SlideShare uma empresa Scribd logo
Vigilância Das Doenças Transmissíveis
 Doenças previníveis por vacinação:
 Hepatite B
 Poliomielite
 Tétano
 Tétano Neonatal
 Coqueluche
 Difteria
Esquema de Vacinação atual
 Meningite
 Febre Amarela
 Rubéula
 Sarampo
 Caxumba
 Varicela
 Raiva Humana
Vigilância Das Doenças Transmissíveis
Como integrante da equipe de saúde é muito
importante que o técnico de enfermagem adquira
conhecimentos sobre o comportamento das diversas
doenças transmissíveis e as medidas gerais de
profilaxia e controle, pois isto lhe possibilitará maior
segurança ao atuar nas intervenções que visam a
redução da incidência e/ou prevalência de
doenças.
Doenças Previníveis por Vacinação
Atualmente, a vacinação e os avanços tecnológicos e
nas últimas décadas, muitas doenças de elevados índices
de mortalidade podem ser prevenidas e controladas.
Alguns fatores de risco no controle de doenças:
 Cobertura vacinal que não alcança todas as pessoas
suscetíveis a essas doenças;
 Movimentos migratórios de hospedeiros (pessoas
portadoras ou doentes);
 Desnutrição Os anticorpos são constituídos por cadeias
de proteínas, se a ingestão de proteína é insuficiente,
prejudica a produção de anticorpos, interferindo nos
mecanismos de defesa orgânica e capacidade do
sistema imunobiológico produzir o estímulo e a devida
resposta no organismo;
Agente infeccioso: vírus HBV, que infecta o homem,
seu reservatório natural.
Transmissão: por meio de solução de continuidade
da pele e/ou mucosas, em contato com o sangue e
outros fluidos corpóreos (como sêmen, secreção
vaginal e saliva) de doente ou portador:
 Relação sexual,
 Uso de seringas e agulhas compartilhadas - no
caso de usuários de drogas –
 Transfusão de sangue e seus derivados ,
procedimentos odontológicos, cirúrgicos e de
hemodiálise - quando não respeitadas as normas
de biossegurança.
 A transmissão vertical se verifica, sobretudo, no
período perinatal, durante o parto.
Período de incubação: de 30 a 180 dias, sendo
em média de 60 a 90 dias. O indivíduo transmite
a doença duas a três semanas antes de
apresentar os primeiros sintomas e a continua
transmitindo durante a fase aguda da hepatite B
e no estado de portador crônico.
Sintomas: formas assintomáticas, sintomáticas ou
graves, das quais a primeira é a mais freqüente.
Os sinais e sintomas característicos são:
mal-estar, cefaléia, febre, náuseas e vômitos,
ocorrendo também dor abdominal, icterícia,
fezes esbranquiçadas (acolia), aumento do
fígado (hepatomegalia), urina escurecida
(colúria) e aumento do baço (esplenomegalia).
Diagnóstico: laboratorialmente, através de
exame de sangue com a identificação dos
marcadores sorológicos virais da hepatite.
Vacinação:
 Menores de um ano de idade a partir do
nascimento, de preferência nas primeiras 12
horas após o parto, para evitar a transmissão
vertical.
 Menores de 20 anos de idade, adultos.
 Doadores regulares de sangue - para mantê-los
em tal condição
 Grupos de risco: usuários de hemodiálise,
hemofílicos e profissionais de saúde, gestantes.
Tratamento: Na fase aguda, devem receber
acompanhamento especializado, sendo
indicado:
 Repouso;
 Administração mínima de medicamentos;
 Abstenção do consumo de bebidas alcoólicas
e tabagismo;
 Dieta pobre em gorduras, devido à fragilidade
hepática.
Para os doentes crônicos, estes cuidados são
redobrados com hospitalização em caso de
agravamento do quadro clínico.
Profissionais de saúde:
 Risco de se adquirir a
hepatite B por
exposição ocupacional
a sangue e materiais
potencialmente
infectantes,
 Vacinação obrigatória,
 Precauções padrão
quando da execução
dos procedimentos.
 Até 1980, o Brasil apresentava alto índice desta
doença. Considerando-se sua gravidade, deu-se
início à estratégia dos dias nacionais de
vacinação, com imunização em grande escala,
que associados às ações de vigilância
epidemiológica possibilitaram a gradativa
diminuição do número de casos.
 1994, o país recebeu, da Organização Mundial da
Saúde, o “Certificado de Erradicação da
Transmissão Autóctone do Poliovírus Selvagem nas
Américas”.
O Brasil assumiu o compromisso de manter altas
coberturas vacinais para evitar a reintrodução do
vírus, bem como adotar medidas de controle que
consistem em ações de vigilância epidemiológica
sobre os casos de paralisia aguda flácida, sugestivos
de poliomielite.
O
O
Transmissão:
 Oral: ocorre através das gotículas de muco da
orofaringe expelidas pela tosse, fala ou espirro.
 Água e os alimentos contaminados com fezes
portadores (entre uma a sete semanasapós a infecção
);
