SlideShare uma empresa Scribd logo
CINEMAMarkETING II - BRUNO POMPEU
Clarissa Misiara e Sthefânia Mafalda - DG5AM
CARACTERÍSTICAS
2
Segmento da
linguagem
audio-visual
Sétima
Arte
Produto (filme)
exibido a
consumidores
(público)
Gêneros
de filmesDrama
Romance
Documentário
Suspense
Comédia
Via
Única
Especificação
de gêneros
Terror
Terror
Sci-fi
CARACTERÍSTICAS
3
Produção
(Emissor)
Filme
(Meio)
Público
(Receptor)
1893 a 1895
O COMEÇO
1890
1895
A primeira sessão pública,
organizada pelos irmãos Lumière
em 1895, foi rápida e barata. Por
1 franco cada, 33 assentos foram
ocupados por cerca de 20 minutos
no subsolo de um café em Paris.
Thomas Edison cria o
Cinetoscópio e introduz o
filme de celulóide perfurado
para projetar imagens no
interior do invento, visto por
uma única pessoa.
A partir do aperfeiçoamento do
Cinetoscópio de Edison, os irmãos
Auguste e Louis Lumière (França)
idealizam o CINEMATÓGRAFO.
A primeira sessão pública do
Cinematógrafo durou 20 minutos,
e foram projetados dez filmes
4
1900 a 1909
Os NICKELONDEOS
Os nickelondeos eram a forma de en-
tretenimento mais barata e seu públi-
co era, principalmente a classe traba-
lhadora. As salas eram bem pequenas
e acomodavam até 30 espectadores.
O nome das salas, nickelondeos, era
devido ao valor do ingresso que cus-
tava cerca de um níquel.
5
Viagem à lua se
torna o pai de
todos os filmes de
ficção cientifica
1906
The Story of the Kelly Gang
de Charles Tait (Austrália), é
o primeiro longa-metragem,
com 70 minutos de duração
1910 a 1919
início da indústria
cinematográfica
6
A partir dessa década, os filmes são mais
elaborados em sua estrutura narrativa,
passam a ter vários planos ligados entre si,
e a filmagem assume uma relação direta
com a montagem.
1913
1915
A produção de comédias
intensifica-se, nos EUA, e
surgem nomes como Max
Linder, Charles Chaplin e Stan
Laurel e Oliver Hardy, da dupla
O Gordo e o Magro.
O Nascimento de uma Nação, de
D.W. Griffith (EUA), revoluciona a
montagem utilizando diversos
enquadramentos, closes e planos
fechados que destacam a ação.
1920 a 1929
a era do sonoro
7
1925
Sergei Eisenstein (URSS)
dirige O Encouraçado
Potemkin e mostra que
a montagem dos planos
é o principal elemento
responsável por dar
sentido a um filme.
1928
1929
Mickey Mouse aparece nas
telas pela primeira vez, em
Steamboat Willie, com a voz
de seu criador, Walt Disney.
A Academia das Artes e
Ciências Cinematográficas
Americana realiza a primeira
entrega do Prêmio Oscar.
Os anos 20 testemunham o ápice e o de-
clínio do cinema mudo. O som é adotado
por todas as produtoras, pois o público
não queria filmes mudos. Atores, roteiristas
e diretores têm de reformular os funda-
mentos da linguagem cinematográfica.
1930 a 1939
o ‘studio system’
8
1930
1935
É criado o The Hollywood
Reporter, primeiro jornal
diário dedicado à indústria
cinematográfica.
Vaidade e Beleza, de
Rouben Mamoulian, é o
primeiro longa-metragem
totalmente em cores.
1937
Branca de Neve e os Sete
Anões, de Walt Disney, é o
primeiro longa-metragem
de animação.
O Cinema sonoro expande-se, e o
inglês torna-se uma língua mundial. O
som abre espaço para novos gêneros,
como os musicais e os filme de gang-
steres, com seus tiros e arrancadas.Os
estúdios de Hollywood passam a deter
o monopólio da produção, distribuição
e exibição de filmes. E depois de dom-
inar o som, o cinema dá seus passos
em direção à conquista das cores.
1940 a 1949
A INFLUÊNCIA DA
II GUERRA
A década de 40 é marcada pela II
Guerra Mundial, e são produzidos
filmes para estimular a moral e ven-
der ideologias. A guerra implica um
êxodo de realizadores europeus, que
migram para os EUA. Com o fim da
guerra, o cinema na Europa luta para
se reerguer e enfrentar o domínio do
cinema norte-americano.
9
1940
1941
Fantasia, de Walt Disney,
utiliza pela primeira vez
um sistema de som
com vários canais, o que
possibilita a execução
simultânea de música,
efeitos sonoros e diálogos.
Cidadão Kane, de Orson
Welles, inova técnicas como
a câmara subjetiva em
elaborados movimentos;
diferentes ângulos de
enquadramento, flashbacks
e vários pontos de vista para
contar a história.
1950 a 1959
anovaonda
Nos anos 50, o cinema americano sofre
com as perseguições políticas aos pro-
fissionais do meio. A TV leva à queda nas
receitas, e os grandes estúdios apostam
na inovação de sistemas, como telas
gigantes ou cinema 3D.
10
1952
1955
Bwana Devil, de Arch
Oboler, é o primeiro
