SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 47
Baixar para ler offline
FACULDADE MASTER DE PARAUAPEBAS
CURSOS DE NUTRIÇÃO, ENFERMAGEM E FARMÁCIA
MSc. Fábio A. C. Baía – Mestre em Análises Clínicas
Contatos:
• medicovetfabio@gmail.com
• (91) 981716863
▪Conjunto de enfermidades:
▪ PELE
▪ MUCOSAS
▪ VÍSCERAS
▪Doença de caráter ZOONÓTICO
▪Causada por protozoário do gênero Leishmania
▪Parasito Primário de: marsupiais, roedores, carnívoros,
edentados e insetívoros
▪Parasito Secundário de: cães e humanos
▪ LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA (LTA)
▪ CUTÂNEA: lesões ulcerosas únicas ou múltiplas, cura espontânea ou
lesões crônicas
▪ CUTÂNEOMUCOSA: lesões mucosas agressivas, ulcerativas e destrutivas
da mucosa
▪ CUTÂNEODIFUSA: lesões nodulares, não ulcerativas, mas disseminadas
▪ Sinonímia: Úlcera de Bauru, Ferida Brava ou Nariz de Tapir
▪ LEISHMANIOSE TEGUMENTAR DO VELHO MUNDO
▪ África, Índia, Mongólia, Sul da França e Namíbia
▪ Idem
▪ Somente casos importados no Brasil.
▪LEISHMANIOSE VISCERAL MERICANA (LVA)
▪ VÍSERAS: esplenomegalia (com ou sem hepatomegalia) -> baço,
fígado, medula óssea, linfonodos e pele
▪ Crônica e progressiva
▪ Sinonímia: Kala-Azar (Calazar no Brasil), Barriga D’Agua, Febre
Dumdun, Doença do Cachorro
▪ Reino: Protista
▪ Sub-reino: Protozoa
▪ Filo: Sarcomastigophora
▪ Sub-filo: Mastigophora
▪ Classe: Zoomastigophorea
▪ Ordem: Kinetoplastida
▪ Família:Trypanosomatidae
▪ Gênero: Leishmania
▪ Sub-genêro: Leishmania,Viannia
▪ Espécie: donovani, infantum,chagasi
Subgenus L. Leishmania L. Leishmania L. viannia L. viannia
Old world L. Donovani L. major
L. infantum L. tropica
L. killicki
L. aethiopia
L. infantum
New world L. infantum L. infantum L. braziliensis* L. braziliensis*
L. chagasi L. mexicana L. guyanensis* L. Panamensis
L. pifanot L. Shawi*
L. venezuelensis L. naiffi*
L. garnham L. ainsoni
L. amazonesis* L. lindenbergi
L. peruviana
L. colobblensis
Principal tropism Viscerotropic Dermotropic Dermotropic Mucotropic
* LTA no Brasil
▪ MORFOLOGIA
▪ AMASTIGOTA: possui um cinetoplasto em
forma de bastão associado a um flagelo
rudimentar que não se prolonga além da
borda celular
▪ PROMASTIGOTA: o cinetoplasto se encontra
na extremidade posterior do corpo
▪ Amastigota → Promastigota → flebotomíneos,
é necessário passar pelo intestino.
▪ HOSPEDEIRO DEFINITIVO X HOSPEDEIRO INTERMEDIÁRIO
▪ ????????????????????????????????????
▪HOSPEDEIRO VERTEBRADO
▪Homens, cães, equinos, asinios ou
asininos (asno, jumento), gatos,
roedores domésticos ou
sinantrópicos, preguiças, tamanduás,
raposas e marsupiais
▪ HOSPEDEIRO INVERTEBRADO => VETOR
▪ Flebotomíneos hematófagos
