SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
Dr. Carlos Germano F. Costa
Doutor em Desenvolvimento e Meio Ambiente – Especialista em Gestão de Riscos de Desastres
The Inter-American Institute for Cooperation on Agriculture (IICA) – Brazil
UEMS
Dourados, MS. Brasil
UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL
ÁREA DE CONHECIMENTO: GESTÃO AMBIENTAL / ENGENHARIA AMBIENTAL / ENGENHARIA
SANITÁRIA / ENGENHARIA AGRONÔMICA / QUÍMICA / ENGENHARIA QUÍMICA
POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS
PNRS
Introdução
Objetivos de aprendizagem: Ao final deste módulo,
você terá:
• Conhecimento sobre conceitos estabelecidos na Lei
Nº 12.305, de 2 de agosto de 2010, que instituiu a
Política Nacional de Resíduos Sólidos;
•Conscientização sobre a Responsabilidade
compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos;
•Compreensão dos conceitos básicos de Logística
reversa;
•Compreensão da importância de Acordos setoriais;
Roteiro da apresentação
I - Introdução
• A Lei nº 12.305/10, que institui a Política Nacional de Resíduos
Sólidos (PNRS) é bastante atual e contém instrumentos
importantes para permitir o avanço necessário ao País no
enfrentamento dos principais problemas ambientais, sociais e
econômicos decorrentes do manejo inadequado dos resíduos
sólidos. Prevê a prevenção e a redução na geração de
resíduos, tendo como proposta a prática de hábitos de
consumo sustentável e um conjunto de instrumentos para
propiciar o aumento da reciclagem e da reutilização dos
resíduos sólidos (aquilo que tem valor econômico e pode ser
reciclado ou reaproveitado) e a destinação ambientalmente
adequada dos rejeitos (aquilo que não pode ser reciclado ou
reutilizado).
• Institui a responsabilidade compartilhada dos geradores de
resíduos: dos fabricantes, importadores, distribuidores,
comerciantes, o cidadão e titulares de serviços de manejo dos
resíduos sólidos urbanos na Logística Reversa dos resíduos e
embalagens pós-consumo e pós-consumo.
• Cria metas importantes que irão contribuir para a eliminação
dos lixões e institui instrumentos de planejamento nos níveis
nacional, estadual, microregional, intermunicipal e
metropolitano e municipal; além de impor que os particulares
elaborem seus Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos.
• Também coloca o Brasil em patamar de igualdade aos
principais países desenvolvidos no que concerne ao marco
legal e inova com a inclusão de catadoras e catadores de
materiais recicláveis e reutilizáveis, tanto na Logística Reversa
quando na Coleta Seletiva.
• Além disso, os instrumentos da PNRS ajudarão o Brasil a
atingir uma das metas do Plano Nacional sobre Mudança do
Clima, que é de alcançar o índice de reciclagem de resíduos de
20% em 2015.
I - Introdução
• A importância de uma política integrada de gestão
de resíduos sólidos nos processos produtivos, com o
objetivo de preservar os recursos naturais,
minimizar resíduos e reduzir impactos ambientais
reside em essa ser essencial para a melhoria da
qualidade de vida e o desenvolvimento sustentável
do país.
• A questão dos resíduos sólidos é um tema de
grande importância no contexto mundial e,
especialmente este ano, no Brasil, quando será
concluído o ciclo de implementação o Plano
Nacional de Resíduos Sólidos nas diferentes esferas
do governo e sociedade.
•
Marco Legal
Lei 12.305/2010 –
Política Nacional de
Resíduos Sólidos – PNRS
Decreto regulamentador
no 7.404/2010
Lei nº 11.445/2007 –
Saneamento Básico
Decreto Regulamentador
no 7.217/2010.
Lei nº 11.107/2005 –
Consórcios Públicos
Decreto Regulamentador
no 6.017/2007.
Resíduos são classificados
conforme sua periculosidade,
estabelecida pela norma
NBR10004:2004 (ABNT).
POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS
LEI 12.305 DE 02/08/2010
A serem adotados pela União isoladamente
ou em parceria
com Estados, Distrito Federal, Municípios e
Particulares
REÚNE:
Princípios, Objetivos,
Instrumentos,
Diretrizes, Metas e
Ações
VISANDO
A ABNT NBR – 10004:2004, classifica os resíduos como:
“Resíduos nos estados sólido e semi-sólido, que resultam de atividades
de origem industrial, doméstica, hospitalar, comercial, agrícola, de
serviços e de varrição. Ficam incluídos nesta definição os lodos
provenientes de sistemas de tratamento de água, aqueles gerados em
equipamentos e instalações de controle de poluição, bem como
determinados líquidos cujas particularidades tornem inviável o seu
lançamento na rede pública de esgotos ou corpos de água, ou exijam
para isso soluções técnicas e economicamente inviáveis em face à
melhor tecnologia disponível.”
PNRS dispõe sobre:
• 1 - princípios, objetivos e instrumentos
• 2 - diretrizes relativas à gestão integrada e ao gerenciamento de resíduos sólidos, incluindo os perigosos
• 3 - responsabilidades dos geradores e do poder público ( altera a Lei de Crimes Ambientais - Lei 9605/1998 )
• 4 - instrumentos econômicos aplicáveis
Princípio daPNRS:
“O reconhecimento do resíduo sólido
reutilizável e reciclável como um bem
econômico e de valor social, gerador de
trabalho e renda e promotor de cidadania”
Objetivo da PNRS
Instrumentos da PNRS
Planos de
Gerenciamento
de Resíduos
Sólidos
-PGRS -
Inventários
e o Sistema
Declaratório
anual
Sistema Nacional de
Informações sobre a
Gestão dos Resíduos
Sólidos-Sinir -
Sistemas de
Logísticas
Reversas
-SLR -
Acordos
Setorial
Regulamento
( Decreto )
Termo de
Compromisso
Incentivos fiscais,
financeiros e
Creditícios
Educação
Ambiental – EA.
• São obrigados a estruturar e implantar
sistemas de LOGÍSTICA REVERSA,
mediante retorno dos produtos após o
uso pelo consumidor, de forma
independente dos serviços públicos, os:
• Fabricantes
• Importadores
• Distribuidores
• Comerciantes
Fonte: Ricardo Garcia/DMA-FIESP
Agrotóxicos
Pilhas e
baterias
Pneus
Eletro
eletrônicos
Óleos
lubrificantes
Lâmpadas
Demais produtos e
embalagens mediante
avaliação técnica e
econômica
Principais ferramentas :
• Adoção, desenvolvimento e aprimoramento de tecnologias limpas como forma
de minimizar impactos ambientais
• Redução do volume e da periculosidade dos resíduos perigosos
• Gestão integrada de resíduos sólidos
• Tratamento e disposição final de resíduos sólidos
• Incentivo à indústria da reciclagem
Artigo 3° da Lei 12305/2010
Mato Grosso do Sul
• No Estado do Mato Grosso do Sul, apenas 6%
dos municípios apresentam aterro sanitário para
o descarte de resíduos sólidos urbanos.
• A cidade de Dourados foi Destacada como a
que tem o melhor aterro sanitário do Estado em
uma pesquisa realizada pelo BNDES – inaugurado
em Novembro de 2004, como o primeiro do
Estado.
• Coleta seletiva em Dourados atingia 2 bairros
em 2007, atualmente atende cerca de 14.
AGECO0LD: 120 ton./mês de lixo reciclável – 110
ton coleta seletiva da prefeitura e 10 ton de
entidades parceiras. Representa 1% do volume
total.
• A PNRS estabelecia o fechamento dos lixões até
