 37). Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/caderno_37.pdf • CHOBANIAN, A. V. et al. The Seventh Report of the Joint National Committee on Prevention, Detection, Evaluation, and Treatment of High Blood Pressure: the JNC 7 report. JAMA, v. 289, n. 0098-7484 (Print), p. 2560–2572, 21 maio. 2003. Disponível em: http://www.nhlbi.nih.gov/guidelines/hypertension/jnc7full.pdf • VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 95, p. I–III, 2010. Disponível em: http://publicacoes.cardiol.br/consenso/2010/Diretriz_hipertensao_associados.p df • WRIGHT, J. M.; MUSINI, V. M. First-line drugs for hypertension. Cochrane.Database.Syst.Rev., n. 1469-493X (Electronic), p. CD001841, 2009.

×