O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.
Distúrbios Respiratórios Agudos no PS infantil:
Laringite x Crise Asmática
Ligantes: Lívia Freire e Luciana Araújo
Liga Ac...
Asma
Conceito
• “Doença inflamatória crônica das vias aéreas
inferiores, caracterizada por episódios
intermitentes de sintomas ...
Considerações Gerais
• Doença crônica mais comum da infância – 6,7
milhões nos EUA
• Terceira maior causa (2,6%) de intern...
Considerações Gerais
• Principais alergênios: aeroalérgenos perenes
(ácaros, pêlos de animais, baratas e
Alternaria)
Fisiopatologia
Gene +
Ambiente
Resposta
Inflamatória:
eosinófilos, li
nfócitos e
mastócitos
Hipersecreção
brônquica +
obst...
Fisiopatologia
ESTÍMULO
ATIVAÇÃO CELULAR
MEDIADORES DE INFLAMAÇÃO
ALTERAÇÃO E OBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉRIAS
Fisiopatologia
“As diferenças na anatomia e na fisiologia dos
pulmões de bebês e crianças os colocam em
maior risco de insuficiência resp...
Diagnóstico
• Cliníco: Dispnéia, sibilância, dor
torácica, tosse.
• Funcional:
– Espirometria: VEF1 < 86%
– Após uso de br...
Diagnóstico
• Maiores de cinco anos
– Medidas de função pulmonar (espirometria, peak flow)
– Broncoprovocação
– Teste alér...
Risco de Asma em Lactentes
• Crianças com 3 ou mais episódios de sibilância que duraram
mais de um dia no último ano
• 1 c...
Crise Asmática
Definição:
“Episódio agudo ou subagudo de piora
progressiva da
dispnéia, tosse, sibilos, taquipnéia e opres...
Manejo na Crise Aguda
• Avaliação clínica
• Medida objetivas: PFE e oximetria de pulso
• Exames complementares: não são ne...
Tratamento na Crise Aguda
• Objetivos:
– Reversão da obstrução do fluxo aéreo e da
hipoxemia (se houver), o mais rapidamen...
Tratamento na Crise Aguda
Oxigênio
– Manter SatO2 > 95%
– Cânula nasal (2 L/min), máscara facial, campânula
ou tenda
Beta -2 Agonista Inalatório
– Indicada em todos os pacientes
– Inalatório por nebulização ou sob forma de
aerossol dosimet...
Brometo de Ipatrópio
• No pronto socorro é recomendado: menor
taxa de o, em especial nos pacientes
com crise grave
• Na o:...
Corticóide
• No pronto socorro:
– administrar CE sistêmico nos pacientes com crises
moderadas e graves e em pacientes que ...
Sulfato de Magnésio
• Sulfato de sio EV: considerar MgSO4
nos pacientes com crises com risco de morte e
naqueles com crise...
Beta -2 Agonista parenteral
• Considerar adição de bolus de salbutamol (ou
terbutalina) em crianças em casos graves em
cri...
Doses
Indicações de Intubação
• Fadiga progressiva ou exaustão
• Alteração no nível de consciência
• Alteração na frequencia res...
Resumindo...
• Asma é doença crônica de alta prevalência
• O diagnóstico é difícil em crianças menores de 5 anos
• Crise a...
Laringite
Conceito
• Doenças inflamatórias agudas da
Laringe, também conhecida como Crupe;
• Principais tipos:
– Crupe viral (Laring...
Epidemiologia
• Crupe é uma causa frequente de obstrução
aguda das vias áreas, representando 15-20%
das afecções respirató...
Fisiopatologia
Vírus/Bactéria
Inflamação/Edema no espaço subglótico
Restrição à entrada de ar
Estridor
Crupe Viral
• Agentes
– Vírus Parainfluenza
– Vírus respiratório Sincicial
– Vírus Influenza
– Vírus da rubéola
– Adenovír...
