SlideShare uma empresa Scribd logo
- Noite Profunda -
Por Caroline Cardoso
Eu me recordo bem das minhas memórias de infância. Me lembro de olhos
vermelhos sangue, pele pálida e ossuda, com uma terrível cicatriz que
atravessava a têmpora direita até a parte superior dos lábios carnudos, também
vermelhos, e repletos de sangue. Lembro-me dos cabelos, negros e ondulados,
e também o seu cheiro, pútrido, semelhante ao de um animal morto, e sua faca,
uma lâmina fina e pontuda, que lentamente, ia cortando meu pescoço em
direção ao peito esquerdo, e no seu último olhar malicioso, na última tentativa
de desferir um golpe certeiro no meu coração, uma imensidão de luz branca
toma conta do ambiente, e num surto, num pequeno ataque, acordo do
segundo sonho consecutivo da minha quase morte. Só que o mais estranho, o
mais sobrenatural, é que a cicatriz está aqui, aberta, sangrando, e a janela do
quarto, antes trancada, está aberta.
Meu nome é Laura. Acordo, e imediatamente vou refazer os pontos da minha
cicatriz. Moro em São Paulo, e tenho 17 anos. Órfã, sem irmãos, parentes, sem
registro de nascimento, sou superdotada na arte da enfermagem, e vivo
desenhando caricaturas para ganhar a vida. Termino meu serviço quase bem
feito, coloco os lençóis para lavar, e volto ao banheiro. Dessa vez me olho com
mais atenção no espelho, olhos verdes claros, olheiras arroxeadas, cabelo curto
bagunçado, e uma cicatriz que atravessa o pescoço até o lado esquerdo do
peito. Esse pequeno “acidente” é a única lembrança que eu tenho da minha
infância, e a prova de que eu realmente preciso utilizar cachecóis e echarpes
todos os dias, moro em um sobrado, que, como diz Adelaide, a dona do meu
pequeno cômodo, aparentemente é “Um sobrado para os largados da vida,
minha querida”. Obrigada Adelaide, muito obrigada mesmo, seus quatro dentes
na boca me garantem sua herança milionária.
Morar na Avenida Paulista tem suas vantagens, tomo o café mais barato da
Starbucks, e às vezes, no final do dia, gosto de pedir “Um frapuccino
descafeinado de chocolate, com cobertura de creme, obrigada. Ah, meu nome é
Laura”. Sempre fico na pequena calçada entre as avenidas, nunca em um lugar
específico. Com meu tripé, lápis, giz e folhas, espero algum turista babaca levar
uma recordação da “cidade da garoa”, e com isso, tento me manter sozinha
nessa cidade.
Hoje o dia foi longo, nenhum desenho, nenhum empresário desocupado, nada.
Eram quase dez horas da noite quando decidi guardar meu material e voltar
para casa. “Sem Starbucks por hoje”, pensei. Até que uma mulher, de alta
estatura, capacete de moto colocado na cabeça, luvas pretas, e uma jaqueta
preta manchada de marrom-avermelhado, parou na minha frente. Sem motivo
aparente, minha cicatriz começou a arder, como se os pontos estivessem sendo
cortados por aranhas, que preferiam me picar ao invés de estourar as linhas, e
uma corrente de veneno estivesse percorrendo as minhas veias. Contendo a dor
e o aparente pânico, peço educadamente que a moça se sente no banquinho à
minha frente, e remova o capacete. Percebo um pouco de excitação na sua voz.
”Claro, meu docinho”, diz ela. E retirando lentamente o capacete que lhe cobria
o rosto, revelava inicialmente um sorriso macabro, entre os lábios vermelhos e
carnudos, e bem discretamente, o início de um corte no lábio superior direito.
De repente, o mundo parou.
O barulho da grande São Paulo se cessou, e ela retirou o capacete por
completo. Meus pontos finalmente se partiram por completo, e a cicatriz estava
abrindo cada vez mais e mais, até minha blusa se tornar um completo enxame
de sangue. E ao ver aquele rosto, aquele mesmo rosto dos meus sonhos, senti
os meus batimentos cardíacos pulsarem nas pontas dos meus dedos, eu não
tinha motivos aparentes, mas eu queria voar no pescoço dela e deixá-la
terrivelmente machucada.
“O que você quer?” sem perceber, eu estava gritando, o pânico tomando conta
de mim.
“Não se lembra, não é?” ela retirou discretamente uma faca do bolso da calça
enquanto se aproximava. “Éramos tão amigas, tão próximas... seu coração era
tão meu”. Tentando fugir, acabei tropeçando no meu próprio tripé, e ela me
