Terapia Cognitiva

11.212 visualizações

Publicada em

www.oconsultorio.com 0(11)22748217 - Alexandre Rivero psicólogo apresenta a Terapia Cognitiva.

Publicada em: Educação, Tecnologia
0 comentários
11 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
11.212
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
13
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
374
Comentários
0
Gostaram
11
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Terapia Cognitiva

  1. 1. Terapias Cognitivas Alexandre Rivero
  2. 2. Filosofia <ul><li>Filosofia estóica (350 a.C al 180 d.C) </li></ul><ul><li>Fundada pelo grego Zenón a vida deveria ser dirigida pela virtude. Deveriamos ter controle dos estados emocionais  ética estóica grega (Zenón de Citio, Crisipo e Epicteto) e a romana (Marco Aurélio, Séneca e Cicerón). Na obra &quot;Enchiridon&quot; afirma que os homens se perturbam mais pela maneira como percebem os acontecimentos que pelos mesmos . </li></ul><ul><li>filosofia religiosa oriental budista y taoísta. </li></ul><ul><li>No Oriente Gautama (Buda) 566 a.C  prega o domínio do sofrimento físico e emocional através do domínio das paixões. O budismo acredita que a realidade é construída pelo pensamento , pelos juízos de valores.      </li></ul>
  3. 3. Terapia Racional Emotiva e Terapia Cognitiva Albert Ellis Aaron Beck
  4. 4. Teoria Racional Emotiva de Albert Ellis O modelo A-B-C do funcionamento psicológico <ul><li>A maioria das pessoas sonham manter um modelo atribucional o causal sobre sua própria conduta centrado nos eventos externos. Podemos representar este modelo: </li></ul><ul><li>A : acontecimentos.      C : conseqüências </li></ul><ul><li>      De modo que podemos representá-lo: </li></ul><ul><li>A ----------------------------------------------------------------- C ( Acontecimento )                                             ( Conseqüência ) </li></ul>
  5. 5. Modelo da Terapia Racional-Emotiva <ul><li>O modelo da terapia racional-emotiva propõe que o processo que leva a produzir a &quot;condutas&quot; de &quot;saúde&quot; ou de &quot;transtorno emocional&quot; esta bem distinto: </li></ul><ul><li>A ------------------------- B --------------------------- C ( Acontecimento )          (&quot; B elief&quot;:Crenças sobre A) ( Conseqüências ) </li></ul>
  6. 6. Modelo da Terapia Racional-Emotiva <ul><li>Resumindo não são os acontecimentos externos no geral (salvo eventos externos o internos extremos: Ex:: &quot;terremoto&quot;, &quot;dor extrema&quot;) os que produzem as conseqüências comportamentais, emocionais e cognitivas. Mas sim o sujeito, valorizando pessoalmente estes evento. Os eventos terão uma maior ou menor ressonância nas conseqüências, produzindo estados emocionais perturbadores extremos e irracionais ou racionais dependerá fundamentalmente das atitudes valorativas (crenças) do sujeito particular. </li></ul><ul><li>Estes acontecimentos serão valorados tendo em vista as implicações nas metas pessoais do sujeito. As metas podem ser perseguidas de modo irracional, produzindo um &quot;processamento da informação absolutista&quot; e conseqüências psicológicas transtornantes&quot; (Campell,1990) ou conseqüências emocionais saudáveis. Predominando um ou outro “processamento da informação” teremos um perfil de “saúde psicológica ou transtorno psicológico”. </li></ul>
  7. 7. A natureza da saúde e das alterações psicológicas <ul><li>Ellis (1962, 1981, 1989 e 1990) propõe que as 3 principais crenças irracionais primárias : </li></ul><ul><li>a- Referente a meta de Aprovação/Afeto : &quot;TENHO que conseguir O AFETO E A APROVAÇÃO das pessoas importantes para mim&quot;. </li></ul><ul><li>b- Referente a meta de Êxito/Competência o Habilidade pessoal: &quot;TENHO que ser competente (o ter muito êxito), não cometer erros e conseguir meus objetivos&quot;. </li></ul><ul><li>c- Referente a meta de Bem estar   </li></ul><ul><li>&quot;TENHO que conseguir facilmente o que desejo (bens materiais, emocionais e sociais) e não sofrer por isto&quot;. </li></ul><ul><li>Estas experiências são modelos-representacionais das três </li></ul><ul><li>principais crenças irracionais que fazem VULNERABILIZAM as </li></ul><ul><li>pessoas para sofrer de TRASTORNO EMOCIONAL. </li></ul>
