SlideShare uma empresa Scribd logo
CONCORDÂNCIA VERBAL
Prof.ª Lidiane Rodrigues
9º ano
Regra geral – verbo concorda com o sujeito em número e pessoa.
Júnior foi ao cinema Lucas e Carlos foram ao cinema
CONCORDÂNCIA
Lógica: Grande parte das mulheres é fiel.
Atrativa: Grande parte das mulheres são fiéis.
Ideológica: Minas Gerais possui grandes riquezas.
VerboSujeitoverboSujeito
Concordância do verbo com o sujeito composto
I. Quando o sujeito composto estiver posicionado antes do verbo , este
ficará no plural.
Ex.: O ônibus e o caminhão deslizaram na
pista.
sujeito composto antes
do verbo
verbo no plural
Observação: O verbo pode ficar no singular principalmente em dois casos:
quando os núcleos são sinônimos e quando formam uma enumeração
gradativa.
Ex .1: A paz e a tranquilidade reinava (reinavam) naquele lugar.
Ex.2: A angústia, a inquietação, o desespero o dominou (dominaram).
Sujeito composto é
aquele que apresenta
dois ou mais núcleos.
II. Quando o sujeito composto estiver depois do verbo, este poderá
concordar com o mais próximo, ou ficará no plural.
Ex.: Foi ao parque de diversão o filho, a mãe e o
pai.
Verbo na 3ª pessoa
do singular, concordando
com o filho
sujeito composto
depois do verbo
Foram ao parque de diversão o filho, a mãe e o
pai.
verbo na 3ª pessoa
do plural
sujeito composto
depois do verbo
III. Quando o verbo for constituído por pessoas gramaticais diferentes,
ele ficará no plural.
Ex.: Você, sua prima e eu iremos ao
cinema.
sujeito formado por
pessoas gramaticais
diferentes, com a presença
da 1ª pessoa (eu)
verbo na 1ª pessoa
do plural (nós)
 Se a 1ª pessoa (eu, nós) faz parte do sujeito, o verbo ficará na 1ª
pessoa do plural (nós).
 Se a 1ª pessoa (eu, nós) não faz parte do sujeito, o verbo ficará na 2ª
pessoa do plural (vós) ou na 3ª pessoa do plural (vocês).
Ex.: Tu e teu amigo ficareis aqui em casa.
Tu e teu amigo ficarão aqui em
casa.
A CONCORDÂNCIA PODE SER FEITA ENTRE O VERBO
E O ADJUNTO ADNOMINAL DO SUJEITO
(CONCORDÂNCIA ATRATIVA)
Coletivos especificados
Uma nuvem de gafanhotos destruiu (ou destruíram) a
plantação.
Porcentagens especificadas
63% da população apóia (ou apóiam) essas medidas.
Com as expressões: a maior parte dos..., A maioria dos...,
Grande número de....
A maioria dos participantes preferiu (ou preferiram)
interromper o curso.
Com as expressões: quantos de nós... quais de vós... etc.
Quantos de nós não souberam (ou soubemos) viver.
Observações Importantes sobre
Porcentagens:
a) Se há determinantes no plural, é obrigatória a pluralização do verbo.
Ex: Os 63% da população apóiam essas medidas.
b) Quando o verbo vem anteposto à expressão de porcentagem, a
concordância se dá com o número.
Ex: Serão importados 60% da produção alemã.
c) Com o uso de 1%, é recomendável que o verbo fique no singular.
d) Ex: 1% dos brasileiros ganha bem.
O VERBO FICARÁ NO SINGULAR
QUANDO TIVER COMO SUJEITO AS
EXPRESSÕES: UM DE..., QUAL DE....,
NENHUM DE..., CADA UM..
Um de nós será escolhido para representar a
turma.
Qual de nós será o escolhido?
Nenhum de vocês será responsabilizado.
O VERBO FICARÁ NO SINGULAR QUANDO
TIVER SUJEITO COMPOSTO RESUMIDO
PELOS PRONOMES TUDO, NADA,
NINGUÉM.
Homens, mulheres,crianças, ninguém sobreviveu.
Exclusão verbo no singular Joaquim ou José será
promovido
Sinonímia verbo no singular Atribuir ou imputar significa
considerar como autor, como
origem ou causa.
Inclusão verbo no plural O calor ou o frio excessivos
fazem adoecer os idosos.
Antonímia verbo no plural A alegria ou a dor
constituíam o viver daquela
gente.
Retificação verbo concorda
com o núcleo mais
próximo
O suspeito ou os suspeitos
prestarão depoimento.
Sujeito ligado por OU
 Um e outro – verbo no singular ou no
plural - ex.: Um e outro saiu no horário. /
Um e outro saíram no horário.
Obs.: se houver reciprocidade = plural –
Ex.: Um e outro se distraíram durante o
expediente
 Um ou outro – verbo no singular – ex.:
um ou outro será inocentado.
Sujeitos formados por infinitivos – verbo no
singular –
ex: Estudar e trabalhar é importante.
Obs: Se os infinitivos vierem precedidos de artigo
ou exprimirem idéias opostas, o verbo ficará no
plural.
Exs:
O comer e o beber são necessários à sobrevivência.
Rir e chorar na devem fazer parte da
personalidade.
Concordância com pronomes de
tratamento = o verbo fica na 3ª pessoa
Alguns autores classificam os pronomes de
tratamento como sendo pronomes de 3ª pessoa;
outros, como de 2ª. É mais apropriado,
portanto, definir como: são formas de
tratamento indireto de 2ª pessoa que levam o
verbo para a 3ª pessoa.
Exs.:
Vossa Senhoria deverá encaminhar o projeto.
Vossas Excelências serão homenageadas.
Sujeito representado por nomes próprios na forma
do plural:
a) precedidos de artigo: verbo concorda com o número
do artigo.
Ex.: Os Estados Unidos estão aceitando acordo.
b) sem artigo: verbo no singular:
Ex: Minas Gerais possuiu muitos minerais.
c) Com nomes de obras no plural seguidos do verbo ser,
este fica no singular desde que o predicativo esteja no
singular.
Ex: “Os Sertões” é um livro esplêndido.
Parecer + Infinitivo: Ou se flexiona o
verbo parecer ou o infinitivo que o segue.
Exs:
As pessoas pareciam entender o problema.
As pessoas parecia entenderem o problema.
(= Parecia que as pessoas entendiam o
problema)
Concordância ideológica – Ocorre quando a concordância se faz
com a idéia implícita na frase. Recebe o nome de silepse.
a) silepse de pessoa: a concordância se faz com a pessoa
gramatical implícita.
Ex: Todos os homens somos filhos de Deus.
b) silepse de número: a concordância se faz com o número
gramatical implícito.
Ex: Povo desta cidade, votem em mim!
c) silepse de gênero: a concordância se faz com o gênero
gramatical implícito.
Ex: Vossa Excelência será homenageado.
Concordância dos verbos Impessoais
a) Verbo Haver
É impessoal quando empregado com o sentido de “existir” ou “acontecer”.
Ex.1: Havia muitos alunos na sala de aula.
3ª pessoa do
singular
Não é sujeito,
é objeto direto
Ex.2: Aqui nunca houve brigas antes.
3ª pessoa do
singular
Não é sujeito,
é objeto direto
Em locuções verbais, o verbo
haver transmite a impessoalida-
de para o outro verbo (verbo
auxiliar), que também fica no
singular.
Ex.: Deve haver vinte pessoas
na sala.
Observações:
O verbo haver com sentido de existir é impessoal, entretanto o
verbo existir, não é impessoal, ele concorda normalmente com o sujeito ao
qual se refere.
Ex.: Antigamente havia poucas escolas particulares.
Antigamente existiam poucas escolas particulares.
3ª pessoa do
singular
Não é sujeito,
é objeto direto
sujeito plural3ª pessoa do
plural
Antigamente deviam existir poucas escolas particulares.
3ª pessoa do plural
sujeito plural
b) Verbo Fazer
O verbo fazer é impessoal quando empregado na indicação de
tempo transcorrido (ou a transcorrer). Nesses casos, como ele não tem
sujeito fica na 3ª pessoa do singular.
Ex.: Já faz muitos anos que não a vejo.
3ª pessoa do
singular
Não é sujeito,
é objeto direto
Observação:
Nas locuções verbais, o verbo fazer, como todo verbo impessoal,
transmite o singular para o auxiliar.
Ex.: Já deve fazer muitos anos que não a vejo.
3ª pessoa do
singular
Não é sujeito,
é objeto direto.
Concordância do verbo Ser
O verbo Ser pode, às vezes concordar com o sujeito da oração e,
às vezes, com o predicativo.
a) Quando o sujeito e o predicativo são nomes de coisas
O verbo ser pode concordar com o sujeito ou com o predicativo, indiferentemente.
Essa dupla possibilidade permite ao falante estabelecer a concordância com o
elemento ao qual pretenda dar maior destaque.
Ex.: Nossas vidas eram uma verdadeira festa.
sujeito plural
predicativo
singular
Nossas vidas eraera uma verdadeira
festa.
Verbo no plural
concordando com
o sujeito
sujeito plural
predicativo singular
Verbo no singular
concordando com
o predicativo
b) Quando o sujeito e o predicativo designam
pessoas
Nesse caso, a concordância é feita obrigatoriamente com a
palavra que designa pessoa.
Ex.: Os amigos eram sua grande alegria.
O problema da empresa são os funcionários desmotivados.
sujeito
plural
verbo na 3ª pessoa
do plural,concordando
com o sujeito
sujeito no
singular
predicativo no singular
verbo na 3ª pessoa
do plural, concordando
com o predicativo
predicativo no plural
c) Verbo Ser indicando horas e distância
Quando indicar horas, distância e datas, o verbo ser concordará
com o predicativo. Nesse caso ele é impessoal, ou seja, não apresenta
sujeito.
Ex.: É uma hora.
São três horas.
Daqui até a fazenda é um quilômetro.
Daqui até o sítio são dez quilômetros.
Observação:
Nas indicações referentes a dia do mês, o verbo admite duas construções.
Ex.: Hoje é (dia) dez de julho.
Hoje são dez (dias) de julho.
d) Verbos Chover, ventar, trovejar...
Quando o verbo indicar fenômeno da natureza será impessoal,
ou seja, não apresenta sujeito.
Ex.: Choveu três dias consecutivos.
.
Observação:
Se o verbo estiver se referindo a outro elemento que não o fenômeno da
natureza, se conjugará normalmente..
Ex.: Trovejaram aplausos ao encerrar o espetáculo.
Verbo + pronome se
1. Os verbos transitivos diretos ou os transitivos diretos e indiretos, quando
apassivados pelo pronome se, concordam com o sujeito.
Ex.: Vendem-se carros e terrenos a prazo.
verbo transitivo
direto
sujeito no plural
Observe que, se passarmos essa frase para a voz passiva analítica, a
concordância do verbo com o sujeito ficará bem clara, veja:
Carros e terrenosCarros e terrenos são vendidos a prazo.
Sujeito no plural Verbo na 3ª pessoa
do plural
pronome apassivador
2. Os demais verbos – de ligação, intransitivo e transitivo indireto - , quando
seguidos do pronome se (índice de indeterminação do sujeito), ficam na 3ª pessoa
do singular.
Ex.: Precisa-se de serventes de pedreiro.
Verbo transitivo
indireto
objeto indireto
índice de indeterminação do sujeito
Complete com um dos verbos que estão entre parênteses; se ambos
forem corretos, grife-os:
a) 90% do STF..............................bem a Justiça. ( aplica- -aplicam)
b) 90% dos Juízes............................bem a Justiça. ( aplica -aplicam)
c) A maior parte dos jurados ..............................pela absolvição. ( votou-
-votaram)
d) Mais de um tribunal já .............................semelhante questão.(decidiu-
decidiram)
e) Mais de um juiz se...............................nas audiências.(revezava
-revezavam)
f) Foram eles quem.........................(socorreu- -socorreram) a vítima.
g) Foram eles que............................. .(socorreu- -socorreram) a vítima.
h) Grande número de servidores ............................... (fez- -fizeram) greve.
i) Quem de nós ............................... (participará- participaremos) da reunião.
j) Muitos de nós...........................convocados. (serão- -seremos) para a
reunião.
l) J. Mendes foi um dos juristas que mais se .................................(destacou–
-destacaram).
m) Nem a lei nem a jurisprudência ............................essa
pretensão. (ampara- -amparam)
n) A bolsa ou a vida ............................ pelo assaltante.
