Neuropatia diabética

440 visualizações

Publicada em

neuropatia diabetica

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
440
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Neuropatia diabética

  1. 1. LARYSSA VILELA
  2. 2. Introdução  Neuropatia diabética é um termo empregado para descrever a lesão dos nervos em virtude da glicemia elevada.  De fato, quase todas as complicações diabéticas tem origem na neuropatia diabética. Se você é diabético, existe uma grande probabilidade de um dia sentir os efeitos da neuropatia diabética. De acordo com as estimativas, aproximadamente metade dos diabéticos apresentam alguma forma de neuropatia.  Quanto mais tempo se vive com a doença, maior a probabilidade de desenvolver algum grau de neuropatia e os primeiros sinais de lesão nos nervos ocorrem cerca de 10 a 20 anos após o diagnóstico da diabetes.
  3. 3.  A neuropatia diabética pode provocar problemas em todo o corpo.  São particularmente vulneráveis os dedos e outras partes do pé. A neuropatia diabética também pode causar problemas digestivos, cardiovasculares, urinários, sexuais, de visão e vários outros. Esses problemas podem ser muito graves e até fatais.  Por isso é importante saber reconhecer os sinais e sintomas, e fazer exames regularmente ou ao primeiro indício de lesão nervosa.
  4. 4.  A alta taxa de glicemia lesa as bainhas de mielina, resultando em atraso ou cessação na comunicação entre os neurônios. O dano causado às bainhas de mielina é considerado a causa principal da neuropatia diabética, porém não a única.
  5. 5. As lesões nervosas podem afetar:  Os nervos do crânio (nervos cranianos)  Os nervos da coluna espinhal e suas ramificações  Os nervos que ajudam o corpo a controlar os órgãos vitais, como coração, bexiga, estômago e intestinos (denominado neuropatia autonômica)
  6. 6. Sintomas  Os sintomas mais frequentes são as dores em queimor e formigamento em ambos os pés e ocasionalmente também nas mãos.  Sintomas neurovegetativos também podem estar presentes, como hipotensão postural (queda repentina da pressão arterial ao levantar), tonturas, impotência sexual, disfunção de transpiração e até mal funcionamento da mobilidade do estomago (gastroparesia) ocasionando sensação prolongada de repleção abdominal.
  7. 7. Exames  Um exame físico pode mostrar:  Falta de reflexo no tornozelo  Perda de sensibilidade nos pés (o médico investigará isso com um instrumento parecido com uma escova, denominado monofilamento)  Alterações na pele  Queda na pressão sanguínea ao se levantar após ficar sentado ou deitado  Os exames que podem ser realizados incluem:  Eletromiograma (EMG) registro da atividade elétrica nos músculos  Testes da velocidade de condução nervosa (VCN) - registro da velocidade na qual os sinais transitam pelos nervos
  8. 8. Tratamento  O controle rigoroso dos níveis de glicemia (nível de glicose no sangue), com medidas variadas desde dieta até uso de medicação, diminui a progressão da doença, mas em geral não faz regredir os sintomas da neuropatia diabética que trazem sofrimento e piora da qualidade de vida.  Por isso, é necessário o diagnóstico precoce da neuropatia durante consultas de acompanhamento rotineiro ou com especialista no tratamento da dor neuropática. Há várias modalidades possíveis para aliviar a dor em cada caso.
  9. 9. Atribuiçoes da enfermagem
  10. 10. Bibliografia  http://www.hospitalsiriolibanes.org.br/ho spital/especialidades/nucleo-avancado- dor-disturbios- movimentos/Paginas/neuropatia- diabetica.aspx  http://saude.hsw.uol.com.br/diabeticos- neuropaita.htm

×