Assimilação

796 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
796
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Assimilação

  1. 1. ASSIMILAÇÃO
  2. 2. ASSIMILAÇÃO PARA PIAGET   É o processo cognitivo de colocar (classificar) novos eventos em esquemas existentes. É a incorporação de elementos do meio externo (objeto, acontecimento, ...) a um esquema ou estrutura do sujeito.  Em outras palavras, é o processo pelo qual o indivíduo  cognitivamente capta o ambiente e o organiza possibilitando, assim, a ampliação de seus esquemas.  Na assimilação o indivíduo usa as estruturas que já possui. NA GRAMÁTICA Fenômeno fonético em que um fonema transmite algumas das suas características sonoras a um fonema vizinho tornando-o igual ou com propriedades semelhantes a si próprio. Por outras palavras, trata-se de um fenômeno em que um som se aproxima de outro quanto ao seu modo ou ponto de articulação. A assimilação é uma designação mais ampla para sonorização (um fonema surdo torna-se sonoro em contacto com um fonema sonoro) e ensurdecimento (um fonema sonoro torna-se surdo por influência de um fonema surdo).
  3. 3. ASSIMILAÇÃO
  4. 4. ASSIMILAÇÃO  Ex: Falando – falano Comendo – comeno Cantando – cantano  Essa assimilação também acontece em outras línguas ou localidades:  Beira Alta (Portugal)  No Catalão, língua da Catalunha (Barcelona)  Alguns dialetos italianos.
  5. 5. REDUÇÃO DO DITONGO OU EM O OU HOMOFONIA  A explicação para este fenômeno fonológico é      simples. São comuns, no português brasileiro, a redução do ditongo “ou” a “o”: dizemos: Oro – ouro Poco – pouco Vô - vou Isso ocorre com diversas formas verbais terminadas em -ou: “sou”, “dou”, “‘tou”  tornam-se comumente “sô”, “dô” e “tô”. Além disso, há a tendência de, na oralidade, omitir-se o “r” final, sobretudo de verbos no infinitivo: falamos “cantá” em vez de “cantar”, “brincá” em vez de “brincar” e, no caso em análise, “sê” em vez de “ser”.
  6. 6. REDUÇÃO DO DITONGO EI EM E OU MONOTONGAÇÃO   Neste caso acontece a monotongação em alguns casos, onde se escreve “EI” e pronuncia o “E”. Ex: Beijo – bêjo Brasileiro – brasilêro Cheiro – chêro Jeito – jeito Peito – peito Beiço – beiço  Ditongo é o encontro de duas vogais na mesma sílaba.  A semivogal /y/, escrita no ditongo ei, é um som palatal.
  7. 7. A autora demonstra a necessidade de cautela em julgamentos sobre a maneira como as pessoas falam. “QUE NEM TUDO O QUE SE DIZ SE ESCREVE E NEM TUDO O QUE SE ESCREVE SE DIZ....” IRENE

×