SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 31
DOR:
ANAMNESE DO
PACIENTE COM
DOR CRÔNICADOR CRÔNICA
Profa. RilvaProfa. Rilva LopesLopes de Sousade Sousa--MuñozMuñoz
Centro deCentro de CiênciasCiências MédicasMédicas -- UFPBUFPB
rilva@ccm.ufpb.br
OBJETIVOS DA EXPOSIÇÃO
Dor Crônica: Anamnese
• fornecer uma revisão da
anamnese com enfoque no
sintoma dor;
• identificar as principais questões• identificar as principais questões
semiológicas da anamnese do
paciente com dor;
• caracterizar a dor crônica como
fenômeno multidimensional no
contexto da anamnese.
FATOS CLÍNICOS
RELACIONADOS À DOR
•Experiência subjetiva;
•Altamente variável;
•Não é uma sensação•Não é uma sensação
isolada;
• Influência de fatores
psicossociais e culturais.
O que é DOR?...
“Experiência sensorial e
emocional desagradável que é
associada a lesões reais ou
potenciais ou descrita em termos
de tais lesões. A dor é semprede tais lesões. A dor é sempre
subjetiva e cada indivíduo
aprende a utilizar este termo por
meio de suas experiências”.
(International Association for the Study of
Pain)
“DOR“DOR
TOTAL”TOTAL”
(Cecily(Cecily
Saunders)Saunders)
DORDOR –– História da Doença AtualHistória da Doença Atual
"Decálogo da Dor""Decálogo da Dor"
•• duração;duração;
••início e evolução;início e evolução;
•• localização;localização;
•• irradiação;irradiação;•• irradiação;irradiação;
•• intensidade;intensidade;
•• qualidade;qualidade;
•• sinais e sintomas concomitantes;sinais e sintomas concomitantes;
•• fatores desencadeantes, agravantes e quefatores desencadeantes, agravantes e que
aliviam;aliviam;
•• repercussão;repercussão;
•• tratamentos realizados.tratamentos realizados.
DURAÇÃO E EVOLUÇÃODURAÇÃO E EVOLUÇÃO
••AgudaAguda
•• CrônicaCrônica –– contínua,contínua,•• CrônicaCrônica –– contínua,contínua,
intermitenteintermitente
•• RecorrenteRecorrente
O Paciente com Dor Crônica
ANAMNESE
Permitir que o paciente
conte a sua história
Dar oportunidade para
que ele expresse seus
sentimentos
SURGIMENTO DA DOR
• Como apareceu?
Data precisa do surgimento e
circunstâncias relacionadascircunstâncias relacionadas
Forma de início: súbita ou
gradual
Tratamento recebido quando
surgiu a dor
INÍCIO
• Formas de início
insidioso: dor ulcerosa péptica,
cólica biliar;cólica biliar;
brusco, agudo: infarto agudo do
miocárdio, discopatia lombar;
instantâneo, brutal, intenso e
persistente: úlcera péptica
perfurada, ruptura de aneurisma.
• Formas de evolução
a) Dor aguda:
contínua: pancreatite;
EVOLUÇÃO
contínua: pancreatite;
intermitente: cólica intestinal;
paroxística: neuralgias;
enxaqueca em salvas.
• Formas de evolução
b) Dor crônica:
EVOLUÇÃO
contínua: doenças malignas;
rítmica e periódica: dor
ulcerosa, hemicrânia.
QUALIDADE
•• Dor em cólica: cólica intestinal,cólica intestinal,
cólica menstrual;cólica menstrual;
•• Dor em pontada: dor pleurítica;dor pleurítica;
•• Dor em queimação: dor dador da•• Dor em queimação: dor dador da
esofagite.esofagite.
• Dor Pulsátil: enxaqueca;
• Dor surda: dor lombar;
• Dor constritiva: dor da angina do
peito.
• Pede-se para o paciente
indicar precisamente
onde se localiza a dor;
LOCALIZAÇÃO
onde se localiza a dor;
• Em geral, indica a provável
projeção da estrutura
comprometida, mas não
necessariamente
Diagrama corporal de localização e
distribuição espacial da dor
• Há irradiações típicas de grande
