Tratamento de efluentes

637 visualizações

Publicada em

Trabalho sobre tratamento de efluentes, da matéria de saneamento ambiental.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Tratamento de efluentes

  1. 1. Técnico em Meio Ambiente Saneamento Ambiental Profº: Pedro Ramon Manhone Alegre – ES PRONATEC
  2. 2. Saneamento Ambiental TRATAMENTO DE EFLUENTES Por: Amanda Favoreto Dominique Alves Rhuany Oliveira Alegre – ES
  3. 3. Tratamento de efluentes  O processo de tratamento de efluentes visa reduzir a emissão de substâncias poluentes nos corpos d'água. As emissões decorrem principalmente de processos industriais e esgoto doméstico.
  4. 4. RESOLUÇÃONo 430, DE 13 DE MAIODE 2011 I - condições de lançamento de efluentes: a) pH entre 5 a 9; b) temperatura: inferior a 40°C; c) materiais sedimentáveis: até 1 mL/L; d) regime de lançamento com vazão máxima de até 1,5 vez a vazão média do período de atividade diária do agente poluidor, exceto nos casos permitidos pela autoridade competente; e) óleos e graxas: 1. óleos minerais: até 20 mg/L; 2. óleos vegetais e gorduras animais: até 50 mg/L; f) ausência de materiais flutuantes; g) Demanda Bioquímica de Oxigênio (DBO 5 dias a 20°C):
  5. 5. Métodos de Tratamento
  6. 6. TRATAMENTOS FÍSICOS  Separação dos sólidos mais grosseiros através do gradeamento que pode ser composto por grades grosseiras, finas e/ou peneiras rotativas, em seguida a areia é removida através das caixas de areia e a remoção de óleos e graxas através das caixas de gordura ou em separadores água/óleo.  Os sólidos intermediários são separados da água por sedimentação nos sedimentadores primários.  Em alguns casos, pode ser ajudado pela adição de agentes químicos que através de uma coagulação/ floculação possibilitam a obtenção de flocos de matéria poluente de maiores dimensões e assim mais facilmente
  7. 7. Qual a finalidade dos Tratamentos Biológicos?  Remoção da MO biodegradável contida nos sólidos dissolvidos, ou finamente particulados e, eventualmente ...  ... de nutrientes (nitrogênio e fósforo), através de processos biológicos aeróbios (oxidação) ou anaeróbios seguidos de sedimentação final (secundária).
  8. 8. Qual a eficiência dos Tratamentos Biológicos?
  9. 9. Como é feita a remoção ?  Através de reações bioquímicas, realizadas por microrganismos aeróbios (tanque de aeração), ou por microrganismos anaeróbios.
  10. 10. Para que servemos decantadores secundários ?  São responsáveis pela separação dos sólidos em suspensão presentes no tanque de aeração, permitindo a saída de um efluente clarificado e ...  ... um aumento do teor de sólidos em suspensão no fundo do decantador.  É gerado o “lodo ativado” (parte recirculado e outra descartado).
  11. 11. Como escolhero método mais adequado ?  Vai depender dos objetivos ou a qualidade pretendida do efluente, ...  Deve-se considerar:  A vazão e a carga orgânica do efluente;  A qualidade final a ser alcançada;  A área disponível para implantação do projeto;  Disponibilidade econômica (viabilidade técnica econômica).
  12. 12. Vazão x Carga orgânica Carga Orgânica = DBOx Vazão do Efluentes
  13. 13. Quando são adequados ?  a quase todos os tipos de efluentes, e dentre os tipos de sistemas aeróbios podemos citar:  Lodos ativados  Filtros Biológicos  Lagoa de estabilização  Biodiscos
  14. 14.  É o método mais utilizado mundialmente para remoção de carga orgânica dos efluentes.  O processo de lodos ativados consiste em se provocar o desenvolvimento de uma cultura microbiológica na forma de flocos (lodos ativados) em um tanque de aeração, que é alimentada pelo efluente a tratar.
  15. 15. Quais os tipos de tratamento ?
  16. 16. Decantadores Primários
  17. 17. ReatorAeróbico
  18. 18. DecantadorSecundário