  8. 8. A natureza da saúde e das alterações psicológicas <ul><li>3 crenças irracionais secundarias: </li></ul><ul><li>a- Referente ao valor aversivo da situação: TERROR .   “Isto é horroroso, não pode ser tão mal como parece&quot;. </li></ul><ul><li>b- Referente a capacidade para afrontar a situação desagradável: INSUPORTABILIDADE .   &quot;No posso suportar, não posso experimentar nenhum mal-estar nunca&quot;. </li></ul><ul><li>c- Referente a valorização de si mesmo e dos outros a partir de um acontecimento: CONDENAÇÃO  “Eu/Ele é...um X negativo (Ex: inútil, desgraçado...) porque fez algo indevido&quot;. </li></ul><ul><li>(3º estágio cognitivo e menos central determinando as conseqüências emocionais, estão as DISTORÇÕES COGNITIVAS Os erros influenciando o pensamento e que são alterações cognitivas ligadas as situações específicas e não centradas como as crenças irracionais.) </li></ul>
  9. 9. Crença Racional e Crença Irracional <ul><li>1. TRISTEZA : Derivada da Crença Racional: “Sofri nesta situação, mas não há nenhuma razão para não ter ocorrido” -VERSUS- </li></ul><ul><li>1. DEPRESSÃO : Derivada da Crença Irracional: &quot;Não deveria ter sofrido esta perda e é terrível que seja assim&quot; . Se acredita-se responsável condena-se : “Não sou bom&quot;, e se acredita fora das condições de controle : “É terrível&quot; </li></ul><ul><li>2. INQUIETUDE : Derivada da Crença Racional: &quot;Espero que isto não ocorra e seria má sorte se ocorresse&quot; </li></ul><ul><li>-VERSUS- </li></ul><ul><li>2. ANSIEDADE : Derivada da Crença Irracional: “Isto não deveria ocorrer, seria horrível se ocorre-se“ </li></ul><ul><li>3. DOR : Derivada da Crença Racional: &quot;Prefiro não fazer alguma coisa má, contudo se não conseguir paciência!&quot; </li></ul><ul><li>-VERSUS- </li></ul><ul><li>3. CULPA : Derivada da Crença Irracional: &quot;Não devo fazer alguma coisa má e se fizer sou um Malvado&quot; </li></ul><ul><li>4. DESGOSTO : Derivada da Crença Racional: &quot;Não gosto do que foi feito, e me agradaria que não houvesse ocorrido, mas os outros podem quebrar minhas normas.&quot; </li></ul><ul><li>-VERSUS- </li></ul><ul><li>4. IRA : Derivada da Crença Irracional: &quot;Não deveriam ter feito isto. Não suporto e ele é um malvado por isso.&quot; </li></ul>
  10. 10. Aquisição e manutenção dos transtornos psicológicos. <ul><li>Ellis (1989) diferencia entre a Aquisição das crenças irracionais e a Manutenção das mesmas. </li></ul><ul><li>Aquisição  fatores que facilitam o surgimento: </li></ul><ul><li>a- Tendência inata dos humanos a irracionalidade: os seres humanos tem nos seus cérebros regiões pré-corticais produtos da evolução como espécie que facilitam a aparição de tendências irracionais no comportamento. (Wallon  Subcortical e Vygotsky  Processos Elementares) </li></ul>
  11. 11. Aquisição e manutenção dos transtornos psicológicos. <ul><li>b- Historia de aprendizagem: os seres humanos, sobretudo, na época de socialização infantil, podem aprender através da experiência direta e dos modelos sócio-familiares determinadas crenças irracionais. </li></ul><ul><li>Também se destaca neste ponto que uma pessoa pode ter aprendido crenças e comportamentos racionais, mas devido a tendência biológica pode convertê-los em crenças irracionais. </li></ul>
  12. 12. Aquisição e manutenção dos transtornos psicológicos. <ul><li>Manutenção  fatores que facilitam a permanência: </li></ul><ul><li>a- Baixa tolerância a frustração : a pessoa, seguindo suas exigências de bem-estar, vive um hedonismo a curto prazo. (&quot;Tenho que estar bem agora!&quot;). </li></ul><ul><li>b- Mecanismos de defesa psicológicos : Derivados da baixa tolerância a frustração e intolerância ao mal-estar. </li></ul><ul><li>c- Sintomas secundários : Derivados também da baixa tolerância a frustração e intolerância ao mal-estar. Constituem problemas secundários e consistem em &quot;ESTAR PERTURBADOS PELA PERTURBAÇÃO&quot; (ex: ansiedade por estar ansioso: “Estou ansioso e não deveria estar”). </li></ul>