(foi reclamada- foram reclamadas)
o) A bebida ou o cigarro ...................mal à saúde. (faz
-fazem)
p) A Defesa e a Acusação......................bom trabalho.
(realizou -realizaram)
q) ......................... bom trabalho a Defesa e a Acusação
(realizou- -realizaram)
r) As ameaças, a prepotência, o ódio, a inveja, as
pressões, nada o .............................. (intimidava-
intimidavam)
02) Coloque certo (C ) ou errado (E ) corrija, se
necessário:
a) ( ) A coragem e o destemor garantiu-lhe a vida.
b) ( ) A coragem e o destemor garantiram-lhe a vida.
a) ( ) Uma e outra questão nos parecia difícil.
b) ( ) Uma e outra questão nos pareciam difíceis.
a) ( ) Houveram cinco audiências
b) ( ) Haverão os herdeiros de retomar o que lhes
pertencia de direito?
a) ( ) Vai haver dois julgamentos.
b) ( ) Deve existir provas que possam incriminá-lo
a) ( ) Faz cinco meses que o acusado está
foragido.
b) ( ) Realizou-se vários julgamentos este mês
c) ( ) Não se tratam de crimes afiançáveis
a) ( ) Há de ocorrer várias diligências a fim de
averiguar a veracidade das acusações
b) ( ) Há de haver várias diligências a fim de
averiguar a veracidade das acusações.
c) ( ) “Devem fazer vários dias que o corpo da
vítima....”
a) ( ) Não se levou em conta as alegações do réu
b) ( ) Tratam-se de alegações inconsistentes
a) ( ) Mil reais é pouco.
b) ( ) “Era 20 de novembro quando.....”
a) ( ) “Era meio-dia e meia quando... “
b) ( ) “Era duas horas da tarde quando....”
a) ( ) Esperou esgotarem-se os prazos.
b) ( ) A testemunha viu esbofetearem-se os réus.
a) ( ) As causas parece justificarem os meios.
b) ( ) As causas parecem justificar os meios.
01) Para que se respeite a concordância verbal, será preciso
corrigir a frase:
(A) A quantas dúvidas tem dado margem o sistema de saúde
de Cuba?
(B) Têm havido dúvidas sobre a capacidade do sistema de
saúde cubano..
(C) Têm sido levantadas dúvidas sobre a capacidade do
sistema de saúde cubano.
(D) Será que o sistema de saúde cubano tem suscitado
dúvidas sobre sua eficácia?
(E) Que dúvidas têm propalado os adversários de Cuba sobre
seu sistema de saúde?
02) O verbo indicado entre parênteses deverá flexionar-se numa
forma do singular para preencher corretamente a lacuna da
frase:
(A) Aos países ricos não ...... (competir) tomar decisões que afetem
a soberania dos países em desenvolvimento
(B) Há muito não se ...... (tolerar) atitudes arrogantes como a do
editorial da revista britânica.
(C) É natural que ...... (ferir) o orgulho do povo cubano as
exortações publicadas na revista britânica.
(D) Os pesquisadores não ...... (haver) de se ofender, caso os termos
do editorial da revista fossem menos prepotentes.
(E) Foi precisa a argumentação de que se ...... (valer) os
pesquisadores latinoamericanos em sua réplica ao editorial.
03) As normas de concordância verbal estão plenamente
respeitadas na frase:
(A) O olhar dos velhinhos que ficam horas nas janelas
sempre expressaram seu interesse pelo mundo.
(B) Pouca coisa, em meio a tantas novidades da vida
moderna, são capazes de deixar perplexas as crianças
de hoje.
(C) Ninguém fica tanto tempo nas janelas das casas sem
matutarem sobre o sentido do que vêem.
(D) Não importa o que sejam, se um cachorro ou o
planeta Marte, qualquer imagem são capazes de atrair
as atenções do nosso olhar.
(E) Suspeitamos sempre que as riquezas que nos oferece
o mundo parecem exceder o limite da nossa
compreensão..
04) A frase em que se respeitam plenamente as regras de
concordância verbal é:
(A)) “Raposas dos tribunais” é a expressão com a qual muitos
identificam os advogados matreiros, que se valem da tortuosidade
dos ritos processuais
(B) Costuma valer-se de algum desprezível detalhe técnico os
causídicos que sabem tirar proveito da burocracia judicial.
(C) A tortuosidade dos caminhos judiciais acabam por ensejar um
sem-número de distorções no andamento de um processo.
(D) Falhas nos julgamentos sempre haverão, mas a excessiva
burocratização dos ritos jurídicos acaba por multiplicá-las.
(E) Não cabem aos defensores públicos, em geral mal remunerados e
desmotivados, a responsabilidade integral por sua insegurança
diante dos entraves burocráticos.
05) O verbo indicado entre parênteses deverá flexionar-se no plural
para preencher corretamente a lacuna da frase:
(A) Nunca ...... (deixar) de nos afetar o que virmos pelas janelas
abertas para o mundo.
(B) Sempre me ...... (afetar) as imagens do mundo que estiver
observando, não importa de qual janela..
(C) Não ...... (costumar) atemorizar as crianças aquilo que elas
vêem nas janelas da Internet.
(D) A mudança das janelas de uma casa para as da Internet ......
(implicar) profundas transformações nos hábitos das pessoas.
(E) Não ...... (convir) às crianças ficar um tempo demasiadamente
longo diante de um monitor.
06) Está de acordo com as normas de concordância verbal a seguinte
frase:
a) Um daqueles famosos petardos, freqüentes na página de opinião,
acabaram sendo disparados no dia seguinte.
b) O respeito aos direitos adquiridos constituem uma das cláusulas
pétreas da Constituição.
c) Quando se recorrem a manchetes com duas idéias, permitem-se
manifestar-se as contradições.
d) Fatos ou afirmações divergentes, numa mesma manchete, hão de
traduzir mais fielmente a complexidade de uma questão
e) Aos editores preocupados com o perigo do simplismo cabem
recorrer aos expedientes que o evitam.
07) Para atender às normas de concordância, o verbo indicado entre
parênteses adotará obrigatoriamente uma forma do plural ao se
flexionar na frase:
a) Tudo aquilo que com palavras se (instituir), outras palavras
poderão demolir.
b) Não (dever) arrefecer os ânimos de um bem-intencionado
jornalista a convicção de que suas palavras podem traí-lo.
c)) Uma característica que (costumar) apresentar os textos
jornalísticos é a ênfase em determinado detalhe do fato noticiado..
d) Quase sempre (tocar) mais os leitores a violência de um fato do
que a violência com que o texto o retrata.
e) Não se (atribuir) aos jornalistas a total responsabilidade pelo
viés interpretativo das notícias; este já é um atributo da própria
linguagem.
REGÊNCIAREGÊNCIA
É a relação sintática que se estabelece entre um
termo regente ou subordinante (que exige outro) e o
termo regido ou subordinado (termo regido pelo primeiro)
Quando o termo regente é um verbo a regência é
verbal, quando é um nome, a regência é nominal.
A regência pode ser: verbal ou nominal.
O conhecimento da regência correta de cada
verbo e de cada nome é função do uso.
Dessa forma cada falante conhece a regência
dos verbos e dos nomes que fazem parte de seu
repertório usual.
Pode ocorrer que o falante desconheça certas
regências da norma padrão pelo fato delas não
ocorrerem no uso popular.
REGÊNCIA NOMINALREGÊNCIA NOMINAL
A regência nominal estuda os casos em que
nomes (substantivos, adjetivos e advérbios) exi-
gem uma outra palavra para completar-lhes o
sentido. Em geral a relação entre um nome e o
seu complemento é estabelecida por uma preposi-
ção.
ALGUNS NOMES E AS
PREPOSIÇÕES QUE MAIS
COMUMENTE ELES EXIGEM
 adepto a
 alheio a
 ansioso para, por, de
 apto a, para
 aversão a, por
 feliz de, por, em, com
 favorável a
 imune a, de
 contente com, por, de
 indiferente a
 inofensivo a, para
 junto a, de, com
 próximo a, de
 referente a
 simpatia a, por
 tendência a, para
 paralelo a
 relativo a
MAIS NOMES E AS
PREPOSIÇÕES QUE
COMUMENTE ELES EXIGEM
acessível, adequado, desfavorável, equivalente, insensível,
obediente - a
 capaz, incapaz, digno, indigno, passível, contemporâneo - de
 amoroso, compatível, cruel, cuidadoso, descontente - com
 entendido, indeciso, lento, morador, hábil - em
 inútil, incapaz, bom - para
responsável - por
REGÊNCIA VERBALREGÊNCIA VERBAL
A regência verbal estuda a relação que se estabelece
entre o verbo (termo regente) e seu complemento (termo re-
gido).
Ex.: Isto pertence a todos.
termo regente
termo regido
AGRADARAGRADAR
a) No sentido de fazer carinho, é transitivo direto.
Ex.: A mulher agradava o filhinho.
V.T.D objeto direto
b) No sentido de contentar, satisfazer, é transitivo indireto
(exige objeto indireto com a preposição a).
Ex.: O desempenho do time agradou ao técnico.
V.T.I objeto indireto
AspirarAspirar
a) No sentido de respirar, sorver (perfume, ar), é transitivo direto.
b) No sentido de pretender/ desejar, é transitivo indireto (exige
objeto indireto com a preposição a).
Ex.: Os jovens aspiram ao sucesso profissional.
V.T.I objeto indireto
Observação:
O verbo aspirar não aceita os pronomes lhe, lhes como
objeto indireto, por isso você deve substituí-los por a ele, a
ela, a eles, a elas.
Ex.: Ele aspirou um gás venenoso.
V.T.D objeto direto
AssistirAssistir
a) No sentido de ver, é transitivo indireto (exige objeto
indireto com a preposição a).
Ex.: Todos assistiram ao jogo da seleção.
V.T.I objeto indireto
Observação:
Usado nesse sentido, assistir não aceita lhe, lhes,
como objeto indireto; por isso, quando necessário, você
deverá trocá-lo por a ele, a ela, a eles, a elas.
Ex.: Você assistiu ao jogo? Sim, eu assisti a ele.
c) No sentido de pertencer/caber, é transitivo indireto
(exige objeto indireto com a preposição a).
Ex.: O direito de criticar assiste aos cidadãos.
V.T.I objeto indireto
Observação:
Nesse sentido, assistir admite lhe, lhes como objeto indireto.
Ex.: Esse direito lhes assiste sempre.
O.I V.T.I
b) No sentido de prestar assistência/ajudar, é transitivo
direto. Ex.: A enfermeira assistia os acidentados.
V.T.D objeto direto
Esquecer eEsquecer e
lembrarlembrar
Esses dois verbos não mudam de sentido, mas podem
ser transitivos diretos ou indiretos.
a) São transitivos diretos quando não são pronominais, isto
é,
quando não estão acompanhados de pronome oblíquo
(me, te, se, nos, etc.).
Ex.: Eu lembrei seu aniversário.
V.T.D objeto direto
Jamais esqueceremos esse dia.
V.T.D objeto direto
Esses são fatos que ela já esqueceu.
OD V.T.D
b) São transitivos indiretos (exigem preposição de) quando
usados como verbos pronominais, isto é, acompanhados de
pronome oblíquo (me, te, se, nos, vos).
Ex.: Eu me lembrei de seu aniversário.
V.T.I objeto indireto
Jamais nos esqueceremos desse dia.
V.T.I objeto indireto
Esses são fatos de que ela já se esqueceu.
objeto indireto V.T.I
Obedecer e desobedecerObedecer e desobedecer
São sempre transitivos indiretos (exigem objeto indireto com
a preposição a.
Ex.: Você obedeceu ao regulamento.
V.T.I objeto indireto
Os operários desobedecerão às suas ordens.
V.T.I objeto indireto
Pagar e perdoarPagar e perdoar
Não mudam de sentido, mas podem ser transitivos diretos ou
indiretos, dependendo do tipo de objeto que apresentam.
a) São verbos transitivos indiretos (exigem a preposição a) quando o
objeto refere-se a gente, pessoa.
Ex.: Nós pagamos ao vendedor.
Deus perdoa aos pecadores.
b) São verbos transitivos diretos quando o objeto é coisa.
Ex.: Nós pagamos o material.
Eu jamais perdoaria seu erro.
Observação: Esses dois verbos (pagar e perdoar) podem apresentar,
ao mesmo tempo, objeto direto e indireto.