segurou pelo braço antes que eu caísse de cara no chão. Olhou dentro dos
meus olhos me hipnotizando, e sorriu ao finalmente tocar na minha cicatriz. A
dor foi surreal. Uma agonia começou a percorrer meu corpo junto com os
arrepios, todos os gritos e soluços foram abafados pela dor, tudo estava ficando
branco e trêmulo. Eu com certeza não iria aguentar aquilo por muito tempo.
Mas decidi me desvencilhar dela, e talvez por pura idiotice, decidi fazer
perguntas enquanto tentava pensar. “Quem é você? O que faz aqui? O que você
quer comigo, afinal? Qual a razão de tudo isso?” fiz um gesto abrangente na
última pergunta, olhando os carros parados ao meu redor. Minhas forças
estavam se esgotando, eu precisava distraí-la. Mas como?
“Até no fim você tenta usar diplomacia? É idêntica a sua mãe, mas você tem o
jeito do seu pai. Hoje é primeiro de julho, meu bem. Há exatos doze anos, tentei
roubar seu coração, numa tentativa frustrada de acabar com a sua linhagem.
Não sabe a história do seu sobrenome? Os Windsor, família nobre, inglesa, que
cometeu um terrível erro. Seu tataravô era um homem muito turrão, à beira da
morte de sua esposa, desacreditou em todos os médicos, e buscou outra
solução. No fim das contas, decidiu apelar às Caçadoras de Corações, mulheres
como eu, que trocam um coração ruim, por um puro e bom. Trocamos o de sua
esposa pelo de uma moça, que morreu alguns dias depois, mas como eu disse,
ele era turrão. Tentou fugir, se mudou para a América, mas o encontramos, e
como castigo por sua desonestidade, viemos roubando o coração de todas as
mulheres da família. Algumas mais cedo, outras mais tarde. Mas adivinhe, cansei
de esperar por você, de correr atrás de você, chegou a sua hora”.
Tentei absorver tudo o mais rápido possível, mas com o peito latejando, só
podia ouvir meus batimentos cardíacos ressoando nos meus ouvidos. Ela havia
matado minha família? Minha mãe? Havia me tornado órfã? Num clarão branco,
me lembrei de tudo.
Minha mãe gritando, meu pai tentando salvá-la, a faca que passou raspando no
pequeno peito de uma Laura de cinco anos, a bruxa se virando, e tirando o vivo
dos olhos do meu pai. O fim. E eu, que agora, precisava fazer alguma coisa.
Voltei do meu surto percebendo que estava sem respirar. Inspirei
profundamente e encarei aquela mulher, aquilo teria um fim agora. Sem quase
nem conseguir correr direito, agarrei a faca da mão dela, e apesar de cortar
profundamente minha mão, tentei avançar. Mas ela era rápida, me imobilizou e
me fez parar de respirar completamente. Minha pulsação ia diminuindo
gradativamente, e eu consegui enfiar a faca na sua barriga.
Ela gritou e me soltou, os olhos desejosos por vingança. Continuei segurando a
faca como se fosse uma espada, e esperei ela se aproximar. Ela veio lentamente,
me observando de cima a baixo, e deu o bote. Me segurou pelo pescoço e
começou a urrar, mas eu agi involuntariamente. Desferi a faca no seu peito, e a
puxei de volta, o sangue escorrendo pela faca. A larguei no chão e reprimi um
grito. Ela estava se contorcendo, até no final, ir se transformando em pó. Só
sobrou o que parecia um coração. Não era comum, estava preto, mofado,
estragado. Assim como ela.
Olhei para os lados, tudo ainda estava parado. Só então me dei conta da dor, e
caí de joelhos no chão. Eu continuava sozinha no mundo, aquilo não me
tornava melhor ou pior que ela. As lágrimas começaram a escorrer, pelos
dezessete anos em que as reprimi. Nada ficaria certo, disso eu tinha certeza. Eu
levaria a culpa pelo resto da vida, e mesmo assim, permaneceria sozinha. Nada
mais adiantaria, o amor, a felicidade, coisas que eu nunca havia experimentado,
e nunca iria experimentar. Não havia razão para tudo aquilo. Minha missão
estava cumprida, e eu não permitiria que meus filhos, caso os tivesse,
passassem pela mesma coisa. A faca estava bem ao meu lado. Olhei para o
sangue, e pensei que não seria tão ruim a dor, não pior do que a que eu
aguentei durante todo esse tempo. Foi uma decisão estúpida e audaciosa ao
mesmo tempo, sem pensar muito, peguei a faca, a desferi no peito, e esperei a
noite profunda me cegar.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