Quadro clínico
• Tosse ladrante ou “tosse de cachorro”
• Estridor
• Febre ausente ou baixa
• Agitação
• Retrações
• Dispne...
Gravidade
• Leve: tosse ocasional, pouco ou nenhum
estridor, pouca ou nenhuma retração;
• Moderada: tosse frequente, estri...
Diagnóstico
• Clínico
• RX: estreitamento
subglótico sem
irregularidades
(Sinal da torre da igreja ou sinal do
campanário)
Tratamento
• Leve:
– suporte e hidratação.
– Dexametasona se houver estridor.
• Moderada a Grave:
– O2 umidificado,
– Epin...
Epiglotite
• Com a introdução da vacina conjugada para
Haemophilus influenzae, este tipo de Laringite
tornou-se rara.
• Ag...
Epiglotite
• Microrganismo invade diretamente o tecido
supraglótico, causando celulite na região
• Edema na epiglote que s...
Quadro clínico
• Início agudo com febre alta
• Disfagia
• Posição em tripé (prostração+hiperextensão cervical+protusão da ...
Diagnóstico
• Clínico
• RX: “sinal do polegar”
• Laringoscopia: epiglote
vermelho-cereja, edema
RX: “sinal do polegar”
Tratamento
• Intubação endotraqueal imediata! (tubo 1,0 a 1,5 cm)
• Hemocultura e cultura da epiglote
• Ceftriaxona IV (ap...
Traqueíte Bacteriana
• Forma mais grave
• Agentes
– S. aureus
– Streptococos pyogenes grupo A
– Haemophilus influenzae
– M...
Quadro clínico e Exames
• Igual ao da crupe viral, só que mais graves.
• Obstrução da VA superior
• Presença de exudato pu...
Tratamento
• Debridamento da via respiratória
• Umidificação, aspiração e monitorização
intensiva
• Intubação se necessári...
Resumindo...
• Quadro clínico comum:
– Estridor agudo;
– Tosse espasmódica (“de cachorro”)
– Retrações intercostais
• Trat...
Obrigada!
Referências
• Diretrizes da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia para o
Manejo da Asma – 2012. J Bras Pneumol....
Distúrbios respiratórios agudos no P.S. infantil: laringite x crise asmática
Distúrbios respiratórios agudos no P.S. infantil: laringite x crise asmática
Distúrbios respiratórios agudos no P.S. infantil: laringite x crise asmática
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Distúrbios respiratórios agudos no P.S. infantil: laringite x crise asmática

9.980 visualizações

Publicada em

Distúrbios respiratórios agudos no P.S infantil: laringite x crise asmática - Aula apresentada durante a Reunião Científica da Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN - Natal, Brasil.

Publicada em: Educação
  • Posso recomendar um site. Ele realmente me ajudou. Chama-se ⇒ www.boaaluna.club ⇐ Eles me ajudaram a escrever minha dissertação.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • DOWNLOAD THIS BOOKS INTO AVAILABLE FORMAT (2019 Update) ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... Download Full PDF EBOOK here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download Full EPUB Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download Full doc Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download PDF EBOOK here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download EPUB Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download doc Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... ................................................................................................................................... eBook is an electronic version of a traditional print book THIS can be read by using a personal computer or by using an eBook reader. (An eBook reader can be a software application for use on a computer such as Microsoft's free Reader application, or a book-sized computer THIS is used solely as a reading device such as Nuvomedia's Rocket eBook.) Users can purchase an eBook on diskette or CD, but the most popular method of getting an eBook is to purchase a downloadable file of the eBook (or other reading material) from