SlideShare uma empresa Scribd logo

Interpretação e Compreensão de Texto

Diferenciação entre Compreensão e Interpretação; erros clássicos de interpretação.

1 de 17
Interpretação e Compreensão de Texto
“Refletir sobre diferentes fatos linguísticos flagrados em textos orais e escritos;
a reconhecer e analisar a variação linguística em suas diferentes dimensões
sócio-históricas ,como um fenômeno inerente ao uso da língua e determinado pelos
fatores que definem as condições de produção de um texto, oral ou escrito”
(PUC-MINAS)
“Estabelecer relações entre cada texto e aspectos históricos, sociais, políticos,
econômicos e culturais da época em que ele foi produzido e da atualidade”
(UFMG)
“ Dominar a norma-culta e os níveis de significação do texto: significação
explícita e significação implícita, denotação e conotação”
(USP)
“Construir o sentido de textos redigidos em português e de reconhecer marcas
linguísticas que permitem caracterizar um determinado gênero discursivo, seja
quanto à sua forma (por exemplo, dissertativo, narrativo, poético), seja quanto à
sua função (por exemplo, religioso, científico, jornalístico, comercial, etc.),
depreendendo os efeitos desencadeados por essas marcas”
(UNICAMP)
compreender
analisar
INTERPRETAR
Interpretar é
compreender + analisar o texto
Observar o que realmente está escrito;
coletar dados do texto.
Estabelecer relações entre o texto e
aspectos históricos, sociais, políticos,
econômicos e culturais da época em que
ele foi produzido e da atualidade
Refletir sobre diferentes fatos
linguísticos significação explícita e
significação implícita, denotação e
conotação
O conhecimento de
mundo eleva a
capacidade de
interpretação do leitor.
Interpretar é analisar o
que se lê, relacionando
com o que se conhece.
Duração: 3´58´´
“Conhecimento” –narração de Bruno Mazzeo (2007)
http://www.youtube.com/watch?v=AXzfjQeEjYg&feature=related
(ENEM-1998)
Para falar e escrever bem, é preciso, além de conhecer o padrão formal da Língua
Portuguesa, saber adequar o uso da linguagem ao contexto discursivo.
Para exemplificar este fato, seu professor de Língua Portuguesa convida-o a ler o texto
Aí, Galera, de Luís Fernando Veríssimo.
No texto, o autor brinca com situações de discurso oral que fogem à
expectativa do ouvinte.
Aí, Galera
Jogadores de futebol podem ser vítimas de estereotipação. Por exemplo, você pode imaginar um jogador
de futebol dizendo “estereotipação”? E, no entanto, por que não?
— Aí, campeão. Uma palavrinha pra galera.
—Minha saudação aos aficionados do clube e aos demais esportistas, aqui presentes ou no recesso dos
seus lares.
— Como é?
— Aí, galera.
— Quais são as instruções do técnico?
— Nosso treinador vaticinou que, com um trabalho de contenção coordenada, com energia otimizada, na
zona de preparação, aumentam as probabilidades de, recuperado o esférico, concatenarmos um
contragolpe agudo com parcimônia de meios e extrema objetividade, valendo-nos da desestruturação
momentânea do sistema oposto, surpreendido pela reversão inesperada do fluxo da ação.
— Ahn?
— É pra dividir no meio e ir pra cima pra pegá eles sem calça.
— Certo. Você quer dizer mais alguma coisa?
— Posso dirigir uma mensagem de caráter sentimental, algo banal, talvez mesmo previsível e piegas, a
uma pessoa à qual sou ligado por razões, inclusive, genéticas?
— Pode.
— Uma saudação para a minha progenitora.
— Como é?
— Alô, mamãe!
— Estou vendo que você é um, um...
— Um jogador que confunde o entrevistador, pois não corresponde à expectativa de que o atleta seja um
ser algo primitivo com dificuldade de expressão e assim sabota a estereotipação?
— Estereoquê?
— Um chato?
— Isso.

