SlideShare uma empresa Scribd logo
ANTROPOLOGIA
DA RELIGIÃO
OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM
>
> Problematizar a questão da antropologia urbana nos âmbitos individual e
social com base no conceito de comportamentos desviantes.
>
> Descrever os possíveis diálogos entre a antropologia urbana e as demais
ciências humanas.
>
> Identificar as novas identidades religiosas e as novas práticas ritualísticas
no contexto urbano.
Introdução
Nestecapítulo,vocêvaiaprendersobreoespaçourbanoapartirdeumaperspectiva
dasciênciassociais,maisespecificamente,daantropologia,esuainter-relaçãocom
osdemaiscamposdasciênciassociais.Aantropologiaurbanaéumsubcampodaan-
tropologiarelativamenterecentenasciênciassociais.Consolidou-secomodisciplina
entreofinaldadécadade1960eoiníciode1970.Suacontribuiçãoperpassaestudos
dos fenômenos urbanos, principalmente fenômenos manifestados nas grandes
metrópoles, onde há maiores complexidades e diferenciações sociais e culturais.
Assim, neste capítulo, você vai estudar como surgiu a antropologia urbana,
quais são seus métodos e suas técnicas e quais são as suas especificidades
dentrodagrandeáreaqueéaantropologia.Vocêtambémvaicompreendercomo
antropólogosurbanoscompreendemocomportamentodesviantenomeiosocial,
bem como o que é o comportamento desviante. Por fim, você vai aprender sobre
as formas de manifestações religiosas no meio urbano.
Antropologia urbana
Ráisa Lammel Canfield
Introdução à antropologia urbana
A antropologia, de forma geral, é um dos campos de conhecimento das ci-
ências sociais. Ela tem como objeto principal de análise os estudos cultu-
rais — dentro desse amplo campo de possibilidades que existe dentro das
expressões culturais — e as formas como os seres humanos são constituídos
socialmente e expressam suas identidades a partir do que foi internalizado
culturalmente. Ela surgiu no contexto histórico de expansão das grandes
navegações, quando diferentes civilizações passaram a interagir ao entrar
em contato umas com as outras.
As primeiras explicações para as diferenças culturais foram elaboradas com
base nos determinismos biológico e/ou geográfico. O determinismogeográfico
se mobilizava para explicar diferenciações culturais tendo como base o território
de moradia dos grupos sociais considerados diferentes. Já o determinismobioló-
gico buscava explicar tais diferenciações com base nos aspectos biológicos dos
sujeitos. As explicações deterministas justificavam as diferenças, por exemplo,
a partir do que era considerado como capacidades inatas aos seres humanos,
dentro das diferenciações criadas a partir do critério racial. Nesse sentido, esse
modelo explicativo reforçava a dominação sobre certas populações a partir de
um viés carregado de preconceitos e sem sustentação científica (LARAIA, 2001).
Um exemplo de argumento determinista pode ser demonstrado a
partir da justificativa dada para a escravização de povos africanos,
quando diziam que se tratava de uma “raça submissa”. Outro exemplo pode ser
identificado no fragmento contido no Tratado da Terra do Brasil, escrito por
Pero de Magalhães Gândavo (2015), que diz que os índios se constituem como
“povo sem fé, lei e rei”, além de preguiçoso. Tais afirmações consistiam em
justificativas para desprezá-los, inferiorizá-los e dominá-los.
Os estudos antropológicos surgiram para refutar esses determinismos. Ao
estudar de forma minuciosa cada cultura, os antropólogos puderam constatar
e afirmar que não existe povo mais ou menos evoluído, assim como não existe
nenhum que possa ser considerado como melhor ou pior. O que existem são
diferenças culturais, de significação para as ações e concepções de mundo,
não sendo possível, portanto, justificar qualquer diferença a partir de aspectos
biológicos ou geográficos.
Foi a partir dos primeiros estudos antropológicos que aprendemos mais
profundamente sobre hábitos e costumes dos povos primitivos. Ou seja, a
partir de estudos antropológicos, podemos aprender como determinado
Antropologia urbana
2
grupo social é formado e desenvolve sua cultura e como os costumes e valores
constitutivos dessa cultura são produzidos, reproduzidos e internalizados por
seus participantes. É um trabalho de imersão que busca compreender como
cada ação e concepção de mundo é significada pelos indivíduos em análise.
Somos, portanto, seres produtores, mas também produto da cultura, e
o principal fator disso é a linguagem, o que também nos faz diferenciar de
outras espécies animais. Por exemplo, a arte rupestre foi uma das primeiras
formas de representação artística, mas também de expressão da consciência
simbólica humana. Foi a partir dela que a linguagem humana se desenvolveu e
pôde ser expressa e significada de diferentes formas. É com base em narrativas
emitidas por interlocutores que, a partir de estudos antropológicos, memórias
são reconstruídas, por meio de processos de construção e expressão de
identidades, sejam elas subjetivas, artísticas, religiosas, políticas etc., assim
como de qualquer especificidade cultural de qualquer grupo populacional,
comunidade, tribo etc. (LARAIA, 2001).
Para saber mais sobre antropologia, acesse o canal Leituras Obri-
gaHISTÓRIA no YouTube e assista aos vídeos “O que é ANTROPOLOGIA?
- Antropológica” e “O que é ETNOGRAFIA e como fazer? - Antropológica”. No
primeiro vídeo, a antropóloga Mariane Pisani explica o que é a antropologia,
de forma mais abrangente do que é apresentado neste capítulo e, no segundo,
o que é a etnografia, método próprio da antropologia.
Como campo de conhecimento, a antropologia parte de um método de
investigação próprio, a etnografia. Este é um método que tem por base a
chamada observação participante, em que os pesquisadores se inserem
no campo a ser pesquisado e passam a acompanhar a rotina. O objetivo é
coletar dados que auxiliem na compreensão das diferentes formas com que
os sujeitos dão significado às suas ações e compreendem os espaços em que
estão inseridos, sem deixar de contextualizá-los. De forma geral, a etnografia
é um método que auxilia no processo de compreensão das representações e
concepções de mundo de diferentes grupos sociais. Geertz (1978, p. 15) define
a etnografia da seguinte forma:
[…] segundo a opinião dos livros-textos, praticar a etnografia é estabelecer rela-
ções, selecionar informantes, transcrever textos, levantar genealogias, mapear
campos, manter um diário de campo e assim por diante. Mas não são estas coisas,
as técnicas e os processos determinados, que definem o empreendimento. O que
define é um tipo de esforço intelectual que ele representa: um risco elaborado
para uma descrição densa.
Antropologia urbana 3
É por meio dessa descrição densa e minuciosa, como diz Geertz (1978), que
passamos a compreender aspectos que são específicos de cada cultura, de cada
grupo social. Podemos entender também como, por exemplo, uma determinada
concepção, comportamento ou categoria pode ser reproduzida e compreendida
de forma diferente, de acordo com o meio em que os sujeitos estão inseridos.
Para exemplificar de forma didática e simples essa ideia, há um
relato clássico na antropologia que é o famoso “caso das piscadelas”,
um exemplo de como uma simples piscadela pode ter diferentes significados.
Direcionar uma piscadela a alguém pode significar um interesse (paquera) ou
pode ser um sinal de alerta, de consentimento ou mesmo um “tique nervoso”,
e é nesses pequenos significados que os antropólogos se detêm. O estudo
minucioso, de observação em detalhes, permite explicar os rituais, os costumes
e os significados das ações, das categorias sociais, das normas, enfim, das
concepções de mundo e das estruturas de significação em geral.
A antropologia é, portanto, um campo geral de conhecimento, e, dentro
dele, há diferentes subcampos, como antropologia da alimentação, antropo-
logia da educação, antropologia brasileira, antropologia econômica, antro-
pologia do direito, dentre outras que podem, inclusive, se sobrepor. Daremos
ênfase neste capítulo à antropologia urbana.
A antropologia urbana se consolidou como disciplina no final da década
de 1960 e, de certa forma, rompeu com os estudos clássicos voltados às
sociedades tradicionais (camponesas e indígenas, especialmente). As-
sim, voltou-se aos estudos em espaços urbanos, com foco nas chamadas
sociedades complexas, em contraponto às sociedades tradicionais ou
primitivas. O contraponto é no sentido de que, nos espaços urbanos, a
configuração social é diferente e com maior complexidade do que nas
comunidades tradicionais.
Nos espaços urbanos, há uma diversidade de grupos sociais, com es-
tilos de vida diversificados e normas diversas; os indivíduos podem se
entrelaçar, de forma sobreposta ou não, construindo e reconstruindo
suas identidades e concepções de mundo. Por isso, também não podemos
afirmar a existência de uma cultura comum a todos. Sendo assim, cabe ao
antropólogo social compreender as lógicas urbanas, as especificidades
dos territórios, a forma como os indivíduos vivenciam esses espaços e
dão sentidos a eles. No decorrer deste capítulo, essas especificidades
ficarão melhor especificadas.
Antropologia urbana
4
Comportamentos desviantes e a relação indivíduo
versus sociedade
No campo das ciências sociais, a discussão sobre a relação indivíduo versus
sociedade e/ou cultura é recorrente entre os teóricos clássicos, como Karl
Marx, Émile Durkheim e Max Weber, e também entre os contemporâneos, como
Norbert Elias e Pierre Bourdieu. De forma geral e resumida, as perspectivas
variam conforme descrito a seguir (QUINTANEIRO; BARBOSA; OLIVEIRA, 2002).
1.	 Foco na influência da sociedade sobre o indivíduo, ou seja, na coerção
social a partir das normas e instituições sobre os indivíduos — nesse
caso, as formas de agir, pensar e sentir são propriedades que existem
fora das consciências individuais, pois dependem das relações externas
a eles para serem produzidas (Émile Durkheim).
2.	 Foco nas relações e ações sociais, com a identificação dos sentidos
dados às ações e de como as ações coletivas impactam as estruturas
coletivas, e não exclusivamente as estruturas no comportamento
individual (Max Weber).
3.	 Foco de análise de acordo com o contexto das condições materiais
e situações sociais, pois são os acessos materiais dos sujeitos que
determinam suas condições e suas subjetividades (Karl Marx).
O modelo analítico varia conforme o autor e a intensidade com que os aspec-
tos subjetivos e/ou sociais impactam a construção das identidades e produções
culturais. Mas, de forma geral, podemos compreender que a relação entre
indivíduo e sociedade é construída como uma via de mão dupla: estruturas e
instituições sociais influenciam e são também influenciadas pelas ações dos
sujeitos, estando todos em transformações contínuas. Com isso, percebemos,
de início, que esse é um tema complexo dentro das ciências sociais.
A seguir, vamos direcionar o foco para a forma como Velho (2013) constrói
a noção de comportamento desviante a partir de diferentes concepções
teóricas (descritas a seguir) que se apropriam da relação entre indivíduo e
sociedade para indicar caminhos possíveis dentro da antropologia urbana.
Historicamente, os comportamentos desviantes eram explicados por pers-
pectivas atualmente superadas dentro do campo das ciências sociais, como
o positivismo e o determinismo biológico. Por um lado, havia explicações
que indicavam que os desvios eram decorrentes de uma sociedade disfun-
cional, por outro, que eram características inatas aos indivíduos desviantes,
caracterizando-os como criminosos natos. Tais concepções remontam ao
Antropologia urbana 5
século XVIII, quando surgiu o chamado cientificismo, corrente de pensamento
decorrente de diversas áreas de saberes que estavam em efervescência na
Europa Ocidental. Entre esses saberes, destacavam-se a frenologia, a fisiono-
mia, o darwinismo, o positivismo, a craniologia, dentre outros (BANDERA, 2013).
Merton (1949) é um autor que segue a mesma linha de Durkheim ao estudar
a relação do comportamento desviante, pois se apropria de uma explicação
funcionalista, que indica que comportamentos desviantes são decorrentes do
mau funcionamento das instituições sociais e da consequente fragilidade dos
laços sociais. De acordo com esse autor, há pressões sociais que favorecem
o desvio de comportamento, quando, por exemplo, determinados padrões
sociais não podem ser seguidos ou quando socialmente também não são
oferecidos os meios para alcançar esses padrões. Quando isso acontece, é
