SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 48
Equipe: Dalvaci Rodrigues
Laysla Oliveira
Fábio Leitão
Matheus Sousa
Evanice Santana
ENFERMAGEM E-23
CONCEITO: É um grupo de doenças metabólicas
caracterizadas por hiperglicemia e associadas a
complicações, disfunções e insuficiência de vários órgãos.
DIABETES TIPO 1 –
Existe uma deficiência absoluta de insulina,
devido a destruição da célula beta. Depende da
administração da insulina para prevenir
cetacidose, coma e morte.
DIABETES TIPO 2 –
Existe uma deficiência relativa de insulina.A
administração de insulina, quando
efetuada, visa controlar o quadro
hiperglicêmico.
DIABETES GESTACIONAL –
Hiperglicemia diagnosticada na gravidez,
geralmente se resolvendo pós-parto.
CLÁSSICOS : -Poliúria
-Polidipsia
-Polifagia
-Perda involuntária de peso
. CLÍNICOS : -Fadiga - Prurido cutâneo e vulvar
-Fraqueza - balanopostite
-Letargia - Infecções de repetição.
LABORATORIAL :
- Glicemia de Jejum
- Teste oral de tolerância à glicose (TTG-75g)
- Glicemia casual
CONTROLE GLICÊMICO:
• Mudança de estilo de vida
• Farmacoterapia: - Metformina
- Sulfoniluréias ( glibenclamida, glicazida)
- Insulinas ( NPH, Regular)
PREVENÇÃO DE COMPLICAÇÕES CRÔNICAS:
• Intervenções preventivas metabólicas e cardiovasculares
• Detecção e tratamento de complicações crônicas do diabetes
A doença cardiovascular é responsável por até
80% das mortes em indivíduos com diabetes
mellitus (DM) do tipo 2
O risco relativo de morte por eventos
cardiovasculares, ajustado para a idade, em
diabéticos é três vezes maior do que o da
população em geral.
Segundo dados da Organização Mundial de
Saúde (OMS), a prevalência mundial da DM no
ano 2000 rondava os 171 milhões, estimando-se
para 2030 um total de 366 milhões.
• Modificações do estilo de vida
• Dieta
• Exercício Físico
• Excesso de Peso/Obesidade
• Hipertensão Arterial
• Tabagismo
• Hiperglicemia
Será possível prevenir a DCV associada à DM?
A prevenção secundária define-se como a
detecção precoce de uma doença para que o
tratamento possa começar antes que tenham
ocorrido lesões irreversíveis.
• Eletrocardiograma (ECG)
A Nefropatia diabética é uma alteração
nos vasos sanguíneos dos rins, que leva à
microalbuminúrica. Nessa complicação, o
órgão pode reduzir sua função de forma
progressiva, até a paralisação total.
• Uma das proteínas que circulam no sangue é a albumina.
Ela possui alto valor biológico e fornece todos os
aminoácidos essenciais para facilitar a recuperação do
organismo.
• Caso o diabetes continue descontrolado, pode ocorrer
quadro de macroalbuminúria, ou seja, grandes quantidades de
albumina na urina.
• No diabetes tipo 1, a insuficiência renal progressiva ocorre
em cerca de 50% dos pacientes.
• No tipo 2, observa-se um número menor – 20% – dessa
complicação. Isso significa que o controle está muito aquém
do desejado. A doença não costuma apresentar sintomas.
Primeira fase:
• “fase de hiperfiltração”
Segunda fase:
• “fase de microalbuminúria”
Terceira Fase:
• “fase de proteinúria clínica”
• Na fase de hiperfiltração e microalbuminúrica, o paciente
não apresenta nenhuma manifestação clínica
característica da Nefropatia por anos.
• Somente na fase de microalbuminúrica é que o paciente
começa a perceber urina espumosa e até edema.
• Ao passo que a doença renal evolui, a hipertensão
arterial pode agravar-se.
• O diagnóstico precoce é feito por meio de um exame de
urina, denominado microalbuminúrica.
• Já em casos mais avançados, o diagnóstico é feito por meio
do estudo dos níveis de creatinina e uréia na corrente
sanguínea, bem como a presença de proteínas na urina.
• O tratamento visa essencialmente: controlar a glicemia,
controlar a pressão arterial e bloquear o sistema renina-
angiotensina.
• Caso o dano renal seja muito grande, hemodiálise será
solicitada.
• A prevenção dessa complicação é o controle do diabetes.
• Nos casos de doença renal instalada, além de tomar os devidos
cuidados com o diabetes.
• É preciso usar fármacos, bem como o controle da pressão
arterial e do peso.
• Com o excesso prolongado de açúcar no
sangue, os vasos sanguíneos da retina se
deterioram se tornando mais permeáveis,
possibilitando o extravasamento de sangue e
fluido: o chamado edema.
O que é a Retinopatia Diabética?
• O melhor tratamento consiste em prevenir
o desenvolvimento da retinopatia controlando
os níveis de glicose, tensão arterial e lipídios.
“Pé Diabético, principal causa de amputação do
membro inferior”
O pé diabético é uma complicação
do Diabetes Mellitus e ocorre quando uma
área machucada ou infeccionada nos pés
desenvolve uma úlcera (ferida).
Seu aparecimento pode
ocorrer quando a circulação
sanguínea é deficiente e os
níveis de glicemia são mal
controlados.
O que se sente?
Desaparecimento ou diminuição dos reflexos.
Diminuição na sensibilidade térmica e dolorosa.
Na verdade, o grande problema do diabético - devido
à sua falta de sensibilidade - é que só se percebe da
seriedade de seu caso, quando sente o mau cheiro
exalado pela gangrena diabética.
• Alterações da sensibilidade dos pés
• Presença de feridas complexas
• Deformidades
• Alterações da marcha
• Infecções
• Amputações
• Queimação
• Dormência ou formigamento
Como é feito o diagnóstico?
• O diagnóstico é feito pela história clínica e pelo exame físico
da lesão que geralmente é indolor porém extensa e de odor
extremamente desagradável devido à necrose úmida que
provoca.
• É necessário o controle rigoroso da glicemia
através da dieta e de insulina ou
hipoglicemiantes orais, bem como da limpeza
diária e tratamento precoce das lesões - o
mais imediato possível.
• Cuidado especial deve ser tomado na escolha do
sapato, que deve ser macio, leve e moldado na
forma dos pés.
• Os pés devem ser inspecionados
diariamente à procura de pequenas feridas,
bolhas, áreas avermelhadas, alterações nas unhas,
proeminências ósseas e mudanças na forma dos
pés.
bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diabetes_mellitus.PDF
diabetes.org.br/o-que-e-diabetes
prosaude.org/publicacoes/diversos/cad_AB_DIABETES.pdf
endocrino.org.br/o-que-e-diabetes/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
 
