SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
Baixar para ler offline
PREFEITURA MUNICIPAL DE PARAUAPEBAS
SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE
HOSPITAL MUNICIPAL DE PARAUAPEBAS
LABORATÓRIO MUNICIPAL DE PARAUAPEBAS

CURSO DE ATUALIZAÇÃO
EM HEMOSTASIA
Fábio André Campos Baía
Biomédico (CRBM 4 – 570/PA) e Médico Veterinário (CRMV-PA – 2426)
Especialista em Gestão em Saúde Pública
Cursando Especialização em Hematologia
Contatos: (94) 91282261 / (91) 81716863 / agearcan@hotmail.com
INTRODUÇÃO
 O que é sangue?

 Os componentes do sangue ou tecido sanguíneo:

2

FÁBIO A. C. BAÍA (Biomédico e Médico Veterinário)
INTRODUÇÃO
 HEMOSTASIA: é um processo fisiológico que tem como

objetivo manter o sangue em estado fluido dentro dos vasos
sanguíneos, sem que haja hemorragia ou trombose.
 Em condições fisiológicas, as células endoteliais, que

revestem os vasos sanguíneos, expressam substâncias com
propriedades anticoagulantes.

3

FÁBIO A. C. BAÍA (Biomédico e Médico Veterinário)
INTRODUÇÃO
 Quando ocorre dano vascular, começa a formação do coágulo

de fibrina.
 Os mecanismos envolvidos nesse processo, constituintes do

sistema hemostático, devem ser regulados para
simultaneamente, contrapor-se à perda excessiva de sangue e
evitar a formação de trombos intravasculares, decorrentes de
formação excessiva de fibrina.

4

FÁBIO A. C. BAÍA (Biomédico e Médico Veterinário)
INTRODUÇÃO
 Os componentes do sistema

hemostático
incluem
as
plaquetas, os vasos, as proteínas
da coagulação do sangue, os
anticoagulantes naturais e o
sistema de fibrinólise.

 A formação do coágulo de

fibrina envolve complexas
interações entre proteases
plasmáticas e seus cofatores, que
culminam na gênese da enzima
trombina, que, por proteólise,
converte o fibrinogênio solúvel
em fibrina insolúvel.

5

FÁBIO A. C. BAÍA (Biomédico e Médico Veterinário)
INTRODUÇÃO
 A cascata da coagulação:

6

FÁBIO A. C. BAÍA (Biomédico e Médico Veterinário)
INTRODUÇÃO
 As doenças hemorrágicas abrangem diversas condições

clínicas, sendo caracterizadas por hemorragias de gravidade
variável em diferentes locais do corpo. Podem ser de causa
hereditária ou adquirida, relacionadas a doenças
hematológicas ou a outras condições sistêmicas.

7

FÁBIO A. C. BAÍA (Biomédico e Médico Veterinário)
COLETA
 Orientar o paciente
 Escolha do local de coleta
 Onde
não
estiver

sendo

administrado medicamentos
 Vaso de bom calibre
 Garroteamento < 1’00’’ : evitar
congestão e hemoconcentração

 Sangue fluir facilmente
 Distribuição para os tubos após a

retirada da agulha
 Homogeinização até esgotar todo o
anticiagulante
 Preferencialmente usar tubos a
vácuo
 Promover a hemostasia através da
compressão
8

FÁBIO A. C. BAÍA (Biomédico e Médico Veterinário)
COLETA
 Principais exames que avaliam a

hemostasia:
 FC (ou PL), TS, TC, TTPa, TP

(INR e ATV%), plaquetas
 Coagulograma I: FC (ou PL),
TC e TS
 Coagulograma II: TP e TTPa
 Coagulograma total: I + II +
plaquetas

9

FÁBIO A. C. BAÍA (Biomédico e Médico Veterinário)
COLETA
 Procedimento:
 E.P.I.
 Agulha ou lanceta: TS

