SlideShare uma empresa Scribd logo
Coleta de Amostras
Biológicas
SANGUE E URINA
Material Biológico (Amostras):
Líquidos
Secreções
Excreções
Fragmentos de tecido
Mais utilizados: sangue e urina
COLETA DE SANGUE
 INTRUÇÕES GERAIS
 O jejum recomendado é de 10 a 14 horas. É livre a ingestão de
água.
 As amostras para análise devem ser coletadas na primeira parte
da manhã.
 Convém que o paciente ao chegar ao laboratório seja acalmado e
que descanse por alguns minutos.
 Exercícios físicos devem ser evitados antes da coleta.
COLETA DE SANGUE
 FORMAS DE COLETA:
 Agulha e seringa estéreis e descartáveis.
 Lanceta estéril e descartável.
 Coleta a vácuo.
COLETA DE SANGUE
 O PROBLEMA DA HEMÓLISE
 A ruptura de hemácias libera hemoglobina e altera os resultados de
alguns exames.
 A ruptura de uma pequena quantidade de hemácias é praticamente
inevitável e não causa hemólise visível.
 Amostras de plasma ou de soro hemolisadas apresentam-se mais
coradas.
 Na grande maioria das determinações a hemólise causa aumento ou
diminuição na taxa de elementos no plasma ou no soro que estão
sendo dosados.
 Alguns cuidados:
 Após a anti-sepsia do local de coleta, deixar evaporar totalmente o
anti-séptico.
 Usar o garrote o menor tempo possível.
 Não mover a agulha durante a coleta.
COLETA DE SANGUE
 Obtenção de sangue:
 Punção Venosa
 Punção Arterial
 Punção de Pele
COLETA DE SANGUE
 PUNÇÃO VENOSA
 Sangue venoso que circula da
periferia para o centro do sistema
circulatório, o coração, é o mais usado
em exames laboratoriais.
 A coleta é feita com agulhas e
seringas estéreis e descartáveis ou por
meio de tubos com vácuo adaptados a
agulhas estéreis, com ou sem
anticoagulantes.
 Preferência pelas veias intermediárias
cefálica e basílica em adultos e
crianças maiores.
 Outras opções: veias jugulares, veia
femoral, seio sagital superior,etc.
COLETA DE SANGUE
 PUNÇÃO VENOSA
 Veias da Dobra do Cotovelo
1. Retirar a agulha da embalagem estéril e acoplar à seringa estéril,
deixando na própria embalagem estéril pronta para ser usada.
2. Colocar um garrote ao redor do braço do paciente, acima da dobra
do cotovelo. Verificar o pulso para garantir que a circulação arterial
não foi interrompida.
3. O paciente deve abrir e fechar a mão várias vezes para aumentar a
circulação venosa.
4. Pela inspeção e palpação determinar a veia a ser puncionada, que
deve ser calibrosa e firme.
5. Desinfetar a pele sobre a veia selecionada, com álcool a 70% e
deixar secar.
6. Não tocar o local a ser puncionado, nem deixar que o paciente dobre
o braço.
7. O paciente, agora, deve permanecer com a mão fechada.
COLETA DE SANGUE
 PUNÇÃO VENOSA
 Veias da Dobra do Cotovelo
8. Pegar a seringa colocar o dedo sobre o mandril da agulha, para guiá-la
durante a introdução na veia.
9. Esticar a pele do cotovelo, com a outra mão, uns 5 cm abaixo do local
da punção, mas sem tocá-lo.
10. Introduzir a agulha na pele ao lado da veia que vai ser puncionada,
paralelamente a ela, e, lentamente, penetrar em seu interior.
11. O sangue deverá fluir espontaneamente para dentro da agulha ou,
então, deve-se puxar lentamente o êmbolo, para verificar se a agulha
está na veia e, em seguida, retirar o sangue necessário.
12. Soltar o garrote, retirar a agulha e colocar um pedaço de algodão seco
no local.
13. Retirar a agulha e transferir o sangue coletada para os tubos com ou
sem anticoagulantes, de acordo com o exame solicitado, escorrendo
lentamente o sangue, sem formar espuma.
14. Tubos com anticoagulantes devem ser invertidos, várias vezes,
lentamente.
COLETA DE SANGUE
 PUNÇÃO VENOSA
 Veias do Dorso da Mão
 Em pacientes obesos, cujo
acesso às veias do cotovelo é
mais difícil, essas veias da
mão são por vezes mais
calibrosas.
 São extremamente móveis em
relação aos tecidos
circunjacentes, o que dificulta
a penetração da agulha em seu
interior.
 A perfuração é mais dolorosa e
a hemostasia mais demorada,
geralmente formando
hematomas.
COLETA DE SANGUE
 PUNÇÃO VENOSA
 Veia Jugular Externa
 Imobilização do paciente (principalmente
crianças), em posição inclinada, com a
cabeça em nível inferior ao tronco.
 Roda-se a cabeça para o lado oposto ao da
punção, o que permite visualizar a veia.
 Provoca-se o choro em crianças, para que
aumente a estase venosa. Se adulto, deve
ficar assoprando com a boca e nariz
fechados.
 A agulha deve penetrar diretamente sobre
a veia que nessa região é bem superficial.
 Após a punção, manter o paciente sentado
e com algodão ou gaze fazer compressão
demorada.
COLETA DE SANGUE
 PUNÇÃO VENOSA
 Veia Jugular Interna
 Imobilização do paciente (mesmo modo da
jugular externa)
 Toma-se como ponto de referência o
músculo esternocleidomastóideo.
 A agulha deve penetrar no ponto que
coincide com a metade da distância entre a
origem e a inserção do músculo, ao nível de
sua borda anterior.
 Após a penetração da pele a agulha deve
estar com a ponta voltada para a fúrcula
esternal, mantendo-se quase paralela à pele
e aprofundando um pouco mais de 0,5cm.
 Após a coleta, compressão por alguns
minutos.
COLETA DE SANGUE
 PUNÇÃO VENOSA
 Veia Femoral
 Somente quando todas as outras
opções falharam.
 Palpa-se o pulso femoral, ao nível da
prega inguinal e punciona-se logo
abaixo do ligamento inguinal, para
dentro da artéria pulsátil.
 A agulha deve penetrar em posição
vertical, até tocar a parte óssea.
Lentamente deve ser retirada,
fazendo-se pressão negativa na
seringa, até se conseguir obter fluxo
de sangue.
 Após a coleta comprimir o local
durante alguns minutos.
COLETA DE SANGUE
 PUNÇÃO VENOSA
 Seio Sagital Superior (Fontanela
Bregmática)
 Em crianças com a fontanela ainda
aberta.
 A punção é feito em nível do
ângulo posterior da fontanela.
 A agulha penetra num ângulo de 30
a 90º sendo introduzida apenas uns
3 mm e com o cuidado de não
atingir o espaço subaracnóideo.
 Após a coleta, compressão
delicada, mas eficiente, deve ser
feita.
COLETA DE SANGUE
 PUNÇÃO VENOSA
 Cordão Umbilical
 Imediatamente após o nascimento do bebê, o cordão umbilical é preso
com pinça e cortado.
 Para recolher o sangue do cordão, outra pinça é colocada a 20 ou 25
centímetros da primeira, a seção isolada é cortada e a amostra do
sangue coletada dentro de um tubo de amostra.
 O exame é realizado para avaliar:
 Gases sanguíneos
 pH do tecido fetal
 Nível respiratório
 Hemograma completo
 Bilirrubina
 Glicose
 Hemocultura (se houver suspeita de infecção)
 Armazenamento de células-tronco
COLETA DE SANGUE
 PUNÇÃO ARTERIAL
 Sangue arterial é o sangue oxigenado pelos pulmões e bombeado do
coração para todos os tecidos. É essencialmente uniforme em sua
composição
 São utilizadas a artéria femoral, a artéria radial ou a artéria braquial.
 Estudo da gasometria sanguínea.
 Através da amostra de sangue arterial, o laboratório pode determinar
as concentrações de oxigênio e de dióxido de carbono, assim como a
acidez do sangue, que não pode ser mensurada em uma amostra de
sangue venoso.
 O exame é utilizado para avaliação de doenças respiratórias e de outras
condições que afetem os pulmões. O exame é usado também para
determinar a eficiência da terapia com oxigênio. O componente ácido-
base do exame também fornece informações a respeito do
funcionamento dos rins.
COLETA DE SANGUE
 PUNÇÃO ARTERIAL
 Obter seringa para gasometria,
heparinizada.
 O paciente deve repousar por 30
minutos.
 O local da punção pode ser
anestesiado com Xilocaína 1-2%.
 Realizar anti-sepsia com iodo-
povidona e álcool a 70%. Deixar
secar.
 Palpar a artéria com luvas e puncioná-
la em ângulo de 30º a 90º.
 Coletar cerca de 2 ml de sangue.
Remover agulha e seringa.
 Aplicar pressão ao local puncionado
com gaze estéril de 5-15minutos.
 Retirar o ar da seringa e vedá-la com
borracha. Agitar a amostra.
 Imediatamente colocar a amostra
imersa em gelo.
COLETA DE SANGUE
 PUNÇÃO ARTERIAL
 pH - Avaliar o pH para determinar se está presente uma acidose ou uma
alcalose. O desequilíbrio ácido-básico é atribuído a distúrbios ou do sistema
respiratório (PaCO2) ou metabólico. Normal de 7,35 a 7,45
 PaO2 - A PaO2 exprime a eficácia das trocas de oxigênio entre os alvéolos e os
capilares pulmonares. Normal de 80 a 100mmHg.
 PaCO2 - A pressão parcial de CO2 do sangue arterial exprime a eficácia da
ventilação alveolar. Se a PaCO2 estiver menor que 35 mmHg, o paciente está
hiperventilando, e se o pH estiver maior que 7,45, ele está em Alcalose
Respiratória. Se a PCO2 estiver maior que 45 mmHg, o paciente está
hipoventilando, e se o pH estiver menor que 7,35, ele está em Acidose
Respiratória.
 HCO3
-
As alterações na concentração de bicarbonato no plasma podem
desencadear desequilíbrios ácido-básicos por distúrbios metabólicos. Se o
HCO3
-
estiver maior que 28 mEq/L com desvio do pH > 7,45, o paciente está
em Alcalose Metabólica. Se o HCO3- estiver menor que 22 mEq/L com desvio
do pH < 7,35, o paciente está em Acidose Metabólica.
COLETA DE SANGUE
 PUNÇÃO ARTERIAL
 Fatores que afetam os resultados:
 Rejeitar amostra coagulada;
 Transportar a amostra para o laboratório, a fim de processá-la
dentro de 15 minutos.
 Se o paciente está sendo submetido à aspiração endotraqueal ou à
terapia respiratória, a amostra deve ser colhida pelo menos 20
minutos após o procedimento;
 A não expulsão do ar da seringa de gasometria resultará em falsa
elevação da PaO2 ou falsa redução da PaCO2;
 A não imersão da amostra em gelo pode resultar em redução do
pH e da PaO2;
 A não expulsão da heparina da seringa antes da coleta da amostra
pode resultar em redução do pH, PaCO2 e PaO2.
COLETA DE SANGUE
 PUNÇÃO CAPILAR
 Utilizado na hematologia, em pesquisa de hemoparasitos, na coleta de
amostras para execução de microtécnicas e em provas de coagulação.
 É uma mistura de sangue venoso e arterial, mas o sangramento é
principalmente arterial.
 O sangue capilar é obtido através da pele.
 Especialmente em pacientes pediátricos.
 Punção da pele:
 Superfície póstero-lateral do calcanhar, em crianças até 1 ano de
idade.
 Na polpa do 3º ou 4º dedo da mão.
 Lóbulo da orelha.
COLETA DE SANGUE
 PUNÇÃO CAPILAR
 Nunca:
 Em local edematoso.
 Massagear antes.
 Espremer.
 Pode:
