SlideShare uma empresa Scribd logo
Casamento à prova de amantes
Cristina Chen – 2015
– Será que você não entende? Eu não estou
mais a fim de você. EU, NÃO ESTOU MAIS A
FIM DE VOCÊ!
– Mas como?
– Como o quê?!
– Como pode? Até ontem você dizia que eu era o
amor da sua vida!
– Até ontem, não. O nosso casamento acabou
faz tempo e só você não percebeu.
– Ah, para com isso, Beto! Isso não é verdade!
– Claro que é! Enfim, não adianta a gente ficar
aqui discutindo. Já tentei te explicar mil vezes a
mesma coisa. Se você é cega ou surda não sei, mas eu não vou ficar perdendo o meu
tempo repetindo: EU NÃO QUERO MAIS ESTAR COM VOCÊ!
– E eu não vou ficar aqui ouvindo você falar uma besteira dessas. Você é que tá cego e
surdo. Aliás, foi assim o casamento inteiro. Eu me casei com um bananão e você tá certo,
sou mesmo cega por não ter visto isso antes!
Bruscamente, Carol se levantou e saiu do quarto. Tinha vontade de gritar, mas não podia,
já que Babi, a filha do casal, dormia no quarto ao lado. Nos últimos meses, não foram
poucas as vezes que a criança presenciou brigas horrendas entre seus pais, sempre
agarrada ao seu cobertorzinho lilás implorando para que fizessem as pazes. De nada
adiantava. Beto e Carol, ora se estranhavam, ora se ignoravam e sua filha era a que mais
sofria: tinha terrores noturnos constantes, acordando a casa toda com seu choro
estridente. Nos dias em que os pais levantavam bandeira branca, ela fazia festa,
distribuindo beijos e abraços calorosos; e podia se ver no fundo de seus olhinhos,
lágrimas de esperança.
– Para onde você vai?
– Ué, você não disse que não me ama mais, que não quer mais estar comigo? Então por
que você quer saber?
– Para saber.
– Para saber não é resposta.
– Você não vai sair a essa hora. Está tarde.
– Ah, muito bonito. O senhor não quer mais ficar comigo, mas também não me libera.
Tchau, tô indo.
– Se você for, não precisa voltar!
– Indo ou não indo, segundo você, não temos mais nada um com o outro, não é mesmo?
Então, tchau!
Carol bateu a porta da frente, pegou o carro e seguiu sem rumo. Suas mãos tremiam.
Lágrimas rolavam em seu rosto marcado pelo sofrimento dos últimos tempos. Sentia um
misto de raiva e tristeza. Decepção e indignação. Não conseguia acreditar que o amor da
sua vida – como diziam um ao outro em tempos remotos – estava lhe deixando. Algo
dentro dela dizia que seu casamento não havia chegado ao fim. Estava absorta em seus
pensamentos quando o celular tocou. Parou no acostamento e leu: “Mensagem de JP: Oi,
dá pra falar?”. Seu coração acelerou. Não sabia o que fazer. Naquele momento, carente
que estava, o que mais queria era responder: “Não só dá pra falar, mas também abraçar,
beijar, e tudo o mais que você quiser fazer comigo...”. Por outro lado, sentia uma culpa
imensa: ela não era religiosa, mas não deixava de acreditar que os poderes divinos
poderiam puni-la por estar flertando. Naquela noite, revoltada, não quis saber.
Respondeu:
– Oiiiiii... Dá sim! Quer me encontrar?
– Encontrar?!!! Você consegue?!!! Você não tá em casa?!
– Não, depois te explico. Vou te esperar no local de sempre...
– Ok!!!
Lágrimas enxugadas, rosto maquiado, cabelos puxados para trás em rabo de cavalo:
Carol estava pronta para arrasar. Dirigiu até o local. Entrou, deixou sua bolsa na cadeira e
foi direto ao banheiro. Checou o batom, puxou o decote da blusinha para baixo e passou
um pouco do perfume que carregava na bolsa, “Sexy”. Nos últimos tempos, sexy era o
que menos se sentia ao lado de seu marido, enfim, não era hora para pensar naquilo.
Ajeitou-se e ficou à espera. JP chegou logo em seguida e, um pouco sem jeito, buscou
um cantinho para se acomodar, nem tão perto nem tão distante dela – como ela pedia,
sempre que se encontravam. A distância entre os dois era de mais ou menos meio metro,
o que era razoavelmente seguro, porém, à meia luz, as cortinas vermelho ardente e o
cheiro de sexo que pairava no ar, tornavam os dois bastante vulneráveis.
Um fitava o outro sem dizer nada. JP logo percebeu que havia algo de errado: Carol
encarava-o com um olhar pesado, triste. Sem saber o que fazer, ele teve o impulso de
puxá-la para si. Ela se desmanchou em seus braços. Os dois sentiam o calor de seus
corpos encostados um no outro. Delicadamente, ele puxou os cabelos perfumados dela
para trás, deixando seu pescoço exposto. A respiração ofegante de ambos os sufocava
de tanto desejo. A mão máscula de JP passou a acariciar o pescoço nu dela. Ficaram
assim um bom tempo e, aos poucos, a tentação foi cedendo lugar a um carinho quase
maternal. Já recompostos, cada um voltou ao seu lugar. Decidiram pedir algo para comer.
Sentaram-se um ao lado do outro e, ao pegarem no cardápio, a onda de calor voltou: sem
querer, suas mãos se tocavam de leve e seus perfumes se misturavam no ar. Ela se
sentia mareada, ele cheio de desejo. Ela procurava se concentrar nas palavras, ele se
perdia em suas próprias sensações corporais. O momento de tensão foi quebrado por ela
que sugeriu um petisco; ele aceitou. E assim foi a noite toda até quase o amanhecer:
momentos de ardor intercalados com um aparente desprendimento por parte dela.
Quando sentiu que já estava pronta para voltar para casa, Carol sugeriu que fossem
embora. No caminho de volta, JP foi seguindo o carro dela e quando viu que ela entrou
em casa com segurança, foi embora. Ela entrou silenciosamente no quarto, enquanto seu