▪ Ordem: Díptera
▪ Família: Psychodidae
▪ Sub-Família: Plhebotominae
▪ Gênero: Phlebotomus (Velho Mundo)
▪ Gênero: Lutzomya (LTA e LVA) - mosquito-palha,
tatuquira, birigui, asa dura, asa branca, cangalha,
cangalhinha, ligeirinho, péla-égua
▪ Espécies: Lutizomya longpalpis e Lutizomya cruzi
▪ Lutizomya sp.
▪ 0,5 cm
▪ Pernas longas e delgadas
▪ Corpo piloso
▪ Voo saltitante
▪ Asas eretas
▪ Forma infectante p/ hospedeiro vertebrado:
▪ PROMASTIGOTA METACÍCLICO
▪ Forma infectante para hospedeiro invertebrado
▪ AMASTIGOTA
▪LTA
▪85 países
▪0,7 a 1,3 mi novos casos por ano
▪Américas, Europa, África e Ásia
▪90% dos casos ocorram em apenas seis países: Índia,
Bangladesh, Sudão, Sudão do Sul, Brasil e Etiópia
▪ LTA no BRASIL
▪ LTA no BRASIL
▪ LTA no BRASIL
▪LV
▪Ásia, Europa, Oriente Médio, África e nas Américas
▪90% dos casos ocorrem no Brasil
▪ LVA no BRASIL
▪ Inicialmente rural
▪ Se expandindo a zona urbana
▪ LVA no BRASIL
0
500
1.000
1.500
2.000
2.500
2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009
Nºdecasos
Ano
Norte Nordeste Sudeste Centro Oeste Sul
▪ LVA no BRASIL
▪LVA no BRASIL
▪ Casos e percentual de
coinfectados LV e HIV
– Brasil, 2007 a 2010
▪ Probóscide do Flebotomíneo:
▪ lesão na pele para o repasto + saliva do inseto => macrófagos/monócitos e outros
leucótitos
▪ Histiócitos (macrófagos fixos na pele) permitem a infecção
▪ Mais macrófagos são atraídos
▪ Lesão inicial: infiltrado inflamatório: linfócitos, macrófagos + parasitos; Independe
da espécie
▪ Histiocioma: local da picada, desenvolvimento dependente da espécie do parasito
▪ Gradualmente + infiltrado celular circundando a lesão
▪ Reação inflamatória tuberculóide
▪ Ocorre necrose: desintegração da
epiderme e membrana basal
▪ Lesão ulcero-crostosa
▪ Lesão inicial: semelhante a LTA
▪ Evolui para cura espontânea
▪ Ocorre migração para LINFONODOS, depois vísceras, onde ocorre infiltração focal e
difusa de macrófagos, linfócitos e plasmócitos
▪ Disseminação: hematogênica ou linfática
PERÍODO DE INCUBAÇÃO
LTA LVA
2 semanas a 3 meses 2 a 3 meses
▪ INFECÇÃO INAPARENTE
▪ Indivíduos sem manifestação clínica
▪ Apenas com IDRM – Intradermoreação de
Montenegro
▪ LEISHMANIOSE CUTÂNEA (LOCALIZADA)
▪ Sintomas/sinais sistêmicos: febre, mal-estar,
dores musculares, emagrecimento, anorexia
▪ Lesão ulcerativa: mácula -> pápula -> úlcera
▪ Geralemnte indolor
▪ Linfoadenomegalia satélite: antes, durante
ou após lesão
▪ LEISHMANIOSE CUTÂNEA (DISSEMINADA)
▪ Forma incomum da LTA, em apenas 2% dos casos
▪ Múltiplas lesões papulares
▪ Vários segmentos corporais
▪ 30% com acometimento de mucoso concomitante
▪ LEISHMANIOSE CUTÂNEODIFUSA
▪ Rara grave
