SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
Profª Mª. Andreia Regina Moura Mendes
      atenasregina@yahoo.com.br
 Possibilidade de parar o tempo
 Gravação e reprodução das imagens do mundo que
    nos cerca
   Documento histórico
   Arte
   Prova irrefutável de uma verdade qualquer
   Possibilidade mágica de preservar algo valioso
   Uma linguagem
   Miniaturas da vida
   Ilusão de ótica
                        atenasregina@yahoo.com.br
 “(...)   a manifestação democrática          de uma arte
    aristocrática”. Ernst Haas.
   Contexto de aparecimento da fotografia: industrialização
    do século XIX.
   Fotografia e cinema como formas industriais da imagem.
   Os aspectos democratizantes da fotografia .
   Diferença entre a pintura e a fotografia: engajamento e
    denúncia.
   “Eram imagens cruas, que pela simples           existência
    impunham alguma providência, imagens que clamavam
    contra um estado de coisas que não se podia mais fingir
    não ver”. KUBRUSLY (2001, p. 11).

                         atenasregina@yahoo.com.br
 A fotografia coloca o homem na posição de
    espectador.
   A imagem não está limitada pela barreira dos idiomas
    ou da alfabetização.
   Reduz a realidade em apenas duas dimensões.
   Perfeita perspectiva numa superfície plana.
   Fidelidade absoluta das imagens da câmara escura.
   Identidade de aparência com a realidade.
   A imagem identifica uma individualidade, alguém que
    personifica as ideias.
                       atenasregina@yahoo.com.br
atenasregina@yahoo.com.br
atenasregina@yahoo.com.br
atenasregina@yahoo.com.br
atenasregina@yahoo.com.br
 “A palavra é racional, dissertativa, prolixa. A
 imagem, emocional, sintética, direta. A palavra
 pode expor com clareza uma ideia, conceituar com
 precisão. A imagem é de natureza mais onírica
 (incluindo-se aí os pesadelos), mais ilógica e
 nebulosa. É insubstituível para transmitir, num
 relance, toda a emoção de um evento, mas falha ao
 tentar analisá-lo”.KUBRUSLY(2006, p. 76).



                   atenasregina@yahoo.com.br
atenasregina@yahoo.com.br
atenasregina@yahoo.com.br
 “A melhor imagem, aquela que transmite
 com mais eficiência uma ideia, uma emoção
 ou o conteúdo de um tema, não é,
 necessariamente, a que contém o máximo de
 informação verbalizável”. KUBRUSLY (2006,
 p. 68).




                atenasregina@yahoo.com.br
 Período: Segunda metade do século XIX com a
  revolução industrial e a invenção da fotografia e
  do cinema.
 Surgimento como auxiliar das pesquisas de
  campo,    como      também      de    registro  e
  documentação de grupos étnicos e práticas
  culturais ameaçadas de desaparecimento pelo
  avanço da política neocolonial.
 No princípio, garantia a objetividade do olhar do
  antropólogo diante de outros povos e costumes.


                    atenasregina@yahoo.com.br
 “Com a fotografia, o valor de culto começa a recuar,
 em todas as frentes (...). Porém, quando o homem se
 retira da fotografia, o valor da exposição supera pela
 primeira vez o valor de culto. (...) Com Atget, as fotos
 se transformam em autos no processo da história.
 Nisso está sua significação política latente.”
 BENJAMIM (1996, p. 174).



                      atenasregina@yahoo.com.br
 Ambos atuam num mesmo processo de observação
    científica.
   O surgimento ocorre na mesma época, durante a expansão
    industrial e diante de uma atitude mais analítica perante
    os fatos científicos.
   No século XIX o objeto de observação tanto do cinema e
    da antropologia era o “outro”, o tipo “exótico”, a realidade
    distante.
   Ao longo do século XX ocorreram diversas reestruturações
    a partir das dinâmicas sócio-históricas que influenciaram o
    posicionamento da antropologia visual e do cinema diante
    dos modelos globais.
   “As tendências visualizantes do discurso antropológico
    abririam também o caminho à representação
    cinematográfica das culturas”. RIBEIRO (2005).
                          atenasregina@yahoo.com.br
 O cinema enquanto instrumental de observação científica e análise
    científica.
   Preocupação com povos particularmente distantes e culturas
    singulares.
      Representação cinematográfica das culturas, carregada de
    interpretações subjetivas.
   Ambivalência: instrumento de exibição do outro e por outro lado,
    relação com a ciência e a cultura.
   A globalização e a sociedade pós-moderna são concretizadas no
    cinema.
   Inovações técnicas e ideológicas:
      Escola Soviética (1920)
        Cinema Direto (1960)
        Crise dos modelos de representação (1980)
                            atenasregina@yahoo.com.br
 Divisão    das     sociedades    em     observadas
  (fotografadas, estudadas, cinematografadas) e
  observadoras (fotografam, estudam, produzem
  filmes).
 Com a reprodutibilidade técnica, a apreensão do
  outro seja a partir da fotografia ou do cinema,
  passa a servir, na maioria das vezes, aos interesses
  econômicos e políticos de determinados grupos.