 Garrote: FC (ou PL)
 Seringa sem anticoagulante
 3 Tubos específicos
 Tampa vermelha: TC
 Tampa roxa: plaquetas
 Tampa azul: TP e TTPa

10

FÁBIO A. C. BAÍA (Biomédico e Médico Veterinário)
ANÁLISES LABORATORIAIS
 Inúmeros testes:
 Tempo de coagulação (TC)
 Tempo de sangria ou sangramento (TS)
 Prova da Fragilidade Capilar ou Prova do Laço (FC ou PL)

 Tempo de Protrombina (TP ou TAP)
 Tempo de Tromboplastina Parcial Ativada (TTPa)
 Contagem de Plaquetas
 Tempo de Trombina (TT)
 Retração do Coágulo (RC)

11

FÁBIO A. C. BAÍA (Biomédico e Médico Veterinário)
ANÁLISES LABORATORIAIS
 A cascata da coagulação:

12

FÁBIO A. C. BAÍA (Biomédico e Médico Veterinário)
ANÁLISES LABORATORIAIS
 Tempo de coagulação (TC)
 Pouco valor clinico de triagem
 Usado no controle de terapia com heparina
 Colocar 1 mL de sangue no tubo de ensaio

 Banho-maria a 37°C
 Contar o tempo a partir da colocação no tubo

13

FÁBIO A. C. BAÍA (Biomédico e Médico Veterinário)
ANÁLISES LABORATORIAIS
 Tempo de coagulação (TC)
 Referência: 6 – 12 min.
 Prolongado na: deficiência severa em qualquer fator de

coagulação (exceto VII e XIII), afibrinogenemia e anticoagulante
 Normal na trombocitopenia (plaquetopenia)

14

FÁBIO A. C. BAÍA (Biomédico e Médico Veterinário)
ANÁLISES LABORATORIAIS
 Tempo

de sangria
sangramento (TS)

ou

 O TS mede a integridade

da função plaquetária e da
parede vascular
 Incisão com auxilio de
agulha ou lanceta no lobo
da orelha ou dedo
 Contar o tempo desde a
incisão até a cessação do
sangramento
15

FÁBIO A. C. BAÍA (Biomédico e Médico Veterinário)
ANÁLISES LABORATORIAIS
 Tempo de sangria ou sangramento (TS)
 Não é de valor clínico: em desuso
 Valor de referência atual: de 1 – 7 min

 Aumentado em:
 Trombocitopenia (plaquetopenia)
 Doenças relacionadas a função das plaquetas

16

FÁBIO A. C. BAÍA (Biomédico e Médico Veterinário)
ANÁLISES LABORATORIAIS
 Prova da Fragilidade Capilar ou Prova do Laço (FC ou PL)
 Avalia a permeabilidade ou a fragilidade capilar
 Garroteamento do retorno venoso -> aumento da pressão

interna
 Valor de referência: 1 – 5 petéquias em 25cm2
 Teste positivo: defeito qualitativo ou quantitativo das plaquetas
ou defeito vascular

17

FÁBIO A. C. BAÍA (Biomédico e Médico Veterinário)
ANÁLISES LABORATORIAIS
 Tempo de Protrombina (TP ou

TaP)

 Avalia o tempo de formação do

coágulo a partir da adição de
fator tecidual (tromboplastina)
e cálcio ao plasma
 Coleta em tubo de citrato
 Referência:
 10 – 14”
 INR: 0,9 – 1,25
 Atividade: 70 – 100%

 Aumentado

em: deficiências
dos fatores I, II, V, VII e X

18

FÁBIO A. C. BAÍA (Biomédico e Médico Veterinário)
ANÁLISES LABORATORIAIS
 Tempo de Tromboplastina

Parcial Ativada (TTPa)
 Avalia

o tempo de
coagulação do plamsa na
presença de cefalina e um
ativador
 Coleta em tubo de citrato
 Referência: 25 – 45”
 Aumentado na:
 deficiência dos fatores VIII,

IX, X, XI e XII.

