SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 33
Baixar para ler offline
ETNOCENTRISMO
1. Etnocentrismo
Etnia: Identidade cultural de um povo
(aspectos biológicos, língua, religião, tradições)
o Quando uma cultura ou um grupo se coloca
como padrão, colocando seus valores, ideias e
comportamento como corretos.
o Qualquer outro grupo que seja diferente será
considerado bárbaro, selvagem, exótico.
[...] a antiguidade confundia tudo o que não participava da
cultura grega, (depois greco – romana) sob o nome de
bárbaro; em seguida, a civilização ocidental utilizou o termo
de selvagem no mesmo sentido. Recusa-se a admitir a
diversidade cultural; preferimos repetir da cultura tudo
o que esteja conforme a norma sob a qual se vive.
LÉVI-STRAUSS, Claude. Raça e história.
Etnocentrismo, preconceito, discriminação:
o O etnocentrismo constrói uma visão de mundo
baseada no preconceito e na discriminação.
o Uma visão difícil de ser superada, pois cremos
que o que somos e fazemos é o melhor.
o Um grupo diferente é visto como ameaça de
perda de coesão e identidade ao grupo que é
tido como superior.
3. Eurocentrismo e etnocentrismo
o No séc. XIX a Antropologia construiu teorias que
afirmavam uma Europa civilizada e superior.
o A expansão imperialista colocava as potências
capitalistas em busca de mercados (matérias –
primas e mercados), dominando África e Ásia.
o Foi difundida a ideia que tais continentes eram
cheios de tribos selvagens, bárbaras e carentes
de progresso e civilização.
Culturas diferentes:
o Qualquer cultura é resultado de um processo
que envolve intervenção, criação, reinvenção
dos homens na natureza.
o Tal conclusão vale pra qualquer etnia, seja na
África, Ásia ou na floresta amazônica.
o Esse processo civilizacional coloca grupos
humanos em estágios culturais diferentes.
VACA NA ÍNDIA
VACA NO BRASIL
MULHER MUÇULMANA
“Civilizado” X “Selvagem”:
o Rotular um grupo de bárbaro, selvagem ou
exótico é assumir uma visão etnocêntrica.
o Quando o etnocêntrico convive com o não igual,
que não é simétrico, há uma relação de conflito
em que o diferente é assimilado ou destruído
pelo que se considera superior.
o A Europa “civilizada” construiu uma hierarquia
entre europeus e os outros.
Sobre os Índios:
“São ociosos, preguiçosos, de pouco trabalho,
melancólicos, covardes, sujos, de má
condição, rústicos, bestiais e vegetam como a
umidade dos trópicos, são infelizes, pois vivem
na escuridão das florestas.”
(Hans Staden – séc. XVI)
Sobre os Índios:
“As pessoas aqui são nuas, bonitas,
de pele escura e corpo elegante, são
mansos e vivem em condições de
igualdade, são cordiais e amáveis.”
(Bartolomé de Las Casas – Frei Espanhol)
Etnocentrismo na prática:
o Culturas diferentes encontraram –se na história.
o Ações e reações foram guiadas pela intenção
na preservação de valores em relação ao outro,
visto como ameaça, um inimigo a ser vencido.
o O conflito foi inevitável, já que o superior teve
uma visão e uma intenção ao tentar destruir o
inferior para preservar – se.
Conquista da América
Quando espanhóis e portugueses “descobriram” a
América trataram os pré – colombianos como bárbaros
e selvagens. O Império Asteca foi conquistado e
Tenochtitlán, sua capital, destruída.
A cidade do México foi construída em moldes
europeus, numa intenção de impor a superioridade
da civilização europeia sobre a ameríndia.
Etnocentrismo e aculturação:
o Quando, em vez de aniquilar um povo “inferior”,
um grupo impõe valores, visão de mundo e seu
comportamento, ocorre a aculturação.
o A violência ocorre com a negação da alteridade
e sua identidade, obrigando o outro a ser igual
ao dominador.
o Exemplo dos jesuítas impondo o catolicismo ao
catequisar os índios brasileiros.
Um exemplo de ação etnocêntrica é atuação de
evangélicos levando a “salvação” aos índios do Mato
Grosso, Pará e Amazonas. A aproximação ocorre de
forma semelhante a dos portugueses católicos,
com muitos presentes, envolvendo e seduzindo – os.
Estereótipos – atitude etnocêntrica:
oEstereótipos são imagens e/ou conceitos
preconcebidos que as pessoas fazem sobre
comportamentos e condutas.
oEstereótipo é um conceito infundado sobre algo,
um clichê geralmente depreciativo, baseado no
senso comum, tomado como verdadeiro.
oO Estereótipo alimenta o bullying, o racismo, a
xenofobia, a intolerância e o preconceito.
Etnocentrismo
Etnocentrismo
Etnocentrismo
Etnocentrismo
Etnocentrismo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Industria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de MassaIndustria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de Massa
Elisama Lopes
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
Alison Nunes
 