a Web site (such as Barnes and Noble) to be read from the user's computer or reading device. Generally, an eBook can be downloaded in five minutes or less ......................................................................................................................... .............. Browse by Genre Available eBooks .............................................................................................................................. Art, Biography, Business, Chick Lit, Children's, Christian, Classics, Comics, Contemporary, Cookbooks, Manga, Memoir, Music, Mystery, Non Fiction, Paranormal, Philosophy, Poetry, Psychology, Religion, Romance, Science, Science Fiction, Self Help, Suspense, Spirituality, Sports, Thriller, Travel, Young Adult, Crime, Ebooks, Fantasy, Fiction, Graphic Novels, Historical Fiction, History, Horror, Humor And Comedy, ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... .....BEST SELLER FOR EBOOK RECOMMEND............................................................. ......................................................................................................................... Blowout: Corrupted Democracy, Rogue State Russia, and the Richest, Most Destructive Industry on Earth,-- The Ride of a Lifetime: Lessons Learned from 15 Years as CEO of the Walt Disney Company,-- Call Sign Chaos: Learning to Lead,-- StrengthsFinder 2.0,-- Stillness Is the Key,-- She Said: Breaking the Sexual Harassment Story THIS Helped Ignite a Movement,-- Atomic Habits: An Easy &amp; Proven Way to Build Good Habits &amp; Break Bad Ones,-- Everything Is Figureoutable,-- What It Takes: Lessons in the Pursuit of Excellence,-- Rich Dad Poor Dad: What the Rich Teach Their Kids About Money THIS the Poor and Middle Class Do Not!,-- The Total Money Makeover: Classic Edition: A Proven Plan for Financial Fitness,-- Shut Up and Listen!: Hard Business Truths THIS Will Help You Succeed, ......................................................................................................................... .........................................................................................................................
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui

Distúrbios respiratórios agudos no P.S. infantil: laringite x crise asmática

  1. 1. Distúrbios Respiratórios Agudos no PS infantil: Laringite x Crise Asmática Ligantes: Lívia Freire e Luciana Araújo Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN LAPED UFRN Coordenação Drª Frankleide
  2. 2. Asma
  3. 3. Conceito • “Doença inflamatória crônica das vias aéreas inferiores, caracterizada por episódios intermitentes de sintomas respiratórios isolados ou associados, limitação (obstrução) reversível ao fluxo de ar e hiper- responsividades”
  4. 4. Considerações Gerais • Doença crônica mais comum da infância – 6,7 milhões nos EUA • Terceira maior causa (2,6%) de internações entre crianças e adolescentes no Brasil • Até 80% das crianças com asma desenvolvem sintomas antes do quinto aniversário • Atopia é o mais forte fator predisponente indetificável
  5. 5. Considerações Gerais • Principais alergênios: aeroalérgenos perenes (ácaros, pêlos de animais, baratas e Alternaria)
  6. 6. Fisiopatologia Gene + Ambiente Resposta Inflamatória: eosinófilos, li nfócitos e mastócitos Hipersecreção brônquica + obstrução ao fluxo aéreo
  7. 7. Fisiopatologia ESTÍMULO ATIVAÇÃO CELULAR MEDIADORES DE INFLAMAÇÃO ALTERAÇÃO E OBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉRIAS
  8. 8. Fisiopatologia
  9. 9. “As diferenças na anatomia e na fisiologia dos pulmões de bebês e crianças os colocam em maior risco de insuficiência respiratória” Current – Diagnóstico e Tratamento PEDIATRIA
