Skye warren [beleza 03] - beleza quebrada

494 visualizações

Publicada em

Skye warren [beleza 03] - beleza quebrada

Publicada em: Arte e fotografia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
494
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
32
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Skye warren [beleza 03] - beleza quebrada

  1. 1. SERIE BELEZA 03- BELEZA QUEBRADA Disponibilização e Revisão Inicial: MimiDisponibilização e Revisão Inicial: MimiDisponibilização e Revisão Inicial: MimiDisponibilização e Revisão Inicial: Mimi Revisão Final:Revisão Final:Revisão Final:Revisão Final: AngAngAngAngééééllicallicallicallica Gênero: Hetero / ContemporâneoGênero: Hetero / ContemporâneoGênero: Hetero / ContemporâneoGênero: Hetero / Contemporâneo
  2. 2. 2 Uma revelação preocupante coloca a recente carreira de Blake em perigo e a graduação iminente de Erin em risco. O casal avança, determinado que o amor vence tudo. Eles encontram uma nova profundidade em seu respeito uns pelos outros e novos patamares para o seu jogo sensual, mas os segredos e as sombras estão à espreita ao longo do caminho. COMENTÁRIOS DA REVISÃOCOMENTÁRIOS DA REVISÃOCOMENTÁRIOS DA REVISÃOCOMENTÁRIOS DA REVISÃO MIMIMIMIMIMIMIMI Eu realmente não me canso deste casal. Poderia ler esses livros para sempre. Eles são apenas o tamanho certo e realista. Se você ainda não leu esta série, faça um favor a si mesma e leia isso. Não vai se decepcionar. Tem cenas quentíssimas e uma história sólida e interação entre os personagens! O homem é doce e apaixonado e dolorosamente sexy. Ele sempre me surpreende com as ternas e ásperas maneiras que mostra a Erin que a ama. E quando as coisas se complicam, ele está ali a protegendo e mostrando a ela que o passado nem sempre estabelece um precedente. Erin é uma garota de sorte. Aiaiai.*-* ANGANGANGANGÉÉÉÉLLICALLICALLICALLICA Papo reto e sério: Onde eu encontro um Blake? Imagino este espécime todo macho, gostoso, grande, sexy, apaixonado, gostoso, grande, macho, doce, sexy... enfim, paguei calcinhas... algumas, fazer o que? O casal têm química... nitroglicerina pura. E as pegadas que ele dá nela... $%¨#@!
  3. 3. 3 CAPÍTULO UM Erin pegou as roupas dela pela luz pálida da madrugada e deixou o quarto de Blake, fechando a porta atrás dela. Ela entrou no banheiro no corredor para se trocar. Não queria acordar Blake. Não, isso era uma mentira. Ela queria muito acordá-lo, para fazer amor, e passar o resto do dia na cama com ele. Mas a vida real estava em seus calcanhares, bem em cima dela. Atribuições finais foram anunciadas hoje, e que os livros didáticos destinados seriam listados na livraria da universidade. Ela precisou de apenas uma classe para seu último semestre. O resto de seus créditos eram para pesquisa, mas na verdade, a fase exploratória foi completa. Agora tinha que escrever a versão final de sua tese, que seria apresentada para o comitê no final do semestre no verão. Ela jogou água no rosto e olhou-se no espelho. Graduada. Remediado. Candidata a Mestrado. O serviço de limpeza. Ela não sabia que lado era a verdadeira Erin. Ela saiu do banheiro e parou do lado de fora da porta fechada. Tudo estava calmo. Continuou sem perturbá-lo. Era tão cedo. Deixe-o dormir. As escadas estavam escuras. Ela arrastou a ponta dos dedos na parede para encontrar o seu caminho. Lá embaixo, pegou uma banana da tigela na cozinha para comer e ir para casa. Nas sombras do foyer, ela se inclinou para deslizar sobre os sapatos. "Deixando sem um adeus?" Ela virou-se para o baixo no som da voz de Blake. Ele deve tê-la seguido baixo, furtivo como um soldado. "Você me assustou." “Sinto muito." Ele murmurou.
  4. 4. 4 Ela deu um passo em sua direção, hesitante. "Não, eu sinto muito por acordá-lo." Ambos estavam mentindo. Ele não gosta quando escapulia, e ela também não. Ele veio para frente enquanto ela se inclinou mais perto. Braços fortes a puxaram para ele. Ela descansou a bochecha contra seu peito nu, seu suspiro de alívio misturado com o dele. Era sempre uma pressão deixá-lo, mesmo sabendo que iria vê-lo outra vez em breve. Talvez porque a sua relação tinha de ser secreta. Sua paixão, seu amor um pelo outro, existia apenas no círculo de seus braços. Ela respirou nele, seu perfume masculino sonolento e almíscar fraco do sexo. Seu corpo ainda cantarolava com a lembrança de seu toque, sua língua. Seu pênis. Que atualmente estava pressionando contra ela quadril. Ela escondeu o sorriso dela contra o seu pescoço. Duro pela manhã foi como um presente de Deus para as mulheres. Suavizou por dormir em todos os lugares, com exceção de lá, duro e pronto. Que bela maneira de começar o dia. Até às seis horas da manhã, ele estava preparado para ela, segurando-a mais apertado quando seu sexo ficou mais quente, seus corpos se comunicavam em uma língua antiga. Seu pulso, seu gemido. Ela apertou os lábios contra a clavícula dele. Ele lotou as costas contra a parede. "Eu tenho que ir." Disse ela, mesmo quando deixou a bolsa cair no chão. Sua carteira caiu aberta sobre o azulejo, canetas espalharam quando o conteúdo derramou, mas ela não se importava com nada quando ele a abraçava desta forma, enquanto a rodeava e doía com ela. Enquanto eles estavam juntos. "Fique comigo. Nunca mais saia." Ele virou suas palavras em ação, empurrando as mãos embaixo sua camisa e puxando-a sobre a cabeça. Ele gemeu ao ver os seios nus. Ela mordeu o lábio. "Eu não conseguia encontrar meu sutiã no escuro." Ele segurou um dos seios com reverência. "Lindo."
  5. 5. 5 Ela se encolheu contra a parede, ansiando por mais. Ele era muito gentil, muito macio. Fez isso em propósito, o bastardo. Sua terna admiração a deixava louca. Ela queria mais e mais e mais rápido, e tudo o que lhe deu foi reverência. Mas ela não estava sem energia elétrica aqui. Seu corpo despertava quando ela estava perto, aquecimento, crescente tenso. Os músculos de seu peito ondulavam sob seu toque. Sua mandíbula se apertou quando ela raspou o polegar levemente em seu mamilo plano. Ele abriu sua calça, e ela deslizou para fora com um esquivar de seus quadris. "Eu realmente tenho que ir." Disse ela, sem fôlego mais dessa vez com muito menos convicção. "Eu sei. Basta dizer adeus." "É isso que eles estão chamando esses dias?" Sua risada foi interrompida quando ele deslizou dois dedos entre as pernas, testando-a e encontrando-a, ela sabia, lisa e pronta. O sexo dela ainda se sentia inchado e macio, ainda não recuperado da batida que tinha lhe dado a ela ontem à noite. Nada como agora. Isto era lento e preguiçoso, mas de alguma forma tão urgente. De alguma maneira mais pungente, quando ele engatou uma de suas pernas em seus quadris. Apenas uma pequena preliminar desta vez. Seus dedos testando-a, sondando-a. Em seguida, ele apontou seu pênis ao seu núcleo. Ela jogou a outra perna ao redor dele, e ele entrou. Ela foi apoiada por os braços ao redor do pescoço dele, por suas amplas mãos sob a bunda dela, pela parede às suas costas. Mantida suspensa em seu pênis, contorcendo-se e desejando e pedindo para ele se mover. Deus, precisava que ele empurrasse dentro dela, mas estava completamente à sua mercê. E às vezes, ele pode ser um bastardo real. A provocação horrível. Ele mordiscou o seu caminho até o pescoço, como se eles estavam indo para sair agora em vez de foder. Ela queria tanto que ficou tensa ‒ ela apertou em torno de seu pênis. Ele rosnou e empurrou dentro dela, profundo e rápido. Ela engasgou-se do choque e pitada de dor.
  6. 6. 6 “Desculpe." Ele murmurou, e ao contrário de antes, ela ouviu verdadeiro arrependimento em sua voz. “Mais. Gosto disso." "Eu vou te machucar." Sim, ela queria isso também. "Foda-me, Blake." Ele estremeceu em seus braços. Sempre adorava quando falou sujo com ele. Ela balançou os quadris, o único movimento que podia fazer. "Foda-me até que não possa levá-lo mais." Seus olhos escuros queimaram. Lentamente, dolorosamente, ele se afastou e mergulhou até o punho. Ambos gemeram com o contato completo e íntimo. Recheada de seu pênis, empalada em seu corpo, e ainda ansiando por mais. Nunca o suficiente. Ela sussurrou em seu ouvido. "Foda-me como se estivesse com raiva de mim." Com um gemido de dor, ele soltou. Ele empurrou-a com força contra a parede e bateu dentro ela. O corpo dela foi realizado ainda, preso por ele, a boca aberta em um grito silencioso e prazer doloroso. Seu pênis se moveu dentro dela, invadindo-a, machucando-a e Deus, ela nunca quis parar. Nunca quis se sentir vazia e nada indesejada novamente. Este era desejo. Ele estava consumindo. Gavinhas de êxtase enfiaram através da rugosidade, provocando o orgasmo, atraindo-o para fora até que ela chorou com a necessidade, até que chamou seu nome. Blake, foda-me, foda- me. Foda-me, Blake. Era um cântico, uma oração, mas ele estava muito longe para ouvi-la, muito acima dela para responder. Ele congelou em um grito sufocado, derramando sua semente dentro dela. A contração de seu pênis dentro do tecido inchado de seu sexo a empurrou de novo. Ela soltou em uma corrida de líquido e gaguejou um gemido, apertando ao redor dele e arrancando um suspiro
  7. 7. 7 assustado dele. Eles se abraçaram no rescaldo, sua carne sensível pulsando contra o outro, seu hálito quente em seu ombro. "Jesus, Erin." Ele se inclinou sobre ela um pouco, ainda balançando em um ritmo preguiçoso. "Você me matou com isso. Fodeu a vida de dentro de mim." Sua risada saiu rouca. "Isso é porque você não deveria estar acordado ainda." "Então volte para a cama." "Eu tenho que ir à livraria. Eles terão os livros didáticos indicados hoje, e as atribuições dos professores. Talvez eu vá ver o seu nome lá em cima." "Não me lembre." Ele gentilmente a baixou para o chão. "Isso vai ser incrível, eu prometo. Ainda há tempo para você praticar sua palestra em mim." "Você fica entediada quando perco a minha merda sobre Tibério Graco." Ele tinha trabalhado sobre isso. Tibério Graco soou como um inteligente e progressivo líder, pelo menos da maneira Blake disse, e era muito deprimente que ele tinha sido violentamente assassinado por isso. Mas a ira de Blake não parecia diluída pelo fato de que isso tivesse acontecido no 2º século aC. "Eu não me importo quando você fala sobre isso." Ela corou, lembrando-se quando ele tinha traduzido alguns insultos sujos do latim. "Especialmente se você ler para mim mais de Epigramas Martial’s." Ele bufou. "Eu devo admitir, história dos EUA carece de certa paixão em relação à de Roma." "Vamos lá, deixe-me ouvir sua palestra." "De jeito nenhum. Eu posso fazer papel de bobo na frente de um bando de estranhos. Não tenho que fazê-lo na frente da minha namorada." Ela não podia ajudá-lo. Sorriu, súbito e amplo. Ele inclinou a cabeça. "O que é isso? Hálito matinal? Você deveria ter me contado." Ela revirou os olhos. "Não, você me chamou de sua namorada."
  8. 8. 8 "O que mais eu devo chamá-la?" "Humm. Sua amiga de foda?" Ele franziu a testa. "Minha amante." "Sua empregada." Com as mãos unidas. Ele descansou sua testa contra a dela. "Meu tudo." Ela suspirou de felicidade. Talvez tudo ficaria bem. Blake se encostou no batente da porta e viu até que suas lanternas vermelhas viraram para a estrada principal. Era melhor que ela saísse. Ele tinha um monte para cuidar, e que seria muita tentação de perder-se em seu corpo, enquanto ela estava por perto. Ela ajudou a arrastá-lo para fora do poço que cavou para si mesmo, e era grato. Mas ele não poderia continuar a usá-la como uma muleta. Já sentiu o despertar de esperança dentro de si, como uma lufada de vento da primavera. Ele se pegaria pensando em algum lugar para levá-la, encaixando nos planos de viagem entre seus termos na universidade. Termos em plural. Como se ele fosse ficar, quando jurou que era apenas temporário. Tudo isso foi muito bem, mas antes que pudesse avançar, ele precisava olhar para trás. Para, finalmente, lidar com o que tinha sido muito fodido em lidar quando ele primeiro retornou casa.