Mais procurados (20)

Genero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
Genero e sexualidade - Aula Completa de SociologiaGenero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
Genero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
 
Diversidade etnica
Diversidade etnicaDiversidade etnica
Diversidade etnica
 
Industria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de MassaIndustria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de Massa
 
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Divisão Social do Trabalho
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Divisão Social do TrabalhoSlides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Divisão Social do Trabalho
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Divisão Social do Trabalho
 
Estratificação e Desigualdade Social
Estratificação e Desigualdade SocialEstratificação e Desigualdade Social
Estratificação e Desigualdade Social
 
Diversidade cultural e multiculturalismo
Diversidade cultural e multiculturalismoDiversidade cultural e multiculturalismo
Diversidade cultural e multiculturalismo
 
Poder e política
Poder e políticaPoder e política
Poder e política
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
 
Etnia, diversidade cultural e conflitos
Etnia, diversidade cultural e conflitos Etnia, diversidade cultural e conflitos
Etnia, diversidade cultural e conflitos
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
 
AULA SOBRE INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção - Colégio Estadual Roselân...
AULA SOBRE INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção - Colégio Estadual Roselân...AULA SOBRE INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção - Colégio Estadual Roselân...
AULA SOBRE INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção - Colégio Estadual Roselân...
 
Sociologia espaco urbano_13
Sociologia espaco urbano_13Sociologia espaco urbano_13
Sociologia espaco urbano_13
 
Sociologia no Brasil
Sociologia no BrasilSociologia no Brasil
Sociologia no Brasil
 
Etnocentrismo e Relativismo Cultural
Etnocentrismo e Relativismo Cultural Etnocentrismo e Relativismo Cultural
Etnocentrismo e Relativismo Cultural
 
Sociologia - Aula Introdutória
Sociologia - Aula IntrodutóriaSociologia - Aula Introdutória
Sociologia - Aula Introdutória
 
Filosofia Política
Filosofia PolíticaFilosofia Política
Filosofia Política
 
História, memória, patrimônio e identidade
História, memória, patrimônio e identidadeHistória, memória, patrimônio e identidade
História, memória, patrimônio e identidade
 
O que é Filosofia?
O que é Filosofia?O que é Filosofia?
O que é Filosofia?
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
 
Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria Cultural
 

Destaque

Etnocentrismo...
Etnocentrismo...Etnocentrismo...
Etnocentrismo...
ALCIONE
 

Destaque (20)

Cultura erudita e cultura popular reformulado
Cultura erudita e cultura popular reformuladoCultura erudita e cultura popular reformulado
Cultura erudita e cultura popular reformulado
 
Etnocentrismo...
Etnocentrismo...Etnocentrismo...
Etnocentrismo...
 