  10. 10. Diagnóstico • Cliníco: Dispnéia, sibilância, dor torácica, tosse. • Funcional: – Espirometria: VEF1 < 86% – Após uso de broncodilatador: aumento de 7% do VEF1 – Pico de Fluxo Expiratório (PFE): aumento de 15% após inalação de um broncodilatador ou um curso oral de corticóide
  11. 11. Diagnóstico • Maiores de cinco anos – Medidas de função pulmonar (espirometria, peak flow) – Broncoprovocação – Teste alérgenos (cutâneos ou IgE) • Menores de cinco anos – stico nico – Quanto mais jovem a criança, maior a chance de não ser asma – Periodicamente medida que a criança cresce
  12. 12. Risco de Asma em Lactentes • Crianças com 3 ou mais episódios de sibilância que duraram mais de um dia no último ano • 1 critério maior – História familiar de asma – Dermatite atópica • 2 critérios menores – Diagnóstico médico de rinite alérgica – Eosinofilia >4% – Sibilância não relacionada à IVAS
  13. 13. Crise Asmática Definição: “Episódio agudo ou subagudo de piora progressiva da dispnéia, tosse, sibilos, taquipnéia e opressão torácica”
  14. 14. Manejo na Crise Aguda • Avaliação clínica • Medida objetivas: PFE e oximetria de pulso • Exames complementares: não são necessários na maior parte dos casos atendidos no serviço de urgência • Sequência de intervenções terapêuticas e reavaliações seriadas
  15. 15. Tratamento na Crise Aguda • Objetivos: – Reversão da obstrução do fluxo aéreo e da hipoxemia (se houver), o mais rapidamente possível – Identificar e tratar fatores desencadeantes – Prevenir novas exacerbações
  16. 16. Tratamento na Crise Aguda
  17. 17. Oxigênio – Manter SatO2 > 95% – Cânula nasal (2 L/min), máscara facial, campânula ou tenda
  18. 18. Beta -2 Agonista Inalatório – Indicada em todos os pacientes – Inalatório por nebulização ou sob forma de aerossol dosimetrado – A cada 10 – 30 minutos na primeira hora
  19. 19. Brometo de Ipatrópio • No pronto socorro é recomendado: menor taxa de o, em especial nos pacientes com crise grave • Na o: o recomendado
  20. 20. Corticóide • No pronto socorro: – administrar CE sistêmico nos pacientes com crises moderadas e graves e em pacientes que o responderam terapia inicial com beta-2 (evidência A) • prescrever por 5 a 10 dias s a alta do para prevenir recorrência
  21. 21. Sulfato de Magnésio • Sulfato de sio EV: considerar MgSO4 nos pacientes com crises com risco de morte e naqueles com crises graves sem melhora s uma hora de tratamento
  22. 22. Beta -2 Agonista parenteral • Considerar adição de bolus de salbutamol (ou terbutalina) em crianças em casos graves em crianças quando paciente não respondeu ao tratamento inicial (maiores de 2 anos) • Consenso brasileiro considera uso subcutâneo em paciente incapaz de realizar nebulização
  23. 23. Doses
  24. 24. Indicações de Intubação • Fadiga progressiva ou exaustão • Alteração no nível de consciência • Alteração na frequencia respiratória • PCR ou PCR iminente • Hipoxemia grave • Hipercarbia progressiva
  25. 25. Resumindo... • Asma é doença crônica de alta prevalência • O diagnóstico é difícil em crianças menores de 5 anos • Crise asmática deve ser classificada e tratada de acordo com gravidade • Beta 2 agonista é a medicação mais importante para tratamento da crise • Associar corticóide em crises moderadas, graves ou muito graves, mantendo por pelo menos 3-5 dias
  26. 26. Laringite
  27. 27. Conceito • Doenças inflamatórias agudas da Laringe, também conhecida como Crupe; • Principais tipos: – Crupe viral (Laringotraqueobronquite) – Epiglotite (Supraglotite) – Traqueíte bacteriana (Crupe pseudomembranoso)
  28. 28. Epidemiologia • Crupe é uma causa frequente de obstrução aguda das vias áreas, representando 15-20% das afecções respiratórias. • Laringotraqueobronquite é a causa mais comum de obstrução de vias aéreas superiores em crianças, 90% casos de estridor.