Recomendados

Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos Professor Rômulo Viana
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textualISJ
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAMarcelo Cordeiro Souza
 
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTOAULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTOMarcelo Cordeiro Souza
 
Passos para uma boa redação
Passos para uma boa redaçãoPassos para uma boa redação
Passos para uma boa redaçãoSinara Lustosa
 
redação - dissertativa argumentativa
redação - dissertativa argumentativa redação - dissertativa argumentativa
redação - dissertativa argumentativa Luciene Gomes
 
Passos para a redação do enem
Passos para a redação do enemPassos para a redação do enem
Passos para a redação do enemLuciene Gomes
 
Figuras de linguagem slide
Figuras de linguagem   slideFiguras de linguagem   slide
Figuras de linguagem slideJaciara Mota
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
 
Conotacao e denotacao
Conotacao e denotacaoConotacao e denotacao
Conotacao e denotacao
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
 
Aula intertextualidade
Aula intertextualidadeAula intertextualidade
Aula intertextualidade
 
Diferença entre fato e opinião
Diferença entre fato e opiniãoDiferença entre fato e opinião
Diferença entre fato e opinião
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Concordancia verbal-slide-adriana
Concordancia verbal-slide-adrianaConcordancia verbal-slide-adriana
Concordancia verbal-slide-adriana
 
Resenha crítica
Resenha crítica Resenha crítica
Resenha crítica
 
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIAAULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
 
VariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaVariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíStica
 
Figuras de linguagem completo
Figuras de linguagem completoFiguras de linguagem completo
Figuras de linguagem completo
 
Apresentação Adverbios
Apresentação AdverbiosApresentação Adverbios
Apresentação Adverbios
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
Paráfrase
ParáfraseParáfrase
Paráfrase
 
Conto
ContoConto
Conto
 

Destaque

COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO TEXTUAL
COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO TEXTUALCOMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO TEXTUAL
COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO TEXTUALnehemiasj
 
Cbc anos finais - língua estrangeira
Cbc   anos finais - língua estrangeiraCbc   anos finais - língua estrangeira
Cbc anos finais - língua estrangeiraAntônio Fernandes
 
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...Antônio Fernandes
 
Compreensão e interpretação de textos
Compreensão e interpretação de textosCompreensão e interpretação de textos
Compreensão e interpretação de textoswelton santos
 
EXEMPLO MAPA TEXTUAL. REDAÇÃO ENEM. TEMA POLÊMICO. IDEOLOGIA DE GÊNERO
EXEMPLO MAPA TEXTUAL. REDAÇÃO ENEM. TEMA POLÊMICO. IDEOLOGIA DE GÊNEROEXEMPLO MAPA TEXTUAL. REDAÇÃO ENEM. TEMA POLÊMICO. IDEOLOGIA DE GÊNERO
EXEMPLO MAPA TEXTUAL. REDAÇÃO ENEM. TEMA POLÊMICO. IDEOLOGIA DE GÊNEROAntônio Fernandes
 
O uso dos quadrinhos em sala de aula
O uso dos quadrinhos em sala de aulaO uso dos quadrinhos em sala de aula
O uso dos quadrinhos em sala de aulaSeed Pr
 
Levantamento de características de gêneros textuais
Levantamento de características de gêneros textuaisLevantamento de características de gêneros textuais
Levantamento de características de gêneros textuaisAna Paula
 
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de textoPráticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de textoFernanda Tulio
 
Oficina de produção de texto
Oficina de produção de textoOficina de produção de texto
Oficina de produção de textoElia Rejany
 
LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ A...
LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ A...LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ A...
LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ A...orientadoresdeestudopaic
 
Avaliação diagnóstica de língua inglesa 9º ano
Avaliação diagnóstica de língua inglesa 9º anoAvaliação diagnóstica de língua inglesa 9º ano
Avaliação diagnóstica de língua inglesa 9º anoEscola
 
Prova de inglês
Prova de inglêsProva de inglês
Prova de inglêsIsa ...
 