▪ Pacientes com ANERGIA: deficiência a
resposta imune contra leish.
▪ Início: única lesão, má resposta ao
tratamento, evolução lenta
▪ Forma placas e múltiplas nodulações não
ulceradas em grandes extensões
▪ IDRM: negativa
▪ LEISHMANIOSE CUTÂNEOMUCOSA
▪ Lesões destrutivas nas mucosas das vias
aéreas superiores
▪ Secundária a Leishmaniose Cutânea: 3 – 6%
▪ Geralmente indolor
▪ Inicia-se no septo nasal anterior,
cartilaginoso
▪ Podem haver lesões em orofaringe, palato,
lábios, língua, laringe e, excepcionalmente,
traqueia e árvore respiratória superior.
▪ LEISHMANIOSE CUTÂNEOMUCOSA
▪ obstrução nasal, eliminação de
crostas, epistaxe, disfagia,
odinofagia, rouquidão, dispneia e
tosse
▪ LEISHMANIOSE VISCERAL
▪ Manifestações clínicas bastante variável
▪ Suspeita: febre e esplenomegalia
associado ou não à hepatomegalia
▪ Crianças: após 15 dias de quadro clínico
discreto -> cura espontânea (forma
oligossomática)
▪ LEISHMANIOSE CANINA
▪ Evolução lenta
▪ Doença sistêmica severa
▪ Manifestações clínicas depende da resposta imune individual
▪ Descamação, eczema, pequenas úlceras (orelha, focinho, cauda e articulações), pelo
opaco
▪ Evolução: alopecia, dermatites, úlceras de pele, ceratoconjuntivite, coriza, apatia, diarréia,
hemorragia intestinal, edema de patas e vômito, além da hiperqueratose
▪ LEISHMANIOSE CANINA
▪ IDRM – Intradermoreação de Montenegro
▪ Não é bom para LV nem LT/HIV
▪ LT: escarificação,punção aspirativa, biópsia de lesão
cutânea, linfonodos ou mucosas
▪ LV: aspirado de medula óssea, biópsia ou punção (baço,
fígado ou linfonodos)
▪ Descrição da técnica na aula prática
Diagnostico complementar
▪ Outros exames diagnósticos
▪ Testes rápidos (imunocromatografia)
▪ Cultura de células
▪ RIFI – radio imunofluorescência
indireta
▪ PCR
▪ ANTIMONIAL PREVALENTE:
antimoniato de meglumina
(glucantime) e o estibogluconato de
sódio (não comercializado no Brasil)
▪ ANFOTERICINA B: desoxicolato de
anfotericina B e anfotericina B
lipossomal
▪ PENTAMIDINAS: isetionato de
pentamidina
▪ PENTOXIFILINA: vasodilatados
usado como coadjuvante, associado
ao antimoniato de meglumina
▪ ** todos possuem protocolo
terapêutico específico
▪ Mesmo que o humano,
mas proibido no Brasil
▪ Único medicamento
liberado no Brasil:
Miltefosina
(MMILTEFORAN)
▪ CONTROLE DO VETOR
▪ CONTROLE DOS ANIMAIS RESERVATÓRIOS?
▪ MEDIDAS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL
▪ EDUCAÇÃO EM SAÚDE
▪ CONTROLE DE ANIMAIS ERRANTES (CASTRAÇÃO)
▪ DOAÇÃO DE ANIMAIS
E OS CÃES ???????????????????
Não é mais recomendado a eutanásia
de cães doentes. Exceto no caso de
sofrimento.
ACABOU A AULA!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a Parasitologia
 
