SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 33
Baixar para ler offline
A invenção do espaço psi: história e
epistemologia da Psicologia
PROFA. DRA. JONIA LACERDA FELÍCIO
CENTRO UNIVERSITÁRIO SÃO CAMILO- SÃO PAULO
Epistemologia
Teoria da ciência;
Reflexão sobre a natureza, etapa e limites do conhecimento;
Estudo dos postulados, métodos e conclusões do saber
científico;
Teorias e práticas descritas em sua natureza evolutiva,
paradigmas estruturais e relações com a sociedade e a
história (Aurélio).
PSICO-LOGIA
ψυχή, psukhē- espírito, alma
λόγος, logos – conhecimento (grego)
DISCIPLINA ACADÊMICA E APLICADA; CIÊNCIA QUE ESTUDA OS
FENÔMENOS MENTAIS E COMPORTAMENTAIS
PERCEPÇÃO; COGNIÇÃO ( inteligência, memória, atenção,...) ;
AFETOS, EMOÇÕES E SENTIMENTOS; PERSONALIDADE E
TEMPERAMENTO; RELACIONAMENTOS INTERPESSOAIS;
INSTITUIÇÕES E ORGANIZAÇÕES SOCIAIS, ...
Estuda-se
DESENVOLVIMENTO HUMANO:
no ciclo de vida, infância,
adolescência, maturidade e
envelhecimento.
NEUROCIÊNCIAS : Sistema
nervoso, inteligência, memória e
outros processos psicobiológicos,
como estresse, sono/vigília;
COMPORTAMENTO HUMANO:
na família, grupos,
organizações, comunidades,
em seus aspectos individuais,
institucionais e sociais;
PSICOPATOLOGIA: o
comportamento normal e
patológico;
PSICOTERAPIAS: As Teorias
Comportamentais, Freudianas,
Junguianas, Rogerianas, de
grupo, de família e casal,...
ÁREAS DE ATUAÇÃO
PSICOLOGIA CLÍNICA na
avaliação, aconselhamento e
psicoterapia individual junto a casais,
famílias e grupos em consultórios,
equipes multiprofissionais de clínicas e
organizações públicas e privadas.
PSICOLOGIA HOSPITALAR
clínica na Saúde, para compreensão e
terapêutica dos aspectos psicológicos
inerentes ao adoecer e busca de
condições de vida saudáveis. Trabalha-se
no hospital geral e de especialidades,
junto às pessoas com problemas
gástricos, urológicos, ginecológicos,
oncológicos, entre outros, incluindo a
especialidade psiquiátrica.
PSICOLOGIA DA SAÚDE lida com
as políticas de Saúde, do direito e acesso
ao cuidado e prevenção na Saúde e
condições saudáveis da presença
humana no mundo, do ponto de vista
ecológico.
NEUROPSICOLOGIA atua em
interface com a neurologia e a
psiquiatria, avaliando funções mentais
superiores, como a inteligência,
memória e atenção, visando seu
desenvolvimento e reabilitação.
ÁREAS DE ATUAÇÃO
PSICOLOGIA SOCIAL junto às
organizações, movimentos e políticas
sociais, visando a cidadania plena dos
grupos, instituições e comunidades.
PSICOLOGIA JURÍDICA assessora as
instituições jurídicas com os subsídios
psicológicos envolvidos na compreensão e
intervenção das situações avaliadas, como
as que são relacionadas às políticas
públicas de segurança e justiça social.
PSICOLOGIA DO ESPORTE e ÁREA
ACADÊMICA
PSICOLOGIA ESCOLAR intervenção
e assessoria junto aos processos
biopsicossociais implicados no
desenvolvimento educacional, em
atividades junto aos alunos, familiares,
professores e funcionários do sistema
escolar.
PSICOLOGIA
ORGANIZACIONAL nas empresas
e organizações de trabalho, nas
situações que envolvem
relacionamentos interpessoais nas
equipes e na carreira dos trabalhadores,
nos processos de seleção, treinamento,
desenvolvimento profissional e
programas de qualidade de vida no
trabalho.
HISTÓRIA DA PSICOLOGIA
A cultura humana sempre tenta constituir respostas
sobre a natureza do homem.
A Psicologia inicialmente se confunde com a
Filosofia na busca de respostas a estas
questões.
Gregos: estudo da psukhē , o espírito humano.
R. Descartes (sec. XVII) : se impõe a distinção
mente/corpo.
Ciência Moderna: só tem quatro séculos.
O estudo da Mente na
FISIOLOGIA e FILOSOFIA
ENTRE O SEC. XVIII E XIX:
EMPIRISMO INGLÊS
Noção da tábula rasa:
sensações, memória,
aprendizagem em um
processo associativo
desenvolvem a Mente.
RACIONALISMO
ALEMÃO
A Mente gera ideias,
independente da
estimulação sensorial.
Perceber, recorrer e
raciocinar são
faculdades essenciais.
A Psicologia como ciência independente
WILHELM WUNDT (Alemanha, 1832-1920)
1-Delimita a psicologia
como ciência
independente;
2-Estrutura instituições
para o ensino e
pesquisa da Psicologia,
inclusive um periódico;
3-Concebe a Psicologia
como uma ciência
intermediária entre as
ciências da natureza e
as ciências da cultura.
1879NASCIMENTO DA PSICOLOGIA :
Laboratório de Psicofisiologia experimental de
Leipzig, Alemanha
A psicologia surgiu prioritariamente como uma ciência fisiológica e
experimental de pesquisa experimental dos processos mentais
elementares.
Os sujeitos faziam relatos sistemáticos do que acontecia com eles do
ponto de vista perceptivo, em condições controladas.
Wundt abordava os fenômenos que não podiam ser estudados no
laboratório nos produtos socioculturais, como a religião.
Este é o embrião de uma psicologia social dos povos, de analise dos
processos mentais superiores, como o pensamento e a imaginação e os
fenômenos culturais, como a linguagem e os mitos.
Os Laboratórios de Psicologia Experimental na
América do Norte.
Pretendia-se integrar estes dois enfoques metodológicos na
ideia de uma UNIDADE PSICOFÍSICA.
Mas este é um debate acadêmico ainda pendente, que foi
motor da rápida expansão da Psicologia em 24 Laboratórios
nos E.U.A. e Canadá entre 1883 e 1893.
E logo surgiram correntes divergentes na Psicologia, que
resultam de sua contínua revisão de caráter científico e
também da própria amplitude do objeto de estudo da
Psicologia, o comportamento e vida emocional do homem e
de outros animais.
ESTRUTURALISMO
EDWARD TITCHENER
Contínua pesquisas de
introspecção sistemática em
laboratórios iniciadas por Wundt,
buscando a estrutura dos
elementos básicos da consciência.
FUNCIONALISMO
WILLIAM JAMES
Investigação da função e propósito
da consciência, não apenas de sua
estrutura. Sob a influência do
pragmatismo americano e do
evolucionismo Darwin, se
abordam as características e
propriedades da mente que fazem
com que a pessoa se desenvolva e
funcione em seu meio ambiente
(comportamento= adaptação ao
ESTRUTURALISTAS X
processos mentais da consciência e sensações
como o tato, a visão e a audição (como a
consciência chega a conhecer a realidade).
FUNCIONALISTAS
desenvolvimento em crianças,
eficácia das aprendizagens e
técnicas pedagógicas,
diferenças comportamentais
entre os sexos...
PSICOLOGIA APLICADA: G.
STANLEY HALL (The content of
chidrens mind), JAMES CATTELL
(Testes) e JOHN DEWEY
(Educação).
Perspectivas teóricas modernas da Psicologia
1. COMPORTAMENTAL (1913 até o presente) = John Watson; Ian
Pavlov; B.F. Skinner = só eventos observáveis são passíveis de
estudos científicos, que analisam os reforços positivos ou
negativos que homem e animais recebem do ambiente em
consequência de suas ações. O comportamento é condicionado
pelo ambiente.
2. PSICANALÍTICA/ PSICODINÂMICA ( 1900 até o presente) =
Sigmund Freud, Carl Jung = supõe determinantes emocionais
inconscientes do comportamento, sempre em inerente conflito