gerada uma situação de anomia. Nesse momento, há o que Merton chama de
comportamento aberrante, o qual “pode ser considerado sociologicamente
como um sintoma de dissociação entre as aspirações culturalmente prescritas
e as vias socialmente estruturadas para realizar essas aspirações” (MERTON,
1949, p. 207). Ou seja, o conceito de anomia indica uma sociedade doente, e
os sintomas são os comportamentos desviantes.
A teoria da anomia supera a posição lombrosiana e positivista em relação
ao desvio, ao classificar a anormalidade como um fato social e presente no
convívio social humano desde sempre. A conduta desviante, portanto, tem a
função de permitir que a sociedade defina com maior clareza seus padrões
de ordem moral, ou seja, sua consciência coletiva, sedimentando os valores
da população. No entanto, para Velho (2013), essa perspectiva é ainda insufi-
ciente, pois remete a possíveis relações de causalidade com patologias para
explicações dos comportamentos desviantes. Ou seja, segundo o autor, a
partir do conceito de anomia, passa-se da ideia de uma patologia do indivíduo
para uma patologia do social.
Dentro dessa perspectiva, a anomia se refere à desorganização de normas
e valores, à falta de acordos e de respeito às normas, gerando a sensação de
insegurança e produzindo um ambiente social favorável ao aparecimento de
indivíduos “anômicos”.
O problema de desviantes é, no nível do senso comum, remetido a uma perspectiva
de patologia. Os órgãos de comunicação de massa encarregam-se de divulgar e
enfatizar esta perspectiva quer em termos estritamente psicologizantes, quer em
termos de uma visão que pretende ser “culturalista” ou “sociológica”. A formulação
deste tipo de orientação é feita a partir de trabalhos muitas vezes de orientação
acadêmica, que não são capazes de superar a camisa de força de preconceitos e
intolerância (VELHO, 2013, p. 36).
Antropologia urbana
6
Partindo disso, Velho (2013) se propõe a analisar o desvio a partir de
uma perspectiva que dê conta de explicar como determinados compor-
tamentos são classificados como desviantes, mas desde que de forma
relativizada. Isso é considerado no sentido de que não há uma verdade
absoluta quando se fala de fenômenos culturais, pois há valores que são
relativos e precisam ser analisados dentro dos contextos sociais especí-
ficos em que ocorrem.
O autor chama a atenção para o fato de que os sujeitos agem como des-
viantes em determinadas situações, mas também como cidadãos “normais”
em outras. Por isso, patologizar a questão é generalizar e condicionar os
sujeitos a algo maior do que eles, criando, assim, um marcador permanente
nas identidades. Para Velho (2013), por fim, a antropologia urbana deve ana-
lisar os comportamentos desviantes, buscando pontos de encontro entre as
tradições “psicológicas” e também as “socioculturais”.
Comportamento desviante é todo ato efetuado contra normas em
geral, o que pode variar conforme o contexto sócio-histórico. Por
isso, esse é também um fenômeno que pode ser analisado pela antropologia
urbana, pois pode ser compreendido como um aspecto cultural, se pensarmos
que um mesmo ato pode ser entendido ou não como desviante dependendo
de onde é praticado e em que período histórico é efetivado. Por exemplo, o
consumo de determinadas substâncias psicoativas, especialmente a maconha,
não é criminalizado em países como Holanda e Uruguai, mas no Brasil, sim. Desse
modo, o ato de consumir droga é considerado desviante no Brasil, mas não na
Holanda. Por isso, a categoria desviante está muito atrelada à ordem moral e
à consciência coletiva de cada sociedade em específico.
Diálogos entre ciências humanas
e antropologia urbana
Sinalizamos anteriormente que o campo de estudos culturais é amplo e he-
terogêneo. Agora, vamos enfatizar a importância dos estudos antropológicos
urbanos frente aos demais campos do conhecimento das ciências sociais,
como sociologia, economia, psicologia, história, entre outros. O objetivo é
tentar mostrar como a antropologia urbana pode introduzir um olhar mais
humano para as cidades, pois as experiências vividas e as sensibilidades
coletivas se tornam dados para os antropólogos sociais durante a construção
dos estudos urbanos.
Antropologia urbana 7
Dentro das ciências sociais, os estudos urbanos passaram a ganhar maior
notoriedade a partir da década de 1970 entre sociólogos e antropólogos da
Escola de Chicago. Esta, segundo Frúgoli Jr. (2005, p. 134), foi “a primeira [es-
cola] a tomar a cidade como laboratório privilegiado de análise da mudança
social”, buscando entender, inicialmente, aspectos da “desorganização social”
e abrindo espaço para uma série de investigações antropológicas.
Na mesma época, o campo de pesquisa da antropologia urbana estava
se consolidando no Rio de Janeiro e em São Paulo. As primeiras pesquisas
urbanas perpassavam relações com a violência, principalmente com pesquisas
realizadas nas periferias urbanas, e buscavam compreender os fatores sociais
e culturais por trás dos crimes e os distintos papéis sociais desenvolvidos na
atuação do mundo ilegal do tráfico de drogas. Pesquisas como a da antropó-
loga Alba Zaluar (2007) são referência até hoje nos estudos da antropologia
e da sociologia da violência. Zaluar (2007) traz aspectos sobre as diferentes
formas de sentir, vivenciar e efetivar violências, sem deixar de problematizar
as distintas dimensões das violências, que podem possuir configurações
decorrentes de violações nem sempre materiais ou físicas, mas também do
campo simbólico, psicológico, institucional e moral (ZALUAR, 2007).
Outro viés analítico, no caso de São Paulo, é o construído a partir de movi-
mentos culturais com diferentes formas de manifestação, como os realizados
por grupos de jovens ligados ao hip hop, ao grafite, aos slams etc. Trata-se de
expressões muito atreladas às relações étnicas, aos territórios de moradia e
a reivindicações sociais, podendo servir também como formas de resistência
às diferentes situações. Esse campo é permeado por todo um contexto de
representações compartilhadas e reproduzidas por meio das músicas, dos
grafites e das ações promovidas por esses grupos. Muitas das representações,
no entanto, trazem à tona questões étnicas, de gênero, geracionais, morais
etc. sobre as violências existentes nos territórios de periferia, principalmente.
As pesquisas urbanas trazem à tona o que Velho (2013) chama de “nível
consciente do morador”, ou seja, concepções que formam a base e determi-
nam a complexidade cultural contida no espaço urbano. O nível consciente
do morador consiste, portanto, na forma como os sujeitos compreendem as
suas vivências, os espaços em que transitam no âmbito público, para além de
seus espaços de moradia, e como impactam, são impactados e dão sentidos a
eles. Isso traz especificidades analíticas que só estudos socioantropológicos
conseguem absorver por meio de seus métodos e suas técnicas qualitativas
de pesquisa. Segundo Magnani (2003, p. 83), frente às demais áreas das
ciências sociais,
Antropologia urbana
8
[…] a antropologia tem uma contribuição específica para a compreensão do fenô-
meno urbano, mais especificamente para a pesquisa da dinâmica cultural e das
formas de sociabilidade nas grandes cidades contemporâneas. Para cumprir esse
objetivo, tem à sua disposição um legado teórico-metodológico que, não obstante
as inúmeras releituras e revisões, constitui um repertório capaz de dotá-la dos
instrumentos necessários para enfrentar novos objetos de estudo e questões mais
atuais. O método etnográfico faz parte desse legado, e um dos desafios é como
aplicar essa abordagem à escala da metrópole sem cair na “tentação da aldeia”.
A “tentação da aldeia” a que o autor se refere consiste na tradição an-
tropológica de realizar pesquisas em comunidades tradicionais. Ao contrário
das sociedades tradicionais, nas sociedades complexas, há uma variedade
cultural muito grande. Quanto maior o espaço urbano, maior poderá ser
a complexidade e a heterogeneidade das manifestações culturais. Dentro
dessa complexidade, um único indivíduo pode construir diferentes teias de
relações, tanto no âmbito público como no privado.
O desafio atual consiste no fato de que o urbano, ao contrário das aldeias,
nos é familiar, e não é fácil desnaturalizar o que está naturalizado em nós
— isto é, desconstruir padrões, normas e concepções já internalizadas por
nós e acessar outras concepções de mundo, reconstruindo-as em pesquisas.
Além disso, há uma variedade muito grande de possibilidades de análises
das culturas urbanas. Dentro desse escopo de possibilidades, a antropologia
urbana vai contribuir para o estudo das lógicas das trocas e relações sociais
que ocorrem no meio urbano.
No livro Um antropólogo na cidade, Velho (2013) levanta questões
sobre a pesquisa no meio urbano, a relação entre as diferentes
subjetividades e as influências sociais externas aos indivíduos. Inclusive, ele
trata sobre a subjetividade do próprio pesquisador em um campo que é natural
e comum para ele, pois é o espaço de sua convivência, mas sem deixar de
reforçar que também há elementos que podem ser analisados para além do
que nos é familiar.
O espaço público, portanto, é o espaço de visibilidade, de comunicação, de
produção e reprodução da cultura urbana. Já o espaço privado é o espaço de
produção de outros tipos de subjetividades. Frúgoli Jr. (2005) traz um apanhado
de estudos realizados por antropólogos como Macedo (1979), Magnani (1984) e
Caldeira (1984), indicando-os como fontes potentes no campo da antropologia
urbana. Segundo o autor, esses pesquisadores
Antropologia urbana 9
[...] tomaram as áreas periféricas como local de pesquisa, buscando compreender
detidamente redes de parentesco e de vizinhança, modos de vida, estratégias de
sobrevivência, formas de sociabilidades e representações políticas, com ênfase em
dimensões cotidianas e em representações simbólicas, muito pouco contempladas
nas perspectivas “macroestruturais”. (FRÚGOLI Jr., 2005, p. 141).
As pesquisas realizadas na área econômica, por exemplo, possuem uma
perspectiva macrossocial sustentada principalmente por dados quantitativos,
e as pesquisas da psicologia são restritas às subjetividades. Já o foco das
pesquisas antropológicas e, em grande medida, das pesquisas sociológicas
é voltado para interesses diferenciados nas ciências sociais, ao envolver,
principalmente, os sistemas simbólicos marcados por múltiplas determina-
ções. Entretanto, apesar de serem campos diferentes, segundo Velho (2013,
p. 43), em pesquisas antropológicas no espaço urbano, não se pode “negar a
especificidade de fenômenos psicológicos, sociais, biológicos ou culturais,
mas sim reafirmar a importância de não perder de vista seu caráter de inter-
-relacionamento complexo e permanente”.
O que Velho (2013) parece nos indicar é que o comportamento humano
deve ser analisado e compreendido de forma integrada, pois somos seres
sociais, multifacetados, que interagimos de diferentes formas e com dife-
rentes estruturas e grupos sociais, ao mesmo tempo que também somos
constituídos por uma carga genética. Por isso, é preciso tomar cuidado com
análises generalizantes, construídas de forma arbitrária e que possam reforçar
estigmas e marcadores sociais da diferença. Por conta disso, o autor propõe
também acabar com a dicotomia indivíduo/sociedade ou cultura e integrar as
possíveis dimensões de análise e campos do conhecimento, possibilitando
um olhar mais ampliado da vida humana nas cidades, captando fatores de
natureza física, mental e espiritual. No próximo tópico, vamos abordar como
essas perspectivas são operacionalizadas em estudos sobre expressões
religiosas no espaço público.
Se você gostou do tema sobre comportamento desviante, bem como
sobre estudos realizados por antropólogos urbanos, indicamos o livro
do antropólogo Gabriel Feltran (2018) intitulado Irmãos: uma história do PCC.
Nesse livro, Feltran aborda a relação construída entre integrantes do Primeiro
Comando da Capital, o PCC, uma facção criminosa dominante no estado de São
Paulo, relatando as formas de sociabilidade, as prisões, o mercado do tráfico,
dentre outros aspectos que compõem o “mundo do crime”.
Antropologia urbana
10
Práticas religiosas no contexto urbano
Após o processo de secularização e racionalização moderno e ocidental, as
normas religiosas deixaram de ser determinantes na vida pública e também
política do Estado, ficando restritas ao âmbito privado dos seus seguidores,
o que acarretou também o processo de laicidade dos Estados modernos.
