SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 49
Distúrbios Respiratórios Agudos no PS infantil:
Laringite x Crise Asmática
Ligantes: Lívia Freire e Luciana Araújo
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN
LAPED UFRN
Coordenação Drª Frankleide
Asma
Conceito
• “Doença inflamatória crônica das vias aéreas
inferiores, caracterizada por episódios
intermitentes de sintomas respiratórios
isolados ou associados, limitação (obstrução)
reversível ao fluxo de ar e hiper-
responsividades”
Considerações Gerais
• Doença crônica mais comum da infância – 6,7
milhões nos EUA
• Terceira maior causa (2,6%) de internações
entre crianças e adolescentes no Brasil
• Até 80% das crianças com asma desenvolvem
sintomas antes do quinto aniversário
• Atopia é o mais forte fator predisponente
indetificável
Considerações Gerais
• Principais alergênios: aeroalérgenos perenes
(ácaros, pêlos de animais, baratas e
Alternaria)
Fisiopatologia
Gene +
Ambiente
Resposta
Inflamatória:
eosinófilos, li
nfócitos e
mastócitos
Hipersecreção
brônquica +
obstrução ao
fluxo aéreo
Fisiopatologia
ESTÍMULO
ATIVAÇÃO CELULAR
MEDIADORES DE INFLAMAÇÃO
ALTERAÇÃO E OBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉRIAS
Fisiopatologia
“As diferenças na anatomia e na fisiologia dos
pulmões de bebês e crianças os colocam em
maior risco de insuficiência respiratória”
Current – Diagnóstico e Tratamento
PEDIATRIA
Diagnóstico
• Cliníco: Dispnéia, sibilância, dor
torácica, tosse.
• Funcional:
– Espirometria: VEF1 < 86%
– Após uso de broncodilatador: aumento de 7% do
VEF1
– Pico de Fluxo Expiratório (PFE): aumento de 15%
após inalação de um broncodilatador ou um curso
oral de corticóide
Diagnóstico
• Maiores de cinco anos
– Medidas de função pulmonar (espirometria, peak flow)
– Broncoprovocação
– Teste alérgenos (cutâneos ou IgE)
• Menores de cinco anos
– stico
nico
– Quanto mais jovem a criança, maior a chance de não ser
asma
– Periodicamente medida que a criança cresce
Risco de Asma em Lactentes
• Crianças com 3 ou mais episódios de sibilância que duraram
mais de um dia no último ano
• 1 critério maior
– História familiar de asma
– Dermatite atópica
• 2 critérios menores
– Diagnóstico médico de rinite alérgica
– Eosinofilia >4%
– Sibilância não relacionada à IVAS
Crise Asmática
Definição:
“Episódio agudo ou subagudo de piora
progressiva da
dispnéia, tosse, sibilos, taquipnéia e opressão
torácica”
Manejo na Crise Aguda
• Avaliação clínica
• Medida objetivas: PFE e oximetria de pulso
• Exames complementares: não são necessários na
maior parte dos casos atendidos no serviço de
urgência
• Sequência de intervenções terapêuticas e
reavaliações seriadas
Tratamento na Crise Aguda
• Objetivos:
– Reversão da obstrução do fluxo aéreo e da
hipoxemia (se houver), o mais rapidamente
possível
– Identificar e tratar fatores desencadeantes
– Prevenir novas exacerbações
Tratamento na Crise Aguda
Oxigênio
– Manter SatO2 > 95%
– Cânula nasal (2 L/min), máscara facial, campânula
ou tenda
Beta -2 Agonista Inalatório
– Indicada em todos os pacientes
– Inalatório por nebulização ou sob forma de
aerossol dosimetrado
– A cada 10 – 30 minutos na primeira hora
Brometo de Ipatrópio
• No pronto socorro é recomendado: menor
taxa de o, em especial nos pacientes
com crise grave
• Na o: o recomendado
Corticóide
• No pronto socorro:
– administrar CE sistêmico nos pacientes com crises
moderadas e graves e em pacientes que o
responderam terapia inicial com beta-2
(evidência A)
• prescrever por 5 a 10 dias s a alta do para
prevenir recorrência
Sulfato de Magnésio
• Sulfato de sio EV: considerar MgSO4
nos pacientes com crises com risco de morte e
naqueles com crises graves sem melhora s
uma hora de tratamento
Beta -2 Agonista parenteral
• Considerar adição de bolus de salbutamol (ou
terbutalina) em crianças em casos graves em
crianças quando paciente não respondeu ao
tratamento inicial (maiores de 2 anos)
• Consenso brasileiro considera uso subcutâneo
em paciente incapaz de realizar nebulização
Doses
Indicações de Intubação
• Fadiga progressiva ou exaustão
• Alteração no nível de consciência
• Alteração na frequencia respiratória
• PCR ou PCR iminente
• Hipoxemia grave
• Hipercarbia progressiva
Resumindo...
• Asma é doença crônica de alta prevalência
• O diagnóstico é difícil em crianças menores de 5 anos
• Crise asmática deve ser classificada e tratada de acordo
com gravidade