entre amor X ódio; consciente-razão X inconsciente-desejos
irracionais. A personalidade atual reflete o desenvolvimento das
relações humanas desde a infância.
3. HUMANÍSTICA ( anos 50 até o presente) = Carl Rogers, Abraham
Maslow = entendem que há uma singularidade única em cada
experiência humana, e supõe que ela sempre tenha potencial
existencial positivo, voltado ao crescimento, muito diferente dos
animais. Este potencial pode não estar sendo plenamente
atualizado, mas vivências de aceitação incondicional podem
fazer sujeito retomar seu crescimento.
Perspectivas teóricas modernas da Psicologia
1. BEHAVIORISMO Objeto de estudo= o comportamento
aparente enquanto fato psicológico concreto; Método =
experimental, observacional, inclusive com animais; Terapêutica =
treino objetivo, o mais breve possível, contando com compreensão
e adesão racional do paciente.
2. GESTALT-HUMANISMO Objeto de estudo= a compreensão
filosófica das ações e processos humanos em sua totalidade;
Método = das ciências humanas, com estudos clínicos e
observacionais, além de análises antropológicas e filosóficas;
Terapêutica = dialética, com ênfase em vivências expressivas e
culturais.
3. PSICANÁLISE Objeto de estudo= compreensão da vida
emocional e da afetividade, que traduz significados e
representações tanto conscientes quanto inconscientes, estas
infantis, conflitivas e não racionais. Método = estudos clínicos e
observacionais Terapêutica= dialética, com ênfase na transferência
afetiva e inconsciente entre paciente e terapeuta, fator essencial
para o insight sobre o inconsciente.
Novas perspectivas teóricas da Psicologia
4. COGNITIVA = (anos 50 até o presente) = Jean Piaget, Noam
Chomsky = aborda os pensamentos e processos mentais
como a inteligência, atenção e memória = o
comportamento humano depende de como as pessoas
adquirem, armazenam e processam a informação.
5. BIOLÓGICA = (anos 50 até o presente) = o comportamento
tem bases fisiológicas = o comportamento pode ser
explicado pelas estruturas do corpo e seus processos
bioquímicos.
6. EVOLUCIONISTA = (anos 80 até o presente) = fundamentos
evolucionistas do comportamento = o comportamento
se dirige à solução dos problemas de adaptação; por
isto são selecionados na natureza.
Desenvolvimento da Psicologia
Psicologia
Filosófica
Psicologia
Científica (sec.
XIX)
Psicologia
Moderna
(sec. XX)
O estudo da alma
e de sua relação
com o corpo e a
percepção da
realidade.
A Psicologia sem
alma, do estudo
experimental da
consciência em
sua estrutura,
funções e
aprendizagem.
1. BEHAVIORISMO
2. GESTALT
3. PSICANÁLISE
4. Outras escolas
HISTÓRIA DOS SABERES PSI E
SUAS IMPLICAÇÕES NO PLANO
DAS PRÁTICAS SOCIAIS.
A INVENÇÃO DO PSICOLÓGICO. QUATRO SÉCULOS
DE SUBJETIVAÇÃO. L.C. FIGUEIREDO. SÃO PAULO:
ESCUTA, 1992
O PSICOLÓGICO
SEC XVI RENASCIMENTO
Houve uma falência da vida coletiva que era regulada pela
tradição e obediência às autoridades inatingíveis, o Rei e
Deus. Foi isto possibilitou uma extensa produção filosófica,
científica e artística.
Mas houve perda das raízes e dos referenciais estáveis que
sustentavam a continuidade das identidades individuais ao
longo da vida da pessoa.
Então foi necessário um projeto de consciência reflexiva,
que desse conta das experiências subjetivas, agora
consideradas altamente individualizadas e de caráter
privado.
Consciência reflexiva:
dar conta do ‘estranho’.
Este capital de consciência reflexiva determinou uma
crescente separação entre cada indivíduo e os saberes
hierarquizados da tradição coletiva.
O indivíduo foi entregue a si mesmo, a explicações
individualizadas, não coletivas.
Ele passou a ter que lidar com a experiência do ‘estranho’,
os fenômenos que exigem empenho para serem conhecidos
e controlados ( VER Foucault: Vigiar e Punir).
Renascimento
Contexto cultural de passagem da Idade Média para
a Idade Moderna na Europa.
Articulação entre os valores do pensamento
medieval católico com os textos e obras artísticas
dos gregos e romanos na Idade Antiga, que
ampliaram reflexão sobre o homem e o mundo.
O homem é a medida de todas as coisas =
humanismo ou antropocentrismo do Renascimento,
onde Deus continua soberano, mas se considerou
legítimo pensar o homem como aquele que acessa o
conhecimento e a criação.
Homem renascentista = aprende e procura saber
sobre todas as artes e ciências.
Leonardo da Vinci = dominava várias ciências e artes
plásticas, a Astronomia, Mecânica, Anatomia,
máquinas e deixou obras-primas.
SUJEITO DA MODERNIDADE = SUJEITO EPISTÊMICO PLENO
(L. C. Figueiredo)
Modernidade pretendeu constituir um indivíduo
que fosse senhor de direito sobre todas as coisas.
Por isto, este novo homem devia reconhecer em si
mesmo a fonte primordial de seus erros e desatinos.
Ele agora precisou aprender como se autodisciplinar,
expurgando tudo aquilo que lhe torna suspeito, não
racional e confiável.
O sujeito moderno procura dominar o que o torna
irregular, idiossincrático, pois ele deve experimentar
o pleno exercício da razão.
Nasce a busca por uma subjetividade purificada pela
razão (não só por Deus) = penso, logo existo.
Este homem renascentista procura se livrar do que é
irracional, e nesta busca percebe a experiência em
sua invariância e universalidade.
PROJETO EPISTEMOLÓGICO DA
MODERNIDADE
O sujeito moderno é Pleno é fiador de todas as certezas, garantidas pelo
cumprimento das exigências radicais de autonomia, autotransparência,
unidade e reflexibilidade.
Ele passa a se ver como senhor absoluto de sua consciência e vontade,
capaz de representar o mundo de forma isenta, sem qualquer risco de
ilusão.
Esta tentativa de neutralizar as fontes de ilusões humanas será possível
se ele conseguir separar a MENTE, supostamente livre, do CORPO, pois
este estaria preso a determinantes naturais (biológicos) e
sociohistóricos.
É este projeto sobre de Mente que exige a determinação do campo de
conhecimentos Psi.
CONSTITUIÇÃO DO PSICOLÓGICO
= ‘Psi’ é o que ultrapassa e oferece resistência à autonomia individual que o
sujeito epistemológico pleno pretende alcançar.
O LUGAR CULTURAL PARA A EMERGÊNCIA DO SABER PSICOLÓGICO É O
ESPAÇO DAS FALHAS DO PROJETO EPISTEMOLÓGICO MODERNO.
‘P S I’ É O NEGATIVO DO SUJEITO PLENO
SEC XIX: houve menos confiança nas virtudes ascéticas dos métodos
renascentistas que pretendiam constituir um sujeito pleno de sua
consciência e vontade, capaz de disciplina e objetividade sem mácula.
O positivismo lógico e a fenomenologia husserliana são tentativas de
resgate do sujeito pleno.
Elas procuram a legitimação através da eficácia tecnológica, daquilo que
‘funciona’, mas não desmascaram de forma radical o desencontro entre
projeto epistemológico moderno e os novos saberes sócio psicológicos.
NOVOS SABERES SÓCIO PSICOLÓGICOS
POSITIVISMO BEHAVIORISTA = Nova versão do projeto epistemológico
moderno, pois eles acreditam na eficácia da tecnologia
comportamental, como uma compreensão racional do comportamento
humano e animal.
