I        Stella andava em seu quarto, de um lado pro outro, impaciente. Viviasozinha em um pequeno, mas charmoso apartamen...
Por causa disso, evitava ler qualquer coisa que mexesse com sualibido. Nunca mais quis ver um filme que atiçasse seu desej...
À noite, após um longo dia de trabalho, Stella abriu a porta doapartamento e a primeira coisa que fez foi chutar os sapato...
parecia que ia sair pela boca. Sua buceta pulsava como as teclas de umasonata ao piano. Sentia um líquido quente molhar os...
- Ela o que Stella?       Achando que ele estava zoando dela, resolveu ser direta:       - Ela... eu... minha.... sabe?   ...
II        - Estou abrindo as pernas na sua frente Henrique... sentada no sofá dasala... só de calcinha preta e blusinha de...
Henrique gemeu angustiado quando viu seu gesto e se aproximoudela. Ela sorriu e deixou-o tocar seus seios com as mãos ansi...
Ele simplesmente caiu de boca. Stella nunca tinha sentido sensaçãomais deliciosa. Henrique não se fazia de rogado, ele lam...
que ela não gozava e a demora a fez gozar dez vezes com mais tesão eintensidade.       Ela se levantou e trocou de posição...
de apertar aquela mulher com força e fazê-la chupar por horas e horas... aquiloera delicioso!!        Ela gostava, dava pr...
- Não precisa pedir duas vezes!!        Logo Henrique estava ajoelhado atrás dela colocando a cabeça do pauna entrada da s...
- Está doendo Stella?        - Sim, simmm, mas não pare por favor!        - Stella?        - Não pare Henrique !!!!!      ...
um vibrador de duas cabeças e uma delas enfiou uma ponta na buceta e nocuzinho da outra amiga.       Aquilo deixou Stella ...
III        Stella acordou de madrugada morrendo de fome! Tirara delicadamentea mão de Henrique que envolvia um dos seus se...
Ele sorriu. Adorava o jeito que ela gemia! O dedo desceu mais umpouco e tocou a entrada da buceta dela, já totalmente mela...
Dando-lhe um beijo na boca, ele respondeu:        - Foi maravilhoso!        Demoraram ainda meia-hora no chuveiro, sentind...
fazer o mesmo e notou o brilho dos olhos dele. Demonstrava cansaço econfusão, mas estava feliz.       Notando que também e...
lhe um abraço, deixando os bicos duros dos seios dela roçarem os mamilosdele de propósito.        Henrique segurou em sua ...
gemem juntos. Henrique aperta os seios de Stella na mesma hora, deixandoela mais excitada do que já estava, fazendo-a ter ...
Enquanto isso, Henrique acelerou os movimentos e os dois caíramnovamente num gozo intenso, cortado somente pela brisa que ...
- Agora sou o seu dono e farei o que quiser de você!        - Hummm delícia! Faz! Você é o meu dono e faço o que você mand...
Ele desamarrou os braços e as pernas de Stella, fez um gesto para queo rapaz se deitasse na cama, de costas e ajoelhou Ste...
Não aguentando mais de tanto tesão, os três explodiram juntos, semqualquer aviso. Stella sentiu na hora a porra quente dos...
IV        No outro dia, Stella abriu os olhos, sorrindo. Queria preparar umasurpresa para Henrique como ele havia preparad...
Qual não foi a sua surpresa ao entrar na sala e ver Stella e outramulher se acariciando?! Na mesma hora o pau dele subiu, ...
Paula virou-se para Stella e lambeu seu rosto, seu queixo e seus seiosmelados da porra de Henrique. Ele se levantou e dest...
buceta de Stella, sua pica deu uma guinada pra cima e ele não esperou muito.Abriu a nádega da moça e enfiou o mastro duro ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Encontro Inesperado

693 visualizações

Publicada em

Um sonho muito louco

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Encontro Inesperado

  1. 1. I Stella andava em seu quarto, de um lado pro outro, impaciente. Viviasozinha em um pequeno, mas charmoso apartamento. Ela não aguentava maisviver só. Não havia com quem conversar e ela estava a ponto de explodir. Todas as suas amigas tinham namorado e ela já estava há mais dedois anos sozinha. Sentia falta de um homem ao seu lado, alguém que fosseseu amigo, companheiro, e amante. A palavra amante trouxe um arrepio ao seu corpo. Nos últimos diasestava com o desejo à flor da pele. Há alguns meses decidira parar de semasturbar. Prometeu a si mesma que guardaria aquele desejo intenso quesempre sentira, para alguém especial. Havia aquela sensação de culpa ao se tocar várias vezes por dia. Elaachava tudo muito mecanizado, não tinha sentimento, não tinha amor. E elaainda era uma mulher romântica! Queria romantismo, alguém que atiçasse seufogo interior, alguém que a conquistasse e a deixasse com aquele gostinho dedesafio na boca. Sim! Ela gostava de um desafio. Não gostava de nada fácil. Elagostava de brigar, de lutar pelas coisas. Tudo que vinha fácil, ia fácil. Por isso,ela se entregara completamente ao trabalho, deixando seus desejos de lado. 1
