SlideShare uma empresa Scribd logo
RESÍDUOS SÓLIDOS
Aula 8 – Tratamento térmico - Incineração
É um processo de oxidação
térmica, conduzido sob
condições controladas, em
um sistema projetado
especificamente
para
essa finalidade, visando a
degradação térmica de
resíduos, para convertêlos em materiais menos
nocivos e/ou de menor
volume.

lookfordiagnosis.com

Introdução
Introdução
Esta tecnologia tem como principal atrativo sua
possibilidade de diminuir para cerca de 4% do
volume de resíduos a ser destinado ao aterro
sanitário, além de ser eficiente na conversão de
energia com resíduos. As cinzas são os
subprodutos deste método e por serem inertes já
existem estudos que mostram a viabilidade de sua
aplicação na construção civil.
Histórico






O primeiro incinerador municipal foi instalado no Brasil
em 1896 em Manaus para processar 60 t por dia de
resíduos domésticos sendo desativado em 1958.
A incineração no Brasil ainda se caracteriza pela
existência de grande quantidade de incineradores de
porte muito pequeno, instalados em hospitais, casa de
saúde etc. São equipamentos simples com capacidade
de 100kg/hora. Muitas vezes mal operados com
elevadas emissões gasosas.
Hoje alguns incineradores tem capacidades de
processar entre 300kg/h a 1,8t/hora.
RESÍDUOS PASSÍVEIS DE
INCINERAÇÃO








resíduos sólidos, pastosos, líquidos e gasosos
resíduos orgânicos clorados e não-clorados (borra
de tinta, agrodefensivos, borras oleosas,
farmacêuticos, resíduos de laboratório, resinas,
entre outros)
resíduos inorgânicos contaminados com óleo, água
contaminada com solventes, entre outros)
resíduos ambulatoriais
solo contaminado.
RESÍDUOS NÃO-PASSÍVEIS




radioativos
resíduos totalmente inorgânicos
resíduos hospitalares (centro cirúrgico)
Parâmetros de controle









Caracterização do resíduo
Temperatura da câmara
Tempo de residência
Excesso de ar
Taxa de alimentação de combustível e de resíduo
Emissões atmosféricas
Efluentes líquidos
Cinzas
Tecnologia para incineração
Existem hoje diversas tecnologias para a incineração de
resíduos. Dentre as várias alternativas destacam-se:
 Combustão de sais fundidos: onde os resíduos são
aquecidos a cerca de 900°C e destruídos ao serem
misturados com carbonato de sódio fundido.
 Incineradores de leito fluidizado: onde o material
sólido granulado – como calcário, areia, ou alumina – é
suspenso no ar (fluidizado) por meio de um jato de ar e
os resíduos são queimados no fluido a cerca de 900°C,
e a oxidação dos gases de combustão é completada
em uma câmara de combustão secundária.
Tecnologia para incineração


Incineradores de plasma: que podem atingir
temperaturas de até 10000°C por meio da
passagem de uma forte corrente elétrica através
de um gás inerte, como argônio. O plasma é
constituído por uma mistura de elétrons e íons
positivos, incluindo núcleos, e pode decompor
compostos com sucesso, produzindo emissões muito
menores do que os incineradores tradicionais
Descrição do processo
O atual processo de incineração consiste geralmente
em dois estágios. Inicialmente, o resíduo é
queimado na câmara primária, que é a receptora
do resíduo, em uma temperatura suficientemente
alta para que algumas substancias presentes se
tornem gases e outra assuma a forma de
pequenas partículas.
Descrição do processo
Já na fase gasosa gerada na câmara primaria é
encaminhada para a câmara secundária. Essa
mistura de gases e partículas é queimada a uma
temperatura mais alta por um intervalo de tempo
até que haja combustão completa.
Tempo de residência representativo para resíduos
sólidos é de 30 minutos para o primeiro estágio e
de 2 a 3 segundos para a combustão da fumaça
no segundo estágio.
Descrição do processo
Os gases provenientes desta segunda etapa passam
por um sistema de abatimento de poluição, que
consiste em muitos estágios, antes de serem
enviadas para atmosfera.
Descrição do processo
Após a incineração, a parte sólida é tirada da
grelha. A quantidade deste material após o
processo varia entre 4 a 10% em volume do
material original, sendo material totalmente
esterilizado é apto para ser aterrado ou até
mesmo aplicado à construção civil.
Tratamento dos gases de combustão
O tratamento dos gases envolve processos físicos e
químicos, havendo uma grande variedade de
opções de conformação e equipamentos. A
primeira etapa consiste em resfriar os gases que
saem de 1000°C e 1200°C da câmara secundária.
Nessa etapa, além de resfriarem-se os gases de
combustão gera-se vapor d’água que pode ser
utilizado na conversão em energia elétrica,
sistema de aquecimento ou mesmo sistema de
refrigeração.
Tratamento dos gases de combustão
Em seguida, os gases são neutralizados com a
injeção de hidróxido de cálcio, altamente eficiente
na neutralização e captura de SOx e HCl. Os
gases já resfriados e neutralizados passam então
por um sistema de filtros que retiram o material
particulado.
Os gases finalmente passam por um leito
absorvente, á base de carvão ativado. Retendo:
óxidos nitrosos, organoclorados, metais voláteis.
Os impactos ambientais gerais
Um sistema de incineração não pode existir sem
estar
interconectado
a
um
sistema
tecnologicamente avançado de depuração de
gases e de tratamento e recirculação
dos
líquidos do processo.
Cada etapa da incineração tem um impacto
diferente. Entre eles:
 Construção da planta (barulho, emissão, acidentes,
efeito no ecossistema local);
 Coleta e transporte dos resíduos;
Os impactos ambientais gerais






Impactos secundários do incinerador (barulho,
intrusão visual, odor etc)
Transporte e disposição das cinzas de resíduos
(incluindo tecnologia do abatimento de resíduo)
Combustão de resíduos (emissões atmosférica,
incluindo emissões de traços de dioxinas e metais
pesados)
Resíduos do Processo
A Usina de Recuperação Energética de RSU gera em seus diferentes
sistemas os seguintes subprodutos/rejeitos:
-

Lixiviados (encaminhados
chorume/lixiviados);

à

estação

de

tratamento

de

- Cinzas de fundo da caldeira (“bottom ash” ou “slag”) (material
orgânico não queimado que deve retornar para o fosso após
separação. );
- Metais ferrosos e não ferrosos (metais podem ser recuperados );
- Cinzas da caldeira (“fly ash”) (cinzas de fundo poderão ser
reaproveitadas na construção civil);
-

Resíduos do Sistema de Tratamento de Gases de Combustão
(deverão ser encaminhados a um aterro classe I);

- Emissões gasosas na atmosfera.
POSSÍVEIS Impactos da Incineração
As emissões tóxicas, liberadas mesmo pelos
incineradores mais modernos, são formadas por
três tipos de poluentes perigosos para o ambiente
e para a saúde humana: os metais pesados, os
produtos de combustão incompleta e as substâncias
químicas novas formadas durante o processo de
incineração. Nenhum processo de incineração
opera com 100% de eficácia.
POSSÍVEIS Impactos da Incineração
Os metais pesados, como chumbo, cádmio, arsênio,
mercúrio e cromo, não são destruídos durante a
incineração, e são frequentemente liberados para o
ambiente em formas até mais concentradas e
perigosas do que no lixo original.
Outro aspecto traiçoeiro da incineração ocorre pela
formação de produtos químicos durante o processo
de combustão, que são totalmente novos e
altamente tóxicos – as dioxinas e os furanos.
Dioxinas e Furanos
A Diretiva 2000/76/CE (Comunidade Europeia), relativa à
incineração de resíduos, faz dessa uma das atividades
industriais mais rigorosamente regulamentadas e controladas.
Embora as dioxinas existam naturalmente no ambiente, as
antrópicas provêm de uma variedade de processos de
combustão, incluindo as siderúrgicas, fornos de cimento,
veículos a diesel, ônibus, restaurantes, lareiras residenciais,
fogueiras, churrascos, motores a jato, incêndios florestais, etc.
A incineração de resíduos representa apenas uma pequena
fração dessas emissões, graças às normas estabelecidas na
década de 90.
Dioxinas e furanos
Em 2009, a Agência de Proteção à Saúde inglesa
(UK Health Protection Agency) realizou uma
pesquisa para examinar as ligações sugeridas
entre as emissões dos incineradores de resíduos
urbanos e efeitos na saúde. A Comissão de
Carcinogenicidade dos Produtos Químicos em
Alimentos, Produtos de Consumo e Meio Ambiente
considera que qualquer potencial risco de câncer
em residências próximas de incineradores de
resíduos é extremamente baixa e, provavelmente,
não mensurável pelas mais modernas técnicas.
RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA E
MUDANÇAS CLIMÁTICAS
As emissões antrópicas originam-se de diversas atividades
econômicas. A participação dos principais setores da
economia mundial nas emissões globais de gases de
efeito estufa em 2004. Para o Brasil, segundo
levantamento realizado pela CETESB o setor de
resíduos contribui com 1,9% das emissões de GEE
(2005).
Em relação à emissão de metano (CH4) o setor de
resíduos é o segundo maior emissor, emitindo 35% do
total de emissões em 2005 (CETESB), em função da
disposição de resíduos em aterros sanitários.
RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA E
MUDANÇAS CLIMÁTICAS
Um estudo publicado pela MWH B.V. and Utrecht
University, avaliou o potencial de redução de gases de
efeito estufa na gestão de resíduos no Brasil, prevendo
que se as práticas atuais de gestão de resíduos
permanecerem como estão, as emissões líquidas de
GEE vão crescer para 25.6Mt CO2eq/ano em 2030, e
isto se dá principalmente pela elevada parcela de
resíduos orgânicos presentes nos RSU Brasileiro, que
são responsáveis por 76% das emissões de GEE, e
também pela parcela de papel e papelão,
responsáveis por 19% das emissões de GEE. Estes
materiais geram grandes quantidades de metano
quando depositados no solo.
RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA E
MUDANÇAS CLIMÁTICAS
O mesmo estudo conclui que para se evitar ao
máximo a emissão de gases de efeito estufa é
necessário combinar uma reciclagem de alta
qualidade e processos de recuperação energética
de alta eficiência, indicando que, ante a
implementação dessas soluções combinadas, seria
possível reduzir as emissões em cerca de 57Mt
CO2eq/ano.
Benefício e desvantagens da
incineração
Destacam-se a redução de volume requerido para a
disposição em aterros; a recuperação de energia
durante a combustão pode ser utilizada para a
produção de eletricidade ou combinado calor e
energia.
Vantagens e desvantagens