Ex.: Nós pagamos o material ao vendedor.
PreferirPreferir
Exige dois objetos: um direto e um indireto (iniciado pela
preposição a). Esse verbo é, portanto, transitivo direto e indireto.
Preferir alguma coisa a outra coisa.
Ex.: Ele sempre preferiu o trabalho ao estudo.
VTDI OD OI
CHEGAR - IRCHEGAR - IR
Há certos verbos que, no uso popular, ocorrem
com uma regência e, no uso culto, com outra. Nesse
caso, a Gramática propõe como correto apenas o uso
culto.O verbo chegar e o verbo ir são intransitivos e exigem a
preposição a quando indicam lugar.
Uso popular: Eu cheguei em casa cedo.
Uso culto: Eu cheguei a casa cedo.
Uso popular: O menino foi no jogo com o pai.
Uso culto: O menino foi ao jogo com o pai.
NAMORARNAMORAR
O verbo namorar é transitivo direto.
Quem namora, namora alguém.
Ex.: Paulo namora a Jennifer.
VTD objeto direto
VISARVISAR
a) No sentido de “mirar” e “pôr visto” é
transitivo direto.
Ex.: O atirador visou o alvo.
O gerente visou o cheque do cliente.
b) Quando significa “ter como objetivo, pretender” é
transitivo indireto.
Ex.: Ele visa a uma promoção no emprego.
VTI objeto indireto
SIMPATIZAR/ANTIPATIZARSIMPATIZAR/ANTIPATIZAR
Os verbos simpatizar e antipatizar são
transitivos indiretos e exigem a preposição
com. Atenção! Esses verbos não são pronominais.
Ex.: Não simpatizo com a ideia.
VTI objeto indireto
Antipatizamos com o diretor no primeiro dia.
VTI objeto indireto
01) A expressão de que preenche corretamente a
lacuna da frase:
(A) Muita gente ignora ...... ficam refletindo os
velhinhos às janelas.
(B) As imagens virtuais ...... nos entregamos
costumam ter força de realidade.
(C) Muitos jovens ficam imaginando ...... têm o
mundo sob seu controle, na Internet.
(D) Queria adivinhar os pensamentos ...... se
povoam as cabeças desses velhinhos..
(E) É visível a ansiedade ...... as crianças
manifestam, quando diante de um monitor.
02) A expressão com que preenche corretamente a lacuna da
frase:
(A) A revista britânica esqueceu-se de que os cubanos
notabilizaram-se pelo sentimento de solidariedade ...... já
demonstraram nas últimas décadas.
(B) Foi dura, mas justa, a réplica ...... Sergio Pastrana se
valeu, em desagravo à dignidade do país.
(C) Foi grande a repercussão ...... obteve o editorial da revista
entre pesquisadores latino-americanos.
(D) A muitos cubanos ofenderam os termos ...... o editorial se
referiu ao futuro do pais..
(E) As grandes potências costumam ser presunçosas quando
analisam o tipo de sociedade ...... os pequenos países
escolheram construir.
03) A expressão sublinhada está empregada
adequadamente na frase:
(A) A inesgotabilidade da água é uma ilusão na
qual não podemos mais alimentar.
(B)) A cadeia econômica à qual o texto faz
referência tem na água seu centro vital.
(C) Os maus tempos dos quais estamos
atravessando devem-se a uma falta de previsão.
(D) A água é um elemento cujo o valor ninguém
mais põe em dúvida.
(E) A certeza em que ninguém mais pode fugir é a
do valor inestimável da água.
 04) Está correto o emprego do elemento
sublinhado em:
 (A) De todo e qualquer réu assiste o direito da
ampla defesa.
 (B) O único apoio de que um acusado sem
recursos pode contar é o de um defensor público.
 (C) Encerrou-se um processo cujo o mérito sequer
foi avaliado.
 (D) Foi uma sentença estranha, cuja acabou por
provocar grande descontentamento.
 (E)) É um rito tortuoso, de cuja burocracia os
espertos tiram proveito.
05) Está correto o emprego da expressão
sublinhada na frase:
(A) Vovó é do tempo de onde as pessoas ficavam
demoradamente nas janelas das casas.
(B) Os meninos de hoje talvez não entendam o por
que de os velhinhos ficarem à janela.
(C) Eram simpáticas aquelas casinhas aonde as
janelas davam diretamente para a calçada.
(D) Praticamente não mais se constroem casas
cujas as janelas se abram sobre a calçada.
(E) São raras as casas em cujas janelas as pessoas
fiquem observando a vida das ruas..
06) A força de um desfile carnavalesco está tanto na euforia
dos que participam do desfile carnavalesco quanto na dos
espectadores que assistem ao desfile carnavalesco,
lembrando ainda que a observância dos limites que dão
forma ao desfile carnavalesco é uma de suas atrações.
Para evitar as abusivas repetições do texto acima, é preciso
substituir os elementos sublinhados por, respectivamente:
a) lhe participam - o assistem - lhe dão forma.
b) nele participam - lhe assistem - dão-no forma.
c) dele participam - a ele assistem - lhe dão forma
d) dele participam - lhe assistem - o dão forma.
e) nele participam - assistem-no - o dão forma.
07) O advogado de defesa encaminhou uma apelação. Para
fundamentar a apelação, organizou a apelação numa
progressão de itens bem articulados. Ainda assim,
recusaram a apelação os juízes do Supremo, que
consideraram a apelação inconsistente de todo.
Evitam-se as abusivas repetições do período acima
substituindo- se os elementos sublinhados,
respectivamente, por:
(A) fundamentá-la - organizou-lhe - recusaram a ela –
consideraram-na
(B) fundamentá-la - organizou-a - recusaram-na – a
consideraram.
(C) fundamentar a ela - a organizou - recusaram-lhe – lhe
consideraram
(D) fundamentar-lhe - organizou-lhe - recusaram-na – a
consideraram
(E) a fundamentar - organizou-a - recusaram-lhe -
consideraram- na
08) Assinale a opção que preenche corretamente as lacunas o
texto.
Com o mesmo atraso das idéias neoliberais, desembarcou
entre nós, no final dos anos 80, o tema da governabilidade.
Associada imediatamente __1__ impotência dos governos
diante _2__ inflação, adquiriu, logo depois da promulgação
da Constituição de 1988, o conteúdo estratégico combinado
das teses de Huntington e Buchanan. Em duas palavras: a
ingovernabilidade brasileira seria resultado de um excesso
dedemandas sociais reconhecidas pela nova Constituição e
da resistência __3__implementação das reformas neoliberais
capazes de devolver estabilidade e crescimento __4__
economia brasileira. Ao mesmo tempo, e com uma rapidez
própria das situações de atraso, foi sendo construído o
consenso publicitário de que qualquer coisa, que não fosse
isso, geraria uma progressiva ingovernabilidade na
sociedade brasileira até __5__ limite da entropia final.
1 2 3 4 5
a) à Da à a ao
b) à À à à o
c) a Da à à no
d) à À na na o
e) à Da à à o
CRASE
CRASECRASE
É a fusão (junção) da preposição a exigida pela regência do
verbo ou do nome mais o artigo definido a, os pronomes demonstrativos
aquele(s), aquela(s), aquilo e o pronome demonstrativo a.
A crase é indicada pelo acento grave (`).
Condições para ocorrência de crase
1. O termo regente deve exigir a preposição a.
2. O termo regido tem que ser uma palavra feminina que admita artigo
a(s).
Ex.: Ele foi a a fazenda ontem depois do almoço.
à
REGRA PRÁTICA
Para você saber se há crase antes de uma palavra feminina,
troque essa palavra por uma masculina correspondente e observe:
1. Se antes da palavra masculina aparecer ao(s), use crase
antes da feminina.
Ex.: Ela foi à feira ontem.
Ela foi ao mercado ontem.
2. Se antes da palavra masculina aparecer apenas a(s) ou o(s)
não use crase.
Ex.: Os jogadores visitaram a cidade.
Os jogadores visitaram o museu.
CASOS EM QUE OCORRE
CRASE
 Nas locuções adverbiais femininas.
Ex.: O rapaz saiu à tarde e chegou à noite. (locução adverbial de tempo)
Ex.: Ele foi à feira e depois à lavanderia. (locução adverbial de lugar)
Ex.: O governador viajou às pressas. (locução adverbial de modo)
Observação:
Com as locuções adverbiais femininas de instrumento a crase é
facultativa.
Ex.: O pai saiu sem fechar a porta à chave.
O pai saiu sem fechar a porta a chave.
Ex.: O soldado foi ferido à baioneta.
O soldado foi ferido a baioneta.
 Nas locuções prepositivas (formadas por a + palavra feminina + de)
Ex.: Meu amigo conseguiu ser aprovado à custa de muito esforço.
Ele saiu à procura de ajuda.
 Nas locuções conjuntivas (formada por a + palavra feminina + que).
Ex.: A cidade se acalma, à medida que escurece.
À proporção que chovia, aumentavam os buracos na rua.
Observação:
Nas expressões à moda de, à maneira de, a palavra principal pode
ficar oculta. Então o à poderá ficar diante de palavra masculina, como no
exemplo:
Ex: Usava cabelos à Luís XV. (à moda de Luís XV)
CASOS EM QUE A CRASE É
FACULTATIVA
 Antes de pronomes possessivos femininos (porque antes desse tipo de
pronome o artigo é facultativo).
Ex.: Ele se refere à minha mãe.
Ele se refere a minha mãe.
 Antes de nomes de mulheres
Ex.: Eu me referi à Maria.
Eu me referi a Maria.
 Depois da palavra até.
Ex.: Todos os alunos foram até à escola.
Todos os alunos foram até a escola.
CASOS EM QUE NÃO
OCORRE CRASE
 Antes de nomes masculinos (porque essas palavras não admitem o artigo a.
Ex.: Ele adora andar a cavalo, ela prefere andar a pé.
 Antes de verbos (porque antes de verbos não aparece artigo)
Ex.: Assim que saíram, começaram a correr.
 Antes de pronomes que não admitem artigo.
a) Pronomes pessoais (porque antes deles não se usa artigo)
Ex.: Todos se dirigiram a ela.
b) Pronomes de tratamento (porque antes deles não se usa artigo)
Ex.: Dirigi-me a Vossa Excelência para despedir-me.
Observação:
Os pronomes de tratamento dona, senhora e senhorita, pelo fato de
admitirem o artigo, admitem também a crase.
Ex.: Nada disse à senhora.
c) Pronomes demonstrativos, indefinidos e relativos
Ex.: É hora de dar um basta a essa barbárie.
Não demonstrava sua tristeza a ninguém.
Aquela é a senhora a quem dirigi meus votos de felicidade.
Observação:
Pode ocorrer a crase entre a preposição a e os pronomes relativos a
qual e as quais.
Ex.: Estas são as finalidades às quais se destina o projeto.
Seria aquela a jovem à qual você se referia?
 Quando o a (sem s) aparece antes de uma palavra no plural.
Ex.: Ele se dirigia a pessoas estranhas.
 Em expressões com palavras repetidas
Ex.: O tanque se encheu gota a gota.
Antes de nomes de cidades (que não admitem o artigo feminino a), sem
especificativos
Ex.: Eles pretendem ir a Paris.
Observação:
Quando o nome da cidade apresenta um especificativo, ele passa a
admitir artigo e, nesse caso, pode ocorrer a crase, desde que o termo regente
exija a preposição a.
Ex.: Eles pretendem ir à fascinante Paris.
 Antes da palavra casa, no sentido de lar, residência própria da pessoa,
se não vier determinada. Se vier determinada aceita a crase.
Ex.: Voltei a casa cedo.
Voltei à casa de meus pais cedo.
 Antes da palavra terra, no sentido de chão firme, tomada em oposição
a mar ou ar, se não vier determinada, não aceita o artigo e não ocorre a
crase. Se vier determinada, aceita o artigo e ocorre a crase.
Ex.: Os marinheiros já voltaram a terra.
Os marinheiros voltaram à terra de seus sonhos.
Observação:
Quando a palavra terra for usada no sentido de terra natal ou
planeta, a palavra terra admite artigo, por isso, ocorrerá crase, se o termo
regente exigir preposição.
Ex.: A espaçonave voltara à Terra, no ano 3000.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula de fonema
Aula de fonemaAula de fonema
Aula de fonema
Adriana Virgens
 
