SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Baixar para ler offline
O CONHECIMENTO: INTRODUÇÃO
DOCENTE
ANDREIA REGINA MOURA MENDES
atenasregina@yahoo.com.br
O CONHECIMENTO COMO CARACTERÍSTICA DA HUMANIDADE
 As várias espécies animais apresentam padrões de comportamento que ordenam sua
  vida comunitária a partir da herança genética ou instintiva de cada espécie.
 O homem também desenvolveu processos de convivência e estratégias de
  sobrevivência, apresentando atividades “instintivas” ao mesmo tempo que demonstra
  habilidades fruto do aprendizado.
 Nem todo o comportamento humano se desenvolve automaticamente. As crianças
  dependem dos adultos e da aprendizagem para formar-se enquanto humanos,
  adquirindo determinados comportamentos.
 Nos demais animais, as características genéticas predominam. Nos homens é necessário
  um longo aprendizado transmitido pelas gerações anteriores para que o mesmo possa
  sobreviver e criar.
 A possibilidade de criação de sistemas simbólicos, deu ao homem a supremacia sobre as
  demais formas vivas. Através da linguagem, a humanidade dá sentido ao mundo ao
  seu redor, significando suas experiências e transmitindo suas impressões para a
  posteridade.


                                   atenasregina@yahoo.com.br
• “O Homo sapiens é capaz de comunicar sua
experiência vivida através do discurso significativo.”




                    atenasregina@yahoo.com.br
A TRANSMISSÃO DAS CAPACIDADES E HABILIDADES
 O homem é a única espécie que pensa, capaz de transformar suas
  experiências em um discurso válido e transmiti-lo para outros de sua
  espécie.
 Imagina ações e reações dentro do campo do simbólico, recriando
  sentimentos e emoções mesmo quando não estimulado.
 Sendo o único ser vivo apto à apreender as dimensões temporais, pode
  fazer projeções para o futuro e avaliar o passado.
 O homem estabelece uma relação de conhecimento, avaliação,
  significados e domínio sobre o mundo que o cerca.
 A relação estabelecida com a natureza e a conseqüente transformação do
  mundo natural chamamos de cultura.
 A sociabilidade gerou-se a partir das relações com o meio e das
  representações construídas que provocando modos próprios de vida.

                             atenasregina@yahoo.com.br
• “Uma vez que cada cultura tem suas próprias raízes,
 seus próprios significados e características, todas elas
 são qualitativamente comparáveis. Enquanto culturas,
  todas são igualmente simbólicas, fruto da capacidade
   criadora do homem e adaptadas a uma vida comum
     em determinado espaço e tempo nesse contínuo
  recriar, compartilhar e transmitir a experiência vivida
                      e aprendida.”

                      atenasregina@yahoo.com.br
AS CULTURAS COMO PROCESSO
• O conhecimento surgiu da capacidade humana de pensar o mundo e de atribuir
  significado à realidade.
• Desde a pré-história que o homem supera os obstáculos naturais de forma
  criativa, modificando o meio e buscando explicações sobre si e a natureza que o
  cerca.
• O desenvolvimento da capacidade simbólica e da linguagem diferenciou os
  primeiros grupos humanos que, procuraram estabelecer interpretações em torno
  dos fatos que os envolviam, originando novos conhecimentos.
• Cada novo desafio posto criava-se a possibilidade de uma nova resposta, dando
  origem ao trabalho, ao ritual e a tradição.
• As culturas humanas deram respostas diferentes aos desafios impostos pelo meio
  ambiente, o que foi determinado pela dinâmica cultural comum a cada grupo.

                                 atenasregina@yahoo.com.br
A CIÊNCIA COMO RAMO DO CONHECIMENTO
• Egito antigo: conhecimentos de geometria elaborados a partir do
  controle das águas do rio Nilo. Aplicação deste conhecimento na
  construção das pirâmides e templos. Saberes ligados à crença na vida
  após a morte e retorno do Ka.
• Grécia antiga: o saber como um fim em si próprio, associado à vida
  prática ou à solução de problemas metafísicos. Surgimento da
  filosofia e da ciência. Os gregos abandonaram as explicações míticas
  e a crença na interferência de forças sobrenaturais na vida humana
  para uma compreensão centrada na razão, o que propiciou o chamado
  milagre grego.

                            atenasregina@yahoo.com.br
O MILAGRE GREGO- O ESPÍRITO ESPECULATIVO
• A partir da reflexão filosófica, o aparecimento de vários saberes ou disciplinas:
  geometria, aritmética, astronomia, medicina.
• O uso da razão para alcançar a verdade e o desprezo ao mito e às forças
  sobrenaturais.
• Sistematização e estudo do objeto a partir de uma perspectiva racionalista.
• Desenvolvimento do conhecimento enquanto atividade abstrata, desligada de
  aplicabilidade e de uma finalidade religiosa.
• Surgimento do conceito de ética.
• O homem grego era dotado da intenção pura e simples de pensar e agir sobre o
  meio.
• O pensamento filosófico envolvia uma sistematização de todos os outros campos
  dos saberes, possibilitando ao homem uma nova forma de explicar o mundo e sua
  relação com o mesmo.            atenasregina@yahoo.com.br
O CONHECIMENTO E OS PRIMEIROS FILÓSOFOS
• Indagações principais dos filósofos pré-socráticos:
  Por que as coisas existem?
  O que é o mundo?
  Qual a origem da natureza e quais as causas de sua transformação?
  O que é o Ser?
• Preocupação dos primeiros filósofos com a origem e a ordem do
  mundo: kosmos.
                • Vamos refletir sobre estas questões?



