TRATAMENTO EFLUENTES
LÍQUIDOS INDUSTRIAIS
Aula 5 – Disposição de efluentes sobre o solo e
sistemas de Wetlands construídas
Introdução
A aplicação de águas residuárias no solo é
mencionado desde tempos antes de Cristo, sendo
praticamente em Atena...
MÉTODOS DE TRATAMENTO NO
TERRENO
O tratamento no terreno é, normalmente, feito por um
dos seguintes métodos:
 Irrigação;
...
Tratamento – Irrigação
É o sistema de tratamento no qual os despejos são
aplicados no terreno por aspersão ou outras
técni...
Tratamento – Irrigação
Com tudo terrenos de vários tipos dão resultados
favoráveis a tratamento de despejos. Devem-se
esco...
Tratamento – Irrigação
Tratamento – Escoamento sobre o
terreno
É uma maneira controlada de descarga, através do
sistema de aspersão sobre o solo,...
Tratamento – Escoamento sobre o
terreno
A medida que o efluente percola, uma grande
quantidade evapora, uma porção infiltr...
Tratamento – Infiltração e percolação
Este sistema é caracterizado pela percolação da
maior parte dos despejos que eventua...
SISTEMA DE APLICAÇÃO
NO
TERRENO
Dados comparativos das características dos
sistemas de tratamento
CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DE
EFLUENTES APLICADOS SOBRE O SOLO
Características físicas
No esgoto doméstico a característic...
CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DE
EFLUENTES APLICADOS SOBRE O SOLO
Parâmetros sanitários
DQO e DBO – o tratamento em terrenos ...
CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DE
EFLUENTES APLICADOS SOBRE O SOLO
Sólidos em Suspensão – Normalmente constituem a
principal c...
CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DE
EFLUENTES APLICADOS SOBRE O SOLO
pH – os despejos que possuem pH entre 6 e 9,5
geralmente tê...
CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DE
EFLUENTES APLICADOS SOBRE O SOLO
Metais pesados – O solo possui uma grande
capacidade de ads...
CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DE
EFLUENTES APLICADOS SOBRE O SOLO
Detergentes – As águas residuárias contendo
detergentes não...
CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DE
EFLUENTES APLICADOS SOBRE O SOLO
Salinidade – Nos projetos de irrigação, os problemas de
sal...
Exemplos de Tolerância
de plantas a salinidade

Frutas

•

Verduras

•

Forrageiras

•
CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DE
EFLUENTES APLICADOS SOBRE O SOLO
A qualidade de uma água de irrigação não pode
ser julgada c...
Comparação dos métodos de tratamento
no terreno para esgotos municipais
FATORES QUE AGEM NA ESCOLHA
DE UM SISTEMA DE APLICAÇÃO
Clima
O clima é um importante fator para a decisão da
escolha do si...
FATORES QUE AGEM NA ESCOLHA
DE UM SISTEMA DE APLICAÇÃO
Tipo de despejo
A aplicação no solo pode ser usada para maioria dos...
Taxa de aplicação orgânica no solo

Despejos

Carga Orgânica
(kg DBO/ha.dia)

Papel e celulose
Laticínios

225
12 – 125

I...
FATORES QUE AGEM NA ESCOLHA
DE UM SISTEMA DE APLICAÇÃO
Tipo de solo e condições do lençol d’água
subterrânea
A natureza da...
FATORES QUE AGEM NA ESCOLHA
DE UM SISTEMA DE APLICAÇÃO
Taxa de aplicação
A taxa de aplicação tem uma influência direta na
...
FATORES QUE AGEM NA ESCOLHA
DE UM SISTEMA DE APLICAÇÃO
Métodos de aplicação
A escolha deve-se ser feita com base nas
neces...
FATORES QUE AGEM NA ESCOLHA
DE UM SISTEMA DE APLICAÇÃO
Facilidades de aplicação e manutenção
No caso de sistemas para esgo...
FATORES QUE AGEM NA ESCOLHA
DE UM SISTEMA DE APLICAÇÃO
Pré tratamento das águas residuárias
A necessidade de pré-tratament...
FATORES QUE AGEM NA ESCOLHA
DE UM SISTEMA DE APLICAÇÃO
Custos e investimentos e operação
Os custos devem ser considerados ...
FATORES QUE AGEM NA ESCOLHA
DE UM SISTEMA DE APLICAÇÃO
Considerações sobre saúde pública
Os aspectos de saúde pública são ...
APLICAÇÃO DE ÁGUA RESIDUÁRIA
INDUSTRIAL NO SOLO
O principal fator responsável por este crescimento
acelerado na aplicação ...
APLICAÇÃO DE ÁGUA RESIDUÁRIA
INDUSTRIAL NO SOLO
Nos países em que a aplicação de resíduos industriais
no solo se dá com ma...
Exemplo de recomendações para
irrigação com águas residuárias
adotadas em diversos países

