SlideShare uma empresa Scribd logo

Meningite Bacteriana

O documento resume as principais informações sobre meningite bacteriana em três frases: 1) A meningite bacteriana é uma inflamação grave das membranas que recobrem o cérebro e medula espinhal, geralmente causada por bactérias como Neisseria meningitidis, Streptococcus pneumoniae e Haemophilus influenzae. 2) Os sintomas incluem febre, dor de cabeça, vômitos e rigidez na nuca, e o diagnóstico é feito através de exame do líquido cerebrospinal, requ

1 de 23
Baixar para ler offline
Meningite
Bacteriana
Microbiologia
Paracatu – MG
2017
Componentes
• Amanda Nunes
• Graziela Monteiro
• Isadora Clara
• Jaqueline Souza
• Raquel Melo
• Regis Peres
• Welisson Porto
26/06/2017 Meningite Bacteriana 2
Introdução
Meningite é o nome que damos à
inflamação da meninge, membrana que
recobre o sistema nervoso central. A
meningite é uma doença grave,
potencialmente fatal, que costuma ser
causada por agentes infecciosos, tais
como bactérias, vírus e fungos.
A meningite meningocócica, que é um
tipo de meningite bacteriana causada
pela bactéria Neisseria mengitidis, é a
forma mais temida, pois seu quadro
pode ser rápido e devastador.
(PINHEIRO, 2017).
26/06/2017 Meningite Bacteriana 3
26/06/2017 Meningite Bacteriana 4
Epidemiologia
Epidemiologia é o estudo da frequência, da distribuição e dos
determinantes dos problemas de saúde em populações humanas, bem como
a aplicação desses estudos no controle dos eventos relacionados com
saúde. É a principal ciência de informação de saúde, sendo a ciência básica
para a saúde coletiva.
Etimologicamente, “epidemiologia” significa o estudo que afeta a
população (epi= sobre; demio= povo; logos= estudo).
• 20 casos por 100.000 habitantes;
• 52% são bacterianas;
• As bacterianas ocorrem no inverno e as virais no verão;
• 50% dos casos ocorrem em crianças menores de 5 anos;
• Letalidade – 5 a 10% (países em desenvolvimento);
• Cerca de 10 a 20% dos sobreviventes ficam com sequelas neurológicas a
longo prazo. (Retardo mental, surdez ou epilepsia)
26/06/2017 Meningite Bacteriana 5
Epidemiologia
São três os tipos de bactérias que mais comumente causam meningite
bacteriana: Haemophilus influenzae tipo b (Hib), Neisseria meningitidis e
Streptococcus pneumoniae.
26/06/2017 Meningite Bacteriana 6

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALOApresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALOWAGNER OLIVEIRA
 
Sífilis- Sintomas e Tratamentos
Sífilis- Sintomas e TratamentosSífilis- Sintomas e Tratamentos
Sífilis- Sintomas e TratamentosEduarda Medeiros
 
Manejo da Meningite Bacteriana na Infância
Manejo da Meningite Bacteriana na InfânciaManejo da Meningite Bacteriana na Infância
Manejo da Meningite Bacteriana na InfânciaProfessor Robson
 
Trabalho final de saúde publica ii
Trabalho final de saúde publica iiTrabalho final de saúde publica ii
Trabalho final de saúde publica iiRenan Matos
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIADOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIAAna Carolina Costa
 
Semninário Febre Amarela
Semninário Febre AmarelaSemninário Febre Amarela
Semninário Febre AmarelaNathy Oliveira
 
Doenças infecto contagiosas
Doenças infecto contagiosasDoenças infecto contagiosas
Doenças infecto contagiosasflavialoli
 
Leishmaniose visceral
Leishmaniose visceralLeishmaniose visceral
Leishmaniose visceralHIAGO SANTOS
 
Trabalho sobre febre amarela
Trabalho sobre febre amarela Trabalho sobre febre amarela
Trabalho sobre febre amarela Zilda Souza
 
Tétano - Trabalho de microbiologia slides
Tétano - Trabalho de microbiologia slidesTétano - Trabalho de microbiologia slides
Tétano - Trabalho de microbiologia slidesLilian Martins
 

Mais procurados (20)

Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALOApresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
 
Sífilis- Sintomas e Tratamentos
Sífilis- Sintomas e TratamentosSífilis- Sintomas e Tratamentos
Sífilis- Sintomas e Tratamentos
 