• Beta 2 agonista é a medicação mais importante para
tratamento da crise
• Associar corticóide em crises moderadas, graves ou
muito graves, mantendo por pelo menos 3-5 dias
Laringite
Conceito
• Doenças inflamatórias agudas da
Laringe, também conhecida como Crupe;
• Principais tipos:
– Crupe viral (Laringotraqueobronquite)
– Epiglotite (Supraglotite)
– Traqueíte bacteriana (Crupe pseudomembranoso)
Epidemiologia
• Crupe é uma causa frequente de obstrução
aguda das vias áreas, representando 15-20%
das afecções respiratórias.
• Laringotraqueobronquite é a causa mais
comum de obstrução de vias aéreas
superiores em crianças, 90% casos de estridor.
Fisiopatologia
Vírus/Bactéria
Inflamação/Edema no espaço subglótico
Restrição à entrada de ar
Estridor
Crupe Viral
• Agentes
– Vírus Parainfluenza
– Vírus respiratório Sincicial
– Vírus Influenza
– Vírus da rubéola
– Adenovírus
– Micoplasma pneumoniae
Quadro clínico
• Tosse ladrante ou “tosse de cachorro”
• Estridor
• Febre ausente ou baixa
• Agitação
• Retrações
• Dispneia
• Cianose
Gravidade
• Leve: tosse ocasional, pouco ou nenhum
estridor, pouca ou nenhuma retração;
• Moderada: tosse frequente, estridor e retrações
em repouso, boa entrada de ar, pouca agitação;
• Grave: tosse frequente, estridor
proemintente, retrações nítidas. Agitação.
• Insuficiência Respiratória iminente: tosse e
estridor audível em repouso, podem estar
diminuídos se houver letargia, retrações, palidez
e cianose...
Diagnóstico
• Clínico
• RX: estreitamento
subglótico sem
irregularidades
(Sinal da torre da igreja ou sinal do
campanário)
Tratamento
• Leve:
– suporte e hidratação.
– Dexametasona se houver estridor.
• Moderada a Grave:
– O2 umidificado,
– Epinefrina racêmica nebulizada (solução à 2,25%; ou 0,05 ml/Kg
até mínimo de 1,5ml), observação 2 horas,
– Dexametasona 0,6 mg/Kg IM DU,
• Insuficiência:
– O2 em máscara, ambuzar se SatO2<90%.
– Dexametasona.
– Entubação endotraqueal, preparar VA cirúrgica, se
necessário.
Epiglotite
• Com a introdução da vacina conjugada para
Haemophilus influenzae, este tipo de Laringite
tornou-se rara.
• Agentes:
– Cepas de Haemophilus influenzae não tipada pela
vacina
– Criança não vacinada
– Neisseria meningitides
– Espécies Streptococus em imunizados
Epiglotite
• Microrganismo invade diretamente o tecido
supraglótico, causando celulite na região
• Edema na epiglote que se curva na região
posterior e anterior, causando obstrução
• Comprometimento das estruturas
supraglóticas.
Quadro clínico
• Início agudo com febre alta
• Disfagia
• Posição em tripé (prostração+hiperextensão cervical+protusão da língua)
• Salivação excessiva
• Voz abafada
• Retrações inspiratórias
• Estridor leve
• Cianose
Diagnóstico
• Clínico
• RX: “sinal do polegar”
• Laringoscopia: epiglote
vermelho-cereja, edema
RX: “sinal do polegar”
Tratamento
• Intubação endotraqueal imediata! (tubo 1,0 a 1,5 cm)
• Hemocultura e cultura da epiglote
• Ceftriaxona IV (após melhora dá IV por mais 2-3 horas e continua com
VO por 10 dias)
• 2 a 3 dias de intubação
• Colher cultura do sangue e da superfície
epiglótica, LCR(alguns casos)
• OBS: Epinefrina e corticóides ineficazes
Traqueíte Bacteriana
• Forma mais grave
• Agentes
– S. aureus
– Streptococos pyogenes grupo A
– Haemophilus influenzae
– Moraxella catarralis
Quadro clínico e Exames
• Igual ao da crupe viral, só que mais graves.
• Obstrução da VA superior
• Presença de exudato purulento na região
• Formação de pseudomembranas (podem
obstruir VA e causar parada respiratória!)
• Contagem de leucócitos elevada
• Broncoscopia mostra exudato purulento e
pseudomembranas (fecha Diagnóstico)
Tratamento
• Debridamento da via respiratória
• Umidificação, aspiração e monitorização
intensiva
• Intubação se necessário
• Antibiótico IV
Resumindo...
• Quadro clínico comum:
– Estridor agudo;
– Tosse espasmódica (“de cachorro”)
– Retrações intercostais
• Tratamento:
– O2
– Dexametasona IV ou IM
– Epinefrina (nebulização)
Obrigada!
Referências
• Diretrizes da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia para o
Manejo da Asma – 2012. J Bras Pneumol. v.38, Suplemento 1, p.S1-S46
Abril 2012.
• CURRENT Diagnóstico e Tratamento – Jr. H.W. William, L.J, Myron, S.M.
Judith, D.R, Robin. 20ª edição Lange.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tuberculose infantil pdf
Tuberculose infantil pdfTuberculose infantil pdf
Tuberculose infantil pdfJuliana Ledur
 