  19. 19.  Trata-se de um leito de percolação onde a biomassa permanece aderida no material de enchimento;  Eficiência em torno de 75 a 90% de remoção de DBO;  São tanques circulares de diâmetros compatíveis com a vazão a ser tratada;  Meio filtrante: pedra de brita ou material plástico;  No meio filtrante forma-se uma película de biomassa aderida, de forma que ao passar o efluente pelo leito em direção ao dreno de fundo, essa biomassa adsorve a MO e as bactérias
  20. 20. Ilustração
  21. 21.  São reservatórios escavados diretamente no solo, com a proteção de taludes e do fundo variando de acordo com o tipo de terreno;  É recomendado para tratar esgoto de pequenas comunidades ou efluentes de pequenas vazões;  É considerado um sistema de tratamento biológico muito eficiente.
  22. 22. Tipos de lagoas  Geralmente o sistema é composto de vários tipos de lagoas: lagoas facultativas, sistema de lagoas anaeróbias seguidas de lagoas facultativas, lagoas aeradas facultativas, sistema de lagoas aeradas de mistura completa seguida por lagoas de sedimentação; e lagoas de maturação.
  23. 23. Tipos de lagoas Lagoas AeradasLagoa commacrófitas – Wetlands
  24. 24.  Neste sistema um conjunto de discos (plástico) gira em torno de eixo horizontal, metade do disco é imerso no efluente a ser tratado e a outra fica exposta ao ar;  Similar ao filtro biológico (biomassa cresce aderida ao meio suporte);  Bactérias formam uma película aderida a disco que, quando exposta ao ar, é oxigenada e depois quando novamente entra em contato com o efluente contribui para a oxigenação deste.
  25. 25. Ilustração
  26. 26. Quando são adequados ?  Nas industrias que geram efluentes sem grandes variações em suas características, ex:  Cervejeiras  Molho de Tomate  Refrigerantes  Em geral, no que diz respeito a remoção de carga orgânica, tem eficiência média e devem ser complementados.  Tem custos de implantação e operação inferiores aos sistemas aeróbios.
  27. 27. Quais os tipos?  Efluentes Industriais - RAFA (ReatorAnaeróbio de Fluxo Ascendente)  Efluentes Domésticos - FAFA (Filtros Anaeróbios de Fluxo Ascendente) - Fossa séptica
  28. 28. No que consiste os tratamentos Químicos?  São processos unitárias em que atuam as transformações químicas promovendo a separação de fases de modo que cada uma dessas fases segregadas sofra tratamentos específicos finais ou complementares.
  29. 29. Ajuste de pH. Para que serve ?  É uma das formas de condicionamento das águas residuárias industriais de acordo com as finalidades requeridas a “jusante”, segundo os seguintes casos:
  30. 30.  Oque é ?  Método muito utilizado para remoção de metais pesados solúveis nos efluentes líquidos industriais, através da:  Adição de uma substância que reage quimicamente com a substância em solução, formando, um composto insolúvel, (ex: precipitação na forma de hidróxidos e sulfetos).  Adição de uma substância que altera o equilíbrio de solubilidade, de forma a não mais favorecer a permanência da substância em solução.
  31. 31. O que é ? Tratamento de Efluente Oxidação ou redução  As reações de oxidação-redução química são aquelas nas quais o estado de oxidação de pelo menos um dos reagentes envolvidos é elevado, e o outro, reduzido;  Têm por objetivo diminuir a toxicidade de uma determinada corrente líquida;  Podem ser utilizados para compostos orgânicos, metais e alguns compostos inorgânicos.
  32. 32.  O que é ? Tratamento de Efluente Troca Iônica  Processo de separação onde o soluto é retido pormeio de uma reação química com uma resina sólida trocadora de íons (os íons em solução podem serremovidos poreste processo).
  33. 33. Para onde vai o Lodo?
  34. 34. REFERÊNCIAS  Cavalcanti, José Eduardo W. de A. – Manual de Tratamento de Efluentes Industriais – ABES – Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental ( Cap. 12 – Tratamento Biológicos)  Telles, Dirceu D´Alkmin & Costa, Regina Hellena Pacca Guimarães – Reúso da Água – Conceitos, Teorias e Práticas – Cap 6 (Tratamento de Efluentes)

×