SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
Baixar para ler offline
Docente
Profª Mª Andreia Regina Moura Mendes

atenasregina@yahoo.com.br


Dilema principal: uma única espécie com uma imensa pluralidade
cultural, mesma carga genética e comportamentos diferenciados.



Cultura é o que diferencia os humanos dos demais animais. (GEERTZ)



Cultura diferencia os homens entre si. (GEERTZ)



Desde a antiguidade, pensadores como Heródoto e Tácito questionavam
sobre a cultura dos outros povos.



Durante a Idade Moderna, Michel de Montaigne afirmava: “na verdade,
cada qual considera bárbaro o que não se pratica em sua terra”. O
relativismo aparece na obra deste francês, comparando o canibalismo
ritual indígena com as ações da inquisição espanhola.



Alguns julgam as diferenças de comportamento como influências do meio
físico. O que nós podemos afirmar?



Para observar a diversidade cultural da espécie humana, basta comparar
os costumes de nossos contemporâneos.



Tanto o determinismo biológico quanto o determinismo geográfico não
são suficientes para explicar o dilema da pluralidade cultural.

atenasregina@yahoo.com.br


As diferenças genéticas não são determinantes das diferenças culturais. A
faculdade de aprender e a plasticidade do conhecimento humano são os
fatores fundamentais para sua evolução.



Pesquisas comprovam que os grupos humanos possuem as mesmas
capacidades mentais, por exemplo, a divisão sexual do trabalho em
diferentes povos revela um determinismo cultural, não uma função
biológica.



O comportamento dos indivíduos depende de um aprendizado, de um
processo chamado endoculturação.



O determinismo geográfico começou a ser refutado a partir de 1920,
quando antropólogos como Boas, Wissler, Kroeber refutaram esta tese e
apresentaram a limitada influência do meio geográfico sobre os fatores
culturais, sendo possível existir uma grande diversidade cultural num
mesmo ambiente físico.



Segundo a moderna antropologia, a cultura age de forma seletiva, e não
de maneira casual sobre seu meio ambiente, explorando determinadas
possibilidades e limitações ao desenvolvimento. É a cultura e a história
cultural de cada grupo que trabalha nesta seleção.
atenasregina@yahoo.com.br
atenasregina@yahoo.com.br


Kultur: aspectos espirituais (Alemanha- século XVIII).



Civilization: realizações materiais (França- século XVIII).



Culture:conhecimentos, crenças, arte, moral, leis, costumes,
hábitos adquiridos (Edward Tylor. Inglaterra- século XIX).



Precursores do conceito de cultura:



John Locke: defensor do relativismo cultural através do conceito
de tábula rasa.



“Nenhuma ordem social é baseada em verdades inatas, uma
mudança no ambiente resulta numa mudança no
comportamento”. Locke.



Jacques Turgot: o homem é capaz de transmitir a sua cultura.



Jean Jacques Rousseau: a educação como caminho para a
transformação do homem.



Alfred Kroeber: o fator cultural exerce maior influência que o
biológico.
atenasregina@yahoo.com.br
atenasregina@yahoo.com.br











Edward Tylor considerava a cultura como um fenômeno natural logo,
pode ser objeto de estudo sistematizado.
“Para muitas mentes educadas parece alguma coisa presunçosa e
repulsiva o ponto de vista que a história da humanidade é parte
integrante da história da natureza”. Tylor.
Para Tylor, a diversidade é explicada por ele como resultado da
desigualdade de estágios existentes no processo de evolução: selvageria,
barbárie e civilização. Sua corrente de pensamento é conhecida como
evolucionismo.
No século XIX, o etnocentrismo predominou ao lado das ciências positivas.
Tylor comete erros a não reconhecer os múltiplos caminhos da cultura.
Franz Boas representou a reação ao evolucionismo. Segundo ele, a
antropologia deve reconstruir a história de povos ou regiões e comparar a
vida social de diferentes povos. Defensor da comparação dos resultados
obtidos através dos estudos históricos das culturas simples e compreensão
dos efeitos das condições psicológicas e dos meios ambientes.
Boas desenvolveu o
particularismo histórico, a Escola Cultural
Americana.
A abordagem multilinear significa que cada grupo humano evolui a partir
de seu próprio caminho.

