SlideShare uma empresa Scribd logo
O SUS LEGAL
Brasília, 25/01/2017
A partir das leis que ainda não
foram cumpridas e que
determinam a estrutura e
funcionamento do SUS:
Propostas do ministério da saúde
Lei 141
Art. 30. Os planos plurianuais, as leis de diretrizes orçamentárias, as leis
orçamentárias e os planos de aplicação dos recursos dos fundos de saúde
da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios serão
elaborados de modo a dar cumprimento ao disposto nesta Lei
Complementar.
§ 1o
O processo de planejamento e orçamento será ascendente e deverá
partir das necessidades de saúde da população em cada região, com base
no perfil epidemiológico, demográfico e socioeconômico, para definir as
metas anuais de atenção integral à saúde e estimar os respectivos custos.
§ 2o
Os planos e metas regionais resultantes das pactuações
intermunicipais constituirão a base para os planos e metas estaduais, que
promoverão a equidade interregional.
§ 3o
Os planos e metas estaduais constituirão a base para o plano e metas
nacionais, que promoverão a equidade interestadual.
§ 4o
Caberá aos Conselhos de Saúde deliberar sobre as diretrizes para o
estabelecimento de prioridades.
PROPOSTA:
FORMALIZAR DE FATO O PLANEJAMENTO ASCENDENTE;
DE ACORDO COM A DISPONIBILIDADE ORÇAMENTÁRIA DE CADA ENTE
DA FEDERAÇÃO, COM FINANCIAMENTO TRIPARTITE
Art. 22. É vedada a exigência de restrição ...
Parágrafo único. A vedação prevista no caput não impede a União e os Estados de
condicionarem a entrega dos recursos:
I - à instituição e ao funcionamento do Fundo e do Conselho de Saúde no âmbito do
ente da Federação; e
II - à elaboração do Plano de Saúde.
LEI 8080
Art. 36. O processo de planejamento e orçamento do Sistema Único de Saúde (SUS)
será ascendente, ...
§ 1º Os planos de saúde serão a base das atividades e programações de cada nível
de direção do Sistema Único de Saúde (SUS), e seu financiamento será previsto na
respectiva proposta orçamentária.
§ 2º É vedada a transferência de recursos para o financiamento de ações não
previstas nos planos de saúde, exceto em situações emergenciais ou de calamidade
pública, na área de saúde.
LEI 141
Art. 18. Os recursos do Fundo Nacional de Saúde, destinados a despesas com as
ações e serviços públicos de saúde, de custeio e capital, a serem executados pelos
Estados, pelo Distrito Federal ou pelos Municípios serão transferidos diretamente aos
respectivos fundos de saúde, de forma regular e automática, dispensada a
celebração de convênio ou outros instrumentos jurídicos.
PROPOSTA DO MINISTÉRIO DA SAÚDE
1. OS RECURSOS FEDERAIS DESTINADOS ÀS ASP SERÃO TRANSFERIDOS EM
DUAS MODALIDADES DE REPASSE CLASSIFICADAS NAS CATEGORIAS
ECONÔMICAS:
• DE CUSTEIO;
• DE CAPITAL
1. APROVAR PORTARIA QUE REGULAMENTA E ESTABELECE O PROCESSO,
AS DIRETRIZES E AS REGRAS DE TRANSIÇÃO, SEM A DESCONTINUIDADE
DA ATENÇÃO E RESPONSABILIDADES SANITÁRIAS
LEI 141
Art. 17. O rateio dos recursos da União vinculados a ações e serviços públicos de
saúde e repassados na forma do caput dos arts. 18 e 22 aos Estados, ao Distrito
Federal e aos Municípios observará as necessidades de saúde da população, as
dimensões epidemiológica, demográfica, socioeconômica, espacial e de
capacidade de oferta de ações e de serviços de saúde e, ainda, o disposto no art.
35 da Lei no
8.080, de 19 de setembro de 1990, de forma a atender os objetivos
do inciso II do § 3o
do art. 198 da Constituição Federal.
§ 1o
O Ministério da Saúde definirá e publicará, anualmente, utilizando
metodologia pactuada na comissão intergestores tripartite e aprovada pelo
Conselho Nacional de Saúde, os montantes a serem transferidos a cada Estado,
ao Distrito Federal e a cada Município para custeio das ações e serviços públicos
de saúde.
§ 2o
Os recursos destinados a investimentos terão sua programação realizada
anualmente e, em sua alocação, serão considerados prioritariamente critérios
que visem a reduzir as desigualdades na oferta de ações e serviços públicos de
saúde e garantir a integralidade da atenção à saúde.
PROPOSTA :
ESTABELECER OS CRITÉRIOS DE RATEIO, conforme metodologia pactuada
na CIT
Lei 141
Art. 12. Os recursos da União serão repassados ao Fundo Nacional de Saúde e às
demais unidades orçamentárias que compõem o órgão Ministério da Saúde, para
ser aplicados em ações e serviços públicos de saúde.
§ 2o
Os recursos da União previstos nesta Lei Complementar serão transferidos
aos demais entes da Federação e movimentados, até a sua destinação final, em
contas específicas mantidas em instituição financeira oficial federal, observados
os critérios e procedimentos definidos em ato próprio do Chefe do Poder
Executivo da União.
§ 3o
(VETADO).
§ 4o
A movimentação dos recursos repassados aos Fundos de Saúde dos Estados,
do Distrito Federal e dos Municípios deve realizar-se, exclusivamente, mediante
cheque nominativo, ordem bancária, transferência eletrônica disponível ou outra
modalidade de saque autorizada pelo Banco Central do Brasil, em que fique
identificada a sua destinação e, no caso de pagamento, o credor.
PROPOSTA
EXIGIR O CUMPRIMENTO DO ESTRITO LEGAL quanto a operacionalização
destas contas
LEI 8080
Art. 16. A direção nacional do Sistema Único da Saúde (SUS) compete:
I - formular, avaliar e apoiar políticas de alimentação e nutrição;
II - participar na formulação e na implementação das políticas:
a) de controle das agressões ao meio ambiente;
b) de saneamento básico; e
c) relativas às condições e aos ambientes de trabalho;
III - definir e coordenar os sistemas:
a) de redes integradas de assistência de alta complexidade;
b) de rede de laboratórios de saúde pública;...
Art. 17. À direção estadual do Sistema Único de Saúde (SUS) compete:
IX - identificar estabelecimentos hospitalares de referência e gerir sistemas
públicos de alta complexidade, de referência estadual e regional;
Constituição
Art. 25.
§ 3º Os Estados poderão, mediante lei complementar, instituir regiões
metropolitanas, aglomerações urbanas e microrregiões, constituídas por
agrupamentos de municípios limítrofes, para integrar a organização, o
planejamento e a execução de funções públicas de interesse comum.
PROPOSTA
ESTABELECER UM PROCESSO DE REGIONALIZAÇÃO E GESTÃO DA ALTA
COMPLEXIDADE SOB A RESPONSABILIDADE DO MS E DO ESTADO DE
ACORDO COM OS ARTIGOS 25 E 198, CONFORME AS COMPETÊNCIAS DOS
ENTES FEDERADOS ESTABELECIDOSNA LEI 8080, VISANDO A
ORGANIZAÇÃO DA RAS
COORDENAR A PARTICIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS NA REGIONALIZAÇÃO DA
MÉDIA COMPLEXIDADE, INCLUSIVE POR CONSÓRCIOS
VISÃO GERAL
Para o SUSPara o SUS
custeio e capital o repasse será realizado apenas nas modalidades
de custeio e capital
plano • O repasse será vinculado ao plano de saúde
do ente.
• O MS realizará o acompanhamento,
monitoramento e avaliação do plano
• O planejamento será ascendente
• O plano deverá ser qualificado, e conter
indicadores e metas em conformidade com as
políticas públicas governamentais de saúde
estabelecidas pela CIT e CNS
• OBRIGATORIEDADE DA ALIMENTAÇÃO DO E-
SAUDE
• O não cumprimento do plano implicará na
redução dos recursos repassados,
rateio O repasse será realizado em conformidade com
os critérios de rateio estabelecidos a partir de
metodologia pactuada na CIT.
Regionalização Regionalização de acordo com os artigos 25 e
198, conforme as competências dos entes
federados, visando a organização da RAS.
Para o SUSPara o SUS
Regras de transição
Estabelecer as regras de transição:
-Providencias administrativas garantindo a
continuidade da atenção
-Manutenção das responsabilidades
sanitárias
-Regras para a observação da descrição da
memória de cálculo das atuais
transferências até o estabelecimento da
metodologia definidos no artigo 17 da LC
141/2012 para o rateio dos recursos
federais.
-instituir grupo de trabalho tripartite para
propor normativa e viabilizar a implantação
das diretrizes e regras de transição
estabelecidas nesta portaria.
Recursos para os municípios • Atenção básica
• Vigilância em saúde
• Média complexidade
Os municípios poderão estabelecer
consórcios para compartilhar as
responsabilidades da média
complexidade
Recursos para os estados • Alta complexidade
• Ações regionais
Os estados poderão delegar aos
municípios a responsabilidade de
ações regionais
Revisão do papel dos núcleos do MS nos
estados
• Apoio institucional
Revisão de sistemas de informação e
informática
• Minimizar o número de sistemas
• Qualificar e tornar obrigatório a
estratégia o e-Saúde: e sus AB; e-sus
ambulatorial, e-sus hospitalar, e-sus
logística (Hórus), e-sus gestor, e-sus
cidadão
• Estabelecer o prontuário eletrônico e
o controle social pelo cidadão
Revisão normativa do SUS • Eliminar as contradições das 17.000
portarias estruturantes do SUS
Revisão dos fluxos de habilitação • Unificação e simplificação dos fluxos
Revisão do MAIS MÉDICOS • Estabelecer critérios transparentes
de alocação, com maior equidade
Para o Ministério da SaúdePara o Ministério da Saúde