                     atenasregina@yahoo.com.br
 Os antropólogos
 culturalistas Margareth
 Mead e Gregory
 Bateson realizaram
 valiosos registros sobre
 o modo de vida balinês
 e documentaram
 diversos aspectos do
 cotidiano dos seus
 habitantes.


                            atenasregina@yahoo.com.br
 “Em geral, Bateson está interessado também em todo o
 campo da ‘comunicação’ fantástica, não tanto no dos
 ‘problemas formais implícitos na existência simultânea
 de níveis múltiplos de mensagens, na apresentação
 ‘fantástica’ da realidade.” CANEVACCI (2001, p. 48)




                     atenasregina@yahoo.com.br
 Bronislaw
        Malinowski é
        considerado o
        criador do método
        do trabalho de
        campo, seus
        registros visuais no
        Pacífico Sul
        enriquecem a sua
        etnologia.
atenasregina@yahoo.com.br
 Franz Boas
  pesquisando entre os
  Inuit realizou
  documentários curtos
  com os nativos
  registrando suas danças
  e festas.
 A fotografia foi outro
  recurso bastante
  utilizado em todas as
  temporadas de trabalho
  de campo feitas por
  Boas.
                        atenasregina@yahoo.com.br
 Redefinição da     Antropologia Visual para uma
  Antropologia da comunicação visual.
 Segundo CANEVASSI (2001), “ (...) o visual leva a
  multiplicar as tramas da comunicação dentro de
  suas respectivas culturas”.
 Os nativos negam-se o papel de simples objetos
  observados e participam ativamente da renovação
  da antropologia visual apresentando os seus
  próprios pontos de vista a partir de suas
  dinâmicas sociais.
 A Antropologia Visual é usada como recurso de
  afirmação identitária e reconhecimento cultural
  pelos povos nativos.
                    atenasregina@yahoo.com.br
 Terence Turner
 desenvolve pesquisas
 junto aos Caiapós
 (Kayapó) nas quais os
 recursos visuais são
 explorados pelos
 próprios nativos,dando
 outros significados para
 as suas práticas,
 diferentes dos sentidos
 dados pelo
 antropólogo.
                        atenasregina@yahoo.com.br
 Os xavantes do Vale do
        Xingu desenvolvem
        projetos de produção
        visual e discutem seus
        pontos de vista a partir
        de uma visão que
        elaboram de si mesmos
        e das suas
        especificidades
        culturais. Acima
        imagem do
        documentário
        Etenhiritipá.
atenasregina@yahoo.com.br
 A Antropologia Visual é um terreno fértil para as
  ações afirmativas e a prática do relativismo
  cultural.
 O processo de emergências étnicas vem
  beneficiando-se das tecnologias visuais para
  apresentar seus projetos de reforço identitário.
 Segundo CANEVASSI (2001), os nativos recusam
  serem vistos enquanto objetos museificados e
  catalogados, apontando mudanças na visão de si e
  dos outros.

                    atenasregina@yahoo.com.br
 “Por tudo isso, a comunicação visual marca o tempo da
 mudança ideológica, de acordo com módulos
 perceptivos novos e vinculantes, cujos canais e
 mensagens conectam o indivíduo particular, o
 ambiente cultural e simbólico, os meios reproduzíveis
 numa estrutura comunicacional mental unitária e
 imanente. A cultura visual mais geral caracteriza-se
 ecologicamente por uma circularidade contínua entre o
 nível tecnológico e o nível aural.”CANEVACCI (2001,
 p.49).