  9. 9. 9 A unidade para o hospital levou 30 minutos, durante os quais ele se preparou. Ainda, conforme as amplas portas automáticas se abriram, o cheiro químico atingiu como um golpe físico. Ele rangeu dentes e entrou. A conversa em surdina entre as enfermeiras, a iluminação fluorescente, as paredes, tudo malva-bege neutro muito fodidamente familiar. Começou a suar frio, sentindo a queimação da dor de suas queimaduras mais uma vez. Meses, ele tinha ficado na cama. Lembrou-se de gritar com a voz rouca para que eles não o tocassem, apenas dessem-lhe mais remédios contra a dor e fossem a merda de distância. Eles não tinham ouvido, apertaram e cutucaram. "Senhor?" Ele piscou. Uma enfermeira no uniforme rosa estava olhando para ele. "Você está bem, senhor?" "Sim. Sim, é claro. Estou à procura de um amigo meu." Ela levou-o para o balcão de informações onde olhou para cima da primeira classe privada Joseph Davis. Blake tinha visitado quando tinha recebido alta, mas, como suspeitava, Joe havia sido transferido para uma sala diferente. A ala completamente diferente, uma mais permanente. Balões rosa e azul na vitrine chamou sua atenção. Ele parou dentro e escolheu um pequeno arranjo de flores coloridas. Joe não se importaria ou notaria, mas ele suspeitava que Sherry estaria lá. O quarto era muito melhor do que o antigo tinha sido. Era grande, com painéis falsa madeira de cerejeira, uma ampla janela com vista para a cidade, e um sofá que provavelmente dobrou como uma cama. Ele evitava a branqueada cama de hospital branca no centro de tudo, cheia de tubulação plástica e segurando o corpo inconsciente de seu amigo. Sherry levantou-se e cumprimentou-o com um sorriso cansado e nenhuma surpresa para marcar os meses que tinha passado. "Blake, como você está? Entre, venha dentro." Ele entregou as flores para Sherry e lhe deu um beijo na bochecha. "Você está ótima. Como está o garoto?"
  10. 10. 10 "Não pense que eu não percebi que você desviou. Mas obrigada. Matt está na escola." "Escola? Jesus. A última vez que o vi, ele estava em fraldas." Ela riu, colocando as flores para baixo pela janela. "Pré-escola. Eles fazem cores e formas e outras coisas, isso é tudo. Apenas duas vezes por semana. Dá-me algum tempo para respirar." "É claro que você precisa de uma pausa. Na verdade, você deveria me deixar contratar alguém. Eu não posso acreditar que não pensei nisso antes." "Blake, você já fez muito por nós." "Eu não estive aqui nos últimos meses." Ela revirou os olhos. "E quem pagou a hipoteca sobre o nosso condomínio?" "Recebi o seu bilhete de agradecimento. Que era doce." Ela assinou seu nome na parte inferior... e dele. Joseph e Sherry Davis. Blake tinha ficado bêbado e surgiu uma semana depois com a mãe de uma ressaca. "Bem, vamos lá. Você pode falar com ele. Eu vou correr e tomar um café. Quer alguma coisa?" "Eu estou bom. Leve o seu tempo." Ela lançou-lhe um sorriso, pegou sua bolsa. A porta se fechou atrás dela. Blake finalmente permitiu que seu olhar encontrasse o centro da sala. Uma base de acordeão e corrimão de plástico. Lençóis brancos finos. Gotas de um saco transparente para sua veia, mantendo-o vivo. Joe não ia querer isso. Blake tinha sugerido isso a Sherry quando ele a visitou em seguida. Pensou que ela teria lhe dado um tapa, então, se ele não tivesse estado enrolado três vezes ao redor com bandagens. Assim aqui estavam. Ele caminhou até o lado da cama e sentou-se. Sherry lhe daria tempo suficiente. Ela poderia nem sempre concordar com o que eles queriam, mas entendia. Soldados. Sobreviventes. Ela era tanto assim. "Ei, cara." Sua voz falhou. Ele limpou a garganta. "Sou eu. Blake." Seu peito estava apertado. Isso foi mais difícil do que ele pensava. Que estava dizendo algo, porque pensou que seria duro prá caralho.
  11. 11. 11 A máquina apitou em segundo plano. Discreto, ele supôs. Ele se perguntou se Joe poderia realmente ouvir algo. Ele se perguntou se o sinal sonoro o estava deixando louco. O rosto de Joe era raspado mais fino e limpo. Ele suportou nenhum dos hematomas e marcas que Blake lembrava. Nenhuma cicatriz. Ao contrário de Blake, as feridas estavam todas lá dentro. Ironia tinha pintado as suas vidas com traços largos, cruéis. Blake não era muito mais velho, mas já tinha passado por alguns turnos. Ele era o corporal, líder de equipe, e mentor ocasional do garoto novo. Joe olhou para ele como se fosse Indiana Jones, e sem perceber totalmente, Blake tinha comido essa merda. Em seguida, eles se conseguiram explodidos. Bem, o rosto de Blake tinha se explodido em sua maioria. Ele tinha acordado em uma prisão escura úmida, encontrando a si mesmo e Joe amarrados como animais. Só então, a coisa mais louca de merda aconteceu. Blake era o comandante. Ele sabia de certa forma de merda que era muito mais valioso. Ele deveria ter tomado o peso do interrogatório. Deveria ter sido o único torturado. Só que ele estava fora de sua mente com a dor das queimaduras, delirante e incoerente. Então eles tinham concentrado toda a sua atenção sobre Joe. Jovem, inocente Joe. Eles foram resgatados em duas semanas. Apenas um pontinho no radar. Duas semanas, 14 dias, 336 horas de tortura. Nos formulários oficiais, ele disse que havia dois sobreviventes. Mas só Blake acordou, seu rosto tão arruinado que sua noiva tinha saído à primeira vista dele. Enquanto isso, Sherry tinha ficado ao lado de Joe todo esse tempo. Ela nunca desistiu, e Joe faria nunca mais acordar, então sim. A ironia era uma cadela. Beep.Beep. Beep. Ele engoliu em seco. "Eu conheci alguém. Erin é seu nome. É muito sério. Ela me faz... bem, ela me faz querer ser melhor. Isso provavelmente soa estranho, porque eu sei que lhe disse tudo sobre Melinda naquela época." Respiração profunda. Ficou mais fácil, ele estava achando, se continuasse. Talvez houvesse uma lição nisso. Basta seguir em frente.
  12. 12. 12 "Não deu certo. Ela me deixou, realmente. Mas estava certa sobre uma coisa. Nós não poderíamos ter voltado para a forma como as coisas eram." Ele não tinha compreendido isso em primeiro lugar. Nem mesmo quando ela não havia chegado para buscá-lo no hospital, depois que ele foi lançado. Ao contrário, ela estava esperando na porta de sua casa. Ele tinha sido tão sobrecarregado e só depois de meses na maldita cama de hospital. Puxou-a em seus braços. Ela não o tinha abraçado de volta. Então ele percebeu a bagagem. "Eu sei que sou um idiota mesmo para falar com você sobre isso. Começo a andar e viver minha vida. Uma diferente. Eu gostaria de poder dar isso a você, cara. Desejei por tanto tempo que eu pudesse trocar de lugar com você." Mas ele não podia, e assim por um tempo, ele parou de viver sua própria vida. Beep.Beep. Beep. "Sherry parece ótima, por sinal. Realmente... " Firme. Leal. Tipo. E foi muito estranho sentindo-se qualquer quantidade de inveja para um homem em coma. "Realmente adorável. Assim como você disse." Através da janela, podia ver as nuvens cinzentas que pesavam sobre a cidade. Iria chover mais tarde. "Eu sinto muito que me levou tanto tempo para voltar. Eu estava sendo um idiota, mas você provavelmente percebeu isso agora. Vou tentar ser melhor. Checarei Sherry e o garoto mais vezes. Está tudo bem por aqui, assim você... você não precisa se preocupar. Apenas se concentre em conseguir melhor." Ele estendeu a mão e apertou a mão de Joe antes que deixou. Sherry estava fora da sala, conversando com as enfermeiras. Ele a abraçou em adeus e prometeu visitar em uma semana. Isso tinha sido um tipo de mentira, o que ele disse para Joe. Apenas se concentre em melhorar. As probabilidades, ele nunca iria ficar melhor. Os médicos haviam dito isso. Sherry tinha se recusado a acreditar nisso. E talvez Blake não acreditasse muito nisso também. Enquanto caminhava para o dia nublado, ele se sentiu um pouco mais leve.
  13. 13. 13
  14. 14. 14 CAPÍTULO DOISCAPÍTULO DOISCAPÍTULO DOISCAPÍTULO DOIS Erin sempre soube que ia para a escola de pós-graduação, mesmo na escola, apesar de ninguém em sua família ter ido para a faculdade em tudo. Ela queria trabalhar na esfera política, por trás das cenas. E embora estivesse preparada para fazer trabalho pesado no fundo, ela apontou superior. Seu mestrado seria uma declaração de intenções, dizendo ao mundo e a si mesma, que ela era malditamente séria. Ela voltou para seu apartamento no auge das horas de manhã. A pequena cozinha ficou em silêncio e alegre, fluindo sol através das janelas. Isto estava começando a parecer estranho para ela. Ela tinha passado as últimas noites na casa de Blake. Um banho quente lavaria qualquer traço de relação amorosa de Blake de seu corpo. Ela mudou-se silenciosamente para não acordar sua colega de quarto, a concessão de Courtney alguns minutos extras de sono. Em breve seria o suficiente, ela não podia esperar mais. Ela bateu na porta de leve, apenas no caso de Courtney já haver se levantado. Quando não ouviu nada, ela entrou. Sua amiga estava enrolada nos lençóis, roncando suavemente. "Acorde, dorminhoca. Tempo para obter os nossos livros." Mais algumas tentativas foram necessárias antes de um travesseiro foi lançado para ela. Ela pegou-o e jogou-o de volta para o pé da cama. "Vamos lá. Para cima e para eles." Courtney olhou para ela. "Você é má." "Ei, se você quiser dirigir ao campus por si mesma..." "Não, eu estou em cima." "Tudo bem, porque ainda não está se movendo."
  15. 15. 15 "A qualquer momento, eu juro." "Sinto muito, querida. Eu não faria isso com você, mas sabe que vai ficar sem, se não obtivermos cedo." Isso não era estritamente verdadeiro. A livraria da universidade nunca correu para fora dos livros exigidos ‒ apenas as cópias usadas, que foram todas que Erin podia pagar. Um semestre Erin não tinha o suficiente para cobrir o total de quinhentos dólares. Courtney tinha se oferecido para comprar um dos livros com o seu cartão, dizendo que seus pais nunca notariam. Mas mesmo se ela pagasse o dinheiro de volta, sentia muito parecido com caridade. Então Erin tinha visitado a biblioteca todos os dias e usar a cópia em casa para suas atribuições. Courtney se arrastou para fora da cama e tropeçou até o banheiro. Erin voltou à cozinha e olhou para as notas do seu trabalho de pesquisa, enquanto esperava. Em dez minutos, a amiga surgiu com o cabelo úmido, calça de moletom e uma camiseta regata, que disse: não odeie, em brilhantes letras. Óculos escuros protegia os olhos, embora ela ainda estivesse dentro de casa. Ela parecia uma estrela de rock saindo para lutar contra o paparazzi. Erin conteve uma gargalhada. "É ruim, hein?" Courtney mostrou a língua. Ela estremeceu quando entraram no sol e fizeram o seu caminho para o carro de Erin. "Eu não cheguei em casa até três. E é por isso Jägermeister1 é uma má ideia, rapazes e garotas." "Eu acho que já ouvi isso antes de PSA." Erin disse, puxando para fora do estacionamento. "Sim, bem, eu não consigo aprender a lição. Além disso, Derek estava lá, então as coisas ficaram um pouco loucas." 1 Um licor preto de alcaçuz.
