O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.
CRESCIMENTO
BACTERIANO
1
Prof. Gildemar Crispim
Microbiologia Médica
Requerimento nutricional
• As bactérias necessitam de uma FONTE DE
CARBONO E NITROGENIO, FONTE DE
ENERGIA, ÁGUA e vários i...
Fontes de Nutrientes
3
Carbono: CO2, carboidratos,
aminoácidos, etc.
Nitrogênio: N2, NH3 (amonia),
NO3(Nitrato), aminoácid...
Fontes de Nutrientes
4
FÓSFORO: PO4 e nucleotídeos.
Minerais: Fe, Ca, Mg, Mn, Zn, K,
Na, Cl, etc.
Fatores de crescimento:
...
CONDIÇÕES DE CULTIVO
• TEMPERATURA
• D.B.O (Demanda Bioquímica de
Oxigênio)
• TEMPO DE INCUBAÇÃO
• PRESSÃO OSMÓTICA
• UMID...
TEMPERATURA DE INCUBAÇÃO
•Psicrófilos = 12 a 17ºC
•Mesófilos = 30 a 40 ºC
•Termófilos = 57 a 87ºC
6
Arqueobacter = 250 – 3...
D.B.O – Demanda Bioquímica de O2
• FACULTATIVAS: Staphylococcus sp.
• ANAERÓBIOS: Clostridium tetani
• AERÓBIOS: M. tuberc...
8
D.B.O – Demanda Bioquímica de O2
• MICROAERÓFILAS: Campylobacter jejuni,
Neisseria meningitide
• AEROTOLERANTES: Enterococ...
PRESSÃO OSMÓTICA
MEIO
• ISOTÔNICO
• HIPOTÔNICO
• HIPERTÔNICO
10
Bactérias halofílicas obrigatórias ( 30 % )Bactérias halof...
TEMPO DE INCUBAÇÃO
11
Tempo de Geração=Tempo de Geração= Tempo necessário paraTempo necessário para
uma célula se dividir ...
CRESCIMENTO E REPRODUÇÃO
• Crescimento Microbiano: É o aumento do
número de indivíduo e não o aumento de
tamanho de uma de...
Divisão Bacteriana
13
14
No de bactérias/ml
Tempo
Fase de latência
Fase de crescimento
Exponencial (fase log)
CURVA TÍPICA CRESCIMENTO BACTERIAN...
Número de Bactérias Totais
15
MEIOS DE CULTURA
UTILIZADOS NA ROTINA
BACTERIOLÓGICAS
16
MEIOS DE CULTURA
17
São misturas de nutrientesSão misturas de nutrientes
necessários ao crescimentonecessários ao crescime...
MEIOS DE CULTURA
18
A formulação deve levar emA formulação deve levar em
conta o tipo nutritivo ao qualconta o tipo nutrit...
FATORES DE CRESCIMENTO
• Também é imprescindível acrescentar
ao meio vitaminas, cofatores e
aminoácidos quando estes compo...
Tipos de Meios de Cultura
Meio Quimicamente Definido 
Meio AR-103
Meio Complexo. Ex. ágar sangue
Meio Seletivo Ex. ágar C...
Tipos de Meios de Cultura
Meio Diferencial. Ex. ágar SS
Meio de Enriquecimento. Caldo Verde
Brilhante
Meio de Transporte. ...
MEIOS DE TRANSPORTE
• MEIO DE STUART
• CARY BLAIN = Transporte para fezes
• ROSA DUDET = Transporte para
Micoplasma
• MEIO...
COPROCULTURA
• ÁGAR E.M.B (Eosina Blue Metioleno)
• ÁGAR MAC CONKEY
• ÁGAR SS ( Salmonella-Shigella)
• CALDO TETRATIONATO
...
UROCULTURA
• ÁGAR CLED (Contagem de colônias)
• ÁGAR MAC CONKEY
• BROLACIN
• ÁGAR SANGUE
24
CULTURA DE SECREÇÕES
• ÁGAR SANGUE
• ÁGAR CHOCOLATE
• ÁGAR THAYER MARTIN (GONOCOCOS)
• CALDO BHI
• CALDO TIOGLICOLATO (ana...