PSICANÁLISE = Não acreditam no autodomínio, descentramento e
dissolução da unidade do Sujeito. O homem é dividido, não conhece
plenamente nem sua vontade (o ‘desejo inconsciente’). O homem deve
tolerar sua ambivalência conflitiva amor e ódio, razão e desrazão. O
autoconhecimento é meta razoavelmente ‘libertadora’, mas nunca
plena, considerando esta dualidade pulsional e o próprio conceito de
inconsciente.
HUMANISTAS E FENOMENOLÓGICOS = Acreditam em uma plenitude
holística, um ideal de mundo narcísico que reflete uma natureza
potencialmente positiva e realizadora no Homem. Entendem que esta
experiência integral é um ideal de uma busca integradora, que acontece
tanto no plano do sensível quanto do racional.
DO SEC XV AO SEC XIX:
A(s) Psicologia(s)
As psicologias NÃO TÊM uma delimitação única do
objeto de estudo, nem consenso sobre como gerar
e validar conhecimentos, ou sobre o que é o
conhecer.
Entretanto, TODAS as psicologias refletem sobre
aspectos que negam a crença em uma
subjetividade plena, desencarnada, capaz de uma
contemplação desinteressada nos objetos.
CONTRASTES ENTRE AS PRINCIPAIS
MATRIZES PSICOLÓGICAS
BEHAVIORISTAS PSICANÁLISE HUMANISTAS E
FENOMENOLÓGICOS
Teoria psicológica incapaz
de estabelecer contato com
campo fenomenal.
Desqualifica a experiência
introspectiva.
Desautoriza o sujeito.
Legitima certas formas de
poder disciplinar que
incidem sobre o sujeito.
Pretende um compromisso
simultâneo com plano da
experiência (os significados
e as representações) e com
o plano das suas condições
( as pulsões, o não
representável = o
inconsciente freudiano).
Pretende um acolhimento
integral e holístico da
experiência.
Entende que o contato e o
controle pleno sobre o
impensável é um ideal.
Contribui para as ilusões
narcísicas de autonomia
liberal, espontaneidade e
singularidade românticas.
DO SEC XV AO SEC XIX:
A(s) Psicologia(s)
O ESPAÇO PSICOLÓGICO DECORRE DA EVOLUÇÃO
DE DIFERENTES MODOS DE SUBJETIVAÇÃO, DO SEC
XV AO SEC XIX:
1. Construção de identidades e representações
de si individuais, coletivas e nacionais.
2. Crescente separação entre esferas públicas e
privadas.
3. Penetração e aprofundamento dos controles
públicos.
DO SEC XV AO SEC XIX:
A(s) Psicologia(s)
Formação de um TERRITÓRIO DE IGNORÂNCIA que é o ESPAÇO
PSICOLÓGICO:
“ Conjunto de aspectos da experiência que ficaram excluídos do campo
das representações identitárias que elaboramos sobre nós mesmos, no
que apresentamos aos outros e que são para nosso próprio uso”.
“ Ao psicológico cabe ter olhos para ver e ouvir este interditado e
excluído”.
No Brasil, o psicólogo deve escutar o que não pode ser ouvido pela
instituição moderna: são as realidades culturais pré-modernas que não
se encaixam nas demandas e serviços formais. Há o perigo de
psicologizar e patologizar o excluído, por isto, mais que outras, nossa
psicologia demanda formação em antropologia e sociologia.
PSICOLOGIA COMO UMA CIÊNCIA SOCIAL
(Nikolas Rose): “O século XX foi certamente o século da psicologia.– será que o
século XXI será igual? ”
“O século XX foi o século da psicologia, quando a psicologia se
transformou em DISCIPLINA, com departamentos universitários,
professores especializados, diplomas, qualificações, e quando a
psicologia decolou como uma PROFISSÃO: com corpos profissionais,
qualificações, empregos relacionados e muito mais.
Mais do que isso, esse foi o século da psicologia, porque a psicologia
através do século XX ajudou a construir a sociedade em que nós
vivemos e também o tipo de pessoas em que nos transformamos.
O desenvolvimento da psicologia durante o século XX teve um
importante impacto social em nosso entendimento e tratamento do
distress; nas nossas concepções de normalidade e anormalidade; nas
nossas tecnologias de regulação, normalização, reforma e correção; no
cuidado com crianças e na educação, na propaganda, no marketing e
nas tecnologias de consumo, no controle do comportamento humano,
do industrial ao militar”.
PSICOLOGIA COMO UMA CIÊNCIA SOCIAL
(Nikolas Rose): “O século XX foi certamente o século da psicologia.– será que o
século XXI será igual? ”
“A psicologia e as linguagens da psicologia construíram um senso
comum na Europa e na América do Norte, na Austrália, na América
Latina e em muitos outros lugares.
O treinamento psicológico afetou profissionais de orientação de
crianças, de trabalhos sociais, e mesmo de administração de recursos
humanos.
No processo, nossas muitas ideias do “self”, da identidade, da
autonomia, liberdade e da realização pessoal foram reformadas em
termos psicológicos. Seres humanos, nessas regiões, vieram a se
entender como se fossem habitados por um profundo e interno espaço
psicológico, que estaria avaliando- os e agindo sobre eles nos termos
dessa crença.
As pessoas falam de si mesmas numa linguagem psicológica de
descrição pessoal – a linguagem da inteligência, personalidade,
ansiedade, neurose, depressão, trauma, extroversão, introversão –
julgando-se em termos do que penso podermos determinar, quase com
certeza, como uma ‘ética psicológica’.”
PSICOLOGIA COMO UMA CIÊNCIA SOCIAL
(Nikolas Rose): “O século XX foi certamente o século da psicologia.– será que o
século XXI será igual? ”
“Esse não foi apenas o processo de individualização; isso também inclui
a “psicologização” da vida coletiva, a invenção da ideia de grupos,
grandes e pequenos, das atitudes, da opinião pública e temas deste
tipo.
Práticas, da indústria ao exército, podem agora ser entendidas em
termos de dinâmicas psicológicas das relações interpessoais. Problemas
sociais, do preconceito e luta de grupos até à criminalidade e pobreza,
são abalizados em termos psicológicos.
Isso não foi apenas uma questão da psicologia se estabelecer como uma
disciplina ou como uma profissão; (...). A psicologia foi uma disciplina
muito generosa, ela se doou para todos os tipos de profissões, da
polícia a comandantes militares, numa condição de fazê-los pensar e
agir, pelo menos de alguma maneira, como psicólogos.
Então, será o século XXI o século da psicologia? (...) Estudos parecem
apontar sobre o papel da psicologia ( no século XXI) como uma ciência
social, e, quem sabe, até como uma ciência política.”
A(s) Psicologia (s)
BOCK, A. PSICOLOGIA (S): UMA INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA PSICOLOGIA
13ª EDIÇÃO. SÃO PAULO: SARAIVA, 2000.
FIGUEIREDO,LC A INVENÇÃO DO PSICOLÓGICO: QUATRO SÉCULOS DE
SUBJETIVAÇÃO 1500-1900 SÃO PAULO: ESCUTA,2002.
MASSIMI, M.; BROZEK, J. (ORGS.) HISTORIOGRAFIA DA PSICOLOGIA
MODERNA. SÃO PAULO: LOYOLA, 1998.
SCHULTZ, D. HISTÓRIA DA PSICOLOGIA MODERNA. SÃO PAULO: CULTRIX,
1981.
ANDRADE, A.N. IN SOUZA, L. “PSICOLOGIA REFLEXÕES IMPERTINENTES”
IN “O ACOLHIMENTO A PROCESSUALIDADE: ENTRE A MULTIPLICIDADE DA
PSICOLOGIA E A MULTIPLICIDADE DO PSICOLÓGICO” SÃO PAULO: CASA DO
PSICÓLOGO, 1988.
ROSE, NIKOLAS (UNIVERSITY OF LONDON, LONDON, UNITED KINGDOM)
PSICOLOGIA & SOCIEDADE “PSICOLOGIA COMO UMA CIÊNCIA SOCIAL” 20
(2): 155-164, 2008