valor diagnóstico:
dor precordial de origem isquêmica;
cólica renal;
IRRADIAÇÃO
cólica renal;
lombociatalgia.
• Migração da dor: mudança de
localização de uma dor em relação
ao local inicial de aparecimento;
apendicite aguda
INTENSIDADE
• Aspecto subjetivo, a ser valorizado
em associação com outras
manifestações;
• A personalidade influi:
- Os hipersensíveis a exageram;- Os hipersensíveis a exageram;
- Os hiposseníveis a minimizam;
• Dor aguda e intensa: manifestações
neurovegetativas (taquicardia,
taquipneia, palidez, sudorese, agitação
psicomotora, choro, grito).
FATORES QUE
MODIFICAM A DOR
• Fatores desencadeantes ou
agravantes;
• Fatores de alívio;• Fatores de alívio;
• Efeito de perturbações emocionais,
repouso, tranquilidade, movimento da
parte envolvida, posição, pressão local,
frio, esforço, tosse; alimentação,
evacuação, menstruação, sono,
medicamentos.
TRATAMENTOS
• Procedimentos
terapêuticos realizados e
resultados alcançadosresultados alcançados
• Uso crônico de
medicamentos: efeitos
adversos, efeito adictivo
SINTOMAS ASSOCIADOS
• Ajudam a identificar o
sistema afetado;
• Presença de manifestações
neurovegetativas: intensidadeneurovegetativas: intensidade
da dor aguda;
• Sintomas ansiosos e
depressivos;
• Insônia.
i
Prejuízo nas
atividades cotidianas
Capacidade funcional
Influência no trabalho
e recreação
Depressão
Ansiedade
Insônia
Comprometimento da
auto-imagem
REPERCUSSÕES SOBRE A VIDA DO
PACIENTE
Marital / família /
relações sociais
Perda de papel social
Isolamento social
Perdas financeiras
Alros custos com
saúde
Absenteísmo
Baixa produtividade
• Melhora, piora,inalterabilidade
A dor piorou ou melhorou com o
tempo?
Localização e irradiação se
PROGRESSÃO E DIAGNÓSTICOS
Localização e irradiação se
alteraram?
Qualidade e intensidade se
alteraram?
• Exames complementares
realizados desde o início
ANTECEDENTES PESSOAIS
PATOLÓGICOS
• Transtornos psicológicos
prévios;
• Utilização de medicamentos• Utilização de medicamentos
prescritos;
• Abuso de drogas: fumo, álcool e drogas ilícitas;
• Doenças, cirurgias,
acidentes.
ANTECEDENTES FAMILIARES
• Saúde dos pais e irmãos:
manifestações dolorosas com
frequência;frequência;
• Relacionamento marital e
com os filhos: Família
disfuncional;
• Doença crônica na família.
ANTECEDENTES PSICOSSOCIAIS
• Eventos estressantes
vitais;
• Perdas interpessoais e• Perdas interpessoais e
materiais recentes;
• Mudanças;
• Questões de indenização e
litigiosas.
ANTECEDENTES PSICOSSOCIAIS
• Atitudes e expectativas
• Sistema de crenças;
•• ““ComportamentoComportamento dede
DoenteDoente”;”;
• Ganhos primários e
secundários.
DIAGNÓSTICO DA ORIGEM
DA DOR
• Diagnóstico simplifica-se
quando apresenta todas as
características;características;
• NEM SEMPRE estão presentes
as principais características;
• Podem ocorrer características
atípicas.
A ANÁLISEA ANÁLISE
SEMIOLÓGICASEMIOLÓGICA
MINUCIOSA DOMINUCIOSA DO
PACIENTE COM DORPACIENTE COM DORPACIENTE COM DORPACIENTE COM DOR
É OÉ O ELEMENTOELEMENTO
DIAGNÓSTICO MAISDIAGNÓSTICO MAIS
IMPORTANTEIMPORTANTE
“Os corpos
não sofrem,
as pessoasas pessoas
sofrem”
(Eric Cassel)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Exame Neurológico: Síndrome Extrapiramidal
Exame Neurológico: Síndrome ExtrapiramidalExame Neurológico: Síndrome Extrapiramidal
Exame Neurológico: Síndrome ExtrapiramidalDr. Rafael Higashi
 