marido deitado na cama fingia roncar. Na verdade, Beto ficara acordado a noite toda
andando pelos cômodos da casa impacientemente, imaginando onde sua esposa estaria
e quando percebeu que a porta da frente se abria, correu para a cama e se enfiou
debaixo das cobertas; sentia o coração quase pulando pela boca, mas felizmente ela não
notou.
No dia seguinte, Babi acordou cedo e foi direto ao quarto dos pais. Como fazia de vez em
quando, beijou o pai e a mãe, e pediu para que os dois dessem selinho um no outro.
Missão cumprida, levantou-se e foi para a sala brincar. Enquanto isso, sua mãe foi
preparar o café da manhã; seu pai ainda quis ficar um tempo na cama lendo o jornal,
fingindo estar interessado nas manchetes, mas na verdade, de segundo em segundo,
desviava o olhar para o celular da mulher que estava no criado mudo. Pensou em pegá-lo
para ver se encontrava alguma pista sobre a noite anterior; sua consciência o deteve.
Tentou se concentrar no jornal, mas nem mesmo as notícias o estavam ajudando:
Homem é morto pelo amante da
esposa na Zona Norte da cidade.
Com força, jogou o jornal no chão e finalmente pegou o celular da esposa, no mesmo
tempo em que ela gritou da cozinha, “O café da manhã está pronto!” Enrubescido, soltou
o aparelho e saiu apressado da cama como um criminoso pego em flagrante. Correu para
a cozinha e deu um abraço nela que não entendeu nada, mas mesmo assim retribuiu o
carinho.
Sentaram-se todos na mesa da cozinha e enquanto comiam, conversavam trivialidades.
Babi procurava fazer gracinhas para entreter seus pais que se derretiam com sua
presença. Após a refeição, Beto logo saiu para o trabalho. Carol ainda se trocou e
arrumou a filha antes de deixá-la na escola. Chegando lá, mãe e filha se abraçaram e se
despediram. Carol entrou no carro e checou a agenda do dia: muitos compromissos a
esperavam.
Carol era “Designer de pessoas”, como fora apelidada por um cliente. Ela trabalhava a
imagem pessoal e profissional das pessoas que a contratavam. Era apaixonada pelo que
fazia e por mais trabalho que desse, a recompensa era grande: muitos foram os que
conseguiram alavancar a carreira, encontrar parceiros e até mudar o jeito de ser com sua
ajuda. O melhor de tudo era que podia ser dona de seu tempo e era muito bem paga. A
ideia de trabalhar com isso surgiu espontaneamente: conhecida como “A inovadora”, “A
moderna”, “A mais-mais” pelos amigos, ela sempre os ajudava a mudar de visual. Ela
fazia isso com prazer, afinal, estava em casa com uma recém-nascida e sem trabalhar.
Em uma dessas vezes, seu amigo estava acompanhado de uma amiga que se interessou
por contratar seus serviços: Carol se recusou, dizendo que podia fazer aquilo sem custo
algum, mesmo assim, a mulher insistiu em pagá-la. Desse serviço, foram surgindo outros
e mais outros e quando foi ver, ela já havia virado referência para muita gente. Seu
esposo não via isso com bons olhos: no fundo, ao mesmo tempo em que não se
importava dela trabalhar, sentia ciúmes – havia se acostumado com a ideia de tê-la em
casa no tempo em que ficou grávida.
Carol atravessou a cidade para encontrar sua mais nova cliente: LilyLayla era uma
celebridade da Moda que, apesar de super entendida do assunto, era tão arrogante que a
mídia já estava começando a se desinteressar por ela. Tomou conhecimento do trabalho
de Carol por intermédio de um conhecido em comum. Marcaram de se encontrar em sua
mansão no bairro mais nobre da cidade. Carol foi recebida pelo mordomo, um senhor
muito educado e fino, que anunciou sua chegada à madame por um interfone. Apesar da
escadaria com corrimão feito de ouro maciço, lustres estonteantes e mobília mais ainda,
ela não parecia se sentir intimidada (no fundo, bem lá no fundo, estremecia um
pouquinho, contudo, sua postura assertiva não a entregava). Cumprimentaram-se e
ficaram horas conversando. Carol saiu zonza e cansada da casa da mulher, e
compreendeu por que a mídia não queria mais saber dela: se nem ela queria saber,
imagine os outros que nem pagos estavam sendo, para aguentá-la!
Carol correu para o compromisso seguinte, e mais outro, e outro, até que cumpridas todas
as tarefas profissionais daquele dia, foi buscar sua filha na escola. Exausta, chegou em
casa não querendo saber de mais nada, mas ainda precisava preparar a menina para
dormir. Em geral, Babi era muito boazinha, por outro lado, como toda criança, tinha suas
sapequices e teimosias: por exemplo, odiava escovar os dentes e mais ainda tomar
banho. Era uma luta diária que deixava sua mãe esgotada. Por sorte, naquele dia, a
menina cooperou e dormiu logo. Animada pelo tempo livre que lhe sobrou, Carol resolveu
tomar um banho na hidro: encheu a banheira, pôs os sais relaxantes e mergulhou seu
corpo na água quente e cheirosa. Com o passar do tempo, todo o cansaço do dia foi
dando lugar ao relaxamento. Sentiu alguém abrir a porta: era Beto, que não sabia que sua
esposa estava ali. Ao se deparar com a mulher exposta naquela água convidativa, ele
teve vontade de se juntar a ela. Os dois se olharam, ele hesitou, deu meia volta e saiu do
banheiro, enquanto ela ficou ali, desejando seu homem... a água se tornou fria e o doce
perfume dos sais evaporou.
Carol esvaziava a banheira quando o celular tocou: “Mensagem de JP: Só pra te mandar
um beijo de boa noite!”. Ela respondeu provocativamente: “Acabei de sair da hidro... Tô
