O
HEMOGRAMA
NAS ANEMIAS
PROFESSOR DE HEMATOLOGIA DA
BIOMEDICINA DA UCG
PROFESSOR DE PATOLOGIA FUNCIONAL
(MEDICINA LABORATORIAL) DA
MEDICINA UFG
RE...
“VENHO DE LONGE E
TRAGO DENTRO
DE MIM TODAS AS
IDADES”
Hipócrates, 377 a.C
?
: - O Hemograma apresentou
S.V= Hm- 3.80 Teras/L Ht: 29.5 % Hb:
8.8 g/dL VCM: 77.6 fL HCM : 23.1 pg ;
CHCM : 29.8 g % RDW:...
O Hemograma apresentou:
Série Vermelha: Hm: 4.46 Teras/L ; Ht : 31.5 %
Hb: 9.9 g/dL VCM: 70.6 fL HCM: 22.1 pg CHCM:
31.4 g...
Feminina, 39 anos, branca,moradora do setor
marista.Chegou ao laboratório com solicitação
do ginecologista para realizar: ...
Hm: 3.80
Teras/L
Ht: 29.5 %
Hb: 8.8 g/dL
VCM: 77.6 fLVCM: 77.6 fLVCM: 77.6 fLVCM: 77.6 fL
HCM : 23.1 pg
CHCM : 29.8 g%
RDW...
CASO 1
CASO 2
CASO 1
CASO 2
Recém Nascida, 1 semana, branca,
apresentando ictericia progressiva, internada
no berçário, para elucidação.
S.V: Hm: 3.77...
CRIANÇA DE 3 ANOS DE IDADE, FAZENDO
HEMOGRAMA PARA CONTROLE DE ANEMIA (SIC),
QUE SEGUNDO SUA MÂE ELE APRESENTA DESDE O
NAS...
S.V= Hm- 2.95 Teras/L Ht: 25.O % Hb:
8.1 g/dL VCM: 84.75 fL HCM : 27,46 pg ;
CHCM : 32.4 g % RDW: 16.5 %
Série Branca - Le...
S.V= Hm- 2.66 Teras/L Ht: 24 % Hb: 8,0
g/dL VCM: 90.1 fL HCM : 29.9 pg ; CHCM :
33.1 g % RDW: 16.8 %
Série Branca - Leuco:...
Em contato com o clínico, referiu que tinha
recebido o encaminhamento do ortopedista
com relato de paciente obesa (IMC- 41...
Criança de 5 anos de idade é trazida ao
laboratório com história de ter tido uma gripe
forte a cerca de 15 dias e que há 4...
S.V= Hm- 2.74 Teras/L Ht: 23.8 % Hb:
6.02 g/dL VCM: 86.86 fL HCM : 22.0 pg ;
CHCM : 25.0 g % RDW: 15.8 %
Série Branca - Le...
Image Challenge
What is the diagnosis?
1. Normochromic normocytic red cells
2. Megaloblastic anemia
3. Hemolytic anemia
4....
Image Challenge
What is the diagnosis?
1. Babesiosis
2. Iron deficiency anemia
3. Hereditary spherocytosis
4. Malaria
5. S...
s.m. (sXX) pat 1 contagem dos elementos1 contagem dos elementos1 contagem dos elementos1 contagem dos elementos
do sangue ...
Nome dado ao conjunto de
avaliações das células do sangue,
que, reunido aos dados clínicos,
permite conclusões diagnóstica...
Introduzido na prática médica em
1925.
Critérios estabelecidos pelo médico,
hematologista e farmacêutico alemão
Victor Sch...
PORQUE?
“APESAR DE NÃO APRESENTAR
CERTEZA DIAGNÓSTICA DE
QUASE NADA, FORNECE
PISTAS PARA COLABORAR
COM O DIAGNÓSTICO DE
VÁRIAS ENF...
QUEIXA
PRINCIPAL
ANAMNESE
ACHADOS DO
EXAME FÍSICO
- ROTINAS
- CHECK UP
- TRIAGEM
HIPÓTESES
LABORATÓRIO NO
DIAGNÓSTICO
LABO...
DO ESTADO GERAL
DE FRAQUEZAS
DE FALTAS DE AR
DE “CANSAÇO”
DE SONOLÊNCIA
DE PALIDEZ CUTÂNEO MUCOSA, ETC,
ETC
DE ESTADOS FEB...
DE “TUMORES”
ADENOMEGALIAS
HEPATOMEGALIAS,
ESPLENOMEGALIAS, ETC, ETC
DAS ICTERÍCIAS
DAS PERDAS DE PESO
DAS HEMORRAGIAS, SA...
SSSSÉÉÉÉRIE VERMELHARIE VERMELHARIE VERMELHARIE VERMELHA
SSSSÉÉÉÉRIE BRANCARIE BRANCARIE BRANCARIE BRANCA
SSSSÉÉÉÉRIE PLAQ...
“ IDENTIFICANDO E
FORNECENDO PISTAS
DIAGNÓSTICAS!”.
NÚMERO DE HEMÁCIAS
HEMATÓCRITO
HEMOGLOBINA
ÍNDICES HEMATIMÉTRICOS
- VCM, HCM, CHCM, RDW
OBSERVAÇÃO DE LÂMINA
HISTOGRAMA
SÉRIE VERMELHA
TEM ANEMIA ?
QUAL A CLASSIFICAÇÃO PELO VCM
E O RDW ?
TEM ALTERAÇÕES MORFOLÓGICAS?
POIQUILOCITOSES?
ALTERAÇÕES NAS OUTRAS S...
TEM ANEMIA ?
- TAXA DE HEMOGLOBINAS
(ABAIXO DO VALOR MÍNIMO PARA A
IDADE, SEXO E ALTITUDE
ANALISADA).
HbHbHbHb Hm Ht VCM
AO NASCER 14,914,914,914,9----23.723.723.723.7 3,7-6,5 47-75 100-125
2 SEM 13,413,413,413,4----19,819,8...
ALTITUDE Hb Ht
(m) (g/dL) (%)
PELA CLASSIFICAÇÃO DO VCM
E O RDW ?
VCM < 80 fL ? E O RDW : < 14 ou > 14 ?
80 < VCM < 100 fL ? E O RDW : < 14 ou > 14 ?
VCM > 100 fL ? E O RDW : < 14 ou > 14 ?
VCM < 80 fL RDW < 14
VCM < 80 fL RDW > 14
80 ≤ VCM ≤ 100 fL RDW < 14
80 ≤ VCM ≤ 100 fL RDW > 14
VCM > 100 fL RDW < 14
VCM ...
RDW < 14
- TALASSEMIA
MENOR
- A. DA DOENÇA
CRÔNICA +
- OVALOCITOSE +
- ESFEROCITOSE +
- MIELOESCLEROSE
RDW > 14
---- ANEMI...