Resulta em uso direto da energia térmica para
geração de vapor e/ou energia elétrica em
condição de melhor eficiência, comparativamente a
outros métodos de disposição de resíduos;
Alimentação contínua de resíduos;
Relativamente sem ruído e sem odores; e
Requer pequena área para instalação
Vantagens e desvantagens
• permite tratar os resíduos na condição
coletados;
• proporciona grande redução de volume
dos resíduos após tratamento (90
respectivamente), aumentando a vida
aterros;
• otimiza a logística de transporte;

que são
e massa
e 75%,
útil dos
Vantagens e desvantagens
• é uma solução de saneamento básico, onde são evitados os
efeitos indesejáveis característicos da disposição
inadequada de resíduos em lixões e aterros controlados,
tais como, transmissão de doenças, geração de gás metano,
formação de efluentes líquidos, contaminação do solo e
lençóis d’água, odores indesejáveis, ocupação indevida do
solo e passivos ambientais significativos;
• é uma solução que gera empregos diretos e indiretos
qualificados e pode agregar benefícios sociais locais
quando integrada com plantas de triagem e reciclagem,
gerando empregos adicionais;
• é consistente com os objetivos e diretrizes da PNRS.
Vantagens e desvantagens









Inviabilidade com resíduos de menor poder
calorífico;
Umidade excessiva e resíduos de menor poder
calorífico prejudicam a combustão;
Necessidade de utilização e equipamentos auxiliar
para manter a combustão;
Metais tóxicos podem ficar concentrados nas cinzas;
Altos custos de investimentos e de operação e
manutenção.
Limites de emissões para Unidades de
Recuperação Energética de resíduos

Fonte:
i EPA 40 CFR Part 40
(Agencia Ambiental Norte Americana);
ii. EU 2007/07/CE (Comunidade Europeia);

iii. SMA 079/2009 (Secretaria de Meio Ambiente do
Estado de São Paulo, Brasil);
iv. CONAMA 316/2002 (Conselho Nacional do Meio
Ambiente, Brasil).
Obtenção de energia elétrica
A tecnologia atualmente disponível de projeto de
incineradores pode prever a geração de até
0,95KWh/t processada. Naturalmente esta
geração dependerá do poder calorífico do
resíduos processados.
Para o Brasil estima-se que 160.000t/dia de RSU,
caso fosse incinerados possibilitaria a geração de
29,43 GWh/ano.
Obtenção de energia elétrica
Algumas incertezas a cerca das estimativas:
 Variação regional da quantidade de resíduos;
 Variação regional da composição dos resíduos;
 Mudanças na regulamentação de resíduos;
Verifica-se que o uso da incineração como
recuperação energética esta em segundo plano.
Tendências
Não há efetivamente hoje no Brasil projetos
representativos neste aspecto, enquanto, a nível
mundial, a tendência é a de aproveitar os resíduos
urbanos para a geração de energia. Em vários países
podemos encontrar termelétricas movidas a carvão e
resíduos na geração de energia elétrica. No Brasil
deveríamos já estar considerando a implantação de
termelétricas à gás e lixo e, desta forma buscarmos
equacionar ambos os problemas: de energia e do
tratamento ambientalmente correto do lixo, para
atender as exigências do meio ambiente.

?
Evolução dos tratamentos dos resíduos
sólidos urbanos na Europa (kg per capita)
PREVISÃO ATÉ 2020 NA EUROPA
(27 PAISES)
Energia do Lixo no Mundo: Algumas
Usinas
Energia contida nos RSU
Central de Tratamento de Resíduos
Comparação
No que se refere ao resíduo domiciliar como combustível,
destaca-se
que
esta
questão
deve
ser
cuidadosamente considerada, visto que o resíduo
brasileiro, comparado ao resíduo europeu,
americano ou japonês, tem maior teor de matéria
orgânica úmida e, conseqüentemente, maior teor de
umidade, o que prejudica o processo de incineração,
levando a uma menor recuperação de energia. Os
catálogos de usinas dão uma faixa de 300 a 700kWh
por tonelada de lixo processada, dependendo do tipo
do resíduo e da tecnologia empregada.

!
Recuperação energética de RSU Brasil
A Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS)
estabelece que na gestão e gerenciamento de
resíduos sólidos, deve ser observada a seguinte
ordem de prioridade: não geração, redução,
reutilização, reciclagem, tratamento dos resíduos
sólidos e disposição final ambientalmente
adequada dos rejeitos (Art. 9º). Também é prevista
a utilização de tecnologias visando à recuperação
energética
dos
resíduos,
que
sejam
comprovadamente
seguras
nos
âmbitos
operacionais, ambientais e ocupacionais.

!

?
Recuperação energética de RSU Brasil
Com esta hierarquia determinada pela PNRS,
verifica-se que reciclagem e recuperação
energética não são tecnologias concorrentes e
sim complementares. Considerando a realidade
dos sistemas de coleta, é evidente que os resíduos
secos, separados e coletados na fonte, são aptos
para reciclagem e devem ter seu encaminhamento
nesse sentido. Para os demais resíduos, coletados
misturados e contaminados com as frações
orgânicas, a forma mais eficiente de destinação é a
recuperação energética.

?

!
Estudo de caso - UsinaVerde 1ª etapa: Segregação dos materiais destinados à
reciclagem e pré-tratamento dos RSU.
2ª etapa: Tratamento Térmico dos Resíduos,
recuperação do calor e geração de energia
elétrica ou térmica.
Projeto do Sistema de
Incineração/Geração de Vapor
Projeto do Sistema de Lavagem de
Gases
Principais Vantagens
Resíduos Sólidos Urbanos
Os resíduos (RSU) brasileiros são compostos em média
por 65% de restos alimentares, 25% de papel, 5%
plástico, 2% vidro e 3% metais. Alguns resíduos
servem como combustível para a incineração. No
entanto, ambas as câmaras necessitam de injeção
de combustível auxiliar, que pode ser gás natural,
GLP ou óleo diesel. Dependendo do poder
calorífico do resíduo é possível que nenhum
combustível seja adicionado.
RESOLUÇÃO SMA-079 DE 04 DE
NOVEMBRO DE 2009


Artigo 1º - Estabelecer condições operacionais,
limites de emissão, critérios de controle e
monitoramento para disciplinar o processo de
licenciamento do aproveitamento energético dos
processos de tratamento térmico de resíduos
sólidos, em Usina de Recuperação de Energia
(URE), visando a atender o critério de melhor
tecnologia prática disponível, de modo a minimizar
os impactos deletérios à saúde pública e ao meio
ambiente.
RESOLUÇÃO SMA-079 DE 04 DE
NOVEMBRO DE 2009
Artigo 3º - Poderão ser encaminhados para a Usina de Recuperação
de Energia - URE os seguintes resíduos:
I - resíduos sólidos provenientes do sistema público de limpeza urbana
(resíduos provenientes da coleta regular, tanto domésticos como
comerciais, de varrição, podas, limpeza de vias e outros
logradouros públicos e de sistemas de drenagem urbana);
II - os lodos gerados em estações públicas de tratamento de água e
de esgotos;
III - os resíduos de serviços de saúde observando as diretrizes da
Resolução CONANA nº 358, de 29 de abril de 2005;
IV - os resíduos industriais, que por sua natureza e composição sejam
similares aos resíduos sólidos urbanos, excluídos os resíduos
industriais perigosos e os rejeitos radioativos;
V - os lodos provenientes de sistemas de flotação instalados para
despoluição de cursos de água.
RESOLUÇÃO CONAMA nº 316, de 29
de outubro de 2002
Dispõe sobre procedimentos e critérios para o
funcionamento de sistemas de tratamento térmico de
resíduos.
Art. 1o Disciplinar os processos de tratamento térmico
de resíduos e cadáveres, estabelecendo
procedimentos operacionais, limites de emissão e
critérios de desempenho, controle, tratamento e
disposição final de efluentes, de modo a minimizar
os impactos ao meio ambiente e à saúde pública,
resultantes destas atividades.
RESOLUÇÃO CONAMA nº 316, de 29
de outubro de 2002
Art. 10. Os resíduos de origem industrial e as misturas de resíduos recebidos pelo
sistema de tratamento térmico deverão ter registro das seguintes informações:
I - origem e processo produtivo do gerador e quantidade;
II - quantificação dos parâmetros relativos ao poder calorífico, cinzas e, quando
couber, metais, halogênios ou compostos halogenados;
III - composição química e características físico-químicas do resíduo, que comprovem
sua compatibilidade com as condicionantes da licença de operação;
IV - incompatibilidade com outros resíduos;
V - métodos de amostragem e análise utilizados, com os respectivos limites de
detecção.
Parágrafo único. No caso de mistura de resíduos, deverão ser prestadas, também, as
seguintes informações:

I - porcentagem, em peso, de cada resíduo na mistura;
II - descrição dos métodos utilizados na preparação da mistura.
RESOLUÇÃO CONAMA nº 316, de 29
de outubro de 2002
Art. 14. Os estabelecimentos geradores de resíduos de serviço
de saúde, que optarem pelo tratamento térmico dos
resíduos, devem fazer constar esta opção do Plano de
Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde, em
conformidade com a Resolução CONAMA nº 283147, de
12 de julho de 2001, aprovado pelos órgãos de meio
ambiente e de saúde, dentro de suas respectivas esferas de
competência, de acordo com a legislação vigente.148
Art. 15. Os resíduos de serviços de saúde, recebidos pelo
sistema de tratamento térmico, deverão ser documentados
por meio de registro dos dados da fonte geradora,
contendo, no mínimo, informações relativas à data de
recebimento, quantidade e classificação dos resíduos
quanto ao grupo a que pertencem, em conformidade com a
Resolução CONAMA nº 283144, de 2001.
RESOLUÇÃO CONAMA nº 316, de 29
de outubro de 2002
Art. 16. Os resíduos de serviços de saúde, quando suscetíveis ao
tratamento térmico, devem obedecer, segundo a sua classificação,
ao que se segue:
I - GRUPO A: resíduos que apresentam risco à saúde pública e ao
meio ambiente, devido à presença de agentes biológicos, devem ser
destinados a sistemas especialmente licenciados para este fim, pelo
órgão ambiental competente;
II - GRUPO B: resíduos que apresentam risco à saúde pública e ao
meio ambiente devido as suas características físicas, químicas e
físico-químicas, devem ser submetidos às condições específicas de
tratamento térmico para resíduos de origem industrial;
III - GRUPO D: resíduos comuns devem ser enquadrados nas condições
específicas de tratamento térmico para resíduos sólidos urbanos.
RESOLUÇÃO CONAMA nº 316, de 29
de outubro de 2002
Art. 24. A implantação do sistema de tratamento
térmico de resíduos de origem urbana deve ser
precedida da implementação de um programa de
segregação de resíduos, em ação integrada com os
responsáveis pelo sistema de coleta e de
tratamento térmico, para fins de reciclagem ou
reaproveitamento, de acordo com os planos
municipais de gerenciamento de resíduos.
RESOLUÇÃO CONAMA nº 316, de 29
de outubro de 2002
Art. 27. Todo e qualquer sistema de tratamento
térmico deve possuir unidades de recepção,
armazenamento, alimentação, tratamento das
emissões de gases e partículas, tratamento de
efluentes líquidos, tratamento das cinzas e escórias.
Parágrafo único. Na hipótese de os efluentes líquidos
e sólidos não serem tratados dentro das instalações
do sistema de tratamento, o destinatário que os
receber deverá estar devidamente licenciado para
este fim.
Resolução CONAMA
Resolução CONAMA Nº 006/1991 - "Dispõe sobre a
incineração de resíduos sólidos provenientes de
estabelecimentos de saúde, portos e aeroportos" Data da legislação: 19/09/1991 - Publicação
DOU, de 30/10/1991, pág. 24063
Reflexão