longa-metragem em 3D.
Oklahoma!, de Fred
Zinnemann, usa um filme de
70mm, sendo 65mm para
a imagem e 5mm para seis
canais de som.
1960 a 1969
o fim da censura
No inicio da década, Hollywood en-
frenta reivindicações de roteiristas
e atores, por maior participação nos
lucros. Os grandes estúdios são adqui-
ridos por multinacionais de diversos
ramos alheios ao cinema.
11
1960
1969
É inaugurada a Calçada
da Fama, em Hollywood,
onde são registrados
os nomes das grandes
celebridades do meio
cinematográfico.
Midnight Cowboy
(Perdidos na Noite),
é o primeiro filme a
ser classificado para
adultos (R).
1964
Sidney Poitier, primeiro
ator negro a vencer o
Oscar na categoria de
Melhor Ator.
1970 a 1979
o blockbuster
É a década em que o cinema
entra nas casas das pessoas, por
meio do vídeo-cassete. Guerra
nas Estrelas e Tubarão arrecadam
mais de 100 milhões de dólares
em locações de fitas.
12
1975
1975
Tubarão, de Steven
Spielberg, inicia
a divulgação
televisiva em
massa e a estréia
simultânea em
centenas de salas.
Surge o sistema de
vídeo VHS. Os filmes
passam a contar com
o sistema Estéreo
Dolby de som.
1977
Star Wars arrecada
127 milhões de
dólares de receita e
mais 2,5 milhões em
merchandising.
1980 a 1989
as sequências
É a década das seqüências, em que
os grandes filmes de ação destinados
ao público jovem recebem continui-
dade. Guerra nas Estrelas volta em O
Império Contra-Ataca e O Retorno de
Jedi; Sexta-feira 13 rende uma dezena
de continuações. Os filmes passam
a ser lançados com grandes eventos
de marketing, encarecendo ainda
mais as produções.
13
1982
1989
E.T. - O Extraterrestre,
de Steven Spielberg,
estreia neste ano
e bate Star Wars
como o filme com
o maior número de
expectadores.
Bill e Ted, Uma Aventura
Fantástica, de Stephen
Herek, é o primeiro
filme do gênero ‘‘humor
idiota’’ a ter sucesso
junto do público.
1990 A 1999
OS INDEPENDENTES
O cinema completa um século de
existência e vê uma transformação
radical. Os sistemas analógicos de
áudio e imagem dão lugar aos novos
sistemas informatizados.
14
1994
1997
Pulp Fiction, de Quentin
Tarantino, é o primeiro filme
independente a arrecadar
100 milhões de dólares
de bilheteria e ganha o
Festival de Cannes.
Surge o DVD, disco
versátil digital, sistema
que permite a reprodução
doméstica de som e
imagem em qualidade
muito superior ao VHS.
1997
Titanic, de James
Cameron, atinge o
custo de 200 milhões
de dólares e torna-se o
primeiro filme a arrecadar
mais de 1 bilhão de
dólares em bilheteria.
2000 a 2009
século xxi
O novo milênio apresenta as séries
O Senhor dos Anéis e Harry Potter,
que arrecadam bilhões de dólares
em todo o mundo.
As câmeras digitais de vídeo, leves,
ágeis e de baixo custo, aproximam-
-se em qualidade às imagens pro-
duzidas em película.
A pirataria, a Internet, o download, a
exibição on-line e os aparelhos mó-
veis de exibição de imagens (ipod,
mp4, celulares) são os novos desa-
fios propostos e levam o cinema a
públicos inimagináveis até então.
15
2002
2007
Star Wars - Ataque dos
Clones Ep. II, de George
Lucas, é o primeiro filme
a ter toda a produção
realizada digitalmente.
Avatar, de James
Cameron, ultrapassa a
cifra de US$2,75 bilhões
de arrecadação, a maior
bilheteria alcançada por
filme, e impulsiona o uso
das tecnologias 3D.
2010 a 2016
o cinema hoje
As salas de cinema se adaptam para
a exibição dos novos títulos 3D que
chegam ao mercado, com um públi-
co crescente. Televisores, filmadoras
e até celulares também oferecem o
recurso, e grandes eventos passam a
ser transmitidos em 3D.
Rapidamente, a tecnologia das
câmeras DSRL ganha espaço
na produção publicitária, televi-
siva e cinematográfica, concor-
rendo com marcas famosas de
câmeras de cinema digital.
Mais da metade do fluxo da internet em
horário de pico nos EUA é causada por
aplicativos de vídeo. O antigo sistema de
locação de vídeos é substituído pelos sites
de transmissão streaming. Os tablets con-
solidam-se como mais um suporte para a
exibição de conteúdo a ser conquistado
pela indústria do audiovisual.16
REFERÊNCIAS
http://www.telabr.com.br/timeline/mundo
http://super.abril.com.br/cultura/a-historia-do-cinema
http://cinemahomensepipoca.blogspot.com.br/2009/02/linha-do-tempo-do-cinema.html
http://criaras.blogspot.com.br/2012/07/evolucao-do-cinema-linha-do-tempo-aula.html
17
OBRIGADA!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Setima Arte
Setima ArteSetima Arte
Setima Arte
celinho_ingles
 