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Financiamento da Saúde
Financiamento da SaúdeFinanciamento da Saúde
Blocos de financiamento Portaria GM/MS n. 3992/17
Blocos de financiamento Portaria GM/MS n. 3992/17Blocos de financiamento Portaria GM/MS n. 3992/17
Blocos de financiamento Portaria GM/MS n. 3992/17
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – A importância da Gestão ...
CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – A importância da Gestão ...CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – A importância da Gestão ...
CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – A importância da Gestão ...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Oficina sobre a Portaria GM/MS n. 3992/17
Oficina sobre a Portaria GM/MS n. 3992/17Oficina sobre a Portaria GM/MS n. 3992/17
Oficina sobre a Portaria GM/MS n. 3992/17
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – Financiamento do SUS (Vi...
CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – Financiamento do SUS (Vi...CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – Financiamento do SUS (Vi...
CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – Financiamento do SUS (Vi...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Regulamentação das Transferências de Recursos Federais para o financiamento ...
Regulamentação das Transferências de Recursos Federais  para o financiamento ...Regulamentação das Transferências de Recursos Federais  para o financiamento ...
Regulamentação das Transferências de Recursos Federais para o financiamento ...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Financiamento do SUS
Financiamento do SUSFinanciamento do SUS
Financiamento do SUS
Eno Filho
 
2ª Assembleia 2017 – ABORDAGEM SOBRE O TAC ASSINADO ENTRE CGU MPF E BB/CEF
2ª Assembleia 2017 – ABORDAGEM SOBRE O TAC ASSINADO ENTRE CGU MPF E BB/CEF2ª Assembleia 2017 – ABORDAGEM SOBRE O TAC ASSINADO ENTRE CGU MPF E BB/CEF
2ª Assembleia 2017 – ABORDAGEM SOBRE O TAC ASSINADO ENTRE CGU MPF E BB/CEF
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – Propostas para a revisão...
CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – Propostas para a revisão...CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – Propostas para a revisão...
CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – Propostas para a revisão...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Lei 141 de 2012
Lei 141 de 2012Lei 141 de 2012
Lei 141 de 2012
Iranildo Ribeiro
 