RDW < 14
- A. D. CRÔNICA ++
- IRC
- HIPOTIROIDISMO +++
- ESFEROCITOSE +++
- APLASIA
- HEMÓLISE OXIDATIVA
- OVALOCITOSE +
R...
RDW < 14
- ALCOOLISMO
- HEPATOPATIAS
- DROGAS +
- APLASIA +++
- HIPOTIROIDISMO +
RDW > 14
- DEFICIÊNCIA DE B12
- DEF. AC. ...
TEM ALTERAÇÕES
MORFOLÓGICAS
(POIQUILOCITOSES) ?
DREPANÓCITOS
ESFERÓCITOS / MICROESFERÓCITOS
PONTEADOS BASOFÍLICOS
HEMÁCIAS EM ALVO / LEPTÓCITO /
“TARGET CEL”
ANÉIS DE CAB...
CORPÚSCULOS DE HOWELL - JOLLY
ACANTÓCITOS/ HM. CRENADAS/ “BURR
CELLS”
OVALÓCITOS
ERITROBLASTOS
ESTOMATÓCITOS
DACRIÓCITOS
Diggs-Abbott®
Diggs-Abbott®
Defeito deDefeito deDefeito deDefeito de
membrana pormembrana pormembrana pormembrana por
alteraalteraalteraalteraçççção g...
Hb S (Hb S (Hb S (Hb S (αααα2222ββββ2222
6:GLU6:GLU6:GLU6:GLU VALVALVALVAL ))))
Ocorre um excesso de
membrana, fazendo com
que a hemoglobina se
distribua em um anel
periférico, com acúmulo
de hemoglobin...
Hb CHb CHb CHb C αααα2222ββββ2222
6:GLU6:GLU6:GLU6:GLU LISLISLISLIS
(Lembram
espinhos) são
células com 2-
10 espículas de
diferentes
tamanhos e de
distribuição
irregular na
superfície das
he...
• Distúrbio neurológico com
manifestações extrapiramidais,
amiotrofia e epilepsia, que se associa
à presença de hemácias e...
(As espículas são mais
arredondadas). São células
com 10 – 30 espículas
rombudas de tamanho e
distribuição regular.
São fr...
São hemácias em
forma oval ou em
Elipse, por alterações
nas proteínas da
membrana.
Pode ser artefato do
esfregaço se todas...
Hemácias em forma de
lágrima. Ocorrem
provavelmente por retardo
da saída da medula óssea.
Associado a Macrocitose
(Anemias...
Apresentam uma
palidez central em
forma de fenda ou
retangular.
Encontrados na
Estomatocitose
hereditária (por defeito
de ...
Associado a
fragmentação das
hemácias na circulação
(lesão por colisão em
áreas de fluxo
violento), válvulas
cardíacas, pr...
betabetabetabeta 42(CD1) Phe42(CD1) Phe42(CD1) Phe42(CD1) Phe --------> Ser]> Ser]> Ser]> Ser]
Bain,B et al. N Engl J Med ...
Células "mordidas
("bite-cells"), ou em
forma de capacete
("helmet-cells"),
presentes nas anemias
hemolíticas por
hemoglob...
Bain,B et al. N Engl J Med 2005;353:498-507.
Apresentam se
empilhadas, umas sobre
as outras.
Associado ao aumento
das globulinas e do
fibrinogênio, como no
Mieloma Múl...
Granulações variáveis em
número e tamanho, de cor
azulada, agregados de
ribossômas remanescentes.
Podem ser encontradas na...
Filamento em forma de
anel ou de oito, corando-
se em azul violeta.
Acredita-se que esse
filamento seja resto de
membrana ...
Resto nuclear arredondado
que permanece após a
expulsão do núcleo.
Geralmente é único, mas
podem aparecer dois ou
três e t...
Associados a
ribossomas
remanescentes,
apresenta-se como
pontos enegrecidos,
agrupado ou
localizados em
anemias hemolítica...
Perls
Hemácias
nucleadas.
Comum na
primeira semana
do recém nascido.
Depois em
anemias agudas
(perdas de sangue
e hemólises) e
a...
Hemácias Jovens
(Reticulócitos),
apresentando-se
como Hemácias
maiores, de
coloração
basofílica
PRO-ERITROBLASTO
ERITROBLASTO
BASÓFILO
ERITROBLASTO
POLICROMÁTICO
ERITROBLASTO
ORTOCROMÁTICO
POLICROMASIA
(RETICULÓCITOS-
...
DIMINUIÇÃO DE PRODUÇÃO PELA
MEDULA:
- CARENCIAIS (FERROPRIVA,
MEGALOBLÁSTICA)
- APLASIA DE MEDULA
- INFILTRAÇÃO MEDULAR (L...
PERDA DE SANGUE AGUDA
ANEMIAS HEMOLÍTICAS
Plasmodium
Babésia
Histoplasma
ALTERAÇÕES NAS OUTRAS SÉRIES?
HEMOGRAMAS COM ALTERAÇÕES
EM DUAS OU TRÊS SÉRIES !
PRESENÇA DE BLASTOS
CIRCULANTES (MIELOBLASTOS, PRÓ
MIELÓCITOS, LINFOBLA...
- VERMELHA
- BRANCA
- PLAQUETÁRIA
: - O Hemograma apresentou
S.V= Hm- 3.80 Teras/L Ht: 29.5 % Hb:
8.8 g/dL VCM: 77.6 fL HCM : 23.1 pg ;
CHCM : 29.8 g % RDW:...
O Hemograma apresentou:
Série Vermelha: Hm: 4.46 Teras/L ; Ht : 31.5 %
Hb: 9.9 g/dL VCM: 70.6 fL HCM: 22.1 pg
CHCM: 31.4 g...
Feminina, 39 anos, branca,moradora do setor
marista.Chegou ao laboratório com solicitação
do ginecologista para realizar: ...
Hm: 3.80
Teras/L
Ht: 29.5 %
Hb: 8.8 g/dL
VCM: 77.6 fL
HCM : 23.1 pg
CHCM : 29.8 g%
RDW: 28 %
Hm: 4.46
Teras/L
Ht : 31.5 %
...
CASO 1
CASO 2
A) Há anemia ? Hb = 8.8 g/dL
B) Usando o VCM e o RDW, que enfermidades
mais comumente pode apresentá-las ?
- FERROPRIVA ++...
A) Há anemia ? Hb = 9.9 g/dL
B) Usando o VCM e o RDW, que enfermidades
mais comumente pode apresentá-las ? TALASSEMIA
MENO...
CASO 1: FERRITINA: 5 ng/mL (VR: 10 a 100
ng/mL).
Caso 2 : Hb A2 - 6.1% (V.R- até 3.7%)
Geração de exames adicionais – até ...
Recém Nascida, 1 semana, branca,
apresentando ictericia progressiva, internada
no berçário, para elucidação.