  2. 2. Por causa disso, evitava ler qualquer coisa que mexesse com sualibido. Nunca mais quis ver um filme que atiçasse seu desejo e sempre quesentia seu corpo quente, querendo sexo, ela tomava um banho frio e lia umlivro ou saía para caminhar. Após o banho gelado, Stella ainda podia sentir o corpo quente, masdecidiu não pensar mais em nada. Deitou-se em sua cama e ligou o notebook.Precisava enviar um e-mail para a empresa, pois havia uma reunião logo cedocom grandes fornecedores. Quando estava enviando o último e-mail, um amigo de um amigopuxou conversa. No fim da conversa ela já estava excitada e intrigada comaquele homem. Quando deu por si, ela estava sorrindo e acabou esquecendo de suapromessa. Ansiosa, desligou o notebook e se jogou na cama, demorando umbom tempo para pegar no sono. No outro dia, ela se levantou cedo e enquanto enchia a banheira,preparou um bom café da manhã com leite, pão integral, aveia, banana, queijo,manteiga, suco de laranja e mamão. Enquanto tomava o banho, ela pensou no amigo da noite anterior esimplesmente sentiu o corpo quente. Soltando um palavrão, ela saiu do banho,arrumou-se, pegou a bolsa, as chaves do carro e tomou o elevador até àgaragem do seu prédio, partindo em seguida para o trabalho. 2
  3. 3. À noite, após um longo dia de trabalho, Stella abriu a porta doapartamento e a primeira coisa que fez foi chutar os sapatos para o lado. Seuspés estavam doloridos. Ela participou de várias reuniões e fechara bonsnegócios para a empresa. Mas agora, tudo que ela precisava era de um banhoquente e descanso, além de sexo, claro. Mas logo ela afugentou essa palavrada mente e entrou no quarto, deixando as roupas pelo caminho. Nessa noite, ela jurava que estava tudo tranquilo, mas de repente, nãose lembrava como, estava novamente conversando com o homem da noiteanterior. Seu nome era Henrique. De vez em quando rolava um clima também,e ela não sabia se ficava ou se recuava. Ela queria ficar! E o mais estranho detudo, ela podia sentir aquela energia dele também e ela se sentiu tentada. Em determinado momento, na troca de mensagens subliminares, como corpo quente e o ponto no meio das pernas pulsando, Stella se despede eabre um conto erótico, fazendo seu corpo transbordar em puro desejo. Suasmãos tremem, a boca seca e ela já se conhece o suficiente para saber queestava com muito tesão. Cada frase a deixava mais quente e ela conseguiu se transportar àhistória como se fosse ela mesma. Ela fechou os olhos e podia ver o corpo deHenrique a tocando, o beijo na boca e o membro excitadíssimo deleencostando-se ao corpo dela. De um momento para o outro, Stella já passavade uma mulher comportada para uma puta louca por sexo. Se alguém estivesse observando-a naquele momento, notaria adiferença. Seus olhos brilhavam intensamente, seus dentes mordiam com forçaos lábios macios. Ela já não conseguia ficar parada, estava se remexendo nacama, ainda que inconscientemente. Sentia o coração bater tão forte que 3
  4. 4. parecia que ia sair pela boca. Sua buceta pulsava como as teclas de umasonata ao piano. Sentia um líquido quente molhar os lábios íntimos e escorrerlentamente pela entrada da sua buceta quente. Colocou um dedo delicadamente entre os lábios e sentiu o líquido. Elasorriu, feliz e satisfeita. Amava o jeito que ficava excitada e se molhava de umamaneira extrema. Às vezes se pegava imaginando se alguma outra mulher semolhava tanto quanto ela, a ponto de escorrer de sua buceta e deixar suacalcinha e coxas encharcadas. Tocou o clitóris devagar. Já sentia ele inchado de tesão, mas queria lerum pouco mais e adiar o gozo para mais tarde. O tesão era tão intenso que elaqueria mais e mais. Por outro lado, Henrique estava de pau duro ao pensarnela. Ambos voltaram ao computador no mesmo momento e Stella foi direta aoponto: - Henrique... não vou mentir nem ser hipócrita... eu estou morrendo devontade de você! - Eu também Stella! - Mesmo? - Sim... Ficaram alguns segundos em silêncio... até que Stella falou sempensar: - Henrique... estou com ela pulsando... molhada.... Nervoso e cheio de tesão, ele pergunta 4
  5. 5. - Ela o que Stella? Achando que ele estava zoando dela, resolveu ser direta: - Ela... eu... minha.... sabe? - Sim, eu sei... Eu também estou com tesão Stella! - Nossa, eu preciso gozar... - Vamos gozar juntos... - Sim. Se toque pra mim... - Já estou me tocando faz tempo boba.... - Eu também! Mas adiei para me tocar junto com você... - Então sente o meu pau, sente! Ele está bem duro aqui na minha mão,louco para foder essa sua buceta! - Aiiiii nossa... que tesãooo !!! - Delícia... delícia Stella! Ambos fecham os olhos e se entregam á fantasia... 5
