SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
CONASS Debate
PAINEL - Financiamento: Uma proposta de Revisão
da Forma de Transferência dos Recursos Federais
Fundo a Fundo no SUS (Portaria 204/2007 )
Financiamento do
SUS
Brasília, 26 de abril de 2016
Financiamento do SUSFinanciamento do SUS
Introdução
Comparações Internacionais
Gasto em saúde emGasto em saúde em
percentual do PIB mundialpercentual do PIB mundial
2000  7,7%
2012  8,6%
Gasto públicoGasto público
2012  47,5% do gasto total
em saúde no Brasil
World Health Statistics 2015
Comparações Internacionais
PAÍS %
Cuba 94,2
Reino Unido 84,0
Suécia 81,3
França 77,4
Itália 77,3
Alemanha 76,7
Costa Rica 74,7
Espanha 71,7
Canadá 70,1
Argentina 69,3
Portugal 64,0
México 51,8
Chile 47,7
Brasil 47,5
Estados Unidos 47,0
Percentual do Gasto Público em
Relação ao Gasto Total em Saúde
em Países Selecionados, 2012
Fonte: World Health Statistics 2015
Comparações Internacionais
PAÍS
Gasto total
em saúde em
% do PIB
Gasto publico
em saúde em
% do PIB
França 11,6 9,0
Alemanha 11,3 8,7
Cuba 8,6 8,1
Estados Unidos 17,0 8,0
Reino Unido 9,3 7,8
Suécia 9,6 7,8
Canadá 10,9 7,6
Costa Rica 10,1 7,5
Itália 9,2 7,1
Espanha 9,3 6,7
Portugal 9,9 6,3
Argentina 6,8 4,7
Brasil 9,5 4,5
Chile 7,3 3,5
México 6,1 3,2
Fonte: World Health Statistics 2015
Gasto total e gasto público em % do PIB
Evolução dos gastos públicos emEvolução dos gastos públicos em
saúde no Brasil, por esfera de governosaúde no Brasil, por esfera de governo
Ano Federal Estadual Municipal
1993 72% 12% 16%
2000 60% 18,50% 21,50%
2004 49,26% 26,02% 24,72%
2015 43,21% 25,91% 30,88%
Fonte: População Residente - Estimativas para o TCU do IBGE; Dados Federais: Relatório enviado pela Subsecretaria de
Planejamento e Orçamento (SPO)/SE/MS a Cofin/CNS; Dados estaduais e municipais: Sistema de Informações sobre Orçamentos
Públicos em Saúde (SIOPS)/MS.
* Dados de 2015 sujeito a mudanças.
Valores mínimos a serem aplicadosValores mínimos a serem aplicados
em ações e serviços públicos deem ações e serviços públicos de
saúde - ASPSsaúde - ASPS
Ente % mínimo de aplicação em saúde Norma legal
Federal
15% da RCL (13,2%, 13,7%, 14,1%,
14,5% ,15%)
EC 86/15
Estadual 12% da arrecadação dos impostos LC 141/12
Municipal 15% da arrecadação dos impostos LC 141/12
Valores mínimos a serem aplicados emValores mínimos a serem aplicados em
ASPS pela UniãoASPS pela União
% aplicação da União 2016
EC 86/2015 R$ 100,2 bilhões
LC 141/12 (Regra
Anterior)
R$ 106,9 bilhões
- R$ 6,7 bilhões
LOA 2016 - MSLOA 2016 - MS
Total orçamento do MS  R$ 118,4 Bilhões,
ASPS  R$108,9 bilhões
Contingenciamento  R$ 5,8 bilhões
Déficit MS  RS 10,0 bilhões
Bloco
Transferências
Fundo a Fundo
Transferências
Diretas
Total %
Atenção Básica 15.276.411.890 9.156.773 15.285.568.663 20,78
Média e Alta
Complexidade
44.507.414.693 2.044.658.830 46.552.073.523 63,29
Vigilância em
Saúde
1.938.470.453 8.279.785 1.946.750.238 2,65
Assistência
Farmacêutica
1.756.501.187 2.799.856.370 4.556.357.557 6,19