Etnocentrismo
EtnocentrismoEtnocentrismo
Etnocentrismo
 
O que é etnocentrismo
O que é etnocentrismoO que é etnocentrismo
O que é etnocentrismo
 
Antropologia e cultura tylor boas e malinowski
Antropologia e cultura tylor boas e malinowskiAntropologia e cultura tylor boas e malinowski
Antropologia e cultura tylor boas e malinowski
 
O homem e a antropologia
O homem e a antropologiaO homem e a antropologia
O homem e a antropologia
 
Etnocentrismo
EtnocentrismoEtnocentrismo
Etnocentrismo
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Relativismo cultural e diversidade cultural
Relativismo cultural e diversidade culturalRelativismo cultural e diversidade cultural
Relativismo cultural e diversidade cultural
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
 
Emile Durkheim
Emile DurkheimEmile Durkheim
Emile Durkheim
 
Auguste comte e o positivismo 2
Auguste comte e o positivismo 2Auguste comte e o positivismo 2
Auguste comte e o positivismo 2
 
Indústria cultural cultura de massa pdf
Indústria cultural cultura de massa   pdfIndústria cultural cultura de massa   pdf
Indústria cultural cultura de massa pdf
 
Globalização e trabalho
Globalização e trabalhoGlobalização e trabalho
Globalização e trabalho
 
Política e poder
Política e poderPolítica e poder
Política e poder
 
etnocentrismo
etnocentrismo etnocentrismo
etnocentrismo
 
Sociologia introdução fundamentos e bases
Sociologia introdução fundamentos e basesSociologia introdução fundamentos e bases
Sociologia introdução fundamentos e bases
 
Cultura e etnocentrismo
Cultura e etnocentrismoCultura e etnocentrismo
Cultura e etnocentrismo
 
Etnocentrismo e relativismo
Etnocentrismo e relativismoEtnocentrismo e relativismo
Etnocentrismo e relativismo
 

Semelhante a Etnocentrismo

Identidades Brasileiras
Identidades BrasileirasIdentidades Brasileiras
Identidades Brasileiras
Helio Fagundes
 
apresentacaomoduloii-aula_i_-_racismo,_discriminacao_e_preconceito.ppt
apresentacaomoduloii-aula_i_-_racismo,_discriminacao_e_preconceito.pptapresentacaomoduloii-aula_i_-_racismo,_discriminacao_e_preconceito.ppt
apresentacaomoduloii-aula_i_-_racismo,_discriminacao_e_preconceito.ppt
laerciojunior26
 
Aula3 hcmc (2)
Aula3 hcmc (2)Aula3 hcmc (2)
Aula3 hcmc (2)
kittycutie
 
Antropologia colonial ( Texto de leitura e resumo).pdf
Antropologia colonial ( Texto de leitura e resumo).pdfAntropologia colonial ( Texto de leitura e resumo).pdf
Antropologia colonial ( Texto de leitura e resumo).pdf
Luis102773
 
aulaoconceitoantropologicodecultura-151003022021-lva1-app6891.pdf
aulaoconceitoantropologicodecultura-151003022021-lva1-app6891.pdfaulaoconceitoantropologicodecultura-151003022021-lva1-app6891.pdf
aulaoconceitoantropologicodecultura-151003022021-lva1-app6891.pdf
LuizCerqueira11
 

Semelhante a Etnocentrismo (20)

Relativismo cultural etnocentrismo estereótipos 2020
Relativismo cultural etnocentrismo estereótipos 2020Relativismo cultural etnocentrismo estereótipos 2020
Relativismo cultural etnocentrismo estereótipos 2020
 
Determinismo e diversidade cultural 2020
Determinismo e diversidade cultural 2020Determinismo e diversidade cultural 2020
Determinismo e diversidade cultural 2020
 
sld_1 (1).pdf
sld_1 (1).pdfsld_1 (1).pdf
sld_1 (1).pdf
 
Identidades Brasileiras
Identidades BrasileirasIdentidades Brasileiras
Identidades Brasileiras
 