atenasregina@yahoo.com.br




















Alfred Kroeber mostrou como a cultura atua sobre o homem. Considerou o homem
como um ser capaz de transpor as limitações orgânicas.
As necessidades biológicas são iguais para todos os seres humanos, porém as formas
de satisfazê-las varia de uma cultura para outra.
“É esta grande variedade na operação de um número tão pequeno de funções que
faz com que o homem seja considerado um ser predominantemente cultural”.
Kroeber.
Para Kroeber, o processo de desenvolvimento da civilização é cumulativo,
conservando-se o antigo, apesar da aquisição do novo. Kroeber ainda mostrou que
superando o orgânico, o homem libertou-se da natureza.
Há também explicações da natureza humana que podem ser perigosas, associando
tipos de discriminações raciais e sociais, enquanto justificativa para as diferenças
sociais.Como exemplo, o criminalista italiano Lombroso que procurou correlacionar
a aparência física com tendência a comportamentos criminosos.
O homem é o resultado do meio cultural em que foi socializado. Ele é um herdeiro
de um longo processo cumulativo, que reflete o conhecimento e a experiência
adquirida pelas numerosas gerações que o antecederam.
Resumindo o pensamento de Kroeber:
A cultura determina e justifica o comportamento do homem.
O homem age de acordo com seus padrões culturais.
A cultura é o meio de adaptação aos diferentes ambientes ecológicos.
O homem transformou toda a terra em seu habitat.
Adquirindo cultura, o homem é dependente do aprendizado.
O processo de aprendizagem determina o comportamento, as capacidades artísticas
e profissionais.
A cultura é um processo acumulativo.
Os gênios realizam suas descobertas graças ao aparato cultural que dispõem, sendo
este conhecimento construído pelos indivíduos da sociedade.

atenasregina@yahoo.com.br







Richard Leakey e Roger Lewin: a origem da
cultura está na vida arborícola.
David Pilbeam: o bipedismo diferenciou os
hominídeos.
Kenneth P. Oakley: as habilidades manuais
estimularam o crescimento do cérebro
atuando para sua complexidade.
Claude Lévi- Strauss: a cultura surgiu quando
o homem convencionou a primeira regra.
Leslie White: a passagem do estado de
animal para humanidade ocorreu quando o
cérebro foi capaz de gerar símbolos.
atenasregina@yahoo.com.br
atenasregina@yahoo.com.br











Teorias modernas: culturas são sistemas de padrões de
comportamento socialmente transmitidos.
O homem através da cultura se adapta ao meio para sobreviver.
Tecnologia, economia e sociedade constituem o domínio mais
adaptativo da cultura.
Os comportamentos ideológicos dos sistemas culturais poder ter
conseqüências adaptativas no controle da população, da
subsistência, da manutenção do ecossistema, etc.
Teorias idealistas: a cultura como sistema cognitivo (análise dos
modelos construídos pelos membros da comunidade a respeito de
seu próprio universo).
A cultura como sistemas estruturais, definindo-se como sistema
simbólico que é por sua vez, uma criação acumulativa da mente
humana.
Para Geertz, todos os homens são geneticamente aptos para
receber um programa e este programa é o chamamos de cultura.

atenasregina@yahoo.com.br
atenasregina@yahoo.com.br











A cultura condiciona a visão de mundo do homem.
A nossa herança cultural desenvolvida através de inúmeras gerações,
sempre nos condicionou a reagir depreciativamente em relação ao
comportamento daqueles que agem fora dos padrões aceitos pela maioria
da comunidade. Por isto discriminamos o comportamento desviante.
Todos os homens são dotados do mesmo equipamento anatômico, mas a
utilização do mesmo ao invés de ser determinada geneticamente,
depende de um aprendizado e este consiste na cópia de padrões que
fazem parte da herança cultural do grupo.
O fato de que o homem vê o mundo através de sua cultura tem como
conseqüência a propensão em considerar o seu modo de vida como o mais
correto e o mais natural. Tal tendência denominada de etnocentrismo é
responsável em seus casos extremos pela ocorrência de numerosos
conflitos sociais.
“(...)É comum assim a crença no povo eleito predestinado por seres
sobrenaturais para ser superior aos demais. Tais crenças contêm o germe
do racismo da intolerância e freqüentemente, são utilizadas para
justificar a violência praticada contra os outros”.
Comportamentos etnocêntricos resultam também em apreciações
negativas dos padrões culturais de povos diferentes. Práticas de outros
sistemas culturais são catalogadas como absurdas, deprimentes e imorais.

atenasregina@yahoo.com.br


Reação oposta ao etnocentrismo.



Em lugar de superestimar os valores de sua própria sociedade, numa dada
situação de crise, os membros de uma cultura abandonam a crença na
mesma e, conseqüentemente perdem a motivação que os mantêm unidos
e vivos.



As doenças psicossomáticas são fortemente influenciadas pelos padrões
culturais.



A cultura também é capaz de provocar curas.



Os indivíduos participam de forma diferente de sua cultura:



A participação do indivíduo em sua cultura é sempre limitada, nenhuma
pessoa é capaz de participar de todos os elementos de sua cultura.



A cultura tem uma lógica própria: “(...) assim, ao invés de um contínuo
magia-religião-ciência, temos de fato sistemas simultâneos e nãosucessivos da humanidade.