Gestão do SUS 70.532.178 348.673.877 419.206.055 0,57
Diversos - 2.570.479.722 2.570.479.722 3,49
Investim. 2.221.522.975 - 2.221.522.975 3,02
Brasil 65.770.853.376 7.781.105.357 73.551.958.733 100,00
Fonte: SAGE/MS
Transferências Fundo a Fundo e Diretas - Caixa (pagamento), em Grandes Blocos -
2015
De 1988 a 2000De 1988 a 2000
 Vários cenários de crise no financiamento
(empréstimos)
Em 1997  criado o imposto sobre a
movimentação financeira.
EC 29/2000  Estabelece a Vinculação
Constitucional de Receitas para estados,
municípios e DF e o montante para a União
De 2000 a 2012De 2000 a 2012
Lei Complementar 141/2012 regulamentação
De 2012 a 2015De 2012 a 2015
 2 Comissões Especiais
2013 O Movimento Nacional em Defesa da
Saúde Pública (Projeto de Lei Complementar
321/2013)
Lei n. 12.858/13  royalties do petróleo
2015 - Emenda Constitucional 86/2015
(orçamento impositivo)
20162016
 PEC nº 01/2015 (Câmara dos Deputados)
 PEC nº 143/15 (Senado Federal)
Proposta de Emenda à Constituição 1/15Proposta de Emenda à Constituição 1/15
Proposta votada em 1º turno na Câmara dos
Deputados
1º ano = 14,8% da RCL
2º ano = 15,5%
3º ano = 16,2%
4º ano = 16,9%
5º ano = 17,9%
6º ano = 18,3%
7º ano = 19,4%
 Sem emendas obrigatórias
 Com royalties do petróleo
 Lei complementar deverá reavaliar
os critérios e normas para
apuração dos recursos mínimos
exigidos a cada cinco anos
Derrubada do veto aplicado ao § 8o do art.Derrubada do veto aplicado ao § 8o do art.
38 na Lei de Diretrizes Orçamentárias -38 na Lei de Diretrizes Orçamentárias -
LDOLDO
“Durante o exercício de 2016, o montante a ser
aplicado em ações e serviços públicos de saúde
de que trata o § 2o do art. 198 da Constituição não
poderá ser inferior ao valor resultante da aplicação
da regra constante do art. 5º da Lei Complementar
nº 141, de 2012.”
PEC 143/2015 de 04/11/2015PEC 143/2015 de 04/11/2015
 13/04/2015 -Votação em 1º turno no Senado
Federal
 Desvinculados 25% da arrecadação da União,
dos Estados, do Distrito Federal e dos
Municípios (DRU)
 Retira recursos da Saúde
 Não se aplica para efeito do cálculo dos
recursos para manutenção e desenvolvimento
do ensino.
 Excetua-se da desvinculação a arrecadação da
contribuição social do salário-educação
ConclusãoConclusão
•Compromisso com os princípios constitucionais do SUS.
•O SUS como política de Estado – mais de que de governos.
•Necessidade de aumentar os gastos públicos em Saúde no Brasil.
•Redução das desigualdades regionais.
•Novo pacto federativo e reforma tributária.
•Movimento em Defesa do SUS (Saúde + Dez).
•Definição sobre o critério de rateio dos recursos da União, conforme
previsto no artigo 17 da LC 141/2012 e a forma de transferência dos
recursos do Fundo Nacional de Saúde.
•Aumento de recursos no orçamento do Ministério da Saúde
•Melhoria da eficiência da gestão do gasto
OBRIGADA!
Viviane Rocha de Luiz
Fone: (61) 3222 3000
Fax: (61) 3222 3040
site: www.conass.org.br
conass@conass.org.br
vivirochaluiz@conass.org.br
Brasília, 26 de abril de 2016

