ENVELHECIMENTO SAUDAVEL

17.546 visualizações

Publicada em

PROFESSOR DR. RUBENS DE FRAGA JUNIOR, MÉDICO ESPECIALISTA EM GWERIATRIA E GERONTOLOGIA DESCREVE COMO ENVELHECER COM SAUDE !

Publicada em: Saúde e medicina
1 comentário
22 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
17.546
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
30
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
1
Gostaram
22
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Topic Slide
  • Dato che queste patologie sono età correlate, è lecito affermare che la restrizione calorica sia associata al ritardo del processo dell’invecchiamento.
  • Research article published in the Journals of Gerontology – older adults who engage in more hours of volunteering reported higher levels of well being – did not matter where or how they volunteered. Study found 34.5% of adults age 60+ volunteer and serve an average of 71.5 hours or more a year, When compared to non volunteers, the volunteering adults had better assessments than non volunteers in the areas of general well being, self rated health, and absence of depression. From – Allan Luks – The Healing Power of Doing Good
  • ENVELHECIMENTO SAUDAVEL

    1. 1. ASPECTOS FISICOS DO ENVELHECIMENTO &ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Rubens de Fraga Junior
    2. 2. RUBENS FRAGA JR, 1962
    3. 3. O ENVELHECIMENTO
    4. 4. QUEM É IDOSO?
    5. 5. NOSSA CULTURA DEIFICA A JUVENTUDE!NO MUNDO OCIDENTALDEHOJE, A VELHICE É TIDACOMO UMA DOENCAINCURÁVEL, COMO UMDECLÍNIO INEVITÁVEL,QUEESTÁ VOLTADO AOFRACASSSO
    6. 6. O QUE LIMITA O IDOSO...O PROCESSONATURAL DEENVELHECIMENTO?OUAS DOENÇASCRÔNICAS?
    7. 7. AS DOENÇAS CRÔNICAS52,6 milhões (30 %) de brasileiros tempelo menos uma doença crônica(DC)25% destes tem mais de uma DC70% de todas as mortes no país sãorelacionadas a DC IBGE 2007
    8. 8. O IMPACTO ECONÔMICO GLOBAL EM 2030O impacto econômico globaldas cinco principais doençascrônicas - diabetes, câncer,doenças mentais, doençascardíacas e doençasrespiratórias - pode chegara 47 trilhões de dólaresnos próximos 20 anos,segundo um estudo doFórum Econômico Mundial(WEF). The World Economic Forum 2011
    9. 9. PREVENIR DOENÇAS NÃOTRANSMISSIVEIS EM 2011Doenças nãotransmissíveis, comodoenças cardíacas,AVE, diabetes,cânceres comuns edoenças crônicas dofígado, rim erespiratórias juntoscausam 74% dasmortes na Brasil. World Health Organization: NCD Country Profiles , 2011
    10. 10. OMS BRASIL 2011 World Health Organization: NCD Country Profiles , 2011
    11. 11. OMS BRASIL 2011 World Health Organization: NCD Country Profiles , 2011
    12. 12. OMS BRASIL 2011 World Health Organization: NCD Country Profiles , 2011
    13. 13. OMS BRASIL 2011 World Health Organization: NCD Country Profiles , 2011
    14. 14. IMPORTÂNCIA DAS DOENÇAS NÃO TRANSMISSIVEIS Polipatolgias : 3, 4 e 6 DIAG/PAC Polifarmacia : > 70 % Limitações : DEFICIÊNCIAS INCAPACIDADES DESVANTAGENS
    15. 15. QUAL O TIPO DEENVELHECIMENTO TEREI ...
    16. 16. O GIRO DO CÍNGULO ANTERIOR ÁREA CEREBRAL RESPONSAVEL PELO ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL! Anterior Cingulate Activation Is Related to a Positivity Bias and Emotional Stability in Successful Aging" Biological Psychiatry, Volume 70, Number 2 (July 1, 2011)
    17. 17. ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL CORRIGIR COMPOTAMENTOS POSTERGAR DOENÇAS REDUÇÃO DO ESTRESSE AUMENTAR A REDE SOCIAL
    18. 18. CORRIGIR COMPORTAMENTOS CONTROLAR O USO DO TABACO USO NOCIVO DO ALCOOL INATIVIDADE FÍSICA SOBREPESO E OBESIDADE
    19. 19. CONTROLAR O USO DO TABACO
    20. 20. O CIGARRO PREFERIDO PELOS...
