Meningite - Liga de Pediatria UNICID

1.089 visualizações

Publicada em

Aula sobre meningite e suas implicações na infancia, exposta pela liga de pediatria da UNICID

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.089
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
76
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Meningite - Liga de Pediatria UNICID

  1. 1. S Meningite Rafael Mello Martins
  2. 2. Inflamação da Aracnóide-máter, Pia-máter e do LCR. O processo inflamatório se estende por todo o espaço subaracnóide em torno do cérebro e medula espinhal, e habitualmente compromete os ventrículos.
  3. 3. Processos inflamatórios Doença neoplásica Processos sistêmicos (como Lúpus) Hipersensibilidade a drogas Viral Asséptica Bacteriana Meningite
  4. 4. -  Otite média aguda -  Pneumonia (15%) -  Sinusite pneumocócica aguda -  Traumatismo cranioencefálico
  5. 5. -  A meningite bacteriana ocorre em cerca de 3 por 100.000 pessoas anualmente em países ocidentais. -  Escala Estudos populacionais têm mostrado que a meningite viral é mais comum, em 10,9 por 100.000, e ocorre com mais frequência no verão. -No Brasil, a taxa de meningite bacteriana é maior, em 45,8 por 100 mil anualmente. -A África Subsaariana tem sido marcada por grandes epidemias de meningite meningocócica durante mais de um século, levando a que seja marcado o "cinturão da meningite". As epidemias geralmente ocorrem na estação seca (dezembro a junho), e uma onda de epidemia pode durar de dois a três anos, morrendo durante a estação chuvosa de intervenção. As taxas de ataque de 100-800 casos por 100.000 são encontrados nesta área. Estes casos são predominantemente causados pelo meningococo.
  6. 6. Streptococcus B Listeria Monocytogenes Streptococcus pneumoniae Neisseria meningitidis
  7. 7. As bactérias podem atingir as meninges por vários caminhos: - Ingresso direto a partir do trato respiratório superior ou da pele através de um defeito anatômico - Passagem para o crânio através de vênulas na nasofaringe - Disseminação a partir de um foco contíguo de infecçao - Meningite hospitalar - Bateremia sistêmica
  8. 8. Os pneumococos aderem à superfície mucosa e sintetiza imunoglobulina A protease e assim inativa a defesa do anticorpo local. Esses invadem às células mucosas nasofaríngeas por meio da endocitose e são transportados para o lado contrário da luz em vacúolos limitados por membrana. Na corrente sanguínea sua sobrevida intravascular é favorecida pela presença de cápsulas polissacaridicas que inibem a fagocitose e conferem resistência à atividade bactericida. Há adesão bacteriana específica a elementos da barreira hematoencefálica. Uma vez na meninge, a infecção rapidamente se estende por todo espaço subaracnóideo. A replicação prossegue sem obstáculo porque os níveis de complemento no LCR no começo da inflamação resultam em mínima ou nenhuma atividade fagocitária.
  9. 9. - Em 50% dos casos apresentam a tríade clássica: febre. rigidez da nuca e alteração do estado mental - Em 95% apresentam 2 dos 4 sintomas: cefaleia, rigidez cervical, febre, estado mental alterado - Frequentemente precedida por vários dias de febre, acompanhado de sintomas do trato respiratório alto ou gastrointestinais, seguindo-se por sinais inespecíficos de infecção do SNC, como letargia e irritabilidade. - Recusa alimentar - Taquicardia - Hipotensão
  10. 10. -  Sinais cutâneos: petéquias, púrpura ou rash macular eritematoso - http://www.meningitis.com/Brasil/o-que-e-meningite/sinais-e- sintomas/
  11. 11. Sinal de Kernig – resposta em flexão da articulação do joelho, quando a coxa é colocada em certo grau de flexão, relativamente ao tronco. Há duas formas de se pesquisar esse sinal: • paciente em decúbito dorsal – eleva-se o tronco, fletindo-o sobre a bacia; há flexão da perna sobre a coxa e dessa sobre a bacia; e, Sinal de Brudzinski – flexão involuntária da perna sobre a coxa e dessa sobre a bacia, ao se tentar fletir a cabeça do paciente. Crianças de até 9 meses poderão não apresentar os sinais clássicos de irritação meníngea. Nesse grupo, outros sinais e sintomas permitem a suspeita diagnóstica, tais como: febre, irritabilidade ou agitação, choro persistente, grito meníngeo (criança grita ao ser manipulada, principal- mente, quando se flete as pernas para trocar a fralda) e recusa alimentar, acompanhada ou não de vômitos, convulsões e abaulamento da fontanela.