                           atenasregina@yahoo.com.br
A PREOCUPAÇÃO COM O CONHECIMENTO
• Heráclito de Éfeso: considerava a natureza como um fluxo perpétuo.
  “Não podemos banhar-nos duas vezes no mesmo rio, porque as águas nunca são
  as mesmas e nós nunca somos os mesmos”. p. 110.
• Diferença entre o conhecimento obtido pelos nossos sentidos e aquele alcançado
  pelo nosso pensamento.
• Parmênides de Eléia: afirmava que pensar é dizer o que um ser é em sua
  identidade profunda e permanente. Pensar e sentir são diferentes.
• “(...) percebemos mudanças impensáveis e devemos pensar identidades
  imutáveis”. p. 111.
• Demócrito de Abdera: a realidade é constituída por átomos, que sendo diferentes
  em suas formas, combinam-se produzindo a variedade de seres.


                                atenasregina@yahoo.com.br
SÓCRATES E OS SOFISTAS
• Sofistas: “(...) não podemos conhecer o Ser, mas só podemos ter
  opiniões subjetivas sobre a realidade”.
• Para os sofistas, a linguagem é o instrumento principal para o homem
  relacionar-se com a realidade e com os outros homens. A linguagem é
  mais importante do que a percepção e o pensamento.
• Sócrates afirmava que a verdade pode ser conhecida, mas primeiro
  devemos nos afastar das ilusões dos sentidos e das palavras ou das
  opiniões e alcançar a verdade pelo pensamento.



                            atenasregina@yahoo.com.br
PLATÃO
• Introdução na filosofia da ideia que existem várias maneiras de
  conhecer ou graus de conhecimento ( com ausência do verdadeiro ou
  do falso).
• Segundo Platão o conhecimento tem 4 graus: crença, opinião,raciocínio
  e intuição intelectual.
• O mito da caverna.
• Separação radical entre o conhecimento sensível (crença e opinião) e o
  conhecimento intelectual (raciocínio e intuição intelectual). Apenas
  este último alcança o Ser e a verdade. O conhecimento sensível
  alcança as aparências das coisas.
                             atenasregina@yahoo.com.br
ARISTÓTELES
• Distingue sete formas de conhecimento, que vão de um grau menor a
  um grau maior de verdade: sensação, percepção, imaginação,
  memória, linguagem, raciocínio e intuição.
• O conhecimento é formado a partir das informações coletadas nos
  diferentes graus. Defende uma continuidade entre o conhecimento
  sensível e o intelectual.
• O conhecimento da intuição intelectual nos dá acesso ao conhecimento
  pleno da realidade.



                             atenasregina@yahoo.com.br
PRINCÍPIOS GERAIS
• As fontes e formas do conhecimento: sensação, percepção, imaginação, memória,
  linguagem, raciocínio e intuição intelectual.
• Distinção entre o conhecimento sensível e o conhecimento intelectual.
• Papel da linguagem no conhecimento.
• Diferença entre opinião e saber.
• Diferença entre aparência e essência.
• Definição dos princípios do pensamento verdadeiro: identidade, não-contradição,
  terceiro excluído. Da forma: do conhecimento verdadeiro: ideias, conceitos e
  juízos. Dos procedimentos para alcançar o conhecimento verdadeiro: indução,
  dedução, intuição.

                                  atenasregina@yahoo.com.br
• “Para os gregos, a realidade é a Natureza e dela
  fazem parte os humanos e as instituições
  humanas. Por sua participação na Natureza, os
  humanos podem conhecê-la, pois são feitos dos
  mesmos elementos que ela e participam da
  mesma inteligência que a habita e dirige.” p. 113


                    atenasregina@yahoo.com.br
OS FILÓSOFOS MEDIEVAIS: FÉ E SABER
• O problema do conhecimento foi considerado anterior à ontologia e pré-condição
  para a Filosofia e as ciências.
• Idade Média: o cristianismo rompeu com a ideia grega de participação direta e
  harmoniosa entre o nosso intelecto e a verdade, nosso ser e o mundo.
• Os filósofos cristãos fizeram a distinção entre: fé e razão, verdades reveladas e
  verdades racionais, matéria e espírito, corpo e alma. Considerou o erro e a ilusão
  como partes da natureza humana.
• “Os primeiros filósofos cristãos e os medievais afirmaram que podemos conhecer
  a verdade, desde que a razão não contradiga a fé e se submeta a ela no tocante
  às verdades últimas e principais.”p. 114


                                  atenasregina@yahoo.com.br
OS FILÓSOFOS MODERNOS E A TEORIA DO CONHECIMENTO
• Separação entre fé e razão: destinadas a conhecimentos diferentes e
  sem qualquer relação entre si.
• Explicar como a alma-consciência, embora diferente dos corpos, pode
  conhecê-los. Este conhecimento é possível porque a alma os
  representa através das ideias.
• Explicar como a razão e o pensamento podem tornar-se mais fortes
  que a vontade e controlá-la para que evite o erro.
• A filosofia moderna começa pelo exame da capacidade humana de
  conhecer, pelo entendimento ou sujeito do conhecimento.

