SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
Baixar para ler offline
SOLOS
Aula 2 – Fatores de Formação do solo
Fatores de Formação do Solo
O clima e os organismos
são os “fatores ativos”
porque,
durante
determinado tempo e em
certas condições de
relevo,
agem
diretamente sobre o
material de origem que,
portanto, é fator de
resistência ou “passivo”.
Clima




Um material derivado de uma mesma rocha
poderá formar solos completamente diversos se
decomposto em condições climáticas diferentes.
Porém, matérias diferentes podem formar solos
similares, quando sujeitos, por um longo período, ao
mesmo ambiente climático.
Clima


Os elementos principais do clima – temperatura e
umidade – regulam o tipo de intensidade de
intemperismo das rochas, o crescimento dos
organismos e, conseqüentemente, a distinção entre
os horizontes.
Clima


Sabe-se que, para cada 10° de aumento de
temperatura, dobra a velocidade das reações
químicas. Portanto quanto mais quente e mais úmido
for o clima, mais rápida e intensa será a
decomposição das rochas, as quais, nessas
condições,
irão
fornecer
materiais
muito
intemperizados.
Clima


diferentes zonas climáticas do globo que coincidem
com áreas de diferentes tipos de intemperismo
Organismos


•
•
•
•

Os organismos que vivem no solo são também de
grande importância para a diferenciação dos seus
perfis. Eles compreendem:
Microorganismos (ou microflora e microfauna)
Vegetais superiores (macroflora)
Animais (macrofauna)
Homem
Organismos


Os microorganismos incluem algas, bactérias, e
fungos. Eles desempenham, como função principal, o
inicio da decomposição dos restos dos vegetais e
animais, ajudando assim a formação do húmus, que
se acumula principalmente nos horizontes mais
superficiais. Os produtos dessa decomposição
também promovem a união das partículas primárias
do solo, ajudando a formar os agregados que
compõem a estrutura do solo.
Organismos
Organismos


Os vegetais atuam direta e indiretamente na
formação do solo. A ação direta consiste,
principalmente, na penetração do sistema radicular
em fendas das rochas, onde tanto com a pressão
exercida pelo crescimento, como pelas excreções
orgânicas, vão acelerar o intemperismo.
Organismos


Os animais que se abrigam no solo estão
constantemente triturando os restos dos vegetais,
cavando galerias e misturando materiais dos
diversos horizontes. Entre os quais podem promover
grande movimentação dos materiais do solo, estão
as formigas, os cupins e os vermes (principalmente
minhocas). Além desse revolvimento, suas carcaças e
resíduos, da mesma forma que a matéria vegetal,
contribuem para a formação do húmus e dos
agregados.
Organismos


O homem tem provocado muitos impactos na
formação do solo. A remoção da vegetação
natural, o revolvimento do horizonte A (pela aração
e outros cultivos) a adição de corretivos e
fertilizantes, a irrigação e aplicação de resíduos
urbanos e industriais.
Material de Origem




A maior ou menor velocidade com que o solo se
forma depende, portanto, do tipo de material.
É difícil estabelecer, no processo de evolução
rocha-solo, exatamente em que ponto saprolito
começa a se transformar em solo.
Material de Origem

Mapa geológico indicando
esquematicamente
a
distribuição das principais
fontes dos materiais de
origem (“ou rocha-mãe”)
dos solos brasileiros.
Material de Origem


•

Existem uma grande variedade de materiais de
origem, contudo os mais comuns podem ser
agrupados em 4 categorias:
Materiais derivados de rochas claras (ou ácidas,
ígneas ou metafórficas), como granitos, gnasses,
xistos e quartzitos. As rochas formam-se pela
consolidação de material vulcânico (magma), rico
em silício ou pelo metaformismo desde ou de rochas
sedimentares, também ricas e silício;
Material de Origem

http://www.geocities.ws/cesol999/TipodeAquiferoParteI.htm
Material de Origem
•

Materiais derivados de rochas ígneas escuras (ou
básicas) como basaltos, diabásios, gabros e
anfibolitos. Formam-se pela solidificação de
magmas pobres em silício, como a maior parte das
lavas dos vulcões
•