Além disso, a relação entre fiéis e Igreja, que antes ocorria de forma vertical
e quase inacessível, passou por um processo de ampliação de acesso aos
seguidores, reconfigurando o universo religioso ao ampliar a horizontalidade
na relação entre a fé e seus adeptos.
Nas raízes históricas do Brasil, há uma herança cultural religiosa plural
advinda de matrizes indígenas, africanas e europeias. No entanto, por conta
da colonização portuguesa, a religião dominante sempre foi o catolicismo,
e, por muito tempo, muitas manifestações religiosas foram proibidas no
nosso país. Foi com o processo de laicidade que houve também o processo
de pluralismo religioso no Brasil, a partir do qual a diversidade de tradições
e práticas religiosas passou a se manifestar livremente. Os princípios inclu-
ídos na Constituição de 1988 passaram a servir como parâmetro normativo,
instituindo, assim, a livre manifestação das religiões como um princípio
democrático.
Pensar as relações entre cidade e religião dentro do contexto do plura-
lismo religioso é pensar sobre as diferentes formas que existem atualmente
de expressar a religiosidade. Os estudos antropológicos, desde seu início e
ainda atualmente, sempre estiveram atentos às manifestações religiosas das
sociedades primitivas. O interesse perpassa por mitos, ritos, magias e demais
formas representativas, buscando compreender as relações dos sujeitos com
a fé e os seus símbolos. Já os estudos da antropologia urbana, interpostos à
antropologia da religião, buscam entender, a partir de exercícios etnográficos,
as manifestações e expressões de fé no espaço público, ou mesmo a relação
entre a cidade e as religiões. No Quadro 1, são especificados alguns conceitos
relacionados às manifestações da religião no espaço urbano.
Quando falamos que o campo é amplo e heterogêneo é porque uma única
categoria pode ter diferentes significados, como vimos no caso das piscadelas.
Quando falamos de religião, há todo o contexto da pluralidade religiosa e a
forma como cada ator entende o processo religioso em sua subjetividade.
Segundo Magnani [200-?], em seu artigo “Religião na Metrópole”, o que se
entende por “religião” é aplicado a um variado conjunto de experiências que
estão diretamente relacionadas a diferentes doutrinas, ritos, experiências e
Antropologia urbana 11
formas de entender e dar diferentes sentidos ao universo e à própria vida.
E a cidade é um espaço que oferece condições de desenvolvimento e mani-
festação para as práticas religiosas.
Ao andar pela cidade, principalmente as grandes cidades, podemos
observar a presença de templos, igrejas, sinagogas, santuários, oratórios,
terreiros, casas espíritas, dentre outros. Todos eles são centros de mani-
festação e expressão de diferentes fés, cada um com formas representa-
tivas e concepções de mundo próprias, que são materializadas por meio
de cultos, passes, ritos, cerimônias, festas públicas e devoções diversas.
Eles representam também uma pluralidade de expressões identitárias por
meio da fé, podendo inclusive um mesmo indivíduo circular por diferentes
religiões ao mesmo tempo ou em diferentes fases da vida. Segundo Peter
Berger (1997, p. 78):
O indivíduo moderno existe numa pluralidade de mundos migrando de um lado a
outro entre estruturas de plausibilidade rivais e muitas vezes contraditórias, cada
uma sendo enfraquecida pelo simples fato de sua coexistência involuntária com
outras estruturas de plausibilidade. Além dos “outros significantes” que confirmam
a realidade, há sempre e em toda parte “aqueles outros”, incômodos refutadores,
descrentes — talvez o incômodo moderno por excelência.
O que podemos compreender dessa citação é que as identidades dos
sujeitos são construídas a partir de elementos diversos, heterogêneos e
fragmentados, sendo as religiões um dos campos de possibilidades, dentro de
outros elementos constitutivos, para a formação do ser. Esse é um aspecto do
cosmopolitismo moderno e da pluralidade religiosa, que criam um campo de
possibilidades de manifestação e expressão da fé no espaço público. Alguns
exemplos podem ser verificados a partir de diferentes festejos em datas
comemorativas, como a Festa dos Santos Reis, a Festa do Bonfim, a Festa
de São Sebastião, a Semana Santa, as procissões religiosas em geral, bem
como eventos e encontros promovidos por diferentes religiões, dentre outras
possibilidades. Segundo Mafra e Almeida (2009, p. 139), “é na amplitude de
significado que a cidade como espaço representa, que notamos proximidades
dos universos urbanos e religiosos”.
Apresentamos apenas um quadro geral para identificarmos algumas
relações possíveis e visualizarmos possibilidades dentro dos contextos
em que estamos inseridos de forma exemplificada. Os estudos das formas
de pensar o espaço da cidade e da religião devem ser especificados de
forma minuciosa e precisa, considerando a diversidade de olhares de
quem participa. Apesar de todo o processo de racionalização e laicidade,
Antropologia urbana
12
a religião é um aspecto muito forte no Brasil e é manifestada de diferentes
formas. Um exemplo disso é a música “Andar com fé eu vou”, de Gilberto
Gil, que diz o seguinte:
Andar com fé eu vou / Que a fé não costuma faiá / [...] Que a fé tá na mulher / A fé
tá na cobra coral / oh oh / Num pedaço de pão / A fé tá na maré / Na lâmina de
um punhal / Oh oh / Na luz e na escuridão / […] A fé tá viva e sã / A fé também tá
pra morrer / Oh oh / Triste na solidão / Certo ou errado até / A fé vai onde quer
que eu vá / Oh Oh / A pé ou de avião / Mesmo a quem não tem fé / A fé costuma
acompanhar / Oh oh / Pelo sim pelo não.
A partir dessa letra, podemos compreender alguns aspectos represen-
tativos das manifestações de fé. Por exemplo, vamos considerar o possível
significado de alguns trechos:
„
„ “a fé tá na mulher” — pode representar a figura de Maria;
„
„ “na cobra coral” — pode-se considerar que a cobra sempre esteve
ligada a diferentes símbolos religiosos e míticos; há, por exemplo, um
caboclo na umbanda que se chama Cobra Coral e representa a pureza
e a magia, algo ligado à fé que habita em cada indivíduo;
„
„ “num pedaço de pão” — nas missas, o pão representa “o corpo de cristo”;
„
„ “a fé tá na maré” — pode representar as oferendas à Iemanjá, em que
há o ideal de que as oferendas sejam transmutadas em prosperidades
vindas com a maré.
Enfim, essas expressões se referem a diferentes religiões que possuem
atividades em espaços públicos, e as possibilidades de análise sobre as
representações são variadas. Um mesmo fragmento, prática ou categoria
pode possuir diferentes significados e explicações de mundo.
Nesse sentido, a antropologia amplia a relação com os espaços de fé e a ma-
nutenção da memória, pois se baseia em estruturas de discursos e significações
que permitem intercambiar signos. Serve ainda como intermediação cultural,
ao tratar da relação das pessoas com o espaço de significação que ocupam,
abordando questões que vão além do que dados quantitativos podem oferecer.
A religião é ampla e possui inúmeras modalidades de relação com a cidade.
Com isso, o foco de análise da antropologia urbana consiste na forma como
os sujeitos compreendem, internalizam e dão sentido às suas ações baseadas
em princípios da religião com que possuem vínculo. A inscrição religiosa é
manifestada nos eventos públicos, mas também nos corpos, nas mentes e
no espaço físico e político da cidade.
Antropologia urbana 13
Quadro 1. Noções conceituais para ampliar a compreensão sobre a antro-
pologia urbana e a sua relação com as religiões
Pluralismo religioso
É um fenômeno moderno que corresponde à
pluralidade de manifestações religiosas e crenças
que possuímos hoje no Brasil. Há uma pluralidade
de formas de conceber o mundo e dar explicações
místicas a ele, e todos os sujeitos possuem
liberdade para seguir a religião que desejarem,
ou não seguir, se assim desejarem. Há princípios
normativos na Constituição de 1988 que garantem o
respeito, a liberdade de culto e a isonomia a todas
as religiões.
Manifestação
pública de fé
Também conhecida como Fé Pública, são atos de fé
realizados no espaço público ou fora dos seus locais
sagrados.
Identidades religiosas
O processo de construção identitária ocorre ao
longo de toda a vida e está muito atrelado às
experiências que possuímos, às relações, interações,
regras, valores etc. É, portanto, um produto cultural.
No que se refere às identidades religiosas, esse é
um termo que tem sido usado também para estudar
processos em que sujeitos trocam de religião. Nesse
processo, há a desconstrução e a reconstrução
de novas perspectivas religiosas que impactam
diretamente as novas formas de expressar as
identidades religiosas. Por exemplo, suponha um
sujeito que nasceu e cresceu como judeu ortodoxo e,
por isso, seguiu por um determinado tempo da vida
seguindo normas de comportamento, de vestimenta
e de relações subjetivas específicas. Se, por acaso,
ele resolver trocar de religião e seguir a umbanda,
por exemplo, aspectos identitários nele e relativos
ao judaísmo serão desconstruídos, e novos serão
criados. Isso impactará diretamente a forma de
expressar sua identidade.
Um exemplo de estudo antropológico sobre uma manifestação pú-
blica de fé é a tese de doutorado de Daniel Bitter (2008) intitulada
A bandeira e a máscara: estudo sobre a circulação de objetos rituais nas folias
de reis. Em seu estudo, o pesquisador direciona a análise às representações
e à circulação da bandeira e da máscara no contexto social e ritual das folias
de reis, evento festivo que ocorre em grande parte do território brasileiro. O
objetivo principal do estudo é entender como ocorre a construção de vínculos,
relações e significados dados pelos participantes do empreendimento festivo.
Antropologia urbana
14
Referências
BANDERA, V. Código de Menores, ECA e adolescentes em conflito com a lei. ÂmbitoJurídico, Rio
Grande,XVI,n.114,jul.2013.Disponívelem:https://ambitojuridico.com.br/edicoes/revista-114/
codigo-de-menores-eca-e-adolescentes-em-conflito-com-a-lei/. Acesso em: 28 out. 2020.
BERGER, P. Rumor de anjos: a sociedade moderna e a redescoberta do sobrenatural.
Petrópolis: Vozes, 1997.
BITTER, D. A bandeira e a máscara: estudo sobre a circulação de objetos rituais nas
folias de reis. 2008. Tese (Doutorado em Ciências Humanas) – Universidade Federal
do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.
CALDEIRA, T. P. R. A política dos outros: o cotidiano dos moradores da periferia e o que
pensam do poder e dos poderosos. São Paulo: Brasiliense, 1984.
FELTRAN, G. Irmãos: uma história do PCC. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.
FRÚGOLI Jr., H. O urbano em questão na antropologia: interfaces com a sociologia.
Revista de Antropologia, São Paulo, v. 48, n. 1, p. 133-165, 2005.
GÂNDAVO, P. M. Tratado da Terra no Brasil. [S. l.]: The Perfect Library, 2015.
GEERTZ, C. Interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.
LARAIA, R. B. Cultura: um conceito antropológico. 14. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.
MACEDO, C. C. A reprodução da desigualdade. São Paulo: Hucitec, 1979.
MAFRA, C.; ALMEIDA, R. (Orgs.). Religiões e cidades: Rio de janeiro e São Paulo. São
Paulo: Terceiro Nome, 2009.
MAGNANI, J. G. C. A antropologia urbana e os desafios da metrópole. Tempo Social, São
Paulo, v. 15, n. 1, p. 81-98, abril 2003.
MAGNANI, J. G. C. Festa no pedaço: cultura popular e lazer na cidade. São Paulo: Bra-
siliense, 1984.
MAGNANI, J. G. C. Religião na metrópole. São Paulo, [200-?]. Disponível em: http://nau.
fflch.usp.br/textos. Acesso em: 28 out. 2020.
MERTON, R. K. Sociologia: teoria e estrutura. São Paulo: Mestre Jou, 1949.
QUINTANEIRO, T.; BARBOSA, M. L. O.; OLIVEIRA, M. G. M. Um toque de clássicos: Marx,
Durkheim e Weber. 2. ed. rev. ampl. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.
VELHO, G. Um antropólogo na cidade: ensaios de antropologia urbana. Rio de Janeiro:
Zahar, 2013.
ZALUAR, A. Democratização inacabada: fracasso da segurança pública. Estudos Avan-
çados, São Paulo, v. 21, n. 61, p. 31-49, dez. 2007.
Os links para sites da web fornecidos neste capítulo foram todos
testados, e seu funcionamento foi comprovado no momento da
publicação do material. No entanto, a rede é extremamente dinâmica; suas
páginas estão constantemente mudando de local e conteúdo. Assim, os editores
declaram não ter qualquer responsabilidade sobre qualidade, precisão ou
integralidade das informações referidas em tais links.
Antropologia urbana 15
Antropologia da religião 2