  16. 16. 16 Derek era ex de Courtney... e é claro que ele estava lá. Alguns disseram que não era festa até que ele chegou, então Erin perguntou por que ela continuou com eles. Só que ela sabia exatamente o porquê. Eles foram ‘dentro novamente e fora novamente’, e Courtney preferia que eles fossem adiante. Novamente. "Você sabe que deve deixá-lo sozinho." Ela deu a Erin um olhar que disse que sua ressaca ainda era forte. "Você é quem fala. Namorada do professor." "Ele não é meu professor." "Ohh." Courtney disse em zombaria. "Nesse caso, está tudo ótimo. Então, acho que você disse a sua mãe sobre ele." Erin lançou-lhe um olhar, e Courtney riu. Não, ela não tinha contado a sua mãe. Ele só iria fazer com que ela se preocupasse. "Eu vou dizer a ela em breve. Ela pode encontrá-lo quando chegar para a formatura." Sua mãe pode estar irritada quando descobrisse quanto tempo eles estavam namorando, mas ela viria ao redor, especialmente uma vez que conhecesse Blake. "Ei, eu estou apenas dando-lhe um tempo difícil. Acho que é uma coisa boa. Todo mundo precisa fazer algo um pouco selvagem, enquanto eles estão na faculdade. Ou no meu caso, muitas coisas." "Mas você sempre me disse que era uma má ideia." "Claro, após o fato. Geralmente é divertido enquanto está acontecendo. Faça como eu, não o que eu digo." "Hmm." Embora ela não tivesse imaginado que apenas um ano atrás, ela estava realmente seguindo divertir-se ‒ impulso, entregando-se aos passos de Courtney. Ultrapassando-os realmente, porque mesmo Courtney não tinha batido um professor. Isso não a incomodava por conta própria. Ela nunca tinha tido um defensor da propriedade, e do jeito que se sentia por Blake superava quaisquer preocupações persistentes sobre o estatuto. Mas manter isso em segredo cruzava alguma linha que ela não tinha percebido
  17. 17. 17 que tinha desenhado. A velha Erin tinha colocado sua mãe e faculdade, carreira em primeiro lugar. Esta nova Erin... ela não sabia mais. A única que foi fodida contra uma parede de madrugada. Quem era ela? Foi muito divertido e emocionante, mas tudo tinha que equilibrar no universo. A infância de roupas de segunda mão e mochilas costuradas, até ensinou-lhe que nada veio de graça. Então, o que ela estava em negociação para essa nova bem-aventurança? O estacionamento já estava cheio de caras, carros brilhantes e estudantes bocejando fazendo o seu caminho para a entrada da livraria da universidade. Dentro, ela e Courtney se separaram em meio as estantes de metal e grandes caixas de livros didáticos. Elas claramente chegaram com tempo de sobra. O lugar parecia bem abastecido e, além disso, Erin só tinha um livro para descobrir. Seus outros créditos foram para sua pesquisa. Não precisava de livro didático para isso, assim muitos, muitos livros regulares na biblioteca que ela praticamente memorizava até agora. Ela se sentia culpada por Courtney correndo para fora da porta. Tinha sido hábito e um caso de início precoce de nostalgia que ela tinha pressa por aqui. Quatro anos de graduação e dois de pós-graduação. Ela iria sentir falta deste lugar. Arrastou o dedo ao longo das estantes metálicas frescas, sentindo a ponta dura, onde uma parava e a próxima começava. A escola foi muito bem decorada, com lindas mesas de carvalho e piso de madeira. Mas o porão da livraria, onde os livros foram mantidos, era pouco mais do que um armazém. Estranhamente, se sentiu mais confortável aqui, passeando através de torres de livros. Ela encontrou o corredor direito e fez seu caminho para baixo. Ah, ali estava. Quantitativa e Ciência Política analítica. Sua última classe oficial, sem contar com a sua investigação. Ela examinou o pequeno papel impresso. Seu coração gaguejou. Dr. Blake Morris. Ela leu novamente. Isso não podia estar certo. Mas, oh Deus, oh Deus, é claro que era ele. O nome do professor havia sido deixado em branco quando ela se registrou para o curso. Não era incomum.
  18. 18. 18 Os professores titulares tiveram seus cursos preferidos para ensinar, mas o pessoal auxiliar foi fazendo malabarismos em torno de cada semestre. Este foi o curso que o tinham contratado para ensinar. Sua classe. Sua especialidade era história dos EUA! Ela tinha acabado de assumir... Ele não tinha mencionado os romanos...? Oh Deus. Ela estava tão ferrada. Suas palavras anteriores a Courtney voltaram a ela em uma corrida doente. Ele não é meu professor. Ela sentia que ia vomitar tudo sobre os livros brilhantes. Em transe, ela pagou pelo livro e tropeçou fora do meio-fio. Olhou para o cascalho solto na rua, as ervas daninhas cutucando-se entre as lajes de concreto. Courtney encontrou. "Ei, eu procurei em todo lugar dentro." "Sinto muito." Sua amiga sentou-se ao lado dela. "O que há de errado, querida? Você está pálida como... bem, como eu provavelmente estou agora. Mas isso é porque o meu nível de álcool no sangue ainda está através do telhado, o mais provável." Erin forçou um pequeno sorriso. "É sua classe. O que ele está ensinando. O que eu estou tomando." Ela estava balbuciando, mas Courtney teve a imagem. "Merda, você está falando sério? O que vai fazer?" Bem, essa era a questão. Blake tinha assinado um contrato para ministrar este curso. Sua reputação e futuro profissional dependiam dele para seguir adiante. Talvez também sua sanidade, considerando como ele tinha sido confinado por tanto tempo. Para não mencionar todos os alunos que seriam presos se ele desistiu. E ela... ela precisava dessa classe de pós-graduação. Poderia colocá-lo fora, esperar mais um semestre? Ela odiava que estava mesmo considerando atrasar sua formatura. Objetivamente ela sabia. A situação de Blake era muito mais pesada e precária. Sua vida seria pouco alterada se formasse no final deste verão ou após o segundo semestre invés. Mas só de pensar sobre isso a
  19. 19. 19 fez queimar. Ela tinha trabalhado muito duro para isso. Sua mãe tinha trabalhado muito malditamente duro dar-lhe essa oportunidade. Além disso, ela queria desesperadamente estar em pé de igualdade com Blake. Isso só poderia acontecer uma vez que ela se formasse. "Nada." Ela finalmente disse. "Eu não vou fazer nada." Courtney olhou para ela. "Mas ele vai ser seu professor. Como, na mesma sala de aula." "Eu sei." "Ele vai classificar você, Erin." "Eu sei. Ele vai fazê-lo de forma justa. Ele não seria capaz de fazê-lo de outra maneira." Courtney parecia duvidosa. "Acho que você está subestimando o poder persuasivo das nossas partes meninas, mas vamos deixar isso de lado por um minuto. Você não acha que seria um pouco... Eu não sei, desconfortável? Ele vai ser seu professor. Não me odeie, mas é uma espécie de desligar." Erin quase riu. Sua posição era um enorme tesão por ela. Eles tinham o papel desempenhado algumas vezes antes. Sempre brincalhão e provocante, nunca com qualquer força real por trás das palavras. Mesmo agora, ela imaginou que ele ficaria incrivelmente quente de pé lá em cima, em palestras. Essa foi uma das razões que ela queria que ele praticasse com ela. Só que ele não queria que ela visse. Essa foi a pior parte. Ele não queria que ela visse esse lado dele, o verdadeiro lado, por uma tarde, e agora ela se sentaria em sua sala de aula todos os dias, durante seis semanas. Ao menos era só isso, e não um semestre inteiro. Ela não tinha certeza de que qualquer um deles poderia sobreviver três meses do mesmo. "Olha, eu o empurrei para fazer isso. Ele não queria. Ele fez isso por mim. Portanto, agora se ele desiste e tem de lidar com a reação profissional, que vai ser minha culpa. Eu me sinto horrível por isso, e mesmo se ele não num primeiro momento, pode acabar se ressentindo de mim. Inferno, ele deve se ressentir de mim." "Estou ressentindo um pouco." Courtney ofereceu. "Obrigada." Erin disse secamente.
  20. 20. 20 "Ok, mas e se ele apenas explica que há um conflito de interesses? Certamente eles não vão segurar contra ele, se tem uma boa razão." "Eles provavelmente manteriam o seu contrato e deixar-me-iam cair a partir da classe. Além disso, eu não posso constrangê-lo dessa maneira. Todo mundo iria descobrir. Temos que manter isso em segredo até que me forme. Então, eles podem dizer o que quiserem. É por isso que eu preciso tomar esta classe. Mais cedo ou mais tarde." "Oh, querida. Eu não quero que isso seja algo que você se arrependa. É bom ser selvagem e ter muito sexo e todo o jazz. Acredite em mim, eu sei. Se fosse comigo, eu faria isso num piscar de olhos. Eu tinha fazendo piadas sujas por toda classe. Passaria notas e usaria minhas saias mais curtas na linha de frente. Mas isso não é você." Não, isso não era Erin. Ela fez sexo no escritório da universidade de Blake, apenas uma vez, e não era provável que voltasse a acontecer. Ela gostava de ser selvagem e ter muito sexo e todo o jazz, como Courtney tinha colocado, mas ela preferiu-o na privacidade da casa de Blake. Deste modo, eles foram bem correspondidos. Ele viveu como um recluso, e ela queria isolar-se com ele. Mas o mundo se intrometia e exigia a sua devida. E exigiu que ele ensinasse esta classe e ela tomá-lo-ia. Não é um grande pergunta, realmente. Ela tratou pior. Hey, pode até ser divertido. E educacional. Ela tinha apostado que ele era um grande professor. Tão, pensativo e entusiasta e severo quando era justificado. Oh Deus, o pensamento dele repreendendo a fez quente.
  21. 21. 21 Ela estava escondendo algo. Blake sabia disso, mas ele não se sentia obrigado a empurrá- la. Ele tinha feito o jantar. Spaghetti não foi uma refeição gourmet, mas foi um passo acima de comida prá viagem ou pizza. Ele tinha mesmo cavado na parte de trás de sua despensa por uma garrafa de vinho. Eles estavam desfrutando de uma noite tranquila. Ela iria dizer-lhe o que precisava quando fosse o momento certo. Agora mais do que nunca, ele sabia o quanto queria ficar com ela. Sabia disso com um osso de profundidade em certeza. Desde a sua visita a Joe, alguma da urgência havia desaparecido. Essa unidade de possuí-la, segurar como se ela pudesse escapar não estavam cerradas com força suficiente. Aqui na sua atual doce companhia, ele viu as coisas com mais clareza ‒ com um pouco mais de fé no futuro. Ela tomou um gole. "Isso é bom. É um vinho especial?" Ele ergueu as sobrancelhas. "Como especial?" "Eu não sei. Você parece ser o tipo de cara que saberia sobre vinhos. Rótulos e degustações e outras coisas." Ele deu de ombros. "É Merlot. Minha mãe é a entusiasta do vinho, e eu quero dizer isso, na melhor e pior maneira. Mas isso não tem nada a ver com quem eu sou. Eu vou servir Kool- Aid próxima vez, se você quiser." Ela sorriu. "Você bebe Kool-Aid?" "O todo mundo gosta de Kool-Aid. É um grampo da infância." "Oh meu Deus, você deve ter sido uma criança adorável. Eu posso ver isso. Pequeno Blake usando cordas e suspensórios." Ele bufou. "Exatamente quantos anos você acha que eu tenho?" "Eu não sei... mas velho." Ela piscou inocentemente. "Como trinta anos?" Ele jogou a casca de seu pão para ela. Ela abaixou-se, rindo. "Trinta e um?"
  22. 22. 22 Escondendo seu sorriso debaixo de uma carranca, ele virou a mesa. "Eu posso ser velho, mas eu ainda sou forte o suficiente para lidar com uma menina tagarela." "Sentindo-se ágil, você?" "É isso." Ele ergueu o corpo da cadeira e levou-a para a sala de estar. Não a deixou mesmo quando a jogou para o sofá. Seguiu-a e ele achava que esta era a só refutação lógica de suas acusações, cócegas até que ela estava sem fôlego e ofegante em seus braços. Exatamente como ele gostava dela, rindo e tão fodidamente perfeita que fez seu coração doer. Ele se afastou um pouco, sentindo-se estranhamente reticente, como se não pudesse deixar-se chegar muito longe. Que era louco, porque esta era Erin. Sua Erin, sua namorada. Seu sorriso desapareceu. Ela colocou uma mão em sua bochecha, acariciando delicadamente. "O que há de errado?" Perguntou ela. "Nada. Sinto muito." "Não o mantenha de mim, seja o que for. Lembra-se? Cada parte de você e todas as partes de mim." Ela olhou para ele na penumbra transbordando da sala de jantar. Seu dourado escuro cabelo emoldurou seu rosto contra o couro marrom do sofá. Ele desejou que seus olhos não fossem tão grandes, os lábios não fossem tão cheios. Ele desejou que pudesse se virar. Em vez disso, ele olhou para trás, sua mente correndo com palavras: quão fiel, leal e gentil. Quão linda. Ele entendeu isso agora. Portanto, muito mais do que quando ela olhou ou falou, no entanto, era parte dela. Cada parte dela, e ele queria afogar-se em cada doce, triste polegada. "Você é tão linda." Disse ele grosso, porque era tudo o que poderia dizer. Algo brilhou em seus olhos. Cautela. Culpa? O que ela estava escondendo dele? Mas ela o beijou, apertou os lábios exuberantes ao dele, e ele a deixou. Deixou-a escorregar na invisível venda sobre seus olhos e deixou-a, deixou-a, porque ele confiava nela.
