Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESME

5.703 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
1 comentário
8 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.703
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4.341
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
1
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESME

  1. 1. Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original Profa. Rilva Lopes de Sousa Muñoz rilva@ccm.ufpb.br Grupo de Estudos em Semiologia Médica GESME
  2. 2. Sem publicação, a pesquisa não estará completa...
  3. 3.  Um dos desafios da vida acadêmica é o de publicar trabalhos de pesquisa - Há pesquisadores com profundo conhecimento do seu campo e que trabalham muito, mas têm dificuldade de publicar seus artigos O PROCESSO DE COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA
  4. 4.  Publicações representam reconhecimento da comunidade científica, melhores colocações para os autores e divulgação do nome da instituição “Índice gravitacional de publicação": quanto mais volumoso o currículo, melhor, sem importar seu conteúdo e qualidade (Miguel Nicolelis) O PROCESSO DE COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA
  5. 5. Publicar [qualquer coisa] ou Perecer... • Contabilização numérica de artigos publicados em revistas científicas: “legitimação” acadêmica • “Darwinismo bibliográfico” CASTIEL, L. D.; SANZ-VALERO, J.; RED MEI-CYTED. Entre fetichismo e sobrevivência: o artigo científico é uma mercadoria acadêmica? Cad. Saúde Pública, v. 23, n. 12, p. 3041- 3050, 2007.
  6. 6. “Não existe uma receita mágica para o sucesso - apenas algumas regras simples, dedicação e muito trabalho” O que torna bom um artigo científico ? (Dave Hone)
  7. 7. • Ingrediente fundamental: excelência da investigação / trabalhar com os melhores pesquisadores em grupos reconhecidos • Perguntas de pesquisa importantes e de interesse para a área • Pensamento claro por trás do trabalho, portanto, escrita clara O que torna bom um artigo científico ?
  8. 8. •Pesquisa inovadora • Prática pré-existente de redigir artigos científicos • Obtenção de sugestões construtivas • Escolha da revista apropriada • Conhecimento de metodologia científica O que torna bom um artigo científico ?
  9. 9. • Pesquisa para identificar as características de artigos submetidos que estão associados com maior aceitação para publicação pelas principais revistas biomédicas • Estudo prospectivo de coorte de manuscritos que relatam pesquisas originais submetidos a três revistas biomédicas: BMJ e The Lancet [UK] e Annals of Internal Medicine [EUA]) - entre janeiro e abril de 2003 e entre novembro de 2003 e fevereiro de 2004. Relatos de casos de pacientes individuais foram excluídos • Dos 1.107 manuscritos incluídos no estudo, 68 (6%) foram aceitos, 777 (70%) foram rejeitados de imediato, e 262 (24%) foram rejeitadas após revisão por pares. • Os manuscritos submetidos são mais propensos a serem publicados se têm alta qualidade metodológica, modelo de ensaio clínico controlado e randomizado, métodos analíticos ou qualitativos, divulgação de qualquer fonte de financiamento, se o autor correspondente vive no mesmo país que o da revista de publicação. • O tamanho da amostra também pode aumentar a probabilidade de aceitação Med J Aust. 2006 Jun 19;184(12):621-6. Predictors of publication: characteristics of submitted manuscripts associated with acceptance at major biomedical journals. Lee KP, Boyd EA, Holroyd-Leduc JM, Bacchetti P, Bero LA.
  10. 10. Angela P. Farias Mengatto Escolher a revista com antecedência (antes de esboçar o artigo) Não escrever o artigo para, só então, buscar o periódico.
  11. 11. 12 • Revistas Científicas ou Periódicos: apenas as revistas com ISSN, que possuem corpo editorial e apresentam conteúdo composto exclusivamente por artigos científicos • Saúde: Educação Física, Enfermagem, Farmácia, Medicina I, Medicina II, Medicina III, Odontologia, Saúde coletiva • Qualidade: Qualis; Fator de impacto (Journal Citation Reports, JCR) Revistas. Periódicos.