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Quimioterapia oral: Como estamos? - Raquel Lisbôa
Quimioterapia oral: Como estamos? - Raquel LisbôaQuimioterapia oral: Como estamos? - Raquel Lisbôa
Quimioterapia oral: Como estamos? - Raquel LisbôaOncoguia
 
Modelo gestaosus
Modelo gestaosusModelo gestaosus
Modelo gestaosusRassaPires3
 
Residencia em Farmácia
Residencia em FarmáciaResidencia em Farmácia
Residencia em FarmáciaRodrigo Lima
 
O Futuro do SUS: Desafios e Mudanças Necessárias - Erno Harzheim
O Futuro do SUS: Desafios e Mudanças Necessárias - Erno Harzheim O Futuro do SUS: Desafios e Mudanças Necessárias - Erno Harzheim
O Futuro do SUS: Desafios e Mudanças Necessárias - Erno Harzheim Fundação Fernando Henrique Cardoso
 
6. Novas Legislações decreto presidencial 7508 regulamenta a lei 8080
6. Novas Legislações decreto presidencial 7508 regulamenta a lei 80806. Novas Legislações decreto presidencial 7508 regulamenta a lei 8080
6. Novas Legislações decreto presidencial 7508 regulamenta a lei 8080Leonardo Savassi
 
01 apresentação dr. odorico monteiro - decreto 7.508 e o coap 2 páginas
01  apresentação dr. odorico monteiro - decreto 7.508 e o coap 2 páginas01  apresentação dr. odorico monteiro - decreto 7.508 e o coap 2 páginas
01 apresentação dr. odorico monteiro - decreto 7.508 e o coap 2 páginasAlinebrauna Brauna
 
Lei nº 8.142, de 28 de dezembro de 1990 aula 8
Lei nº 8.142, de 28 de dezembro de 1990 aula 8Lei nº 8.142, de 28 de dezembro de 1990 aula 8
Lei nº 8.142, de 28 de dezembro de 1990 aula 8Als Motta
 

Mais procurados (20)

Desdobramentos da Portaria GM/MS n. 3992/17
Desdobramentos da Portaria GM/MS n. 3992/17Desdobramentos da Portaria GM/MS n. 3992/17
Desdobramentos da Portaria GM/MS n. 3992/17
 
Desafios para o SUS no contexto do capitalismo contemporâneo e sua crise
Desafios para o SUS no contexto do capitalismo contemporâneo e sua criseDesafios para o SUS no contexto do capitalismo contemporâneo e sua crise
Desafios para o SUS no contexto do capitalismo contemporâneo e sua crise
 
O SUS LEGAL
O SUS LEGALO SUS LEGAL
O SUS LEGAL
 
Plataforma de Modernização da Saúde
Plataforma de Modernização da SaúdePlataforma de Modernização da Saúde
Plataforma de Modernização da Saúde
 
Quimioterapia oral: Como estamos? - Raquel Lisbôa
Quimioterapia oral: Como estamos? - Raquel LisbôaQuimioterapia oral: Como estamos? - Raquel Lisbôa
Quimioterapia oral: Como estamos? - Raquel Lisbôa
 
CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – Propostas para a revisão...
CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – Propostas para a revisão...CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – Propostas para a revisão...
CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – Propostas para a revisão...
 
BASE NACIONAL DE DADOS DE AÇÕES E SERVIÇOS DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA - PROP...
BASE NACIONAL DE DADOS DE AÇÕES E SERVIÇOS DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA - PROP...BASE NACIONAL DE DADOS DE AÇÕES E SERVIÇOS DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA - PROP...
BASE NACIONAL DE DADOS DE AÇÕES E SERVIÇOS DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA - PROP...
 
Regulamentação das Transferências de Recursos Federais para o financiamento ...
Regulamentação das Transferências de Recursos Federais  para o financiamento ...Regulamentação das Transferências de Recursos Federais  para o financiamento ...
Regulamentação das Transferências de Recursos Federais para o financiamento ...
 
Experiências NE – Ceará
Experiências NE – CearáExperiências NE – Ceará
Experiências NE – Ceará
 
Regulamentação das Transferências de Recursos Federais para o financiamento ...
Regulamentação das Transferências de Recursos Federais  para o financiamento ...Regulamentação das Transferências de Recursos Federais  para o financiamento ...
Regulamentação das Transferências de Recursos Federais para o financiamento ...
 
Modelo gestaosus
Modelo gestaosusModelo gestaosus
Modelo gestaosus
 
Nefrologia
NefrologiaNefrologia
Nefrologia
 
Residencia em Farmácia
Residencia em FarmáciaResidencia em Farmácia
Residencia em Farmácia
 
O Futuro do SUS: Desafios e Mudanças Necessárias - Erno Harzheim
O Futuro do SUS: Desafios e Mudanças Necessárias - Erno Harzheim O Futuro do SUS: Desafios e Mudanças Necessárias - Erno Harzheim
O Futuro do SUS: Desafios e Mudanças Necessárias - Erno Harzheim
 