A cultura é dinâmica:



Podemos afirmar que existem dois tipos de mudanças culturais: uma que
é interna, resultante da dinâmica do próprio sistema cultural, e uma
segunda que é o resultado do contato de um sistema cultural com um
outro.
atenasregina@yahoo.com.br


LARAIA, Roque de Barros. Cultura: um
conceito antropológico. Rio de Janeiro: Jorge
Zahar Editor. 1993, 9 ed.

atenasregina@yahoo.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cap 4 antropologia cultural
Cap 4 antropologia culturalCap 4 antropologia cultural
Cap 4 antropologia culturalJoao Balbi
 
As origens e os principais teóricos da sociologia
As origens e os principais teóricos  da sociologiaAs origens e os principais teóricos  da sociologia
As origens e os principais teóricos da sociologiaLucio Oliveira
 
Diversidade cultural apresentação
Diversidade cultural   apresentaçãoDiversidade cultural   apresentação
Diversidade cultural apresentaçãokarlyapessoa
 
Aula 1 Ética
Aula 1 ÉticaAula 1 Ética
Aula 1 Éticaetecmas
 
Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria CulturalMunis Pedro
 
Aula 4-sociologia-aula-4-antropologia
Aula 4-sociologia-aula-4-antropologiaAula 4-sociologia-aula-4-antropologia
Aula 4-sociologia-aula-4-antropologiaSuely Lima Lopes
 
Ciencias sociais power point[1][1][1]
Ciencias sociais   power point[1][1][1]Ciencias sociais   power point[1][1][1]
Ciencias sociais power point[1][1][1]161912
 
Contextualização do mundo do trabalho
Contextualização do mundo do trabalhoContextualização do mundo do trabalho
Contextualização do mundo do trabalhoArare Carvalho Júnior
 
Antropologia e Educação
Antropologia e EducaçãoAntropologia e Educação
Antropologia e EducaçãoClarim Natal
 
Educação e direitos humanos Aula 6 - educação em direitos humanos definições
Educação e direitos humanos  Aula 6 - educação em direitos humanos definiçõesEducação e direitos humanos  Aula 6 - educação em direitos humanos definições
Educação e direitos humanos Aula 6 - educação em direitos humanos definiçõesCleide Magáli dos Santos
 
Introduçao a sociologia
Introduçao a sociologiaIntroduçao a sociologia
Introduçao a sociologiaMarcelo Freitas
 
INTRODUÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS
INTRODUÇÃO AOS DIREITOS HUMANOSINTRODUÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS
INTRODUÇÃO AOS DIREITOS HUMANOSIsabela Espíndola
 

Mais procurados (20)

Cap 4 antropologia cultural
Cap 4 antropologia culturalCap 4 antropologia cultural
Cap 4 antropologia cultural
 
As origens e os principais teóricos da sociologia
As origens e os principais teóricos  da sociologiaAs origens e os principais teóricos  da sociologia
As origens e os principais teóricos da sociologia
 
Diversidade cultural apresentação
Diversidade cultural   apresentaçãoDiversidade cultural   apresentação
Diversidade cultural apresentação
 
01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia
 
Aula 1 Ética
Aula 1 ÉticaAula 1 Ética
Aula 1 Ética
 
Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria Cultural
 
O que é cultura?
O que é cultura?O que é cultura?
O que é cultura?
 
O que é etnocentrismo
O que é etnocentrismoO que é etnocentrismo
O que é etnocentrismo
 
Aula 4-sociologia-aula-4-antropologia
Aula 4-sociologia-aula-4-antropologiaAula 4-sociologia-aula-4-antropologia
Aula 4-sociologia-aula-4-antropologia
 
Etnocentrismo e relativismo
Etnocentrismo e relativismoEtnocentrismo e relativismo
Etnocentrismo e relativismo
 
Ciencias sociais power point[1][1][1]
Ciencias sociais   power point[1][1][1]Ciencias sociais   power point[1][1][1]
Ciencias sociais power point[1][1][1]
 
Aula de bioética
Aula de bioéticaAula de bioética
Aula de bioética
 
Contextualização do mundo do trabalho
Contextualização do mundo do trabalhoContextualização do mundo do trabalho
Contextualização do mundo do trabalho
 
Antropologia e Educação
Antropologia e EducaçãoAntropologia e Educação
Antropologia e Educação
 
história da sociologia
   história da sociologia   história da sociologia
história da sociologia
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria Cultural
 
Educação e direitos humanos Aula 6 - educação em direitos humanos definições
Educação e direitos humanos  Aula 6 - educação em direitos humanos definiçõesEducação e direitos humanos  Aula 6 - educação em direitos humanos definições
Educação e direitos humanos Aula 6 - educação em direitos humanos definições
 
Introduçao a sociologia
Introduçao a sociologiaIntroduçao a sociologia
Introduçao a sociologia
 
INTRODUÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS
INTRODUÇÃO AOS DIREITOS HUMANOSINTRODUÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS
INTRODUÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS
 

Destaque

Cultura: um conceito antropologico - Parte 1
Cultura: um conceito antropologico - Parte 1Cultura: um conceito antropologico - Parte 1
Cultura: um conceito antropologico - Parte 1Leonardo Santos
 
Fichamento de "Cultura: um conceito antropológico"
Fichamento de "Cultura: um conceito antropológico"Fichamento de "Cultura: um conceito antropológico"
Fichamento de "Cultura: um conceito antropológico"marquesjoyce
 
Cultura Um Conceito Antropológico
Cultura Um Conceito AntropológicoCultura Um Conceito Antropológico
Cultura Um Conceito AntropológicoDacifran Carvalho
 