Exame físico do sist. respiratório
Exame físico do sist. respiratórioExame físico do sist. respiratório
Exame físico do sist. respiratórioresenfe2013
 
Exame físico do abdome l
Exame físico do abdome lExame físico do abdome l
Exame físico do abdome lpauloalambert
 
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICCInsuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICCCíntia Costa
 
Propedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonarPropedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonardapab
 
Fisioterapia em TRAUMATO ORTOPEDIA
Fisioterapia em TRAUMATO ORTOPEDIAFisioterapia em TRAUMATO ORTOPEDIA
Fisioterapia em TRAUMATO ORTOPEDIANay Ribeiro
 
Insuficiencia cardiaca
Insuficiencia cardiacaInsuficiencia cardiaca
Insuficiencia cardiacaLAC
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Williams, mackenzie, klapp e feldenkrais
Williams, mackenzie, klapp e feldenkraisWilliams, mackenzie, klapp e feldenkrais
Williams, mackenzie, klapp e feldenkraisThalita Tassiani
 
Exame físico do tórax
Exame físico do tórax Exame físico do tórax
Exame físico do tórax Paulo Alambert
 
Fisiologia cardiaca 2015
Fisiologia cardiaca 2015Fisiologia cardiaca 2015
Fisiologia cardiaca 2015resenfe2013
 
Distúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticosDistúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticosresenfe2013
 
Aula1avaliaocineticofuncional 20150308163831
Aula1avaliaocineticofuncional 20150308163831Aula1avaliaocineticofuncional 20150308163831
Aula1avaliaocineticofuncional 20150308163831Andre Magalhaes
 
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de casoAssistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de casoresenfe2013
 

Mais procurados (20)

Exame Neurológico: Síndrome Extrapiramidal
Exame Neurológico: Síndrome ExtrapiramidalExame Neurológico: Síndrome Extrapiramidal
Exame Neurológico: Síndrome Extrapiramidal
 
Exame físico do sist. respiratório
Exame físico do sist. respiratórioExame físico do sist. respiratório
Exame físico do sist. respiratório
 
AINES
AINESAINES
AINES
 
Exame físico do abdome l
Exame físico do abdome lExame físico do abdome l
Exame físico do abdome l
 
Fibromialgia
Fibromialgia Fibromialgia
Fibromialgia
 
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICCInsuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
 
Propedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonarPropedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonar
 
Fisioterapia em TRAUMATO ORTOPEDIA
Fisioterapia em TRAUMATO ORTOPEDIAFisioterapia em TRAUMATO ORTOPEDIA
Fisioterapia em TRAUMATO ORTOPEDIA
 
Insuficiencia cardiaca
Insuficiencia cardiacaInsuficiencia cardiaca
Insuficiencia cardiaca
 
Planejamento dos cuidados de enfermagem
Planejamento dos cuidados de enfermagemPlanejamento dos cuidados de enfermagem
Planejamento dos cuidados de enfermagem
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
 
Williams, mackenzie, klapp e feldenkrais
Williams, mackenzie, klapp e feldenkraisWilliams, mackenzie, klapp e feldenkrais
Williams, mackenzie, klapp e feldenkrais
 
Lombalgia - Lombociatalgia
Lombalgia - Lombociatalgia Lombalgia - Lombociatalgia
Lombalgia - Lombociatalgia
 
Exame físico do tórax
Exame físico do tórax Exame físico do tórax
Exame físico do tórax
 
Exame fisico abdome
Exame fisico abdomeExame fisico abdome
Exame fisico abdome
 
Fisiologia cardiaca 2015
Fisiologia cardiaca 2015Fisiologia cardiaca 2015
Fisiologia cardiaca 2015
 
Distúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticosDistúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticos
 
Síndrome piramidal
Síndrome piramidalSíndrome piramidal
Síndrome piramidal
 
Aula1avaliaocineticofuncional 20150308163831
Aula1avaliaocineticofuncional 20150308163831Aula1avaliaocineticofuncional 20150308163831
Aula1avaliaocineticofuncional 20150308163831
 
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de casoAssistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
 

Destaque

Destaque (20)