Materiais derivados de sedimentos consolidados,
como arenitos, ardósias, siltitos, argilitos e rochas
calcárias.
Formam-se
pela
deposição
e
solidificação de sedimentos, como os materiais
fragmentados de rochas ígneas ou metamórficas

Formação de arenitos

http://sites.google.com/site/geologiaebiologia/rochassedimentares/classificao-das-rochas-sedimentares/rochas-detrticas

Material de Origem
Material de Origem
•

Sedimentos inconsolidados, tais como aluviões
recentes dunas de areais (depois de estabilizadas),
cinzas vulcânicas, loess, coluviões e depósitos
orgânicos. Formam-se pela deposição de
sedimentos em épocas relativamente recentes.

Exemplo de sedimentos inconsolidados nos
quais os solos iniciam seu desenvolvimento.
Aluvião do rio Paraguai.
Relevo
•

•

O fator Relevo promove no solo diferenças
facilmente perceptíveis pela variação da cor, que
podem ocorrer a distâncias relativamente pequenas,
quando comparadas com as diferenças advindas
unicamente da ação de climas diversos.
Em sua maioria, resultam de distribuição no terreno
da água da chuva, da luz, do calor do sol e da
erosão.
Relevo

Influencia do relevo na distribuição desigual da água sobre o terreno.
Relevo


As chuvas precipitam-se de forma homogênea em
um terreno relativamente pequeno (conjunto de
duas colinas, por exemplo). Contudo, parte dessa
água pode escoar para as partes mas baixas e
côncavas e, por isso, acabam por receber mais
água
que
as
partes
mais
altas.
Conseqüentemente, terão solos diferentes dos das
baixadas. Como o encharcamento contínuo dos
poros do solo afeta os processos de intemperismo
químico, ele evolui de maneira diferente nos locais
mais úmidos em relação aos mais secos.
Relevo




Por outro lado, quando há pouca infiltração, o
desenvolvimento do perfil pode ser também
desfavorecido em virtude da intensa erosão.
Em regiões de clima árido ou semi-árido, as partes
mais baixas do relevo ficam sujeitas ao acúmulo de
sais que aí se concentram após serem carregados, e,
solução, pela enxurradas da área adjacentes.
Relevo
Relevo
Em área de relevo montanhoso, como as serras e
bordas de planaltos, as rampas muito íngremes
propiciam a erosão, que pode ser de tal ordem,
que a velocidade de remoção do solo será maior
ou igual à velocidade de formação do mesmo.
Onde a velocidade da erosão for maior, nenhum
solo permanece, ficando a rocha exposta; se a
velocidade de formação do solo for apenas
ligeiramente maior que a da erosão, a
possibilidade de formação de solos profundos
será eliminada.
Relevo
Relevo


O relevo influi nas características dos solos. Nas
áreas mais declivosas, os solos são menos
desenvolvidos que nas áreas mais planas (onde o
perfil é mais avermelhado). Nas áreas mais baixas,
próximas do riacho, os solos são acinzentados.
Tempo




A superfície de um afloramento rochoso, no qual
musgos e líquens começam a se desenvolver sobre
uma delgada camada de rocha decomposta, é
um exemplo do estágio inicial da formação do
solo.
Com o passar do tempo, e não havendo erosão
acelerada, as características desse solo começam
a se tornar cada vez mais distintas: os horizontes
vão se espessando e diferenciando-se, e o solo
pode atingir alguns metros.
Tempo




Portanto, a mais óbvia característica influenciada
pelo tempo é a espessura, pois solos jovens são
normalmente menos espessos que os velhos.
O período necessário para que um solo passe do
estágio jovem para o maduro varia com o tipo de
material de origem, condições de clima e grau de
erosão.
Tempo
Bibliografia




BERTONI, José; LOMBARDI NETO, Francisco.
Conservação do solo. 6.ed. São Paulo: Ícone, 2008.
355p. (Coleção Brasil Agrícola). ISBN 978-85-2740980-3.
Lepsh, Igo F. Formação e Conservação dos Solos.
Oficina de Textos, 2002
Atividade


Fazer um resumo da aula.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 05 sistema brasileiro de classificação de solos
Aula 05   sistema brasileiro de classificação de solosAula 05   sistema brasileiro de classificação de solos
Aula 05 sistema brasileiro de classificação de solos
Jadson Belem de Moura
 