 Aquecer previamente com compressas quentes.
 Sempre:
 Limpar com álcool a 70%.
 Desprezar a primeira gota.
COLETA DE SANGUE
 ANTICOAGULANTES
 Quando necessita-se de sangue total ou plasma para algumas análises
usam-se anticoagulantes.
 Em geral, interferem no mecanismo de coagulação in vitro, inibindo a
formação da protrombina ou da trombina.
 Os mais usados são:
 EDTA (ácido etileno-diamino-tetra-acético) – determinações
bioquímicas e hematológicas
 Heparina – provas bioquímicas
 Oxalatos – provas de coagulação
 Citratos – provas de coagulação
 Polianetol-sulfonato de sódio – hemoculturas
Ação dos Anticoagulantes
Contato com XII
vidro XI
Heparina
VIII
X
V
Plaquetas, Ca+2
EDTA Heparina Fibrinogênio
Oxalatos Citratos
Fibrina Frouxa
Fluoreto
Fibrina Firme
COLETA DE SANGUE
 Tubos com vácuo:
 VERMELHO
 Sem anticoagulante.
 Obtenção de soro para bioquímica e sorologia.
 Exemplo de testes:
 Creatinina
 Glicose
 Uréia
 Colesterol
 Pesquisa e identificação de anticorpos e ou antígenos no
soro.
COLETA DE SANGUE
 Tubos com vácuo:
 LAVANDA
 Com anticoagulante EDTA sódico ou potássico
 EDTA liga-se aos íons cálcio, bloqueando assim a
cascata de coagulação
 Obtém-se assim o sangue total para hematologia
 Testes:
 Eritrograma
 Leucograma
 Plaquetas
COLETA DE SANGUE
 Tubos com vácuo:
 VERDE
 Paredes internas revestidas com heparina.
 Produção de uma amostra de sangue total.
 Estabilização por até 48 horas.
 Testes bioquímicos.
COLETA DE SANGUE
 Tubos com vácuo:
 AZUL
 Contém citrato de sódio
 Anticoagulante utilizado para a obtenção de plasma
para provas de coagulação:
 Tempo de Coagulação
 Retração de Coágulo
 Tempo Parcial de Tromboplastina
 Tempo de Protrombina
COLETA DE SANGUE
 Tubos com vácuo:
 PRETO
 Os tubos para VHS
 Contêm solução tamponada de citrato trissódico
 Utilizados para coleta e transporte de sangue venoso
para o teste de sedimentação.
COLETA DE SANGUE
 Tubos com vácuo:
 AMARELO
 Tubos para tipagem sangüínea
 Com solução de ACD (ácido citrato dextrose)
 Utilizados para teste de tipagem sangüínea ou
preservação celular
COLETA DE SANGUE
 Tubos com vácuo:
 CINZA
 Tubos para glicemia
 Contêm um anticoagulante e um estabilizador, em
diferentes versões:
 EDTA e fluoreto de sódio
 oxalato de potássio e fluoreto de sódio
 heparina sódica e fluoreto de sódio
 heparina lítica e iodoacetato
 Ocorre inibição da glicólise para determinação da
taxa de glicose sanguínea
COLETA DE SANGUE
 Tubos com vácuo:
 ROSA
 Tubos para provas de compatibilidade cruzada
 Duas versões:
 Com ativador de coágulo » Provas cruzadas com
soro.
 Com EDTA » Testes com sangue total.
COLETA DE SANGUE
 Tubos com vácuo:
 ROYAL
 Três versões:
 Sem aditivo
 Com heparina sódica
 Com ativador de coágulo
 Utilizados para testar traços de elementos
metálicos, como: Cu, Zn, Pb, etc.
COLETA DE SANGUE
 HEMOCULTURA
 É realizada quando se suspeita de uma infecção no sangue (bacteremia
ou septicemia) com presença de febre, calafrios, pressão sangüínea
baixa ou outros sintomas.
 Neste exame é importante que a amostra de sangue não seja
contaminada por organismos na pele ou instrumental utilizado na
preparação do exame.
 Uma rigorosa técnica de anti-sepsia é seguida para obter e preparar o
espécime.
 O sangue é colhido de uma veia, geralmente da prega do cotovelo ou
dorso da mão.
 A cultura é examinada para detectar a presença de microorganismos
durante vários dias. Se os organismos estiverem presentes, outras
culturas podem ser realizadas para identificar os organismos.
COLETA DE URINA
 EXAME DE URINA / EQU
 de preferência colher a 1ª urina da manhã.
 lavar os genitais externos com água e sabão. Secar.
 colher a urina em recipiente limpo e seco e enviá-la
imediatamente ao laboratório.
 colher somente o jato médio, desprezando o início e o fim da
micção.
 na coleta de urina em mulheres, recomenda-se abstinência sexual
de pelo menos 24 horas.
 em mulheres menstruadas, e em caso de urgência, usar tampão
vaginal depois da lavagem, para não contaminar a urina com
sangue. O ideal seria coletar a urina de 3 a 5 dias após o término
do sangramento menstrual.
COLETA DE URINA
 EXAME DE URINA DE 24 HORAS
1. Alimentação normal.
2. Pela manhã, ao acordar, esvaziar completamente a bexiga e
desprezar a urina. Marcar a hora exata (p.ex.: 8 horas da manhã).
3. Daí em diante colher as urinas produzidas durante o dia e a noite,
juntando-as em um ou mais frascos limpos ou frascos produzidos
pelo laboratório (3 litros). Mantê-los no refrigerador e ao abrigo da
luz.
4. A - Pela manhã do dia seguinte, exatamente 24 horas após a hora em
que foi desprezada a urina do começo da prova, colher toda a urina
da bexiga, em frasco separado, rotulando-o “Primeira urina da
manhã, data...”
B - Após 24 horas exatamente, colher todo a urina e juntar com as
outras.
5. Enviar todas as urinas para o laboratório imediatamente.
COLETA DE URINA
 COLETA EM CRIANÇAS / LACTENTES
 Crianças muito jovens e neonatos » Coletor auto-aderente
hipoalergênico
 Recomendações:
 Identificar o coletor auto-aderente
 Abrir as pernas da criança
 Certificar que a região púbica e perineal estão limpas, secas e
isentas de muco.
 Meninas: colocar o adesivo na pele em volta dos genitais externos,
de maneira que a vagina e o reto fiquem isolados e evitando a
contaminação. Após 30 minutos retirar o coletor, mesmo sem a
emissão de urina.
 Meninos: colocar o coletor auto-aderente de maneira que o pênis
fique em seu interior. Após 30 minutos retirar o coletor, mesmo
sem a emissão de urina.
COLETA DE URINA
 COLETA COM CATETER
 Cateter é inserido na bexiga através da uretra com o uso de técnica
estéril para obtenção da urina.
 COLETA COM ASPIRAÇÃO SUPRAPÚBICA
 Aspira-se a bexiga distendida com um seringa e agulha acima da
sínfise pubiana através da parede abdominal adentrando a bexiga
cheia.
 Complicações são raras.
 Método usado para culturas anaeróbicas, culturas problemáticas (onde
a contaminação não pode ser eliminada) e em crianças.
COLETA DE URINA
 ARMAZENAMENTO, CONSERVAÇÃO E
TRANSPORTE DA AMOSTRA DE URINA
 O paciente deve receber instruções claras e por escrito a respeito do
armazenamento, conservação e transporte da amostra de urina
coletada, a fim de manter a integridade dos elementos e contribuir para
a estabilidade das substâncias químicas.
 O tempo entre a coleta e a entrega da amostra no laboratório não deve
ultrapassar uma hora.
 Em caso de demora na entrega, conservar a amostra em refrigerador
(2-5ºC), sendo também necessário, ás vezes o uso de conservantes:
 Formalina – preservação dos elementos figurados
 Ácido Bórico – preservação de aldosterona, estrógenos, etc
 Timol – preservação de mucopolissacarídeos, etc
 Ácido Clorídrico – preservação de adrenalina, noradrenalina, etc
 Fluoreto de Sódio – preservação de glicídeos
 Bicarbonato de Sódio – urina de 24 horas
COLETA DE URINA
 FATORES QUE AFETAM OS RESULTADOS
 Amostras da 1ª urina da manhã fornecem o reflexo mais preciso da
presença de bactérias e de elementos formados, tais como cilindros e
cristais.
 Um retardo no exame após a coleta pode causar valores falsamente
reduzidos de glicose, cetona, bilirrubina e urobilinogêno.
 Amostras coletadas, mantidas à temperatura ambiente e tardiamente
entregues ao laboratório, podem causar valores falsamente elevados de
bactérias, em virtude de seu supercrescimento.
 Retardos também perturbam a nitidez microscópica, em virtude da
dissolução de uratos e fosfatos.
EXAME DE URINA / E.Q.U.
 Realizam-se três etapas do exame:
1. Exame físico;
2. Exame químico;
3. Exame microscópico.
EXAME DE URINA / E.Q.U.
 EXAME FÍSICO
1. COR: As cores usadas para a descrição são: amarelo, amarelo
claro, amarelo escuro, avermelhado, marrom, esverdeado. Quando
vermelha há presença de sangue na urina, ou também é observada
quando da ingestão de beterraba. A urina também pode apresentar-se
verde pela ação de medicamentos.
2. ASPECTO: Os três estados observados são: límpida; ligeiramente
turva e turva. Também podemos ter o aspecto sanguinolento.
3. DENSIDADE: Varia de 1,016 a 1,020 como valores normais.
Diminuição nesta densidade indica algum problema que não permite a
concentração desta urina e o aumento nesta densidade indica excretas
a mais (como glicose).
EXAME DE URINA / E.Q.U.
 EXAME QUÍMICO
 A maioria dos testes de triagem de urinálise são medidos por
meio de uma "fita" reagente. Existem vários tipos de fitas
reagentes. Pesquisa de:
 Urobilinogênio
 Bilirrubina
 Corpos cetônicos
 Hemoglobina
 Glicose
 Sangue
 Proteínas
 pH
 Nitritos
EXAME DE URINA / E.Q.U.
 EXAME MICROSCÓPICO
 Avaliação do Sedimento Urinário
 Hemácias
 Leucócitos
 Células epiteliais
 Cilindros
 Microorganismos
 Cristais
 Gordura
EXAME DE URINA
 SOLICITAÇÕES
ESPECIAIS
 Taxa de excreção de
aldosterona urinária de 24 horas
 Porfirinas na urina
 Amilase na urina
 Mioglibina na urina
 Cobre na urina de 24 horas
 Nitrogênio da uréia na urina
 Osmolalidade da urina
 Exame de concentração da
urina
 Creatinina na urina
 Proteína na urina de 24 horas
 Cortisol na urina
 Cálcio na urina
 Exame de Norepinefrina na
urina
 Exame de dopamina na urina
 Exame de adrenalina na urina
 Exame de epinefrina na urina
 Exame urinário de ácido cítrico
 Eletrólitos na urina
 Sódio na urina
 Potássio na urina
 Ácido úrico na urina
 Urocultura
 Cultura de urina (amostra
cateterizada)
 Exame de citologia da urina
 Estriol na urina
 Aminoácidos na urina
 Hemoglobina na urina
COLETA DE URINA
 UROCULTURAS
 Exame microbiológico da urina
 Rigorosa limpeza e anti-sepsia, tomando cuidado para completa
remoção dos produtos usados.
 Coleta por aspiração suprapúbica: o aparecimento de uma só colônia
de bactérias já indica infecção, desde que eliminada contaminação.
 Coleta por jato médio: crescimento de menos de 10.000 colônias por
ml de urina não indica infecção. Bactérias da uretra.
 Acima de 100.000 colônias por ml de urina: evidência de infecção,
desde que a espécie bacteriana seja uma só.
 É importante que se espere pelo menos 2 horas entre a última micção e
a coleta de urina pra cultura.
FIM
fidelis.alberto@gmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