meioambientetecnico.blogspot.com
Referências






Aproveitamento Energético dos
Resíduos Sólidos
Urbanos - Tecnologia para tratamento térmico e
recuperação energética de resíduos sólidos urbanos Antonio Bolognesi - 20 de julho de 2011
Aproveitamento energético dos resíduos sólidos
urbanos: uma abordagem tecnológica – Rachel Martins
Henriques – UFRJ – Março 2004
Tratamento térmico de resíduos sólidos – incineração
Tratamento Biológico de Resíduos Sólidos Agrícolas e
Agroindustriais Profa. Msc. Ana Carolina B. Kummer
Sugestão







http://www.incineradornao.net
http://www.usinaverde.com.br/
http://www.youtube.com/watch?v=wtJCRFu1Ik8&fe
ature=related
http://www.youtube.com/watch?v=b2a5Rb_KdyI
http://www.youtube.com/watch?v=g8ycXLvOuBM&
feature=player_embedded#!
Referência Bibliográfica








Reciclagem Energética - dos Resíduos Sólidos – Usina
Verde
Aproveitamento energético de resíduos sólidos urbanos
Rachel Martins Henriques Universidade Federal do Rio
de Janeiro 2004
Incineração de resíduos sólidos perigosos - Padrões de
desempenho NBR 11175/1990
Tecnologia para tratamento térmico e recuperação
energética de resíduos sólidos urbanos - 20 de julho de
2011 - Antonio Bolognesi - Aproveitamento Energético
dos Resíduos Sólidos Urbanos FIESP
Referência Bibliográfica








RESOLUÇÃO CONAMA no 386, de 27 de
dezembro de 2006
RESOLUÇÃO CONAMA nº 316, de 29 de outubro
de 2002
RESOLUÇÃO CONAMA nº 6, de 19 de setembro
de 1991
CADERNO
INFORMATIVO
RECUPERAÇÃO
CADERNO INFORMATIVO Energética Realização:
Comitê de Valorização Energética, Organização:
ABRELPE e PLASTIVIDA
Artigos






ESTUDOCOMPARATIVOPARA OTRATAMENTODE RESÍDUOS
SÓLIDOS
URBANOS:
ATERROS
SANITÁRIOS
X
INCINERAÇÃO - André de Carvalho Paro; Fernando Cörner
da Costa; Suani Teixeira Coelho - Revista Brasileira de
Energia, Vol. 14, No. 2, 2o Sem. 2008, pp. 113-125
A INCINERAÇÃO DE RESÍDUOS: UMA TECNOLOGIA A
DESAPARECER RELATÓRIO ELABORADO PELA ALIANÇA
GLOBAL
PARA
ALTERNATIVAS
ÀS
INCINERADORAS/ALIANÇA GLOBAL ANTIINCINERADORAS
(GAIA) 2003
Incineração Não é a Solução – Greenpeace – Campanha
Substancias tóxicas
Artigos


Incineração: Uma Alternativa Segura para o
Gerenciamento de Resíduos Sólidos R. M. C.
Coutinhoa, A. L. O. Coutinhob, L. C. Carregaric “CLEANER
PRODUCTION
INITIATIVES
AND
CHALLENGES FOR A SUSTAINABLE WORLD” São
Paulo – Brazil – May 18th-20ndth – 2011
ANEXOS - CONCEITOS SOBRE A
RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA
O termo Recuperação Energética é utilizado para
denominar os métodos e processos industriais que
permitem recuperar parte da energia contida nos
resíduos sólidos. Os métodos mais empregados
utilizam a incineração e, com o calor obtido, gerase vapor e/ ou energia elétrica que pode ser
novamente aproveitada pela sociedade.
CONCEITOS SOBRE A
RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA
Basicamente a recuperação energética pode ser
dividida em dois grupos:
 Incineração/Mass
Burning (com excesso de
oxigênio) e;
 Gaseificação/Pirólise (com déficit de oxigênio).
Incineração/Mass Burning
O Mass Burning é a rota tecnológica mais difundida e
empregada mundialmente para tratar os RSU e
reaproveitar o seu conteúdo energético. Os RSU são
descarregados em um fosso de armazenamento sem
necessidade de qualquer pré-tratamento e através de
garras são dosados no sistema de alimentação das
caldeiras ou fornos para serem incinerados, com excesso de
oxigênio, gerando gases quentes que trocam calor, em uma
caldeira, com as paredes dos tubos produzindo vapor em
alta pressão e temperatura, para uso térmico ou em
conjuntos turbinas e geradores para geração de energia
elétrica. Os sistemas de queima mais empregados são o de
Grelhas Móveis e de Leito Fluidizado.
Incineração/Mass Burning
Antes de serem lançados na atmosfera, os gases
decorrentes do processo de combustão passam por
uma série de sistemas de controle ambiental para
abatimento dos poluentes. As emissões exigidas
para o Mass Burning são as mais restritivas entre
todas as fontes de geração de energia (carvão,
bagaço de cana, óleo combustível e gás natural).
Gaseificação/Pirólise
Nestas rotas, os RSU sofrem um pré-tratamento, de forma
a criar uma massa mais homogênea e seca, então são
submetidos a um tratamento térmico em altas
temperaturas em ambiente pobre de oxigênio. Os
gases decorrentes do processo de combustão também
necessitam de sistemas de controle ambiental para
abatimento dos poluentes. Em termos energéticos a
gaseificação possui um menor aproveitamento
energético líquido. A necessidade de realizar prétratamento e a secagem dos RSU acarreta custos
operacionais adicionais consideráveis que ainda fazem
diminuir a sua competitividade.
Gaseificação/Pirólise
Na gaseificação, o carbono e o hidrogênio presentes nos
RSU reagem parcialmente com o oxigênio (combustão)
gerando o gás de síntese (gás hidrogênio e monóxido
de carbono conhecido como syngas), dióxido de
carbono e cinzas. São empregados equipamentos
chamados de gaseificadores que possuem diversas
configurações. Os tipos comerciais mais comuns de
gaseificadores são de leito fixo, leito fluidizado e
plasma. O syngas pode ser queimado em geradores
especiais para geração de energia elétrica ou
utilizados como intermediários para reações que geram
produtos químicos.
Gaseificação/Pirólise
Na pirólise, o tratamento térmico é totalmente sem a
presença de oxigênio, os componentes dos RSU são
decompostos em hidrocarbonetos na forma gasosa
e cinzas. A fração gasosa pode ser destilada para
obter diferentes hidrocarbonetos ou queimados em
caldeiras ou geradores para gerar energia elétrica
ou ainda oxidados parcialmente para obtenção do
gás de síntese como ocorre na gaseificação.
Resíduos do Processo
Lixiviados
No fosso de armazenamento de resíduos (bunker) existe a
possibilidade de formação de lixiviados de fundo
devido à presença de matéria orgânica e da alta
umidade contida no RSU brasileiro. Estes lixiviados
gerados através da decomposição química dos resíduos
ou mesmo decorrente da água contida nos resíduos,
devem ser regularmente removidos por bombas de
extração e poderão ser encaminhados à estação de
tratamento de chorume/lixiviados.
Resíduos do Processo
Cinzas de Fundo da Caldeira (Slag ou Bottom Ash) e Metais
Ferrosos e não Ferrosos
As cinzas de fundo e outros materiais inertes (não combustíveis) são
provenientes do processo de combustão e devem ser retirados
por um sistema de extração de cinzas e separação dos metais
por equipamentos adequados. As cinzas apresentam em sua
composição, além dos metais ferrosos e não ferrosos, materiais
inertes como vidros, pedras, cinzas de incineração, etc., podendo
ainda apresentar até 3% de material orgânico não queimado
que deve retornar para o fosso após separação. Os metais
podem ser recuperados e gerar receita para a URE, enquanto
que as cinzas de fundo poderão ser reaproveitadas na
construção civil e pavimentação de ruas e rodovias, atividades
exercidas em alguns países da Europa.
Resíduos do Processo
Cinzas da Caldeira (Fly Ash) e Resíduos do Sistema
de Tratamento de Gases de Combustão (FGT
Residues)
Estas cinzas e resíduos apresentam em sua
composição elevado teor de metais pesados e
poluentes altamente nocivos ao meio ambiente e
aos seres humanos, impossibilitando o seu
reaproveitamento em qualquer circunstância. Sendo
assim, deverão ser encaminhados a um aterro
classe I, conforme norma NBR 10.004.
Resíduos do Processo
Emissões Gasosas na Atmosfera
O tratamento de gases de combustão deverá
assegurar o cumprimento dos limites de emissão dos
poluentes, que no Brasil estão determinados por
resoluções do CONAMA. Alguns estados, no âmbito
de sua competência, já determinaram limites mais
restritivos do que os nacionais, seguindo na mesma
linha da Diretiva 2000/76 da União Europeia de
28/12/2000.
Tipos de Incineradores
Equipamentos e Sistemas Principais
Equipamentos e Sistemas Principais
1. Local de Recebimento de RSU
17. Reator de Tratamento de Gases de Combustão
2. Poço de Armazenamento de RSU (Bunker)
18. Transportador de Resíduos do Tratamento de Gases
de Combustão
3. Ponte Rolante de RSU
19. Silo de Cinzas de Caldeira e Resíduos do
4. Moega de Alimentação
Tratamento de Gases de Combustão
5. Alimentador da Grelha
20. Estação de Carregamento de Cinzas e Resíduos
6. Grelha de Incineração
21. Ensacamento de Cinzas e Resíduos
7. Fornalha
22. Lavador de Gases
8. Transportador / Peneira de Cinzas
23. Filtro de Mangas
9. Extrator de Cinzas de Fundo
24. Ventilador de Tiragem Induzida
10. Peneira Vibratória
25. Chaminé
11. Talha de Cinzas de Fundo
26. Aerocondensador
12. Poço de Armazenamento Auxiliar (Bunker Auxiliar) 27. Tanque de Água de Alimentação
13. Ar de Combustão Primário
28. Planta de Tratamento de Água (Desmineralização)
14. Ar de Combustão Secundário + Sistema de29. Turbina / Gerador
Abatimento de NOx
30. Sala de Controle
15. Caldeira de Recuperação de Calor
16. Transportador de Cinzas de Caldeira