Meningite (1)
Meningite (1)Meningite (1)
Meningite (1)
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Manejo da Meningite Bacteriana na Infância
Manejo da Meningite Bacteriana na InfânciaManejo da Meningite Bacteriana na Infância
Manejo da Meningite Bacteriana na Infância
 
Parasitoses Intestinais
Parasitoses IntestinaisParasitoses Intestinais
Parasitoses Intestinais
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Meningite - Vacinas
Meningite - VacinasMeningite - Vacinas
Meningite - Vacinas
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
 
Trabalho final de saúde publica ii
Trabalho final de saúde publica iiTrabalho final de saúde publica ii
Trabalho final de saúde publica ii
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIADOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
 
Semninário Febre Amarela
Semninário Febre AmarelaSemninário Febre Amarela
Semninário Febre Amarela
 
Doenças infecto contagiosas
Doenças infecto contagiosasDoenças infecto contagiosas
Doenças infecto contagiosas
 
Toxoplasmose e Rúbeola
Toxoplasmose e RúbeolaToxoplasmose e Rúbeola
Toxoplasmose e Rúbeola
 
Parasitoses humanas
Parasitoses humanasParasitoses humanas
Parasitoses humanas
 
Leishmaniose visceral
Leishmaniose visceralLeishmaniose visceral
Leishmaniose visceral
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
 
Trabalho sobre febre amarela
Trabalho sobre febre amarela Trabalho sobre febre amarela
Trabalho sobre febre amarela
 
Tétano - Trabalho de microbiologia slides
Tétano - Trabalho de microbiologia slidesTétano - Trabalho de microbiologia slides
Tétano - Trabalho de microbiologia slides
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 

Semelhante a Meningite Bacteriana

Palestra meningite atualizada 07.08.2012
Palestra meningite atualizada 07.08.2012Palestra meningite atualizada 07.08.2012
Palestra meningite atualizada 07.08.2012Hosana maniero
 
Manual controle_bacterias
Manual  controle_bacteriasManual  controle_bacterias
Manual controle_bacteriasEman Lemine
 
Anexo 03- Boletim-Especial-do-COE---Atualizacao-da-Avaliacao-de-Risco.pdf
Anexo 03- Boletim-Especial-do-COE---Atualizacao-da-Avaliacao-de-Risco.pdfAnexo 03- Boletim-Especial-do-COE---Atualizacao-da-Avaliacao-de-Risco.pdf
Anexo 03- Boletim-Especial-do-COE---Atualizacao-da-Avaliacao-de-Risco.pdfProfFranciscoArapira
 
Seminário - PNI (Programa Nacional de Imunização)
Seminário - PNI (Programa Nacional de Imunização)Seminário - PNI (Programa Nacional de Imunização)
Seminário - PNI (Programa Nacional de Imunização)RodrigoBrando36
 
Desafios na Avaliação de Tecnologias para o Enfrentamento ao Aedes/Zika/Micro...
Desafios na Avaliação de Tecnologias para o Enfrentamento ao Aedes/Zika/Micro...Desafios na Avaliação de Tecnologias para o Enfrentamento ao Aedes/Zika/Micro...
Desafios na Avaliação de Tecnologias para o Enfrentamento ao Aedes/Zika/Micro...REBRATSoficial
 
Prevenção infecção
Prevenção infecçãoPrevenção infecção
Prevenção infecçãoFilipa Santos
 
Aula+2+estratégias+para+prevenção+da+transmissão+de+infecções 1
Aula+2+estratégias+para+prevenção+da+transmissão+de+infecções 1Aula+2+estratégias+para+prevenção+da+transmissão+de+infecções 1
Aula+2+estratégias+para+prevenção+da+transmissão+de+infecções 1Cintia Do Nascimento Batista
 
Guia practica sobre a utilizacao de antissepticos no cuidado das feridas
Guia practica sobre a utilizacao de antissepticos no cuidado das feridasGuia practica sobre a utilizacao de antissepticos no cuidado das feridas
Guia practica sobre a utilizacao de antissepticos no cuidado das feridasGNEAUPP.
 