Resumo livro cultura laraia versão 2
Resumo livro cultura   laraia versão 2Resumo livro cultura   laraia versão 2
Resumo livro cultura laraia versão 2Fernandes Luiz
 
Cap 6 cultura e transformação
Cap 6 cultura e transformaçãoCap 6 cultura e transformação
Cap 6 cultura e transformaçãoJoao Balbi
 
Mapa conceitual antropologia 2
Mapa conceitual antropologia 2Mapa conceitual antropologia 2
Mapa conceitual antropologia 2Biosfera MS
 
Determinismo biológico e geográfico (03/04/2012)
Determinismo biológico e geográfico (03/04/2012)Determinismo biológico e geográfico (03/04/2012)
Determinismo biológico e geográfico (03/04/2012)ozgauche
 
Cultura dinamica antropologia
Cultura dinamica antropologiaCultura dinamica antropologia
Cultura dinamica antropologiaMarcos Rahmeier
 
Homen e Sociedade - Cultura e Antropologia Aula 3
Homen e Sociedade - Cultura e Antropologia Aula 3Homen e Sociedade - Cultura e Antropologia Aula 3
Homen e Sociedade - Cultura e Antropologia Aula 3admunip2013
 

Destaque (20)

Cultura: um conceito antropologico - Parte 1
Cultura: um conceito antropologico - Parte 1Cultura: um conceito antropologico - Parte 1
Cultura: um conceito antropologico - Parte 1
 
Antropologia introdução
Antropologia introduçãoAntropologia introdução
Antropologia introdução
 
Fichamento de "Cultura: um conceito antropológico"
Fichamento de "Cultura: um conceito antropológico"Fichamento de "Cultura: um conceito antropológico"
Fichamento de "Cultura: um conceito antropológico"
 
Aula 1 o que é antropologia
Aula 1   o que é antropologiaAula 1   o que é antropologia
Aula 1 o que é antropologia
 
Cultura Um Conceito Antropológico
Cultura Um Conceito AntropológicoCultura Um Conceito Antropológico
Cultura Um Conceito Antropológico
 
Antropologia.
Antropologia.Antropologia.
Antropologia.
 
O que é antropologia
O que é antropologiaO que é antropologia
O que é antropologia
 
Resumo livro cultura laraia versão 2
Resumo livro cultura   laraia versão 2Resumo livro cultura   laraia versão 2
Resumo livro cultura laraia versão 2
 
Cultura e informação roque laraia
Cultura e informação   roque laraiaCultura e informação   roque laraia
Cultura e informação roque laraia
 
Cap 6 cultura e transformação
Cap 6 cultura e transformaçãoCap 6 cultura e transformação
Cap 6 cultura e transformação
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
 
Mapa conceitual antropologia 2
Mapa conceitual antropologia 2Mapa conceitual antropologia 2
Mapa conceitual antropologia 2
 
Determinismo biológico e geográfico (03/04/2012)
Determinismo biológico e geográfico (03/04/2012)Determinismo biológico e geográfico (03/04/2012)
Determinismo biológico e geográfico (03/04/2012)
 
Cultura dinamica antropologia
Cultura dinamica antropologiaCultura dinamica antropologia
Cultura dinamica antropologia
 
Antropologia e Evolucionismo Social
Antropologia e Evolucionismo SocialAntropologia e Evolucionismo Social
Antropologia e Evolucionismo Social
 
Antropologia cultural
Antropologia culturalAntropologia cultural
Antropologia cultural
 
Damatta
DamattaDamatta
Damatta
 
Antropologia.
Antropologia.Antropologia.
Antropologia.
 
Homen e Sociedade - Cultura e Antropologia Aula 3
Homen e Sociedade - Cultura e Antropologia Aula 3Homen e Sociedade - Cultura e Antropologia Aula 3
Homen e Sociedade - Cultura e Antropologia Aula 3
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 

Semelhante a Cultura um conceito antropológico

Antropologia e o desenvolvimento antropológico do conceito de cultura
Antropologia e o desenvolvimento antropológico do conceito de culturaAntropologia e o desenvolvimento antropológico do conceito de cultura
Antropologia e o desenvolvimento antropológico do conceito de culturaNathanDosSantos7
 
Antropologiajurdica anotaesdeaula-130226213353-phpapp02
Antropologiajurdica anotaesdeaula-130226213353-phpapp02Antropologiajurdica anotaesdeaula-130226213353-phpapp02
Antropologiajurdica anotaesdeaula-130226213353-phpapp02Claudia araujo
 
CONCEITO_ANTROPOLOGICO_DE_CULTURA.ppt
CONCEITO_ANTROPOLOGICO_DE_CULTURA.pptCONCEITO_ANTROPOLOGICO_DE_CULTURA.ppt
CONCEITO_ANTROPOLOGICO_DE_CULTURA.pptRubensMartins36
 
Breve trajetória da antropologia &
Breve trajetória  da antropologia                 &Breve trajetória  da antropologia                 &
Breve trajetória da antropologia &Marcello Lemanski
 
