SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 35
Preparação, Acondicionamento e Controle dos Meios de Cultura
Exigências Inerentes pH – apropriado e não ácido Temperatura – antes = frio Pressão Osmótica Grau de Umidade Tensão de Oxigênio – aeróbias, anaeróbias, facultativas e microaerófilas
Exigências Nutritivas  Fonte de Carbono Fonte de Nitrogênio Fonte de Energia Fonte de Sais Minerais Vitaminas e Aminoácidos
Preparo do Meio Sólido – em placa Tubo – (1)horizontal e (2) inclinado  1 2
Classificação dos Meios de Cultura Quanto à Consistência ,[object Object]
Semi-Sólido: Presença de nutrientes e Ágar em [ ] menor que 15g/1000ml;
Sólido: Presença de nutrientes e Ágar em [ ] maior que15g/1000ml.,[object Object]
Seletivos: É aquele que inibe o crescimento de microrganismos, porém permitem o crescimento de outros;,[object Object]
Manutenção: Permite a viabilidade e manutenção de características fisiológicas de um microrganismo.,[object Object]
Semi-Sólido:(SIM -Sulfeto IdolMotilidade)
Sólido: (MSA - Manitol SaltÁgar, AS – Ágar Sangue)Quanto à Função ,[object Object]
Seletivos :(MSA, MC – MacConkey)
Diferenciador: (MC, AS)
Manutenção: (NA- Nutriente Ágar),[object Object]
Peptona
Dextrose
Cloreto e Fosfato de Sódio
Água destilada MC-MacConkey – meio seletivo e sólido em placa ,[object Object]
Peptona
Lactose
Cloreto de Sódio
Ágar
Vermelho Neutro
Cristal Violeta
Água destilada NA– meio de manutenção e sólido em tubo ,[object Object]
Extrato de Carne
Ágar
Água destilada,[object Object]
   		Controle e Armazenamento                      		 Autoclavagem – 121 C por 30 min 		Refrigeração –            contínua
Armazenamento dos Meios Inicialmente devem ser guardados na geladeira dentro de plásticos para evitar a desidratação; Os tubos isolados com rolhas e alumínio na geladeira; Após a inoculação deve ser incubado em estufa a temperatura ambiente; Identificação do conteúdo, data de preparação e vencimento.
Controle de Qualidade  Uma amostra do lote deve ser inoculada e observada para testar  viabilidade dos nutrientes e certeza de resultados. Ex: Estreptococos grupo A em ágar sangue – observar bom crescimento e beta-hemólise.
Crescimento Bacteriano Crescimento Fase Estacionária LOG Declínio LAG Tempo Lag = Latência    Log = Exponencial    Estacionária = Stop     Declínio = Decaímento por competição
Crescimento Bacteriano   Depende de: Exigências Nutritivas Exigências Inerentes
Inoculação
Inoculação Placa   Estriagem   Esgotamento ,[object Object],    - Líquido - Semear 	- Horizontal – picagem 		      profunda (2/3) 	- Inclinado - estriagem

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificaçãoMicrobiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificaçãoJoão Marcos
 
Crescimento bacteriano
Crescimento bacterianoCrescimento bacteriano
Crescimento bacterianoGildo Crispim
 
Aula sobre resistência microbiana
Aula sobre resistência microbianaAula sobre resistência microbiana
Aula sobre resistência microbianaProqualis
 
Identificação convencional de fungos filamentosos1
Identificação convencional de fungos filamentosos1Identificação convencional de fungos filamentosos1
Identificação convencional de fungos filamentosos1Marcos Alan
 
DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA
DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA
DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA Danillo Rodrigues
 
Meios de cultura e Técnicas de semeio- MICROBIOLOGIA
Meios de cultura e Técnicas de semeio- MICROBIOLOGIAMeios de cultura e Técnicas de semeio- MICROBIOLOGIA
Meios de cultura e Técnicas de semeio- MICROBIOLOGIAHemilly Rayanne
 
Meios De Cultura E ColoraçãO
Meios De Cultura E ColoraçãOMeios De Cultura E ColoraçãO
Meios De Cultura E ColoraçãOlidypvh
 
Aula introdução unoesc
Aula introdução unoescAula introdução unoesc
Aula introdução unoescFabiana Soares
 
Leishmaniose visceral
Leishmaniose visceralLeishmaniose visceral
Leishmaniose visceralHIAGO SANTOS
 