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula de Gestão Ambiental - UMC
Aula de Gestão Ambiental - UMCAula de Gestão Ambiental - UMC
Aula de Gestão Ambiental - UMC
proftstsergioetm
 
Os residuos e o seu tratamento
Os residuos e o seu tratamentoOs residuos e o seu tratamento
Os residuos e o seu tratamento
joanadesousaesilva
 
Lixo
LixoLixo
Residuos Industriais
Residuos IndustriaisResiduos Industriais
Residuos Industriais
Odair Medrado
 
Aula 6 compostagem
Aula 6 compostagemAula 6 compostagem
Aula 6 compostagem
Giovanna Ortiz
 
Educação ambiental
Educação ambientalEducação ambiental
Educação ambiental
lucasvinicius98
 
Saúde ambiental
Saúde ambientalSaúde ambiental
Saúde ambiental
Rodrigo Bruno
 
Produção industrial de alimentos e seus impactos
Produção industrial de alimentos e seus impactosProdução industrial de alimentos e seus impactos
Produção industrial de alimentos e seus impactos
Juliana Nólibos
 
Gerenciamento de Resíduos
Gerenciamento de ResíduosGerenciamento de Resíduos
Aula 9 aterro
Aula 9   aterroAula 9   aterro
Aula 9 aterro
Giovanna Ortiz
 
Aterro sanitario
Aterro sanitarioAterro sanitario
Aterro sanitario
Rene Nakaya
 
Gerenciamento de resíduos sólidos
Gerenciamento de resíduos sólidosGerenciamento de resíduos sólidos
Gerenciamento de resíduos sólidos
Templum Consultoria Online
 
Construções sustentáveis
Construções sustentáveisConstruções sustentáveis
Construções sustentáveis
Master Ambiental
 
Tratamento e Disposição Final de Resíduos
Tratamento e Disposição Final de ResíduosTratamento e Disposição Final de Resíduos
Tratamento e Disposição Final de Resíduos
ONU Meio Ambiente e Ministério do Meio Ambiente
 
GESTÃO AMBIENTAL
GESTÃO AMBIENTALGESTÃO AMBIENTAL
GESTÃO AMBIENTAL
Filipa Andrade
 
Palestra Meio Ambiente
Palestra Meio AmbientePalestra Meio Ambiente
Palestra Meio Ambiente
adelsonb
 
Impactos ambientais intensivo
Impactos ambientais intensivoImpactos ambientais intensivo
Impactos ambientais intensivo
BIOLOGIA Associação Pré-FEDERAL
 
Lixão X Aterro Sanitário X Aterro Controlado
Lixão X Aterro Sanitário X Aterro Controlado   Lixão X Aterro Sanitário X Aterro Controlado
Lixão X Aterro Sanitário X Aterro Controlado
saramandaia
 
Sistema de gestão ambiental
Sistema de gestão ambientalSistema de gestão ambiental
Sistema de gestão ambiental
luigicanova
 
Aula 7 co-processamento
Aula 7   co-processamentoAula 7   co-processamento
Aula 7 co-processamento
Giovanna Ortiz
 

Mais procurados (20)

Aula de Gestão Ambiental - UMC
Aula de Gestão Ambiental - UMCAula de Gestão Ambiental - UMC
Aula de Gestão Ambiental - UMC
 
Os residuos e o seu tratamento
Os residuos e o seu tratamentoOs residuos e o seu tratamento
Os residuos e o seu tratamento
 
Lixo
LixoLixo
Lixo
 
Residuos Industriais
Residuos IndustriaisResiduos Industriais
Residuos Industriais
 
Aula 6 compostagem
Aula 6 compostagemAula 6 compostagem
Aula 6 compostagem
 
Educação ambiental
Educação ambientalEducação ambiental
Educação ambiental
 
Saúde ambiental
Saúde ambientalSaúde ambiental
Saúde ambiental
 
Produção industrial de alimentos e seus impactos
Produção industrial de alimentos e seus impactosProdução industrial de alimentos e seus impactos
Produção industrial de alimentos e seus impactos
 
Gerenciamento de Resíduos
Gerenciamento de ResíduosGerenciamento de Resíduos
Gerenciamento de Resíduos
 
Aula 9 aterro
Aula 9   aterroAula 9   aterro
Aula 9 aterro
 
Aterro sanitario
Aterro sanitarioAterro sanitario
Aterro sanitario
 
Gerenciamento de resíduos sólidos
Gerenciamento de resíduos sólidosGerenciamento de resíduos sólidos
Gerenciamento de resíduos sólidos
 
Construções sustentáveis
Construções sustentáveisConstruções sustentáveis
Construções sustentáveis
 
Tratamento e Disposição Final de Resíduos
Tratamento e Disposição Final de ResíduosTratamento e Disposição Final de Resíduos
Tratamento e Disposição Final de Resíduos
 
GESTÃO AMBIENTAL
GESTÃO AMBIENTALGESTÃO AMBIENTAL
GESTÃO AMBIENTAL
 
Palestra Meio Ambiente
Palestra Meio AmbientePalestra Meio Ambiente
Palestra Meio Ambiente
 
Impactos ambientais intensivo
Impactos ambientais intensivoImpactos ambientais intensivo
Impactos ambientais intensivo
 
Lixão X Aterro Sanitário X Aterro Controlado
Lixão X Aterro Sanitário X Aterro Controlado   Lixão X Aterro Sanitário X Aterro Controlado
Lixão X Aterro Sanitário X Aterro Controlado
 
Sistema de gestão ambiental
Sistema de gestão ambientalSistema de gestão ambiental
Sistema de gestão ambiental
 
Aula 7 co-processamento
Aula 7   co-processamentoAula 7   co-processamento
Aula 7 co-processamento
 

Destaque

Aula 4. rsu parte 1pdf
Aula 4. rsu parte 1pdfAula 4. rsu parte 1pdf
Aula 4. rsu parte 1pdf
Giovanna Ortiz
 
Aula 4 parte 2
Aula 4 parte 2Aula 4 parte 2
Aula 4 parte 2
Giovanna Ortiz
 
Exercícios dimensionamento limpeza publica aula 4
Exercícios dimensionamento limpeza publica aula 4Exercícios dimensionamento limpeza publica aula 4
Exercícios dimensionamento limpeza publica aula 4
Giovanna Ortiz
 
Revisão sobre resíduos de serviços de saúde
Revisão sobre resíduos de serviços de saúdeRevisão sobre resíduos de serviços de saúde
Revisão sobre resíduos de serviços de saúde
TCC_FARMACIA_FEF
 
10 tratamento
10 tratamento10 tratamento
10 tratamento
Gabriela Araújo
 
Co IncineraçãO
Co IncineraçãOCo IncineraçãO
Co IncineraçãO
claudiabrito80
 
Tratamento De ResíDuos SóLidos
Tratamento De ResíDuos SóLidosTratamento De ResíDuos SóLidos
Tratamento De ResíDuos SóLidos
Nuno Correia
 
Quixere extracao-calcario
Quixere extracao-calcarioQuixere extracao-calcario
Quixere extracao-calcario
Liana Maia
 
Licenciamento e ordenamento de obras
Licenciamento e ordenamento de obrasLicenciamento e ordenamento de obras
Licenciamento e ordenamento de obras
Luciano Nascimento
 
Tcc marianna albergaria
Tcc marianna albergariaTcc marianna albergaria
Tcc marianna albergaria
Liana Maia
 
Engenharia do Futuro: A Engenharia Criativa - Magical Minds
Engenharia do Futuro: A Engenharia Criativa - Magical MindsEngenharia do Futuro: A Engenharia Criativa - Magical Minds
Engenharia do Futuro: A Engenharia Criativa - Magical Minds
PorQueNão?
 
Certificação ISO 14.001
Certificação ISO 14.001Certificação ISO 14.001
Certificação ISO 14.001
Master Ambiental
 
Cinetica quimica
Cinetica quimicaCinetica quimica
Cinetica quimica
Liana Maia
 
Cartilha de licenciamento ambiental 2ª edicao
Cartilha de licenciamento ambiental 2ª edicaoCartilha de licenciamento ambiental 2ª edicao
Cartilha de licenciamento ambiental 2ª edicao
Rancho Caatinga Verde
 
Inventário de Gases de Efeito Estufa
Inventário de Gases de Efeito EstufaInventário de Gases de Efeito Estufa
Inventário de Gases de Efeito Estufa
Master Ambiental
 
Resíduos de logística reversa final
Resíduos de logística reversa finalResíduos de logística reversa final
Resíduos de logística reversa final
Master Ambiental
 
Código Florestal Brasileiro
Código Florestal BrasileiroCódigo Florestal Brasileiro
Código Florestal Brasileiro
Marco antônio
 
PGRCC
PGRCCPGRCC
Aula 1 normas e legislação
Aula 1 normas e legislaçãoAula 1 normas e legislação
Aula 1 normas e legislação
Giovanna Ortiz
 
Armazenamento e tratamento de residuos sólidos parte1
Armazenamento e tratamento de residuos sólidos   parte1Armazenamento e tratamento de residuos sólidos   parte1
Armazenamento e tratamento de residuos sólidos parte1
Gilson Adao
 

Destaque (20)

Aula 4. rsu parte 1pdf
Aula 4. rsu parte 1pdfAula 4. rsu parte 1pdf
Aula 4. rsu parte 1pdf
 
Aula 4 parte 2
Aula 4 parte 2Aula 4 parte 2
Aula 4 parte 2
 
Exercícios dimensionamento limpeza publica aula 4
Exercícios dimensionamento limpeza publica aula 4Exercícios dimensionamento limpeza publica aula 4
Exercícios dimensionamento limpeza publica aula 4
 
Revisão sobre resíduos de serviços de saúde
Revisão sobre resíduos de serviços de saúdeRevisão sobre resíduos de serviços de saúde
Revisão sobre resíduos de serviços de saúde
 