toda molhada, preciso me secar e pôr a minha camisola. 1000 beijinhos...”. JP devolveu a
provocação: “Olha o que você faz comigo, como vou dormir assim?!”. Ela soltou uma
risada alta, guardou o celular no roupão e saiu do banheiro. Deu de cara com o marido
deitado na cama. Foi até um canto do quarto em que ele pudesse observá-la e, de costas,
tirou o roupão vagarosamente, como se estivesse fazendo um strip-tease. Rodopiou o
roupão no ar, jogou-o no chão, puxou os cabelos molhados para cima e começou a
passar a toalha no corpo nu parte por parte, dando umas reboladinhas de vez em quando.
Virou-se de perfil, deixando seus seios à mostra propositadamente. Virou-se novamente
de costas e curvou-se o máximo que pode para secar os pés, deixando toda sua parte
detrás exposta. Curiosa, ela se sentia tentada a olhar para trás para saber se Beto a
espiava, mas acreditando que ele poderia estar curtindo o show e qualquer movimento
fora do contexto poderia estragá-lo, resolveu continuar a exibição: de maneira sensual
passou o hidratante no corpo todo, deslizando-o sugestivamente pelas suas partes
íntimas e vestiu uma camisola curtíssima, sem calcinha. Quando achou que já era
suficiente, virou-se: Beto estava lendo revista, totalmente indiferente ao que sua esposa
fazia. Meio sem graça, deitou-se ao lado do marido e começou a lhe contar como fora o
seu dia. Como sempre, ele a ouvia desinteressado. Magoada, Carol desistiu de tentar
uma aproximação e pegou no sono.
– Mãe, mãe! Acooooorda, mamãe! Quero fazer cocô.
– Hã?
– Quero fazer cocô.
– Pede pro seu pai...
– Ele já saiu. Vai logo, quero fazer cocô.
– Você já é grande o suficiente pra fazer cocô sozinha, filha.
– Eu não quero fazer sozinha! Eu quero você! Carol, ainda sonolenta, levantou-se da
cama e levou Babi ao banheiro. Limpou-a e foi ver as horas: quase seis da manhã.
Procurou o marido pela casa e realmente ele não estava. Convidou a filha para voltar a
dormir mais um pouco, porém, a criança já estava totalmente desperta e ativa, querendo
brincar:
– Vamos brincar, mãe. Vem!
– Filha, tô com sono. Vamos dormir mais um pouco.
– NÃÃÃÃO! NÃO QUERO! Quero brincar na sala.
– Filha, eu preciso trabalhar daqui a pouco. Descansa um pouquinho.
– Eu não vou! E você também não vai!
Ignorando as demandas da menina, Carol voltou para a cama. A criança veio em
disparada, subiu na cama e começou a pular e cantar em voz alta. Não obtendo atenção,
começou a puxar os cabelos da mãe que continuou imóvel, irritada pelo sono e o mau
comportamento da filha. Carol se segurava para não estourar, até o momento em que a
menina começou a dar chutes em seu abdômen:
– VOCÊ PARA JÁ! CHEGA! CHEGA! SE VOCÊ APRONTAR MAIS ALGUMA, EU BATO
EM VOCÊ. E VOU BATER COM TANTA FORÇA QUE VAI FICAR MARCAS PRA
SEMPRE!
Babi olhou para a mãe, arregalou seus olhinhos e pôs-se a chorar alto, o que aumentou
mais ainda a cólera da mãe:
– EU NÃO QUERO SABER DE CHORO. PARA JÁ! PARA, SENÃO EU TE TRANCO NO
BANHEIRO E TE DEIXO LÁ PRA SEMPRE!
De nada adiantou: agora a menina estava descontrolada. Carol, sentindo uma raiva
imensa e uma culpa maior ainda, deixou-a sozinha no aposento. Foi para a sala para
tentar se acalmar; sua filha veio logo em seguida:
– Desculpa, mãe...
– Não chega perto de mim!
– Desculpa, mãe.
– Eu já disse pra não chegar perto de mim.
– Mamãe, eu quero colo.
– Sai daqui.
– Por favor, mamãe. Sentindo que estava para estourar novamente com a insistência da
filha, Carol pegou-a no colo sem vontade. A criança abraçava e beijava a mãe que
continuava fria:
– Vamos tomar o café da manhã e nos preparar pra sair. Você tem escola hoje.
Obediente, a menina seguiu todos os passos. Acenou para a mãe assim que entrou na
escola, porém, ela já tinha ido embora. Carol não via a hora de voltar para casa para
dormir mais um pouco, mas era dia de faxina e a diarista virava a casa do avesso nesses
dias. Sendo assim, decidiu que o melhor que tinha a fazer era tomar um café bem forte
para mantê-la acordada pelo resto do dia. Foi ao seu cafezinho preferido, sentou-se no
seu cantinho, pediu um café e abriu a agenda. Não conseguia se concentrar: ainda podia
sentir os efeitos emocionais da briga com sua filha – a culpa que sentia era monstruosa.
Além disso, um pensamento lhe atormentava: por que seu esposo saíra tão cedo de
casa? Não era a primeira vez. Decidiu telefonar para ele. O celular tocou, ninguém
atendeu. Telefonou mais uma vez. Deu caixa postal. Desconfiada, pagou o café e saiu.
Precisava de ar puro. Andava em direção ao carro quando tocou o celular. Seu coração
bateu mais forte, finalmente poderia falar com ele. Desta vez, teria coragem para
interrogá-lo: “Onde você está?”; Por que você tem saído tão cedo?”; “Pra onde tem ido?”
– eram perguntas que a acompanhavam dia e noite. Infelizmente, era JP querendo saber
se ela queria encontrá-lo. Sabendo que não seria uma boa companhia, respondeu que
estava ocupada demais naquele dia.
Carol foi visitar alguns clientes e voltou para casa mais cedo. Nos dias de faxina, a
diarista buscava Babi na escola e cuidava dela até que adormecesse. Assim sendo, Carol
mal entrou na casa, fechou-se no quarto e se enfiou na cama: não queria ver ninguém.
Exausta de tanto ruminar a respeito de sua filha e seu marido, caiu num sono profundo e
nem mesmo notou quando ele voltou para casa e deitou-se ao seu lado.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Casamento à prova de amantes (Cristina Chen)