Módulo 1 legislação e programa de prevenção e controle de infecção hospital...
Módulo 1   legislação e programa de prevenção e controle de infecção hospital...Módulo 1   legislação e programa de prevenção e controle de infecção hospital...
Módulo 1 legislação e programa de prevenção e controle de infecção hospital...Conceicao Cavalcante
 
Meningococo catia rodrigues_final[1]
Meningococo catia rodrigues_final[1]Meningococo catia rodrigues_final[1]
Meningococo catia rodrigues_final[1]Gabriela Bruno
 
INFECÇÃO COMPARTILHAR.pptx
INFECÇÃO COMPARTILHAR.pptxINFECÇÃO COMPARTILHAR.pptx
INFECÇÃO COMPARTILHAR.pptxFabianoDoVale
 
Agentes infecciosos e automedicação
Agentes infecciosos e automedicaçãoAgentes infecciosos e automedicação
Agentes infecciosos e automedicaçãoPatrícia Prates
 
MENINGITES_Guia-de-Vigilância-Epidemiológica-da-Secretaria-de-Vigilância-em-S...
MENINGITES_Guia-de-Vigilância-Epidemiológica-da-Secretaria-de-Vigilância-em-S...MENINGITES_Guia-de-Vigilância-Epidemiológica-da-Secretaria-de-Vigilância-em-S...
MENINGITES_Guia-de-Vigilância-Epidemiológica-da-Secretaria-de-Vigilância-em-S...MarcosAntonioOliveir41
 
Projeto Angelini Farmaceutica
Projeto Angelini FarmaceuticaProjeto Angelini Farmaceutica
Projeto Angelini FarmaceuticaLaís Ribeiro
 
Manual pediatria; Normas da ANVISA para controle de infecção hospitalar em Pe...
Manual pediatria; Normas da ANVISA para controle de infecção hospitalar em Pe...Manual pediatria; Normas da ANVISA para controle de infecção hospitalar em Pe...
Manual pediatria; Normas da ANVISA para controle de infecção hospitalar em Pe...João Antônio Granzotti
 

Semelhante a Meningite Bacteriana (20)

Controle de infecção hospitalares
Controle  de infecção hospitalaresControle  de infecção hospitalares
Controle de infecção hospitalares
 
Palestra meningite atualizada 07.08.2012
Palestra meningite atualizada 07.08.2012Palestra meningite atualizada 07.08.2012
Palestra meningite atualizada 07.08.2012
 
Meningite viral
Meningite viral Meningite viral
Meningite viral
 
Meni sobre
Meni sobreMeni sobre
Meni sobre
 
Meningites.ppt
 Meningites.ppt Meningites.ppt
Meningites.ppt
 
Manual controle_bacterias
Manual  controle_bacteriasManual  controle_bacterias
Manual controle_bacterias
 
Anexo 03- Boletim-Especial-do-COE---Atualizacao-da-Avaliacao-de-Risco.pdf
Anexo 03- Boletim-Especial-do-COE---Atualizacao-da-Avaliacao-de-Risco.pdfAnexo 03- Boletim-Especial-do-COE---Atualizacao-da-Avaliacao-de-Risco.pdf
Anexo 03- Boletim-Especial-do-COE---Atualizacao-da-Avaliacao-de-Risco.pdf
 
Seminário - PNI (Programa Nacional de Imunização)
Seminário - PNI (Programa Nacional de Imunização)Seminário - PNI (Programa Nacional de Imunização)
Seminário - PNI (Programa Nacional de Imunização)
 
Desafios na Avaliação de Tecnologias para o Enfrentamento ao Aedes/Zika/Micro...
Desafios na Avaliação de Tecnologias para o Enfrentamento ao Aedes/Zika/Micro...Desafios na Avaliação de Tecnologias para o Enfrentamento ao Aedes/Zika/Micro...
Desafios na Avaliação de Tecnologias para o Enfrentamento ao Aedes/Zika/Micro...
 
Prevenção infecção
Prevenção infecçãoPrevenção infecção
Prevenção infecção
 
Aula+2+estratégias+para+prevenção+da+transmissão+de+infecções 1
Aula+2+estratégias+para+prevenção+da+transmissão+de+infecções 1Aula+2+estratégias+para+prevenção+da+transmissão+de+infecções 1
Aula+2+estratégias+para+prevenção+da+transmissão+de+infecções 1
 
Guia practica sobre a utilizacao de antissepticos no cuidado das feridas
Guia practica sobre a utilizacao de antissepticos no cuidado das feridasGuia practica sobre a utilizacao de antissepticos no cuidado das feridas
Guia practica sobre a utilizacao de antissepticos no cuidado das feridas
 
Módulo 1 legislação e programa de prevenção e controle de infecção hospital...
Módulo 1   legislação e programa de prevenção e controle de infecção hospital...Módulo 1   legislação e programa de prevenção e controle de infecção hospital...
Módulo 1 legislação e programa de prevenção e controle de infecção hospital...
 