Os Entes Federados e o Financiamento do SUS
Os Entes Federados e o Financiamento do SUSOs Entes Federados e o Financiamento do SUS
Os Entes Federados e o Financiamento do SUS
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
1 rdaq (3)
1 rdaq (3)1 rdaq (3)
1 rdaq (3)
cristiano docarmo
 
1 rdaq (4)
1 rdaq  (4)1 rdaq  (4)
1 rdaq (4)
cristiano docarmo
 
01 apresentação dr. odorico monteiro - decreto 7.508 e o coap 2 páginas
01  apresentação dr. odorico monteiro - decreto 7.508 e o coap 2 páginas01  apresentação dr. odorico monteiro - decreto 7.508 e o coap 2 páginas
01 apresentação dr. odorico monteiro - decreto 7.508 e o coap 2 páginas
Alinebrauna Brauna
 
Portaria 1679 de 13 08-2004
Portaria 1679 de 13 08-2004Portaria 1679 de 13 08-2004
Portaria 1679 de 13 08-2004
Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
1 rdaq (1)
1 rdaq (1)1 rdaq (1)
1 rdaq (1)
cristiano docarmo
 
Curso completo do sus 10
Curso completo do sus 10Curso completo do sus 10
Curso completo do sus 10
Sebástian Freire
 
Desdobramentos da Portaria GM/MS n. 3992/17
Desdobramentos da Portaria GM/MS n. 3992/17Desdobramentos da Portaria GM/MS n. 3992/17
Desdobramentos da Portaria GM/MS n. 3992/17
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Portaria 2849 de 05 12-2011
Portaria 2849 de 05 12-2011Portaria 2849 de 05 12-2011
Portaria 2849 de 05 12-2011
Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
Decreto
DecretoDecreto

Mais procurados (20)

Financiamento da Saúde
Financiamento da SaúdeFinanciamento da Saúde
Financiamento da Saúde
 
Blocos de financiamento Portaria GM/MS n. 3992/17
Blocos de financiamento Portaria GM/MS n. 3992/17Blocos de financiamento Portaria GM/MS n. 3992/17
Blocos de financiamento Portaria GM/MS n. 3992/17
 
CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – A importância da Gestão ...
CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – A importância da Gestão ...CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – A importância da Gestão ...
CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – A importância da Gestão ...
 
Oficina sobre a Portaria GM/MS n. 3992/17
Oficina sobre a Portaria GM/MS n. 3992/17Oficina sobre a Portaria GM/MS n. 3992/17
Oficina sobre a Portaria GM/MS n. 3992/17
 
CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – Financiamento do SUS (Vi...
CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – Financiamento do SUS (Vi...CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – Financiamento do SUS (Vi...
CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – Financiamento do SUS (Vi...
 
Regulamentação das Transferências de Recursos Federais para o financiamento ...
Regulamentação das Transferências de Recursos Federais  para o financiamento ...Regulamentação das Transferências de Recursos Federais  para o financiamento ...
Regulamentação das Transferências de Recursos Federais para o financiamento ...
 
Financiamento do SUS
Financiamento do SUSFinanciamento do SUS
Financiamento do SUS
 
2ª Assembleia 2017 – ABORDAGEM SOBRE O TAC ASSINADO ENTRE CGU MPF E BB/CEF
2ª Assembleia 2017 – ABORDAGEM SOBRE O TAC ASSINADO ENTRE CGU MPF E BB/CEF2ª Assembleia 2017 – ABORDAGEM SOBRE O TAC ASSINADO ENTRE CGU MPF E BB/CEF
2ª Assembleia 2017 – ABORDAGEM SOBRE O TAC ASSINADO ENTRE CGU MPF E BB/CEF
 
CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – Propostas para a revisão...
CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – Propostas para a revisão...CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – Propostas para a revisão...
CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – Propostas para a revisão...
 
Lei 141 de 2012
Lei 141 de 2012Lei 141 de 2012
Lei 141 de 2012
 
Os Entes Federados e o Financiamento do SUS
Os Entes Federados e o Financiamento do SUSOs Entes Federados e o Financiamento do SUS
Os Entes Federados e o Financiamento do SUS
 
1 rdaq (3)
1 rdaq (3)1 rdaq (3)
1 rdaq (3)
 
1 rdaq (4)
1 rdaq  (4)1 rdaq  (4)
1 rdaq (4)
 
01 apresentação dr. odorico monteiro - decreto 7.508 e o coap 2 páginas
01  apresentação dr. odorico monteiro - decreto 7.508 e o coap 2 páginas01  apresentação dr. odorico monteiro - decreto 7.508 e o coap 2 páginas
01 apresentação dr. odorico monteiro - decreto 7.508 e o coap 2 páginas
 
Portaria 1679 de 13 08-2004
Portaria 1679 de 13 08-2004Portaria 1679 de 13 08-2004
Portaria 1679 de 13 08-2004
 
1 rdaq (1)
1 rdaq (1)1 rdaq (1)
1 rdaq (1)
 
Curso completo do sus 10
Curso completo do sus 10Curso completo do sus 10
Curso completo do sus 10
 
Desdobramentos da Portaria GM/MS n. 3992/17
Desdobramentos da Portaria GM/MS n. 3992/17Desdobramentos da Portaria GM/MS n. 3992/17
Desdobramentos da Portaria GM/MS n. 3992/17
 
Portaria 2849 de 05 12-2011
Portaria 2849 de 05 12-2011Portaria 2849 de 05 12-2011
Portaria 2849 de 05 12-2011
 