                     atenasregina@yahoo.com.br
 BENJAMIN,        Walter. Obras escolhidas. Magia e
    técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1996.
   CANEVACCI,           Massimo.                   Antropologia da
    comunicação visual. Rio de Janeiro: DP & A, 2001.
   GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de
    Janeiro: LTC, 1989.
   KUBRUSLY, Cláudio A. O que é fotografia. São Paulo:
    Brasiliense, 2006.
   RIBEIRO, José da Silva. Antropologia visual, práticas
    antigas e novas perspectivas de investigação. In:
    Revista de Antropologia. São Paulo: USP, 2005. v. 48
    nº2.                   atenasregina@yahoo.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

28199 texto do artigo-85152-1-18-20200927
28199 texto do artigo-85152-1-18-2020092728199 texto do artigo-85152-1-18-20200927
28199 texto do artigo-85152-1-18-20200927
Eduardo Rocha
 
Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)
Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)
Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)
Secretaria de Educação do Maranhão e Imagética Consultoria e Design
 
Seminário de historia e memória -
Seminário de historia e memória - Seminário de historia e memória -
Seminário de historia e memória -
Cristiano Gomes Lopes
 
Função da arte
Função da arteFunção da arte
Função da arte
CEF16
 

Mais procurados (19)

28199 texto do artigo-85152-1-18-20200927
28199 texto do artigo-85152-1-18-2020092728199 texto do artigo-85152-1-18-20200927
28199 texto do artigo-85152-1-18-20200927
 
Historia do desenho
Historia do desenhoHistoria do desenho
Historia do desenho
 
As finalidades da museologia IV
As finalidades da museologia IVAs finalidades da museologia IV
As finalidades da museologia IV
 
Pensar arte
Pensar artePensar arte
Pensar arte
 
291 922-1-pb
291 922-1-pb291 922-1-pb
291 922-1-pb
 
A Sociologia dos Museus
A Sociologia dos Museus   A Sociologia dos Museus
A Sociologia dos Museus
 
A arte na história aula inaugural
A arte na história   aula inauguralA arte na história   aula inaugural
A arte na história aula inaugural
 
ABY WARBURG: Imagem, memória e interface
ABY WARBURG: Imagem, memória e interfaceABY WARBURG: Imagem, memória e interface
ABY WARBURG: Imagem, memória e interface
 
Aula de apresentação ensino médio 01-02-13
Aula de apresentação ensino médio   01-02-13Aula de apresentação ensino médio   01-02-13
Aula de apresentação ensino médio 01-02-13
 
Conteúdo Básicos - Mínimos Ensino Médio do Tocantins - ALINHAMENTO - Arte
Conteúdo Básicos - Mínimos Ensino Médio do Tocantins - ALINHAMENTO - ArteConteúdo Básicos - Mínimos Ensino Médio do Tocantins - ALINHAMENTO - Arte
Conteúdo Básicos - Mínimos Ensino Médio do Tocantins - ALINHAMENTO - Arte
 
Manual de Museografia - O Seminário - Parte III
Manual de Museografia - O Seminário - Parte IIIManual de Museografia - O Seminário - Parte III
Manual de Museografia - O Seminário - Parte III
 
A fotografia como representação da arquitetura
A fotografia como representação da arquiteturaA fotografia como representação da arquitetura
A fotografia como representação da arquitetura
 
Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)
Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)
Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)
 
ARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAIS
ARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAISARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAIS
ARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAIS
 
Desenhando na Amazônia: Mediações educativo-culturais entre imagem e imaginário
Desenhando na Amazônia: Mediações educativo-culturais entre imagem e imaginárioDesenhando na Amazônia: Mediações educativo-culturais entre imagem e imaginário
Desenhando na Amazônia: Mediações educativo-culturais entre imagem e imaginário
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
 
História da arte
História da arteHistória da arte
História da arte
 
Seminário de historia e memória -
Seminário de historia e memória - Seminário de historia e memória -
Seminário de historia e memória -
 
Função da arte
Função da arteFunção da arte
Função da arte
 

Destaque (10)

Aula01 calcula
Aula01 calculaAula01 calcula
Aula01 calcula
 
Aula03 calcula
Aula03 calculaAula03 calcula
Aula03 calcula
 
ALT and TITLE attributes in images and SEO
ALT and TITLE attributes in images and SEOALT and TITLE attributes in images and SEO
ALT and TITLE attributes in images and SEO
 