    21. 21. PARAR DE FUMAR É UM PROCESSO
    22. 22. USO NOCIVO DO ÁLCOOL
    23. 23. O ÁLCOOLNíveis (mg/dL) Usuário esporádico Bebedor crônico 50 Euforia, desinibição Efeito mínimo 75 Loquacidade Efeito mínimo Incoordenação e alt de reflexos Comportamento Efeito mínimo 100-200 Fala Incoordenação leve Sonolência e náusea Euforia/desinibição 200-300 Letargia/torpor, confusão, agressividade Alts. motoras leves 300-400 Torpor e coma Sonolência Dep. Respiratória Letargia, torpor > 500 Morte Morte
    24. 24. CAGEC ut-down cortar ou parar incomodadoA nnoyed culpadoG uilty “acordar”E ye-opener
    25. 25. A INATIVIDADE FÍSICA
    26. 26. O SOBREPESO E A OBESIDADE
    27. 27. REDUÇÃO DO CONSUMO DO SALA OrganizaçãoMundial de Saúderecomenda 5 gramas,ou uma colher dechá, por dia. Médiabrasileira é de 12gramas diárias, umacolher de sopa.
    28. 28. REDUÇÃO DO CONSUMO DE GORDURAS SATURADAS E TRANS
    29. 29. ESQUEÇA!!!
    30. 30. POSTERGAR DOENÇAS... J.F. Fries : Clin Geriatr Med 18 (2002) 371–382
    31. 31. POSTERGAR DOENÇAS...HAS IAM ICC DPOC FA AVC IRC CA28 44 52 55 56 58 62 70HAS IAM ICC CA28 59 67 70 J.F. Fries . Clin Geriatr Med 18 (2002) 371–382
    32. 32. REDUÇÃO DO ESTRESSE INSÔNIA TENSÃO MUSCULAR PROBLEMAS DE DIGESTÃO AUMENTO DA PA MÃOS FRIAS
    33. 33. SISTEMA DE RESPOSTA AO ESTRESSE
    34. 34. SINDROME DE ADAPTAÇÃODe acordo com Selye, o indivíduo estressado passa por trêsfases. 36
    35. 35. AUMENTAR A REDE SOCIAL“Sentir-se útil” (Ter um propósito de vida)Assumir papeis na família e na sociedadeManter-se em atividades produtivasDesenvolver redes sociais (conectar-se)
    36. 36. ENVELHECIMENTO POPULACIONALTempo necessário (anos): Idosos (>65 anos) de 7% para 14% Butler, Hyer, Shechter, 1993; IBGE, 2007; SEADE, 2008
    37. 37. POSTERGAR LONGEVIDADEDois exemplos recentes de revolução nalongevidade em paises industrializados França Japão
    38. 38. MUDANÇAS HISTÓRICAS DESOBREVIDA DOS 90 AOS 100 ANOS NA FRANÇA 6 Percent Surviving from Age 90 to 100 5 Females Males 4 3 2 1 0 1900 1920 1940 1960 1980 2000 Calendar Year
    39. 39. MUDANÇAS HISTÓRICAS DESOBREVIDA DOS 90 AOS 100 ANOS NO JAPÃO 10 Percent Surviving from Age 90 to 100 Females Males 8 6 4 2 0 1950 1960 1970 1980 1990 2000 Calendar Year
    40. 40. “NEW ENGLAND CENTENARIAN STUDY” 1 em 10,000 85% mulheres, 15% homens Centenários escapam de doenças letais, e experenciam menos incapacidade de doenças não letais Mulheres tem mais doenças cronicas que os homens Mulheres sobrevivem a estas doenças em taxas maiores Thomas Perls, MD, MPH
    41. 41. JEANNE CALMENT 1875 - 1977 122 anos e 124 dias de vida 60 anos 20 anos 40 anos 122 anos
    42. 42. CENTENÁRIOS NO BRASIL O Censo 2010 apurouainda que existem23.760 brasileiros commais de 100 anos. Bahiaé a unidade dafederação a contar commais brasileiroscentenários (3.525), SãoPaulo (3.146) e MinasGerais (2.597).
