CONCEITOS BÁSICOS DE GESTÃO
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

CONCEITOS BÁSICOS DE GESTÃO

em

  • 43,137 visualizações

ESSE MATERIAL NÃO PODE SER VENDIDO.

ESSE MATERIAL NÃO PODE SER VENDIDO.

Estatísticas

Visualizações

Visualizações totais
43,137
Visualizações no SlideShare
43,137
Visualizações incorporadas
0

Actions

Curtidas
1
Downloads
365
Comentários
0

0 Incorporações 0

No embeds

Categorias

Carregar detalhes

Uploaded via as Adobe PDF

Direitos de uso

© Todos os direitos reservados

Report content

Sinalizado como impróprio Sinalizar como impróprio
Sinalizar como impróprio

Selecione a razão para sinalizar essa apresentação como imprópria.

Cancelar
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Tem certeza que quer?
    Sua mensagem vai aqui
    Processing...
Publicar comentário
Editar seu comentário

CONCEITOS BÁSICOS DE GESTÃO Presentation Transcript

  • 1. Aula 5 – Unidade 1 • RevisãoProfª Ana Luísa Vieira de Azevedo 1
  • 2. Sumário da Aula: a) Síntese das Aulas; b) Apresentação de Exemplos. 2Prof. Ana Luísa Vieira de Azevedo
  • 3. a) SÍNTESE DAS AULAS 3Prof. Ana Luísa Vieira de Azevedo
  • 4. A Organização 4Prof. Ana Luísa Vieira de Azevedo
  • 5. A Organização As organizações são grupos estruturados de pessoas que se juntam para alcançar objetivos comuns. Surgem como resposta à necessidade dos indivíduos de alcançar metas que, isoladamente, não conseguiriam atingir, em virtude da complexidade e da variedade das tarefas inerentes ao trabalho a se efetuar. Podem ser organizações formais ou informais. Existem três razões fundamentais que explicam a existência das organizações: razões sociais, razões materiais (aumento de habilidades compressão de habilidades, tempo e acumulação de conhecimento), e, efeito sinergístico. g 5(SOBRAL E PECI, 2008; CHIAVENATO, 2007; BERNARDES E MARCONDES, 2003 )
  • 6. A OrganizaçãoIndependentemente de sua forma e atividade asorganizações: têm um propósito ou finalidade; sãocompostas por pessoas; e, possuem uma estrutura quedefine e delimita qual é o comportamento e quais são asresponsabilidades de cada um dos seus membros.O desenvolvimento de uma estrutura organizacional genvolve a definição de regras e procedimentos internos, adivisão do trabalho, a descrição e funções, oestabelecimento de relações de autoridade entre seusmembros, entre outros. (SOBRAL E PECI, 2008) PECI 6
  • 7. A OrganizaçãoAs empresas representam um tipo específico de organização,uma vez que atuam na lógica das leis do mercado e sãocondicionadas por variáveis ambientais que interagem comseu desenvolvimento.Não procuram apenas a satisfação das necessidades de seusclientes, mas também a de seus trabalhadores,administradores, Estado e fornecedores, necessitando gerarexcedente ou lucro que permita remunerar os seusproprietários ou acionistas, bem como investir na sua auto-sustentação. (SOBRAL E PECI, 2008) PECI 7
  • 8. As empresas produzem bens ou serviços, empregam pessoas,utilizam competências e tecnologias, requerem recursos e,sobretudo, necessitam de administração. O que faz as empresasdiferentes das demais organizações são as seguintescaracterísticas:1.1 As A empresas são orientadas para o l ã i t d lucro;2. As empresas assumem riscos;3. As empresas são dirigidas por uma filosofia de negócios; p g p g ;4. As empresas geralmente são avaliadas sob um ponto de vista contábil;5.5 As empresas geralmente são avaliadas sob um ponto de vista social;6. As empresas devem ser reconhecidas como negócios; p g7. As empresas constituem propriedade privada. 8 (Chiavenato, 2007)Prof. Ana Luísa Vieira de Azevedo
  • 9. A Contribuição da Teoria dos Sistemas 9Prof. Ana Luísa Vieira de Azevedo
  • 10. Teoria dos SistemasPressuposto: As organizações devem ser vistas como sistemasabertosFoco de Análise: A organização, seus subsistemas e a interaçãocom o ambiente onde se insere.Conceitos-Chave: A organização é um sistema aberto, composto por partesinterdependentes entre si; A organização está em contínua interação com o ambienteonde se insere, para recolher os insumos e contribuir comprodutos e serviços. (SOBRAL E PECI, 2008) PECI 10Prof. Ana Luísa Vieira de Azevedo
