O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×

Aula 2 - Alejandra Devecchi

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Próximos SlideShares
Aula 1 - Violêta Kubrusly
Aula 1 - Violêta Kubrusly
Carregando em…3
×

Confira estes a seguir

1 de 126 Anúncio

Aula 2 - Alejandra Devecchi

Baixar para ler offline

"Sustentabilidade e desenvolvimento urbano: integração das políticas habitacional e ambiental"

Módulo 3: Planejamento Urbano e regularização fundiária

Disciplina 1: Legislação urbanística e ambiental no Brasil, o desafio de articulação em nome da recuperação urbana em bairros precários.

"Sustentabilidade e desenvolvimento urbano: integração das políticas habitacional e ambiental"

Módulo 3: Planejamento Urbano e regularização fundiária

Disciplina 1: Legislação urbanística e ambiental no Brasil, o desafio de articulação em nome da recuperação urbana em bairros precários.

Anúncio
Anúncio

Mais Conteúdo rRelacionado

Diapositivos para si (20)

Semelhante a Aula 2 - Alejandra Devecchi (20)

Anúncio

Mais de Habitação e Cidade (20)

Mais recentes (20)

Anúncio

Aula 2 - Alejandra Devecchi

  1. 1. Sustentabilidade e desenvolvimento urbano: integração das políticas habitacional e ambiental Dra. Alejandra Maria Devecchi
  2. 2. • Os principais desafios das metrópoles brasileiras são: – Dissociação espacial da localização dos empregos e da moradia; – Concentração dos empregos nas áreas centrais com densidades da ordem de 1.000 emp/ha; – Dispersão da população com baixas densidades demográficas inferiores a 100 Hab/ha; – Deslocamentos diários longos e graves congestionamentos de veículos;
  3. 3. 1. Dissociação espacial da localização dos empregos e da moradia.
  4. 4. 2. Concentração dos empregos nas áreas centrais com densidades da ordem de 1.000 emp/ha.
  5. 5. 3. Dispersão da população com baixas densidades demográficas inferiores a 100 Hab/há.
  6. 6. 1980
  7. 7. Expansão urbana indiscriminada, invadindo as áreas prestadoras de serviços ambientais. 1990
  8. 8. Expansão urbana indiscriminada, invadindo as áreas prestadoras de serviços ambientais. 2.000
  9. 9. Expansão urbana indiscriminada, invadindo as áreas prestadoras de serviços ambientais. 2.010
  10. 10. Expansão urbana indiscriminada, invadindo as áreas prestadoras de serviços ambientais. 2.015
  11. 11. • Maior crescimento ocorreu no período de 1990 – 2000 (Taxa de 4,71% a.a.) • Incremento da mancha urbana 1990- 2010 de 724 km2 ( mancha urbana da PMSP) • Crescimento populacional na RMSP (1990 – 2010): 19%; • Crescimento da mancha urbana na área do projeto: 68%  Indicativo de dispersão populacional e desadensamento Considerações Entre 1990 e 2010, 13,79% do incremento da mancha urbana ocorreu sobre Áreas de Proteção aos Mananciais, o equivalente a 100 km², e 1,63% (11,79 km²) ocorreu sobre áreas de alta declividade (> 30%).
  12. 12. • Como planejar uma metrópole sustentável? • Como controlar o constante processo de expansão urbana sobre as áreas de preservação ambiental? • Como reduzir os constantes deslocamentos casa- trabalho que são responsáveis por 70% dos gases de efeito estufa? • Quais seriam as densidades demográficas mínimas adequadas para compactação da cidade?