1ª aula amostras biológicas
1ª aula   amostras biológicas1ª aula   amostras biológicas
1ª aula amostras biológicas
Lilian Keila Alves
 
Introdução a análises clínicas
Introdução a análises clínicasIntrodução a análises clínicas
Introdução a análises clínicas
Stephany Strombeck
 
Apresentação coleta sangue a vácuo
Apresentação coleta sangue a vácuoApresentação coleta sangue a vácuo
Apresentação coleta sangue a vácuo
Laboratório Biolabor
 
Hemotransfusão
Hemotransfusão Hemotransfusão
Hemotransfusão
resenfe2013
 
Coleta de sangue para exames.pptx
Coleta de sangue para exames.pptxColeta de sangue para exames.pptx
Coleta de sangue para exames.pptx
PinheiroNeto2
 
Hemoterapia 1
Hemoterapia 1Hemoterapia 1
Hemoterapia 1
janinemagalhaes
 
Rotinas Laboratoriais
Rotinas LaboratoriaisRotinas Laboratoriais
Rotinas Laboratoriais
nuiashrl
 
Análises de Elementos Anormais e Sedimentos
Análises de Elementos Anormais e SedimentosAnálises de Elementos Anormais e Sedimentos
Análises de Elementos Anormais e Sedimentos
Mario Gandra
 