Destaque (20)

COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO TEXTUAL
COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO TEXTUALCOMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO TEXTUAL
COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO TEXTUAL
 
Cbc anos finais - língua estrangeira
Cbc   anos finais - língua estrangeiraCbc   anos finais - língua estrangeira
Cbc anos finais - língua estrangeira
 
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
 
Compreensão e interpretação de textos
Compreensão e interpretação de textosCompreensão e interpretação de textos
Compreensão e interpretação de textos
 
EXEMPLO MAPA TEXTUAL. REDAÇÃO ENEM. TEMA POLÊMICO. IDEOLOGIA DE GÊNERO
EXEMPLO MAPA TEXTUAL. REDAÇÃO ENEM. TEMA POLÊMICO. IDEOLOGIA DE GÊNEROEXEMPLO MAPA TEXTUAL. REDAÇÃO ENEM. TEMA POLÊMICO. IDEOLOGIA DE GÊNERO
EXEMPLO MAPA TEXTUAL. REDAÇÃO ENEM. TEMA POLÊMICO. IDEOLOGIA DE GÊNERO
 
Produção de texto
Produção de textoProdução de texto
Produção de texto
 
O uso dos quadrinhos em sala de aula
O uso dos quadrinhos em sala de aulaO uso dos quadrinhos em sala de aula
O uso dos quadrinhos em sala de aula
 
Levantamento de características de gêneros textuais
Levantamento de características de gêneros textuaisLevantamento de características de gêneros textuais
Levantamento de características de gêneros textuais
 
Produção de Texto
Produção de TextoProdução de Texto
Produção de Texto
 
Fatores de textualidade
Fatores de textualidadeFatores de textualidade
Fatores de textualidade
 
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de textoPráticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
 
Avaliação diagnóstica ingles 9°2013
Avaliação diagnóstica ingles 9°2013Avaliação diagnóstica ingles 9°2013
Avaliação diagnóstica ingles 9°2013
 
Avaliação ingles 8° ano
Avaliação ingles  8° anoAvaliação ingles  8° ano
Avaliação ingles 8° ano
 
Oficina de produção de texto
Oficina de produção de textoOficina de produção de texto
Oficina de produção de texto
 
LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ A...
LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ A...LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ A...
LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ A...
 
Avaliação diagnóstica de língua inglesa 9º ano
Avaliação diagnóstica de língua inglesa 9º anoAvaliação diagnóstica de língua inglesa 9º ano
Avaliação diagnóstica de língua inglesa 9º ano
 
6º Ano - Avaliação de Inglês
6º Ano - Avaliação de Inglês6º Ano - Avaliação de Inglês
6º Ano - Avaliação de Inglês
 
Exercicios muito bons de ingles 1
Exercicios muito bons de ingles 1Exercicios muito bons de ingles 1
Exercicios muito bons de ingles 1
 
Prova de inglês
Prova de inglêsProva de inglês
Prova de inglês
 
Apostila gêneros textuais 4º ano
Apostila gêneros textuais  4º anoApostila gêneros textuais  4º ano
Apostila gêneros textuais 4º ano
 

Semelhante a Interpretação e Compreensão de Texto

APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.
APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.
APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.Antônio Fernandes
 
59118853 questoes-de-variantes-linguisticas
59118853 questoes-de-variantes-linguisticas59118853 questoes-de-variantes-linguisticas
59118853 questoes-de-variantes-linguisticasOlivier Fausti Olivier
 
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 2º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 2º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 2º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 2º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.Antônio Fernandes
 
Prova enem-amarela-98
Prova enem-amarela-98Prova enem-amarela-98
Prova enem-amarela-98Lucilo Campos
 
PROVA AMARELA ENEM 1998. DIGITAL SÓ A CORNÉLIA TEM.
PROVA AMARELA ENEM 1998. DIGITAL  SÓ A CORNÉLIA TEM.PROVA AMARELA ENEM 1998. DIGITAL  SÓ A CORNÉLIA TEM.
PROVA AMARELA ENEM 1998. DIGITAL SÓ A CORNÉLIA TEM.Antônio Fernandes
 
Prova enem amarela-98
Prova enem amarela-98Prova enem amarela-98
Prova enem amarela-98Lucilo Campos
 
Enem98 amarela
Enem98 amarelaEnem98 amarela
Enem98 amarelajullyvi
 
Compreensao Interpretacao Texto
Compreensao Interpretacao TextoCompreensao Interpretacao Texto
Compreensao Interpretacao Textoagx123
 
