SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
Artes
Ensino Médio
Tema da aula:
O Surgimento da Linguagem Cinematográfica
CEFET-RJ - Coordenação de Artes
Na aula passada...
CEFET-RJ - Coordenação de Artes
Na aula passada...
CEFET-RJ - Coordenação de Artes
Louis e Auguste Lumière
Georges Mèliès
Nickelodeons
CEFET-RJ - Coordenação de Artes
Odeion = teatro coberto
Exibiam filmes cuja duração variava
entre os quinze e os vinte minutos, com
uma grande variedade de estilos e
temas: narrativas curtas, "scenics"
(imagens de todo o mundo),
“atualidades" (que precederiam
os documentários),
comédias, melodramas,
sequências stop motion, eventos
desportivos (por exemplo, o
campeonato de pesos pesados Corbett-
Fitzsimmons de 1897 ou o combate
entre Jeffries-Sharkey, de 1899) e outros
espetáculos que lhes permitiam.
competir com as casas de vaudeville
Nickelodeons
CEFET-RJ - Coordenação de Artes
Nickelodeons
CEFET-RJ - Coordenação de Artes
Thomas Alva Edison (1847-1931)
Detentor de várias patentes: fonógrafo,
lâmpada elétrica, cinematógrafo, cinescópio,
cinefone, vitascópio...
CEFET-RJ - Coordenação de Artes
Empresa produtora de filmes, propriedade do
inventor Thomas Edison. O estúdio de cinema
foi responsável por 1.200 filmes pela “Edison
Manufacturing Company” (1894 -1911) e pela
“Thomas A. Edison, Inc.” (1911-1918), até o seu
fechamento em 1918. Desse montante, 54
foram longa-metragens e o restante filmes
curtos.
CEFET-RJ - Coordenação de Artes
A primeira unidade de produção, a Edison's
Black Maria Studios, em Nova Jersey, foi
construída em 1892-1893. A segunda unidade,
um estúdio com telhado de vidro, foi
construído no distrito de entretenimento
de Manhattan, e inaugurado em 1901. Em
1907, Edison teve suas novas instalações
construídas no Bronx, NY.
Edison Studios
The Great Train Robbery, 1903
The Little Train Robbery, 1905
Edwin Stanton Porter, Edison Studios
CEFET-RJ - Coordenação de Artes
Dave Wark Griffith (1875-1948)
Considerado o pai da linguagem cinematográfica
Inovações:
Filme de longa metragem
Desenvolvimento da narrativa
montagem paralela
Elementos da maneira "primitiva" de fazer cinema:
atuação frontal, gestos exagerados, movimentos de
câmera mínimos, ausência de câmera subjetiva.
O Nascimento de uma Nação, 1915
Intolerância, 1916
CEFET-RJ - Coordenação de Artes
Início do pólo da industria audiovisual
Década de 1910
Hollywood (Los Angeles, Califórnia, EUA)
CEFET-RJ - Coordenação de Artes
O Nascimento de uma Nação, 1915
Orçamento: US$ 30 mil
CEFET-RJ - Coordenação de Artes
Piratas do Caribe - No Fim do Mundo, 2007
Orçamento: US$ 300 milhões
Faturamento mundial: US$ 963 milhões
Deadpool, 2016
Orçamento: US$ 58 milhões
Faturamento na estréia mundial:
US$ 260.174.858,00
Elementos da linguagem
cinematográfica:
Plano – Montagem
Escala de planos
Montagem paralela
Narrativa Clássica
CEFET-RJ - Coordenação de Artes
Plano
Escala de planos
Movimentos de câmera
CEFET-RJ - Coordenação de Artes
Plano geral
CEFET-RJ - Coordenação de Artes
Plano americano
CEFET-RJ - Coordenação de Artes
Plano médio
CEFET-RJ - Coordenação de Artes
Primeiro plano
CEFET-RJ - Coordenação de Artes
Primeiríssimo plano
CEFET-RJ - Coordenação de Artes
Movimentos de câmera
Travelling
Panorâmica (pan)
Tilt
Plongée
Zoom
CEFET-RJ - Coordenação de Artes
ESTRUTURA DA NARRATIVA CLÁSSICA
Início: Personagem e objetivo (1º.ato)
Geralmente no início de algum filme os personagens principais são apresentados e
contextualizados. São apresentadas características físicas, psicológicas e sociais. Com
algumas definições, já é possível vislumbrar os objetivos de cada personagem, coerentes
com suas personalidades, em relação a história contada no filme. Eles podem permanecer
os mesmos até o final ou serem alterados de acordo com a trajetória da história.
Meio: Obstáculo (2º.ato)
Os obstáculos que impedem a concretização de objetivos específicos são apresentados como
forma de entreter e prender a atenção do espectador. Justifica a razão de existir do filme.
São os obstáculos que promovem e justificam as ações dos personagens de acordo com
seus objetivos.
Fim: Solução (3º.ato)
Após os obstáculos serem apresentados, a solução para cada um deles é apresentada.
É o final do filme, que mostra se a solução foi concretizada. Filmes clássicos geralmente
terminam com finais felizes.
CEFET-RJ - Coordenação de Artes
O Surgimento da Linguagem Cinematográfica (resumo)
Jogos óticos (séc.XIX)
-Flipbook, folioscópio, praxinoscópio, etc
Eadward Muybridge (1872)
- Captura do movimento, zoopraxiscópio
Irmãos Lumière
- Invenção do cinema (ritual)
Georges Meliès
- Ficção científica, efeitos especiais
CEFET-RJ Campus Maria da Graça
Thomas Edison
- Edison Studios
- Edwin Stanton Porter
Dave W. Griffith
- Filmes de longa metragem
- Pai da linguagem audiovisual
Elementos da linguagem audiovisual
- Plano e montagem
Narrativa clássica
- Três atos (início, meio e fim)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Para Compreender o Auto da Barca do Inferno
Para Compreender o Auto da Barca do InfernoPara Compreender o Auto da Barca do Inferno
Para Compreender o Auto da Barca do InfernoJú Barbosa
 