  12. 12. Fonte: Jornal da Ciência, SBPC
  13. 13. • Webqualis = Lista Qualis Qualis: Conjunto de procedimentos utilizados pela Capes para estratificação da qualidade da produção intelectual dos programas de pós-graduação  Afere a qualidade dos artigos a partir da análise da qualidade dos veículos de divulgação, ou seja, revistas científicas Revistas: Qualidade - Brasil
  14. 14. Revistas – Publicação de Artigos • Verificar Qualis/Capes: http://qualis.capes.gov.br/webq ualis/principal.seam • Periódicos internacionais (A,B,C) e nacionais (A,B,C) • 8 estratos em ordem decrescente de valor:  A1 e A2 (excelência), B1, B2, B3, B4, B5 e C • A1- Fator de Impacto igual ou superior a 3,800 • A2- Fator de Impacto entre 3,799 e 2,500 • B1- Fator de Impacto entre 2,499 e 1,300 • B2- Fator de Impacto entre 1,299 e 0,001
  15. 15. • Quando um manuscrito é submetido a um periódico acadêmico de alta qualidade, passa por um escrutínio - mesmo antes de ser visto pelo editor e encaminhado para revisão por pares • Na base da Elsevier, 30-50% dos artigos sequer chegam ao processo de revisão por pares http://www.elsevier.com/connect/8-reasons-i-rejected-your-article Processo de Submissão
  16. 16. • Na triagem técnica, verifica-se a possibilidade de o artigo conter elementos plagiados – Plagiarism Detection Software – Auto-plágio: republicação artigos ou partes de artigos, submetendo-se a um ou mais revistas - Plágio – uso de texto ou imagens sem permissão • Verifica-se se o manuscrito está completo: se faltam elementos-chave, tais como o título, autores, filiações, palavras-chave, referências, todas as tabelas e figuras Triagem técnica do artigo submetido
  17. 17. • Verifica-se se o inglês é suficiente para o processo de revisão por pares – artigos em inglês, abstract de artigos em português – problema da transliteração • Verifica-se se o artigo não está de acordo com as normas editoriais da revista • Verifica-se se as referências estão incompletas ou muito antigas Triagem técnica do artigo submetido
  18. 18. 21 •Título • Autor (es) • Resumo e palavras-chave •Abstract e Key-words • Introdução • Metodologia • Resultados • Discussão • Conclusão • Referências Estrutura de um artigo científico
  19. 19. Título • Curto: não mais que 10-12 palavras • Conciso e atrativo para induzir à sua leitura • Deve conter termos que identifiquem o conteúdo • Títulos longos (> 15 palavras): efeito antiestético; reflexo da falta de concisão e prolixidade • Último a escrever no artigo: requer habilidade 22
  20. 20. Título • O título não deve conter palavras que “recheiam” ou alongam: “Introdução ao estudo de...”, ou “Considerações sobre...” • Evitar artigos definidos e indefinidos: a, um, o • Evitar qualquer palavra que não agregue informações importantes ao entendimento do conteúdo do artigo 23
  21. 21. Título • Um título adequado inclui geralmente: tipo do estudo, principais variáveis e/ou amostra • Pode conter subtítulo • Elaborar um bom título depende de prática 24
  22. 22. Como escrever um resumo?  Síntese completa do artigo  Objetivos, metodologia, resultados e conclusões – pode haver o tópico de Introdução, ou não, depende das normas  Nas normas dos periódicos define- se a extensão em número de palavras, se deve ser estruturado ou não Evitar: “os autores" ou "este artigo”
  23. 23. Como escrever um resumo? Apesar de haver regras úteis, só se aprende a ser um bom “resumidor” com a prática A busca a simplicidade é fundamental: “Menos é mais” Princípio da Parcimônia Proposto no século XIV por Guilherme de Occam (1285-1347), um dos fundamentos da epistemologia científica: “... não multiplique as coisas desnecessariamente”
  24. 24. Resumo Estruturado • Resumo de 150-300 palavras • Dividido em sessões separadas: objetivos, métodos, resultados e conclusões • Abreviações, referências e tabelas não devem ser utilizadas no resumo • CONCISÃO, CLAREZA, PRECISÃO E OBJETIVIDADE • Conceber o resumo como um parágrafo coeso e contar palavras
  25. 25. 28 Palavras-chave ou Descritores Expressões que identificam o tema do artigo com vistas à catalogação Descritores DeCS (http://decs.bvs.br)
  26. 26. • Problema de pesquisa (questão, pergunta) • Justificativa: relevância, prevalência, morbimortalidade, originalidade do problema formulado, lacunas a investigar, nova abordagem • Revisão teórica breve: conhecimento existente com conceitos sobre a questão • Deve ser curta: 300 a 600 palavras29 Introdução