IX OFICINA - GESTAR II
IX OFICINA - GESTAR IIIX OFICINA - GESTAR II
IX OFICINA - GESTAR IIguestc85987
 
Atividade leitura
Atividade leituraAtividade leitura
Atividade leiturajuwilliams1
 
Adão´meu 1º beijo
Adão´meu 1º beijoAdão´meu 1º beijo
Adão´meu 1º beijoAnaayres
 
Adão´meu 1º beijo
Adão´meu 1º beijoAdão´meu 1º beijo
Adão´meu 1º beijoAnaayres
 
Adão´meu 1º beijo
Adão´meu 1º beijoAdão´meu 1º beijo
Adão´meu 1º beijoAnaayres
 
2012 prova vestibulinho
2012   prova vestibulinho2012   prova vestibulinho
2012 prova vestibulinhoDuda Campos
 
Aap lp ago 2015_ caderno do professor_ 6_ef_intranet (2) (1)
Aap lp ago 2015_ caderno do professor_ 6_ef_intranet (2) (1)Aap lp ago 2015_ caderno do professor_ 6_ef_intranet (2) (1)
Aap lp ago 2015_ caderno do professor_ 6_ef_intranet (2) (1)Andréa Sousa Silveira Silva
 
Pontuação Gráfica
Pontuação GráficaPontuação Gráfica
Pontuação Gráficalinguonautas
 
Redacao 8serie-ef
Redacao 8serie-efRedacao 8serie-ef
Redacao 8serie-efsachagomes
 
Caderno de questoes exame de selecao 2013 subsequente
Caderno de questoes exame de selecao 2013 subsequenteCaderno de questoes exame de selecao 2013 subsequente
Caderno de questoes exame de selecao 2013 subsequenteGeija Fortunato
 

Semelhante a Interpretação e Compreensão de Texto (20)

APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.
APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.
APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.
 
59118853 questoes-de-variantes-linguisticas
59118853 questoes-de-variantes-linguisticas59118853 questoes-de-variantes-linguisticas
59118853 questoes-de-variantes-linguisticas
 
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 2º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 2º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 2º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 2º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
 
Enem amarela
Enem amarelaEnem amarela
Enem amarela
 
Prova enem-amarela-98
Prova enem-amarela-98Prova enem-amarela-98
Prova enem-amarela-98
 
PROVA AMARELA ENEM 1998. DIGITAL SÓ A CORNÉLIA TEM.
PROVA AMARELA ENEM 1998. DIGITAL  SÓ A CORNÉLIA TEM.PROVA AMARELA ENEM 1998. DIGITAL  SÓ A CORNÉLIA TEM.
PROVA AMARELA ENEM 1998. DIGITAL SÓ A CORNÉLIA TEM.
 
Prova enem amarela-98
Prova enem amarela-98Prova enem amarela-98
Prova enem amarela-98
 
Enem98 amarela
Enem98 amarelaEnem98 amarela
Enem98 amarela
 
Compreensao Interpretacao Texto
Compreensao Interpretacao TextoCompreensao Interpretacao Texto
Compreensao Interpretacao Texto
 
Primeiros anos
Primeiros anosPrimeiros anos
Primeiros anos
 
IX OFICINA - GESTAR II
IX OFICINA - GESTAR IIIX OFICINA - GESTAR II
IX OFICINA - GESTAR II
 
Atividade leitura
Atividade leituraAtividade leitura
Atividade leitura
 
Adão´meu 1º beijo
Adão´meu 1º beijoAdão´meu 1º beijo
Adão´meu 1º beijo
 
Adão´meu 1º beijo
Adão´meu 1º beijoAdão´meu 1º beijo
Adão´meu 1º beijo
 
Adão´meu 1º beijo
Adão´meu 1º beijoAdão´meu 1º beijo
Adão´meu 1º beijo
 
2012 prova vestibulinho
2012   prova vestibulinho2012   prova vestibulinho
2012 prova vestibulinho
 