O solo: formação e tipos
O solo: formação e tiposO solo: formação e tipos
O solo: formação e tipos
Regina Oliveira
 

Mais procurados (20)

Erosões
ErosõesErosões
Erosões
 
Erosão
ErosãoErosão
Erosão
 
Aula 05 sistema brasileiro de classificação de solos
Aula 05   sistema brasileiro de classificação de solosAula 05   sistema brasileiro de classificação de solos
Aula 05 sistema brasileiro de classificação de solos
 
Introdução a ciência do solo
Introdução a ciência do soloIntrodução a ciência do solo
Introdução a ciência do solo
 
Aula origem dos solos
Aula  origem dos solosAula  origem dos solos
Aula origem dos solos
 
Intemperismo e formação dos solos
Intemperismo e formação dos solosIntemperismo e formação dos solos
Intemperismo e formação dos solos
 
Pedologia
PedologiaPedologia
Pedologia
 
Os fatores e processos de formação dos solos
Os fatores e processos de formação dos solosOs fatores e processos de formação dos solos
Os fatores e processos de formação dos solos
 
Pedologia
PedologiaPedologia
Pedologia
 
O solo: formação e tipos
O solo: formação e tiposO solo: formação e tipos
O solo: formação e tipos
 
Morfologia do solo
Morfologia do soloMorfologia do solo
Morfologia do solo
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Aula propriedades solo
Aula propriedades  soloAula propriedades  solo
Aula propriedades solo
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
 
Degradação do solo
Degradação do soloDegradação do solo
Degradação do solo
 
Manejo da Materia Orgânica
Manejo da Materia OrgânicaManejo da Materia Orgânica
Manejo da Materia Orgânica
 
Intemperismo
IntemperismoIntemperismo
Intemperismo
 
10 Propriedades Físicas do Solo-aula
10 Propriedades Físicas do Solo-aula10 Propriedades Físicas do Solo-aula
10 Propriedades Físicas do Solo-aula
 
Manejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solosManejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solos
 
Manejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do SoloManejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do Solo
 

Semelhante a Solos 2

ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
Formação do relevo, erosão e intemperismo
Formação do relevo, erosão e intemperismoFormação do relevo, erosão e intemperismo
Formação do relevo, erosão e intemperismo
Ione Rocha
 
Slides ciência do solo
Slides   ciência do soloSlides   ciência do solo
Slides ciência do solo
daianeagricola
 
Solo e erosão 2011
Solo e erosão 2011Solo e erosão 2011
Solo e erosão 2011
UFES
 
Aula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos solosAula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos solos
karolpoa
 
Soloeeroso2011 110219130321-phpapp01
Soloeeroso2011 110219130321-phpapp01Soloeeroso2011 110219130321-phpapp01
Soloeeroso2011 110219130321-phpapp01
Sabrina Motta
 
Trabalho de mecânica dos solos propriedade das particulas sólidas dos solos
Trabalho de mecânica dos solos   propriedade das particulas sólidas dos solosTrabalho de mecânica dos solos   propriedade das particulas sólidas dos solos
Trabalho de mecânica dos solos propriedade das particulas sólidas dos solos
engenhar
 

Semelhante a Solos 2 (20)

Apostila solos
Apostila solosApostila solos
Apostila solos
 
Formação dos solos.docx
Formação dos solos.docxFormação dos solos.docx
Formação dos solos.docx
 
Solos E Ocupação Rural No Mundo
Solos E Ocupação Rural No MundoSolos E Ocupação Rural No Mundo
Solos E Ocupação Rural No Mundo
 
UNIDADE I - SOLOS, ORIGEM, FORMAÇÃO E MINERAis CONSTITUINTES
UNIDADE I - SOLOS, ORIGEM, FORMAÇÃO E MINERAis CONSTITUINTESUNIDADE I - SOLOS, ORIGEM, FORMAÇÃO E MINERAis CONSTITUINTES
UNIDADE I - SOLOS, ORIGEM, FORMAÇÃO E MINERAis CONSTITUINTES
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 
Solos aula 1
Solos   aula 1Solos   aula 1
Solos aula 1
 