Aula infusão de sangue e derivados
Aula   infusão de sangue e derivadosAula   infusão de sangue e derivados
Aula infusão de sangue e derivados
karol_ribeiro
 
Apostila coleta cnpq
Apostila coleta cnpqApostila coleta cnpq
Apostila coleta cnpq
Anderson Galvao
 
Amostras biológicas
Amostras biológicasAmostras biológicas
Amostras biológicas
Lucas Silva
 
Punção venosa.
Punção venosa.Punção venosa.
Punção venosa.
Centro Universitário Ages
 
Aula sobre segurança transfusional
Aula sobre segurança transfusionalAula sobre segurança transfusional
Aula sobre segurança transfusional
Proqualis
 
Hemoterapia 2
Hemoterapia 2Hemoterapia 2
Hemoterapia 2
janinemagalhaes
 
Interpretao de-exames-laboratoriais
Interpretao de-exames-laboratoriaisInterpretao de-exames-laboratoriais
Interpretao de-exames-laboratoriais
Levi Lopes
 
Amostra...
Amostra... Amostra...
Amostra...
Bruno Motta
 
Hemograma
HemogramaHemograma
Hemograma
Fábio Falcão
 
Slide 1 Aula 1 Hematologia
Slide 1   Aula 1 HematologiaSlide 1   Aula 1 Hematologia
Slide 1 Aula 1 Hematologia
samir12
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
Viviane da Silva
 
Primeiros socorros (PRS 71) - Hemorragia
Primeiros socorros (PRS 71) - HemorragiaPrimeiros socorros (PRS 71) - Hemorragia
Primeiros socorros (PRS 71) - Hemorragia
Lucas Damasceno
 

Mais procurados (20)

1ª aula amostras biológicas
1ª aula   amostras biológicas1ª aula   amostras biológicas
1ª aula amostras biológicas
 
Introdução a análises clínicas
Introdução a análises clínicasIntrodução a análises clínicas
Introdução a análises clínicas
 
Apresentação coleta sangue a vácuo
Apresentação coleta sangue a vácuoApresentação coleta sangue a vácuo
Apresentação coleta sangue a vácuo
 
Hemotransfusão
Hemotransfusão Hemotransfusão
Hemotransfusão
 
Coleta de sangue para exames.pptx
Coleta de sangue para exames.pptxColeta de sangue para exames.pptx
Coleta de sangue para exames.pptx
 
Hemoterapia 1
Hemoterapia 1Hemoterapia 1
Hemoterapia 1
 
Rotinas Laboratoriais
Rotinas LaboratoriaisRotinas Laboratoriais
Rotinas Laboratoriais
 
Análises de Elementos Anormais e Sedimentos
Análises de Elementos Anormais e SedimentosAnálises de Elementos Anormais e Sedimentos
Análises de Elementos Anormais e Sedimentos
 
Aula infusão de sangue e derivados
Aula   infusão de sangue e derivadosAula   infusão de sangue e derivados
Aula infusão de sangue e derivados
 
Apostila coleta cnpq
Apostila coleta cnpqApostila coleta cnpq
Apostila coleta cnpq
 
Amostras biológicas
Amostras biológicasAmostras biológicas
Amostras biológicas
 
Punção venosa.
Punção venosa.Punção venosa.
Punção venosa.
 
Aula sobre segurança transfusional
Aula sobre segurança transfusionalAula sobre segurança transfusional
Aula sobre segurança transfusional
 
Hemoterapia 2
Hemoterapia 2Hemoterapia 2
Hemoterapia 2
 
Interpretao de-exames-laboratoriais
Interpretao de-exames-laboratoriaisInterpretao de-exames-laboratoriais
Interpretao de-exames-laboratoriais
 
Amostra...
Amostra... Amostra...
Amostra...
 
Hemograma
HemogramaHemograma
Hemograma
 
Slide 1 Aula 1 Hematologia
Slide 1   Aula 1 HematologiaSlide 1   Aula 1 Hematologia
Slide 1 Aula 1 Hematologia
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
 
Primeiros socorros (PRS 71) - Hemorragia
Primeiros socorros (PRS 71) - HemorragiaPrimeiros socorros (PRS 71) - Hemorragia
Primeiros socorros (PRS 71) - Hemorragia
 

Semelhante a 29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina

Cuidados de enfemagem
Cuidados de enfemagemCuidados de enfemagem
Cuidados de enfemagem
Gabriela Rodrigues Cavalheiro
 
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptxASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
JessiellyGuimares
 
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdfExames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
CASA
 
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffffsondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
BruceCosta5
 
SONDAGENS E LAVAGENS
SONDAGENS E LAVAGENSSONDAGENS E LAVAGENS
SONDAGENS E LAVAGENS
Ivanilson Gomes
 
CATETERISMO CENTRAL, SONDAGENS..pptx
CATETERISMO CENTRAL, SONDAGENS..pptxCATETERISMO CENTRAL, SONDAGENS..pptx
CATETERISMO CENTRAL, SONDAGENS..pptx
alecsandrorachidferr
 
85390119 apostila
85390119 apostila85390119 apostila
SONDAS VESICAL E RETAL.pptx
SONDAS VESICAL E RETAL.pptxSONDAS VESICAL E RETAL.pptx
SONDAS VESICAL E RETAL.pptx
bianca375788
 
SONDAGEM VESICAL.ppt.pdf FUNDAMENTOS TÉCNICOS
SONDAGEM VESICAL.ppt.pdf FUNDAMENTOS TÉCNICOSSONDAGEM VESICAL.ppt.pdf FUNDAMENTOS TÉCNICOS
SONDAGEM VESICAL.ppt.pdf FUNDAMENTOS TÉCNICOS
IsabellaCajaBelinhaI
 
Panfleto valencia medicina explicativo das aulas práticas de simulação com ...
Panfleto valencia medicina   explicativo das aulas práticas de simulação com ...Panfleto valencia medicina   explicativo das aulas práticas de simulação com ...
Panfleto valencia medicina explicativo das aulas práticas de simulação com ...
commed1
 
Panfleto alunos im versao final13
Panfleto alunos im versao final13Panfleto alunos im versao final13
Panfleto alunos im versao final13
commed1
 
3MONITORIZAÇÃO EsssssssssssssM UTI.pdf
3MONITORIZAÇÃO EsssssssssssssM UTI.pdf3MONITORIZAÇÃO EsssssssssssssM UTI.pdf
3MONITORIZAÇÃO EsssssssssssssM UTI.pdf
JooHenriqueCarvallho
 
Procedimentos.pptx
Procedimentos.pptxProcedimentos.pptx
Procedimentos.pptx
ssuser51d27c1
 
Sondagens
SondagensSondagens
Sondagens
Luana Silva
 
Aula de alguns exames complementares, diurese, glicemia e coleta de sangue.
Aula de alguns exames complementares, diurese, glicemia e coleta de sangue.Aula de alguns exames complementares, diurese, glicemia e coleta de sangue.
Aula de alguns exames complementares, diurese, glicemia e coleta de sangue.
DaianaSouzaOliveira
 
Administração de medicamentos por via endovenosa pdf
Administração de medicamentos por via endovenosa pdfAdministração de medicamentos por via endovenosa pdf
Administração de medicamentos por via endovenosa pdf
jaddy xavier
 
Aula 2 fluxograma dos diferentes exames laboratoriais (setor de hematologia)
Aula 2  fluxograma dos diferentes exames laboratoriais (setor de hematologia)Aula 2  fluxograma dos diferentes exames laboratoriais (setor de hematologia)
Aula 2 fluxograma dos diferentes exames laboratoriais (setor de hematologia)
Helimarcos Nunes Pereira
 
Tecnicas de enfermagem Misau
Tecnicas de enfermagem MisauTecnicas de enfermagem Misau
Tecnicas de enfermagem Misau
Artur Matavele Júnior
 
PESQUISA BIBLIOGRÁFICA HEMODIÁLISE
PESQUISA BIBLIOGRÁFICA HEMODIÁLISEPESQUISA BIBLIOGRÁFICA HEMODIÁLISE
PESQUISA BIBLIOGRÁFICA HEMODIÁLISE
Rafael Lima
 
Monitorização UTI
Monitorização UTIMonitorização UTI
Monitorização UTI
Julio Cesar Matias
 

Semelhante a 29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina (20)

Cuidados de enfemagem
Cuidados de enfemagemCuidados de enfemagem
Cuidados de enfemagem
 
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptxASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
 
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdfExames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
 
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffffsondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
 