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaRita Cristiane Pavan
 
Psicologia introdução
Psicologia introduçãoPsicologia introdução
Psicologia introduçãoChrys Souza
 
História da psicologia
História da psicologiaHistória da psicologia
História da psicologiaLeila Bezerra
 
Psicologia Geral - A Nova Psicologia
Psicologia Geral - A Nova PsicologiaPsicologia Geral - A Nova Psicologia
Psicologia Geral - A Nova PsicologiaDiego Sampaio
 
Introdução à psicologia da saúde
Introdução à psicologia da saúdeIntrodução à psicologia da saúde
Introdução à psicologia da saúdeMaria Clara Teixeira
 
A Psicologia como ciência e profissão.ppt
A Psicologia como ciência e profissão.pptA Psicologia como ciência e profissão.ppt
A Psicologia como ciência e profissão.pptSadeMental13RS
 
Aula II Os grandes sistemas teóricos em psicologia
Aula II   Os grandes sistemas teóricos em psicologiaAula II   Os grandes sistemas teóricos em psicologia
Aula II Os grandes sistemas teóricos em psicologiaArtur Mamed
 
Psicologia Organizacional e do Trabalho
Psicologia Organizacional e do TrabalhoPsicologia Organizacional e do Trabalho
Psicologia Organizacional e do TrabalhoJuliana Calixto
 
Teorias e técnicas psicoterápicas
Teorias e técnicas psicoterápicasTeorias e técnicas psicoterápicas
Teorias e técnicas psicoterápicasMarceloSantos887
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoruibraz
 
Aula sobre Psicanalise/Freud - FPE
Aula sobre Psicanalise/Freud - FPEAula sobre Psicanalise/Freud - FPE
Aula sobre Psicanalise/Freud - FPERodrigo Castro
 
Fundamentos da Psicologia Social
Fundamentos da Psicologia SocialFundamentos da Psicologia Social
Fundamentos da Psicologia SocialMarcos Pereira
 
Psicologia Geral - Psicologia Cientifica
Psicologia Geral - Psicologia CientificaPsicologia Geral - Psicologia Cientifica
Psicologia Geral - Psicologia CientificaDiego Sampaio
 

Mais procurados (20)

Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologia
 
Psicologia introdução
Psicologia introduçãoPsicologia introdução
Psicologia introdução
 
Psicologia geral fabiola
Psicologia geral fabiolaPsicologia geral fabiola
Psicologia geral fabiola
 
Aula 1 - Introdução à Psicologia
Aula 1 - Introdução à PsicologiaAula 1 - Introdução à Psicologia
Aula 1 - Introdução à Psicologia
 
Aula de psicologia
Aula de psicologiaAula de psicologia
Aula de psicologia
 
Estruturalismo
EstruturalismoEstruturalismo
Estruturalismo
 
História da psicologia
História da psicologiaHistória da psicologia
História da psicologia
 
Psicologia Geral - A Nova Psicologia
Psicologia Geral - A Nova PsicologiaPsicologia Geral - A Nova Psicologia
Psicologia Geral - A Nova Psicologia
 
Introdução à psicologia da saúde
Introdução à psicologia da saúdeIntrodução à psicologia da saúde
Introdução à psicologia da saúde
 
A Psicologia como ciência e profissão.ppt
A Psicologia como ciência e profissão.pptA Psicologia como ciência e profissão.ppt
A Psicologia como ciência e profissão.ppt
 
Aula II Os grandes sistemas teóricos em psicologia
Aula II   Os grandes sistemas teóricos em psicologiaAula II   Os grandes sistemas teóricos em psicologia
Aula II Os grandes sistemas teóricos em psicologia
 
PERSONALIDADE
PERSONALIDADEPERSONALIDADE
PERSONALIDADE
 
Carl Jung
Carl Jung Carl Jung
Carl Jung
 
Psicologia Organizacional e do Trabalho
Psicologia Organizacional e do TrabalhoPsicologia Organizacional e do Trabalho
Psicologia Organizacional e do Trabalho
 
Teorias e técnicas psicoterápicas
Teorias e técnicas psicoterápicasTeorias e técnicas psicoterápicas
Teorias e técnicas psicoterápicas
 
Psicologia da Saude
Psicologia da Saude Psicologia da Saude
Psicologia da Saude
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
 
Aula sobre Psicanalise/Freud - FPE
Aula sobre Psicanalise/Freud - FPEAula sobre Psicanalise/Freud - FPE
Aula sobre Psicanalise/Freud - FPE
 
Fundamentos da Psicologia Social
Fundamentos da Psicologia SocialFundamentos da Psicologia Social
Fundamentos da Psicologia Social
 
Psicologia Geral - Psicologia Cientifica
Psicologia Geral - Psicologia CientificaPsicologia Geral - Psicologia Cientifica
Psicologia Geral - Psicologia Cientifica
 

Destaque

Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemAline Pereira
 
Modelos de Intervenção
Modelos de IntervençãoModelos de Intervenção
Modelos de IntervençãoHelena13dias
 
História da psicologia todos os cursos - texto 1 (1)
História da psicologia   todos os cursos - texto 1 (1)História da psicologia   todos os cursos - texto 1 (1)
História da psicologia todos os cursos - texto 1 (1)Patricia Amorim
 
Promover a reabilitação dos utentes
Promover a reabilitação dos utentesPromover a reabilitação dos utentes
Promover a reabilitação dos utentesRebeca Mendes
 
PSICOLOGIA DA APRENDIZAGEM
PSICOLOGIA DA APRENDIZAGEMPSICOLOGIA DA APRENDIZAGEM
PSICOLOGIA DA APRENDIZAGEM Bruna Alencar
 
Conhecimento cientifico
Conhecimento cientificoConhecimento cientifico
Conhecimento cientificoLucila Pesce
 
Bases Epistemológicas da Psicologia Cognitiva Experimental
Bases Epistemológicas da Psicologia Cognitiva ExperimentalBases Epistemológicas da Psicologia Cognitiva Experimental
Bases Epistemológicas da Psicologia Cognitiva ExperimentalEliane68
 