S.V: Hm: 3.77...
A) Há anemia ?
B) Usando o VCM e o RDW, que
enfermidades mais comumente pode
apresentá-las ?
C) Tem alguma poiquilocitose ...
S.V= Hm- 2.66 Teras/L Ht: 24 % Hb: 8,0
g/dL VCM: 90.1 fL HCM : 29.9 pg ; CHCM :
33.1 g % RDW: 16.8 %
Série Branca - Leuco:...
Em contato com o clínico, referiu que tinha
recebido o encaminhamento do ortopedista
com relato de paciente obesa (IMC- 41...
Criança de 5 anos de idade é trazida ao
laboratório com história de ter tido uma gripe
forte a cerca de 15 dias e que há 4...
S.V= Hm- 2.74 Teras/L Ht: 23.8 %
Hb: 6.02 g/dL VCM: 86.86 fL HCM :
22.0 pg ; CHCM : 25.0 g % RDW: 15.8 %
Série Branca - Le...
Presença de células mononucleares pequenas
e médias, citoplasmas escassos, ligeiramente
basofílicos, sem grânulos e núcleo...
Mielograma : Hipercelular, com linfoblastos
tipo LL1
Citometria de Fluxo:
CD 10, 18 e 22 – Positivos
CD 13, 33, 2, 3, 5 e ...
Image Challenge
What is the diagnosis?
1. Normochromic normocytic red cells
2. Megaloblastic anemia
3. Hemolytic anemia
4....
Answer:
Image Challenge
What is the diagnosis?Q:
1. Normochromic normocytic red cells
This peripheral-blood smear demonstr...
Image Challenge
What is the diagnosis?
1. Babesiosis
2. Iron deficiency anemia
3. Hereditary spherocytosis
4. Malaria
5. S...
Answer:
Image Challenge
What is the diagnosis?Q:
1. Babesiosis
The peripheral-blood smear shows numerous intracellular org...
VAN HOVE, L et AL – Anemia Diagnosis,
Classification and Monitoring Using Cell-
Dyn Technology Reviewed for the
Millennium...
IMUNOFENOTIPAGEM
LLA do tipo T Maduro
• Presente em 25% dos adultos e 15% das
crianças com LLA, com freqüência em indivídu...
BAIN, Barbara- Células Sanguineas.4ª
ed.ARTMED,2007
MAKRIS, M. e GREAVES, M.- O Sangue
nas Doenças Sistêmicas.1ªed.Manole,...
LEE GR; FOERSTER J, et al eds. Wintrobe’s
Clinical Hematology. 11ª ed.Lippincott
Williams & Wilkins, Baltimore, 2003
BEUTL...
MCKENNA, Robert W.- Multifaced Approach
to the Diagnosis and Classification of Acute
Leukemias.Clinical Chemistry. 46:8(B)...
LASO, F J et al- Amplitude of the Distribution
of
Erytrocyte Size in the differential Diagnosis of
microcytic anemia.Med.C...
HENRY, John Bernard (TODD & SANFFORD) -
Diagnóstico Clínico e Conduta Terapêutica
por
exames em Laboratório.Manole,1996
FA...
Federal Register (1992), February 28,
1992, 42 CFR Part 405 et al. Medicaid
and CLIA Programs; Regulations
Implementing th...
Schved, J. F, Sarlat, C. e Gris, J.C-
Recomendações Práticas para a
Realização de Hemostase : da Coleta ao
controle de qua...
Sobreira, R. T.P. et al- Erros
Laboratoriais.LAES & Haes.130:140-
154.2001
Narayanan, Sheshadri- The Preanalytic
Phase. An...
Friedrich, Marilice et al- Aplicação do
Procedimento de Regras Múltiplas de
Shewhart no Controle de Qualidade
em Bioquímic...
Cura, Estela e Wendel, Silvano- Manual
de Procedimentos de Controle de
Qualidade para os Laboratórios de
Banco de Sangue.N...
www.fleury.com.br
www.hemonline.com.br
www.padrao.com.br
infloblood
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias

1.743 visualizações

Publicada em

Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias. A anemia é definida como a diminuição do número de hemácias no sangue ou da sua taxa de hemoglobina (Hb). Várias situações podem levar à anemia como: hemorragias, infecções crônicas, carência de nutrientes como o ferro, o ácido fólico e vitamina B12.
Os glóbulos vermelhos transportam oxigênio para todos os tecidos do corpo, a anemia está relacionada com esse transporte de oxigênio no sangue.
conteúdo completo. Enfermagem Florence.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.743
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
94
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
59
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias

  1. 1. O HEMOGRAMA NAS ANEMIAS
  2. 2. PROFESSOR DE HEMATOLOGIA DA BIOMEDICINA DA UCG PROFESSOR DE PATOLOGIA FUNCIONAL (MEDICINA LABORATORIAL) DA MEDICINA UFG RESPONSÁVEL TÉCNICO PELO PADRÃO LABORATÓRIO CLÍNICO
  3. 3. “VENHO DE LONGE E TRAGO DENTRO DE MIM TODAS AS IDADES”
  4. 4. Hipócrates, 377 a.C
  5. 5. ?
  6. 6. : - O Hemograma apresentou S.V= Hm- 3.80 Teras/L Ht: 29.5 % Hb: 8.8 g/dL VCM: 77.6 fL HCM : 23.1 pg ; CHCM : 29.8 g % RDW: 28 % Série Branca - Leuco: 5300 / mm3 (Bst. : 2 %, Seg. : 58 %, Neutr. Total : 60 %, Eo. : 2 %, Bas. : 0 %, Linf. : 32 %, Mon. : 6 %, Plasm. : 0 %, Linf. Atípico. : 0 % ). Obs. : n.d.n Plaquetas : 390.OOO/mm3. Obs. : n.d.n Feminina.39 anos, branca, moradora do setor marista. Chegou ao laboratório com solicitação do ginecologista para realizar: Hemograma, Glicemia de jejum, TSH, FSH,LH, EAS e Colpocitologia. IC: Rotina.Fraqueza.
  7. 7. O Hemograma apresentou: Série Vermelha: Hm: 4.46 Teras/L ; Ht : 31.5 % Hb: 9.9 g/dL VCM: 70.6 fL HCM: 22.1 pg CHCM: 31.4 g% RDW- 13.8 % Série Branca: Leuco:7200 /mm3 (Bst.: 3%, Seg.:60%, Neutr.Tot.: 63%, Eo.:03 %, Bas.:0%, Linf.: 25%, Mon.:08%, Plasm.:1%, Linf.atip.: 0%) Obs.: n.d.n Plaquetas:195.000/mm3 Obs.: n.d.n CASO 2
  8. 8. Feminina, 39 anos, branca,moradora do setor marista.Chegou ao laboratório com solicitação do ginecologista para realizar: Hemograma, Glicemia de jejum, TSH, FSH,LH, EAS e Colpocitologia. - IC: Rotina.Fraqueza. Feminina, 36 anos, branca, moradora do setor oeste, chegou ao laboratório com solicitação do ginecologista para realizar Hemograma, EAS, Glicemia de jejum e Colpocitologia. - IC: Rotina e prurido vaginal.