Cultura brasileira - Gabriel Neiva - PUC-Rio
Cultura brasileira - Gabriel Neiva - PUC-RioCultura brasileira - Gabriel Neiva - PUC-Rio
Cultura brasileira - Gabriel Neiva - PUC-Rio
 
O homem e a antropologia
O homem e a antropologiaO homem e a antropologia
O homem e a antropologia
 
apresentacaomoduloii-aula_i_-_racismo,_discriminacao_e_preconceito.ppt
apresentacaomoduloii-aula_i_-_racismo,_discriminacao_e_preconceito.pptapresentacaomoduloii-aula_i_-_racismo,_discriminacao_e_preconceito.ppt
apresentacaomoduloii-aula_i_-_racismo,_discriminacao_e_preconceito.ppt
 
CCM etnocentrismo shideshare
CCM etnocentrismo shideshareCCM etnocentrismo shideshare
CCM etnocentrismo shideshare
 
Racismo, discriminacao e_preconceito
Racismo, discriminacao e_preconceitoRacismo, discriminacao e_preconceito
Racismo, discriminacao e_preconceito
 
Etnocentrismo e outros conceitos.ppt
Etnocentrismo e outros conceitos.pptEtnocentrismo e outros conceitos.ppt
Etnocentrismo e outros conceitos.ppt
 
Povos indigenas brasil 2
Povos indigenas brasil 2Povos indigenas brasil 2
Povos indigenas brasil 2
 
Aula3 hcmc (2)
Aula3 hcmc (2)Aula3 hcmc (2)
Aula3 hcmc (2)
 
O atlântico negro, uma releitura da obra de paul gilroy
O atlântico negro, uma releitura da obra de paul gilroyO atlântico negro, uma releitura da obra de paul gilroy
O atlântico negro, uma releitura da obra de paul gilroy
 
Antropologia e cultura tylor boas e malinowski 2020
Antropologia e cultura tylor boas e malinowski 2020Antropologia e cultura tylor boas e malinowski 2020
Antropologia e cultura tylor boas e malinowski 2020
 
Cartilha-Indigenas-1.pdf
Cartilha-Indigenas-1.pdfCartilha-Indigenas-1.pdf
Cartilha-Indigenas-1.pdf
 
Indios do brasil
Indios do brasilIndios do brasil
Indios do brasil
 
Antropologia colonial ( Texto de leitura e resumo).pdf
Antropologia colonial ( Texto de leitura e resumo).pdfAntropologia colonial ( Texto de leitura e resumo).pdf
Antropologia colonial ( Texto de leitura e resumo).pdf
 
Cultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
Cultura, Memória, Identidade e DesenvolvimentoCultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
Cultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
 
aulaoconceitoantropologicodecultura-151003022021-lva1-app6891.pdf
aulaoconceitoantropologicodecultura-151003022021-lva1-app6891.pdfaulaoconceitoantropologicodecultura-151003022021-lva1-app6891.pdf
aulaoconceitoantropologicodecultura-151003022021-lva1-app6891.pdf
 
Matrizes culturais I
Matrizes culturais IMatrizes culturais I
Matrizes culturais I
 

Último

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
anapsuls
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 

Último (20)

Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxTIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 