Portaria 2849 de 05 12-2011
Portaria 2849 de 05 12-2011Portaria 2849 de 05 12-2011
Portaria 2849 de 05 12-2011
 
6. Novas Legislações decreto presidencial 7508 regulamenta a lei 8080
6. Novas Legislações decreto presidencial 7508 regulamenta a lei 80806. Novas Legislações decreto presidencial 7508 regulamenta a lei 8080
6. Novas Legislações decreto presidencial 7508 regulamenta a lei 8080
 
Portaria 698
Portaria 698Portaria 698
Portaria 698
 
01 apresentação dr. odorico monteiro - decreto 7.508 e o coap 2 páginas
01  apresentação dr. odorico monteiro - decreto 7.508 e o coap 2 páginas01  apresentação dr. odorico monteiro - decreto 7.508 e o coap 2 páginas
01 apresentação dr. odorico monteiro - decreto 7.508 e o coap 2 páginas
 
2ª Assembleia 2017 – Transferências Federais e Fundos de Saúde
2ª Assembleia 2017 – Transferências Federais e Fundos de Saúde2ª Assembleia 2017 – Transferências Federais e Fundos de Saúde
2ª Assembleia 2017 – Transferências Federais e Fundos de Saúde
 
Lei nº 8.142, de 28 de dezembro de 1990 aula 8
Lei nº 8.142, de 28 de dezembro de 1990 aula 8Lei nº 8.142, de 28 de dezembro de 1990 aula 8
Lei nº 8.142, de 28 de dezembro de 1990 aula 8
 

Destaque (6)

Planificação da APS - A fórmula organizadora do sistema local de saúde
Planificação da APS - A fórmula organizadora do sistema local de saúdePlanificação da APS - A fórmula organizadora do sistema local de saúde
Planificação da APS - A fórmula organizadora do sistema local de saúde
 
Laboratório de Planificação da APS no município de Tauá/CE
Laboratório de Planificação da APS no município de Tauá/CELaboratório de Planificação da APS no município de Tauá/CE
Laboratório de Planificação da APS no município de Tauá/CE
 
A ORGANIZAÇÃO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE: A EXPERIÊNCIA DE FORTALEZA
A ORGANIZAÇÃO  DA  ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE:  A EXPERIÊNCIA DE FORTALEZAA ORGANIZAÇÃO  DA  ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE:  A EXPERIÊNCIA DE FORTALEZA
A ORGANIZAÇÃO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE: A EXPERIÊNCIA DE FORTALEZA
 
CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – Gestão Clínica no SUS (E...
CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – Gestão Clínica no SUS (E...CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – Gestão Clínica no SUS (E...
CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – Gestão Clínica no SUS (E...
 
Exposição 02 redes de atenção a saúde
Exposição 02 redes de atenção a saúdeExposição 02 redes de atenção a saúde
Exposição 02 redes de atenção a saúde
 
Gestão Clínica de Medicamentos na Atenção Primária à Saúde
Gestão Clínica de Medicamentos na Atenção Primária à SaúdeGestão Clínica de Medicamentos na Atenção Primária à Saúde
Gestão Clínica de Medicamentos na Atenção Primária à Saúde
 

Semelhante a CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – Financiamento do SUS (Viviane Rocha de Luiz)

O Futuro do SUS: Desafios e Mudanças Necessárias - Edson Correia Araujo
O Futuro do SUS: Desafios e Mudanças Necessárias  - Edson Correia AraujoO Futuro do SUS: Desafios e Mudanças Necessárias  - Edson Correia Araujo
O Futuro do SUS: Desafios e Mudanças Necessárias - Edson Correia AraujoFundação Fernando Henrique Cardoso
 
Aula de financiamento do sistema único de saúde - SUS
Aula de financiamento do sistema único de saúde - SUSAula de financiamento do sistema único de saúde - SUS
Aula de financiamento do sistema único de saúde - SUSCLEITONSANTOSSOARES
 
Banco mundial relatório nº. 36601-br - melhorando a qualidade na saúde
Banco mundial   relatório nº. 36601-br - melhorando a qualidade na saúdeBanco mundial   relatório nº. 36601-br - melhorando a qualidade na saúde
Banco mundial relatório nº. 36601-br - melhorando a qualidade na saúdemaluroc
 