Bandeja a trecho
Bandeja a trechoBandeja a trecho
Bandeja a trecho
LuhFigueiredos
 
Cartas Amor Profeta
Cartas Amor ProfetaCartas Amor Profeta
Cartas Amor Profeta
PQA ABLA
 
As-cartas-de-amor-de-Gibran.pdf
As-cartas-de-amor-de-Gibran.pdfAs-cartas-de-amor-de-Gibran.pdf
As-cartas-de-amor-de-Gibran.pdf
RaquelMatosCarvalho
 
Livro khalil gibran - as cartas de amor de gibran
Livro   khalil gibran - as cartas de amor de gibranLivro   khalil gibran - as cartas de amor de gibran
Livro khalil gibran - as cartas de amor de gibran
SesaruKosuto
 
The Dead Zone
The Dead ZoneThe Dead Zone
The Dead Zone
CondadoLiterata
 
2016 09-18 - gn - ser mulher - adriana de matos pedrosa 2 -10 d
2016 09-18 - gn - ser mulher - adriana de matos pedrosa 2 -10 d2016 09-18 - gn - ser mulher - adriana de matos pedrosa 2 -10 d
2016 09-18 - gn - ser mulher - adriana de matos pedrosa 2 -10 d
Graça Matos
 
Melhor gestão, melhor ensino
Melhor gestão, melhor ensinoMelhor gestão, melhor ensino
Melhor gestão, melhor ensino
Rita De Cássia Fiacadori
 
Alice Jones
Alice JonesAlice Jones
Alice Jones
camposrossana
 
Série Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txt
Série Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txtSérie Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txt
Série Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txt
Mariana Correia
 
Princesa-do-Desejo.pdf
Princesa-do-Desejo.pdfPrincesa-do-Desejo.pdf
Princesa-do-Desejo.pdf
CamilaSGaspar
 
Crônica: Do amor ao caso ou de um caso de amor?
Crônica: Do amor ao caso ou de um caso de amor?Crônica: Do amor ao caso ou de um caso de amor?
Crônica: Do amor ao caso ou de um caso de amor?
Universidade Federal de Roraima
 
Bilhete
BilheteBilhete
PRINCESA DO DESEJO.docx
PRINCESA DO DESEJO.docxPRINCESA DO DESEJO.docx
PRINCESA DO DESEJO.docx
SOLANOCOSTA
 
PRINCESA DO DESEJO: desventuras de uma jovem
PRINCESA DO DESEJO: desventuras de uma jovemPRINCESA DO DESEJO: desventuras de uma jovem
PRINCESA DO DESEJO: desventuras de uma jovem
CamilaSGaspar
 
Vinganças
VingançasVinganças
Vinganças
DhaySouza
 
Felicidade clandestina
Felicidade clandestinaFelicidade clandestina
Felicidade clandestina
Seed - PR
 
Barbara cartland a cruz do amor
Barbara cartland   a cruz do amorBarbara cartland   a cruz do amor
Barbara cartland a cruz do amor
Ariovaldo Cunha
 
Ficha de leitura sobre felicidade clandestina
Ficha de leitura sobre felicidade clandestinaFicha de leitura sobre felicidade clandestina
Ficha de leitura sobre felicidade clandestina
Duda Pequena
 
Livro Digital
Livro DigitalLivro Digital
Livro Digital
Marceliany Farias
 
A caminho do verão - Sarah Dessen
A caminho do verão - Sarah DessenA caminho do verão - Sarah Dessen
A caminho do verão - Sarah Dessen
JuFlores98
 

Semelhante a Casamento à prova de amantes (Cristina Chen) (20)

Bandeja a trecho
Bandeja a trechoBandeja a trecho
Bandeja a trecho
 
Cartas Amor Profeta
Cartas Amor ProfetaCartas Amor Profeta
Cartas Amor Profeta
 
As-cartas-de-amor-de-Gibran.pdf
As-cartas-de-amor-de-Gibran.pdfAs-cartas-de-amor-de-Gibran.pdf
As-cartas-de-amor-de-Gibran.pdf
 
Livro khalil gibran - as cartas de amor de gibran
Livro   khalil gibran - as cartas de amor de gibranLivro   khalil gibran - as cartas de amor de gibran
Livro khalil gibran - as cartas de amor de gibran
 
The Dead Zone
The Dead ZoneThe Dead Zone
The Dead Zone
 
2016 09-18 - gn - ser mulher - adriana de matos pedrosa 2 -10 d
2016 09-18 - gn - ser mulher - adriana de matos pedrosa 2 -10 d2016 09-18 - gn - ser mulher - adriana de matos pedrosa 2 -10 d
2016 09-18 - gn - ser mulher - adriana de matos pedrosa 2 -10 d
 
Melhor gestão, melhor ensino
Melhor gestão, melhor ensinoMelhor gestão, melhor ensino
Melhor gestão, melhor ensino
 
Alice Jones
Alice JonesAlice Jones
Alice Jones
 
Série Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txt
Série Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txtSérie Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txt
Série Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txt
 
Princesa-do-Desejo.pdf
Princesa-do-Desejo.pdfPrincesa-do-Desejo.pdf
Princesa-do-Desejo.pdf
 
Crônica: Do amor ao caso ou de um caso de amor?
Crônica: Do amor ao caso ou de um caso de amor?Crônica: Do amor ao caso ou de um caso de amor?
Crônica: Do amor ao caso ou de um caso de amor?
 
Bilhete
BilheteBilhete
Bilhete
 
PRINCESA DO DESEJO.docx
PRINCESA DO DESEJO.docxPRINCESA DO DESEJO.docx
PRINCESA DO DESEJO.docx
 
PRINCESA DO DESEJO: desventuras de uma jovem
PRINCESA DO DESEJO: desventuras de uma jovemPRINCESA DO DESEJO: desventuras de uma jovem
PRINCESA DO DESEJO: desventuras de uma jovem
 
Vinganças
VingançasVinganças
Vinganças
 
Felicidade clandestina
Felicidade clandestinaFelicidade clandestina
Felicidade clandestina
 
Barbara cartland a cruz do amor
Barbara cartland   a cruz do amorBarbara cartland   a cruz do amor
Barbara cartland a cruz do amor
 
Ficha de leitura sobre felicidade clandestina
Ficha de leitura sobre felicidade clandestinaFicha de leitura sobre felicidade clandestina
Ficha de leitura sobre felicidade clandestina
 