  27. 27. •Lacunas existentes sobre o problema de pesquisa na literatura • Hipótese (s) de pesquisa (se estudo analítico) • Objetivos do trabalho no último parágrafo – verbo preciso e no infinitivo – verificar, determinar, identificar 30 Introdução
  28. 28. A definição do Problema de Pesquisa determina a escolha do modelo do estudo • Questões que interessam em Medicina –Frequência, prevalência –Associação, causalidade e etiologia –Diagnóstico –Tratamento e Prevenção –Prognóstico
  29. 29. 32 A Metodologia deve conter os seguintes itens: • Modelo da pesquisa • Abordagem metodológica • Local da pesquisa • População e amostra • Instrumentos de coleta dos dados • Análise estatística dos dados • Aspectos éticos
  30. 30. TIPOS DE ESTUDOS Estudos descritivos Estudos analíticos Observacional Experimental Caso-controle Transversal Coorte Séries de casos ECR Revisão sistemática e Meta- análise Caracterizar o modelo da pesquisa
  31. 31. 34 Metodologia • Precisão e objetividade: evitar informações e detalhes óbvios • Quanto detalhamento é necessário? O suficiente para que seja possível que outros autores repliquem o estudo ao ler a metodologia, se assim o desejar
  32. 32. 35 Metodologia • Definição detalhada da população do estudo: critérios de inclusão e exclusão, processo de amostragem e tamanho da amostra • Descrição das variáveis: primária e secundárias; dependente e independente
  33. 33. 36 Resultados • Seção mais importante do artigo • A apresentação dos resultados deve se limitar à sua descrição e não inclui interpretações • Complementar texto com tabelas e/ou gráficos, com os respectivos números e títulos
  34. 34. 37 • Apresentam-se primeiro os resultados obtidos das análises descritivas (sócio-demográficas e da variável primária) seguindo-se os das análises inferenciais Resultados
  35. 35. 38 • Parte mais difícil... • Iniciar com a resposta à questão, verbo no presente: a hipótese é corroborada pelos resultados? Explicar como os resultados sustentam ou não a hipótese • Se não houver hipóteses, responder à pergunta da pesquisa: qual foi a resposta encontrada? • Comparar a resposta encontrada com resultados de outros trabalhos da literatura Discussão
  36. 36. 39 •A Discussão não é apenas a discussão dos resultados, mas do trabalho como um todo •Discussão da Hipótese, dos Métodos, dos Resultados •Os dados numéricos devem ser interpretados e não recapitulados •A Discussão sempre remete ao problema, aos objetivos e à hipótese (se presente) que foram apresentados na Introdução Discussão
  37. 37. 40 •Havendo estudos similares na literatura, cabe uma comparação com os resultados neles alcançados • Esta comparação exige todo o rigor científico • Verificar se os estudos são mesmo comparáveis • Ressaltar os pontos de semelhança/diferença metodológica • Expor contradições e buscar explicações Discussão
  38. 38. 41 • Apontar pontos positivos do trabalho em relação aos outros estudos semelhantes • Diferenças metodológicas que poderiam melhorar a qualidade dos dados: abertura para outrostrabalhos • Deixar entrever outras pesquisas necessárias a partir de interrogações não respondidas e aspectos novos antes não vislumbrados Discussão
  39. 39. 42 • Indicar qual é a importância dos resultados encontrados: importância clínica, teórica, para políticas de saúde • Apontar que fatos indicam que os resultados da pesquisa corroboram determinada teoria • Se há resultados inesperados, discuti- los e buscar explicá-los com base no referencial teórico Discussão
  40. 40. 43 • Devem ser diretamente relacionadas aos objetivos propostos: são as respostas às questões do estudo • Verificar: Objetivos # conclusões – Evitar que conclusões não façam parte dos objetivos iniciais – Evitar que os objetivos iniciais não tenham sido concluídos Conclusões
  41. 41. Podem incluir também: • Aplicações • Recomendações • Implicações • Sugestão de outros estudos a partir de questões surgidas no trabalho 44 Conclusões
  42. 42. Referências  Apresentadas numericamente por ordem de aparecimento no corpo do texto  O estilo é geralmente o Vancouver, de acordo com as instruções normativas de cada periódico 45
  43. 43. Referências • As referências listadas precisam ser citadas • As referências citadas precisam ser listadas • As referências precisam ser completas • A ordenação numérica corresponde à ordem de aparecimento das citações no texto • Evitar citações com mais de cinco anos 46
  44. 44. Cuidado com as fontes das referências!