Alto barca do inferno auto da moralidade
Alto barca do inferno  auto da moralidadeAlto barca do inferno  auto da moralidade
Alto barca do inferno auto da moralidadewatilde
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do infernoSonia Ramos
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do infernoVanda Marques
 
Português
PortuguêsPortuguês
Portuguêspoypoymc
 
Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente
Auto da Barca do Inferno, de Gil VicenteAuto da Barca do Inferno, de Gil Vicente
Auto da Barca do Inferno, de Gil VicenteLurdes Augusto
 
Auto da-barca-do-inferno
Auto da-barca-do-inferno Auto da-barca-do-inferno
Auto da-barca-do-inferno Diógenes Zigar
 
Auto+da+barca+do+inferno power point (4)
Auto+da+barca+do+inferno power point (4)Auto+da+barca+do+inferno power point (4)
Auto+da+barca+do+inferno power point (4)DavidMonteiro65
 
Questões fechadas sobre auto da barca do inferno
Questões fechadas sobre auto da barca do infernoQuestões fechadas sobre auto da barca do inferno
Questões fechadas sobre auto da barca do infernoma.no.el.ne.ves
 
Parâmetros de um texto
Parâmetros de um textoParâmetros de um texto
Parâmetros de um textoJoyce Micielle
 
Desenvolvimento de Figurino
Desenvolvimento de FigurinoDesenvolvimento de Figurino
Desenvolvimento de FigurinoNara Rolim
 
Cena do fidalgo (1) (1)
Cena do fidalgo (1) (1)Cena do fidalgo (1) (1)
Cena do fidalgo (1) (1)inesislinda
 

Mais procurados (18)

Cena inicial
Cena inicialCena inicial
Cena inicial
 
Ortografia
OrtografiaOrtografia
Ortografia
 
Para Compreender o Auto da Barca do Inferno
Para Compreender o Auto da Barca do InfernoPara Compreender o Auto da Barca do Inferno
Para Compreender o Auto da Barca do Inferno
 
Alto barca do inferno auto da moralidade
Alto barca do inferno  auto da moralidadeAlto barca do inferno  auto da moralidade
Alto barca do inferno auto da moralidade
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
 
Português
PortuguêsPortuguês
Português
 
Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente
Auto da Barca do Inferno, de Gil VicenteAuto da Barca do Inferno, de Gil Vicente
Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente
 
Temática E Estrutura
Temática E EstruturaTemática E Estrutura
Temática E Estrutura
 
Auto da-barca-do-inferno
Auto da-barca-do-inferno Auto da-barca-do-inferno
Auto da-barca-do-inferno
 
Literatura e curtas
Literatura e curtasLiteratura e curtas
Literatura e curtas
 
Auto+da+barca+do+inferno power point (4)
Auto+da+barca+do+inferno power point (4)Auto+da+barca+do+inferno power point (4)
Auto+da+barca+do+inferno power point (4)
 
