Vera_Atualizacao_terapeutica_DM

7.536 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.536
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6.107
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
93
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Vera_Atualizacao_terapeutica_DM

  1. 1. Atualização Terapêutica em Diabetes Mellitus
  2. 2. Definição • Diabetes Mellitus (DM) é uma doença caracterizada por hiperglicemia sustentada devido a um defeito na produção da insulina, defeito na ação periférica desse hormônio ou ambos.
  3. 3. Classificação
  4. 4. Classificação • Classes Clínicas 1. Diabetes tipo 1 : A Diabetes Mellitus tipo 1 (DM1) é uma doença au­ toimune órgão­específica caracterizada pela destruição seletiva das células­beta das ilhotas de Langerhans, no pâncreas. Na maioria dos casos, tem seu início na infância ou na adolescência, tendendo a iniciar com sintomas graves de cetoacidose em seu diagnóstico 2. Diabetes tipo 2 : Esta forma se estabelece de forma insidiosa, podendo estar assintomática por vários anos. Em geral, está relacionada à resistência à insulina , com relativa deficiência de insulina ou como defeito secretório predominante com resistência à insulina associada. 3. Diabetes Gestacional : Corresponde à intolerância à glicose, diagnosticada pela primeira vez durante a gestação e que pode ou não persistir após o parto. 4. Outros tipos : Formas menos comuns de Diabetes, associadas a alterações específicas do metabolismo dos carboidratos, relacionadas a defeitos genéticos da função da célula β ou da ação da insulina; Doenças do Pâncreas Exócrino; outras endocrinopatias; Alterações induzidas por medicamentos ou produtos; outras síndromes genéticas; Autoimunidade.
  5. 5. Diagnóstico 1)Glicemia (plasmática ou capilar) casual¹ > ou = 200mg/dl e Sintomas de Diabetes.² 2)Glicemia de jejum³ >=126mg/dl, confirmada em um segundo exame associado ao exame de hemoglobina glicada (HbA1C) > 6,5% 3)Teste de Tolerância Oral à Glicose (TTOG) que apresente glicemia >= 200 mg/dl aos 120 minutos. Fonte: SMS­Campinas, 2011 1 Casual é a glicemia feita em qualquer horário e que não considera o período de tempo desde a ultima refeição. ² Sintomas de Diabetes: poliúria, polidipsia, polifagia e perda de peso inexplicável. ³ Jejum é definido como ausência de aporte calórico de pelo menos 8 horas.
  6. 6. Objetivos do Tratamento Planejando o cuidado de pessoas com Diabetes de forma ampliada, podemos esquematizar os objetivos gerais do tratamento assim: •Ganho de qualidade de vida abordando de maneira ampliada o cuidado para aspectos físicos, psíquicos, familiares, sociais. •Desenvolvimento de autonomia pelo paciente e/ou cuidador(es). •Estímulo mudança no estilo de vida, incluindo: • Aumento de atividade física na rotina • Reorganização dos hábitos alimentares • Interrupção ou redução do tabagismo •Prevenção de complicações agudas e crônicas
  7. 7. Algoritmo para Abordagem Terapêutica Inicial Para nossa paciente D. Vera a prescrição e acompanhamento de adoção de estilo de Vida Saudável estão indicados como abordagem terapêutica inicial. Nesse momento, a indicação de tratamento medicamentoso não é imperativa. Esse algoritmo foi extraído do Protocolo de Atendimento Clínico de DM da Prefeitura Municipal de Campinas. Veja essa publicação completa nos Referências Bibliográficas deste módulo.
  8. 8. Tratamento Não Medicamentoso Os eixos do tratamento não medicamentoso para o DM podem ser organizados da seguinte forma: •Educação em Saúde – Atividades com a finalidade de compreender o que o usuário conhece sobre a doença e oferecer suporte e acesso ao conhecimento técnico específico para ampliar seu conhecimento sobre sua situação de saúde. Destacar o estímulo a estilo de vida mais saudável, alimentação equilibrada e segura, aumento de atividades físicas e abandono do uso de cigarros e abuso de bebida alcoólica. •Educação para o autocuidado – Dar suporte às pessoas com DM para torná-las capazes de compreender e administrar os planos terapêuticos, bem como reconhecer sinais de alerta para agravamento e lidar com as possíveis complicações de saúde. •Pé Diabético - Planejar atividades que ofereçam conhecimento sobre o tema e permitam adequado cuidado dos pés •Indicação de Vacinas no paciente Diabético - Incluir nos planos de tratamento o cumprimento do calendário vacinal para adultos e idosos e incluir a vacinação contra Influenza e pneumococo, considerando o maior risco de infecções respiratórias e complicações destas, nas pessoas com DM.
  9. 9. Avaliação do Tratamento • Fazer reavaliações periódicas das metas terapêuticas (a cada 3 meses até HbA1 <7,0% e depois a cada 6 meses), destacando a necessidade de controle dos níveis de Hemoglobina Glicada trimestralmente para avaliação do controle glicêmico (ADA, 2011). • Os ajustes terapêuticos devem ser planejados de forma escalonada a partir do apresentado em cada reavaliação clínica e laboratorial. • A indicação do tratamento medicamentoso, bem como seu acompanhamento serão tema aula a seguir.
  10. 10. O tratamento Não medicamentoso para o paciente com DM é justificado devido ao grande impacto que a mudança do Estilo de Vida tem no controle glicêmico. A adoção de alimentação equilibrada, manutenção de peso corporal adequado e atividades físicas no cotidiano devem ser compreendidas como estratégia terapêutica fundamental no DM em todas as fases da doença. Assim, a adesão ao tratamento Não medicamentoso deve ser verificada e estimulada a cada encontro entre os usuários e a equipe de Saúde.
  11. 11. Bibliografia  Ações Estratégicas para o enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil - 2011 a 2022. Ministério da Saúde.  American Diabetes Association, Diabetes care, volume 34, supplement 1, january 2011; s12.  Canadian Diabetes Association 2008 - Clinical Practice Guidelines for the Prevention and Management of Diabetes in Canada. Canadian Journal of Diabetes. September 2008 | Volume 32 | Supplement 1.  Diretrizes da Sociedade Brasileira de Endocrinologia 2011.  Grupo Interdisciplinar de Padronização da Hemoglobina Glicada - A1C. Atualização sobre Hemoglobina Glicada (A1C) para Avaliação do Controle Glicêmico e para o Diagnóstico do Diabetes: Aspectos Clínicos e Laboratoriais. Posicionamento Oficial 3ª Edição. SBD - SBEM - SBPC/ML - FENAD, janeiro de 2009.  Secretaria de Estado de Saúde de São Paulo. Manual de Orientação Clínica de Diabetes. São Paulo, 2010. Disponível em: http://www.saude.sp.gov.br/ses/perfil/cidadao/areas-tecnicas-da- sessp/hipertensao-arterial-e-diabetes-mellitus/linhas-de-cuidado-sessp/diabetes- mellitus/manual-de-orientacao-clinica-do-diabetes-mellitus  Secretaria Municipal de Saúde de Campinas. Protocolo de Atendimento Clínico - Diabetes Melitus. Campinas, 2011.
  12. 12. Este trabalho está licenciado sob uma licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-Compartilha Igual 4.0 Internacional. Para ver uma cópia desta licença, visite http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/

×