A história do cinema no Brasil
A história do cinema no BrasilA história do cinema no Brasil
A história do cinema no Brasil
João da Mata
 
CINEMA - Parte 1 (O início da história)
CINEMA - Parte 1 (O início da história)CINEMA - Parte 1 (O início da história)
CINEMA - Parte 1 (O início da história)
Mauricio Mallet Duprat
 
A Arte da Animação: História da Animação e Técnicas de Animação
A Arte da Animação: História da Animação e Técnicas de AnimaçãoA Arte da Animação: História da Animação e Técnicas de Animação
A Arte da Animação: História da Animação e Técnicas de Animação
Ana Beatriz Cargnin
 
História do cinema blog
História do cinema blogHistória do cinema blog
História do cinema blog
Over Lane
 
História da televisão, para apresentação
História da televisão, para apresentaçãoHistória da televisão, para apresentação
História da televisão, para apresentação
blogtic3
 
Loucos Anos 20
Loucos Anos 20Loucos Anos 20
Loucos Anos 20
Jorge Almeida
 
Unidade A3 - Breve história do cinema BRASILEIRO.pdf
Unidade A3 - Breve história do cinema BRASILEIRO.pdfUnidade A3 - Breve história do cinema BRASILEIRO.pdf
Unidade A3 - Breve história do cinema BRASILEIRO.pdf
Thiago Assumpção
 
