Aulas im 2012 13 fmuc

426 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
426
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aulas im 2012 13 fmuc

  1. 1. INTRODUÇÃO À MEDICINA I Coordenador/Regente: Prof.Doutor João Pimentel INTRODUÇÃO À MEDICINA I - Fundamentos - Objectivos pedagógicos - Conteúdo programático - Métodos de ensino - Métodos de avaliação de conhecimentos - Fontes bibliográficas FUNDAMENTOS - Contacto clínico precoce - Aprendizagem baseada nos problemas clínicos - Atitudes adequadas ao futuro médico - Instituições de Ensino 1
  2. 2. OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS - GERAIS - ESPECÍFICOS OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS GERAIS - Contacto com a prática da comunicação humana (relação médico-doente) - Avaliação de problemas ético-deontológicos - Motivação para aprendizagem das ciências básicas (situações clínicas) OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS ESPECÍFICOS - Conhecimentos (saber) - Aptidões (saber fazer) - Atitudes (saber estar) 2
  3. 3. OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS - Conhecimentos (saber) 1) Estrutura geral do curso Médico e dos métodos de ensino/aprendizagem utilizados. 2) Teoria e prática da comunicação humana e da relação médico/doente. 3) Bases ético-deontológicas em Medicina. 4) História da Medicina e do ensino médico. 5) Princípios básicos de técnica cirúrgica 6) Noções básicas de Socorrismo (SBV) OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS - Aptidões (saber fazer) 1) Capacidade de comunicação humana interpessoal e com os doentes. 2) Detecção dos problemas ético-deontológicos na relação médico-doente. 3) Capacidade de execução de gestos básicos de técnica cirúrgica e manobras genéricas de Socorrismo (SBV). OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS - Atitudes (saber estar) 1) Respeitar os doentes, seus familiares, os colegas e outros profissionais da saúde e reconhecer os direitos dos doentes em particular no que se refere à confidencialidade e ao consentimento informado. 2) Promover o desenvolvimento de qualidades pessoais adequadas à actividade médica, nomeadamente ser íntegro, responsável e interessado na sua valorização profissional, particularmente através da auto-aprendizagem. 3) Reconhecer a necessidade da educação médica permanente. 3
  4. 4. INTRODUÇÃO À MEDICINA I CONTEÚDO PROGRAMÁTICO AULAS TEÓRICAS Princípios Básicos de Cirurgia (Prof. Doutor João Pimentel) Noções de Socorrismo (Prof. Doutor João Pimentel) História da Medicina (Prof. Doutor Arnaldo Figueiredo) INTRODUÇÃO À MEDICINA I CONTEÚDO PROGRAMÁTICO AULAS TEÓRICAS Princípios Básicos Cirurgia (Prof. Doutor João Pimentel) 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. Assepsia cutânea e do campo operatório Posicionamento do cirurgião e do doente Anestesia local Material de corte, dissecção e sutura Dissecção Hemostase Drenagem Encerramento de feridas INTRODUÇÃO À MEDICINA I CONTEÚDO PROGRAMÁTICO AULAS TEÓRICAS Noções de Socorrismo (Prof. Doutor João Pimentel) Princípios gerais de socorrismo; fundamentos anatómicos da reanimação cárdio-,respiratória, paragem cardio-respiratória, noções de morte cerebral e morte biológica; fases da reanimação cardio-respiratória inicial e da reanimação avançada; o doente politraumatizado; situações especiais. Medicina de Catástrofe 4