  23. 23. 23 Mesmo que isso fez dele um idiota, precisava confiar nesse lugar escuro onde ele tinha sido espancado e queimado, e saído mais forte desta vez. Ela tinha um gosto levemente de vinho, rico e aveludado. Ele reconheceu notas de chocolate e frutas vermelhas, porque ele era exatamente como todas, como ela achava que ele era. Ele só tinha Kool-Aid em ocasiões, tinha ido para a casa de amigos, mas isso foi tudo no passado. Desde antes. Não tinha morrido naquele maldito obstáculo, mas ele renasceu. Ele era um homem diferente agora, um melhor. Ele enfiou a mão por trás do pescoço, deleitando-se com os fios de seda entre os dedos, embalou a nuca delicada na palma da mão. Sentia-se impregnado com sua suavidade, machucado e espancado por ela. Como ela poderia aceitá-lo tão completamente? Mas ela fez. Ela apertou o rosto contra ele, bem onde foi mais massacrado. Sua pele estava fria, acalmando-o. Marcando-o, como se quisesse fazer por ela. Ele levantou-se, deixando-a esparramada e lânguida no sofá. O vestido roxo que usava abraçou suas curvas e cavalgou até as coxas, ele tinha que ir. Ele puxou-o, cuidando para não puxar seu cabelo e não deixá-lo. Sutiã e calcinha foram os próximos de modo que ela estava deitada no macio, couro fresco vestindo apenas seus saltos negros. Se ele pudesse pintá-la assim, o faria. Fazê-la ficar nessa posição durante horas, enquanto estava atrás do escudo de um cavalete, capturando uma parte dela para si mesmo. Ao contrário, ele só poderia olhá-la, queimando a memória em seu cérebro. Mas inferno, que ele nunca esqueceria. Ele sabia cada cor de sua pele, desde o rosa dos mamilos para a porcelana pálida de sua barriga. O declive bronzeado de seu ombro e os cabelos dourados por trás do pescoço. Ele a tinha catalogado como o mais diligente dos pesquisadores, deixando pequenas notas rabiscadas nas margens. Aqui ela é sensível, mas gosta de ser lambida. E lá, Deus, ele pode gozar ali. Um breve aperto de seu punho disse a ela para ficar. Ele pegou um copo de vinho da mesa de jantar. É um vinho especial? Ela perguntou, e sim que era. Ele nunca mais seria capaz de provar sem saboreá-la também.
  24. 24. 24 Ele mergulhou seu dedo indicador na bebida e tocou-lhe o mamilo, permitindo que o líquido vermelho profundo cobrisse sua pele enrugada. Ele destinou-se a pintá-la em todo começo, mas desejo impaciente tinha-lhe abocanhando o peito, agitando a língua ao redor da ponta, e chupando-a. O outro era delicioso, bem como, o vinho seco, temperado contrastando com o sabor doce, fresco dela. Seus olhos estavam nebulosos com excitação. Suas pernas tinham caído abertas no suntuoso abandono. Toma-me, disseram eles, e sim fodidamente, ele ia. Ele inclinou o copo e despejou uma pequena poça em sua barriga. Músculos tremeram sob seus lábios enquanto ele rodou-o, mergulhando a língua em seu umbigo. Suas pernas estavam agora, um de seus pés no chão, o outro avançando até a volta do sofá. Ela estava lhe pedindo para tocá-la, implorando-lhe com seu corpo. Ele colocou o copo de vinho na mesa de café. Ela gemeu. "Por favor, Blake." Jesus. Ele adorava o som dela, tudo que disse, tudo o que ela não disse. "Shh." Ele acalmou. Ele gostava de fazê-la gozar, mas ela estava queimando agora. Na borda. Ele poderia trazê-la acima, mas apenas com paciência. Colocou um travesseiro sob a cabeça dela antes de derramar suas roupas. Ela olhou por debaixo da dourada ponta dos cílios, um pequeno sorriso, apreciativo no rosto. Debruçando-se sobre o sofá, ele apontou seu pênis em sua boca. Ela se abriu para ele, obediente, seu olhar escuro sacudindo-se com ele. O calor úmido, o desejo ardente em seus olhos, era como um vício para suas bolas, envolvendo-se tão apertado que quase gozou logo em seguida. Ele fechou os olhos e forçou a volta. Ainda não. Sua língua girava em torno da cabeça de seu pênis. Sua boca sempre foi incrível, mas era mais pungente agora que ela tinha conhecimento de seu corpo. Ele não tinha sido o único tomar notas. Ela deslizou sua língua ao longo da fenda, e as estrelas floresceram por trás de suas pálpebras. Raspou a parte inferior com a palma da sua língua, e ele gemeu, longo e baixo.
  25. 25. 25 "Porra, bebê. Foda-se." Ela chupou avidamente, puxando-o, e seus quadris se movem para frente de sua própria vontade. Ele encontrou o seu caminho para dentro, empurrando com pequenas estocadas, em seu caminho para o calor incrível. Isso não era suficiente. Ela ainda estava puxando-o, a sucção um pequeno apelo feminino. Ele levantou uma sobrancelha. "Quer mais?" Com os lábios em volta do seu pau, ela balançou a cabeça. Ele tocou seu rosto. "Eu não tenho certeza de que há espaço em sua boca doce." Ela gemeu em súplica. Mudando sua postura sobre o sofá, ele empurrou mais longe, usando um controle maior, agora que ele ia de profundidade. Seus olhos se arregalaram, mas ele continuou. Mantendo enchendo-a até que sentiu a resistência na parte de trás de sua garganta. Ele ouviu suas respirações profundas, as provas de seu foco. Ele mudou-se para sair, mas ela agarrou a parte de trás das coxas, as palmas das mãos escorregadias de sua transpiração e sua. Ele balançou-se ali mesmo, mantendo a posição dentro, seus olhos rolando para trás, a sensação ao longo de seu pau. Faíscas de prazer percorreram sua espinha e até a base de seu pênis, mas ele arrancou-se longe de seu calor úmido. Agora. Ela estava mole em seus braços enquanto a ergueu. Ele a colocou sobre o braço do sofá para que suas mãos e rosto pudessem descansar no assento do banco e sua bunda estava exposta a ele. Ela tinha menos controle desta forma, então quando tocou dois dedos dentro de sua boceta inchada, ela gritou, mas não se mexeu. Dificilmente poderia empurrar de volta contra ele em tudo, seus dedos cavaram o tapete de pelúcia abaixo deles. A visão dela foi de tirar o fôlego, dobras brilhantes toda aberta para ele. Gorda, molhada e pronta para ele. Ele pegou o copo de vinho e definiu no lábio curva à direita na base da bunda dela, enviando riachos de líquido sobre o buraco enrugado e para o vale de seu sexo. O líquido parecia preto contra o couro sob sua boceta. Algumas gotas escuras pousaram no tapete, mas ele
  26. 26. 26 não deu à mínima. Inclinou-se para dentro. O primeiro gosto dela era vinho apenas perante os tons de seu sabor espiou. Seus gemidos eram um acompanhamento sensual para a refeição que ele fez com ela. Seu pênis pulsava, desesperado para substituir a sua língua, mas ignorou. Ele lambeu e chupou até que todos os vestígios da bebida saborosa tinham ido embora e ele estava desenhando mais líquido dentro ela. Suas bolas foram contraídas apertadas, seu pênis dolorido. Ele se levantou e se inclinou sobre ela, afastando o cabelo do rosto. "Você está pronta, querida?" Ela choramingou. Ele mergulhou dentro dela, rápido e profundo. Seu grito foi abafado pelo couro. Impulsionado e desesperado, ele se afastou antes de empurrar para dentro. Todo o seu controle evaporou, a sua misericórdia para ela desaparecida em ação. Ele só podia foder tão duro quanto precisava e esperava que ela pudesse levá-lo. Ela soluçou suavemente, com as mãos apertando em nada ao lado de sua cabeça. Ele mudou de ângulo, empurrando para baixo, onde sabia que ela precisava. Ela gozou com um grito de lamento e uma onda de calor ao redor de seu pênis. Novamente. Ele não desistiu, não diminuiu ou mudou a maldita coisa só deixou-a escalar o pico, até que ela gozou com um som quebrado e mais líquido, mais calor. Ele queria drená-la, usá-la para cima, foder com ela por tanto tempo e com tanta força que ela nunca iria sair. Ele espalhou as bochechas macias da bunda dela além, admirando a vista. O broto de seu traseiro, seu lábios abertos para ele. Cada parte dela. Ele sentiu as mãos apertarem, e forçou a relaxar. Fechou os olhos e deixou-se ir, perdeu-se no aperto de sua vagina, se afogando nos sons indefesos que ela fez. Seu orgasmo apertou o cerco em torno de seu pau, e ele congelou, chorando a voz rouca quando se esvaziou dentro dela, enquanto dava tudo para ela. Cada parte dele.
  27. 27. 27 Ele arquejou sobre suas costas, estremecendo as réplicas apertando. Com pesar, ele retirou-se de seu corpo e a ajudou se levantar. Puxou-a para o sofá, embalando o corpo com o seu, enquanto ela prendeu a respiração. "Eu não te machuquei, não é? Não fui longe demais?" Ela parecia drogada. "Vamos fazer desse jeito o tempo todo." Seus lábios se curvaram em um sorriso nos momentos antes de sono arrastar para baixo.
  28. 28. 28 CAPÍTULO TRÊSCAPÍTULO TRÊSCAPÍTULO TRÊSCAPÍTULO TRÊS Erin definiu o queixo no peito de Blake, apreciando os cabelos masculinos grossos que faziam cócegas e o aroma fresco de sabão e almíscar dele. Em algum momento desde o jantar, ele a tinha acordado gentilmente. Tinham tropeçado no banheiro antes de cair na cama, juntos novamente. Era o momento, no entanto. Tempo para abordar o assunto, que poderia acabar com isso. Terminá-lo. "Está nervoso?" Ela perguntou, referindo-se a sua próxima tarefa ensino da maneira mais vaga possível. Ele manteve os olhos fechados, mas a mudança inquieta de seus membros, deu-lhe a distância. "Por quê? Devo estar?" Não, mas ela estava. Acreditava que ele seria incrível como um professor, e tudo o que aconteceu com sua classe, ela iria lidar. Mas esse trabalho de ensino foi o seu primeiro passo na direção de viver novamente. Ela não iria tirar isso dele. Nem sequer arriscar com a sua presença. "Você não tem que ir até o fim. Se você não quiser." Ele abriu os olhos em seguida. Sua expressão era guardada. "Ninguém vai saber que estamos juntos." Afirmou categoricamente. "Você não precisa se preocupar que as pessoas iriam julgá-la por..." Seu estômago se apertou. Por dormir com ele, porque ele tinha cicatrizes no rosto. Ela virou-se em seu peito, para que ele não visse o brilho de emoção que a pegou de surpresa. Seu coração quebrou um pouco a cada vez que ele colocou para baixo assim. E ainda tinha razões válidas para acreditar que o mundo se preocupava com sua aparência... porque o mundo se importava. Porque sua noiva tinha terminado com ele, porque seus pais tinham
  29. 29. 29 lamentado como se ele tivesse morrido em vez de sobrevivido. Porque a sua carreira inteira seguia os passos de seu pai como um senador havia detonado, antes mesmo de começar. O mundo se importava, e ela não iria mentir para ele. "Você sabe que eu não tenho vergonha de você." Sua voz foi abafada. Seria melhor olhá- lo no olho quando disse isso, mas ele pode interpretar mal a simpatia lá como pena. Ele já tinha tido o seu orgulho despojado dele. Ela nunca pegaria o que lhe havia sobrado. "Eu sou uma má escolha para você em todos os sentidos, Erin, mas dane-se se eu vou deixá-la sozinha." Ela olhou para cima novamente, sentindo um sorriso triste tocar seu rosto. "Eu tenho que te contar uma coisa. Eu não estou indo me formar neste semestre." Seu rosto escureceu. "Que diabos você está falando?" Quando ele olhou irritado, a pele mutilada ficou congelada enquanto o outro lado de seu rosto reduzia. Um efeito estranho, mas uma analogia apropriada, pois parte dele foi congelada em um lugar de dor e tristeza, enquanto o resto do corpo se esforçou para seguir em frente. Ela acariciou sua têmpora lisa, porque a outra iria apenas torná-lo autoconsciente. "Não é apenas a hora certa. Mais um semestre não vai me matar." Ele freou sua surpresa. "Ok, explique-me. O que não está certo sobre a hora?" "Eu não vou ter o suficiente para pagar os estudos, é uma coisa. Costumo fazer o parcelamento, mas não posso contar com o suficiente neste momento." Ela fez uma pausa, preparando-se. "Desde que eu não posso trabalhar mais aqui." Ele ficou em silêncio por um momento. Mesmo quando ele falou, sua voz era aparentemente tranquila. "Temos conversado sobre isso." "Sim, nós fizemos. Você disse que não havia problema em continuar trabalhando aqui... e eu discordo." "O que há para discordar? Você limpava a minha casa antes de começarmos qualquer coisa. Não é como se o emprego dependesse de você dormir comigo. Eu nunca dei nenhum problema, não é? Nunca reclamei de seu trabalho."