  9. 9. Hm: 3.80 Teras/L Ht: 29.5 % Hb: 8.8 g/dL VCM: 77.6 fLVCM: 77.6 fLVCM: 77.6 fLVCM: 77.6 fL HCM : 23.1 pg CHCM : 29.8 g% RDW: 28 %RDW: 28 %RDW: 28 %RDW: 28 % Hm: 4.46 Teras/L Ht : 31.5 % Hb: 9.9 g/dL VCM: 70.6 fLVCM: 70.6 fLVCM: 70.6 fLVCM: 70.6 fL HCM: 22.1 pg CHCM: 31.4 g% RDWRDWRDWRDW---- 13.8 %13.8 %13.8 %13.8 % Caso 1 Caso 2
  10. 10. CASO 1
  11. 11. CASO 2
  12. 12. CASO 1 CASO 2
  13. 13. Recém Nascida, 1 semana, branca, apresentando ictericia progressiva, internada no berçário, para elucidação. S.V: Hm: 3.77 Teras / L Ht: 35.5 % Hb: 13.5 g / dL VCM: 94.2 fL HCM : 35.8 pg CHCM: 38,0g %CHCM: 38,0g %CHCM: 38,0g %CHCM: 38,0g % RDW- 13.1 %
  14. 14. CRIANÇA DE 3 ANOS DE IDADE, FAZENDO HEMOGRAMA PARA CONTROLE DE ANEMIA (SIC), QUE SEGUNDO SUA MÂE ELE APRESENTA DESDE O NASCIMENTO
  15. 15. S.V= Hm- 2.95 Teras/L Ht: 25.O % Hb: 8.1 g/dL VCM: 84.75 fL HCM : 27,46 pg ; CHCM : 32.4 g % RDW: 16.5 % Série Branca - Leuco: 9800 / mm3 (Bst. : 2 %, Seg. : 45 %, Neutr. Total : 47 %, Eo. : 2 %, Bas. : 0 %, Linf. : 43 %, Mon. : 8 %, Plasm. : 0 %, Linf. Atípico. : 0 % ). Obs. : n.d.n Plaquetas : 310.OOO/mm3. Obs. : n.d.n
  16. 16. S.V= Hm- 2.66 Teras/L Ht: 24 % Hb: 8,0 g/dL VCM: 90.1 fL HCM : 29.9 pg ; CHCM : 33.1 g % RDW: 16.8 % Série Branca - Leuco: 6300 / mm3 (Bst. : 2 %, Seg. : 60 %, Neutr. Total : 62 %, Eo. : 1 %, Bas. : 0 %, Linf. : 32 %, Mon. : 4 %, Plasm. : 0 %, Linf. Atípico. : 0 % ). Obs. : n.d.n Plaquetas : 151.OOO/mm3. Obs. : n.d.n
  17. 17. Em contato com o clínico, referiu que tinha recebido o encaminhamento do ortopedista com relato de paciente obesa (IMC- 41 Kg/m2) com dificuldade de locomoção e suspeita de lesão da coluna por excesso de peso.
  18. 18. Criança de 5 anos de idade é trazida ao laboratório com história de ter tido uma gripe forte a cerca de 15 dias e que há 48 horas se encontra prostada e com manchas escuras nos braços (sic)
  19. 19. S.V= Hm- 2.74 Teras/L Ht: 23.8 % Hb: 6.02 g/dL VCM: 86.86 fL HCM : 22.0 pg ; CHCM : 25.0 g % RDW: 15.8 % Série Branca - Leuco: 3.120/ mm3 (Bst. : 1 %, Seg. : 4 %, Neutr. Total : 5 %, Eo. : 0 %, Bas. : 0 %, Linf. : 74 %, Mon. : 14%, Plasm. : 1 %, Linf. Atípico. : 1 % ). Obs. : n.d.n Plaquetas : 14.OOO/mm3. Obs. : n.d.n
  20. 20. Image Challenge What is the diagnosis? 1. Normochromic normocytic red cells 2. Megaloblastic anemia 3. Hemolytic anemia 4. Thalassemia 5. Iron deficiency anemia
  21. 21. Image Challenge What is the diagnosis? 1. Babesiosis 2. Iron deficiency anemia 3. Hereditary spherocytosis 4. Malaria 5. Sideroblastic anemia
  22. 22. s.m. (sXX) pat 1 contagem dos elementos1 contagem dos elementos1 contagem dos elementos1 contagem dos elementos do sangue (gldo sangue (gldo sangue (gldo sangue (glóóóóbulos vermelhos e brancos,bulos vermelhos e brancos,bulos vermelhos e brancos,bulos vermelhos e brancos, plaquetas etc.) 2 p.met. registro dos dadosplaquetas etc.) 2 p.met. registro dos dadosplaquetas etc.) 2 p.met. registro dos dadosplaquetas etc.) 2 p.met. registro dos dados dessa contagem <seu h. denuncia ligeiradessa contagem <seu h. denuncia ligeiradessa contagem <seu h. denuncia ligeiradessa contagem <seu h. denuncia ligeira anemia>anemia>anemia>anemia> ¤¤¤¤ etim hem(o)etim hem(o)etim hem(o)etim hem(o)---- ++++ ----grama; cp.grama; cp.grama; cp.grama; cp. ing. hemogram VCI (1925ing. hemogram VCI (1925ing. hemogram VCI (1925ing. hemogram VCI (1925----1930) 'id.'1930) 'id.'1930) 'id.'1930) 'id.' ----gramagramagramagrama pospositivo, do gr. grámma,atos 'caráter de escrita, sinal gravado, letra, texto, inscrição, registro, lista, documento, livro, tratado; HOUAISS
  23. 23. Nome dado ao conjunto de avaliações das células do sangue, que, reunido aos dados clínicos, permite conclusões diagnósticas e prognósticas de grande número de patologias.
  24. 24. Introduzido na prática médica em 1925. Critérios estabelecidos pelo médico, hematologista e farmacêutico alemão Victor SchillingVictor SchillingVictor SchillingVictor Schilling (1883-1960). Técnica. El cuadro hemático y su valor en la clínica. 2º ed. Editorial Labor, S.A. 1934. Barcelona, Madrid, Buenos Aires
  25. 25. PORQUE?
  26. 26. “APESAR DE NÃO APRESENTAR CERTEZA DIAGNÓSTICA DE QUASE NADA, FORNECE PISTAS PARA COLABORAR COM O DIAGNÓSTICO DE VÁRIAS ENFERMIDADES!”.