Meningococo catia rodrigues_final[1]
Meningococo catia rodrigues_final[1]Meningococo catia rodrigues_final[1]
Meningococo catia rodrigues_final[1]
 
Epidemiologia 1 - Curso MPU - 29ago2017
Epidemiologia 1 - Curso MPU - 29ago2017Epidemiologia 1 - Curso MPU - 29ago2017
Epidemiologia 1 - Curso MPU - 29ago2017
 
INFECÇÃO COMPARTILHAR.pptx
INFECÇÃO COMPARTILHAR.pptxINFECÇÃO COMPARTILHAR.pptx
INFECÇÃO COMPARTILHAR.pptx
 
Agentes infecciosos e automedicação
Agentes infecciosos e automedicaçãoAgentes infecciosos e automedicação
Agentes infecciosos e automedicação
 
MENINGITES_Guia-de-Vigilância-Epidemiológica-da-Secretaria-de-Vigilância-em-S...
MENINGITES_Guia-de-Vigilância-Epidemiológica-da-Secretaria-de-Vigilância-em-S...MENINGITES_Guia-de-Vigilância-Epidemiológica-da-Secretaria-de-Vigilância-em-S...
MENINGITES_Guia-de-Vigilância-Epidemiológica-da-Secretaria-de-Vigilância-em-S...
 
Projeto Angelini Farmaceutica
Projeto Angelini FarmaceuticaProjeto Angelini Farmaceutica
Projeto Angelini Farmaceutica
 
Manual pediatria; Normas da ANVISA para controle de infecção hospitalar em Pe...
Manual pediatria; Normas da ANVISA para controle de infecção hospitalar em Pe...Manual pediatria; Normas da ANVISA para controle de infecção hospitalar em Pe...
Manual pediatria; Normas da ANVISA para controle de infecção hospitalar em Pe...
 

Mais de Welisson Porto

Síndrome dos Ovários Policísticos
Síndrome dos Ovários PolicísticosSíndrome dos Ovários Policísticos
Síndrome dos Ovários PolicísticosWelisson Porto
 
Efeitos Deletéris da Radiação
Efeitos Deletéris da RadiaçãoEfeitos Deletéris da Radiação
Efeitos Deletéris da RadiaçãoWelisson Porto
 
Fisioterapia Dermato Funcional
Fisioterapia Dermato FuncionalFisioterapia Dermato Funcional
Fisioterapia Dermato FuncionalWelisson Porto
 
Primeiros Socorros - Emergências Pediátricas e Geriátricas
Primeiros Socorros - Emergências Pediátricas e GeriátricasPrimeiros Socorros - Emergências Pediátricas e Geriátricas
Primeiros Socorros - Emergências Pediátricas e GeriátricasWelisson Porto
 
Massoterapia - Técnicas de Shantala e Shiatsu
Massoterapia -  Técnicas de Shantala e Shiatsu Massoterapia -  Técnicas de Shantala e Shiatsu
Massoterapia - Técnicas de Shantala e Shiatsu Welisson Porto
 
Eletroneuromiografia (ENMG)
Eletroneuromiografia (ENMG)Eletroneuromiografia (ENMG)
Eletroneuromiografia (ENMG)Welisson Porto
 
Obesidade na Adolescência
Obesidade na AdolescênciaObesidade na Adolescência
Obesidade na AdolescênciaWelisson Porto
 
Saúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da DoençaSaúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da DoençaWelisson Porto
 
Refluxo Gastroesofágico
Refluxo GastroesofágicoRefluxo Gastroesofágico
Refluxo GastroesofágicoWelisson Porto
 
Biomecânica do Joelho
Biomecânica do JoelhoBiomecânica do Joelho
Biomecânica do JoelhoWelisson Porto
 
Alteração Biomecânica do Cotovelo
Alteração Biomecânica do CotoveloAlteração Biomecânica do Cotovelo
Alteração Biomecânica do CotoveloWelisson Porto
 
Transtornos Musculoesqueléticos Causados Pelo uso Abusivo das Tecnologias
Transtornos Musculoesqueléticos Causados Pelo uso Abusivo das TecnologiasTranstornos Musculoesqueléticos Causados Pelo uso Abusivo das Tecnologias
Transtornos Musculoesqueléticos Causados Pelo uso Abusivo das TecnologiasWelisson Porto
 

Mais de Welisson Porto (17)

Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
 
Distrofia Muscular
Distrofia MuscularDistrofia Muscular
Distrofia Muscular
 
Doação de Órgãos
Doação de ÓrgãosDoação de Órgãos
Doação de Órgãos
 
Síndrome dos Ovários Policísticos
Síndrome dos Ovários PolicísticosSíndrome dos Ovários Policísticos
Síndrome dos Ovários Policísticos
 
Efeitos Deletéris da Radiação
Efeitos Deletéris da RadiaçãoEfeitos Deletéris da Radiação
Efeitos Deletéris da Radiação
 
Câncer de Mama
Câncer de MamaCâncer de Mama
Câncer de Mama
 
Fisioterapia Dermato Funcional
Fisioterapia Dermato FuncionalFisioterapia Dermato Funcional
Fisioterapia Dermato Funcional
 
Primeiros Socorros - Emergências Pediátricas e Geriátricas
Primeiros Socorros - Emergências Pediátricas e GeriátricasPrimeiros Socorros - Emergências Pediátricas e Geriátricas
Primeiros Socorros - Emergências Pediátricas e Geriátricas
 
Massoterapia - Técnicas de Shantala e Shiatsu
Massoterapia -  Técnicas de Shantala e Shiatsu Massoterapia -  Técnicas de Shantala e Shiatsu
Massoterapia - Técnicas de Shantala e Shiatsu
 
Eletroneuromiografia (ENMG)
Eletroneuromiografia (ENMG)Eletroneuromiografia (ENMG)
Eletroneuromiografia (ENMG)
 
Obesidade na Adolescência
Obesidade na AdolescênciaObesidade na Adolescência
Obesidade na Adolescência
 
Saúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da DoençaSaúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da Doença
 
Refluxo Gastroesofágico
Refluxo GastroesofágicoRefluxo Gastroesofágico
Refluxo Gastroesofágico
 
Biomecânica do Joelho
Biomecânica do JoelhoBiomecânica do Joelho
Biomecânica do Joelho
 
Alteração Biomecânica do Cotovelo
Alteração Biomecânica do CotoveloAlteração Biomecânica do Cotovelo
Alteração Biomecânica do Cotovelo
 
Transtornos Musculoesqueléticos Causados Pelo uso Abusivo das Tecnologias
Transtornos Musculoesqueléticos Causados Pelo uso Abusivo das TecnologiasTranstornos Musculoesqueléticos Causados Pelo uso Abusivo das Tecnologias
Transtornos Musculoesqueléticos Causados Pelo uso Abusivo das Tecnologias
 
Parto Humanizado
Parto HumanizadoParto Humanizado
Parto Humanizado
 

Último

Com base no estudo de caso, faça uma Análise SWOT do novo empreendimento de A...
Com base no estudo de caso, faça uma Análise SWOT do novo empreendimento de A...Com base no estudo de caso, faça uma Análise SWOT do novo empreendimento de A...
Com base no estudo de caso, faça uma Análise SWOT do novo empreendimento de A...PrimeAssessoriaAcadm3
 
ATIVIDADE 1 - PED - FUNDAMENTOS SOCIOLÓGICOS E ANTROPOLÓGICOS DA EDUCAÇÃO - 5...
ATIVIDADE 1 - PED - FUNDAMENTOS SOCIOLÓGICOS E ANTROPOLÓGICOS DA EDUCAÇÃO - 5...ATIVIDADE 1 - PED - FUNDAMENTOS SOCIOLÓGICOS E ANTROPOLÓGICOS DA EDUCAÇÃO - 5...
ATIVIDADE 1 - PED - FUNDAMENTOS SOCIOLÓGICOS E ANTROPOLÓGICOS DA EDUCAÇÃO - 5...DL assessoria 27
 
FARMACOLOGIA DA DOR E INFLAMAÇÃO PT1.pdf
FARMACOLOGIA DA DOR E INFLAMAÇÃO PT1.pdfFARMACOLOGIA DA DOR E INFLAMAÇÃO PT1.pdf
FARMACOLOGIA DA DOR E INFLAMAÇÃO PT1.pdfnilsonmarques9
 
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...bibygmachadodesouza
 
Guia para tratamento de Hemodiálises.pdf
Guia para tratamento de Hemodiálises.pdfGuia para tratamento de Hemodiálises.pdf
Guia para tratamento de Hemodiálises.pdfElySouza16
 
Aumento da dengue no Brasil, casos de dengue saude
Aumento da dengue no Brasil, casos de dengue saudeAumento da dengue no Brasil, casos de dengue saude
Aumento da dengue no Brasil, casos de dengue saudesteauroradourados
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...PrimeAssessoriaAcadm3
 

Último (7)

Com base no estudo de caso, faça uma Análise SWOT do novo empreendimento de A...
Com base no estudo de caso, faça uma Análise SWOT do novo empreendimento de A...Com base no estudo de caso, faça uma Análise SWOT do novo empreendimento de A...
Com base no estudo de caso, faça uma Análise SWOT do novo empreendimento de A...
 