  30. 30. 30 "É exatamente isso. Você reclamaria se precisasse, sabendo que isso iria interferir com nosso relacionamento?" Ele revirou os olhos. "Essa conversa é... isso está me deixando louco. Eu não quero que você trabalhe para mim, Erin. Eu quero que você more comigo. Deixe-me cobrir a sua última aula do semestre. Não é um muito para lidar com isso." Ela olhou para ele em choque. Eles nunca discutiram sua vida aqui. Por um momento ela permitiu-se imaginar. A bela e confortável casa, que poderia voltar no final de um dia de escola. Leitura fora no convés, observando a terra arborizada atrás onde os cervos foram ocasionalmente manchados. Escalada para a cama com ele todas as noites. Deus, ela queria muito isso. Mas não era assim. "Absolutamente não." Disse ela. "Por que não?" "Porque não é bom para você cuidar de mim dessa maneira. Depois que eu me formar e tiver um trabalho regular, então vou considerar me deslocar dentro. E pagar a minha parte das coisas." "Jesus, Erin." "Isso é razoável. É assim que as pessoas fazem as coisas." Ele balançou a cabeça. "Eu não sou o patrão de sua mãe. Não estou indo para tentar tirar vantagem de você." Ela recuou, retirando-se dele, permitindo que o ar entre eles a esfriasse. "Isso não é justo. Isto não é sobre ela." Embora sua mãe também tivesse limpado casas e algo de ruim tinha ido para baixo com uma de seus clientes. Um dia sua mãe tinha sido abruptamente demitida e voltado para casa com olhos vermelho e contusões em seus pulsos. Então talvez isso fosse sobre sua mãe, só um pouco. Que homem tinha aproveitado de sua posição de uma forma que Blake nunca faria isso, mas ela não estava totalmente confortável com a vida sob o controle de um homem.
  31. 31. 31 O relacionamento deles já era irregular, mas não da maneira que ele pensava. Não porque ela era linda e ele estava assustado. Em vez disso, ele era mais velho e ela era mais jovem. Ele veio de uma família rica, enquanto ela recitou um número na linha de merenda escolar. Ele era inteligente e talentoso, mesmo que atualmente vivia em reclusão, e ela era apenas mais uma aluna de graduação. Pagando o seu próprio caminho com ele era importante. Assim, mesmo quando ele se sentou e tomou suas mãos na dele, ela fortaleceu-se. "Fica comigo." Disse ele com uma nota, suave em sua voz, e ela quase, quase quebrou nisso. O que mais poderia querer do que estar com ele? Sem dinheiro ou escola ou franzindo a testa em desaprovação da sociedade para bloqueá-los. "Eu não me importo como podemos trabalhar com isso. Eu não me importo com o dinheiro. Toma-o, eu vou assinar todo para você. Você será dona da casa, e eu posso viver aqui na sua misericórdia." Ela sorriu então, com essa ideia tola. Dela como uma herdeira e ele curvando-se para os pés dela. Sim, bobo, mas também doce, porque acreditava que ele realmente não se importava. Mas, tanto quanto amava quanto ela sabia que ele entendia a tragédia neste mundo, sabia que só o pensamento do dinheiro não importava. Ele nunca tinha tido que exortar sua mãe chamando a polícia, apenas para ter sua mãe explicando que se ela fizesse um barulho, quaisquer outros trabalhos na cidade iriam embora. Embora ele nunca fosse abusar dela, não poderia lhe dar esse tipo de poder sobre ela. "Há outra razão pela qual eu não posso me formar neste semestre." "Diga-me." Ele apertou-lhe as mãos, confortando-a mesmo quando o empurrou. "Lembra que eu te disse que precisava de uma classe à parte para minha tese?" Quando ele assentiu, ela continuou: "Bem, uma delas não tinha um professor listado quando me inscrevi. Aconteceu antes. Às vezes as coisas não são finalizadas no início e preenchidas mais tarde. Então, quando eu fui para a livraria, vi que tinham preenchido o nome do professor. Alguém novo."
  32. 32. 32 Ele olhou para ela. "Merda." "Sim. Foi você. Acho que faz sentido... um curso de discussão de nível sênior. Eu deveria ter colocado-o juntos mais cedo, mas pensei que você estava indo para ensinar história.” Ele balançou a cabeça. "Eu vou parar de lecionar." "Você não pode! Você mesmo disse que eles precisam de você para ensinar este curso. Se eles têm que cancelá-lo, eu ainda não serei capaz de me formar neste semestre e nem os outros alunos levando-o." "Merda." Ele repetiu. Com isso, ela sorriu. Ele não xingava muitas vezes, de modo que ela sabia que ele estava quase sem palavras para fazê-lo duas vezes seguidas. "Está tudo bem. Não me importo. Estou feliz que você está indo lá, encontrar o seu lugar de direito. Isso é mais importante do que a data exata que me formarei." "É mais do que isso, Erin. Você trabalhou muito para isso. Eu vi o quão duro tem trabalhado, tanto estudando e limpando a minha casa, para que você possa pagar a taxa de matrícula." "Eu posso esperar." "E o que vamos fazer, colocar a nossa relação em espera por um ano, de modo que você possa mudar e pagar a sua maneira comigo? Não." Disse ele, como se isso decidisse-o, e talvez ele fez. Ele era forte dessa forma, e ela era... bem, estava tão desapontada por não formar no tempo. "Você sabe que não é permitido." Ele deu de ombros. "Provavelmente não, mas já decidimos não contar a ninguém. É do negócio de ninguém, além do nosso." Ela deu-lhe um olhar cético. "Estou surpresa que você ficaria bem com isso." "Eu não me sinto confortável com isso. Mas estou empenhado em fazer isso, e tenho certeza que não vou permitir que você coloque sua vida em espera por minha causa. As regras são projetadas para proteger as pessoas de serem perseguidas, mas não é o caso aqui."
  33. 33. 33 Um sorriso inclinou os lábios. "Você não se sente nem um pouco incomodado? Quer dizer, eu fiz sexo com você em seu escritório." Ele a puxou para o seu colo e a beijou. Seus lábios se moveram contra ela quando ele murmurou, "Agora, isso não pode acontecer novamente." "A razão suficiente para chamar essa coisa toda. Porque isso foi uma loucura quente." Rolou-os de forma que ele montou sobre ela. Suas mãos estavam presas pela sua, seu corpo preso. E Deus, seu sexo apertou. "Acho que posso encontrar um substituto." Ele murmurou, deslizando para baixo e abrindo as pernas largas. "Oh, Deus." Ela engasgou. Então se juntou o suficiente para ronronar. "Oh, Professor Morris." Ele gemeu. "Você não pode me chamar assim na sala de aula ou eu vou..." "Ou você vai o quê?" "Você pode não gostar do que acontece." Ele colocou os lábios em seu sexo e começou a fazê-la gostar muito de fato. Ela jogou a cabeça no travesseiro, submersa com o prazer, tirando o ar dela, até tudo o que podia cantar era o seu nome. Sem jogos e sem barreiras. Oh, Blake. Ela amava o que aconteceu com ele. Toda vez, todos os sentidos. No lado de fora que ele era um homem sombrio, escuro e sério. Tudo o que ele precisava era de um fogo carbonizado solar ou vento nas falésias para completar o quadro. Mas o homem dentro era muito diferente... muito mais leve. Ele brincava com ela, ele ria. Ele jogava com ela à beira da resistência e, em seguida, deu-lhe mais do que tinha imaginado. Mesmo agora ele encontrou uma maneira de fazer isso de novo. Sua língua contra o clitóris, como se pudesse sempre envelhecer. Mas isto não era como o tempo antes ou a um antigo. Ele beliscou o interior das coxas e depois acalmou com uma deliciosa lambida na sua pele avermelhada. Ele bateu nos lábios de seu sexo tão rapidamente, que ela achava que não tivesse feito isso em tudo, até que o choque e o prazer correu por sua espinha. "Sem mais provocações." Ela engasgou.
  34. 34. 34 "Você tem certeza? Acho que você gosta da provocação." "Eu não posso. Eu não posso." Dois dedos entraram nela, hospedados diretamente no local, e foi demais. Longe demais, então ela arqueou-se para cima, gritando: "Espere. Pare." "Bem, o que é isso? Devo parar ou fazer com que você goze?" "Por favor, Blake." Ela ouviu seu fôlego. Quando ele falou, sua voz tinha caído duas oitavas. "Sim. Mais uma vez." "Blake." Sua mente era um borrão, no centro de um furacão e observando o redemoinho da tempestade ao seu redor. Ela não poderia ter movido, e Deus, não queria. Ele era a calma e o ataque todos de uma vez, tanto pacífico e trágico, ao mesmo tempo belo em seu próprio caminho. "Por favor." "Diga isso de novo." Disse ele, e ela não conseguia se lembrar o que ele queria. "Mais. Sim." Ela balbuciou. "Blake." Ele empurrou os joelhos para cima e para trás com as duas mãos. "Diga, por favor, Blake." Ela era incapaz de se mover assim, com as pernas dobradas contra o peito, vinculada às restrições apertadas de seu próprio corpo e suas mãos inflexíveis sobre os joelhos. "Por favor." Ela engoliu em seco. "Blake." "Mais uma vez". Ela soluçava baixinho. "Por favor, Blake." Sem retirar as mãos de suas pernas, ele alinhou seu pênis. A cabeça ampla parecia impossível e ela tão exposta. Em um impulso suave, empurrou dentro. Ele deu-lhe exatamente o que queria, como ele sempre faria. Seja na cama ou na vida, se seu corpo ou seu coração, ela sempre podia confiar nele para cumpri-lo. Ele derramou dentro dela, seu amor e admiração, deixando apenas um pouco de espaço para dúvidas. Um lugar muito pequeno, onde ela esperava que estivesse fazendo o mesmo bom para ele.
  35. 35. 35 Blake olhou para suas anotações de aula. Novamente. Ele já sabia que o que continha no esboço de trás para frente. Ele podia teorizar e expor por horas em todos os pontos listados e tinha feito, em trocas de emails e telefonemas com velhos amigos, e alguns novos em sua reclusão desde a explosão. Ele sabia das nuances do material, ele se sentia apaixonadamente sobre o impacto da vida real. Na gíria de Erin, ele tinha isso na fechadura. Mas não conseguia afastar a inquietação. Esse medo que ele estava cometendo um erro. O medo de que tudo explodisse em seu rosto, no entanto, que já havia acontecido literalmente. O que poderia ser pior que a dor das queimaduras de primeiro grau e perdendo seus companheiros em uma única explosão? De ter sua noiva quebrando as coisas fora, quando ele voltou para casa e perder a capacidade de seguir os passos de seu pai como um senador? Tudo o que tinha que fazer agora era ficar na frente de trinta estudantes de graduação e ignorar a forma como os olhares fariam nervosamente dardejar longe de seu rosto. A pequena sala de aula tinha uma única mesa grande com cadeiras reunida em torno e confusas para os cantos. A mesa foi na frente, mas a efeito total era íntimo. Perfeito para as discussões que eram comuns em aulas avançadas de pós-graduação. Um pouco perto demais para conforto, considerando.
  36. 36. 36 Talvez os nervos tivessem mais a ver com certa aluna em particular. Deus, Erin. Ele era louco por ela. Ela precisava dessa classe e que ele precisava desse trabalho desta chance de voltar a entrar na sociedade, um tempo parcial, temporário. Ele olhou para os estatutos das universidades para ter certeza, e, surpreendentemente, não havia nenhuma linguagem específica proibindo-o. Ainda assim, ele assumiu que a cláusula sobre comportamento profissional impediria tudo o que ele fez com o doce corpo todas as noites. E, novamente, na manhã seguinte. Foda-se. Ele deveria sair. Confessar um conflito de interesses com o reitor e sair. E deixá-los pendurados com ninguém para ensinar este curso... Foi suicídio profissional. Ele ficaria na lista negra de todas as universidades do país. Para não mencionar todos os alunos cujos horários e planos de graduação que dariam errados, se essa classe não desse certo. Incluindo Erin. Mas se algo fosse errado... Ele ficou de pé. Sairia e lidaria com as coisas como sempre fazia ‒ cabeceando dentro. Qualquer coisa era melhor que pôr em risco seu relacionamento com ela. Os papéis deslizaram a esmo sobre a mesa de jacarandá lascada quando levantou. Determinado agora, ele enfiou todo o pacote em sua pasta. Seus sapatos sussurraram no arranhado piso de madeira. Ele abriu a antiga porta pesada e quase correu diretamente para Melinda. Melinda, a mulher que uma vez tinha amado. A noiva que o tinha abandonado quando viu seu rosto e percebeu que ele nunca iria viver até a promessa de serviço público. A pessoa que tinha ido em sua casa naquela noite e feito-se em casa. Ele não teve tempo para esta merda, e quase passou por ela e continuou andando. Mas então se lembrou do rosto de Erin quando viu Melinda em sua casa. Erin tinha sido ferida pela antiga namorada babaca, mas ninguém estaria preocupado com a situação. Melinda tinha sido sua noiva, pelo amor de Deus, e ela de repente estava aparecendo em sua casa? Ele teve que cortar o mal pela raiz. Frustrado, ele praticamente rosnou, "Entre. Feche a porta, antes que alguém chegue aqui."