Formação do relevo, erosão e intemperismo
Formação do relevo, erosão e intemperismoFormação do relevo, erosão e intemperismo
Formação do relevo, erosão e intemperismo
 
Slides ciência do solo
Slides   ciência do soloSlides   ciência do solo
Slides ciência do solo
 
Solo e erosão 2011
Solo e erosão 2011Solo e erosão 2011
Solo e erosão 2011
 
Origem dos solos
Origem dos solosOrigem dos solos
Origem dos solos
 
Origem dos solos
Origem dos solosOrigem dos solos
Origem dos solos
 
Aula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos solosAula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos solos
 
Soloeeroso2011 110219130321-phpapp01
Soloeeroso2011 110219130321-phpapp01Soloeeroso2011 110219130321-phpapp01
Soloeeroso2011 110219130321-phpapp01
 
Solo
SoloSolo
Solo
 
Ciências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluição
Ciências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluiçãoCiências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluição
Ciências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluição
 
Aula 01_Fundamentos do SOLO.pdf
Aula 01_Fundamentos do SOLO.pdfAula 01_Fundamentos do SOLO.pdf
Aula 01_Fundamentos do SOLO.pdf
 
Agentes formadores do relevo
Agentes formadores do relevoAgentes formadores do relevo
Agentes formadores do relevo
 
A floresta e o solo (1)
A floresta e o solo (1)A floresta e o solo (1)
A floresta e o solo (1)
 
Slide 1 ano solo
Slide 1 ano soloSlide 1 ano solo
Slide 1 ano solo
 
Trabalho de mecânica dos solos propriedade das particulas sólidas dos solos
Trabalho de mecânica dos solos   propriedade das particulas sólidas dos solosTrabalho de mecânica dos solos   propriedade das particulas sólidas dos solos
Trabalho de mecânica dos solos propriedade das particulas sólidas dos solos
 

Mais de Giovanna Ortiz

Mais de Giovanna Ortiz (20)

Exercícios dimensionamento limpeza publica aula 4
Exercícios dimensionamento limpeza publica aula 4Exercícios dimensionamento limpeza publica aula 4
Exercícios dimensionamento limpeza publica aula 4
 
Dimensionamento de um aterro sanitário2
Dimensionamento de um aterro sanitário2Dimensionamento de um aterro sanitário2
Dimensionamento de um aterro sanitário2
 
Dimensionamento de pátio de compostagem
Dimensionamento de pátio de compostagemDimensionamento de pátio de compostagem
Dimensionamento de pátio de compostagem
 
Aula 9 aterro
Aula 9   aterroAula 9   aterro
Aula 9 aterro
 
Aula 8 incineração
Aula 8 incineraçãoAula 8 incineração
Aula 8 incineração
 
Aula 7 co-processamento
Aula 7   co-processamentoAula 7   co-processamento
Aula 7 co-processamento
 
Aula 6 compostagem
Aula 6 compostagemAula 6 compostagem
Aula 6 compostagem
 
Aula 5 reciclagem
Aula 5  reciclagemAula 5  reciclagem
Aula 5 reciclagem
 
Aula 4. rsu parte 1pdf
Aula 4. rsu parte 1pdfAula 4. rsu parte 1pdf
Aula 4. rsu parte 1pdf
 
Aula 4 parte 2
Aula 4 parte 2Aula 4 parte 2
Aula 4 parte 2
 
Aula 3 gerenciamento
Aula 3 gerenciamentoAula 3 gerenciamento
Aula 3 gerenciamento
 
Aula 2 panorama geral
Aula 2 panorama geralAula 2 panorama geral
Aula 2 panorama geral
 
Aula 1 normas e legislação
Aula 1 normas e legislaçãoAula 1 normas e legislação
Aula 1 normas e legislação
 
Atividade roteiro para implantação de coleta seletiva
Atividade   roteiro para implantação de coleta seletivaAtividade   roteiro para implantação de coleta seletiva
Atividade roteiro para implantação de coleta seletiva
 
Apresentação geral do curso
Apresentação geral do cursoApresentação geral do curso
Apresentação geral do curso
 