  45. 45. 48 • Linguagem técnico-científica sem expressões coloquiais • Parcimônia: “Less is more...” • Objetividade: a linguagem objetiva deve afastar as expressões: “eu penso”, “eu acho”, “parece-me” - dão margem a interpretações simplórias e sem valor científico Redação e Estilo
  46. 46. 49 Redação e Estilo • Estilo científico: objetividade, concisão, clareza, precisão, coerência, correção, encadeamento  A linguagem científica é informativa, racional, firmada em dados concretos  Podem-se apresentar argumentos de ordem subjetiva, porém dentro de um ponto de vista científico e com argumentação fundamentada
  47. 47. •Continuidade: Cada ideia, informação ou reflexão apresentada deve ser claramente relacionada às demais – uso de conectivos • O emprego de conectivos deve se acompanhar da relação de sentido entre dois parágrafos – cada parágrafo com conexão com o anterior e o seguinte •O encadeamento permite ao leitor acompanhar o raciocínio do autor Redação e Estilo
  48. 48. • Usar a voz ativa: construção mais persuasiva e direta •Usar mais orações afirmativas: mais “enxutas”, objetivas e claras •Usar a forma impessoal: mais objetiva •Evitar tautologia • Formalidade com simplicidade Redação e Estilo
  49. 49. Alguns Cuidados... • Evitar erros por simples descuido, especialmente na apresentação dos dados • Verificar se toda a informação está consistente (revisar e revisar de novo os dados) • Verificar se as imagens e gráficos representam o que se está afirmando que representam • Os números são o melhor aliado dos autores para transmitir a sua história – tornar fácil seu entendimento
  50. 50. Alguns Cuidados... • Cada figura deve mostrar apenas um, ou poucos pontos relacionados • Juntos, as figuras e tabelas devem enfocar todos os pontos importantes do artigo de uma forma clara • As legendas das figuras e tabelas devem ser completas
  51. 51. Alguns Cuidados... •Ao evitar essas armadilhas, economizam-se várias respostas aos revisores, tempo de autores e revisores e frustração • O trabalho deve ser julgado pelo seu mérito científico, e não por erros simples e evitáveis
  52. 52. 55 Aceitação do Artigo... • Chegou a boa notícia: A revista aceitou publicar o artigo submetido! • Apenas em raras ocasiões o artigo será aceito sem revisão • O editor pede correções... dentro de um prazo que deve ser respeitado • Muitas vezes há extensa lista de conselhos sobre ajustes a serem feitos... Ótimo! Mais aprendizado! Aprimoramento do artigo!
  53. 53. •Tentar cumprir todas as solicitações dos revisores mesmo considerando-se que algumas são desnecessárias • Às vezes, os pedidos dos revisores são equivocados ou com base em raciocínio falho - Neste caso, especialmente quando as demais sugestões foram acatadas, o editor aceita uma justificativa para não cumprir determinado ponto • Responder com clareza Aceitação do Artigo...
  54. 54. Lamentavelmente, o parecer é contrário à publicação do artigo no formato atual, sendo indicados os critérios que definiram a decisão. Os editores da... agradecem a participação de todos os autores e o interesse nesta revista, e esperamos receber outras contribuições.. Isso não quer dizer que o artigo não é bom ... Há revistas que rejeitam 70% das submissões Como lidar com a rejeição do artigo submetido...
  55. 55. • A rejeição pode ser um evento frustrante... • Então, muitas vezes é sensato esperar um pouco antes de pensar no próximo passo • Não é boa ideia questionar a avaliação feita pelo corpo editorial • É preciso reavaliar a escolha da revista Como lidar com a rejeição do artigo submetido...