2014, onde a parte dos resíduos sólidos que não
pudesse ir para a reciclagem somente seria
destinada a aterros sanitários – Esse objetivo não
foi atingido.
II - A Problemática "Resíduos Sólidos” no Brasil
• Segundo dados de 2008 divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia
e Estatística - IBGE, por meio da Pesquisa Nacional de Saneamento Básico
- PNSB, 99,96% dos municípios brasileiros têm serviços de manejo de
Resíduos Sólidos, mas 50,75% deles dispõem seus resíduos em
vazadouros; 22,54% em aterros controlados; 27,68% em aterros sanitários.
Esses mesmos dados apontam que 3,79% dos municípios têm unidade de
compostagem de resíduos orgânicos; 11,56% têm unidade de triagem de
resíduos recicláveis; e 0,61% têm unidade de tratamento por incineração.
A prática desse descarte inadequado provoca sérias e danosas
conseqüências à saúde pública e ao meio ambiente e associa-se a triste
quadro socioeconômico de um grande número de famílias que, excluídas
socialmente, sobrevivem dos "lixões de onde retiram os materiais
recicláveis que comercializam.
• O quadro institucional atual também é negativo apesar de encontrar-se
em fase de alteração. A maioria das Prefeituras Municipais ainda não
dispõe de recursos técnicos e financeiros para solucionar os problemas
ligados à gestão de resíduos sólidos. Ignoram-se, muitas vezes,
possibilidades de estabelecer parcerias com segmentos que deveriam ser
envolvidos na gestão e na busca de alternativas para a implementação de
soluções. Raramente utiliza-se das possibilidades e vantagens da
cooperação com outros entes federados por meio do estabelecimento de
consórcios públicos nos moldes previstos pela Lei de Saneamento Básico
(Lei nº 11.445/2007) e Lei de Consórcios Públicos (Lei nº 11.107/2005) e
de seus respectivos decretos de regulamentação, Decreto nº 7217/2010 e
Decreto nº 6.017/2007). Ainda é frequente observar-se a execução de
ações em resíduos sólidos sem prévio e adequado planejamento técnico-
econômico, sendo esse quadro agravado pela falta de regulação e controle
social no setor.
Classificação dos Resíduos
Quanto à origem:
• Domiciliares e limpeza urbana.
• Comerciais e prestadores de serviço.
• Saneamento básico (lodos)Industriais.
• Serviços de saúde.
• Construção civil.
• Agrossilvopastoril, transporte e de
mineração.
Quanto à periculosidade:
• Perigosos .
• não perigosos.
Artigo 13 da Lei 12.305/2010
A classificação dos resíduos sólidos é feita pela origem, que pode ser:
hospitalar; domiciliar; agrícola; comercial; industrial; entulho; resíduo
público ou de varrição; resíduos sólidos urbanos; resíduos de portos,
aeroportos, terminais rodoviários e ferroviários; resíduos de
mineração. Além disso, os resíduos também são classificados
conforme o seu tipo, que pode ser resíduo reciclável, como plástico,
papel, metal e vidro, e não reciclável, rejeitos ou que não são
recicláveis no país, como fraldas descartáveis, papel higiênico e
guardanapo. A classificação dos resíduos também é feita de acordo
com sua composição química, podendo ser: orgânicos, como papel e
madeira, que podem ser até mesmo tóxicos, conhecidos como
“Poluentes Orgânicos Persistentes”, como alguns pesticidas, e
“Poluentes Orgânicos Não Persistentes”, como alguns tipos de óleos já
utilizados e detergentes.
III - Conceitos e terminologia
III - Conceitos e terminologia
Gerenciamento de resíduos sólidos
Conjunto de ações normativas, operacionais, financeiras e de
planejamento que uma administração municipal desenvolve, com
base nos critérios sanitários, ambientais e econômicos para
coletar, tratar e dispor os resíduos do seu município.
Manejo - conjunto de atividades envolvidas com os resíduos
sólidos, sob o aspecto operacional, envolvendo sua coleta,
transporte, acondicionamento, tratamento e disposição final. O
gerenciamento abrange além do manejo, os aspectos relacionados
com o planejamento, fiscalização e regulamentação.
Logística reversa é "instrumento de desenvolvimento econômico e
social caracterizado por um conjunto de ações, procedimentos e
meios destinados a viabilizar a coleta e a restituição dos resíduos
sólidos ao setor empresarial, para reaproveitamento, em seu ciclo ou
em outros ciclos produtivos, ou outra destinação". A lei dedicou
especial atenção à Logística reversa e definiu três diferentes
instrumentos que poderão ser usados para a sua implantação:
regulamento, acordo setorial e termo de compromisso.
Responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos é o
"conjunto de atribuições individualizadas e encadeadas dos fabricantes,
importadores, distribuidores e comerciantes, dos consumidores e dos
titulares dos serviços públicos de limpeza urbana e de manejo dos
resíduos sólidos, para minimizar o volume de resíduos sólidos e rejeitos
gerados, bem como para reduzir os impactos causados à saúde
humana e à qualidade ambiental decorrentes do ciclo de vida dos
produtos, nos termos da lei“.
Artigo 25 da lei 12305/2010
A LEI RESPONSABILIZA:
• As pessoas físicas ou jurídicas, de direito público ou privado;
• Responsáveis, direta ou indiretamente, pela geração de resíduos sólidos, e;
• As que desenvolvam ações relacionadas à gestão integrada ou ao gerenciamento de resíduos sólidos;
§ 1° Artigo 1° da Lei 12305/2010
Acordo setorial é um "ato de natureza contratual firmado entre o poder
público e fabricantes, importadores, distribuidores ou comerciantes,
tendo em vista a implantação da responsabilidade compartilhada pelo
ciclo de vida do produto".
• BIBLIOGRAFIA:
• BRASIL. Plano Nacional de Resíduos Sólidos. Governo Federal. Ministério do Meio Ambiente.
Brasília. p. 109 setembro de 2011.
• CAVALCANTI, J.E. Manual de tratamento de efluentes industriais. São Paulo: Engenho, 2009.
• JACOBI, P. (org.) Gestão compartilhada dos resíduos no Brasil: inovação com inclusão social. São
Paulo:Annablume, 2006.
• MANO, E. B. Meio ambiente, poluição e reciclagem. 2.ed. São Paulo: Blucher, 2010.
• MAY, P. H. (org.) Economia do meio ambiente: teoria e prática. 2. ed. 4ª reimpressão. Rio de
Janeiro:Elsevier, 2010.
• MOURA, L. A. A. Economia ambiental: gestão de custos e investimentos. 2. ed. São Paulo: Juarez de
Oliveira,2003.
• NUNES, J. A. Tratamento físico-químico de águas residuárias industriais. 3.ed. Aracaju: Triunfo,
2001.
• ROBLES JR., A.; BONELLI, V. V. Gestão da qualidade e do meio ambiente: enfoque financeiro e
patrimonial.6ª reimpressão. São Paulo: Atlas, 2011.
• ROCHA, J. C. Introdução à química ambiental. 2.ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.
• SPERLING, M. V. Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. Série: Princípios do
tratamento biológico de águas residuárias. UFMG, 2011.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Palestra Meio Ambiente
Palestra Meio AmbientePalestra Meio Ambiente
Palestra Meio Ambienteadelsonb
 