Características para várias águ...
Brasil
No Brasil a aplicação de despejos industriais no solo, esta
praticamente resumida aos despejos de usinas de
cana-de...
Caso – Estudo da Embrapa
Dois resíduos agroindustriais empregados como
fertilizantes na produção de cana-de-açúcar são a
v...
Caso – Estudo da Embrapa
Vinhaça
A vinhaça é um resíduo gerado na produção do
álcool. Para cada litro de álcool são produz...
Caso – Estudo da Embrapa
Sulcos de infiltração: através de uma adutora
principal a vinhaça - associada aos demais
efluente...
Caso – Estudo da Embrapa
Caminhões-tanque: o caminhão percorre o campo
lançando a vinhaça por meio de bombas
acopladas à t...
Caso – Estudo da Embrapa
Aspersão convencional (moto-bombas): a vinhaça é tomada
dos canais principais por meio de moto-bo...
Caso – Estudo da Embrapa

Tanque de vinhaça impermeabilizado.
Foto: União dos Produtores de Bioenergia.
Canal de vinhaça.
...
Caso – Estudo da Embrapa

Aspersão com canhão hidráulico.
Foto: Raffaella Rossetto.

Aplicação de vinhaça por caminhão-tan...
Caso – Estudo da Embrapa
A dose de vinhaça a ser aplicada no canavial é definida com
base no seu teor de potássio e na aná...
CASO - INDÚSTRIA DE CHAPA
DURA DE FIBRA DE MADEIRA
As empresas que atuam nesse segmento fazem o
tratamento de seus efluent...
CASO - INDÚSTRIA DE CHAPA
DURA DE FIBRA DE MADEIRA
Os campos de irrigação, considerados “corpos receptores
de efluentes” p...
CASO - INDÚSTRIA DE CHAPA
DURA DE FIBRA DE MADEIRA
Além desse aspecto, utilizando-se sempre da mesma
área para lançamento ...
Bibliografia






Braile, Pedro Marcio. Manual de Tratamento de Águas
Residuárias Industriais. São Paulo. CETESB,1993
...
Sugestão de leitura






NBR 13969/1997 - Tanques sépticos - Unidades de
tratamento complementar e disposição final do...
Wetlands
Recuperação dos recursos hídricos
INTRODUÇÃO
Os sistemas de “wetlands” construídos tem sido utilizado
em diversos países para a recuperação dos recursos
híd...
WETLANDS
Várias técnicas de wetlands construídas foram
desenvolvidas nestes últimos anos, as quais são
utilizadas de acord...
Wetlands com Plantas Flutuantes
As macrófitas flutuantes formam um grande grupo de
plantas abrangendo diversas espécies, e...
Wetlands com Plantas Flutuantes
Desenho esquemático de um canal com plantas aquáticas
flutuantes. São construídos normalme...
Wetlands com Plantas Flutuantes
As principais vantagens desses sistemas são:
 Baixo custo de implantação;
 Alta eficiênc...
Wetlands com Plantas Emergentes
Estes sistemas de purificação hídrica utilizam plantas
que se desenvolvem tendo o sistema ...
Sistemas com Macrófitas Emergentes
com Fluxo Superficial
Desenho esquemático de um sistema com macrófitas
emergentes com f...
Sistemas com Macrófitas Emergentes
com Fluxo Horizontal Sub-Superficial
Desenho esquemático de um sistema com macrófitas
e...
Sistemas com Macrófitas Emergentes
com Fluxo Horizontal Sub-Superficial
As experiências obtidas com este tipo de sistema
d...
Sistema com Macrófitas Emergentes
com Fluxo Vertical
Desenho esquemático de um sistema com macrófitas
emergentes com fluxo...
Sistema com Macrófitas Emergentes
com Fluxo Vertical

As informações dos sistemas que utilizam esta
tecnologia indicam boa...
Sistemas com Macrófitas Fixas
Submersas
Desenho esquemático de um sistema com macrófitas
fixas submersas. As macrófitas sã...
Sistemas de Wetlands Com Solos
Filtrantes
As wetlands com solos filtrantes são sistemas
constituídos por camadas superpost...
Principais projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Industriais,
realizados pelo Instituto de Ecologia Aplicada, ut...
Wetlands