Predicado
PredicadoPredicado
Vozes verbais
Vozes verbaisVozes verbais
Vozes verbais
Edson Alves
 
Figuras de sintaxe
Figuras de sintaxeFiguras de sintaxe
Figuras de sintaxe
Elaine Teixeira
 
Frase, Oração e Periodo.
Frase, Oração e Periodo.Frase, Oração e Periodo.
Frase, Oração e Periodo.
Keu Oliveira
 
Adjetivo 6 ano
Adjetivo 6 anoAdjetivo 6 ano
Adjetivo 6 ano
Fábio Guimarães
 
Concordancia verbal e nominal
Concordancia verbal e nominalConcordancia verbal e nominal
Concordancia verbal e nominal
Rebeca Kaus
 
Aula concordância verbal e nominal apresentação
Aula concordância verbal e nominal apresentaçãoAula concordância verbal e nominal apresentação
Aula concordância verbal e nominal apresentação
Aline Alves
 
Estrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavrasEstrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavras
Keu Oliveira
 
Processo de Formação das Palavras
Processo de Formação das PalavrasProcesso de Formação das Palavras
Processo de Formação das Palavras
Faell Vasconcelos
 
Tipos de sujeito
Tipos de sujeitoTipos de sujeito
Tipos de sujeito
IedaSantana
 
Sujeito. Predicado
Sujeito. PredicadoSujeito. Predicado
Sujeito. Predicado
Rosalina Simão Nunes
 
Termos integrantes-da-oracao
Termos integrantes-da-oracaoTermos integrantes-da-oracao
Termos integrantes-da-oracao
Sandra Paula
 
Concordância Verbal e Nominal
Concordância Verbal e NominalConcordância Verbal e Nominal
Concordância Verbal e Nominal
Daniele Silva
 
Aposto e vocativo
Aposto e vocativoAposto e vocativo
Aposto e vocativo
Christina Lopes
 
Crase
CraseCrase
Aposto e vocativo
Aposto e vocativoAposto e vocativo
Aposto e vocativo
Vivianne Macedo Cordeiro
 
Concordancia verbal-slide-adriana
Concordancia verbal-slide-adrianaConcordancia verbal-slide-adriana
Concordancia verbal-slide-adriana
Lucilene Barcelos
 
RegêNcia Verbal
RegêNcia VerbalRegêNcia Verbal
RegêNcia Verbal
Miguel Neto
 
Sujeito E Predicado
Sujeito E PredicadoSujeito E Predicado
Sujeito E Predicado
guest7174ad
 

Mais procurados (20)

Aula de fonema
Aula de fonemaAula de fonema
Aula de fonema
 
Predicado
PredicadoPredicado
Predicado
 
Vozes verbais
Vozes verbaisVozes verbais
Vozes verbais
 
Figuras de sintaxe
Figuras de sintaxeFiguras de sintaxe
Figuras de sintaxe
 
Frase, Oração e Periodo.
Frase, Oração e Periodo.Frase, Oração e Periodo.
Frase, Oração e Periodo.
 
Adjetivo 6 ano
Adjetivo 6 anoAdjetivo 6 ano
Adjetivo 6 ano
 
Concordancia verbal e nominal
Concordancia verbal e nominalConcordancia verbal e nominal
Concordancia verbal e nominal
 
Aula concordância verbal e nominal apresentação
Aula concordância verbal e nominal apresentaçãoAula concordância verbal e nominal apresentação
Aula concordância verbal e nominal apresentação
 
Estrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavrasEstrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavras
 
Processo de Formação das Palavras
Processo de Formação das PalavrasProcesso de Formação das Palavras
Processo de Formação das Palavras
 
Tipos de sujeito
Tipos de sujeitoTipos de sujeito
Tipos de sujeito
 
Sujeito. Predicado
Sujeito. PredicadoSujeito. Predicado
Sujeito. Predicado
 
Termos integrantes-da-oracao
Termos integrantes-da-oracaoTermos integrantes-da-oracao
Termos integrantes-da-oracao
 
Concordância Verbal e Nominal
Concordância Verbal e NominalConcordância Verbal e Nominal
Concordância Verbal e Nominal
 
Aposto e vocativo
Aposto e vocativoAposto e vocativo
Aposto e vocativo
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
Aposto e vocativo
Aposto e vocativoAposto e vocativo
Aposto e vocativo
 
Concordancia verbal-slide-adriana
Concordancia verbal-slide-adrianaConcordancia verbal-slide-adriana
Concordancia verbal-slide-adriana
 
RegêNcia Verbal
RegêNcia VerbalRegêNcia Verbal
RegêNcia Verbal
 
Sujeito E Predicado
Sujeito E PredicadoSujeito E Predicado
Sujeito E Predicado
 

Destaque

Português - Regência Verbal - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
Português - Regência Verbal - www.CentroApoio.com - Vídeo AulasPortuguês - Regência Verbal - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
Português - Regência Verbal - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
Vídeo Aulas Apoio
 
Tipos de predicado
Tipos de predicadoTipos de predicado
Tipos de predicado
Vivian gusm?
 
Dissertação: características gerais.
Dissertação: características gerais.Dissertação: características gerais.
Dissertação: características gerais.
veri_profe
 
Tipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃO
Tipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃOTipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃO
Tipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃO
Sônia Maciel Alves
 
Orações subordinadas adjetivas
Orações subordinadas adjetivasOrações subordinadas adjetivas
Orações subordinadas adjetivas
nixsonmachado
 
Regencia verbal
Regencia verbalRegencia verbal
Regencia verbal
Marioribeiromorais
 
Regência verbal e nominal
Regência verbal e nominalRegência verbal e nominal
Regência verbal e nominal
Simone Peixoto
 
Verbos - parte 1
Verbos - parte 1Verbos - parte 1
Verbos - parte 1
Jorge Henrique
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuais
leticiararek
 

Destaque (9)

Português - Regência Verbal - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
Português - Regência Verbal - www.CentroApoio.com - Vídeo AulasPortuguês - Regência Verbal - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
Português - Regência Verbal - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
 
Tipos de predicado
Tipos de predicadoTipos de predicado
Tipos de predicado
 
Dissertação: características gerais.
Dissertação: características gerais.Dissertação: características gerais.
Dissertação: características gerais.
 
Tipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃO
Tipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃOTipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃO
Tipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃO
 
Orações subordinadas adjetivas
Orações subordinadas adjetivasOrações subordinadas adjetivas
Orações subordinadas adjetivas
 
Regencia verbal
Regencia verbalRegencia verbal
Regencia verbal
 
Regência verbal e nominal
Regência verbal e nominalRegência verbal e nominal
Regência verbal e nominal
 
Verbos - parte 1
Verbos - parte 1Verbos - parte 1
Verbos - parte 1
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuais
 

Semelhante a Concordância Verbal; Regência Verbal e Nominal; Crase

[02 11 07] ConcordâNcia Verbal RegêNcia Crase
[02 11 07] ConcordâNcia Verbal   RegêNcia   Crase[02 11 07] ConcordâNcia Verbal   RegêNcia   Crase
[02 11 07] ConcordâNcia Verbal RegêNcia Crase
Fernando Vieira
 
Verbos
VerbosVerbos
8ª Série - ConcordâNcia Verbal (Material Complementar)
8ª Série - ConcordâNcia Verbal (Material Complementar)8ª Série - ConcordâNcia Verbal (Material Complementar)
8ª Série - ConcordâNcia Verbal (Material Complementar)
Marcos Emídio
 
02-11-07-concordncia-verbal-regncia-crase-1198038839748798-4.ppt
02-11-07-concordncia-verbal-regncia-crase-1198038839748798-4.ppt02-11-07-concordncia-verbal-regncia-crase-1198038839748798-4.ppt
02-11-07-concordncia-verbal-regncia-crase-1198038839748798-4.ppt
Gil Guimarães
 
Cefet/Coltec Aula 18 - concordância verbal
Cefet/Coltec Aula 18 -  concordância verbalCefet/Coltec Aula 18 -  concordância verbal
Cefet/Coltec Aula 18 - concordância verbal
ProfFernandaBraga
 