  13. 13. Para Ellis os três focos, que podem, produzir modificações emocionais, cognitivas e comportamentais são A, B, e C: <ul><li>O mais importante é o B do modelo A- B -C, a modificação de crenças irracionais. </li></ul><ul><li>Existem diferentes níveis de &quot;profundidade&quot; e generalização: </li></ul><ul><li>- INSHIGT Nº 1: Que a pessoa tome consciência de que seu transtorno deriva de B (Irracional) e não diretamente de A. - INSHIGT Nº 2: Que a pessoa tome consciência de que ela por auto doutrinação ou auto reforço mantém a crença irracional. </li></ul><ul><li>- INSHIGT Nº 3: Que a pessoa trabalhe ativamente a substituição das crenças irracionais por crenças racionais mediante intervenções comportamentais, cognitivas e emocionais. </li></ul>
  14. 14. Aaron Beck <ul><li>1956, A. Beck /clínico e investigador psicanalista  depressões  &quot;hostilidade voltada contra si mesmo&quot; formulação freudiana. </li></ul><ul><li>Os resultados obtidos não confirmaram esta hipótese, levando-o a questionar a psicanálise. </li></ul><ul><li>Os dados obtidos apontam que os pacientes depressivos &quot;selecionam&quot; focalmente sua visão de seus problemas, percebendo-os como muito negativos. </li></ul><ul><li>Muitos anos de psicanálise (técnica habitual) de pacientes depressivos, com resultados pequenos para custo tão alto, levaram a abandonar o campo da psicanálise. </li></ul>
  15. 15. Aaron Beck <ul><li>Beck interessa-se aos aspectos cognitivos da psicopatologia e da psicoterapia. </li></ul><ul><li>1967 publicou “A Depressão&quot; que pode ser considerada sua primeira obra na qual expõe modelo cognitivo de psicopatologia e de psicoterapia. Anos depois publica “A Terapia Cognitiva dos Transtornos Emocionais&quot; (1976) extendendo seu enfoque terapêutico à transtornos emocionais. Mas sua obra &quot;Terapia Cognitiva da Depressão&quot; (1979)  obra de reconhecimento no âmbito clínico. Expõe como estruturar um caso, descrições das técnicas de tratamento. </li></ul><ul><li>Atualmente desenvolveu seu modelo dos transtornos de ansiedade. </li></ul>
  16. 16. Principais conceitos teóricos <ul><li>A-ESTRUTURA DO SIGNIFICADO E PSICOPATOLOGÍA: </li></ul><ul><li>A terapia cognitiva (T.C) é um sistema de psicoterapia baseado numa teoria e psicopatologia que tem como pressuposto a idéia de que a percepção e a estrutura das experiências do individuo determinam seus sentimentos e comportamentos (Beck, 1967 e 1976). </li></ul><ul><li>O conceito de estrutura cognitiva pode receber outros nomes como o de ESQUEMA COGNITIVO e no âmbito clínico de SUPOSIÇOES PESSOAIS (Beck, 1979). </li></ul><ul><li>Equivalem também as Crenças segundo a concepção de A. Ellis (1989 e 1990). A estrutura de pensamento de cada pessoa, os padrões cognitivos estabilizados mediante as conceitos idiossincráticos da experiência pessoal. Se refere a uma organização conceptual abstrata de valores, crenças e metas pessoais, que podem ser ou não conscientes. </li></ul><ul><li>Os esquemas podem permanecer &quot;inativos ao longo do tempo&quot; e diante situações desencadeantes (de ordem física, biológica ou social), se ativam e atuam através de situações concretas produzindo distorções cognitivas (processamento cognitivo da informação distorcido) e cognições automáticas (pensamentos negativos, que seriam os conteúdos das distorções cognitivas). </li></ul>