ETE Ponte do Leites, em Araruama RJ

domescobar.blogspot.com

http://www.youtube.com/watch?v=6xMpuvwGJY4&feature...
Bibliografia


Filho, Eneas Salati. Utilização De Sistemas De
Wetlands Construídas Para Tratamento De Águas.
Instituto Te...
Sugestão de Leitura




Design for human ecosystems: landscape, land use,
and natural resources / 1999 - ( Livros ) - LY...
Objetivo da aula
Ao final dessa aula, você deverá conhecer:
 Conhecer alguns métodos de disposição final de
efluentes e t...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Teli 5

674 visualizações

Publicada em

Tratamento de esgoto, tratamento de efluentes, vários autores e aulas sem revisão final

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
674
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
78
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Teli 5

  1. 1. TRATAMENTO EFLUENTES LÍQUIDOS INDUSTRIAIS Aula 5 – Disposição de efluentes sobre o solo e sistemas de Wetlands construídas
  2. 2. Introdução A aplicação de águas residuárias no solo é mencionado desde tempos antes de Cristo, sendo praticamente em Atenas, na Grécia. O uso de efluentes com o propósitos de beneficiar a agricultura, foi aplicado na Alemanha já no século XVI. Desde esta época até hoje, a aplicação de efluentes no solo foi praticada em diversos países como Inglaterra, Austrália, México, França, EUA, Argentina etc.
  3. 3. MÉTODOS DE TRATAMENTO NO TERRENO O tratamento no terreno é, normalmente, feito por um dos seguintes métodos:  Irrigação;  Escoamento;  Infiltração e percolação. A seleção do método de tratamento é feita em função da permeabilidade do solo que, em ultima análise, irá fornecer a carga hidráulica de aplicação.
  4. 4. Tratamento – Irrigação É o sistema de tratamento no qual os despejos são aplicados no terreno por aspersão ou outras técnicas. Ás taxas hidráulicas normalmente vária de 0,3 a 1,5 cm/d, compreendendo áreas de 64 a 395 m2 /m3 /d. Um terreno argiloso, com boa drenagem, adapta-se melhor ao sistema de irrigação, particularmente nos locais em que a produção de vegetais é o objetivo principal.
  5. 5. Tratamento – Irrigação Com tudo terrenos de vários tipos dão resultados favoráveis a tratamento de despejos. Devem-se escolher terrenos em que as águas subterrâneas estejam a mais de 1,5m de profundidade, a fim de prevenir a saturação da região das raízes. A remoção das substancias orgânicas dos despejos é, obtida pelos microorganismos existentes no solo. Nos sistemas de irrigação, a maior parte dos despejos é consumida pela evapotranspiração ou percolação pelo solo.
  6. 6. Tratamento – Irrigação
  7. 7. Tratamento – Escoamento sobre o terreno É uma maneira controlada de descarga, através do sistema de aspersão sobre o solo, em que uma grande quantidade de efluente escoará como excesso. Os solos indicados para este tipo de disposição são os de baixa permeabilidade, tais como os argilosos. Além de moderadamente inclinados. Geralmente planta-se grama para promover um “habitat” para a biota e para evitar erosões.
  8. 8. Tratamento – Escoamento sobre o terreno A medida que o efluente percola, uma grande quantidade evapora, uma porção infiltra no solo e o restante coletado em canais. A matéria orgânica é oxidada pelas bactérias que vivem na cobertura vegetal. Estudos mostram que a uma eficiência de 95% de DBO.
  9. 9. Tratamento – Infiltração e percolação Este sistema é caracterizado pela percolação da maior parte dos despejos que eventualmente chegam ao subsolo. O método só é aplicável onde existe terreno altamente permeável, como areia. A taxa de aplicação varia entorno de 15cm/d a 30cm/d.
  10. 10. SISTEMA DE APLICAÇÃO NO TERRENO
  11. 11. Dados comparativos das características dos sistemas de tratamento
  12. 12. CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DE EFLUENTES APLICADOS SOBRE O SOLO Características físicas No esgoto doméstico a característica principal é a quantidade de sólidos totais presentes. Os sólidos incluem materiais flutuantes, suspensos, coloidais e dissolvidos. Pois podem obstruir os poros dos solos e cobrir a superfície do terreno. Outras característica temperatura, cor, odor. A cor indica o estado do esgoto ou se contém outros despejos. 