  37. 37. 37 Ela sorriu, baixando as pálpebras. "Tudo o que você disser, Blake. Eu sempre gostei quando você me dava ordens." Ele balançou a cabeça. "Não é bem assim, Melinda. Você e eu estamos feitos, exatamente como eu disse a você quando veio ao meu escritório. Achei que compreendeu então, mas aparentemente não. Que diabos você estava pensando em quebrar na minha casa?" Ela fez beicinho. "Eu tenho minha antiga chave. De qualquer forma, percebi que cometi um erro em deixá-lo ir." Sua voz caiu, da mesma maneira que sempre tinha achado tão sexy. Agora, ele não sentiu nada, além de impaciência e irritação. "Então, me dizendo que eu nunca poderia ser o homem que uma vez tinha amado... que foi um erro?" Ela ergueu as mãos. "Eu não sabia como lidar com isso. Foi difícil, ok?" Ele sentiu uma agitação de simpatia. A situação toda tinha sido uma bagunça do caralho. Ele não queria para julgá-la muito duramente por correr. Ele sabia muito bem que a explosão o tinha arruinado, e era muito mais do que o rosto. Mas isso não significava que eles poderiam voltar o relógio. Ele nem sequer queria. "Está tudo acabado entre nós. Eu segui em frente." Seus olhos se estreitaram. "Portanto, há outra mulher." Aborrecimento agarrou para ele. "Eu não me importo com o que você diz a si mesma sobre isso. Você pode me pintar como o monstro. Deus sabe que eu já olhei para o lado. Mas nós não estamos fazendo isso. Eu tive as fechaduras mudadas. Se você mostrar-se de novo, vou chamar a polícia." Ela arregalou os olhos, narinas inflaram. Pelo menos ele finalmente fez o seu ponto. "Tudo bem." Ela grunhiu. "Eu só estava fazendo isso para ser agradável. Você é patético mesmo assim, andando em torno do campus sem vergonha. Você não percebe que todo mundo está olhando para você?" Infelizmente, ele fez. "Estamos terminados aqui."
  38. 38. 38 Ela lhe deu um sorriso malicioso. "O que eu estou mesmo falando? Ninguém sairia com você agora, a menos que você pague. Eu só estou aqui porque sua mãe me ligou, preocupada com o seu pequeno menino." Jesus. Querida velha mãe que nunca tinha dado em cima dele como o pai tinha. "Você terminou?" "Vou Vê-lo no baile da Faculdade. Você não vai perder, não é?” Seu sorriso deixou claro que ela esperava que ele se escondesse. "Claro que não." O brilho em seus olhos era sanguinário. "Eu olharei para frente." "Assim como eu." Depois que ela saiu, ele deixou os olhos fecharem, uma pequena liberação de sua frustração. Pelo menos essa parte foi terminada. O lado do rosto queimado com a dor familiar, e diariamente uma dose pequena, mas real de humilhação. Andando campus sem vergonha. Passos se aproximaram. Era tarde demais para recuar agora. Inferno, já tinha sido muito tarde. Com um sentimento de naufrágio, ele deu um passo para trás, dois estudantes explodiram dentro. Estavam claramente no meio de uma conversa, uma animação de suas palavras com as mãos, o outro com a cabeça para baixo, olhando seu telefone enquanto andava. A menina viu pela primeira vez. Ela parou. E engoliu. O menino olhou para o primeiro, a boca aberta no meio da frase. Então ele viu Blake e sua boca se abriu. Blake tentou limpar o ar. "Eu sou Professor Morris. Vou ensinar neste curso. Peguem uma cadeira, vamos começar em um minuto." Ele encontrou um sorriso, aquele que era utilizado para colocar as pessoas à vontade. Seu mundo tinha sido dividido em antes e depois. Antes, ele poderia encantar qualquer um com aquele sorriso. Agora, ele sabia, parecia mais como uma careta. O menino parecia se recuperar melhor. Ele afastou-o com um aceno de saudação, antes de pegar sua mochila e pegar um assento. A menina pegou um pouco mais difícil, olhando para sua cara, como se fosse um
  39. 39. 39 quebra-cabeça para ela resolver. Blake forçou o sorriso para ficar no lugar e apertou seus dentes. Ela finalmente virou-se para ter um assento ao lado de seu amigo, quando Erin entrou todo o ar sugado para fora da sala, como sempre fazia quando Erin estava próxima. A explosão quase lhe trouxe baixo, mas não era nada comparado com o que ela fez com ele. As cicatrizes foram uma frustração, a dor constante uma espécie prolongada de tortura. Mas a dor que ela poderia entregar o devastaria. E ela não estava olhando para ele. Sua cabeça estava para baixo quando passou por ele, deixando apenas o perfume doce de Erin em seu rastro. Ela tomou o lugar mais distante na parte de trás, mas a sala era pequena, o suficiente para que eles ainda estivessem perto. Mesmo quando ela descompactou um caderno e caneta, sempre evitou contato visual. Ele franziu a testa. Eles concordaram em não dar no seu relacionamento, mas isto foi extremo. Ele provavelmente sugeria um comportamento inadequado mais flertar abertamente teria feito. Não, era mais de circunspecção. Alguma coisa estava errada. E ele teve que sentar-se através de toda uma classe, antes que pudesse perguntar-lhe o que era.
  40. 40. 40 CAPÍTULO QUATROCAPÍTULO QUATROCAPÍTULO QUATROCAPÍTULO QUATRO Erin focou em alinhar suas canetas ao lado do caderno. Ela virou a página aberta para uma limpa. Ok, ela estava protelando. Porque Blake estava olhando para ela com curiosidade e não poderia enfrentá-lo neste exato momento, e não com os outros estudantes entre eles. Seu olhar era uma força puxando-a para si, uma pergunta que ela se sentiu obrigada a responder. Finalmente um novo aluno entrou, e ele voltou sua atenção para longe. Ela sentiu um arrepio correspondente à perda. Praticamente correu de encontro com o seu orientador, esperando que pudesse fazê-lo aqui, antes de qualquer outra pessoa e desejar sorte a Blake. Ela derrapou até parar, sem fôlego, quando ouviu a voz da professora Jenkins dentro com ele. Ela tinha soado, nesse punhado de palavras, como se lhe pedisse para ir ao baile da faculdade. E ele aceitou. Mesmo sabendo que ele não faria isso com ela. Encontrando-os juntos, ela piscou de volta para aquela noite que tinha visto a mulher na casa de Blake. E obteve um ressurgimento dessa mesma velha raiva. Mesmo após a professora Jenkins ter saído, parecendo bastante irritada em seu próprio direito, Erin havia permanecido no corredor. Ela não queria que ele a visse dessa maneira. Confiava que quando ouvisse a história completa, tudo estaria bem. Mas, entretanto, tudo o que ela sentia era triste. Somente quando dois outros estudantes entraram ela tinha sido capaz de passear por dentro e fingir indiferença. Alguém tomou o assento ao lado dela. Ela olhou para cima. Um rosto sorridente. "Eu não sabia que você estaria aqui." Disse ele. "É bom ver um rosto familiar, apesar de tudo." Ela sorriu. "Jeremy. Não te vi fora do escritório do Dr. Miller?"
  41. 41. 41 "Eu queria pegá-la depois, mas você saiu tão rapidamente." Ela corou, pensando exatamente no que estava com tanta pressa para ver. "Não queria estar atrasada. Primeiro dia e tudo." "Qual é o problema com esse cara?" Ele perguntou, e ela levou um minuto para registrar que ele foi falando de Blake. Professor Morris, recordou-se. "O que tem ele?" "Seu rosto, é uma coisa." Quando ela fez uma careta, ele rapidamente continuou. "E de onde ele veio? Esta é uma classe de nível avançado. Eu não posso acreditar que eles deram para um novo professor adjunto." "Isso provavelmente significa que eles têm muita fé nele." A defesa surpreendeu. Ela tinha que ver isso, se não queria que as pessoas adivinhassem que tinha algo acontecendo. Jeremy olhou para ela especulativamente. "Claro. Seja o que for." Ele tirou um laptop e conectou para a parede atrás deles. "Além disso, apenas mais um semestre e eu estou fora daqui." Ela sorriu. Agora que poderia se relacionar. "Eu também." "Cara, eu não posso esperar. Eu estou tão feito com este lugar." Ela estava lá com ele. Com seu diploma, finalmente seria capaz de se sustentar em mais de empréstimos. Ela finalmente seria capaz de suportar mais do que um apartamento de merda compartilhado. Será que realmente culpava Blake para falar com a professora Jenkins ou querer vê-la fora das horas de trabalho? Ela era igual a ele. Erin queria isso também. Ela deu uma olhada para ele. Ele tinha ido de volta para sua mesa e aberto a maleta. Os papéis dentro pareciam amassados e desorganizados. Isso era diferente dele. Distante um zumbido sinalizou o início da aula. Os edifícios mais recentes não têm sinos, mas isso foi um dos edifícios mais históricos no campus, o que significava que o mobiliário foi todo riscado e A/C era constantemente discriminado. O zumbido baixo da conversa caiu em
  42. 42. 42 silêncio expectativa. Blake pousou os papéis e deu a volta na mesa com as mãos vazias. Ele virou uma das cadeiras ao redor e montou-a. De certa forma, encontrando-os todos como iguais. O coração dela se suavizou. Deve ter sido difícil para ele enfrentar todos no mesmo nível, sem o escudo ou adereços que a maioria dos professores utilizavam, mesmo aqueles sem cicatrizes. Mas ele não estava mostrando qualquer nervosismo. Ele parecia calmo, competente. Como um professor experiente em vez de um homem que tinha sido rasgado, física e emocionalmente. Como um soldado. Ele se apresentou como Professor Morris, mas me chamem de Blake. Ela sorriu para isso. Ele disse algo semelhante a ela no início, quando apareceu para limpar a sua casa, embora tinha sido Sr. Morris. Naquela época, ela resistiu instintivamente, reconhecendo que a intimidade entre eles poderia crescer como um incêndio. Então, ele sempre foi Sr. Morris para ela... até que dormiram juntos. Agora ele era Blake. Ele falou com um barítono suave, fácil de ouvir e entender quando foi até os dogmas da classe, o cronograma e o trabalho de pesquisa que explicaria a maior parte de seu grau. Todos, incluindo Erin, anotaram a informação. "Ok, vamos ao que interessa. Disseram-me que o livro de classe foi listado com a informação da matrícula." Ela tinha sido a única a dizer isso a ele. Em seu dia, eles só tinham conseguido as informações sobre o primeiro dia de aula. Foi assim que ele disse isso também em meu dia. Ela riu. Como se ele fosse antigo em vez de apenas dez anos mais velho. Pegou o livro junto com o resto da classe. Os livros estavam em um círculo na mesa, sem abrir. Ele parou por um momento, como se estivesse pensando. "Isto não é uma aula de questões. Eu espero que vocês fiquem atualizados com o que está acontecendo na esfera política... e se apeguem até por algum motivo que for na sequência da
  43. 43. 43 notícia nos últimos cinco anos. Mas eu não vou dizer-lhe como se sentirem sobre a eutanásia ou se devem apoiar um candidato que fumou maconha. Esse é o seu trabalho para descobrir, como cidadão e como graduados estimados deste programa. Essa classe é sobre dar-lhe os meios para transmitir esses sentimentos e seu apoio. A linguagem. As ferramentas." Outra pausa, e em qualquer outra classe, não iria baralhar os estudantes, se virariam, desinteressados, para seus telefones. Em vez disso, havia apenas silêncio pensativo. Erin se encontrou pensando também. Quais as ferramentas que ela tinha? Responsabilidade como cidadão... aqueles eram palavras fortes, mas ele disse-lhes sem rancor ou julgamento. Com certo sentimento de confiança, como se acreditasse que um grupo de estudantes universitários de ressaca realmente viria com as respostas certas por conta própria. "Qual é o seu nome?" Perguntou a um dos meninos na frente dela. "Uh, Allen." "Allen, você pode ler o primeiro parágrafo do primeiro capítulo, por favor?" Páginas farfalharam quando todos abriram a página certa. O título do capítulo disse: PRECEDENTES. Allen leu em voz alta: "Um precedente é um evento anterior ou ação considerada como um exemplo ou orientar a ser considerado em circunstâncias similares, ou um princípio estabelecido em uma situação anterior que podem ser aplicados a processos posteriores com as circunstâncias semelhantes." "Hmm." Disse Blake. "Essa é uma definição perfeitamente caiada de branco, mas acho que podemos fazer melhor do que isso. Quem quer experimentá-lo?" O quarto foi tranquilo. Blake esperou. Finalmente Jeremy falou do seu lado. "É uma forma de explicar o comportamento atual com base sobre algo que aconteceu no passado." "Excelente. Enquadrar o presente com o passado. Qual é a vantagem de fazer isso?" "Se alguma coisa era verdade, então, em seguida, ele afirma que isso será verdade novamente." Outro estudante forneceu.