Decreto
DecretoDecreto
Decreto
 

Destaque

7. CONASS Debate - PPT Governança Colaborativa
7. CONASS Debate - PPT Governança Colaborativa7. CONASS Debate - PPT Governança Colaborativa
7. CONASS Debate - PPT Governança Colaborativa
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Rede de atenção à saúde das pessoas com doenças crônicas - Brasil
Rede de atenção à saúde das pessoas com doenças crônicas - BrasilRede de atenção à saúde das pessoas com doenças crônicas - Brasil
Rede de atenção à saúde das pessoas com doenças crônicas - Brasil
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
8ª Assembleia do CONASS – PIC/S PHARMACEUTICAL INSPECTION CO-OPERATION scheme
8ª Assembleia do CONASS – PIC/S PHARMACEUTICAL INSPECTION CO-OPERATION  scheme8ª Assembleia do CONASS – PIC/S PHARMACEUTICAL INSPECTION CO-OPERATION  scheme
8ª Assembleia do CONASS – PIC/S PHARMACEUTICAL INSPECTION CO-OPERATION scheme
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Fórum de debate PEC 241- Élida Graziane Pinto
Fórum de debate PEC 241- Élida Graziane PintoFórum de debate PEC 241- Élida Graziane Pinto
Fórum de debate PEC 241- Élida Graziane Pinto
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Ações prioritárias para a saúde brasileira - Ministro Ricardo Barros
Ações prioritárias para a saúde brasileira - Ministro Ricardo BarrosAções prioritárias para a saúde brasileira - Ministro Ricardo Barros
Ações prioritárias para a saúde brasileira - Ministro Ricardo Barros
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Aspectos relevantes para a celebração de parceria com as Organizações Sociais
Aspectos relevantes para a celebração de parceria com as Organizações SociaisAspectos relevantes para a celebração de parceria com as Organizações Sociais
Aspectos relevantes para a celebração de parceria com as Organizações Sociais
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
8ª Assembleia do CONASS – ENVELHECIMENTO E SAÚDE NO BRASIL DESAFIOS E OPORTUN...
8ª Assembleia do CONASS – ENVELHECIMENTO E SAÚDE NO BRASIL DESAFIOS E OPORTUN...8ª Assembleia do CONASS – ENVELHECIMENTO E SAÚDE NO BRASIL DESAFIOS E OPORTUN...
8ª Assembleia do CONASS – ENVELHECIMENTO E SAÚDE NO BRASIL DESAFIOS E OPORTUN...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
A GESTÃO DO SUS
A GESTÃO DO SUSA GESTÃO DO SUS
Cartilha dcnt
Cartilha dcntCartilha dcnt
Cartilha dcnt
Gláucia Castro
 
Entendendo a Assistência Farmacêutica no Brasil
Entendendo a Assistência Farmacêutica no BrasilEntendendo a Assistência Farmacêutica no Brasil
Entendendo a Assistência Farmacêutica no Brasil
Thalles Peixoto
 
Alimentacao saudavel e dcnt
Alimentacao saudavel e dcntAlimentacao saudavel e dcnt
Alimentacao saudavel e dcnt
karinelc
 
Princípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do susPrincípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do sus
Marcos Nery
 
Promoção da saúde e prevenção de doenças: intervenções comuns às doenças crôn...
Promoção da saúde e prevenção de doenças: intervenções comuns às doenças crôn...Promoção da saúde e prevenção de doenças: intervenções comuns às doenças crôn...
Promoção da saúde e prevenção de doenças: intervenções comuns às doenças crôn...
Isadora Ribeiro
 
Palestra Nutricao
Palestra NutricaoPalestra Nutricao
Palestra Nutricao
Walquiria Dutra
 

Destaque (14)

7. CONASS Debate - PPT Governança Colaborativa
7. CONASS Debate - PPT Governança Colaborativa7. CONASS Debate - PPT Governança Colaborativa
7. CONASS Debate - PPT Governança Colaborativa
 
Rede de atenção à saúde das pessoas com doenças crônicas - Brasil
Rede de atenção à saúde das pessoas com doenças crônicas - BrasilRede de atenção à saúde das pessoas com doenças crônicas - Brasil
Rede de atenção à saúde das pessoas com doenças crônicas - Brasil
 
8ª Assembleia do CONASS – PIC/S PHARMACEUTICAL INSPECTION CO-OPERATION scheme
8ª Assembleia do CONASS – PIC/S PHARMACEUTICAL INSPECTION CO-OPERATION  scheme8ª Assembleia do CONASS – PIC/S PHARMACEUTICAL INSPECTION CO-OPERATION  scheme
8ª Assembleia do CONASS – PIC/S PHARMACEUTICAL INSPECTION CO-OPERATION scheme
 
Fórum de debate PEC 241- Élida Graziane Pinto
Fórum de debate PEC 241- Élida Graziane PintoFórum de debate PEC 241- Élida Graziane Pinto
Fórum de debate PEC 241- Élida Graziane Pinto
 
Ações prioritárias para a saúde brasileira - Ministro Ricardo Barros
Ações prioritárias para a saúde brasileira - Ministro Ricardo BarrosAções prioritárias para a saúde brasileira - Ministro Ricardo Barros
Ações prioritárias para a saúde brasileira - Ministro Ricardo Barros
 
Aspectos relevantes para a celebração de parceria com as Organizações Sociais
Aspectos relevantes para a celebração de parceria com as Organizações SociaisAspectos relevantes para a celebração de parceria com as Organizações Sociais
Aspectos relevantes para a celebração de parceria com as Organizações Sociais
 
8ª Assembleia do CONASS – ENVELHECIMENTO E SAÚDE NO BRASIL DESAFIOS E OPORTUN...
8ª Assembleia do CONASS – ENVELHECIMENTO E SAÚDE NO BRASIL DESAFIOS E OPORTUN...8ª Assembleia do CONASS – ENVELHECIMENTO E SAÚDE NO BRASIL DESAFIOS E OPORTUN...
8ª Assembleia do CONASS – ENVELHECIMENTO E SAÚDE NO BRASIL DESAFIOS E OPORTUN...
 