Auto da barca do inferno ppt bom
Auto da barca do inferno ppt bomAuto da barca do inferno ppt bom
Auto da barca do inferno ppt bom
 
Questões fechadas sobre auto da barca do inferno
Questões fechadas sobre auto da barca do infernoQuestões fechadas sobre auto da barca do inferno
Questões fechadas sobre auto da barca do inferno
 
Auto da Barca do Inferno
Auto da Barca do InfernoAuto da Barca do Inferno
Auto da Barca do Inferno
 
Parâmetros de um texto
Parâmetros de um textoParâmetros de um texto
Parâmetros de um texto
 
Desenvolvimento de Figurino
Desenvolvimento de FigurinoDesenvolvimento de Figurino
Desenvolvimento de Figurino
 
Cena do fidalgo (1) (1)
Cena do fidalgo (1) (1)Cena do fidalgo (1) (1)
Cena do fidalgo (1) (1)
 

Semelhante a O Surgimento da Linguagem Cinematográfica

Aula 10 EdiçãO Rev2[1]
Aula 10 EdiçãO Rev2[1]Aula 10 EdiçãO Rev2[1]
Aula 10 EdiçãO Rev2[1]videoparatodos
 
Cinema transform(ação) ppt1 introdução.pptx
Cinema transform(ação) ppt1 introdução.pptxCinema transform(ação) ppt1 introdução.pptx
Cinema transform(ação) ppt1 introdução.pptxCarolinaMagalhes54
 
história_cinema
história_cinemahistória_cinema
história_cinemaladybru
 
História do Cinema
História do CinemaHistória do Cinema
História do CinemaFilipe Leal
 
Cinema, o mundo em movimento
Cinema, o mundo em movimentoCinema, o mundo em movimento
Cinema, o mundo em movimentolorers
 
Neto a emergencia da fotografia e do cinema
Neto   a emergencia da fotografia e do cinemaNeto   a emergencia da fotografia e do cinema
Neto a emergencia da fotografia e do cinemaPedro Pereira Neto
 
Cinema, filosofia e sociedade.pptx
Cinema, filosofia e sociedade.pptx   Cinema, filosofia e sociedade.pptx
Cinema, filosofia e sociedade.pptx gabiimedeiros
 
Alexander Sokurov
Alexander Sokurov Alexander Sokurov
Alexander Sokurov Maria João
 
CAP 3. Cinema e o registro do movimento 2021.pptx
CAP 3. Cinema e o registro do movimento 2021.pptxCAP 3. Cinema e o registro do movimento 2021.pptx
CAP 3. Cinema e o registro do movimento 2021.pptxTATE9
 
Cinema, música e teatro atualizada em 2022.pptx
Cinema, música e teatro atualizada em 2022.pptxCinema, música e teatro atualizada em 2022.pptx
Cinema, música e teatro atualizada em 2022.pptxCrisBiagio
 
Oficina teoria
Oficina teoriaOficina teoria
Oficina teoriaatovirtual
 
Componente Curricular Eletiva HUMANASEDUCAODIGITAL.pdf
Componente Curricular Eletiva HUMANASEDUCAODIGITAL.pdfComponente Curricular Eletiva HUMANASEDUCAODIGITAL.pdf
Componente Curricular Eletiva HUMANASEDUCAODIGITAL.pdfPauloPaulo83
 

Semelhante a O Surgimento da Linguagem Cinematográfica (20)

Aula 10 EdiçãO Rev2[1]
Aula 10 EdiçãO Rev2[1]Aula 10 EdiçãO Rev2[1]
Aula 10 EdiçãO Rev2[1]
 
Slides
SlidesSlides
Slides
 
Cinema transform(ação) ppt1 introdução.pptx
Cinema transform(ação) ppt1 introdução.pptxCinema transform(ação) ppt1 introdução.pptx
Cinema transform(ação) ppt1 introdução.pptx
 
Origem cinema
Origem cinemaOrigem cinema
Origem cinema
 
Teoria editado2
Teoria editado2Teoria editado2
Teoria editado2
 
curso de animacao 2d Senac-George Alberto
curso de animacao 2d Senac-George Albertocurso de animacao 2d Senac-George Alberto
curso de animacao 2d Senac-George Alberto
 
história_cinema
história_cinemahistória_cinema
história_cinema
 
História do Cinema
História do CinemaHistória do Cinema
História do Cinema
 
Cinema, o mundo em movimento
Cinema, o mundo em movimentoCinema, o mundo em movimento
Cinema, o mundo em movimento
 
