Freud aprendizagem desenvolvimento e fases

29.000 visualizações

Publicada em

0 comentários
12 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
29.000
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
594
Comentários
0
Gostaram
12
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Freud aprendizagem desenvolvimento e fases

  1. 1. P S I C O L O G I A D A E D U C A Ç Ã OP R O F M A R N E Y C R U ZM A T E M Á T I C A – L I C . 1 º S E M E S T R EU N I V E R S I D A D E R E G I O N A L D O C A R I R I - U R C AC A M P O S S A L E S – C E A R ÁA B R I L D E 2 0 1 3Freud: aprendizagem edesenvolvimento
  2. 2. A Psicanálise A Psicanálise, que nasce com Freud, naÁustriaA partir da práticamédica, recupera para a Psicologiaa importância da afetividade epostula o inconsciente como objetode estudo, quebrando a tradição daPsicologia como ciência daconsciência e da razão.
  3. 3. Sigmund Freud (1856-1939) “Foi um médico vienense quealterou, radicalmente, o modo de pensar a vidapsíquica. Sua contribuição é comparável à de KarlMarx na compreensão dos processos históricos esociais. Freud ousou colocar os “processos misteriosos” dopsiquismo, suas “regiões obscuras”, isto é, asfantasias, os sonhos, os esquecimentos, ainterioridade do homem, como problemascientíficos. A investigação sistemática dessesproblemas levou Freud à criação da Psicanálise.”(Psicologias, BOCK, 1991, p. 70)
  4. 4. FREUD Compreender a Psicanálise significa percorrernovamente o trajeto pessoal de Freud, desde aorigem dessa ciência e durante grande parte de seudesenvolvimento. A relação entre autor e obra torna-se maissignificativa quando descobrimos que grande partede sua produção foi baseada em experiênciaspessoais, transcritas com rigor em várias de suasobras, como A interpretação dos sonhos e Apsicopatologia da vida cotidiana, dentre outras.”(Psicologias, BOCK, 1991, p. 70)
  5. 5. Gestação da Psicanálise Medicina (esp. Psiquiatria)Viena 1881 Laboratório de fisiologia Aulas de neuropatologia Dificuldades financeiras X pesquisa De volta à clínica Ganhou bolsa pesquisar em Paris com Charcot 1886, Josef Breuer, pesquisas emneurose, hipnose, , caso Ana O.
  6. 6. Hipnose Significa: “O médico induz o paciente a um estadoalterado da consciência e, nesta condição, investiga a ouas conexões entre condutas e/ou entre fatos e condutasque podem ter determinado o surgimento de umsintoma. O médico também introduz novas idéias (asugestão) que podem, pelo menostemporariamente, provocar o desaparecimento dosintoma. “(Psicologias, BOCK, 1991, p. 71) Freud, em sua Autobiografia, afirma que desde o iníciode sua prática médica usara a hipnose, não só comobjetivos de sugestão, mas também para obter a históriada origem dos sintomas. Depois utilizou o métodocatártico de Breuer e depois desenvolveu a técnica deconcentração
  7. 7. A DESCOBERTA DO INCONSCIENTE “Qual poderia ser a causa de ospacientes esquecerem tantos fatos desua vida interior e exterior...?” Freud O esquecido era sempre algo penoso para oindivíduo, e era exatamente por isso quehavia sido esquecido e o penoso nãosignificava, necessariamente, sempre algoruim, mas podia se referir a algo bom que seperdera ou que fora intensamente desejado.
  8. 8. Inconsciente O inconsciente exprime o “conjunto dosconteúdos não presentes no campo atual daconsciência”. (S. Freud. Autobiografia. In: Obras completas. Ensayos XCVIII ALCCIII. Madri, Biblioteca Nueva.T. III. p. 2773) É constituído por conteúdos reprimidos, quenão têm acesso aos sistemas pré-consciente/consciente, pela ação de censurasinternas. O inconsciente é um sistema doaparelho psíquico regido por leis próprias defuncionamento. Por exemplo, é atemporal, nãoexistem as noções de passado e presente.
  9. 9. Pré-consciente e Consciente O pré-consciente refere-se ao sistema ondepermanecem aqueles conteúdos acessíveis àconsciência. É aquilo que não está naconsciência, neste momento, e no momento seguintepode estar. O consciente é o sistema do aparelho psíquico querecebe ao mesmo tempo as informações do mundoexterior e as do mundo interior. Naconsciência, destaca-se o fenômeno dapercepção, principalmente a percepção do mundoexterior, a atenção, o raciocínio.