  27. 27. QUEIXA PRINCIPAL ANAMNESE ACHADOS DO EXAME FÍSICO - ROTINAS - CHECK UP - TRIAGEM HIPÓTESES LABORATÓRIO NO DIAGNÓSTICO LABORATÓRIO NA MONITORIZAÇÃO CONFIRMANDO DESCARTANDO - DA EVOLUÇÃO DA DOENÇA - DA TERAPÊUTICA - DO ESTADIAMENTO - DO PROGNÓSTICO Modificado de SPEICHER TOMADATOMADATOMADATOMADA DEDEDEDE DECISÕESDECISÕESDECISÕESDECISÕES
  28. 28. DO ESTADO GERAL DE FRAQUEZAS DE FALTAS DE AR DE “CANSAÇO” DE SONOLÊNCIA DE PALIDEZ CUTÂNEO MUCOSA, ETC, ETC DE ESTADOS FEBRIS. VÍRUS? BACTÉRIAS? USAR ANTIBIÓTICOS?
  29. 29. DE “TUMORES” ADENOMEGALIAS HEPATOMEGALIAS, ESPLENOMEGALIAS, ETC, ETC DAS ICTERÍCIAS DAS PERDAS DE PESO DAS HEMORRAGIAS, SANGRAMENTOS... PETÉQUIAS EQUIMOSES ...
  30. 30. SSSSÉÉÉÉRIE VERMELHARIE VERMELHARIE VERMELHARIE VERMELHA SSSSÉÉÉÉRIE BRANCARIE BRANCARIE BRANCARIE BRANCA SSSSÉÉÉÉRIE PLAQUETRIE PLAQUETRIE PLAQUETRIE PLAQUETÁÁÁÁRIARIARIARIA
  31. 31. “ IDENTIFICANDO E FORNECENDO PISTAS DIAGNÓSTICAS!”.
  32. 32. NÚMERO DE HEMÁCIAS HEMATÓCRITO HEMOGLOBINA ÍNDICES HEMATIMÉTRICOS - VCM, HCM, CHCM, RDW OBSERVAÇÃO DE LÂMINA HISTOGRAMA
  33. 33. SÉRIE VERMELHA
  34. 34. TEM ANEMIA ? QUAL A CLASSIFICAÇÃO PELO VCM E O RDW ? TEM ALTERAÇÕES MORFOLÓGICAS? POIQUILOCITOSES? ALTERAÇÕES NAS OUTRAS SÉRIES ? PISTAS COM RETICULÓCITOS !
  35. 35. TEM ANEMIA ? - TAXA DE HEMOGLOBINAS (ABAIXO DO VALOR MÍNIMO PARA A IDADE, SEXO E ALTITUDE ANALISADA).
  36. 36. HbHbHbHb Hm Ht VCM AO NASCER 14,914,914,914,9----23.723.723.723.7 3,7-6,5 47-75 100-125 2 SEM 13,413,413,413,4----19,819,819,819,8 3,9-5,9 41-65 88-110 2 MESES 9,49,49,49,4----13,013,013,013,0 3,1-4,3 28-42 84-98 6 MESES 10,010,010,010,0----13,013,013,013,0 3,8-4,9 30-38 73-84 1 ANO 10,110,110,110,1----13,013,013,013,0 3,9-5,1 30-38 70-82 2 - 6 ANOS 11,011,011,011,0----13,813,813,813,8 3,9-5,0 32-40 72-87 6 - 12 ANOS 11,111,111,111,1----14,714,714,714,7 3,9-5,2 32-43 76-90 MULHERES 11.511.511.511.5----16.016.016.016.0 4.0-5.0 36-46 80-100 HOMENS 14.014.014.014.0----18.018.018.018.0 4.5-5.5 41-51 80-100
  37. 37. ALTITUDE Hb Ht (m) (g/dL) (%)
  38. 38. PELA CLASSIFICAÇÃO DO VCM E O RDW ?
  39. 39. VCM < 80 fL ? E O RDW : < 14 ou > 14 ? 80 < VCM < 100 fL ? E O RDW : < 14 ou > 14 ? VCM > 100 fL ? E O RDW : < 14 ou > 14 ?
  40. 40. VCM < 80 fL RDW < 14 VCM < 80 fL RDW > 14 80 ≤ VCM ≤ 100 fL RDW < 14 80 ≤ VCM ≤ 100 fL RDW > 14 VCM > 100 fL RDW < 14 VCM > 100 fL RDW > 14
  41. 41. RDW < 14 - TALASSEMIA MENOR - A. DA DOENÇA CRÔNICA + - OVALOCITOSE + - ESFEROCITOSE + - MIELOESCLEROSE RDW > 14 ---- ANEMIA FERROPRIVA +++ - TALASSEMIA MAIOR - ANEMIA SIDEROBLÁSTICA +
  42. 42. RDW < 14 - A. D. CRÔNICA ++ - IRC - HIPOTIROIDISMO +++ - ESFEROCITOSE +++ - APLASIA - HEMÓLISE OXIDATIVA - OVALOCITOSE + RDW > 14 - A. FERROPRIVA RECENTE - ANEMIA SIDEROBLÁSTICA +++ - S. MIELODISPLÁSICA +++ - HEMÓLISE OXIDATIVA ++
  43. 43. RDW < 14 - ALCOOLISMO - HEPATOPATIAS - DROGAS + - APLASIA +++ - HIPOTIROIDISMO + RDW > 14 - DEFICIÊNCIA DE B12 - DEF. AC. FÓLICO - MIELODISLPLÁSICA +++ - An. SIDEROBLÁSTICA + - DROGAS ++ - An. HEMOLITICA AUTO IMUNE
  44. 44. TEM ALTERAÇÕES MORFOLÓGICAS (POIQUILOCITOSES) ?
  45. 45. DREPANÓCITOS ESFERÓCITOS / MICROESFERÓCITOS PONTEADOS BASOFÍLICOS HEMÁCIAS EM ALVO / LEPTÓCITO / “TARGET CEL” ANÉIS DE CABOT ROULEAUX
  46. 46. CORPÚSCULOS DE HOWELL - JOLLY ACANTÓCITOS/ HM. CRENADAS/ “BURR CELLS” OVALÓCITOS ERITROBLASTOS ESTOMATÓCITOS DACRIÓCITOS
  47. 47. Diggs-Abbott®
  48. 48. Diggs-Abbott®
  49. 49. Defeito deDefeito deDefeito deDefeito de membrana pormembrana pormembrana pormembrana por alteraalteraalteraalteraçççção genão genão genão genééééticaticaticatica da Anquirina ouda Anquirina ouda Anquirina ouda Anquirina ou Espectrina ouEspectrina ouEspectrina ouEspectrina ou Banda 3 ou 4.2Banda 3 ou 4.2Banda 3 ou 4.2Banda 3 ou 4.2 (Esferocitose(Esferocitose(Esferocitose(Esferocitose HereditHereditHereditHereditáááária)ria)ria)ria) Agressão porAgressão porAgressão porAgressão por anticorpos (anemiaanticorpos (anemiaanticorpos (anemiaanticorpos (anemia hemolhemolhemolhemolíííítica imune,tica imune,tica imune,tica imune, apapapapóóóóssss transfusões)transfusões)transfusões)transfusões) Coombs PositivasCoombs PositivasCoombs PositivasCoombs Positivas
  50. 50. Hb S (Hb S (Hb S (Hb S (αααα2222ββββ2222 6:GLU6:GLU6:GLU6:GLU VALVALVALVAL ))))
  51. 51. Ocorre um excesso de membrana, fazendo com que a hemoglobina se distribua em um anel periférico, com acúmulo de hemoglobina no centro da célula Hemoglobinopatias, Ictericia Obstrutiva, deficiência da LCAT, Hepatopatias.