  13. 13. Política ambiental • Implementada em dois eixos: • 1.Macrozona de Proteção Ambiental: reconhecimento do valor dos serviços ambientais presentes no território do município através da viabilização de instrumentos de compensação financeira; • 2. Macrozona de Estruturação Urbana: reconhecimento dos recursos hídricos como elementos de estruturação urbana com indicação de usos adequados para sua recuperação e conservação através da implementação dos parques lineares como base de uma política de provisão de áreas verdes. •
  14. 14. Estoque de Terras Públicas • Não existe frente de expansão territorial para abertura de novos loteamentos; • Não há reserva de área pública para o desenvolvimento de novos parques; • Nos anos 60, o trabalho da prof. Magnoli e prof. Kliass identificaram 3.260 espaços livres com 2.670 ha dos quais apenas 210 tratados; • Há uma necessidade de provisão de áreas verdes públicas para a criação de novos parques.
  15. 15. • o Plano Diretor apresenta um plano de obras com um universo de 400 parques, a maior parte deles em área privada
  16. 16. Particularidades do ecossistema urbano • áreas prestadoras de serviços ambientais principalmente concentradas na Macrozona de Proteção Ambiental no extremo norte, no extremo sul e no extremo leste. • profusão de áreas de fundo de vale associadas a corpos d´água e que prestam um serviço de regulação da drenagem urbana
  17. 17. Hidrografia_A3.pdf O DESAFIO
  18. 18. • Em janeiro de 2008, a Prefeitura do Município de São Paulo, por meio de sua Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente, lançou o Programa 100 Parques para São Paulo, no qual se insere o Programa de Parques Lineares.
  19. 19. Calcado nas diretrizes do Plano Diretor Estratégico, o Programa 100 Parques para São Paulo trata da expansão de áreas verdes com os seguintes objetivos: a) garantir a existência de um parque por sub- prefeitura; b) construir um banco de terras públicas prestadoras de serviços ambientais; c) iniciar um plano de adaptação ao novo cenário de mudanças climáticas.
  20. 20. O MSP APRESENTAVA HOJE APROXIMADAMENTE 15% DO SEU TERRITÓRIO GRAFADO COMO ÁREAS DE UTILIDADE PÚBLICA ( 212.000.000 M2). O VALOR MÉDIO DAS ÁREAS MAIS PERIFÉRICAS GIRA EM TORNO DOS R$ 5/ m2, EXIGINDO UM INVESTIMENTO GLOBAL DE R$ 300.000.000.
  21. 21. Onde?
  22. 22. Onde? a) Borda da Cantareira
  23. 23. NORTE – LANDSAT
  24. 24. Onde? a) Borda da Cantareira b) Billings e Guarapiranga
  25. 25. SUL1 – LANDSAT
  26. 26. Onde? a) Borda da Cantareira b) Billings e Guarapiranga c) Nascentes do Aricanduva
  27. 27. LESTE – LANDSAT
  28. 28. Como? 1) Identificação de projetos estratégicos de Parques Lineares; 2) Identificação de áreas produtoras de água através de assinatura de convênio com a Sabesp; 3) Identificação de oportunidades de implementação conjunta com outras secretarias, especialmente a secretaria de habitação.
  29. 29. PARQUE LINEAR CANIVETE 1ª FASE- EMBRIÃO PARQUE BRASILÂNDI A(PROPOSTA ) PERÍMETRO DO PARQUE LINEAR CANIVETE PARQUE ESTADUAL DA CANTAREIR A 2ª FASE CDHU BRASILÂND IA (ÁREAS VERDES) PARQUE LINEAR BANANAL PARQUE LINEAR DO BISPO PISCINÃO
  30. 30. Parque Várzea do Tietê
  31. 31. PARQUE LINEAR DO FOGO
  32. 32. PARQUE LINEAR DO IPIRANGUINHA
  33. 33. PARQUE LINEAR ÁGUA VERMELHA Limit of the Park - 1º stage‘ Stream‘ Foreseen limit of the Park - 2º stage‘ Av.MarechalTito Av. Euc. Fonseca R. Osório Franco Vilhena