Anos 20
Anos 20Anos 20
Anos 20
Maria Gomes
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
Michele Pó
 
Origem cinema
Origem cinemaOrigem cinema
Origem cinema
Ana Roberta Souza
 
A origem do cinema
A origem do cinemaA origem do cinema
A origem do cinema
olivia57
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
David Caçador
 
Cultura de massas .
Cultura de massas .Cultura de massas .
Cultura de massas .
TavaresJoana
 
Naturalismo e Realismo na Pintura
Naturalismo e Realismo na PinturaNaturalismo e Realismo na Pintura
Naturalismo e Realismo na Pintura
Carlos Pinheiro
 
01. O cinema como arte
01. O cinema como arte01. O cinema como arte
01. O cinema como arte
Cristiano Canguçu
 
Breve história do cinema
Breve história do cinemaBreve história do cinema
Breve história do cinema
Thiago Assumpção
 
Expressionismo
Expressionismo Expressionismo
Enc11 amor perdicao_sintese_unidade
Enc11 amor perdicao_sintese_unidadeEnc11 amor perdicao_sintese_unidade
Enc11 amor perdicao_sintese_unidade
Fernanda Pereira
 
Crítica, cartoon e crónica
Crítica, cartoon e crónicaCrítica, cartoon e crónica
Crítica, cartoon e crónica
Fernanda Monteiro
 

Mais procurados (20)

Setima Arte
Setima ArteSetima Arte
Setima Arte
 
A história do cinema no Brasil
A história do cinema no BrasilA história do cinema no Brasil
A história do cinema no Brasil
 
CINEMA - Parte 1 (O início da história)
CINEMA - Parte 1 (O início da história)CINEMA - Parte 1 (O início da história)
CINEMA - Parte 1 (O início da história)
 
A Arte da Animação: História da Animação e Técnicas de Animação
A Arte da Animação: História da Animação e Técnicas de AnimaçãoA Arte da Animação: História da Animação e Técnicas de Animação
A Arte da Animação: História da Animação e Técnicas de Animação
 
História do cinema blog
História do cinema blogHistória do cinema blog
História do cinema blog
 
História da televisão, para apresentação
História da televisão, para apresentaçãoHistória da televisão, para apresentação
História da televisão, para apresentação
 
Loucos Anos 20
Loucos Anos 20Loucos Anos 20
Loucos Anos 20
 
Unidade A3 - Breve história do cinema BRASILEIRO.pdf
Unidade A3 - Breve história do cinema BRASILEIRO.pdfUnidade A3 - Breve história do cinema BRASILEIRO.pdf
Unidade A3 - Breve história do cinema BRASILEIRO.pdf
 
Anos 20
Anos 20Anos 20
Anos 20
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
Origem cinema
Origem cinemaOrigem cinema
Origem cinema
 
A origem do cinema
A origem do cinemaA origem do cinema
A origem do cinema
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
 
Cultura de massas .
Cultura de massas .Cultura de massas .
Cultura de massas .
 
Naturalismo e Realismo na Pintura
Naturalismo e Realismo na PinturaNaturalismo e Realismo na Pintura
Naturalismo e Realismo na Pintura
 
01. O cinema como arte
01. O cinema como arte01. O cinema como arte
01. O cinema como arte
 
Breve história do cinema
Breve história do cinemaBreve história do cinema
Breve história do cinema
 
Expressionismo
Expressionismo Expressionismo
Expressionismo
 
Enc11 amor perdicao_sintese_unidade
Enc11 amor perdicao_sintese_unidadeEnc11 amor perdicao_sintese_unidade
Enc11 amor perdicao_sintese_unidade
 
Crítica, cartoon e crónica
Crítica, cartoon e crónicaCrítica, cartoon e crónica
Crítica, cartoon e crónica
 