Risco sistemico
Risco sistemicoRisco sistemico
Risco sistemico
 
Consenso Brasileiro de DPOC
Consenso Brasileiro de DPOCConsenso Brasileiro de DPOC
Consenso Brasileiro de DPOC
 
Informativo sicredi abril_2012
Informativo sicredi abril_2012Informativo sicredi abril_2012
Informativo sicredi abril_2012
 
Anais rpcs2011 plantas de cobertura
Anais rpcs2011 plantas de coberturaAnais rpcs2011 plantas de cobertura
Anais rpcs2011 plantas de cobertura
 
Banrisul
BanrisulBanrisul
Banrisul
 
Cooperativas BAHIA
Cooperativas BAHIA Cooperativas BAHIA
Cooperativas BAHIA
 
Cadub novosusuarios
Cadub novosusuariosCadub novosusuarios
Cadub novosusuarios
 

Semelhante a Palestra antropologia visual

Cinema Itinerante Definitivo
Cinema Itinerante DefinitivoCinema Itinerante Definitivo
Cinema Itinerante Definitivo
Monografia
 
TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E CULTURA.pdf
TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E CULTURA.pdfTECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E CULTURA.pdf
TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E CULTURA.pdf
MidiIzidoroSilva
 
orientação e técnica para o uso da fotografia como instrumento de pesquisa em...
orientação e técnica para o uso da fotografia como instrumento de pesquisa em...orientação e técnica para o uso da fotografia como instrumento de pesquisa em...
orientação e técnica para o uso da fotografia como instrumento de pesquisa em...
Carlos Recuero
 
Subprograma pas 2010 3ª etapa
Subprograma pas 2010 3ª etapaSubprograma pas 2010 3ª etapa
Subprograma pas 2010 3ª etapa
ericacostas
 
Apresentaçao curso 1 l street style
Apresentaçao curso 1 l street styleApresentaçao curso 1 l street style
Apresentaçao curso 1 l street style
artefashion
 

Semelhante a Palestra antropologia visual (20)

Breve história da antropologia visual
Breve história da antropologia visualBreve história da antropologia visual
Breve história da antropologia visual
 
Cinema Itinerante Definitivo
Cinema Itinerante DefinitivoCinema Itinerante Definitivo
Cinema Itinerante Definitivo
 
Anthropologicas
AnthropologicasAnthropologicas
Anthropologicas
 
Etografia com imagens
Etografia com imagensEtografia com imagens
Etografia com imagens
 
Antropologia visual
Antropologia visual Antropologia visual
Antropologia visual
 
Ponte Hercílio Luz - Patrimônio Catarinense
Ponte Hercílio Luz - Patrimônio CatarinensePonte Hercílio Luz - Patrimônio Catarinense
Ponte Hercílio Luz - Patrimônio Catarinense
 
Gt16 5653--int
Gt16 5653--intGt16 5653--int
Gt16 5653--int
 
9.cap3 estetica relacional
9.cap3 estetica relacional9.cap3 estetica relacional
9.cap3 estetica relacional
 
Antropologia e educação :o sentido da etnografia
Antropologia e educação :o sentido da etnografiaAntropologia e educação :o sentido da etnografia
Antropologia e educação :o sentido da etnografia
 
TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E CULTURA.pdf
TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E CULTURA.pdfTECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E CULTURA.pdf
TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E CULTURA.pdf
 
Antropologia do desenvolvimento
Antropologia do desenvolvimentoAntropologia do desenvolvimento
Antropologia do desenvolvimento
 
Faces da história
Faces da históriaFaces da história
Faces da história
 
TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E CULTURA.pptx
TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E CULTURA.pptxTECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E CULTURA.pptx
TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E CULTURA.pptx
 
9288 35360-1-pb
9288 35360-1-pb9288 35360-1-pb
9288 35360-1-pb
 
orientação e técnica para o uso da fotografia como instrumento de pesquisa em...
orientação e técnica para o uso da fotografia como instrumento de pesquisa em...orientação e técnica para o uso da fotografia como instrumento de pesquisa em...
orientação e técnica para o uso da fotografia como instrumento de pesquisa em...
 