ATIVIDADE 1 - PED - FUNDAMENTOS SOCIOLÓGICOS E ANTROPOLÓGICOS DA EDUCAÇÃO - 5...
ATIVIDADE 1 - PED - FUNDAMENTOS SOCIOLÓGICOS E ANTROPOLÓGICOS DA EDUCAÇÃO - 5...ATIVIDADE 1 - PED - FUNDAMENTOS SOCIOLÓGICOS E ANTROPOLÓGICOS DA EDUCAÇÃO - 5...
ATIVIDADE 1 - PED - FUNDAMENTOS SOCIOLÓGICOS E ANTROPOLÓGICOS DA EDUCAÇÃO - 5...
 
FARMACOLOGIA DA DOR E INFLAMAÇÃO PT1.pdf
FARMACOLOGIA DA DOR E INFLAMAÇÃO PT1.pdfFARMACOLOGIA DA DOR E INFLAMAÇÃO PT1.pdf
FARMACOLOGIA DA DOR E INFLAMAÇÃO PT1.pdf
 
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
 
Guia para tratamento de Hemodiálises.pdf
Guia para tratamento de Hemodiálises.pdfGuia para tratamento de Hemodiálises.pdf
Guia para tratamento de Hemodiálises.pdf
 
Aumento da dengue no Brasil, casos de dengue saude
Aumento da dengue no Brasil, casos de dengue saudeAumento da dengue no Brasil, casos de dengue saude
Aumento da dengue no Brasil, casos de dengue saude
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 