Aula 18 concordância verbal
Aula 18   concordância verbalAula 18   concordância verbal
Aula 18 concordância verbal
ProfFernandaBraga
 
Cefet/Coltec Intensivo Aula 15 - Concordância Verbal
Cefet/Coltec Intensivo Aula 15 - Concordância VerbalCefet/Coltec Intensivo Aula 15 - Concordância Verbal
Cefet/Coltec Intensivo Aula 15 - Concordância Verbal
ProfFernandaBraga
 
Concordância verbal
Concordância verbalConcordância verbal
Concordância verbal
geisiene strelow
 
Concordância verbal 1
Concordância verbal 1Concordância verbal 1
Concordância verbal 1
Vera Pinho
 
Concordância Verbal
Concordância VerbalConcordância Verbal
Concordância Verbal
Kennedy Soares
 
Concordancia verbal[1]
Concordancia verbal[1]Concordancia verbal[1]
Concordancia verbal[1]
Luiz Fernando Prado
 
Concordância verbal i
Concordância verbal iConcordância verbal i
Concordância verbal i
Nádia França
 
Concordancia%20verbal[1]
Concordancia%20verbal[1]Concordancia%20verbal[1]
Concordancia%20verbal[1]
Sadrak Silva
 
Concordância Verbal
Concordância VerbalConcordância Verbal
Concordância Verbal
Blog Estudo
 
Concordância Verbal
Concordância VerbalConcordância Verbal
Concordância Verbal
Tio Pablo Virtual
 
Concordância verbal simples e composto - ppt
Concordância verbal   simples e composto - pptConcordância verbal   simples e composto - ppt
Concordância verbal simples e composto - ppt
Vilmar Vilaça
 
Concordância Verbal
Concordância VerbalConcordância Verbal
Concordância Verbal
Angela Santos
 
Concordância verbal
Concordância verbalConcordância verbal
Concordância verbal
Don Veneziani
 
Concrdância verbal
Concrdância verbalConcrdância verbal
Concrdância verbal
Jomari
 
Concrdância Verbal
Concrdância VerbalConcrdância Verbal
Concrdância Verbal
Jomari
 

Semelhante a Concordância Verbal; Regência Verbal e Nominal; Crase (20)

[02 11 07] ConcordâNcia Verbal RegêNcia Crase
[02 11 07] ConcordâNcia Verbal   RegêNcia   Crase[02 11 07] ConcordâNcia Verbal   RegêNcia   Crase
[02 11 07] ConcordâNcia Verbal RegêNcia Crase
 
Verbos
VerbosVerbos
Verbos
 
8ª Série - ConcordâNcia Verbal (Material Complementar)
8ª Série - ConcordâNcia Verbal (Material Complementar)8ª Série - ConcordâNcia Verbal (Material Complementar)
8ª Série - ConcordâNcia Verbal (Material Complementar)
 
02-11-07-concordncia-verbal-regncia-crase-1198038839748798-4.ppt
02-11-07-concordncia-verbal-regncia-crase-1198038839748798-4.ppt02-11-07-concordncia-verbal-regncia-crase-1198038839748798-4.ppt
02-11-07-concordncia-verbal-regncia-crase-1198038839748798-4.ppt
 
Cefet/Coltec Aula 18 - concordância verbal
Cefet/Coltec Aula 18 -  concordância verbalCefet/Coltec Aula 18 -  concordância verbal
Cefet/Coltec Aula 18 - concordância verbal
 
Aula 18 concordância verbal
Aula 18   concordância verbalAula 18   concordância verbal
Aula 18 concordância verbal
 
Cefet/Coltec Intensivo Aula 15 - Concordância Verbal
Cefet/Coltec Intensivo Aula 15 - Concordância VerbalCefet/Coltec Intensivo Aula 15 - Concordância Verbal
Cefet/Coltec Intensivo Aula 15 - Concordância Verbal
 
Concordância verbal
Concordância verbalConcordância verbal
Concordância verbal
 
Concordância verbal 1
Concordância verbal 1Concordância verbal 1
Concordância verbal 1
 
Concordância Verbal
Concordância VerbalConcordância Verbal
Concordância Verbal
 
Concordancia verbal[1]
Concordancia verbal[1]Concordancia verbal[1]
Concordancia verbal[1]
 
Concordância verbal i
Concordância verbal iConcordância verbal i
Concordância verbal i
 
Concordancia%20verbal[1]
Concordancia%20verbal[1]Concordancia%20verbal[1]
Concordancia%20verbal[1]
 
Concordância Verbal
Concordância VerbalConcordância Verbal
Concordância Verbal
 
Concordância Verbal
Concordância VerbalConcordância Verbal
Concordância Verbal
 
Concordância verbal simples e composto - ppt
Concordância verbal   simples e composto - pptConcordância verbal   simples e composto - ppt
Concordância verbal simples e composto - ppt
 
Concordância Verbal
Concordância VerbalConcordância Verbal
Concordância Verbal
 
Concordância verbal
Concordância verbalConcordância verbal
Concordância verbal
 
Concrdância verbal
Concrdância verbalConcrdância verbal
Concrdância verbal
 
Concrdância Verbal
Concrdância VerbalConcrdância Verbal
Concrdância Verbal
 

Mais de Lidiane Rodrigues

Romantismo Brasil_ Poesia_2º ano
Romantismo Brasil_ Poesia_2º anoRomantismo Brasil_ Poesia_2º ano
Romantismo Brasil_ Poesia_2º ano
Lidiane Rodrigues
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Lidiane Rodrigues
 
Trovadorismo classicismo
Trovadorismo classicismoTrovadorismo classicismo
Trovadorismo classicismo
Lidiane Rodrigues
 
Funções da linguagem 301
Funções da linguagem 301Funções da linguagem 301
Funções da linguagem 301
Lidiane Rodrigues
 
Jorge, um brasileiro
Jorge, um brasileiroJorge, um brasileiro
Jorge, um brasileiro
Lidiane Rodrigues
 
Orientações paródia 8ºano
Orientações paródia 8ºanoOrientações paródia 8ºano
Orientações paródia 8ºano
Lidiane Rodrigues
 
Orientações bula de leitura 9ºano
Orientações bula de leitura 9ºanoOrientações bula de leitura 9ºano
Orientações bula de leitura 9ºano
Lidiane Rodrigues
 
Música crase
Música craseMúsica crase
Música crase
Lidiane Rodrigues
 
Música crase
Música craseMúsica crase
Música crase
Lidiane Rodrigues
 
Colocação pronominal
Colocação pronominalColocação pronominal
Colocação pronominal
Lidiane Rodrigues
 
Figuras de Linguagem
Figuras de LinguagemFiguras de Linguagem
Figuras de Linguagem
Lidiane Rodrigues
 
Concordância Nominal
Concordância NominalConcordância Nominal
Concordância Nominal
Lidiane Rodrigues
 
Conjunções coordenativas e subordinativas
Conjunções coordenativas e subordinativasConjunções coordenativas e subordinativas
Conjunções coordenativas e subordinativas
Lidiane Rodrigues
 
Concordância nominal_9º ano
Concordância nominal_9º anoConcordância nominal_9º ano
Concordância nominal_9º ano
Lidiane Rodrigues
 
Período Simples
Período Simples Período Simples
Período Simples
Lidiane Rodrigues
 
Análise sintática
Análise sintáticaAnálise sintática
Análise sintática
Lidiane Rodrigues
 

Mais de Lidiane Rodrigues (16)

Romantismo Brasil_ Poesia_2º ano
Romantismo Brasil_ Poesia_2º anoRomantismo Brasil_ Poesia_2º ano
Romantismo Brasil_ Poesia_2º ano
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Trovadorismo classicismo
Trovadorismo classicismoTrovadorismo classicismo
Trovadorismo classicismo
 
Funções da linguagem 301
Funções da linguagem 301Funções da linguagem 301
Funções da linguagem 301
 
Jorge, um brasileiro
Jorge, um brasileiroJorge, um brasileiro
Jorge, um brasileiro
 
Orientações paródia 8ºano
Orientações paródia 8ºanoOrientações paródia 8ºano
Orientações paródia 8ºano
 
Orientações bula de leitura 9ºano
Orientações bula de leitura 9ºanoOrientações bula de leitura 9ºano
Orientações bula de leitura 9ºano
 
Música crase
Música craseMúsica crase
Música crase
 
Música crase
Música craseMúsica crase
Música crase
 
Colocação pronominal
Colocação pronominalColocação pronominal
Colocação pronominal
 
Figuras de Linguagem
Figuras de LinguagemFiguras de Linguagem
Figuras de Linguagem
 
Concordância Nominal
Concordância NominalConcordância Nominal
Concordância Nominal
 
Conjunções coordenativas e subordinativas
Conjunções coordenativas e subordinativasConjunções coordenativas e subordinativas
Conjunções coordenativas e subordinativas
 
Concordância nominal_9º ano
Concordância nominal_9º anoConcordância nominal_9º ano
Concordância nominal_9º ano
 
Período Simples
Período Simples Período Simples
Período Simples
 
Análise sintática
Análise sintáticaAnálise sintática
Análise sintática
 

Último

Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 

Último (20)

Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 

Concordância Verbal; Regência Verbal e Nominal; Crase

  • 2. Regra geral – verbo concorda com o sujeito em número e pessoa. Júnior foi ao cinema Lucas e Carlos foram ao cinema CONCORDÂNCIA Lógica: Grande parte das mulheres é fiel. Atrativa: Grande parte das mulheres são fiéis. Ideológica: Minas Gerais possui grandes riquezas. VerboSujeitoverboSujeito
  • 3. Concordância do verbo com o sujeito composto I. Quando o sujeito composto estiver posicionado antes do verbo , este ficará no plural. Ex.: O ônibus e o caminhão deslizaram na pista. sujeito composto antes do verbo verbo no plural Observação: O verbo pode ficar no singular principalmente em dois casos: quando os núcleos são sinônimos e quando formam uma enumeração gradativa. Ex .1: A paz e a tranquilidade reinava (reinavam) naquele lugar. Ex.2: A angústia, a inquietação, o desespero o dominou (dominaram). Sujeito composto é aquele que apresenta dois ou mais núcleos.
  • 4. II. Quando o sujeito composto estiver depois do verbo, este poderá concordar com o mais próximo, ou ficará no plural. Ex.: Foi ao parque de diversão o filho, a mãe e o pai. Verbo na 3ª pessoa do singular, concordando com o filho sujeito composto depois do verbo Foram ao parque de diversão o filho, a mãe e o pai. verbo na 3ª pessoa do plural sujeito composto depois do verbo
  • 5. III. Quando o verbo for constituído por pessoas gramaticais diferentes, ele ficará no plural. Ex.: Você, sua prima e eu iremos ao cinema. sujeito formado por pessoas gramaticais diferentes, com a presença da 1ª pessoa (eu) verbo na 1ª pessoa do plural (nós)  Se a 1ª pessoa (eu, nós) faz parte do sujeito, o verbo ficará na 1ª pessoa do plural (nós).  Se a 1ª pessoa (eu, nós) não faz parte do sujeito, o verbo ficará na 2ª pessoa do plural (vós) ou na 3ª pessoa do plural (vocês). Ex.: Tu e teu amigo ficareis aqui em casa. Tu e teu amigo ficarão aqui em casa.
  • 6. A CONCORDÂNCIA PODE SER FEITA ENTRE O VERBO E O ADJUNTO ADNOMINAL DO SUJEITO (CONCORDÂNCIA ATRATIVA) Coletivos especificados Uma nuvem de gafanhotos destruiu (ou destruíram) a plantação. Porcentagens especificadas 63% da população apóia (ou apóiam) essas medidas. Com as expressões: a maior parte dos..., A maioria dos..., Grande número de.... A maioria dos participantes preferiu (ou preferiram) interromper o curso. Com as expressões: quantos de nós... quais de vós... etc. Quantos de nós não souberam (ou soubemos) viver.
  • 7. Observações Importantes sobre Porcentagens: a) Se há determinantes no plural, é obrigatória a pluralização do verbo. Ex: Os 63% da população apóiam essas medidas. b) Quando o verbo vem anteposto à expressão de porcentagem, a concordância se dá com o número. Ex: Serão importados 60% da produção alemã. c) Com o uso de 1%, é recomendável que o verbo fique no singular. d) Ex: 1% dos brasileiros ganha bem.
  • 8. O VERBO FICARÁ NO SINGULAR QUANDO TIVER COMO SUJEITO AS EXPRESSÕES: UM DE..., QUAL DE...., NENHUM DE..., CADA UM.. Um de nós será escolhido para representar a turma. Qual de nós será o escolhido? Nenhum de vocês será responsabilizado.
  • 9. O VERBO FICARÁ NO SINGULAR QUANDO TIVER SUJEITO COMPOSTO RESUMIDO PELOS PRONOMES TUDO, NADA, NINGUÉM. Homens, mulheres,crianças, ninguém sobreviveu.
  • 10. Exclusão verbo no singular Joaquim ou José será promovido Sinonímia verbo no singular Atribuir ou imputar significa considerar como autor, como origem ou causa. Inclusão verbo no plural O calor ou o frio excessivos fazem adoecer os idosos. Antonímia verbo no plural A alegria ou a dor constituíam o viver daquela gente. Retificação verbo concorda com o núcleo mais próximo O suspeito ou os suspeitos prestarão depoimento. Sujeito ligado por OU
  • 11.  Um e outro – verbo no singular ou no plural - ex.: Um e outro saiu no horário. / Um e outro saíram no horário. Obs.: se houver reciprocidade = plural – Ex.: Um e outro se distraíram durante o expediente  Um ou outro – verbo no singular – ex.: um ou outro será inocentado.
  • 12. Sujeitos formados por infinitivos – verbo no singular – ex: Estudar e trabalhar é importante. Obs: Se os infinitivos vierem precedidos de artigo ou exprimirem idéias opostas, o verbo ficará no plural. Exs: O comer e o beber são necessários à sobrevivência. Rir e chorar na devem fazer parte da personalidade.
  • 13. Concordância com pronomes de tratamento = o verbo fica na 3ª pessoa Alguns autores classificam os pronomes de tratamento como sendo pronomes de 3ª pessoa; outros, como de 2ª. É mais apropriado, portanto, definir como: são formas de tratamento indireto de 2ª pessoa que levam o verbo para a 3ª pessoa. Exs.: Vossa Senhoria deverá encaminhar o projeto. Vossas Excelências serão homenageadas.
  • 14. Sujeito representado por nomes próprios na forma do plural: a) precedidos de artigo: verbo concorda com o número do artigo. Ex.: Os Estados Unidos estão aceitando acordo. b) sem artigo: verbo no singular: Ex: Minas Gerais possuiu muitos minerais. c) Com nomes de obras no plural seguidos do verbo ser, este fica no singular desde que o predicativo esteja no singular. Ex: “Os Sertões” é um livro esplêndido.
  • 15. Parecer + Infinitivo: Ou se flexiona o verbo parecer ou o infinitivo que o segue. Exs: As pessoas pareciam entender o problema. As pessoas parecia entenderem o problema. (= Parecia que as pessoas entendiam o problema)
  • 16. Concordância ideológica – Ocorre quando a concordância se faz com a idéia implícita na frase. Recebe o nome de silepse. a) silepse de pessoa: a concordância se faz com a pessoa gramatical implícita. Ex: Todos os homens somos filhos de Deus. b) silepse de número: a concordância se faz com o número gramatical implícito. Ex: Povo desta cidade, votem em mim! c) silepse de gênero: a concordância se faz com o gênero gramatical implícito. Ex: Vossa Excelência será homenageado.
  • 17. Concordância dos verbos Impessoais a) Verbo Haver É impessoal quando empregado com o sentido de “existir” ou “acontecer”. Ex.1: Havia muitos alunos na sala de aula. 3ª pessoa do singular Não é sujeito, é objeto direto Ex.2: Aqui nunca houve brigas antes. 3ª pessoa do singular Não é sujeito, é objeto direto Em locuções verbais, o verbo haver transmite a impessoalida- de para o outro verbo (verbo auxiliar), que também fica no singular. Ex.: Deve haver vinte pessoas na sala.
  • 18. Observações: O verbo haver com sentido de existir é impessoal, entretanto o verbo existir, não é impessoal, ele concorda normalmente com o sujeito ao qual se refere. Ex.: Antigamente havia poucas escolas particulares. Antigamente existiam poucas escolas particulares. 3ª pessoa do singular Não é sujeito, é objeto direto sujeito plural3ª pessoa do plural Antigamente deviam existir poucas escolas particulares. 3ª pessoa do plural sujeito plural
  • 19. b) Verbo Fazer O verbo fazer é impessoal quando empregado na indicação de tempo transcorrido (ou a transcorrer). Nesses casos, como ele não tem sujeito fica na 3ª pessoa do singular. Ex.: Já faz muitos anos que não a vejo. 3ª pessoa do singular Não é sujeito, é objeto direto Observação: Nas locuções verbais, o verbo fazer, como todo verbo impessoal, transmite o singular para o auxiliar. Ex.: Já deve fazer muitos anos que não a vejo. 3ª pessoa do singular Não é sujeito, é objeto direto.
  • 20. Concordância do verbo Ser O verbo Ser pode, às vezes concordar com o sujeito da oração e, às vezes, com o predicativo. a) Quando o sujeito e o predicativo são nomes de coisas O verbo ser pode concordar com o sujeito ou com o predicativo, indiferentemente. Essa dupla possibilidade permite ao falante estabelecer a concordância com o elemento ao qual pretenda dar maior destaque. Ex.: Nossas vidas eram uma verdadeira festa. sujeito plural predicativo singular Nossas vidas eraera uma verdadeira festa. Verbo no plural concordando com o sujeito sujeito plural predicativo singular Verbo no singular concordando com o predicativo
  • 21. b) Quando o sujeito e o predicativo designam pessoas Nesse caso, a concordância é feita obrigatoriamente com a palavra que designa pessoa. Ex.: Os amigos eram sua grande alegria. O problema da empresa são os funcionários desmotivados. sujeito plural verbo na 3ª pessoa do plural,concordando com o sujeito sujeito no singular predicativo no singular verbo na 3ª pessoa do plural, concordando com o predicativo predicativo no plural
  • 22. c) Verbo Ser indicando horas e distância Quando indicar horas, distância e datas, o verbo ser concordará com o predicativo. Nesse caso ele é impessoal, ou seja, não apresenta sujeito. Ex.: É uma hora. São três horas. Daqui até a fazenda é um quilômetro. Daqui até o sítio são dez quilômetros. Observação: Nas indicações referentes a dia do mês, o verbo admite duas construções. Ex.: Hoje é (dia) dez de julho. Hoje são dez (dias) de julho.
  • 23. d) Verbos Chover, ventar, trovejar... Quando o verbo indicar fenômeno da natureza será impessoal, ou seja, não apresenta sujeito. Ex.: Choveu três dias consecutivos. . Observação: Se o verbo estiver se referindo a outro elemento que não o fenômeno da natureza, se conjugará normalmente.. Ex.: Trovejaram aplausos ao encerrar o espetáculo.
  • 24. Verbo + pronome se 1. Os verbos transitivos diretos ou os transitivos diretos e indiretos, quando apassivados pelo pronome se, concordam com o sujeito. Ex.: Vendem-se carros e terrenos a prazo. verbo transitivo direto sujeito no plural Observe que, se passarmos essa frase para a voz passiva analítica, a concordância do verbo com o sujeito ficará bem clara, veja: Carros e terrenosCarros e terrenos são vendidos a prazo. Sujeito no plural Verbo na 3ª pessoa do plural pronome apassivador
  • 25. 2. Os demais verbos – de ligação, intransitivo e transitivo indireto - , quando seguidos do pronome se (índice de indeterminação do sujeito), ficam na 3ª pessoa do singular. Ex.: Precisa-se de serventes de pedreiro. Verbo transitivo indireto objeto indireto índice de indeterminação do sujeito
  • 26. Complete com um dos verbos que estão entre parênteses; se ambos forem corretos, grife-os: a) 90% do STF..............................bem a Justiça. ( aplica- -aplicam) b) 90% dos Juízes............................bem a Justiça. ( aplica -aplicam) c) A maior parte dos jurados ..............................pela absolvição. ( votou- -votaram) d) Mais de um tribunal já .............................semelhante questão.(decidiu- decidiram) e) Mais de um juiz se...............................nas audiências.(revezava -revezavam) f) Foram eles quem.........................(socorreu- -socorreram) a vítima. g) Foram eles que............................. .(socorreu- -socorreram) a vítima. h) Grande número de servidores ............................... (fez- -fizeram) greve. i) Quem de nós ............................... (participará- participaremos) da reunião. j) Muitos de nós...........................convocados. (serão- -seremos) para a reunião. l) J. Mendes foi um dos juristas que mais se .................................(destacou– -destacaram).