  34. 34. PARQUE LINEAR ÁGUA VERMELHA
  35. 35. PARQUE LINEAR PARELHEIROS
  36. 36. PARQUE LINEAR PARELHEIROS
  37. 37. PARQUE LINEAR DO BISPO Campo do Peixinho Fazendinha Loteamento IMOBEL Área Particular Invadida Área Municipal Invadida
  38. 38. PARQUE LINEAR DO BISPO
  39. 39. PARQUE LINEAR DO BISPO
  40. 40. PARQUE LINEAR DO BISPO
  41. 41. FAZENDINHA´S PICTURES- CHURCH
  42. 42. FAZENDINHA´S PICTURES- LAKE
  43. 43. PARQUE LINEAR PERUS
  44. 44. PARQUE LINEAR RIBEIRÃO COCAIA LIMIT OF THE PARK STREAM / LAKE PERIMETER OF THE OF PUBLIC UTILITY DECREE EMAE LIMIT
  45. 45. PARQUE LINEAR RIBEIRÃO COCAIA Núcleo E Núcleo D Núcleo B Núcleo A Núcleo C Núcleo F LIMIT OF THE PARK PERIMETER OF THE OF PUBLIC UTILITY DECREE EMAE LIMIT Implantação Geral
  46. 46. C.E.U. FEITIÇODA VILA AV1 AV3 AV2 EMEF FAIXA PARA ALARGAMENTO DA ESTRADA CANALIZADO Characterization PARQUE LINEAR FEITIÇO DA VILA
  47. 47. PARQUE LINEAR FEITIÇO DA VILA Preliminary Study 1 2 2 3 3 2 3 2 4 4 1 - Mirante 2 – Área de Estar 3 – Playground 4 – Passarela de Madeira 5 – Interligação com CEU 5 Rua Feitiço da Vila CEUEME F
  48. 48. PARQUE LINEAR PARELHEIROS
  49. 49. PARQUE LINEAR PARELHEIROS BEFORE AFTER
  50. 50. CEU Jambeiro Rua Benedito L. D´Avila Parque Linear Ribeirão GuaratibaEstrada Itaquera Guaianases Rua Salvador Gianetti Parque Linear Ribeirão Guaratiba Córrego Itaquera Córrego Itaquera-Mirim Córrego Ribeirão Guaratiba Divisa de Itaquera / Guaianases PARQUE LINEAR RIBEIRÃO GUARATIBA
  51. 51. Implantação Geral Núcleo 2 Núcleo 3 Núcleo 5 Núcleo 6 Núcleo 7 Núcleo 8 Núcleo 1 Núcleo 9 PARQUE LINEAR RIBEIRÃO CAULIM
  52. 52. Características PARQUE LINEAR MONGAGUÁ
  53. 53. PARQUE LINEAR RIO VERDE Sub-bacia do Rio Verde Fase 1 Proposta p/ Fase 2 • Nascente: Pq. do Carmo • Foz: córrego Jacú
  54. 54. Etapa 1 - Obra de Gabion Concluded Before After AREA 5 – Rua José Cerqueira Bastos PARQUE LINEAR DO SAPÉ
  55. 55. PARQUE LINEAR DO SAPÉ BEFORE AFTER AREA 5 – Area of pluvial retention / storage
  56. 56. Etapa 2 – A5 in progress BEFORE AFTER Rua José Cerqueira Bastos PARQUE LINEAR DO SAPÉ
  57. 57. PARQUE LINEAR JABOTICABAL Remaining area next to the right side of the marginal da via anchieta Jaboticabal Stream - Embocadura da Travessia sob a Via Anchieta / Rua Góes Raposo a esquerda
  58. 58. Córrego Jaboticabal / Rua Góes Raposo a direita Córrego Jaboticabal / Rua Cachoeira Dourada aos fundos PARQUE LINEAR JABOTICABAL
  59. 59. Rua Góes Raposo aos fundos Rua Cachoeira Dourada a direita PARQUE LINEAR JABOTICABAL
  60. 60. Vista da Rua Manuel Salgado a jusante Rua Manuel Salgado a jusante PARQUE LINEAR JABOTICABAL
  61. 61. Parque Linear do Canivete
  62. 62. OCUPAÇÕES IRREGULARES REMOVIDAS
  63. 63. PARQUE LINEAR PROPOSTO
  64. 64. • Desafios • A implementação de um programa de provisão de áreas verdes exige uma articulação intersecretarial; • Novos arranjos institucionais para a gestão do sistema de áreas verdes; • Participação da comunidade na sua concepção para garantir a sua implementação.
  65. 65. • Sem dúvida trata-se de um desafio que exige uma reflexão coletiva sobre o projeto de município que a sociedade paulistana do começo do século XXI deseja consolidar.

×