A GESTÃO DO SUS
A GESTÃO DO SUSA GESTÃO DO SUS
A GESTÃO DO SUS
 
Cartilha dcnt
Cartilha dcntCartilha dcnt
Cartilha dcnt
 
Entendendo a Assistência Farmacêutica no Brasil
Entendendo a Assistência Farmacêutica no BrasilEntendendo a Assistência Farmacêutica no Brasil
Entendendo a Assistência Farmacêutica no Brasil
 
Alimentacao saudavel e dcnt
Alimentacao saudavel e dcntAlimentacao saudavel e dcnt
Alimentacao saudavel e dcnt
 
Princípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do susPrincípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do sus
 
Promoção da saúde e prevenção de doenças: intervenções comuns às doenças crôn...
Promoção da saúde e prevenção de doenças: intervenções comuns às doenças crôn...Promoção da saúde e prevenção de doenças: intervenções comuns às doenças crôn...
Promoção da saúde e prevenção de doenças: intervenções comuns às doenças crôn...
 
Palestra Nutricao
Palestra NutricaoPalestra Nutricao
Palestra Nutricao
 

Semelhante a O SUS LEGAL

Exercicios lei 8080/90
Exercicios lei 8080/90Exercicios lei 8080/90
Exercicios lei 8080/90
Alessandro Rezende
 
Portaria 698
Portaria 698Portaria 698
Portaria 698
Samuel Fernandes
 
Experiências NE – SUS Legal
Experiências NE – SUS Legal Experiências NE – SUS Legal
Regulamentação das Transferências de Recursos Federais para o financiamento ...
Regulamentação das Transferências de Recursos Federais  para o financiamento ...Regulamentação das Transferências de Recursos Federais  para o financiamento ...
Regulamentação das Transferências de Recursos Federais para o financiamento ...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
6. Novas Legislações decreto presidencial 7508 regulamenta a lei 8080
6. Novas Legislações decreto presidencial 7508 regulamenta a lei 80806. Novas Legislações decreto presidencial 7508 regulamenta a lei 8080
6. Novas Legislações decreto presidencial 7508 regulamenta a lei 8080
Leonardo Savassi
 
Diretrizes da organização das regiões de saúde do sus 2011
Diretrizes da organização das regiões de saúde do sus   2011Diretrizes da organização das regiões de saúde do sus   2011
Diretrizes da organização das regiões de saúde do sus 2011
Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
SUS - lei 8.142 [participação da comunidade na gestão do sus; transferências ...
SUS - lei 8.142 [participação da comunidade na gestão do sus; transferências ...SUS - lei 8.142 [participação da comunidade na gestão do sus; transferências ...
SUS - lei 8.142 [participação da comunidade na gestão do sus; transferências ...
Juliana Alves Roque
 
Questionario dec 7508 sus
Questionario dec 7508 susQuestionario dec 7508 sus
Questionario dec 7508 sus
nairejose
 
Apresentação do SUS e legislação extravagante.pptx
Apresentação do SUS e legislação extravagante.pptxApresentação do SUS e legislação extravagante.pptx
Apresentação do SUS e legislação extravagante.pptx
fabioclemente
 
Teoria_Decreto_7508_Conhec_Gerais_Legislacao_Estruturante.pdf
Teoria_Decreto_7508_Conhec_Gerais_Legislacao_Estruturante.pdfTeoria_Decreto_7508_Conhec_Gerais_Legislacao_Estruturante.pdf
Teoria_Decreto_7508_Conhec_Gerais_Legislacao_Estruturante.pdf
ElenirLimadeFreitas
 
Decreto 7508 integra
Decreto 7508   integraDecreto 7508   integra
Decreto 7508 integra
falundile
 
Sus lei 8080 - [ financiamento; recursos; gestão financeira; planejamento ...
Sus   lei 8080 - [ financiamento; recursos;  gestão financeira; planejamento ...Sus   lei 8080 - [ financiamento; recursos;  gestão financeira; planejamento ...
Sus lei 8080 - [ financiamento; recursos; gestão financeira; planejamento ...
Juliana Alves Roque
 
Decreto federal 7.508 2011, que regulamenta a lei 8.080-90
Decreto federal 7.508 2011, que regulamenta a lei 8.080-90Decreto federal 7.508 2011, que regulamenta a lei 8.080-90
Decreto federal 7.508 2011, que regulamenta a lei 8.080-90
José Ripardo
 
Lei nº 8.142
Lei nº 8.142Lei nº 8.142
Lei nº 8.142
dantispam
 
Lei 8142 e controle social
Lei 8142 e controle socialLei 8142 e controle social
Lei 8142 e controle social
Aprova Saúde
 
Texto 7 lei 8.142
Texto 7   lei 8.142Texto 7   lei 8.142
Texto 7 lei 8.142
comunidadedepraticas
 
CONASEMS_Apresentacao_Gestao_SUS_ARQ_ZICO.pdf
CONASEMS_Apresentacao_Gestao_SUS_ARQ_ZICO.pdfCONASEMS_Apresentacao_Gestao_SUS_ARQ_ZICO.pdf
CONASEMS_Apresentacao_Gestao_SUS_ARQ_ZICO.pdf
SAUDEDOMELISEU
 
2° Parte da aula dia 04/04 Faetec
2° Parte da aula dia 04/04 Faetec2° Parte da aula dia 04/04 Faetec
2° Parte da aula dia 04/04 Faetec
Laís Araújo
 
Lei nº 8.142
Lei nº 8.142Lei nº 8.142
Lei nº 8.142
Fred Oliveira
 
Lei 8.142 de 1990 - RESUMO.pptx
Lei 8.142 de 1990 - RESUMO.pptxLei 8.142 de 1990 - RESUMO.pptx
Lei 8.142 de 1990 - RESUMO.pptx
RhoberttaG1
 

Semelhante a O SUS LEGAL (20)

Exercicios lei 8080/90
Exercicios lei 8080/90Exercicios lei 8080/90
Exercicios lei 8080/90
 
Portaria 698
Portaria 698Portaria 698
Portaria 698
 
Experiências NE – SUS Legal
Experiências NE – SUS Legal Experiências NE – SUS Legal
Experiências NE – SUS Legal
 
Regulamentação das Transferências de Recursos Federais para o financiamento ...
Regulamentação das Transferências de Recursos Federais  para o financiamento ...Regulamentação das Transferências de Recursos Federais  para o financiamento ...
Regulamentação das Transferências de Recursos Federais para o financiamento ...
 