  5. 5. INTRODUÇÃO À MEDICINA I CONTEÚDO PROGRAMÁTICO AULAS TEÓRICAS História da Medicina (Prof. Doutor Arnaldo Figueiredo) As antigas origens da Medicina e da Cirurgia. A Medicina na Idade Média. O Renascimento e os avanços médicos. A Medicina Científica dos séc. XVIII ao séc. XX. O Ensino Médico em Portugal. História da Saúde Pública. História da Cirurgia dos séc. XVIII ao séc. XX. Novas tecnologias e progresso. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO AULAS PRÁTICAS Contacto com a prática da comunicação humana, em particular na relação médico-doente. Avaliação de alguns problemas ético-deontológicos. Contacto precoce com situações clínicas e estruturas de saúde motivação para a aprendizagem das ciências básicas. MÉTODOS DE ENSINO - AULAS TEÓRICAS 16 horas - AULAS PRÁTICAS 32 horas 5
  6. 6. MÉTODOS DE ENSINO AULAS PRÁTICAS Hospital da Universidade e Centros de Saúde distribuídos pelas seguintes valências: Serviços de Medicina, Cirurgia, Ortopedia, Urologia, Psiquiatria, Anestesiologia (Socorrismo), Hosp. Sobral Cid e Centros de Saúde. Será exigida a presença em cinco valências, registadas por estes Serviços. O Curso será dividido em 5 grandes blocos (I, II, III, IV e V). Cada bloco cumprirá uma valência em quatro semanas e cada aluno terá uma aula cada duas semanas com a duração de duas horas. Sucessivamente, cada bloco rodará por cada uma das valências, cada quatro semanas. MÉTODOS DE ENSINO AULAS PRÁTICAS - Cada aluno deverá registar na sua caderneta os casos clínicos observados e as actividades médicas a que assistiu. - Terá que obrigatoriamente elaborar um relatório com base na escolha de um «caso-problema» observado e nas implicações a nível da comunicação humana, dos problemas ético- deontológicos ou dos conhecimentos anatomo-fisiológicos ou biológicos, necessários para a sua compreensão. - A caderneta/relatório deverá ser entregue na Divisão Académica até 8 dias após terminar a respectiva valência. MÉTODOS DE AVALIAÇÃO 1 - EXAME PRÁTICO (50%): – Caderneta/relatório do aluno: discussão de casos-problema - Informação dos tutores O aluno será admitido à prova escrita desde que obtenha a classificação mínima de 9,5 valores no exame prático. 2 – EXAME FINAL (50%): - Ponto escrito de respostas curtas ou de tipo teste de escolha única, abrangendo os temas leccionados nas aulas teóricas e práticas. O aluno será excluído se tiver classificação inferior a 9,5 valores nesta prova. Exige-se a nota mínima de 8,5 valores numa das duas matérias avaliadas. 6
  7. 7. INTRODUÇÃO À MEDICINA I e II - SECRETARIADO - Divisão Académica Faculdade e Hospital BIBLIOGRAFIA American College for Surgeons. Trauma evaluation and Management (TEAM). Programme for medical students. ACS Committee on Trauma. 1999. BERG J. Informed consent – legal theory and clinical practice. Oxford University Press. 2001. BIRCHER, N; SAFAR, P - Cardiopulmonary Cerebral Ressuscitation : An introduction to Resssuscitation Medicine . 3rd Ed, W. Saunders Company, London, 1988 CHAUVET, J.M. et al. -La grotte Chauvet à Vallon-Pont-d’Arc. Seuil, 1996. GOUVEIA, A J.- Garcia d’Orta e Amato Lusitano na ciência do seu tempo. Biblioteca Breve, 1985. HERSON, Bella - Cristãos-novos e seus descendentes na medicina brasileira (1500/1850). Universidade de S.Paulo, 1996 LEROY, Francis - Dictionnaire Encyclopédique des Prix Nobel de Médecine. Biocosmos Editions, 1997. MARQUES, Mário Gomes; CULE, John . The great maritime discoveries and world health. BIBLIOGRAFIA RESSUSCITATION COUNCIL (UK) – Adult Basic Life Support - Resuscitation guidelines 2005 RESSUSCITATION COUNCIL (UK) – The use of Automated External Defibrillators Resuscitation guidelines 2005 SOUSA, A.- Curso da História da Medicina. Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 1981. TUBIANA, Maurice -Histoire de la Pensée Médicale. Les Chemins d'Esculape. Flammarion: 1995. Manual de Suporte Avançado de Vida, Conselho Português de Ressuscitação. 2001. Apoio de Aulas Práticas: Harrison’s – Principles of Internal Medicine, 16th edition, 2004. Sabiston – Textbook of Surgery, 17th edition, 2004 7

×