CULTURA PARA ANAEROBIOS
• CALDO TIOGLICOLATO
• Agar Sangue para Anaeróbios (ASA)
• ASA + álcool feniletila,
• ASA + kanami...
CULTURA PARA TUBERCULOSE
• Descontaminação prévia (Petrof,
Lauril sulfato de sódio)
• Meio de Lowenstein-Jensen: ovo
coagu...
MICOBACTERIUM TUBERCULOSIS
28
BACTÉRIAS NÃO CULTIVÁVEIS:
• MYCOBACTERIUM LEPRAE
• TREPONEMA PALIDUM
• RIQUÉTSIAS
29
CULTURA PARA FUNGOS
• ÁGAR SABOURAND
• MICOSEL
• ÁGAR B.D.A (ÁGAR DEXTROSE-
BATATA)
30
MEIOS PARA TRICHOMONAS
• MEIO DE KUPFERBERG
• MEIO DE ROISON
• MEIO DE DIAMOND
31
S.Aureus em ÁGAR SANGUE
32
ÁGAR SANGUE
33
ÁGAR SANGUE
• O sangue é adicionado a temperatura
de 40ºC no ágar base ou ágar Mueller-
Hinton. As hemácias são preservada...
ÁGAR CHOCOLATE
• O SANGUE QUANDO AQUECIDO A 56ºC
LIBERA DIVERSAS SUBSTÂNCIAS QUE
FUNCIONAM COMO FATORES DE
CRESCIMENTO
35
...
ÁGAR SS (Salmonella & Shigella)
36
AS COLÔNIAS
NEGRAS
INDICAM A
PRODUÇÃO DE
H2S PELAS
SALMONELLAS
TCBS CHOLERA MEDIUM
1-V. Cholerae
37
Incubação:
24hs em 35ºC
38
1- Morfologia das colônias;
2-Forma, Coloração de Gram,
Arranjo, Motilidade, Catalase;
3-Modo de fermentação da glicose...
39
6-Testes de produção de gás;
7-Tolerância ao sal, pH e bile;
8-Crescimento em determinadas
temperaturas (máxima e mínim...
40
10-Tipos de bacteriófagos;
11-Hidrólise da Arginina;
12-Formação de Acetoina
(Acetilmetilcarbinol);
13-Fermentação buti...
41
16-Tipagem sorológica;
17-Presença de enzimas e
antígenos na superfície celular;
18-Perfil eletroforético de
proteínas;...
42
Característicasculturaisdas
bactérias
43
Característicasculturaisdas
bactérias
Características das Colonias
• 1.Qto ao BRILHO: TRANSPARENTE,
TRANSLUCIDA OU OPACA
• 2.Qto a COR: INCOLOR OU PIGMENTADA
• ...
45
Crescimento em tubo de agar inclinado
46
47
Meios para Provas Bioquímicas
48
49
Fermentação da carboidratos
Bifidobacterium
50
Fermentação da carboidratos
Tube 1:Culture en
WW (rose)
Tube 2:Lait
Tube 3:Type
respiratoire anaerobi
(WW profond)
Tube...
51
52
53
54
55
ÁGAR MUELLER-HINTON
56
CRESCIMENTO
CONFLUENTE
UTILIZADO NO
ANTIBIOGRAM
A
PROVA DA OPTOQUINA
57
PREPARAÇÃO DO MEIO
• 1-PESAGEM
• 2-DISSOLUÇÃO
• 3-ESTERILIZAÇÃO
• 4-DISTRIBUIÇÃO
• 5-TESTE DE ESTERILIDADE
58
DISSOLUÇÃO
• A FRIO = MEIO LIQUIDO
(CALDO, INFUSO)
• A QUENTE = MEIO SÓLIDO
(ÁGAR-ÁGAR)
59
Tubos
Placas
ESTERILIZAÇÃO
• AUTOCLAVE = 121ºC por 15 a 20min
(Substância termoestável)
60
ESTERILIZAÇÃO
• FILTRAÇÃO = Membrana milipore
(Substâncias termolábil: Soro, vitaminas,
antibióticos, açucares, etc)
61
SEMEADURA
62
SEMEADURA
• Princípio: Uma população microbiana,
sob condições naturais, contém muitas
espécies diferentes. Os
microbiolog...