10 tratamento
10 tratamento10 tratamento
10 tratamento
 
Co IncineraçãO
Co IncineraçãOCo IncineraçãO
Co IncineraçãO
 
Tratamento De ResíDuos SóLidos
Tratamento De ResíDuos SóLidosTratamento De ResíDuos SóLidos
Tratamento De ResíDuos SóLidos
 
Quixere extracao-calcario
Quixere extracao-calcarioQuixere extracao-calcario
Quixere extracao-calcario
 
Licenciamento e ordenamento de obras
Licenciamento e ordenamento de obrasLicenciamento e ordenamento de obras
Licenciamento e ordenamento de obras
 
Tcc marianna albergaria
Tcc marianna albergariaTcc marianna albergaria
Tcc marianna albergaria
 
Engenharia do Futuro: A Engenharia Criativa - Magical Minds
Engenharia do Futuro: A Engenharia Criativa - Magical MindsEngenharia do Futuro: A Engenharia Criativa - Magical Minds
Engenharia do Futuro: A Engenharia Criativa - Magical Minds
 
Certificação ISO 14.001
Certificação ISO 14.001Certificação ISO 14.001
Certificação ISO 14.001
 
Cinetica quimica
Cinetica quimicaCinetica quimica
Cinetica quimica
 
Cartilha de licenciamento ambiental 2ª edicao
Cartilha de licenciamento ambiental 2ª edicaoCartilha de licenciamento ambiental 2ª edicao
Cartilha de licenciamento ambiental 2ª edicao
 
Inventário de Gases de Efeito Estufa
Inventário de Gases de Efeito EstufaInventário de Gases de Efeito Estufa
Inventário de Gases de Efeito Estufa
 
Resíduos de logística reversa final
Resíduos de logística reversa finalResíduos de logística reversa final
Resíduos de logística reversa final
 
Código Florestal Brasileiro
Código Florestal BrasileiroCódigo Florestal Brasileiro
Código Florestal Brasileiro
 
PGRCC
PGRCCPGRCC
PGRCC
 
Aula 1 normas e legislação
Aula 1 normas e legislaçãoAula 1 normas e legislação
Aula 1 normas e legislação
 
Armazenamento e tratamento de residuos sólidos parte1
Armazenamento e tratamento de residuos sólidos   parte1Armazenamento e tratamento de residuos sólidos   parte1
Armazenamento e tratamento de residuos sólidos parte1
 

Semelhante a Aula 8 incineração

A co incineração
A co incineraçãoA co incineração
A co incineração
sanpersousa89
 
Incineração
IncineraçãoIncineração
Incineração
Inês Mota
 
A coincineracao
A coincineracao A coincineracao
A coincineracao
Salomé Raposo
 
Co incineraçâo
Co incineraçâoCo incineraçâo
Co incineraçâo
mjosefreitasval
 
Nanotecnologia em processos industriais
Nanotecnologia em processos industriaisNanotecnologia em processos industriais
Nanotecnologia em processos industriais
Edilson Gomes de Lima
 
Monoxído CO.pdf
Monoxído CO.pdfMonoxído CO.pdf
Monoxído CO.pdf
LeomirBorghardt1
 
Co incineração
Co incineraçãoCo incineração
Co incineração
zefreitas
 
Co incineraçao powerpoint corrigido
Co incineraçao powerpoint corrigidoCo incineraçao powerpoint corrigido
Co incineraçao powerpoint corrigido
sanpersousa89
 
1695
16951695
1695
Pelo Siro
 
Co Incineração
Co IncineraçãoCo Incineração
Co Incineração
sandramonteiro77
 
Gaseificação
GaseificaçãoGaseificação
Gaseificação
Bianca Medeiros
 
Química ambiental - poluição ambiental
 Química ambiental - poluição ambiental Química ambiental - poluição ambiental
Química ambiental - poluição ambiental
Hamilton Hermes de Oliveira
 
1704
17041704
1704
Pelo Siro
 
Co incineração corrigido
Co incineração corrigidoCo incineração corrigido
Co incineração corrigido
sanpersousa89
 
Energia
EnergiaEnergia
Energia
souto1998
 
Co-Incineração
Co-IncineraçãoCo-Incineração
Co-Incineração
Vitor Pereira
 
Caldeiras
CaldeirasCaldeiras
Energias NãO RenováVeis Ana Henriques 1
Energias  NãO  RenováVeis Ana Henriques 1Energias  NãO  RenováVeis Ana Henriques 1
Energias NãO RenováVeis Ana Henriques 1
guest69ca1e7
 
aula-7-química-do-meio-ambiente.pdf
aula-7-química-do-meio-ambiente.pdfaula-7-química-do-meio-ambiente.pdf
aula-7-química-do-meio-ambiente.pdf
AntonioMarcos839221
 
(Microsoft PowerPoint - aula 7 - qu_355mica do meio ambiente [Modo de Compati...
(Microsoft PowerPoint - aula 7 - qu_355mica do meio ambiente [Modo de Compati...(Microsoft PowerPoint - aula 7 - qu_355mica do meio ambiente [Modo de Compati...
(Microsoft PowerPoint - aula 7 - qu_355mica do meio ambiente [Modo de Compati...
ssuser6ab917
 

Semelhante a Aula 8 incineração (20)

A co incineração
A co incineraçãoA co incineração
A co incineração
 
Incineração
IncineraçãoIncineração
Incineração
 
A coincineracao
A coincineracao A coincineracao
A coincineracao
 
Co incineraçâo
Co incineraçâoCo incineraçâo
Co incineraçâo
 
Nanotecnologia em processos industriais
Nanotecnologia em processos industriaisNanotecnologia em processos industriais
Nanotecnologia em processos industriais
 
Monoxído CO.pdf
Monoxído CO.pdfMonoxído CO.pdf
Monoxído CO.pdf
 
Co incineração
Co incineraçãoCo incineração
Co incineração
 
Co incineraçao powerpoint corrigido
Co incineraçao powerpoint corrigidoCo incineraçao powerpoint corrigido
Co incineraçao powerpoint corrigido
 
1695
16951695
1695
 
Co Incineração
Co IncineraçãoCo Incineração
Co Incineração
 
Gaseificação
GaseificaçãoGaseificação
Gaseificação
 
Química ambiental - poluição ambiental
 Química ambiental - poluição ambiental Química ambiental - poluição ambiental
Química ambiental - poluição ambiental
 
1704
17041704
1704
 
Co incineração corrigido
Co incineração corrigidoCo incineração corrigido
Co incineração corrigido
 
Energia
EnergiaEnergia
Energia
 
Co-Incineração
Co-IncineraçãoCo-Incineração
Co-Incineração
 
Caldeiras
CaldeirasCaldeiras
Caldeiras
 
Energias NãO RenováVeis Ana Henriques 1
Energias  NãO  RenováVeis Ana Henriques 1Energias  NãO  RenováVeis Ana Henriques 1
Energias NãO RenováVeis Ana Henriques 1
 
aula-7-química-do-meio-ambiente.pdf
aula-7-química-do-meio-ambiente.pdfaula-7-química-do-meio-ambiente.pdf
aula-7-química-do-meio-ambiente.pdf
 
(Microsoft PowerPoint - aula 7 - qu_355mica do meio ambiente [Modo de Compati...
(Microsoft PowerPoint - aula 7 - qu_355mica do meio ambiente [Modo de Compati...(Microsoft PowerPoint - aula 7 - qu_355mica do meio ambiente [Modo de Compati...
(Microsoft PowerPoint - aula 7 - qu_355mica do meio ambiente [Modo de Compati...
 

Mais de Giovanna Ortiz

Dimensionamento de um aterro sanitário2
Dimensionamento de um aterro sanitário2Dimensionamento de um aterro sanitário2
Dimensionamento de um aterro sanitário2
Giovanna Ortiz
 
Dimensionamento de pátio de compostagem
Dimensionamento de pátio de compostagemDimensionamento de pátio de compostagem
Dimensionamento de pátio de compostagem
Giovanna Ortiz
 
Aula 2 panorama geral
Aula 2 panorama geralAula 2 panorama geral
Aula 2 panorama geral
Giovanna Ortiz
 
Atividade roteiro para implantação de coleta seletiva
Atividade   roteiro para implantação de coleta seletivaAtividade   roteiro para implantação de coleta seletiva
Atividade roteiro para implantação de coleta seletiva
Giovanna Ortiz
 
Apresentação geral do curso
Apresentação geral do cursoApresentação geral do curso
Apresentação geral do curso
Giovanna Ortiz
 
Exercícios de compensação de ausências
Exercícios de compensação de ausênciasExercícios de compensação de ausências
Exercícios de compensação de ausências
Giovanna Ortiz
 
Erosão
ErosãoErosão
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
Giovanna Ortiz
 
Solos 6b
Solos 6bSolos 6b
Solos 6b
Giovanna Ortiz
 
Solos 4
Solos 4Solos 4
Solos 3p
Solos 3pSolos 3p
Solos 3p
Giovanna Ortiz
 
Solos 3
Solos 3Solos 3
Solos 2
Solos 2Solos 2
Solos 6a
Solos 6aSolos 6a
Solos 6a
Giovanna Ortiz
 
Provinha
ProvinhaProvinha
Provinha
Giovanna Ortiz
 
Aula 10
Aula 10Aula 10
Aula 9
Aula 9Aula 9
Aula 8
Aula 8Aula 8
Aula 7
Aula 7Aula 7
Aula 6
Aula 6Aula 6

Mais de Giovanna Ortiz (20)

Dimensionamento de um aterro sanitário2
Dimensionamento de um aterro sanitário2Dimensionamento de um aterro sanitário2
Dimensionamento de um aterro sanitário2
 
Dimensionamento de pátio de compostagem
Dimensionamento de pátio de compostagemDimensionamento de pátio de compostagem
Dimensionamento de pátio de compostagem
 
Aula 2 panorama geral
Aula 2 panorama geralAula 2 panorama geral
Aula 2 panorama geral
 
Atividade roteiro para implantação de coleta seletiva
Atividade   roteiro para implantação de coleta seletivaAtividade   roteiro para implantação de coleta seletiva
Atividade roteiro para implantação de coleta seletiva
 
Apresentação geral do curso
Apresentação geral do cursoApresentação geral do curso
Apresentação geral do curso
 
Exercícios de compensação de ausências
Exercícios de compensação de ausênciasExercícios de compensação de ausências
Exercícios de compensação de ausências
 