    43. 43. COMO SE TORNAR-SE UM CENTENÁRIOESCOLHA OS PARENTE CERTOSTENHA SORTEEVITE O TABAGISMOCOMA POUCAS CALORIASPRATIQUE UM ESTILO DE VIDA QUEREDUZA DOENÇAS ATEROSCLERÓTICASE CANCERSENTIDO DA VIDA!!!
    44. 44. COMPONENTES DA VIDA LONGA OS GENES O MEIO AMBIENTE A NUTRIÇÃO A ATIVIDADE FÍSICA O SENTIDO DA VIDA
    45. 45. ALGUNS GENES...age-1; daf-23; daf-2, daf-16, daf-18VIA DO ENVELHECIMENTO DO RECEPTORINSULÍNICOClk-1 , Clk-2, clk-3ALTERAÇÃO DO RELÓGIO BIOLÓGICOEat-2RESTRIÇÃO CALÓRICASir2DELEÇÕES REDUZEM LONGEVIDADE
    46. 46. OS TELÔMEROSCelulas envelhecidas exibemencurtamento de telômero eperda da atividade datelomerase.O comprimento do telômero e aatividade da telomerase podem sermarcadores clinicos doenvelhecimento humano e daoncogenese.
    47. 47. A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL muita verdura, legumes e frutas Fibras solúveis e insolúveis deve ser a base da alimentação Folhas verde escuras e alaranjadas Grãos integrais Pães integrais Carne branca peixe e frango Oito copos de água por dia
    48. 48. A DIETA MEDITERRÂNEA
    49. 49. O PRATO SAÚDAVELThe Center for Nutrition Policy and Promotion, an organization of the U.S. Department of Agriculture, 2011
    50. 50. A RESTRIÇÃO CALÓRICAEstudos de RC confirmaram a extensão da longevidadeem ratos, e macacos Que se alimentaram de dietacom redução de 30% da caloria diaria total necessariaversos grupo controleA longevidade de macacos com média de 27 anoschegou a 40 anosAlimentação hipocalórica reduziu sarcopenia e aPerda de substancia cinzenta encefalica Science. 2009 Jul 10;325(5937):201-4
    51. 51. “RC” E DOENÇAS CRÔNICAS
    52. 52. A ATIVIDADE FÍSICA“A única maneira de ferir seucorpo é não usá-lo”, diziaLaLanne. “A inatividade é oassassino. Lembre-se, nunca étarde demais.” Jack Lalane 1914-2011
    53. 53. A ATIVIDADE FÍSICAAlguma é melhor quenenhuma Jardinagem Caminhadas…AeróbicosResistidosAlongamentoEquilibrio
    54. 54. AUMENTAR A A ATIVIDADE FÍSICA AERÓBICO Freqüência: pelo menos 3 dias/semana Intensidade: moderada Tempo: 50 minutos
    55. 55. EXERCÍCIOSRESISTIDOS PREVENÇÃO DA SARCOPENIA E DINAPENIA
    56. 56. O SONO ADEQUADO
    57. 57. O SONO DO IDOSO Vigília Vigíliavigília Idade avançada Maturidade Infância
    58. 58. O SONO DO IDOSOCom o envelhecer, a proporção do tempo totalde sono gasto nos estágios profundos 3 e 4não-rem diminuiO idoso tende a ter mais dificuldade deadormecer e sustentar o sono que os maisjovensO idoso tende a adormecer mais cedo eacordar também mais cedo
    59. 59. O SONO ADEQUADO manter uma rotina diária repousar 7 a 9 horas por noite não dormir demais ou de menos sesta após o almoço (< 1 hora)
    60. 60. A MEMÓRIA
    61. 61. HA DECLINIO COM OENVELHECIMENTO... memória de trabalho memória episódica capacidade multitarefas
    62. 62. NÃO HÁ DECLINIO COM O ENVELHECIMENTO...memória semantica exeto para memória denomes de pessoasmemória proceduralcapacidade de reconhecer rotas familiaresfunção executiva
    63. 63. MEMÓRIA DE TRABALHO DEPENDE DO CORTEX PRÉ FRONTALA memória de trabalho declina com o envelhecimento,devido a mudanças na velocidade de processamento eda atenção
    64. 64. TREINAMENTO COGNITIVOCONCENTRAÇÃO : épreciso focar a atençãonaquilo que desejamosmemorizar e dispender otempo de 4 a 8 segundosIMAGEM : Crie uma imagemmentalASSOCIAÇÃO: Devemosassociar, ligar o novo aovelho Yesavage, Sheikh, Friedman, & Tanke, 1990
    65. 65. A MEMÓRIAPratique o processo CIAQuanto maior a clareza do processode retenção da informação , mais fácilrelembrá-la
    66. 66. José Marta RaquelSonia Rafael Manoel
    67. 67. O RELAXAMENTO descanso rigidezcontraturas instabilidade hiperexitabilidade ansiedade
    68. 68. RELAXAR!!!