Meningite Bacteriana

  • 2. Componentes • Amanda Nunes • Graziela Monteiro • Isadora Clara • Jaqueline Souza • Raquel Melo • Regis Peres • Welisson Porto 26/06/2017 Meningite Bacteriana 2
  • 3. Introdução Meningite é o nome que damos à inflamação da meninge, membrana que recobre o sistema nervoso central. A meningite é uma doença grave, potencialmente fatal, que costuma ser causada por agentes infecciosos, tais como bactérias, vírus e fungos. A meningite meningocócica, que é um tipo de meningite bacteriana causada pela bactéria Neisseria mengitidis, é a forma mais temida, pois seu quadro pode ser rápido e devastador. (PINHEIRO, 2017). 26/06/2017 Meningite Bacteriana 3
  • 5. Epidemiologia Epidemiologia é o estudo da frequência, da distribuição e dos determinantes dos problemas de saúde em populações humanas, bem como a aplicação desses estudos no controle dos eventos relacionados com saúde. É a principal ciência de informação de saúde, sendo a ciência básica para a saúde coletiva. Etimologicamente, “epidemiologia” significa o estudo que afeta a população (epi= sobre; demio= povo; logos= estudo). • 20 casos por 100.000 habitantes; • 52% são bacterianas; • As bacterianas ocorrem no inverno e as virais no verão; • 50% dos casos ocorrem em crianças menores de 5 anos; • Letalidade – 5 a 10% (países em desenvolvimento); • Cerca de 10 a 20% dos sobreviventes ficam com sequelas neurológicas a longo prazo. (Retardo mental, surdez ou epilepsia) 26/06/2017 Meningite Bacteriana 5
  • 6. Epidemiologia São três os tipos de bactérias que mais comumente causam meningite bacteriana: Haemophilus influenzae tipo b (Hib), Neisseria meningitidis e Streptococcus pneumoniae. 26/06/2017 Meningite Bacteriana 6
  • 7. Meningite Bacteriana A meningite bacteriana geralmente ataca na nasofaringe, pois a bactéria adere no epitélio local e atravessa a barreira mucosa, sobrevivendo os mecanismos de defesa do hospedeiro. As bactérias possuem capsula polissacarídica, fímbrias e pili, que impedirá a ação dos anticorpos no organismo e consequentemente cairá na corrente sanguínea para obter a sua multiplicação. (VERLANGIERI; FARHAT, 2008). 26/06/2017 Meningite Bacteriana 7
  • 8. Meningite Bacteriana As bactérias responsáveis pela meningite são: Haemophilus influenzae, Streptococus pneumoniae e Neisseria meiningitidis. Na sequencia também se encontra o estreptococo do grupo B e a Listeria monocytogenes. Os agentes enterobactérias e estafilococos afeta pacientes com deficiência imunológica, tanto na fase inicial e final. (SANTOS, 2007). 26/06/2017 Meningite Bacteriana 8
  • 9. Meningite Bacteriana O Haemophilius influenzae é um cocobacilo gram-negativo, pequeno e pleomórfico. Apresenta seis tipos de antígenos distintos (a- f) e também não distintos. As cepas capsulares tipo b, são formas invasivas de doença, já a não capsulares estão relacionadas à infecção respiratória como: sinusite, bronquite. A infecção dessa bactéria é frequentemente em crianças idade de três meses á três anos. A Neisseria meningitidis é um diplococo gram-negativo que possui vários sorogrupos que são causadores de doença invasiva. Haemophilus influenzae 26/06/2017 Meningite Bacteriana 9
  • 10. Meningite Bacteriana Esses sorogrupos B, são responsáveis pela doença de meningocócica, na qual é o sorogrupo B. A meningocócica pode ocorrer em qualquer idade, sendo mais frequentes em crianças. O Streptococus pneumonaie é um gram-positivo e é diplococo. Afetam qualquer idade, mas principalmente em crianças e idosos, que apresentam: asplenia anatômica, imunodeficiência congênita, síndrome nefrótico, insuficiência renal crônica, doenças pulmonares e diabetes mellitus. (FARIA; FARHAT, 1999). Meningocócica 26/06/2017 Meningite Bacteriana 10
  • 11. Meningite Bacteriana As bactérias liberam as toxinas chamadas de endotoxinas, que irá estimular as células endoteliais, os astrócitos e a micróglia para obter a produção de citocinas. Portanto, promovem adesão das células endoteliais vasculares do cérebro junto com a ligação de leucócitos por essa estimulação, na qual ocorrerá ruptura da hematoliquórica. A hematoliquórica é a barreira na qual á passagem de proteínas e leucócitos polimorfonucleares do sangue que será levado para as meninges e principalmente aparecerá o aracnoidite e vasculite. (VERLANGIERI; FARHAT, 2008). 26/06/2017 Meningite Bacteriana 11
  • 12. Meningite Bacteriana • FONTE: Departamento De Patologia, 2017. 26/06/2017 Meningite Bacteriana 12
  • 13. Sintomas Alguns sintomas da meningite bacteriana: • Náuseas. • Vômitos. • Crise convulsiva. • Dor muscular. • Dor nas articulações. • Tonturas. • Fotofobia. (FARIA, FARHAT, 1999). 26/06/2017 Meningite Bacteriana 13
  • 14. Complicações As principais complicações das meningites bacterianas são: • Perda da audição, • Distúrbio de linguagem, • Retardo mental, • Anormalidade motora e distúrbios visuais. (FARIA, FARHAT, 1999). 26/06/2017 Meningite Bacteriana 14
