Relação Professor Aluno

793 visualizações

Publicada em

Explicação da relação do professor com o aluno, suas características, fatores determinantes e sugestões

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
793
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
28
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Relação Professor Aluno

  1. 1. M A R N E Y E D U A R D O F E R R E I R A C R U Z B A C H A R E L E M F I L O S O F I A – U F C M E S T R E E M P S I C O L O G I A D A E D U C A Ç Ã O – U N B A RELAÇÃO DO PROFESSOR COM O ALUNO
  2. 2. ELEMENTOS IMPRESCINDÍVEIS  Alunos com: conhecimentos prévios, disposição para a aprendizagem, boa vontade, interesse, condições socio-econômicas;  Professor (a) com: compreensão sobre as possibilidades de relacionamento com aluno(a), atitude inovadora, atitude de educador, capacitação e qualificação técnico didática  Conteúdo (ou programa): adequação as dimensões do aluno, significado / valor, aplicabilidade prática
  3. 3. Quando Não há relação  Quando o professor:  Instrui  Comunica conhecimentos  Fazer saber  Mostrar  Guiar  Orientar Nessa ótica só há a ação do Professor sobre o Aluno
  4. 4. “ Toda educação é uma ação interativa: faz-se mediante informações, comunicação, diálogo entre seres humanos. Em toda educação há um outro em relação. Em toda educação, por tudo isso, a ética está implicada”. http://professorbacchelli.spaceblog.com.br/186516/Etica-Profissional-Aula-02/
  5. 5. Ensino e Aprendizagem  Ambiente escolar ou acadêmico  Valorização do professor e do ato de ensinar  Transformar a sala de aula num espaço de construção de conhecimento e para isso ele deve:  Rever sua experiência  Adquirir habilidades  Adaptar-se as mudanças  Atualizar-se  Modificar atitudes e comportamentos  Descobrir significas nos seres, nos fatos nos fenômenos e nos acontecimentos
  6. 6. Para Aprendizagem é preciso:  Bom relacionamento através do: Diálogo Colaboração Participação Trabalhos interativos Estímulo ao trabalho em grupo Respeito mútuo
  7. 7. Elementos para a Relação (interação)  Concepção que o professor tem da Aprendizagem  Do seu papel nela  Do papel que cabe ao aluno  Da sua visão de mundo e da sociedade contemporânea  De sua competência pedagógica e política  Maneiras de interagir TEORIA X PRÁTICA
  8. 8. Ênfase no Processo – Professor – Aluno  Processo: organização curricular, disciplinas estanques e isoladas, metodologia que privilegia a transmissão oral;  Professor: instruir, comunicar conhecimentos ou habilidades, guiar, orientar, dirigir;  Aluno: em suas capacidades, possibilidades, necessidades, oportunidades, condições para aprender.
  9. 9. Aula  Lócus: sala de aula  Aula é uma situação  Um ambiente  Um espaço de relações pedagógicas  Um tempo  Vivência  Realidade  Recebe a realidade  Trabalha com a ciência
  10. 10. “A sala de aula não é um lugar onde habita o pensamento, pois cadeiras, paredes e quadro-negro não possuem capacidades cognitivas; mas, lá se concentram seres humanos que se relacionam e que se constituem entre si individualmente e socialmente, onde os pensamentos podem habitar. Durante tal período, os sujeitos-alunos ficam confinados dentro dos limites da sala de aula onde se comunicam, defrontam se e influenciam-se mutuamente.” (CRUZ, 2011)
  11. 11. Como agir diante dessas situações  Estes questionamentos giram em torno de situações como, por exemplo, de que forma chamar a atenção de um aluno para a disciplina?  Como avaliar um aluno que não se empenha em sala de aula? Ou que nunca é disciplinado?  O que fazer quando percebe que um aluno está colando?  E ainda, quando percebe que está colando, mas não há provas?  Ou responder a um aluno que questiona seus métodos?
  12. 12. A Relação deve gerar (produzir)  Discussões  Questionamentos  Análises  Pesquisas  Conflitos  Diferenças  Transformação  Criatividade  Participação
  13. 13. O Professor pode ou deve?  Ter um olhar atento sobre os alunos  Construir coletivamente o conhecimento  Interagir mutuamente as dificuldades e facilidades de aprendizagem  Buscar conhecer os alunos individualmente  Aguçar e estimular a sua sensibilidade para perceber temas transversais ao que está ensinando
  14. 14. Autoridade x Autoritarismo  Autoritarismo: controle social, autoridade- subordinação, ameaças, punições x recompensas , medo de perder o poder para os alunos  Autoridade: relação dialética de constituição mútua, e coletiva de conhecimentos e de subjetividades, regras colocadas com clareza, respeito, margem para negociação
