SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
FIBRA
CURSO DE FARMÁCIA
DISCIPLINA DE IMUNOLOGIA CLÍNICA
DILUIÇÕES
Os métodos de laboratório nos
quais uma quantidade de uma substância é
adicionada a outra para reduzir a
concentração de uma das substâncias são
conhecidos como diluições.
IMPORTANTE: Uma diluição é uma expressão de concentração, não de volume. Expressa
de outra forma, uma diluição indica a quantidade relativa de substâncias em uma solução.
Quando a palavra diluição é usada, ela deve significar o número de partes que foram diluídas
em um número total de partes. Em outras palavras, uma diluição deve significar o volume de
concentrado no volume total da solução final. O menor número corresponde ao número de
partes da substância que está sendo diluída; o maior número refere-se ao número total de
partes da solução final.
Considere as seguintes frases:
• Faça uma diluição 1 para 10 de soro em salina.
• Faça uma diluição 1 em 10 de soro em salina.
• Faça uma diluição 1 para 10 de soro com salina.
• Faça uma diluição 1/10 de soro com salina.
• Faça uma diluição 1:10 de soro usando salina.
• Faça uma diluição de 1 parte de soro e 9 partes de salina.
• Faça uma diluição de 1 parte de soro para 9 partes de salina.
Qual é a diferença entre essas frases? Nenhuma! Todas significam exatamente a mesma
coisa.
ENTÃO: Diluir é acrescentar solvente a uma solução mantendo-se inalteradas as
quantidades de soluto existentes.
D= ____ V soluto______
V soluto + V solvente
1 parte de soro
+ 9 partes de salina
10 partes de solução final
1
O significado difere quando usamos a palavra razão. Os números passam a se referir aos
materiais da razão, que podem ser escritos de diversas formas:
• 1:9
• 1 para 9
• 1/9
Não importa como a razão é escrita, a ordem dos números deve corresponder à ordem
das substâncias às quais a razão se refere.
Ex: Uma razão de soro para salina 1:9 é igual a uma razão salina para soro 9:1, o que é
a mesma coisa que uma diluição de 1:10 de soro com salina.
TÍTULO
TÍTULO é a concentração de uma solução determinada por titulação. É a menor
quantidade ou concentração que produzia um efeito particular ou produto. O título é a
recíproca da diluição. Então, em uma reação de pesquisa de anticorpos positiva na
diluição ½ e ¼ e negativa na diluição 1/8 e 1/16, o título é 4.
DILUIÇÃO SERIADA
Uma série de diluições é um número de soluções feito pela diluição de alguma
substância com um solvente, então fazendo uma diluição da solução resultante, e
diluindo a segunda solução para fazer uma terceira e assim por diante. A partir da
primeira diluição ou da amostra original, as sucessivas diluições são realizadas a partir
da ultima diluição feita e não mais da amostra oririnal.
Geralmente, mantém-se uma razão constante entre as diluições, o que não é
regra, ou seja, depende da necessidade. No laboratório clínico, a diluição seriada mais
comumente utilizada tem sido na razão 2. Ocasionalmente a série de diluições pode
ser descrita de maneira que cada valor de diluição se refira a uma diluição
independente de algum material em algum solvente.
O individuo deve estar apto a calcular as seguintes variáveis em cada passo em
uma série de diluição" concentração de material em cada solução' quantidade real de
material em cada solução e volume total de cada solução.
2
EXERCÍCIOS:
1. Faça 250 mL de uma diluição 1:10 de soro em salina.
2. Faça 45 mL de uma diluição 1:15 de soro em salina.
3. Faça 33 mL de uma diluição 1:22 de soro em salina.
4. Faça 4 mL de uma diluição 1:8 de soro em salina.
5. Faça 7,5 mL de uma diluição 1:150 de soro em salina
6. Quanto de uma amostra de sangue é necessária para se preparar 40 ml de uma diluição
1/10 e quando de diluiente você precisaria?
7. Como você prepararia 20 ml de uma diluição de 1/400
8. Determine a quantidade de soro em 40 mL de uma diluição 1:5 de soro em salina.
9. Quanto de uma diluição de 1:32 de urina com água destilada poderia ser feita com 2
mL de urina?
10. Esquematize a diluição de 5 mL de azul de metileno diluído a 1/4000.
11. Fazer uma diluição seriada partir de uma solução de azul de metileno diluído 1/16 em
água até a diluição 1/512. O volume em cada tubo deve ser 1,6 mL.
12. Fazer uma diluição seriada a partir de uma solução de azul de metileno diluído 1/64
em água até a diluição 1/256. O volume em cada tubo deve ser 0,4 mL.
13. Fazer uma diluição seriada a partir de uma solução de hemácias diluído 1/20 em água
até a diluição 1/20000. O volume em cada tubo deve ser 3,6 mL.
3
14. Em vários tubos numerados de 1 a 6, pipetou-se 0,5 mL de tampão em todos eles. No
1º tubo pipetou-se 500 µL de azul de metileno e homogeneizou-se. Transferiu-se do
tubo nº 1 para o tubo nº 2, 500 µL. Este procedimento foi realizado até o 6º tubo.
Sabendo-se que não houve perda de volume, responda.
a) Qual o volume de todos os tubos e as respectivas diluições?
b) Qual é o volume e as respectivas diluições de todos os tubos se