  6. 6. II - Estou abrindo as pernas na sua frente Henrique... sentada no sofá dasala... só de calcinha preta e blusinha de alça fina, também preta. - Que delíciaaaaaaaa Stella !!! - Quero que fique me olhando Henrique... que repare em cadamovimento meu... abrindo as pernas e apenas colocando de lado a minhacalcinha... deixando os dedos escorregando por cima da bucetinha até alcançaros lábios melados.... abrindo-os e mostrando a você o meu clitóris inchado,molhado e tesudo.... - Isso Stella, não pare! Quero ver tudo! Mexe nessa buceta, mexe.... Os dedos de Stella, já molhados pelo mel escorrendo de sua buceta...deslizam graciosamente do clitóris até o fim de sua buceta... subindo edescendo... a ponta do dedo às vezes penetrando no interior de sua buceta,brincando com os olhos de Henrique. Ele estava maluco! Tinha ficado nu e se masturbava, assistindo Stellase tocar. Ele estava louco por ela! E ao vê-lo assim, entregue ao desejo porela, Stella sorria com superioridade. Ela amava ver um homem se entregarassim aos seus caprichos e desejos. Ela se sentia poderosa, dona dasituação... e isso a deixava mais e mais excitada. Abriu mais as pernas e expôs sua buceta aos olhos sedentos deHenrique. Levou os dedos melados à boca e passou-os lentamente peloslábios dela e depois lambeu-os, absorvendo o gosto delicioso de sua bucetaexcitada. 6
  7. 7. Henrique gemeu angustiado quando viu seu gesto e se aproximoudela. Ela sorriu e deixou-o tocar seus seios com as mãos ansiosas. Eleapertava firme, do jeito que ela gostava, demonstrando força. Os dedos delegiravam os bicos rosados dos seios dela, que funcionavam como um botãoexcitando seu clitóris. Uma única palavra saiu da boca dela: morde! Sem esperar duas vezes, Henrique abaixa a boca até uns dos seios emorde com força o bico já duro de tesão, enquanto a outra mão aperta o outroseio. Stella geme alto e Henrique fica satisfeito com o jeito dela, com a maneiracomo ela estava excitada. Henrique puxa a blusa de Stella, jogando-a longe. Suas mãospercorrem o corpo dela. Sua pele era branca e sensível. Ele abaixa a cabeçaaté os seios cobertos de sardas e segura um dos bicos com os dentes, fazendoStella gemer e implorar por mais. Aquilo excitava Henrique. Adorava se sentirdono da situação, como ela. Adorava dar prazer a uma mulher e essa mulherera especial, gostava de sexo como ele. Sua boca deixou o bico duro e avermelhado de tanto suga-los... epercorreu sua barriga... até chegar em sua buceta. Deitou-a no sofá e levou aspernas dela para o alto, apoiando-as no ombro dele. Com uma das mãos, elepuxou a calcinha dela de lado e separou os lábios molhados, fazendo seu pauvibrar de tesão com o cheiro que exalava daquela buceta melada de tesão. 7
  8. 8. Ele simplesmente caiu de boca. Stella nunca tinha sentido sensaçãomais deliciosa. Henrique não se fazia de rogado, ele lambia ela desde abucetinha até o cuzinho, que já piscava, louco de tesão. A seguir, ele enfiou um dedo dentro da buceta dela, fazendo-a gemer eimplorar por mais. Ele juntou outro dedo e enfiou dois dentro dela, sentindosuas carnes quentes e molhadas. Ele queria mesmo era meter seu paunaquela buceta até ela dizer chega! Ela segurou sua cabeça com força e fê-lo lamber sua buceta molhadanovamente, até sentir o primeiro gozo tomando conta de seu corpo. Ele sabiaque ela ia gozar, mas não quis parar. Ele queria beber o gozo dela. Sua línguapasseava de cima, onde estava o clitóris duro, até embaixo, perto da entradada buceta dela. De vez em quando, lambia de um lado para o outro e ás vezesenfiava os dedos e a língua ao mesmo tempo, até sentir o corpo dela seretesando. Era a hora do gôzo! Queria olhar seu rosto! Enfiou três dedos de uma vez na buceta dela e com a língua dando-lhechicotadas no clitóris, ouviu-a gemer alto, girar seu corpo e a cabeça de umlado para o outro, como se estivesse levando um choque, mas de prazer. O gozo dela durou alguns minutos. Ele nunca tinha visto aquilo! A peledela brilhava de suor e o cheiro do corpo dela era maravilhoso! Uma mistura deperfume com o gozo, que lhe excitava ao extremo! Stella não queria parar. Quando veio o gozo, ela sentiu como se o seucorpo estivesse sendo arrebatado para mil lugares ao mesmo tempo, como seestivesse em uma montanha russa, só que fazendo sexo. Fazia MUITO tempo 8
  9. 9. que ela não gozava e a demora a fez gozar dez vezes com mais tesão eintensidade. Ela se levantou e trocou de posição com Henrique. Ajoelhou-se porentre as pernas dele, mas, primeiramente deu-lhe um beijo delicioso na boca.O beijo deles era qualquer coisa, menos comum. Ela nunca tinha beijado umaboca assim. Nunca tinha encontrado alguém que beijasse como ele, comdesejo, demonstrando a intenção de deixá-la excitada. Mas Henriqueconseguiu! A língua dele travava um duelo com a dela e ela sorvia a línguadele como se estivesse chupando seu pau, o que deixou Henrique trêmulo esentindo uma vontade intensa de jogar aquela mulher no chão e fodê-la detodas as maneiras! Pressentindo o que ele queria, Stella abaixou a cabeça e guiou o paudele até