Semelhante a Evolução do Cinema

Aula 11 - Cinema
Aula 11 - CinemaAula 11 - Cinema
Aula 11 - Cinema
guest051d8a
 
Cinema
CinemaCinema
Cinema
riclaetb
 
Trabalho artes (carina)
Trabalho artes (carina)Trabalho artes (carina)
Trabalho artes (carina)
Adriano Capilupe
 
Setima arte
Setima arteSetima arte
Setima arte
Turmad-ibnmucana
 
Trabalho meios e linguagens 2 - cinema
Trabalho meios e linguagens 2 - cinemaTrabalho meios e linguagens 2 - cinema
Trabalho meios e linguagens 2 - cinema
Paulo R Corrêa
 
Historia do cinema 2017
Historia do cinema 2017Historia do cinema 2017
Historia do cinema 2017
Riaz Jassat
 
Cinema 2c16 2012
Cinema 2c16 2012Cinema 2c16 2012
Cinema 2c16 2012
www.historiadasartes.com
 
Mcs o cinema, c daniel e vero
Mcs   o cinema, c daniel e veroMcs   o cinema, c daniel e vero
Mcs o cinema, c daniel e vero
José Palma
 
Historia dos meios audiovisuais - Dir III
Historia dos meios audiovisuais - Dir IIIHistoria dos meios audiovisuais - Dir III
Historia dos meios audiovisuais - Dir III
Sebastião Ademir da Silva
 
historiadocinemamatheusvieira-120505123320-phpapp02.pdf
historiadocinemamatheusvieira-120505123320-phpapp02.pdfhistoriadocinemamatheusvieira-120505123320-phpapp02.pdf
historiadocinemamatheusvieira-120505123320-phpapp02.pdf
WeslleyDias8
 
Cinema1
Cinema1Cinema1
Cinema1
cinema8b
 
The cutting edge
The cutting edgeThe cutting edge
The cutting edge
Faculdade Anhembi Morumbi
 
cinemamudo-150112180744-conversion-gate02.pdf
cinemamudo-150112180744-conversion-gate02.pdfcinemamudo-150112180744-conversion-gate02.pdf
cinemamudo-150112180744-conversion-gate02.pdf
WeslleyDias8
 
Cinema ana martins8c
Cinema ana martins8cCinema ana martins8c
Cinema ana martins8c
navegananet
 
curso de animacao 2d Senac-George Alberto
curso de animacao 2d Senac-George Albertocurso de animacao 2d Senac-George Alberto
curso de animacao 2d Senac-George Alberto
George Alberto F. Cavalcante
 
Neto a emergencia da fotografia e do cinema
Neto   a emergencia da fotografia e do cinemaNeto   a emergencia da fotografia e do cinema
Neto a emergencia da fotografia e do cinema
Pedro Pereira Neto
 
Cinema transform(ação) ppt1 introdução.pptx
Cinema transform(ação) ppt1 introdução.pptxCinema transform(ação) ppt1 introdução.pptx
Cinema transform(ação) ppt1 introdução.pptx
CarolinaMagalhes54
 
CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)
CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)
CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)
Mauricio Mallet Duprat
 
história_cinema
história_cinemahistória_cinema
história_cinema
ladybru
 
Blockbuster
BlockbusterBlockbuster
Blockbuster
betousp
 

Semelhante a Evolução do Cinema (20)

Aula 11 - Cinema
Aula 11 - CinemaAula 11 - Cinema
Aula 11 - Cinema
 
Cinema
CinemaCinema
Cinema
 
Trabalho artes (carina)
Trabalho artes (carina)Trabalho artes (carina)
Trabalho artes (carina)
 
Setima arte
Setima arteSetima arte
Setima arte
 
Trabalho meios e linguagens 2 - cinema
Trabalho meios e linguagens 2 - cinemaTrabalho meios e linguagens 2 - cinema
Trabalho meios e linguagens 2 - cinema
 