SONDAGENS E LAVAGENS
SONDAGENS E LAVAGENSSONDAGENS E LAVAGENS
SONDAGENS E LAVAGENS
 
CATETERISMO CENTRAL, SONDAGENS..pptx
CATETERISMO CENTRAL, SONDAGENS..pptxCATETERISMO CENTRAL, SONDAGENS..pptx
CATETERISMO CENTRAL, SONDAGENS..pptx
 
85390119 apostila
85390119 apostila85390119 apostila
85390119 apostila
 
SONDAS VESICAL E RETAL.pptx
SONDAS VESICAL E RETAL.pptxSONDAS VESICAL E RETAL.pptx
SONDAS VESICAL E RETAL.pptx
 
SONDAGEM VESICAL.ppt.pdf FUNDAMENTOS TÉCNICOS
SONDAGEM VESICAL.ppt.pdf FUNDAMENTOS TÉCNICOSSONDAGEM VESICAL.ppt.pdf FUNDAMENTOS TÉCNICOS
SONDAGEM VESICAL.ppt.pdf FUNDAMENTOS TÉCNICOS
 
Panfleto valencia medicina explicativo das aulas práticas de simulação com ...
Panfleto valencia medicina   explicativo das aulas práticas de simulação com ...Panfleto valencia medicina   explicativo das aulas práticas de simulação com ...
Panfleto valencia medicina explicativo das aulas práticas de simulação com ...
 
Panfleto alunos im versao final13
Panfleto alunos im versao final13Panfleto alunos im versao final13
Panfleto alunos im versao final13
 
3MONITORIZAÇÃO EsssssssssssssM UTI.pdf
3MONITORIZAÇÃO EsssssssssssssM UTI.pdf3MONITORIZAÇÃO EsssssssssssssM UTI.pdf
3MONITORIZAÇÃO EsssssssssssssM UTI.pdf
 
Procedimentos.pptx
Procedimentos.pptxProcedimentos.pptx
Procedimentos.pptx
 
Sondagens
SondagensSondagens
Sondagens
 
Aula de alguns exames complementares, diurese, glicemia e coleta de sangue.
Aula de alguns exames complementares, diurese, glicemia e coleta de sangue.Aula de alguns exames complementares, diurese, glicemia e coleta de sangue.
Aula de alguns exames complementares, diurese, glicemia e coleta de sangue.
 
Administração de medicamentos por via endovenosa pdf
Administração de medicamentos por via endovenosa pdfAdministração de medicamentos por via endovenosa pdf
Administração de medicamentos por via endovenosa pdf
 
Aula 2 fluxograma dos diferentes exames laboratoriais (setor de hematologia)
Aula 2  fluxograma dos diferentes exames laboratoriais (setor de hematologia)Aula 2  fluxograma dos diferentes exames laboratoriais (setor de hematologia)
Aula 2 fluxograma dos diferentes exames laboratoriais (setor de hematologia)
 
Tecnicas de enfermagem Misau
Tecnicas de enfermagem MisauTecnicas de enfermagem Misau
Tecnicas de enfermagem Misau
 
PESQUISA BIBLIOGRÁFICA HEMODIÁLISE
PESQUISA BIBLIOGRÁFICA HEMODIÁLISEPESQUISA BIBLIOGRÁFICA HEMODIÁLISE
PESQUISA BIBLIOGRÁFICA HEMODIÁLISE
 
Monitorização UTI
Monitorização UTIMonitorização UTI
Monitorização UTI
 

Mais de Maria Jaqueline Mesquita

111780598 questoes-urinalise
111780598 questoes-urinalise111780598 questoes-urinalise
111780598 questoes-urinalise
Maria Jaqueline Mesquita
 
99257287 tecidos-epiteliais-e-tecidos-conjuntivos
99257287 tecidos-epiteliais-e-tecidos-conjuntivos99257287 tecidos-epiteliais-e-tecidos-conjuntivos
99257287 tecidos-epiteliais-e-tecidos-conjuntivos
Maria Jaqueline Mesquita
 
99257205 tecido-nervoso
99257205 tecido-nervoso99257205 tecido-nervoso
99257205 tecido-nervoso
Maria Jaqueline Mesquita
 
99257151 tecidos-musculares
99257151 tecidos-musculares99257151 tecidos-musculares
99257151 tecidos-musculares
Maria Jaqueline Mesquita
 
80502431 urinalise
80502431 urinalise80502431 urinalise
80502431 urinalise
Maria Jaqueline Mesquita
 
71447491 microbiologia-aplicada-estudo-dirigido
71447491 microbiologia-aplicada-estudo-dirigido71447491 microbiologia-aplicada-estudo-dirigido
71447491 microbiologia-aplicada-estudo-dirigido
Maria Jaqueline Mesquita
 
67347132 sesi-texto-sobre-reproducao
67347132 sesi-texto-sobre-reproducao67347132 sesi-texto-sobre-reproducao
67347132 sesi-texto-sobre-reproducao
Maria Jaqueline Mesquita
 
63231051 estudo-dirigido-parasitologia-humana-1
63231051 estudo-dirigido-parasitologia-humana-163231051 estudo-dirigido-parasitologia-humana-1
63231051 estudo-dirigido-parasitologia-humana-1
Maria Jaqueline Mesquita
 
59212842 texto-fecundacao
59212842 texto-fecundacao59212842 texto-fecundacao
59212842 texto-fecundacao
Maria Jaqueline Mesquita
 
53744388 as-fases-do-desenvolvimento-embrionario
53744388 as-fases-do-desenvolvimento-embrionario53744388 as-fases-do-desenvolvimento-embrionario
53744388 as-fases-do-desenvolvimento-embrionario
Maria Jaqueline Mesquita
 
53292193 aula-de-meios-de-cultura
53292193 aula-de-meios-de-cultura53292193 aula-de-meios-de-cultura
53292193 aula-de-meios-de-cultura
Maria Jaqueline Mesquita
 
48968400 apostila-tecidos
48968400 apostila-tecidos48968400 apostila-tecidos
48968400 apostila-tecidos
Maria Jaqueline Mesquita
 
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp0238515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
Maria Jaqueline Mesquita
 
29514984 introducao-a-embriologia
29514984 introducao-a-embriologia29514984 introducao-a-embriologia
29514984 introducao-a-embriologia
Maria Jaqueline Mesquita
 
27629912 questoes-microbiologia-1
27629912 questoes-microbiologia-127629912 questoes-microbiologia-1
27629912 questoes-microbiologia-1
Maria Jaqueline Mesquita
 
26976266 histologia-e-embriologia
26976266 histologia-e-embriologia26976266 histologia-e-embriologia
26976266 histologia-e-embriologia
Maria Jaqueline Mesquita
 
14052675 reproducao-animal
14052675 reproducao-animal14052675 reproducao-animal
14052675 reproducao-animal
Maria Jaqueline Mesquita
 
8669090 principios-basicos-de-microbiologia-aula-1
8669090 principios-basicos-de-microbiologia-aula-18669090 principios-basicos-de-microbiologia-aula-1
8669090 principios-basicos-de-microbiologia-aula-1
Maria Jaqueline Mesquita
 
2364097 microbiologia
2364097 microbiologia2364097 microbiologia
2364097 microbiologia
Maria Jaqueline Mesquita
 
113975 estudo dirigido parte 1 micro
113975 estudo dirigido parte 1 micro113975 estudo dirigido parte 1 micro
113975 estudo dirigido parte 1 micro
Maria Jaqueline Mesquita
 

Mais de Maria Jaqueline Mesquita (20)

111780598 questoes-urinalise
111780598 questoes-urinalise111780598 questoes-urinalise
111780598 questoes-urinalise
 
99257287 tecidos-epiteliais-e-tecidos-conjuntivos
99257287 tecidos-epiteliais-e-tecidos-conjuntivos99257287 tecidos-epiteliais-e-tecidos-conjuntivos
99257287 tecidos-epiteliais-e-tecidos-conjuntivos
 
99257205 tecido-nervoso
99257205 tecido-nervoso99257205 tecido-nervoso
99257205 tecido-nervoso
 
99257151 tecidos-musculares
99257151 tecidos-musculares99257151 tecidos-musculares
99257151 tecidos-musculares
 
80502431 urinalise
80502431 urinalise80502431 urinalise
80502431 urinalise
 
71447491 microbiologia-aplicada-estudo-dirigido
71447491 microbiologia-aplicada-estudo-dirigido71447491 microbiologia-aplicada-estudo-dirigido
71447491 microbiologia-aplicada-estudo-dirigido
 