Livro Digital
Livro DigitalLivro Digital
Livro Digital
 
A caminho do verão - Sarah Dessen
A caminho do verão - Sarah DessenA caminho do verão - Sarah Dessen
A caminho do verão - Sarah Dessen
 

Mais de Giba Canto

SHOCKLEY FATORES AO ESCREVER UM ARTIGO.pdf
SHOCKLEY FATORES AO ESCREVER UM ARTIGO.pdfSHOCKLEY FATORES AO ESCREVER UM ARTIGO.pdf
SHOCKLEY FATORES AO ESCREVER UM ARTIGO.pdf
Giba Canto
 
Caso de marketing Glastron Giba Canto.pdf
Caso de marketing Glastron Giba Canto.pdfCaso de marketing Glastron Giba Canto.pdf
Caso de marketing Glastron Giba Canto.pdf
Giba Canto
 
Fukuyama 20 anos depois (Almeida)
Fukuyama 20 anos depois (Almeida)Fukuyama 20 anos depois (Almeida)
Fukuyama 20 anos depois (Almeida)
Giba Canto
 
A JUVENTUDE FAZ
A JUVENTUDE FAZA JUVENTUDE FAZ
A JUVENTUDE FAZ
Giba Canto
 
Corruption - Walfrido Warde 2018
Corruption - Walfrido Warde 2018Corruption - Walfrido Warde 2018
Corruption - Walfrido Warde 2018
Giba Canto
 
Meninos de Zinco
Meninos de ZincoMeninos de Zinco
Meninos de Zinco
Giba Canto
 
10 atitudes para o sucesso
10 atitudes para o sucesso10 atitudes para o sucesso
10 atitudes para o sucesso
Giba Canto
 
Quem eh a i gen
Quem eh a i genQuem eh a i gen
Quem eh a i gen
Giba Canto
 
Geracoes no ocidente
Geracoes no ocidenteGeracoes no ocidente
Geracoes no ocidente
Giba Canto
 
Cultivando discípulos do futuro
Cultivando discípulos do futuroCultivando discípulos do futuro
Cultivando discípulos do futuro
Giba Canto
 
Jordan Peterson OUT 2021
Jordan Peterson OUT 2021Jordan Peterson OUT 2021
Jordan Peterson OUT 2021
Giba Canto
 
Leituras Prof Giba Canto ABR 2021
Leituras Prof Giba Canto ABR 2021Leituras Prof Giba Canto ABR 2021
Leituras Prof Giba Canto ABR 2021
Giba Canto
 
Camarotes degradam o espirito civico
Camarotes degradam o espirito civicoCamarotes degradam o espirito civico
Camarotes degradam o espirito civico
Giba Canto
 
Verdade (Rita Canto)
Verdade (Rita Canto)Verdade (Rita Canto)
Verdade (Rita Canto)
Giba Canto
 
COLI by Michael J Sandel
COLI by Michael J SandelCOLI by Michael J Sandel
COLI by Michael J Sandel
Giba Canto
 
Aforismos Imorais (Pondé)
Aforismos Imorais (Pondé)Aforismos Imorais (Pondé)
Aforismos Imorais (Pondé)
Giba Canto
 
O mundo narcisico
O mundo narcisicoO mundo narcisico
O mundo narcisico
Giba Canto
 
O silencio do mundo (Pondé)
O silencio do mundo (Pondé)O silencio do mundo (Pondé)
O silencio do mundo (Pondé)
Giba Canto
 
Capital Civico (Zingales)
Capital Civico (Zingales)Capital Civico (Zingales)
Capital Civico (Zingales)
Giba Canto
 
Pequeno Tratado de Subversão da Ordem
Pequeno Tratado de Subversão da OrdemPequeno Tratado de Subversão da Ordem
Pequeno Tratado de Subversão da Ordem
Giba Canto
 

Mais de Giba Canto (20)

SHOCKLEY FATORES AO ESCREVER UM ARTIGO.pdf
SHOCKLEY FATORES AO ESCREVER UM ARTIGO.pdfSHOCKLEY FATORES AO ESCREVER UM ARTIGO.pdf
SHOCKLEY FATORES AO ESCREVER UM ARTIGO.pdf
 
Caso de marketing Glastron Giba Canto.pdf
Caso de marketing Glastron Giba Canto.pdfCaso de marketing Glastron Giba Canto.pdf
Caso de marketing Glastron Giba Canto.pdf
 
Fukuyama 20 anos depois (Almeida)
Fukuyama 20 anos depois (Almeida)Fukuyama 20 anos depois (Almeida)
Fukuyama 20 anos depois (Almeida)
 
A JUVENTUDE FAZ
A JUVENTUDE FAZA JUVENTUDE FAZ
A JUVENTUDE FAZ
 
Corruption - Walfrido Warde 2018
Corruption - Walfrido Warde 2018Corruption - Walfrido Warde 2018
Corruption - Walfrido Warde 2018
 
Meninos de Zinco
Meninos de ZincoMeninos de Zinco
Meninos de Zinco
 
10 atitudes para o sucesso
10 atitudes para o sucesso10 atitudes para o sucesso
10 atitudes para o sucesso
 
Quem eh a i gen
Quem eh a i genQuem eh a i gen
Quem eh a i gen
 
Geracoes no ocidente
Geracoes no ocidenteGeracoes no ocidente
Geracoes no ocidente
 
Cultivando discípulos do futuro
Cultivando discípulos do futuroCultivando discípulos do futuro
Cultivando discípulos do futuro
 
Jordan Peterson OUT 2021
Jordan Peterson OUT 2021Jordan Peterson OUT 2021
Jordan Peterson OUT 2021
 
Leituras Prof Giba Canto ABR 2021
Leituras Prof Giba Canto ABR 2021Leituras Prof Giba Canto ABR 2021
Leituras Prof Giba Canto ABR 2021
 
Camarotes degradam o espirito civico
Camarotes degradam o espirito civicoCamarotes degradam o espirito civico
Camarotes degradam o espirito civico
 
Verdade (Rita Canto)
Verdade (Rita Canto)Verdade (Rita Canto)
Verdade (Rita Canto)
 
COLI by Michael J Sandel
COLI by Michael J SandelCOLI by Michael J Sandel
COLI by Michael J Sandel
 