Aula 02 a política nacional de resíduos sólidos e a reciclagem de materiais
Aula 02   a política nacional de resíduos sólidos e a reciclagem de materiaisAula 02   a política nacional de resíduos sólidos e a reciclagem de materiais
Aula 02 a política nacional de resíduos sólidos e a reciclagem de materiaisJulyanne Rodrigues
 
Aula 1 leg. ambiental_claudia do valle
Aula 1 leg. ambiental_claudia do valleAula 1 leg. ambiental_claudia do valle
Aula 1 leg. ambiental_claudia do valleLxa Alx
 
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOSCLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOSMayke Jhonatha
 
Aula 2 leg. ambiental_claudia do valle
Aula 2 leg. ambiental_claudia do valleAula 2 leg. ambiental_claudia do valle
Aula 2 leg. ambiental_claudia do valleLxa Alx
 
Aterro sanitário palestra
Aterro sanitário palestraAterro sanitário palestra
Aterro sanitário palestraSergio Vinhal
 
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e SustentabilidadeGestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e SustentabilidadeMilton Henrique do Couto Neto
 
Apresentação aterro sanitário.
Apresentação aterro sanitário.Apresentação aterro sanitário.
Apresentação aterro sanitário.Carlos Elson Cunha
 
Aula 4. rsu parte 1pdf
Aula 4. rsu parte 1pdfAula 4. rsu parte 1pdf
Aula 4. rsu parte 1pdfGiovanna Ortiz
 
Aula de Gestão Ambiental - UMC
Aula de Gestão Ambiental - UMCAula de Gestão Ambiental - UMC
Aula de Gestão Ambiental - UMCproftstsergioetm
 

Mais procurados (20)

Palestra Meio Ambiente
Palestra Meio AmbientePalestra Meio Ambiente
Palestra Meio Ambiente
 
pnrs
pnrspnrs
pnrs
 
Aula 02 a política nacional de resíduos sólidos e a reciclagem de materiais
Aula 02   a política nacional de resíduos sólidos e a reciclagem de materiaisAula 02   a política nacional de resíduos sólidos e a reciclagem de materiais
Aula 02 a política nacional de resíduos sólidos e a reciclagem de materiais
 
Aula 1 leg. ambiental_claudia do valle
Aula 1 leg. ambiental_claudia do valleAula 1 leg. ambiental_claudia do valle
Aula 1 leg. ambiental_claudia do valle
 
Sustentabilidade
SustentabilidadeSustentabilidade
Sustentabilidade
 
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOSCLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
 
Aula 03 - Caracterização das águas (parte 2)
Aula 03 - Caracterização das águas (parte 2)Aula 03 - Caracterização das águas (parte 2)
Aula 03 - Caracterização das águas (parte 2)
 