Leishmaniose
Leishmaniose Leishmaniose
Leishmaniose
 
Aula 2 Amebiase
Aula 2   AmebiaseAula 2   Amebiase
Aula 2 Amebiase
 
Giardia
GiardiaGiardia
Giardia
 
Teniase e cisticercose
Teniase e cisticercoseTeniase e cisticercose
Teniase e cisticercose
 
Aula leishmaniose
Aula leishmanioseAula leishmaniose
Aula leishmaniose
 
Aula de Parasitologia do dia: 01.09.2016
Aula de Parasitologia do dia: 01.09.2016Aula de Parasitologia do dia: 01.09.2016
Aula de Parasitologia do dia: 01.09.2016
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
 
Strongyloides stercoralis
Strongyloides stercoralisStrongyloides stercoralis
Strongyloides stercoralis
 
Situação Atual da Vigilância da Esporotricose
Situação Atual da Vigilância da EsporotricoseSituação Atual da Vigilância da Esporotricose
Situação Atual da Vigilância da Esporotricose
 
Aula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia BásicaAula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia Básica
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
Aula de Parasitologia do dia: 08.09.2016
Aula de Parasitologia do dia: 08.09.2016Aula de Parasitologia do dia: 08.09.2016
Aula de Parasitologia do dia: 08.09.2016
 
Ascaridíase
Ascaridíase Ascaridíase
Ascaridíase
 
Esporotricose
EsporotricoseEsporotricose
Esporotricose
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
 
Leishmaníase Tegumentar Americana e Visceral
Leishmaníase Tegumentar Americana e VisceralLeishmaníase Tegumentar Americana e Visceral
Leishmaníase Tegumentar Americana e Visceral
 
Parasitologia - Ameba
Parasitologia - AmebaParasitologia - Ameba
Parasitologia - Ameba
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
 

Semelhante a Cursos de Nutrição, Enfermagem e Farmácia em Parauapebas

Aula 3 leishmaniose e leishmania sp
Aula 3   leishmaniose e leishmania spAula 3   leishmaniose e leishmania sp
Aula 3 leishmaniose e leishmania spJoao Paulo Peixoto
 
Malaria - Plasmodium
Malaria - PlasmodiumMalaria - Plasmodium
Malaria - PlasmodiumFábio Baía
 
Clínica das dermatoses parasitárias para online
Clínica das dermatoses parasitárias para onlineClínica das dermatoses parasitárias para online
Clínica das dermatoses parasitárias para onlinePedro Marques
 
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptAlberto205764
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protistaISJ
 
7º ano cap 7 reino protoctistas
7º ano cap 7  reino protoctistas7º ano cap 7  reino protoctistas
7º ano cap 7 reino protoctistasISJ
 
Aula 5 toxoplasma gondii e toxoplasmose
Aula 5  toxoplasma gondii e toxoplasmoseAula 5  toxoplasma gondii e toxoplasmose
Aula 5 toxoplasma gondii e toxoplasmoseJoao Paulo Peixoto
 
3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx
3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx
3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptxFranciscoFlorencio6
 
Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral
Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceralParasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral
Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceralpHrOzEn HeLL
 
Principais doenças fúngicas 2021-2022.pdf
Principais doenças fúngicas 2021-2022.pdfPrincipais doenças fúngicas 2021-2022.pdf
Principais doenças fúngicas 2021-2022.pdfFranciscaBastos3
 
Aula 5 toxoplasma plasmódio
Aula 5 toxoplasma plasmódioAula 5 toxoplasma plasmódio
Aula 5 toxoplasma plasmódioAdila Trubat
 

Semelhante a Cursos de Nutrição, Enfermagem e Farmácia em Parauapebas (20)

Aula 3 leishmaniose e leishmania sp
Aula 3   leishmaniose e leishmania spAula 3   leishmaniose e leishmania sp
Aula 3 leishmaniose e leishmania sp
 
Ancilostomideos
AncilostomideosAncilostomideos
Ancilostomideos
 
Malaria - Plasmodium
Malaria - PlasmodiumMalaria - Plasmodium
Malaria - Plasmodium
 
Clínica das dermatoses parasitárias para online
Clínica das dermatoses parasitárias para onlineClínica das dermatoses parasitárias para online
Clínica das dermatoses parasitárias para online
 
Manual leishmaniose
Manual leishmanioseManual leishmaniose
Manual leishmaniose
 
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
7º ano cap 7 reino protoctistas
7º ano cap 7  reino protoctistas7º ano cap 7  reino protoctistas
7º ano cap 7 reino protoctistas
 