                             atenasregina@yahoo.com.br
A RAZÃO À SERVIÇO DO INDIVÍDUO E DA SOCIEDADE
• A razão esteve a serviço do homem e da sociedade desde a sociedade clássica
  grega até o Império romano.
• Na Idade Média a razão passou a ser considerada um instrumento auxiliar da fé,
  sendo alguns filósofos clássicos tomados como referência para a cristandade,
  principalmente Platão e Aristóteles.
• Neste período, a fé religiosa passou a condicionar a sociedade, impondo valores e
  exigindo comportamentos específicos.
• O saber estava restrito às ordens religiosas.
• No Renascimento, ocorreu o fenômeno do humanismo, que trouxe o homem para
  o centro das preocupações e produções artísticas e científicas.
• A partir do século XVII, a ciência teve um novo impulso, determinando grandes
  avanços em torno do conhecimento das leis naturais e para a criação de um
  método científico.

                                  atenasregina@yahoo.com.br
ESCOLA DE ATENAS. RAFAEL SANZIO




                  atenasregina@yahoo.com.br
BIBLIOGRAFIA
• CHAUI, Marilena. Convite à filosofia. São Paulo: Ática, 1995.
• COSTA, Cristina. Sociologia: introdução à ciência da sociedade. 3ª ed.
  São Paulo: Moderna, 2006. 415p.




                              atenasregina@yahoo.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Teorias do conhecimento
Teorias do conhecimentoTeorias do conhecimento
Teorias do conhecimento
 
Aula 08 - O Empirismo
Aula 08 - O EmpirismoAula 08 - O Empirismo
Aula 08 - O Empirismo
 
O dualismo cartesiano
O dualismo cartesianoO dualismo cartesiano
O dualismo cartesiano
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
Sócrates
SócratesSócrates
Sócrates
 
Período helenístico
Período helenísticoPeríodo helenístico
Período helenístico
 
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
 
Razão filosofia
Razão   filosofiaRazão   filosofia
Razão filosofia
 
Ceticismo slides
Ceticismo slidesCeticismo slides
Ceticismo slides
 
O que é Filosofia?
O que é Filosofia?O que é Filosofia?
O que é Filosofia?
 
2 teoria do conhecimento
2 teoria do conhecimento 2 teoria do conhecimento
2 teoria do conhecimento
 
Filosofia
Filosofia Filosofia
Filosofia
 
Aula de filosofia
Aula de filosofia Aula de filosofia
Aula de filosofia
 
Aula O nascimento da filosofia 2015
Aula  O nascimento da filosofia 2015Aula  O nascimento da filosofia 2015
Aula O nascimento da filosofia 2015
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
 
Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimento
 
Sócrates
SócratesSócrates
Sócrates
 
O surgimento da filosofia
O surgimento da filosofiaO surgimento da filosofia
O surgimento da filosofia
 
Racionalismo x Empirismo - Filosofia
Racionalismo x Empirismo - FilosofiaRacionalismo x Empirismo - Filosofia
Racionalismo x Empirismo - Filosofia
 
O que é ciência
O que é ciênciaO que é ciência
O que é ciência
 

Destaque

O conhecimento slides
O conhecimento   slidesO conhecimento   slides
O conhecimento slidesUFMS
 
Os Primeiros Filósofos e o Conhecimento - João Luís
Os Primeiros Filósofos e o Conhecimento - João Luís Os Primeiros Filósofos e o Conhecimento - João Luís
Os Primeiros Filósofos e o Conhecimento - João Luís Turma Olímpica
 
Os primeiros filósofos
Os primeiros filósofosOs primeiros filósofos
Os primeiros filósofosdmflores21
 
OS PRIMEIROS FILÓSOFOS
OS PRIMEIROS FILÓSOFOSOS PRIMEIROS FILÓSOFOS
OS PRIMEIROS FILÓSOFOSIsabel Aguiar
 
Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Jorge Barbosa
 
Os Tipos de Conhecimento
Os Tipos de ConhecimentoOs Tipos de Conhecimento
Os Tipos de ConhecimentoJonathan Nascyn
 
A teoria do conhecimento
A teoria do conhecimentoA teoria do conhecimento
A teoria do conhecimentoPaulo Gama
 
01 o conhecimento
01 o conhecimento01 o conhecimento
01 o conhecimentoJoao Balbi
 
Os pré socráticos
Os pré socráticosOs pré socráticos
Os pré socráticosMarina Leite
 