  • 27. m) Nem a lei nem a jurisprudência ............................essa pretensão. (ampara- -amparam) n) A bolsa ou a vida ............................ pelo assaltante. (foi reclamada- foram reclamadas) o) A bebida ou o cigarro ...................mal à saúde. (faz -fazem) p) A Defesa e a Acusação......................bom trabalho. (realizou -realizaram) q) ......................... bom trabalho a Defesa e a Acusação (realizou- -realizaram) r) As ameaças, a prepotência, o ódio, a inveja, as pressões, nada o .............................. (intimidava- intimidavam)
  • 28. 02) Coloque certo (C ) ou errado (E ) corrija, se necessário: a) ( ) A coragem e o destemor garantiu-lhe a vida. b) ( ) A coragem e o destemor garantiram-lhe a vida. a) ( ) Uma e outra questão nos parecia difícil. b) ( ) Uma e outra questão nos pareciam difíceis. a) ( ) Houveram cinco audiências b) ( ) Haverão os herdeiros de retomar o que lhes pertencia de direito? a) ( ) Vai haver dois julgamentos. b) ( ) Deve existir provas que possam incriminá-lo
  • 29. a) ( ) Faz cinco meses que o acusado está foragido. b) ( ) Realizou-se vários julgamentos este mês c) ( ) Não se tratam de crimes afiançáveis a) ( ) Há de ocorrer várias diligências a fim de averiguar a veracidade das acusações b) ( ) Há de haver várias diligências a fim de averiguar a veracidade das acusações. c) ( ) “Devem fazer vários dias que o corpo da vítima....”
  • 30. a) ( ) Não se levou em conta as alegações do réu b) ( ) Tratam-se de alegações inconsistentes a) ( ) Mil reais é pouco. b) ( ) “Era 20 de novembro quando.....” a) ( ) “Era meio-dia e meia quando... “ b) ( ) “Era duas horas da tarde quando....” a) ( ) Esperou esgotarem-se os prazos. b) ( ) A testemunha viu esbofetearem-se os réus. a) ( ) As causas parece justificarem os meios. b) ( ) As causas parecem justificar os meios.
  • 31. 01) Para que se respeite a concordância verbal, será preciso corrigir a frase: (A) A quantas dúvidas tem dado margem o sistema de saúde de Cuba? (B) Têm havido dúvidas sobre a capacidade do sistema de saúde cubano.. (C) Têm sido levantadas dúvidas sobre a capacidade do sistema de saúde cubano. (D) Será que o sistema de saúde cubano tem suscitado dúvidas sobre sua eficácia? (E) Que dúvidas têm propalado os adversários de Cuba sobre seu sistema de saúde?
  • 32. 02) O verbo indicado entre parênteses deverá flexionar-se numa forma do singular para preencher corretamente a lacuna da frase: (A) Aos países ricos não ...... (competir) tomar decisões que afetem a soberania dos países em desenvolvimento (B) Há muito não se ...... (tolerar) atitudes arrogantes como a do editorial da revista britânica. (C) É natural que ...... (ferir) o orgulho do povo cubano as exortações publicadas na revista britânica. (D) Os pesquisadores não ...... (haver) de se ofender, caso os termos do editorial da revista fossem menos prepotentes. (E) Foi precisa a argumentação de que se ...... (valer) os pesquisadores latinoamericanos em sua réplica ao editorial.
  • 33. 03) As normas de concordância verbal estão plenamente respeitadas na frase: (A) O olhar dos velhinhos que ficam horas nas janelas sempre expressaram seu interesse pelo mundo. (B) Pouca coisa, em meio a tantas novidades da vida moderna, são capazes de deixar perplexas as crianças de hoje. (C) Ninguém fica tanto tempo nas janelas das casas sem matutarem sobre o sentido do que vêem. (D) Não importa o que sejam, se um cachorro ou o planeta Marte, qualquer imagem são capazes de atrair as atenções do nosso olhar. (E) Suspeitamos sempre que as riquezas que nos oferece o mundo parecem exceder o limite da nossa compreensão..
  • 34. 04) A frase em que se respeitam plenamente as regras de concordância verbal é: (A)) “Raposas dos tribunais” é a expressão com a qual muitos identificam os advogados matreiros, que se valem da tortuosidade dos ritos processuais (B) Costuma valer-se de algum desprezível detalhe técnico os causídicos que sabem tirar proveito da burocracia judicial. (C) A tortuosidade dos caminhos judiciais acabam por ensejar um sem-número de distorções no andamento de um processo. (D) Falhas nos julgamentos sempre haverão, mas a excessiva burocratização dos ritos jurídicos acaba por multiplicá-las. (E) Não cabem aos defensores públicos, em geral mal remunerados e desmotivados, a responsabilidade integral por sua insegurança diante dos entraves burocráticos.
  • 35. 05) O verbo indicado entre parênteses deverá flexionar-se no plural para preencher corretamente a lacuna da frase: (A) Nunca ...... (deixar) de nos afetar o que virmos pelas janelas abertas para o mundo. (B) Sempre me ...... (afetar) as imagens do mundo que estiver observando, não importa de qual janela.. (C) Não ...... (costumar) atemorizar as crianças aquilo que elas vêem nas janelas da Internet. (D) A mudança das janelas de uma casa para as da Internet ...... (implicar) profundas transformações nos hábitos das pessoas. (E) Não ...... (convir) às crianças ficar um tempo demasiadamente longo diante de um monitor.
  • 36. 06) Está de acordo com as normas de concordância verbal a seguinte frase: a) Um daqueles famosos petardos, freqüentes na página de opinião, acabaram sendo disparados no dia seguinte. b) O respeito aos direitos adquiridos constituem uma das cláusulas pétreas da Constituição. c) Quando se recorrem a manchetes com duas idéias, permitem-se manifestar-se as contradições. d) Fatos ou afirmações divergentes, numa mesma manchete, hão de traduzir mais fielmente a complexidade de uma questão e) Aos editores preocupados com o perigo do simplismo cabem recorrer aos expedientes que o evitam.
  • 37. 07) Para atender às normas de concordância, o verbo indicado entre parênteses adotará obrigatoriamente uma forma do plural ao se flexionar na frase: a) Tudo aquilo que com palavras se (instituir), outras palavras poderão demolir. b) Não (dever) arrefecer os ânimos de um bem-intencionado jornalista a convicção de que suas palavras podem traí-lo. c)) Uma característica que (costumar) apresentar os textos jornalísticos é a ênfase em determinado detalhe do fato noticiado.. d) Quase sempre (tocar) mais os leitores a violência de um fato do que a violência com que o texto o retrata. e) Não se (atribuir) aos jornalistas a total responsabilidade pelo viés interpretativo das notícias; este já é um atributo da própria linguagem.
  • 38.
  • 39. REGÊNCIAREGÊNCIA É a relação sintática que se estabelece entre um termo regente ou subordinante (que exige outro) e o termo regido ou subordinado (termo regido pelo primeiro) Quando o termo regente é um verbo a regência é verbal, quando é um nome, a regência é nominal. A regência pode ser: verbal ou nominal.
  • 40. O conhecimento da regência correta de cada verbo e de cada nome é função do uso. Dessa forma cada falante conhece a regência dos verbos e dos nomes que fazem parte de seu repertório usual. Pode ocorrer que o falante desconheça certas regências da norma padrão pelo fato delas não ocorrerem no uso popular.
  • 41. REGÊNCIA NOMINALREGÊNCIA NOMINAL A regência nominal estuda os casos em que nomes (substantivos, adjetivos e advérbios) exi- gem uma outra palavra para completar-lhes o sentido. Em geral a relação entre um nome e o seu complemento é estabelecida por uma preposi- ção.
  • 42. ALGUNS NOMES E AS PREPOSIÇÕES QUE MAIS COMUMENTE ELES EXIGEM  adepto a  alheio a  ansioso para, por, de  apto a, para  aversão a, por  feliz de, por, em, com  favorável a  imune a, de  contente com, por, de  indiferente a  inofensivo a, para  junto a, de, com  próximo a, de  referente a  simpatia a, por  tendência a, para  paralelo a  relativo a
  • 43. MAIS NOMES E AS PREPOSIÇÕES QUE COMUMENTE ELES EXIGEM acessível, adequado, desfavorável, equivalente, insensível, obediente - a  capaz, incapaz, digno, indigno, passível, contemporâneo - de  amoroso, compatível, cruel, cuidadoso, descontente - com  entendido, indeciso, lento, morador, hábil - em  inútil, incapaz, bom - para responsável - por
  • 44. REGÊNCIA VERBALREGÊNCIA VERBAL A regência verbal estuda a relação que se estabelece entre o verbo (termo regente) e seu complemento (termo re- gido). Ex.: Isto pertence a todos. termo regente termo regido
  • 45. AGRADARAGRADAR a) No sentido de fazer carinho, é transitivo direto. Ex.: A mulher agradava o filhinho. V.T.D objeto direto b) No sentido de contentar, satisfazer, é transitivo indireto (exige objeto indireto com a preposição a). Ex.: O desempenho do time agradou ao técnico. V.T.I objeto indireto
  • 46. AspirarAspirar a) No sentido de respirar, sorver (perfume, ar), é transitivo direto. b) No sentido de pretender/ desejar, é transitivo indireto (exige objeto indireto com a preposição a). Ex.: Os jovens aspiram ao sucesso profissional. V.T.I objeto indireto Observação: O verbo aspirar não aceita os pronomes lhe, lhes como objeto indireto, por isso você deve substituí-los por a ele, a ela, a eles, a elas. Ex.: Ele aspirou um gás venenoso. V.T.D objeto direto
  • 47. AssistirAssistir a) No sentido de ver, é transitivo indireto (exige objeto indireto com a preposição a). Ex.: Todos assistiram ao jogo da seleção. V.T.I objeto indireto Observação: Usado nesse sentido, assistir não aceita lhe, lhes, como objeto indireto; por isso, quando necessário, você deverá trocá-lo por a ele, a ela, a eles, a elas. Ex.: Você assistiu ao jogo? Sim, eu assisti a ele.
  • 48. c) No sentido de pertencer/caber, é transitivo indireto (exige objeto indireto com a preposição a). Ex.: O direito de criticar assiste aos cidadãos. V.T.I objeto indireto Observação: Nesse sentido, assistir admite lhe, lhes como objeto indireto. Ex.: Esse direito lhes assiste sempre. O.I V.T.I b) No sentido de prestar assistência/ajudar, é transitivo direto. Ex.: A enfermeira assistia os acidentados. V.T.D objeto direto
  • 49. Esquecer eEsquecer e lembrarlembrar Esses dois verbos não mudam de sentido, mas podem ser transitivos diretos ou indiretos. a) São transitivos diretos quando não são pronominais, isto é, quando não estão acompanhados de pronome oblíquo (me, te, se, nos, etc.). Ex.: Eu lembrei seu aniversário. V.T.D objeto direto Jamais esqueceremos esse dia. V.T.D objeto direto Esses são fatos que ela já esqueceu. OD V.T.D
  • 50. b) São transitivos indiretos (exigem preposição de) quando usados como verbos pronominais, isto é, acompanhados de pronome oblíquo (me, te, se, nos, vos). Ex.: Eu me lembrei de seu aniversário. V.T.I objeto indireto Jamais nos esqueceremos desse dia. V.T.I objeto indireto Esses são fatos de que ela já se esqueceu. objeto indireto V.T.I
  • 51. Obedecer e desobedecerObedecer e desobedecer São sempre transitivos indiretos (exigem objeto indireto com a preposição a. Ex.: Você obedeceu ao regulamento. V.T.I objeto indireto Os operários desobedecerão às suas ordens. V.T.I objeto indireto
  • 52. Pagar e perdoarPagar e perdoar Não mudam de sentido, mas podem ser transitivos diretos ou indiretos, dependendo do tipo de objeto que apresentam. a) São verbos transitivos indiretos (exigem a preposição a) quando o objeto refere-se a gente, pessoa. Ex.: Nós pagamos ao vendedor. Deus perdoa aos pecadores. b) São verbos transitivos diretos quando o objeto é coisa. Ex.: Nós pagamos o material. Eu jamais perdoaria seu erro. Observação: Esses dois verbos (pagar e perdoar) podem apresentar, ao mesmo tempo, objeto direto e indireto. Ex.: Nós pagamos o material ao vendedor.