Técnicas de Semeadura
• ESGOTAMENTO
• ESPALHAMENTO “POUR PLATE”
• ESPALHAMENTO POS PLATE
64
Técnica de Esgotamento
• A mais utilizada para isolamento de
germes em meio sólido (ágar sangue,
ágar EMB, etc ), onde se ...
Técnica de Esgotamento
•  Com a alça de platina, tocar
suavemente na amostra.
•  Passar a alça sobre o meio de cultura
e...
Técnica de Esgotamento
67
Incubar
na estufa
68
Colôniasisoladas
• COLÔNIAS QUE
SURGEM FORA
DOS RISCOS DA
ALÇA
69
SUGEREM POSSÍVEIS
CONTAMINANTE
Espalhamento “Pour Plate”
• Consiste em fazer uma prévia diluição
da amostra e colocar em uma placa de
Petri vazia e depoi...
Espalhamento “Pour Plate”
 Fazer diluição seriada da amostra, ex. 1/10,
1/100 e 1/1000.
 Colocar 1 ml de cada diluição e...
Espalhamento Pos Plate
• Consiste em colocar a amostra (diluida
ou não) sobre o meio com auxilio da
alça de platina calibr...
Contagem de Bactérias Viáveis
73
Recomendações Para Semeadura
• Todo processo deve ser feito em ambiente limpo
e desinfectado, próximo de uma chama “azul” ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Crescimento bacteriano

18.340 visualizações

Publicada em

  • Entre para ver os comentários

Crescimento bacteriano

  1. 1. CRESCIMENTO BACTERIANO 1 Prof. Gildemar Crispim Microbiologia Médica
  2. 2. Requerimento nutricional • As bactérias necessitam de uma FONTE DE CARBONO E NITROGENIO, FONTE DE ENERGIA, ÁGUA e vários ions para seu crescimento 2 CULTURA = ISOLAMENTO DE GERMES DIAGNÓSTIC O DAS DOENÇAS
  3. 3. Fontes de Nutrientes 3 Carbono: CO2, carboidratos, aminoácidos, etc. Nitrogênio: N2, NH3 (amonia), NO3(Nitrato), aminoácidos, etc. Enxofre: SO4(sulfato), cisteína(proteína), vitaminas, etc.
  4. 4. Fontes de Nutrientes 4 FÓSFORO: PO4 e nucleotídeos. Minerais: Fe, Ca, Mg, Mn, Zn, K, Na, Cl, etc. Fatores de crescimento: vitaminas, aminoácidos, nucleosídeos. (citosina, adenina, guanina, timina ou uracila)
  5. 5. CONDIÇÕES DE CULTIVO • TEMPERATURA • D.B.O (Demanda Bioquímica de Oxigênio) • TEMPO DE INCUBAÇÃO • PRESSÃO OSMÓTICA • UMIDADE • pH 5
  6. 6. TEMPERATURA DE INCUBAÇÃO •Psicrófilos = 12 a 17ºC •Mesófilos = 30 a 40 ºC •Termófilos = 57 a 87ºC 6 Arqueobacter = 250 – 350ºCArqueobacter = 250 – 350ºC Psicrotrófico = deteriorizaçãoPsicrotrófico = deteriorização dos alimentosdos alimentos
  7. 7. D.B.O – Demanda Bioquímica de O2 • FACULTATIVAS: Staphylococcus sp. • ANAERÓBIOS: Clostridium tetani • AERÓBIOS: M. tuberculose 7 CAMPINOFÍLICOS = Cresce em CO2
  8. 8. 8
  9. 9. D.B.O – Demanda Bioquímica de O2 • MICROAERÓFILAS: Campylobacter jejuni, Neisseria meningitide • AEROTOLERANTES: Enterococcus, faecalis 9 CAMPNOFÍLICOS = Cresce em CO2
  10. 10. PRESSÃO OSMÓTICA MEIO • ISOTÔNICO • HIPOTÔNICO • HIPERTÔNICO 10 Bactérias halofílicas obrigatórias ( 30 % )Bactérias halofílicas obrigatórias ( 30 % ) Bactérias halofílicas facultativas ( 2% )Bactérias halofílicas facultativas ( 2% ) Ágar Chapman-Stone para S. aureus Ambientes com alta concentração de sais