67347132 sesi-texto-sobre-reproducao
67347132 sesi-texto-sobre-reproducao67347132 sesi-texto-sobre-reproducao
67347132 sesi-texto-sobre-reproducao
 
63231051 estudo-dirigido-parasitologia-humana-1
63231051 estudo-dirigido-parasitologia-humana-163231051 estudo-dirigido-parasitologia-humana-1
63231051 estudo-dirigido-parasitologia-humana-1
 
59212842 texto-fecundacao
59212842 texto-fecundacao59212842 texto-fecundacao
59212842 texto-fecundacao
 
53744388 as-fases-do-desenvolvimento-embrionario
53744388 as-fases-do-desenvolvimento-embrionario53744388 as-fases-do-desenvolvimento-embrionario
53744388 as-fases-do-desenvolvimento-embrionario
 
53292193 aula-de-meios-de-cultura
53292193 aula-de-meios-de-cultura53292193 aula-de-meios-de-cultura
53292193 aula-de-meios-de-cultura
 
48968400 apostila-tecidos
48968400 apostila-tecidos48968400 apostila-tecidos
48968400 apostila-tecidos
 
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp0238515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
 
29514984 introducao-a-embriologia
29514984 introducao-a-embriologia29514984 introducao-a-embriologia
29514984 introducao-a-embriologia
 
27629912 questoes-microbiologia-1
27629912 questoes-microbiologia-127629912 questoes-microbiologia-1
27629912 questoes-microbiologia-1
 
26976266 histologia-e-embriologia
26976266 histologia-e-embriologia26976266 histologia-e-embriologia
26976266 histologia-e-embriologia
 
14052675 reproducao-animal
14052675 reproducao-animal14052675 reproducao-animal
14052675 reproducao-animal
 
8669090 principios-basicos-de-microbiologia-aula-1
8669090 principios-basicos-de-microbiologia-aula-18669090 principios-basicos-de-microbiologia-aula-1
8669090 principios-basicos-de-microbiologia-aula-1
 
2364097 microbiologia
2364097 microbiologia2364097 microbiologia
2364097 microbiologia
 
113975 estudo dirigido parte 1 micro
113975 estudo dirigido parte 1 micro113975 estudo dirigido parte 1 micro
113975 estudo dirigido parte 1 micro
 