sua boca. Viu o fio transparente e melado escorrendo da cabeça dopau dele, que estava duro e brilhava de tesão e lambeu vagarosamente,provocando nele uma corrente que percorria o corpo todo e voltava até àcabeça do pau. Ela lambia a cabeça olhando para ele e aquilo o excitava. Ela tinhauma cara de puta quando fazia sexo que o deixava louco! Segurou seu paucom firmeza e levou-o até os seios dela, fazendo ele gemer baixinho eimpulsionar o corpo para cima. Ela sorriu, afinal, adorava ser a dona dasituação! Sem avisar, Stella abocanhou o pau inteiro de Henrique, até senti-lotocar em sua garganta. Desta vez ele gemeu alto. Não esperava por aquilo...não ainda! Puxou os cabelos dela para cima para ver melhor a boca delachupando o pau duro dele e sentia-o vibrando na boca dela. Sua vontade era 9
  10. 10. de apertar aquela mulher com força e fazê-la chupar por horas e horas... aquiloera delicioso!! Ela gostava, dava pra perceber. Ela chupava com vontade! Tirava opau dele rapidamente da boca e chupava as bolas dele, mas logo voltada asugar seu pau com vontade, até que minutos depois, não conseguindo maissegurar o desejo, ele sentiu o gozo chegando violentamente e deu um banhode porra na cara de Stella. Ele ficou momentaneamente sem graça, mas ao olhar a cara delalambendo aquela porra quente, escorrendo da boca até o queixo, ele sorriu econtinuou a gemer. Era incrível o que ela o fazia sentir. Vê-la lamber sua porraera assim uma visão espetacular! Nunca havia gozado no rosto de uma mulhere nenhuma jamais lambera o gozo dele. Stella era diferente! Dava pra ver seuprazer ao sentir o gosto da porra dele e isso o deixou mais excitado por ela. Quando seu pau já estava totalmente limpo com as lambidas dela, elase levantou, foi até o banheiro, lavou o rosto e voltou rapidamente para sala. Opau de Henrique continuava duro. Ele estava surpreso com a violência dossentimentos por ela. Achou que ela ia querer uma pausa para descansar e qualnão foi sua surpresa ao vê-la olhar para ele com ar misterioso e ajoelhar-se àsua frente, desta vez, virando seu corpo de maneira que a bundinha delaficasse de frente pra ele. Ele sorriu, meio assustado e cheio de tesão. Acariciou a bunda dela eela logo começou a embalar um rebolado lento... e de vez em quando olhavapra trás, dizendo: - Me come? 10
  11. 11. - Não precisa pedir duas vezes!! Logo Henrique estava ajoelhado atrás dela colocando a cabeça do pauna entrada da sua buceta melada. Sem avisar e para surpresa de Stella, eleenfiou o pau duro e grosso de uma vez dentro dela, fazendo ela gemer alto,mas não de dor, era prazer, puro prazer. Desta vez Henrique a conhecia...sabia do que ela gostava! Segurando sua cintura com força, Henrique enfiou seu cacete cada vezmais forte na buceta dela e chegava para trás um pouco para ver os lábios dabuceta dela se abrindo para o cacete dele que entrava e saía de dentro dela.Ela gemia, falava palavras desconexas, mas implorava para ele meter mais. Henrique acelerou o gesto e ao invés de apertar a cintura dela, eleapertava a bunda dela com força e sentia vontade de bater nela com força,como se ela fosse uma cachorra, uma cadela, sua puta! Não se segurando, eledeu o primeiro tapa e viu que ela gostava. Bateu-lhe com força e ela reboloumais rápido. Ambos estavam muito excitados e só pensavam em dar prazer umao outro. Para provoca-la, Henrique tirou o pau da buceta dela, mas ficou maissurpreso ainda com o que ela fez em seguida. Sem virar para trás, Stellasegurou seu cacete e colocou a cabeça dele na entrada do cuzinho dela.Henrique não acreditou no que estava vendo. Cuspindo na cabeça do seu pau, ele guiou-o até a entrada do cuzinhodela, tentando entrar devagar, para não machuca-la. Ela gemia e ele sepreocupava se era de dor ou tesão, e perguntou pra ela: 11
  12. 12. - Está doendo Stella? - Sim, simmm, mas não pare por favor! - Stella? - Não pare Henrique !!!!! Louco de tesão, ele empurrou seu pau com firmeza e sentiu a cabeçasendo sugada pra dentro daquele lugar apertadíssimo. A sensação era única!O cuzinho dela piscava e ele queria meter o seu cacete inteiro dentro dela.Começou a enfiar devagar e relaxar o cuzinho dela... até que, novamente, semavisar, ele empurrou o pau inteiro! Stella deu um grito, assustando-o, mas ao mesmo tempo, implorou praele não parar. Uma das mãos dela separou os lábios da buceta e a outracomeçou a dedilhar seu clitóris com gosto. Ele estava louco por ela e ela porele. Os dois estavam tendo uma experiência inesquecível! Stella gemia alto excitando Henrique. Ele metia com força no cuzinhodela e sentia seu pau sendo sugado pra dentro, numa sensação incrível! Elequeria encher aquele rabinho de porra e não ia demorar muito. Stella semasturbava e sabia que seu gozo viria logo, pois ela conhecia seu corpo esabia que o tesão que sentia no cuzinho era maior do que tudo que ela jásentira na vida. E ela descobrira por acaso! Estava em casa se masturbando com seuvibrador e assistindo um vídeo erótico, quando viu duas garotas brincando com 12