Diabetes Tipo 1
Diabetes Tipo 1Diabetes Tipo 1
Diabetes Tipo 1
 
Diabetes mellitus
Diabetes mellitusDiabetes mellitus
Diabetes mellitus
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus
Hipertensão Arterial e Diabetes MellitusHipertensão Arterial e Diabetes Mellitus
Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus
 
Hipertensão arterial e diabetes mellitus
Hipertensão arterial e diabetes mellitusHipertensão arterial e diabetes mellitus
Hipertensão arterial e diabetes mellitus
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Nutrição e diabetes
Nutrição e diabetesNutrição e diabetes
Nutrição e diabetes
 
Diabetes!
Diabetes!Diabetes!
Diabetes!
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Hipertensão
Hipertensão Hipertensão
Hipertensão
 
Diabetes ApresentaçãO
Diabetes ApresentaçãODiabetes ApresentaçãO
Diabetes ApresentaçãO
 
Diabetes no Idoso
Diabetes no IdosoDiabetes no Idoso
Diabetes no Idoso
 
Aula de diabetes
Aula de diabetesAula de diabetes
Aula de diabetes
 
Controle da diabetes
Controle da diabetesControle da diabetes
Controle da diabetes
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Revisão sobre Diabetes Mellitus
Revisão sobre Diabetes MellitusRevisão sobre Diabetes Mellitus
Revisão sobre Diabetes Mellitus
 