29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina

  • 3. COLETA DE SANGUE  INTRUÇÕES GERAIS  O jejum recomendado é de 10 a 14 horas. É livre a ingestão de água.  As amostras para análise devem ser coletadas na primeira parte da manhã.  Convém que o paciente ao chegar ao laboratório seja acalmado e que descanse por alguns minutos.  Exercícios físicos devem ser evitados antes da coleta.
  • 4. COLETA DE SANGUE  FORMAS DE COLETA:  Agulha e seringa estéreis e descartáveis.  Lanceta estéril e descartável.  Coleta a vácuo.
  • 5. COLETA DE SANGUE  O PROBLEMA DA HEMÓLISE  A ruptura de hemácias libera hemoglobina e altera os resultados de alguns exames.  A ruptura de uma pequena quantidade de hemácias é praticamente inevitável e não causa hemólise visível.  Amostras de plasma ou de soro hemolisadas apresentam-se mais coradas.  Na grande maioria das determinações a hemólise causa aumento ou diminuição na taxa de elementos no plasma ou no soro que estão sendo dosados.  Alguns cuidados:  Após a anti-sepsia do local de coleta, deixar evaporar totalmente o anti-séptico.  Usar o garrote o menor tempo possível.  Não mover a agulha durante a coleta.
  • 6. COLETA DE SANGUE  Obtenção de sangue:  Punção Venosa  Punção Arterial  Punção de Pele
  • 7. COLETA DE SANGUE  PUNÇÃO VENOSA  Sangue venoso que circula da periferia para o centro do sistema circulatório, o coração, é o mais usado em exames laboratoriais.  A coleta é feita com agulhas e seringas estéreis e descartáveis ou por meio de tubos com vácuo adaptados a agulhas estéreis, com ou sem anticoagulantes.  Preferência pelas veias intermediárias cefálica e basílica em adultos e crianças maiores.  Outras opções: veias jugulares, veia femoral, seio sagital superior,etc.
  • 8. COLETA DE SANGUE  PUNÇÃO VENOSA  Veias da Dobra do Cotovelo 1. Retirar a agulha da embalagem estéril e acoplar à seringa estéril, deixando na própria embalagem estéril pronta para ser usada. 2. Colocar um garrote ao redor do braço do paciente, acima da dobra do cotovelo. Verificar o pulso para garantir que a circulação arterial não foi interrompida. 3. O paciente deve abrir e fechar a mão várias vezes para aumentar a circulação venosa. 4. Pela inspeção e palpação determinar a veia a ser puncionada, que deve ser calibrosa e firme. 5. Desinfetar a pele sobre a veia selecionada, com álcool a 70% e deixar secar. 6. Não tocar o local a ser puncionado, nem deixar que o paciente dobre o braço. 7. O paciente, agora, deve permanecer com a mão fechada.
  • 9. COLETA DE SANGUE  PUNÇÃO VENOSA  Veias da Dobra do Cotovelo 8. Pegar a seringa colocar o dedo sobre o mandril da agulha, para guiá-la durante a introdução na veia. 9. Esticar a pele do cotovelo, com a outra mão, uns 5 cm abaixo do local da punção, mas sem tocá-lo. 10. Introduzir a agulha na pele ao lado da veia que vai ser puncionada, paralelamente a ela, e, lentamente, penetrar em seu interior. 11. O sangue deverá fluir espontaneamente para dentro da agulha ou, então, deve-se puxar lentamente o êmbolo, para verificar se a agulha está na veia e, em seguida, retirar o sangue necessário. 12. Soltar o garrote, retirar a agulha e colocar um pedaço de algodão seco no local. 13. Retirar a agulha e transferir o sangue coletada para os tubos com ou sem anticoagulantes, de acordo com o exame solicitado, escorrendo lentamente o sangue, sem formar espuma. 14. Tubos com anticoagulantes devem ser invertidos, várias vezes, lentamente.
  • 10. COLETA DE SANGUE  PUNÇÃO VENOSA  Veias do Dorso da Mão  Em pacientes obesos, cujo acesso às veias do cotovelo é mais difícil, essas veias da mão são por vezes mais calibrosas.  São extremamente móveis em relação aos tecidos circunjacentes, o que dificulta a penetração da agulha em seu interior.  A perfuração é mais dolorosa e a hemostasia mais demorada, geralmente formando hematomas.
  • 11. COLETA DE SANGUE  PUNÇÃO VENOSA  Veia Jugular Externa  Imobilização do paciente (principalmente crianças), em posição inclinada, com a cabeça em nível inferior ao tronco.  Roda-se a cabeça para o lado oposto ao da punção, o que permite visualizar a veia.  Provoca-se o choro em crianças, para que aumente a estase venosa. Se adulto, deve ficar assoprando com a boca e nariz fechados.  A agulha deve penetrar diretamente sobre a veia que nessa região é bem superficial.  Após a punção, manter o paciente sentado e com algodão ou gaze fazer compressão demorada.
  • 12. COLETA DE SANGUE  PUNÇÃO VENOSA  Veia Jugular Interna  Imobilização do paciente (mesmo modo da jugular externa)  Toma-se como ponto de referência o músculo esternocleidomastóideo.  A agulha deve penetrar no ponto que coincide com a metade da distância entre a origem e a inserção do músculo, ao nível de sua borda anterior.  Após a penetração da pele a agulha deve estar com a ponta voltada para a fúrcula esternal, mantendo-se quase paralela à pele e aprofundando um pouco mais de 0,5cm.  Após a coleta, compressão por alguns minutos.
  • 13. COLETA DE SANGUE  PUNÇÃO VENOSA  Veia Femoral  Somente quando todas as outras opções falharam.  Palpa-se o pulso femoral, ao nível da prega inguinal e punciona-se logo abaixo do ligamento inguinal, para dentro da artéria pulsátil.  A agulha deve penetrar em posição vertical, até tocar a parte óssea. Lentamente deve ser retirada, fazendo-se pressão negativa na seringa, até se conseguir obter fluxo de sangue.  Após a coleta comprimir o local durante alguns minutos.
  • 14. COLETA DE SANGUE  PUNÇÃO VENOSA  Seio Sagital Superior (Fontanela Bregmática)  Em crianças com a fontanela ainda aberta.  A punção é feito em nível do ângulo posterior da fontanela.  A agulha penetra num ângulo de 30 a 90º sendo introduzida apenas uns 3 mm e com o cuidado de não atingir o espaço subaracnóideo.  Após a coleta, compressão delicada, mas eficiente, deve ser feita.
  • 15. COLETA DE SANGUE  PUNÇÃO VENOSA  Cordão Umbilical  Imediatamente após o nascimento do bebê, o cordão umbilical é preso com pinça e cortado.  Para recolher o sangue do cordão, outra pinça é colocada a 20 ou 25 centímetros da primeira, a seção isolada é cortada e a amostra do sangue coletada dentro de um tubo de amostra.  O exame é realizado para avaliar:  Gases sanguíneos  pH do tecido fetal  Nível respiratório  Hemograma completo  Bilirrubina  Glicose  Hemocultura (se houver suspeita de infecção)  Armazenamento de células-tronco
  • 16. COLETA DE SANGUE  PUNÇÃO ARTERIAL  Sangue arterial é o sangue oxigenado pelos pulmões e bombeado do coração para todos os tecidos. É essencialmente uniforme em sua composição  São utilizadas a artéria femoral, a artéria radial ou a artéria braquial.  Estudo da gasometria sanguínea.  Através da amostra de sangue arterial, o laboratório pode determinar as concentrações de oxigênio e de dióxido de carbono, assim como a acidez do sangue, que não pode ser mensurada em uma amostra de sangue venoso.  O exame é utilizado para avaliação de doenças respiratórias e de outras condições que afetem os pulmões. O exame é usado também para determinar a eficiência da terapia com oxigênio. O componente ácido- base do exame também fornece informações a respeito do funcionamento dos rins.
  • 17. COLETA DE SANGUE  PUNÇÃO ARTERIAL  Obter seringa para gasometria, heparinizada.  O paciente deve repousar por 30 minutos.  O local da punção pode ser anestesiado com Xilocaína 1-2%.  Realizar anti-sepsia com iodo- povidona e álcool a 70%. Deixar secar.  Palpar a artéria com luvas e puncioná- la em ângulo de 30º a 90º.  Coletar cerca de 2 ml de sangue. Remover agulha e seringa.  Aplicar pressão ao local puncionado com gaze estéril de 5-15minutos.  Retirar o ar da seringa e vedá-la com borracha. Agitar a amostra.  Imediatamente colocar a amostra imersa em gelo.
  • 18. COLETA DE SANGUE  PUNÇÃO ARTERIAL  pH - Avaliar o pH para determinar se está presente uma acidose ou uma alcalose. O desequilíbrio ácido-básico é atribuído a distúrbios ou do sistema respiratório (PaCO2) ou metabólico. Normal de 7,35 a 7,45  PaO2 - A PaO2 exprime a eficácia das trocas de oxigênio entre os alvéolos e os capilares pulmonares. Normal de 80 a 100mmHg.  PaCO2 - A pressão parcial de CO2 do sangue arterial exprime a eficácia da ventilação alveolar. Se a PaCO2 estiver menor que 35 mmHg, o paciente está hiperventilando, e se o pH estiver maior que 7,45, ele está em Alcalose Respiratória. Se a PCO2 estiver maior que 45 mmHg, o paciente está hipoventilando, e se o pH estiver menor que 7,35, ele está em Acidose Respiratória.  HCO3 - As alterações na concentração de bicarbonato no plasma podem desencadear desequilíbrios ácido-básicos por distúrbios metabólicos. Se o HCO3 - estiver maior que 28 mEq/L com desvio do pH > 7,45, o paciente está em Alcalose Metabólica. Se o HCO3- estiver menor que 22 mEq/L com desvio do pH < 7,35, o paciente está em Acidose Metabólica.
  • 19. COLETA DE SANGUE  PUNÇÃO ARTERIAL  Fatores que afetam os resultados:  Rejeitar amostra coagulada;  Transportar a amostra para o laboratório, a fim de processá-la dentro de 15 minutos.  Se o paciente está sendo submetido à aspiração endotraqueal ou à terapia respiratória, a amostra deve ser colhida pelo menos 20 minutos após o procedimento;  A não expulsão do ar da seringa de gasometria resultará em falsa elevação da PaO2 ou falsa redução da PaCO2;  A não imersão da amostra em gelo pode resultar em redução do pH e da PaO2;  A não expulsão da heparina da seringa antes da coleta da amostra pode resultar em redução do pH, PaCO2 e PaO2.
  • 20. COLETA DE SANGUE  PUNÇÃO CAPILAR  Utilizado na hematologia, em pesquisa de hemoparasitos, na coleta de amostras para execução de microtécnicas e em provas de coagulação.  É uma mistura de sangue venoso e arterial, mas o sangramento é principalmente arterial.  O sangue capilar é obtido através da pele.  Especialmente em pacientes pediátricos.  Punção da pele:  Superfície póstero-lateral do calcanhar, em crianças até 1 ano de idade.  Na polpa do 3º ou 4º dedo da mão.  Lóbulo da orelha.
  • 21. COLETA DE SANGUE  PUNÇÃO CAPILAR  Nunca:  Em local edematoso.  Massagear antes.  Espremer.  Pode:  Aquecer previamente com compressas quentes.  Sempre:  Limpar com álcool a 70%.  Desprezar a primeira gota.