Mecanismos de dor crônica e farmacologia na terapia da DTM
Mecanismos de dor crônica e farmacologia na terapia da DTMMecanismos de dor crônica e farmacologia na terapia da DTM
Mecanismos de dor crônica e farmacologia na terapia da DTM
 
Anamnese das cefaléias
Anamnese das cefaléiasAnamnese das cefaléias
Anamnese das cefaléias
 
Fibromialgia e DTM
Fibromialgia e DTMFibromialgia e DTM
Fibromialgia e DTM
 
Fisiologia da dor
Fisiologia da dorFisiologia da dor
Fisiologia da dor
 
Semiologia da dor
Semiologia da dorSemiologia da dor
Semiologia da dor
 
CÓLICA Sexulidade humana 7 e 11
CÓLICA Sexulidade humana 7 e 11CÓLICA Sexulidade humana 7 e 11
CÓLICA Sexulidade humana 7 e 11
 
Puberdade Precoce
Puberdade PrecocePuberdade Precoce
Puberdade Precoce
 
Cólica menstrual
Cólica menstrualCólica menstrual
Cólica menstrual
 
Aula dor pélvica (1)
Aula dor pélvica (1)Aula dor pélvica (1)
Aula dor pélvica (1)
 
Sinnus headache - Cefaléia Sinusal
Sinnus headache - Cefaléia SinusalSinnus headache - Cefaléia Sinusal
Sinnus headache - Cefaléia Sinusal
 
Cefaléia nas doenças autoimunes
Cefaléia nas doenças autoimunesCefaléia nas doenças autoimunes
Cefaléia nas doenças autoimunes
 
Avaliação de dor crônica
Avaliação de dor crônicaAvaliação de dor crônica
Avaliação de dor crônica
 
Dismenorrea cor[1]
Dismenorrea cor[1]Dismenorrea cor[1]
Dismenorrea cor[1]
 
Enxaqueca Aguda Tratamento
Enxaqueca Aguda Tratamento   Enxaqueca Aguda Tratamento
Enxaqueca Aguda Tratamento
 
Propedêutica das cefaléias
Propedêutica das cefaléias Propedêutica das cefaléias
Propedêutica das cefaléias
 
Cefaleia na pediatria
Cefaleia na pediatriaCefaleia na pediatria
Cefaleia na pediatria
 
Tratamentodas Cefaléias Incomuns
Tratamentodas Cefaléias IncomunsTratamentodas Cefaléias Incomuns
Tratamentodas Cefaléias Incomuns
 
Cefaléias primárias para Odontólogos
Cefaléias primárias para OdontólogosCefaléias primárias para Odontólogos
Cefaléias primárias para Odontólogos
 
Cefaléias da gravidez e lactação
Cefaléias da gravidez e lactaçãoCefaléias da gravidez e lactação
Cefaléias da gravidez e lactação
 
Dor pélvica aguda em ginecologia
Dor pélvica aguda em ginecologiaDor pélvica aguda em ginecologia
Dor pélvica aguda em ginecologia
 

Semelhante a Anamnese da Dor Crônica: Identificando a Origem da Dor

O doente oncológico em fase terminal
O doente oncológico em fase terminalO doente oncológico em fase terminal
O doente oncológico em fase terminalPelo Siro
 
Dor 5º sinal vital cb dor aula enfª lucimara
Dor 5º sinal vital cb dor aula enfª lucimaraDor 5º sinal vital cb dor aula enfª lucimara
Dor 5º sinal vital cb dor aula enfª lucimaraemaildocavalcante
 
Avaliacao musculoesqueletica da coluna cervical
Avaliacao musculoesqueletica da coluna cervicalAvaliacao musculoesqueletica da coluna cervical
Avaliacao musculoesqueletica da coluna cervicalNatha Fisioterapia
 
0311 o adoecer - Daniela
0311 o adoecer - Daniela0311 o adoecer - Daniela
0311 o adoecer - Danielalaiscarlini
 
Semiologia Neurológica: Sintomatologia - Profa. Rilva Muñoz
Semiologia Neurológica: Sintomatologia - Profa. Rilva MuñozSemiologia Neurológica: Sintomatologia - Profa. Rilva Muñoz
Semiologia Neurológica: Sintomatologia - Profa. Rilva MuñozRilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Dor recorrente em membros na infância
Dor recorrente em membros na infânciaDor recorrente em membros na infância
Dor recorrente em membros na infânciablogped1
 