Restabelecer o-crescimento-inclusivo-relatórios-economicos-sa-ocde-brasil-2015
Restabelecer o-crescimento-inclusivo-relatórios-economicos-sa-ocde-brasil-2015Restabelecer o-crescimento-inclusivo-relatórios-economicos-sa-ocde-brasil-2015
Restabelecer o-crescimento-inclusivo-relatórios-economicos-sa-ocde-brasil-2015OECD, Economics Department
 
06.08.2014 mercado de saúde pública - um esboço da radiografia e perpectiva...
06.08.2014   mercado de saúde pública - um esboço da radiografia e perpectiva...06.08.2014   mercado de saúde pública - um esboço da radiografia e perpectiva...
06.08.2014 mercado de saúde pública - um esboço da radiografia e perpectiva...TorrentLaboratory
 
Educação: os desafios para implementar a reforma do Ensino Médio e renovar o ...
Educação: os desafios para implementar a reforma do Ensino Médio e renovar o ...Educação: os desafios para implementar a reforma do Ensino Médio e renovar o ...
Educação: os desafios para implementar a reforma do Ensino Médio e renovar o ...Fundação Fernando Henrique Cardoso
 
Resultado do Tesouro Nacional - Novembro de 2015
Resultado do Tesouro Nacional - Novembro de 2015Resultado do Tesouro Nacional - Novembro de 2015
Resultado do Tesouro Nacional - Novembro de 2015Ministério da Economia
 
Avances y desafíos de la gestión local antonio carlos nard
Avances y desafíos de la gestión local   antonio carlos nardAvances y desafíos de la gestión local   antonio carlos nard
Avances y desafíos de la gestión local antonio carlos nardalamesnucleoecuador
 
Cobertura oncológica - Raquel Lisbôa
Cobertura oncológica - Raquel LisbôaCobertura oncológica - Raquel Lisbôa
Cobertura oncológica - Raquel LisbôaOncoguia
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópiaKarla Toledo
 

Semelhante a CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – Financiamento do SUS (Viviane Rocha de Luiz) (20)

9ª Assembleia – PLOA/MS 2017 e PEC 241/2016
9ª Assembleia – PLOA/MS 2017 e PEC 241/20169ª Assembleia – PLOA/MS 2017 e PEC 241/2016
9ª Assembleia – PLOA/MS 2017 e PEC 241/2016
 
O Futuro do SUS: Desafios e Mudanças Necessárias - Edson Correia Araujo
O Futuro do SUS: Desafios e Mudanças Necessárias  - Edson Correia AraujoO Futuro do SUS: Desafios e Mudanças Necessárias  - Edson Correia Araujo
O Futuro do SUS: Desafios e Mudanças Necessárias - Edson Correia Araujo
 
Gestao por resultados_no_setor_saude
Gestao por resultados_no_setor_saudeGestao por resultados_no_setor_saude
Gestao por resultados_no_setor_saude
 
Como ficam o país e o Nordeste caso a EC 95 não seja derrubada?
Como ficam o país e o Nordeste caso a EC 95 não seja derrubada?Como ficam o país e o Nordeste caso a EC 95 não seja derrubada?
Como ficam o país e o Nordeste caso a EC 95 não seja derrubada?
 
Cenários e tendências - Dr. Mozart de Oliveira Júnior
Cenários e tendências - Dr. Mozart de Oliveira JúniorCenários e tendências - Dr. Mozart de Oliveira Júnior
Cenários e tendências - Dr. Mozart de Oliveira Júnior
 
Experiências NE – ORGANIZAÇÕES SOCIAIS DE SAÚDE EM PERNAMBUCO
Experiências NE – ORGANIZAÇÕES SOCIAIS DE SAÚDE  EM PERNAMBUCOExperiências NE – ORGANIZAÇÕES SOCIAIS DE SAÚDE  EM PERNAMBUCO
Experiências NE – ORGANIZAÇÕES SOCIAIS DE SAÚDE EM PERNAMBUCO
 
Aula de financiamento do sistema único de saúde - SUS
Aula de financiamento do sistema único de saúde - SUSAula de financiamento do sistema único de saúde - SUS
Aula de financiamento do sistema único de saúde - SUS
 
Banco mundial relatório nº. 36601-br - melhorando a qualidade na saúde
Banco mundial   relatório nº. 36601-br - melhorando a qualidade na saúdeBanco mundial   relatório nº. 36601-br - melhorando a qualidade na saúde
Banco mundial relatório nº. 36601-br - melhorando a qualidade na saúde
 