  12. 12. -  Anamnese -  Exame físico -  Punção Lombar (LCR)
  13. 13. - Realizada com o paciente fletido em decúbito lateral, agulha atravessa espaço intervertebral L3-L4 ou L4-L5 .
  14. 14. Recomendação de antibioticoterapia nos casos de meningite bacteriana sem etiologia determinada Faixa etária Antibiótico (1ª escolha) Antibiótico (2ª escolha) < 2 meses Ampicilina + aminoglicosídeo (gentamicina ou amicacina) Cefalosporina 3ª geração (cefataxina ou ceftriaxone) + ampicilina 2 meses a 5 anos Ampicilina + cloranfenicol Ceftriaxone > 5 anos Penicilina G. cristalina + ampicilina Cloranfenicol ou ceftriaxone Recomendação de antibioticoterapia, segundo etiologia Agentes Antibióticos Dose (EV) Intervalo Duração
  15. 15. Recomendação de antibioticoterapia, segundo etiologia Agentes Antibióticos Dose (EV) Intervalo Duração Neisseria meningitidis Penicilina G. cristalina ou ampicilina 300 a 500 milUI/kg/dia até 24.000.000UI/dia 200 a 400mg/kg/dia até 15g/dia 3/3h ou 4/4h 4/4h ou 6/6h 7 dias Haemophilus influenzae Cloranfenicol ou ceftriaxone 75 a 100mg/kg/dia até 6g/dia 100mg/kg/dia até 4g/dia 6/6 h 12/12h ou 24/24h) 7 a 10 dias Streptococcus pneumoniae Penicilina G. cristalina* 300 a 500 milUI/kg/dia até 24.000.000UI/dia 200 a 400mg/kg/dia até 15g/dia 3/3h ou 4/4h 4/4h ou 6/6h 10 - 14 dias Staphilococcus Oxacilina ou vancomicina 200mg/kg/dia até 12g/dia 300 a 400mg/kg/dia até 2g/dia 4/4hs ou 6/6h 6/6h 21 dias Enterobactérias Ceftriaxone ou sulfametaxazol + trimetropim 100mg/kg/dia até 8g/dia 100mg/kg/dia 12/12h ou 24/24h 8/8h ou 12/12h 14 a 21 dias Pseudomonas Ceftaridima + amicacina ou carbenicilina + amicacina 100mg/kg/dia até 8g/dia 20 a 30mg/kg/dia até 1,5g/dia 400 a 600mg/kg/dia até 30g/dia 8/8h 3/3h 21 dias O tratamento da meningite tuberculosa é feito com o esquema II, padronizado pelo Programa Nacional de Con- trole da Tuberculose.
  16. 16. Quimioprofilaxia - Indicada para os contatos íntimos de casos de doença meningocócica e meningite por H. influenzae, e para o paciente no momento da alta, no mesmo esquema preconizado para os contatos, exceto se o tratamento da doença foi com ceftriaxona, pois há evidências de que essa droga é capaz de eliminar o meningococo da orofaringe. - A droga de escolha para a quimioprofilaxia é a rifampicina, que deve ser administrada em dose adequada e simultaneamente a todos os contatos íntimos, preferencialmente até 48 horas da exposição à fonte de infecção.
  17. 17. Esquema de rifampicina indicado por etiologia Agente etiológico Dose Intervalo Duração Neisseria meningitidis Adultos - 600mg/dose Crianças > 1 mês até 10 anos dose - 10mg/kg/dose < 1 mês Dose - 5mg/kg/dose 12/12h 12/12h (dose máxima de 600mg) 12/12h (dose máxima de 600mg) 2 dias 2 dias 2 dias Haemophilus influenzae Adultos - 600mg/dose Crianças > 1 mês até 10 anos dose - 20mg/kg/dose < 1 mês Dose - 10mg/kg/dose 24/24h 24//24h (dose máxima de 600mg) 24/24h (dose máxima de 600mg) 4 dias 4 dias 4 dias Observação: criança com o esquema vacinal completo contra Haemophilus influenzae tipo b não precisa receber quimioprofilaxia, exceto nos casos de ser imunocomprometida.
  18. 18. Imunização: - Vacina contra difteria, tétano, coqueluche e H. influenzae tipo b - DTP + Hib (tetravalente) A vacina DTP + Hib previne contra difteria, tétano, coqueluche e as infecções causadas pelo H. influenzae tipo b, como: meningite, pneumonia, septicemia, otite e outras. É recomendada para crianças menores de 1 ano de idade, com esquema de 3 doses, com intervalo de 60 dias entre as doses (esquema: 2, 4 e 6 meses de idade). -Vacina contra o Bacilo de Koch A vacina BCG previne contra as formas graves de tuberculose (miliar e meningea). O esquema recomendado é uma dose ao nascer, devendo ser administrada o mais precocemente possível, na própria maternidade ou na sala de vacinação da rede pública de saúde. Em criança que recebeu o BCG há seis meses ou mais, na qual esteja ausente a cicatriz vacinal, indica-se a revacinação.
  19. 19. Bibliografia -  Tratado de medicina interna -CECIL -  Ministério da Saúde -  Tratado de Pediatria – Nelson

×