  13. 13. um vibrador de duas cabeças e uma delas enfiou uma ponta na buceta e nocuzinho da outra amiga. Aquilo deixou Stella tão louca de tesão, que, sem pensar, e ao mesmotempo, com medo de se machucar, ela cuspiu na cabeça do pau e enfioudevagar no seu cuzinho, ao mesmo tempo que masturbava a buceta com osdedos. Mal a cabeça entrou, Stella sentiu o maior prazer que já teve na vida, edesde então, quando não tinha pressa de se masturbar, ela pegava o vibradore metia no cuzinho até gozar loucamente. Henrique sentia o gozo chegando e avisou Stella, que não se deu aotrabalho de responder.... apenas retesou o corpo, e... juntos, gozaramgemendo alto e fazendo movimentos que mais tarde nem se lembrariam, masque os levara ao maior gozo da vida dos dois. Exaustos, eles se deitaram de lado, com o cacete de Henrique aindadentro do cuzinho dela. Fecharam os olhos e esperaram o cuzinho dela relaxare a respiração dos dois voltar ao normal. Ambos estavam suados, mas com umsorriso imenso no rosto. Estavam satisfeitos! O corpo de Stella estavadolorido, mas ela não se importava. O prazer fora intenso! Amara cadasegundo do ato com Henrique. Ele era perfeito! Por outro lado, Henrique estava cansado, mas satisfeito! Nunca gozaratanto em sua vida. Stella era perfeita! O sexo com ela era perfeito! Sentindoseu pau amolecer, puxou-a para perto de si, abraçou seu corpo e caíram numcochilo gostoso. 13
  14. 14. III Stella acordou de madrugada morrendo de fome! Tirara delicadamentea mão de Henrique que envolvia um dos seus seios e o braço de cima do seucorpo e foi direto ao banheiro, onde tomou uma ducha quente, deixando a águalavar o cansaço dolorido e delicioso que sentia. Henrique acordou alguns minutos depois ouvindo a água do chuveiro.Se encaminhou até lá e viu Stella tomando banho. Os olhos dela estavamfechados e a água deslizava por seus cabelos loiros, percorrendo seu rosto,sua boca, descendo pelo queixo e deslizando pelos seios, correndo por suabarriga e caindo em sua buceta, onde deixava ver um pouco dos macios pelosdela. Sentiu seu pau endurecer na hora. Sorriu e imaginou que ia assustarStella. Abriu a porta de vidro do box do banheiro e abraçou-a por trás. Elaapenas sorriu. Pressentiu a chegada dele. Encostou seu corpo ao dele e sentiuo pau duro dele de encontro à sua bundinha, deixando-a excitada novamente. Henrique esparramou sabonete líquido nas mãos e desligou pelopescoço de Stella, indo até à nuca e descendo pelos seios dela, com os bicosjá duros de desejo. Ensaboou todo o corpo dela e lavou as mãos. Puxou-a parasi e com uma das mãos, tocou sua barriga e foi direto brincar com os pelinhosda buceta dela. Abriu os lábios e tocou seu clitóris, o que fez Stella gemerbaixinho. 14
  15. 15. Ele sorriu. Adorava o jeito que ela gemia! O dedo desceu mais umpouco e tocou a entrada da buceta dela, já totalmente melada de tesão.Henrique sentiu seu pau vibrar na hora e abriu a bundinha de Stella. Pegou umpouco de óleo para o corpo e melou o buraquinho do cuzinho dela, deixando-opronto para receber sua pica dura. Só dos dedos de Henrique tocarem seu cuzinho, Stella já estavadescendo uma das mãos e se masturbando louca de tesão. Henrique testoucom um dedo e depois outro se o cuzinho dela estava pronto para o cacetedele, e quando sentiu os dedos penetrando com mais facilidade, posicionouseu cacete na entrada e meteu com força! Sentiu as pregas do cuzinho dela se abrindo para a pica dele e pelogrito, notou que além do tesão, ele havia machucado ela, mas aquilo o excitoue sabia que ela também estava bastante excitada. Meteu com força, sem seimportar com mais nada e quase montou em cima dela como se ela fosse umacadela, de tanto meter com força e com raiva, louco pra gozar e fazê-la gozarnovamente. Stella gemia alto e implorava para ele não parar e quando os doismenos esperava, explodiram num gozo intenso e profundo. Henrique tirou apica de dentro dela e viu a porra escorrendo do cuzinho dela, todo arregaçado.Ele sorriu, virou-a de frente pra ele, abraçou seu corpo e perguntou: - Te machuquei Stella? Ainda tremendo, ela respondeu: - Sim, mas foi tudo muito perfeito. O tesão era maior que a dor enovamente te digo, nunca gozei tão gostoso assim em toda minha vida! 15