Patologias dermatologicas
Patologias dermatologicasPatologias dermatologicas
Patologias dermatologicas
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Aula 5 toxoplasma gondii e toxoplasmose
Aula 5  toxoplasma gondii e toxoplasmoseAula 5  toxoplasma gondii e toxoplasmose
Aula 5 toxoplasma gondii e toxoplasmose
 
3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx
3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx
3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx
 
Protistas
ProtistasProtistas
Protistas
 
Aula reino-protista
Aula reino-protistaAula reino-protista
Aula reino-protista
 
Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral
Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceralParasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral
Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral
 
Resumo final
Resumo finalResumo final
Resumo final
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
1ª protozoarios
 1ª protozoarios 1ª protozoarios
1ª protozoarios
 
Principais doenças fúngicas 2021-2022.pdf
Principais doenças fúngicas 2021-2022.pdfPrincipais doenças fúngicas 2021-2022.pdf
Principais doenças fúngicas 2021-2022.pdf
 
Aula 5 toxoplasma plasmódio
Aula 5 toxoplasma plasmódioAula 5 toxoplasma plasmódio
Aula 5 toxoplasma plasmódio
 

Mais de Fábio Baía

Análise de Líquidos Corporais
Análise de Líquidos CorporaisAnálise de Líquidos Corporais
Análise de Líquidos CorporaisFábio Baía
 
Função das adrenais veterinária
Função das adrenais veterináriaFunção das adrenais veterinária
Função das adrenais veterináriaFábio Baía
 
Defesa de Mestrado
Defesa de MestradoDefesa de Mestrado
Defesa de MestradoFábio Baía
 
Função da Tireóide Veterinária
Função da Tireóide VeterináriaFunção da Tireóide Veterinária
Função da Tireóide VeterináriaFábio Baía
 
Capacitação para Controladoras de Pragas e Vetores
Capacitação para Controladoras de Pragas e VetoresCapacitação para Controladoras de Pragas e Vetores
Capacitação para Controladoras de Pragas e VetoresFábio Baía
 
Treinamento em Vigilância das doenças transmitidas por alimentos (VDTA)
Treinamento em Vigilância das doenças transmitidas por alimentos (VDTA)Treinamento em Vigilância das doenças transmitidas por alimentos (VDTA)
Treinamento em Vigilância das doenças transmitidas por alimentos (VDTA)Fábio Baía
 
Curso de manipulador de alimentos: açougue
Curso de manipulador de alimentos: açougueCurso de manipulador de alimentos: açougue
Curso de manipulador de alimentos: açougueFábio Baía
 
Curso Atualização Hemostasia pdf
Curso Atualização Hemostasia pdfCurso Atualização Hemostasia pdf
Curso Atualização Hemostasia pdfFábio Baía
 

Mais de Fábio Baía (8)

Análise de Líquidos Corporais
Análise de Líquidos CorporaisAnálise de Líquidos Corporais
Análise de Líquidos Corporais
 
Função das adrenais veterinária
Função das adrenais veterináriaFunção das adrenais veterinária
Função das adrenais veterinária
 
Defesa de Mestrado
Defesa de MestradoDefesa de Mestrado
Defesa de Mestrado
 
Função da Tireóide Veterinária
Função da Tireóide VeterináriaFunção da Tireóide Veterinária
Função da Tireóide Veterinária
 
Capacitação para Controladoras de Pragas e Vetores
Capacitação para Controladoras de Pragas e VetoresCapacitação para Controladoras de Pragas e Vetores
Capacitação para Controladoras de Pragas e Vetores
 
Treinamento em Vigilância das doenças transmitidas por alimentos (VDTA)
Treinamento em Vigilância das doenças transmitidas por alimentos (VDTA)Treinamento em Vigilância das doenças transmitidas por alimentos (VDTA)
Treinamento em Vigilância das doenças transmitidas por alimentos (VDTA)
 