  11. 11. TEMPO DE INCUBAÇÃO 11 Tempo de Geração=Tempo de Geração= Tempo necessário paraTempo necessário para uma célula se dividir (dobro)]uma célula se dividir (dobro)] Geralmente 1 a 3Geralmente 1 a 3 HH ((E. coliE. coli  20 min.)20 min.) RepresentaçãoRepresentação logarítma ( Yx)logarítma ( Yx)TG
  12. 12. CRESCIMENTO E REPRODUÇÃO • Crescimento Microbiano: É o aumento do número de indivíduo e não o aumento de tamanho de uma determinada célula. 12 REPRODUÇÃOREPRODUÇÃO: É: É a perpetuação dasa perpetuação das espécies deespécies de bactérias pelobactérias pelo processo de divisãoprocesso de divisão binária, Cisciparidadebinária, Cisciparidade
  13. 13. Divisão Bacteriana 13
  14. 14. 14 No de bactérias/ml Tempo Fase de latência Fase de crescimento Exponencial (fase log) CURVA TÍPICA CRESCIMENTO BACTERIANOCURVA TÍPICA CRESCIMENTO BACTERIANO Fase estacionária Fase de decréscimo do número de bactérias (fase lag)
  15. 15. Número de Bactérias Totais 15
  16. 16. MEIOS DE CULTURA UTILIZADOS NA ROTINA BACTERIOLÓGICAS 16
  17. 17. MEIOS DE CULTURA 17 São misturas de nutrientesSão misturas de nutrientes necessários ao crescimentonecessários ao crescimento microbiano que deve conter amicrobiano que deve conter a fonte de energia e de todos osfonte de energia e de todos os elementos imprescindíveis àelementos imprescindíveis à vida das células.vida das células.
  18. 18. MEIOS DE CULTURA 18 A formulação deve levar emA formulação deve levar em conta o tipo nutritivo ao qualconta o tipo nutritivo ao qual o microorganismo pertence,o microorganismo pertence, considerando – se a fonte deconsiderando – se a fonte de energia, o substrato doadorenergia, o substrato doador de elétrons e a fonte dede elétrons e a fonte de carbono.carbono.
  19. 19. FATORES DE CRESCIMENTO • Também é imprescindível acrescentar ao meio vitaminas, cofatores e aminoácidos quando estes compostos não são sintetizados pelo microorganismo que se deseja cultivar. 19
  20. 20. Tipos de Meios de Cultura Meio Quimicamente Definido  Meio AR-103 Meio Complexo. Ex. ágar sangue Meio Seletivo Ex. ágar Chapman Stone, ágar EMB 20
  21. 21. Tipos de Meios de Cultura Meio Diferencial. Ex. ágar SS Meio de Enriquecimento. Caldo Verde Brilhante Meio de Transporte. Ex. Meio de Stuart 21
  22. 22. MEIOS DE TRANSPORTE • MEIO DE STUART • CARY BLAIN = Transporte para fezes • ROSA DUDET = Transporte para Micoplasma • MEIO DE LIGNIER 22
  23. 23. COPROCULTURA • ÁGAR E.M.B (Eosina Blue Metioleno) • ÁGAR MAC CONKEY • ÁGAR SS ( Salmonella-Shigella) • CALDO TETRATIONATO • SKIRROW = CAMPYLOBACTER 23
  24. 24. UROCULTURA • ÁGAR CLED (Contagem de colônias) • ÁGAR MAC CONKEY • BROLACIN • ÁGAR SANGUE 24
  25. 25. CULTURA DE SECREÇÕES • ÁGAR SANGUE • ÁGAR CHOCOLATE • ÁGAR THAYER MARTIN (GONOCOCOS) • CALDO BHI • CALDO TIOGLICOLATO (anaeróbios) 25