6. Novas Legislações decreto presidencial 7508 regulamenta a lei 8080
6. Novas Legislações decreto presidencial 7508 regulamenta a lei 80806. Novas Legislações decreto presidencial 7508 regulamenta a lei 8080
6. Novas Legislações decreto presidencial 7508 regulamenta a lei 8080
 
Diretrizes da organização das regiões de saúde do sus 2011
Diretrizes da organização das regiões de saúde do sus   2011Diretrizes da organização das regiões de saúde do sus   2011
Diretrizes da organização das regiões de saúde do sus 2011
 
SUS - lei 8.142 [participação da comunidade na gestão do sus; transferências ...
SUS - lei 8.142 [participação da comunidade na gestão do sus; transferências ...SUS - lei 8.142 [participação da comunidade na gestão do sus; transferências ...
SUS - lei 8.142 [participação da comunidade na gestão do sus; transferências ...
 
Questionario dec 7508 sus
Questionario dec 7508 susQuestionario dec 7508 sus
Questionario dec 7508 sus
 
Apresentação do SUS e legislação extravagante.pptx
Apresentação do SUS e legislação extravagante.pptxApresentação do SUS e legislação extravagante.pptx
Apresentação do SUS e legislação extravagante.pptx
 
Teoria_Decreto_7508_Conhec_Gerais_Legislacao_Estruturante.pdf
Teoria_Decreto_7508_Conhec_Gerais_Legislacao_Estruturante.pdfTeoria_Decreto_7508_Conhec_Gerais_Legislacao_Estruturante.pdf
Teoria_Decreto_7508_Conhec_Gerais_Legislacao_Estruturante.pdf
 
Decreto 7508 integra
Decreto 7508   integraDecreto 7508   integra
Decreto 7508 integra
 
Sus lei 8080 - [ financiamento; recursos; gestão financeira; planejamento ...
Sus   lei 8080 - [ financiamento; recursos;  gestão financeira; planejamento ...Sus   lei 8080 - [ financiamento; recursos;  gestão financeira; planejamento ...
Sus lei 8080 - [ financiamento; recursos; gestão financeira; planejamento ...
 
Decreto federal 7.508 2011, que regulamenta a lei 8.080-90
Decreto federal 7.508 2011, que regulamenta a lei 8.080-90Decreto federal 7.508 2011, que regulamenta a lei 8.080-90
Decreto federal 7.508 2011, que regulamenta a lei 8.080-90
 
Lei nº 8.142
Lei nº 8.142Lei nº 8.142
Lei nº 8.142
 
Lei 8142 e controle social
Lei 8142 e controle socialLei 8142 e controle social
Lei 8142 e controle social
 
Texto 7 lei 8.142
Texto 7   lei 8.142Texto 7   lei 8.142
Texto 7 lei 8.142
 
CONASEMS_Apresentacao_Gestao_SUS_ARQ_ZICO.pdf
CONASEMS_Apresentacao_Gestao_SUS_ARQ_ZICO.pdfCONASEMS_Apresentacao_Gestao_SUS_ARQ_ZICO.pdf
CONASEMS_Apresentacao_Gestao_SUS_ARQ_ZICO.pdf
 
2° Parte da aula dia 04/04 Faetec
2° Parte da aula dia 04/04 Faetec2° Parte da aula dia 04/04 Faetec
2° Parte da aula dia 04/04 Faetec
 
Lei nº 8.142
Lei nº 8.142Lei nº 8.142
Lei nº 8.142
 
Lei 8.142 de 1990 - RESUMO.pptx
Lei 8.142 de 1990 - RESUMO.pptxLei 8.142 de 1990 - RESUMO.pptx
Lei 8.142 de 1990 - RESUMO.pptx
 

Mais de Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS

Modelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do Sul
Modelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do SulModelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do Sul
Modelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do Sul
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...
O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...
O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Banners – II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde
Banners – II Seminário da Planificação da Atenção à SaúdeBanners – II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde
Banners – II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...
A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...
A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
PIMENTEIRAS DO OESTE - RO
PIMENTEIRAS DO OESTE - ROPIMENTEIRAS DO OESTE - RO
CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...
CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...
CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...
Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...
Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...
INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...
INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...
Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...
Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...
Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...
Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Jornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e Hipertensão
Jornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e HipertensãoJornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e Hipertensão
Jornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e Hipertensão
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
A Segurança do Paciente na Construção Social da APS
A Segurança do Paciente na Construção Social da APSA Segurança do Paciente na Construção Social da APS
A Segurança do Paciente na Construção Social da APS
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Estratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DF
Estratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DFEstratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DF
Estratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DF
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Cuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicas
Cuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicasCuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicas
Cuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicas
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Sala de Situação Regional de Saúde Sudoeste I
Sala de Situação  Regional de Saúde  Sudoeste I Sala de Situação  Regional de Saúde  Sudoeste I
Sala de Situação Regional de Saúde Sudoeste I
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Por um cuidado certo - Sociedade Brasileira de Diabetes
Por um cuidado certo - Sociedade Brasileira de DiabetesPor um cuidado certo - Sociedade Brasileira de Diabetes
Por um cuidado certo - Sociedade Brasileira de Diabetes
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
O pediatra e sua presença na Assistência no Brasil
O pediatra e sua presença na Assistência no BrasilO pediatra e sua presença na Assistência no Brasil
O pediatra e sua presença na Assistência no Brasil
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Notas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à Saúde
Notas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à SaúdeNotas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à Saúde
Notas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à Saúde
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Ministério Público em Defesa da APS
Ministério Público em Defesa da APSMinistério Público em Defesa da APS
Ministério Público em Defesa da APS
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...
II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...
II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 

Mais de Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS (20)

Modelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do Sul
Modelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do SulModelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do Sul
Modelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do Sul
 
O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...
O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...
O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...
 