Coleta, transporte e conservação de amostras em
Coleta, transporte e conservação de amostras emColeta, transporte e conservação de amostras em
Coleta, transporte e conservação de amostras emClaysson Xavier
 
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Aula 01   Introdução a MicrobiologiaAula 01   Introdução a Microbiologia
Aula 01 Introdução a MicrobiologiaTiago da Silva
 
Interpretao de-exames-laboratoriais
Interpretao de-exames-laboratoriaisInterpretao de-exames-laboratoriais
Interpretao de-exames-laboratoriaisLevi Lopes
 

Mais procurados (20)

Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificaçãoMicrobiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação
 
Crescimento bacteriano
Crescimento bacterianoCrescimento bacteriano
Crescimento bacteriano
 
Aula sobre resistência microbiana
Aula sobre resistência microbianaAula sobre resistência microbiana
Aula sobre resistência microbiana
 
Método de Willis
Método de WillisMétodo de Willis
Método de Willis
 
Aula 2
Aula 2   Aula 2
Aula 2
 
Identificação convencional de fungos filamentosos1
Identificação convencional de fungos filamentosos1Identificação convencional de fungos filamentosos1
Identificação convencional de fungos filamentosos1
 
Método de Faust
Método de FaustMétodo de Faust
Método de Faust
 
DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA
DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA
DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA
 
Meios de cultura e Técnicas de semeio- MICROBIOLOGIA
Meios de cultura e Técnicas de semeio- MICROBIOLOGIAMeios de cultura e Técnicas de semeio- MICROBIOLOGIA
Meios de cultura e Técnicas de semeio- MICROBIOLOGIA
 
Aula 1 - M
Aula 1 - MAula 1 - M
Aula 1 - M
 
Meios De Cultura E ColoraçãO
Meios De Cultura E ColoraçãOMeios De Cultura E ColoraçãO
Meios De Cultura E ColoraçãO
 
Aula introdução unoesc
Aula introdução unoescAula introdução unoesc
Aula introdução unoesc
 
Princípios do diagnóstico microbiológico
Princípios do diagnóstico microbiológicoPrincípios do diagnóstico microbiológico
Princípios do diagnóstico microbiológico
 
Leishmaniose visceral
Leishmaniose visceralLeishmaniose visceral
Leishmaniose visceral
 
Coleta, transporte e conservação de amostras em
Coleta, transporte e conservação de amostras emColeta, transporte e conservação de amostras em
Coleta, transporte e conservação de amostras em
 
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Aula 01   Introdução a MicrobiologiaAula 01   Introdução a Microbiologia
Aula 01 Introdução a Microbiologia
 
Aula de microbiologia ppt
Aula de microbiologia   pptAula de microbiologia   ppt
Aula de microbiologia ppt
 
Aula 12 virus
Aula   12 virusAula   12 virus
Aula 12 virus
 
Aula sistema imunologico
Aula sistema imunologicoAula sistema imunologico
Aula sistema imunologico
 
Interpretao de-exames-laboratoriais
Interpretao de-exames-laboratoriaisInterpretao de-exames-laboratoriais
Interpretao de-exames-laboratoriais
 

Destaque (20)

Contagem de Lactobacillus na saliva
Contagem de Lactobacillus na salivaContagem de Lactobacillus na saliva
Contagem de Lactobacillus na saliva
 
Aulas práticas microbiologia
Aulas práticas microbiologiaAulas práticas microbiologia
Aulas práticas microbiologia
 
A Saliva Cariologia
A Saliva CariologiaA Saliva Cariologia
A Saliva Cariologia
 
Diluição Simples e Seriada
Diluição Simples e Seriada Diluição Simples e Seriada
Diluição Simples e Seriada
 
Fundamentos de diluição
Fundamentos de diluiçãoFundamentos de diluição
Fundamentos de diluição
 
Aulasprticasmicrobiologia adaptado
Aulasprticasmicrobiologia   adaptadoAulasprticasmicrobiologia   adaptado
Aulasprticasmicrobiologia adaptado
 
Apostila pratica farm-odonto
Apostila pratica farm-odontoApostila pratica farm-odonto
Apostila pratica farm-odonto
 
Teste de coombs direto
Teste de coombs diretoTeste de coombs direto
Teste de coombs direto
 
Metodos compuestos de coloracion
Metodos compuestos de coloracionMetodos compuestos de coloracion
Metodos compuestos de coloracion
 