Aforismos Imorais (Pondé)
Aforismos Imorais (Pondé)Aforismos Imorais (Pondé)
Aforismos Imorais (Pondé)
 
O mundo narcisico
O mundo narcisicoO mundo narcisico
O mundo narcisico
 
O silencio do mundo (Pondé)
O silencio do mundo (Pondé)O silencio do mundo (Pondé)
O silencio do mundo (Pondé)
 
Capital Civico (Zingales)
Capital Civico (Zingales)Capital Civico (Zingales)
Capital Civico (Zingales)
 
Pequeno Tratado de Subversão da Ordem
Pequeno Tratado de Subversão da OrdemPequeno Tratado de Subversão da Ordem
Pequeno Tratado de Subversão da Ordem
 

Último

UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 

Último (20)

UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 

Casamento à prova de amantes (Cristina Chen)

  • 1. Casamento à prova de amantes Cristina Chen – 2015 – Será que você não entende? Eu não estou mais a fim de você. EU, NÃO ESTOU MAIS A FIM DE VOCÊ! – Mas como? – Como o quê?! – Como pode? Até ontem você dizia que eu era o amor da sua vida! – Até ontem, não. O nosso casamento acabou faz tempo e só você não percebeu. – Ah, para com isso, Beto! Isso não é verdade! – Claro que é! Enfim, não adianta a gente ficar aqui discutindo. Já tentei te explicar mil vezes a mesma coisa. Se você é cega ou surda não sei, mas eu não vou ficar perdendo o meu tempo repetindo: EU NÃO QUERO MAIS ESTAR COM VOCÊ! – E eu não vou ficar aqui ouvindo você falar uma besteira dessas. Você é que tá cego e surdo. Aliás, foi assim o casamento inteiro. Eu me casei com um bananão e você tá certo, sou mesmo cega por não ter visto isso antes! Bruscamente, Carol se levantou e saiu do quarto. Tinha vontade de gritar, mas não podia, já que Babi, a filha do casal, dormia no quarto ao lado. Nos últimos meses, não foram poucas as vezes que a criança presenciou brigas horrendas entre seus pais, sempre agarrada ao seu cobertorzinho lilás implorando para que fizessem as pazes. De nada adiantava. Beto e Carol, ora se estranhavam, ora se ignoravam e sua filha era a que mais sofria: tinha terrores noturnos constantes, acordando a casa toda com seu choro estridente. Nos dias em que os pais levantavam bandeira branca, ela fazia festa, distribuindo beijos e abraços calorosos; e podia se ver no fundo de seus olhinhos, lágrimas de esperança. – Para onde você vai? – Ué, você não disse que não me ama mais, que não quer mais estar comigo? Então por que você quer saber? – Para saber. – Para saber não é resposta. – Você não vai sair a essa hora. Está tarde. – Ah, muito bonito. O senhor não quer mais ficar comigo, mas também não me libera. Tchau, tô indo. – Se você for, não precisa voltar! – Indo ou não indo, segundo você, não temos mais nada um com o outro, não é mesmo? Então, tchau! Carol bateu a porta da frente, pegou o carro e seguiu sem rumo. Suas mãos tremiam. Lágrimas rolavam em seu rosto marcado pelo sofrimento dos últimos tempos. Sentia um misto de raiva e tristeza. Decepção e indignação. Não conseguia acreditar que o amor da
  • 2. sua vida – como diziam um ao outro em tempos remotos – estava lhe deixando. Algo dentro dela dizia que seu casamento não havia chegado ao fim. Estava absorta em seus pensamentos quando o celular tocou. Parou no acostamento e leu: “Mensagem de JP: Oi, dá pra falar?”. Seu coração acelerou. Não sabia o que fazer. Naquele momento, carente que estava, o que mais queria era responder: “Não só dá pra falar, mas também abraçar, beijar, e tudo o mais que você quiser fazer comigo...”. Por outro lado, sentia uma culpa imensa: ela não era religiosa, mas não deixava de acreditar que os poderes divinos poderiam puni-la por estar flertando. Naquela noite, revoltada, não quis saber. Respondeu: – Oiiiiii... Dá sim! Quer me encontrar? – Encontrar?!!! Você consegue?!!! Você não tá em casa?! – Não, depois te explico. Vou te esperar no local de sempre... – Ok!!! Lágrimas enxugadas, rosto maquiado, cabelos puxados para trás em rabo de cavalo: Carol estava pronta para arrasar. Dirigiu até o local. Entrou, deixou sua bolsa na cadeira e foi direto ao banheiro. Checou o batom, puxou o decote da blusinha para baixo e passou um pouco do perfume que carregava na bolsa, “Sexy”. Nos últimos tempos, sexy era o que menos se sentia ao lado de seu marido, enfim, não era hora para pensar naquilo. Ajeitou-se e ficou à espera. JP chegou logo em seguida e, um pouco sem jeito, buscou um cantinho para se acomodar, nem tão perto nem tão distante dela – como ela pedia, sempre que se encontravam. A distância entre os dois era de mais ou menos meio metro, o que era razoavelmente seguro, porém, à meia luz, as cortinas vermelho ardente e o cheiro de sexo que pairava no ar, tornavam os dois bastante vulneráveis. Um fitava o outro sem dizer nada. JP logo percebeu que havia algo de errado: Carol encarava-o com um olhar pesado, triste. Sem saber o que fazer, ele teve o impulso de puxá-la para si. Ela se desmanchou em seus braços. Os dois sentiam o calor de seus corpos encostados um no outro. Delicadamente, ele puxou os cabelos perfumados dela para trás, deixando seu pescoço exposto. A respiração ofegante de ambos os sufocava de tanto desejo. A mão máscula de JP passou a acariciar o pescoço nu dela. Ficaram assim um bom tempo e, aos poucos, a tentação foi cedendo lugar a um carinho quase maternal. Já recompostos, cada um voltou ao seu lugar. Decidiram pedir algo para comer. Sentaram-se um ao lado do outro e, ao pegarem no cardápio, a onda de calor voltou: sem querer, suas mãos se tocavam de leve e seus perfumes se misturavam no ar. Ela se sentia mareada, ele cheio de desejo. Ela procurava se concentrar nas palavras, ele se perdia em suas