  • 53. PreferirPreferir Exige dois objetos: um direto e um indireto (iniciado pela preposição a). Esse verbo é, portanto, transitivo direto e indireto. Preferir alguma coisa a outra coisa. Ex.: Ele sempre preferiu o trabalho ao estudo. VTDI OD OI
  • 54. CHEGAR - IRCHEGAR - IR Há certos verbos que, no uso popular, ocorrem com uma regência e, no uso culto, com outra. Nesse caso, a Gramática propõe como correto apenas o uso culto.O verbo chegar e o verbo ir são intransitivos e exigem a preposição a quando indicam lugar. Uso popular: Eu cheguei em casa cedo. Uso culto: Eu cheguei a casa cedo. Uso popular: O menino foi no jogo com o pai. Uso culto: O menino foi ao jogo com o pai.
  • 55. NAMORARNAMORAR O verbo namorar é transitivo direto. Quem namora, namora alguém. Ex.: Paulo namora a Jennifer. VTD objeto direto
  • 56. VISARVISAR a) No sentido de “mirar” e “pôr visto” é transitivo direto. Ex.: O atirador visou o alvo. O gerente visou o cheque do cliente. b) Quando significa “ter como objetivo, pretender” é transitivo indireto. Ex.: Ele visa a uma promoção no emprego. VTI objeto indireto
  • 57. SIMPATIZAR/ANTIPATIZARSIMPATIZAR/ANTIPATIZAR Os verbos simpatizar e antipatizar são transitivos indiretos e exigem a preposição com. Atenção! Esses verbos não são pronominais. Ex.: Não simpatizo com a ideia. VTI objeto indireto Antipatizamos com o diretor no primeiro dia. VTI objeto indireto
  • 58. 01) A expressão de que preenche corretamente a lacuna da frase: (A) Muita gente ignora ...... ficam refletindo os velhinhos às janelas. (B) As imagens virtuais ...... nos entregamos costumam ter força de realidade. (C) Muitos jovens ficam imaginando ...... têm o mundo sob seu controle, na Internet. (D) Queria adivinhar os pensamentos ...... se povoam as cabeças desses velhinhos.. (E) É visível a ansiedade ...... as crianças manifestam, quando diante de um monitor.
  • 59. 02) A expressão com que preenche corretamente a lacuna da frase: (A) A revista britânica esqueceu-se de que os cubanos notabilizaram-se pelo sentimento de solidariedade ...... já demonstraram nas últimas décadas. (B) Foi dura, mas justa, a réplica ...... Sergio Pastrana se valeu, em desagravo à dignidade do país. (C) Foi grande a repercussão ...... obteve o editorial da revista entre pesquisadores latino-americanos. (D) A muitos cubanos ofenderam os termos ...... o editorial se referiu ao futuro do pais.. (E) As grandes potências costumam ser presunçosas quando analisam o tipo de sociedade ...... os pequenos países escolheram construir.
  • 60. 03) A expressão sublinhada está empregada adequadamente na frase: (A) A inesgotabilidade da água é uma ilusão na qual não podemos mais alimentar. (B)) A cadeia econômica à qual o texto faz referência tem na água seu centro vital. (C) Os maus tempos dos quais estamos atravessando devem-se a uma falta de previsão. (D) A água é um elemento cujo o valor ninguém mais põe em dúvida. (E) A certeza em que ninguém mais pode fugir é a do valor inestimável da água.
  • 61.  04) Está correto o emprego do elemento sublinhado em:  (A) De todo e qualquer réu assiste o direito da ampla defesa.  (B) O único apoio de que um acusado sem recursos pode contar é o de um defensor público.  (C) Encerrou-se um processo cujo o mérito sequer foi avaliado.  (D) Foi uma sentença estranha, cuja acabou por provocar grande descontentamento.  (E)) É um rito tortuoso, de cuja burocracia os espertos tiram proveito.
  • 62. 05) Está correto o emprego da expressão sublinhada na frase: (A) Vovó é do tempo de onde as pessoas ficavam demoradamente nas janelas das casas. (B) Os meninos de hoje talvez não entendam o por que de os velhinhos ficarem à janela. (C) Eram simpáticas aquelas casinhas aonde as janelas davam diretamente para a calçada. (D) Praticamente não mais se constroem casas cujas as janelas se abram sobre a calçada. (E) São raras as casas em cujas janelas as pessoas fiquem observando a vida das ruas..
  • 63. 06) A força de um desfile carnavalesco está tanto na euforia dos que participam do desfile carnavalesco quanto na dos espectadores que assistem ao desfile carnavalesco, lembrando ainda que a observância dos limites que dão forma ao desfile carnavalesco é uma de suas atrações. Para evitar as abusivas repetições do texto acima, é preciso substituir os elementos sublinhados por, respectivamente: a) lhe participam - o assistem - lhe dão forma. b) nele participam - lhe assistem - dão-no forma. c) dele participam - a ele assistem - lhe dão forma d) dele participam - lhe assistem - o dão forma. e) nele participam - assistem-no - o dão forma.
  • 64. 07) O advogado de defesa encaminhou uma apelação. Para fundamentar a apelação, organizou a apelação numa progressão de itens bem articulados. Ainda assim, recusaram a apelação os juízes do Supremo, que consideraram a apelação inconsistente de todo. Evitam-se as abusivas repetições do período acima substituindo- se os elementos sublinhados, respectivamente, por: (A) fundamentá-la - organizou-lhe - recusaram a ela – consideraram-na (B) fundamentá-la - organizou-a - recusaram-na – a consideraram. (C) fundamentar a ela - a organizou - recusaram-lhe – lhe consideraram (D) fundamentar-lhe - organizou-lhe - recusaram-na – a consideraram (E) a fundamentar - organizou-a - recusaram-lhe - consideraram- na
  • 65. 08) Assinale a opção que preenche corretamente as lacunas o texto. Com o mesmo atraso das idéias neoliberais, desembarcou entre nós, no final dos anos 80, o tema da governabilidade. Associada imediatamente __1__ impotência dos governos diante _2__ inflação, adquiriu, logo depois da promulgação da Constituição de 1988, o conteúdo estratégico combinado das teses de Huntington e Buchanan. Em duas palavras: a ingovernabilidade brasileira seria resultado de um excesso dedemandas sociais reconhecidas pela nova Constituição e da resistência __3__implementação das reformas neoliberais capazes de devolver estabilidade e crescimento __4__ economia brasileira. Ao mesmo tempo, e com uma rapidez própria das situações de atraso, foi sendo construído o consenso publicitário de que qualquer coisa, que não fosse isso, geraria uma progressiva ingovernabilidade na sociedade brasileira até __5__ limite da entropia final. 1 2 3 4 5 a) à Da à a ao b) à À à à o c) a Da à à no d) à À na na o e) à Da à à o
  • 66. CRASE
  • 67. CRASECRASE É a fusão (junção) da preposição a exigida pela regência do verbo ou do nome mais o artigo definido a, os pronomes demonstrativos aquele(s), aquela(s), aquilo e o pronome demonstrativo a. A crase é indicada pelo acento grave (`). Condições para ocorrência de crase 1. O termo regente deve exigir a preposição a. 2. O termo regido tem que ser uma palavra feminina que admita artigo a(s). Ex.: Ele foi a a fazenda ontem depois do almoço. à
  • 68. REGRA PRÁTICA Para você saber se há crase antes de uma palavra feminina, troque essa palavra por uma masculina correspondente e observe: 1. Se antes da palavra masculina aparecer ao(s), use crase antes da feminina. Ex.: Ela foi à feira ontem. Ela foi ao mercado ontem. 2. Se antes da palavra masculina aparecer apenas a(s) ou o(s) não use crase. Ex.: Os jogadores visitaram a cidade. Os jogadores visitaram o museu.
  • 69. CASOS EM QUE OCORRE CRASE  Nas locuções adverbiais femininas. Ex.: O rapaz saiu à tarde e chegou à noite. (locução adverbial de tempo) Ex.: Ele foi à feira e depois à lavanderia. (locução adverbial de lugar) Ex.: O governador viajou às pressas. (locução adverbial de modo) Observação: Com as locuções adverbiais femininas de instrumento a crase é facultativa. Ex.: O pai saiu sem fechar a porta à chave. O pai saiu sem fechar a porta a chave. Ex.: O soldado foi ferido à baioneta. O soldado foi ferido a baioneta.
  • 70.  Nas locuções prepositivas (formadas por a + palavra feminina + de) Ex.: Meu amigo conseguiu ser aprovado à custa de muito esforço. Ele saiu à procura de ajuda.  Nas locuções conjuntivas (formada por a + palavra feminina + que). Ex.: A cidade se acalma, à medida que escurece. À proporção que chovia, aumentavam os buracos na rua. Observação: Nas expressões à moda de, à maneira de, a palavra principal pode ficar oculta. Então o à poderá ficar diante de palavra masculina, como no exemplo: Ex: Usava cabelos à Luís XV. (à moda de Luís XV)
  • 71. CASOS EM QUE A CRASE É FACULTATIVA  Antes de pronomes possessivos femininos (porque antes desse tipo de pronome o artigo é facultativo). Ex.: Ele se refere à minha mãe. Ele se refere a minha mãe.  Antes de nomes de mulheres Ex.: Eu me referi à Maria. Eu me referi a Maria.  Depois da palavra até. Ex.: Todos os alunos foram até à escola. Todos os alunos foram até a escola.
  • 72. CASOS EM QUE NÃO OCORRE CRASE  Antes de nomes masculinos (porque essas palavras não admitem o artigo a. Ex.: Ele adora andar a cavalo, ela prefere andar a pé.  Antes de verbos (porque antes de verbos não aparece artigo) Ex.: Assim que saíram, começaram a correr.  Antes de pronomes que não admitem artigo. a) Pronomes pessoais (porque antes deles não se usa artigo) Ex.: Todos se dirigiram a ela. b) Pronomes de tratamento (porque antes deles não se usa artigo) Ex.: Dirigi-me a Vossa Excelência para despedir-me. Observação: Os pronomes de tratamento dona, senhora e senhorita, pelo fato de admitirem o artigo, admitem também a crase. Ex.: Nada disse à senhora.
  • 73. c) Pronomes demonstrativos, indefinidos e relativos Ex.: É hora de dar um basta a essa barbárie. Não demonstrava sua tristeza a ninguém. Aquela é a senhora a quem dirigi meus votos de felicidade. Observação: Pode ocorrer a crase entre a preposição a e os pronomes relativos a qual e as quais. Ex.: Estas são as finalidades às quais se destina o projeto. Seria aquela a jovem à qual você se referia?  Quando o a (sem s) aparece antes de uma palavra no plural. Ex.: Ele se dirigia a pessoas estranhas.
  • 74.  Em expressões com palavras repetidas Ex.: O tanque se encheu gota a gota. Antes de nomes de cidades (que não admitem o artigo feminino a), sem especificativos Ex.: Eles pretendem ir a Paris. Observação: Quando o nome da cidade apresenta um especificativo, ele passa a admitir artigo e, nesse caso, pode ocorrer a crase, desde que o termo regente exija a preposição a. Ex.: Eles pretendem ir à fascinante Paris.  Antes da palavra casa, no sentido de lar, residência própria da pessoa, se não vier determinada. Se vier determinada aceita a crase. Ex.: Voltei a casa cedo. Voltei à casa de meus pais cedo.
  • 75.  Antes da palavra terra, no sentido de chão firme, tomada em oposição a mar ou ar, se não vier determinada, não aceita o artigo e não ocorre a crase. Se vier determinada, aceita o artigo e ocorre a crase. Ex.: Os marinheiros já voltaram a terra. Os marinheiros voltaram à terra de seus sonhos. Observação: Quando a palavra terra for usada no sentido de terra natal ou planeta, a palavra terra admite artigo, por isso, ocorrerá crase, se o termo regente exigir preposição. Ex.: A espaçonave voltara à Terra, no ano 3000.