Aap lp ago 2015_ caderno do professor_ 6_ef_intranet (2) (1)
Aap lp ago 2015_ caderno do professor_ 6_ef_intranet (2) (1)Aap lp ago 2015_ caderno do professor_ 6_ef_intranet (2) (1)
Aap lp ago 2015_ caderno do professor_ 6_ef_intranet (2) (1)
 
Pontuação Gráfica
Pontuação GráficaPontuação Gráfica
Pontuação Gráfica
 
Redacao 8serie-ef
Redacao 8serie-efRedacao 8serie-ef
Redacao 8serie-ef
 
Caderno de questoes exame de selecao 2013 subsequente
Caderno de questoes exame de selecao 2013 subsequenteCaderno de questoes exame de selecao 2013 subsequente
Caderno de questoes exame de selecao 2013 subsequente
 

Mais de Cláudia Heloísa (20)

Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
 
Quincas Borba
Quincas BorbaQuincas Borba
Quincas Borba
 
Angústia, de Graciliano Ramos
Angústia, de Graciliano RamosAngústia, de Graciliano Ramos
Angústia, de Graciliano Ramos
 
A relíquia - Eça de Queirós
A relíquia - Eça de QueirósA relíquia - Eça de Queirós
A relíquia - Eça de Queirós
 
Enem 2018 informações
Enem 2018 informaçõesEnem 2018 informações
Enem 2018 informações
 
Mayombe
MayombeMayombe
Mayombe
 
Minha vida de menina - Helena Morley
Minha vida de menina - Helena MorleyMinha vida de menina - Helena Morley
Minha vida de menina - Helena Morley
 
Iracema - José de Alencar
Iracema - José de AlencarIracema - José de Alencar
Iracema - José de Alencar
 
Aula 1 P.I.V.A
Aula 1 P.I.V.AAula 1 P.I.V.A
Aula 1 P.I.V.A
 
Variedades linguísticas- exercício
Variedades linguísticas-  exercícioVariedades linguísticas-  exercício
Variedades linguísticas- exercício
 
Aula 11 2016 problemas notacionais
Aula 11 2016 problemas notacionaisAula 11 2016 problemas notacionais
Aula 11 2016 problemas notacionais
 
Aula 8 texto e discurso
Aula 8 texto e discursoAula 8 texto e discurso
Aula 8 texto e discurso
 
Piva aula 7 2016
Piva aula 7  2016Piva aula 7  2016
Piva aula 7 2016
 
Aula 4
Aula 4 Aula 4
Aula 4
 
Aula 5 2016
Aula 5 2016Aula 5 2016
Aula 5 2016
 
PIVA- Aula 3 lógica
PIVA- Aula 3 lógicaPIVA- Aula 3 lógica
PIVA- Aula 3 lógica
 
PIVA -Aula2 2016
PIVA -Aula2 2016 PIVA -Aula2 2016
PIVA -Aula2 2016
 
PIVA - Aula 1 2016
PIVA - Aula 1 2016PIVA - Aula 1 2016
PIVA - Aula 1 2016
 
Revisao enem carmo 2015_aula 7
Revisao enem carmo 2015_aula 7Revisao enem carmo 2015_aula 7
Revisao enem carmo 2015_aula 7
 
Funções de linguagem exercicios
Funções de linguagem exercicios Funções de linguagem exercicios
Funções de linguagem exercicios
 