  • 11. Teoria dos Sistemas Até então as t i organizacionais estudadas f tã teorias i i i t d d focavam os aspectos internos da organização. Nenhuma delas enfocavam as relações que a organização estabelece ç q g ç com o contexto no qual se insere nem a influência desse contexto no desempenho da última. A complexidade e o pluralismo que podem existir dentro da mesma organização não era considerado. A teoria dos sistemas fornece um meio para interpretar as organizações e vai contribuir para uma abertura das visões interna e externa. 11 (SOBRAL E PECI, 2008)Prof. Ana Luísa Vieira de Azevedo
  • 12. Teoria dos Sistemas Essa abordagem vê a organização como um sistema E b d ê i ã i t unificado e direcionado de partes inter-relacionadas. Os administradores podem perceber a organização como um t d todo, composto por partes cuja atividade t t j ti id d afeta, de forma inter-relacionada, a atividade de toda a organização e, paralelamente como parte de um g ç , p p sistema maior que é o ambiente externo. A teoria dos sistemas vai influenciar os avanços teóricos e empíricos na administração. 12 (SOBRAL E PECI, 2008)Prof. Ana Luísa Vieira de Azevedo
  • 13. Definição de Ambiente Organizacional 13Prof. Ana Luísa Vieira de Azevedo
  • 14. Ambiente Organizacional O ambiente organizacional engloba todos os fatores, tanto internos como externos à organização, organização que podem influenciar o progresso obtido por meio da realização de objetivos da g organização. ( (MATIAS-PEREIRA, 2009) ) 14Prof. Ana Luísa Vieira de Azevedo
  • 15. Ambiente Organizacional O ambiente externo é o contexto no qual as organizações existem e q g ç operam, sendo constituído pelos elementos que se encontram fora do limite da organização.Se dividindo em dois substratos: o ambiente contextual e o ambiente operacional: O ambiente contextual inclui todos os fatores que existem fora dos limites da organização, mas que independem da ação dela, tais como: fatores econômicos, político legais, político-legais, socioculturais, demográficos ou tecnológicos. Afeta indiretamente a organização. O ambiente operacional é a parte do ambiente externo diretamente relevante para o alcance dos objetivos da organização. É composto pelas forças, atores e instituições que podem influenciar de forma negativa ou positiva o desempenho da organização e abrange fornecedores, fornecedores clientes ou consumidores empresas competidoras consumidores, competidoras, agências governamentais, entre outros grupos de interesses. O ambiente interno é composto pelos elementos internos da organização, como trabalhadores, administradores, cultura organizacional, tecnologia, estrutura organizacional e instalações físicas. físicas 15Prof. Ana Luísa Vieira de Azevedo (SOBRAL E PECI, 2008)
  • 16. Ambiente contextual Ambiente operacional Fornecedores Concorrentes Grupos Ambiente interno Clientes de Interesse especiais Organização Meios de Instituições comunicação financeiras social Fatores socioculturais 16 (SOBRAL E PECI, 2008)Prof. Ana Luísa Vieira de Azevedo
  • 17. A Importância do Ambiente Externo das Organizações no Contexto Atual 17Prof. Ana Luísa Vieira de Azevedo
  • 18. As organizações vivem, atualmente, em um ambiente em constantes mudanças, as quais têm um impacto determinante no trabalho dos administradores pois administradores, colocam-lhes desafios cada vez maiores. Para enfrentar esses desafios, os administradores precisam reconhecer as tendências do ambiente organizacional, antecipando assim os problemas e aproveitando as oportunidades. Uma das mudanças que mais têm afetado a forma como as organizações fazem negócios está relacionada com a globalização. 18 (SOBRAL E PECI, 2008; STONER E FREEMAN, 2009)Prof. Ana Luísa Vieira de Azevedo
  • 19. Atualmente, observa-se um fluxo de idéias, informações, pessoas, capital e produtos que ultrapassa ç ,p , p p q p todas as fronteiras nacionais. Os administradores precisam desenvolver uma visão global do mundo de negócios, que leve em consideração essa nova realidade e não se limite ao mercado em que tradicionalmente os produtos ou serviços são consumidos. Os clientes, os trabalhadores, os fornecedores e os competidores de hoje são globais e esperam que as organizações atuem globalmente. (SOBRAL E PECI, 2008) PECI 19Prof. Ana Luísa Vieira de Azevedo