  52. 52. Hb CHb CHb CHb C αααα2222ββββ2222 6:GLU6:GLU6:GLU6:GLU LISLISLISLIS
  53. 53. (Lembram espinhos) são células com 2- 10 espículas de diferentes tamanhos e de distribuição irregular na superfície das hemácias.
  54. 54. • Distúrbio neurológico com manifestações extrapiramidais, amiotrofia e epilepsia, que se associa à presença de hemácias espiculadas (acantócitos) no sangue periférico. • Enfermidade rara, provavelmente subdiagnosticada, havendo poucos casos relatados na literatura médica.
  55. 55. (As espículas são mais arredondadas). São células com 10 – 30 espículas rombudas de tamanho e distribuição regular. São frequentes como artefatos(sangue coletado há muito tempo ou pelo próprio contato com o vidro) Raramente na uremia ("burr-cells"), nas hepatopatias, uso de heparina venosa e no hipotiroidismo (ovaloequi- nócitos).
  56. 56. São hemácias em forma oval ou em Elipse, por alterações nas proteínas da membrana. Pode ser artefato do esfregaço se todas estiverem na mesma direção Podem também ser encontradas em anemias carenciais e mais raramente nas talassemias e outras anemias
  57. 57. Hemácias em forma de lágrima. Ocorrem provavelmente por retardo da saída da medula óssea. Associado a Macrocitose (Anemias Megaloblásticas, Mielo-displasias, Alcoolismo), metaplasia mielóide, nas talassemias e na esplenomegalia.
  58. 58. Apresentam uma palidez central em forma de fenda ou retangular. Encontrados na Estomatocitose hereditária (por defeito de membrana), no alcoolismo, em doenças hepáticas e também como artefatos.
  59. 59. Associado a fragmentação das hemácias na circulação (lesão por colisão em áreas de fluxo violento), válvulas cardíacas, próteses arteriais, fibrina intra- vascular (CIVD), queimaduras ou drogas oxidantes.
  60. 60. betabetabetabeta 42(CD1) Phe42(CD1) Phe42(CD1) Phe42(CD1) Phe --------> Ser]> Ser]> Ser]> Ser] Bain,B et al. N Engl J Med 2005;353:498-507.
  61. 61. Células "mordidas ("bite-cells"), ou em forma de capacete ("helmet-cells"), presentes nas anemias hemolíticas por hemoglobinas instáveis, defeitos enzimáticos, remédios (sulfas, acetominofen).
  62. 62. Bain,B et al. N Engl J Med 2005;353:498-507.
  63. 63. Apresentam se empilhadas, umas sobre as outras. Associado ao aumento das globulinas e do fibrinogênio, como no Mieloma Múltiplo, na Macroglobulinemia de Waldestron, doenças infecciosas e ou inflamatórias e mesmo na Gravidez (raro)
  64. 64. Granulações variáveis em número e tamanho, de cor azulada, agregados de ribossômas remanescentes. Podem ser encontradas na intoxicação por metais (principalmente o chumbo), nas talassemias, outras hemoglobinopatias, mielodisplasias ,anemia severa e em fases de regeneração das anemias (tratamento)
  65. 65. Filamento em forma de anel ou de oito, corando- se em azul violeta. Acredita-se que esse filamento seja resto de membrana nuclear ou restos de fuso mitótico. É observado nas anemias megaloblásticas e hemolíticas e no saturnismo. De modo geral indica uma condição de diseritropoese.
  66. 66. Resto nuclear arredondado que permanece após a expulsão do núcleo. Geralmente é único, mas podem aparecer dois ou três e também em eritroblastos. Ocorrem devido a mitoses anormais, em anemias megaloblásticas, hemolíticas, leucemias, após esplenectomia e uso de antineoplásicos.
  67. 67. Associados a ribossomas remanescentes, apresenta-se como pontos enegrecidos, agrupado ou localizados em anemias hemolíticas, sideroblásticas (estados de deseritropoiese)
  68. 68. Perls
  69. 69. Hemácias nucleadas. Comum na primeira semana do recém nascido. Depois em anemias agudas (perdas de sangue e hemólises) e anemias graves.
  70. 70. Hemácias Jovens (Reticulócitos), apresentando-se como Hemácias maiores, de coloração basofílica
  71. 71. PRO-ERITROBLASTO ERITROBLASTO BASÓFILO ERITROBLASTO POLICROMÁTICO ERITROBLASTO ORTOCROMÁTICO POLICROMASIA (RETICULÓCITOS- COLORAÇÃO SUPRAVITAL) MACROCITICA MICROCITICA NORMOCITICA
  72. 72. DIMINUIÇÃO DE PRODUÇÃO PELA MEDULA: - CARENCIAIS (FERROPRIVA, MEGALOBLÁSTICA) - APLASIA DE MEDULA - INFILTRAÇÃO MEDULAR (LEUCEMIAS, LINFOMAS E METÁSTASES) - DEFICIÊNCIA DE ERITROPOETINA
  73. 73. PERDA DE SANGUE AGUDA ANEMIAS HEMOLÍTICAS
  74. 74. Plasmodium
  75. 75. Babésia
  76. 76. Histoplasma
  77. 77. ALTERAÇÕES NAS OUTRAS SÉRIES?