Síndrome Metabólica
Síndrome MetabólicaSíndrome Metabólica
Síndrome Metabólica
 

Destaque

Complicações Crônicas Do Dm Aula Ldm
Complicações Crônicas Do Dm Aula LdmComplicações Crônicas Do Dm Aula Ldm
Complicações Crônicas Do Dm Aula LdmLiga de Diabetes UFG
 
Complicações do diabetes 2014
Complicações do diabetes  2014Complicações do diabetes  2014
Complicações do diabetes 2014Neia Andrade
 
Medicina Caseira Diabetes
Medicina Caseira DiabetesMedicina Caseira Diabetes
Medicina Caseira DiabetesChuck Gary
 
Otorrino everardo
Otorrino everardoOtorrino everardo
Otorrino everardoAnna Mendes
 
IVAS diagnóstico e tratamento
IVAS diagnóstico e tratamentoIVAS diagnóstico e tratamento
IVAS diagnóstico e tratamentoLorena de Assis
 
Resgate do Pediatra Geral
Resgate do Pediatra GeralResgate do Pediatra Geral
Resgate do Pediatra GeralLaped Ufrn
 
Orelha externa
Orelha externaOrelha externa
Orelha externaDario Hart
 
Cetoacidose Diabética
Cetoacidose DiabéticaCetoacidose Diabética
Cetoacidose DiabéticaJoyce Wadna
 
Resumo ivas, asma, pac, bva
Resumo ivas, asma, pac, bvaResumo ivas, asma, pac, bva
Resumo ivas, asma, pac, bvaLívia Zadra
 
Genética1ªlei - Monoibridismo -
Genética1ªlei  - Monoibridismo - Genética1ªlei  - Monoibridismo -
Genética1ªlei - Monoibridismo - Magali Feldmann
 
Otorrinolaringologia ( perfuração de ouvido , corpo estranho e epistaxe)
Otorrinolaringologia ( perfuração de ouvido , corpo estranho e epistaxe)Otorrinolaringologia ( perfuração de ouvido , corpo estranho e epistaxe)
Otorrinolaringologia ( perfuração de ouvido , corpo estranho e epistaxe)jaddy xavier
 

Destaque (20)

Complicações Agudas Do Diabetes
Complicações Agudas Do DiabetesComplicações Agudas Do Diabetes
Complicações Agudas Do Diabetes
 
Complicações Crônicas Do Dm Aula Ldm
Complicações Crônicas Do Dm Aula LdmComplicações Crônicas Do Dm Aula Ldm
Complicações Crônicas Do Dm Aula Ldm
 
Slide Diabetes
Slide DiabetesSlide Diabetes
Slide Diabetes
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Entendendo O Diabetes
Entendendo O DiabetesEntendendo O Diabetes
Entendendo O Diabetes
 
Complicações do diabetes 2014
Complicações do diabetes  2014Complicações do diabetes  2014
Complicações do diabetes 2014
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Planejamento dos cuidados de enfermagem
Planejamento dos cuidados de enfermagemPlanejamento dos cuidados de enfermagem
Planejamento dos cuidados de enfermagem
 
Medicina Caseira Diabetes
Medicina Caseira DiabetesMedicina Caseira Diabetes
Medicina Caseira Diabetes
 
Otorrino everardo
Otorrino everardoOtorrino everardo
Otorrino everardo
 
IVAS diagnóstico e tratamento
IVAS diagnóstico e tratamentoIVAS diagnóstico e tratamento
IVAS diagnóstico e tratamento
 
Resgate do Pediatra Geral
Resgate do Pediatra GeralResgate do Pediatra Geral
Resgate do Pediatra Geral
 
Fisiologia Renal Prof Vagner Sá Ucb
Fisiologia Renal   Prof  Vagner Sá UcbFisiologia Renal   Prof  Vagner Sá Ucb
Fisiologia Renal Prof Vagner Sá Ucb
 