fosse pipetado 3,5 mL de tampão.
15. Uma diluição 1/10 de uma substância é diluída 3/5, rediluída 2/15 e diluída mais uma
vez ½. Qual é a concentração final?
16. Uma solução 3% é diluída 2/30. Qual é a concentração resultante?
17. Uma solução que contém 70 mg/dL é diluída 1/10 e de novo 2/20. Qual é a
concentração final?
18. A alíquota de 0,2 mL de soro do paciente é adicionada a 0,8 mL de salina. Transfere-
se 0,5 mL para um tubo 2 que possui 0,5 mL de salina. Este procedimento é feito até o
tubo 10. As diluições foram utilizadas para testar um anticorpo de um agente
infeccioso. Do tubo 1 ao 8, a reação foi positiva para o anticorpo testado. Qual o título
que deve ser apresentado ao anticorpo?
19. Em uma série de 8 tubos, coloque 0,9 mL de solução fisiológica no 1º tubo e 0,5 mL
de solução fisiológica nos tubos restantes. Adicione 0,1 mL de soro ao 1º tubo, misture
e coloque 0,5 mL dessa solução no tubo subseqüente e repita o processo até o último
tubo. Despreze o último 0,5 mL. Para cafa tubo adicione 0,5 mL de antígeno. A partir
disso, responda:
a) Qual é a diluição de cada tubo antes de adicionar o antígeno?
b) Qual a quantidade de soro presente nos dois primeiros tubos
após a transferência?
c) Qual pe a diluição em cada tubo após a adição do antígeno?
20. Quais diluições representam as misturas abaixo?
a) 0,3 mL de soro sanguíneo com 4,2 mL de solução fisiológica.
b) 0,5 mL de soro sanguíneo com 3 mL de solução fisiológica.
c) 0,2 mL de soro sanguíneo com 6,2 mL de solução fisiológica.
21. Em vários tubos numerados de 1 a 5, pipetou-se 3X mL de água em cada um deles. No
tubo nº 1 pipetou-se X mL de azul de metileno e homogeneizou-se esta solução.
Pipetou-se do tubo nº 1 X mL e passou-se para o tubo nº 2. Este procedimento foi feito
até o 5º tubo.
a) Qual o volume de todos os tubos se X=2 e as respectivas diluições?
b)Se X=10, qual é o volume final de todos os tubos e as respectivas diluições?
4
22. Esquematize a preparação de 50 mL de uma solução tampão fosfato a 1/2000. O
tampão foi fornecido pelo fabricante a uma diluição 1/10.
23. Pipetou-se 500 µL se um soluto em tubo de ensaio e acrescentou-se 4,5 mL de
solvente. Qual é a diluição?
24. Pipetou-se 200 µL se um soluto em tubo de ensaio e acrescentou-se 9,8 mL de
solvente. Qual é a diluição?
25. Num laboratório de Virologia, foi diluído 200 µL de soro diluído a 1:4. Porém, a
diluição correta seria 1:10. Como fazer essa correção?
26. Em uma reação imunoenzimática, foi colocado 0,1 mL de soro, 0,8 mL de diluente e
0,1 mL de conjugado. Que volume de soro existe no volume final e qual é a diluição
deste soro?
27. Uma solução estoque de ácido oxálico 1/100 está disponível no laboratório de
química. Como o laboratorista prepararia 6 mL de ácido oxálico 1/150?
28. Fazer uma diluição seriada de razão 2 a partir de uma solução de azul de metileno em
água. Usar uma bateria de 5 tubos. O volume em cada tubo deve ser 4 mL.
29. Fazer uma diluição seriada de razão 10 a partir de uma solução de azul de metileno em
água. Usar uma bateria de 8 tubos. O volume em cada tubo deve ser 4,5 mL.
30. Fazer uma diluição seriada de razão 5 a partir de uma solução de azul de metileno em
água. Usar uma bateria de 5 tubos. O volume em cada tubo deve ser 3 mL.
31. Fazer uma diluição seriada de razão 2 a partir de uma solução de azul de metileno
diluído ½ em água até a diluição 1/64. O volume em cada tubo deve ser 0,7 mL.
32.
5
22. Esquematize a preparação de 50 mL de uma solução tampão fosfato a 1/2000. O
tampão foi fornecido pelo fabricante a uma diluição 1/10.
23. Pipetou-se 500 µL se um soluto em tubo de ensaio e acrescentou-se 4,5 mL de
solvente. Qual é a diluição?
24. Pipetou-se 200 µL se um soluto em tubo de ensaio e acrescentou-se 9,8 mL de
solvente. Qual é a diluição?
25. Num laboratório de Virologia, foi diluído 200 µL de soro diluído a 1:4. Porém, a
diluição correta seria 1:10. Como fazer essa correção?
26. Em uma reação imunoenzimática, foi colocado 0,1 mL de soro, 0,8 mL de diluente e
0,1 mL de conjugado. Que volume de soro existe no volume final e qual é a diluição
deste soro?
27. Uma solução estoque de ácido oxálico 1/100 está disponível no laboratório de
química. Como o laboratorista prepararia 6 mL de ácido oxálico 1/150?
28. Fazer uma diluição seriada de razão 2 a partir de uma solução de azul de metileno em
água. Usar uma bateria de 5 tubos. O volume em cada tubo deve ser 4 mL.
29. Fazer uma diluição seriada de razão 10 a partir de uma solução de azul de metileno em
água. Usar uma bateria de 8 tubos. O volume em cada tubo deve ser 4,5 mL.
30. Fazer uma diluição seriada de razão 5 a partir de uma solução de azul de metileno em
água. Usar uma bateria de 5 tubos. O volume em cada tubo deve ser 3 mL.
31. Fazer uma diluição seriada de razão 2 a partir de uma solução de azul de metileno
diluído ½ em água até a diluição 1/64. O volume em cada tubo deve ser 0,7 mL.
32.
5