  • 20. Ambiente Externo das Organizações Precisamos entender melhor o impacto do ambiente externo sob as organizações, para compreendermos também com mais clareza o fenômeno da globalização nos negócios. O ambiente externo passa por mudanças contínuas e rápidas, com efeitos de longo alcance sobre as organizações e suas estratégias administrativas. A organização é afetada por elementos de ação direta e indireta do ambiente externo. 20Prof. Ana Luísa Vieira de Azevedo
  • 21. Para compreender o ambiente externo e seus efeitos sobre as organizações, devemos pegar alguns conceitos da teoria dos sistemas. Uma d suposições bá i U das i õ básicas d t i d sistemas é da teoria dos i t que as organizações não são auto-suficientes nem independentes. p As organizações trocam recursos com o ambiente externo e d t dependem d l d dele. Lembrando que o ambiente externo é definido como todos os elementos fora de uma organização que são relevantes para sua operação. O ambiente externo tem elementos de ação direta e de ação indireta. ç 21 (STONER E FREEMAN, 2009)Prof. Ana Luísa Vieira de Azevedo
  • 22. Ambiente das Organizações Elementos de ação direta: elementos do meio ambiente que influenciam diretamente as atividades de uma organização. Estes elementos de ação direta estão inseridos nos Ambiente Interno e Operacional das organizações. Elementos de ação indireta: elementos do ambiente externo que afetam o clima em que ocorrem as atividades de uma organização mas que não afetam organização, diretamente a organização. Enquanto os elementos de ação indireta referem-se ao Ambiente Contextual das organizações. 22 (SOBRAL E PECI, 2008; STONER E FREEMAN, 2009)Prof. Ana Luísa Vieira de Azevedo
  • 23. Elementos do Ambiente de Ação Direta O ambiente de ação direta das organizações é composto por stakeholders. Os stakeholders (indivíduos ou grupos de interesse) são todos aqueles que influenciam de forma decisiva ou são importantes para o sucesso das organizações. Pela análise dos stakeholders, a organização pode identificar os principais atores envolvidos seus envolvidos, interesses e o modo como esses interesses afetarão os riscos e as chances de sucesso da organização. 23 (SOBRAL E PECI, 2008; ; STONER E FREEMAN, 2009)Prof. Ana Luísa Vieira de Azevedo
  • 24. Elementos do Ambiente de Ação Direta Os stakeholders externos são os grupos ou indivíduos do ambiente externo de uma organização que afetam suas atividades Como os clientes concorrentes os atividades. clientes, concorrentes, fornecedores, as instituições financeiras, o governo, os grupos de interesses especiais (como movimento de defesa dos consumidores e movimento ambientalista), os sindicatos e os meios de comunicação. Os stakeholders internos incluem grupos ou indivíduos como empregados, acionistas e a diretoria da empresa, que influenciam as atividades da organização f ou são influenciados por ela. A idéia é que eles façam parte do ambiente pelo qual um administrador é responsável. (SOBRAL E PECI, 2008) 24Prof. Ana Luísa Vieira de Azevedo
  • 25. Considerações sobre os Elementos do Ambiente de Ação Direta O papel que os stakeholders representam pode mudar à medida que os ambientes organizacionais evoluem e se d desenvolvem. l Os administradores devem ser sensíveis a este fato quando estiverem identificando as várias influências que atuam sobre o comportamento de um organização e recomendando respostas à mudanças ambientais. d d t às d bi t i Ambos os grupos de stakeholders internos e externos da maioria das organizações têm mudado substancialmente nos últimos anos. 25 (SOBRAL E PECI, 2008; STONER E FREEMAN, 2009)Prof. Ana Luísa Vieira de Azevedo
  • 26. Elementos do Ambiente de Ação Indireta O componente de ação indireta do meio ambiente consiste em variáveis sociais, econômicas, políticas e tecnológicas que influenciam indiretamente a organização. Variáveis sociais: fatores, como por exemplo, a demografia, o estilo de vida e os valores sociais, que podem influenciar uma organização a partir do ambiente externo. Variáveis econômicas: condições e tendências econômicas gerais que podem influenciar as atividades de uma organização. 26 (STONER E FREEMAN, 2009)Prof. Ana Luísa Vieira de Azevedo
  • 27. Variáveis políticas: fatores que podem influenciar as atividades de uma organização em decorrência do processo ou do clima político. Variáveis tecnológicas: novos desenvolvimentos em produtos ou em processos, bem como avanços na ciência, que podem afetar as atividades de uma organização. 27 (STONER E FREEMAN, 2009)Prof. Ana Luísa Vieira de Azevedo