Período de Incubação: de 2 a 30 dias, mas em geral varia
de 7 a 12 dias.
Sintomas: deficiência motora, além de febre e flacidez
muscular assimétrica, sendo afetados, sobretudo, os
membros inferiores. No entanto, a doença pode
apresentar-se assintomática ou não-aparente em cerca
de 90% a 95% dos casos, podendo ser confundida com
outros distúrbios que afetam o sistema nervoso.
Tratamento: Não há tratamento específico.
Importante detectar a doença precocemente,
implementar de medidas de vigilância
epidemiológica, e intervenção para evitar maiores
danos ao doente.
De maneira geral, os acometidos pela paralisia
infantil e seus familiares necessitam de
acompanhamento rotineiro da equipe de saúde,
com atuação de profissionais de várias áreas
(enfermagem, fisioterapia, médica, psicologia,
terapia ocupacional e nutrição), possibilitando um
atendimento integral e de acordo com suas reais
necessidades.
Doença infecciosa aguda, não
contagiosa, relativamente comum
em países subdesenvolvidos - nos quais a cobertura
vacinal é baixa.
Agente etiológico: Clostridium tetani, um bacilo
anaeróbio cujo reservatório é o trato intestinal do
homem e de animais, o solo ou qualquer objeto
perfurocortante contendo os esporos.
Período de incubação: varia de acordo com a
extensão, natureza e localização da ferida, levando
em média de 2 a 21 dias.
Transmissão: introdução dos
esporos do agente patogênico em um
ferimento, sobretudo do tipo perfurante,
contaminado com terra, poeira e fezes de animais,
podendo também ser causado por queimaduras e
ferimentos necrosados.
O tecido lesado, com pouco oxigênio devido ao
próprio trauma ou à infecção, fornece as condições
ideais para que os esporos do C. tetani transformem-
se em formas vegetativas, reproduzindo-se e
formando a toxina tetânica que é absorvida pelos
nervos e transportada até a medula espinhal, onde
causam estímulos nervosos.
Sinais e sintomas: nervos tornam-se
muito sensíveis e qualquer estímulo externo
pode desencadear contraturas dos músculos,
inicialmente da face, pescoço e, depois, do tronco,
podendo se estender para todo o corpo,
desencadeando espasmos e convulsões que podem
causar asfixia e morte.
.
A contratura generalizada
faz com que o doente
adote uma posição
corporal denominada
opistótono.
Profilaxia: pós-ferimento é a limpeza da lesão com
bastante água e sabão e, se necessário, realizar
desbridamento.
Tratamento: internação hospitalar em quarto
silencioso, com pouca luminosidade, pois os estímulos
visuais e sonoros podem provocar respostas em forma
de contratura muscular. Administração de sedativos,
soro antitetânico (SAT) e antibioticoterapia.
Cuidados de enfermagem:
 Mínimo de manipulação possível, para que não
surja o estímulo de contratura,
 Monitorização das vias aéreas, para garantir que
estejam pérvias (sem obstrução),
 Observação de sinais de retenção urinária - caso
haja contração da musculatura do trato urinário.
Todos estão predispostos à contaminação pelo
tétano, porém os indivíduos com vacinação
incompleta estão expostos. A enfermagem deve
estar atento ao estado vacinal de indivíduos adultos
e idosos, além das mulheres em idade fértil e das
crianças. A imunidade é conferida pela aplicação de
vacina contendo o toxóide tetânico:
 Tríplice bacteriana (DTP),
 Dupla adulto (dt),
 Dupla infantil (DT) ou
 Toxóide tetânico (TT).
Conhecido como “mal de sete dias”, maior risco na
ausência de pré-natal, impossibilitando o controle
vacinal da gestante, contra o tétano. Uma gestante
não vacinada não possui anticorpos maternos para
transferir ao filho, tornando-o susceptível à doença
após o nascimento.
A infecção ocorre pela
contaminação do coto umbilical
com o bacilo tetânico, quando
de sua manipulação são utilizados
instrumentos ou substâncias
impróprias como teia de aranha,
moeda ou cinteiros.
Período de incubação: sete dias.
Sinais e sintomas: abandona o aleitamento materno
pela dificuldade de movimentar a musculatura da
face, tronco e abdome, devido à rigidez. A paralisia
da musculatura da respiração pode levar a criança à
óbito.
Recém nascido
com
tétano neonatal
Notificação de um caso de tétano neonatal:
 Mãe do recém-nascido deve ser encaminhada
para receber vacinação.
 Orientação aos cuidados com o coto umbilical.
 Os óbitos ocorridos em recém-nascidos menores de
28 dias devem ser investigados.
 Para o adequado controle da doença é
importante que as mulheres em idade fértil estejam
com a imunização contra o tétano atualizada e
que o atendimento pré-natal seja garantido a
todas as gestantes.
Agente Etiológico: bactéria Bordetella pertussis, cujo