Erosão
ErosãoErosão
Erosão
 
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
 
Solos 6b
Solos 6bSolos 6b
Solos 6b
 
Solos 4
Solos 4Solos 4
Solos 4
 
Solos 3p
Solos 3pSolos 3p
Solos 3p
 
Solos 3
Solos 3Solos 3
Solos 3
 
Solos 2
Solos 2Solos 2
Solos 2
 
Solos 6a
Solos 6aSolos 6a
Solos 6a
 
Provinha
ProvinhaProvinha
Provinha
 
Aula 10
Aula 10Aula 10
Aula 10
 
Aula 9
Aula 9Aula 9
Aula 9
 
Aula 8
Aula 8Aula 8
Aula 8
 
Aula 7
Aula 7Aula 7
Aula 7
 
Aula 6
Aula 6Aula 6
Aula 6
 

Último

DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
EdimaresSilvestre
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 

Aula 8 incineração

  • 1. RESÍDUOS SÓLIDOS Aula 8 – Tratamento térmico - Incineração
  • 2. É um processo de oxidação térmica, conduzido sob condições controladas, em um sistema projetado especificamente para essa finalidade, visando a degradação térmica de resíduos, para convertêlos em materiais menos nocivos e/ou de menor volume. lookfordiagnosis.com Introdução
  • 3. Introdução Esta tecnologia tem como principal atrativo sua possibilidade de diminuir para cerca de 4% do volume de resíduos a ser destinado ao aterro sanitário, além de ser eficiente na conversão de energia com resíduos. As cinzas são os subprodutos deste método e por serem inertes já existem estudos que mostram a viabilidade de sua aplicação na construção civil.
  • 4. Histórico    O primeiro incinerador municipal foi instalado no Brasil em 1896 em Manaus para processar 60 t por dia de resíduos domésticos sendo desativado em 1958. A incineração no Brasil ainda se caracteriza pela existência de grande quantidade de incineradores de porte muito pequeno, instalados em hospitais, casa de saúde etc. São equipamentos simples com capacidade de 100kg/hora. Muitas vezes mal operados com elevadas emissões gasosas. Hoje alguns incineradores tem capacidades de processar entre 300kg/h a 1,8t/hora.
  • 5. RESÍDUOS PASSÍVEIS DE INCINERAÇÃO      resíduos sólidos, pastosos, líquidos e gasosos resíduos orgânicos clorados e não-clorados (borra de tinta, agrodefensivos, borras oleosas, farmacêuticos, resíduos de laboratório, resinas, entre outros) resíduos inorgânicos contaminados com óleo, água contaminada com solventes, entre outros) resíduos ambulatoriais solo contaminado.
  • 6. RESÍDUOS NÃO-PASSÍVEIS    radioativos resíduos totalmente inorgânicos resíduos hospitalares (centro cirúrgico)
  • 7. Parâmetros de controle         Caracterização do resíduo Temperatura da câmara Tempo de residência Excesso de ar Taxa de alimentação de combustível e de resíduo Emissões atmosféricas Efluentes líquidos Cinzas
  • 8. Tecnologia para incineração Existem hoje diversas tecnologias para a incineração de resíduos. Dentre as várias alternativas destacam-se:  Combustão de sais fundidos: onde os resíduos são aquecidos a cerca de 900°C e destruídos ao serem misturados com carbonato de sódio fundido.  Incineradores de leito fluidizado: onde o material sólido granulado – como calcário, areia, ou alumina – é suspenso no ar (fluidizado) por meio de um jato de ar e os resíduos são queimados no fluido a cerca de 900°C, e a oxidação dos gases de combustão é completada em uma câmara de combustão secundária.
  • 9. Tecnologia para incineração  Incineradores de plasma: que podem atingir temperaturas de até 10000°C por meio da passagem de uma forte corrente elétrica através de um gás inerte, como argônio. O plasma é constituído por uma mistura de elétrons e íons positivos, incluindo núcleos, e pode decompor compostos com sucesso, produzindo emissões muito menores do que os incineradores tradicionais
  • 10. Descrição do processo O atual processo de incineração consiste geralmente em dois estágios. Inicialmente, o resíduo é queimado na câmara primária, que é a receptora do resíduo, em uma temperatura suficientemente alta para que algumas substancias presentes se tornem gases e outra assuma a forma de pequenas partículas.
  • 11. Descrição do processo Já na fase gasosa gerada na câmara primaria é encaminhada para a câmara secundária. Essa mistura de gases e partículas é queimada a uma temperatura mais alta por um intervalo de tempo até que haja combustão completa. Tempo de residência representativo para resíduos sólidos é de 30 minutos para o primeiro estágio e de 2 a 3 segundos para a combustão da fumaça no segundo estágio.
  • 12. Descrição do processo Os gases provenientes desta segunda etapa passam por um sistema de abatimento de poluição, que consiste em muitos estágios, antes de serem enviadas para atmosfera.
  • 13. Descrição do processo Após a incineração, a parte sólida é tirada da grelha. A quantidade deste material após o processo varia entre 4 a 10% em volume do material original, sendo material totalmente esterilizado é apto para ser aterrado ou até mesmo aplicado à construção civil.
  • 14. Tratamento dos gases de combustão O tratamento dos gases envolve processos físicos e químicos, havendo uma grande variedade de opções de conformação e equipamentos. A primeira etapa consiste em resfriar os gases que saem de 1000°C e 1200°C da câmara secundária. Nessa etapa, além de resfriarem-se os gases de combustão gera-se vapor d’água que pode ser utilizado na conversão em energia elétrica, sistema de aquecimento ou mesmo sistema de refrigeração.
  • 15. Tratamento dos gases de combustão Em seguida, os gases são neutralizados com a injeção de hidróxido de cálcio, altamente eficiente na neutralização e captura de SOx e HCl. Os gases já resfriados e neutralizados passam então por um sistema de filtros que retiram o material particulado. Os gases finalmente passam por um leito absorvente, á base de carvão ativado. Retendo: óxidos nitrosos, organoclorados, metais voláteis.
  • 16. Os impactos ambientais gerais Um sistema de incineração não pode existir sem estar interconectado a um sistema tecnologicamente avançado de depuração de gases e de tratamento e recirculação dos líquidos do processo. Cada etapa da incineração tem um impacto diferente. Entre eles:  Construção da planta (barulho, emissão, acidentes, efeito no ecossistema local);  Coleta e transporte dos resíduos;
  • 17. Os impactos ambientais gerais    Impactos secundários do incinerador (barulho, intrusão visual, odor etc) Transporte e disposição das cinzas de resíduos (incluindo tecnologia do abatimento de resíduo) Combustão de resíduos (emissões atmosférica, incluindo emissões de traços de dioxinas e metais pesados)
  • 18. Resíduos do Processo A Usina de Recuperação Energética de RSU gera em seus diferentes sistemas os seguintes subprodutos/rejeitos: - Lixiviados (encaminhados chorume/lixiviados); à estação de tratamento de - Cinzas de fundo da caldeira (“bottom ash” ou “slag”) (material orgânico não queimado que deve retornar para o fosso após separação. ); - Metais ferrosos e não ferrosos (metais podem ser recuperados ); - Cinzas da caldeira (“fly ash”) (cinzas de fundo poderão ser reaproveitadas na construção civil); - Resíduos do Sistema de Tratamento de Gases de Combustão (deverão ser encaminhados a um aterro classe I); - Emissões gasosas na atmosfera.
  • 19. POSSÍVEIS Impactos da Incineração As emissões tóxicas, liberadas mesmo pelos incineradores mais modernos, são formadas por três tipos de poluentes perigosos para o ambiente e para a saúde humana: os metais pesados, os produtos de combustão incompleta e as substâncias químicas novas formadas durante o processo de incineração. Nenhum processo de incineração opera com 100% de eficácia.
  • 20. POSSÍVEIS Impactos da Incineração Os metais pesados, como chumbo, cádmio, arsênio, mercúrio e cromo, não são destruídos durante a incineração, e são frequentemente liberados para o ambiente em formas até mais concentradas e perigosas do que no lixo original. Outro aspecto traiçoeiro da incineração ocorre pela formação de produtos químicos durante o processo de combustão, que são totalmente novos e altamente tóxicos – as dioxinas e os furanos.
  • 21. Dioxinas e Furanos A Diretiva 2000/76/CE (Comunidade Europeia), relativa à incineração de resíduos, faz dessa uma das atividades industriais mais rigorosamente regulamentadas e controladas. Embora as dioxinas existam naturalmente no ambiente, as antrópicas provêm de uma variedade de processos de combustão, incluindo as siderúrgicas, fornos de cimento, veículos a diesel, ônibus, restaurantes, lareiras residenciais, fogueiras, churrascos, motores a jato, incêndios florestais, etc. A incineração de resíduos representa apenas uma pequena fração dessas emissões, graças às normas estabelecidas na década de 90.
  • 22. Dioxinas e furanos Em 2009, a Agência de Proteção à Saúde inglesa (UK Health Protection Agency) realizou uma pesquisa para examinar as ligações sugeridas entre as emissões dos incineradores de resíduos urbanos e efeitos na saúde. A Comissão de Carcinogenicidade dos Produtos Químicos em Alimentos, Produtos de Consumo e Meio Ambiente considera que qualquer potencial risco de câncer em residências próximas de incineradores de resíduos é extremamente baixa e, provavelmente, não mensurável pelas mais modernas técnicas.
  • 23. RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA E MUDANÇAS CLIMÁTICAS As emissões antrópicas originam-se de diversas atividades econômicas. A participação dos principais setores da economia mundial nas emissões globais de gases de efeito estufa em 2004. Para o Brasil, segundo levantamento realizado pela CETESB o setor de resíduos contribui com 1,9% das emissões de GEE (2005). Em relação à emissão de metano (CH4) o setor de resíduos é o segundo maior emissor, emitindo 35% do total de emissões em 2005 (CETESB), em função da disposição de resíduos em aterros sanitários.
  • 24. RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA E MUDANÇAS CLIMÁTICAS Um estudo publicado pela MWH B.V. and Utrecht University, avaliou o potencial de redução de gases de efeito estufa na gestão de resíduos no Brasil, prevendo que se as práticas atuais de gestão de resíduos permanecerem como estão, as emissões líquidas de GEE vão crescer para 25.6Mt CO2eq/ano em 2030, e isto se dá principalmente pela elevada parcela de resíduos orgânicos presentes nos RSU Brasileiro, que são responsáveis por 76% das emissões de GEE, e também pela parcela de papel e papelão, responsáveis por 19% das emissões de GEE. Estes materiais geram grandes quantidades de metano quando depositados no solo.