  13. 13. CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DE EFLUENTES APLICADOS SOBRE O SOLO Parâmetros sanitários DQO e DBO – o tratamento em terrenos geralmente são eficientes e os dados são baseados em cargas hidráulicas. A taxa é de 250kg DBO/hab.d podem ser colocados no terreno. (Industria de papel e celulose). Taxas mais altas (750kg DBO/hab.d) quando se trata de industria alimentícia. 
  14. 14. CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DE EFLUENTES APLICADOS SOBRE O SOLO Sólidos em Suspensão – Normalmente constituem a principal causa de problemas operacionais, como entupimento dos aspersores e colmatação da superfície do solo. O pré-tratamento remove os sólidos e minimiza esses problemas. Nitrogênio – Normalmente não constitui preocupação para o tratamento, pois é quase que completamente eliminado pela vegetação do solo e pela assimilação das bactérias. Excetuando se os despejos de laticínios, da industrialização da batata e de frigoríferos.
  15. 15. CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DE EFLUENTES APLICADOS SOBRE O SOLO pH – os despejos que possuem pH entre 6 e 9,5 geralmente têm boa aceitação para aplicação no terreno, que possui qualidades excepcionais de tamponamento. Temperatura – despejos com alta temperatura, podem esterilizar o solo e dificultar o crescimento da vegetação de coberturas.
  16. 16. CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DE EFLUENTES APLICADOS SOBRE O SOLO Metais pesados – O solo possui uma grande capacidade de adsorção de metais pesados. Porém, se a capacidade de recepção do solo for ultrapassada, os metais poderão ser lixiviados para o subsolo, inibindo o crescimento das plantas. Despejos industriais contendo quantidades significativas de metais pesados não são aceitáveis, pois podem se acumular no solo, sendo posteriormente absorvidos pelas plantas entrando assim na cadeia alimentar.
  17. 17. CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DE EFLUENTES APLICADOS SOBRE O SOLO Detergentes – As águas residuárias contendo detergentes não-biodegradáveis, podem ser prejudiciais para o desenvolvimento das plantações. Além disso pode modificar o balanço da umidade no solo, com uma drenagem muito rápida do líquido.
  18. 18. CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DE EFLUENTES APLICADOS SOBRE O SOLO Salinidade – Nos projetos de irrigação, os problemas de salinidade da água e do solo devem ser investigados em conjunto, sendo essencial a manutenção de um equilíbrio. Nas regiões áridas, com intensa evaporação, a perda de água para a atmosfera produz maior concentração salina. Exemplo boro; Traços de boro podem ser considerados essenciais para o desenvolvimento das plantas. Em concentrações além de 0,5 mg/l esse elemento passa ser nocivo para diversas culturas. Teores acima de 2,5mg/l devem ser considerados perigosos.
  19. 19. Exemplos de Tolerância de plantas a salinidade Frutas • Verduras • Forrageiras •
  20. 20. CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DE EFLUENTES APLICADOS SOBRE O SOLO A qualidade de uma água de irrigação não pode ser julgada com base em um ou dois parâmetros. Somente pode ser bem definida através de várias determinações, que se completam com dados relativos ao solo, condições de drenagem, tipo de cultura, clima etc.
  21. 21. Comparação dos métodos de tratamento no terreno para esgotos municipais
  22. 22. FATORES QUE AGEM NA ESCOLHA DE UM SISTEMA DE APLICAÇÃO Clima O clima é um importante fator para a decisão da escolha do sistema de aplicação no solo. Parâmetros como variação de temperatura, precipitação anual, umidade e velocidade dos ventos, tem um efeito direto na quantidade de água que pode ser disposta em uma certa localidade. Estes fatores afetam também o tipo de plantação que pode se desenvolver com sucesso em uma determinada área. 
  23. 23. FATORES QUE AGEM NA ESCOLHA DE UM SISTEMA DE APLICAÇÃO Tipo de despejo A aplicação no solo pode ser usada para maioria dos despejos orgânicos, incluindo despejos de estações de tratamento de esgotos, despejos industriais como a maioria das alimentícias, laticínios, papel e celulose e algumas industrias químicas. Despejos com grandes concentrações orgânicas necessitaram de grandes extensões de área ou baixas taxas de aplicação. 
  24. 24. Taxa de aplicação orgânica no solo Despejos Carga Orgânica (kg DBO/ha.dia) Papel e celulose Laticínios 225 12 – 125 Industria de Conservas Curtume (Canadá) 100 – 2000 93