Aula 19 - Identidade Cultural - padronização e diversidade
Aula 19 - Identidade Cultural - padronização e diversidadeAula 19 - Identidade Cultural - padronização e diversidade
Aula 19 - Identidade Cultural - padronização e diversidadeClaudio Henrique Ramos Sales
 
Aula 19 - Identidade Cultural - Padronização e diversidade
Aula 19 - Identidade Cultural - Padronização e diversidadeAula 19 - Identidade Cultural - Padronização e diversidade
Aula 19 - Identidade Cultural - Padronização e diversidadeClaudio Henrique Ramos Sales
 
1 conceito de cultura - laraia cultura-um_conceito_antropologico
1   conceito de cultura - laraia cultura-um_conceito_antropologico1   conceito de cultura - laraia cultura-um_conceito_antropologico
1 conceito de cultura - laraia cultura-um_conceito_antropologicocrissgrancio
 
O Ser Humano e sua Dimensão Cultural (1).pdf
O Ser Humano e sua Dimensão Cultural (1).pdfO Ser Humano e sua Dimensão Cultural (1).pdf
O Ser Humano e sua Dimensão Cultural (1).pdfLuziane Santos
 
A ideia de cultura, de Terry Eagleton.pptx
A ideia de cultura, de Terry Eagleton.pptxA ideia de cultura, de Terry Eagleton.pptx
A ideia de cultura, de Terry Eagleton.pptxMarília Vieira
 
Diversidade cultural e o universo digital
Diversidade cultural e o universo digitalDiversidade cultural e o universo digital
Diversidade cultural e o universo digitalRafael Evangelista
 
85827999-Homem-e-Sociedade-Unidade-I-Slides.pdf
85827999-Homem-e-Sociedade-Unidade-I-Slides.pdf85827999-Homem-e-Sociedade-Unidade-I-Slides.pdf
85827999-Homem-e-Sociedade-Unidade-I-Slides.pdfFabioAbagabir1
 
Questionario
QuestionarioQuestionario
QuestionarioNenycv
 
Sociologia unidade V
Sociologia unidade VSociologia unidade V
Sociologia unidade Vjoao paulo
 
Cap 6 cultura e transformação
Cap 6 cultura e transformaçãoCap 6 cultura e transformação
Cap 6 cultura e transformaçãoJoao Balbi
 

Semelhante a Cultura um conceito antropológico (20)

Antropologia e o desenvolvimento antropológico do conceito de cultura
Antropologia e o desenvolvimento antropológico do conceito de culturaAntropologia e o desenvolvimento antropológico do conceito de cultura
Antropologia e o desenvolvimento antropológico do conceito de cultura
 
Antropologiajurdica anotaesdeaula-130226213353-phpapp02
Antropologiajurdica anotaesdeaula-130226213353-phpapp02Antropologiajurdica anotaesdeaula-130226213353-phpapp02
Antropologiajurdica anotaesdeaula-130226213353-phpapp02
 
CONCEITO_ANTROPOLOGICO_DE_CULTURA.ppt
CONCEITO_ANTROPOLOGICO_DE_CULTURA.pptCONCEITO_ANTROPOLOGICO_DE_CULTURA.ppt
CONCEITO_ANTROPOLOGICO_DE_CULTURA.ppt
 
Breve trajetória da antropologia &
Breve trajetória  da antropologia                 &Breve trajetória  da antropologia                 &
Breve trajetória da antropologia &
 
Aula 19 - Identidade Cultural - padronização e diversidade
Aula 19 - Identidade Cultural - padronização e diversidadeAula 19 - Identidade Cultural - padronização e diversidade
Aula 19 - Identidade Cultural - padronização e diversidade
 
Aula 19 - Identidade Cultural - Padronização e diversidade
Aula 19 - Identidade Cultural - Padronização e diversidadeAula 19 - Identidade Cultural - Padronização e diversidade
Aula 19 - Identidade Cultural - Padronização e diversidade
 
1 conceito de cultura - laraia cultura-um_conceito_antropologico
1   conceito de cultura - laraia cultura-um_conceito_antropologico1   conceito de cultura - laraia cultura-um_conceito_antropologico
1 conceito de cultura - laraia cultura-um_conceito_antropologico
 
O Ser Humano e sua Dimensão Cultural (1).pdf
O Ser Humano e sua Dimensão Cultural (1).pdfO Ser Humano e sua Dimensão Cultural (1).pdf
O Ser Humano e sua Dimensão Cultural (1).pdf
 
A ideia de cultura, de Terry Eagleton.pptx
A ideia de cultura, de Terry Eagleton.pptxA ideia de cultura, de Terry Eagleton.pptx
A ideia de cultura, de Terry Eagleton.pptx
 
Aula um
Aula umAula um
Aula um
 
Diversidade cultural e o universo digital
Diversidade cultural e o universo digitalDiversidade cultural e o universo digital
Diversidade cultural e o universo digital
 
Cp aula 4
Cp aula 4Cp aula 4
Cp aula 4
 
85827999-Homem-e-Sociedade-Unidade-I-Slides.pdf
85827999-Homem-e-Sociedade-Unidade-I-Slides.pdf85827999-Homem-e-Sociedade-Unidade-I-Slides.pdf
85827999-Homem-e-Sociedade-Unidade-I-Slides.pdf
 