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...José Alexandre Pires de Almeida
 
Aparelho cardiovascula
Aparelho cardiovasculaAparelho cardiovascula
Aparelho cardiovasculaPedro Cury
 
Monitorização da oxigenação arterial
Monitorização da oxigenação arterialMonitorização da oxigenação arterial
Monitorização da oxigenação arterialresenfe2013
 
Propedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonarPropedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonardapab
 
Faringoamigdalite Aguda
Faringoamigdalite AgudaFaringoamigdalite Aguda
Faringoamigdalite AgudaBrenda Lahlou
 
Hipertensao arterial infanc_e_adolesc sbp 2019
Hipertensao arterial infanc_e_adolesc sbp 2019Hipertensao arterial infanc_e_adolesc sbp 2019
Hipertensao arterial infanc_e_adolesc sbp 2019gisa_legal
 
14ª aula intoxicações exogenas Silvio
14ª aula   intoxicações exogenas Silvio14ª aula   intoxicações exogenas Silvio
14ª aula intoxicações exogenas SilvioProf Silvio Rosa
 
Radiografia normal do tórax
Radiografia normal do tóraxRadiografia normal do tórax
Radiografia normal do tóraxFlávia Salame
 
Diarreia Aguda na Infância
Diarreia Aguda na InfânciaDiarreia Aguda na Infância
Diarreia Aguda na Infânciablogped1
 

Mais procurados (20)

Tuberculose infantil pdf
Tuberculose infantil pdfTuberculose infantil pdf
Tuberculose infantil pdf
 
Aula sobre DPOC
Aula sobre DPOCAula sobre DPOC
Aula sobre DPOC
 
Trauma torácico
Trauma torácicoTrauma torácico
Trauma torácico
 
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
 
Aparelho cardiovascula
Aparelho cardiovasculaAparelho cardiovascula
Aparelho cardiovascula
 
DPOC Exacerbado
DPOC ExacerbadoDPOC Exacerbado
DPOC Exacerbado
 
Monitorização da oxigenação arterial
Monitorização da oxigenação arterialMonitorização da oxigenação arterial
Monitorização da oxigenação arterial
 
Tosse e hemoptise
Tosse e hemoptiseTosse e hemoptise
Tosse e hemoptise
 
Gasometria arterial
Gasometria arterialGasometria arterial
Gasometria arterial
 
Propedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonarPropedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonar
 
Insuficiencia respiratória na infancia
Insuficiencia respiratória na infanciaInsuficiencia respiratória na infancia
Insuficiencia respiratória na infancia
 
Semiologia cardíaca
Semiologia cardíaca Semiologia cardíaca
Semiologia cardíaca
 
Faringoamigdalite Aguda
Faringoamigdalite AgudaFaringoamigdalite Aguda
Faringoamigdalite Aguda
 
Tosse e resfriado
Tosse e resfriadoTosse e resfriado
Tosse e resfriado
 
Hipertensao arterial infanc_e_adolesc sbp 2019
Hipertensao arterial infanc_e_adolesc sbp 2019Hipertensao arterial infanc_e_adolesc sbp 2019
Hipertensao arterial infanc_e_adolesc sbp 2019
 
Tuberculose Aula
Tuberculose   AulaTuberculose   Aula
Tuberculose Aula
 
14ª aula intoxicações exogenas Silvio
14ª aula   intoxicações exogenas Silvio14ª aula   intoxicações exogenas Silvio
14ª aula intoxicações exogenas Silvio
 
Radiografia normal do tórax
Radiografia normal do tóraxRadiografia normal do tórax
Radiografia normal do tórax
 
Sinais vitais 2015
Sinais vitais 2015Sinais vitais 2015
Sinais vitais 2015
 
Diarreia Aguda na Infância
Diarreia Aguda na InfânciaDiarreia Aguda na Infância
Diarreia Aguda na Infância
 

Semelhante a Distúrbios respiratórios agudos no P.S. infantil: laringite x crise asmática

fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress (1).pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress (1).pptxfisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress (1).pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress (1).pptxRaqueli Viecili
 
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pdf
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pdffisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pdf
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pdfRaqueli Viecili
 