Curso de manipulador de alimentos: açougue
Curso de manipulador de alimentos: açougueCurso de manipulador de alimentos: açougue
Curso de manipulador de alimentos: açougue
 
Curso Atualização Hemostasia pdf
Curso Atualização Hemostasia pdfCurso Atualização Hemostasia pdf
Curso Atualização Hemostasia pdf
 

Cursos de Nutrição, Enfermagem e Farmácia em Parauapebas

  • 1. FACULDADE MASTER DE PARAUAPEBAS CURSOS DE NUTRIÇÃO, ENFERMAGEM E FARMÁCIA MSc. Fábio A. C. Baía – Mestre em Análises Clínicas Contatos: • medicovetfabio@gmail.com • (91) 981716863
  • 2. ▪Conjunto de enfermidades: ▪ PELE ▪ MUCOSAS ▪ VÍSCERAS ▪Doença de caráter ZOONÓTICO ▪Causada por protozoário do gênero Leishmania ▪Parasito Primário de: marsupiais, roedores, carnívoros, edentados e insetívoros ▪Parasito Secundário de: cães e humanos
  • 3. ▪ LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA (LTA) ▪ CUTÂNEA: lesões ulcerosas únicas ou múltiplas, cura espontânea ou lesões crônicas ▪ CUTÂNEOMUCOSA: lesões mucosas agressivas, ulcerativas e destrutivas da mucosa ▪ CUTÂNEODIFUSA: lesões nodulares, não ulcerativas, mas disseminadas ▪ Sinonímia: Úlcera de Bauru, Ferida Brava ou Nariz de Tapir ▪ LEISHMANIOSE TEGUMENTAR DO VELHO MUNDO ▪ África, Índia, Mongólia, Sul da França e Namíbia ▪ Idem ▪ Somente casos importados no Brasil.
  • 4. ▪LEISHMANIOSE VISCERAL MERICANA (LVA) ▪ VÍSERAS: esplenomegalia (com ou sem hepatomegalia) -> baço, fígado, medula óssea, linfonodos e pele ▪ Crônica e progressiva ▪ Sinonímia: Kala-Azar (Calazar no Brasil), Barriga D’Agua, Febre Dumdun, Doença do Cachorro
  • 5.
  • 6. ▪ Reino: Protista ▪ Sub-reino: Protozoa ▪ Filo: Sarcomastigophora ▪ Sub-filo: Mastigophora ▪ Classe: Zoomastigophorea ▪ Ordem: Kinetoplastida ▪ Família:Trypanosomatidae ▪ Gênero: Leishmania ▪ Sub-genêro: Leishmania,Viannia ▪ Espécie: donovani, infantum,chagasi
  • 7. Subgenus L. Leishmania L. Leishmania L. viannia L. viannia Old world L. Donovani L. major L. infantum L. tropica L. killicki L. aethiopia L. infantum New world L. infantum L. infantum L. braziliensis* L. braziliensis* L. chagasi L. mexicana L. guyanensis* L. Panamensis L. pifanot L. Shawi* L. venezuelensis L. naiffi* L. garnham L. ainsoni L. amazonesis* L. lindenbergi L. peruviana L. colobblensis Principal tropism Viscerotropic Dermotropic Dermotropic Mucotropic * LTA no Brasil
  • 8. ▪ MORFOLOGIA ▪ AMASTIGOTA: possui um cinetoplasto em forma de bastão associado a um flagelo rudimentar que não se prolonga além da borda celular ▪ PROMASTIGOTA: o cinetoplasto se encontra na extremidade posterior do corpo ▪ Amastigota → Promastigota → flebotomíneos, é necessário passar pelo intestino.
  • 9. ▪ HOSPEDEIRO DEFINITIVO X HOSPEDEIRO INTERMEDIÁRIO ▪ ????????????????????????????????????