Subprograma pas 2010 3ª etapa
Subprograma pas 2010 3ª etapaSubprograma pas 2010 3ª etapa
Subprograma pas 2010 3ª etapa
 
Apresentaçao curso 1 l street style
Apresentaçao curso 1 l street styleApresentaçao curso 1 l street style
Apresentaçao curso 1 l street style
 
Antropologia da religião 2
Antropologia da religião 2Antropologia da religião 2
Antropologia da religião 2
 
Dionísio na idade mídia 1996 - 2016 (versão port)
Dionísio na idade mídia   1996 - 2016 (versão port)Dionísio na idade mídia   1996 - 2016 (versão port)
Dionísio na idade mídia 1996 - 2016 (versão port)
 
Linguagens 1ª SÉRIE - 3º BIMESTRE Professor.pdf
Linguagens 1ª SÉRIE -  3º BIMESTRE Professor.pdfLinguagens 1ª SÉRIE -  3º BIMESTRE Professor.pdf
Linguagens 1ª SÉRIE - 3º BIMESTRE Professor.pdf
 

Mais de Andreia Regina Moura Mendes

Cibercultura a sociedade em rede e as mídias interativas
Cibercultura a sociedade em rede e as mídias interativasCibercultura a sociedade em rede e as mídias interativas
Cibercultura a sociedade em rede e as mídias interativas
Andreia Regina Moura Mendes
 

Mais de Andreia Regina Moura Mendes (20)

Os deuses gregos e a origem dos mitos
 Os deuses gregos e a origem dos mitos Os deuses gregos e a origem dos mitos
Os deuses gregos e a origem dos mitos
 
Aula O ofício do cientista social- relato de uma pesquisa
Aula O ofício do cientista social- relato de uma pesquisaAula O ofício do cientista social- relato de uma pesquisa
Aula O ofício do cientista social- relato de uma pesquisa
 
Módulo do curso de didática: A A função social da ensino
Módulo do curso de didática: A A função social da ensinoMódulo do curso de didática: A A função social da ensino
Módulo do curso de didática: A A função social da ensino
 
Aula Os sete saberes necessários à educação do futuro
Aula Os sete saberes necessários à educação do futuroAula Os sete saberes necessários à educação do futuro
Aula Os sete saberes necessários à educação do futuro
 
Palestra Competências para a cibercultura
Palestra Competências para a ciberculturaPalestra Competências para a cibercultura
Palestra Competências para a cibercultura
 
Aula Sociologia da educação
Aula Sociologia da educaçãoAula Sociologia da educação
Aula Sociologia da educação
 
Aula O nascimento da filosofia 2015
Aula  O nascimento da filosofia 2015Aula  O nascimento da filosofia 2015
Aula O nascimento da filosofia 2015
 
Aula A origem da filosofia
Aula  A origem da filosofia Aula  A origem da filosofia
Aula A origem da filosofia
 
Aula Para que serve a filosofia?
Aula  Para que serve a filosofia?Aula  Para que serve a filosofia?
Aula Para que serve a filosofia?
 
Cultura um conceito antropológico
Cultura  um conceito antropológicoCultura  um conceito antropológico
Cultura um conceito antropológico
 
Diferentes modos de se viver a paixão
Diferentes modos de se viver a paixãoDiferentes modos de se viver a paixão
Diferentes modos de se viver a paixão
 
Malhação do Judas: rito e identidade
Malhação do Judas: rito e identidadeMalhação do Judas: rito e identidade
Malhação do Judas: rito e identidade
 
Cibercultura a sociedade em rede e as mídias interativas
Cibercultura a sociedade em rede e as mídias interativasCibercultura a sociedade em rede e as mídias interativas
Cibercultura a sociedade em rede e as mídias interativas
 
O que é pós moderno
O que é pós modernoO que é pós moderno
O que é pós moderno
 
O conhecimento
O conhecimentoO conhecimento
O conhecimento
 
Ciência com consciência
Ciência com consciênciaCiência com consciência
Ciência com consciência
 
O que é etnocentrismo
O que é etnocentrismoO que é etnocentrismo
O que é etnocentrismo
 
Democracia
DemocraciaDemocracia
Democracia
 
Aprender antropologia
Aprender antropologiaAprender antropologia
Aprender antropologia
 
Avaliação e o trabalho com as TIC's: as novas competências do professor na ci...
Avaliação e o trabalho com as TIC's: as novas competências do professor na ci...Avaliação e o trabalho com as TIC's: as novas competências do professor na ci...
Avaliação e o trabalho com as TIC's: as novas competências do professor na ci...
 