Aula 2 leg. ambiental_claudia do valle
Aula 2 leg. ambiental_claudia do valleAula 2 leg. ambiental_claudia do valle
Aula 2 leg. ambiental_claudia do valle
 
Aterro sanitário palestra
Aterro sanitário palestraAterro sanitário palestra
Aterro sanitário palestra
 
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e SustentabilidadeGestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
 
Aula 9 aterro
Aula 9   aterroAula 9   aterro
Aula 9 aterro
 
Apresentação aterro sanitário.
Apresentação aterro sanitário.Apresentação aterro sanitário.
Apresentação aterro sanitário.
 
gestão ambiental
gestão ambientalgestão ambiental
gestão ambiental
 
Meio ambiente powerpoint
Meio ambiente powerpointMeio ambiente powerpoint
Meio ambiente powerpoint
 
Coleta seletiva
Coleta seletivaColeta seletiva
Coleta seletiva
 
Apresentação da política nacional de resíduos sólidos mma atualizada
Apresentação da política nacional de resíduos sólidos mma  atualizadaApresentação da política nacional de resíduos sólidos mma  atualizada
Apresentação da política nacional de resíduos sólidos mma atualizada
 
Aula 4. rsu parte 1pdf
Aula 4. rsu parte 1pdfAula 4. rsu parte 1pdf
Aula 4. rsu parte 1pdf
 
Lixo
LixoLixo
Lixo
 
Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambiente
 
Aula de Gestão Ambiental - UMC
Aula de Gestão Ambiental - UMCAula de Gestão Ambiental - UMC
Aula de Gestão Ambiental - UMC
 

Semelhante a Política Nacional de Resíduos Sólidos

Plano nacional de resíduos sólidos - Jussara Hickson
Plano nacional de resíduos sólidos - Jussara HicksonPlano nacional de resíduos sólidos - Jussara Hickson
Plano nacional de resíduos sólidos - Jussara HicksonNativa Socioambiental
 
Poster_2_SBAMAUI_2 Analise da PNRS
Poster_2_SBAMAUI_2 Analise da PNRSPoster_2_SBAMAUI_2 Analise da PNRS
Poster_2_SBAMAUI_2 Analise da PNRSmalanger
 
Reitor gestao de residuos solidos
Reitor gestao de residuos solidosReitor gestao de residuos solidos
Reitor gestao de residuos solidosJosete Sampaio
 
Municípios: Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos
Municípios: Plano de Gerenciamento de Resíduos SólidosMunicípios: Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos
Municípios: Plano de Gerenciamento de Resíduos SólidosCaroline Weber
 
Política ambientais
Política ambientaisPolítica ambientais
Política ambientaisHávila Said
 
Os Impactos nas Administrações Municipais e as Ações do Governo Federal para ...
Os Impactos nas Administrações Municipais e as Ações do Governo Federal para ...Os Impactos nas Administrações Municipais e as Ações do Governo Federal para ...
Os Impactos nas Administrações Municipais e as Ações do Governo Federal para ...Instituto Besc
 
PNRS, PNRH, cianobactérias e resíduos sólidos
PNRS, PNRH, cianobactérias e resíduos sólidosPNRS, PNRH, cianobactérias e resíduos sólidos
PNRS, PNRH, cianobactérias e resíduos sólidosAndressa Ribeiro
 
Apresentação - Projeto de Lei 1991/2007 - Resíduos
Apresentação - Projeto de Lei 1991/2007 - ResíduosApresentação - Projeto de Lei 1991/2007 - Resíduos
Apresentação - Projeto de Lei 1991/2007 - ResíduosProjetoBr
 
Plano de Gerencimanto de Resíduos Sólidos por José Valverde Machado Filho
Plano de Gerencimanto de Resíduos Sólidos por José Valverde Machado FilhoPlano de Gerencimanto de Resíduos Sólidos por José Valverde Machado Filho
Plano de Gerencimanto de Resíduos Sólidos por José Valverde Machado FilhoREDERESÍDUO
 
Gestão Ambiental 05 - politica nacional para resíduos sólidos e reciclagem
Gestão Ambiental 05 -  politica nacional para resíduos sólidos e reciclagemGestão Ambiental 05 -  politica nacional para resíduos sólidos e reciclagem
Gestão Ambiental 05 - politica nacional para resíduos sólidos e reciclagemMilton Henrique do Couto Neto
 
Folder radar mini 22 nov vfinal pdf2
Folder radar mini 22 nov vfinal pdf2Folder radar mini 22 nov vfinal pdf2
Folder radar mini 22 nov vfinal pdf2Anelise Barbosa
 
Valverdegrupotributarioambiental4out11
Valverdegrupotributarioambiental4out11Valverdegrupotributarioambiental4out11
Valverdegrupotributarioambiental4out11luciapaoliello
 
Política nacional de resíduos sólidos: consideracoes gerais e logistica reversa
Política nacional de resíduos sólidos: consideracoes gerais e logistica reversa Política nacional de resíduos sólidos: consideracoes gerais e logistica reversa
Política nacional de resíduos sólidos: consideracoes gerais e logistica reversa ReciclajeInclusivo
 
Consorcio realiza Seminario de Apresentação da Politica Nacional de Residuos
Consorcio realiza Seminario de Apresentação da Politica Nacional de ResiduosConsorcio realiza Seminario de Apresentação da Politica Nacional de Residuos
Consorcio realiza Seminario de Apresentação da Politica Nacional de ResiduosJessica R.
 