próprias sensações corporais. O momento de tensão foi quebrado por ela que sugeriu um petisco; ele aceitou. E assim foi a noite toda até quase o amanhecer: momentos de ardor intercalados com um aparente desprendimento por parte dela. Quando sentiu que já estava pronta para voltar para casa, Carol sugeriu que fossem embora. No caminho de volta, JP foi seguindo o carro dela e quando viu que ela entrou em casa com segurança, foi embora. Ela entrou silenciosamente no quarto, enquanto seu marido deitado na cama fingia roncar. Na verdade, Beto ficara acordado a noite toda andando pelos cômodos da casa impacientemente, imaginando onde sua esposa estaria e quando percebeu que a porta da frente se abria, correu para a cama e se enfiou debaixo das cobertas; sentia o coração quase pulando pela boca, mas felizmente ela não notou. No dia seguinte, Babi acordou cedo e foi direto ao quarto dos pais. Como fazia de vez em quando, beijou o pai e a mãe, e pediu para que os dois dessem selinho um no outro. Missão cumprida, levantou-se e foi para a sala brincar. Enquanto isso, sua mãe foi preparar o café da manhã; seu pai ainda quis ficar um tempo na cama lendo o jornal,
  • 3. fingindo estar interessado nas manchetes, mas na verdade, de segundo em segundo, desviava o olhar para o celular da mulher que estava no criado mudo. Pensou em pegá-lo para ver se encontrava alguma pista sobre a noite anterior; sua consciência o deteve. Tentou se concentrar no jornal, mas nem mesmo as notícias o estavam ajudando: Homem é morto pelo amante da esposa na Zona Norte da cidade. Com força, jogou o jornal no chão e finalmente pegou o celular da esposa, no mesmo tempo em que ela gritou da cozinha, “O café da manhã está pronto!” Enrubescido, soltou o aparelho e saiu apressado da cama como um criminoso pego em flagrante. Correu para a cozinha e deu um abraço nela que não entendeu nada, mas mesmo assim retribuiu o carinho. Sentaram-se todos na mesa da cozinha e enquanto comiam, conversavam trivialidades. Babi procurava fazer gracinhas para entreter seus pais que se derretiam com sua presença. Após a refeição, Beto logo saiu para o trabalho. Carol ainda se trocou e arrumou a filha antes de deixá-la na escola. Chegando lá, mãe e filha se abraçaram e se despediram. Carol entrou no carro e checou a agenda do dia: muitos compromissos a esperavam. Carol era “Designer de pessoas”, como fora apelidada por um cliente. Ela trabalhava a imagem pessoal e profissional das pessoas que a contratavam. Era apaixonada pelo que fazia e por mais trabalho que desse, a recompensa era grande: muitos foram os que conseguiram alavancar a carreira, encontrar parceiros e até mudar o jeito de ser com sua ajuda. O melhor de tudo era que podia ser dona de seu tempo e era muito bem paga. A ideia de trabalhar com isso surgiu espontaneamente: conhecida como “A inovadora”, “A moderna”, “A mais-mais” pelos amigos, ela sempre os ajudava a mudar de visual. Ela fazia isso com prazer, afinal, estava em casa com uma recém-nascida e sem trabalhar. Em uma dessas vezes, seu amigo estava acompanhado de uma amiga que se interessou por contratar seus serviços: Carol se recusou, dizendo que podia fazer aquilo sem custo algum, mesmo assim, a mulher insistiu em pagá-la. Desse serviço, foram surgindo outros e mais outros e quando foi ver, ela já havia virado referência para muita gente. Seu esposo não via isso com bons olhos: no fundo, ao mesmo tempo em que não se importava dela trabalhar, sentia ciúmes – havia se acostumado com a ideia de tê-la em casa no tempo em que ficou grávida. Carol atravessou a cidade para encontrar sua mais nova cliente: LilyLayla era uma celebridade da Moda que, apesar de super entendida do assunto, era tão arrogante que a mídia já estava começando a se desinteressar por ela. Tomou conhecimento do trabalho de Carol por intermédio de um conhecido em comum. Marcaram de se encontrar em sua mansão no bairro mais nobre da cidade. Carol foi recebida pelo mordomo, um senhor muito educado e fino, que anunciou sua chegada à madame por um interfone. Apesar da escadaria com corrimão feito de ouro maciço, lustres estonteantes e mobília mais ainda, ela não parecia se sentir intimidada (no fundo, bem lá no fundo, estremecia um pouquinho, contudo, sua postura assertiva não a entregava). Cumprimentaram-se e ficaram horas conversando. Carol saiu zonza e cansada da casa da mulher, e compreendeu por que a mídia não queria mais saber dela: se nem ela queria saber, imagine os outros que nem pagos estavam sendo, para aguentá-la! Carol correu para o compromisso seguinte, e mais outro, e outro, até que cumpridas todas as tarefas profissionais daquele dia, foi buscar sua filha na escola. Exausta, chegou em casa não querendo saber de mais nada, mas ainda precisava preparar a menina para dormir. Em geral, Babi era muito boazinha, por outro lado, como toda criança, tinha suas sapequices e teimosias: por exemplo, odiava escovar os dentes e mais ainda tomar