Último

Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdfAPOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
lbgsouza
 
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
FLAVIA LEZAN
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
sfwsoficial
 

Último (20)

UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdfAPOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 

Palestra antropologia visual

  • 1. Profª Mª. Andreia Regina Moura Mendes atenasregina@yahoo.com.br
  • 2.  Possibilidade de parar o tempo  Gravação e reprodução das imagens do mundo que nos cerca  Documento histórico  Arte  Prova irrefutável de uma verdade qualquer  Possibilidade mágica de preservar algo valioso  Uma linguagem  Miniaturas da vida  Ilusão de ótica atenasregina@yahoo.com.br
  • 3.  “(...) a manifestação democrática de uma arte aristocrática”. Ernst Haas.  Contexto de aparecimento da fotografia: industrialização do século XIX.  Fotografia e cinema como formas industriais da imagem.  Os aspectos democratizantes da fotografia .  Diferença entre a pintura e a fotografia: engajamento e denúncia.  “Eram imagens cruas, que pela simples existência impunham alguma providência, imagens que clamavam contra um estado de coisas que não se podia mais fingir não ver”. KUBRUSLY (2001, p. 11). atenasregina@yahoo.com.br
  • 4.  A fotografia coloca o homem na posição de espectador.  A imagem não está limitada pela barreira dos idiomas ou da alfabetização.  Reduz a realidade em apenas duas dimensões.  Perfeita perspectiva numa superfície plana.  Fidelidade absoluta das imagens da câmara escura.  Identidade de aparência com a realidade.  A imagem identifica uma individualidade, alguém que personifica as ideias. atenasregina@yahoo.com.br
  • 9.  “A palavra é racional, dissertativa, prolixa. A imagem, emocional, sintética, direta. A palavra pode expor com clareza uma ideia, conceituar com precisão. A imagem é de natureza mais onírica (incluindo-se aí os pesadelos), mais ilógica e nebulosa. É insubstituível para transmitir, num relance, toda a emoção de um evento, mas falha ao tentar analisá-lo”.KUBRUSLY(2006, p. 76). atenasregina@yahoo.com.br
  • 12.  “A melhor imagem, aquela que transmite com mais eficiência uma ideia, uma emoção ou o conteúdo de um tema, não é, necessariamente, a que contém o máximo de informação verbalizável”. KUBRUSLY (2006, p. 68). atenasregina@yahoo.com.br
  • 13.  Período: Segunda metade do século XIX com a revolução industrial e a invenção da fotografia e do cinema.  Surgimento como auxiliar das pesquisas de campo, como também de registro e documentação de grupos étnicos e práticas culturais ameaçadas de desaparecimento pelo avanço da política neocolonial.  No princípio, garantia a objetividade do olhar do antropólogo diante de outros povos e costumes. atenasregina@yahoo.com.br
  • 14.  “Com a fotografia, o valor de culto começa a recuar, em todas as frentes (...). Porém, quando o homem se retira da fotografia, o valor da exposição supera pela primeira vez o valor de culto. (...) Com Atget, as fotos se transformam em autos no processo da história. Nisso está sua significação política latente.” BENJAMIM (1996, p. 174). atenasregina@yahoo.com.br
  • 15.  Ambos atuam num mesmo processo de observação científica.  O surgimento ocorre na mesma época, durante a expansão industrial e diante de uma atitude mais analítica perante os fatos científicos.  No século XIX o objeto de observação tanto do cinema e da antropologia era o “outro”, o tipo “exótico”, a realidade distante.  Ao longo do século XX ocorreram diversas reestruturações a partir das dinâmicas sócio-históricas que influenciaram o posicionamento da antropologia visual e do cinema diante dos modelos globais.  “As tendências visualizantes do discurso antropológico abririam também o caminho à representação cinematográfica das culturas”. RIBEIRO (2005). atenasregina@yahoo.com.br