PGRS Arroio dos Ratos
PGRS Arroio dos RatosPGRS Arroio dos Ratos
PGRS Arroio dos RatosSâmara Gomes
 

Semelhante a Política Nacional de Resíduos Sólidos (20)

Solo, Contaminação, PNGRS
Solo, Contaminação, PNGRSSolo, Contaminação, PNGRS
Solo, Contaminação, PNGRS
 
Plano nacional de resíduos sólidos - Jussara Hickson
Plano nacional de resíduos sólidos - Jussara HicksonPlano nacional de resíduos sólidos - Jussara Hickson
Plano nacional de resíduos sólidos - Jussara Hickson
 
Poster_2_SBAMAUI_2 Analise da PNRS
Poster_2_SBAMAUI_2 Analise da PNRSPoster_2_SBAMAUI_2 Analise da PNRS
Poster_2_SBAMAUI_2 Analise da PNRS
 
Reitor gestao de residuos solidos
Reitor gestao de residuos solidosReitor gestao de residuos solidos
Reitor gestao de residuos solidos
 
Municípios: Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos
Municípios: Plano de Gerenciamento de Resíduos SólidosMunicípios: Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos
Municípios: Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos
 
Política ambientais
Política ambientaisPolítica ambientais
Política ambientais
 
E-Book sobre PGRS na Indústria
E-Book sobre PGRS na IndústriaE-Book sobre PGRS na Indústria
E-Book sobre PGRS na Indústria
 
E-Book sobre PGRS na Indústria
E-Book sobre PGRS na IndústriaE-Book sobre PGRS na Indústria
E-Book sobre PGRS na Indústria
 
Os Impactos nas Administrações Municipais e as Ações do Governo Federal para ...
Os Impactos nas Administrações Municipais e as Ações do Governo Federal para ...Os Impactos nas Administrações Municipais e as Ações do Governo Federal para ...
Os Impactos nas Administrações Municipais e as Ações do Governo Federal para ...
 
2012.06.05 pnrs
2012.06.05   pnrs2012.06.05   pnrs
2012.06.05 pnrs
 
PNRS, PNRH, cianobactérias e resíduos sólidos
PNRS, PNRH, cianobactérias e resíduos sólidosPNRS, PNRH, cianobactérias e resíduos sólidos
PNRS, PNRH, cianobactérias e resíduos sólidos
 
Apresentação - Projeto de Lei 1991/2007 - Resíduos
Apresentação - Projeto de Lei 1991/2007 - ResíduosApresentação - Projeto de Lei 1991/2007 - Resíduos
Apresentação - Projeto de Lei 1991/2007 - Resíduos
 
Plano de Gerencimanto de Resíduos Sólidos por José Valverde Machado Filho
Plano de Gerencimanto de Resíduos Sólidos por José Valverde Machado FilhoPlano de Gerencimanto de Resíduos Sólidos por José Valverde Machado Filho
Plano de Gerencimanto de Resíduos Sólidos por José Valverde Machado Filho
 
Gestão Ambiental 05 - politica nacional para resíduos sólidos e reciclagem
Gestão Ambiental 05 -  politica nacional para resíduos sólidos e reciclagemGestão Ambiental 05 -  politica nacional para resíduos sólidos e reciclagem
Gestão Ambiental 05 - politica nacional para resíduos sólidos e reciclagem
 
Folder radar mini 22 nov vfinal pdf2
Folder radar mini 22 nov vfinal pdf2Folder radar mini 22 nov vfinal pdf2
Folder radar mini 22 nov vfinal pdf2
 
José cláudio junqueira ribeiro
José cláudio junqueira ribeiroJosé cláudio junqueira ribeiro
José cláudio junqueira ribeiro
 
Valverdegrupotributarioambiental4out11
Valverdegrupotributarioambiental4out11Valverdegrupotributarioambiental4out11
Valverdegrupotributarioambiental4out11
 
Política nacional de resíduos sólidos: consideracoes gerais e logistica reversa
Política nacional de resíduos sólidos: consideracoes gerais e logistica reversa Política nacional de resíduos sólidos: consideracoes gerais e logistica reversa
Política nacional de resíduos sólidos: consideracoes gerais e logistica reversa
 
Consorcio realiza Seminario de Apresentação da Politica Nacional de Residuos
Consorcio realiza Seminario de Apresentação da Politica Nacional de ResiduosConsorcio realiza Seminario de Apresentação da Politica Nacional de Residuos
Consorcio realiza Seminario de Apresentação da Politica Nacional de Residuos
 
PGRS Arroio dos Ratos
PGRS Arroio dos RatosPGRS Arroio dos Ratos
PGRS Arroio dos Ratos
 

Mais de UN Joint Office of UNDP, UNFPA and UNICEF (Environment Energy and Disaster Prevention Unit)

Mais de UN Joint Office of UNDP, UNFPA and UNICEF (Environment Energy and Disaster Prevention Unit) (20)

Arquiteturas 5G
Arquiteturas 5GArquiteturas 5G
Arquiteturas 5G
 
5G Architectures
5G Architectures5G Architectures
5G Architectures
 
Estratégia Nacional de Redução de Riscos de Desastres de Cabo Verde
Estratégia Nacional de Redução de Riscos de Desastres de Cabo VerdeEstratégia Nacional de Redução de Riscos de Desastres de Cabo Verde
Estratégia Nacional de Redução de Riscos de Desastres de Cabo Verde
 
Praia´s Disaster Risk Reduction Plan UNISDR
Praia´s Disaster Risk Reduction Plan UNISDRPraia´s Disaster Risk Reduction Plan UNISDR
Praia´s Disaster Risk Reduction Plan UNISDR
 
Reducao de Riscos Inclusiva - The Post 2015 Agenda
Reducao de Riscos Inclusiva - The Post 2015 AgendaReducao de Riscos Inclusiva - The Post 2015 Agenda
Reducao de Riscos Inclusiva - The Post 2015 Agenda
 
Proposal 3 development_calendar_drr_mainstreaming
Proposal 3 development_calendar_drr_mainstreamingProposal 3 development_calendar_drr_mainstreaming
Proposal 3 development_calendar_drr_mainstreaming
 
Field Visit - Preparedness and Resilient RECOVER Project
Field Visit - Preparedness and Resilient RECOVER ProjectField Visit - Preparedness and Resilient RECOVER Project
Field Visit - Preparedness and Resilient RECOVER Project
 