Assistência de Enfermagem na dor
Assistência de Enfermagem na dorAssistência de Enfermagem na dor
Assistência de Enfermagem na dorWalquer Sobrinho
 
Anamnese
AnamneseAnamnese
Anamneselacmuam
 
Propedeutica reumato eraldoxx2012
Propedeutica reumato eraldoxx2012Propedeutica reumato eraldoxx2012
Propedeutica reumato eraldoxx2012ERALDO DOS SANTOS
 
Intervenção fisioterapêutica na dor lombar crônica
Intervenção fisioterapêutica na dor lombar crônicaIntervenção fisioterapêutica na dor lombar crônica
Intervenção fisioterapêutica na dor lombar crônicaDaiana Marques
 
1-INTRODUÇÃO AO EXAME FÍSICO.pdf
1-INTRODUÇÃO AO EXAME FÍSICO.pdf1-INTRODUÇÃO AO EXAME FÍSICO.pdf
1-INTRODUÇÃO AO EXAME FÍSICO.pdfThatyMicaelly
 

Semelhante a Anamnese da Dor Crônica: Identificando a Origem da Dor (20)

Rio pharma 19
Rio pharma 19Rio pharma 19
Rio pharma 19
 
O doente oncológico em fase terminal
O doente oncológico em fase terminalO doente oncológico em fase terminal
O doente oncológico em fase terminal
 
dor.pdf
dor.pdfdor.pdf
dor.pdf
 
Dor 5º sinal vital cb dor aula enfª lucimara
Dor 5º sinal vital cb dor aula enfª lucimaraDor 5º sinal vital cb dor aula enfª lucimara
Dor 5º sinal vital cb dor aula enfª lucimara
 
Avaliacao musculoesqueletica da coluna cervical
Avaliacao musculoesqueletica da coluna cervicalAvaliacao musculoesqueletica da coluna cervical
Avaliacao musculoesqueletica da coluna cervical
 
Aula 1 anamese
Aula 1 anameseAula 1 anamese
Aula 1 anamese
 
Dor ucp
Dor ucpDor ucp
Dor ucp
 
0311 o adoecer - Daniela
0311 o adoecer - Daniela0311 o adoecer - Daniela
0311 o adoecer - Daniela
 
Semiologia Neurológica: Sintomatologia - Profa. Rilva Muñoz
Semiologia Neurológica: Sintomatologia - Profa. Rilva MuñozSemiologia Neurológica: Sintomatologia - Profa. Rilva Muñoz
Semiologia Neurológica: Sintomatologia - Profa. Rilva Muñoz
 
Dor recorrente em membros na infância
Dor recorrente em membros na infânciaDor recorrente em membros na infância
Dor recorrente em membros na infância
 
Assistência de Enfermagem na dor
Assistência de Enfermagem na dorAssistência de Enfermagem na dor
Assistência de Enfermagem na dor
 
Anamnese
AnamneseAnamnese
Anamnese
 
Propedeutica reumato eraldoxx2012
Propedeutica reumato eraldoxx2012Propedeutica reumato eraldoxx2012
Propedeutica reumato eraldoxx2012
 
Dmr Aula Dor Em Pc
Dmr Aula Dor Em PcDmr Aula Dor Em Pc
Dmr Aula Dor Em Pc
 
Maga semio
Maga semioMaga semio
Maga semio
 
Dor Pós Operatória
Dor Pós OperatóriaDor Pós Operatória
Dor Pós Operatória
 
Intervenção fisioterapêutica na dor lombar crônica
Intervenção fisioterapêutica na dor lombar crônicaIntervenção fisioterapêutica na dor lombar crônica
Intervenção fisioterapêutica na dor lombar crônica
 
1-INTRODUÇÃO AO EXAME FÍSICO.pdf
1-INTRODUÇÃO AO EXAME FÍSICO.pdf1-INTRODUÇÃO AO EXAME FÍSICO.pdf
1-INTRODUÇÃO AO EXAME FÍSICO.pdf
 
dor2020.pdf
dor2020.pdfdor2020.pdf
dor2020.pdf
 
Fibromialgia
Fibromialgia Fibromialgia
Fibromialgia
 

Mais de Rilva Lopes de Sousa Muñoz

Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1
Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1
Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
A RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOS
A RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOSA RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOS
A RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOSRilva Lopes de Sousa Muñoz
 
ORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICA
ORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO  INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICAORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO  INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICA
ORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICARilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESME
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESMEElaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESME
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESMERilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESMEVelhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESMERilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESMEValidade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESMERilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. Rilva
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. RilvaMedicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. Rilva
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. RilvaRilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Noções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. Rilva
Noções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. RilvaNoções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. Rilva
Noções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. RilvaRilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. Rilva
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. RilvaPesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. Rilva
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. RilvaRilva Lopes de Sousa Muñoz
 

Mais de Rilva Lopes de Sousa Muñoz (20)

Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1
Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1
Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1
 
A RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOS
A RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOSA RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOS
A RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOS
 
História da Saúde Pública no Brasil
História da Saúde Pública no BrasilHistória da Saúde Pública no Brasil
História da Saúde Pública no Brasil
 
História da Saúde Pública - Parte 1
História da Saúde Pública - Parte 1História da Saúde Pública - Parte 1
História da Saúde Pública - Parte 1
 
História da Teoria Microbiana das Doenças
História da Teoria Microbiana das DoençasHistória da Teoria Microbiana das Doenças
História da Teoria Microbiana das Doenças
 
História da Medicina no Brasil
História da Medicina no BrasilHistória da Medicina no Brasil
História da Medicina no Brasil
 
História da Cirurgia
História da CirurgiaHistória da Cirurgia
História da Cirurgia
 
História do Ensino Médico
História do Ensino MédicoHistória do Ensino Médico
História do Ensino Médico
 
Teorias de Aprendizagem em Medicina
Teorias de Aprendizagem em MedicinaTeorias de Aprendizagem em Medicina
Teorias de Aprendizagem em Medicina
 
ORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICA
ORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO  INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICAORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO  INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICA
ORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICA
 
História das Doenças Negligenciadas
História das Doenças NegligenciadasHistória das Doenças Negligenciadas
História das Doenças Negligenciadas
 
Semiologia Baseada em Evidências
Semiologia Baseada em EvidênciasSemiologia Baseada em Evidências
Semiologia Baseada em Evidências
 
Aula "Atestados Médicos"
Aula "Atestados Médicos" Aula "Atestados Médicos"
Aula "Atestados Médicos"
 
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESME
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESMEElaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESME
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESME
 
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESMEVelhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
 
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESMEValidade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESME
 
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. Rilva
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. RilvaMedicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. Rilva
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. Rilva
 
Noções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. Rilva
Noções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. RilvaNoções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. Rilva
Noções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. Rilva
 
Teoria da Amostragem - Profa. Rilva - GESME
Teoria da Amostragem - Profa. Rilva - GESMETeoria da Amostragem - Profa. Rilva - GESME
Teoria da Amostragem - Profa. Rilva - GESME
 
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. Rilva
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. RilvaPesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. Rilva
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. Rilva
 

Último

activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADOcarolinacespedes23
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniCassio Meira Jr.
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.keislayyovera123
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxOsnilReis1
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
Prova uniasselvi tecnologias da Informação.pdf
Prova uniasselvi tecnologias da Informação.pdfProva uniasselvi tecnologias da Informação.pdf
Prova uniasselvi tecnologias da Informação.pdfArthurRomanof1
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx
“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx
“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptxthaisamaral9365923
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Bullying - Atividade com caça- palavras
Bullying   - Atividade com  caça- palavrasBullying   - Atividade com  caça- palavras
Bullying - Atividade com caça- palavrasMary Alvarenga
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
Governo Provisório Era Vargas 1930-1934 Brasil
Governo Provisório Era Vargas 1930-1934 BrasilGoverno Provisório Era Vargas 1930-1934 Brasil
Governo Provisório Era Vargas 1930-1934 Brasillucasp132400
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 