  10. 10. ID, EGO E SUPER-EGO Entre 1920 e 1923, Freud remodela a teoria do aparelhopsíquico e introduz os conceitos de id, ego e superegopara referir-se aos três sistemas da personalidade. É importante considerar que estes sistemas não existemenquanto uma estrutura vazia, mas são sempre habitadospelo conjunto de experiências pessoais e particulares decada um, que se constitui como sujeito em sua relaçãocom o outro e em determinadas circunstâncias sociais.Isto significa que, para compreender alguém, énecessário resgatar sua história pessoal, que está ligada àhistória de seus grupos e da sociedade em que vive.
  11. 11. ID O ID constitui o reservatório da energiapsíquica, é onde se “localizam” as pulsões: ade vida e a de morte. As característicasatribuídas ao sistema inconsciente, naprimeira teoria, são, nesta teoria, atribuídasao id. É regido pelo princípio do prazer. O idrefere-se ao inconsciente, mas o ego e osuperego têm, também, aspectos ou“partes”inconscientes.
  12. 12. EGOO ego é o sistema que estabelece oequilíbrio entre as exigências doid, as exigências da realidade e as“ordens” do superego. Procura “darconta” dos interesses da pessoa. Éregido pelo princípio darealidade, que, com o princípio doprazer, rege o funcionamento
  13. 13. SUPEREGOO superego origina-se com ocomplexo de Édipo, a partir dainternalização das proibições, doslimites e da autoridade. A moral, osideais são funções do superego. Oconteúdo do superego refere-se aexigências sociais e culturais.
  14. 14. Sigmund Freud Primeiras experiências que ocorrem até odesenvolvimento /finalização do édipo(aproximadamente 5 anos) irão influenciar a vida doindivíduo em todo seu curso Relação de busca/resolução pelo prazer (libido) Cada fase possui o libido direcionado a uma parte docorpo Necessita-se da resolução de uma fase para a passagempara outra Não resolução adequada: fixação Comportamento é influenciado pela libido
  15. 15. FASES, ESTÁGIOS, ETAPAS:ORAL 0 a 1 anoANAL 1 a 3 anosFÁLICA 3 a 5 anosLATÊNCIA 5 a 11 anosGENITAL adolescência e fase adulta
  16. 16. Fase Oral Fase oral (do nascimento aos 12-18 meses): a criançarecebe gratificação através da boca, língua e lábios.Nesta fase, sugar e morder adquirem especialimportância Região Erógena: Boca Boca é a primeira fonte de satisfação : relação com omundo Necessidade básica que precisa de outros para ser suprida:sensação de confiança e conforto Não resolução adequada : questões envolvidas com adependência e a agressividade Problemas relacionados com a saúde:alcoolismos, transtornos alimentares, tabagismo
  17. 17. Faz Anal Fase anal (dos 12-18 meses aos 3 anos): ânus e áreasvizinhas são fonte de interesse egratificação, principalmente no ato de defecar; nestafase, é importante o treino do controlo dos esfíncteres. Região Erógena: Anus Treino ao banheiro X pais (substitutos) Sentimentos envolvidas: sensação decompetência, produtividade e criatividade Não resolução adequada : questões envolvidas com adependência e a agressividade (sadismo anal) Problemas relacionados com a saúde: obsessão
  18. 18. Fase Fálica Fase fálica (dos 3 aos 5-6 anos): a gratificação éobtida através da estimulação genital. Nesta fase encontra-se o complexo de Édipo. É comum a masturbação e está presente a angústiade castração (temor de perda ou dano dos órgãosgenitais). Região Erógena: Genital Diferença : Meninos X Meninas Complexo de Édipo Meninas: Inveja do Pênis Meninos: Medo da Castração
  19. 19. Fase de Latência Fase de latência (dos 6 anos até o início da puberdade): período derelativa tranqüilidade sexual entre os anos pré-escolares e aadolescência. As pulsões sexuais são desviadas para objetivos aceitos socialmente(estudo, desporto). Formação da consciência e do senso moral e ético (conceitos sobre ocerto e errado, o bem e o mal) no final do período. Desenvolvimento do Ego e do Super-Ego Tranquilidade Período Escolar (Acadêmico) Relações Sociais com Pares Fase de Exploração Intelectual e Social Auto-Confiança, Habilidades Sociais e de Comunicação
  20. 20. Fase Genital Fase genital (da puberdade em diante): as mudançashormonais dão origem à sexualidade adulta e a um novotipo de relacionamento (intimidade) com o sexo oposto. Desenvolvimento sexual Interesse pelo outro sexo Busca o equilíbrio entre as diversas áreas da vida “Maturidade”
  21. 21. Conceitos importantes em Freud Conflito: Forças do Id X Ego X Super Ego Saúde: Força do Ego – Habilidade do ego em lidar comas forças opositoras do id e do super ego com arealidade Estabilidade Estresse interno X externo Baixa força de ego: cisão de ego / ego disruptivo Mecanismos de Defesas Ansiedade Defesas do Ego Forma de distorcer a realidade Pode ser patológico Pode ser funcional (adaptativos)

×