único reservatório é o homem, não existindo
portadores crônicos assintomáticos.
Transmissão: contato direto pessoa a pessoa, através
de secreções da nasofaringe, eliminadas pela tosse,
espirro ou fala.
Fisiopatologia: Após a entrada pelas vias aéreas
superiores, a bactéria se adere à mucosa do trato
respiratório, multiplicando-se e produzindo uma toxina
que causa lesão no tecido colonizado e provoca
manifestações sistêmicas por sua liberação e
distribuição por todo o organismo.
Período de incubação: varia entre 7 e 14 dias,
confundida com outras infecções respiratórias
agudas, como a bronquite.
Evolução em três fases:
 Catarral - febre, mal-estar, coriza, tosse e
expectoração de muco claro e viscoso;
 Paroxística - tosse seca “comprida”, de acordo
com a posição do doente, finalizada por
inspiração forçada, com ruído (“guincho”) e
seguida de vômitos (dura cerca de dois meses);
 Convalescência - Tosse desaparecem e dão lugar
à tosse comum (dura de uma a três semanas).
Complicações:
 Pneumonia por B. Pertussis,
 Ativação de tuberculose latente,
 Atelectasia (colapso do pulmão),
 Bronquietasia (dificuldade de expelir secreção),
 Enfisema,
 Pneumotórax,
 Ruptura de diafragma,
 Otite média
 Apnéia.
Complicações neurológicas:
 Encefalopatia aguda,
 Convulsões,
 Coma,
 Hemorragias cranianas,
 Estrabismo e surdez.
Diagnóstico: sorologia, para identificação dos
anticorpos na corrente sanguínea, e pela cultura de
material coletado da orofaringe.
Tratamento: medicamentos sintomáticos, antibióticos.
A hospitalização para crianças com complicações.
Cuidados de enfermagem:
 Repouso e hidratação.
 Precauções respiratórias especialmente na fase
catarral.
 Controle dos fatores que favorecem os acessos de
tosse, como poeira, fumaça de cigarros, atividade
e excitação;
Tratamento: crianças, mantê-las calmas, ocupadas
com atividades que não provoquem muita
excitação, o que pode ajudar a diminuição do
número de episódios de tosse paroxística.
Controle da doença: a vacinação deve ser realizada
em todos os indivíduos susceptíveis, conforme a rotina
da rede básica de saúde. Crianças expostas ao risco
de adoecimento, que estão com o esquema vacinal
incompleto, devem ser observadas durante 14 dias,
na busca de sintomas respiratórios.
Desde 1977, o número de casos de difteria
notificados no Brasil vem diminuindo em vista do
aumento da cobertura vacinal.
A difteria ocorre durante todo o ano, havendo um
aumento de incidência nas estações em que a
temperatura é mais baixa (outono e inverno), devido
à aglomeração de pessoas em ambientes fechados.
Agente Etiológico: bactéria Corynebacterium
diphteriae..
Transmissão: contato direto com doentes ou
portadores da bactéria, por meio de secreções da
nasofaringe, que penetram no organismo através das
vias aéreas superiores.
Fisiopatologia: na faringe, a bactéria se fixa,
estimulando a ocorrência de uma inflamação
purulenta e produzindo uma toxina que causa
necrose do tecido da faringe.
Necrose – é a destruição de um tecido pela toxina diftérica. O
veneno de alguns animais peçonhentos, queimaduras de 3o
grau ou pressão prolongada sobre uma superfície corpórea são
alguns tipos de agentes capazes de causar a necrose tecidual.
Período de incubação: um a seis dias.
Manifestação clínica: pseudomembrana branco-
acinzentada nas amígdalas. Pode ainda estender-se
às fossas nasais, traquéia, brônquios e mais raramente
na pele, conjuntiva ocular e mucosa vaginal. Casos
mais graves, edema no pescoço, com aumento dos
gânglios linfáticos presentes nessa região.
Diagnostico: exame das lesões existentes na
orofaringe e nasofaringe. A coleta com swab deve
ser efetuada antes de iniciado o tratamento com
antibióticos.
Complicações: miocardite e comprometimento dos
nervos periféricos.
Tratamento: hospitalização, administração de soro
antidiftérico e antibióticos. A equipe de enfermagem
oriente os doentes ou os seus responsáveis a relatar
sinais de dificuldade respiratória.
Controle de transmissão: vacinação. Todos os
comunicantes (escolares e familiares) indicado o
exame clínico, durante uma semana. Medidas de
precaução respiratória, até que duas culturas de
secreção de nasofaringe e orofaringe não revelem a
presença da bactéria diftérica.
Swab - é uma haste com ponta de algodão, que
facilita a coleta de secreções para cultura. No caso
da difteria, o swab deve ser introduzido através da
narina até a nasofaringe ou da boca até a
orofaringe.
Atividades:
Qual o esquema vacinal para:
1. Hepatite B
2. Poliomielite
3. Tétano
4. Tétano Neonatal
5. Coqueluche
6. Difteria