Interpretação e Compreensão de Texto

  • 2. “Refletir sobre diferentes fatos linguísticos flagrados em textos orais e escritos; a reconhecer e analisar a variação linguística em suas diferentes dimensões sócio-históricas ,como um fenômeno inerente ao uso da língua e determinado pelos fatores que definem as condições de produção de um texto, oral ou escrito” (PUC-MINAS) “Estabelecer relações entre cada texto e aspectos históricos, sociais, políticos, econômicos e culturais da época em que ele foi produzido e da atualidade” (UFMG) “ Dominar a norma-culta e os níveis de significação do texto: significação explícita e significação implícita, denotação e conotação” (USP) “Construir o sentido de textos redigidos em português e de reconhecer marcas linguísticas que permitem caracterizar um determinado gênero discursivo, seja quanto à sua forma (por exemplo, dissertativo, narrativo, poético), seja quanto à sua função (por exemplo, religioso, científico, jornalístico, comercial, etc.), depreendendo os efeitos desencadeados por essas marcas” (UNICAMP)
  • 3. compreender analisar INTERPRETAR Interpretar é compreender + analisar o texto Observar o que realmente está escrito; coletar dados do texto. Estabelecer relações entre o texto e aspectos históricos, sociais, políticos, econômicos e culturais da época em que ele foi produzido e da atualidade Refletir sobre diferentes fatos linguísticos significação explícita e significação implícita, denotação e conotação
  • 4. O conhecimento de mundo eleva a capacidade de interpretação do leitor. Interpretar é analisar o que se lê, relacionando com o que se conhece. Duração: 3´58´´ “Conhecimento” –narração de Bruno Mazzeo (2007) http://www.youtube.com/watch?v=AXzfjQeEjYg&feature=related
  • 5. (ENEM-1998) Para falar e escrever bem, é preciso, além de conhecer o padrão formal da Língua Portuguesa, saber adequar o uso da linguagem ao contexto discursivo. Para exemplificar este fato, seu professor de Língua Portuguesa convida-o a ler o texto Aí, Galera, de Luís Fernando Veríssimo. No texto, o autor brinca com situações de discurso oral que fogem à expectativa do ouvinte.
  • 6. Aí, Galera Jogadores de futebol podem ser vítimas de estereotipação. Por exemplo, você pode imaginar um jogador de futebol dizendo “estereotipação”? E, no entanto, por que não? — Aí, campeão. Uma palavrinha pra galera. —Minha saudação aos aficionados do clube e aos demais esportistas, aqui presentes ou no recesso dos seus lares. — Como é? — Aí, galera. — Quais são as instruções do técnico? — Nosso treinador vaticinou que, com um trabalho de contenção coordenada, com energia otimizada, na zona de preparação, aumentam as probabilidades de, recuperado o esférico, concatenarmos um contragolpe agudo com parcimônia de meios e extrema objetividade, valendo-nos da desestruturação momentânea do sistema oposto, surpreendido pela reversão inesperada do fluxo da ação. — Ahn? — É pra dividir no meio e ir pra cima pra pegá eles sem calça. — Certo. Você quer dizer mais alguma coisa? — Posso dirigir uma mensagem de caráter sentimental, algo banal, talvez mesmo previsível e piegas, a uma pessoa à qual sou ligado por razões, inclusive, genéticas? — Pode. — Uma saudação para a minha progenitora. — Como é? — Alô, mamãe! — Estou vendo que você é um, um... — Um jogador que confunde o entrevistador, pois não corresponde à expectativa de que o atleta seja um ser algo primitivo com dificuldade de expressão e assim sabota a estereotipação? — Estereoquê? — Um chato? — Isso.
  • 7. 1. (ENEM) A expressão “pegá eles sem calça” poderia ser substituída, sem comprometimento de sentido, em língua culta, formal, por: a) pegá-los na mentira. b) pegá-los desprevenidos. c) pegá-los em flagrante. d) pegá-los rapidamente. e) pegá-los momentaneamente Observa se o aluno é capaz de compreender a mensagem, mesmo em uma variedade não padrão, e transferi-la à norma culta Percebemos de imediato que se trata de uma entrevista que cria uma situação ideal que provoca o riso. O humor é aqui veiculado por meio do inesperado, em que cada expressão erudita do jogador soa como algo tão fora de contexto que, ao imaginarmos a situação, não deixamos de achar graça. A habilidade do autor consiste em explorar com inteligência uma situação hipotética de inadequação linguística para provocar o humor. As duas primeiras questões propostas a seguir pretendem exatamente verificar a capacidade do aluno de julgar a inadequação linguística e relacioná-la com o inesperado. Vamos a elas: **as análises apresentadas nesta página são reproduzidas de publicação do Prof. Cid Ottoni Bylaard, em vestibular1.com.br