  25. 25. FATORES QUE AGEM NA ESCOLHA DE UM SISTEMA DE APLICAÇÃO Tipo de solo e condições do lençol d’água subterrânea A natureza da camada de cobertura do solo e a posição do lençol subterrâneo, são importantes fatores na aplicabilidade do processo para a irrigação. Solos leves, granulares como arenosos, oferecem boas condições de drenagem e infiltração. Solos pesados como argilosos são mais indicados para escoamento superficial. 
  26. 26. FATORES QUE AGEM NA ESCOLHA DE UM SISTEMA DE APLICAÇÃO Taxa de aplicação A taxa de aplicação tem uma influência direta na determinação da necessidade de área. Com relação a taxa de aplicação orgânica, valores médios situam-se em torno de 40.000kg DBO/ha/ano. Para diversos sistemas. Para cada local devem soe adotar taxas de aplicação que sejam função do tipo de solo, tipo de águas residuárias, tipo de aplicação, declividade do local, precipitação pluviométrica e outras condições climáticas além da freqüência da aplicação. 
  27. 27. FATORES QUE AGEM NA ESCOLHA DE UM SISTEMA DE APLICAÇÃO Métodos de aplicação A escolha deve-se ser feita com base nas necessidades do solo e das plantações, com base na natureza dos solo e na sua inclinação natural e outras condições locais tais como odor. O custo operacional deve ser previsto. 
  28. 28. FATORES QUE AGEM NA ESCOLHA DE UM SISTEMA DE APLICAÇÃO Facilidades de aplicação e manutenção No caso de sistemas para esgotos municipais, a água residuária é produzida durante 24h/d todo ano, porém vazões de pico são verificadas. No caso de industrias, a água residuária pode ser produzida sazonalmente. Em períodos de secas pode haver a necessidade de maiores aplicações e em períodos de chuvas pode ocorrer a necessidade de se reduzir ou até suspende a aplicação. 
  29. 29. FATORES QUE AGEM NA ESCOLHA DE UM SISTEMA DE APLICAÇÃO Pré tratamento das águas residuárias A necessidade de pré-tratamento depende das exigências das autoridades ambientais. Para irrigação agrícola de alimentos que podem ser consumidos crus pelo homem ou animais não é recomendado o uso de águas residuárias sem um prévio tratamento. 
  30. 30. FATORES QUE AGEM NA ESCOLHA DE UM SISTEMA DE APLICAÇÃO Custos e investimentos e operação Os custos devem ser considerados dependendo do sistema de tratamento necessário. Deve ser incluindo custo para transportar os efluentes, sistemas de aspersores, reservatórios etc. 
  31. 31. FATORES QUE AGEM NA ESCOLHA DE UM SISTEMA DE APLICAÇÃO Considerações sobre saúde pública Os aspectos de saúde pública são relacionados como: - Bactérias patogênicas e vírus presentes em águas residuárias municipais e as possibilidades de transmissão para homens e animais; - Substancias químicas que podem ser perigosas para a saúde; - Propagação de insetos que podem ser vetores na transmissão de doenças. 
  32. 32. APLICAÇÃO DE ÁGUA RESIDUÁRIA INDUSTRIAL NO SOLO O principal fator responsável por este crescimento acelerado na aplicação de efluentes industriais no solo, é o controle da utilização dos recursos hídricos. A aplicação no solo de águas residuárias é um meio de se evitar descargas nas águas superficiais e uma alternativa econômica em alguns casos, quando comparada com os métodos convencionais de tratamento.
  33. 33. APLICAÇÃO DE ÁGUA RESIDUÁRIA INDUSTRIAL NO SOLO Nos países em que a aplicação de resíduos industriais no solo se dá com maior intensidade, verificou-se que as industrias que mais se utilizam desse método são as de processamento alimentar, de papel e celulose e laticínios. O fato se deve a localização em áreas rurais e a natureza da água.
  34. 34. Exemplo de recomendações para irrigação com águas residuárias adotadas em diversos países Características para várias águas residuárias industriais aplicadas no solo
  35. 35. Brasil No Brasil a aplicação de despejos industriais no solo, esta praticamente resumida aos despejos de usinas de cana-de-açúcar. Porém além das usinas de açúcar e álcool, a experiência brasileira com despejos industriais aplicados no solo, com finalidade de irrigação ou com outras finalidades específicas, é praticamente nula. Devido as exigências das legislações vigentes, já existe uma tendência no sentido de se aplicar os despejos no solo como uma medida de tratamento e disposição final dos efluentes industriais.