CENAS DE SEXO
CENAS DE SEXOCENAS DE SEXO
CENAS DE SEXO
Angelo Tomasini
 
67
6767
Suplemento Acre edição 008
Suplemento Acre edição 008Suplemento Acre edição 008
Suplemento Acre edição 008
AMEOPOEMA Editora
 
Nas sombras
Nas sombrasNas sombras
Nas sombras
Bárbara Silva
 
ALCATEIAS - Livro erótico
ALCATEIAS - Livro eróticoALCATEIAS - Livro erótico
ALCATEIAS - Livro erótico
Angelo Tomasini
 
O amor é míope
O amor é míopeO amor é míope
O amor é míope
Ingrid Nascimento
 
QU4RTO DESAMP4RO
QU4RTO DESAMP4ROQU4RTO DESAMP4RO
QU4RTO DESAMP4RO
Danilo Barcelos
 
Lous rondon-contos-reunidosi-margin1-letter-arial12
Lous rondon-contos-reunidosi-margin1-letter-arial12Lous rondon-contos-reunidosi-margin1-letter-arial12
Lous rondon-contos-reunidosi-margin1-letter-arial12
lousrondon
 
O marinheiro escritor
O marinheiro escritorO marinheiro escritor
O marinheiro escritor
Gladis Maia
 
Farsadeinespereira peça
Farsadeinespereira peçaFarsadeinespereira peça
Farsadeinespereira peça
Raquel Dos Santos
 
Zeli pausa
Zeli pausaZeli pausa
Velhodahorta
VelhodahortaVelhodahorta
Velhodahorta
Raquel Dos Santos
 
Direct and indirect speech through Literature in English
Direct and indirect speech through Literature in EnglishDirect and indirect speech through Literature in English
Direct and indirect speech through Literature in English
Ana Polo
 
MOTORISTA DE UBER
MOTORISTA DE UBERMOTORISTA DE UBER
MOTORISTA DE UBER
Angelo Tomasini
 
Série Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txt
Série Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txtSérie Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txt
Série Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txt
Mariana Correia
 
Revista subversa 6ª ed.
Revista subversa 6ª ed.Revista subversa 6ª ed.
Revista subversa 6ª ed.
Canal Subversa
 
José de Alencar - O que é o casamento
José de Alencar - O que é o casamentoJosé de Alencar - O que é o casamento
José de Alencar - O que é o casamento
Francis Monteiro da Rocha
 
Farsa de Inês Pereira de Gil Vicente
Farsa de Inês Pereira de Gil VicenteFarsa de Inês Pereira de Gil Vicente
Farsa de Inês Pereira de Gil Vicente
Ana Isabel Falé
 
O homem perfeito - Vanessa Bosso
O homem perfeito - Vanessa BossoO homem perfeito - Vanessa Bosso
O homem perfeito - Vanessa Bosso
JuFlores98
 
Certa entidade em busca de outra
Certa entidade em busca de outraCerta entidade em busca de outra
Certa entidade em busca de outra
Gladis Maia
 

Mais procurados (20)

CENAS DE SEXO
CENAS DE SEXOCENAS DE SEXO
CENAS DE SEXO
 
67
6767
67
 
Suplemento Acre edição 008
Suplemento Acre edição 008Suplemento Acre edição 008
Suplemento Acre edição 008
 
Nas sombras
Nas sombrasNas sombras
Nas sombras
 
ALCATEIAS - Livro erótico
ALCATEIAS - Livro eróticoALCATEIAS - Livro erótico
ALCATEIAS - Livro erótico
 
O amor é míope
O amor é míopeO amor é míope
O amor é míope
 
QU4RTO DESAMP4RO
QU4RTO DESAMP4ROQU4RTO DESAMP4RO
QU4RTO DESAMP4RO
 
Lous rondon-contos-reunidosi-margin1-letter-arial12
Lous rondon-contos-reunidosi-margin1-letter-arial12Lous rondon-contos-reunidosi-margin1-letter-arial12
Lous rondon-contos-reunidosi-margin1-letter-arial12
 
O marinheiro escritor
O marinheiro escritorO marinheiro escritor
O marinheiro escritor
 