Pré socráticos
Pré socráticosPré socráticos
Pré socráticosrafaforte
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - DescartesTeorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - DescartesJorge Barbosa
 
Aulas de filosofia platão
Aulas de filosofia platãoAulas de filosofia platão
Aulas de filosofia platãoPéricles Penuel
 
Introdução à Cosmologia
Introdução à CosmologiaIntrodução à Cosmologia
Introdução à CosmologiaDavi Oliveira
 

Destaque (20)

O conhecimento slides
O conhecimento   slidesO conhecimento   slides
O conhecimento slides
 
Os Primeiros Filósofos e o Conhecimento - João Luís
Os Primeiros Filósofos e o Conhecimento - João Luís Os Primeiros Filósofos e o Conhecimento - João Luís
Os Primeiros Filósofos e o Conhecimento - João Luís
 
Os primeiros filósofos
Os primeiros filósofosOs primeiros filósofos
Os primeiros filósofos
 
OS PRIMEIROS FILÓSOFOS
OS PRIMEIROS FILÓSOFOSOS PRIMEIROS FILÓSOFOS
OS PRIMEIROS FILÓSOFOS
 
Teoria Do Conhecimento
Teoria Do ConhecimentoTeoria Do Conhecimento
Teoria Do Conhecimento
 
Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1
 
Os Tipos de Conhecimento
Os Tipos de ConhecimentoOs Tipos de Conhecimento
Os Tipos de Conhecimento
 
Filosofia 7º ano o conhecimento
Filosofia 7º ano o conhecimentoFilosofia 7º ano o conhecimento
Filosofia 7º ano o conhecimento
 
A teoria do conhecimento
A teoria do conhecimentoA teoria do conhecimento
A teoria do conhecimento
 
01 o conhecimento
01 o conhecimento01 o conhecimento
01 o conhecimento
 
Os pré socráticos
Os pré socráticosOs pré socráticos
Os pré socráticos
 
Os pré-socráticos
Os pré-socráticosOs pré-socráticos
Os pré-socráticos
 
Pré socráticos
Pré socráticosPré socráticos
Pré socráticos
 
Pré socráticos
Pré socráticosPré socráticos
Pré socráticos
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - DescartesTeorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
 
Origem Da Filosofia
Origem Da FilosofiaOrigem Da Filosofia
Origem Da Filosofia
 
Tipos de conhecimento
Tipos de conhecimentoTipos de conhecimento
Tipos de conhecimento
 
Aulas de filosofia platão
Aulas de filosofia platãoAulas de filosofia platão
Aulas de filosofia platão
 
Senso comum x conhecimento científico
Senso comum x conhecimento científicoSenso comum x conhecimento científico
Senso comum x conhecimento científico
 
Introdução à Cosmologia
Introdução à CosmologiaIntrodução à Cosmologia
Introdução à Cosmologia
 

Semelhante a O conhecimento

Apostila básica filosofia
Apostila básica   filosofiaApostila básica   filosofia
Apostila básica filosofiaaloirmd
 
Texto: Pensar e conhecer
Texto: Pensar e conhecerTexto: Pensar e conhecer
Texto: Pensar e conhecerMary Alvarenga
 
Seminarios Avancados em Artes Visuais
Seminarios Avancados em Artes VisuaisSeminarios Avancados em Artes Visuais
Seminarios Avancados em Artes VisuaisEduardo Becker Jr.
 
Apresentacao de antropologia psicologia
Apresentacao de antropologia psicologia  Apresentacao de antropologia psicologia
Apresentacao de antropologia psicologia faculdade11
 
Evolucao historica da reflexao humana
Evolucao historica da reflexao humanaEvolucao historica da reflexao humana
Evolucao historica da reflexao humanaAniel Soares
 
Evolucao historica da reflexao humana
Evolucao historica da reflexao humanaEvolucao historica da reflexao humana
Evolucao historica da reflexao humanaAniel Soares
 
Fundamentos das Ciências Sociais
Fundamentos das Ciências SociaisFundamentos das Ciências Sociais
Fundamentos das Ciências SociaisMaria Clara Silva
 
Introdução a filosofia os diversos tipos de conhecimento
Introdução a filosofia os diversos tipos de conhecimentoIntrodução a filosofia os diversos tipos de conhecimento
Introdução a filosofia os diversos tipos de conhecimentofilo2013
 
Passagem do pensamento mítico ao filosófico
Passagem do pensamento mítico ao filosóficoPassagem do pensamento mítico ao filosófico
Passagem do pensamento mítico ao filosóficoRafael Oliveira
 
A evolução da reflexão humana.
A evolução da reflexão humana.A evolução da reflexão humana.
A evolução da reflexão humana.PatriciaKarla
 
Evolução da reflexão sobre a condição humana
Evolução da reflexão sobre a condição humanaEvolução da reflexão sobre a condição humana
Evolução da reflexão sobre a condição humanaLAISE RUAMA
 