  • 15. • O diagnóstico é feito na presença de sinais e sintomas clínicos que, em geral traduzem a inflamação meníngea e suas consequências e variam de acordo com a faixa etária acometida. • Em crianças a doença pode manifestar a clássica tríade que é a cefaleia, vômitos e febre. • No exame físico pode está presentes os sinais de irritação meníngea: rigidez de nuca. Diagnóstico Clínico 26/06/2017 Meningite Bacteriana 15
  • 16. • O exame é feito através do líquido cefalorraquidiano; • A realização da punção lombar com coleta de LCR é medida imperativa para estabelecer o diagnóstico da doença. • O LCR coletado deve ser examinado mediatamente, com analise citológica, bioquímica e bacteriológica. • Além de realizar uma punção lombar, o médico pode solicitar cultura de amostras do sangue, urina, muco nasal e da garganta e pus de infecções cutâneas para ajudá-lo no diagnóstico. Diagnóstico Laboratorial 26/06/2017 Meningite Bacteriana 16
  • 17. Tratamento Em se tratando de meningite bacteriana o tratamento com antibiótico deve ser instituído tão logo seja possível, preferencialmente logo após a punção lombar e a coleta de sangue para hemocultura. O uso de antibiótico deve ser associado a outros tipos de tratamento de suporte, como reposição de líquidos e cuidadosa assistência. (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2014). 26/06/2017 Meningite Bacteriana 17
  • 18. Tratamento A precocidade do tratamento e diagnóstico são fatores importantes para o prognóstico satisfatório das meningites. A adoção imediata do tratamento adequado não impede a coleta de material para o diagnóstico etiológico, seja líquor, sangue ou outros, mas recomenda-se que a coleta das amostras seja feita preferencialmente antes de iniciar o tratamento ou o mais próximo possível deste. (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2014). 26/06/2017 Meningite Bacteriana 18
  • 19. Tratamento Fisioterapêutico A fisioterapia, como parte integrante da equipe multidisciplinar, também desempenha um importante papel no tratamento da meningite. Cabe-nos tentar manter as condições gerais do paciente, evitar complicações respiratórias, motoras ou de outra natureza, bem como minimizar possíveis sequelas deixadas pela meningite, e proporcionar ao paciente o máximo de funcionalidade, qualidade de vida e autoestima possíveis. (ACIOLY, 2010). 26/06/2017Meningite Bacteriana 19
  • 20. Conclusão • Concluímos através deste trabalho que a meningite bacteriana é a infecção que provoca a inflamação do tecido que envolve o cérebro e a medula, causada por uma bactéria como Neisseria meningitidis, Streptococcus pneumoniae, Mycobacterium tuberculosis ou Haemophilus influenzae. E que geralmente, a meningite bacteriana é uma situação grave que pode colocar em risco a vida da pessoa, caso não seja tratada adequadamente. Apesar disso, a meningite bacteriana tem cura, mas a pessoa deve ser levada para o hospital assim que os primeiros sintomas apareçam para receber o tratamento adequado. Abordamos neste seminário o que é de fato a meningite bacteriana sua transmissão, o diagnóstico e seu tratamento. 26/06/2017 Meningite Bacteriana 20
  • 21. Referências • ACIOLY, Marília Carmen de Araújo Cardoso Sampaio. Meningites e fisioterapia. Disponível em:<http://www.concursoefisioterapia.com/2010/10/ meningites-e-fisioterapia.html?m=1>. • BRASIL . Ministério da Saúde. 2014. Disponível em: <http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o- ministerio/principal/leia-mais-o-ministerio/659- secretaria-svs/vigilancia-de-a-a-z/meningites/11341- tratamento >. Acesso em19 jun. 2017. • FARIA, Sonia M. de, FARHAT ,Calil K. Meningites bacterianas: diagnostico e conduta. Revista Jornal de Pediatria. vol. 75, Supl.1, 1999. Disponível em:<www.scielo.br/pdf/rsp/v40n4/30.pdf> Acesso em: 07 jun. 2017. • FARIA, Sonia M. de; FARHAT, Calil K. Meningites bacterianas: diagnóstico e conduta. Jornal Pediatria, n. 75, v. 1, p. 46-56, 1999. Disponível em: < http://www.jped.com.br/conteudo/99-75- S46/port.pdf>. Acesso em: 17 jun. 2017. 26/06/2017 Meningite Bacteriana 21
  • 22. Referências • PATOLOGIA, Departamento. Meningoencefalites.2017. Disponível: < http://patologia.medicina.ufrj.br/graduacao/index.php/acervos/38 4-colecao-francisco-duarte-claudio-m- avila/neuropatologia/meningoencefalites>. Acesso em: 17 jun. 2017. • PINHEIRO, Pedro. Meningite – Sintomas, Causas e Tratamento. MD. Saúde, maio, 2017. Disponível em: <http://www.mdsaude.com/2009/05/meningite.html>. Acesso em: 17 jun. 2017. • SANTOS, Alba Valéria. Meningites. Trabalho de conclusão de curso de Farmácia. 72f. Centro Universitário das Faculdades Metropolitanas Unidas, Saõ Paulo, 2007. Disponível em: < http://arquivo.fmu.br/prodisc/farmacia/avs.pdf>. Acesso em: 17 jun. 2017. • VERGALANGIERI, Helmar Abreu Rocha; FARHAT, Calil Kairalla. Meningites bacterianas na infância. Revista Brasileira de Medicina, out. 2008, p. 213-228. Disponível em: < http://www.moreirajr.com.br/revistas.asp?fase=r003&id_materia =3935>. Acesso em: 17 jun. 2017. 26/06/2017 Meningite Bacteriana 22