  • 22. COLETA DE SANGUE  ANTICOAGULANTES  Quando necessita-se de sangue total ou plasma para algumas análises usam-se anticoagulantes.  Em geral, interferem no mecanismo de coagulação in vitro, inibindo a formação da protrombina ou da trombina.  Os mais usados são:  EDTA (ácido etileno-diamino-tetra-acético) – determinações bioquímicas e hematológicas  Heparina – provas bioquímicas  Oxalatos – provas de coagulação  Citratos – provas de coagulação  Polianetol-sulfonato de sódio – hemoculturas
  • 23. Ação dos Anticoagulantes Contato com XII vidro XI Heparina VIII X V Plaquetas, Ca+2 EDTA Heparina Fibrinogênio Oxalatos Citratos Fibrina Frouxa Fluoreto Fibrina Firme
  • 24. COLETA DE SANGUE  Tubos com vácuo:  VERMELHO  Sem anticoagulante.  Obtenção de soro para bioquímica e sorologia.  Exemplo de testes:  Creatinina  Glicose  Uréia  Colesterol  Pesquisa e identificação de anticorpos e ou antígenos no soro.
  • 25. COLETA DE SANGUE  Tubos com vácuo:  LAVANDA  Com anticoagulante EDTA sódico ou potássico  EDTA liga-se aos íons cálcio, bloqueando assim a cascata de coagulação  Obtém-se assim o sangue total para hematologia  Testes:  Eritrograma  Leucograma  Plaquetas
  • 26. COLETA DE SANGUE  Tubos com vácuo:  VERDE  Paredes internas revestidas com heparina.  Produção de uma amostra de sangue total.  Estabilização por até 48 horas.  Testes bioquímicos.
  • 27. COLETA DE SANGUE  Tubos com vácuo:  AZUL  Contém citrato de sódio  Anticoagulante utilizado para a obtenção de plasma para provas de coagulação:  Tempo de Coagulação  Retração de Coágulo  Tempo Parcial de Tromboplastina  Tempo de Protrombina
  • 28. COLETA DE SANGUE  Tubos com vácuo:  PRETO  Os tubos para VHS  Contêm solução tamponada de citrato trissódico  Utilizados para coleta e transporte de sangue venoso para o teste de sedimentação.
  • 29. COLETA DE SANGUE  Tubos com vácuo:  AMARELO  Tubos para tipagem sangüínea  Com solução de ACD (ácido citrato dextrose)  Utilizados para teste de tipagem sangüínea ou preservação celular
  • 30. COLETA DE SANGUE  Tubos com vácuo:  CINZA  Tubos para glicemia  Contêm um anticoagulante e um estabilizador, em diferentes versões:  EDTA e fluoreto de sódio  oxalato de potássio e fluoreto de sódio  heparina sódica e fluoreto de sódio  heparina lítica e iodoacetato  Ocorre inibição da glicólise para determinação da taxa de glicose sanguínea
  • 31. COLETA DE SANGUE  Tubos com vácuo:  ROSA  Tubos para provas de compatibilidade cruzada  Duas versões:  Com ativador de coágulo » Provas cruzadas com soro.  Com EDTA » Testes com sangue total.
  • 32. COLETA DE SANGUE  Tubos com vácuo:  ROYAL  Três versões:  Sem aditivo  Com heparina sódica  Com ativador de coágulo  Utilizados para testar traços de elementos metálicos, como: Cu, Zn, Pb, etc.
  • 33. COLETA DE SANGUE  HEMOCULTURA  É realizada quando se suspeita de uma infecção no sangue (bacteremia ou septicemia) com presença de febre, calafrios, pressão sangüínea baixa ou outros sintomas.  Neste exame é importante que a amostra de sangue não seja contaminada por organismos na pele ou instrumental utilizado na preparação do exame.  Uma rigorosa técnica de anti-sepsia é seguida para obter e preparar o espécime.  O sangue é colhido de uma veia, geralmente da prega do cotovelo ou dorso da mão.  A cultura é examinada para detectar a presença de microorganismos durante vários dias. Se os organismos estiverem presentes, outras culturas podem ser realizadas para identificar os organismos.
  • 34. COLETA DE URINA  EXAME DE URINA / EQU  de preferência colher a 1ª urina da manhã.  lavar os genitais externos com água e sabão. Secar.  colher a urina em recipiente limpo e seco e enviá-la imediatamente ao laboratório.  colher somente o jato médio, desprezando o início e o fim da micção.  na coleta de urina em mulheres, recomenda-se abstinência sexual de pelo menos 24 horas.  em mulheres menstruadas, e em caso de urgência, usar tampão vaginal depois da lavagem, para não contaminar a urina com sangue. O ideal seria coletar a urina de 3 a 5 dias após o término do sangramento menstrual.
  • 35. COLETA DE URINA  EXAME DE URINA DE 24 HORAS 1. Alimentação normal. 2. Pela manhã, ao acordar, esvaziar completamente a bexiga e desprezar a urina. Marcar a hora exata (p.ex.: 8 horas da manhã). 3. Daí em diante colher as urinas produzidas durante o dia e a noite, juntando-as em um ou mais frascos limpos ou frascos produzidos pelo laboratório (3 litros). Mantê-los no refrigerador e ao abrigo da luz. 4. A - Pela manhã do dia seguinte, exatamente 24 horas após a hora em que foi desprezada a urina do começo da prova, colher toda a urina da bexiga, em frasco separado, rotulando-o “Primeira urina da manhã, data...” B - Após 24 horas exatamente, colher todo a urina e juntar com as outras. 5. Enviar todas as urinas para o laboratório imediatamente.
  • 36. COLETA DE URINA  COLETA EM CRIANÇAS / LACTENTES  Crianças muito jovens e neonatos » Coletor auto-aderente hipoalergênico  Recomendações:  Identificar o coletor auto-aderente  Abrir as pernas da criança  Certificar que a região púbica e perineal estão limpas, secas e isentas de muco.  Meninas: colocar o adesivo na pele em volta dos genitais externos, de maneira que a vagina e o reto fiquem isolados e evitando a contaminação. Após 30 minutos retirar o coletor, mesmo sem a emissão de urina.  Meninos: colocar o coletor auto-aderente de maneira que o pênis fique em seu interior. Após 30 minutos retirar o coletor, mesmo sem a emissão de urina.
  • 37. COLETA DE URINA  COLETA COM CATETER  Cateter é inserido na bexiga através da uretra com o uso de técnica estéril para obtenção da urina.  COLETA COM ASPIRAÇÃO SUPRAPÚBICA  Aspira-se a bexiga distendida com um seringa e agulha acima da sínfise pubiana através da parede abdominal adentrando a bexiga cheia.  Complicações são raras.  Método usado para culturas anaeróbicas, culturas problemáticas (onde a contaminação não pode ser eliminada) e em crianças.
  • 38. COLETA DE URINA  ARMAZENAMENTO, CONSERVAÇÃO E TRANSPORTE DA AMOSTRA DE URINA  O paciente deve receber instruções claras e por escrito a respeito do armazenamento, conservação e transporte da amostra de urina coletada, a fim de manter a integridade dos elementos e contribuir para a estabilidade das substâncias químicas.  O tempo entre a coleta e a entrega da amostra no laboratório não deve ultrapassar uma hora.  Em caso de demora na entrega, conservar a amostra em refrigerador (2-5ºC), sendo também necessário, ás vezes o uso de conservantes:  Formalina – preservação dos elementos figurados  Ácido Bórico – preservação de aldosterona, estrógenos, etc  Timol – preservação de mucopolissacarídeos, etc  Ácido Clorídrico – preservação de adrenalina, noradrenalina, etc  Fluoreto de Sódio – preservação de glicídeos  Bicarbonato de Sódio – urina de 24 horas
  • 39. COLETA DE URINA  FATORES QUE AFETAM OS RESULTADOS  Amostras da 1ª urina da manhã fornecem o reflexo mais preciso da presença de bactérias e de elementos formados, tais como cilindros e cristais.  Um retardo no exame após a coleta pode causar valores falsamente reduzidos de glicose, cetona, bilirrubina e urobilinogêno.  Amostras coletadas, mantidas à temperatura ambiente e tardiamente entregues ao laboratório, podem causar valores falsamente elevados de bactérias, em virtude de seu supercrescimento.  Retardos também perturbam a nitidez microscópica, em virtude da dissolução de uratos e fosfatos.
  • 40. EXAME DE URINA / E.Q.U.  Realizam-se três etapas do exame: 1. Exame físico; 2. Exame químico; 3. Exame microscópico.
  • 41. EXAME DE URINA / E.Q.U.  EXAME FÍSICO 1. COR: As cores usadas para a descrição são: amarelo, amarelo claro, amarelo escuro, avermelhado, marrom, esverdeado. Quando vermelha há presença de sangue na urina, ou também é observada quando da ingestão de beterraba. A urina também pode apresentar-se verde pela ação de medicamentos. 2. ASPECTO: Os três estados observados são: límpida; ligeiramente turva e turva. Também podemos ter o aspecto sanguinolento. 3. DENSIDADE: Varia de 1,016 a 1,020 como valores normais. Diminuição nesta densidade indica algum problema que não permite a concentração desta urina e o aumento nesta densidade indica excretas a mais (como glicose).
  • 42. EXAME DE URINA / E.Q.U.  EXAME QUÍMICO  A maioria dos testes de triagem de urinálise são medidos por meio de uma "fita" reagente. Existem vários tipos de fitas reagentes. Pesquisa de:  Urobilinogênio  Bilirrubina  Corpos cetônicos  Hemoglobina  Glicose  Sangue  Proteínas  pH  Nitritos
  • 43. EXAME DE URINA / E.Q.U.  EXAME MICROSCÓPICO  Avaliação do Sedimento Urinário  Hemácias  Leucócitos  Células epiteliais  Cilindros  Microorganismos  Cristais  Gordura
  • 44. EXAME DE URINA  SOLICITAÇÕES ESPECIAIS  Taxa de excreção de aldosterona urinária de 24 horas  Porfirinas na urina  Amilase na urina  Mioglibina na urina  Cobre na urina de 24 horas  Nitrogênio da uréia na urina  Osmolalidade da urina  Exame de concentração da urina  Creatinina na urina  Proteína na urina de 24 horas  Cortisol na urina  Cálcio na urina  Exame de Norepinefrina na urina  Exame de dopamina na urina  Exame de adrenalina na urina  Exame de epinefrina na urina  Exame urinário de ácido cítrico  Eletrólitos na urina  Sódio na urina  Potássio na urina  Ácido úrico na urina  Urocultura  Cultura de urina (amostra cateterizada)  Exame de citologia da urina  Estriol na urina  Aminoácidos na urina  Hemoglobina na urina
  • 45. COLETA DE URINA  UROCULTURAS  Exame microbiológico da urina  Rigorosa limpeza e anti-sepsia, tomando cuidado para completa remoção dos produtos usados.  Coleta por aspiração suprapúbica: o aparecimento de uma só colônia de bactérias já indica infecção, desde que eliminada contaminação.  Coleta por jato médio: crescimento de menos de 10.000 colônias por ml de urina não indica infecção. Bactérias da uretra.  Acima de 100.000 colônias por ml de urina: evidência de infecção, desde que a espécie bacteriana seja uma só.  É importante que se espere pelo menos 2 horas entre a última micção e a coleta de urina pra cultura.