Farsadeinespereira peça
Farsadeinespereira peçaFarsadeinespereira peça
Farsadeinespereira peça
 
Zeli pausa
Zeli pausaZeli pausa
Zeli pausa
 
Velhodahorta
VelhodahortaVelhodahorta
Velhodahorta
 
Direct and indirect speech through Literature in English
Direct and indirect speech through Literature in EnglishDirect and indirect speech through Literature in English
Direct and indirect speech through Literature in English
 
MOTORISTA DE UBER
MOTORISTA DE UBERMOTORISTA DE UBER
MOTORISTA DE UBER
 
Série Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txt
Série Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txtSérie Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txt
Série Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txt
 
Revista subversa 6ª ed.
Revista subversa 6ª ed.Revista subversa 6ª ed.
Revista subversa 6ª ed.
 
José de Alencar - O que é o casamento
José de Alencar - O que é o casamentoJosé de Alencar - O que é o casamento
José de Alencar - O que é o casamento
 
Farsa de Inês Pereira de Gil Vicente
Farsa de Inês Pereira de Gil VicenteFarsa de Inês Pereira de Gil Vicente
Farsa de Inês Pereira de Gil Vicente
 
O homem perfeito - Vanessa Bosso
O homem perfeito - Vanessa BossoO homem perfeito - Vanessa Bosso
O homem perfeito - Vanessa Bosso
 
Certa entidade em busca de outra
Certa entidade em busca de outraCerta entidade em busca de outra
Certa entidade em busca de outra
 

Destaque

Hdsd camera7321 ahd vn
Hdsd camera7321 ahd vnHdsd camera7321 ahd vn
Hdsd camera7321 ahd vn
BENCO Việt Nam
 
Ppt0000013
Ppt0000013Ppt0000013
Ppt0000013will9455
 
Natalia castro
Natalia castroNatalia castro
Natalia castro
natiicaastroo
 
Super Heróis
Super HeróisSuper Heróis
Super Heróis
Ines_Moreira
 
Module 8 Evaluation
Module 8 EvaluationModule 8 Evaluation
Module 8 Evaluation
schernick
 
Jornal folha dr. cícero 1ª edição
Jornal folha dr. cícero 1ª ediçãoJornal folha dr. cícero 1ª edição
Jornal folha dr. cícero 1ª edição
rendesson
 
Boletim informativo nº 005 setembro de 2013
Boletim informativo nº 005   setembro de 2013Boletim informativo nº 005   setembro de 2013
Boletim informativo nº 005 setembro de 2013
Condomínio Jardim Dos Amarais I
 
O homem e o poder: o papel do Estado como aparelho de manutenção
O homem e o poder: o papel do Estado como aparelho de manutençãoO homem e o poder: o papel do Estado como aparelho de manutenção
O homem e o poder: o papel do Estado como aparelho de manutenção
Queiti Reis
 
Historia De Colombia Actividad 1
Historia De Colombia Actividad 1Historia De Colombia Actividad 1
Historia De Colombia Actividad 1
Jorge Restrepo
 
Proyecto 2 1
Proyecto 2 1Proyecto 2 1
Proyecto 2 1
camilarojasmora
 
Arte e educação
Arte e educaçãoArte e educação
Arte e educação
Roberio Batista Silva
 
La web 2.0
La web 2.0La web 2.0
La web 2.0
licerys
 
κλασικη εποχη
κλασικη εποχηκλασικη εποχη
κλασικη εποχηbasinari
 
Planeta humano
Planeta humanoPlaneta humano
Planeta humano
Jose Luiz Fonseca
 
Valentina romero charry
Valentina romero charryValentina romero charry
Valentina romero charry
julian203
 
make-youre-own-root
make-youre-own-rootmake-youre-own-root
make-youre-own-root
toride_art_estate
 
CoP preguntas
CoP preguntasCoP preguntas
CoP preguntas
lilitgil
 
Docência universitaria
Docência universitariaDocência universitaria
Docência universitaria
Cleber Arantes
 
Grupo de Acesso 08 | Comissão de Frente | Módulo 01 | Jurado Maracy Cristina ...
Grupo de Acesso 08 | Comissão de Frente | Módulo 01 | Jurado Maracy Cristina ...Grupo de Acesso 08 | Comissão de Frente | Módulo 01 | Jurado Maracy Cristina ...
Grupo de Acesso 08 | Comissão de Frente | Módulo 01 | Jurado Maracy Cristina ...
babibalbis
 