Orelha externa
Orelha externaOrelha externa
Orelha externa
 
Cetoacidose Diabética
Cetoacidose DiabéticaCetoacidose Diabética
Cetoacidose Diabética
 
Resumo ivas, asma, pac, bva
Resumo ivas, asma, pac, bvaResumo ivas, asma, pac, bva
Resumo ivas, asma, pac, bva
 
Genética1ªlei - Monoibridismo -
Genética1ªlei  - Monoibridismo - Genética1ªlei  - Monoibridismo -
Genética1ªlei - Monoibridismo -
 
Problemas de matematica
Problemas de matematicaProblemas de matematica
Problemas de matematica
 
Otorrinolaringologia ( perfuração de ouvido , corpo estranho e epistaxe)
Otorrinolaringologia ( perfuração de ouvido , corpo estranho e epistaxe)Otorrinolaringologia ( perfuração de ouvido , corpo estranho e epistaxe)
Otorrinolaringologia ( perfuração de ouvido , corpo estranho e epistaxe)
 
Tratado de otorrino
Tratado de otorrinoTratado de otorrino
Tratado de otorrino
 

Semelhante a Diabetes: conceito, tipos, complicações e controle

Semelhante a Diabetes: conceito, tipos, complicações e controle (20)

diabetes.pptx
diabetes.pptxdiabetes.pptx
diabetes.pptx
 
Afecções do sistema endócrino -- dm
Afecções do sistema endócrino  -- dmAfecções do sistema endócrino  -- dm
Afecções do sistema endócrino -- dm
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Seminário diabetes mellitus
Seminário diabetes mellitusSeminário diabetes mellitus
Seminário diabetes mellitus
 
Diabetes 2014
Diabetes 2014Diabetes 2014
Diabetes 2014
 
SEMIOLOGIA DIABETES MELLITUS
SEMIOLOGIA DIABETES MELLITUSSEMIOLOGIA DIABETES MELLITUS
SEMIOLOGIA DIABETES MELLITUS
 
Aula dm farmaco 2013
Aula dm farmaco 2013Aula dm farmaco 2013
Aula dm farmaco 2013
 
Diabetes mellitus bioquimica e fisiopatologia Cuidados de enfermagem
Diabetes mellitus bioquimica e fisiopatologia Cuidados de enfermagemDiabetes mellitus bioquimica e fisiopatologia Cuidados de enfermagem
Diabetes mellitus bioquimica e fisiopatologia Cuidados de enfermagem
 
Protocolo de diabetes mellitus
Protocolo de diabetes mellitusProtocolo de diabetes mellitus
Protocolo de diabetes mellitus
 
[c7s] Diabetes
[c7s] Diabetes [c7s] Diabetes
[c7s] Diabetes
 
Diabetes tipo 1 tipo 2 e gestacional
Diabetes tipo 1 tipo 2 e gestacionalDiabetes tipo 1 tipo 2 e gestacional
Diabetes tipo 1 tipo 2 e gestacional
 
Antidiabéticos orais
Antidiabéticos oraisAntidiabéticos orais
Antidiabéticos orais
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Diabetes tipo 2
Diabetes tipo 2Diabetes tipo 2
Diabetes tipo 2
 
Diabetes Mellitus tipo II
Diabetes Mellitus tipo IIDiabetes Mellitus tipo II
Diabetes Mellitus tipo II
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Paciente diabético e hipoglicemia
Paciente diabético e hipoglicemiaPaciente diabético e hipoglicemia
Paciente diabético e hipoglicemia
 
Dossier diabetes
Dossier diabetesDossier diabetes
Dossier diabetes
 
Diabetes mellitus
Diabetes mellitusDiabetes mellitus
Diabetes mellitus
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 

Último

AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdfAula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdfGiza Carla Nitz
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOvilcielepazebem
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfGiza Carla Nitz
 