  36. 36. Caso – Estudo da Embrapa Dois resíduos agroindustriais empregados como fertilizantes na produção de cana-de-açúcar são a vinhaça e a torta de filtro. Apesar de seus valores nutricionais serem conhecidos desde a década de 1950, sua utilização teve início apenas na década de 1970 e se intensificou em 1999, quando a mudança cambial e a elevação dos preços dos fertilizantes químicos encareceram a adubação e a questão ambiental ganhou mais espaço.
  37. 37. Caso – Estudo da Embrapa Vinhaça A vinhaça é um resíduo gerado na produção do álcool. Para cada litro de álcool são produzidos cerca de dez a 13 litros de vinhaça, com diferentes concentrações de potássio, de acordo com o material de origem. A vinhaça originária da fermentação do melaço, resíduo da fabricação do açúcar, possui uma maior concentração em relação à vinhaça gerada na fermentação do caldo de cana
  38. 38. Caso – Estudo da Embrapa Sulcos de infiltração: através de uma adutora principal a vinhaça - associada aos demais efluentes líquidos como água de condensação, água de lavagem da cana etc - é retirada de tanques de contenção e lançada em canais principais que margeiam os talhões. Desses canais, o material atinge os sulcos de irrigação abertos nas entrelinhas do canavial. Este método é o de menor custo, já que não há consumo de energia. Porém, o sistema é pouco preciso em sua distribuição e pode estabelecer pontos de encharcamento no campo
  39. 39. Caso – Estudo da Embrapa Caminhões-tanque: o caminhão percorre o campo lançando a vinhaça por meio de bombas acopladas à tomada de força ou acionadas por motores independentes, ou por gravidade através de um sistema de vazão na parte posterior do caminhão. Este sistema é de rápida implantação e de fácil operação. Entretanto, apresenta elevado consumo de combustível, além de promover a compactação do solo e causar danos aos rizomas.
  40. 40. Caso – Estudo da Embrapa Aspersão convencional (moto-bombas): a vinhaça é tomada dos canais principais por meio de moto-bombas, que alimentam tubulações principais e laterais, onde se encontram os aspersores. As tubulações laterais são movimentadas ao longo dos canais principais a fim de cobrir toda a área. A principal vantagem deste sistema é permitir um melhor controle da quantidade de resíduo, bem como sua distribuição mais homogênea, em relação aos sulcos de infiltração. Aspersão com canhão hidráulico: a vinhaça é lançada por meio de um aspersor setorial tipo canhão, montado sobre uma carreta (ou carretel autopropelido), acionado por uma motobomba que succiona a vinhaça diretamente do canal principal. Este sistema necessita de menos manutenção e consome menor volume do material devido à melhor distribuição.
  41. 41. Caso – Estudo da Embrapa Tanque de vinhaça impermeabilizado. Foto: União dos Produtores de Bioenergia. Canal de vinhaça. Foto: Raffaella Rossetto. Tubulação para condução de vinhaça. Foto: Daniel Nassif.
  42. 42. Caso – Estudo da Embrapa Aspersão com canhão hidráulico. Foto: Raffaella Rossetto. Aplicação de vinhaça por caminhão-tanque. Foto: Raffaella Rossetto.
  43. 43. Caso – Estudo da Embrapa A dose de vinhaça a ser aplicada no canavial é definida com base no seu teor de potássio e na análise química do solo. Para o Estado de São Paulo, Cetesb definiu, por meio da Portaria P. 4231. A aplicação de vinhaça em doses adequadas oferece uma série de benefícios, como:  melhoria das propriedades físicas, químicas e biológicas do solo;  aumento da matéria orgânica e microflora do solo;  facilita a mineralização do nitrogênio;  melhoria nas condições gerais de fertilidade do solo;  aumento do poder de retenção de água;  aumento da produtividade da cana.
  44. 44. CASO - INDÚSTRIA DE CHAPA DURA DE FIBRA DE MADEIRA As empresas que atuam nesse segmento fazem o tratamento de seus efluentes de diversas maneiras, sendo, uma delas, a disposição por irrigação em solos cultivados, a qual se baseia na melhoria da qualidade da água pela infiltração e pela evapotranspiração das plantas. Porém o lançamento em solos tem seus inconvenientes, principalmente no que se refere a colmatação do solo e também à possível contaminação do lençol freático.