Sociologia introdução cap0
Sociologia introdução cap0Sociologia introdução cap0
Sociologia introdução cap0Colegio GGE
 
Atividade 2 capítulos 1 e 2 filosofia e ética na ci atualizada
Atividade 2  capítulos 1 e 2  filosofia e ética  na ci   atualizadaAtividade 2  capítulos 1 e 2  filosofia e ética  na ci   atualizada
Atividade 2 capítulos 1 e 2 filosofia e ética na ci atualizadaRita Gonçalves
 
Importancia da cultura
Importancia da culturaImportancia da cultura
Importancia da culturaRicardo Lima
 
Unidade 2 [01] correntes ou concepções filosóficas
Unidade 2 [01]   correntes ou concepções filosóficasUnidade 2 [01]   correntes ou concepções filosóficas
Unidade 2 [01] correntes ou concepções filosóficasLucilaine Ignacio da Silva
 
Psicologia da aprendizagem 1
Psicologia da aprendizagem 1Psicologia da aprendizagem 1
Psicologia da aprendizagem 1Israel serique
 

Semelhante a O conhecimento (20)

Apostila básica filosofia
Apostila básica   filosofiaApostila básica   filosofia
Apostila básica filosofia
 
Texto: Pensar e conhecer
Texto: Pensar e conhecerTexto: Pensar e conhecer
Texto: Pensar e conhecer
 
Seminarios Avancados em Artes Visuais
Seminarios Avancados em Artes VisuaisSeminarios Avancados em Artes Visuais
Seminarios Avancados em Artes Visuais
 
2º anos (Filosofia) Consciência
2º anos (Filosofia) Consciência2º anos (Filosofia) Consciência
2º anos (Filosofia) Consciência
 
Apresentacao de antropologia psicologia
Apresentacao de antropologia psicologia  Apresentacao de antropologia psicologia
Apresentacao de antropologia psicologia
 
Evolucao historica da reflexao humana
Evolucao historica da reflexao humanaEvolucao historica da reflexao humana
Evolucao historica da reflexao humana
 
Evolucao historica da reflexao humana
Evolucao historica da reflexao humanaEvolucao historica da reflexao humana
Evolucao historica da reflexao humana
 
Fundamentos das Ciências Sociais
Fundamentos das Ciências SociaisFundamentos das Ciências Sociais
Fundamentos das Ciências Sociais
 
Introdução a filosofia os diversos tipos de conhecimento
Introdução a filosofia os diversos tipos de conhecimentoIntrodução a filosofia os diversos tipos de conhecimento
Introdução a filosofia os diversos tipos de conhecimento
 
Passagem do pensamento mítico ao filosófico
Passagem do pensamento mítico ao filosóficoPassagem do pensamento mítico ao filosófico
Passagem do pensamento mítico ao filosófico
 
A evolução da reflexão humana.
A evolução da reflexão humana.A evolução da reflexão humana.
A evolução da reflexão humana.
 
Evolução da reflexão sobre a condição humana
Evolução da reflexão sobre a condição humanaEvolução da reflexão sobre a condição humana
Evolução da reflexão sobre a condição humana
 
Sociologia introdução cap0
Sociologia introdução cap0Sociologia introdução cap0
Sociologia introdução cap0
 
A filosofia
A filosofiaA filosofia
A filosofia
 
Atividade 2 capítulos 1 e 2 filosofia e ética na ci atualizada
Atividade 2  capítulos 1 e 2  filosofia e ética  na ci   atualizadaAtividade 2  capítulos 1 e 2  filosofia e ética  na ci   atualizada
Atividade 2 capítulos 1 e 2 filosofia e ética na ci atualizada
 
Filosofia Socrática
Filosofia SocráticaFilosofia Socrática
Filosofia Socrática
 
Epistemologia
Epistemologia Epistemologia
Epistemologia
 
Importancia da cultura
Importancia da culturaImportancia da cultura
Importancia da cultura
 
Unidade 2 [01] correntes ou concepções filosóficas
Unidade 2 [01]   correntes ou concepções filosóficasUnidade 2 [01]   correntes ou concepções filosóficas
Unidade 2 [01] correntes ou concepções filosóficas
 
Psicologia da aprendizagem 1
Psicologia da aprendizagem 1Psicologia da aprendizagem 1
Psicologia da aprendizagem 1
 

Mais de Andreia Regina Moura Mendes

Aula O ofício do cientista social- relato de uma pesquisa
Aula O ofício do cientista social- relato de uma pesquisaAula O ofício do cientista social- relato de uma pesquisa
Aula O ofício do cientista social- relato de uma pesquisaAndreia Regina Moura Mendes
 
Módulo do curso de didática: A A função social da ensino
Módulo do curso de didática: A A função social da ensinoMódulo do curso de didática: A A função social da ensino
Módulo do curso de didática: A A função social da ensinoAndreia Regina Moura Mendes
 
Aula Os sete saberes necessários à educação do futuro
Aula Os sete saberes necessários à educação do futuroAula Os sete saberes necessários à educação do futuro
Aula Os sete saberes necessários à educação do futuroAndreia Regina Moura Mendes
 