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Aula 6 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte I.pdf

Nefrologia infeccao trato urinario sbp
Nefrologia infeccao trato urinario sbpNefrologia infeccao trato urinario sbp
Nefrologia infeccao trato urinario sbp
Marieana Medeiros
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dots
Dessa Reis
 
Cachumba
CachumbaCachumba
Cachumba
Karine Soares
 
Cachumba
Cachumba Cachumba
Cachumba
Karine Soares
 
Tétano Acidental e Neo.pptx
Tétano Acidental e Neo.pptxTétano Acidental e Neo.pptx
Tétano Acidental e Neo.pptx
KAMILATERESAOLIVEIRA
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
Aline Cristina
 
Assistência de enfermagem aos paciente portadores de doenças infecciosas aula...
Assistência de enfermagem aos paciente portadores de doenças infecciosas aula...Assistência de enfermagem aos paciente portadores de doenças infecciosas aula...
Assistência de enfermagem aos paciente portadores de doenças infecciosas aula...
Clebson Reinaldo
 
Resumo Febre Amarela
Resumo Febre AmarelaResumo Febre Amarela
Resumo Febre Amarela
Nathy Oliveira
 
Aula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdf
Aula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdfAula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdf
Aula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdf
Giza Carla Nitz
 
Doenças Causadas por Vírus
Doenças Causadas por VírusDoenças Causadas por Vírus
Doenças Causadas por Vírus
Rafael Serafim
 
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIO
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIOTuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIO
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIO
Ismael Costa
 
Meningite
MeningiteMeningite
Meningite
Fausto Barros
 
Doenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactériasDoenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactérias
Charles Carvalho
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveis
Ismael Costa
 
Trab Pronto D Tuberculose
Trab Pronto D TuberculoseTrab Pronto D Tuberculose
Trab Pronto D Tuberculose
ITPAC PORTO
 
Teníase e malária
Teníase e maláriaTeníase e malária
Teníase e malária
Filipe Bispo
 
Tétano com espasmo e apneia 2013
Tétano com espasmo e apneia 2013Tétano com espasmo e apneia 2013
Tétano com espasmo e apneia 2013
Yvone Formiga
 
Tétano com espasmo e apneia 2013
Tétano com espasmo e apneia  2013Tétano com espasmo e apneia  2013
Tétano com espasmo e apneia 2013
Yvone Formiga
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dots
Cms Nunes
 
Slide de tubeculose: apresentando conceitos
Slide de tubeculose: apresentando conceitosSlide de tubeculose: apresentando conceitos
Slide de tubeculose: apresentando conceitos
EZEQUIELALMEIDABARRO1
 

Semelhante a Aula 6 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte I.pdf (20)

Nefrologia infeccao trato urinario sbp
Nefrologia infeccao trato urinario sbpNefrologia infeccao trato urinario sbp
Nefrologia infeccao trato urinario sbp
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dots
 
Cachumba
CachumbaCachumba
Cachumba
 
Cachumba
Cachumba Cachumba
Cachumba
 
Tétano Acidental e Neo.pptx
Tétano Acidental e Neo.pptxTétano Acidental e Neo.pptx
Tétano Acidental e Neo.pptx
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Assistência de enfermagem aos paciente portadores de doenças infecciosas aula...
Assistência de enfermagem aos paciente portadores de doenças infecciosas aula...Assistência de enfermagem aos paciente portadores de doenças infecciosas aula...
Assistência de enfermagem aos paciente portadores de doenças infecciosas aula...
 