Historia do cinema 2017
Historia do cinema 2017Historia do cinema 2017
Historia do cinema 2017
 
Cinema 2c16 2012
Cinema 2c16 2012Cinema 2c16 2012
Cinema 2c16 2012
 
Mcs o cinema, c daniel e vero
Mcs   o cinema, c daniel e veroMcs   o cinema, c daniel e vero
Mcs o cinema, c daniel e vero
 
Historia dos meios audiovisuais - Dir III
Historia dos meios audiovisuais - Dir IIIHistoria dos meios audiovisuais - Dir III
Historia dos meios audiovisuais - Dir III
 
historiadocinemamatheusvieira-120505123320-phpapp02.pdf
historiadocinemamatheusvieira-120505123320-phpapp02.pdfhistoriadocinemamatheusvieira-120505123320-phpapp02.pdf
historiadocinemamatheusvieira-120505123320-phpapp02.pdf
 
Cinema1
Cinema1Cinema1
Cinema1
 
The cutting edge
The cutting edgeThe cutting edge
The cutting edge
 
cinemamudo-150112180744-conversion-gate02.pdf
cinemamudo-150112180744-conversion-gate02.pdfcinemamudo-150112180744-conversion-gate02.pdf
cinemamudo-150112180744-conversion-gate02.pdf
 
Cinema ana martins8c
Cinema ana martins8cCinema ana martins8c
Cinema ana martins8c
 
curso de animacao 2d Senac-George Alberto
curso de animacao 2d Senac-George Albertocurso de animacao 2d Senac-George Alberto
curso de animacao 2d Senac-George Alberto
 
Neto a emergencia da fotografia e do cinema
Neto   a emergencia da fotografia e do cinemaNeto   a emergencia da fotografia e do cinema
Neto a emergencia da fotografia e do cinema
 
Cinema transform(ação) ppt1 introdução.pptx
Cinema transform(ação) ppt1 introdução.pptxCinema transform(ação) ppt1 introdução.pptx
Cinema transform(ação) ppt1 introdução.pptx
 
CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)
CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)
CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)
 