  • 4. banho. Era uma luta diária que deixava sua mãe esgotada. Por sorte, naquele dia, a menina cooperou e dormiu logo. Animada pelo tempo livre que lhe sobrou, Carol resolveu tomar um banho na hidro: encheu a banheira, pôs os sais relaxantes e mergulhou seu corpo na água quente e cheirosa. Com o passar do tempo, todo o cansaço do dia foi dando lugar ao relaxamento. Sentiu alguém abrir a porta: era Beto, que não sabia que sua esposa estava ali. Ao se deparar com a mulher exposta naquela água convidativa, ele teve vontade de se juntar a ela. Os dois se olharam, ele hesitou, deu meia volta e saiu do banheiro, enquanto ela ficou ali, desejando seu homem... a água se tornou fria e o doce perfume dos sais evaporou. Carol esvaziava a banheira quando o celular tocou: “Mensagem de JP: Só pra te mandar um beijo de boa noite!”. Ela respondeu provocativamente: “Acabei de sair da hidro... Tô toda molhada, preciso me secar e pôr a minha camisola. 1000 beijinhos...”. JP devolveu a provocação: “Olha o que você faz comigo, como vou dormir assim?!”. Ela soltou uma risada alta, guardou o celular no roupão e saiu do banheiro. Deu de cara com o marido deitado na cama. Foi até um canto do quarto em que ele pudesse observá-la e, de costas, tirou o roupão vagarosamente, como se estivesse fazendo um strip-tease. Rodopiou o roupão no ar, jogou-o no chão, puxou os cabelos molhados para cima e começou a passar a toalha no corpo nu parte por parte, dando umas reboladinhas de vez em quando. Virou-se de perfil, deixando seus seios à mostra propositadamente. Virou-se novamente de costas e curvou-se o máximo que pode para secar os pés, deixando toda sua parte detrás exposta. Curiosa, ela se sentia tentada a olhar para trás para saber se Beto a espiava, mas acreditando que ele poderia estar curtindo o show e qualquer movimento fora do contexto poderia estragá-lo, resolveu continuar a exibição: de maneira sensual passou o hidratante no corpo todo, deslizando-o sugestivamente pelas suas partes íntimas e vestiu uma camisola curtíssima, sem calcinha. Quando achou que já era suficiente, virou-se: Beto estava lendo revista, totalmente indiferente ao que sua esposa fazia. Meio sem graça, deitou-se ao lado do marido e começou a lhe contar como fora o seu dia. Como sempre, ele a ouvia desinteressado. Magoada, Carol desistiu de tentar uma aproximação e pegou no sono. – Mãe, mãe! Acooooorda, mamãe! Quero fazer cocô. – Hã? – Quero fazer cocô. – Pede pro seu pai... – Ele já saiu. Vai logo, quero fazer cocô. – Você já é grande o suficiente pra fazer cocô sozinha, filha. – Eu não quero fazer sozinha! Eu quero você! Carol, ainda sonolenta, levantou-se da cama e levou Babi ao banheiro. Limpou-a e foi ver as horas: quase seis da manhã. Procurou o marido pela casa e realmente ele não estava. Convidou a filha para voltar a dormir mais um pouco, porém, a criança já estava totalmente desperta e ativa, querendo brincar: – Vamos brincar, mãe. Vem! – Filha, tô com sono. Vamos dormir mais um pouco. – NÃÃÃÃO! NÃO QUERO! Quero brincar na sala. – Filha, eu preciso trabalhar daqui a pouco. Descansa um pouquinho. – Eu não vou! E você também não vai!
  • 5. Ignorando as demandas da menina, Carol voltou para a cama. A criança veio em disparada, subiu na cama e começou a pular e cantar em voz alta. Não obtendo atenção, começou a puxar os cabelos da mãe que continuou imóvel, irritada pelo sono e o mau comportamento da filha. Carol se segurava para não estourar, até o momento em que a menina começou a dar chutes em seu abdômen: – VOCÊ PARA JÁ! CHEGA! CHEGA! SE VOCÊ APRONTAR MAIS ALGUMA, EU BATO EM VOCÊ. E VOU BATER COM TANTA FORÇA QUE VAI FICAR MARCAS PRA SEMPRE! Babi olhou para a mãe, arregalou seus olhinhos e pôs-se a chorar alto, o que aumentou mais ainda a cólera da mãe: – EU NÃO QUERO SABER DE CHORO. PARA JÁ! PARA, SENÃO EU TE TRANCO NO BANHEIRO E TE DEIXO LÁ PRA SEMPRE! De nada adiantou: agora a menina estava descontrolada. Carol, sentindo uma raiva imensa e uma culpa maior ainda, deixou-a sozinha no aposento. Foi para a sala para tentar se acalmar; sua filha veio logo em seguida: – Desculpa, mãe... – Não chega perto de mim! – Desculpa, mãe. – Eu já disse pra não chegar perto de mim. – Mamãe, eu quero colo. – Sai daqui. – Por favor, mamãe. Sentindo que estava para estourar novamente com a insistência da filha, Carol pegou-a no colo sem vontade. A criança abraçava e beijava a mãe que continuava fria: – Vamos tomar o café da manhã e nos preparar pra sair. Você tem escola hoje. Obediente, a menina seguiu todos os passos. Acenou para a mãe assim que entrou na escola, porém, ela já tinha ido embora. Carol não via a hora de voltar para casa para dormir mais um pouco, mas era dia de faxina e a diarista virava a casa do avesso nesses dias. Sendo assim, decidiu que o melhor que tinha a fazer era tomar um café bem forte para mantê-la acordada pelo resto do dia. Foi ao seu cafezinho preferido, sentou-se no seu cantinho, pediu um café e abriu a agenda. Não conseguia se concentrar: ainda podia sentir os efeitos emocionais da briga com sua filha – a culpa que sentia era monstruosa. Além disso, um pensamento lhe atormentava: por que seu esposo saíra tão cedo de casa? Não era a primeira vez. Decidiu telefonar para ele. O celular tocou, ninguém atendeu. Telefonou mais uma vez. Deu caixa postal. Desconfiada, pagou o café e saiu. Precisava de ar puro. Andava em direção ao carro quando tocou o celular. Seu coração bateu mais forte, finalmente poderia falar com ele. Desta vez, teria coragem para interrogá-lo: “Onde você está?”; Por que você tem saído tão cedo?”; “Pra onde tem ido?” – eram perguntas que a acompanhavam dia e noite. Infelizmente, era JP querendo saber se ela queria encontrá-lo. Sabendo que não seria uma boa companhia, respondeu que estava ocupada demais naquele dia. Carol foi visitar alguns clientes e voltou para casa mais cedo. Nos dias de faxina, a diarista buscava Babi na escola e cuidava dela até que adormecesse. Assim sendo, Carol mal entrou na casa, fechou-se no quarto e se enfiou na cama: não queria ver ninguém. Exausta de tanto ruminar a respeito de sua filha e seu marido, caiu num sono profundo e nem mesmo notou quando ele voltou para casa e deitou-se ao seu lado.