  17. 17. Principais conceitos teóricos <ul><li>B- COGNIÇÃO: </li></ul><ul><li>Refere-se a valorização de acontecimentos vividos pelo individuo e refere-se a eventos temporais passados, atuais ou esperados. Os pensamentos ou imagens que podem ser conscientes ou não.(Beck, 1981): </li></ul><ul><li>b.1.UM SISTEMA COGNITIVO MADURO - Informação Real. Contém os processos que podemos denominar como racionais e a resolução de problemas a base de constatação de hipóteses e verificação . </li></ul><ul><li>b.2. UM SISTEMA COGNITIVO PRIMITIVO- Suposições Pessoais . Esta organização cognitiva é predominante nos transtornos psicopatológicos . Esta forma de pensamento é similar a concepção freudiana dos &quot;processos primários&quot; e de Piaget de &quot;Egocentrismo&quot; e primeiras etapas do desenvolvimento cognitivo. </li></ul>
  18. 18. Principais conceitos teóricos <ul><li>C-DISTORÇÃO COGNITIVA E PENSAMENTOS AUTOMÁTICOS: </li></ul><ul><li>Os erros do processamento da informação derivados dos esquemas cognitivos ou suposições pessoais recebem o nome de distorção cognitiva . Basicamente seriam erros cognitivos . Beck (1967 e 1979) identifica na depressão não psicótica os siguintes: </li></ul><ul><li>c.1. INFERÊNCIA ARBITRARIA : proceso de adiantar una determinada conclusão na ausência da evidencia que a aprove ou quando a evidência é contrária. </li></ul><ul><li>c.2. ABSTRAÇÃO SELETIVA : Consiste em centrar-se em um detalhe extraído fora de contexto, ignorando outras características mais relevantes da situação, e valorizando toda a experiência na base deste detalhe. </li></ul><ul><li>c.3. GENERALIZAÇÃO : processo de elaborar una conclusão geral a partir de um ou vários feitos isolados e de aplicar esta conclusão a situações não relacionadas entre si. </li></ul><ul><li>c.4. MAXIMIZAÇÃO E MINIMIZAÇÃO : Dá-se um peso exagerado à acontecimentos ou subestima-os diante da evidência real. </li></ul><ul><li>c.5. PERSONALIZAÇÃO : tendência excessiva da pessoa atribuir acontecimentos externos como referidos a sua pessoa, sem que exista evidência para isto. </li></ul><ul><li>c.6. PENSAMENTO DICOTÔMICO OU POLARIZAÇÃO : tendência a classificar as experiências numa ou noutra categorias opostas e extremas. Não considerando a evidência de valorizações intermediárias. </li></ul>
  19. 19. Pensamentos Automáticos <ul><li>Os pensamentos automáticos são os conteúdos destas distorções cognitivas derivadas da confluência da valorização dos eventos e das suposições pessoais . As características gerais dos pensamentos automáticos são (Mckay, 1981): </li></ul><ul><li>1-Mensagens específicos (“taquigráficas”). </li></ul><ul><li>2-Idéias irracionais e não baseiam-se em evidencias suficientes. </li></ul><ul><li>3-São espontâneas ou involuntárias , difíceis de controlar. </li></ul><ul><li>4-Tendem a dramatizar seus conteúdos na experiência. </li></ul><ul><li>5-Visão de Túnel tendem a produzir uma determinada percepção e valorizar alguns eventos. Assim temos:    5.a. os indivíduos ansiosos se preocupam pela antecipação de perigos .    5.b. os indivíduos deprimidos tem obsessão por perdas .    5.c. as pessoas cronicamente irritadas se centram na injusta e inaceitável conduta dos outros...etc... </li></ul>
  20. 21. CONTROLANDO OS PENSAMENTOS AUTOMÁTICOS SITUAÇÃO APREENSÃO (40) Preparei e ensaiei várias vezes a entrevista e sei o que vou falar. É improvável que eu esqueça tudo. Qual o problema se eventualmente não souber alguma resposta? Provavelmente me expressarei de maneira confusa. Minha apresentação será péssima. Com certeza o entrevistador fará perguntas que eu não saberei responder. MEDO (90) Entrevista de Emprego, que devo fazer EMOÇÃO (0 – 100) RESPOSTA RACIONAL PENSAMENTOS AUTOMÁTICOS EMOÇÃO (0 – 100)
  21. 22. Alexandre Rivero <ul><li>Psicólogo, mestrado em Psicologia da Educação (USP) </li></ul><ul><li>Especialista em Psicologia Clínica (Conselho Regional de Psicologia – CRP-6) </li></ul><ul><li>Supervisor Clínico: Consultório de Psicologia e Resignificação Humana </li></ul><ul><li>Professor Universitário </li></ul><ul><li>Assessoria em Escolas </li></ul><ul><li>www.oconsultorio.com </li></ul><ul><li>[email_address] </li></ul>

×