Destaque (20)

Hdsd camera7321 ahd vn
Hdsd camera7321 ahd vnHdsd camera7321 ahd vn
Hdsd camera7321 ahd vn
 
Ppt0000013
Ppt0000013Ppt0000013
Ppt0000013
 
Natalia castro
Natalia castroNatalia castro
Natalia castro
 
Super Heróis
Super HeróisSuper Heróis
Super Heróis
 
Module 8 Evaluation
Module 8 EvaluationModule 8 Evaluation
Module 8 Evaluation
 
Jornal folha dr. cícero 1ª edição
Jornal folha dr. cícero 1ª ediçãoJornal folha dr. cícero 1ª edição
Jornal folha dr. cícero 1ª edição
 
Boletim informativo nº 005 setembro de 2013
Boletim informativo nº 005   setembro de 2013Boletim informativo nº 005   setembro de 2013
Boletim informativo nº 005 setembro de 2013
 
O homem e o poder: o papel do Estado como aparelho de manutenção
O homem e o poder: o papel do Estado como aparelho de manutençãoO homem e o poder: o papel do Estado como aparelho de manutenção
O homem e o poder: o papel do Estado como aparelho de manutenção
 
Historia De Colombia Actividad 1
Historia De Colombia Actividad 1Historia De Colombia Actividad 1
Historia De Colombia Actividad 1
 
Proyecto 2 1
Proyecto 2 1Proyecto 2 1
Proyecto 2 1
 
Arte e educação
Arte e educaçãoArte e educação
Arte e educação
 
La web 2.0
La web 2.0La web 2.0
La web 2.0
 
κλασικη εποχη
κλασικη εποχηκλασικη εποχη
κλασικη εποχη
 
Planeta humano
Planeta humanoPlaneta humano
Planeta humano
 
Valentina romero charry
Valentina romero charryValentina romero charry
Valentina romero charry
 
make-youre-own-root
make-youre-own-rootmake-youre-own-root
make-youre-own-root
 
CoP preguntas
CoP preguntasCoP preguntas
CoP preguntas
 
Docência universitaria
Docência universitariaDocência universitaria
Docência universitaria
 
Grupo de Acesso 08 | Comissão de Frente | Módulo 01 | Jurado Maracy Cristina ...
Grupo de Acesso 08 | Comissão de Frente | Módulo 01 | Jurado Maracy Cristina ...Grupo de Acesso 08 | Comissão de Frente | Módulo 01 | Jurado Maracy Cristina ...
Grupo de Acesso 08 | Comissão de Frente | Módulo 01 | Jurado Maracy Cristina ...
 
Tributacion
TributacionTributacion
Tributacion
 

Semelhante a Noite profunda

Figuras de linguagem 1
Figuras de linguagem 1Figuras de linguagem 1
Suplemento acre 0011 e book
Suplemento acre 0011 e book Suplemento acre 0011 e book
Suplemento acre 0011 e book
AMEOPOEMA Editora
 
Excerto do livro contos arcanos uma chance para o perdão - a estrela
Excerto do livro contos arcanos   uma chance para o perdão - a estrelaExcerto do livro contos arcanos   uma chance para o perdão - a estrela
Excerto do livro contos arcanos uma chance para o perdão - a estrela
Frank De Oliveira
 
Excerto do livro contos arcanos uma chance para o perdão - a estrela
Excerto do livro contos arcanos   uma chance para o perdão - a estrelaExcerto do livro contos arcanos   uma chance para o perdão - a estrela
Excerto do livro contos arcanos uma chance para o perdão - a estrela
Frank De Oliveira
 
Nuvem negra flipsanck pdf
Nuvem negra flipsanck pdfNuvem negra flipsanck pdf
Nuvem negra flipsanck pdf
Gabriel171
 
Primeiras 15 páginas:
Primeiras 15 páginas: Primeiras 15 páginas:
Primeiras 15 páginas:
Natalia Simionato
 
Fabio.fabricio.fabreti.super.santas
Fabio.fabricio.fabreti.super.santasFabio.fabricio.fabreti.super.santas
Fabio.fabricio.fabreti.super.santas
Ariane Mafra
 
Calendário Mensal: Julho 2010
Calendário Mensal: Julho 2010Calendário Mensal: Julho 2010
Calendário Mensal: Julho 2010
Gisele Santos
 
Desejos obscuros livro III- A intocável
Desejos obscuros livro III- A intocávelDesejos obscuros livro III- A intocável
Desejos obscuros livro III- A intocável
Raquel Alves
 