Primeiros socorros segurança do trabalho
Primeiros socorros segurança do trabalhoPrimeiros socorros segurança do trabalho
Primeiros socorros segurança do trabalhoDjalmadeAndrade2
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdfControle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdfRodrigoSimonato2
 
ELETIVA ensino médio / corpo e saude....
ELETIVA ensino médio / corpo e saude....ELETIVA ensino médio / corpo e saude....
ELETIVA ensino médio / corpo e saude....TharykBatatinha
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfThiagoAlmeida458596
 
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdfAula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdfmarrudo64
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxEnfaVivianeCampos
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAndersonMoreira538200
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfEduardoSilva185439
 
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfAula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfGiza Carla Nitz
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdfGlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdfamaroalmeida74
 
Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdfAula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdfGiza Carla Nitz
 

Último (17)

AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
 
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdfAula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
 
Primeiros socorros segurança do trabalho
Primeiros socorros segurança do trabalhoPrimeiros socorros segurança do trabalho
Primeiros socorros segurança do trabalho
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
 
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdfControle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
 
ELETIVA ensino médio / corpo e saude....
ELETIVA ensino médio / corpo e saude....ELETIVA ensino médio / corpo e saude....
ELETIVA ensino médio / corpo e saude....
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
 
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdfAula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
 
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfAula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
 
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdfGlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
 
Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdfAula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdf
 