19

FÁBIO A. C. BAÍA (Biomédico e Médico Veterinário)
ANÁLISES LABORATORIAIS
 TP e TTPa podem ser potencialmente patológicos, portanto

os erros pré-analíticos devem ser grandemente evitados. Há
uma grande variedade de possibilidades diagnósticas com a
combinação de resultados.

20

FÁBIO A. C. BAÍA (Biomédico e Médico Veterinário)
ANÁLISES LABORATORIAIS
 Contagem de Plaquetas
 Método automatizados
 Tubo de tampa roxa (hemograma)
 Contagem falsamente baixa: agregados de plaquetas
 coleta demorada, dificuldade na coleta, aspiração muito lenta, demora a
agitação do tubo
 Referência: 120.000 - 450.000 /mm3
 Trombocitopenia:
 diminuição da produção, diluição, transfusão, infecção, medicamentos,
etc.
 Trombocitose (plaquetose):
 Neoplasia, reacional (anemia, pós-operatório, pós-hemorragia, etc).

21

FÁBIO A. C. BAÍA (Biomédico e Médico Veterinário)
OBRIGADO PELA ATENÇÃO
“Muito a aprender você ainda tem.”
Por Master Yoda

22

FÁBIO A. C. BAÍA (Biomédico e Médico Veterinário)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

1a aula sangue (composição, caracterização geral e origem das células sangü...
1a aula   sangue (composição, caracterização geral e origem das células sangü...1a aula   sangue (composição, caracterização geral e origem das células sangü...
1a aula sangue (composição, caracterização geral e origem das células sangü...
Rodolfo Pimentel Oliveira
 
Cascata de coagulação
Cascata de coagulaçãoCascata de coagulação
Cascata de coagulação
Rutxizita
 
Coleta, transporte e conservação de amostras em
Coleta, transporte e conservação de amostras emColeta, transporte e conservação de amostras em
Coleta, transporte e conservação de amostras em
Claysson Xavier
 
Fisiologia Humana 6 - Sistema Renal
Fisiologia Humana 6 - Sistema RenalFisiologia Humana 6 - Sistema Renal
Fisiologia Humana 6 - Sistema Renal
Herbert Santana
 

Mais procurados (20)

Manual coleta de sangue
Manual coleta de sangueManual coleta de sangue
Manual coleta de sangue
 
Instruções de coleta para exames laboratoriais
Instruções de coleta para exames laboratoriaisInstruções de coleta para exames laboratoriais
Instruções de coleta para exames laboratoriais
 
Interpretação do hemograma
Interpretação do hemogramaInterpretação do hemograma
Interpretação do hemograma
 
Imunologia - Casos Clínicos
Imunologia - Casos ClínicosImunologia - Casos Clínicos
Imunologia - Casos Clínicos
 
Coagulação Sanguínea
Coagulação SanguíneaCoagulação Sanguínea
Coagulação Sanguínea
 
Coleta de sangue venoso
Coleta de sangue venosoColeta de sangue venoso
Coleta de sangue venoso
 
1a aula sangue (composição, caracterização geral e origem das células sangü...
1a aula   sangue (composição, caracterização geral e origem das células sangü...1a aula   sangue (composição, caracterização geral e origem das células sangü...
1a aula sangue (composição, caracterização geral e origem das células sangü...
 