  45. 45. CASO - INDÚSTRIA DE CHAPA DURA DE FIBRA DE MADEIRA Os campos de irrigação, considerados “corpos receptores de efluentes” possuem seus solos plantados com gramíneas num total de 240 ha. As vantagens que esse sistema apresenta se referem ao baixo custo operacional, descarga considerada “zero” nos cursos de água e a possível utilização da biomassa produzida nos campos, para fins energéticos. Como desvantagens tem-se a utilização de uma área significativa de 240 ha, destinada ao despejo, que poderia ser utilizada para a produção de matéria prima, de fácil escoamento em razão de sua localização próxima da fábrica.
  46. 46. CASO - INDÚSTRIA DE CHAPA DURA DE FIBRA DE MADEIRA Além desse aspecto, utilizando-se sempre da mesma área para lançamento dos efluentes, é de se esperar, com o tempo, algumas conseqüências diretas ou indiretas ao ambiente que poderiam envolver a poluição do lençol freático e o escorrimento superficial direto dos efluentes para os cursos de água, devido a formação de uma crosta de polpa de madeira na superfície do solo (colmatação), que dificulta ou impede a infiltração.
  47. 47. Bibliografia    Braile, Pedro Marcio. Manual de Tratamento de Águas Residuárias Industriais. São Paulo. CETESB,1993 XXVII Congresso Interamericano De Engenharia Sanitária E Ambiental - I-047 - Uso De Peneiramento Rotativo No Tratamento De Efluentes De Indústria De Chapa Dura De Fibra De Madeira. Carlos Cesar Breda Paulo Rodolfo Leopoldo Maria de Lourdes Conte ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental Adubação - resíduos alternativos Autor(es): Rossetto, Raffaella, Santiago, Antonio Dias. http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/cana-deacucar/arvore/CONTAG01_39_711200516717.html
  48. 48. Sugestão de leitura    NBR 13969/1997 - Tanques sépticos - Unidades de tratamento complementar e disposição final dos efluentes líquidos - Projeto, construção e operação CETESB P 4231 Disposição de Vinhaça Norma Técnica CETESB P4.231 (Versão Janeiro/2005) http://www.laborsolo.com.br/divisao.ambiental.asp?ex =2&id=1&menu=55 Saad, Joao Carlos Cury; Ribeiro, Ronaldo Carlos Salvador. Disposição de efluentes líquido no solo: a experiência da DURATEX S.A. - fábrica Paula Souza. São Paulo; DURATEX; 1991. 7 p.
  49. 49. Wetlands Recuperação dos recursos hídricos
  50. 50. INTRODUÇÃO Os sistemas de “wetlands” construídos tem sido utilizado em diversos países para a recuperação dos recursos hídricos. No Brasil, as principais utilizações e recomendações tem sido: - Para pré-tratamento de água para diversas finalidades; - Para tratamento secundário e terciário de esgotos urbanos; - Para abastecimento de água industrial e urbana; - Para purificação de grandes volumes de águas para o enquadramento de rios na Classe 2, a partir de rios com qualidade Classe 3 ou 4.
  51. 51. WETLANDS Várias técnicas de wetlands construídas foram desenvolvidas nestes últimos anos, as quais são utilizadas de acordo as características do efluente a ser tratado, da eficiência final desejada na remoção de nutrientes, contaminantes e outros poluentes, do interesse da utilização da biomassa produzida e do interesse paisagístico.
  52. 52. Wetlands com Plantas Flutuantes As macrófitas flutuantes formam um grande grupo de plantas abrangendo diversas espécies, e normalmente, são utilizadas em projetos com canais relativamente rasos. Esses canais podem conter apenas uma espécie de plantas ou uma combinação de espécies. A espécie mais estudada é a Eichornia crassipes da família das pontederiáceas, pelas suas características de robustez associada à uma grande capacidade de crescimento vegetativo. Esta planta recebe diferentes nomes populares no Brasil, sendo conhecido como aguapé, baroneza, mururé, pavoá, rainha do lago, uapé e uapê.
  53. 53. Wetlands com Plantas Flutuantes Desenho esquemático de um canal com plantas aquáticas flutuantes. São construídos normalmente canais longos e estreitos com aproximadamente 0,70 m de profundidade. A utilização desta planta é devida a sua capacidade de resistir a águas altamente poluídas com grandes variações de nutrientes, pH, substâncias tóxicas, metais pesados e variações de temperatura.
  54. 54. Wetlands com Plantas Flutuantes As principais vantagens desses sistemas são:  Baixo custo de implantação;  Alta eficiência de melhoria dos parâmetros que caracterizam os recursos hídricos;  Alta produção de biomassa que pode ser utilizada na produção de ração animal, energia e biofertilizantes.