à Sombra do flamboyant
à Sombra do flamboyantà Sombra do flamboyant
à Sombra do flamboyant
Marinaldo Leite Batista
 
Sem Ao Menos Um Aceno
Sem Ao Menos Um AcenoSem Ao Menos Um Aceno
Sem Ao Menos Um Aceno
guesta47b474
 
Desejos obscuros livro i
Desejos obscuros livro iDesejos obscuros livro i
Desejos obscuros livro i
Raquel Alves
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
Carolina Loçasso Pereira
 
Recanto das letras carol
Recanto das letras   carolRecanto das letras   carol
Recanto das letras carol
Rui da Silveira Cruz Ventura
 
A confidente da rameira caduca
A confidente da rameira caducaA confidente da rameira caduca
A confidente da rameira caduca
Arthur Dellarubia
 
Bela e a fera
Bela e a feraBela e a fera
Bela e a fera
Joice Bieger
 
A Bela e a Fera
A Bela e a FeraA Bela e a Fera
A Bela e a Fera
GQ Shows e Eventos
 
Vestígios do tempo
Vestígios do tempoVestígios do tempo
Vestígios do tempo
tiagosector
 
Ultima gota pdf 99
Ultima gota pdf 99Ultima gota pdf 99
Ultima gota pdf 99
Lia Dias Soares
 
Poemas Ilustrados
Poemas IlustradosPoemas Ilustrados
Poemas Ilustrados
vales
 

Semelhante a Noite profunda (20)

Figuras de linguagem 1
Figuras de linguagem 1Figuras de linguagem 1
Figuras de linguagem 1
 
Suplemento acre 0011 e book
Suplemento acre 0011 e book Suplemento acre 0011 e book
Suplemento acre 0011 e book
 
Excerto do livro contos arcanos uma chance para o perdão - a estrela
Excerto do livro contos arcanos   uma chance para o perdão - a estrelaExcerto do livro contos arcanos   uma chance para o perdão - a estrela
Excerto do livro contos arcanos uma chance para o perdão - a estrela
 
Excerto do livro contos arcanos uma chance para o perdão - a estrela
Excerto do livro contos arcanos   uma chance para o perdão - a estrelaExcerto do livro contos arcanos   uma chance para o perdão - a estrela
Excerto do livro contos arcanos uma chance para o perdão - a estrela
 
Nuvem negra flipsanck pdf
Nuvem negra flipsanck pdfNuvem negra flipsanck pdf
Nuvem negra flipsanck pdf
 
Primeiras 15 páginas:
Primeiras 15 páginas: Primeiras 15 páginas:
Primeiras 15 páginas:
 
Fabio.fabricio.fabreti.super.santas
Fabio.fabricio.fabreti.super.santasFabio.fabricio.fabreti.super.santas
Fabio.fabricio.fabreti.super.santas
 
Calendário Mensal: Julho 2010
Calendário Mensal: Julho 2010Calendário Mensal: Julho 2010
Calendário Mensal: Julho 2010
 
Desejos obscuros livro III- A intocável
Desejos obscuros livro III- A intocávelDesejos obscuros livro III- A intocável
Desejos obscuros livro III- A intocável
 
à Sombra do flamboyant
à Sombra do flamboyantà Sombra do flamboyant
à Sombra do flamboyant
 
Sem Ao Menos Um Aceno
Sem Ao Menos Um AcenoSem Ao Menos Um Aceno
Sem Ao Menos Um Aceno
 
Desejos obscuros livro i
Desejos obscuros livro iDesejos obscuros livro i
Desejos obscuros livro i
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Recanto das letras carol
Recanto das letras   carolRecanto das letras   carol
Recanto das letras carol
 
A confidente da rameira caduca
A confidente da rameira caducaA confidente da rameira caduca
A confidente da rameira caduca
 