  16. 16. Dando-lhe um beijo na boca, ele respondeu: - Foi maravilhoso! Demoraram ainda meia-hora no chuveiro, sentindo a água relaxar ocorpo deles. Henrique saiu e pegou uma toalha, envolvendo o corpo de Stella elevou-a até o quarto. Enquanto vestia uma cueca, viu quando ela colocouapenas uma calcinha branca e foram até a cozinha. Fizeram um lanche sentados á mesa, se olhando, calados. Ambospensativos. Queriam ler o pensamento um do outro, mas não conseguiam.Henrique percorreu Stella com o olhar. Viu os olhos dela vermelhos, por causado chuveiro quente, porém, enxergou olhos brilhantes, satisfeitos. A boca dela era um pouco carnuda, pequena. O sorriso dela era lindo!Seu ombro e seios eram salpicados por sardas beges bem clarinhas, mas quelhe davam um charme que ela desconhecia. Os seios dela eram medianos. Osbicos rosados e duros, talvez pela brisa que soprava pela janela. Ele sentiuvontade de esticar a mão e tocá-los, mas se conteve. Seu olhar voltou até os cabelos dela... molhados... algumas gotasescapavam pelo ombro e desciam pelos seios dela... Ela não tinha noção doquanto estava linda ali, naquele momento... despertando sentimentosinesperados em Henrique. Stella tomou um gole de suco de laranja e passou creme de nutella emuma fatia de pão, bem macio. Ela estava faminta! O sexo sempre a deixavafaminta! Ela olhou para Henrique e viu que ele observava ela inteira. Resolveu 16
  17. 17. fazer o mesmo e notou o brilho dos olhos dele. Demonstrava cansaço econfusão, mas estava feliz. Notando que também estava sendo observado, Henrique enviou umsorriso para ela. Ela sorriu de volta, achando lindo seu sorrio de menino e amaneira que ele fechava os olhos quando sorria. Os cabelos dele tambémestavam molhados. Stella nem reparou que deixou um pouco de nutella escorrer peloqueixo até Henrique estender a mão e limpá-la com a ponta do dedo, mas ogesto a seguir deixou seu corpo arrepiado. Henrique limpou seu queixo e sempensar, levou o dedo à boca, lambendo o chocolate. Stella mordeu os lábios e Henrique reparou que ela tava ficandoexcitada novamente. Só então reparou no gesto que tinha acabado de fazer esorriu novamente, dessa vez com uma carinha de menino travesso, que iaaprontar alguma. Pegou o vidro de nutella e com a ponta do dedo, tirou umpouco do creme e roçou nos lábios dela, fazendo-a tirar a língua para fora elamber o dedo dele. Aquela boca envolveu seu dedo e o deixou excitado. Fechou os olhos esentiu seu dedo sumindo na boca dela como se ela estivesse chupando seupau novamente. A boca dela era quente e úmida como sua buceta e ele selevantou rapidamente, puxando-a para o colo dele. Ela deu uma risada alta e gostosa, e abriu as pernas, sentando-se defrente pra ele. Sentiu quando o pau dele vibrou por baixo de sua bunda e deu- 17
  18. 18. lhe um abraço, deixando os bicos duros dos seios dela roçarem os mamilosdele de propósito. Henrique segurou em sua cintura e uma das mãos segurou a sua nucacom firmeza trazendo os lábios dela até ele. Ele percorreu sua boca com alíngua ousada e sugou cada pedacinho daquela boca úmida. Stella amavabeijar e o beijo de Henrique era fantástico! As mãos dele desceram até seus seios e percorreram suas costas,bunda, pernas, desciam até seus pés e voltavam até seus seios e rosto,segurando-o com firmeza, para que ela não fugisse dos seus carinhos. Stellasentiu sua buceta pulsando ainda no primeiro beijo de Henrique. Ele a excitavacomo nenhum outro. Ela queria trepar novamente, ser fodida por ele... queriasentir aquele pau novamente na sua buceta !!! Gemeu gostoso e segurou a mão de Henrique, levando-a até a suabuceta. Puxando a calcinha dela de lado, Henrique sentiu a buceta dela quentee molhada. Ela puxou sua cueca e tirou o cacete duro dele pra fora, guiando acabeça molhada até o seu clitóris. A cabeça desliza pela buceta de Stella e elachegou pra frente, enfiando de uma vez o pau dele dentro dela. Henrique gemeu e jogou a cabeça para trás. Stella se movimenta emseu colo, num vai e vem delicioso. A sensação da pica dele entrando e saindoda buceta dela era sensacional. Ela também gostava de ver o pau deleentrando e saindo dela, deixando ele excitado. Ele segurou sua cintura, ajudando-a a rebolar e firmar o corpo em cimado seu. Quando ambos sentem o gozo chegar, olham nos olhos um do outro e 18
  19. 19. gemem juntos. Henrique aperta os seios de Stella na mesma hora, deixandoela mais excitada do que já estava, fazendo-a ter múltiplos orgasmos, deixandoHenrique surpreso. Levantando-se ainda tonta, Stella puxa Henrique até à sacada. Estavaescuro, mas a luz da lua banhava seus corpos nus. Era madrugada, mas Stellaestava excitada demais para parar. Puxou Henrique pela mão e se posicionouna sua frente, de costas para ele, segurando a grade e abaixando um pouco ocorpo, para que ele pudesse meter novamente o pau nela com mais facilidade. Henrique olhou para os lados, preocupado com algum vizinho, mas aexcitação era muito superior á preocupação. Ajeitando a bundinha dela, cuspiuna cabeça do pau e enfiou no cuzinho dela, sentindo que entrava com maisfacilidade. Puxou-a pela cintura e começou um vai e vem gostoso, de iníciobem calmo, mas que, com o tempo, foi aumentando a velocidade. Stella abriu os olhos, totalmente tomada pelo tesão. Sem querer, seusolhos fitaram o apartamento à frente e viu um rapaz se masturbando de pé,também na sacada, escondido no escuro. Ele vestia somente um short e tiraraseu pau para fora, fazendo movimentos rápidos enquanto olhava para Stella eHenrique. Stella abre um sorriso cínico, que o rapaz logo percebeu. Ele sorriu devolta pra ela e fez um gesto mostrando-lhe o pau dele. Sussurrando, Stellapede que Henrique observe o rapaz e ele sorri, confuso, mas excitado. O rapaztinha uma pica grande e grossa, que provavelmente machucaria Stella, masHenrique sabia o quanto ela estava excitada com o rapaz observando os doise, sem pensar, fez um gesto, sem que ela visse, convidando o rapaz para ir atélá. 19