  • 8. 2. (ENEM) O texto retrata duas situações relacionadas que fogem à expectativa do público. São elas: a) a saudação do jogador aos fãs do clube, no início da entrevista, e a saudação final dirigida à sua mãe. b) a linguagem muito formal do jogador, inadequada à situação da entrevista, e um jogador que fala, com desenvoltura, de modo muito rebuscado. c) o uso da expressão “galera”, por parte do entrevistador, e da expressão “progenitora”, por parte do jogador. d) o desconhecimento, por parte do entrevistador, da palavra “estereotipação”, e a fala do jogador em “é pra dividir no meio e ir pra cima pra pegá eles sem calça”. e) o fato de os jogadores de futebol serem vítimas de estereotipação e o jogador entrevistado não corresponder ao estereótipo. Esta questão extrapola o texto para apresentar novas situações que você deverá relacionar com o discurso criado. **as análises apresentadas nesta página são reproduzidas de publicação do Prof. Cid Ottoni Bylaard, em vestibular1.com.br
  • 9. a) “o carro bateu e capotô, mas num deu pra vê direito” - um pedestre que assistiu ao acidente comenta com o outro que vai passando. b) “E aí, ô meu! Como vai essa força?” - um jovem que fala para um amigo. c) “Só um instante, por favor. Eu gostaria de fazer uma observação” - alguém comenta em uma reunião de trabalho. d) “Venho manifestar meu interesse em candidatar-me ao cargo de Secretária Executiva desta conceituada empresa” - alguém que escreve uma carta candidatando-se a um emprego. e) “Porque se a gente não resolve as coisas como têm que ser, a gente corre o risco de termos, num futuro próximo, muito pouca comida nos lares brasileiros” - um professor universitário em um congresso internacional. Nesta questão o processo mental é mais simples, e sua habilidade consiste em relacionar seu conhecimento da linguagem formal com a modalidade culta da língua, ou seja, entender a mesma expressão em dialetos diferentes. 3.(ENEM) O texto mostra uma situação em que a linguagem usada é inadequada ao contexto. Considerando as diferenças entre língua oral e língua escrita, assinale a opção que representa também uma inadequação da linguagem usada ao contexto: **as análises apresentadas nesta página são reproduzidas de publicação do Prof. Cid Ottoni Bylaard, em vestibular1.com.br
  • 10. “somente a prática da leitura com método irá consolidar esse processo em sua mente, tornando-o um leitor cada vez melhor. Você sempre será hoje um leitor melhor do que o de ontem, e amanhã um leitor melhor do que o de hoje.” Prof. Cid Ottoni Bylaard (publicado em vestibular 1.com.br)
  • 11. redução contradição extrapolação não relacionar as ideias do texto àquilo que “se conhece no mundo.” depreender a ideia contrária da afirmada no texto afirmar algo não contido no texto.
  • 12. texto 1 A coisa mais injusta sobre a vida é a maneira como ela termina. Eu acho que o verdadeiro ciclo da vida está todo de trás pra frente. Nós deveríamos morrer primeiro, se livrar logo disso. Daí, viver num asilo até ser chutado pra fora de lá por estar muito novo. Ganhar um relógio de ouro e ir trabalhar. Então você trabalha 40 anos até ficar novo o bastante para poder aproveitar sua aposentadoria. Aí você curte tudo, bebe bastante, dá festas e se prepara pra faculdade. Você vai pro colégio, tem várias namoradas, vira criança, não tem nenhuma responsabilidade, se torna um bebezinho de colo, volta pro útero da mãe, passa seus últimos nove meses de vida flutuando... E termina tudo com um ótimo orgasmo!! Não seria perfeito? (CHAPLIN, Charles) As questões a seguir foram propostas pelo Prof. Lincoln Moura