Cibercultura a sociedade em rede e as mídias interativas
Cibercultura a sociedade em rede e as mídias interativasCibercultura a sociedade em rede e as mídias interativas
Cibercultura a sociedade em rede e as mídias interativasAndreia Regina Moura Mendes
 
Avaliação e o trabalho com as TIC's: as novas competências do professor na ci...
Avaliação e o trabalho com as TIC's: as novas competências do professor na ci...Avaliação e o trabalho com as TIC's: as novas competências do professor na ci...
Avaliação e o trabalho com as TIC's: as novas competências do professor na ci...Andreia Regina Moura Mendes
 

Mais de Andreia Regina Moura Mendes (20)

Os deuses gregos e a origem dos mitos
 Os deuses gregos e a origem dos mitos Os deuses gregos e a origem dos mitos
Os deuses gregos e a origem dos mitos
 
Aula O ofício do cientista social- relato de uma pesquisa
Aula O ofício do cientista social- relato de uma pesquisaAula O ofício do cientista social- relato de uma pesquisa
Aula O ofício do cientista social- relato de uma pesquisa
 
Módulo do curso de didática: A A função social da ensino
Módulo do curso de didática: A A função social da ensinoMódulo do curso de didática: A A função social da ensino
Módulo do curso de didática: A A função social da ensino
 
Aula Os sete saberes necessários à educação do futuro
Aula Os sete saberes necessários à educação do futuroAula Os sete saberes necessários à educação do futuro
Aula Os sete saberes necessários à educação do futuro
 
Palestra Competências para a cibercultura
Palestra Competências para a ciberculturaPalestra Competências para a cibercultura
Palestra Competências para a cibercultura
 
Aula Sociologia da educação
Aula Sociologia da educaçãoAula Sociologia da educação
Aula Sociologia da educação
 
Aula A origem da filosofia
Aula  A origem da filosofia Aula  A origem da filosofia
Aula A origem da filosofia
 
Aula Para que serve a filosofia?
Aula  Para que serve a filosofia?Aula  Para que serve a filosofia?
Aula Para que serve a filosofia?
 
Cultura um conceito antropológico
Cultura  um conceito antropológicoCultura  um conceito antropológico
Cultura um conceito antropológico
 
Diferentes modos de se viver a paixão
Diferentes modos de se viver a paixãoDiferentes modos de se viver a paixão
Diferentes modos de se viver a paixão
 
Malhação do Judas: rito e identidade
Malhação do Judas: rito e identidadeMalhação do Judas: rito e identidade
Malhação do Judas: rito e identidade
 
Cibercultura a sociedade em rede e as mídias interativas
Cibercultura a sociedade em rede e as mídias interativasCibercultura a sociedade em rede e as mídias interativas
Cibercultura a sociedade em rede e as mídias interativas
 
O que é pós moderno
O que é pós modernoO que é pós moderno
O que é pós moderno
 
Ciência com consciência
Ciência com consciênciaCiência com consciência
Ciência com consciência
 
Faces da história
Faces da históriaFaces da história
Faces da história
 
O que é etnocentrismo
O que é etnocentrismoO que é etnocentrismo
O que é etnocentrismo
 
Democracia
DemocraciaDemocracia
Democracia
 
Aprender antropologia
Aprender antropologiaAprender antropologia
Aprender antropologia
 
Avaliação e o trabalho com as TIC's: as novas competências do professor na ci...
Avaliação e o trabalho com as TIC's: as novas competências do professor na ci...Avaliação e o trabalho com as TIC's: as novas competências do professor na ci...
Avaliação e o trabalho com as TIC's: as novas competências do professor na ci...
 
Cibercultura e educação
Cibercultura e educação Cibercultura e educação
Cibercultura e educação
 