Diluição
DiluiçãoDiluição
Diluição
 
Halitose
HalitoseHalitose
Halitose
 
Microbiologia aplicada aula08 fisiologia
Microbiologia aplicada aula08 fisiologiaMicrobiologia aplicada aula08 fisiologia
Microbiologia aplicada aula08 fisiologia
 
Teste de coombs
Teste de coombsTeste de coombs
Teste de coombs
 
Conceitos Basicos de Microgiologia
Conceitos Basicos de MicrogiologiaConceitos Basicos de Microgiologia
Conceitos Basicos de Microgiologia
 
Aula saliva 2012
Aula saliva 2012Aula saliva 2012
Aula saliva 2012
 
Conceitos Básicos Em Microbiologia
Conceitos Básicos Em MicrobiologiaConceitos Básicos Em Microbiologia
Conceitos Básicos Em Microbiologia
 
Inflamação
InflamaçãoInflamação
Inflamação
 
Sistema abo e fator rh
Sistema abo e fator rhSistema abo e fator rh
Sistema abo e fator rh
 
Apostila de imunologia
Apostila de imunologiaApostila de imunologia
Apostila de imunologia
 
Secreção salivar
Secreção salivar   Secreção salivar
Secreção salivar
 

Semelhante a Aula 3 - M

AULA 5. EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS E CONDIÇÕES FÍSICAS PARA O CULTIVO.pptx
AULA 5. EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS E CONDIÇÕES FÍSICAS PARA O CULTIVO.pptxAULA 5. EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS E CONDIÇÕES FÍSICAS PARA O CULTIVO.pptx
AULA 5. EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS E CONDIÇÕES FÍSICAS PARA O CULTIVO.pptxKairaEmanuellaSDaSil
 
Apresentação pós colheita
Apresentação pós colheitaApresentação pós colheita
Apresentação pós colheitaÍtalo Arrais
 
Microbiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos net
Microbiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos netMicrobiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos net
Microbiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos netAna Paula Alves
 
Meios de cultura
Meios de culturaMeios de cultura
Meios de culturaCam J
 
Resumo de micro clinica 2
Resumo de micro clinica 2Resumo de micro clinica 2
Resumo de micro clinica 2Tamara Garcia
 
Aula5 crescimentomicrobiano-140505201033-phpapp01
Aula5 crescimentomicrobiano-140505201033-phpapp01Aula5 crescimentomicrobiano-140505201033-phpapp01
Aula5 crescimentomicrobiano-140505201033-phpapp01Juliana Rose
 
Aula Morfologia e Citologia dos Fungos.pptx
Aula Morfologia e Citologia dos Fungos.pptxAula Morfologia e Citologia dos Fungos.pptx
Aula Morfologia e Citologia dos Fungos.pptxJoaraSilva1
 
Caracterização da qualidade do sorvete de umbú (spondias tuberosa, l)
Caracterização da qualidade do sorvete de umbú (spondias tuberosa, l)Caracterização da qualidade do sorvete de umbú (spondias tuberosa, l)
Caracterização da qualidade do sorvete de umbú (spondias tuberosa, l)Weysser Felipe
 
Culturas e isolamento de bacterias meios
Culturas e isolamento de bacterias meiosCulturas e isolamento de bacterias meios
Culturas e isolamento de bacterias meiosJosBarros59
 
Capacitação preparadores 2º semestre 2011
Capacitação preparadores 2º semestre 2011Capacitação preparadores 2º semestre 2011
Capacitação preparadores 2º semestre 2011sitedcoeste
 
Factores Q Afectam Crescimento Micro
Factores Q Afectam Crescimento MicroFactores Q Afectam Crescimento Micro
Factores Q Afectam Crescimento Microllillianna
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO    ALUNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO    ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdfHELLEN CRISTINA
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO D O ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO D   O ALUNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIRO D   O ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO D O ALUNO.pdfHELLEN CRISTINA
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO    ALUNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO    ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdfHELLEN CRISTINA
 

Semelhante a Aula 3 - M (20)

AULA 5. EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS E CONDIÇÕES FÍSICAS PARA O CULTIVO.pptx
AULA 5. EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS E CONDIÇÕES FÍSICAS PARA O CULTIVO.pptxAULA 5. EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS E CONDIÇÕES FÍSICAS PARA O CULTIVO.pptx
AULA 5. EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS E CONDIÇÕES FÍSICAS PARA O CULTIVO.pptx
 