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4Ivys Antônio
 
Aula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianas
Aula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianasAula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianas
Aula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianasJaqueline Almeida
 
Aula de Instrumentação Biomédica sobre Pipetagem
Aula de Instrumentação Biomédica sobre PipetagemAula de Instrumentação Biomédica sobre Pipetagem
Aula de Instrumentação Biomédica sobre PipetagemJaqueline Almeida
 
Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2
Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2
Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2Jenifer Rigo Almeida
 
Relatório prática 1 volumetria de neutralização
Relatório prática 1 volumetria de neutralizaçãoRelatório prática 1 volumetria de neutralização
Relatório prática 1 volumetria de neutralizaçãoAna Morais Nascimento
 
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabadoControle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabadoVanessa Rodrigues
 
Crescimento bacteriano
Crescimento bacterianoCrescimento bacteriano
Crescimento bacterianoGildo Crispim
 
FARMACOTÉCNICA-Preparações líquidas de uso oral
FARMACOTÉCNICA-Preparações líquidas de uso oralFARMACOTÉCNICA-Preparações líquidas de uso oral
FARMACOTÉCNICA-Preparações líquidas de uso oralRenata Medeiros
 
1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com
1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com
1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.comJulio Dutra
 
Métodos de extração
Métodos de extraçãoMétodos de extração
Métodos de extraçãovanessaracele
 
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de FármacosAula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de FármacosMauro Cunha Xavier Pinto
 
FixaÇo de-complemento
FixaÇo de-complementoFixaÇo de-complemento
FixaÇo de-complementoLABIMUNO UFBA
 

Mais procurados (20)

Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
 
Relatorio de estagio 2
Relatorio de estagio 2Relatorio de estagio 2
Relatorio de estagio 2
 
Relatorio analise clinicas vanderley 3
Relatorio analise clinicas  vanderley 3Relatorio analise clinicas  vanderley 3
Relatorio analise clinicas vanderley 3
 
Aula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianas
Aula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianasAula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianas
Aula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianas
 
Aula de Instrumentação Biomédica sobre Pipetagem
Aula de Instrumentação Biomédica sobre PipetagemAula de Instrumentação Biomédica sobre Pipetagem
Aula de Instrumentação Biomédica sobre Pipetagem
 
Potenciometria
PotenciometriaPotenciometria
Potenciometria
 
Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2
Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2
Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2
 
Relatório prática 1 volumetria de neutralização
Relatório prática 1 volumetria de neutralizaçãoRelatório prática 1 volumetria de neutralização
Relatório prática 1 volumetria de neutralização
 
Cromatografia
CromatografiaCromatografia
Cromatografia
 
Líquido cefalorraquidiano
Líquido cefalorraquidianoLíquido cefalorraquidiano
Líquido cefalorraquidiano
 
Analise instrumental
Analise instrumentalAnalise instrumental
Analise instrumental
 
Imunologia - Casos Clínicos
Imunologia - Casos ClínicosImunologia - Casos Clínicos
Imunologia - Casos Clínicos
 
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabadoControle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabado
 
Crescimento bacteriano
Crescimento bacterianoCrescimento bacteriano
Crescimento bacteriano
 
FARMACOTÉCNICA-Preparações líquidas de uso oral
FARMACOTÉCNICA-Preparações líquidas de uso oralFARMACOTÉCNICA-Preparações líquidas de uso oral
FARMACOTÉCNICA-Preparações líquidas de uso oral
 
1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com
1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com
1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com
 
Métodos de extração
Métodos de extraçãoMétodos de extração
Métodos de extração
 
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de FármacosAula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
 
FixaÇo de-complemento
FixaÇo de-complementoFixaÇo de-complemento
FixaÇo de-complemento
 
Atlas de urinalise
Atlas de urinaliseAtlas de urinalise
Atlas de urinalise
 

Destaque

Diluição e Concentração - Exercicios
Diluição e Concentração - ExerciciosDiluição e Concentração - Exercicios
Diluição e Concentração - ExerciciosJosé Vitor Alves
 
Ap5 - Critérios de validação dos testes sorológicos
Ap5 - Critérios de validação dos testes sorológicosAp5 - Critérios de validação dos testes sorológicos
Ap5 - Critérios de validação dos testes sorológicosLABIMUNO UFBA
 