Protocolos rotinas.pdfpediatria
Protocolos rotinas.pdfpediatriaProtocolos rotinas.pdfpediatria
Protocolos rotinas.pdfpediatriaMarisa Caixeta
 
Amigdalites e otites na pediatria
Amigdalites e otites na pediatriaAmigdalites e otites na pediatria
Amigdalites e otites na pediatriaAmanda Thomé
 
Coqueluche
Coqueluche  Coqueluche
Coqueluche blogped1
 
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptxfisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptxRaqueli Viecili
 
REVALIDA_-_INFECCAO_DE_VIAS_AEREAS_INFERIORES_E_COVID_-_MAPA_MENTAL.pdf
REVALIDA_-_INFECCAO_DE_VIAS_AEREAS_INFERIORES_E_COVID_-_MAPA_MENTAL.pdfREVALIDA_-_INFECCAO_DE_VIAS_AEREAS_INFERIORES_E_COVID_-_MAPA_MENTAL.pdf
REVALIDA_-_INFECCAO_DE_VIAS_AEREAS_INFERIORES_E_COVID_-_MAPA_MENTAL.pdfEberte Gonçalves Temponi
 
Documento.docx
Documento.docxDocumento.docx
Documento.docxLorrayne26
 
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na ComunidadePneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidadeblogped1
 
Assistência à criança nas disfunções respiratórias e cardiovasculares
Assistência  à criança nas disfunções respiratórias e cardiovascularesAssistência  à criança nas disfunções respiratórias e cardiovasculares
Assistência à criança nas disfunções respiratórias e cardiovascularesTércio David
 
Resumo ivas, asma, pac, bva
Resumo ivas, asma, pac, bvaResumo ivas, asma, pac, bva
Resumo ivas, asma, pac, bvaLívia Zadra
 
1 apresentação influenza paracatu
1 apresentação influenza paracatu1 apresentação influenza paracatu
1 apresentação influenza paracatuCínthia Lima
 

Semelhante a Distúrbios respiratórios agudos no P.S. infantil: laringite x crise asmática (20)

fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress (1).pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress (1).pptxfisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress (1).pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress (1).pptx
 
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pdf
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pdffisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pdf
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pdf
 
Meningite - Liga de Pediatria UNICID
Meningite - Liga de Pediatria UNICIDMeningite - Liga de Pediatria UNICID
Meningite - Liga de Pediatria UNICID
 
Aula de tosse
Aula de tosseAula de tosse
Aula de tosse
 
Asma Brônquica
Asma BrônquicaAsma Brônquica
Asma Brônquica
 
Amigdalite ppt
Amigdalite pptAmigdalite ppt
Amigdalite ppt
 
aula-de-asma-7c2ba-alunos.ppt
aula-de-asma-7c2ba-alunos.pptaula-de-asma-7c2ba-alunos.ppt
aula-de-asma-7c2ba-alunos.ppt
 
Protocolos rotinas.pdfpediatria
Protocolos rotinas.pdfpediatriaProtocolos rotinas.pdfpediatria
Protocolos rotinas.pdfpediatria
 
Amigdalites e otites na pediatria
Amigdalites e otites na pediatriaAmigdalites e otites na pediatria
Amigdalites e otites na pediatria
 
Coqueluche
Coqueluche  Coqueluche
Coqueluche
 
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptxfisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptx
 
Caso_Clinico_Asma-.ppt
Caso_Clinico_Asma-.pptCaso_Clinico_Asma-.ppt
Caso_Clinico_Asma-.ppt
 
Pneumonias
PneumoniasPneumonias
Pneumonias
 
REVALIDA_-_INFECCAO_DE_VIAS_AEREAS_INFERIORES_E_COVID_-_MAPA_MENTAL.pdf
REVALIDA_-_INFECCAO_DE_VIAS_AEREAS_INFERIORES_E_COVID_-_MAPA_MENTAL.pdfREVALIDA_-_INFECCAO_DE_VIAS_AEREAS_INFERIORES_E_COVID_-_MAPA_MENTAL.pdf
REVALIDA_-_INFECCAO_DE_VIAS_AEREAS_INFERIORES_E_COVID_-_MAPA_MENTAL.pdf
 
2 fiebre reumatica 2015.
2 fiebre reumatica 2015.2 fiebre reumatica 2015.
2 fiebre reumatica 2015.
 