Restabelecer o-crescimento-inclusivo-relatórios-economicos-sa-ocde-brasil-2015
Restabelecer o-crescimento-inclusivo-relatórios-economicos-sa-ocde-brasil-2015Restabelecer o-crescimento-inclusivo-relatórios-economicos-sa-ocde-brasil-2015
Restabelecer o-crescimento-inclusivo-relatórios-economicos-sa-ocde-brasil-2015
 
018376000101011
018376000101011018376000101011
018376000101011
 
06.08.2014 mercado de saúde pública - um esboço da radiografia e perpectiva...
06.08.2014   mercado de saúde pública - um esboço da radiografia e perpectiva...06.08.2014   mercado de saúde pública - um esboço da radiografia e perpectiva...
06.08.2014 mercado de saúde pública - um esboço da radiografia e perpectiva...
 
O Financiamento da Saúde: o caso da Atenção Primária à Saúde
O Financiamento da Saúde: o caso da Atenção Primária à SaúdeO Financiamento da Saúde: o caso da Atenção Primária à Saúde
O Financiamento da Saúde: o caso da Atenção Primária à Saúde
 
Educação: os desafios para implementar a reforma do Ensino Médio e renovar o ...
Educação: os desafios para implementar a reforma do Ensino Médio e renovar o ...Educação: os desafios para implementar a reforma do Ensino Médio e renovar o ...
Educação: os desafios para implementar a reforma do Ensino Médio e renovar o ...
 
Nova Regulamentação do FPE
Nova Regulamentação do FPENova Regulamentação do FPE
Nova Regulamentação do FPE
 
Rateios do FPE e do FPM
Rateios do FPE e do FPMRateios do FPE e do FPM
Rateios do FPE e do FPM
 
Resultado do Tesouro Nacional - Novembro de 2015
Resultado do Tesouro Nacional - Novembro de 2015Resultado do Tesouro Nacional - Novembro de 2015
Resultado do Tesouro Nacional - Novembro de 2015
 
Avances y desafíos de la gestión local antonio carlos nard
Avances y desafíos de la gestión local   antonio carlos nardAvances y desafíos de la gestión local   antonio carlos nard
Avances y desafíos de la gestión local antonio carlos nard
 
Cobertura oncológica - Raquel Lisbôa
Cobertura oncológica - Raquel LisbôaCobertura oncológica - Raquel Lisbôa
Cobertura oncológica - Raquel Lisbôa
 
Proposta de readequação fiscal
Proposta de readequação fiscalProposta de readequação fiscal
Proposta de readequação fiscal
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
 

Mais de Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS

Mais de Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS (20)

Modelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do Sul
Modelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do SulModelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do Sul
Modelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do Sul
 
O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...
O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...
O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...
 
Banners – II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde
Banners – II Seminário da Planificação da Atenção à SaúdeBanners – II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde
Banners – II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde
 
A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...
A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...
A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...
 
PIMENTEIRAS DO OESTE - RO
PIMENTEIRAS DO OESTE - ROPIMENTEIRAS DO OESTE - RO
PIMENTEIRAS DO OESTE - RO
 
CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...
CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...
CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...
 
Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...
Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...
Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...
 
INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...
INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...
INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...
 
Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...
Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...
Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...
 
Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...
Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...
Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...
 
Jornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e Hipertensão
Jornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e HipertensãoJornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e Hipertensão
Jornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e Hipertensão
 
A Segurança do Paciente na Construção Social da APS
A Segurança do Paciente na Construção Social da APSA Segurança do Paciente na Construção Social da APS
A Segurança do Paciente na Construção Social da APS
 
Estratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DF
Estratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DFEstratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DF
Estratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DF
 
Cuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicas
Cuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicasCuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicas
Cuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicas
 
Sala de Situação Regional de Saúde Sudoeste I
Sala de Situação  Regional de Saúde  Sudoeste I Sala de Situação  Regional de Saúde  Sudoeste I
Sala de Situação Regional de Saúde Sudoeste I
 
Por um cuidado certo - Sociedade Brasileira de Diabetes
Por um cuidado certo - Sociedade Brasileira de DiabetesPor um cuidado certo - Sociedade Brasileira de Diabetes
Por um cuidado certo - Sociedade Brasileira de Diabetes
 
O pediatra e sua presença na Assistência no Brasil
O pediatra e sua presença na Assistência no BrasilO pediatra e sua presença na Assistência no Brasil
O pediatra e sua presença na Assistência no Brasil
 
Notas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à Saúde
Notas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à SaúdeNotas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à Saúde
Notas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à Saúde
 
Ministério Público em Defesa da APS
Ministério Público em Defesa da APSMinistério Público em Defesa da APS
Ministério Público em Defesa da APS
 
II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...
II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...
II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...
 