Preparação e Diluição de Soluções
Preparação e Diluição de SoluçõesPreparação e Diluição de Soluções
Preparação e Diluição de SoluçõesRuben Almeida
 
Antigenos e Anticorpos
Antigenos e AnticorposAntigenos e Anticorpos
Antigenos e AnticorposLABIMUNO UFBA
 
Fundamentos de diluição
Fundamentos de diluiçãoFundamentos de diluição
Fundamentos de diluiçãoWelvis Furtado
 
Apostila+de+fundamentos
Apostila+de+fundamentosApostila+de+fundamentos
Apostila+de+fundamentosluhlima2014
 
Teste diagnostico-portugues-5ano
Teste diagnostico-portugues-5anoTeste diagnostico-portugues-5ano
Teste diagnostico-portugues-5ano6066
 
Critérios de Validação
Critérios de ValidaçãoCritérios de Validação
Critérios de ValidaçãoLABIMUNO UFBA
 
Estrutura e funções dos anticorpos para alunos
Estrutura e funções dos anticorpos para alunosEstrutura e funções dos anticorpos para alunos
Estrutura e funções dos anticorpos para alunosGildo Crispim
 
Tutorial Configuração do Microsoft Outlook 2007 como cliente de email do Gmai...
Tutorial Configuração do Microsoft Outlook 2007 como cliente de email do Gmai...Tutorial Configuração do Microsoft Outlook 2007 como cliente de email do Gmai...
Tutorial Configuração do Microsoft Outlook 2007 como cliente de email do Gmai...HSA
 
Aprovados edital11 sdpol (1)
Aprovados edital11 sdpol (1)Aprovados edital11 sdpol (1)
Aprovados edital11 sdpol (1)thiago sturmer
 
Boas praticas-calculo-seguro-volume-2-calculo-e-diluicao-de-medicamentos 0
Boas praticas-calculo-seguro-volume-2-calculo-e-diluicao-de-medicamentos 0Boas praticas-calculo-seguro-volume-2-calculo-e-diluicao-de-medicamentos 0
Boas praticas-calculo-seguro-volume-2-calculo-e-diluicao-de-medicamentos 0pryloock
 
Microbiologia Geral - Nutrição e Cultura Microbiana
Microbiologia Geral - Nutrição e Cultura MicrobianaMicrobiologia Geral - Nutrição e Cultura Microbiana
Microbiologia Geral - Nutrição e Cultura MicrobianaMICROBIOLOGIA-CSL-UFSJ
 
Teste de coombs direto
Teste de coombs diretoTeste de coombs direto
Teste de coombs diretoJorge Dias
 

Destaque (20)

Apostila de imunologia
Apostila de imunologiaApostila de imunologia
Apostila de imunologia
 
Diluição e Concentração - Exercicios
Diluição e Concentração - ExerciciosDiluição e Concentração - Exercicios
Diluição e Concentração - Exercicios
 
Ap5 - Critérios de validação dos testes sorológicos
Ap5 - Critérios de validação dos testes sorológicosAp5 - Critérios de validação dos testes sorológicos
Ap5 - Critérios de validação dos testes sorológicos
 
Aula 3 - M
Aula 3  - MAula 3  - M
Aula 3 - M
 
Testes diagnósticos
Testes diagnósticosTestes diagnósticos
Testes diagnósticos
 
Aglutinacao
AglutinacaoAglutinacao
Aglutinacao
 
Preparação e Diluição de Soluções
Preparação e Diluição de SoluçõesPreparação e Diluição de Soluções
Preparação e Diluição de Soluções
 
Antigenos e Anticorpos
Antigenos e AnticorposAntigenos e Anticorpos
Antigenos e Anticorpos
 
Fundamentos de diluição
Fundamentos de diluiçãoFundamentos de diluição
Fundamentos de diluição
 
Diluição
DiluiçãoDiluição
Diluição
 
Apostila+de+fundamentos
Apostila+de+fundamentosApostila+de+fundamentos
Apostila+de+fundamentos
 
Teste diagnostico-portugues-5ano
Teste diagnostico-portugues-5anoTeste diagnostico-portugues-5ano
Teste diagnostico-portugues-5ano
 
Métodos
MétodosMétodos
Métodos
 
Critérios de Validação
Critérios de ValidaçãoCritérios de Validação
Critérios de Validação
 
Estrutura e funções dos anticorpos para alunos
Estrutura e funções dos anticorpos para alunosEstrutura e funções dos anticorpos para alunos
Estrutura e funções dos anticorpos para alunos
 
Tutorial Configuração do Microsoft Outlook 2007 como cliente de email do Gmai...
Tutorial Configuração do Microsoft Outlook 2007 como cliente de email do Gmai...Tutorial Configuração do Microsoft Outlook 2007 como cliente de email do Gmai...
Tutorial Configuração do Microsoft Outlook 2007 como cliente de email do Gmai...
 