Introdução antropologia cultural
Introdução antropologia culturalIntrodução antropologia cultural
Introdução antropologia cultural
 
Questionario
QuestionarioQuestionario
Questionario
 
Sociologia unidade V
Sociologia unidade VSociologia unidade V
Sociologia unidade V
 
Cap 6 cultura e transformação
Cap 6 cultura e transformaçãoCap 6 cultura e transformação
Cap 6 cultura e transformação
 
Questões de antropologia_01
Questões de antropologia_01Questões de antropologia_01
Questões de antropologia_01
 
CULTURA.ppt
CULTURA.pptCULTURA.ppt
CULTURA.ppt
 
Antrop. contêmp
Antrop. contêmpAntrop. contêmp
Antrop. contêmp
 

Mais de Andreia Regina Moura Mendes

Aula O ofício do cientista social- relato de uma pesquisa
Aula O ofício do cientista social- relato de uma pesquisaAula O ofício do cientista social- relato de uma pesquisa
Aula O ofício do cientista social- relato de uma pesquisaAndreia Regina Moura Mendes
 
Módulo do curso de didática: A A função social da ensino
Módulo do curso de didática: A A função social da ensinoMódulo do curso de didática: A A função social da ensino
Módulo do curso de didática: A A função social da ensinoAndreia Regina Moura Mendes
 
Aula Os sete saberes necessários à educação do futuro
Aula Os sete saberes necessários à educação do futuroAula Os sete saberes necessários à educação do futuro
Aula Os sete saberes necessários à educação do futuroAndreia Regina Moura Mendes
 
Cibercultura a sociedade em rede e as mídias interativas
Cibercultura a sociedade em rede e as mídias interativasCibercultura a sociedade em rede e as mídias interativas
Cibercultura a sociedade em rede e as mídias interativasAndreia Regina Moura Mendes
 
Avaliação e o trabalho com as TIC's: as novas competências do professor na ci...
Avaliação e o trabalho com as TIC's: as novas competências do professor na ci...Avaliação e o trabalho com as TIC's: as novas competências do professor na ci...
Avaliação e o trabalho com as TIC's: as novas competências do professor na ci...Andreia Regina Moura Mendes
 

Mais de Andreia Regina Moura Mendes (20)

Os deuses gregos e a origem dos mitos
 Os deuses gregos e a origem dos mitos Os deuses gregos e a origem dos mitos
Os deuses gregos e a origem dos mitos
 
Aula O ofício do cientista social- relato de uma pesquisa
Aula O ofício do cientista social- relato de uma pesquisaAula O ofício do cientista social- relato de uma pesquisa
Aula O ofício do cientista social- relato de uma pesquisa
 
Módulo do curso de didática: A A função social da ensino
Módulo do curso de didática: A A função social da ensinoMódulo do curso de didática: A A função social da ensino
Módulo do curso de didática: A A função social da ensino
 
Aula Os sete saberes necessários à educação do futuro
Aula Os sete saberes necessários à educação do futuroAula Os sete saberes necessários à educação do futuro
Aula Os sete saberes necessários à educação do futuro
 
Palestra Competências para a cibercultura
Palestra Competências para a ciberculturaPalestra Competências para a cibercultura
Palestra Competências para a cibercultura
 
Aula Sociologia da educação
Aula Sociologia da educaçãoAula Sociologia da educação
Aula Sociologia da educação
 
Aula O nascimento da filosofia 2015
Aula  O nascimento da filosofia 2015Aula  O nascimento da filosofia 2015
Aula O nascimento da filosofia 2015
 
Aula A origem da filosofia
Aula  A origem da filosofia Aula  A origem da filosofia
Aula A origem da filosofia
 
Aula Para que serve a filosofia?
Aula  Para que serve a filosofia?Aula  Para que serve a filosofia?
Aula Para que serve a filosofia?
 
Diferentes modos de se viver a paixão
Diferentes modos de se viver a paixãoDiferentes modos de se viver a paixão
Diferentes modos de se viver a paixão
 
Malhação do Judas: rito e identidade
Malhação do Judas: rito e identidadeMalhação do Judas: rito e identidade
Malhação do Judas: rito e identidade
 
Cibercultura a sociedade em rede e as mídias interativas
Cibercultura a sociedade em rede e as mídias interativasCibercultura a sociedade em rede e as mídias interativas
Cibercultura a sociedade em rede e as mídias interativas
 
O que é pós moderno
O que é pós modernoO que é pós moderno
O que é pós moderno
 
O conhecimento
O conhecimentoO conhecimento
O conhecimento
 
Ciência com consciência
Ciência com consciênciaCiência com consciência
Ciência com consciência
 
Faces da história
Faces da históriaFaces da história
Faces da história
 
Democracia
DemocraciaDemocracia
Democracia
 
Aprender antropologia
Aprender antropologiaAprender antropologia
Aprender antropologia
 
Avaliação e o trabalho com as TIC's: as novas competências do professor na ci...
Avaliação e o trabalho com as TIC's: as novas competências do professor na ci...Avaliação e o trabalho com as TIC's: as novas competências do professor na ci...
Avaliação e o trabalho com as TIC's: as novas competências do professor na ci...
 