  • 10. ▪HOSPEDEIRO VERTEBRADO ▪Homens, cães, equinos, asinios ou asininos (asno, jumento), gatos, roedores domésticos ou sinantrópicos, preguiças, tamanduás, raposas e marsupiais
  • 11. ▪ HOSPEDEIRO INVERTEBRADO => VETOR ▪ Flebotomíneos hematófagos ▪ Ordem: Díptera ▪ Família: Psychodidae ▪ Sub-Família: Plhebotominae ▪ Gênero: Phlebotomus (Velho Mundo) ▪ Gênero: Lutzomya (LTA e LVA) - mosquito-palha, tatuquira, birigui, asa dura, asa branca, cangalha, cangalhinha, ligeirinho, péla-égua ▪ Espécies: Lutizomya longpalpis e Lutizomya cruzi
  • 12. ▪ Lutizomya sp. ▪ 0,5 cm ▪ Pernas longas e delgadas ▪ Corpo piloso ▪ Voo saltitante ▪ Asas eretas
  • 13. ▪ Forma infectante p/ hospedeiro vertebrado: ▪ PROMASTIGOTA METACÍCLICO ▪ Forma infectante para hospedeiro invertebrado ▪ AMASTIGOTA
  • 14.
  • 15.
  • 16. ▪LTA ▪85 países ▪0,7 a 1,3 mi novos casos por ano ▪Américas, Europa, África e Ásia ▪90% dos casos ocorram em apenas seis países: Índia, Bangladesh, Sudão, Sudão do Sul, Brasil e Etiópia
  • 17. ▪ LTA no BRASIL
  • 18. ▪ LTA no BRASIL
  • 19. ▪ LTA no BRASIL
  • 20. ▪LV ▪Ásia, Europa, Oriente Médio, África e nas Américas ▪90% dos casos ocorrem no Brasil
  • 21. ▪ LVA no BRASIL ▪ Inicialmente rural ▪ Se expandindo a zona urbana
  • 22. ▪ LVA no BRASIL
  • 23. 0 500 1.000 1.500 2.000 2.500 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Nºdecasos Ano Norte Nordeste Sudeste Centro Oeste Sul ▪ LVA no BRASIL
  • 24. ▪LVA no BRASIL ▪ Casos e percentual de coinfectados LV e HIV – Brasil, 2007 a 2010
  • 25. ▪ Probóscide do Flebotomíneo: ▪ lesão na pele para o repasto + saliva do inseto => macrófagos/monócitos e outros leucótitos ▪ Histiócitos (macrófagos fixos na pele) permitem a infecção ▪ Mais macrófagos são atraídos ▪ Lesão inicial: infiltrado inflamatório: linfócitos, macrófagos + parasitos; Independe da espécie ▪ Histiocioma: local da picada, desenvolvimento dependente da espécie do parasito ▪ Gradualmente + infiltrado celular circundando a lesão
  • 26. ▪ Reação inflamatória tuberculóide ▪ Ocorre necrose: desintegração da epiderme e membrana basal ▪ Lesão ulcero-crostosa
  • 27. ▪ Lesão inicial: semelhante a LTA ▪ Evolui para cura espontânea ▪ Ocorre migração para LINFONODOS, depois vísceras, onde ocorre infiltração focal e difusa de macrófagos, linfócitos e plasmócitos ▪ Disseminação: hematogênica ou linfática
  • 28. PERÍODO DE INCUBAÇÃO LTA LVA 2 semanas a 3 meses 2 a 3 meses
  • 29. ▪ INFECÇÃO INAPARENTE ▪ Indivíduos sem manifestação clínica ▪ Apenas com IDRM – Intradermoreação de Montenegro
  • 30. ▪ LEISHMANIOSE CUTÂNEA (LOCALIZADA) ▪ Sintomas/sinais sistêmicos: febre, mal-estar, dores musculares, emagrecimento, anorexia ▪ Lesão ulcerativa: mácula -> pápula -> úlcera ▪ Geralemnte indolor ▪ Linfoadenomegalia satélite: antes, durante ou após lesão