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ciência e Religião
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ciência e ReligiãoSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ciência e Religião
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ciência e Religião
Turma Olímpica
 
Antropologia CONCEITOS BÁSICOS
Antropologia CONCEITOS BÁSICOSAntropologia CONCEITOS BÁSICOS
Antropologia CONCEITOS BÁSICOS
Uniceuma
 
Aula 1 o que é antropologia
Aula 1   o que é antropologiaAula 1   o que é antropologia
Aula 1 o que é antropologia
Fábio Nogueira, PhD
 
O que é antropologia
O que é antropologiaO que é antropologia
O que é antropologia
Aldenei Barros
 
O que é etnocentrismo
O que é etnocentrismoO que é etnocentrismo
O que é etnocentrismo
Andreia Regina Moura Mendes
 
Antropologia: conceitos basicos
 Antropologia: conceitos basicos Antropologia: conceitos basicos
Antropologia: conceitos basicos
Flávia De Mattos Motta
 
A Religiosidade Brasileira
A Religiosidade BrasileiraA Religiosidade Brasileira
A Religiosidade Brasileira
George Maia
 
Ciência Política: Introdução
Ciência Política: IntroduçãoCiência Política: Introdução
Ciência Política: Introdução
Israel serique
 
Filosofia Política
Filosofia PolíticaFilosofia Política
Filosofia Política
José Ferreira Júnior
 
Estudos Culturais
Estudos CulturaisEstudos Culturais
Estudos Culturais
Luciana Piovezan
 
Surgimento do Estado Moderno
Surgimento do Estado ModernoSurgimento do Estado Moderno
Surgimento do Estado Moderno
Paula Meyer Piagentini
 
Sociologia no Brasil
Sociologia no BrasilSociologia no Brasil
Sociologia no Brasil
Bruno Barbosa
 
Paul michel foucault
Paul michel foucaultPaul michel foucault
Paul michel foucault
jorge luiz dos santos de souza
 
Introduçao a sociologia
Introduçao a sociologiaIntroduçao a sociologia
Introduçao a sociologia
Marcelo Freitas
 
Definições de cultura / Etnocentrismo e Identidade Cultural
Definições de cultura / Etnocentrismo e Identidade CulturalDefinições de cultura / Etnocentrismo e Identidade Cultural
Definições de cultura / Etnocentrismo e Identidade Cultural
Paula Meyer Piagentini
 
Aula de Filosofia - Linguagem e pensamento
Aula de Filosofia - Linguagem e pensamentoAula de Filosofia - Linguagem e pensamento
Aula de Filosofia - Linguagem e pensamento
Paulo Alexandre
 
A RELIGIÃO NO BRASIL
A RELIGIÃO NO BRASIL A RELIGIÃO NO BRASIL
A RELIGIÃO NO BRASIL
Jorge Miklos
 
Violência, crime e justiça no Brasil
Violência, crime e justiça no BrasilViolência, crime e justiça no Brasil
Violência, crime e justiça no Brasil
isameucci
 
Cultura e identidade brasileiras
Cultura e identidade brasileirasCultura e identidade brasileiras
Cultura e identidade brasileiras
Salomao Lucio Dos Santos
 
Sociologia - Religião
Sociologia - ReligiãoSociologia - Religião
Sociologia - Religião
Paulo Alexandre
 

Mais procurados (20)

Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ciência e Religião
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ciência e ReligiãoSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ciência e Religião
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ciência e Religião
 
Antropologia CONCEITOS BÁSICOS
Antropologia CONCEITOS BÁSICOSAntropologia CONCEITOS BÁSICOS
Antropologia CONCEITOS BÁSICOS
 
Aula 1 o que é antropologia
Aula 1   o que é antropologiaAula 1   o que é antropologia
Aula 1 o que é antropologia
 
O que é antropologia
O que é antropologiaO que é antropologia
O que é antropologia
 
O que é etnocentrismo
O que é etnocentrismoO que é etnocentrismo
O que é etnocentrismo
 
Antropologia: conceitos basicos
 Antropologia: conceitos basicos Antropologia: conceitos basicos
Antropologia: conceitos basicos
 
A Religiosidade Brasileira
A Religiosidade BrasileiraA Religiosidade Brasileira
A Religiosidade Brasileira
 
Ciência Política: Introdução
Ciência Política: IntroduçãoCiência Política: Introdução
Ciência Política: Introdução
 
Filosofia Política
Filosofia PolíticaFilosofia Política
Filosofia Política
 
Estudos Culturais
Estudos CulturaisEstudos Culturais
Estudos Culturais
 
Surgimento do Estado Moderno
Surgimento do Estado ModernoSurgimento do Estado Moderno
Surgimento do Estado Moderno
 
Sociologia no Brasil
Sociologia no BrasilSociologia no Brasil
Sociologia no Brasil
 
Paul michel foucault
Paul michel foucaultPaul michel foucault
Paul michel foucault
 
Introduçao a sociologia
Introduçao a sociologiaIntroduçao a sociologia
Introduçao a sociologia
 
Definições de cultura / Etnocentrismo e Identidade Cultural
Definições de cultura / Etnocentrismo e Identidade CulturalDefinições de cultura / Etnocentrismo e Identidade Cultural
Definições de cultura / Etnocentrismo e Identidade Cultural
 
Aula de Filosofia - Linguagem e pensamento
Aula de Filosofia - Linguagem e pensamentoAula de Filosofia - Linguagem e pensamento
Aula de Filosofia - Linguagem e pensamento
 
A RELIGIÃO NO BRASIL
A RELIGIÃO NO BRASIL A RELIGIÃO NO BRASIL
A RELIGIÃO NO BRASIL
 
Violência, crime e justiça no Brasil
Violência, crime e justiça no BrasilViolência, crime e justiça no Brasil
Violência, crime e justiça no Brasil
 
Cultura e identidade brasileiras
Cultura e identidade brasileirasCultura e identidade brasileiras
Cultura e identidade brasileiras
 
Sociologia - Religião
Sociologia - ReligiãoSociologia - Religião
Sociologia - Religião
 

Semelhante a Antropologia da religião 2

Antrapologia 1
Antrapologia 1Antrapologia 1
Cempi – aula antropologia cultural 1
Cempi – aula antropologia cultural  1Cempi – aula antropologia cultural  1
Cempi – aula antropologia cultural 1
Geani Pedrosa
 
Antropologia contemporânea
Antropologia contemporânea Antropologia contemporânea
Antropologia contemporânea
mundica broda
 
Antropologia contemporânea cap 10
Antropologia contemporânea cap 10Antropologia contemporânea cap 10
Antropologia contemporânea cap 10
mundissa
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
Bernardo Ferreira
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
Bernardo Ferreira
 
Antropologia texto 1
Antropologia   texto 1Antropologia   texto 1
Antropologia texto 1
Charlison Melo Guimarães
 
Cultura e diversidade.pptx
Cultura e diversidade.pptxCultura e diversidade.pptx
Cultura e diversidade.pptx
BrunoAndrade238623
 
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 02
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 02FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 02
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 02
Jordano Santos Cerqueira
 
2EM - SOC - 02 - ANTROPOLOGIA
2EM - SOC - 02 - ANTROPOLOGIA2EM - SOC - 02 - ANTROPOLOGIA
2EM - SOC - 02 - ANTROPOLOGIA
ESTIMOARTE
 
Modulo de Antropologia em Apresentacao.pptx
Modulo de Antropologia em Apresentacao.pptxModulo de Antropologia em Apresentacao.pptx
Modulo de Antropologia em Apresentacao.pptx
GuidoEduardoAntnio
 