Antropologia, Etica y Epistemologia (mapas mentales)
Antropologia, Etica y Epistemologia (mapas mentales)Antropologia, Etica y Epistemologia (mapas mentales)
Antropologia, Etica y Epistemologia (mapas mentales)Joselyn Castañeda
 
Sigmund Freud - Psicanálise
Sigmund Freud - PsicanáliseSigmund Freud - Psicanálise
Sigmund Freud - PsicanáliseCatarinaNeivas
 
Concepções aprendizagem
Concepções aprendizagemConcepções aprendizagem
Concepções aprendizagemUNICEP
 
Historia da psicologia
Historia da psicologiaHistoria da psicologia
Historia da psicologiaGLEYDSON ROCHA
 
Testes De Rastreio para Demência
Testes De Rastreio para DemênciaTestes De Rastreio para Demência
Testes De Rastreio para DemênciaAndrea Dircksen
 

Destaque (20)

Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
 
Modelos de Intervenção
Modelos de IntervençãoModelos de Intervenção
Modelos de Intervenção
 
História da psicologia todos os cursos - texto 1 (1)
História da psicologia   todos os cursos - texto 1 (1)História da psicologia   todos os cursos - texto 1 (1)
História da psicologia todos os cursos - texto 1 (1)
 
Promover a reabilitação dos utentes
Promover a reabilitação dos utentesPromover a reabilitação dos utentes
Promover a reabilitação dos utentes
 
Trabajo cultura
Trabajo culturaTrabajo cultura
Trabajo cultura
 
Reabilitação neuropsicológica
Reabilitação neuropsicológicaReabilitação neuropsicológica
Reabilitação neuropsicológica
 
PSICOLOGIA DA APRENDIZAGEM
PSICOLOGIA DA APRENDIZAGEMPSICOLOGIA DA APRENDIZAGEM
PSICOLOGIA DA APRENDIZAGEM
 
Introdução à fenomenologia
Introdução à fenomenologiaIntrodução à fenomenologia
Introdução à fenomenologia
 
Conhecimento cientifico
Conhecimento cientificoConhecimento cientifico
Conhecimento cientifico
 
Bases Epistemológicas da Psicologia Cognitiva Experimental
Bases Epistemológicas da Psicologia Cognitiva ExperimentalBases Epistemológicas da Psicologia Cognitiva Experimental
Bases Epistemológicas da Psicologia Cognitiva Experimental
 
Antropologia, Etica y Epistemologia (mapas mentales)
Antropologia, Etica y Epistemologia (mapas mentales)Antropologia, Etica y Epistemologia (mapas mentales)
Antropologia, Etica y Epistemologia (mapas mentales)
 
História da psicologia
História da psicologiaHistória da psicologia
História da psicologia
 
Sigmund Freud - Psicanálise
Sigmund Freud - PsicanáliseSigmund Freud - Psicanálise
Sigmund Freud - Psicanálise
 
Concepções aprendizagem
Concepções aprendizagemConcepções aprendizagem
Concepções aprendizagem
 
Epistemologia
EpistemologiaEpistemologia
Epistemologia
 
Projeto de intervenção
Projeto de intervençãoProjeto de intervenção
Projeto de intervenção
 
Historia da psicologia
Historia da psicologiaHistoria da psicologia
Historia da psicologia
 
Testes De Rastreio para Demência
Testes De Rastreio para DemênciaTestes De Rastreio para Demência
Testes De Rastreio para Demência
 
Avaliação Neuropsicológica
Avaliação NeuropsicológicaAvaliação Neuropsicológica
Avaliação Neuropsicológica
 
Avaliação do Idoso
Avaliação do IdosoAvaliação do Idoso
Avaliação do Idoso
 

Semelhante a A invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia 2014 pdf

Psicologia conceitos
Psicologia   conceitosPsicologia   conceitos
Psicologia conceitosLiliane Ennes
 
Apostila noções de psicologia
Apostila noções de psicologiaApostila noções de psicologia
Apostila noções de psicologiamgmedeiros
 
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   SlidesPsicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar SlidesValdeck Oliveira
 
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   SlidesPsicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slidesguest2e3f5d
 
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   SlidesPsicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slidesguest2e3f5d
 
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemPsicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemLuiz Maciel
 
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemPsicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemLuiz Maciel
 
Escolas da Psicologia 1a. Aula
Escolas da Psicologia 1a. AulaEscolas da Psicologia 1a. Aula
Escolas da Psicologia 1a. Aularosariasperotto
 
Psicologia da educação 25.06.11
Psicologia da educação 25.06.11Psicologia da educação 25.06.11
Psicologia da educação 25.06.11Ana Lucia Gouveia
 
Vocês dizematualizado
Vocês dizematualizado Vocês dizematualizado
Vocês dizematualizado Oldair Ammom
 

Semelhante a A invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia 2014 pdf (20)

Psicologia da educação
Psicologia da educaçãoPsicologia da educação
Psicologia da educação
 
psicologia geral
psicologia geralpsicologia geral
psicologia geral
 
Unidade 01 psicologia (1)
Unidade 01   psicologia (1)Unidade 01   psicologia (1)
Unidade 01 psicologia (1)
 
Psicologia conceitos
Psicologia   conceitosPsicologia   conceitos
Psicologia conceitos
 
Psicologia Esse
Psicologia EssePsicologia Esse
Psicologia Esse
 
Apostila noções de psicologia
Apostila noções de psicologiaApostila noções de psicologia
Apostila noções de psicologia
 
Psicologia pastoral
Psicologia pastoralPsicologia pastoral
Psicologia pastoral
 
Unidade 1
Unidade 1Unidade 1
Unidade 1
 
Unidade 1
Unidade 1Unidade 1
Unidade 1
 
Unidade 1
Unidade 1Unidade 1
Unidade 1
 
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   SlidesPsicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slides
 
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   SlidesPsicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slides
 
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   SlidesPsicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slides
 
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemPsicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagem
 
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemPsicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagem
 
Escolas da Psicologia 1a. Aula
Escolas da Psicologia 1a. AulaEscolas da Psicologia 1a. Aula
Escolas da Psicologia 1a. Aula
 
Psicologia
PsicologiaPsicologia
Psicologia
 
PSICOLOGIA.pdf
PSICOLOGIA.pdfPSICOLOGIA.pdf
PSICOLOGIA.pdf
 
Psicologia da educação 25.06.11
Psicologia da educação 25.06.11Psicologia da educação 25.06.11
Psicologia da educação 25.06.11
 
Vocês dizematualizado
Vocês dizematualizado Vocês dizematualizado
Vocês dizematualizado
 

Último

Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaCristianodaRosa5
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfNelmo Pinto
 
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfPrurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfAlberto205764
 
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxINTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxssuser4ba5b7
 
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxAULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxLeonardoSauro1
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 

Último (9)

Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
 
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãosAplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
 
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfPrurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
 
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxINTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
 
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxAULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 

A invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia 2014 pdf

  • 1. A invenção do espaço psi: história e epistemologia da Psicologia PROFA. DRA. JONIA LACERDA FELÍCIO CENTRO UNIVERSITÁRIO SÃO CAMILO- SÃO PAULO
  • 2. Epistemologia Teoria da ciência; Reflexão sobre a natureza, etapa e limites do conhecimento; Estudo dos postulados, métodos e conclusões do saber científico; Teorias e práticas descritas em sua natureza evolutiva, paradigmas estruturais e relações com a sociedade e a história (Aurélio).
  • 3. PSICO-LOGIA ψυχή, psukhē- espírito, alma λόγος, logos – conhecimento (grego) DISCIPLINA ACADÊMICA E APLICADA; CIÊNCIA QUE ESTUDA OS FENÔMENOS MENTAIS E COMPORTAMENTAIS PERCEPÇÃO; COGNIÇÃO ( inteligência, memória, atenção,...) ; AFETOS, EMOÇÕES E SENTIMENTOS; PERSONALIDADE E TEMPERAMENTO; RELACIONAMENTOS INTERPESSOAIS; INSTITUIÇÕES E ORGANIZAÇÕES SOCIAIS, ...
  • 4. Estuda-se DESENVOLVIMENTO HUMANO: no ciclo de vida, infância, adolescência, maturidade e envelhecimento. NEUROCIÊNCIAS : Sistema nervoso, inteligência, memória e outros processos psicobiológicos, como estresse, sono/vigília; COMPORTAMENTO HUMANO: na família, grupos, organizações, comunidades, em seus aspectos individuais, institucionais e sociais; PSICOPATOLOGIA: o comportamento normal e patológico; PSICOTERAPIAS: As Teorias Comportamentais, Freudianas, Junguianas, Rogerianas, de grupo, de família e casal,...
  • 5. ÁREAS DE ATUAÇÃO PSICOLOGIA CLÍNICA na avaliação, aconselhamento e psicoterapia individual junto a casais, famílias e grupos em consultórios, equipes multiprofissionais de clínicas e organizações públicas e privadas. PSICOLOGIA HOSPITALAR clínica na Saúde, para compreensão e terapêutica dos aspectos psicológicos inerentes ao adoecer e busca de condições de vida saudáveis. Trabalha-se no hospital geral e de especialidades, junto às pessoas com problemas gástricos, urológicos, ginecológicos, oncológicos, entre outros, incluindo a especialidade psiquiátrica. PSICOLOGIA DA SAÚDE lida com as políticas de Saúde, do direito e acesso ao cuidado e prevenção na Saúde e condições saudáveis da presença humana no mundo, do ponto de vista ecológico. NEUROPSICOLOGIA atua em interface com a neurologia e a psiquiatria, avaliando funções mentais superiores, como a inteligência, memória e atenção, visando seu desenvolvimento e reabilitação.
  • 6. ÁREAS DE ATUAÇÃO PSICOLOGIA SOCIAL junto às organizações, movimentos e políticas sociais, visando a cidadania plena dos grupos, instituições e comunidades. PSICOLOGIA JURÍDICA assessora as instituições jurídicas com os subsídios psicológicos envolvidos na compreensão e intervenção das situações avaliadas, como as que são relacionadas às políticas públicas de segurança e justiça social. PSICOLOGIA DO ESPORTE e ÁREA ACADÊMICA PSICOLOGIA ESCOLAR intervenção e assessoria junto aos processos biopsicossociais implicados no desenvolvimento educacional, em atividades junto aos alunos, familiares, professores e funcionários do sistema escolar. PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL nas empresas e organizações de trabalho, nas situações que envolvem relacionamentos interpessoais nas equipes e na carreira dos trabalhadores, nos processos de seleção, treinamento, desenvolvimento profissional e programas de qualidade de vida no trabalho.
  • 7. HISTÓRIA DA PSICOLOGIA A cultura humana sempre tenta constituir respostas sobre a natureza do homem. A Psicologia inicialmente se confunde com a Filosofia na busca de respostas a estas questões. Gregos: estudo da psukhē , o espírito humano. R. Descartes (sec. XVII) : se impõe a distinção mente/corpo. Ciência Moderna: só tem quatro séculos.
  • 8. O estudo da Mente na FISIOLOGIA e FILOSOFIA ENTRE O SEC. XVIII E XIX: EMPIRISMO INGLÊS Noção da tábula rasa: sensações, memória, aprendizagem em um processo associativo desenvolvem a Mente. RACIONALISMO ALEMÃO A Mente gera ideias, independente da estimulação sensorial. Perceber, recorrer e raciocinar são faculdades essenciais.
  • 9. A Psicologia como ciência independente WILHELM WUNDT (Alemanha, 1832-1920) 1-Delimita a psicologia como ciência independente; 2-Estrutura instituições para o ensino e pesquisa da Psicologia, inclusive um periódico; 3-Concebe a Psicologia como uma ciência intermediária entre as ciências da natureza e as ciências da cultura.
  • 10. 1879NASCIMENTO DA PSICOLOGIA : Laboratório de Psicofisiologia experimental de Leipzig, Alemanha A psicologia surgiu prioritariamente como uma ciência fisiológica e experimental de pesquisa experimental dos processos mentais elementares. Os sujeitos faziam relatos sistemáticos do que acontecia com eles do ponto de vista perceptivo, em condições controladas. Wundt abordava os fenômenos que não podiam ser estudados no laboratório nos produtos socioculturais, como a religião. Este é o embrião de uma psicologia social dos povos, de analise dos processos mentais superiores, como o pensamento e a imaginação e os fenômenos culturais, como a linguagem e os mitos.
  • 11. Os Laboratórios de Psicologia Experimental na América do Norte. Pretendia-se integrar estes dois enfoques metodológicos na ideia de uma UNIDADE PSICOFÍSICA. Mas este é um debate acadêmico ainda pendente, que foi motor da rápida expansão da Psicologia em 24 Laboratórios nos E.U.A. e Canadá entre 1883 e 1893. E logo surgiram correntes divergentes na Psicologia, que resultam de sua contínua revisão de caráter científico e também da própria amplitude do objeto de estudo da Psicologia, o comportamento e vida emocional do homem e de outros animais.
  • 12. ESTRUTURALISMO EDWARD TITCHENER Contínua pesquisas de introspecção sistemática em laboratórios iniciadas por Wundt, buscando a estrutura dos elementos básicos da consciência. FUNCIONALISMO WILLIAM JAMES Investigação da função e propósito da consciência, não apenas de sua estrutura. Sob a influência do pragmatismo americano e do evolucionismo Darwin, se abordam as características e propriedades da mente que fazem com que a pessoa se desenvolva e funcione em seu meio ambiente (comportamento= adaptação ao
  • 13. ESTRUTURALISTAS X processos mentais da consciência e sensações como o tato, a visão e a audição (como a consciência chega a conhecer a realidade). FUNCIONALISTAS desenvolvimento em crianças, eficácia das aprendizagens e técnicas pedagógicas, diferenças comportamentais entre os sexos... PSICOLOGIA APLICADA: G. STANLEY HALL (The content of chidrens mind), JAMES CATTELL (Testes) e JOHN DEWEY (Educação).