Último (20)

activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
Prova uniasselvi tecnologias da Informação.pdf
Prova uniasselvi tecnologias da Informação.pdfProva uniasselvi tecnologias da Informação.pdf
Prova uniasselvi tecnologias da Informação.pdf
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx
“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx
“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Bullying - Atividade com caça- palavras
Bullying   - Atividade com  caça- palavrasBullying   - Atividade com  caça- palavras
Bullying - Atividade com caça- palavras
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
Governo Provisório Era Vargas 1930-1934 Brasil
Governo Provisório Era Vargas 1930-1934 BrasilGoverno Provisório Era Vargas 1930-1934 Brasil
Governo Provisório Era Vargas 1930-1934 Brasil
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 

Anamnese da Dor Crônica: Identificando a Origem da Dor

  • 1. DOR: ANAMNESE DO PACIENTE COM DOR CRÔNICADOR CRÔNICA Profa. RilvaProfa. Rilva LopesLopes de Sousade Sousa--MuñozMuñoz Centro deCentro de CiênciasCiências MédicasMédicas -- UFPBUFPB rilva@ccm.ufpb.br
  • 2. OBJETIVOS DA EXPOSIÇÃO Dor Crônica: Anamnese • fornecer uma revisão da anamnese com enfoque no sintoma dor; • identificar as principais questões• identificar as principais questões semiológicas da anamnese do paciente com dor; • caracterizar a dor crônica como fenômeno multidimensional no contexto da anamnese.
  • 3. FATOS CLÍNICOS RELACIONADOS À DOR •Experiência subjetiva; •Altamente variável; •Não é uma sensação•Não é uma sensação isolada; • Influência de fatores psicossociais e culturais.
  • 4. O que é DOR?... “Experiência sensorial e emocional desagradável que é associada a lesões reais ou potenciais ou descrita em termos de tais lesões. A dor é semprede tais lesões. A dor é sempre subjetiva e cada indivíduo aprende a utilizar este termo por meio de suas experiências”. (International Association for the Study of Pain)
  • 6. DORDOR –– História da Doença AtualHistória da Doença Atual "Decálogo da Dor""Decálogo da Dor" •• duração;duração; ••início e evolução;início e evolução; •• localização;localização; •• irradiação;irradiação;•• irradiação;irradiação; •• intensidade;intensidade; •• qualidade;qualidade; •• sinais e sintomas concomitantes;sinais e sintomas concomitantes; •• fatores desencadeantes, agravantes e quefatores desencadeantes, agravantes e que aliviam;aliviam; •• repercussão;repercussão; •• tratamentos realizados.tratamentos realizados.
  • 7. DURAÇÃO E EVOLUÇÃODURAÇÃO E EVOLUÇÃO ••AgudaAguda •• CrônicaCrônica –– contínua,contínua,•• CrônicaCrônica –– contínua,contínua, intermitenteintermitente •• RecorrenteRecorrente
  • 8. O Paciente com Dor Crônica
  • 9. ANAMNESE Permitir que o paciente conte a sua história Dar oportunidade para que ele expresse seus sentimentos
  • 10. SURGIMENTO DA DOR • Como apareceu? Data precisa do surgimento e circunstâncias relacionadascircunstâncias relacionadas Forma de início: súbita ou gradual Tratamento recebido quando surgiu a dor
  • 11. INÍCIO • Formas de início insidioso: dor ulcerosa péptica, cólica biliar;cólica biliar; brusco, agudo: infarto agudo do miocárdio, discopatia lombar; instantâneo, brutal, intenso e persistente: úlcera péptica perfurada, ruptura de aneurisma.
  • 12. • Formas de evolução a) Dor aguda: contínua: pancreatite; EVOLUÇÃO contínua: pancreatite; intermitente: cólica intestinal; paroxística: neuralgias; enxaqueca em salvas.
  • 13. • Formas de evolução b) Dor crônica: EVOLUÇÃO contínua: doenças malignas; rítmica e periódica: dor ulcerosa, hemicrânia.