  26. 26. CULTURA PARA ANAEROBIOS • CALDO TIOGLICOLATO • Agar Sangue para Anaeróbios (ASA) • ASA + álcool feniletila, • ASA + kanamicina + vancomicina • Agar cicloserina-cefoxitina—frutose, Caldo tioglicolato enriquecido 26
  27. 27. CULTURA PARA TUBERCULOSE • Descontaminação prévia (Petrof, Lauril sulfato de sódio) • Meio de Lowenstein-Jensen: ovo coagulado • Middlebrook 7H10 - Meio à base de ágar 27
  28. 28. MICOBACTERIUM TUBERCULOSIS 28
  29. 29. BACTÉRIAS NÃO CULTIVÁVEIS: • MYCOBACTERIUM LEPRAE • TREPONEMA PALIDUM • RIQUÉTSIAS 29
  30. 30. CULTURA PARA FUNGOS • ÁGAR SABOURAND • MICOSEL • ÁGAR B.D.A (ÁGAR DEXTROSE- BATATA) 30
  31. 31. MEIOS PARA TRICHOMONAS • MEIO DE KUPFERBERG • MEIO DE ROISON • MEIO DE DIAMOND 31
  32. 32. S.Aureus em ÁGAR SANGUE 32
  33. 33. ÁGAR SANGUE 33
  34. 34. ÁGAR SANGUE • O sangue é adicionado a temperatura de 40ºC no ágar base ou ágar Mueller- Hinton. As hemácias são preservadas íntegras Meio de enriquecimento 34
  35. 35. ÁGAR CHOCOLATE • O SANGUE QUANDO AQUECIDO A 56ºC LIBERA DIVERSAS SUBSTÂNCIAS QUE FUNCIONAM COMO FATORES DE CRESCIMENTO 35 Cultura para Neisserias
  36. 36. ÁGAR SS (Salmonella & Shigella) 36 AS COLÔNIAS NEGRAS INDICAM A PRODUÇÃO DE H2S PELAS SALMONELLAS
  37. 37. TCBS CHOLERA MEDIUM 1-V. Cholerae 37 Incubação: 24hs em 35ºC
  38. 38. 38 1- Morfologia das colônias; 2-Forma, Coloração de Gram, Arranjo, Motilidade, Catalase; 3-Modo de fermentação da glicose (carboidratos) e perfil bioquímico; 4-Fatores de crescimento; 5-Disponibilidade de oxigênio; CARACTERÍSTICAS FENOTÍPICAS
  39. 39. 39 6-Testes de produção de gás; 7-Tolerância ao sal, pH e bile; 8-Crescimento em determinadas temperaturas (máxima e mínima); 9-Condições do ácido láctico produzido;
  40. 40. 40 10-Tipos de bacteriófagos; 11-Hidrólise da Arginina; 12-Formação de Acetoina (Acetilmetilcarbinol); 13-Fermentação butilenoglicólica; 14-Tipo de hemólise; 15-Produção de polissacarídeos extracelulares;
  41. 41. 41 16-Tipagem sorológica; 17-Presença de enzimas e antígenos na superfície celular; 18-Perfil eletroforético de proteínas; 19-Atividade antimicrobiana; 20-Lipídeos e constituintes da parede celular
  42. 42. 42 Característicasculturaisdas bactérias
  43. 43. 43 Característicasculturaisdas bactérias
  44. 44. Características das Colonias • 1.Qto ao BRILHO: TRANSPARENTE, TRANSLUCIDA OU OPACA • 2.Qto a COR: INCOLOR OU PIGMENTADA • 3.Qto ao ASPECTO:VISCOSA, ÚMIDA, FILAMENTOSA, ETC, 44
  45. 45. 45 Crescimento em tubo de agar inclinado
  46. 46. 46
  47. 47. 47
  48. 48. Meios para Provas Bioquímicas 48
  49. 49. 49 Fermentação da carboidratos Bifidobacterium
  50. 50. 50 Fermentação da carboidratos Tube 1:Culture en WW (rose) Tube 2:Lait Tube 3:Type respiratoire anaerobi (WW profond) Tube 4:Glucose Tube 5:Saccharose Tube 6:Lactose Tube 7:Glycerol Tube 8:Mannitol Tube 9:Amidon Tube 10:Indole Tube 11:Nitrate
  51. 51. 51
  52. 52. 52
  53. 53. 53
  54. 54. 54
  55. 55. 55
  56. 56. ÁGAR MUELLER-HINTON 56 CRESCIMENTO CONFLUENTE UTILIZADO NO ANTIBIOGRAM A