Bela e a fera
Bela e a feraBela e a fera
Bela e a fera
 
A Bela e a Fera
A Bela e a FeraA Bela e a Fera
A Bela e a Fera
 
Vestígios do tempo
Vestígios do tempoVestígios do tempo
Vestígios do tempo
 
Ultima gota pdf 99
Ultima gota pdf 99Ultima gota pdf 99
Ultima gota pdf 99
 
Poemas Ilustrados
Poemas IlustradosPoemas Ilustrados
Poemas Ilustrados
 

Noite profunda

  • 1. - Noite Profunda - Por Caroline Cardoso Eu me recordo bem das minhas memórias de infância. Me lembro de olhos vermelhos sangue, pele pálida e ossuda, com uma terrível cicatriz que atravessava a têmpora direita até a parte superior dos lábios carnudos, também vermelhos, e repletos de sangue. Lembro-me dos cabelos, negros e ondulados, e também o seu cheiro, pútrido, semelhante ao de um animal morto, e sua faca, uma lâmina fina e pontuda, que lentamente, ia cortando meu pescoço em direção ao peito esquerdo, e no seu último olhar malicioso, na última tentativa de desferir um golpe certeiro no meu coração, uma imensidão de luz branca toma conta do ambiente, e num surto, num pequeno ataque, acordo do segundo sonho consecutivo da minha quase morte. Só que o mais estranho, o mais sobrenatural, é que a cicatriz está aqui, aberta, sangrando, e a janela do quarto, antes trancada, está aberta. Meu nome é Laura. Acordo, e imediatamente vou refazer os pontos da minha cicatriz. Moro em São Paulo, e tenho 17 anos. Órfã, sem irmãos, parentes, sem registro de nascimento, sou superdotada na arte da enfermagem, e vivo desenhando caricaturas para ganhar a vida. Termino meu serviço quase bem feito, coloco os lençóis para lavar, e volto ao banheiro. Dessa vez me olho com mais atenção no espelho, olhos verdes claros, olheiras arroxeadas, cabelo curto bagunçado, e uma cicatriz que atravessa o pescoço até o lado esquerdo do peito. Esse pequeno “acidente” é a única lembrança que eu tenho da minha infância, e a prova de que eu realmente preciso utilizar cachecóis e echarpes todos os dias, moro em um sobrado, que, como diz Adelaide, a dona do meu pequeno cômodo, aparentemente é “Um sobrado para os largados da vida, minha querida”. Obrigada Adelaide, muito obrigada mesmo, seus quatro dentes na boca me garantem sua herança milionária. Morar na Avenida Paulista tem suas vantagens, tomo o café mais barato da Starbucks, e às vezes, no final do dia, gosto de pedir “Um frapuccino
  • 2. descafeinado de chocolate, com cobertura de creme, obrigada. Ah, meu nome é Laura”. Sempre fico na pequena calçada entre as avenidas, nunca em um lugar específico. Com meu tripé, lápis, giz e folhas, espero algum turista babaca levar uma recordação da “cidade da garoa”, e com isso, tento me manter sozinha nessa cidade. Hoje o dia foi longo, nenhum desenho, nenhum empresário desocupado, nada. Eram quase dez horas da noite quando decidi guardar meu material e voltar para casa. “Sem Starbucks por hoje”, pensei. Até que uma mulher, de alta estatura, capacete de moto colocado na cabeça, luvas pretas, e uma jaqueta preta manchada de marrom-avermelhado, parou na minha frente. Sem motivo aparente, minha cicatriz começou a arder, como se os pontos estivessem sendo cortados por aranhas, que preferiam me picar ao invés de estourar as linhas, e uma corrente de veneno estivesse percorrendo as minhas veias. Contendo a dor e o aparente pânico, peço educadamente que a moça se sente no banquinho à minha frente, e remova o capacete. Percebo um pouco de excitação na sua voz. ”Claro, meu docinho”, diz ela. E retirando lentamente o capacete que lhe cobria o rosto, revelava inicialmente um sorriso macabro, entre os lábios vermelhos e carnudos, e bem discretamente, o início de um corte no lábio superior direito. De repente, o mundo parou. O barulho da grande São Paulo se cessou, e ela retirou o capacete por completo. Meus pontos finalmente se partiram por completo, e a cicatriz estava abrindo cada vez mais e mais, até minha blusa se tornar um completo enxame de sangue. E ao ver aquele rosto, aquele mesmo rosto dos meus sonhos, senti os meus batimentos cardíacos pulsarem nas pontas dos meus dedos, eu não tinha motivos aparentes, mas eu queria voar no pescoço dela e deixá-la terrivelmente machucada. “O que você quer?” sem perceber, eu estava gritando, o pânico tomando conta de mim. “Não se lembra, não é?” ela retirou discretamente uma faca do bolso da calça enquanto se aproximava. “Éramos tão amigas, tão próximas... seu coração era tão meu”. Tentando fugir, acabei tropeçando no meu próprio tripé, e ela me