  • 14. QUALIDADE •• Dor em cólica: cólica intestinal,cólica intestinal, cólica menstrual;cólica menstrual; •• Dor em pontada: dor pleurítica;dor pleurítica; •• Dor em queimação: dor dador da•• Dor em queimação: dor dador da esofagite.esofagite. • Dor Pulsátil: enxaqueca; • Dor surda: dor lombar; • Dor constritiva: dor da angina do peito.
  • 15. • Pede-se para o paciente indicar precisamente onde se localiza a dor; LOCALIZAÇÃO onde se localiza a dor; • Em geral, indica a provável projeção da estrutura comprometida, mas não necessariamente
  • 16. Diagrama corporal de localização e distribuição espacial da dor
  • 17. • Há irradiações típicas de grande valor diagnóstico: dor precordial de origem isquêmica; cólica renal; IRRADIAÇÃO cólica renal; lombociatalgia. • Migração da dor: mudança de localização de uma dor em relação ao local inicial de aparecimento; apendicite aguda
  • 18. INTENSIDADE • Aspecto subjetivo, a ser valorizado em associação com outras manifestações; • A personalidade influi: - Os hipersensíveis a exageram;- Os hipersensíveis a exageram; - Os hiposseníveis a minimizam; • Dor aguda e intensa: manifestações neurovegetativas (taquicardia, taquipneia, palidez, sudorese, agitação psicomotora, choro, grito).
  • 19.
  • 20. FATORES QUE MODIFICAM A DOR • Fatores desencadeantes ou agravantes; • Fatores de alívio;• Fatores de alívio; • Efeito de perturbações emocionais, repouso, tranquilidade, movimento da parte envolvida, posição, pressão local, frio, esforço, tosse; alimentação, evacuação, menstruação, sono, medicamentos.
  • 21. TRATAMENTOS • Procedimentos terapêuticos realizados e resultados alcançadosresultados alcançados • Uso crônico de medicamentos: efeitos adversos, efeito adictivo
  • 22. SINTOMAS ASSOCIADOS • Ajudam a identificar o sistema afetado; • Presença de manifestações neurovegetativas: intensidadeneurovegetativas: intensidade da dor aguda; • Sintomas ansiosos e depressivos; • Insônia.
  • 23. i Prejuízo nas atividades cotidianas Capacidade funcional Influência no trabalho e recreação Depressão Ansiedade Insônia Comprometimento da auto-imagem REPERCUSSÕES SOBRE A VIDA DO PACIENTE Marital / família / relações sociais Perda de papel social Isolamento social Perdas financeiras Alros custos com saúde Absenteísmo Baixa produtividade
  • 24. • Melhora, piora,inalterabilidade A dor piorou ou melhorou com o tempo? Localização e irradiação se PROGRESSÃO E DIAGNÓSTICOS Localização e irradiação se alteraram? Qualidade e intensidade se alteraram? • Exames complementares realizados desde o início
  • 25. ANTECEDENTES PESSOAIS PATOLÓGICOS • Transtornos psicológicos prévios; • Utilização de medicamentos• Utilização de medicamentos prescritos; • Abuso de drogas: fumo, álcool e drogas ilícitas; • Doenças, cirurgias, acidentes.
  • 26. ANTECEDENTES FAMILIARES • Saúde dos pais e irmãos: manifestações dolorosas com frequência;frequência; • Relacionamento marital e com os filhos: Família disfuncional; • Doença crônica na família.
  • 27. ANTECEDENTES PSICOSSOCIAIS • Eventos estressantes vitais; • Perdas interpessoais e• Perdas interpessoais e materiais recentes; • Mudanças; • Questões de indenização e litigiosas.
  • 28. ANTECEDENTES PSICOSSOCIAIS • Atitudes e expectativas • Sistema de crenças; •• ““ComportamentoComportamento dede DoenteDoente”;”; • Ganhos primários e secundários.
  • 29. DIAGNÓSTICO DA ORIGEM DA DOR • Diagnóstico simplifica-se quando apresenta todas as características;características; • NEM SEMPRE estão presentes as principais características; • Podem ocorrer características atípicas.
  • 30. A ANÁLISEA ANÁLISE SEMIOLÓGICASEMIOLÓGICA MINUCIOSA DOMINUCIOSA DO PACIENTE COM DORPACIENTE COM DORPACIENTE COM DORPACIENTE COM DOR É OÉ O ELEMENTOELEMENTO DIAGNÓSTICO MAISDIAGNÓSTICO MAIS IMPORTANTEIMPORTANTE
  • 31. “Os corpos não sofrem, as pessoasas pessoas sofrem” (Eric Cassel)