  29. 29. Fisiopatologia Vírus/Bactéria Inflamação/Edema no espaço subglótico Restrição à entrada de ar Estridor
  30. 30. Crupe Viral • Agentes – Vírus Parainfluenza – Vírus respiratório Sincicial – Vírus Influenza – Vírus da rubéola – Adenovírus – Micoplasma pneumoniae
  31. 31. Quadro clínico • Tosse ladrante ou “tosse de cachorro” • Estridor • Febre ausente ou baixa • Agitação • Retrações • Dispneia • Cianose
  32. 32. Gravidade • Leve: tosse ocasional, pouco ou nenhum estridor, pouca ou nenhuma retração; • Moderada: tosse frequente, estridor e retrações em repouso, boa entrada de ar, pouca agitação; • Grave: tosse frequente, estridor proemintente, retrações nítidas. Agitação. • Insuficiência Respiratória iminente: tosse e estridor audível em repouso, podem estar diminuídos se houver letargia, retrações, palidez e cianose...
  33. 33. Diagnóstico • Clínico • RX: estreitamento subglótico sem irregularidades (Sinal da torre da igreja ou sinal do campanário)
  34. 34. Tratamento • Leve: – suporte e hidratação. – Dexametasona se houver estridor. • Moderada a Grave: – O2 umidificado, – Epinefrina racêmica nebulizada (solução à 2,25%; ou 0,05 ml/Kg até mínimo de 1,5ml), observação 2 horas, – Dexametasona 0,6 mg/Kg IM DU, • Insuficiência: – O2 em máscara, ambuzar se SatO2<90%. – Dexametasona. – Entubação endotraqueal, preparar VA cirúrgica, se necessário.
  35. 35. Epiglotite • Com a introdução da vacina conjugada para Haemophilus influenzae, este tipo de Laringite tornou-se rara. • Agentes: – Cepas de Haemophilus influenzae não tipada pela vacina – Criança não vacinada – Neisseria meningitides – Espécies Streptococus em imunizados
  36. 36. Epiglotite • Microrganismo invade diretamente o tecido supraglótico, causando celulite na região • Edema na epiglote que se curva na região posterior e anterior, causando obstrução • Comprometimento das estruturas supraglóticas.
  37. 37. Quadro clínico • Início agudo com febre alta • Disfagia • Posição em tripé (prostração+hiperextensão cervical+protusão da língua) • Salivação excessiva • Voz abafada • Retrações inspiratórias • Estridor leve • Cianose
  38. 38. Diagnóstico • Clínico • RX: “sinal do polegar” • Laringoscopia: epiglote vermelho-cereja, edema
  39. 39. RX: “sinal do polegar”
  40. 40. Tratamento • Intubação endotraqueal imediata! (tubo 1,0 a 1,5 cm) • Hemocultura e cultura da epiglote • Ceftriaxona IV (após melhora dá IV por mais 2-3 horas e continua com VO por 10 dias) • 2 a 3 dias de intubação • Colher cultura do sangue e da superfície epiglótica, LCR(alguns casos) • OBS: Epinefrina e corticóides ineficazes
  41. 41. Traqueíte Bacteriana • Forma mais grave • Agentes – S. aureus – Streptococos pyogenes grupo A – Haemophilus influenzae – Moraxella catarralis
  42. 42. Quadro clínico e Exames • Igual ao da crupe viral, só que mais graves. • Obstrução da VA superior • Presença de exudato purulento na região • Formação de pseudomembranas (podem obstruir VA e causar parada respiratória!) • Contagem de leucócitos elevada • Broncoscopia mostra exudato purulento e pseudomembranas (fecha Diagnóstico)
  43. 43. Tratamento • Debridamento da via respiratória • Umidificação, aspiração e monitorização intensiva • Intubação se necessário • Antibiótico IV
  44. 44. Resumindo... • Quadro clínico comum: – Estridor agudo; – Tosse espasmódica (“de cachorro”) – Retrações intercostais • Tratamento: – O2 – Dexametasona IV ou IM – Epinefrina (nebulização)
  45. 45. Obrigada!
  46. 46. Referências • Diretrizes da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia para o Manejo da Asma – 2012. J Bras Pneumol. v.38, Suplemento 1, p.S1-S46 Abril 2012. • CURRENT Diagnóstico e Tratamento – Jr. H.W. William, L.J, Myron, S.M. Judith, D.R, Robin. 20ª edição Lange.

×