Introdução antropologia cultural
Introdução antropologia culturalIntrodução antropologia cultural
Introdução antropologia cultural
MNTB / Instituto Antropos
 
Historia fontes historicas
Historia fontes historicasHistoria fontes historicas
Historia fontes historicas
Loredana Ruffo
 
Estudos culturais e antropologicos
Estudos culturais e antropologicosEstudos culturais e antropologicos
Estudos culturais e antropologicos
Salomao Lucio Dos Santos
 
Antropologia e cultura
Antropologia e culturaAntropologia e cultura
Antropologia e cultura
Salomao Lucio Dos Santos
 
Antropologia da religião
Antropologia da religiãoAntropologia da religião
Antropologia da religião
Salomao Lucio Dos Santos
 
CULTURA E IDEOLOGIA [Salvo automaticamente].ppt
CULTURA E IDEOLOGIA   [Salvo automaticamente].pptCULTURA E IDEOLOGIA   [Salvo automaticamente].ppt
CULTURA E IDEOLOGIA [Salvo automaticamente].ppt
AdelmaFerreiradeSouz
 
Antropologia 1.pptx
Antropologia 1.pptxAntropologia 1.pptx
Antropologia 1.pptx
IslanaPereira1
 
Antropologiajurdica anotaesdeaula-130226213353-phpapp02
Antropologiajurdica anotaesdeaula-130226213353-phpapp02Antropologiajurdica anotaesdeaula-130226213353-phpapp02
Antropologiajurdica anotaesdeaula-130226213353-phpapp02
Claudia araujo
 
História da Antropologia_ teoria, método e colonialismo.pdf
História da Antropologia_ teoria, método e colonialismo.pdfHistória da Antropologia_ teoria, método e colonialismo.pdf
História da Antropologia_ teoria, método e colonialismo.pdf
FelipeCavalcantiFerr
 

Semelhante a Antropologia da religião 2 (20)

Antrapologia 1
Antrapologia 1Antrapologia 1
Antrapologia 1
 
Cempi – aula antropologia cultural 1
Cempi – aula antropologia cultural  1Cempi – aula antropologia cultural  1
Cempi – aula antropologia cultural 1
 
Antropologia contemporânea
Antropologia contemporânea Antropologia contemporânea
Antropologia contemporânea
 
Antropologia contemporânea cap 10
Antropologia contemporânea cap 10Antropologia contemporânea cap 10
Antropologia contemporânea cap 10
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
 
Antropologia texto 1
Antropologia   texto 1Antropologia   texto 1
Antropologia texto 1
 
Cultura e diversidade.pptx
Cultura e diversidade.pptxCultura e diversidade.pptx
Cultura e diversidade.pptx
 
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 02
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 02FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 02
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 02
 
2EM - SOC - 02 - ANTROPOLOGIA
2EM - SOC - 02 - ANTROPOLOGIA2EM - SOC - 02 - ANTROPOLOGIA
2EM - SOC - 02 - ANTROPOLOGIA
 
Modulo de Antropologia em Apresentacao.pptx
Modulo de Antropologia em Apresentacao.pptxModulo de Antropologia em Apresentacao.pptx
Modulo de Antropologia em Apresentacao.pptx
 
Introdução antropologia cultural
Introdução antropologia culturalIntrodução antropologia cultural
Introdução antropologia cultural
 
Historia fontes historicas
Historia fontes historicasHistoria fontes historicas
Historia fontes historicas
 
Estudos culturais e antropologicos
Estudos culturais e antropologicosEstudos culturais e antropologicos
Estudos culturais e antropologicos
 
Antropologia e cultura
Antropologia e culturaAntropologia e cultura
Antropologia e cultura
 
Antropologia da religião
Antropologia da religiãoAntropologia da religião
Antropologia da religião
 
CULTURA E IDEOLOGIA [Salvo automaticamente].ppt
CULTURA E IDEOLOGIA   [Salvo automaticamente].pptCULTURA E IDEOLOGIA   [Salvo automaticamente].ppt
CULTURA E IDEOLOGIA [Salvo automaticamente].ppt
 
Antropologia 1.pptx
Antropologia 1.pptxAntropologia 1.pptx
Antropologia 1.pptx
 
Antropologiajurdica anotaesdeaula-130226213353-phpapp02
Antropologiajurdica anotaesdeaula-130226213353-phpapp02Antropologiajurdica anotaesdeaula-130226213353-phpapp02
Antropologiajurdica anotaesdeaula-130226213353-phpapp02
 
História da Antropologia_ teoria, método e colonialismo.pdf
História da Antropologia_ teoria, método e colonialismo.pdfHistória da Antropologia_ teoria, método e colonialismo.pdf
História da Antropologia_ teoria, método e colonialismo.pdf
 

Mais de Salomao Lucio Dos Santos

Antropologia da religião 4 mito, rito, magia,
Antropologia da religião 4 mito, rito, magia,Antropologia da religião 4 mito, rito, magia,
Antropologia da religião 4 mito, rito, magia,
Salomao Lucio Dos Santos
 
Antropologia da religião 5 - antropologia no brasil
Antropologia da religião 5 - antropologia no brasilAntropologia da religião 5 - antropologia no brasil
Antropologia da religião 5 - antropologia no brasil
Salomao Lucio Dos Santos
 
Antropologia e cultura olhares e discursos sobre os brasileiros
Antropologia e cultura  olhares e discursos sobre os brasileirosAntropologia e cultura  olhares e discursos sobre os brasileiros
Antropologia e cultura olhares e discursos sobre os brasileiros
Salomao Lucio Dos Santos
 
As scolas de antropologia
As scolas de antropologiaAs scolas de antropologia
As scolas de antropologia
Salomao Lucio Dos Santos
 
Atropologia e cultura pricila farfan barroso
Atropologia e cultura   pricila farfan barrosoAtropologia e cultura   pricila farfan barroso
Atropologia e cultura pricila farfan barroso
Salomao Lucio Dos Santos
 
Castro celso evolucionismo-cultural
Castro celso evolucionismo-culturalCastro celso evolucionismo-cultural
Castro celso evolucionismo-cultural
Salomao Lucio Dos Santos
 
Antropologia cultura
Antropologia   culturaAntropologia   cultura
Antropologia cultura
Salomao Lucio Dos Santos
 
Antropologia da religião​​​​​​​,
Antropologia da religião​​​​​​​,Antropologia da religião​​​​​​​,
Antropologia da religião​​​​​​​,
Salomao Lucio Dos Santos
 
Apostila revisão geral
Apostila revisão geralApostila revisão geral
Apostila revisão geral
Salomao Lucio Dos Santos
 
Resumo cinematica e dinâmica para alunos
Resumo cinematica e dinâmica para alunosResumo cinematica e dinâmica para alunos
Resumo cinematica e dinâmica para alunos
Salomao Lucio Dos Santos
 
Dinãmica
DinãmicaDinãmica

Mais de Salomao Lucio Dos Santos (11)

Antropologia da religião 4 mito, rito, magia,
Antropologia da religião 4 mito, rito, magia,Antropologia da religião 4 mito, rito, magia,
Antropologia da religião 4 mito, rito, magia,
 
Antropologia da religião 5 - antropologia no brasil
Antropologia da religião 5 - antropologia no brasilAntropologia da religião 5 - antropologia no brasil
Antropologia da religião 5 - antropologia no brasil
 
Antropologia e cultura olhares e discursos sobre os brasileiros
Antropologia e cultura  olhares e discursos sobre os brasileirosAntropologia e cultura  olhares e discursos sobre os brasileiros
Antropologia e cultura olhares e discursos sobre os brasileiros
 
As scolas de antropologia
As scolas de antropologiaAs scolas de antropologia
As scolas de antropologia
 
Atropologia e cultura pricila farfan barroso
Atropologia e cultura   pricila farfan barrosoAtropologia e cultura   pricila farfan barroso
Atropologia e cultura pricila farfan barroso
 
Castro celso evolucionismo-cultural
Castro celso evolucionismo-culturalCastro celso evolucionismo-cultural
Castro celso evolucionismo-cultural
 
Antropologia cultura
Antropologia   culturaAntropologia   cultura
Antropologia cultura
 
Antropologia da religião​​​​​​​,
Antropologia da religião​​​​​​​,Antropologia da religião​​​​​​​,
Antropologia da religião​​​​​​​,
 
Apostila revisão geral
Apostila revisão geralApostila revisão geral
Apostila revisão geral
 
Resumo cinematica e dinâmica para alunos
Resumo cinematica e dinâmica para alunosResumo cinematica e dinâmica para alunos
Resumo cinematica e dinâmica para alunos
 
Dinãmica
DinãmicaDinãmica
Dinãmica
 

Último

Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
AntonioVieira539017
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
JuliaMachado73
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 

Último (20)

Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 

Antropologia da religião 2

  • 2. OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM > > Problematizar a questão da antropologia urbana nos âmbitos individual e social com base no conceito de comportamentos desviantes. > > Descrever os possíveis diálogos entre a antropologia urbana e as demais ciências humanas. > > Identificar as novas identidades religiosas e as novas práticas ritualísticas no contexto urbano. Introdução Nestecapítulo,vocêvaiaprendersobreoespaçourbanoapartirdeumaperspectiva dasciênciassociais,maisespecificamente,daantropologia,esuainter-relaçãocom osdemaiscamposdasciênciassociais.Aantropologiaurbanaéumsubcampodaan- tropologiarelativamenterecentenasciênciassociais.Consolidou-secomodisciplina entreofinaldadécadade1960eoiníciode1970.Suacontribuiçãoperpassaestudos dos fenômenos urbanos, principalmente fenômenos manifestados nas grandes metrópoles, onde há maiores complexidades e diferenciações sociais e culturais. Assim, neste capítulo, você vai estudar como surgiu a antropologia urbana, quais são seus métodos e suas técnicas e quais são as suas especificidades dentrodagrandeáreaqueéaantropologia.Vocêtambémvaicompreendercomo antropólogosurbanoscompreendemocomportamentodesviantenomeiosocial, bem como o que é o comportamento desviante. Por fim, você vai aprender sobre as formas de manifestações religiosas no meio urbano. Antropologia urbana Ráisa Lammel Canfield
  • 3. Introdução à antropologia urbana A antropologia, de forma geral, é um dos campos de conhecimento das ci- ências sociais. Ela tem como objeto principal de análise os estudos cultu- rais — dentro desse amplo campo de possibilidades que existe dentro das expressões culturais — e as formas como os seres humanos são constituídos socialmente e expressam suas identidades a partir do que foi internalizado culturalmente. Ela surgiu no contexto histórico de expansão das grandes navegações, quando diferentes civilizações passaram a interagir ao entrar em contato umas com as outras. As primeiras explicações para as diferenças culturais foram elaboradas com base nos determinismos biológico e/ou geográfico. O determinismogeográfico se mobilizava para explicar diferenciações culturais tendo como base o território de moradia dos grupos sociais considerados diferentes. Já o determinismobioló- gico buscava explicar tais diferenciações com base nos aspectos biológicos dos sujeitos. As explicações deterministas justificavam as diferenças, por exemplo, a partir do que era considerado como capacidades inatas aos seres humanos, dentro das diferenciações criadas a partir do critério racial. Nesse sentido, esse modelo explicativo reforçava a dominação sobre certas populações a partir de um viés carregado de preconceitos e sem sustentação científica (LARAIA, 2001). Um exemplo de argumento determinista pode ser demonstrado a partir da justificativa dada para a escravização de povos africanos, quando diziam que se tratava de uma “raça submissa”. Outro exemplo pode ser identificado no fragmento contido no Tratado da Terra do Brasil, escrito por Pero de Magalhães Gândavo (2015), que diz que os índios se constituem como “povo sem fé, lei e rei”, além de preguiçoso. Tais afirmações consistiam em justificativas para desprezá-los, inferiorizá-los e dominá-los. Os estudos antropológicos surgiram para refutar esses determinismos. Ao estudar de forma minuciosa cada cultura, os antropólogos puderam constatar e afirmar que não existe povo mais ou menos evoluído, assim como não existe nenhum que possa ser considerado como melhor ou pior. O que existem são diferenças culturais, de significação para as ações e concepções de mundo, não sendo possível, portanto, justificar qualquer diferença a partir de aspectos biológicos ou geográficos. Foi a partir dos primeiros estudos antropológicos que aprendemos mais profundamente sobre hábitos e costumes dos povos primitivos. Ou seja, a partir de estudos antropológicos, podemos aprender como determinado Antropologia urbana 2
  • 4. grupo social é formado e desenvolve sua cultura e como os costumes e valores constitutivos dessa cultura são produzidos, reproduzidos e internalizados por seus participantes. É um trabalho de imersão que busca compreender como cada ação e concepção de mundo é significada pelos indivíduos em análise. Somos, portanto, seres produtores, mas também produto da cultura, e o principal fator disso é a linguagem, o que também nos faz diferenciar de outras espécies animais. Por exemplo, a arte rupestre foi uma das primeiras formas de representação artística, mas também de expressão da consciência simbólica humana. Foi a partir dela que a linguagem humana se desenvolveu e pôde ser expressa e significada de diferentes formas. É com base em narrativas emitidas por interlocutores que, a partir de estudos antropológicos, memórias são reconstruídas, por meio de processos de construção e expressão de identidades, sejam elas subjetivas, artísticas, religiosas, políticas etc., assim como de qualquer especificidade cultural de qualquer grupo populacional, comunidade, tribo etc. (LARAIA, 2001). Para saber mais sobre antropologia, acesse o canal Leituras Obri- gaHISTÓRIA no YouTube e assista aos vídeos “O que é ANTROPOLOGIA? - Antropológica” e “O que é ETNOGRAFIA e como fazer? - Antropológica”. No primeiro vídeo, a antropóloga Mariane Pisani explica o que é a antropologia, de forma mais abrangente do que é apresentado neste capítulo e, no segundo, o que é a etnografia, método próprio da antropologia. Como campo de conhecimento, a antropologia parte de um método de investigação próprio, a etnografia. Este é um método que tem por base a chamada observação participante, em que os pesquisadores se inserem no campo a ser pesquisado e passam a acompanhar a rotina. O objetivo é coletar dados que auxiliem na compreensão das diferentes formas com que os sujeitos dão significado às suas ações e compreendem os espaços em que estão inseridos, sem deixar de contextualizá-los. De forma geral, a etnografia é um método que auxilia no processo de compreensão das representações e concepções de mundo de diferentes grupos sociais. Geertz (1978, p. 15) define a etnografia da seguinte forma: […] segundo a opinião dos livros-textos, praticar a etnografia é estabelecer rela- ções, selecionar informantes, transcrever textos, levantar genealogias, mapear campos, manter um diário de campo e assim por diante. Mas não são estas coisas, as técnicas e os processos determinados, que definem o empreendimento. O que define é um tipo de esforço intelectual que ele representa: um risco elaborado para uma descrição densa. Antropologia urbana 3
  • 5. É por meio dessa descrição densa e minuciosa, como diz Geertz (1978), que passamos a compreender aspectos que são específicos de cada cultura, de cada grupo social. Podemos entender também como, por exemplo, uma determinada concepção, comportamento ou categoria pode ser reproduzida e compreendida de forma diferente, de acordo com o meio em que os sujeitos estão inseridos. Para exemplificar de forma didática e simples essa ideia, há um relato clássico na antropologia que é o famoso “caso das piscadelas”, um exemplo de como uma simples piscadela pode ter diferentes significados. Direcionar uma piscadela a alguém pode significar um interesse (paquera) ou pode ser um sinal de alerta, de consentimento ou mesmo um “tique nervoso”, e é nesses pequenos significados que os antropólogos se detêm. O estudo minucioso, de observação em detalhes, permite explicar os rituais, os costumes e os significados das ações, das categorias sociais, das normas, enfim, das concepções de mundo e das estruturas de significação em geral. A antropologia é, portanto, um campo geral de conhecimento, e, dentro dele, há diferentes subcampos, como antropologia da alimentação, antropo- logia da educação, antropologia brasileira, antropologia econômica, antro- pologia do direito, dentre outras que podem, inclusive, se sobrepor. Daremos ênfase neste capítulo à antropologia urbana. A antropologia urbana se consolidou como disciplina no final da década de 1960 e, de certa forma, rompeu com os estudos clássicos voltados às sociedades tradicionais (camponesas e indígenas, especialmente). As- sim, voltou-se aos estudos em espaços urbanos, com foco nas chamadas sociedades complexas, em contraponto às sociedades tradicionais ou primitivas. O contraponto é no sentido de que, nos espaços urbanos, a configuração social é diferente e com maior complexidade do que nas comunidades tradicionais. Nos espaços urbanos, há uma diversidade de grupos sociais, com es- tilos de vida diversificados e normas diversas; os indivíduos podem se entrelaçar, de forma sobreposta ou não, construindo e reconstruindo suas identidades e concepções de mundo. Por isso, também não podemos afirmar a existência de uma cultura comum a todos. Sendo assim, cabe ao antropólogo social compreender as lógicas urbanas, as especificidades dos territórios, a forma como os indivíduos vivenciam esses espaços e dão sentidos a eles. No decorrer deste capítulo, essas especificidades ficarão melhor especificadas. Antropologia urbana 4
  • 6. Comportamentos desviantes e a relação indivíduo versus sociedade No campo das ciências sociais, a discussão sobre a relação indivíduo versus sociedade e/ou cultura é recorrente entre os teóricos clássicos, como Karl Marx, Émile Durkheim e Max Weber, e também entre os contemporâneos, como Norbert Elias e Pierre Bourdieu. De forma geral e resumida, as perspectivas variam conforme descrito a seguir (QUINTANEIRO; BARBOSA; OLIVEIRA, 2002). 1. Foco na influência da sociedade sobre o indivíduo, ou seja, na coerção social a partir das normas e instituições sobre os indivíduos — nesse caso, as formas de agir, pensar e sentir são propriedades que existem fora das consciências individuais, pois dependem das relações externas a eles para serem produzidas (Émile Durkheim). 2. Foco nas relações e ações sociais, com a identificação dos sentidos dados às ações e de como as ações coletivas impactam as estruturas coletivas, e não exclusivamente as estruturas no comportamento individual (Max Weber). 3. Foco de análise de acordo com o contexto das condições materiais e situações sociais, pois são os acessos materiais dos sujeitos que determinam suas condições e suas subjetividades (Karl Marx). O modelo analítico varia conforme o autor e a intensidade com que os aspec- tos subjetivos e/ou sociais impactam a construção das identidades e produções culturais. Mas, de forma geral, podemos compreender que a relação entre indivíduo e sociedade é construída como uma via de mão dupla: estruturas e instituições sociais influenciam e são também influenciadas pelas ações dos sujeitos, estando todos em transformações contínuas. Com isso, percebemos, de início, que esse é um tema complexo dentro das ciências sociais. A seguir, vamos direcionar o foco para a forma como Velho (2013) constrói a noção de comportamento desviante a partir de diferentes concepções teóricas (descritas a seguir) que se apropriam da relação entre indivíduo e sociedade para indicar caminhos possíveis dentro da antropologia urbana. Historicamente, os comportamentos desviantes eram explicados por pers- pectivas atualmente superadas dentro do campo das ciências sociais, como o positivismo e o determinismo biológico. Por um lado, havia explicações que indicavam que os desvios eram decorrentes de uma sociedade disfun- cional, por outro, que eram características inatas aos indivíduos desviantes, caracterizando-os como criminosos natos. Tais concepções remontam ao Antropologia urbana 5