O conhecimento

  • 3. O CONHECIMENTO COMO CARACTERÍSTICA DA HUMANIDADE  As várias espécies animais apresentam padrões de comportamento que ordenam sua vida comunitária a partir da herança genética ou instintiva de cada espécie.  O homem também desenvolveu processos de convivência e estratégias de sobrevivência, apresentando atividades “instintivas” ao mesmo tempo que demonstra habilidades fruto do aprendizado.  Nem todo o comportamento humano se desenvolve automaticamente. As crianças dependem dos adultos e da aprendizagem para formar-se enquanto humanos, adquirindo determinados comportamentos.  Nos demais animais, as características genéticas predominam. Nos homens é necessário um longo aprendizado transmitido pelas gerações anteriores para que o mesmo possa sobreviver e criar.  A possibilidade de criação de sistemas simbólicos, deu ao homem a supremacia sobre as demais formas vivas. Através da linguagem, a humanidade dá sentido ao mundo ao seu redor, significando suas experiências e transmitindo suas impressões para a posteridade. atenasregina@yahoo.com.br
  • 4. • “O Homo sapiens é capaz de comunicar sua experiência vivida através do discurso significativo.” atenasregina@yahoo.com.br
  • 5. A TRANSMISSÃO DAS CAPACIDADES E HABILIDADES  O homem é a única espécie que pensa, capaz de transformar suas experiências em um discurso válido e transmiti-lo para outros de sua espécie.  Imagina ações e reações dentro do campo do simbólico, recriando sentimentos e emoções mesmo quando não estimulado.  Sendo o único ser vivo apto à apreender as dimensões temporais, pode fazer projeções para o futuro e avaliar o passado.  O homem estabelece uma relação de conhecimento, avaliação, significados e domínio sobre o mundo que o cerca.  A relação estabelecida com a natureza e a conseqüente transformação do mundo natural chamamos de cultura.  A sociabilidade gerou-se a partir das relações com o meio e das representações construídas que provocando modos próprios de vida. atenasregina@yahoo.com.br
  • 6. • “Uma vez que cada cultura tem suas próprias raízes, seus próprios significados e características, todas elas são qualitativamente comparáveis. Enquanto culturas, todas são igualmente simbólicas, fruto da capacidade criadora do homem e adaptadas a uma vida comum em determinado espaço e tempo nesse contínuo recriar, compartilhar e transmitir a experiência vivida e aprendida.” atenasregina@yahoo.com.br
  • 7. AS CULTURAS COMO PROCESSO • O conhecimento surgiu da capacidade humana de pensar o mundo e de atribuir significado à realidade. • Desde a pré-história que o homem supera os obstáculos naturais de forma criativa, modificando o meio e buscando explicações sobre si e a natureza que o cerca. • O desenvolvimento da capacidade simbólica e da linguagem diferenciou os primeiros grupos humanos que, procuraram estabelecer interpretações em torno dos fatos que os envolviam, originando novos conhecimentos. • Cada novo desafio posto criava-se a possibilidade de uma nova resposta, dando origem ao trabalho, ao ritual e a tradição. • As culturas humanas deram respostas diferentes aos desafios impostos pelo meio ambiente, o que foi determinado pela dinâmica cultural comum a cada grupo. atenasregina@yahoo.com.br
  • 8. A CIÊNCIA COMO RAMO DO CONHECIMENTO • Egito antigo: conhecimentos de geometria elaborados a partir do controle das águas do rio Nilo. Aplicação deste conhecimento na construção das pirâmides e templos. Saberes ligados à crença na vida após a morte e retorno do Ka. • Grécia antiga: o saber como um fim em si próprio, associado à vida prática ou à solução de problemas metafísicos. Surgimento da filosofia e da ciência. Os gregos abandonaram as explicações míticas e a crença na interferência de forças sobrenaturais na vida humana para uma compreensão centrada na razão, o que propiciou o chamado milagre grego. atenasregina@yahoo.com.br
  • 9. O MILAGRE GREGO- O ESPÍRITO ESPECULATIVO • A partir da reflexão filosófica, o aparecimento de vários saberes ou disciplinas: geometria, aritmética, astronomia, medicina. • O uso da razão para alcançar a verdade e o desprezo ao mito e às forças sobrenaturais. • Sistematização e estudo do objeto a partir de uma perspectiva racionalista. • Desenvolvimento do conhecimento enquanto atividade abstrata, desligada de aplicabilidade e de uma finalidade religiosa. • Surgimento do conceito de ética. • O homem grego era dotado da intenção pura e simples de pensar e agir sobre o meio. • O pensamento filosófico envolvia uma sistematização de todos os outros campos dos saberes, possibilitando ao homem uma nova forma de explicar o mundo e sua relação com o mesmo. atenasregina@yahoo.com.br
  • 10. O CONHECIMENTO E OS PRIMEIROS FILÓSOFOS • Indagações principais dos filósofos pré-socráticos: Por que as coisas existem? O que é o mundo? Qual a origem da natureza e quais as causas de sua transformação? O que é o Ser? • Preocupação dos primeiros filósofos com a origem e a ordem do mundo: kosmos. • Vamos refletir sobre estas questões? atenasregina@yahoo.com.br