Sangue
SangueSangue
Sangue
 
Slide 1 Aula 1 Hematologia
Slide 1   Aula 1 HematologiaSlide 1   Aula 1 Hematologia
Slide 1 Aula 1 Hematologia
 
Derrames Pleurais
Derrames PleuraisDerrames Pleurais
Derrames Pleurais
 
Aula Hemostasia
Aula HemostasiaAula Hemostasia
Aula Hemostasia
 
Relatorio de estagio 2
Relatorio de estagio 2Relatorio de estagio 2
Relatorio de estagio 2
 
Cascata de coagulação
Cascata de coagulaçãoCascata de coagulação
Cascata de coagulação
 
Coleta, transporte e conservação de amostras em
Coleta, transporte e conservação de amostras emColeta, transporte e conservação de amostras em
Coleta, transporte e conservação de amostras em
 
1. coleta de sangue
1. coleta de sangue1. coleta de sangue
1. coleta de sangue
 
urinalise
urinaliseurinalise
urinalise
 
Fisiologia Humana 6 - Sistema Renal
Fisiologia Humana 6 - Sistema RenalFisiologia Humana 6 - Sistema Renal
Fisiologia Humana 6 - Sistema Renal
 
Sistema UrináRio
Sistema UrináRioSistema UrináRio
Sistema UrináRio
 
Sangue
SangueSangue
Sangue
 
Fisiologia - Sistema Cardiovascular
Fisiologia - Sistema CardiovascularFisiologia - Sistema Cardiovascular
Fisiologia - Sistema Cardiovascular
 

Destaque

Plaquetas fisiologia e avaliacao laboratorial
Plaquetas fisiologia e avaliacao laboratorialPlaquetas fisiologia e avaliacao laboratorial
Plaquetas fisiologia e avaliacao laboratorial
Nelcivone Soares de Melo
 
Aulas im 2012 13 fmuc
Aulas im 2012   13 fmucAulas im 2012   13 fmuc
Aulas im 2012 13 fmuc
commed1
 
5 hemostasia e bioquimica do sistema circulatorio
5 hemostasia e bioquimica do sistema circulatorio5 hemostasia e bioquimica do sistema circulatorio
5 hemostasia e bioquimica do sistema circulatorio
manetoufrj
 
Ano vii edic12-rev77
Ano vii edic12-rev77Ano vii edic12-rev77
Ano vii edic12-rev77
rodsilva2013
 
Sistema nervoso victor c speirs
Sistema nervoso   victor c speirsSistema nervoso   victor c speirs
Sistema nervoso victor c speirs
Jamile Vitória
 

Destaque (20)

Plaquetas fisiologia e avaliacao laboratorial
Plaquetas fisiologia e avaliacao laboratorialPlaquetas fisiologia e avaliacao laboratorial
Plaquetas fisiologia e avaliacao laboratorial
 
Fisiologia coagulacao
Fisiologia coagulacaoFisiologia coagulacao
Fisiologia coagulacao
 
Coagulação Sanguínea
Coagulação SanguíneaCoagulação Sanguínea
Coagulação Sanguínea
 
Aula de hemostase e coagulação sanguínea Dr Augusto 2013
Aula de hemostase e coagulação sanguínea Dr Augusto 2013Aula de hemostase e coagulação sanguínea Dr Augusto 2013
Aula de hemostase e coagulação sanguínea Dr Augusto 2013
 
Hemostasia
HemostasiaHemostasia
Hemostasia
 
Hemostasia slide
Hemostasia slideHemostasia slide
Hemostasia slide
 
Manual de hematologia
Manual de hematologiaManual de hematologia
Manual de hematologia
 
Aulas im 2012 13 fmuc
Aulas im 2012   13 fmucAulas im 2012   13 fmuc
Aulas im 2012 13 fmuc
 
Endo y subenotelio, plaquetas
Endo y subenotelio, plaquetasEndo y subenotelio, plaquetas
Endo y subenotelio, plaquetas
 
Hematologia
HematologiaHematologia
Hematologia
 
1 história hematologia
1  história hematologia1  história hematologia
1 história hematologia
 
5 hemostasia e bioquimica do sistema circulatorio
5 hemostasia e bioquimica do sistema circulatorio5 hemostasia e bioquimica do sistema circulatorio
5 hemostasia e bioquimica do sistema circulatorio
 