Resumo Febre Amarela
Resumo Febre AmarelaResumo Febre Amarela
Resumo Febre Amarela
 
Aula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdf
Aula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdfAula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdf
Aula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdf
 
Doenças Causadas por Vírus
Doenças Causadas por VírusDoenças Causadas por Vírus
Doenças Causadas por Vírus
 
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIO
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIOTuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIO
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIO
 
Meningite
MeningiteMeningite
Meningite
 
Doenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactériasDoenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactérias
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveis
 
Trab Pronto D Tuberculose
Trab Pronto D TuberculoseTrab Pronto D Tuberculose
Trab Pronto D Tuberculose
 
Teníase e malária
Teníase e maláriaTeníase e malária
Teníase e malária
 
Tétano com espasmo e apneia 2013
Tétano com espasmo e apneia 2013Tétano com espasmo e apneia 2013
Tétano com espasmo e apneia 2013
 
Tétano com espasmo e apneia 2013
Tétano com espasmo e apneia  2013Tétano com espasmo e apneia  2013
Tétano com espasmo e apneia 2013
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dots
 
Slide de tubeculose: apresentando conceitos
Slide de tubeculose: apresentando conceitosSlide de tubeculose: apresentando conceitos
Slide de tubeculose: apresentando conceitos
 

Mais de Giza Carla Nitz

Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfAula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdf
Aula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdfAula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdf
Aula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdf
Aula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdfAula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdf
Aula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdf
Aula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdfAula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdf
Aula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdfAula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdfAula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais - Pacotes -.pdf
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais -  Pacotes -.pdfAula 3- CME - Tipos de Instrumentais -  Pacotes -.pdf
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais - Pacotes -.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 3- Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
Aula 3-  Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdfAula 3-  Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
Aula 3- Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 2.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo -  PARTE 2.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo -  PARTE 2.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 2.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdfAula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdfAula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdfAula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdfAula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdfAula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdf
Aula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdfAula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdf
Aula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdfAula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdfAula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdf
Aula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdfAula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdf
Aula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdfAula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Giza Carla Nitz
 

Mais de Giza Carla Nitz (20)

Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfAula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
 
Aula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdf
Aula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdfAula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdf
Aula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdf
 
Aula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdf
Aula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdfAula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdf
Aula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdf
 
Aula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdf
Aula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdfAula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdf
Aula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdf
 
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdfAula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
 
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdfAula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
 
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais - Pacotes -.pdf
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais -  Pacotes -.pdfAula 3- CME - Tipos de Instrumentais -  Pacotes -.pdf
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais - Pacotes -.pdf
 
Aula 3- Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
Aula 3-  Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdfAula 3-  Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
Aula 3- Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 2.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo -  PARTE 2.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo -  PARTE 2.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 2.pdf
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
 
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdfAula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
 
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdfAula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdf
 
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdfAula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdf
 
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdfAula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
 
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdfAula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
 
Aula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdf
Aula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdfAula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdf
Aula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdf
 
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdfAula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
 
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdfAula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdf
 
Aula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdf
Aula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdfAula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdf
Aula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdf
 
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdfAula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
 

Último

Guia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudávelGuia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudável
barbosakennedy04
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
walterjose20
 
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
LuFelype
 
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Fabiano Pessanha
 
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdfmapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
AdrianoPompiroCarval
 
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasivaPrevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
ClarissaNiederuaer
 
introdução a psicologia voltada a ASB.pptx
introdução a psicologia  voltada a ASB.pptxintrodução a psicologia  voltada a ASB.pptx
introdução a psicologia voltada a ASB.pptx
profafernandacesa
 

Último (7)

Guia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudávelGuia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudável
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
 
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
 
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
 
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdfmapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
 
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasivaPrevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
 
introdução a psicologia voltada a ASB.pptx
introdução a psicologia  voltada a ASB.pptxintrodução a psicologia  voltada a ASB.pptx
introdução a psicologia voltada a ASB.pptx
 