  44. 44. 44 "Usando o passado como contexto. Bom." "Coerência." Disse um rapaz com cara de mal-humorada. "As regras são estabelecidas e seguidas." "Sim. Certo. O que mais?" Quando ninguém respondeu, ele continuou: "Por que é precedente tal importante ferramenta que o coloca de frente e no centro, do primeiro capítulo do livro?" Erin olhou para as páginas brancas lustrosas com tinta negra. Algumas frases tiveram destaque do proprietário anterior. Havia um monte de pequenos textos, mas nada para dar a ela um indício de por que este foi a primeira, ou mesmo importante em tudo. Blake parecia resolver, apoiando os cotovelos no encosto da cadeira na frente dele. "Houve um tempo em que ninguém poderia igualar o poder de Roma." Ele começou. "Aquele que chegou perto foi Cartago, com a sua posição comercial vantajosa e cultura bem desenvolvida. Infelizmente, os romanos consideravam os cartagineses como selvagens e uma ameaça ao seu modo de vida. Ou então eles reivindicaram. Na verdade, eles simplesmente queriam a riqueza de Cartago. Então, em sequência de uma inspeção da cidade e da paisagem circundante, uma comissão Romana relatou para o Senado ‘uma abundância de materiais de construção naval’ e reivindicou que os cartagineses tinham construído a sua frota em violação do tratado. " Blake parou sua história e chegou a voltar para tomar um gole de água. Esse momento de silêncio parecia dar a menina em frente a Erin coragem. "Você está inclinado." Ela deixou escapar. Quando trinta rostos voltaram para ela, corou, parecendo que queria levá-lo de volta. Blake virou-se para ela também, sem se ofender. "Como assim?" Ele perguntou suavemente. "Você está nos dizendo as suas motivações, que os romanos realmente só queriam sua riqueza, mas você não sabe o que. Talvez eles acreditassem que as outras pessoas eram uma ameaça."
  45. 45. 45 "Talvez. E isso é um benefício de história, podemos olhar para dentro de seus escritos privados e suas memórias. Podemos ter uma ideia firme do que eles pensavam fora de seus discursos públicos. Ao contrário dos eventos atuais, em que tudo o que temos é a opinião pública." "Outro benefício do precedente." Erin disse debaixo de sua respiração. Ele lhe deu um sorriso rápido. "Sim. Exatamente. Agora os cartagineses sabiam que eles iam para obter suas bundas entregues a eles." Um dos rapazes riu com a linguagem aqui. Blake continuou. "Então eles suplicaram ao senado, jurando que não estavam em violação do tratado, prometendo que iriam entregar sem luta.” "Então os romanos inteligente vieram com três desafios. No primeiro, eles pediram trezentos filhos das famílias nobres como cativos. Cartago fê-los passar em um navio. Pelo segundo desafio, que exigiu que Cartago enviasse armaduras e armas. Cartago cumpriu. Quando chegou a hora para o desafio final, o diplomata explicou que aos cartagineses que seria necessário para mover a sua cidade, os prédios, tudo, 10 milhas para a esquerda." Alguém bufou. "Por quê?" “A localização perto do mar havia corrompido o temperamento de Cartago." Disse Blake. "Pelo menos de acordo com o comissário." Risos tranquilos de descrença jogaram para fora na pequena sala. Era ridículo, e ainda assim era real. História. "Aqui Cartago não teve escolha senão recusar. Imaginem movendo toda uma infraestrutura a dez milhas para a esquerda. Era impossível. É evidente que Roma estava procurando uma desculpa para invadir e roubar seus recursos." "Besteira." Disse o rapaz que tinha falado anteriormente, aquele cujo rosto parecia definido em uma carranca perpétua. Ele era muito grande, volumoso, mas também intimidante. A cadeira e mesa que sentava parecia pequena demais para ele. "Desculpe?" Blake perguntou casualmente.
  46. 46. 46 "Eu disse que é besteira. Você disse que não está aqui para nos dizer o que pensa, mas você está fazendo apenas isso." “Você não concorda com a minha representação da Terceira Guerra Púnica?" Ele perguntou. O menino fez um som rude. "Você não está falando de qualquer Guerra Púnica ou romanos, e todos nós sabemos disso." "Então, quem eu estou falando?" "Você está falando sobre a Guerra do Iraque. Sobre Bush. Esta é uma propaganda liberal." "É apenas uma história. Por que isso tem que significar alguma coisa?" "Porque," O menino quebrou. Ele riu suavemente. "Porque é um maldito precedente." Blake cantarolava em concordância e aprovação. "Súmula é útil para uma série de razões, mas história é como nos relacionamos com o mundo, como entendemos a imagem maior. Contei uma história sobre Roma, e que, naturalmente, ligou ao Iraque. Há poder em história. Nunca subestime isso." Ele dirigiu a sua atenção para o livro, mas Erin o sentiu muito mais interessado nestas palavras teóricas, agora que entendeu o pedido. Todos pareciam se juntar ao entusiasmo, mesmo o menino que tinha desafiado Blake antes. Qualquer animosidade havia desaparecido sob a força de curiosidade... e o poder da história. Não, ela provavelmente não subestimaria isso de novo. Nem ela o subestimaria novamente. Ele pode ter sido relutantes em aceitar o trabalho, mas uma vez aqui, não teria reservas sobre a realização de sua plenitude. E o seu máximo foi muito, muito bom. Se ela não o tivesse conhecido antes, tinha certeza que ela ia ter uma grande paixão pelo professor neste momento. Mas o tinha conhecido antes, tinha visto alegre e humilhado. Ela o tinha visto rir com abandono e gozar com um gemido de agonia. Seus sentimentos agora transcenderam uma queda. Eles subiram em amor.
  47. 47. 47 CAPÍTULO CINCOCAPÍTULO CINCOCAPÍTULO CINCOCAPÍTULO CINCO Erin passava os dias em sala de aula ou na biblioteca trabalhando em seu trabalho de pesquisa. Suas noites sempre foram passadas no mesmo lugar, nos braços de Blake. Às vezes, em seu apartamento, mas muito mais vezes em seu lugar, de forma a deixar o sono de sua companheira de quarto em paz. Courtney nunca mencionou o barulho, exceto para manter uma contagem no quadro branco na cozinha de quanto tempo tinha sido, desde que ela tinha sido colocada. As duas sessões de verão foram muito abreviadas. Em vez de reunir duas vezes por semana por um semestre inteiro, eles se encontraram todos os dias durante seis semanas. A próxima coisa que Erin sabia que eles estavam a meio caminho completamente. A meio caminho de seu objetivo e completamente, a cabeça sobre os saltos no amor com Blake. Ela estava preocupada com ele sendo seu professor, mais do que deixou para ele ou Courtney. Mas ele era respeitoso e atencioso para com todos os seus alunos, e ela estava ansiosa para aprender com ele. Tudo foi quase perfeito. Quase, porque ainda tinha que manter as coisas em segredo. Naquela noite, ela se levou para a casa dele. Queria abraçá-lo quando abriu a porta. Seu sorriso era travesso, mantendo tanto uma pergunta para ela e orgulho por um trabalho bem feito. Em vez disso ela foi para um enorme sorriso em troca. Não poderia ter mantido de volta de qualquer maneira. Ele tinha sido incrível em sala de aula, autoritário e relacionável como de costume. "Você foi fantástico. Eu sabia que seria, mas porra. Ainda superou o que eu estava pensando." Ele fechou a porta quando ela passou. "Ninguém saiu correndo gritando, então estou chamando de uma vitória."
  48. 48. 48 Ela revirou os olhos. "Ninguém sequer percebe como você parece mais." Embora ela percebeu como ele parecia agora, ainda vestindo sua calça e camisa, embora ele rolou as mangas. Suas roupas estavam um pouco amarrotadas, o cabelo um pouco bagunçado. Seus olhos percorriam com fome seu corpo, e quando ela encontrou seus olhos, o desejo neles combinava com seu próprio. Ele a apertou contra a parede. O beijo dele disse que não era um bom momento para discussão. Ele exigia coisas dela, coisas como a submissão e doçura, como paixão e diversão, e ela estava muito feliz de dar. Sua língua se lançou em sua boca e em seguida, novamente para fora, viva, e ela foi deixada para perseguir a sua com a sua própria. Sua mão segurou seu pescoço, um toque firme e confortante que se transformou em algo mais sujo quando ele agarrou seu cabelo. Ela engasgou com a sensação. Sua vagina se apertou no tempo com o punho. Sua outra mão deslizou acima de sua cintura, sob a camisa, o contato quente o suficiente para derretê-la na superfície implacável atrás dela. Ele quebrou o beijo, mas continuou a tocá-la, em toda parte, como se tivesse sido meses ou anos, em vez de horas e dias. "É mais difícil do que eu esperava." Ele mordiscou um caminho por seu pescoço. Oh Deus, que se sentia bem. Seus quadris empurraram. "Ensinar a classe?" "Fingir que eu não a conheço." Seu coração se apertou. "Para mim também. Mas estou orgulhosa toda vez que eu vejo você lá." Seu sorriso era quase juvenil. Ela teve um tempo difícil até mesmo em olhar a cicatriz, como algum impedimento específico. Foi o jeito que ele parecia ‒ uma parte dele. A única razão pela qual ela lamentou era porque sabia que isso lhe dava dor. Ele às vezes se afastava e rangia os dentes. Isso vinha e ia, ele disse, como se estivesse queimando tudo de novo, ecos do passado. Ela teria feito qualquer coisa para tirar isso se pudesse. Ela o amava, amava, amava. E ele a amava, tinha certeza disso. Portanto, este negócio de insegurança poderia morrer uma morte feia, na medida em que ela estava preocupada. Não
  49. 49. 49 há razão para mantê-lo responsável, só porque um cara tinha sido um idiota em seu segundo ano. "Eu preciso te dizer uma coisa." Disse ela. Ele levantou uma sobrancelha, e ela continuou. "Ouvi a parte final de sua conversa com a professora Jenkins. No primeiro dia de aula." "Merda." Ele fechou os olhos. "Sinto muito. Eu esperava que você não fosse vê-la lá. Erin, eu juro não..." "Não, está tudo bem. Você não tem de explicar. Eu confio em você, e entendo que ela pode vir falar com você de vez em quando. Vocês compartilham um empregador, pelo menos para o semestre. Então eu não quero que você tenha que se preocupar que eu vá surtar se tiverem uma conversa. Eu mesmo não teria dito nada, só que eu não quero que você sinta como se tivesse que esconder de mim." Ele puxou-a para o sofá. "Eu aprecio seus pontos de vista progressistas sobre o assunto, mas como seu colega de classe diria, besteira." Ela piscou. "O quê?" "Você tem todo o direito de ficar chateada comigo achando assim ou, pelo menos, saber o que falamos. E mesmo se você não insistir nisso, eu quero te dizer. Deixei claro para ela que terminamos. Eu disse que se ela viesse a minha casa de novo, que eu chamaria a polícia sobre ela." "Você realmente disse isso?" Ele deu de ombros. "É a verdade. O que ela fez foi além de impróprio, e eu precisava cortar o mal pela raiz. Para o meu relacionamento com você, mas também para mim. Não posso prometer que nunca vá fazer nada de novo, mas não tenho interesse nela. Nenhum. E tenho certeza que ela não quer nada comigo." Ela arqueou uma sobrancelha. "Definindo um precedente, não é?" Ele riu. "Você vai jogar todas as minhas palestras para mim, não é?" "O mais provável. Por que, você vai ficar de saco cheio comigo?"