Osteologiaparte4color 110303073257-phpapp01
Osteologiaparte4color 110303073257-phpapp01Osteologiaparte4color 110303073257-phpapp01
Osteologiaparte4color 110303073257-phpapp01
 
Vademecum ARSAL
Vademecum ARSALVademecum ARSAL
Vademecum ARSAL
 
102 paginas
102 paginas102 paginas
102 paginas
 
Ano vii edic12-rev77
Ano vii edic12-rev77Ano vii edic12-rev77
Ano vii edic12-rev77
 
Sistema nervoso victor c speirs
Sistema nervoso   victor c speirsSistema nervoso   victor c speirs
Sistema nervoso victor c speirs
 
Guia terapêutico veterinário
Guia terapêutico veterinário Guia terapêutico veterinário
Guia terapêutico veterinário
 
Biblioteca Virtual em Medicina Veterinária e Zootecnia
Biblioteca Virtual em Medicina Veterinária e ZootecniaBiblioteca Virtual em Medicina Veterinária e Zootecnia
Biblioteca Virtual em Medicina Veterinária e Zootecnia
 
Clase 1
Clase 1Clase 1
Clase 1
 

Semelhante a Curso Atualização Hemostasia pdf

Iv curso teórico prático monitorização hemod
Iv curso teórico prático monitorização hemodIv curso teórico prático monitorização hemod
Iv curso teórico prático monitorização hemod
ctisaolucascopacabana
 
Derramepleural 100508113220-phpapp02
Derramepleural 100508113220-phpapp02Derramepleural 100508113220-phpapp02
Derramepleural 100508113220-phpapp02
EdEr Mariano
 
Artigo_SVcO2 e lactato na CEC_Associação c/ resultados C.C.Pediátrica
Artigo_SVcO2 e lactato na CEC_Associação c/ resultados C.C.PediátricaArtigo_SVcO2 e lactato na CEC_Associação c/ resultados C.C.Pediátrica
Artigo_SVcO2 e lactato na CEC_Associação c/ resultados C.C.Pediátrica
Paulo Sérgio
 

Semelhante a Curso Atualização Hemostasia pdf (20)

Análise de Líquidos Corporais
Análise de Líquidos CorporaisAnálise de Líquidos Corporais
Análise de Líquidos Corporais
 
Hemotransfusão Em Pediatria
Hemotransfusão Em PediatriaHemotransfusão Em Pediatria
Hemotransfusão Em Pediatria
 
Sepse, sepse grave, choque séptico
Sepse, sepse grave, choque sépticoSepse, sepse grave, choque séptico
Sepse, sepse grave, choque séptico
 
Sessão trale
Sessão traleSessão trale
Sessão trale
 
Choque
ChoqueChoque
Choque
 
Aula prática.1 coleta e anticoagulantes.06
Aula prática.1   coleta e anticoagulantes.06Aula prática.1   coleta e anticoagulantes.06
Aula prática.1 coleta e anticoagulantes.06
 
Trab. farmaco (1)
Trab. farmaco (1)Trab. farmaco (1)
Trab. farmaco (1)
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Aula lesoes vasculares hepáticas 2016_pdf- LILIANA MENDES
Aula lesoes vasculares hepáticas 2016_pdf- LILIANA MENDESAula lesoes vasculares hepáticas 2016_pdf- LILIANA MENDES
Aula lesoes vasculares hepáticas 2016_pdf- LILIANA MENDES
 
Hemoterapia 2
Hemoterapia 2Hemoterapia 2
Hemoterapia 2
 
Anestesia para revascularização do miocárdio 2017
Anestesia para revascularização do miocárdio 2017Anestesia para revascularização do miocárdio 2017
Anestesia para revascularização do miocárdio 2017
 
Iv curso teórico prático monitorização hemod
Iv curso teórico prático monitorização hemodIv curso teórico prático monitorização hemod
Iv curso teórico prático monitorização hemod
 