  • 25. RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA E MUDANÇAS CLIMÁTICAS O mesmo estudo conclui que para se evitar ao máximo a emissão de gases de efeito estufa é necessário combinar uma reciclagem de alta qualidade e processos de recuperação energética de alta eficiência, indicando que, ante a implementação dessas soluções combinadas, seria possível reduzir as emissões em cerca de 57Mt CO2eq/ano.
  • 26. Benefício e desvantagens da incineração Destacam-se a redução de volume requerido para a disposição em aterros; a recuperação de energia durante a combustão pode ser utilizada para a produção de eletricidade ou combinado calor e energia.
  • 27. Vantagens e desvantagens     Resulta em uso direto da energia térmica para geração de vapor e/ou energia elétrica em condição de melhor eficiência, comparativamente a outros métodos de disposição de resíduos; Alimentação contínua de resíduos; Relativamente sem ruído e sem odores; e Requer pequena área para instalação
  • 28. Vantagens e desvantagens • permite tratar os resíduos na condição coletados; • proporciona grande redução de volume dos resíduos após tratamento (90 respectivamente), aumentando a vida aterros; • otimiza a logística de transporte; que são e massa e 75%, útil dos
  • 29. Vantagens e desvantagens • é uma solução de saneamento básico, onde são evitados os efeitos indesejáveis característicos da disposição inadequada de resíduos em lixões e aterros controlados, tais como, transmissão de doenças, geração de gás metano, formação de efluentes líquidos, contaminação do solo e lençóis d’água, odores indesejáveis, ocupação indevida do solo e passivos ambientais significativos; • é uma solução que gera empregos diretos e indiretos qualificados e pode agregar benefícios sociais locais quando integrada com plantas de triagem e reciclagem, gerando empregos adicionais; • é consistente com os objetivos e diretrizes da PNRS.
  • 30. Vantagens e desvantagens      Inviabilidade com resíduos de menor poder calorífico; Umidade excessiva e resíduos de menor poder calorífico prejudicam a combustão; Necessidade de utilização e equipamentos auxiliar para manter a combustão; Metais tóxicos podem ficar concentrados nas cinzas; Altos custos de investimentos e de operação e manutenção.
  • 31. Limites de emissões para Unidades de Recuperação Energética de resíduos Fonte: i EPA 40 CFR Part 40 (Agencia Ambiental Norte Americana); ii. EU 2007/07/CE (Comunidade Europeia); iii. SMA 079/2009 (Secretaria de Meio Ambiente do Estado de São Paulo, Brasil); iv. CONAMA 316/2002 (Conselho Nacional do Meio Ambiente, Brasil).
  • 32. Obtenção de energia elétrica A tecnologia atualmente disponível de projeto de incineradores pode prever a geração de até 0,95KWh/t processada. Naturalmente esta geração dependerá do poder calorífico do resíduos processados. Para o Brasil estima-se que 160.000t/dia de RSU, caso fosse incinerados possibilitaria a geração de 29,43 GWh/ano.
  • 33. Obtenção de energia elétrica Algumas incertezas a cerca das estimativas:  Variação regional da quantidade de resíduos;  Variação regional da composição dos resíduos;  Mudanças na regulamentação de resíduos; Verifica-se que o uso da incineração como recuperação energética esta em segundo plano.
  • 34. Tendências Não há efetivamente hoje no Brasil projetos representativos neste aspecto, enquanto, a nível mundial, a tendência é a de aproveitar os resíduos urbanos para a geração de energia. Em vários países podemos encontrar termelétricas movidas a carvão e resíduos na geração de energia elétrica. No Brasil deveríamos já estar considerando a implantação de termelétricas à gás e lixo e, desta forma buscarmos equacionar ambos os problemas: de energia e do tratamento ambientalmente correto do lixo, para atender as exigências do meio ambiente. ?
  • 35. Evolução dos tratamentos dos resíduos sólidos urbanos na Europa (kg per capita)
  • 36. PREVISÃO ATÉ 2020 NA EUROPA (27 PAISES)
  • 37. Energia do Lixo no Mundo: Algumas Usinas
  • 39. Central de Tratamento de Resíduos
  • 40. Comparação No que se refere ao resíduo domiciliar como combustível, destaca-se que esta questão deve ser cuidadosamente considerada, visto que o resíduo brasileiro, comparado ao resíduo europeu, americano ou japonês, tem maior teor de matéria orgânica úmida e, conseqüentemente, maior teor de umidade, o que prejudica o processo de incineração, levando a uma menor recuperação de energia. Os catálogos de usinas dão uma faixa de 300 a 700kWh por tonelada de lixo processada, dependendo do tipo do resíduo e da tecnologia empregada. !
  • 41. Recuperação energética de RSU Brasil A Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) estabelece que na gestão e gerenciamento de resíduos sólidos, deve ser observada a seguinte ordem de prioridade: não geração, redução, reutilização, reciclagem, tratamento dos resíduos sólidos e disposição final ambientalmente adequada dos rejeitos (Art. 9º). Também é prevista a utilização de tecnologias visando à recuperação energética dos resíduos, que sejam comprovadamente seguras nos âmbitos operacionais, ambientais e ocupacionais. ! ?
  • 42. Recuperação energética de RSU Brasil Com esta hierarquia determinada pela PNRS, verifica-se que reciclagem e recuperação energética não são tecnologias concorrentes e sim complementares. Considerando a realidade dos sistemas de coleta, é evidente que os resíduos secos, separados e coletados na fonte, são aptos para reciclagem e devem ter seu encaminhamento nesse sentido. Para os demais resíduos, coletados misturados e contaminados com as frações orgânicas, a forma mais eficiente de destinação é a recuperação energética. ? !
  • 43. Estudo de caso - UsinaVerde 1ª etapa: Segregação dos materiais destinados à reciclagem e pré-tratamento dos RSU. 2ª etapa: Tratamento Térmico dos Resíduos, recuperação do calor e geração de energia elétrica ou térmica.
  • 44. Projeto do Sistema de Incineração/Geração de Vapor
  • 45. Projeto do Sistema de Lavagem de Gases
  • 47. Resíduos Sólidos Urbanos Os resíduos (RSU) brasileiros são compostos em média por 65% de restos alimentares, 25% de papel, 5% plástico, 2% vidro e 3% metais. Alguns resíduos servem como combustível para a incineração. No entanto, ambas as câmaras necessitam de injeção de combustível auxiliar, que pode ser gás natural, GLP ou óleo diesel. Dependendo do poder calorífico do resíduo é possível que nenhum combustível seja adicionado.
  • 48. RESOLUÇÃO SMA-079 DE 04 DE NOVEMBRO DE 2009  Artigo 1º - Estabelecer condições operacionais, limites de emissão, critérios de controle e monitoramento para disciplinar o processo de licenciamento do aproveitamento energético dos processos de tratamento térmico de resíduos sólidos, em Usina de Recuperação de Energia (URE), visando a atender o critério de melhor tecnologia prática disponível, de modo a minimizar os impactos deletérios à saúde pública e ao meio ambiente.
  • 49. RESOLUÇÃO SMA-079 DE 04 DE NOVEMBRO DE 2009 Artigo 3º - Poderão ser encaminhados para a Usina de Recuperação de Energia - URE os seguintes resíduos: I - resíduos sólidos provenientes do sistema público de limpeza urbana (resíduos provenientes da coleta regular, tanto domésticos como comerciais, de varrição, podas, limpeza de vias e outros logradouros públicos e de sistemas de drenagem urbana); II - os lodos gerados em estações públicas de tratamento de água e de esgotos; III - os resíduos de serviços de saúde observando as diretrizes da Resolução CONANA nº 358, de 29 de abril de 2005; IV - os resíduos industriais, que por sua natureza e composição sejam similares aos resíduos sólidos urbanos, excluídos os resíduos industriais perigosos e os rejeitos radioativos; V - os lodos provenientes de sistemas de flotação instalados para despoluição de cursos de água.
  • 50. RESOLUÇÃO CONAMA nº 316, de 29 de outubro de 2002 Dispõe sobre procedimentos e critérios para o funcionamento de sistemas de tratamento térmico de resíduos. Art. 1o Disciplinar os processos de tratamento térmico de resíduos e cadáveres, estabelecendo procedimentos operacionais, limites de emissão e critérios de desempenho, controle, tratamento e disposição final de efluentes, de modo a minimizar os impactos ao meio ambiente e à saúde pública, resultantes destas atividades.
  • 51. RESOLUÇÃO CONAMA nº 316, de 29 de outubro de 2002 Art. 10. Os resíduos de origem industrial e as misturas de resíduos recebidos pelo sistema de tratamento térmico deverão ter registro das seguintes informações: I - origem e processo produtivo do gerador e quantidade; II - quantificação dos parâmetros relativos ao poder calorífico, cinzas e, quando couber, metais, halogênios ou compostos halogenados; III - composição química e características físico-químicas do resíduo, que comprovem sua compatibilidade com as condicionantes da licença de operação; IV - incompatibilidade com outros resíduos; V - métodos de amostragem e análise utilizados, com os respectivos limites de detecção. Parágrafo único. No caso de mistura de resíduos, deverão ser prestadas, também, as seguintes informações: I - porcentagem, em peso, de cada resíduo na mistura; II - descrição dos métodos utilizados na preparação da mistura.
  • 52. RESOLUÇÃO CONAMA nº 316, de 29 de outubro de 2002 Art. 14. Os estabelecimentos geradores de resíduos de serviço de saúde, que optarem pelo tratamento térmico dos resíduos, devem fazer constar esta opção do Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde, em conformidade com a Resolução CONAMA nº 283147, de 12 de julho de 2001, aprovado pelos órgãos de meio ambiente e de saúde, dentro de suas respectivas esferas de competência, de acordo com a legislação vigente.148 Art. 15. Os resíduos de serviços de saúde, recebidos pelo sistema de tratamento térmico, deverão ser documentados por meio de registro dos dados da fonte geradora, contendo, no mínimo, informações relativas à data de recebimento, quantidade e classificação dos resíduos quanto ao grupo a que pertencem, em conformidade com a Resolução CONAMA nº 283144, de 2001.