  78. 78. HEMOGRAMAS COM ALTERAÇÕES EM DUAS OU TRÊS SÉRIES ! PRESENÇA DE BLASTOS CIRCULANTES (MIELOBLASTOS, PRÓ MIELÓCITOS, LINFOBLASTOS, PRÓ- LINFÓCITOS, MONOBLASTOS, PRÓ- MONÓCITOS E MANCHAS DE GUMPRECHT)
  79. 79. - VERMELHA - BRANCA - PLAQUETÁRIA
  80. 80. : - O Hemograma apresentou S.V= Hm- 3.80 Teras/L Ht: 29.5 % Hb: 8.8 g/dL VCM: 77.6 fL HCM : 23.1 pg ; CHCM : 29.8 g % RDW: 28 % Série Branca - Leuco: 5300 / mm3 (Bst. : 2 %, Seg. : 58 %, Neutr. Total : 60 %, Eo. : 2 %, Bas. : 0 %, Linf. : 32 %, Mon. : 6 %, Plasm. : 0 %, Linf. Atípico. : 0 % ). Obs. : n.d.n Plaquetas : 390.OOO/mm3. Obs. : n.d.n Feminina.39 anos, branca, moradora do setor marista. Chegou ao laboratório com solicitação do ginecologista para realizar: Hemograma, Glicemia de jejum, TSH, FSH,LH, EAS e Colpocitologia. IC: Rotina.Fraqueza.
  81. 81. O Hemograma apresentou: Série Vermelha: Hm: 4.46 Teras/L ; Ht : 31.5 % Hb: 9.9 g/dL VCM: 70.6 fL HCM: 22.1 pg CHCM: 31.4 g% RDW- 13.8 % Série Branca: Leuco:7200 /mm3 (Bst.: 3%, Seg.:60%, Neutr.Tot.: 63%, Eo.:03 %, Bas.:0%, Linf.: 25%, Mon.:08%, Plasm.:1%, Linf.atip.: 0%) Obs.: n.d.n Plaquetas:195.000/mm3 Obs.: n.d.n
  82. 82. Feminina, 39 anos, branca,moradora do setor marista.Chegou ao laboratório com solicitação do ginecologista para realizar: Hemograma, Glicemia de jejum, TSH, FSH,LH, EAS e Colpocitologia. - IC: Rotina.Fraqueza. Feminina, 36 anos, branca, moradora do setor oeste, chegou ao laboratório com solicitação do ginecologista para realizar Hemograma, EAS, Glicemia de jejum e Colpocitologia. - IC: Rotina e prurido vaginal.
  83. 83. Hm: 3.80 Teras/L Ht: 29.5 % Hb: 8.8 g/dL VCM: 77.6 fL HCM : 23.1 pg CHCM : 29.8 g% RDW: 28 % Hm: 4.46 Teras/L Ht : 31.5 % Hb: 9.9 g/dL VCM: 70.6 fL HCM: 22.1 pg CHCM: 31.4 g% RDW- 13.8 % Caso 1 Caso 2 DISSOCIAÇÀO HEMÁCIAS/HEMATÓCRITO ERITROCITOSE COMPENSATÓRIA
  84. 84. CASO 1
  85. 85. CASO 2
  86. 86. A) Há anemia ? Hb = 8.8 g/dL B) Usando o VCM e o RDW, que enfermidades mais comumente pode apresentá-las ? - FERROPRIVA +++ - TALASSEMIA MAIOR - ANEMIA SIDEROBLÁSTICA + - C) Tem alguma poiquilocitose característica? D) Tem alterações nas outras séries (branca e plaquetária )? E) Qual seria a hipótese diagnóstica ? F) Que outro(s) exame(s) seria útil para a confirmação diagnóstica?.
  87. 87. A) Há anemia ? Hb = 9.9 g/dL B) Usando o VCM e o RDW, que enfermidades mais comumente pode apresentá-las ? TALASSEMIA MENOR, DOENÇAS CRÔNICAS +, OVALOCITOSE +, ESFEROCITOSE +, MIELOESCLEROSE C) POIQUILOCITOSES ? Hm EM ALVO E PONTEADO BASOFÍLICO D) Alterações nas outras séries(branca e plaquetária)? E) Diante disto, qual seria sua hipótese diagnóstica ? F) Que outro(s) exame(s) seria útil para a confirmação diagnóstica?.
  88. 88. CASO 1: FERRITINA: 5 ng/mL (VR: 10 a 100 ng/mL). Caso 2 : Hb A2 - 6.1% (V.R- até 3.7%) Geração de exames adicionais – até 0.8%
  89. 89. Recém Nascida, 1 semana, branca, apresentando ictericia progressiva, internada no berçário, para elucidação. S.V: Hm: 3.77 Teras / L Ht: 35.5 % Hb: 13.5 g / dL VCM: 94.2 fL HCM : 35.8 pg CHCM: 38,0g % RDW- 13.1 %
  90. 90. A) Há anemia ? B) Usando o VCM e o RDW, que enfermidades mais comumente pode apresentá-las ? C) Tem alguma poiquilocitose característica? D) Tem alterações nas outras séries (branca e plaquetária)? E) Diante disto, qual seria a melhor hipótese diagnóstica ? F) Que exame(s) seria(m) útil(eis) para a confirmação diagnóstica?.
  91. 91. S.V= Hm- 2.66 Teras/L Ht: 24 % Hb: 8,0 g/dL VCM: 90.1 fL HCM : 29.9 pg ; CHCM : 33.1 g % RDW: 16.8 % Série Branca - Leuco: 6300 / mm3 (Bst. : 2 %, Seg. : 60 %, Neutr. Total : 62 %, Eo. : 1 %, Bas. : 0 %, Linf. : 32 %, Mon. : 4 %, Plasm. : 0 %, Linf. Atípico. : 0 % ). Obs. : n.d.n Plaquetas : 151.OOO/mm3. Obs. : n.d.n
  92. 92. Em contato com o clínico, referiu que tinha recebido o encaminhamento do ortopedista com relato de paciente obesa (IMC- 41 Kg/m2) com dificuldade de locomoção e suspeita de lesão da coluna por excesso de peso.
  93. 93. Criança de 5 anos de idade é trazida ao laboratório com história de ter tido uma gripe forte a cerca de 15 dias e que há 48 horas se encontra prostada e com manchas escuras nos braços (sic)
  94. 94. S.V= Hm- 2.74 Teras/L Ht: 23.8 % Hb: 6.02 g/dL VCM: 86.86 fL HCM : 22.0 pg ; CHCM : 25.0 g % RDW: 15.8 % Série Branca - Leuco: 3.120/ mm3 (Bst. : 1 %, Seg. : 4 %, Neutr. Total : 5 %, Eo. : 0 %, Bas. : 0 %, Linf. : 74 %, Mon. : 14%, Plasm. : 1 %, Linf. Atípico. : 1 % ). Obs. : n.d.n Plaquetas : 14.OOO/mm3. Obs. : n.d.n
  95. 95. Presença de células mononucleares pequenas e médias, citoplasmas escassos, ligeiramente basofílicos, sem grânulos e núcleos grandes, regulares, esboçando escassos nucléolos, morfotintorialmente identificáveis a blastos linfóides (5%-156/mm3)
  96. 96. Mielograma : Hipercelular, com linfoblastos tipo LL1 Citometria de Fluxo: CD 10, 18 e 22 – Positivos CD 13, 33, 2, 3, 5 e 7 - Negativos
  97. 97. Image Challenge What is the diagnosis? 1. Normochromic normocytic red cells 2. Megaloblastic anemia 3. Hemolytic anemia 4. Thalassemia 5. Iron deficiency anemia
  98. 98. Answer: Image Challenge What is the diagnosis?Q: 1. Normochromic normocytic red cells This peripheral-blood smear demonstrates normocytic, normochromic red cells. There is no evidence of Howell-Jolly bodies, schistocytes, or microcytes.