  • 7. século XVIII, quando surgiu o chamado cientificismo, corrente de pensamento decorrente de diversas áreas de saberes que estavam em efervescência na Europa Ocidental. Entre esses saberes, destacavam-se a frenologia, a fisiono- mia, o darwinismo, o positivismo, a craniologia, dentre outros (BANDERA, 2013). Merton (1949) é um autor que segue a mesma linha de Durkheim ao estudar a relação do comportamento desviante, pois se apropria de uma explicação funcionalista, que indica que comportamentos desviantes são decorrentes do mau funcionamento das instituições sociais e da consequente fragilidade dos laços sociais. De acordo com esse autor, há pressões sociais que favorecem o desvio de comportamento, quando, por exemplo, determinados padrões sociais não podem ser seguidos ou quando socialmente também não são oferecidos os meios para alcançar esses padrões. Quando isso acontece, é gerada uma situação de anomia. Nesse momento, há o que Merton chama de comportamento aberrante, o qual “pode ser considerado sociologicamente como um sintoma de dissociação entre as aspirações culturalmente prescritas e as vias socialmente estruturadas para realizar essas aspirações” (MERTON, 1949, p. 207). Ou seja, o conceito de anomia indica uma sociedade doente, e os sintomas são os comportamentos desviantes. A teoria da anomia supera a posição lombrosiana e positivista em relação ao desvio, ao classificar a anormalidade como um fato social e presente no convívio social humano desde sempre. A conduta desviante, portanto, tem a função de permitir que a sociedade defina com maior clareza seus padrões de ordem moral, ou seja, sua consciência coletiva, sedimentando os valores da população. No entanto, para Velho (2013), essa perspectiva é ainda insufi- ciente, pois remete a possíveis relações de causalidade com patologias para explicações dos comportamentos desviantes. Ou seja, segundo o autor, a partir do conceito de anomia, passa-se da ideia de uma patologia do indivíduo para uma patologia do social. Dentro dessa perspectiva, a anomia se refere à desorganização de normas e valores, à falta de acordos e de respeito às normas, gerando a sensação de insegurança e produzindo um ambiente social favorável ao aparecimento de indivíduos “anômicos”. O problema de desviantes é, no nível do senso comum, remetido a uma perspectiva de patologia. Os órgãos de comunicação de massa encarregam-se de divulgar e enfatizar esta perspectiva quer em termos estritamente psicologizantes, quer em termos de uma visão que pretende ser “culturalista” ou “sociológica”. A formulação deste tipo de orientação é feita a partir de trabalhos muitas vezes de orientação acadêmica, que não são capazes de superar a camisa de força de preconceitos e intolerância (VELHO, 2013, p. 36). Antropologia urbana 6
  • 8. Partindo disso, Velho (2013) se propõe a analisar o desvio a partir de uma perspectiva que dê conta de explicar como determinados compor- tamentos são classificados como desviantes, mas desde que de forma relativizada. Isso é considerado no sentido de que não há uma verdade absoluta quando se fala de fenômenos culturais, pois há valores que são relativos e precisam ser analisados dentro dos contextos sociais especí- ficos em que ocorrem. O autor chama a atenção para o fato de que os sujeitos agem como des- viantes em determinadas situações, mas também como cidadãos “normais” em outras. Por isso, patologizar a questão é generalizar e condicionar os sujeitos a algo maior do que eles, criando, assim, um marcador permanente nas identidades. Para Velho (2013), por fim, a antropologia urbana deve ana- lisar os comportamentos desviantes, buscando pontos de encontro entre as tradições “psicológicas” e também as “socioculturais”. Comportamento desviante é todo ato efetuado contra normas em geral, o que pode variar conforme o contexto sócio-histórico. Por isso, esse é também um fenômeno que pode ser analisado pela antropologia urbana, pois pode ser compreendido como um aspecto cultural, se pensarmos que um mesmo ato pode ser entendido ou não como desviante dependendo de onde é praticado e em que período histórico é efetivado. Por exemplo, o consumo de determinadas substâncias psicoativas, especialmente a maconha, não é criminalizado em países como Holanda e Uruguai, mas no Brasil, sim. Desse modo, o ato de consumir droga é considerado desviante no Brasil, mas não na Holanda. Por isso, a categoria desviante está muito atrelada à ordem moral e à consciência coletiva de cada sociedade em específico. Diálogos entre ciências humanas e antropologia urbana Sinalizamos anteriormente que o campo de estudos culturais é amplo e he- terogêneo. Agora, vamos enfatizar a importância dos estudos antropológicos urbanos frente aos demais campos do conhecimento das ciências sociais, como sociologia, economia, psicologia, história, entre outros. O objetivo é tentar mostrar como a antropologia urbana pode introduzir um olhar mais humano para as cidades, pois as experiências vividas e as sensibilidades coletivas se tornam dados para os antropólogos sociais durante a construção dos estudos urbanos. Antropologia urbana 7
  • 9. Dentro das ciências sociais, os estudos urbanos passaram a ganhar maior notoriedade a partir da década de 1970 entre sociólogos e antropólogos da Escola de Chicago. Esta, segundo Frúgoli Jr. (2005, p. 134), foi “a primeira [es- cola] a tomar a cidade como laboratório privilegiado de análise da mudança social”, buscando entender, inicialmente, aspectos da “desorganização social” e abrindo espaço para uma série de investigações antropológicas. Na mesma época, o campo de pesquisa da antropologia urbana estava se consolidando no Rio de Janeiro e em São Paulo. As primeiras pesquisas urbanas perpassavam relações com a violência, principalmente com pesquisas realizadas nas periferias urbanas, e buscavam compreender os fatores sociais e culturais por trás dos crimes e os distintos papéis sociais desenvolvidos na atuação do mundo ilegal do tráfico de drogas. Pesquisas como a da antropó- loga Alba Zaluar (2007) são referência até hoje nos estudos da antropologia e da sociologia da violência. Zaluar (2007) traz aspectos sobre as diferentes formas de sentir, vivenciar e efetivar violências, sem deixar de problematizar as distintas dimensões das violências, que podem possuir configurações decorrentes de violações nem sempre materiais ou físicas, mas também do campo simbólico, psicológico, institucional e moral (ZALUAR, 2007). Outro viés analítico, no caso de São Paulo, é o construído a partir de movi- mentos culturais com diferentes formas de manifestação, como os realizados por grupos de jovens ligados ao hip hop, ao grafite, aos slams etc. Trata-se de expressões muito atreladas às relações étnicas, aos territórios de moradia e a reivindicações sociais, podendo servir também como formas de resistência às diferentes situações. Esse campo é permeado por todo um contexto de representações compartilhadas e reproduzidas por meio das músicas, dos grafites e das ações promovidas por esses grupos. Muitas das representações, no entanto, trazem à tona questões étnicas, de gênero, geracionais, morais etc. sobre as violências existentes nos territórios de periferia, principalmente. As pesquisas urbanas trazem à tona o que Velho (2013) chama de “nível consciente do morador”, ou seja, concepções que formam a base e determi- nam a complexidade cultural contida no espaço urbano. O nível consciente do morador consiste, portanto, na forma como os sujeitos compreendem as suas vivências, os espaços em que transitam no âmbito público, para além de seus espaços de moradia, e como impactam, são impactados e dão sentidos a eles. Isso traz especificidades analíticas que só estudos socioantropológicos conseguem absorver por meio de seus métodos e suas técnicas qualitativas de pesquisa. Segundo Magnani (2003, p. 83), frente às demais áreas das ciências sociais, Antropologia urbana 8
  • 10. […] a antropologia tem uma contribuição específica para a compreensão do fenô- meno urbano, mais especificamente para a pesquisa da dinâmica cultural e das formas de sociabilidade nas grandes cidades contemporâneas. Para cumprir esse objetivo, tem à sua disposição um legado teórico-metodológico que, não obstante as inúmeras releituras e revisões, constitui um repertório capaz de dotá-la dos instrumentos necessários para enfrentar novos objetos de estudo e questões mais atuais. O método etnográfico faz parte desse legado, e um dos desafios é como aplicar essa abordagem à escala da metrópole sem cair na “tentação da aldeia”. A “tentação da aldeia” a que o autor se refere consiste na tradição an- tropológica de realizar pesquisas em comunidades tradicionais. Ao contrário das sociedades tradicionais, nas sociedades complexas, há uma variedade cultural muito grande. Quanto maior o espaço urbano, maior poderá ser a complexidade e a heterogeneidade das manifestações culturais. Dentro dessa complexidade, um único indivíduo pode construir diferentes teias de relações, tanto no âmbito público como no privado. O desafio atual consiste no fato de que o urbano, ao contrário das aldeias, nos é familiar, e não é fácil desnaturalizar o que está naturalizado em nós — isto é, desconstruir padrões, normas e concepções já internalizadas por nós e acessar outras concepções de mundo, reconstruindo-as em pesquisas. Além disso, há uma variedade muito grande de possibilidades de análises das culturas urbanas. Dentro desse escopo de possibilidades, a antropologia urbana vai contribuir para o estudo das lógicas das trocas e relações sociais que ocorrem no meio urbano. No livro Um antropólogo na cidade, Velho (2013) levanta questões sobre a pesquisa no meio urbano, a relação entre as diferentes subjetividades e as influências sociais externas aos indivíduos. Inclusive, ele trata sobre a subjetividade do próprio pesquisador em um campo que é natural e comum para ele, pois é o espaço de sua convivência, mas sem deixar de reforçar que também há elementos que podem ser analisados para além do que nos é familiar. O espaço público, portanto, é o espaço de visibilidade, de comunicação, de produção e reprodução da cultura urbana. Já o espaço privado é o espaço de produção de outros tipos de subjetividades. Frúgoli Jr. (2005) traz um apanhado de estudos realizados por antropólogos como Macedo (1979), Magnani (1984) e Caldeira (1984), indicando-os como fontes potentes no campo da antropologia urbana. Segundo o autor, esses pesquisadores Antropologia urbana 9
  • 11. [...] tomaram as áreas periféricas como local de pesquisa, buscando compreender detidamente redes de parentesco e de vizinhança, modos de vida, estratégias de sobrevivência, formas de sociabilidades e representações políticas, com ênfase em dimensões cotidianas e em representações simbólicas, muito pouco contempladas nas perspectivas “macroestruturais”. (FRÚGOLI Jr., 2005, p. 141). As pesquisas realizadas na área econômica, por exemplo, possuem uma perspectiva macrossocial sustentada principalmente por dados quantitativos, e as pesquisas da psicologia são restritas às subjetividades. Já o foco das pesquisas antropológicas e, em grande medida, das pesquisas sociológicas é voltado para interesses diferenciados nas ciências sociais, ao envolver, principalmente, os sistemas simbólicos marcados por múltiplas determina- ções. Entretanto, apesar de serem campos diferentes, segundo Velho (2013, p. 43), em pesquisas antropológicas no espaço urbano, não se pode “negar a especificidade de fenômenos psicológicos, sociais, biológicos ou culturais, mas sim reafirmar a importância de não perder de vista seu caráter de inter- -relacionamento complexo e permanente”. O que Velho (2013) parece nos indicar é que o comportamento humano deve ser analisado e compreendido de forma integrada, pois somos seres sociais, multifacetados, que interagimos de diferentes formas e com dife- rentes estruturas e grupos sociais, ao mesmo tempo que também somos constituídos por uma carga genética. Por isso, é preciso tomar cuidado com análises generalizantes, construídas de forma arbitrária e que possam reforçar estigmas e marcadores sociais da diferença. Por conta disso, o autor propõe também acabar com a dicotomia indivíduo/sociedade ou cultura e integrar as possíveis dimensões de análise e campos do conhecimento, possibilitando um olhar mais ampliado da vida humana nas cidades, captando fatores de natureza física, mental e espiritual. No próximo tópico, vamos abordar como essas perspectivas são operacionalizadas em estudos sobre expressões religiosas no espaço público. Se você gostou do tema sobre comportamento desviante, bem como sobre estudos realizados por antropólogos urbanos, indicamos o livro do antropólogo Gabriel Feltran (2018) intitulado Irmãos: uma história do PCC. Nesse livro, Feltran aborda a relação construída entre integrantes do Primeiro Comando da Capital, o PCC, uma facção criminosa dominante no estado de São Paulo, relatando as formas de sociabilidade, as prisões, o mercado do tráfico, dentre outros aspectos que compõem o “mundo do crime”. Antropologia urbana 10