história_cinema
história_cinemahistória_cinema
história_cinema
 
Blockbuster
BlockbusterBlockbuster
Blockbuster
 

Evolução do Cinema

  • 1. CINEMAMarkETING II - BRUNO POMPEU Clarissa Misiara e Sthefânia Mafalda - DG5AM
  • 2. CARACTERÍSTICAS 2 Segmento da linguagem audio-visual Sétima Arte Produto (filme) exibido a consumidores (público) Gêneros de filmesDrama Romance Documentário Suspense Comédia Via Única Especificação de gêneros Terror Terror Sci-fi
  • 4. 1893 a 1895 O COMEÇO 1890 1895 A primeira sessão pública, organizada pelos irmãos Lumière em 1895, foi rápida e barata. Por 1 franco cada, 33 assentos foram ocupados por cerca de 20 minutos no subsolo de um café em Paris. Thomas Edison cria o Cinetoscópio e introduz o filme de celulóide perfurado para projetar imagens no interior do invento, visto por uma única pessoa. A partir do aperfeiçoamento do Cinetoscópio de Edison, os irmãos Auguste e Louis Lumière (França) idealizam o CINEMATÓGRAFO. A primeira sessão pública do Cinematógrafo durou 20 minutos, e foram projetados dez filmes 4
  • 5. 1900 a 1909 Os NICKELONDEOS Os nickelondeos eram a forma de en- tretenimento mais barata e seu públi- co era, principalmente a classe traba- lhadora. As salas eram bem pequenas e acomodavam até 30 espectadores. O nome das salas, nickelondeos, era devido ao valor do ingresso que cus- tava cerca de um níquel. 5 Viagem à lua se torna o pai de todos os filmes de ficção cientifica 1906 The Story of the Kelly Gang de Charles Tait (Austrália), é o primeiro longa-metragem, com 70 minutos de duração
  • 6. 1910 a 1919 início da indústria cinematográfica 6 A partir dessa década, os filmes são mais elaborados em sua estrutura narrativa, passam a ter vários planos ligados entre si, e a filmagem assume uma relação direta com a montagem. 1913 1915 A produção de comédias intensifica-se, nos EUA, e surgem nomes como Max Linder, Charles Chaplin e Stan Laurel e Oliver Hardy, da dupla O Gordo e o Magro. O Nascimento de uma Nação, de D.W. Griffith (EUA), revoluciona a montagem utilizando diversos enquadramentos, closes e planos fechados que destacam a ação.
  • 7. 1920 a 1929 a era do sonoro 7 1925 Sergei Eisenstein (URSS) dirige O Encouraçado Potemkin e mostra que a montagem dos planos é o principal elemento responsável por dar sentido a um filme. 1928 1929 Mickey Mouse aparece nas telas pela primeira vez, em Steamboat Willie, com a voz de seu criador, Walt Disney. A Academia das Artes e Ciências Cinematográficas Americana realiza a primeira entrega do Prêmio Oscar. Os anos 20 testemunham o ápice e o de- clínio do cinema mudo. O som é adotado por todas as produtoras, pois o público não queria filmes mudos. Atores, roteiristas e diretores têm de reformular os funda- mentos da linguagem cinematográfica.
  • 8. 1930 a 1939 o ‘studio system’ 8 1930 1935 É criado o The Hollywood Reporter, primeiro jornal diário dedicado à indústria cinematográfica. Vaidade e Beleza, de Rouben Mamoulian, é o primeiro longa-metragem totalmente em cores. 1937 Branca de Neve e os Sete Anões, de Walt Disney, é o primeiro longa-metragem de animação. O Cinema sonoro expande-se, e o inglês torna-se uma língua mundial. O som abre espaço para novos gêneros, como os musicais e os filme de gang- steres, com seus tiros e arrancadas.Os estúdios de Hollywood passam a deter o monopólio da produção, distribuição e exibição de filmes. E depois de dom- inar o som, o cinema dá seus passos em direção à conquista das cores.
  • 9. 1940 a 1949 A INFLUÊNCIA DA II GUERRA A década de 40 é marcada pela II Guerra Mundial, e são produzidos filmes para estimular a moral e ven- der ideologias. A guerra implica um êxodo de realizadores europeus, que migram para os EUA. Com o fim da guerra, o cinema na Europa luta para se reerguer e enfrentar o domínio do cinema norte-americano. 9 1940 1941 Fantasia, de Walt Disney, utiliza pela primeira vez um sistema de som com vários canais, o que possibilita a execução simultânea de música, efeitos sonoros e diálogos. Cidadão Kane, de Orson Welles, inova técnicas como a câmara subjetiva em elaborados movimentos; diferentes ângulos de enquadramento, flashbacks e vários pontos de vista para contar a história.