  99. 99. Image Challenge What is the diagnosis? 1. Babesiosis 2. Iron deficiency anemia 3. Hereditary spherocytosis 4. Malaria 5. Sideroblastic anemia
  100. 100. Answer: Image Challenge What is the diagnosis?Q: 1. Babesiosis The peripheral-blood smear shows numerous intracellular organisms in red blood cells. Ring forms are seen, as well as rare tetrads. These so-called Maltese cross formations are essentially pathognomonic of babesiosis, since they are not seen in malaria, the primary consideration in the differential diagnosis. Read More: N Engl J Med 2008;358:e19
  101. 101. VAN HOVE, L et AL – Anemia Diagnosis, Classification and Monitoring Using Cell- Dyn Technology Reviewed for the Millennium.Laboratory Hematology 6:93- 108.2000 Barbara J. Bain, F.R.A.C.P., F.R.C.Path. Diagnosis from the Blood Smear. N Engl J Med 2005;353:498-507. RODAK, Bernadette- Diagnostic Hematologic.1ªed.Saunders,1995
  102. 102. IMUNOFENOTIPAGEM LLA do tipo T Maduro • Presente em 25% dos adultos e 15% das crianças com LLA, com freqüência em indivíduos do sexo masculino. • Assocìa-se a elevada leucocitose, massa mediastínica e envolvimento no SNC.
  103. 103. BAIN, Barbara- Células Sanguineas.4ª ed.ARTMED,2007 MAKRIS, M. e GREAVES, M.- O Sangue nas Doenças Sistêmicas.1ªed.Manole,1997 HARMENING, Denise M.- Clinical Hematology and Fundamentals of Hemostasis.3ªed. Davis,1997
  104. 104. LEE GR; FOERSTER J, et al eds. Wintrobe’s Clinical Hematology. 11ª ed.Lippincott Williams & Wilkins, Baltimore, 2003 BEUTLER, Ernest et al.- WILLIAMS.Hematology .6ª ed. McGraw-Hill Professional.2000 HOFFBRANS A.V., PETTIT,J.E e MOSS, P.A- Fundamentos em Hematologia.4ª ed.ARTMED.2004 LORENZI, Terezinha.Atlas de Hematologia.Clinica Hematológica Ilustrada.1a ed.Medsi.Guanabara Koogan.Rio de Janeiro.2006
  105. 105. MCKENNA, Robert W.- Multifaced Approach to the Diagnosis and Classification of Acute Leukemias.Clinical Chemistry. 46:8(B),2000 HOKAMA, Newton K. e MACHADO, Paulo E.A.Interpretação Clínica do Hemograma.JBM.2(3),1997 ROSENFELD, Ricardo- Estudo Citológico do Sangue.XXXI Congresso Brasileiro de Patologia Clínica.Belo Horizonte.
  106. 106. LASO, F J et al- Amplitude of the Distribution of Erytrocyte Size in the differential Diagnosis of microcytic anemia.Med.Clin.1990.94(1):1-4 ARTAZA R, et al- Red Cell Distribution width(RDW).Medicina.1999.59(1):17-22 SHINOHARA, Elvira M G et al- Importância do RDW e dos Histogramas no Diagnóstico das Anemias.NewsLab.35.1999 GROTTO, HZW et al. O reticulócito : Um Novo Enfoque para um Clássico Parâmetro Hematológico.NewsLab.35.1999
  107. 107. HENRY, John Bernard (TODD & SANFFORD) - Diagnóstico Clínico e Conduta Terapêutica por exames em Laboratório.Manole,1996 FAILACE, Renato - O Hemograma. 3ª ed. Artes Médicas.São Paulo,2003 MACDONALD, G et al - Atlas of Haematology.2ª ed.Churchil- Livingstone,1986 LOFFLER, H. e RASTETTER, J. – Atlas colorido de Hematologia.5ªed. Revinter,2002
  108. 108. Federal Register (1992), February 28, 1992, 42 CFR Part 405 et al. Medicaid and CLIA Programs; Regulations Implementing the Clinical Laboratory Improvement Amendments of 1988 (CLIA); (Part 493, Supparts I, K and P are relevant to this program) Granadeiro, Claudia- Ofendido? Vá a justiça!. Veja.1722.17/10/2001.p154- 155 Young, David S. –Effects of Drugs on Clinical Laboratory Tests.5ªed.AACC.2001
  109. 109. Schved, J. F, Sarlat, C. e Gris, J.C- Recomendações Práticas para a Realização de Hemostase : da Coleta ao controle de qualidade.NewsLab.9:58- 68.1995 Rice, Sherrie et al- Heamatology Analyzers. CAP Today.Jan.2000 Sanchez, Cesar et al- Hematologia e Coagulação-XXXIV CBPC.Florianópolis.2000 Silva,Paulo Henrique da, Hashimoto, Yoshio.Interpretação Laboratorial do Leucograma.Robe Editorial.1a ed.2003.
  110. 110. Sobreira, R. T.P. et al- Erros Laboratoriais.LAES & Haes.130:140- 154.2001 Narayanan, Sheshadri- The Preanalytic Phase. An Important Component of Laboratory Medicine.Clinical Chemistry.47.2001 Almagor, Miriam et al- Effects of Blood- Collection Systems and Tubes on Hematologic, Chemical and Coagulation Tests and on Plasma Hemoglobin. Clinical Chemistry.47:794-795.2001
  111. 111. Friedrich, Marilice et al- Aplicação do Procedimento de Regras Múltiplas de Shewhart no Controle de Qualidade em Bioquímica Clínica. LAES & HAES.124-132. Ciriades, P.G.J.-Cálculo dos Parâmetros do Tempo de Protrombina. LAES & HAES.214- 220.2001 Fairwather, Robert B. et al- Cpllege of American Pathologists Conference Laboratory Monitoring of Anticoagulante Therapy. Arch Pathol Lab Med.122.1998
  112. 112. Cura, Estela e Wendel, Silvano- Manual de Procedimentos de Controle de Qualidade para os Laboratórios de Banco de Sangue.NewsLab. 8:28- 33.1995 Shcolnik, W e Shcolnik, D- Erros em Laboratório Clínico.Jornal Brasileiro de Patologia.37:190-115.2001 www.aacc.org www.westgard.com www.cap.org www.nccls.org
  113. 113. www.fleury.com.br www.hemonline.com.br www.padrao.com.br infloblood

×