Último

Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdClivyFache
 
Assistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesicoAssistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesicoWilliamdaCostaMoreir
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCCAmamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCCProf. Marcus Renato de Carvalho
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOMayaraDayube
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 

Último (6)

Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
 
Assistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesicoAssistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesico
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCCAmamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 

CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – Financiamento do SUS (Viviane Rocha de Luiz)

  • 1. CONASS Debate PAINEL - Financiamento: Uma proposta de Revisão da Forma de Transferência dos Recursos Federais Fundo a Fundo no SUS (Portaria 204/2007 ) Financiamento do SUS Brasília, 26 de abril de 2016
  • 2. Financiamento do SUSFinanciamento do SUS Introdução
  • 3. Comparações Internacionais Gasto em saúde emGasto em saúde em percentual do PIB mundialpercentual do PIB mundial 2000  7,7% 2012  8,6% Gasto públicoGasto público 2012  47,5% do gasto total em saúde no Brasil World Health Statistics 2015
  • 4. Comparações Internacionais PAÍS % Cuba 94,2 Reino Unido 84,0 Suécia 81,3 França 77,4 Itália 77,3 Alemanha 76,7 Costa Rica 74,7 Espanha 71,7 Canadá 70,1 Argentina 69,3 Portugal 64,0 México 51,8 Chile 47,7 Brasil 47,5 Estados Unidos 47,0 Percentual do Gasto Público em Relação ao Gasto Total em Saúde em Países Selecionados, 2012 Fonte: World Health Statistics 2015
  • 5. Comparações Internacionais PAÍS Gasto total em saúde em % do PIB Gasto publico em saúde em % do PIB França 11,6 9,0 Alemanha 11,3 8,7 Cuba 8,6 8,1 Estados Unidos 17,0 8,0 Reino Unido 9,3 7,8 Suécia 9,6 7,8 Canadá 10,9 7,6 Costa Rica 10,1 7,5 Itália 9,2 7,1 Espanha 9,3 6,7 Portugal 9,9 6,3 Argentina 6,8 4,7 Brasil 9,5 4,5 Chile 7,3 3,5 México 6,1 3,2 Fonte: World Health Statistics 2015 Gasto total e gasto público em % do PIB
  • 6. Evolução dos gastos públicos emEvolução dos gastos públicos em saúde no Brasil, por esfera de governosaúde no Brasil, por esfera de governo Ano Federal Estadual Municipal 1993 72% 12% 16% 2000 60% 18,50% 21,50% 2004 49,26% 26,02% 24,72% 2015 43,21% 25,91% 30,88%
  • 7. Fonte: População Residente - Estimativas para o TCU do IBGE; Dados Federais: Relatório enviado pela Subsecretaria de Planejamento e Orçamento (SPO)/SE/MS a Cofin/CNS; Dados estaduais e municipais: Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde (SIOPS)/MS. * Dados de 2015 sujeito a mudanças.
  • 8. Valores mínimos a serem aplicadosValores mínimos a serem aplicados em ações e serviços públicos deem ações e serviços públicos de saúde - ASPSsaúde - ASPS Ente % mínimo de aplicação em saúde Norma legal Federal 15% da RCL (13,2%, 13,7%, 14,1%, 14,5% ,15%) EC 86/15 Estadual 12% da arrecadação dos impostos LC 141/12 Municipal 15% da arrecadação dos impostos LC 141/12
  • 9. Valores mínimos a serem aplicados emValores mínimos a serem aplicados em ASPS pela UniãoASPS pela União % aplicação da União 2016 EC 86/2015 R$ 100,2 bilhões LC 141/12 (Regra Anterior) R$ 106,9 bilhões - R$ 6,7 bilhões