  56. 56. •Reavaliar a escolha da revista • Corrigir eventuais deficiências apontadas no processo de revisão pela primeira revista • Reformatar o artigo para a revista de segunda escolha e enviá-lo • A maioria dos artigos rejeitados por uma revista são publicados em outros periódicos •Mesmo uma submissão que termina em rejeição é uma oportunidade de aprimorar suas habilidades de redação e edição Como lidar com a rejeição do artigo submetido...
  57. 57. Apresentação prévia do trabalho em congressos •É importante apresentar o trabalho oralmente primeiro, em congressos •Ajuda a decidir se o trabalho é publicável e a aprimorar o artigo
  58. 58. •“Microplágios”: cópia de trechos de textos disponíveis na Internet – “copiar-colar” •Não usar referência consultada e indicada em outro artigo como citação do próprio artigo, sem haver a consulta de tal referência Um problema: O PLÁGIO!...
  59. 59. Periódicos de maior Fator de Impacto 2012 Revistas - Medicina Revistas Medicina - Brasil
  60. 60. 2 0 1 2
  61. 61. Posição Título Editor Fator de impacto 2011 Link 1 Memórias do Instituto Oswaldo Cruz Instituto Oswaldo Cruz 2.147 http://memorias.ioc.fiocruz .br 2 Clinics Faculdade de Medicina - USP 2.058 www.clinics.org.br 3 Journal of the Brazilian Chemical Society Sociedade Brasileira de Química 1.434 http://jbcs.sbq.org.br 4 Jornal Brasileiro de Pneumologia Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia 1.391 www.jornaldepneumologia. com.br 5 Revista de Saúde Pública Faculdade de Saúde Pública - USP 1.328 www.rsp.fsp.usp.br 6 Revista Brasileira de Cirurgia Cardiovascular Sociedade Brasileira de Cirurgia Cardiovascular 1.239 www.rbccv.org.br 7 Revista Brasileira de Psiquiatria Associação Brasileira de Psiquiatria 1.198 www.rbppsiquiatria.org.br 8 Genetics and Molecular Research Fundação de Pesquisas Científicas de Ribeirão Preto 1.184 www.geneticsmr.com 9 Brazilian Journal of Medical and Biological Research Associação Brasileira de Divulgação Científica 1.129 www.bjournal.com.br 10 Anais da Academia Brasileira de Ciências Academia Brasileira de Ciências 1.094 www.scielo.br/aabc 11 International Braz J Urol Sociedade Brasileira de Urologia 1.065 www.brazjurol.com.br 12 Neotropical Ichtyhology Sociedade Brasileira de Ictiologia 1.064 www.scielo.br/ni 13 Natureza & Conservação Associação Brasileira de Ciência Ecológica e Conservação 1.049 www.abeco.org.br/publicac oes/natureza-e- conservacao 14 Jornal de Pediatria Sociedade Brasileira de Pediatria 1.013 www.jped.com.br 15 The Brazilian Journal of Infectious Diseases Sociedade Brasileira de Infectologia 1.005 www.bjid.org.br 16 Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo Instituto de Medicina Tropical de São Paulo - USP 1.000 www.scielo.br/rimtsp
  62. 62. 66 Artigos sobre análise crítica da redação científica Em pdf http://www.unerj.br/unerj/pesquisa/arquivos/Manual_Ar tigo_cientifico.pdf. http://www.odonto.ufmg.br/index2.php?option=com_do cman&task=doc_view&gid=32&Itemid=98. http://dialogos.ftc.br/index.php?option=com_docman&t ask=doc_download&gid=18&Itemid=15. http://www.cb.ufrn.br/~araujo/textos/aula1.pdf. Em HTML FRIEDLANDER, M. R.; ARBUES-MOREIRA, M. T. Análise de um trabalho científico: um exercício. Rev. bras. enferm. v. 60, n. 5, p. 573-578, 2007. Sugestões para leitura
  63. 63. Nada substitui uma boa ideia, a excelência da investigação e a boa escrita, limpa e clara
  64. 64. 68 “O texto deve ter três virtudes: clareza, clareza e clareza.” (Anatole France)
  65. 65. Nunca desistir facilmente... Fonte: Jornal da Ciência, da SBPC
  66. 66. Finalmente, é preciso comemorar a publicação do artigo!

×