Neto a emergencia da fotografia e do cinema
Neto   a emergencia da fotografia e do cinemaNeto   a emergencia da fotografia e do cinema
Neto a emergencia da fotografia e do cinema
 
Cinema, filosofia e sociedade.pptx
Cinema, filosofia e sociedade.pptx   Cinema, filosofia e sociedade.pptx
Cinema, filosofia e sociedade.pptx
 
Alexander Sokurov
Alexander Sokurov Alexander Sokurov
Alexander Sokurov
 
Historia do cinema
Historia do cinema Historia do cinema
Historia do cinema
 
CAP 3. Cinema e o registro do movimento 2021.pptx
CAP 3. Cinema e o registro do movimento 2021.pptxCAP 3. Cinema e o registro do movimento 2021.pptx
CAP 3. Cinema e o registro do movimento 2021.pptx
 
Cinema, música e teatro atualizada em 2022.pptx
Cinema, música e teatro atualizada em 2022.pptxCinema, música e teatro atualizada em 2022.pptx
Cinema, música e teatro atualizada em 2022.pptx
 
História do cinema
História do cinemaHistória do cinema
História do cinema
 
Oficina teoria
Oficina teoriaOficina teoria
Oficina teoria
 
Evolução do Cinema
Evolução do CinemaEvolução do Cinema
Evolução do Cinema
 
Componente Curricular Eletiva HUMANASEDUCAODIGITAL.pdf
Componente Curricular Eletiva HUMANASEDUCAODIGITAL.pdfComponente Curricular Eletiva HUMANASEDUCAODIGITAL.pdf
Componente Curricular Eletiva HUMANASEDUCAODIGITAL.pdf
 
Cinema
CinemaCinema
Cinema
 

Mais de Luciano Dias

Parâmetros do Som
Parâmetros do SomParâmetros do Som
Parâmetros do SomLuciano Dias
 
Arte Moderna - Vanguardas
Arte Moderna - VanguardasArte Moderna - Vanguardas
Arte Moderna - VanguardasLuciano Dias
 
Arte Contemporânea
Arte ContemporâneaArte Contemporânea
Arte ContemporâneaLuciano Dias
 
Roteiro de Documentário
Roteiro de DocumentárioRoteiro de Documentário
Roteiro de DocumentárioLuciano Dias
 
Arte Barroca na Europa
Arte Barroca na EuropaArte Barroca na Europa
Arte Barroca na EuropaLuciano Dias
 
Arte Colonial Brasileira
Arte Colonial BrasileiraArte Colonial Brasileira
Arte Colonial BrasileiraLuciano Dias
 
Literatura de Cordel (parte 2 - Gravura)
Literatura de Cordel (parte 2 - Gravura)Literatura de Cordel (parte 2 - Gravura)
Literatura de Cordel (parte 2 - Gravura)Luciano Dias
 
Tipos de Documentários
Tipos de DocumentáriosTipos de Documentários
Tipos de DocumentáriosLuciano Dias
 
Oficina de Audiovisual CEFET-RJ (3)
Oficina de Audiovisual CEFET-RJ (3)Oficina de Audiovisual CEFET-RJ (3)
Oficina de Audiovisual CEFET-RJ (3)Luciano Dias
 
Oficina de Audiovisual CEFET-RJ
Oficina de Audiovisual CEFET-RJOficina de Audiovisual CEFET-RJ
Oficina de Audiovisual CEFET-RJLuciano Dias
 
Literatura de Cordel
Literatura de CordelLiteratura de Cordel
Literatura de CordelLuciano Dias
 
Perspectiva Linear
Perspectiva LinearPerspectiva Linear
Perspectiva LinearLuciano Dias
 
Montagem e Edição de Vídeo
Montagem e Edição de VídeoMontagem e Edição de Vídeo
Montagem e Edição de VídeoLuciano Dias
 
Operação de Câmera de Vídeo
Operação de Câmera de VídeoOperação de Câmera de Vídeo
Operação de Câmera de VídeoLuciano Dias
 
Arte Moderna - Cubismo
Arte Moderna - CubismoArte Moderna - Cubismo
Arte Moderna - CubismoLuciano Dias
 