  • 3. segurou pelo braço antes que eu caísse de cara no chão. Olhou dentro dos meus olhos me hipnotizando, e sorriu ao finalmente tocar na minha cicatriz. A dor foi surreal. Uma agonia começou a percorrer meu corpo junto com os arrepios, todos os gritos e soluços foram abafados pela dor, tudo estava ficando branco e trêmulo. Eu com certeza não iria aguentar aquilo por muito tempo. Mas decidi me desvencilhar dela, e talvez por pura idiotice, decidi fazer perguntas enquanto tentava pensar. “Quem é você? O que faz aqui? O que você quer comigo, afinal? Qual a razão de tudo isso?” fiz um gesto abrangente na última pergunta, olhando os carros parados ao meu redor. Minhas forças estavam se esgotando, eu precisava distraí-la. Mas como? “Até no fim você tenta usar diplomacia? É idêntica a sua mãe, mas você tem o jeito do seu pai. Hoje é primeiro de julho, meu bem. Há exatos doze anos, tentei roubar seu coração, numa tentativa frustrada de acabar com a sua linhagem. Não sabe a história do seu sobrenome? Os Windsor, família nobre, inglesa, que cometeu um terrível erro. Seu tataravô era um homem muito turrão, à beira da morte de sua esposa, desacreditou em todos os médicos, e buscou outra solução. No fim das contas, decidiu apelar às Caçadoras de Corações, mulheres como eu, que trocam um coração ruim, por um puro e bom. Trocamos o de sua esposa pelo de uma moça, que morreu alguns dias depois, mas como eu disse, ele era turrão. Tentou fugir, se mudou para a América, mas o encontramos, e como castigo por sua desonestidade, viemos roubando o coração de todas as mulheres da família. Algumas mais cedo, outras mais tarde. Mas adivinhe, cansei de esperar por você, de correr atrás de você, chegou a sua hora”. Tentei absorver tudo o mais rápido possível, mas com o peito latejando, só podia ouvir meus batimentos cardíacos ressoando nos meus ouvidos. Ela havia matado minha família? Minha mãe? Havia me tornado órfã? Num clarão branco, me lembrei de tudo. Minha mãe gritando, meu pai tentando salvá-la, a faca que passou raspando no pequeno peito de uma Laura de cinco anos, a bruxa se virando, e tirando o vivo dos olhos do meu pai. O fim. E eu, que agora, precisava fazer alguma coisa.
  • 4. Voltei do meu surto percebendo que estava sem respirar. Inspirei profundamente e encarei aquela mulher, aquilo teria um fim agora. Sem quase nem conseguir correr direito, agarrei a faca da mão dela, e apesar de cortar profundamente minha mão, tentei avançar. Mas ela era rápida, me imobilizou e me fez parar de respirar completamente. Minha pulsação ia diminuindo gradativamente, e eu consegui enfiar a faca na sua barriga. Ela gritou e me soltou, os olhos desejosos por vingança. Continuei segurando a faca como se fosse uma espada, e esperei ela se aproximar. Ela veio lentamente, me observando de cima a baixo, e deu o bote. Me segurou pelo pescoço e começou a urrar, mas eu agi involuntariamente. Desferi a faca no seu peito, e a puxei de volta, o sangue escorrendo pela faca. A larguei no chão e reprimi um grito. Ela estava se contorcendo, até no final, ir se transformando em pó. Só sobrou o que parecia um coração. Não era comum, estava preto, mofado, estragado. Assim como ela. Olhei para os lados, tudo ainda estava parado. Só então me dei conta da dor, e caí de joelhos no chão. Eu continuava sozinha no mundo, aquilo não me tornava melhor ou pior que ela. As lágrimas começaram a escorrer, pelos dezessete anos em que as reprimi. Nada ficaria certo, disso eu tinha certeza. Eu levaria a culpa pelo resto da vida, e mesmo assim, permaneceria sozinha. Nada mais adiantaria, o amor, a felicidade, coisas que eu nunca havia experimentado, e nunca iria experimentar. Não havia razão para tudo aquilo. Minha missão estava cumprida, e eu não permitiria que meus filhos, caso os tivesse, passassem pela mesma coisa. A faca estava bem ao meu lado. Olhei para o sangue, e pensei que não seria tão ruim a dor, não pior do que a que eu aguentei durante todo esse tempo. Foi uma decisão estúpida e audaciosa ao mesmo tempo, sem pensar muito, peguei a faca, a desferi no peito, e esperei a noite profunda me cegar.