  50. 50. 50 "Nunca." Outro beijo, mais suave desta vez. "Fique comigo." A pressão de seus lábios nos dela. "Envolva-se tão apertado que eu nunca precise me preocupar, que eu vá acordar e você não vai estar lá." Como se a obedecê-lo, seus membros se moveram sem pensar, entrelaçando os braços ao redor de seu pescoço, as pernas pegando em torno de suas coxas. Suas costas arqueadas para cima da parede, buscando o comprimento duro e pulso quente dele, tentando ligá-los em toda parte. "Eu nunca vou te deixar." Ela sussurrou. Sentiu-o através de seu jeans, sentiu seu pênis saltar em resposta a suas palavras. Eles foram conectados, as emoções e o sexo. Eles entrelaçaram como seus corpos e corações, não alinhados, mas em vez agarrados, suplicando, implorando. Precisando. Ela estremeceu, em silêncio, suplicando, mas quando sua língua encontrou a batida pesada em seu pescoço, ela gemeu. Ele tinha gosto de almíscar e de homem, como a fé e a irreverência de uma vez. Sua pele aqui não foi prejudicada, ilesa, e ainda áspera. A barba desigual de um homem saudável e vibrante que trabalhou e lutou e resistiu ao mundo antes de encontrar refúgio nos braços. Ele reagiu ao deslizar de sua língua molhada violentamente. Contraiu contra ela, atendo a na parede. "Espere." Ele murmurou. "Um minuto apenas...". Ela não queria esperar. Não queria que ele a leva-se sob controle, enterrando a paixão em algum lugar profundo e inacessível. Ela roçou sua clavícula com os dentes, um instinto animal incitando e distraindo-o. Para tirar a besta dentro dele, e não a pele ferida que pensava que o fazia assim, mas a dura, parte com raiva dele. A parte que ele manteve com cuidado longe dela, em vez de tratá-la como frágil. Como se ela não fosse capaz de lidar com ele ou como se não fosse querer. Ela não podia culpá-lo depois da maneira como a professora Jenkins o havia deixado ficou mais vulnerável. Ele aprendeu a esconder sua dor e frustração. Aprendeu a duvidar de Erin também.
  51. 51. 51 Mas ela era mais forte do que isso. Não era delicada nem facilmente machucada. E era gananciosa. Nada, mas o todo dele seria bom o suficiente. Ela deslizou a mão para baixo no plano de seu peito e barriga, até o pênis coberto de pano abaixo. Ele puxou contra suas calças, restringida por roupas e por ele. No entanto, ela não queria, empurrar muito longe. Isso foi bem no começo, mas agora não. Ela tinha algo a provar e talvez ele também. Ela apertou suavemente, deleitando-se nas respirações que gaguejavam berrando de seu peito, o baixo, gemido de dor que emanava de sua garganta, e, meu Deus, suas mãos ‒ a maneira como empurraram como vigas contra a parede em cada lado da cabeça, esforçando-se com a força de seu desejo e ainda segurando constantemente para que ela pudesse explorar. Tanta força, tanta restrição. Ele era uma tempestade de amarração segurando firmemente em uma caixa de aço, e ela tinha a chave. Com os dedos voando, soltou o cinto e tirou seu pênis. Ele caiu pesadamente em sua palma, queimando contra sua pele. Ela caiu de joelhos e lambeu-o, beijou-o com toda a força e paixão que tinha dado a sua boca apenas alguns segundos antes. Ela chupou um homem antes, tinha mesmo feito isso com ele antes, mas nunca assim. Como fazer com seu pênis, como fazer amor com ele com a boca. Ele era liso e escorregadio em sua língua, o sal fraco mal registrando sob a paixão que a levou. E para seu deleite, ele estava muito apanhado no momento para censurar a si mesmo. Ele deixou cair uma mão e apertou a cabeça, empurrando profundamente no belo ritmo. Isso não era preliminar cuidadosa como eles tinham feito em seu escritório Naquele dia, era rebelde e selvagem, um dilúvio de sexo e sensação. Ele se afastou, puxou-se de volta a ela, ofegante. "Deus, Erin. Deus." Ela afundou de volta para a parede, o frio da laje contra sua pele febril. O ar era espesso e suntuoso, dificuldade para respirar, mas muito nutritivo. "Como você me quer?" Ela perguntou, sua voz baixa.
  52. 52. 52 "Eu estou longe demais depois... Estou na borda, Erin. Deixe-me voltar atrás e então eu vou fazer isso bom para você." "Eu não quero que você faça bom para mim. Eu quero que você salte." Ela estendeu a mão para ele, puxando as calças que pendiam de suas coxas, até suas pernas e tirando completamente, deixando-o descoberto em apenas a uma camisa que estava aberta. As linhas de seu corpo curvaram elegantemente, todo o poder contido, a força nitidamente forjada, exatamente como o homem dentro. Ela acariciou o lado de fora de sua panturrilha, a pele bronzeada e aspersão de cabelo masculino, admirando. Quando olhou para cima, a questão estava em seus olhos, fundamentada. “Por favor?” Ele gemeu, e soava tão terrível, como se algo tivesse morrido, e ela esperava que fosse seu autocontrole. Ele apontou para a sala onde o piso de madeira suavizava para tapete de pelúcia. "Mãos e joelhos." Ela arrastou-se para cumprir, deixando suas roupas quando foi derramando fora delas, como se encontrasse uma nova pele pura fundida a esta. Nada além de sexo e sensualidade. Apenas impotente, intimidade inocente aqui. O tapete sentia arranhado em seus braços, um metal esfregava a escovava em cerâmica. Ela virou-se, oferecendo-se a ele, deixando lavar a vergonha sobre ela e aumentando o dom de si mesma.
  53. 53. 53 Blake teve seu tempo recuperando um preservativo do bolso da calça, deslizando-o sobre a dureza do seu pênis. Sem olhar para ela, ele não poderia. Como Erin tinha feito em sala de aula no primeiro dia com suas canetas e seu caderno, mantendo-se escondida, porque olhar seria demais. Sua beleza também cegava e sua própria fraqueza na linha da frente. Ele queria devastá-la de uma maneira que iria mudá-la, de forma indelével uni-la a ele, para que nenhum deles pudesse libertar-se. Ele estava com medo, no entanto, a tensão ondulando através de seus braços, os murmúrios sombrios de seu coração. Ele poderia ser muito duro assim. Precisava verificar-se mesmo que ela quisesse dar ele completo controle. E se ele a machucasse? E se a assustasse? Mas ele não tinha certeza de que poderia parar a si mesmo. Apenas alertando-se ter cuidado não bastava, não quando todo o seu corpo cerrava para levá-la. Erin se ajoelhou diante dele, a curva de seu traseiro doce, os lábios rosados de seu sexo brilhante. Ele estava faminto por ela, desesperado para estar dentro dela e sobre ela, cercá-la até tudo que respirasse era ele. Tenha cuidado, ele advertiu a si mesmo. Vá devagar. Ele empunhou seu pau e forçou-se a falar de maneira uniforme. "O que você está pensando? Bem agora." Seus olhos se arregalaram. "Sobre você. Como vai se sentir dentro de mim." "Você precisa gozar?" "Sim." Ela respirava. "Quando foi a última vez que você teve-se fora?" Ela piscou. Se ele não estava enganado, um rubor espalhou por suas bochechas, derramando sobre o dorso de seus ombros. "Você quer dizer a última vez que...?" "Não eu. Você. Quanto tempo se passou desde que você tocou a si mesma?" Ela virou o rosto para o tapete, abafando sua resposta. "Esta manhã." Ele acariciou o interior de sua coxa, não querendo que ela se sentisse sozinha nessa e precisando tocar sua pele macia. Não querendo ficar sozinho nessa também. O sangue corria
  54. 54. 54 quente em suas veias, batendo uma batida de urgência e desejo. De posse, embora soubesse que não estava certo. Não era bom. Ela merecia ser valorizada, mas tudo o que ele conseguia pensar era segurá-la e foder com ela. Ela merecia ser adorada, mas ele imaginou todos os seus sonhos pecaminosos sobre seu corpo. Acima de tudo, ela merecia um homem melhor, um inteiro e intacto, mas ele nunca a deixaria ir. A pele sedosa, na parte superior de sua perna já estava úmida. Ele desenhou círculos lá à toa, necessitando para parar antes que ele mergulhasse nela. Antes que a machucasse. Ele aceitaria sua submissão, sua confiança. Usaria seu corpo doce e ao fazê-lo chegar a sua própria felicidade. Egoísta, monstruoso, que ele era. Inclinou para baixo, murmurando as únicas palavras de amor que poderia pensar no momento. "Mostre-me. Faça-se gozar para mim." Com um gemido de aceitação, ela se abaixou. Ele podia ver pálidos flashes quando ela trabalhou os dedos rapidamente em seu clitóris. Luz da noite filtrada das cortinas grossas, uma iluminação tímida de suas curvas deslumbrantes e sombras abaixo. Ele ajoelhou-se atrás dela e inclinou a cabeça. Ela saboreou adorável. Ele chegou mais profundo, empurrando as pernas mais afastadas e investigando-a com sua língua. Ela estremeceu, e o movimento da mão dela acelerou. Ele dirigiu este, mas sentia-se estranhamente impotente. Poderia lambê-la, acariciá-la com a sua língua, mas era ela quem controlava o ritmo, ela que se afagou em direção ao clímax. Isso não era o que pretendia no início, mas seu prazer era sua própria recompensa doce. Ela começou a balançar em um ritmo familiar. Ele agarrou seus quadris para mantê-la estável. Seu duro aperto parecia estimular algo dentro dela. Seus sons eram frenéticos agora, seus dedos desesperados. Ele deslizou seus dois dedos no fecho quente de seu corpo, encontrando o ângulo certo e local perfeito, encontrando seu carinho com a língua através de sua carne inchada.
  55. 55. 55 Ela gritou quando gozou, parecendo desesperada e tão completamente dele que recuou e bateu dentro dela antes que tivesse terminado. Ele empurrou para dentro de novo e de novo, não a deixando relaxar ou encontrar conforto na plenitude. Era diferente do de sempre, e que só pensava estimulou acima. Mais duro. Mais fundo dentro até que ela apertou ao redor dele em uma tentativa de adiamento. Ele não podia, no entanto. Não podia parar, não conseguia respirar. Mais, mais. Ele deslizou a mão ao longo do suor penteando a pele de suas costas e agarrou seu cabelo na base. Puxou contra ele então ela se ajoelhou na posição vertical e ele atrás dela, quase debaixo dela, fodendo para cima. Atingindo sobre ela, encontrou seu clitóris e acariciou-o com o mesmo ritmo que tinha usado em si mesma, tendo aprendido seus segredos agora. Ela suspirou e chorou em seus braços, as mãos úmidas de seu próprio desejo, agarrando- se à seus braços e arranhando ao seu lado, onde quer que pudesse chegar, o que não era muito. Ele a tinha na mão agora, sob seu controle, da forma que tanto odiava e desejava. Ele queria dar- lhe toda sua mansidão apenas para descobrir que não era deixado. Chupou em seu pescoço, deixando marcas para o mundo e para ela, mas principalmente para si mesmo. Para saber que ela era sua e nunca dividiria, não tinha medo. Ainda segurando-a firme com a mão emaranhada em seus cabelos. Ainda circulando o clitóris no tempo com o pulsar de sua vagina ao redor de seu pênis. "Goze." Ele murmurou em seu ouvido. "Goze para mim." "Eu não posso." "Faça-o agora." Ele beliscou seu clitóris, e ela gozou com um grito rouco. Sua vagina apertou-o com força. Ele quase gozou, ainda não, quase. "Mais uma vez." Ele exigiu. "Não mais. Oh Deus, eu realmente não posso." Mas ela podia. Seus músculos internos ainda ondulavam ao seu redor, seu último clímax quase desapareceu.
  56. 56. 56 Ele mordeu o lóbulo da orelha com cuidado. "Eu quero sentir você gozar. Quero que sua boceta doce me esprema, até que eu não possa segurar mais. Quero sentir sua umidade escorrer do meu pau para minhas bolas. Você pode fazer isso por mim, querida?" Ela poderia ter gritado o seu nome, mas o som foi abafado em seus ouvidos quando ela fez exatamente o que ele ordenou. Quando gozou e apertou em seus braços enquanto seu sexo se apertava quase dolorosamente em torno de seu pênis. Sua visão ficou branco, seu corpo rígido. Ele gozou em um momento de êxtase ofuscante e indefeso, necessidade cruel. Com um grito de desespero e libertação. Com o conhecimento que nunca iria sobreviver se ela o deixasse também. Ele curvou para o lado, pegando-a quando ela caiu, ofegante. "Desculpe, desculpe, desculpe." "Não." Sua voz era crua. "Não se atreva a dizer que está arrependido. Não se atreva." Assim, ele não disse isso em voz alta, ele só pensou isso. Sinto muito, mas não posso deixar você ir. Você é minha agora, Deus te ajude.

×