  • 11. A PREOCUPAÇÃO COM O CONHECIMENTO • Heráclito de Éfeso: considerava a natureza como um fluxo perpétuo. “Não podemos banhar-nos duas vezes no mesmo rio, porque as águas nunca são as mesmas e nós nunca somos os mesmos”. p. 110. • Diferença entre o conhecimento obtido pelos nossos sentidos e aquele alcançado pelo nosso pensamento. • Parmênides de Eléia: afirmava que pensar é dizer o que um ser é em sua identidade profunda e permanente. Pensar e sentir são diferentes. • “(...) percebemos mudanças impensáveis e devemos pensar identidades imutáveis”. p. 111. • Demócrito de Abdera: a realidade é constituída por átomos, que sendo diferentes em suas formas, combinam-se produzindo a variedade de seres. atenasregina@yahoo.com.br
  • 12. SÓCRATES E OS SOFISTAS • Sofistas: “(...) não podemos conhecer o Ser, mas só podemos ter opiniões subjetivas sobre a realidade”. • Para os sofistas, a linguagem é o instrumento principal para o homem relacionar-se com a realidade e com os outros homens. A linguagem é mais importante do que a percepção e o pensamento. • Sócrates afirmava que a verdade pode ser conhecida, mas primeiro devemos nos afastar das ilusões dos sentidos e das palavras ou das opiniões e alcançar a verdade pelo pensamento. atenasregina@yahoo.com.br
  • 13. PLATÃO • Introdução na filosofia da ideia que existem várias maneiras de conhecer ou graus de conhecimento ( com ausência do verdadeiro ou do falso). • Segundo Platão o conhecimento tem 4 graus: crença, opinião,raciocínio e intuição intelectual. • O mito da caverna. • Separação radical entre o conhecimento sensível (crença e opinião) e o conhecimento intelectual (raciocínio e intuição intelectual). Apenas este último alcança o Ser e a verdade. O conhecimento sensível alcança as aparências das coisas. atenasregina@yahoo.com.br
  • 14. ARISTÓTELES • Distingue sete formas de conhecimento, que vão de um grau menor a um grau maior de verdade: sensação, percepção, imaginação, memória, linguagem, raciocínio e intuição. • O conhecimento é formado a partir das informações coletadas nos diferentes graus. Defende uma continuidade entre o conhecimento sensível e o intelectual. • O conhecimento da intuição intelectual nos dá acesso ao conhecimento pleno da realidade. atenasregina@yahoo.com.br
  • 15. PRINCÍPIOS GERAIS • As fontes e formas do conhecimento: sensação, percepção, imaginação, memória, linguagem, raciocínio e intuição intelectual. • Distinção entre o conhecimento sensível e o conhecimento intelectual. • Papel da linguagem no conhecimento. • Diferença entre opinião e saber. • Diferença entre aparência e essência. • Definição dos princípios do pensamento verdadeiro: identidade, não-contradição, terceiro excluído. Da forma: do conhecimento verdadeiro: ideias, conceitos e juízos. Dos procedimentos para alcançar o conhecimento verdadeiro: indução, dedução, intuição. atenasregina@yahoo.com.br
  • 16. • “Para os gregos, a realidade é a Natureza e dela fazem parte os humanos e as instituições humanas. Por sua participação na Natureza, os humanos podem conhecê-la, pois são feitos dos mesmos elementos que ela e participam da mesma inteligência que a habita e dirige.” p. 113 atenasregina@yahoo.com.br
  • 17. OS FILÓSOFOS MEDIEVAIS: FÉ E SABER • O problema do conhecimento foi considerado anterior à ontologia e pré-condição para a Filosofia e as ciências. • Idade Média: o cristianismo rompeu com a ideia grega de participação direta e harmoniosa entre o nosso intelecto e a verdade, nosso ser e o mundo. • Os filósofos cristãos fizeram a distinção entre: fé e razão, verdades reveladas e verdades racionais, matéria e espírito, corpo e alma. Considerou o erro e a ilusão como partes da natureza humana. • “Os primeiros filósofos cristãos e os medievais afirmaram que podemos conhecer a verdade, desde que a razão não contradiga a fé e se submeta a ela no tocante às verdades últimas e principais.”p. 114 atenasregina@yahoo.com.br
  • 18. OS FILÓSOFOS MODERNOS E A TEORIA DO CONHECIMENTO • Separação entre fé e razão: destinadas a conhecimentos diferentes e sem qualquer relação entre si. • Explicar como a alma-consciência, embora diferente dos corpos, pode conhecê-los. Este conhecimento é possível porque a alma os representa através das ideias. • Explicar como a razão e o pensamento podem tornar-se mais fortes que a vontade e controlá-la para que evite o erro. • A filosofia moderna começa pelo exame da capacidade humana de conhecer, pelo entendimento ou sujeito do conhecimento. atenasregina@yahoo.com.br
  • 19. A RAZÃO À SERVIÇO DO INDIVÍDUO E DA SOCIEDADE • A razão esteve a serviço do homem e da sociedade desde a sociedade clássica grega até o Império romano. • Na Idade Média a razão passou a ser considerada um instrumento auxiliar da fé, sendo alguns filósofos clássicos tomados como referência para a cristandade, principalmente Platão e Aristóteles. • Neste período, a fé religiosa passou a condicionar a sociedade, impondo valores e exigindo comportamentos específicos. • O saber estava restrito às ordens religiosas. • No Renascimento, ocorreu o fenômeno do humanismo, que trouxe o homem para o centro das preocupações e produções artísticas e científicas. • A partir do século XVII, a ciência teve um novo impulso, determinando grandes avanços em torno do conhecimento das leis naturais e para a criação de um método científico. atenasregina@yahoo.com.br
  • 20. ESCOLA DE ATENAS. RAFAEL SANZIO atenasregina@yahoo.com.br
  • 21. BIBLIOGRAFIA • CHAUI, Marilena. Convite à filosofia. São Paulo: Ática, 1995. • COSTA, Cristina. Sociologia: introdução à ciência da sociedade. 3ª ed. São Paulo: Moderna, 2006. 415p. atenasregina@yahoo.com.br