Exercícios de compensação de ausências
Exercícios de compensação de ausênciasExercícios de compensação de ausências
Exercícios de compensação de ausências
 
Solos 6b
Solos 6bSolos 6b
Solos 6b
 
Solos 4
Solos 4Solos 4
Solos 4
 
Solos 3p
Solos 3pSolos 3p
Solos 3p
 
Solos 3
Solos 3Solos 3
Solos 3
 

Último

Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
WelitaDiaz1
 

Último (20)

Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptnocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 

Solos 2

  • 1. SOLOS Aula 2 – Fatores de Formação do solo
  • 2. Fatores de Formação do Solo O clima e os organismos são os “fatores ativos” porque, durante determinado tempo e em certas condições de relevo, agem diretamente sobre o material de origem que, portanto, é fator de resistência ou “passivo”.
  • 3. Clima   Um material derivado de uma mesma rocha poderá formar solos completamente diversos se decomposto em condições climáticas diferentes. Porém, matérias diferentes podem formar solos similares, quando sujeitos, por um longo período, ao mesmo ambiente climático.
  • 4. Clima  Os elementos principais do clima – temperatura e umidade – regulam o tipo de intensidade de intemperismo das rochas, o crescimento dos organismos e, conseqüentemente, a distinção entre os horizontes.
  • 5. Clima  Sabe-se que, para cada 10° de aumento de temperatura, dobra a velocidade das reações químicas. Portanto quanto mais quente e mais úmido for o clima, mais rápida e intensa será a decomposição das rochas, as quais, nessas condições, irão fornecer materiais muito intemperizados.
  • 6. Clima  diferentes zonas climáticas do globo que coincidem com áreas de diferentes tipos de intemperismo
  • 7. Organismos  • • • • Os organismos que vivem no solo são também de grande importância para a diferenciação dos seus perfis. Eles compreendem: Microorganismos (ou microflora e microfauna) Vegetais superiores (macroflora) Animais (macrofauna) Homem
  • 8. Organismos  Os microorganismos incluem algas, bactérias, e fungos. Eles desempenham, como função principal, o inicio da decomposição dos restos dos vegetais e animais, ajudando assim a formação do húmus, que se acumula principalmente nos horizontes mais superficiais. Os produtos dessa decomposição também promovem a união das partículas primárias do solo, ajudando a formar os agregados que compõem a estrutura do solo.
  • 10. Organismos  Os vegetais atuam direta e indiretamente na formação do solo. A ação direta consiste, principalmente, na penetração do sistema radicular em fendas das rochas, onde tanto com a pressão exercida pelo crescimento, como pelas excreções orgânicas, vão acelerar o intemperismo.
  • 11. Organismos  Os animais que se abrigam no solo estão constantemente triturando os restos dos vegetais, cavando galerias e misturando materiais dos diversos horizontes. Entre os quais podem promover grande movimentação dos materiais do solo, estão as formigas, os cupins e os vermes (principalmente minhocas). Além desse revolvimento, suas carcaças e resíduos, da mesma forma que a matéria vegetal, contribuem para a formação do húmus e dos agregados.
  • 12. Organismos  O homem tem provocado muitos impactos na formação do solo. A remoção da vegetação natural, o revolvimento do horizonte A (pela aração e outros cultivos) a adição de corretivos e fertilizantes, a irrigação e aplicação de resíduos urbanos e industriais.
  • 13. Material de Origem   A maior ou menor velocidade com que o solo se forma depende, portanto, do tipo de material. É difícil estabelecer, no processo de evolução rocha-solo, exatamente em que ponto saprolito começa a se transformar em solo.
  • 14. Material de Origem Mapa geológico indicando esquematicamente a distribuição das principais fontes dos materiais de origem (“ou rocha-mãe”) dos solos brasileiros.
  • 15. Material de Origem  • Existem uma grande variedade de materiais de origem, contudo os mais comuns podem ser agrupados em 4 categorias: Materiais derivados de rochas claras (ou ácidas, ígneas ou metafórficas), como granitos, gnasses, xistos e quartzitos. As rochas formam-se pela consolidação de material vulcânico (magma), rico em silício ou pelo metaformismo desde ou de rochas sedimentares, também ricas e silício;