Workshop Preparedness and Resilient Recovery
Workshop Preparedness and Resilient RecoveryWorkshop Preparedness and Resilient Recovery
Workshop Preparedness and Resilient Recovery
 
LIÇÕES APRENDIDAS DOS PROCESSOS DE RECUPERAÇÃO PÓS-DESASTRE EM CABO VERDE
LIÇÕES APRENDIDAS DOS PROCESSOS DE RECUPERAÇÃO PÓS-DESASTRE EM CABO VERDELIÇÕES APRENDIDAS DOS PROCESSOS DE RECUPERAÇÃO PÓS-DESASTRE EM CABO VERDE
LIÇÕES APRENDIDAS DOS PROCESSOS DE RECUPERAÇÃO PÓS-DESASTRE EM CABO VERDE
 
Workshop metodologia da avaliação das necessidades pós desastre
Workshop metodologia da avaliação das necessidades pós desastreWorkshop metodologia da avaliação das necessidades pós desastre
Workshop metodologia da avaliação das necessidades pós desastre
 
Integração de Governança de Risco de Desastres em Programas de Governo
Integração de Governança de Risco de Desastres em Programas de GovernoIntegração de Governança de Risco de Desastres em Programas de Governo
Integração de Governança de Risco de Desastres em Programas de Governo
 
Mobilização de recursos
Mobilização de recursosMobilização de recursos
Mobilização de recursos
 
Desastres naturais conceitos basicos
Desastres naturais conceitos basicosDesastres naturais conceitos basicos
Desastres naturais conceitos basicos
 
Redução de RISCO DE DESASTRES, governança & MAINSTREAMING
Redução de RISCO DE DESASTRES, governança & MAINSTREAMING Redução de RISCO DE DESASTRES, governança & MAINSTREAMING
Redução de RISCO DE DESASTRES, governança & MAINSTREAMING
 
Career Trends Transferring Skills
Career Trends Transferring SkillsCareer Trends Transferring Skills
Career Trends Transferring Skills
 
Riesgo, Innovación y Desarrollo en un Clima Cambiante: El Papel de las Políti...
Riesgo, Innovación y Desarrollo en un Clima Cambiante: El Papel de las Políti...Riesgo, Innovación y Desarrollo en un Clima Cambiante: El Papel de las Políti...
Riesgo, Innovación y Desarrollo en un Clima Cambiante: El Papel de las Políti...
 
Challenging Instruments and Capacities to Engage in Sustainable Development
Challenging Instruments and Capacities to Engage in Sustainable DevelopmentChallenging Instruments and Capacities to Engage in Sustainable Development
Challenging Instruments and Capacities to Engage in Sustainable Development
 
Monitor de Sequías Monitor de Secas Drought Monitor
Monitor de Sequías Monitor de Secas Drought MonitorMonitor de Sequías Monitor de Secas Drought Monitor
Monitor de Sequías Monitor de Secas Drought Monitor
 
Fairness and Equity Implications for New Governance Mechanisms
Fairness and Equity Implications for New Governance MechanismsFairness and Equity Implications for New Governance Mechanisms
Fairness and Equity Implications for New Governance Mechanisms
 
2016 berlin-conference-programme
2016 berlin-conference-programme2016 berlin-conference-programme
2016 berlin-conference-programme
 

Último

Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docxSílvia Carneiro
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )MayaraDaSilvaAssis
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasBibliotecaViatodos
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoVitor Vieira Vasconcelos
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptorlando dias da silva
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 

Último (20)

Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 

Política Nacional de Resíduos Sólidos

  • 1. Dr. Carlos Germano F. Costa Doutor em Desenvolvimento e Meio Ambiente – Especialista em Gestão de Riscos de Desastres The Inter-American Institute for Cooperation on Agriculture (IICA) – Brazil UEMS Dourados, MS. Brasil UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL ÁREA DE CONHECIMENTO: GESTÃO AMBIENTAL / ENGENHARIA AMBIENTAL / ENGENHARIA SANITÁRIA / ENGENHARIA AGRONÔMICA / QUÍMICA / ENGENHARIA QUÍMICA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS PNRS
  • 2. Introdução Objetivos de aprendizagem: Ao final deste módulo, você terá: • Conhecimento sobre conceitos estabelecidos na Lei Nº 12.305, de 2 de agosto de 2010, que instituiu a Política Nacional de Resíduos Sólidos; •Conscientização sobre a Responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos; •Compreensão dos conceitos básicos de Logística reversa; •Compreensão da importância de Acordos setoriais; Roteiro da apresentação
  • 3. I - Introdução • A Lei nº 12.305/10, que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) é bastante atual e contém instrumentos importantes para permitir o avanço necessário ao País no enfrentamento dos principais problemas ambientais, sociais e econômicos decorrentes do manejo inadequado dos resíduos sólidos. Prevê a prevenção e a redução na geração de resíduos, tendo como proposta a prática de hábitos de consumo sustentável e um conjunto de instrumentos para propiciar o aumento da reciclagem e da reutilização dos resíduos sólidos (aquilo que tem valor econômico e pode ser reciclado ou reaproveitado) e a destinação ambientalmente adequada dos rejeitos (aquilo que não pode ser reciclado ou reutilizado). • Institui a responsabilidade compartilhada dos geradores de resíduos: dos fabricantes, importadores, distribuidores, comerciantes, o cidadão e titulares de serviços de manejo dos resíduos sólidos urbanos na Logística Reversa dos resíduos e embalagens pós-consumo e pós-consumo. • Cria metas importantes que irão contribuir para a eliminação dos lixões e institui instrumentos de planejamento nos níveis nacional, estadual, microregional, intermunicipal e metropolitano e municipal; além de impor que os particulares elaborem seus Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos. • Também coloca o Brasil em patamar de igualdade aos principais países desenvolvidos no que concerne ao marco legal e inova com a inclusão de catadoras e catadores de materiais recicláveis e reutilizáveis, tanto na Logística Reversa quando na Coleta Seletiva. • Além disso, os instrumentos da PNRS ajudarão o Brasil a atingir uma das metas do Plano Nacional sobre Mudança do Clima, que é de alcançar o índice de reciclagem de resíduos de 20% em 2015.
  • 4. I - Introdução • A importância de uma política integrada de gestão de resíduos sólidos nos processos produtivos, com o objetivo de preservar os recursos naturais, minimizar resíduos e reduzir impactos ambientais reside em essa ser essencial para a melhoria da qualidade de vida e o desenvolvimento sustentável do país. • A questão dos resíduos sólidos é um tema de grande importância no contexto mundial e, especialmente este ano, no Brasil, quando será concluído o ciclo de implementação o Plano Nacional de Resíduos Sólidos nas diferentes esferas do governo e sociedade. •
  • 5. Marco Legal Lei 12.305/2010 – Política Nacional de Resíduos Sólidos – PNRS Decreto regulamentador no 7.404/2010 Lei nº 11.445/2007 – Saneamento Básico Decreto Regulamentador no 7.217/2010. Lei nº 11.107/2005 – Consórcios Públicos Decreto Regulamentador no 6.017/2007. Resíduos são classificados conforme sua periculosidade, estabelecida pela norma NBR10004:2004 (ABNT).
  • 6.
  • 7.
  • 8. POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI 12.305 DE 02/08/2010 A serem adotados pela União isoladamente ou em parceria com Estados, Distrito Federal, Municípios e Particulares REÚNE: Princípios, Objetivos, Instrumentos, Diretrizes, Metas e Ações VISANDO A ABNT NBR – 10004:2004, classifica os resíduos como: “Resíduos nos estados sólido e semi-sólido, que resultam de atividades de origem industrial, doméstica, hospitalar, comercial, agrícola, de serviços e de varrição. Ficam incluídos nesta definição os lodos provenientes de sistemas de tratamento de água, aqueles gerados em equipamentos e instalações de controle de poluição, bem como determinados líquidos cujas particularidades tornem inviável o seu lançamento na rede pública de esgotos ou corpos de água, ou exijam para isso soluções técnicas e economicamente inviáveis em face à melhor tecnologia disponível.”
  • 9. PNRS dispõe sobre: • 1 - princípios, objetivos e instrumentos • 2 - diretrizes relativas à gestão integrada e ao gerenciamento de resíduos sólidos, incluindo os perigosos • 3 - responsabilidades dos geradores e do poder público ( altera a Lei de Crimes Ambientais - Lei 9605/1998 ) • 4 - instrumentos econômicos aplicáveis Princípio daPNRS: “O reconhecimento do resíduo sólido reutilizável e reciclável como um bem econômico e de valor social, gerador de trabalho e renda e promotor de cidadania”
  • 11. Instrumentos da PNRS Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos -PGRS - Inventários e o Sistema Declaratório anual Sistema Nacional de Informações sobre a Gestão dos Resíduos Sólidos-Sinir - Sistemas de Logísticas Reversas -SLR - Acordos Setorial Regulamento ( Decreto ) Termo de Compromisso Incentivos fiscais, financeiros e Creditícios Educação Ambiental – EA.
  • 12. • São obrigados a estruturar e implantar sistemas de LOGÍSTICA REVERSA, mediante retorno dos produtos após o uso pelo consumidor, de forma independente dos serviços públicos, os: • Fabricantes • Importadores • Distribuidores • Comerciantes Fonte: Ricardo Garcia/DMA-FIESP Agrotóxicos Pilhas e baterias Pneus Eletro eletrônicos Óleos lubrificantes Lâmpadas Demais produtos e embalagens mediante avaliação técnica e econômica
  • 13. Principais ferramentas : • Adoção, desenvolvimento e aprimoramento de tecnologias limpas como forma de minimizar impactos ambientais • Redução do volume e da periculosidade dos resíduos perigosos • Gestão integrada de resíduos sólidos • Tratamento e disposição final de resíduos sólidos • Incentivo à indústria da reciclagem Artigo 3° da Lei 12305/2010
  • 14. Mato Grosso do Sul • No Estado do Mato Grosso do Sul, apenas 6% dos municípios apresentam aterro sanitário para o descarte de resíduos sólidos urbanos. • A cidade de Dourados foi Destacada como a que tem o melhor aterro sanitário do Estado em uma pesquisa realizada pelo BNDES – inaugurado em Novembro de 2004, como o primeiro do Estado. • Coleta seletiva em Dourados atingia 2 bairros em 2007, atualmente atende cerca de 14. AGECO0LD: 120 ton./mês de lixo reciclável – 110 ton coleta seletiva da prefeitura e 10 ton de entidades parceiras. Representa 1% do volume total. • A PNRS estabelecia o fechamento dos lixões até 2014, onde a parte dos resíduos sólidos que não pudesse ir para a reciclagem somente seria destinada a aterros sanitários – Esse objetivo não foi atingido.