Dengue gravidez
Dengue   gravidezDengue   gravidez
Dengue gravidez
 
PRÉ-OPERATÓRIO DA CIRURGIA GINECOLÓGICA
PRÉ-OPERATÓRIO DA CIRURGIA GINECOLÓGICAPRÉ-OPERATÓRIO DA CIRURGIA GINECOLÓGICA
PRÉ-OPERATÓRIO DA CIRURGIA GINECOLÓGICA
 
Derramepleural 100508113220-phpapp02
Derramepleural 100508113220-phpapp02Derramepleural 100508113220-phpapp02
Derramepleural 100508113220-phpapp02
 
6 hemorragia digestiva ue atu
6   hemorragia digestiva ue atu6   hemorragia digestiva ue atu
6 hemorragia digestiva ue atu
 
Lucas
LucasLucas
Lucas
 
Transplante Cardíaco
Transplante CardíacoTransplante Cardíaco
Transplante Cardíaco
 
Artigo_SVcO2 e lactato na CEC_Associação c/ resultados C.C.Pediátrica
Artigo_SVcO2 e lactato na CEC_Associação c/ resultados C.C.PediátricaArtigo_SVcO2 e lactato na CEC_Associação c/ resultados C.C.Pediátrica
Artigo_SVcO2 e lactato na CEC_Associação c/ resultados C.C.Pediátrica
 
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemiasTrabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
 

Mais de Fábio Baía

Mais de Fábio Baía (8)

Leishmaniose - Leishmania
Leishmaniose - LeishmaniaLeishmaniose - Leishmania
Leishmaniose - Leishmania
 
Malaria - Plasmodium
Malaria - PlasmodiumMalaria - Plasmodium
Malaria - Plasmodium
 
Função das adrenais veterinária
Função das adrenais veterináriaFunção das adrenais veterinária
Função das adrenais veterinária
 
Defesa de Mestrado
Defesa de MestradoDefesa de Mestrado
Defesa de Mestrado
 
Função da Tireóide Veterinária
Função da Tireóide VeterináriaFunção da Tireóide Veterinária
Função da Tireóide Veterinária
 
Capacitação para Controladoras de Pragas e Vetores
Capacitação para Controladoras de Pragas e VetoresCapacitação para Controladoras de Pragas e Vetores
Capacitação para Controladoras de Pragas e Vetores
 
Treinamento em Vigilância das doenças transmitidas por alimentos (VDTA)
Treinamento em Vigilância das doenças transmitidas por alimentos (VDTA)Treinamento em Vigilância das doenças transmitidas por alimentos (VDTA)
Treinamento em Vigilância das doenças transmitidas por alimentos (VDTA)
 
Curso de manipulador de alimentos: açougue
Curso de manipulador de alimentos: açougueCurso de manipulador de alimentos: açougue
Curso de manipulador de alimentos: açougue
 