  15. 15. O professor bem sucedido procura:  Demonstra várias respostas e maneiras para chegar a elas;  Aulas expositivas somente para alcançar o objetivos da unidade;  Demonstra diversas explicações para um mesmo fenômeno;  É flexível e capaz de adaptar a programação a situação  Relaciona conteúdos com experiências do aluno
  16. 16. Afetividade  Afeto: sentimento; emoção; paixão; conjunto de fenômenos psíquicos que são experimentados e vivenciados na forma de emoções e sentimentos.  Afetividade: é tudo aquilo que afeta o ser humano onde quer que estejamos inclusive na escola ou faculdade.
  17. 17. Afeto na prática pedagógica  Aceitação Moral e Social  Como / Quando / Onde vivenciar? Emoções Necessidades Sentimentos  Controle social de pensamentos e comportamentos  Moldar a determinadas condutas
  18. 18. Relação Professor X Aluno  Como devo agir em relação aos outros? O ato pedagógico envolve uma série de relações inerentes a todo e qualquer ser humano. Este ser, toma sentido de sua existência a partir das relações estabelecidas entre o meio e o outro, sejam essas relações diretas ou indiretas. Assim, os seres humanos vão se constituindo como sujeitos desde o nascimento, na relação com a família, com os amigos e também, nas relações do processo de ensino e aprendizagem.
  19. 19. Afetividade  As dimensões corporais, a afetividade e os contextos sociais são dimensões interligadas no processo de constituição dos seres humanos.  A dimensão afetiva está silenciada nos currículos  A prioridade são os conteúdos, os processos, técnicas, métodos, ou seja, práticas pedagógicas.
  20. 20. Afetividade na Relação Professor X Aluno Personalidade Emoções Afetos Sentimentos e capacidade de exteriorizá-los
  21. 21. Ética e Educação  Valores a serem trabalhados:  Respeito mútuo  Dignidade  Justiça  Diálogo  Solidariedade  Igualdade  Convívio democrático *PCN/Temas transversais
  22. 22. Ética X Salário  Professor que só pensa no salário  Ensino como parte de um sistema social  Construção do bem comum  O trabalho é um dos instrumentos de realização da dignidade do ser humano, mas não somente pelo fator econômico, e sim pelo social, ou seja, por ser instrumento de realização da construção de uma sociedade
  23. 23. O Professor e o Código de Ética  O professor deve:  Aceitar-se e entender-se como modelo  Ser mediador  Ser capaz de explicitar sua visão ética  Saber pensar dilemas éticos  Promover relação de empatia entre e com os alunos  Ser capaz de mobilizar os alunos para a boa ação
  24. 24. Comportamentos Éticos na Escola  Moral de atitudes e não atos morais  Relação entre alunos, professores, funcionários, técnico-administrativos, externos (fornecedores, etc)  Coerência entre teoria e prática: o que se faz não pode ser diferente do que se vive  Ação mecânica x liberdade  Preservação do meio ambiente: reciclagem de resíduos, economia de energia elétrica, etc...
  25. 25. Padrões negativos E POSITIVOS PADRÕES NEGATIVOS  Seguir um mundo imediatista  Consumismo  Individualismo PADRÕES POSITIVOS TRAÇOS da lógica de um bom professor Saúde Mental - Dedicação Profissional - Bom humor - Otimismo - Estética - Elegância - Profundidade - Entusiasmo - Organização - Espontaneidade - Precisão conceitual - Objetividade - razoabilidade - Harmonia
  26. 26. Referências:  CRUZ, M. E. F. A inter-relação entre professores e universitários. Brasília: UnB, 2009. (Dissertação)  KULLOK, M. G. B. Relação professor aluno: contribuições a prática pedagógica. Maceió: Edufal, 2002.  MORAIS, R. de. Sala de aula: que espaço é esse? Campinas: Papirus, 1988.  SABINO, S. O afeto na prática pedagógica e na formação docente. São Paulo: Paulinas, 2012.
  27. 27. Livros  CRUZ, M. E. F.. A Emergência do Conceito de Subjetividade na Filosofia. In: Casemiro de Medeiros Campos; Erika Bataglia da Costa. (Org.). Filosofia em Onze Atos. Fortaleza: Caminhar, 2011.  CRUZ, M. E. F. A relação professor aluno no processo ensino aprendizagem. In: Souza, VR;Fick VM; Oliveira JC. (Org.). Formação Continuada, cotidiano escolar e prática docente. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2011.  CRUZ, M. C. F. Mudanças na perspectiva da complexidade e multirrefencialidade: os paradigmas da prática e formação docente. In: Souza, VR;Fick VM; Oliveira JC. (Org.). Formação Cidadã: Currículo e Transversalidade. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2011.

×