Aprovados edital11 sdpol (1)
Aprovados edital11 sdpol (1)Aprovados edital11 sdpol (1)
Aprovados edital11 sdpol (1)
 
Boas praticas-calculo-seguro-volume-2-calculo-e-diluicao-de-medicamentos 0
Boas praticas-calculo-seguro-volume-2-calculo-e-diluicao-de-medicamentos 0Boas praticas-calculo-seguro-volume-2-calculo-e-diluicao-de-medicamentos 0
Boas praticas-calculo-seguro-volume-2-calculo-e-diluicao-de-medicamentos 0
 
Microbiologia Geral - Nutrição e Cultura Microbiana
Microbiologia Geral - Nutrição e Cultura MicrobianaMicrobiologia Geral - Nutrição e Cultura Microbiana
Microbiologia Geral - Nutrição e Cultura Microbiana
 
Teste de coombs direto
Teste de coombs diretoTeste de coombs direto
Teste de coombs direto
 

Semelhante a Diluições em imunologia

1 preparo de curvas analíticas
1 preparo de curvas analíticas1 preparo de curvas analíticas
1 preparo de curvas analíticasUFSJ
 
Diluição(soluções).pptx
Diluição(soluções).pptxDiluição(soluções).pptx
Diluição(soluções).pptxDanySouza34
 
Misturas de solucoes_ideais
Misturas de solucoes_ideaisMisturas de solucoes_ideais
Misturas de solucoes_ideaisJuliano Pratti
 
Lista 4 titulacao_tq
Lista 4 titulacao_tqLista 4 titulacao_tq
Lista 4 titulacao_tqDebora Alvim
 
Propriedades coligativas
Propriedades coligativasPropriedades coligativas
Propriedades coligativasLucas Tardim
 
Padronização naoh e h cl
Padronização naoh e h clPadronização naoh e h cl
Padronização naoh e h clLeandra Alencar
 
Aula 2_ QAN_Solucoes_diluicao_20162.ppt
Aula 2_ QAN_Solucoes_diluicao_20162.pptAula 2_ QAN_Solucoes_diluicao_20162.ppt
Aula 2_ QAN_Solucoes_diluicao_20162.pptMarcoReisBrugnerotto
 
Administração de medicamentos em enfermagem
Administração de medicamentos em enfermagemAdministração de medicamentos em enfermagem
Administração de medicamentos em enfermagemMarcio Pinto da Silva
 
Misturas de solucoes ideais
Misturas de solucoes ideaisMisturas de solucoes ideais
Misturas de solucoes ideaisWilson Gomides
 
Aula prática de saponificação
Aula prática de saponificaçãoAula prática de saponificação
Aula prática de saponificaçãoGramile Meira
 
Exercícios de soluções (Revisão)
Exercícios de soluções (Revisão)Exercícios de soluções (Revisão)
Exercícios de soluções (Revisão)Estude Mais
 
Transformação de soros
Transformação de sorosTransformação de soros
Transformação de sorosMelisse Barbosa
 
2016 aulas 17 e 18 - soluções - progressao ext noite
2016   aulas 17 e 18 - soluções - progressao ext noite2016   aulas 17 e 18 - soluções - progressao ext noite
2016 aulas 17 e 18 - soluções - progressao ext noitepaulomigoto
 
Atividade 9 e 10 progressao semi ext noite 2016
Atividade 9 e 10    progressao semi ext noite 2016Atividade 9 e 10    progressao semi ext noite 2016
Atividade 9 e 10 progressao semi ext noite 2016paulomigoto
 

Semelhante a Diluições em imunologia (20)

Sandrogreco Experimento 3 Eng. PetróLeo
Sandrogreco Experimento 3   Eng. PetróLeoSandrogreco Experimento 3   Eng. PetróLeo
Sandrogreco Experimento 3 Eng. PetróLeo
 
1 preparo de curvas analíticas
1 preparo de curvas analíticas1 preparo de curvas analíticas
1 preparo de curvas analíticas
 
Cap8
Cap8Cap8
Cap8
 
Diluição(soluções).pptx
Diluição(soluções).pptxDiluição(soluções).pptx
Diluição(soluções).pptx
 
Misturas de solucoes_ideais
Misturas de solucoes_ideaisMisturas de solucoes_ideais
Misturas de solucoes_ideais
 
Lista 4 titulacao_tq
Lista 4 titulacao_tqLista 4 titulacao_tq
Lista 4 titulacao_tq
 
Propriedades coligativas
Propriedades coligativasPropriedades coligativas
Propriedades coligativas
 
2 ano quimica
2 ano quimica2 ano quimica
2 ano quimica
 
2 ano quimica
2 ano quimica2 ano quimica
2 ano quimica
 
Padronização naoh e h cl
Padronização naoh e h clPadronização naoh e h cl
Padronização naoh e h cl
 
Aula 2_ QAN_Solucoes_diluicao_20162.ppt
Aula 2_ QAN_Solucoes_diluicao_20162.pptAula 2_ QAN_Solucoes_diluicao_20162.ppt
Aula 2_ QAN_Solucoes_diluicao_20162.ppt
 
Resultados titulação
Resultados titulaçãoResultados titulação
Resultados titulação
 