  • 53. RESOLUÇÃO CONAMA nº 316, de 29 de outubro de 2002 Art. 16. Os resíduos de serviços de saúde, quando suscetíveis ao tratamento térmico, devem obedecer, segundo a sua classificação, ao que se segue: I - GRUPO A: resíduos que apresentam risco à saúde pública e ao meio ambiente, devido à presença de agentes biológicos, devem ser destinados a sistemas especialmente licenciados para este fim, pelo órgão ambiental competente; II - GRUPO B: resíduos que apresentam risco à saúde pública e ao meio ambiente devido as suas características físicas, químicas e físico-químicas, devem ser submetidos às condições específicas de tratamento térmico para resíduos de origem industrial; III - GRUPO D: resíduos comuns devem ser enquadrados nas condições específicas de tratamento térmico para resíduos sólidos urbanos.
  • 54. RESOLUÇÃO CONAMA nº 316, de 29 de outubro de 2002 Art. 24. A implantação do sistema de tratamento térmico de resíduos de origem urbana deve ser precedida da implementação de um programa de segregação de resíduos, em ação integrada com os responsáveis pelo sistema de coleta e de tratamento térmico, para fins de reciclagem ou reaproveitamento, de acordo com os planos municipais de gerenciamento de resíduos.
  • 55. RESOLUÇÃO CONAMA nº 316, de 29 de outubro de 2002 Art. 27. Todo e qualquer sistema de tratamento térmico deve possuir unidades de recepção, armazenamento, alimentação, tratamento das emissões de gases e partículas, tratamento de efluentes líquidos, tratamento das cinzas e escórias. Parágrafo único. Na hipótese de os efluentes líquidos e sólidos não serem tratados dentro das instalações do sistema de tratamento, o destinatário que os receber deverá estar devidamente licenciado para este fim.
  • 56. Resolução CONAMA Resolução CONAMA Nº 006/1991 - "Dispõe sobre a incineração de resíduos sólidos provenientes de estabelecimentos de saúde, portos e aeroportos" Data da legislação: 19/09/1991 - Publicação DOU, de 30/10/1991, pág. 24063
  • 58. Referências    Aproveitamento Energético dos Resíduos Sólidos Urbanos - Tecnologia para tratamento térmico e recuperação energética de resíduos sólidos urbanos Antonio Bolognesi - 20 de julho de 2011 Aproveitamento energético dos resíduos sólidos urbanos: uma abordagem tecnológica – Rachel Martins Henriques – UFRJ – Março 2004 Tratamento térmico de resíduos sólidos – incineração Tratamento Biológico de Resíduos Sólidos Agrícolas e Agroindustriais Profa. Msc. Ana Carolina B. Kummer
  • 60. Referência Bibliográfica     Reciclagem Energética - dos Resíduos Sólidos – Usina Verde Aproveitamento energético de resíduos sólidos urbanos Rachel Martins Henriques Universidade Federal do Rio de Janeiro 2004 Incineração de resíduos sólidos perigosos - Padrões de desempenho NBR 11175/1990 Tecnologia para tratamento térmico e recuperação energética de resíduos sólidos urbanos - 20 de julho de 2011 - Antonio Bolognesi - Aproveitamento Energético dos Resíduos Sólidos Urbanos FIESP
  • 61. Referência Bibliográfica     RESOLUÇÃO CONAMA no 386, de 27 de dezembro de 2006 RESOLUÇÃO CONAMA nº 316, de 29 de outubro de 2002 RESOLUÇÃO CONAMA nº 6, de 19 de setembro de 1991 CADERNO INFORMATIVO RECUPERAÇÃO CADERNO INFORMATIVO Energética Realização: Comitê de Valorização Energética, Organização: ABRELPE e PLASTIVIDA
  • 62. Artigos    ESTUDOCOMPARATIVOPARA OTRATAMENTODE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS: ATERROS SANITÁRIOS X INCINERAÇÃO - André de Carvalho Paro; Fernando Cörner da Costa; Suani Teixeira Coelho - Revista Brasileira de Energia, Vol. 14, No. 2, 2o Sem. 2008, pp. 113-125 A INCINERAÇÃO DE RESÍDUOS: UMA TECNOLOGIA A DESAPARECER RELATÓRIO ELABORADO PELA ALIANÇA GLOBAL PARA ALTERNATIVAS ÀS INCINERADORAS/ALIANÇA GLOBAL ANTIINCINERADORAS (GAIA) 2003 Incineração Não é a Solução – Greenpeace – Campanha Substancias tóxicas
  • 63. Artigos  Incineração: Uma Alternativa Segura para o Gerenciamento de Resíduos Sólidos R. M. C. Coutinhoa, A. L. O. Coutinhob, L. C. Carregaric “CLEANER PRODUCTION INITIATIVES AND CHALLENGES FOR A SUSTAINABLE WORLD” São Paulo – Brazil – May 18th-20ndth – 2011
  • 64. ANEXOS - CONCEITOS SOBRE A RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA O termo Recuperação Energética é utilizado para denominar os métodos e processos industriais que permitem recuperar parte da energia contida nos resíduos sólidos. Os métodos mais empregados utilizam a incineração e, com o calor obtido, gerase vapor e/ ou energia elétrica que pode ser novamente aproveitada pela sociedade.
  • 65. CONCEITOS SOBRE A RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA Basicamente a recuperação energética pode ser dividida em dois grupos:  Incineração/Mass Burning (com excesso de oxigênio) e;  Gaseificação/Pirólise (com déficit de oxigênio).
  • 66. Incineração/Mass Burning O Mass Burning é a rota tecnológica mais difundida e empregada mundialmente para tratar os RSU e reaproveitar o seu conteúdo energético. Os RSU são descarregados em um fosso de armazenamento sem necessidade de qualquer pré-tratamento e através de garras são dosados no sistema de alimentação das caldeiras ou fornos para serem incinerados, com excesso de oxigênio, gerando gases quentes que trocam calor, em uma caldeira, com as paredes dos tubos produzindo vapor em alta pressão e temperatura, para uso térmico ou em conjuntos turbinas e geradores para geração de energia elétrica. Os sistemas de queima mais empregados são o de Grelhas Móveis e de Leito Fluidizado.
  • 67. Incineração/Mass Burning Antes de serem lançados na atmosfera, os gases decorrentes do processo de combustão passam por uma série de sistemas de controle ambiental para abatimento dos poluentes. As emissões exigidas para o Mass Burning são as mais restritivas entre todas as fontes de geração de energia (carvão, bagaço de cana, óleo combustível e gás natural).
  • 68. Gaseificação/Pirólise Nestas rotas, os RSU sofrem um pré-tratamento, de forma a criar uma massa mais homogênea e seca, então são submetidos a um tratamento térmico em altas temperaturas em ambiente pobre de oxigênio. Os gases decorrentes do processo de combustão também necessitam de sistemas de controle ambiental para abatimento dos poluentes. Em termos energéticos a gaseificação possui um menor aproveitamento energético líquido. A necessidade de realizar prétratamento e a secagem dos RSU acarreta custos operacionais adicionais consideráveis que ainda fazem diminuir a sua competitividade.
  • 69. Gaseificação/Pirólise Na gaseificação, o carbono e o hidrogênio presentes nos RSU reagem parcialmente com o oxigênio (combustão) gerando o gás de síntese (gás hidrogênio e monóxido de carbono conhecido como syngas), dióxido de carbono e cinzas. São empregados equipamentos chamados de gaseificadores que possuem diversas configurações. Os tipos comerciais mais comuns de gaseificadores são de leito fixo, leito fluidizado e plasma. O syngas pode ser queimado em geradores especiais para geração de energia elétrica ou utilizados como intermediários para reações que geram produtos químicos.
  • 70. Gaseificação/Pirólise Na pirólise, o tratamento térmico é totalmente sem a presença de oxigênio, os componentes dos RSU são decompostos em hidrocarbonetos na forma gasosa e cinzas. A fração gasosa pode ser destilada para obter diferentes hidrocarbonetos ou queimados em caldeiras ou geradores para gerar energia elétrica ou ainda oxidados parcialmente para obtenção do gás de síntese como ocorre na gaseificação.
  • 71. Resíduos do Processo Lixiviados No fosso de armazenamento de resíduos (bunker) existe a possibilidade de formação de lixiviados de fundo devido à presença de matéria orgânica e da alta umidade contida no RSU brasileiro. Estes lixiviados gerados através da decomposição química dos resíduos ou mesmo decorrente da água contida nos resíduos, devem ser regularmente removidos por bombas de extração e poderão ser encaminhados à estação de tratamento de chorume/lixiviados.
  • 72. Resíduos do Processo Cinzas de Fundo da Caldeira (Slag ou Bottom Ash) e Metais Ferrosos e não Ferrosos As cinzas de fundo e outros materiais inertes (não combustíveis) são provenientes do processo de combustão e devem ser retirados por um sistema de extração de cinzas e separação dos metais por equipamentos adequados. As cinzas apresentam em sua composição, além dos metais ferrosos e não ferrosos, materiais inertes como vidros, pedras, cinzas de incineração, etc., podendo ainda apresentar até 3% de material orgânico não queimado que deve retornar para o fosso após separação. Os metais podem ser recuperados e gerar receita para a URE, enquanto que as cinzas de fundo poderão ser reaproveitadas na construção civil e pavimentação de ruas e rodovias, atividades exercidas em alguns países da Europa.
  • 73. Resíduos do Processo Cinzas da Caldeira (Fly Ash) e Resíduos do Sistema de Tratamento de Gases de Combustão (FGT Residues) Estas cinzas e resíduos apresentam em sua composição elevado teor de metais pesados e poluentes altamente nocivos ao meio ambiente e aos seres humanos, impossibilitando o seu reaproveitamento em qualquer circunstância. Sendo assim, deverão ser encaminhados a um aterro classe I, conforme norma NBR 10.004.
  • 74. Resíduos do Processo Emissões Gasosas na Atmosfera O tratamento de gases de combustão deverá assegurar o cumprimento dos limites de emissão dos poluentes, que no Brasil estão determinados por resoluções do CONAMA. Alguns estados, no âmbito de sua competência, já determinaram limites mais restritivos do que os nacionais, seguindo na mesma linha da Diretiva 2000/76 da União Europeia de 28/12/2000.
  • 77. Equipamentos e Sistemas Principais 1. Local de Recebimento de RSU 17. Reator de Tratamento de Gases de Combustão 2. Poço de Armazenamento de RSU (Bunker) 18. Transportador de Resíduos do Tratamento de Gases de Combustão 3. Ponte Rolante de RSU 19. Silo de Cinzas de Caldeira e Resíduos do 4. Moega de Alimentação Tratamento de Gases de Combustão 5. Alimentador da Grelha 20. Estação de Carregamento de Cinzas e Resíduos 6. Grelha de Incineração 21. Ensacamento de Cinzas e Resíduos 7. Fornalha 22. Lavador de Gases 8. Transportador / Peneira de Cinzas 23. Filtro de Mangas 9. Extrator de Cinzas de Fundo 24. Ventilador de Tiragem Induzida 10. Peneira Vibratória 25. Chaminé 11. Talha de Cinzas de Fundo 26. Aerocondensador 12. Poço de Armazenamento Auxiliar (Bunker Auxiliar) 27. Tanque de Água de Alimentação 13. Ar de Combustão Primário 28. Planta de Tratamento de Água (Desmineralização) 14. Ar de Combustão Secundário + Sistema de29. Turbina / Gerador Abatimento de NOx 30. Sala de Controle 15. Caldeira de Recuperação de Calor 16. Transportador de Cinzas de Caldeira