Diabetes: conceito, tipos, complicações e controle

  • 1.
  • 2. Equipe: Dalvaci Rodrigues Laysla Oliveira Fábio Leitão Matheus Sousa Evanice Santana ENFERMAGEM E-23
  • 3. CONCEITO: É um grupo de doenças metabólicas caracterizadas por hiperglicemia e associadas a complicações, disfunções e insuficiência de vários órgãos.
  • 4.
  • 5. DIABETES TIPO 1 – Existe uma deficiência absoluta de insulina, devido a destruição da célula beta. Depende da administração da insulina para prevenir cetacidose, coma e morte.
  • 6. DIABETES TIPO 2 – Existe uma deficiência relativa de insulina.A administração de insulina, quando efetuada, visa controlar o quadro hiperglicêmico.
  • 7. DIABETES GESTACIONAL – Hiperglicemia diagnosticada na gravidez, geralmente se resolvendo pós-parto.
  • 8. CLÁSSICOS : -Poliúria -Polidipsia -Polifagia -Perda involuntária de peso . CLÍNICOS : -Fadiga - Prurido cutâneo e vulvar -Fraqueza - balanopostite -Letargia - Infecções de repetição.
  • 9.
  • 10.
  • 11. LABORATORIAL : - Glicemia de Jejum - Teste oral de tolerância à glicose (TTG-75g) - Glicemia casual
  • 12. CONTROLE GLICÊMICO: • Mudança de estilo de vida • Farmacoterapia: - Metformina - Sulfoniluréias ( glibenclamida, glicazida) - Insulinas ( NPH, Regular) PREVENÇÃO DE COMPLICAÇÕES CRÔNICAS: • Intervenções preventivas metabólicas e cardiovasculares • Detecção e tratamento de complicações crônicas do diabetes
  • 13.
  • 14. A doença cardiovascular é responsável por até 80% das mortes em indivíduos com diabetes mellitus (DM) do tipo 2 O risco relativo de morte por eventos cardiovasculares, ajustado para a idade, em diabéticos é três vezes maior do que o da população em geral.
  • 15. Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), a prevalência mundial da DM no ano 2000 rondava os 171 milhões, estimando-se para 2030 um total de 366 milhões.
  • 16. • Modificações do estilo de vida • Dieta • Exercício Físico • Excesso de Peso/Obesidade • Hipertensão Arterial • Tabagismo • Hiperglicemia Será possível prevenir a DCV associada à DM?
  • 17. A prevenção secundária define-se como a detecção precoce de uma doença para que o tratamento possa começar antes que tenham ocorrido lesões irreversíveis. • Eletrocardiograma (ECG)
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25. A Nefropatia diabética é uma alteração nos vasos sanguíneos dos rins, que leva à microalbuminúrica. Nessa complicação, o órgão pode reduzir sua função de forma progressiva, até a paralisação total.
  • 26. • Uma das proteínas que circulam no sangue é a albumina. Ela possui alto valor biológico e fornece todos os aminoácidos essenciais para facilitar a recuperação do organismo. • Caso o diabetes continue descontrolado, pode ocorrer quadro de macroalbuminúria, ou seja, grandes quantidades de albumina na urina.
  • 27.
  • 28. • No diabetes tipo 1, a insuficiência renal progressiva ocorre em cerca de 50% dos pacientes. • No tipo 2, observa-se um número menor – 20% – dessa complicação. Isso significa que o controle está muito aquém do desejado. A doença não costuma apresentar sintomas.
  • 29. Primeira fase: • “fase de hiperfiltração” Segunda fase: • “fase de microalbuminúria” Terceira Fase: • “fase de proteinúria clínica”
  • 30.
  • 31. • Na fase de hiperfiltração e microalbuminúrica, o paciente não apresenta nenhuma manifestação clínica característica da Nefropatia por anos. • Somente na fase de microalbuminúrica é que o paciente começa a perceber urina espumosa e até edema. • Ao passo que a doença renal evolui, a hipertensão arterial pode agravar-se.
  • 32. • O diagnóstico precoce é feito por meio de um exame de urina, denominado microalbuminúrica. • Já em casos mais avançados, o diagnóstico é feito por meio do estudo dos níveis de creatinina e uréia na corrente sanguínea, bem como a presença de proteínas na urina.
  • 33. • O tratamento visa essencialmente: controlar a glicemia, controlar a pressão arterial e bloquear o sistema renina- angiotensina. • Caso o dano renal seja muito grande, hemodiálise será solicitada. • A prevenção dessa complicação é o controle do diabetes. • Nos casos de doença renal instalada, além de tomar os devidos cuidados com o diabetes. • É preciso usar fármacos, bem como o controle da pressão arterial e do peso.
  • 34.
  • 35. • Com o excesso prolongado de açúcar no sangue, os vasos sanguíneos da retina se deterioram se tornando mais permeáveis, possibilitando o extravasamento de sangue e fluido: o chamado edema. O que é a Retinopatia Diabética?
  • 36.
  • 37.
  • 38.
  • 39. • O melhor tratamento consiste em prevenir o desenvolvimento da retinopatia controlando os níveis de glicose, tensão arterial e lipídios.
  • 40. “Pé Diabético, principal causa de amputação do membro inferior”
  • 41. O pé diabético é uma complicação do Diabetes Mellitus e ocorre quando uma área machucada ou infeccionada nos pés desenvolve uma úlcera (ferida). Seu aparecimento pode ocorrer quando a circulação sanguínea é deficiente e os níveis de glicemia são mal controlados.
  • 42. O que se sente? Desaparecimento ou diminuição dos reflexos. Diminuição na sensibilidade térmica e dolorosa. Na verdade, o grande problema do diabético - devido à sua falta de sensibilidade - é que só se percebe da seriedade de seu caso, quando sente o mau cheiro exalado pela gangrena diabética.
  • 43. • Alterações da sensibilidade dos pés • Presença de feridas complexas • Deformidades • Alterações da marcha • Infecções • Amputações • Queimação • Dormência ou formigamento
  • 44. Como é feito o diagnóstico? • O diagnóstico é feito pela história clínica e pelo exame físico da lesão que geralmente é indolor porém extensa e de odor extremamente desagradável devido à necrose úmida que provoca.
  • 45. • É necessário o controle rigoroso da glicemia através da dieta e de insulina ou hipoglicemiantes orais, bem como da limpeza diária e tratamento precoce das lesões - o mais imediato possível. • Cuidado especial deve ser tomado na escolha do sapato, que deve ser macio, leve e moldado na forma dos pés.
  • 46. • Os pés devem ser inspecionados diariamente à procura de pequenas feridas, bolhas, áreas avermelhadas, alterações nas unhas, proeminências ósseas e mudanças na forma dos pés.
  • 47.