Administração de medicamentos em enfermagem
Administração de medicamentos em enfermagemAdministração de medicamentos em enfermagem
Administração de medicamentos em enfermagem
 
Misturas de solucoes ideais
Misturas de solucoes ideaisMisturas de solucoes ideais
Misturas de solucoes ideais
 
Aula prática de saponificação
Aula prática de saponificaçãoAula prática de saponificação
Aula prática de saponificação
 
Exercícios de soluções (Revisão)
Exercícios de soluções (Revisão)Exercícios de soluções (Revisão)
Exercícios de soluções (Revisão)
 
Transformação de soros
Transformação de sorosTransformação de soros
Transformação de soros
 
2016 aulas 17 e 18 - soluções - progressao ext noite
2016   aulas 17 e 18 - soluções - progressao ext noite2016   aulas 17 e 18 - soluções - progressao ext noite
2016 aulas 17 e 18 - soluções - progressao ext noite
 
Soluções
SoluçõesSoluções
Soluções
 
Atividade 9 e 10 progressao semi ext noite 2016
Atividade 9 e 10    progressao semi ext noite 2016Atividade 9 e 10    progressao semi ext noite 2016
Atividade 9 e 10 progressao semi ext noite 2016
 

Mais de José Vitor Alves

Mais de José Vitor Alves (20)

Sistema muscular parte 3
Sistema muscular parte 3Sistema muscular parte 3
Sistema muscular parte 3
 
Sistema articular
Sistema articularSistema articular
Sistema articular
 
Sistema muscular parte 2
Sistema muscular parte 2Sistema muscular parte 2
Sistema muscular parte 2
 
Sistema muscular Parte 1
Sistema muscular Parte 1Sistema muscular Parte 1
Sistema muscular Parte 1
 
Ossos do esqueleto axial e apendicular
Ossos do esqueleto axial e apendicularOssos do esqueleto axial e apendicular
Ossos do esqueleto axial e apendicular
 
Aula 2 Tabela periodica
Aula 2   Tabela periodicaAula 2   Tabela periodica
Aula 2 Tabela periodica
 
Aula 5 Ligações Quimicas
Aula 5   Ligações QuimicasAula 5   Ligações Quimicas
Aula 5 Ligações Quimicas
 
Aula 8 sais e oxidos
Aula 8   sais e oxidosAula 8   sais e oxidos
Aula 8 sais e oxidos
 
Aula 7 acidos e bases
Aula 7   acidos e basesAula 7   acidos e bases
Aula 7 acidos e bases
 
Aula 2 O Atomo
Aula 2   O AtomoAula 2   O Atomo
Aula 2 O Atomo
 
Apostila de Química Aplicada
Apostila de Química AplicadaApostila de Química Aplicada
Apostila de Química Aplicada
 
Apostila textos - Tecnicas de Coleta
Apostila   textos - Tecnicas de ColetaApostila   textos - Tecnicas de Coleta
Apostila textos - Tecnicas de Coleta
 
Porque os jovens profissionais da geração y estão infelizes
Porque os jovens profissionais da geração y estão infelizesPorque os jovens profissionais da geração y estão infelizes
Porque os jovens profissionais da geração y estão infelizes
 
Atendimento ao cliente apostila
Atendimento ao cliente   apostilaAtendimento ao cliente   apostila
Atendimento ao cliente apostila
 
Rdc nº 302/05
Rdc nº 302/05Rdc nº 302/05
Rdc nº 302/05
 
Aula 1 código de ética do analista clínico
Aula 1   código de ética do analista clínicoAula 1   código de ética do analista clínico
Aula 1 código de ética do analista clínico
 
Rdc nº 306 07-12-2004
Rdc nº 306   07-12-2004Rdc nº 306   07-12-2004
Rdc nº 306 07-12-2004
 
Etica e Bioética
Etica e BioéticaEtica e Bioética
Etica e Bioética
 
Pop microscopia
Pop   microscopiaPop   microscopia
Pop microscopia
 
O Microscópio Óptico
O Microscópio ÓpticoO Microscópio Óptico
O Microscópio Óptico
 

Último

ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptAlberto205764
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfNelmo Pinto
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptAlberto205764
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaCristianodaRosa5
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOMayaraDayube
 
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoAnatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoMarianaAnglicaMirand
 

Último (10)

ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
 
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãosAplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
 
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoAnatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
 