Cibercultura e educação
Cibercultura e educação Cibercultura e educação
Cibercultura e educação
 

Último

Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 

Último (20)

treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 

Cultura um conceito antropológico

  • 1. Docente Profª Mª Andreia Regina Moura Mendes atenasregina@yahoo.com.br
  • 2.  Dilema principal: uma única espécie com uma imensa pluralidade cultural, mesma carga genética e comportamentos diferenciados.  Cultura é o que diferencia os humanos dos demais animais. (GEERTZ)  Cultura diferencia os homens entre si. (GEERTZ)  Desde a antiguidade, pensadores como Heródoto e Tácito questionavam sobre a cultura dos outros povos.  Durante a Idade Moderna, Michel de Montaigne afirmava: “na verdade, cada qual considera bárbaro o que não se pratica em sua terra”. O relativismo aparece na obra deste francês, comparando o canibalismo ritual indígena com as ações da inquisição espanhola.  Alguns julgam as diferenças de comportamento como influências do meio físico. O que nós podemos afirmar?  Para observar a diversidade cultural da espécie humana, basta comparar os costumes de nossos contemporâneos.  Tanto o determinismo biológico quanto o determinismo geográfico não são suficientes para explicar o dilema da pluralidade cultural. atenasregina@yahoo.com.br
  • 3.  As diferenças genéticas não são determinantes das diferenças culturais. A faculdade de aprender e a plasticidade do conhecimento humano são os fatores fundamentais para sua evolução.  Pesquisas comprovam que os grupos humanos possuem as mesmas capacidades mentais, por exemplo, a divisão sexual do trabalho em diferentes povos revela um determinismo cultural, não uma função biológica.  O comportamento dos indivíduos depende de um aprendizado, de um processo chamado endoculturação.  O determinismo geográfico começou a ser refutado a partir de 1920, quando antropólogos como Boas, Wissler, Kroeber refutaram esta tese e apresentaram a limitada influência do meio geográfico sobre os fatores culturais, sendo possível existir uma grande diversidade cultural num mesmo ambiente físico.  Segundo a moderna antropologia, a cultura age de forma seletiva, e não de maneira casual sobre seu meio ambiente, explorando determinadas possibilidades e limitações ao desenvolvimento. É a cultura e a história cultural de cada grupo que trabalha nesta seleção. atenasregina@yahoo.com.br
  • 5.  Kultur: aspectos espirituais (Alemanha- século XVIII).  Civilization: realizações materiais (França- século XVIII).  Culture:conhecimentos, crenças, arte, moral, leis, costumes, hábitos adquiridos (Edward Tylor. Inglaterra- século XIX).  Precursores do conceito de cultura:  John Locke: defensor do relativismo cultural através do conceito de tábula rasa.  “Nenhuma ordem social é baseada em verdades inatas, uma mudança no ambiente resulta numa mudança no comportamento”. Locke.  Jacques Turgot: o homem é capaz de transmitir a sua cultura.  Jean Jacques Rousseau: a educação como caminho para a transformação do homem.  Alfred Kroeber: o fator cultural exerce maior influência que o biológico. atenasregina@yahoo.com.br
  • 7.        Edward Tylor considerava a cultura como um fenômeno natural logo, pode ser objeto de estudo sistematizado. “Para muitas mentes educadas parece alguma coisa presunçosa e repulsiva o ponto de vista que a história da humanidade é parte integrante da história da natureza”. Tylor. Para Tylor, a diversidade é explicada por ele como resultado da desigualdade de estágios existentes no processo de evolução: selvageria, barbárie e civilização. Sua corrente de pensamento é conhecida como evolucionismo. No século XIX, o etnocentrismo predominou ao lado das ciências positivas. Tylor comete erros a não reconhecer os múltiplos caminhos da cultura. Franz Boas representou a reação ao evolucionismo. Segundo ele, a antropologia deve reconstruir a história de povos ou regiões e comparar a vida social de diferentes povos. Defensor da comparação dos resultados obtidos através dos estudos históricos das culturas simples e compreensão dos efeitos das condições psicológicas e dos meios ambientes. Boas desenvolveu o particularismo histórico, a Escola Cultural Americana. A abordagem multilinear significa que cada grupo humano evolui a partir de seu próprio caminho. atenasregina@yahoo.com.br