Aula 6 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte I.pdf

  • 1.
  • 2. Vigilância Das Doenças Transmissíveis  Doenças previníveis por vacinação:  Hepatite B  Poliomielite  Tétano  Tétano Neonatal  Coqueluche  Difteria Esquema de Vacinação atual  Meningite  Febre Amarela  Rubéula  Sarampo  Caxumba  Varicela  Raiva Humana
  • 3. Vigilância Das Doenças Transmissíveis Como integrante da equipe de saúde é muito importante que o técnico de enfermagem adquira conhecimentos sobre o comportamento das diversas doenças transmissíveis e as medidas gerais de profilaxia e controle, pois isto lhe possibilitará maior segurança ao atuar nas intervenções que visam a redução da incidência e/ou prevalência de doenças.
  • 4. Doenças Previníveis por Vacinação Atualmente, a vacinação e os avanços tecnológicos e nas últimas décadas, muitas doenças de elevados índices de mortalidade podem ser prevenidas e controladas. Alguns fatores de risco no controle de doenças:  Cobertura vacinal que não alcança todas as pessoas suscetíveis a essas doenças;  Movimentos migratórios de hospedeiros (pessoas portadoras ou doentes);  Desnutrição Os anticorpos são constituídos por cadeias de proteínas, se a ingestão de proteína é insuficiente, prejudica a produção de anticorpos, interferindo nos mecanismos de defesa orgânica e capacidade do sistema imunobiológico produzir o estímulo e a devida resposta no organismo;
  • 5. Agente infeccioso: vírus HBV, que infecta o homem, seu reservatório natural. Transmissão: por meio de solução de continuidade da pele e/ou mucosas, em contato com o sangue e outros fluidos corpóreos (como sêmen, secreção vaginal e saliva) de doente ou portador:  Relação sexual,  Uso de seringas e agulhas compartilhadas - no caso de usuários de drogas –  Transfusão de sangue e seus derivados , procedimentos odontológicos, cirúrgicos e de hemodiálise - quando não respeitadas as normas de biossegurança.  A transmissão vertical se verifica, sobretudo, no período perinatal, durante o parto.
  • 6. Período de incubação: de 30 a 180 dias, sendo em média de 60 a 90 dias. O indivíduo transmite a doença duas a três semanas antes de apresentar os primeiros sintomas e a continua transmitindo durante a fase aguda da hepatite B e no estado de portador crônico. Sintomas: formas assintomáticas, sintomáticas ou graves, das quais a primeira é a mais freqüente. Os sinais e sintomas característicos são: mal-estar, cefaléia, febre, náuseas e vômitos, ocorrendo também dor abdominal, icterícia, fezes esbranquiçadas (acolia), aumento do fígado (hepatomegalia), urina escurecida (colúria) e aumento do baço (esplenomegalia).
  • 7. Diagnóstico: laboratorialmente, através de exame de sangue com a identificação dos marcadores sorológicos virais da hepatite. Vacinação:  Menores de um ano de idade a partir do nascimento, de preferência nas primeiras 12 horas após o parto, para evitar a transmissão vertical.  Menores de 20 anos de idade, adultos.  Doadores regulares de sangue - para mantê-los em tal condição  Grupos de risco: usuários de hemodiálise, hemofílicos e profissionais de saúde, gestantes.
  • 8. Tratamento: Na fase aguda, devem receber acompanhamento especializado, sendo indicado:  Repouso;  Administração mínima de medicamentos;  Abstenção do consumo de bebidas alcoólicas e tabagismo;  Dieta pobre em gorduras, devido à fragilidade hepática. Para os doentes crônicos, estes cuidados são redobrados com hospitalização em caso de agravamento do quadro clínico.
  • 9. Profissionais de saúde:  Risco de se adquirir a hepatite B por exposição ocupacional a sangue e materiais potencialmente infectantes,  Vacinação obrigatória,  Precauções padrão quando da execução dos procedimentos.
  • 10.  Até 1980, o Brasil apresentava alto índice desta doença. Considerando-se sua gravidade, deu-se início à estratégia dos dias nacionais de vacinação, com imunização em grande escala, que associados às ações de vigilância epidemiológica possibilitaram a gradativa diminuição do número de casos.  1994, o país recebeu, da Organização Mundial da Saúde, o “Certificado de Erradicação da Transmissão Autóctone do Poliovírus Selvagem nas Américas”.
  • 11. O Brasil assumiu o compromisso de manter altas coberturas vacinais para evitar a reintrodução do vírus, bem como adotar medidas de controle que consistem em ações de vigilância epidemiológica sobre os casos de paralisia aguda flácida, sugestivos de poliomielite.
  • 12.
  • 13. O
  • 14. O