Microbiologia do pescado
Microbiologia do pescadoMicrobiologia do pescado
Microbiologia do pescado
 
Apresentação pós colheita
Apresentação pós colheitaApresentação pós colheita
Apresentação pós colheita
 
Microbiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos net
Microbiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos netMicrobiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos net
Microbiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos net
 
Meios de cultura
Meios de culturaMeios de cultura
Meios de cultura
 
tecnologia alimentos
tecnologia alimentostecnologia alimentos
tecnologia alimentos
 
Resumo de micro clinica 2
Resumo de micro clinica 2Resumo de micro clinica 2
Resumo de micro clinica 2
 
Aula5 crescimentomicrobiano-140505201033-phpapp01
Aula5 crescimentomicrobiano-140505201033-phpapp01Aula5 crescimentomicrobiano-140505201033-phpapp01
Aula5 crescimentomicrobiano-140505201033-phpapp01
 
Aula Morfologia e Citologia dos Fungos.pptx
Aula Morfologia e Citologia dos Fungos.pptxAula Morfologia e Citologia dos Fungos.pptx
Aula Morfologia e Citologia dos Fungos.pptx
 
Caracterização da qualidade do sorvete de umbú (spondias tuberosa, l)
Caracterização da qualidade do sorvete de umbú (spondias tuberosa, l)Caracterização da qualidade do sorvete de umbú (spondias tuberosa, l)
Caracterização da qualidade do sorvete de umbú (spondias tuberosa, l)
 
Milho conserva 1
Milho conserva 1Milho conserva 1
Milho conserva 1
 
Culturas e isolamento de bacterias meios
Culturas e isolamento de bacterias meiosCulturas e isolamento de bacterias meios
Culturas e isolamento de bacterias meios
 
Relatório bio de micro
Relatório bio de microRelatório bio de micro
Relatório bio de micro
 
Aula pratica 02
Aula pratica 02Aula pratica 02
Aula pratica 02
 
Capacitação preparadores 2º semestre 2011
Capacitação preparadores 2º semestre 2011Capacitação preparadores 2º semestre 2011
Capacitação preparadores 2º semestre 2011
 
Factores Q Afectam Crescimento Micro
Factores Q Afectam Crescimento MicroFactores Q Afectam Crescimento Micro
Factores Q Afectam Crescimento Micro
 
1317 14462-1-pb
1317 14462-1-pb1317 14462-1-pb
1317 14462-1-pb
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO    ALUNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO    ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdf
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO D O ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO D   O ALUNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIRO D   O ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO D O ALUNO.pdf
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO    ALUNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO    ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdf
 

Mais de Ana Claudia Rodrigues (20)

Questões para estudar
Questões para estudarQuestões para estudar
Questões para estudar
 
Atb mecanismos de ação 2
Atb mecanismos de ação   2Atb mecanismos de ação   2
Atb mecanismos de ação 2
 
Aula introdução aos atb 1
Aula introdução aos atb   1Aula introdução aos atb   1
Aula introdução aos atb 1
 
INTERAÇ
INTERAÇINTERAÇ
INTERAÇ
 
Aula 2 prm
Aula 2   prmAula 2   prm
Aula 2 prm
 
Prova microbiologia b2
Prova microbiologia b2Prova microbiologia b2
Prova microbiologia b2
 
Prova microbiologia b1
Prova microbiologia b1Prova microbiologia b1
Prova microbiologia b1
 
CQ
CQCQ
CQ
 
Aula equilíbrio ácido base
Aula equilíbrio ácido baseAula equilíbrio ácido base
Aula equilíbrio ácido base
 
fung
fungfung
fung
 
Manual do antibiograma
Manual do antibiograma Manual do antibiograma
Manual do antibiograma
 
Espiroq
EspiroqEspiroq
Espiroq
 
TSA
TSATSA
TSA
 
TSA
TSATSA
TSA
 
Aula 5 - B
Aula 5 - BAula 5 - B
Aula 5 - B
 
Aula 6 - B
Aula 6 - BAula 6 - B
Aula 6 - B
 
Antibiograma aula
Antibiograma aulaAntibiograma aula
Antibiograma aula
 
Aula 8
Aula 8 Aula 8
Aula 8
 
tsa
tsatsa
tsa
 
Função panc e hepat alunos
Função panc e hepat   alunosFunção panc e hepat   alunos
Função panc e hepat alunos
 

Aula 3 - M