Documento.docx
Documento.docxDocumento.docx
Documento.docx
 
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na ComunidadePneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
 
Assistência à criança nas disfunções respiratórias e cardiovasculares
Assistência  à criança nas disfunções respiratórias e cardiovascularesAssistência  à criança nas disfunções respiratórias e cardiovasculares
Assistência à criança nas disfunções respiratórias e cardiovasculares
 
Resumo ivas, asma, pac, bva
Resumo ivas, asma, pac, bvaResumo ivas, asma, pac, bva
Resumo ivas, asma, pac, bva
 
1 apresentação influenza paracatu
1 apresentação influenza paracatu1 apresentação influenza paracatu
1 apresentação influenza paracatu
 

Mais de Laped Ufrn

Febre Amarela: Nota Informativa
Febre Amarela: Nota InformativaFebre Amarela: Nota Informativa
Febre Amarela: Nota InformativaLaped Ufrn
 
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN: - Relatório Atividades 2016
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN: - Relatório Atividades 2016Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN: - Relatório Atividades 2016
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN: - Relatório Atividades 2016Laped Ufrn
 
Dislipidemias na Infância
Dislipidemias na InfânciaDislipidemias na Infância
Dislipidemias na InfânciaLaped Ufrn
 
Relato de Caso - LAPED UFRN
Relato de Caso - LAPED UFRN Relato de Caso - LAPED UFRN
Relato de Caso - LAPED UFRN Laped Ufrn
 
Herpes zoster acquired in utero - Case Report
Herpes zoster acquired in utero - Case ReportHerpes zoster acquired in utero - Case Report
Herpes zoster acquired in utero - Case ReportLaped Ufrn
 
Retinopatia da Prematuridade
  Retinopatia da Prematuridade   Retinopatia da Prematuridade
Retinopatia da Prematuridade Laped Ufrn
 
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN - Planejamento 2016.1
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN - Planejamento 2016.1Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN - Planejamento 2016.1
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN - Planejamento 2016.1Laped Ufrn
 
Dor Recorrente em Membros
Dor Recorrente em Membros Dor Recorrente em Membros
Dor Recorrente em Membros Laped Ufrn
 
Carta Convite (Modelo) - I Jornada de Infectopediatria do RN
Carta Convite (Modelo) - I Jornada de Infectopediatria do RN Carta Convite (Modelo) - I Jornada de Infectopediatria do RN
Carta Convite (Modelo) - I Jornada de Infectopediatria do RN Laped Ufrn
 
Hematúria na infância
Hematúria na infânciaHematúria na infância
Hematúria na infânciaLaped Ufrn
 
Lesões Cutâneas do RN
Lesões Cutâneas do RNLesões Cutâneas do RN
Lesões Cutâneas do RNLaped Ufrn
 
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN - Relatório de Atividades - ...
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN - Relatório de Atividades - ...Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN - Relatório de Atividades - ...
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN - Relatório de Atividades - ...Laped Ufrn
 
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN na CIENTEC 2015: "Científica, Lúdica e...
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN  na  CIENTEC 2015:  "Científica, Lúdica e...Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN  na  CIENTEC 2015:  "Científica, Lúdica e...
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN na CIENTEC 2015: "Científica, Lúdica e...Laped Ufrn
 
Câncer na infância e adolescência: Tumores de SNC
Câncer na infância e adolescência: Tumores de SNCCâncer na infância e adolescência: Tumores de SNC
Câncer na infância e adolescência: Tumores de SNCLaped Ufrn
 
Dor abdominal na infância: abordagem e diagnóstico diferencial
Dor abdominal na infância: abordagem e diagnóstico diferencialDor abdominal na infância: abordagem e diagnóstico diferencial
Dor abdominal na infância: abordagem e diagnóstico diferencialLaped Ufrn
 
PREVALÊNCIA DE ALTERAÇÕES TIREOIDIANAS EM PACIENTES COM SÍNDROME DE DOWN NO H...
PREVALÊNCIA DE ALTERAÇÕES TIREOIDIANAS EM PACIENTES COM SÍNDROME DE DOWN NO H...PREVALÊNCIA DE ALTERAÇÕES TIREOIDIANAS EM PACIENTES COM SÍNDROME DE DOWN NO H...
PREVALÊNCIA DE ALTERAÇÕES TIREOIDIANAS EM PACIENTES COM SÍNDROME DE DOWN NO H...Laped Ufrn
 
Exame Físico em Pediatria
Exame Físico em PediatriaExame Físico em Pediatria
Exame Físico em PediatriaLaped Ufrn
 
Estágio Pronto Socorro Infantil - LAPED UFRN
Estágio Pronto Socorro Infantil - LAPED UFRN Estágio Pronto Socorro Infantil - LAPED UFRN
Estágio Pronto Socorro Infantil - LAPED UFRN Laped Ufrn
 
Estágio Pronto Socorro Infantil - LAPED UFRN
Estágio Pronto Socorro Infantil - LAPED UFRN Estágio Pronto Socorro Infantil - LAPED UFRN
Estágio Pronto Socorro Infantil - LAPED UFRN Laped Ufrn
 
Estágio UTI Neonatal - LAPED UFRN
 Estágio UTI Neonatal - LAPED UFRN  Estágio UTI Neonatal - LAPED UFRN
Estágio UTI Neonatal - LAPED UFRN Laped Ufrn
 