    69. 69. SEXUALIDADEIntimidade : qualidade de íntimoíntimo : cordial e afetuoso;Estreitamente ligado a afeição econfiança
    70. 70. ELA É IMPORTANTE? IDENTIDADE PESSOALSEXUALIDADE SAÚDE SENSO DE BEM ESTAR
    71. 71. O CICLO SEXUAL…• Desejo – Atração, interesse Masters• Excitação and – Aumento do desejo Johnson• Plateau – Emoção intensa, focus arousal• Orgasmo – contrações• Resolução/refratário tempo – Redução do interesse
    72. 72. SENESCÊNCIA DA MULHERRedução do tamanho da vagina & vulvaDiminuição da vascularização &secreçõesParedes vaginais mais finas e relaxadasVaginite atróficaDiminuição da libido
    73. 73. MULHERExcitaçãoDiminuição da vasocongestão,lubricação, retardo na excitaçãoPlateauRetração do clitoris
    74. 74. MULHEROrgasmoCurto & poucas contraçõesAs vezes dolorosoResoluçãoReversão mais rápida para o estadopré-excitação
    75. 75. SENESCÊNCIA DO HOMEM Mudanças na libido Função de ereção Maior necessidade de estimulação Menor rigidez associada a fatores de risco
    76. 76. HOMEM• Diminuição da força ejaculatória• Estágio refratário prolongado (acima de• uma semana)
    77. 77. A APOSENTADORIA
    78. 78. APOSENTADORIA
    79. 79. UMA TRANSIÇÃO…TRABALHO APOSENTADORIA SATISFAÇÃO Reinvestir em RAIVA NovasTÉTÉ atividades RM RM TRISTEZA E ÇO IN IN REC VO DEPRESSÃO Criatividade O) O) OM NO MEDO Repouso Exploração ZONA NEUTRA Baseado em William Bridges e Dr. Nancy K. Schlossberg
    80. 80. Fase 1: Fantasia• Começa 3 a 5 anos antes da aposentadoria• Consiste em: – Sonhar sobre a aposentadoria – Planejar a aposentadoria – Explorar novas opções que se tornam disponíveis quando a aposentadoria começar. SOURCE: “Making the Most of Retirement” by Dwight L. Adams
    81. 81. Fase 2: Excitação• Início 1 ½ anos antes da aposentadoria• Com a data para se aposentar confirmada, duas coisas acontecem : – Planejamento mais detalhado da aposentadoria – Começa a obter mais dados, como salário, benefícios e planos de saúde
    82. 82. Fase 3: Estresse• Inicia na data da aposentadoria• Familiares e amigos devem ficar atentos as pressões e estresse do novo aposentado
    83. 83. Fase 4: Lua de mel• Continua pelos primeiros 2 anos de aposentadoria• Tempo de iniciar ou descartar novos projetos, aproveitando a liberdade da aposentadoria
    84. 84. Fase 5: 3 Rs• Rotina• Repouso• Relaxamento O aposentado aceitou e está adaptado
    85. 85. Fase 6: DesencantoSe inicia 4 a 6 anos após o início da aposentadoria: – O aposentado passa a sofrer de baixa auto-estima – O aposentado passa a sentir necessidade de aumentar sua produtividade – Aparece a pergunta “Quem eu sou?”
    86. 86. Fase 7: Reorientação• Se inicia 6 a 8 anos depois• Aprende a aceitar e desfrutar dos papeis da aposentadoria• Desenvolve um novo senso de auto-estima e novos objetivos
    87. 87. Fase 8: ContentamentoA fase finalO aposentado se fixa a uma rotina confortável!