  • 13. 1. No texto, o autor: a) parte do princípio que o ócio/prazer deveria ser o fim último da vida. b) parte do princípio que a vida deveria ser só ócio/prazer. c) parte do princípio que a vida não se encerra com a morte. d) parte do princípio que todos têm direito à vida. e) parte do princípio que somos responsáveis por aquilo que cativamos. 2. O autor é reconhecido mundialmente por: a) sua obra cinematográfica. b) suas pinturas soberbamente avaliadas, juntamente com sua obra cinematográfica. c) seus romances e contos. d) suas fotografias e esculturas. e) suas invenções que transformaram o cinema. Respostas-1A2A
  • 14. a) De tudo o que era nego torto Do mangue e do cais do porto Ela já foi namorada É a rainha dos detentos Dos cegos, dos lazarentos Dos moleques do internato (Chico Buarque) b) De repente me lembro do verde A cor do verde é a mais verde que existe A cor mais alegre, a cor mais triste O verde que vestes, o verde que vestiste No dia em que te vi, no dia em que... me viste (Caetano Veloso) c) A gente não quer só comida A gente quer bebida, diversão e arte A gente não quer só comida, a gente quer saída Para qualquer parte A gente não quer só dinheiro A gente quer dinheiro e quer fazer amor (Titãs) 3. O fragmento que melhor interage com o texto é: d) Vou apertar, mas não vou acender agora Vou apertar, mas não vou acender agora Se segura malandro, pra fazer a cabeça tem hora (Bezerra da Silva) e) Aquele preto, tão preto Com aquela barba branca, tão preta E aquele olhar tão meigo, de quem espera ganhar um sorriso incolor (Secos & Molhados) Resposta3C
  • 15. Um enigmático sorriso A Monalisa e seu enigmático sorriso foi inspirada em uma modelo viva, Lisa Gherardini, terceira esposa de um rico mercador florentino, Francesco del Giocondo, dezenove anos mais velho. Francesco encomendou um retrato da mulher para pendurá-lo na sala de jantar. Lisa começou a posar em 1503. Leonardo da Vinci (1452 1519) levou quatro anos fazendo o trabalho e jamais chegou a conclui- lo como desejava. É que Francesco ficou impaciente com a demora, proibiu sua mulher de continuar posando e não pagou pela obra. O rei francês Francisco I comprou o quadro para decorar o seu banheiro e pagou o equivalente a 15,3 quilos de ouro. Um crítico de arte, em 1568, escreveu: "Enquanto pintava o retrato dela, Leonardo contratou pessoas que cantavam e tocavam para manterem-na alegre, eliminando aquela ponta de melancolia que o fato de posar acarreta". Alguns estudiosos dizem que Monalisa poderia ser Constanza d'Avalos, amante de Giuliano de Medici. Há também quem sustente que Leonardo da Vinci teria pintado um quadro de Monalisa nua. O quadro e os esboços nunca foram encontrados. Monalisa não tinha sobrancelhas. Era moda na Renascença raspá-las. (Marcelo Duarte, in O Guia dos Curiosos)
  • 16. 4.Segundo o texto, há discordância quanto: a) à nacionalidade da Monalisa b) ao autor da obra c) à ausência de sobrancelhas na Monalisa d) à identificação da Monalisa e) à contratação de músicos e cantores para distraírem a modelo. 5. De acordo com o texto, pode-se afirmar: a) Monalisa posou nua, mas o quadro nunca foi encontrado. b) Leonardo da Vinci não recebeu pagamento pelo quadro. c) Para da Vinci, o quadro não era perfeito. d) A Monalisa é uma importante obra da juventude de Leonardo da Vinci. e) Conquanto houvesse grande demora, Francesco del Giocondo impediu a mulher de continuar posando. 6. A palavra do texto que apresenta erro de acentuação gráfica é: a) enigmático b) pendurá-lo c) conclui-lo d) Há e) raspá-las Respostas4D5E6C
  • 17. Fontes http://www.portrasdasletras.com.br/pdtl ... lertextos2 JURISWAY www.jurisway.org.br PUC MINAS http://portal.pucminas.br/vestibular/2016-02/documentos/programa_interior.pdf FUVEST – Manual do Candidato 2017 http://www.fuvest.br/vest2017/manual/fuvest.2017.manual.pdf UNICAMP – Manual do Candidato 2017 https://www.comvest.unicamp.br/vest2017/download/manual2017.pdf BYLAARD, Cid Ottoni. Disponível em www.vestibular1.com.br MOURA, Lincoln. Disponível em: http://docplayer.com.br/29452863-Portugues-questoes-01-a-10-prof-lincoln-moura- texto-1.html Pesquisa, organização e layout Profa. Cláudia Heloísa Cunha Andria contato: clauheloisa@yahoo.com.br