  • 16.  O cinema enquanto instrumental de observação científica e análise científica.  Preocupação com povos particularmente distantes e culturas singulares.  Representação cinematográfica das culturas, carregada de interpretações subjetivas.  Ambivalência: instrumento de exibição do outro e por outro lado, relação com a ciência e a cultura.  A globalização e a sociedade pós-moderna são concretizadas no cinema.  Inovações técnicas e ideológicas:  Escola Soviética (1920) Cinema Direto (1960) Crise dos modelos de representação (1980) atenasregina@yahoo.com.br
  • 17.  Divisão das sociedades em observadas (fotografadas, estudadas, cinematografadas) e observadoras (fotografam, estudam, produzem filmes).  Com a reprodutibilidade técnica, a apreensão do outro seja a partir da fotografia ou do cinema, passa a servir, na maioria das vezes, aos interesses econômicos e políticos de determinados grupos. atenasregina@yahoo.com.br
  • 18.  Os antropólogos culturalistas Margareth Mead e Gregory Bateson realizaram valiosos registros sobre o modo de vida balinês e documentaram diversos aspectos do cotidiano dos seus habitantes. atenasregina@yahoo.com.br
  • 19.  “Em geral, Bateson está interessado também em todo o campo da ‘comunicação’ fantástica, não tanto no dos ‘problemas formais implícitos na existência simultânea de níveis múltiplos de mensagens, na apresentação ‘fantástica’ da realidade.” CANEVACCI (2001, p. 48) atenasregina@yahoo.com.br
  • 20.  Bronislaw Malinowski é considerado o criador do método do trabalho de campo, seus registros visuais no Pacífico Sul enriquecem a sua etnologia. atenasregina@yahoo.com.br
  • 21.  Franz Boas pesquisando entre os Inuit realizou documentários curtos com os nativos registrando suas danças e festas.  A fotografia foi outro recurso bastante utilizado em todas as temporadas de trabalho de campo feitas por Boas. atenasregina@yahoo.com.br
  • 22.  Redefinição da Antropologia Visual para uma Antropologia da comunicação visual.  Segundo CANEVASSI (2001), “ (...) o visual leva a multiplicar as tramas da comunicação dentro de suas respectivas culturas”.  Os nativos negam-se o papel de simples objetos observados e participam ativamente da renovação da antropologia visual apresentando os seus próprios pontos de vista a partir de suas dinâmicas sociais.  A Antropologia Visual é usada como recurso de afirmação identitária e reconhecimento cultural pelos povos nativos. atenasregina@yahoo.com.br
  • 23.  Terence Turner desenvolve pesquisas junto aos Caiapós (Kayapó) nas quais os recursos visuais são explorados pelos próprios nativos,dando outros significados para as suas práticas, diferentes dos sentidos dados pelo antropólogo. atenasregina@yahoo.com.br
  • 24.  Os xavantes do Vale do Xingu desenvolvem projetos de produção visual e discutem seus pontos de vista a partir de uma visão que elaboram de si mesmos e das suas especificidades culturais. Acima imagem do documentário Etenhiritipá. atenasregina@yahoo.com.br
  • 25.  A Antropologia Visual é um terreno fértil para as ações afirmativas e a prática do relativismo cultural.  O processo de emergências étnicas vem beneficiando-se das tecnologias visuais para apresentar seus projetos de reforço identitário.  Segundo CANEVASSI (2001), os nativos recusam serem vistos enquanto objetos museificados e catalogados, apontando mudanças na visão de si e dos outros. atenasregina@yahoo.com.br
  • 26.  “Por tudo isso, a comunicação visual marca o tempo da mudança ideológica, de acordo com módulos perceptivos novos e vinculantes, cujos canais e mensagens conectam o indivíduo particular, o ambiente cultural e simbólico, os meios reproduzíveis numa estrutura comunicacional mental unitária e imanente. A cultura visual mais geral caracteriza-se ecologicamente por uma circularidade contínua entre o nível tecnológico e o nível aural.”CANEVACCI (2001, p.49). atenasregina@yahoo.com.br
  • 27.  BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas. Magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1996.  CANEVACCI, Massimo. Antropologia da comunicação visual. Rio de Janeiro: DP & A, 2001.  GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.  KUBRUSLY, Cláudio A. O que é fotografia. São Paulo: Brasiliense, 2006.  RIBEIRO, José da Silva. Antropologia visual, práticas antigas e novas perspectivas de investigação. In: Revista de Antropologia. São Paulo: USP, 2005. v. 48 nº2. atenasregina@yahoo.com.br