    88. 88. Traços de um aposentado bem sucedido! 1. Planeje sua aposentadoria 2. Seja otimista 3. Aceite as mudanças 4. Invista nos relacionamentos 5. Desfrute dos momentos de lazer 6. Invista na sua saúde 7. Tenha uma paixão 8. Sentido da vida!Fonte: Retirement Rx by Frederick Fraunfelder, M.D. and James H. Gilbaugh, Jr.,M.D.
    89. 89. Ikigai 生き甲斐Valorização social: “Sentir-se útil” (propósito de vida) Ter um papel na família e na sociedade Manutenção da atividade produtiva Desenvolver redes sociais (conectar-se) Atividades com amigos e familiares “VOLUNTARIADO”
    90. 90. BENEFÍCIOS PARA ASAÚDE DO VOLUNTÁRIO
    91. 91. Benefícios para a saúde• Evidências crescentes da literatura sugerem que o voluntariado aumente ou mantenha a saúde especialmente na terceira idade• Os voluntários são mais propensos a relatarem boa saúde física, menos doenças crônicas e boa saúde mental.• Voluntários vivem mais que os não- voluntários Giving & Volunteering Research Conference 2009
    92. 92. Três argumentos• Hipótese da alegria em doar-se: o voluntariado produz ação fisiológica anti- estresse(diminui cortisol e adrenalina)• Hipótese do tamanho da rede social: o voluntariado constroi redes sociais que podem ser evocadas quando necessárias• Hipótese da personalidade forte: O voluntariado aumenta o bem estar psicológico que dá suporte à saúde Giving & Volunteering Research Conference 2009
    93. 93. Estudo longitudinal deenvelhecimento de Amsterdam (LASA) • Estudo com amostragem aleatória de idosos na Holanda • Estudo de base entre 1992 e 1993. Com coleta de informações,  elaboradas em critérios objetivos e subjetivos do estado de saúde, religião, personalidade, nível sócio-econômico, as redes sociais e engajamento em associações voluntárias. • Os entrevistados foram re-entrevistados a cada três anos, salvo se incapazes ou mortos
    94. 94. Desenvolvimento da saúde subjetiva4,34,24,1 4 never3,9 quit3,8 joined3,7 sustained3,63,53,43,3 1992 1995 1998 2001 2003
    95. 95. Risco de mortalidade50454035 never 92-9530 quit 92-9525 joined 92-9520 sustained 92-9515105 1998 2001 2003
    96. 96. VOLUNTARIADO = MAIS SAÚDE! Health Psychology: American Psychological Association 2011
    97. 97. Benefícios• Refere altos níveis de bem-estar• Aumento da energia• Um sentimento de “estar saudável”• Melhor controle de peso• Melhora do sono• Aumento da imunidade• Redução das dores• Aumento da temperatura corporal• Sistema cv saudável• Melhor recuperação em cirurgias
    98. 98. A PREVENÇÃO PROMOÇÃO DA SAÚDEA OPREVENÇÃO TRATAMENTO MUDANÇAS DO ESTILO DE VIDA MEDICINA CONVENCIONAL
    99. 99. VACINASPneumocócicarepetir a cada 5AnosInfluenzaAnualmenteTétanoreforço a cada 10AnosHerpes zosterUma vez
    100. 100. DIABETESdieta, controlaro peso, exercíciofísicos, Controleda glicemia
    101. 101. A TIREÓIDE RealizarTSHanualmente
    102. 102. OSTEOPOROSE1959 1989 1996 INGER LUNDEGAARDH
    103. 103. A OSTEOPOROSE exercíciosfísicos, cálcio nadieta, densitometriaóssea
    104. 104. HIPERTENSÃO ARTERIALDieta com poucosal, exercíciosfísicos, redução doestresse, aferir aPA
    105. 105. ATEROSCLEROSE 3 Macrófagos fagocitam o LDL e tornan-se as células em esponja que iniciam a formação da placa GORGURA SATURADAS de ateroma. Nicotina INATIVIDADE OBESIDADE 2 Na intima da artéria os1 NASCE UMA PLACA monócitos se transformam em macrófagos, junto com os linfócitosParticulas do LDL são acumuladas na parede da T produzem marcadoresartéria. inflamatórios como citocinas.