Banners – II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde
Banners – II Seminário da Planificação da Atenção à SaúdeBanners – II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde
Banners – II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde
 
A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...
A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...
A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...
 
PIMENTEIRAS DO OESTE - RO
PIMENTEIRAS DO OESTE - ROPIMENTEIRAS DO OESTE - RO
PIMENTEIRAS DO OESTE - RO
 
CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...
CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...
CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...
 
Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...
Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...
Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...
 
INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...
INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...
INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...
 
Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...
Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...
Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...
 
Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...
Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...
Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...
 
Jornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e Hipertensão
Jornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e HipertensãoJornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e Hipertensão
Jornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e Hipertensão
 
A Segurança do Paciente na Construção Social da APS
A Segurança do Paciente na Construção Social da APSA Segurança do Paciente na Construção Social da APS
A Segurança do Paciente na Construção Social da APS
 
Estratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DF
Estratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DFEstratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DF
Estratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DF
 
Cuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicas
Cuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicasCuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicas
Cuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicas
 
Sala de Situação Regional de Saúde Sudoeste I
Sala de Situação  Regional de Saúde  Sudoeste I Sala de Situação  Regional de Saúde  Sudoeste I
Sala de Situação Regional de Saúde Sudoeste I
 
Por um cuidado certo - Sociedade Brasileira de Diabetes
Por um cuidado certo - Sociedade Brasileira de DiabetesPor um cuidado certo - Sociedade Brasileira de Diabetes
Por um cuidado certo - Sociedade Brasileira de Diabetes
 
O pediatra e sua presença na Assistência no Brasil
O pediatra e sua presença na Assistência no BrasilO pediatra e sua presença na Assistência no Brasil
O pediatra e sua presença na Assistência no Brasil
 
Notas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à Saúde
Notas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à SaúdeNotas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à Saúde
Notas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à Saúde
 
Ministério Público em Defesa da APS
Ministério Público em Defesa da APSMinistério Público em Defesa da APS
Ministério Público em Defesa da APS
 
II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...
II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...
II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...
 