  • 15. II - A Problemática "Resíduos Sólidos” no Brasil • Segundo dados de 2008 divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE, por meio da Pesquisa Nacional de Saneamento Básico - PNSB, 99,96% dos municípios brasileiros têm serviços de manejo de Resíduos Sólidos, mas 50,75% deles dispõem seus resíduos em vazadouros; 22,54% em aterros controlados; 27,68% em aterros sanitários. Esses mesmos dados apontam que 3,79% dos municípios têm unidade de compostagem de resíduos orgânicos; 11,56% têm unidade de triagem de resíduos recicláveis; e 0,61% têm unidade de tratamento por incineração. A prática desse descarte inadequado provoca sérias e danosas conseqüências à saúde pública e ao meio ambiente e associa-se a triste quadro socioeconômico de um grande número de famílias que, excluídas socialmente, sobrevivem dos "lixões de onde retiram os materiais recicláveis que comercializam. • O quadro institucional atual também é negativo apesar de encontrar-se em fase de alteração. A maioria das Prefeituras Municipais ainda não dispõe de recursos técnicos e financeiros para solucionar os problemas ligados à gestão de resíduos sólidos. Ignoram-se, muitas vezes, possibilidades de estabelecer parcerias com segmentos que deveriam ser envolvidos na gestão e na busca de alternativas para a implementação de soluções. Raramente utiliza-se das possibilidades e vantagens da cooperação com outros entes federados por meio do estabelecimento de consórcios públicos nos moldes previstos pela Lei de Saneamento Básico (Lei nº 11.445/2007) e Lei de Consórcios Públicos (Lei nº 11.107/2005) e de seus respectivos decretos de regulamentação, Decreto nº 7217/2010 e Decreto nº 6.017/2007). Ainda é frequente observar-se a execução de ações em resíduos sólidos sem prévio e adequado planejamento técnico- econômico, sendo esse quadro agravado pela falta de regulação e controle social no setor.
  • 16. Classificação dos Resíduos Quanto à origem: • Domiciliares e limpeza urbana. • Comerciais e prestadores de serviço. • Saneamento básico (lodos)Industriais. • Serviços de saúde. • Construção civil. • Agrossilvopastoril, transporte e de mineração. Quanto à periculosidade: • Perigosos . • não perigosos. Artigo 13 da Lei 12.305/2010 A classificação dos resíduos sólidos é feita pela origem, que pode ser: hospitalar; domiciliar; agrícola; comercial; industrial; entulho; resíduo público ou de varrição; resíduos sólidos urbanos; resíduos de portos, aeroportos, terminais rodoviários e ferroviários; resíduos de mineração. Além disso, os resíduos também são classificados conforme o seu tipo, que pode ser resíduo reciclável, como plástico, papel, metal e vidro, e não reciclável, rejeitos ou que não são recicláveis no país, como fraldas descartáveis, papel higiênico e guardanapo. A classificação dos resíduos também é feita de acordo com sua composição química, podendo ser: orgânicos, como papel e madeira, que podem ser até mesmo tóxicos, conhecidos como “Poluentes Orgânicos Persistentes”, como alguns pesticidas, e “Poluentes Orgânicos Não Persistentes”, como alguns tipos de óleos já utilizados e detergentes.
  • 17. III - Conceitos e terminologia
  • 18. III - Conceitos e terminologia
  • 19. Gerenciamento de resíduos sólidos Conjunto de ações normativas, operacionais, financeiras e de planejamento que uma administração municipal desenvolve, com base nos critérios sanitários, ambientais e econômicos para coletar, tratar e dispor os resíduos do seu município. Manejo - conjunto de atividades envolvidas com os resíduos sólidos, sob o aspecto operacional, envolvendo sua coleta, transporte, acondicionamento, tratamento e disposição final. O gerenciamento abrange além do manejo, os aspectos relacionados com o planejamento, fiscalização e regulamentação.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24. Logística reversa é "instrumento de desenvolvimento econômico e social caracterizado por um conjunto de ações, procedimentos e meios destinados a viabilizar a coleta e a restituição dos resíduos sólidos ao setor empresarial, para reaproveitamento, em seu ciclo ou em outros ciclos produtivos, ou outra destinação". A lei dedicou especial atenção à Logística reversa e definiu três diferentes instrumentos que poderão ser usados para a sua implantação: regulamento, acordo setorial e termo de compromisso.
  • 25. Responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos é o "conjunto de atribuições individualizadas e encadeadas dos fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes, dos consumidores e dos titulares dos serviços públicos de limpeza urbana e de manejo dos resíduos sólidos, para minimizar o volume de resíduos sólidos e rejeitos gerados, bem como para reduzir os impactos causados à saúde humana e à qualidade ambiental decorrentes do ciclo de vida dos produtos, nos termos da lei“. Artigo 25 da lei 12305/2010
  • 26. A LEI RESPONSABILIZA: • As pessoas físicas ou jurídicas, de direito público ou privado; • Responsáveis, direta ou indiretamente, pela geração de resíduos sólidos, e; • As que desenvolvam ações relacionadas à gestão integrada ou ao gerenciamento de resíduos sólidos; § 1° Artigo 1° da Lei 12305/2010
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30. Acordo setorial é um "ato de natureza contratual firmado entre o poder público e fabricantes, importadores, distribuidores ou comerciantes, tendo em vista a implantação da responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida do produto".
  • 31.
  • 32. • BIBLIOGRAFIA: • BRASIL. Plano Nacional de Resíduos Sólidos. Governo Federal. Ministério do Meio Ambiente. Brasília. p. 109 setembro de 2011. • CAVALCANTI, J.E. Manual de tratamento de efluentes industriais. São Paulo: Engenho, 2009. • JACOBI, P. (org.) Gestão compartilhada dos resíduos no Brasil: inovação com inclusão social. São Paulo:Annablume, 2006. • MANO, E. B. Meio ambiente, poluição e reciclagem. 2.ed. São Paulo: Blucher, 2010. • MAY, P. H. (org.) Economia do meio ambiente: teoria e prática. 2. ed. 4ª reimpressão. Rio de Janeiro:Elsevier, 2010. • MOURA, L. A. A. Economia ambiental: gestão de custos e investimentos. 2. ed. São Paulo: Juarez de Oliveira,2003. • NUNES, J. A. Tratamento físico-químico de águas residuárias industriais. 3.ed. Aracaju: Triunfo, 2001. • ROBLES JR., A.; BONELLI, V. V. Gestão da qualidade e do meio ambiente: enfoque financeiro e patrimonial.6ª reimpressão. São Paulo: Atlas, 2011. • ROCHA, J. C. Introdução à química ambiental. 2.ed. Porto Alegre: Bookman, 2010. • SPERLING, M. V. Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. Série: Princípios do tratamento biológico de águas residuárias. UFMG, 2011.