  20. 20. Enquanto isso, Henrique acelerou os movimentos e os dois caíramnovamente num gozo intenso, cortado somente pela brisa que banha os corpossuados e melados de gozo dos dois. Os dois viram quando o vizinho tambémgozou na mesma hora e sorriram. Henrique mordeu os lábios, imaginando acara dela, quando ela visse o rapaz! Entraram e foram novamente para o banho. Na cama, Henrique avisaque tem uma surpresa para ela, mas que ela teria que entrar no clima primeiro.Ele foi até o armário e pegou um lenço, vendando os olhos dela. Depoisamarrou as duas mãos dela para trás e as pernas, separadas, ao pé da cama. Sabia que o rapaz estava na porta esperando ele abrir e foi até lá.Conversaram rapidamente e Henrique combinou como seria, até que elepudesse contar para Stella. Entraram em silêncio no quarto e Stella perguntou: - Henrique, onde você foi? - Fui até á cozinha buscar uma coisinha querida. - Hummm... Stella respondeu, com o corpo todo arrepiado. Henrique passou o pote de nutella para o rapaz segurar e passou osdedos no creme, deixando rastros no corpo de Stella. Falou baixinho pra ela: 20
  21. 21. - Agora sou o seu dono e farei o que quiser de você! - Hummm delícia! Faz! Você é o meu dono e faço o que você mandar. - Ótimo, respondeu Henrique apertando o rosto dela com uma mão,sorrindo. - Primeiro quero sentir a nutella aqui no bico duro do seu seio. Ele passou devagar o creme nos seios dela e faz um gesto pedindopara o rapaz continuar. Ele não esperou duas vezes e tirou o short. Estava semcueca e tinha um pau imenso com a cabeça apontada pra cima. O corpo deledobrou um pouco e ele caiu de boca nos bicos dos seios de Stella, mamando,chupando, sugando e mordendo os bicos dela, cobertos de chocolate. - Nossa Henrique !!!! Cada vez é diferente... que delícia de chupada,não para!!! - Não vou parar não Stella... fique caladinha... deixe-me continuar.Sorrindo, Henrique pediu que o rapaz continuasse do jeito que ele quisesse. Ele não se faz de rogado e caiu de boca na buceta de Stella, fazendoela gemer alto com tantas carícias. Ele enfiou a língua dentro da buceta delasorvendo o mel que escorria pelas coxas. Lambeu os lábios, satisfeito econtinuou. Ele segurou o clitóris dela com os dentes e chupou eles com força,deixando Stella num estado sem igual. Henrique estava adorando ver Stella sendo fodida por outro. Já queestavam tendo novas experiências, que fosse completo. 21
  22. 22. Ele desamarrou os braços e as pernas de Stella, fez um gesto para queo rapaz se deitasse na cama, de costas e ajoelhou Stella por entre as pernasdele, apontando aquela pica imensa para a buceta dela. O rapaz guiou a picaaté á buceta dela e enfiou de uma vez, arrancando um grito chocado, porémexcitadíssimo de Stella. - Nossa Henrique, como seu pau tá duro !!! - psiiuu, fica caladinha Stella e só aproveite ok? [assopra Henrique emseu ouvido] - Ok! Stella rebolava na pica do rapaz quando Henrique se posicionou atrásdela. Ele lambuzou a cabeça do seu cacete com sua saliva e meteu no cuzinhode Stella. Ela ficou chocada e eles sentiram o corpo dela dar uma parada euma leve guinada para cima, mas logo ela recomeçou os movimentos e elesrelaxaram, cada um metendo sua pica em Stella. O rapaz começa a gemer, fazendo Stella imaginar o que realmenteestava acontecendo, o que a atiçou ainda mais, afinal, nunca tinha sido fodidapor dois homens, por dois caralhos. Aquilo a deixou louca e ela gemeu juntoaos dois. Henrique empurrava seu cacete com força, fodendo o cuzinho dela.Seu pau entrava e saía deixando ele louco de vontade de gozar. 22
  23. 23. Não aguentando mais de tanto tesão, os três explodiram juntos, semqualquer aviso. Stella sentiu na hora a porra quente dos dois jorrando eenchendo sua buceta e seu cuzinho e gritou, extasiada! Nunca em toda sua vida sentiu um orgasmo como aquele. Uma desuas fantasias era ter duas picas ao mesmo tempo a fodendo, mas ela sempreimaginou um homem e no máximo, um vibrador. Nunca pensou realmente emdois homens. Tiraram a venda dos olhos dela e se deitaram os três na cama, comStella ao meio. Estavam com as respirações aceleradas e os corpos banhadosde suor. Mas estavam todos satisfeitíssimos! Stella cochilou e não viu a horaque o rapaz se levantou, vestiu o short e saiu sem fazer barulho. 23