  • 10. LOA 2016 - MSLOA 2016 - MS Total orçamento do MS  R$ 118,4 Bilhões, ASPS  R$108,9 bilhões Contingenciamento  R$ 5,8 bilhões Déficit MS  RS 10,0 bilhões
  • 11. Bloco Transferências Fundo a Fundo Transferências Diretas Total % Atenção Básica 15.276.411.890 9.156.773 15.285.568.663 20,78 Média e Alta Complexidade 44.507.414.693 2.044.658.830 46.552.073.523 63,29 Vigilância em Saúde 1.938.470.453 8.279.785 1.946.750.238 2,65 Assistência Farmacêutica 1.756.501.187 2.799.856.370 4.556.357.557 6,19 Gestão do SUS 70.532.178 348.673.877 419.206.055 0,57 Diversos - 2.570.479.722 2.570.479.722 3,49 Investim. 2.221.522.975 - 2.221.522.975 3,02 Brasil 65.770.853.376 7.781.105.357 73.551.958.733 100,00 Fonte: SAGE/MS Transferências Fundo a Fundo e Diretas - Caixa (pagamento), em Grandes Blocos - 2015
  • 12. De 1988 a 2000De 1988 a 2000  Vários cenários de crise no financiamento (empréstimos) Em 1997  criado o imposto sobre a movimentação financeira. EC 29/2000  Estabelece a Vinculação Constitucional de Receitas para estados, municípios e DF e o montante para a União De 2000 a 2012De 2000 a 2012 Lei Complementar 141/2012 regulamentação
  • 13. De 2012 a 2015De 2012 a 2015  2 Comissões Especiais 2013 O Movimento Nacional em Defesa da Saúde Pública (Projeto de Lei Complementar 321/2013) Lei n. 12.858/13  royalties do petróleo 2015 - Emenda Constitucional 86/2015 (orçamento impositivo)
  • 14. 20162016  PEC nº 01/2015 (Câmara dos Deputados)  PEC nº 143/15 (Senado Federal)
  • 15. Proposta de Emenda à Constituição 1/15Proposta de Emenda à Constituição 1/15 Proposta votada em 1º turno na Câmara dos Deputados 1º ano = 14,8% da RCL 2º ano = 15,5% 3º ano = 16,2% 4º ano = 16,9% 5º ano = 17,9% 6º ano = 18,3% 7º ano = 19,4%  Sem emendas obrigatórias  Com royalties do petróleo  Lei complementar deverá reavaliar os critérios e normas para apuração dos recursos mínimos exigidos a cada cinco anos
  • 16. Derrubada do veto aplicado ao § 8o do art.Derrubada do veto aplicado ao § 8o do art. 38 na Lei de Diretrizes Orçamentárias -38 na Lei de Diretrizes Orçamentárias - LDOLDO “Durante o exercício de 2016, o montante a ser aplicado em ações e serviços públicos de saúde de que trata o § 2o do art. 198 da Constituição não poderá ser inferior ao valor resultante da aplicação da regra constante do art. 5º da Lei Complementar nº 141, de 2012.”
  • 17. PEC 143/2015 de 04/11/2015PEC 143/2015 de 04/11/2015  13/04/2015 -Votação em 1º turno no Senado Federal  Desvinculados 25% da arrecadação da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios (DRU)  Retira recursos da Saúde  Não se aplica para efeito do cálculo dos recursos para manutenção e desenvolvimento do ensino.  Excetua-se da desvinculação a arrecadação da contribuição social do salário-educação
  • 18. ConclusãoConclusão •Compromisso com os princípios constitucionais do SUS. •O SUS como política de Estado – mais de que de governos. •Necessidade de aumentar os gastos públicos em Saúde no Brasil. •Redução das desigualdades regionais. •Novo pacto federativo e reforma tributária. •Movimento em Defesa do SUS (Saúde + Dez). •Definição sobre o critério de rateio dos recursos da União, conforme previsto no artigo 17 da LC 141/2012 e a forma de transferência dos recursos do Fundo Nacional de Saúde. •Aumento de recursos no orçamento do Ministério da Saúde •Melhoria da eficiência da gestão do gasto
  • 19. OBRIGADA! Viviane Rocha de Luiz Fone: (61) 3222 3000 Fax: (61) 3222 3040 site: www.conass.org.br conass@conass.org.br vivirochaluiz@conass.org.br Brasília, 26 de abril de 2016