  55. 55. Wetlands com Plantas Emergentes Estes sistemas de purificação hídrica utilizam plantas que se desenvolvem tendo o sistema radicular preso ao sedimento e o caule e as folhas parcialmente submersas. A profunda penetração do sistema radicular permite a exploração de um grande volume de sedimentos, dependendo da espécie considerada. As espécies típicas de macrófitas aquáticas emergentes são conhecidas de forma genérica pelo nome de juncos, que são plantas herbáceas de diversas famílias.
  56. 56. Sistemas com Macrófitas Emergentes com Fluxo Superficial Desenho esquemático de um sistema com macrófitas emergentes com fluxo superficial. A água a ser tratada escorre pela superfície do solo cultivado com plantas emergentes. Geralmente são construídos canais longos, sendo a lâmina de água variável.
  57. 57. Sistemas com Macrófitas Emergentes com Fluxo Horizontal Sub-Superficial Desenho esquemático de um sistema com macrófitas emergentes com fluxo subsuperficial. A água a ser tratada é mantida com fluxo horizontal em substrato formado por pedras, sendo cultivadas plantas emergentes. Em geral são construídos canais longos, sendo a expessura da camada das pedras variável, porém da ordem de 0,50 cm.
  58. 58. Sistemas com Macrófitas Emergentes com Fluxo Horizontal Sub-Superficial As experiências obtidas com este tipo de sistema demonstram boa eficiência na remoção de sólidos suspensos e DBO. Dependendo do projeto e das condições da água a ser purificada observa-se também boa remoção de nitrogênio e fósforo.
  59. 59. Sistema com Macrófitas Emergentes com Fluxo Vertical Desenho esquemático de um sistema com macrófitas emergentes com fluxo vertical. A água a ser tratada dever ter um fluxo vertical em uma camada de solos sobre brita, no qual são cultivadas plantas emergentes. O desenho é variável, porém predominam os sistemas de canal longo com pouca profundidade.
  60. 60. Sistema com Macrófitas Emergentes com Fluxo Vertical As informações dos sistemas que utilizam esta tecnologia indicam boa remoção de sólidos suspensos, Demanda Bioquímica de Oxigênio, Amônia e Fósforo.
  61. 61. Sistemas com Macrófitas Fixas Submersas Desenho esquemático de um sistema com macrófitas fixas submersas. As macrófitas são cultivadas em um substrato com solo especial. A lâmina de água varia em torno de 1 m. A forma geométrica é normalmente de um canal longo.
  62. 62. Sistemas de Wetlands Com Solos Filtrantes As wetlands com solos filtrantes são sistemas constituídos por camadas superpostas de brita, pedrisco e solo cultivado com arroz. As dimensões dos módulos de solos filtrantes, bem como a espessura da camada do solo, variam de acordo com o efluente a ser tratado e da eficiência que se deseja atingir. A água a ser tratada é lançada sobre solo cultivado com arroz ou outra macrófita emergente
  63. 63. Principais projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Industriais, realizados pelo Instituto de Ecologia Aplicada, utilizando Sistemas de Wetlands Construídas Sistemas de Tratamento de Efluentes Industriais Localização Vazão Tratamento Primário Solo Filtrante Curtume Santo 5 l.s-1 Antônio Ltda., São Sebastião do Paraíso – MG Estação Experimental Canal de 2.160 m2 estabilização fluxo Caixa de brita descendente Ripasa S.A. Celulose e 10 l.s-1 Papel, Limeira - SP Canal de 3.240 m2 estabilização fluxo descendente Usina Costa Pinto S.A., 200l.s-1 Açúcar e Álcool , Piracicaba - SP Canal de fermentação 10.000 m2 fluxo descendente Canal com Plantas Aquáticas 520 m2
  64. 64. Wetlands ETE Ponte do Leites, em Araruama RJ domescobar.blogspot.com http://www.youtube.com/watch?v=6xMpuvwGJY4&feature=related vozdasaguas.com
  65. 65. Bibliografia  Filho, Eneas Salati. Utilização De Sistemas De Wetlands Construídas Para Tratamento De Águas. Instituto Terramax - Consultoria E Projetos Ambientais. Piracicaba, 2004
  66. 66. Sugestão de Leitura   Design for human ecosystems: landscape, land use, and natural resources / 1999 - ( Livros ) - LYLE, John Tillman. Washington: Island Press, c1999. Regenerative design for sustainable development / 1994 - ( Livros ) - LYLE, John Tillman. New York: John Wiley, 1994.
  67. 67. Objetivo da aula Ao final dessa aula, você deverá conhecer:  Conhecer alguns métodos de disposição final de efluentes e tratamentos alternativos;  Critérios para adoção dos métodos.

×