Curso Atualização Hemostasia pdf

  • 1. PREFEITURA MUNICIPAL DE PARAUAPEBAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE HOSPITAL MUNICIPAL DE PARAUAPEBAS LABORATÓRIO MUNICIPAL DE PARAUAPEBAS CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM HEMOSTASIA Fábio André Campos Baía Biomédico (CRBM 4 – 570/PA) e Médico Veterinário (CRMV-PA – 2426) Especialista em Gestão em Saúde Pública Cursando Especialização em Hematologia Contatos: (94) 91282261 / (91) 81716863 / agearcan@hotmail.com
  • 2. INTRODUÇÃO  O que é sangue?  Os componentes do sangue ou tecido sanguíneo: 2 FÁBIO A. C. BAÍA (Biomédico e Médico Veterinário)
  • 3. INTRODUÇÃO  HEMOSTASIA: é um processo fisiológico que tem como objetivo manter o sangue em estado fluido dentro dos vasos sanguíneos, sem que haja hemorragia ou trombose.  Em condições fisiológicas, as células endoteliais, que revestem os vasos sanguíneos, expressam substâncias com propriedades anticoagulantes. 3 FÁBIO A. C. BAÍA (Biomédico e Médico Veterinário)
  • 4. INTRODUÇÃO  Quando ocorre dano vascular, começa a formação do coágulo de fibrina.  Os mecanismos envolvidos nesse processo, constituintes do sistema hemostático, devem ser regulados para simultaneamente, contrapor-se à perda excessiva de sangue e evitar a formação de trombos intravasculares, decorrentes de formação excessiva de fibrina. 4 FÁBIO A. C. BAÍA (Biomédico e Médico Veterinário)
  • 5. INTRODUÇÃO  Os componentes do sistema hemostático incluem as plaquetas, os vasos, as proteínas da coagulação do sangue, os anticoagulantes naturais e o sistema de fibrinólise.  A formação do coágulo de fibrina envolve complexas interações entre proteases plasmáticas e seus cofatores, que culminam na gênese da enzima trombina, que, por proteólise, converte o fibrinogênio solúvel em fibrina insolúvel. 5 FÁBIO A. C. BAÍA (Biomédico e Médico Veterinário)
  • 6. INTRODUÇÃO  A cascata da coagulação: 6 FÁBIO A. C. BAÍA (Biomédico e Médico Veterinário)
  • 7. INTRODUÇÃO  As doenças hemorrágicas abrangem diversas condições clínicas, sendo caracterizadas por hemorragias de gravidade variável em diferentes locais do corpo. Podem ser de causa hereditária ou adquirida, relacionadas a doenças hematológicas ou a outras condições sistêmicas. 7 FÁBIO A. C. BAÍA (Biomédico e Médico Veterinário)
  • 8. COLETA  Orientar o paciente  Escolha do local de coleta  Onde não estiver sendo administrado medicamentos  Vaso de bom calibre  Garroteamento < 1’00’’ : evitar congestão e hemoconcentração  Sangue fluir facilmente  Distribuição para os tubos após a retirada da agulha  Homogeinização até esgotar todo o anticiagulante  Preferencialmente usar tubos a vácuo  Promover a hemostasia através da compressão 8 FÁBIO A. C. BAÍA (Biomédico e Médico Veterinário)
  • 9. COLETA  Principais exames que avaliam a hemostasia:  FC (ou PL), TS, TC, TTPa, TP (INR e ATV%), plaquetas  Coagulograma I: FC (ou PL), TC e TS  Coagulograma II: TP e TTPa  Coagulograma total: I + II + plaquetas 9 FÁBIO A. C. BAÍA (Biomédico e Médico Veterinário)
  • 10. COLETA  Procedimento:  E.P.I.  Agulha ou lanceta: TS  Garrote: FC (ou PL)  Seringa sem anticoagulante  3 Tubos específicos  Tampa vermelha: TC  Tampa roxa: plaquetas  Tampa azul: TP e TTPa 10 FÁBIO A. C. BAÍA (Biomédico e Médico Veterinário)
  • 11. ANÁLISES LABORATORIAIS  Inúmeros testes:  Tempo de coagulação (TC)  Tempo de sangria ou sangramento (TS)  Prova da Fragilidade Capilar ou Prova do Laço (FC ou PL)  Tempo de Protrombina (TP ou TAP)  Tempo de Tromboplastina Parcial Ativada (TTPa)  Contagem de Plaquetas  Tempo de Trombina (TT)  Retração do Coágulo (RC) 11 FÁBIO A. C. BAÍA (Biomédico e Médico Veterinário)