  • 12. Práticas religiosas no contexto urbano Após o processo de secularização e racionalização moderno e ocidental, as normas religiosas deixaram de ser determinantes na vida pública e também política do Estado, ficando restritas ao âmbito privado dos seus seguidores, o que acarretou também o processo de laicidade dos Estados modernos. Além disso, a relação entre fiéis e Igreja, que antes ocorria de forma vertical e quase inacessível, passou por um processo de ampliação de acesso aos seguidores, reconfigurando o universo religioso ao ampliar a horizontalidade na relação entre a fé e seus adeptos. Nas raízes históricas do Brasil, há uma herança cultural religiosa plural advinda de matrizes indígenas, africanas e europeias. No entanto, por conta da colonização portuguesa, a religião dominante sempre foi o catolicismo, e, por muito tempo, muitas manifestações religiosas foram proibidas no nosso país. Foi com o processo de laicidade que houve também o processo de pluralismo religioso no Brasil, a partir do qual a diversidade de tradições e práticas religiosas passou a se manifestar livremente. Os princípios inclu- ídos na Constituição de 1988 passaram a servir como parâmetro normativo, instituindo, assim, a livre manifestação das religiões como um princípio democrático. Pensar as relações entre cidade e religião dentro do contexto do plura- lismo religioso é pensar sobre as diferentes formas que existem atualmente de expressar a religiosidade. Os estudos antropológicos, desde seu início e ainda atualmente, sempre estiveram atentos às manifestações religiosas das sociedades primitivas. O interesse perpassa por mitos, ritos, magias e demais formas representativas, buscando compreender as relações dos sujeitos com a fé e os seus símbolos. Já os estudos da antropologia urbana, interpostos à antropologia da religião, buscam entender, a partir de exercícios etnográficos, as manifestações e expressões de fé no espaço público, ou mesmo a relação entre a cidade e as religiões. No Quadro 1, são especificados alguns conceitos relacionados às manifestações da religião no espaço urbano. Quando falamos que o campo é amplo e heterogêneo é porque uma única categoria pode ter diferentes significados, como vimos no caso das piscadelas. Quando falamos de religião, há todo o contexto da pluralidade religiosa e a forma como cada ator entende o processo religioso em sua subjetividade. Segundo Magnani [200-?], em seu artigo “Religião na Metrópole”, o que se entende por “religião” é aplicado a um variado conjunto de experiências que estão diretamente relacionadas a diferentes doutrinas, ritos, experiências e Antropologia urbana 11
  • 13. formas de entender e dar diferentes sentidos ao universo e à própria vida. E a cidade é um espaço que oferece condições de desenvolvimento e mani- festação para as práticas religiosas. Ao andar pela cidade, principalmente as grandes cidades, podemos observar a presença de templos, igrejas, sinagogas, santuários, oratórios, terreiros, casas espíritas, dentre outros. Todos eles são centros de mani- festação e expressão de diferentes fés, cada um com formas representa- tivas e concepções de mundo próprias, que são materializadas por meio de cultos, passes, ritos, cerimônias, festas públicas e devoções diversas. Eles representam também uma pluralidade de expressões identitárias por meio da fé, podendo inclusive um mesmo indivíduo circular por diferentes religiões ao mesmo tempo ou em diferentes fases da vida. Segundo Peter Berger (1997, p. 78): O indivíduo moderno existe numa pluralidade de mundos migrando de um lado a outro entre estruturas de plausibilidade rivais e muitas vezes contraditórias, cada uma sendo enfraquecida pelo simples fato de sua coexistência involuntária com outras estruturas de plausibilidade. Além dos “outros significantes” que confirmam a realidade, há sempre e em toda parte “aqueles outros”, incômodos refutadores, descrentes — talvez o incômodo moderno por excelência. O que podemos compreender dessa citação é que as identidades dos sujeitos são construídas a partir de elementos diversos, heterogêneos e fragmentados, sendo as religiões um dos campos de possibilidades, dentro de outros elementos constitutivos, para a formação do ser. Esse é um aspecto do cosmopolitismo moderno e da pluralidade religiosa, que criam um campo de possibilidades de manifestação e expressão da fé no espaço público. Alguns exemplos podem ser verificados a partir de diferentes festejos em datas comemorativas, como a Festa dos Santos Reis, a Festa do Bonfim, a Festa de São Sebastião, a Semana Santa, as procissões religiosas em geral, bem como eventos e encontros promovidos por diferentes religiões, dentre outras possibilidades. Segundo Mafra e Almeida (2009, p. 139), “é na amplitude de significado que a cidade como espaço representa, que notamos proximidades dos universos urbanos e religiosos”. Apresentamos apenas um quadro geral para identificarmos algumas relações possíveis e visualizarmos possibilidades dentro dos contextos em que estamos inseridos de forma exemplificada. Os estudos das formas de pensar o espaço da cidade e da religião devem ser especificados de forma minuciosa e precisa, considerando a diversidade de olhares de quem participa. Apesar de todo o processo de racionalização e laicidade, Antropologia urbana 12
  • 14. a religião é um aspecto muito forte no Brasil e é manifestada de diferentes formas. Um exemplo disso é a música “Andar com fé eu vou”, de Gilberto Gil, que diz o seguinte: Andar com fé eu vou / Que a fé não costuma faiá / [...] Que a fé tá na mulher / A fé tá na cobra coral / oh oh / Num pedaço de pão / A fé tá na maré / Na lâmina de um punhal / Oh oh / Na luz e na escuridão / […] A fé tá viva e sã / A fé também tá pra morrer / Oh oh / Triste na solidão / Certo ou errado até / A fé vai onde quer que eu vá / Oh Oh / A pé ou de avião / Mesmo a quem não tem fé / A fé costuma acompanhar / Oh oh / Pelo sim pelo não. A partir dessa letra, podemos compreender alguns aspectos represen- tativos das manifestações de fé. Por exemplo, vamos considerar o possível significado de alguns trechos: „ „ “a fé tá na mulher” — pode representar a figura de Maria; „ „ “na cobra coral” — pode-se considerar que a cobra sempre esteve ligada a diferentes símbolos religiosos e míticos; há, por exemplo, um caboclo na umbanda que se chama Cobra Coral e representa a pureza e a magia, algo ligado à fé que habita em cada indivíduo; „ „ “num pedaço de pão” — nas missas, o pão representa “o corpo de cristo”; „ „ “a fé tá na maré” — pode representar as oferendas à Iemanjá, em que há o ideal de que as oferendas sejam transmutadas em prosperidades vindas com a maré. Enfim, essas expressões se referem a diferentes religiões que possuem atividades em espaços públicos, e as possibilidades de análise sobre as representações são variadas. Um mesmo fragmento, prática ou categoria pode possuir diferentes significados e explicações de mundo. Nesse sentido, a antropologia amplia a relação com os espaços de fé e a ma- nutenção da memória, pois se baseia em estruturas de discursos e significações que permitem intercambiar signos. Serve ainda como intermediação cultural, ao tratar da relação das pessoas com o espaço de significação que ocupam, abordando questões que vão além do que dados quantitativos podem oferecer. A religião é ampla e possui inúmeras modalidades de relação com a cidade. Com isso, o foco de análise da antropologia urbana consiste na forma como os sujeitos compreendem, internalizam e dão sentido às suas ações baseadas em princípios da religião com que possuem vínculo. A inscrição religiosa é manifestada nos eventos públicos, mas também nos corpos, nas mentes e no espaço físico e político da cidade. Antropologia urbana 13
  • 15. Quadro 1. Noções conceituais para ampliar a compreensão sobre a antro- pologia urbana e a sua relação com as religiões Pluralismo religioso É um fenômeno moderno que corresponde à pluralidade de manifestações religiosas e crenças que possuímos hoje no Brasil. Há uma pluralidade de formas de conceber o mundo e dar explicações místicas a ele, e todos os sujeitos possuem liberdade para seguir a religião que desejarem, ou não seguir, se assim desejarem. Há princípios normativos na Constituição de 1988 que garantem o respeito, a liberdade de culto e a isonomia a todas as religiões. Manifestação pública de fé Também conhecida como Fé Pública, são atos de fé realizados no espaço público ou fora dos seus locais sagrados. Identidades religiosas O processo de construção identitária ocorre ao longo de toda a vida e está muito atrelado às experiências que possuímos, às relações, interações, regras, valores etc. É, portanto, um produto cultural. No que se refere às identidades religiosas, esse é um termo que tem sido usado também para estudar processos em que sujeitos trocam de religião. Nesse processo, há a desconstrução e a reconstrução de novas perspectivas religiosas que impactam diretamente as novas formas de expressar as identidades religiosas. Por exemplo, suponha um sujeito que nasceu e cresceu como judeu ortodoxo e, por isso, seguiu por um determinado tempo da vida seguindo normas de comportamento, de vestimenta e de relações subjetivas específicas. Se, por acaso, ele resolver trocar de religião e seguir a umbanda, por exemplo, aspectos identitários nele e relativos ao judaísmo serão desconstruídos, e novos serão criados. Isso impactará diretamente a forma de expressar sua identidade. Um exemplo de estudo antropológico sobre uma manifestação pú- blica de fé é a tese de doutorado de Daniel Bitter (2008) intitulada A bandeira e a máscara: estudo sobre a circulação de objetos rituais nas folias de reis. Em seu estudo, o pesquisador direciona a análise às representações e à circulação da bandeira e da máscara no contexto social e ritual das folias de reis, evento festivo que ocorre em grande parte do território brasileiro. O objetivo principal do estudo é entender como ocorre a construção de vínculos, relações e significados dados pelos participantes do empreendimento festivo. Antropologia urbana 14
  • 16. Referências BANDERA, V. Código de Menores, ECA e adolescentes em conflito com a lei. ÂmbitoJurídico, Rio Grande,XVI,n.114,jul.2013.Disponívelem:https://ambitojuridico.com.br/edicoes/revista-114/ codigo-de-menores-eca-e-adolescentes-em-conflito-com-a-lei/. Acesso em: 28 out. 2020. BERGER, P. Rumor de anjos: a sociedade moderna e a redescoberta do sobrenatural. Petrópolis: Vozes, 1997. BITTER, D. A bandeira e a máscara: estudo sobre a circulação de objetos rituais nas folias de reis. 2008. Tese (Doutorado em Ciências Humanas) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008. CALDEIRA, T. P. R. A política dos outros: o cotidiano dos moradores da periferia e o que pensam do poder e dos poderosos. São Paulo: Brasiliense, 1984. FELTRAN, G. Irmãos: uma história do PCC. São Paulo: Companhia das Letras, 2018. FRÚGOLI Jr., H. O urbano em questão na antropologia: interfaces com a sociologia. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 48, n. 1, p. 133-165, 2005. GÂNDAVO, P. M. Tratado da Terra no Brasil. [S. l.]: The Perfect Library, 2015. GEERTZ, C. Interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar, 1978. LARAIA, R. B. Cultura: um conceito antropológico. 14. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2001. MACEDO, C. C. A reprodução da desigualdade. São Paulo: Hucitec, 1979. MAFRA, C.; ALMEIDA, R. (Orgs.). Religiões e cidades: Rio de janeiro e São Paulo. São Paulo: Terceiro Nome, 2009. MAGNANI, J. G. C. A antropologia urbana e os desafios da metrópole. Tempo Social, São Paulo, v. 15, n. 1, p. 81-98, abril 2003. MAGNANI, J. G. C. Festa no pedaço: cultura popular e lazer na cidade. São Paulo: Bra- siliense, 1984. MAGNANI, J. G. C. Religião na metrópole. São Paulo, [200-?]. Disponível em: http://nau. fflch.usp.br/textos. Acesso em: 28 out. 2020. MERTON, R. K. Sociologia: teoria e estrutura. São Paulo: Mestre Jou, 1949. QUINTANEIRO, T.; BARBOSA, M. L. O.; OLIVEIRA, M. G. M. Um toque de clássicos: Marx, Durkheim e Weber. 2. ed. rev. ampl. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002. VELHO, G. Um antropólogo na cidade: ensaios de antropologia urbana. Rio de Janeiro: Zahar, 2013. ZALUAR, A. Democratização inacabada: fracasso da segurança pública. Estudos Avan- çados, São Paulo, v. 21, n. 61, p. 31-49, dez. 2007. Os links para sites da web fornecidos neste capítulo foram todos testados, e seu funcionamento foi comprovado no momento da publicação do material. No entanto, a rede é extremamente dinâmica; suas páginas estão constantemente mudando de local e conteúdo. Assim, os editores declaram não ter qualquer responsabilidade sobre qualidade, precisão ou integralidade das informações referidas em tais links. Antropologia urbana 15