  • 17. Material de Origem • Materiais derivados de rochas ígneas escuras (ou básicas) como basaltos, diabásios, gabros e anfibolitos. Formam-se pela solidificação de magmas pobres em silício, como a maior parte das lavas dos vulcões
  • 18. • Materiais derivados de sedimentos consolidados, como arenitos, ardósias, siltitos, argilitos e rochas calcárias. Formam-se pela deposição e solidificação de sedimentos, como os materiais fragmentados de rochas ígneas ou metamórficas Formação de arenitos http://sites.google.com/site/geologiaebiologia/rochassedimentares/classificao-das-rochas-sedimentares/rochas-detrticas Material de Origem
  • 19. Material de Origem • Sedimentos inconsolidados, tais como aluviões recentes dunas de areais (depois de estabilizadas), cinzas vulcânicas, loess, coluviões e depósitos orgânicos. Formam-se pela deposição de sedimentos em épocas relativamente recentes. Exemplo de sedimentos inconsolidados nos quais os solos iniciam seu desenvolvimento. Aluvião do rio Paraguai.
  • 20. Relevo • • O fator Relevo promove no solo diferenças facilmente perceptíveis pela variação da cor, que podem ocorrer a distâncias relativamente pequenas, quando comparadas com as diferenças advindas unicamente da ação de climas diversos. Em sua maioria, resultam de distribuição no terreno da água da chuva, da luz, do calor do sol e da erosão.
  • 21. Relevo Influencia do relevo na distribuição desigual da água sobre o terreno.
  • 22. Relevo  As chuvas precipitam-se de forma homogênea em um terreno relativamente pequeno (conjunto de duas colinas, por exemplo). Contudo, parte dessa água pode escoar para as partes mas baixas e côncavas e, por isso, acabam por receber mais água que as partes mais altas. Conseqüentemente, terão solos diferentes dos das baixadas. Como o encharcamento contínuo dos poros do solo afeta os processos de intemperismo químico, ele evolui de maneira diferente nos locais mais úmidos em relação aos mais secos.
  • 23. Relevo   Por outro lado, quando há pouca infiltração, o desenvolvimento do perfil pode ser também desfavorecido em virtude da intensa erosão. Em regiões de clima árido ou semi-árido, as partes mais baixas do relevo ficam sujeitas ao acúmulo de sais que aí se concentram após serem carregados, e, solução, pela enxurradas da área adjacentes.
  • 25. Relevo Em área de relevo montanhoso, como as serras e bordas de planaltos, as rampas muito íngremes propiciam a erosão, que pode ser de tal ordem, que a velocidade de remoção do solo será maior ou igual à velocidade de formação do mesmo. Onde a velocidade da erosão for maior, nenhum solo permanece, ficando a rocha exposta; se a velocidade de formação do solo for apenas ligeiramente maior que a da erosão, a possibilidade de formação de solos profundos será eliminada.
  • 27. Relevo  O relevo influi nas características dos solos. Nas áreas mais declivosas, os solos são menos desenvolvidos que nas áreas mais planas (onde o perfil é mais avermelhado). Nas áreas mais baixas, próximas do riacho, os solos são acinzentados.
  • 28. Tempo   A superfície de um afloramento rochoso, no qual musgos e líquens começam a se desenvolver sobre uma delgada camada de rocha decomposta, é um exemplo do estágio inicial da formação do solo. Com o passar do tempo, e não havendo erosão acelerada, as características desse solo começam a se tornar cada vez mais distintas: os horizontes vão se espessando e diferenciando-se, e o solo pode atingir alguns metros.
  • 29. Tempo   Portanto, a mais óbvia característica influenciada pelo tempo é a espessura, pois solos jovens são normalmente menos espessos que os velhos. O período necessário para que um solo passe do estágio jovem para o maduro varia com o tipo de material de origem, condições de clima e grau de erosão.
  • 30. Tempo
  • 31. Bibliografia   BERTONI, José; LOMBARDI NETO, Francisco. Conservação do solo. 6.ed. São Paulo: Ícone, 2008. 355p. (Coleção Brasil Agrícola). ISBN 978-85-2740980-3. Lepsh, Igo F. Formação e Conservação dos Solos. Oficina de Textos, 2002