  • 15. Transmissão:  Oral: ocorre através das gotículas de muco da orofaringe expelidas pela tosse, fala ou espirro.  Água e os alimentos contaminados com fezes portadores (entre uma a sete semanasapós a infecção ); Período de Incubação: de 2 a 30 dias, mas em geral varia de 7 a 12 dias. Sintomas: deficiência motora, além de febre e flacidez muscular assimétrica, sendo afetados, sobretudo, os membros inferiores. No entanto, a doença pode apresentar-se assintomática ou não-aparente em cerca de 90% a 95% dos casos, podendo ser confundida com outros distúrbios que afetam o sistema nervoso.
  • 16. Tratamento: Não há tratamento específico. Importante detectar a doença precocemente, implementar de medidas de vigilância epidemiológica, e intervenção para evitar maiores danos ao doente. De maneira geral, os acometidos pela paralisia infantil e seus familiares necessitam de acompanhamento rotineiro da equipe de saúde, com atuação de profissionais de várias áreas (enfermagem, fisioterapia, médica, psicologia, terapia ocupacional e nutrição), possibilitando um atendimento integral e de acordo com suas reais necessidades.
  • 17.
  • 18. Doença infecciosa aguda, não contagiosa, relativamente comum em países subdesenvolvidos - nos quais a cobertura vacinal é baixa. Agente etiológico: Clostridium tetani, um bacilo anaeróbio cujo reservatório é o trato intestinal do homem e de animais, o solo ou qualquer objeto perfurocortante contendo os esporos. Período de incubação: varia de acordo com a extensão, natureza e localização da ferida, levando em média de 2 a 21 dias.
  • 19. Transmissão: introdução dos esporos do agente patogênico em um ferimento, sobretudo do tipo perfurante, contaminado com terra, poeira e fezes de animais, podendo também ser causado por queimaduras e ferimentos necrosados. O tecido lesado, com pouco oxigênio devido ao próprio trauma ou à infecção, fornece as condições ideais para que os esporos do C. tetani transformem- se em formas vegetativas, reproduzindo-se e formando a toxina tetânica que é absorvida pelos nervos e transportada até a medula espinhal, onde causam estímulos nervosos.
  • 20. Sinais e sintomas: nervos tornam-se muito sensíveis e qualquer estímulo externo pode desencadear contraturas dos músculos, inicialmente da face, pescoço e, depois, do tronco, podendo se estender para todo o corpo, desencadeando espasmos e convulsões que podem causar asfixia e morte. . A contratura generalizada faz com que o doente adote uma posição corporal denominada opistótono.
  • 21. Profilaxia: pós-ferimento é a limpeza da lesão com bastante água e sabão e, se necessário, realizar desbridamento. Tratamento: internação hospitalar em quarto silencioso, com pouca luminosidade, pois os estímulos visuais e sonoros podem provocar respostas em forma de contratura muscular. Administração de sedativos, soro antitetânico (SAT) e antibioticoterapia.
  • 22. Cuidados de enfermagem:  Mínimo de manipulação possível, para que não surja o estímulo de contratura,  Monitorização das vias aéreas, para garantir que estejam pérvias (sem obstrução),  Observação de sinais de retenção urinária - caso haja contração da musculatura do trato urinário.
  • 23. Todos estão predispostos à contaminação pelo tétano, porém os indivíduos com vacinação incompleta estão expostos. A enfermagem deve estar atento ao estado vacinal de indivíduos adultos e idosos, além das mulheres em idade fértil e das crianças. A imunidade é conferida pela aplicação de vacina contendo o toxóide tetânico:  Tríplice bacteriana (DTP),  Dupla adulto (dt),  Dupla infantil (DT) ou  Toxóide tetânico (TT).
  • 24. Conhecido como “mal de sete dias”, maior risco na ausência de pré-natal, impossibilitando o controle vacinal da gestante, contra o tétano. Uma gestante não vacinada não possui anticorpos maternos para transferir ao filho, tornando-o susceptível à doença após o nascimento. A infecção ocorre pela contaminação do coto umbilical com o bacilo tetânico, quando de sua manipulação são utilizados instrumentos ou substâncias impróprias como teia de aranha, moeda ou cinteiros.
  • 25. Período de incubação: sete dias. Sinais e sintomas: abandona o aleitamento materno pela dificuldade de movimentar a musculatura da face, tronco e abdome, devido à rigidez. A paralisia da musculatura da respiração pode levar a criança à óbito. Recém nascido com tétano neonatal
  • 26. Notificação de um caso de tétano neonatal:  Mãe do recém-nascido deve ser encaminhada para receber vacinação.  Orientação aos cuidados com o coto umbilical.  Os óbitos ocorridos em recém-nascidos menores de 28 dias devem ser investigados.  Para o adequado controle da doença é importante que as mulheres em idade fértil estejam com a imunização contra o tétano atualizada e que o atendimento pré-natal seja garantido a todas as gestantes.