Diluições em imunologia

  • 1. FIBRA CURSO DE FARMÁCIA DISCIPLINA DE IMUNOLOGIA CLÍNICA DILUIÇÕES Os métodos de laboratório nos quais uma quantidade de uma substância é adicionada a outra para reduzir a concentração de uma das substâncias são conhecidos como diluições. IMPORTANTE: Uma diluição é uma expressão de concentração, não de volume. Expressa de outra forma, uma diluição indica a quantidade relativa de substâncias em uma solução. Quando a palavra diluição é usada, ela deve significar o número de partes que foram diluídas em um número total de partes. Em outras palavras, uma diluição deve significar o volume de concentrado no volume total da solução final. O menor número corresponde ao número de partes da substância que está sendo diluída; o maior número refere-se ao número total de partes da solução final. Considere as seguintes frases: • Faça uma diluição 1 para 10 de soro em salina. • Faça uma diluição 1 em 10 de soro em salina. • Faça uma diluição 1 para 10 de soro com salina. • Faça uma diluição 1/10 de soro com salina. • Faça uma diluição 1:10 de soro usando salina. • Faça uma diluição de 1 parte de soro e 9 partes de salina. • Faça uma diluição de 1 parte de soro para 9 partes de salina. Qual é a diferença entre essas frases? Nenhuma! Todas significam exatamente a mesma coisa. ENTÃO: Diluir é acrescentar solvente a uma solução mantendo-se inalteradas as quantidades de soluto existentes. D= ____ V soluto______ V soluto + V solvente 1 parte de soro + 9 partes de salina 10 partes de solução final 1
  • 2. O significado difere quando usamos a palavra razão. Os números passam a se referir aos materiais da razão, que podem ser escritos de diversas formas: • 1:9 • 1 para 9 • 1/9 Não importa como a razão é escrita, a ordem dos números deve corresponder à ordem das substâncias às quais a razão se refere. Ex: Uma razão de soro para salina 1:9 é igual a uma razão salina para soro 9:1, o que é a mesma coisa que uma diluição de 1:10 de soro com salina. TÍTULO TÍTULO é a concentração de uma solução determinada por titulação. É a menor quantidade ou concentração que produzia um efeito particular ou produto. O título é a recíproca da diluição. Então, em uma reação de pesquisa de anticorpos positiva na diluição ½ e ¼ e negativa na diluição 1/8 e 1/16, o título é 4. DILUIÇÃO SERIADA Uma série de diluições é um número de soluções feito pela diluição de alguma substância com um solvente, então fazendo uma diluição da solução resultante, e diluindo a segunda solução para fazer uma terceira e assim por diante. A partir da primeira diluição ou da amostra original, as sucessivas diluições são realizadas a partir da ultima diluição feita e não mais da amostra oririnal. Geralmente, mantém-se uma razão constante entre as diluições, o que não é regra, ou seja, depende da necessidade. No laboratório clínico, a diluição seriada mais comumente utilizada tem sido na razão 2. Ocasionalmente a série de diluições pode ser descrita de maneira que cada valor de diluição se refira a uma diluição independente de algum material em algum solvente. O individuo deve estar apto a calcular as seguintes variáveis em cada passo em uma série de diluição" concentração de material em cada solução' quantidade real de material em cada solução e volume total de cada solução. 2
  • 3. EXERCÍCIOS: 1. Faça 250 mL de uma diluição 1:10 de soro em salina. 2. Faça 45 mL de uma diluição 1:15 de soro em salina. 3. Faça 33 mL de uma diluição 1:22 de soro em salina. 4. Faça 4 mL de uma diluição 1:8 de soro em salina. 5. Faça 7,5 mL de uma diluição 1:150 de soro em salina 6. Quanto de uma amostra de sangue é necessária para se preparar 40 ml de uma diluição 1/10 e quando de diluiente você precisaria? 7. Como você prepararia 20 ml de uma diluição de 1/400 8. Determine a quantidade de soro em 40 mL de uma diluição 1:5 de soro em salina. 9. Quanto de uma diluição de 1:32 de urina com água destilada poderia ser feita com 2 mL de urina? 10. Esquematize a diluição de 5 mL de azul de metileno diluído a 1/4000. 11. Fazer uma diluição seriada partir de uma solução de azul de metileno diluído 1/16 em água até a diluição 1/512. O volume em cada tubo deve ser 1,6 mL. 12. Fazer uma diluição seriada a partir de uma solução de azul de metileno diluído 1/64 em água até a diluição 1/256. O volume em cada tubo deve ser 0,4 mL. 13. Fazer uma diluição seriada a partir de uma solução de hemácias diluído 1/20 em água até a diluição 1/20000. O volume em cada tubo deve ser 3,6 mL. 3