Mais de Laped Ufrn (20)

Febre Amarela: Nota Informativa
Febre Amarela: Nota InformativaFebre Amarela: Nota Informativa
Febre Amarela: Nota Informativa
 
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN: - Relatório Atividades 2016
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN: - Relatório Atividades 2016Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN: - Relatório Atividades 2016
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN: - Relatório Atividades 2016
 
Dislipidemias na Infância
Dislipidemias na InfânciaDislipidemias na Infância
Dislipidemias na Infância
 
Relato de Caso - LAPED UFRN
Relato de Caso - LAPED UFRN Relato de Caso - LAPED UFRN
Relato de Caso - LAPED UFRN
 
Herpes zoster acquired in utero - Case Report
Herpes zoster acquired in utero - Case ReportHerpes zoster acquired in utero - Case Report
Herpes zoster acquired in utero - Case Report
 
Retinopatia da Prematuridade
  Retinopatia da Prematuridade   Retinopatia da Prematuridade
Retinopatia da Prematuridade
 
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN - Planejamento 2016.1
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN - Planejamento 2016.1Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN - Planejamento 2016.1
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN - Planejamento 2016.1
 
Dor Recorrente em Membros
Dor Recorrente em Membros Dor Recorrente em Membros
Dor Recorrente em Membros
 
Carta Convite (Modelo) - I Jornada de Infectopediatria do RN
Carta Convite (Modelo) - I Jornada de Infectopediatria do RN Carta Convite (Modelo) - I Jornada de Infectopediatria do RN
Carta Convite (Modelo) - I Jornada de Infectopediatria do RN
 
Hematúria na infância
Hematúria na infânciaHematúria na infância
Hematúria na infância
 
Lesões Cutâneas do RN
Lesões Cutâneas do RNLesões Cutâneas do RN
Lesões Cutâneas do RN
 
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN - Relatório de Atividades - ...
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN - Relatório de Atividades - ...Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN - Relatório de Atividades - ...
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN - Relatório de Atividades - ...
 
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN na CIENTEC 2015: "Científica, Lúdica e...
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN  na  CIENTEC 2015:  "Científica, Lúdica e...Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN  na  CIENTEC 2015:  "Científica, Lúdica e...
Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN na CIENTEC 2015: "Científica, Lúdica e...
 
Câncer na infância e adolescência: Tumores de SNC
Câncer na infância e adolescência: Tumores de SNCCâncer na infância e adolescência: Tumores de SNC
Câncer na infância e adolescência: Tumores de SNC
 
Dor abdominal na infância: abordagem e diagnóstico diferencial
Dor abdominal na infância: abordagem e diagnóstico diferencialDor abdominal na infância: abordagem e diagnóstico diferencial
Dor abdominal na infância: abordagem e diagnóstico diferencial
 
PREVALÊNCIA DE ALTERAÇÕES TIREOIDIANAS EM PACIENTES COM SÍNDROME DE DOWN NO H...
PREVALÊNCIA DE ALTERAÇÕES TIREOIDIANAS EM PACIENTES COM SÍNDROME DE DOWN NO H...PREVALÊNCIA DE ALTERAÇÕES TIREOIDIANAS EM PACIENTES COM SÍNDROME DE DOWN NO H...
PREVALÊNCIA DE ALTERAÇÕES TIREOIDIANAS EM PACIENTES COM SÍNDROME DE DOWN NO H...
 
Exame Físico em Pediatria
Exame Físico em PediatriaExame Físico em Pediatria
Exame Físico em Pediatria
 
Estágio Pronto Socorro Infantil - LAPED UFRN
Estágio Pronto Socorro Infantil - LAPED UFRN Estágio Pronto Socorro Infantil - LAPED UFRN
Estágio Pronto Socorro Infantil - LAPED UFRN
 
Estágio Pronto Socorro Infantil - LAPED UFRN
Estágio Pronto Socorro Infantil - LAPED UFRN Estágio Pronto Socorro Infantil - LAPED UFRN
Estágio Pronto Socorro Infantil - LAPED UFRN
 
Estágio UTI Neonatal - LAPED UFRN
 Estágio UTI Neonatal - LAPED UFRN  Estágio UTI Neonatal - LAPED UFRN
Estágio UTI Neonatal - LAPED UFRN
 

Último

QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 

Último (20)

QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 

Distúrbios respiratórios agudos no P.S. infantil: laringite x crise asmática

  • 1. Distúrbios Respiratórios Agudos no PS infantil: Laringite x Crise Asmática Ligantes: Lívia Freire e Luciana Araújo Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN LAPED UFRN Coordenação Drª Frankleide
  • 3. Conceito • “Doença inflamatória crônica das vias aéreas inferiores, caracterizada por episódios intermitentes de sintomas respiratórios isolados ou associados, limitação (obstrução) reversível ao fluxo de ar e hiper- responsividades”
  • 4. Considerações Gerais • Doença crônica mais comum da infância – 6,7 milhões nos EUA • Terceira maior causa (2,6%) de internações entre crianças e adolescentes no Brasil • Até 80% das crianças com asma desenvolvem sintomas antes do quinto aniversário • Atopia é o mais forte fator predisponente indetificável
  • 5. Considerações Gerais • Principais alergênios: aeroalérgenos perenes (ácaros, pêlos de animais, baratas e Alternaria)
  • 6. Fisiopatologia Gene + Ambiente Resposta Inflamatória: eosinófilos, li nfócitos e mastócitos Hipersecreção brônquica + obstrução ao fluxo aéreo
  • 7. Fisiopatologia ESTÍMULO ATIVAÇÃO CELULAR MEDIADORES DE INFLAMAÇÃO ALTERAÇÃO E OBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉRIAS
  • 9. “As diferenças na anatomia e na fisiologia dos pulmões de bebês e crianças os colocam em maior risco de insuficiência respiratória” Current – Diagnóstico e Tratamento PEDIATRIA
  • 10. Diagnóstico • Cliníco: Dispnéia, sibilância, dor torácica, tosse. • Funcional: – Espirometria: VEF1 < 86% – Após uso de broncodilatador: aumento de 7% do VEF1 – Pico de Fluxo Expiratório (PFE): aumento de 15% após inalação de um broncodilatador ou um curso oral de corticóide
  • 11. Diagnóstico • Maiores de cinco anos – Medidas de função pulmonar (espirometria, peak flow) – Broncoprovocação – Teste alérgenos (cutâneos ou IgE) • Menores de cinco anos – stico nico – Quanto mais jovem a criança, maior a chance de não ser asma – Periodicamente medida que a criança cresce
  • 12. Risco de Asma em Lactentes • Crianças com 3 ou mais episódios de sibilância que duraram mais de um dia no último ano • 1 critério maior – História familiar de asma – Dermatite atópica • 2 critérios menores – Diagnóstico médico de rinite alérgica – Eosinofilia >4% – Sibilância não relacionada à IVAS
  • 13. Crise Asmática Definição: “Episódio agudo ou subagudo de piora progressiva da dispnéia, tosse, sibilos, taquipnéia e opressão torácica”
  • 14.
  • 15. Manejo na Crise Aguda • Avaliação clínica • Medida objetivas: PFE e oximetria de pulso • Exames complementares: não são necessários na maior parte dos casos atendidos no serviço de urgência • Sequência de intervenções terapêuticas e reavaliações seriadas
  • 16. Tratamento na Crise Aguda • Objetivos: – Reversão da obstrução do fluxo aéreo e da hipoxemia (se houver), o mais rapidamente possível – Identificar e tratar fatores desencadeantes – Prevenir novas exacerbações
  • 18. Oxigênio – Manter SatO2 > 95% – Cânula nasal (2 L/min), máscara facial, campânula ou tenda
  • 19. Beta -2 Agonista Inalatório – Indicada em todos os pacientes – Inalatório por nebulização ou sob forma de aerossol dosimetrado – A cada 10 – 30 minutos na primeira hora
  • 20. Brometo de Ipatrópio • No pronto socorro é recomendado: menor taxa de o, em especial nos pacientes com crise grave • Na o: o recomendado
  • 21. Corticóide • No pronto socorro: – administrar CE sistêmico nos pacientes com crises moderadas e graves e em pacientes que o responderam terapia inicial com beta-2 (evidência A) • prescrever por 5 a 10 dias s a alta do para prevenir recorrência
  • 22. Sulfato de Magnésio • Sulfato de sio EV: considerar MgSO4 nos pacientes com crises com risco de morte e naqueles com crises graves sem melhora s uma hora de tratamento
  • 23. Beta -2 Agonista parenteral • Considerar adição de bolus de salbutamol (ou terbutalina) em crianças em casos graves em crianças quando paciente não respondeu ao tratamento inicial (maiores de 2 anos) • Consenso brasileiro considera uso subcutâneo em paciente incapaz de realizar nebulização
  • 24. Doses
  • 25.
  • 26.
  • 27. Indicações de Intubação • Fadiga progressiva ou exaustão • Alteração no nível de consciência • Alteração na frequencia respiratória • PCR ou PCR iminente • Hipoxemia grave • Hipercarbia progressiva