  • 27. Agente Etiológico: bactéria Bordetella pertussis, cujo único reservatório é o homem, não existindo portadores crônicos assintomáticos. Transmissão: contato direto pessoa a pessoa, através de secreções da nasofaringe, eliminadas pela tosse, espirro ou fala. Fisiopatologia: Após a entrada pelas vias aéreas superiores, a bactéria se adere à mucosa do trato respiratório, multiplicando-se e produzindo uma toxina que causa lesão no tecido colonizado e provoca manifestações sistêmicas por sua liberação e distribuição por todo o organismo.
  • 28. Período de incubação: varia entre 7 e 14 dias, confundida com outras infecções respiratórias agudas, como a bronquite. Evolução em três fases:  Catarral - febre, mal-estar, coriza, tosse e expectoração de muco claro e viscoso;  Paroxística - tosse seca “comprida”, de acordo com a posição do doente, finalizada por inspiração forçada, com ruído (“guincho”) e seguida de vômitos (dura cerca de dois meses);  Convalescência - Tosse desaparecem e dão lugar à tosse comum (dura de uma a três semanas).
  • 29. Complicações:  Pneumonia por B. Pertussis,  Ativação de tuberculose latente,  Atelectasia (colapso do pulmão),  Bronquietasia (dificuldade de expelir secreção),  Enfisema,  Pneumotórax,  Ruptura de diafragma,  Otite média  Apnéia. Complicações neurológicas:  Encefalopatia aguda,  Convulsões,  Coma,  Hemorragias cranianas,  Estrabismo e surdez.
  • 30. Diagnóstico: sorologia, para identificação dos anticorpos na corrente sanguínea, e pela cultura de material coletado da orofaringe. Tratamento: medicamentos sintomáticos, antibióticos. A hospitalização para crianças com complicações. Cuidados de enfermagem:  Repouso e hidratação.  Precauções respiratórias especialmente na fase catarral.  Controle dos fatores que favorecem os acessos de tosse, como poeira, fumaça de cigarros, atividade e excitação;
  • 31. Tratamento: crianças, mantê-las calmas, ocupadas com atividades que não provoquem muita excitação, o que pode ajudar a diminuição do número de episódios de tosse paroxística. Controle da doença: a vacinação deve ser realizada em todos os indivíduos susceptíveis, conforme a rotina da rede básica de saúde. Crianças expostas ao risco de adoecimento, que estão com o esquema vacinal incompleto, devem ser observadas durante 14 dias, na busca de sintomas respiratórios.
  • 32. Desde 1977, o número de casos de difteria notificados no Brasil vem diminuindo em vista do aumento da cobertura vacinal. A difteria ocorre durante todo o ano, havendo um aumento de incidência nas estações em que a temperatura é mais baixa (outono e inverno), devido à aglomeração de pessoas em ambientes fechados.
  • 33. Agente Etiológico: bactéria Corynebacterium diphteriae..
  • 34. Transmissão: contato direto com doentes ou portadores da bactéria, por meio de secreções da nasofaringe, que penetram no organismo através das vias aéreas superiores. Fisiopatologia: na faringe, a bactéria se fixa, estimulando a ocorrência de uma inflamação purulenta e produzindo uma toxina que causa necrose do tecido da faringe. Necrose – é a destruição de um tecido pela toxina diftérica. O veneno de alguns animais peçonhentos, queimaduras de 3o grau ou pressão prolongada sobre uma superfície corpórea são alguns tipos de agentes capazes de causar a necrose tecidual.
  • 35. Período de incubação: um a seis dias. Manifestação clínica: pseudomembrana branco- acinzentada nas amígdalas. Pode ainda estender-se às fossas nasais, traquéia, brônquios e mais raramente na pele, conjuntiva ocular e mucosa vaginal. Casos mais graves, edema no pescoço, com aumento dos gânglios linfáticos presentes nessa região. Diagnostico: exame das lesões existentes na orofaringe e nasofaringe. A coleta com swab deve ser efetuada antes de iniciado o tratamento com antibióticos.
  • 36. Complicações: miocardite e comprometimento dos nervos periféricos. Tratamento: hospitalização, administração de soro antidiftérico e antibióticos. A equipe de enfermagem oriente os doentes ou os seus responsáveis a relatar sinais de dificuldade respiratória. Controle de transmissão: vacinação. Todos os comunicantes (escolares e familiares) indicado o exame clínico, durante uma semana. Medidas de precaução respiratória, até que duas culturas de secreção de nasofaringe e orofaringe não revelem a presença da bactéria diftérica.
  • 37. Swab - é uma haste com ponta de algodão, que facilita a coleta de secreções para cultura. No caso da difteria, o swab deve ser introduzido através da narina até a nasofaringe ou da boca até a orofaringe.
  • 38.
  • 39.
  • 40.
  • 41.
  • 42.
  • 43.
  • 44.
  • 45.
  • 46.
  • 47. Atividades: Qual o esquema vacinal para: 1. Hepatite B 2. Poliomielite 3. Tétano 4. Tétano Neonatal 5. Coqueluche 6. Difteria