  • 14. Perspectivas teóricas modernas da Psicologia 1. COMPORTAMENTAL (1913 até o presente) = John Watson; Ian Pavlov; B.F. Skinner = só eventos observáveis são passíveis de estudos científicos, que analisam os reforços positivos ou negativos que homem e animais recebem do ambiente em consequência de suas ações. O comportamento é condicionado pelo ambiente. 2. PSICANALÍTICA/ PSICODINÂMICA ( 1900 até o presente) = Sigmund Freud, Carl Jung = supõe determinantes emocionais inconscientes do comportamento, sempre em inerente conflito entre amor X ódio; consciente-razão X inconsciente-desejos irracionais. A personalidade atual reflete o desenvolvimento das relações humanas desde a infância. 3. HUMANÍSTICA ( anos 50 até o presente) = Carl Rogers, Abraham Maslow = entendem que há uma singularidade única em cada experiência humana, e supõe que ela sempre tenha potencial existencial positivo, voltado ao crescimento, muito diferente dos animais. Este potencial pode não estar sendo plenamente atualizado, mas vivências de aceitação incondicional podem fazer sujeito retomar seu crescimento.
  • 15. Perspectivas teóricas modernas da Psicologia 1. BEHAVIORISMO Objeto de estudo= o comportamento aparente enquanto fato psicológico concreto; Método = experimental, observacional, inclusive com animais; Terapêutica = treino objetivo, o mais breve possível, contando com compreensão e adesão racional do paciente. 2. GESTALT-HUMANISMO Objeto de estudo= a compreensão filosófica das ações e processos humanos em sua totalidade; Método = das ciências humanas, com estudos clínicos e observacionais, além de análises antropológicas e filosóficas; Terapêutica = dialética, com ênfase em vivências expressivas e culturais. 3. PSICANÁLISE Objeto de estudo= compreensão da vida emocional e da afetividade, que traduz significados e representações tanto conscientes quanto inconscientes, estas infantis, conflitivas e não racionais. Método = estudos clínicos e observacionais Terapêutica= dialética, com ênfase na transferência afetiva e inconsciente entre paciente e terapeuta, fator essencial para o insight sobre o inconsciente.
  • 16. Novas perspectivas teóricas da Psicologia 4. COGNITIVA = (anos 50 até o presente) = Jean Piaget, Noam Chomsky = aborda os pensamentos e processos mentais como a inteligência, atenção e memória = o comportamento humano depende de como as pessoas adquirem, armazenam e processam a informação. 5. BIOLÓGICA = (anos 50 até o presente) = o comportamento tem bases fisiológicas = o comportamento pode ser explicado pelas estruturas do corpo e seus processos bioquímicos. 6. EVOLUCIONISTA = (anos 80 até o presente) = fundamentos evolucionistas do comportamento = o comportamento se dirige à solução dos problemas de adaptação; por isto são selecionados na natureza.
  • 17. Desenvolvimento da Psicologia Psicologia Filosófica Psicologia Científica (sec. XIX) Psicologia Moderna (sec. XX) O estudo da alma e de sua relação com o corpo e a percepção da realidade. A Psicologia sem alma, do estudo experimental da consciência em sua estrutura, funções e aprendizagem. 1. BEHAVIORISMO 2. GESTALT 3. PSICANÁLISE 4. Outras escolas
  • 18. HISTÓRIA DOS SABERES PSI E SUAS IMPLICAÇÕES NO PLANO DAS PRÁTICAS SOCIAIS. A INVENÇÃO DO PSICOLÓGICO. QUATRO SÉCULOS DE SUBJETIVAÇÃO. L.C. FIGUEIREDO. SÃO PAULO: ESCUTA, 1992
  • 19. O PSICOLÓGICO SEC XVI RENASCIMENTO Houve uma falência da vida coletiva que era regulada pela tradição e obediência às autoridades inatingíveis, o Rei e Deus. Foi isto possibilitou uma extensa produção filosófica, científica e artística. Mas houve perda das raízes e dos referenciais estáveis que sustentavam a continuidade das identidades individuais ao longo da vida da pessoa. Então foi necessário um projeto de consciência reflexiva, que desse conta das experiências subjetivas, agora consideradas altamente individualizadas e de caráter privado.
  • 20. Consciência reflexiva: dar conta do ‘estranho’. Este capital de consciência reflexiva determinou uma crescente separação entre cada indivíduo e os saberes hierarquizados da tradição coletiva. O indivíduo foi entregue a si mesmo, a explicações individualizadas, não coletivas. Ele passou a ter que lidar com a experiência do ‘estranho’, os fenômenos que exigem empenho para serem conhecidos e controlados ( VER Foucault: Vigiar e Punir).
  • 21. Renascimento Contexto cultural de passagem da Idade Média para a Idade Moderna na Europa. Articulação entre os valores do pensamento medieval católico com os textos e obras artísticas dos gregos e romanos na Idade Antiga, que ampliaram reflexão sobre o homem e o mundo. O homem é a medida de todas as coisas = humanismo ou antropocentrismo do Renascimento, onde Deus continua soberano, mas se considerou legítimo pensar o homem como aquele que acessa o conhecimento e a criação. Homem renascentista = aprende e procura saber sobre todas as artes e ciências. Leonardo da Vinci = dominava várias ciências e artes plásticas, a Astronomia, Mecânica, Anatomia, máquinas e deixou obras-primas.
  • 22. SUJEITO DA MODERNIDADE = SUJEITO EPISTÊMICO PLENO (L. C. Figueiredo) Modernidade pretendeu constituir um indivíduo que fosse senhor de direito sobre todas as coisas. Por isto, este novo homem devia reconhecer em si mesmo a fonte primordial de seus erros e desatinos. Ele agora precisou aprender como se autodisciplinar, expurgando tudo aquilo que lhe torna suspeito, não racional e confiável. O sujeito moderno procura dominar o que o torna irregular, idiossincrático, pois ele deve experimentar o pleno exercício da razão. Nasce a busca por uma subjetividade purificada pela razão (não só por Deus) = penso, logo existo. Este homem renascentista procura se livrar do que é irracional, e nesta busca percebe a experiência em sua invariância e universalidade.
  • 23. PROJETO EPISTEMOLÓGICO DA MODERNIDADE O sujeito moderno é Pleno é fiador de todas as certezas, garantidas pelo cumprimento das exigências radicais de autonomia, autotransparência, unidade e reflexibilidade. Ele passa a se ver como senhor absoluto de sua consciência e vontade, capaz de representar o mundo de forma isenta, sem qualquer risco de ilusão. Esta tentativa de neutralizar as fontes de ilusões humanas será possível se ele conseguir separar a MENTE, supostamente livre, do CORPO, pois este estaria preso a determinantes naturais (biológicos) e sociohistóricos. É este projeto sobre de Mente que exige a determinação do campo de conhecimentos Psi.
  • 24. CONSTITUIÇÃO DO PSICOLÓGICO = ‘Psi’ é o que ultrapassa e oferece resistência à autonomia individual que o sujeito epistemológico pleno pretende alcançar. O LUGAR CULTURAL PARA A EMERGÊNCIA DO SABER PSICOLÓGICO É O ESPAÇO DAS FALHAS DO PROJETO EPISTEMOLÓGICO MODERNO. ‘P S I’ É O NEGATIVO DO SUJEITO PLENO SEC XIX: houve menos confiança nas virtudes ascéticas dos métodos renascentistas que pretendiam constituir um sujeito pleno de sua consciência e vontade, capaz de disciplina e objetividade sem mácula. O positivismo lógico e a fenomenologia husserliana são tentativas de resgate do sujeito pleno. Elas procuram a legitimação através da eficácia tecnológica, daquilo que ‘funciona’, mas não desmascaram de forma radical o desencontro entre projeto epistemológico moderno e os novos saberes sócio psicológicos.