  • 8.                Alfred Kroeber mostrou como a cultura atua sobre o homem. Considerou o homem como um ser capaz de transpor as limitações orgânicas. As necessidades biológicas são iguais para todos os seres humanos, porém as formas de satisfazê-las varia de uma cultura para outra. “É esta grande variedade na operação de um número tão pequeno de funções que faz com que o homem seja considerado um ser predominantemente cultural”. Kroeber. Para Kroeber, o processo de desenvolvimento da civilização é cumulativo, conservando-se o antigo, apesar da aquisição do novo. Kroeber ainda mostrou que superando o orgânico, o homem libertou-se da natureza. Há também explicações da natureza humana que podem ser perigosas, associando tipos de discriminações raciais e sociais, enquanto justificativa para as diferenças sociais.Como exemplo, o criminalista italiano Lombroso que procurou correlacionar a aparência física com tendência a comportamentos criminosos. O homem é o resultado do meio cultural em que foi socializado. Ele é um herdeiro de um longo processo cumulativo, que reflete o conhecimento e a experiência adquirida pelas numerosas gerações que o antecederam. Resumindo o pensamento de Kroeber: A cultura determina e justifica o comportamento do homem. O homem age de acordo com seus padrões culturais. A cultura é o meio de adaptação aos diferentes ambientes ecológicos. O homem transformou toda a terra em seu habitat. Adquirindo cultura, o homem é dependente do aprendizado. O processo de aprendizagem determina o comportamento, as capacidades artísticas e profissionais. A cultura é um processo acumulativo. Os gênios realizam suas descobertas graças ao aparato cultural que dispõem, sendo este conhecimento construído pelos indivíduos da sociedade. atenasregina@yahoo.com.br
  • 9.      Richard Leakey e Roger Lewin: a origem da cultura está na vida arborícola. David Pilbeam: o bipedismo diferenciou os hominídeos. Kenneth P. Oakley: as habilidades manuais estimularam o crescimento do cérebro atuando para sua complexidade. Claude Lévi- Strauss: a cultura surgiu quando o homem convencionou a primeira regra. Leslie White: a passagem do estado de animal para humanidade ocorreu quando o cérebro foi capaz de gerar símbolos. atenasregina@yahoo.com.br
  • 11.        Teorias modernas: culturas são sistemas de padrões de comportamento socialmente transmitidos. O homem através da cultura se adapta ao meio para sobreviver. Tecnologia, economia e sociedade constituem o domínio mais adaptativo da cultura. Os comportamentos ideológicos dos sistemas culturais poder ter conseqüências adaptativas no controle da população, da subsistência, da manutenção do ecossistema, etc. Teorias idealistas: a cultura como sistema cognitivo (análise dos modelos construídos pelos membros da comunidade a respeito de seu próprio universo). A cultura como sistemas estruturais, definindo-se como sistema simbólico que é por sua vez, uma criação acumulativa da mente humana. Para Geertz, todos os homens são geneticamente aptos para receber um programa e este programa é o chamamos de cultura. atenasregina@yahoo.com.br
  • 13.       A cultura condiciona a visão de mundo do homem. A nossa herança cultural desenvolvida através de inúmeras gerações, sempre nos condicionou a reagir depreciativamente em relação ao comportamento daqueles que agem fora dos padrões aceitos pela maioria da comunidade. Por isto discriminamos o comportamento desviante. Todos os homens são dotados do mesmo equipamento anatômico, mas a utilização do mesmo ao invés de ser determinada geneticamente, depende de um aprendizado e este consiste na cópia de padrões que fazem parte da herança cultural do grupo. O fato de que o homem vê o mundo através de sua cultura tem como conseqüência a propensão em considerar o seu modo de vida como o mais correto e o mais natural. Tal tendência denominada de etnocentrismo é responsável em seus casos extremos pela ocorrência de numerosos conflitos sociais. “(...)É comum assim a crença no povo eleito predestinado por seres sobrenaturais para ser superior aos demais. Tais crenças contêm o germe do racismo da intolerância e freqüentemente, são utilizadas para justificar a violência praticada contra os outros”. Comportamentos etnocêntricos resultam também em apreciações negativas dos padrões culturais de povos diferentes. Práticas de outros sistemas culturais são catalogadas como absurdas, deprimentes e imorais. atenasregina@yahoo.com.br
  • 14.  Reação oposta ao etnocentrismo.  Em lugar de superestimar os valores de sua própria sociedade, numa dada situação de crise, os membros de uma cultura abandonam a crença na mesma e, conseqüentemente perdem a motivação que os mantêm unidos e vivos.  As doenças psicossomáticas são fortemente influenciadas pelos padrões culturais.  A cultura também é capaz de provocar curas.  Os indivíduos participam de forma diferente de sua cultura:  A participação do indivíduo em sua cultura é sempre limitada, nenhuma pessoa é capaz de participar de todos os elementos de sua cultura.  A cultura tem uma lógica própria: “(...) assim, ao invés de um contínuo magia-religião-ciência, temos de fato sistemas simultâneos e nãosucessivos da humanidade.  A cultura é dinâmica:  Podemos afirmar que existem dois tipos de mudanças culturais: uma que é interna, resultante da dinâmica do próprio sistema cultural, e uma segunda que é o resultado do contato de um sistema cultural com um outro. atenasregina@yahoo.com.br
  • 15.  LARAIA, Roque de Barros. Cultura: um conceito antropológico. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor. 1993, 9 ed. atenasregina@yahoo.com.br

Notas do Editor

  1. Bruxaria, oráculos e magia entre os Azande. Evans Pritchard.