  • 28. Considerações sobre os Elementos do Ambiente de Ação Indireta Esses fatores criam um clima no qual a organização deve se ajustar, e têm o potencial de entrar no ambiente de ação direta direta. O componente d ação i di t d ambiente externo t de ã indireta do bi t t afeta a organização de duas maneiras. Primeiro: algumas forças podem ditar a formação de um grupo g ç p ç g p que eventualmente se torne um stakeholder. Segundo: os elementos de ação indireta criam um clima – uma tecnologia que muda rapidamente crescimento ou rapidamente, declínio econômico, mudanças nas atitudes com relação ao trabalho, no qual a organização existe e ao qual q g ç q precisa, em última instância reagir. 28 (STONER E FREEMAN, 2009)Prof. Ana Luísa Vieira de Azevedo
  • 29. A Dimensão Internacional 29Prof. Ana Luísa Vieira de Azevedo
  • 30. Por que as Empresas se Tornam Internacionais?Há pelo menos quatro motivos:1) Obter acesso a recursos mais confiáveis ou mais baratos;2) Aumentar o retorno sobre o investimento;3) Aumentar sua parcela de mercado; e,4) Evitar tarifas ou quotas de importações estrangeiras. 30Prof. Ana Luísa Vieira de Azevedo (STONER E FREEMAN, 2009)
  • 31. Considerações sobre a Dimensão Internacional Poucas organizações começam como multinacionais. Existem vários estágios de internacionalização que uma organização pode passar. Quando uma empresa planta sua bandeira num novo país, deve estar bem consciente das influências ambientais externas que vão moldar o meio ambiente empresarial. Estas variáveis afetarão os ambientes de ação di t e i di t d organização. ã direta indireta da i ã 31Prof. Ana Luísa Vieira de Azevedo (STONER E FREEMAN, 2009)
  • 32. Considerações sobre a Dimensão Internacional Os administradores precisam considerar que suas empresas podem t stakeholders i t d ter t k h ld internos e externos t em outros países. Além disso, a globalização afeta o ambiente de ação indireta podendo trazer impactos para as organizações. Os administradores devem estar conscientes das variáveis sociais, econômicas, políticas e tecnológicas em cada país que desejam negociar ou esperam competir. ti 32Prof. Ana Luísa Vieira de Azevedo (STONER E FREEMAN, 2009)
  • 33. Concluindo Como vimos o A bi t O C i Ambiente Organizacional é composto por i i l t elementos de ação direta e indireta. Os elementos de ação direta (formados por ç ( p stakeholders) podem ser internos (ambiente interno) e externos (ambiente operacional). Os elementos de ação indireta são compostos por variáveis externas a organização inseridas no ambiente contextual. 33Prof. Ana Luísa Vieira de Azevedo
  • 34. Concluindo Embora não possamos ignorar os efeitos dos elementos de ação direta internos, que sabemos que influenciam significativamente a organização nosso interesse está organização, neste momento em ressaltar a importância do efeitos do ambiente externo (seja direto ou indireto) sobre as organizações. E destacar que uma das mudanças mais importantes no ambiente externo é a globalização dos negócios com efeitos diretos e indiretos sobre o ambiente que precisam ser considerados pelas organizações (STONER e FREEMAN 2009) FREEMAN, 2009). 34Prof. Ana Luísa Vieira de Azevedo
  • 35. b) Apresentação de Exemplos 35Prof. Ana Luísa Vieira de Azevedo
  • 36. Influência das Variáveis Ambientais Externas 36Prof. Ana Luísa Vieira de Azevedo
  • 37. Análise de Stakeholders 37Prof. Ana Luísa Vieira de Azevedo
  • 38. Análise de Stakeholders 38Prof. Ana Luísa Vieira de Azevedo
  • 39. Análise de Stakeholders 39Prof. Ana Luísa Vieira de Azevedo
  • 40. 40Prof. Ana Luísa Vieira de Azevedo
  • 41. Reflexos da Globalização 41Prof. Ana Luísa Vieira de Azevedo
  • 42. Reflexos da Globalização 42Prof. Ana Luísa Vieira de Azevedo
  • 43. Referências UtilizadasBERNARDES, Cyro; MARCONDES, Reynaldo C. TeoriaGeral da Administração: gerenciando organizações 3 ed organizações. 3. ed.São Paulo: Saraiva, 2003.CHIAVENATO, Idalberto. Administração: teoria, processo eprática. 4. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.SOBRAL, Filipe; PECI, Alketa. Administração: teoria eprática no contexto brasileiro São Paulo: Pearson Prentice brasileiro.Hall, 2008.STONER, James A FSTONER J A. F.; FREEMAN R FREEMAN, R. Edward. Ed dAdministração. 5 ed. Rio de Janeiro: LTC, 2009. 43Prof. Ana Luísa Vieira de Azevedo