  • 4. 14. Em vários tubos numerados de 1 a 6, pipetou-se 0,5 mL de tampão em todos eles. No 1º tubo pipetou-se 500 µL de azul de metileno e homogeneizou-se. Transferiu-se do tubo nº 1 para o tubo nº 2, 500 µL. Este procedimento foi realizado até o 6º tubo. Sabendo-se que não houve perda de volume, responda. a) Qual o volume de todos os tubos e as respectivas diluições? b) Qual é o volume e as respectivas diluições de todos os tubos se fosse pipetado 3,5 mL de tampão. 15. Uma diluição 1/10 de uma substância é diluída 3/5, rediluída 2/15 e diluída mais uma vez ½. Qual é a concentração final? 16. Uma solução 3% é diluída 2/30. Qual é a concentração resultante? 17. Uma solução que contém 70 mg/dL é diluída 1/10 e de novo 2/20. Qual é a concentração final? 18. A alíquota de 0,2 mL de soro do paciente é adicionada a 0,8 mL de salina. Transfere- se 0,5 mL para um tubo 2 que possui 0,5 mL de salina. Este procedimento é feito até o tubo 10. As diluições foram utilizadas para testar um anticorpo de um agente infeccioso. Do tubo 1 ao 8, a reação foi positiva para o anticorpo testado. Qual o título que deve ser apresentado ao anticorpo? 19. Em uma série de 8 tubos, coloque 0,9 mL de solução fisiológica no 1º tubo e 0,5 mL de solução fisiológica nos tubos restantes. Adicione 0,1 mL de soro ao 1º tubo, misture e coloque 0,5 mL dessa solução no tubo subseqüente e repita o processo até o último tubo. Despreze o último 0,5 mL. Para cafa tubo adicione 0,5 mL de antígeno. A partir disso, responda: a) Qual é a diluição de cada tubo antes de adicionar o antígeno? b) Qual a quantidade de soro presente nos dois primeiros tubos após a transferência? c) Qual pe a diluição em cada tubo após a adição do antígeno? 20. Quais diluições representam as misturas abaixo? a) 0,3 mL de soro sanguíneo com 4,2 mL de solução fisiológica. b) 0,5 mL de soro sanguíneo com 3 mL de solução fisiológica. c) 0,2 mL de soro sanguíneo com 6,2 mL de solução fisiológica. 21. Em vários tubos numerados de 1 a 5, pipetou-se 3X mL de água em cada um deles. No tubo nº 1 pipetou-se X mL de azul de metileno e homogeneizou-se esta solução. Pipetou-se do tubo nº 1 X mL e passou-se para o tubo nº 2. Este procedimento foi feito até o 5º tubo. a) Qual o volume de todos os tubos se X=2 e as respectivas diluições? b)Se X=10, qual é o volume final de todos os tubos e as respectivas diluições? 4
  • 5. 22. Esquematize a preparação de 50 mL de uma solução tampão fosfato a 1/2000. O tampão foi fornecido pelo fabricante a uma diluição 1/10. 23. Pipetou-se 500 µL se um soluto em tubo de ensaio e acrescentou-se 4,5 mL de solvente. Qual é a diluição? 24. Pipetou-se 200 µL se um soluto em tubo de ensaio e acrescentou-se 9,8 mL de solvente. Qual é a diluição? 25. Num laboratório de Virologia, foi diluído 200 µL de soro diluído a 1:4. Porém, a diluição correta seria 1:10. Como fazer essa correção? 26. Em uma reação imunoenzimática, foi colocado 0,1 mL de soro, 0,8 mL de diluente e 0,1 mL de conjugado. Que volume de soro existe no volume final e qual é a diluição deste soro? 27. Uma solução estoque de ácido oxálico 1/100 está disponível no laboratório de química. Como o laboratorista prepararia 6 mL de ácido oxálico 1/150? 28. Fazer uma diluição seriada de razão 2 a partir de uma solução de azul de metileno em água. Usar uma bateria de 5 tubos. O volume em cada tubo deve ser 4 mL. 29. Fazer uma diluição seriada de razão 10 a partir de uma solução de azul de metileno em água. Usar uma bateria de 8 tubos. O volume em cada tubo deve ser 4,5 mL. 30. Fazer uma diluição seriada de razão 5 a partir de uma solução de azul de metileno em água. Usar uma bateria de 5 tubos. O volume em cada tubo deve ser 3 mL. 31. Fazer uma diluição seriada de razão 2 a partir de uma solução de azul de metileno diluído ½ em água até a diluição 1/64. O volume em cada tubo deve ser 0,7 mL. 32. 5
  • 6. 22. Esquematize a preparação de 50 mL de uma solução tampão fosfato a 1/2000. O tampão foi fornecido pelo fabricante a uma diluição 1/10. 23. Pipetou-se 500 µL se um soluto em tubo de ensaio e acrescentou-se 4,5 mL de solvente. Qual é a diluição? 24. Pipetou-se 200 µL se um soluto em tubo de ensaio e acrescentou-se 9,8 mL de solvente. Qual é a diluição? 25. Num laboratório de Virologia, foi diluído 200 µL de soro diluído a 1:4. Porém, a diluição correta seria 1:10. Como fazer essa correção? 26. Em uma reação imunoenzimática, foi colocado 0,1 mL de soro, 0,8 mL de diluente e 0,1 mL de conjugado. Que volume de soro existe no volume final e qual é a diluição deste soro? 27. Uma solução estoque de ácido oxálico 1/100 está disponível no laboratório de química. Como o laboratorista prepararia 6 mL de ácido oxálico 1/150? 28. Fazer uma diluição seriada de razão 2 a partir de uma solução de azul de metileno em água. Usar uma bateria de 5 tubos. O volume em cada tubo deve ser 4 mL. 29. Fazer uma diluição seriada de razão 10 a partir de uma solução de azul de metileno em água. Usar uma bateria de 8 tubos. O volume em cada tubo deve ser 4,5 mL. 30. Fazer uma diluição seriada de razão 5 a partir de uma solução de azul de metileno em água. Usar uma bateria de 5 tubos. O volume em cada tubo deve ser 3 mL. 31. Fazer uma diluição seriada de razão 2 a partir de uma solução de azul de metileno diluído ½ em água até a diluição 1/64. O volume em cada tubo deve ser 0,7 mL. 32. 5