Equipes e Fases da Produção Audiovisual
Equipes e Fases da Produção AudiovisualEquipes e Fases da Produção Audiovisual
Equipes e Fases da Produção AudiovisualLuciano Dias
 
Roteiro Audiovisual
Roteiro AudiovisualRoteiro Audiovisual
Roteiro AudiovisualLuciano Dias
 

Mais de Luciano Dias (20)

Parâmetros do Som
Parâmetros do SomParâmetros do Som
Parâmetros do Som
 
Arte Moderna - Vanguardas
Arte Moderna - VanguardasArte Moderna - Vanguardas
Arte Moderna - Vanguardas
 
Arte Contemporânea
Arte ContemporâneaArte Contemporânea
Arte Contemporânea
 
Roteiro de Documentário
Roteiro de DocumentárioRoteiro de Documentário
Roteiro de Documentário
 
Arte Barroca na Europa
Arte Barroca na EuropaArte Barroca na Europa
Arte Barroca na Europa
 
Arte Colonial Brasileira
Arte Colonial BrasileiraArte Colonial Brasileira
Arte Colonial Brasileira
 
Literatura de Cordel (parte 2 - Gravura)
Literatura de Cordel (parte 2 - Gravura)Literatura de Cordel (parte 2 - Gravura)
Literatura de Cordel (parte 2 - Gravura)
 
Tipos de Documentários
Tipos de DocumentáriosTipos de Documentários
Tipos de Documentários
 
Oficina de Audiovisual CEFET-RJ (3)
Oficina de Audiovisual CEFET-RJ (3)Oficina de Audiovisual CEFET-RJ (3)
Oficina de Audiovisual CEFET-RJ (3)
 
Oficina de Audiovisual CEFET-RJ
Oficina de Audiovisual CEFET-RJOficina de Audiovisual CEFET-RJ
Oficina de Audiovisual CEFET-RJ
 
Literatura de Cordel
Literatura de CordelLiteratura de Cordel
Literatura de Cordel
 
Teoria das Cores
Teoria das CoresTeoria das Cores
Teoria das Cores
 
Design: Bauhaus
Design: BauhausDesign: Bauhaus
Design: Bauhaus
 
Perspectiva Linear
Perspectiva LinearPerspectiva Linear
Perspectiva Linear
 
Iconografia
IconografiaIconografia
Iconografia
 
Montagem e Edição de Vídeo
Montagem e Edição de VídeoMontagem e Edição de Vídeo
Montagem e Edição de Vídeo
 
Operação de Câmera de Vídeo
Operação de Câmera de VídeoOperação de Câmera de Vídeo
Operação de Câmera de Vídeo
 
Arte Moderna - Cubismo
Arte Moderna - CubismoArte Moderna - Cubismo
Arte Moderna - Cubismo
 
Equipes e Fases da Produção Audiovisual
Equipes e Fases da Produção AudiovisualEquipes e Fases da Produção Audiovisual
Equipes e Fases da Produção Audiovisual
 
Roteiro Audiovisual
Roteiro AudiovisualRoteiro Audiovisual
Roteiro Audiovisual
 

Último

Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfandreaLisboa7
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitlerhabiwo1978
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persafelipescherner
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 

Último (20)

Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 

O Surgimento da Linguagem Cinematográfica

  • 1. Artes Ensino Médio Tema da aula: O Surgimento da Linguagem Cinematográfica CEFET-RJ - Coordenação de Artes
  • 2. Na aula passada... CEFET-RJ - Coordenação de Artes
  • 3. Na aula passada... CEFET-RJ - Coordenação de Artes Louis e Auguste Lumière Georges Mèliès
  • 4. Nickelodeons CEFET-RJ - Coordenação de Artes Odeion = teatro coberto Exibiam filmes cuja duração variava entre os quinze e os vinte minutos, com uma grande variedade de estilos e temas: narrativas curtas, "scenics" (imagens de todo o mundo), “atualidades" (que precederiam os documentários), comédias, melodramas, sequências stop motion, eventos desportivos (por exemplo, o campeonato de pesos pesados Corbett- Fitzsimmons de 1897 ou o combate entre Jeffries-Sharkey, de 1899) e outros espetáculos que lhes permitiam. competir com as casas de vaudeville
  • 7. Thomas Alva Edison (1847-1931) Detentor de várias patentes: fonógrafo, lâmpada elétrica, cinematógrafo, cinescópio, cinefone, vitascópio... CEFET-RJ - Coordenação de Artes
  • 8. Empresa produtora de filmes, propriedade do inventor Thomas Edison. O estúdio de cinema foi responsável por 1.200 filmes pela “Edison Manufacturing Company” (1894 -1911) e pela “Thomas A. Edison, Inc.” (1911-1918), até o seu fechamento em 1918. Desse montante, 54 foram longa-metragens e o restante filmes curtos. CEFET-RJ - Coordenação de Artes A primeira unidade de produção, a Edison's Black Maria Studios, em Nova Jersey, foi construída em 1892-1893. A segunda unidade, um estúdio com telhado de vidro, foi construído no distrito de entretenimento de Manhattan, e inaugurado em 1901. Em 1907, Edison teve suas novas instalações construídas no Bronx, NY. Edison Studios
  • 9. The Great Train Robbery, 1903 The Little Train Robbery, 1905 Edwin Stanton Porter, Edison Studios CEFET-RJ - Coordenação de Artes
  • 10. Dave Wark Griffith (1875-1948) Considerado o pai da linguagem cinematográfica Inovações: Filme de longa metragem Desenvolvimento da narrativa montagem paralela Elementos da maneira "primitiva" de fazer cinema: atuação frontal, gestos exagerados, movimentos de câmera mínimos, ausência de câmera subjetiva. O Nascimento de uma Nação, 1915 Intolerância, 1916 CEFET-RJ - Coordenação de Artes
  • 11. Início do pólo da industria audiovisual Década de 1910 Hollywood (Los Angeles, Califórnia, EUA) CEFET-RJ - Coordenação de Artes
  • 12. O Nascimento de uma Nação, 1915 Orçamento: US$ 30 mil CEFET-RJ - Coordenação de Artes Piratas do Caribe - No Fim do Mundo, 2007 Orçamento: US$ 300 milhões Faturamento mundial: US$ 963 milhões Deadpool, 2016 Orçamento: US$ 58 milhões Faturamento na estréia mundial: US$ 260.174.858,00
  • 13. Elementos da linguagem cinematográfica: Plano – Montagem Escala de planos Montagem paralela Narrativa Clássica CEFET-RJ - Coordenação de Artes
  • 14. Plano Escala de planos Movimentos de câmera CEFET-RJ - Coordenação de Artes
  • 15. Plano geral CEFET-RJ - Coordenação de Artes
  • 16. Plano americano CEFET-RJ - Coordenação de Artes
  • 17. Plano médio CEFET-RJ - Coordenação de Artes
  • 18. Primeiro plano CEFET-RJ - Coordenação de Artes
  • 19. Primeiríssimo plano CEFET-RJ - Coordenação de Artes
  • 20. Movimentos de câmera Travelling Panorâmica (pan) Tilt Plongée Zoom CEFET-RJ - Coordenação de Artes
  • 21. ESTRUTURA DA NARRATIVA CLÁSSICA Início: Personagem e objetivo (1º.ato) Geralmente no início de algum filme os personagens principais são apresentados e contextualizados. São apresentadas características físicas, psicológicas e sociais. Com algumas definições, já é possível vislumbrar os objetivos de cada personagem, coerentes com suas personalidades, em relação a história contada no filme. Eles podem permanecer os mesmos até o final ou serem alterados de acordo com a trajetória da história. Meio: Obstáculo (2º.ato) Os obstáculos que impedem a concretização de objetivos específicos são apresentados como forma de entreter e prender a atenção do espectador. Justifica a razão de existir do filme. São os obstáculos que promovem e justificam as ações dos personagens de acordo com seus objetivos. Fim: Solução (3º.ato) Após os obstáculos serem apresentados, a solução para cada um deles é apresentada. É o final do filme, que mostra se a solução foi concretizada. Filmes clássicos geralmente terminam com finais felizes. CEFET-RJ - Coordenação de Artes
  • 22. O Surgimento da Linguagem Cinematográfica (resumo) Jogos óticos (séc.XIX) -Flipbook, folioscópio, praxinoscópio, etc Eadward Muybridge (1872) - Captura do movimento, zoopraxiscópio Irmãos Lumière - Invenção do cinema (ritual) Georges Meliès - Ficção científica, efeitos especiais CEFET-RJ Campus Maria da Graça Thomas Edison - Edison Studios - Edwin Stanton Porter Dave W. Griffith - Filmes de longa metragem - Pai da linguagem audiovisual Elementos da linguagem audiovisual - Plano e montagem Narrativa clássica - Três atos (início, meio e fim)