O SUS LEGAL

  • 1. O SUS LEGAL Brasília, 25/01/2017 A partir das leis que ainda não foram cumpridas e que determinam a estrutura e funcionamento do SUS: Propostas do ministério da saúde
  • 2. Lei 141 Art. 30. Os planos plurianuais, as leis de diretrizes orçamentárias, as leis orçamentárias e os planos de aplicação dos recursos dos fundos de saúde da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios serão elaborados de modo a dar cumprimento ao disposto nesta Lei Complementar. § 1o O processo de planejamento e orçamento será ascendente e deverá partir das necessidades de saúde da população em cada região, com base no perfil epidemiológico, demográfico e socioeconômico, para definir as metas anuais de atenção integral à saúde e estimar os respectivos custos. § 2o Os planos e metas regionais resultantes das pactuações intermunicipais constituirão a base para os planos e metas estaduais, que promoverão a equidade interregional. § 3o Os planos e metas estaduais constituirão a base para o plano e metas nacionais, que promoverão a equidade interestadual. § 4o Caberá aos Conselhos de Saúde deliberar sobre as diretrizes para o estabelecimento de prioridades.
  • 3. PROPOSTA: FORMALIZAR DE FATO O PLANEJAMENTO ASCENDENTE; DE ACORDO COM A DISPONIBILIDADE ORÇAMENTÁRIA DE CADA ENTE DA FEDERAÇÃO, COM FINANCIAMENTO TRIPARTITE
  • 4. Art. 22. É vedada a exigência de restrição ... Parágrafo único. A vedação prevista no caput não impede a União e os Estados de condicionarem a entrega dos recursos: I - à instituição e ao funcionamento do Fundo e do Conselho de Saúde no âmbito do ente da Federação; e II - à elaboração do Plano de Saúde. LEI 8080 Art. 36. O processo de planejamento e orçamento do Sistema Único de Saúde (SUS) será ascendente, ... § 1º Os planos de saúde serão a base das atividades e programações de cada nível de direção do Sistema Único de Saúde (SUS), e seu financiamento será previsto na respectiva proposta orçamentária. § 2º É vedada a transferência de recursos para o financiamento de ações não previstas nos planos de saúde, exceto em situações emergenciais ou de calamidade pública, na área de saúde. LEI 141 Art. 18. Os recursos do Fundo Nacional de Saúde, destinados a despesas com as ações e serviços públicos de saúde, de custeio e capital, a serem executados pelos Estados, pelo Distrito Federal ou pelos Municípios serão transferidos diretamente aos respectivos fundos de saúde, de forma regular e automática, dispensada a celebração de convênio ou outros instrumentos jurídicos.
  • 5. PROPOSTA DO MINISTÉRIO DA SAÚDE 1. OS RECURSOS FEDERAIS DESTINADOS ÀS ASP SERÃO TRANSFERIDOS EM DUAS MODALIDADES DE REPASSE CLASSIFICADAS NAS CATEGORIAS ECONÔMICAS: • DE CUSTEIO; • DE CAPITAL 1. APROVAR PORTARIA QUE REGULAMENTA E ESTABELECE O PROCESSO, AS DIRETRIZES E AS REGRAS DE TRANSIÇÃO, SEM A DESCONTINUIDADE DA ATENÇÃO E RESPONSABILIDADES SANITÁRIAS
  • 6. LEI 141 Art. 17. O rateio dos recursos da União vinculados a ações e serviços públicos de saúde e repassados na forma do caput dos arts. 18 e 22 aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios observará as necessidades de saúde da população, as dimensões epidemiológica, demográfica, socioeconômica, espacial e de capacidade de oferta de ações e de serviços de saúde e, ainda, o disposto no art. 35 da Lei no 8.080, de 19 de setembro de 1990, de forma a atender os objetivos do inciso II do § 3o do art. 198 da Constituição Federal. § 1o O Ministério da Saúde definirá e publicará, anualmente, utilizando metodologia pactuada na comissão intergestores tripartite e aprovada pelo Conselho Nacional de Saúde, os montantes a serem transferidos a cada Estado, ao Distrito Federal e a cada Município para custeio das ações e serviços públicos de saúde. § 2o Os recursos destinados a investimentos terão sua programação realizada anualmente e, em sua alocação, serão considerados prioritariamente critérios que visem a reduzir as desigualdades na oferta de ações e serviços públicos de saúde e garantir a integralidade da atenção à saúde.
  • 7. PROPOSTA : ESTABELECER OS CRITÉRIOS DE RATEIO, conforme metodologia pactuada na CIT
  • 8. Lei 141 Art. 12. Os recursos da União serão repassados ao Fundo Nacional de Saúde e às demais unidades orçamentárias que compõem o órgão Ministério da Saúde, para ser aplicados em ações e serviços públicos de saúde. § 2o Os recursos da União previstos nesta Lei Complementar serão transferidos aos demais entes da Federação e movimentados, até a sua destinação final, em contas específicas mantidas em instituição financeira oficial federal, observados os critérios e procedimentos definidos em ato próprio do Chefe do Poder Executivo da União. § 3o (VETADO). § 4o A movimentação dos recursos repassados aos Fundos de Saúde dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios deve realizar-se, exclusivamente, mediante cheque nominativo, ordem bancária, transferência eletrônica disponível ou outra modalidade de saque autorizada pelo Banco Central do Brasil, em que fique identificada a sua destinação e, no caso de pagamento, o credor.
  • 9. PROPOSTA EXIGIR O CUMPRIMENTO DO ESTRITO LEGAL quanto a operacionalização destas contas
  • 10. LEI 8080 Art. 16. A direção nacional do Sistema Único da Saúde (SUS) compete: I - formular, avaliar e apoiar políticas de alimentação e nutrição; II - participar na formulação e na implementação das políticas: a) de controle das agressões ao meio ambiente; b) de saneamento básico; e c) relativas às condições e aos ambientes de trabalho; III - definir e coordenar os sistemas: a) de redes integradas de assistência de alta complexidade; b) de rede de laboratórios de saúde pública;... Art. 17. À direção estadual do Sistema Único de Saúde (SUS) compete: IX - identificar estabelecimentos hospitalares de referência e gerir sistemas públicos de alta complexidade, de referência estadual e regional; Constituição Art. 25. § 3º Os Estados poderão, mediante lei complementar, instituir regiões metropolitanas, aglomerações urbanas e microrregiões, constituídas por agrupamentos de municípios limítrofes, para integrar a organização, o planejamento e a execução de funções públicas de interesse comum.
  • 11. PROPOSTA ESTABELECER UM PROCESSO DE REGIONALIZAÇÃO E GESTÃO DA ALTA COMPLEXIDADE SOB A RESPONSABILIDADE DO MS E DO ESTADO DE ACORDO COM OS ARTIGOS 25 E 198, CONFORME AS COMPETÊNCIAS DOS ENTES FEDERADOS ESTABELECIDOSNA LEI 8080, VISANDO A ORGANIZAÇÃO DA RAS COORDENAR A PARTICIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS NA REGIONALIZAÇÃO DA MÉDIA COMPLEXIDADE, INCLUSIVE POR CONSÓRCIOS
  • 13. Para o SUSPara o SUS custeio e capital o repasse será realizado apenas nas modalidades de custeio e capital plano • O repasse será vinculado ao plano de saúde do ente. • O MS realizará o acompanhamento, monitoramento e avaliação do plano • O planejamento será ascendente • O plano deverá ser qualificado, e conter indicadores e metas em conformidade com as políticas públicas governamentais de saúde estabelecidas pela CIT e CNS • OBRIGATORIEDADE DA ALIMENTAÇÃO DO E- SAUDE • O não cumprimento do plano implicará na redução dos recursos repassados, rateio O repasse será realizado em conformidade com os critérios de rateio estabelecidos a partir de metodologia pactuada na CIT. Regionalização Regionalização de acordo com os artigos 25 e 198, conforme as competências dos entes federados, visando a organização da RAS.
  • 14. Para o SUSPara o SUS Regras de transição Estabelecer as regras de transição: -Providencias administrativas garantindo a continuidade da atenção -Manutenção das responsabilidades sanitárias -Regras para a observação da descrição da memória de cálculo das atuais transferências até o estabelecimento da metodologia definidos no artigo 17 da LC 141/2012 para o rateio dos recursos federais. -instituir grupo de trabalho tripartite para propor normativa e viabilizar a implantação das diretrizes e regras de transição estabelecidas nesta portaria.
  • 15. Recursos para os municípios • Atenção básica • Vigilância em saúde • Média complexidade Os municípios poderão estabelecer consórcios para compartilhar as responsabilidades da média complexidade Recursos para os estados • Alta complexidade • Ações regionais Os estados poderão delegar aos municípios a responsabilidade de ações regionais
  • 16. Revisão do papel dos núcleos do MS nos estados • Apoio institucional Revisão de sistemas de informação e informática • Minimizar o número de sistemas • Qualificar e tornar obrigatório a estratégia o e-Saúde: e sus AB; e-sus ambulatorial, e-sus hospitalar, e-sus logística (Hórus), e-sus gestor, e-sus cidadão • Estabelecer o prontuário eletrônico e o controle social pelo cidadão Revisão normativa do SUS • Eliminar as contradições das 17.000 portarias estruturantes do SUS Revisão dos fluxos de habilitação • Unificação e simplificação dos fluxos Revisão do MAIS MÉDICOS • Estabelecer critérios transparentes de alocação, com maior equidade Para o Ministério da SaúdePara o Ministério da Saúde