  • 28. Resumindo... • Asma é doença crônica de alta prevalência • O diagnóstico é difícil em crianças menores de 5 anos • Crise asmática deve ser classificada e tratada de acordo com gravidade • Beta 2 agonista é a medicação mais importante para tratamento da crise • Associar corticóide em crises moderadas, graves ou muito graves, mantendo por pelo menos 3-5 dias
  • 30. Conceito • Doenças inflamatórias agudas da Laringe, também conhecida como Crupe; • Principais tipos: – Crupe viral (Laringotraqueobronquite) – Epiglotite (Supraglotite) – Traqueíte bacteriana (Crupe pseudomembranoso)
  • 31. Epidemiologia • Crupe é uma causa frequente de obstrução aguda das vias áreas, representando 15-20% das afecções respiratórias. • Laringotraqueobronquite é a causa mais comum de obstrução de vias aéreas superiores em crianças, 90% casos de estridor.
  • 32. Fisiopatologia Vírus/Bactéria Inflamação/Edema no espaço subglótico Restrição à entrada de ar Estridor
  • 33. Crupe Viral • Agentes – Vírus Parainfluenza – Vírus respiratório Sincicial – Vírus Influenza – Vírus da rubéola – Adenovírus – Micoplasma pneumoniae
  • 34. Quadro clínico • Tosse ladrante ou “tosse de cachorro” • Estridor • Febre ausente ou baixa • Agitação • Retrações • Dispneia • Cianose
  • 35. Gravidade • Leve: tosse ocasional, pouco ou nenhum estridor, pouca ou nenhuma retração; • Moderada: tosse frequente, estridor e retrações em repouso, boa entrada de ar, pouca agitação; • Grave: tosse frequente, estridor proemintente, retrações nítidas. Agitação. • Insuficiência Respiratória iminente: tosse e estridor audível em repouso, podem estar diminuídos se houver letargia, retrações, palidez e cianose...
  • 36. Diagnóstico • Clínico • RX: estreitamento subglótico sem irregularidades (Sinal da torre da igreja ou sinal do campanário)
  • 37. Tratamento • Leve: – suporte e hidratação. – Dexametasona se houver estridor. • Moderada a Grave: – O2 umidificado, – Epinefrina racêmica nebulizada (solução à 2,25%; ou 0,05 ml/Kg até mínimo de 1,5ml), observação 2 horas, – Dexametasona 0,6 mg/Kg IM DU, • Insuficiência: – O2 em máscara, ambuzar se SatO2<90%. – Dexametasona. – Entubação endotraqueal, preparar VA cirúrgica, se necessário.
  • 38. Epiglotite • Com a introdução da vacina conjugada para Haemophilus influenzae, este tipo de Laringite tornou-se rara. • Agentes: – Cepas de Haemophilus influenzae não tipada pela vacina – Criança não vacinada – Neisseria meningitides – Espécies Streptococus em imunizados
  • 39. Epiglotite • Microrganismo invade diretamente o tecido supraglótico, causando celulite na região • Edema na epiglote que se curva na região posterior e anterior, causando obstrução • Comprometimento das estruturas supraglóticas.
  • 40. Quadro clínico • Início agudo com febre alta • Disfagia • Posição em tripé (prostração+hiperextensão cervical+protusão da língua) • Salivação excessiva • Voz abafada • Retrações inspiratórias • Estridor leve • Cianose
  • 41. Diagnóstico • Clínico • RX: “sinal do polegar” • Laringoscopia: epiglote vermelho-cereja, edema
  • 42. RX: “sinal do polegar”
  • 43. Tratamento • Intubação endotraqueal imediata! (tubo 1,0 a 1,5 cm) • Hemocultura e cultura da epiglote • Ceftriaxona IV (após melhora dá IV por mais 2-3 horas e continua com VO por 10 dias) • 2 a 3 dias de intubação • Colher cultura do sangue e da superfície epiglótica, LCR(alguns casos) • OBS: Epinefrina e corticóides ineficazes
  • 44. Traqueíte Bacteriana • Forma mais grave • Agentes – S. aureus – Streptococos pyogenes grupo A – Haemophilus influenzae – Moraxella catarralis
  • 45. Quadro clínico e Exames • Igual ao da crupe viral, só que mais graves. • Obstrução da VA superior • Presença de exudato purulento na região • Formação de pseudomembranas (podem obstruir VA e causar parada respiratória!) • Contagem de leucócitos elevada • Broncoscopia mostra exudato purulento e pseudomembranas (fecha Diagnóstico)
  • 46. Tratamento • Debridamento da via respiratória • Umidificação, aspiração e monitorização intensiva • Intubação se necessário • Antibiótico IV
  • 47. Resumindo... • Quadro clínico comum: – Estridor agudo; – Tosse espasmódica (“de cachorro”) – Retrações intercostais • Tratamento: – O2 – Dexametasona IV ou IM – Epinefrina (nebulização)
  • 49. Referências • Diretrizes da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia para o Manejo da Asma – 2012. J Bras Pneumol. v.38, Suplemento 1, p.S1-S46 Abril 2012. • CURRENT Diagnóstico e Tratamento – Jr. H.W. William, L.J, Myron, S.M. Judith, D.R, Robin. 20ª edição Lange.