Etnocentrismo

  • 2.
  • 3. 1. Etnocentrismo Etnia: Identidade cultural de um povo (aspectos biológicos, língua, religião, tradições) o Quando uma cultura ou um grupo se coloca como padrão, colocando seus valores, ideias e comportamento como corretos. o Qualquer outro grupo que seja diferente será considerado bárbaro, selvagem, exótico.
  • 4. [...] a antiguidade confundia tudo o que não participava da cultura grega, (depois greco – romana) sob o nome de bárbaro; em seguida, a civilização ocidental utilizou o termo de selvagem no mesmo sentido. Recusa-se a admitir a diversidade cultural; preferimos repetir da cultura tudo o que esteja conforme a norma sob a qual se vive. LÉVI-STRAUSS, Claude. Raça e história.
  • 5. Etnocentrismo, preconceito, discriminação: o O etnocentrismo constrói uma visão de mundo baseada no preconceito e na discriminação. o Uma visão difícil de ser superada, pois cremos que o que somos e fazemos é o melhor. o Um grupo diferente é visto como ameaça de perda de coesão e identidade ao grupo que é tido como superior.
  • 6. 3. Eurocentrismo e etnocentrismo o No séc. XIX a Antropologia construiu teorias que afirmavam uma Europa civilizada e superior. o A expansão imperialista colocava as potências capitalistas em busca de mercados (matérias – primas e mercados), dominando África e Ásia. o Foi difundida a ideia que tais continentes eram cheios de tribos selvagens, bárbaras e carentes de progresso e civilização.
  • 7. Culturas diferentes: o Qualquer cultura é resultado de um processo que envolve intervenção, criação, reinvenção dos homens na natureza. o Tal conclusão vale pra qualquer etnia, seja na África, Ásia ou na floresta amazônica. o Esse processo civilizacional coloca grupos humanos em estágios culturais diferentes.
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 16.
  • 17.
  • 18. “Civilizado” X “Selvagem”: o Rotular um grupo de bárbaro, selvagem ou exótico é assumir uma visão etnocêntrica. o Quando o etnocêntrico convive com o não igual, que não é simétrico, há uma relação de conflito em que o diferente é assimilado ou destruído pelo que se considera superior. o A Europa “civilizada” construiu uma hierarquia entre europeus e os outros.
  • 19. Sobre os Índios: “São ociosos, preguiçosos, de pouco trabalho, melancólicos, covardes, sujos, de má condição, rústicos, bestiais e vegetam como a umidade dos trópicos, são infelizes, pois vivem na escuridão das florestas.” (Hans Staden – séc. XVI)
  • 20. Sobre os Índios: “As pessoas aqui são nuas, bonitas, de pele escura e corpo elegante, são mansos e vivem em condições de igualdade, são cordiais e amáveis.” (Bartolomé de Las Casas – Frei Espanhol)
  • 21.
  • 22. Etnocentrismo na prática: o Culturas diferentes encontraram –se na história. o Ações e reações foram guiadas pela intenção na preservação de valores em relação ao outro, visto como ameaça, um inimigo a ser vencido. o O conflito foi inevitável, já que o superior teve uma visão e uma intenção ao tentar destruir o inferior para preservar – se.
  • 23. Conquista da América Quando espanhóis e portugueses “descobriram” a América trataram os pré – colombianos como bárbaros e selvagens. O Império Asteca foi conquistado e Tenochtitlán, sua capital, destruída. A cidade do México foi construída em moldes europeus, numa intenção de impor a superioridade da civilização europeia sobre a ameríndia.
  • 24. Etnocentrismo e aculturação: o Quando, em vez de aniquilar um povo “inferior”, um grupo impõe valores, visão de mundo e seu comportamento, ocorre a aculturação. o A violência ocorre com a negação da alteridade e sua identidade, obrigando o outro a ser igual ao dominador. o Exemplo dos jesuítas impondo o catolicismo ao catequisar os índios brasileiros.
  • 25. Um exemplo de ação etnocêntrica é atuação de evangélicos levando a “salvação” aos índios do Mato Grosso, Pará e Amazonas. A aproximação ocorre de forma semelhante a dos portugueses católicos, com muitos presentes, envolvendo e seduzindo – os.
  • 26.
  • 27.
  • 28. Estereótipos – atitude etnocêntrica: oEstereótipos são imagens e/ou conceitos preconcebidos que as pessoas fazem sobre comportamentos e condutas. oEstereótipo é um conceito infundado sobre algo, um clichê geralmente depreciativo, baseado no senso comum, tomado como verdadeiro. oO Estereótipo alimenta o bullying, o racismo, a xenofobia, a intolerância e o preconceito.