    106. 106. ATEROSCLEROSE 5 RUPTURA DA PLACA4 PLACA FIBROSA
    107. 107. ATEROSCLEROSENão fumar, controlarO colesterol, RealizarAtividadesFísicas regulares
    108. 108. A MAMAMamografia eEcografiaRealizada anualmente
    109. 109. A PRÓSTATAToque retal anualapós 45 anosPSA anual após45 anos
    110. 110. OS INTESTINOSPesquisa de sangueoculto nas fezesanualmente após 50anos, com ou semcolonoscopia
    111. 111. AREAS AZUISThe Blue Zones: Lessons for Living Longer From thePeople Whove Lived the Longest . Dan Buettner . 2008
    112. 112. THE BLUE ZONE DAN BUETTNERSardenhaVinho tintoQueijo e leite de cabraDieta com verduras, frutas e peixeLoma Linda, AdventistasNozesDieta vegetariana com jantar “leve”Bebem muita agua
    113. 113. THE BLUE ZONEOkinawa, Japãohara hachi bu : pare de comer quandoestiver80% cheioDieta com verduras, frutas e sojaCosta RicaAgua rica em calcioRefeição principal pela manhã
    114. 114. Okinawa, Japão hara hachi bu : pequenas porções e pare de comer quando estiver 80% cheio Dieta com verduras, frutas e soja Manter-se ativo fisicamente Ikigai 生き甲斐 MoaiThe Blue Zones: Lessons for Living Longer From thePeople Whove Lived the Longest . Dan Buettner . 2008
    115. 115. OMS JAPÃO 2011World Health Organization: NCD Country Profiles , 2011
    116. 116. OMS JAPÃO 2011World Health Organization: NCD Country Profiles , 2011
    117. 117. OMS JAPÃO 2011World Health Organization: NCD Country Profiles , 2011
    118. 118. Sardenha Vinho tinto Queijo e leite de cabra Dieta com verduras, frutas e peixeThe Blue Zones: Lessons for Living Longer From the People Whove Lived the Longest . Dan Buettner . 2008
    119. 119. OMS ITALIA 2011World Health Organization: NCD Country Profiles , 2011
    120. 120. OMS ITALIA 2011World Health Organization: NCD Country Profiles , 2011
    121. 121. OMS ITALIA 2011World Health Organization: NCD Country Profiles , 2011
    122. 122. Costa Rica Agua rica em calcio Refeição principal pela manhã Tortilhas de milho, feijões Pouca carne Trabalho no campo Propósito de vida Familias MultigeracionaisThe Blue Zones: Lessons for Living Longer From the People Whove Lived the Longest . Dan Buettner . 2008
    123. 123. OMS COSTA RICA 2011 World Health Organization: NCD Country Profiles , 2011
    124. 124. OMS COSTA RICA 2011 World Health Organization: NCD Country Profiles , 2011
    125. 125. OMS COSTA RICA 2011 World Health Organization: NCD Country Profiles , 2011
    126. 126. Loma Linda Comunidade de adventistas do sétimo dia Nozes Dieta vegetariana com jantar “leve” Bebem muita agua Senso de propósitoThe Blue Zones: Lessons for Living Longer From the People Whove Lived the Longest . Dan Buettner . 2008
    127. 127. OMS EUA 2011World Health Organization: NCD Country Profiles , 2011
    128. 128. OMS EUA 2011World Health Organization: NCD Country Profiles , 2011
    129. 129. OMS EUA 2011World Health Organization: NCD Country Profiles , 2011
    130. 130. AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA”PENTÁCULO” NUTRIÇÃOCONTROLE ESTRESSE ATIVIDADE FÍSICA RELACIONAMENTO COMPORTAMENTO SOCIAL PREVENTIVO
    131. 131. FINALIZANDO...
    132. 132. LONGEVIDADE EXCEPCIONAL OSCAR NIEMEYER
    133. 133. SUAS FRASES..."Centenário é o cace...""Alcançar essa idade é uma mer..., mas ébom.""A arquitetura não tem importância. A vida que é importante".
    134. 134. O OTIMISMO… UM TRAÇO DE PERSONALIDADE COMUM A TODOS OS CENTENARIOS
    135. 135. MOVIMENTE-SENATURALMENTE!RELAXE!COMA COM SABEDORIA!REDE SOCIAL FÉ TRIBO!
    136. 136. MUITO OBRIGADOPELA SUA ATENÇÃO!!!
    137. 137. RUBENS DE FRAGA JÚNIOR GERIPAR@HOTMAIL.COM

    ×