  • 12. ANÁLISES LABORATORIAIS  A cascata da coagulação: 12 FÁBIO A. C. BAÍA (Biomédico e Médico Veterinário)
  • 13. ANÁLISES LABORATORIAIS  Tempo de coagulação (TC)  Pouco valor clinico de triagem  Usado no controle de terapia com heparina  Colocar 1 mL de sangue no tubo de ensaio  Banho-maria a 37°C  Contar o tempo a partir da colocação no tubo 13 FÁBIO A. C. BAÍA (Biomédico e Médico Veterinário)
  • 14. ANÁLISES LABORATORIAIS  Tempo de coagulação (TC)  Referência: 6 – 12 min.  Prolongado na: deficiência severa em qualquer fator de coagulação (exceto VII e XIII), afibrinogenemia e anticoagulante  Normal na trombocitopenia (plaquetopenia) 14 FÁBIO A. C. BAÍA (Biomédico e Médico Veterinário)
  • 15. ANÁLISES LABORATORIAIS  Tempo de sangria sangramento (TS) ou  O TS mede a integridade da função plaquetária e da parede vascular  Incisão com auxilio de agulha ou lanceta no lobo da orelha ou dedo  Contar o tempo desde a incisão até a cessação do sangramento 15 FÁBIO A. C. BAÍA (Biomédico e Médico Veterinário)
  • 16. ANÁLISES LABORATORIAIS  Tempo de sangria ou sangramento (TS)  Não é de valor clínico: em desuso  Valor de referência atual: de 1 – 7 min  Aumentado em:  Trombocitopenia (plaquetopenia)  Doenças relacionadas a função das plaquetas 16 FÁBIO A. C. BAÍA (Biomédico e Médico Veterinário)
  • 17. ANÁLISES LABORATORIAIS  Prova da Fragilidade Capilar ou Prova do Laço (FC ou PL)  Avalia a permeabilidade ou a fragilidade capilar  Garroteamento do retorno venoso -> aumento da pressão interna  Valor de referência: 1 – 5 petéquias em 25cm2  Teste positivo: defeito qualitativo ou quantitativo das plaquetas ou defeito vascular 17 FÁBIO A. C. BAÍA (Biomédico e Médico Veterinário)
  • 18. ANÁLISES LABORATORIAIS  Tempo de Protrombina (TP ou TaP)  Avalia o tempo de formação do coágulo a partir da adição de fator tecidual (tromboplastina) e cálcio ao plasma  Coleta em tubo de citrato  Referência:  10 – 14”  INR: 0,9 – 1,25  Atividade: 70 – 100%  Aumentado em: deficiências dos fatores I, II, V, VII e X 18 FÁBIO A. C. BAÍA (Biomédico e Médico Veterinário)
  • 19. ANÁLISES LABORATORIAIS  Tempo de Tromboplastina Parcial Ativada (TTPa)  Avalia o tempo de coagulação do plamsa na presença de cefalina e um ativador  Coleta em tubo de citrato  Referência: 25 – 45”  Aumentado na:  deficiência dos fatores VIII, IX, X, XI e XII. 19 FÁBIO A. C. BAÍA (Biomédico e Médico Veterinário)
  • 20. ANÁLISES LABORATORIAIS  TP e TTPa podem ser potencialmente patológicos, portanto os erros pré-analíticos devem ser grandemente evitados. Há uma grande variedade de possibilidades diagnósticas com a combinação de resultados. 20 FÁBIO A. C. BAÍA (Biomédico e Médico Veterinário)
  • 21. ANÁLISES LABORATORIAIS  Contagem de Plaquetas  Método automatizados  Tubo de tampa roxa (hemograma)  Contagem falsamente baixa: agregados de plaquetas  coleta demorada, dificuldade na coleta, aspiração muito lenta, demora a agitação do tubo  Referência: 120.000 - 450.000 /mm3  Trombocitopenia:  diminuição da produção, diluição, transfusão, infecção, medicamentos, etc.  Trombocitose (plaquetose):  Neoplasia, reacional (anemia, pós-operatório, pós-hemorragia, etc). 21 FÁBIO A. C. BAÍA (Biomédico e Médico Veterinário)
  • 22. OBRIGADO PELA ATENÇÃO “Muito a aprender você ainda tem.” Por Master Yoda 22 FÁBIO A. C. BAÍA (Biomédico e Médico Veterinário)