  • 25. NOVOS SABERES SÓCIO PSICOLÓGICOS POSITIVISMO BEHAVIORISTA = Nova versão do projeto epistemológico moderno, pois eles acreditam na eficácia da tecnologia comportamental, como uma compreensão racional do comportamento humano e animal. PSICANÁLISE = Não acreditam no autodomínio, descentramento e dissolução da unidade do Sujeito. O homem é dividido, não conhece plenamente nem sua vontade (o ‘desejo inconsciente’). O homem deve tolerar sua ambivalência conflitiva amor e ódio, razão e desrazão. O autoconhecimento é meta razoavelmente ‘libertadora’, mas nunca plena, considerando esta dualidade pulsional e o próprio conceito de inconsciente. HUMANISTAS E FENOMENOLÓGICOS = Acreditam em uma plenitude holística, um ideal de mundo narcísico que reflete uma natureza potencialmente positiva e realizadora no Homem. Entendem que esta experiência integral é um ideal de uma busca integradora, que acontece tanto no plano do sensível quanto do racional.
  • 26. DO SEC XV AO SEC XIX: A(s) Psicologia(s) As psicologias NÃO TÊM uma delimitação única do objeto de estudo, nem consenso sobre como gerar e validar conhecimentos, ou sobre o que é o conhecer. Entretanto, TODAS as psicologias refletem sobre aspectos que negam a crença em uma subjetividade plena, desencarnada, capaz de uma contemplação desinteressada nos objetos.
  • 27. CONTRASTES ENTRE AS PRINCIPAIS MATRIZES PSICOLÓGICAS BEHAVIORISTAS PSICANÁLISE HUMANISTAS E FENOMENOLÓGICOS Teoria psicológica incapaz de estabelecer contato com campo fenomenal. Desqualifica a experiência introspectiva. Desautoriza o sujeito. Legitima certas formas de poder disciplinar que incidem sobre o sujeito. Pretende um compromisso simultâneo com plano da experiência (os significados e as representações) e com o plano das suas condições ( as pulsões, o não representável = o inconsciente freudiano). Pretende um acolhimento integral e holístico da experiência. Entende que o contato e o controle pleno sobre o impensável é um ideal. Contribui para as ilusões narcísicas de autonomia liberal, espontaneidade e singularidade românticas.
  • 28. DO SEC XV AO SEC XIX: A(s) Psicologia(s) O ESPAÇO PSICOLÓGICO DECORRE DA EVOLUÇÃO DE DIFERENTES MODOS DE SUBJETIVAÇÃO, DO SEC XV AO SEC XIX: 1. Construção de identidades e representações de si individuais, coletivas e nacionais. 2. Crescente separação entre esferas públicas e privadas. 3. Penetração e aprofundamento dos controles públicos.
  • 29. DO SEC XV AO SEC XIX: A(s) Psicologia(s) Formação de um TERRITÓRIO DE IGNORÂNCIA que é o ESPAÇO PSICOLÓGICO: “ Conjunto de aspectos da experiência que ficaram excluídos do campo das representações identitárias que elaboramos sobre nós mesmos, no que apresentamos aos outros e que são para nosso próprio uso”. “ Ao psicológico cabe ter olhos para ver e ouvir este interditado e excluído”. No Brasil, o psicólogo deve escutar o que não pode ser ouvido pela instituição moderna: são as realidades culturais pré-modernas que não se encaixam nas demandas e serviços formais. Há o perigo de psicologizar e patologizar o excluído, por isto, mais que outras, nossa psicologia demanda formação em antropologia e sociologia.
  • 30. PSICOLOGIA COMO UMA CIÊNCIA SOCIAL (Nikolas Rose): “O século XX foi certamente o século da psicologia.– será que o século XXI será igual? ” “O século XX foi o século da psicologia, quando a psicologia se transformou em DISCIPLINA, com departamentos universitários, professores especializados, diplomas, qualificações, e quando a psicologia decolou como uma PROFISSÃO: com corpos profissionais, qualificações, empregos relacionados e muito mais. Mais do que isso, esse foi o século da psicologia, porque a psicologia através do século XX ajudou a construir a sociedade em que nós vivemos e também o tipo de pessoas em que nos transformamos. O desenvolvimento da psicologia durante o século XX teve um importante impacto social em nosso entendimento e tratamento do distress; nas nossas concepções de normalidade e anormalidade; nas nossas tecnologias de regulação, normalização, reforma e correção; no cuidado com crianças e na educação, na propaganda, no marketing e nas tecnologias de consumo, no controle do comportamento humano, do industrial ao militar”.
  • 31. PSICOLOGIA COMO UMA CIÊNCIA SOCIAL (Nikolas Rose): “O século XX foi certamente o século da psicologia.– será que o século XXI será igual? ” “A psicologia e as linguagens da psicologia construíram um senso comum na Europa e na América do Norte, na Austrália, na América Latina e em muitos outros lugares. O treinamento psicológico afetou profissionais de orientação de crianças, de trabalhos sociais, e mesmo de administração de recursos humanos. No processo, nossas muitas ideias do “self”, da identidade, da autonomia, liberdade e da realização pessoal foram reformadas em termos psicológicos. Seres humanos, nessas regiões, vieram a se entender como se fossem habitados por um profundo e interno espaço psicológico, que estaria avaliando- os e agindo sobre eles nos termos dessa crença. As pessoas falam de si mesmas numa linguagem psicológica de descrição pessoal – a linguagem da inteligência, personalidade, ansiedade, neurose, depressão, trauma, extroversão, introversão – julgando-se em termos do que penso podermos determinar, quase com certeza, como uma ‘ética psicológica’.”
  • 32. PSICOLOGIA COMO UMA CIÊNCIA SOCIAL (Nikolas Rose): “O século XX foi certamente o século da psicologia.– será que o século XXI será igual? ” “Esse não foi apenas o processo de individualização; isso também inclui a “psicologização” da vida coletiva, a invenção da ideia de grupos, grandes e pequenos, das atitudes, da opinião pública e temas deste tipo. Práticas, da indústria ao exército, podem agora ser entendidas em termos de dinâmicas psicológicas das relações interpessoais. Problemas sociais, do preconceito e luta de grupos até à criminalidade e pobreza, são abalizados em termos psicológicos. Isso não foi apenas uma questão da psicologia se estabelecer como uma disciplina ou como uma profissão; (...). A psicologia foi uma disciplina muito generosa, ela se doou para todos os tipos de profissões, da polícia a comandantes militares, numa condição de fazê-los pensar e agir, pelo menos de alguma maneira, como psicólogos. Então, será o século XXI o século da psicologia? (...) Estudos parecem apontar sobre o papel da psicologia ( no século XXI) como uma ciência social, e, quem sabe, até como uma ciência política.”
  • 33. A(s) Psicologia (s) BOCK, A. PSICOLOGIA (S): UMA INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA PSICOLOGIA 13ª EDIÇÃO. SÃO PAULO: SARAIVA, 2000. FIGUEIREDO,LC A INVENÇÃO DO PSICOLÓGICO: QUATRO SÉCULOS DE SUBJETIVAÇÃO 1500-1900 SÃO PAULO: ESCUTA,2002. MASSIMI, M.; BROZEK, J. (ORGS.) HISTORIOGRAFIA DA PSICOLOGIA MODERNA. SÃO PAULO: LOYOLA, 1998. SCHULTZ, D. HISTÓRIA DA PSICOLOGIA MODERNA. SÃO PAULO: CULTRIX, 1981. ANDRADE, A.N. IN SOUZA, L. “PSICOLOGIA REFLEXÕES IMPERTINENTES” IN “O ACOLHIMENTO A PROCESSUALIDADE: ENTRE A MULTIPLICIDADE DA PSICOLOGIA E A MULTIPLICIDADE DO PSICOLÓGICO” SÃO PAULO: CASA DO PSICÓLOGO, 1988. ROSE, NIKOLAS (UNIVERSITY OF LONDON, LONDON, UNITED KINGDOM) PSICOLOGIA & SOCIEDADE “PSICOLOGIA COMO UMA CIÊNCIA SOCIAL” 20 (2): 155-164, 2008