  • 31. ▪ LEISHMANIOSE CUTÂNEA (DISSEMINADA) ▪ Forma incomum da LTA, em apenas 2% dos casos ▪ Múltiplas lesões papulares ▪ Vários segmentos corporais ▪ 30% com acometimento de mucoso concomitante
  • 32. ▪ LEISHMANIOSE CUTÂNEODIFUSA ▪ Rara grave ▪ Pacientes com ANERGIA: deficiência a resposta imune contra leish. ▪ Início: única lesão, má resposta ao tratamento, evolução lenta ▪ Forma placas e múltiplas nodulações não ulceradas em grandes extensões ▪ IDRM: negativa
  • 33. ▪ LEISHMANIOSE CUTÂNEOMUCOSA ▪ Lesões destrutivas nas mucosas das vias aéreas superiores ▪ Secundária a Leishmaniose Cutânea: 3 – 6% ▪ Geralmente indolor ▪ Inicia-se no septo nasal anterior, cartilaginoso ▪ Podem haver lesões em orofaringe, palato, lábios, língua, laringe e, excepcionalmente, traqueia e árvore respiratória superior.
  • 34. ▪ LEISHMANIOSE CUTÂNEOMUCOSA ▪ obstrução nasal, eliminação de crostas, epistaxe, disfagia, odinofagia, rouquidão, dispneia e tosse
  • 35. ▪ LEISHMANIOSE VISCERAL ▪ Manifestações clínicas bastante variável ▪ Suspeita: febre e esplenomegalia associado ou não à hepatomegalia ▪ Crianças: após 15 dias de quadro clínico discreto -> cura espontânea (forma oligossomática)
  • 36. ▪ LEISHMANIOSE CANINA ▪ Evolução lenta ▪ Doença sistêmica severa ▪ Manifestações clínicas depende da resposta imune individual ▪ Descamação, eczema, pequenas úlceras (orelha, focinho, cauda e articulações), pelo opaco ▪ Evolução: alopecia, dermatites, úlceras de pele, ceratoconjuntivite, coriza, apatia, diarréia, hemorragia intestinal, edema de patas e vômito, além da hiperqueratose
  • 38. ▪ IDRM – Intradermoreação de Montenegro ▪ Não é bom para LV nem LT/HIV ▪ LT: escarificação,punção aspirativa, biópsia de lesão cutânea, linfonodos ou mucosas ▪ LV: aspirado de medula óssea, biópsia ou punção (baço, fígado ou linfonodos)
  • 39. ▪ Descrição da técnica na aula prática
  • 41. ▪ Outros exames diagnósticos ▪ Testes rápidos (imunocromatografia) ▪ Cultura de células ▪ RIFI – radio imunofluorescência indireta ▪ PCR
  • 42. ▪ ANTIMONIAL PREVALENTE: antimoniato de meglumina (glucantime) e o estibogluconato de sódio (não comercializado no Brasil) ▪ ANFOTERICINA B: desoxicolato de anfotericina B e anfotericina B lipossomal ▪ PENTAMIDINAS: isetionato de pentamidina ▪ PENTOXIFILINA: vasodilatados usado como coadjuvante, associado ao antimoniato de meglumina ▪ ** todos possuem protocolo terapêutico específico
  • 43. ▪ Mesmo que o humano, mas proibido no Brasil ▪ Único medicamento liberado no Brasil: Miltefosina (MMILTEFORAN)
  • 44. ▪ CONTROLE DO VETOR ▪ CONTROLE DOS ANIMAIS RESERVATÓRIOS? ▪ MEDIDAS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL ▪ EDUCAÇÃO EM SAÚDE ▪ CONTROLE DE ANIMAIS ERRANTES (CASTRAÇÃO) ▪ DOAÇÃO DE ANIMAIS
  • 45. E OS CÃES ???????????????????
  • 46. Não é mais recomendado a eutanásia de cães doentes. Exceto no caso de sofrimento.