  • 10. 1950 a 1959 anovaonda Nos anos 50, o cinema americano sofre com as perseguições políticas aos pro- fissionais do meio. A TV leva à queda nas receitas, e os grandes estúdios apostam na inovação de sistemas, como telas gigantes ou cinema 3D. 10 1952 1955 Bwana Devil, de Arch Oboler, é o primeiro longa-metragem em 3D. Oklahoma!, de Fred Zinnemann, usa um filme de 70mm, sendo 65mm para a imagem e 5mm para seis canais de som.
  • 11. 1960 a 1969 o fim da censura No inicio da década, Hollywood en- frenta reivindicações de roteiristas e atores, por maior participação nos lucros. Os grandes estúdios são adqui- ridos por multinacionais de diversos ramos alheios ao cinema. 11 1960 1969 É inaugurada a Calçada da Fama, em Hollywood, onde são registrados os nomes das grandes celebridades do meio cinematográfico. Midnight Cowboy (Perdidos na Noite), é o primeiro filme a ser classificado para adultos (R). 1964 Sidney Poitier, primeiro ator negro a vencer o Oscar na categoria de Melhor Ator.
  • 12. 1970 a 1979 o blockbuster É a década em que o cinema entra nas casas das pessoas, por meio do vídeo-cassete. Guerra nas Estrelas e Tubarão arrecadam mais de 100 milhões de dólares em locações de fitas. 12 1975 1975 Tubarão, de Steven Spielberg, inicia a divulgação televisiva em massa e a estréia simultânea em centenas de salas. Surge o sistema de vídeo VHS. Os filmes passam a contar com o sistema Estéreo Dolby de som. 1977 Star Wars arrecada 127 milhões de dólares de receita e mais 2,5 milhões em merchandising.
  • 13. 1980 a 1989 as sequências É a década das seqüências, em que os grandes filmes de ação destinados ao público jovem recebem continui- dade. Guerra nas Estrelas volta em O Império Contra-Ataca e O Retorno de Jedi; Sexta-feira 13 rende uma dezena de continuações. Os filmes passam a ser lançados com grandes eventos de marketing, encarecendo ainda mais as produções. 13 1982 1989 E.T. - O Extraterrestre, de Steven Spielberg, estreia neste ano e bate Star Wars como o filme com o maior número de expectadores. Bill e Ted, Uma Aventura Fantástica, de Stephen Herek, é o primeiro filme do gênero ‘‘humor idiota’’ a ter sucesso junto do público.
  • 14. 1990 A 1999 OS INDEPENDENTES O cinema completa um século de existência e vê uma transformação radical. Os sistemas analógicos de áudio e imagem dão lugar aos novos sistemas informatizados. 14 1994 1997 Pulp Fiction, de Quentin Tarantino, é o primeiro filme independente a arrecadar 100 milhões de dólares de bilheteria e ganha o Festival de Cannes. Surge o DVD, disco versátil digital, sistema que permite a reprodução doméstica de som e imagem em qualidade muito superior ao VHS. 1997 Titanic, de James Cameron, atinge o custo de 200 milhões de dólares e torna-se o primeiro filme a arrecadar mais de 1 bilhão de dólares em bilheteria.
  • 15. 2000 a 2009 século xxi O novo milênio apresenta as séries O Senhor dos Anéis e Harry Potter, que arrecadam bilhões de dólares em todo o mundo. As câmeras digitais de vídeo, leves, ágeis e de baixo custo, aproximam- -se em qualidade às imagens pro- duzidas em película. A pirataria, a Internet, o download, a exibição on-line e os aparelhos mó- veis de exibição de imagens (ipod, mp4, celulares) são os novos desa- fios propostos e levam o cinema a públicos inimagináveis até então. 15 2002 2007 Star Wars - Ataque dos Clones Ep. II, de George Lucas, é o primeiro filme a ter toda a produção realizada digitalmente. Avatar, de James Cameron, ultrapassa a cifra de US$2,75 bilhões de arrecadação, a maior bilheteria alcançada por filme, e impulsiona o uso das tecnologias 3D.
  • 16. 2010 a 2016 o cinema hoje As salas de cinema se adaptam para a exibição dos novos títulos 3D que chegam ao mercado, com um públi- co crescente. Televisores, filmadoras e até celulares também oferecem o recurso, e grandes eventos passam a ser transmitidos em 3D. Rapidamente, a tecnologia das câmeras DSRL ganha espaço na produção publicitária, televi- siva e cinematográfica, concor- rendo com marcas famosas de câmeras de cinema digital. Mais da metade do fluxo da internet em horário de pico nos EUA é causada por aplicativos de vídeo. O antigo sistema de locação de vídeos é substituído pelos sites de transmissão streaming. Os tablets con- solidam-se como mais um suporte para a exibição de conteúdo a ser conquistado pela indústria do audiovisual.16