  24. 24. IV No outro dia, Stella abriu os olhos, sorrindo. Queria preparar umasurpresa para Henrique como ele havia preparado para ela. Levantou-se semfazer barulho e foi até a sala pegar seu celular. Fez uma ligação rápida e voltouao quarto, excitada. Deitou-se do lado dele e esperou. Quarenta minutos depois, ela recebe uma mensagem. Era hora decolocar seu plano em ação. Ia ser perfeito! Henrique estava dormindo, exaustoe nem ia perceber o movimento. Stella levantou-se e foi abrir a porta. Paula estava parada com umsorriso cínico nos lábios. As duas se abraçaram e enquanto Stella tomavabanho, Paula se despia. Quando Stella saiu do chuveiro, ainda nua, encontrou Paula tambémnua. Elas sorriram uma para a outra e deram um beijo na boca. As duasficaram excitadas, mas a surpresa seria para Henrique. Então Stella arrumou asala, jogou as almofadas espalhadas pelo tapete no chão, fechou as cortinas edeixou somente as luzes de algumas velas estrategicamente acesas. De propósito, ela fez barulho para que Henrique acordasse. Assim queele abriu os olhos, procurou por Stella e não a encontrou. Levantou-se e iacaminhando até o banheiro, quando ouviu uns gemidos vindo da sala. Elesorriu, imaginando que ia encontrar Stella se masturbando. 24
  25. 25. Qual não foi a sua surpresa ao entrar na sala e ver Stella e outramulher se acariciando?! Na mesma hora o pau dele subiu, ficou duro epulsando de tesão. Aquela era a visão mais linda que ele já vira. A moçachupava os seios de Stella enquanto Stella se masturbava. Henrique ficou ali parado olhando para aquela cena, com medo deatrapalhar aquele lindo encontro. As duas estavam excitadas, sabiam que eleestava ali observando-as. Elas se beijaram na boca, lambendo e chupando alíngua uma da outra, o que deixou Henrique aceso. Logo Paula se posicionava entre as pernas de Stella e chupava suabuceta, fazendo Henrique gemer. Não aguentando, Henrique segura seu paucom força e começa a se masturbar também. Era lindo ver Stella sendochupada por outra mulher, aquilo estava deixando ele louco. A moça enfiava os dedos na buceta de Stella, segurava seu grelinhocom os dentes e dedilhava ao mesmo tempo, fazendo Stella gemer sem parar,até que ela explodiu num gozo delicioso na boca da amiga. A moça enfiou alíngua na buceta e lambeu todo o melado de Stella que escorria abundante. Nesse momento, já perto do gozo, Henrique viu que elas o observavame logo elas trataram de ajoelhar-se na frente dele, ambas com a boca abertaesperando Henrique dar uma surra de pica na cara delas. Ele ficou maluco detesão e fez o que elas pediam, mas o melhor foi ver e sentir duas mulhereschupando seu pau e suas bolas até ele melar a cara delas com sua porraquente. 25
  26. 26. Paula virou-se para Stella e lambeu seu rosto, seu queixo e seus seiosmelados da porra de Henrique. Ele se levantou e desta vez elas ficaram de 4para ele, ambas empinando a bundinha, oferecendo os rabinhos para o seudeleite. Henrique estava tão excitado, com o pau tão duro que queria meterlogo... comer aqueles cuzinhos deliciosos! Ele parou atrás de Stella, separousuas nádegas e encostou a cabeça do seu mastro no cuzinho dela, que piscou,louco de tesão. Enquanto isso, Paula acariciava os seios de Stella e a beijava na boca,o que fez Henrique ficar com mais tesão ainda, e, não se contendo, empurrou acabeça do pau com força e sentiu o cuzinho de Stella sendo arregaçado pelapica dele. Stella deu um grito. No início doeu, mas o tesão que ela sentiu emseguida apagou a sua dor. Ela começou a rebolar no seu pau, fazendo elegozar em pouco tempo, enchendo e lambuzando o cuzinho dela com a suaporra. Stella se jogou na cama, exausta... e Paula, aproveitando-se domomento, abriu as pernas de Stella e lambeu sua buceta toda lambuzada coma porra de Henrique, ao mesmo tempo em que ficava de 4 para ele, tambémrebolando a bundinha na sua frente. Henrique achou que não ia conseguir ficar duro assim tão rápido, masassim que viu a bundinha de Paula na sua frente e a visão dela chupando a 26
  27. 27. buceta de Stella, sua pica deu uma guinada pra cima e ele não esperou muito.Abriu a nádega da moça e enfiou o mastro duro e melado em Stella! A moça deu um longo e rouco miado, mais parecia uma gata no cio.Henrique ficou metendo no cuzinho dela até que os três gozaram novamente ejuntos. Paula com a boca toda meladinha da buceta de Stella.... Stella com osdedos melados da buceta de Paula e Henrique com a pica toda melada dasduas. Os três caíram cansados no tapete... logo iriam para o banho.... e ali...hum.... ali com certeza rolaria algo mais e mais delicioso.... mas precisavamprimeiro descansar..... Continua... quem sabe... 27

×