  57. 57. PROVA DA OPTOQUINA 57
  58. 58. PREPARAÇÃO DO MEIO • 1-PESAGEM • 2-DISSOLUÇÃO • 3-ESTERILIZAÇÃO • 4-DISTRIBUIÇÃO • 5-TESTE DE ESTERILIDADE 58
  59. 59. DISSOLUÇÃO • A FRIO = MEIO LIQUIDO (CALDO, INFUSO) • A QUENTE = MEIO SÓLIDO (ÁGAR-ÁGAR) 59 Tubos Placas
  60. 60. ESTERILIZAÇÃO • AUTOCLAVE = 121ºC por 15 a 20min (Substância termoestável) 60
  61. 61. ESTERILIZAÇÃO • FILTRAÇÃO = Membrana milipore (Substâncias termolábil: Soro, vitaminas, antibióticos, açucares, etc) 61
  62. 62. SEMEADURA 62
  63. 63. SEMEADURA • Princípio: Uma população microbiana, sob condições naturais, contém muitas espécies diferentes. Os microbiologistas devem ser capazes de isolar, enumerar, e identificar os microrganismos em uma amostra, para então classificá-los e caracterizá-los. 63
  64. 64. Técnicas de Semeadura • ESGOTAMENTO • ESPALHAMENTO “POUR PLATE” • ESPALHAMENTO POS PLATE 64
  65. 65. Técnica de Esgotamento • A mais utilizada para isolamento de germes em meio sólido (ágar sangue, ágar EMB, etc ), onde se utiliza uma alça de platina, previamente flambada e esfriada 65
  66. 66. Técnica de Esgotamento •  Com a alça de platina, tocar suavemente na amostra. •  Passar a alça sobre o meio de cultura em movimento de zigue-zague sem sobrepor as linha e sem recarregar a Alça. •  Incubar as placas a 37ºC por 24 a 48 horas 66
  67. 67. Técnica de Esgotamento 67 Incubar na estufa
  68. 68. 68 Colôniasisoladas
  69. 69. • COLÔNIAS QUE SURGEM FORA DOS RISCOS DA ALÇA 69 SUGEREM POSSÍVEIS CONTAMINANTE
  70. 70. Espalhamento “Pour Plate” • Consiste em fazer uma prévia diluição da amostra e colocar em uma placa de Petri vazia e depois derramar o meio sobre a amostra e agitar para homogenizar a amostra diluída com o meio de cultura. 70 Cultura de urina = Contagem de colônias (UFC/ml)
  71. 71. Espalhamento “Pour Plate”  Fazer diluição seriada da amostra, ex. 1/10, 1/100 e 1/1000.  Colocar 1 ml de cada diluição em uma placa de Petri estéril  Fundir 10 ml de meio sólido e refriar a 65ºC  Derramar sobre a amostra na placa e aplicar movimentos suaves na placa para misturar a amostra com o meio;  Esperar o meio solidificar novamente e incubar as placas a 37ºC por 24 a 48 hora 71
  72. 72. Espalhamento Pos Plate • Consiste em colocar a amostra (diluida ou não) sobre o meio com auxilio da alça de platina calibrada e espalhar por toda placa. • Pode-se também colocar um volume conhecido (10ul) com pipeta automática e espalhar com alça de Drigalsky. 72
  73. 73. Contagem de Bactérias Viáveis 73
  74. 74. Recomendações Para Semeadura • Todo processo deve ser feito em ambiente limpo e desinfectado, próximo de uma chama “azul” de um bico de Bunsen, ou então dentro de uma câmara de fluxo laminar; • Alça de platina utilizada para semear, deve ser flambada antes e depois da semeadura; • As placas semeadas devem ser incubadas com tampa invertida para não haver transpiração do meio sobre a tampa 74

×